Page 1

O PROJETO 94


A CIDADE DE BEBEDOURO

À região, compreendida entre os Rios Pardos, em 1885, era sítio de pousada dos tropeiros e boladeiros, que demandavam o sertão para Jaboticabal. Num córrego existente, conhecido por Bebedouro, os animais saciavam pela sede. O nome passou a pertencer ao povoado nascente. O patrimônio adquirido foi doado a São João Batista do Bebedouro, seu Padroeiro, em 03 de Maio de 1884, e os povoadores passaram a se concentrar na área, doando início ao povoado. A cidade nasceu de um sonho de céu aberto, à beira de um córrego conhecido com “Bebedor” chamado pelos tropeiros do Bebedor, que posteriormente se tornaria “Bebedor” e depois “Bebedouro”. Bebedouro é um município localizado na região Norte do estado de São Paulo. È privilegiada pela sua localização estratégica e com uma estrutura desenvolvida.

Figura 50 - Mapa da cidade de Bebedouro/SP http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:SaoPaulo_Municip_Bebedouro.svg

95


OBJETIVO Objetivos Gerais Desenvolver o referencial teórico para o projeto de uma clinica de reabilitação voltada para área de fisioterapia, abordando conceitos de sustentabilidade, acessibilidade e conforto ambiental na arquitetura. Objetivos Específicos

I - Possibilitar aos moradores da cidade Bebedouro, o acesso a um atendimento fisioterapêutico de qualidade. II - Garantir aos moradores, melhoria da qualidade de vida na área da saúde, além de participar do compromisso social e atender parte das necessidades reais do local.

96


Dentro desses dois eixos principais, a clínica terá como princípio: 

A missão de enxergar cada paciente como um todo e não com a especificidade da patologia que apresenta apontando uma dinâmica de atendimento que privilegia a visão humana do paciente e seus familiares com atendimento personalizado e individualizado. Para isso, contarão com profissionais graduados e especializados em suas respectivas áreas de desempenho.

Além do atendimento fisioterapêutico, as equipes que atuaram no local poderão oferecem palestras, cursos e orientações na área de saúde da família, associando ao atendimento do paciente a extensão do tratamento em casa.

As principais atividades desenvolvidas no local são: mecanoterapia e técnicas fisioterapêuticas.

97


IMPLANTAÇÃO

A área estudada, referente a clínica de fisioterapia, localiza-se próximo ao anel viário da cidade, onde se encontram as principais vias arteriais que levam até as outras vias locais. O terreno sendo de esquina fica entre uma das avenidas mais importantes da cidade, que é a Avenida Raul Furquim que corta todo o anel viário até o centro de Bebedouro. E entre a Rua Mauro de Abreu, estando então, no bairro Jardim Casagrande. Praticamente um bairro residencial, lá também se encontra próximo do terreno estudado a antiga FECCIB ( Feira Citrícola, Comercial e Industrial de Bebedouro) que é um núcleo institucional da cidade. Figura 51 - Vista Aérea Fonte: WWW.earth.google.com

98


Fotos 52,53 e 54 do Terreno Fonte: Acervo Stella Spadoni

99


ZONEAMENTO URBANO A clínica de fisioterapia está em três tipos de Zoneamento Urbano: ZR1 – 01 Zona Residencial 01. Zona de uso Exclusivamente Residencial de baixa intensidade. ZCE2 Zona de Corredores especiais e de comércios e de serviços. ZCE3 Zona de Corredores especiais e de comércios e de serviços. E próximo da ZMC ( Anel Viário) ZMC Zona de Uso Misto Central de alta intensidade

Figura 55 - Mapa de Zoneamento Urbano Fonte: acervo Prefeitura Municipal de Bebedouro / SP

100


USO E OCUPAÇÃO DO SOLO A imagem ao lado demonstra como os lotes são ocupados na região da clínica. VERDE: Área Verde; AZUL: Institucional; AMARELO: Residencial; VERMELHO: Comercial; LARANJA: Prestação de Serviço; ROXO: Clínica de Fisioterapia;

Figura 56 - Mapa de Uso e Ocupação do Solo Fonte: acervo Prefeitura Municipal de Bebedouro / SP

101


TOPOGRAFIA A imagem ao lado demonstra as linhas de nível da área estudada.

VERDE: linhas de nível entre o terreno; ROXO: Clínica de Fisioterapia.

Figura 57 - Mapa de Curvas de Níveis Fonte: acervo da Prefeitura Municipal de Bebedouro / SP

102


PARTIDO ARQUITETÔNICO A cidade de Bebedouro por estar muito bem situada na região do interior de São Paulo e por ter uma boa infraestrutura ela acaba recebendo a população de cidade vizinhas como Monte Azul, Terra Roxa, Varadouro entre outra que a entornam, para o uso da cidade, prestações de serviços de saúde e Universidades. Uma das Universidades encontra-se o curso de Fisioterapia que fez com que o objeto de estudo criasse mais raízes para ser levado esse trabalho final de graduação. A partir de estudos para atender usuários que necessitem de recursos especiais era necessário não só o projeto, e sim ser acessível, O terreno escolhido é próximo ao Anel Viário da cidade que é feito pelas principais avenidas e contorna todo o centro da cidade, ligando via locais, e rodovias. A área do projeto fica entre a Av. Raul Furquim, uma das avenidas mais importantes da cidade e que cruza com esse Anel Viário e finaliza no centro da Cidade. à Rua Mauro de Abreu que liga uma zona Residencial com pequenas Prestações de Serviços. Uma perfeita região com rapidez de acesso viária e tranquilidade para embarque e desembarque de usuários que necessitam de atenção e carinho. Ao pensar no projeto da Clinica de Fisioterapia, ela tende a ser portadora de iluminação e ventilação natural prezando o conforto e acessibilidade para o projeto e resultado.

103


PROGRAMA

DE

NECESSIDADES

- RECEPÇÃO; - BANHEIROS FEMININO/MASCULINO (COM VESTIÁRIOS); - BANHEIROS PARA DEFICIENTES (COM VESTIÁRIOS); - LANCHONETE; - AMBULATÓRIO; - ALMOXARIFADO; - CONSULTÓRIOS ; - SALAS PARA TRATAMENTO ; - SALAS PARA FISIOTERAPEUTOS ; - ÁREA ADMINISTRATIVA:; TESOURARIA, CONVÊNIOS, DIRETORIA, CTP (CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS); - DML (DEPOSITO DE MATERIAL DE LIMPEZA); - ÀREA DE SERVIÇO;

- COPA PARA FUNCIONÁRIOS. 104


PLANO DE MASSAS A imagem demonstra o plano de massas da clĂ­nica de fisioterapia .

ESTUDOS PRELIMINARES

105


ESTUDOS PRELIMINARES

106


ANEXOS Portaria nº 2.224/GM Em 5 de dezembro de 2002. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a grande quantidade e diversidade de instituições hospitalares existentes no País, vinculadas ao Sistema Único de Saúde; Considerando a necessidade de estabelecer políticas e planejamento de ações específicas, a serem desenvolvidas pelo Ministério da Saúde na área hospitalar, e que estas sejam compatíveis com as características de cada hospital integrante do Sistema; Considerando as diferentes características destes hospitais, especialmente no que diz respeito ao número de leitos disponíveis, existência e complexidade de serviços, perfil assistencial, capacidade de produção de serviços, dentre outras; Considerando que somente a análise do conjunto destas características permitirá identificar as semelhanças para estabelecer uma classificação, visando sua inserção no Sistema Único de Saúde, definindo o grau de complexidade de sua gestão, o nível de responsabilidade sanitária e direcionamento assistencial; Considerando que a classificação hospitalar se dará a partir do agrupamento dos hospitais com características semelhantes, sistematizando, desta forma, o conhecimento sobre grupos de hospitais e facilitando a adoção de políticas e de planejamento já citadas; Considerando as sugestões apresentadas à Secretaria de Assistência à Saúde no processo promovido pela Consulta Pública SAS/MS n. º 03, de 14 de maio de 2002 – Anexo I, e

107


Considerando que uma classificação deva refletir fielmente a realidade de cada uma das instituições hospitalares e que esta realidade tenha relação direta com as informações cadastrais disponíveis sobre cada instituição, resolve: Art. 1º Estabelecer o sistema de Classificação Hospitalar do Sistema Único de Saúde. Parágrafo único. A classificação cujo sistema é ora estabelecido será aplicada aos hospitais integrantes do Sistema Único de Saúde, ordenando-os, de acordo com suas características, em um dos seguintes Portes: a - Hospital de Porte I; b - Hospital de Porte II; c - Hospital de Porte III; d - Hospital de Porte IV. Art. 2º Determinar que a classificação de cada hospital se dará segundo seu enquadramento em um dos Portes estabelecidos no Artigo 1º desta Portaria, de acordo com o somatório de pontos obtidos nos respectivos intervalos de pontos estabelecidos para cada Porte. Art. 3º Determinar que o enquadramento de cada hospital em um dos Portes estabelecidos no Artigo 1º desta Portaria se dará respeitando o intervalo de pontos atribuídos para cada Porte, conforme definido no Artigo 4º desta Portaria, considerando o somatório da pontuação alcançada como resultado da aplicação dos itens de avaliação, definido pela seguinte Tabela de Pontuação:

108


ITENS DE AVALIAÇÃO

PONTOS POR ITEM

1 Ponto

A

B

C

D

E

F

G

N. º DE LEITOS.

LEITOS DE UTI

TIPO DE UTI

ALTA COMPLE -XIDADE

URGÊNCIA/

GESTA-ÇÃO DE ALTO RISCO

SALAS CIRÚR-GICAS

20 a 49

01 a 04

-----

EMERGÊNCIA

1

Pronto Atendimento

-------

Até 02

Nível I

Entre 03 e 04

Nível II

Entre 05 e 06

2 Pontos

50 a 149

05 a 09

Tipo II

2

Serviço de Urgência/Em ergência

3 Pontos

150 a 299

10 a 29

------

3

Referência Nível I ou II

4 Pontos

300 ou mais

30 ou mais

Tipo III

PONTOS TOTAIS

Mínimo 1

Máximo 27

4 ou mais

Referência -----Nível III

Acima de 08

109


§ 1º A verificação do cumprimento dos Itens de Avaliação estabelecidos na Tabela de Pontuação definida no caput deste Artigo e sua respectiva pontuação serão realizadas pela Secretaria de Assistência à Saúde, no momento da Classificação Hospitalar, por meio de consulta ao Banco de Dados Nacional de Estabelecimentos de Saúde, criado pela Portaria SAS/MS N.º 511, de 29 de dezembro de 2000, disponível no Departamento de Informática do SUS - DATASUS; § 2º A pontuação dos hospitais, para fins de classificação, terá como base a Tabela de Pontuação e serão realizados pela atribuição dos respectivos números de pontos previstos nas colunas denominadas “Pontos por Item” e identificadas pelas letras de “A” a “G”, em cada um dos “Itens de Avaliação”, sendo que o somatório dos pontos obtidos será utilizado, segundo os intervalos de pontuação estabelecidos no Artigo 4º desta Portaria, para enquadramento do Hospital em seu correspondente Porte; § 3º A avaliação e enquadramento dos hospitais, no momento da Classificação Hospitalar, em cada um dos “Itens de Avaliação” se dará de acordo com os seguintes entendimentos estabelecidos: Leitos Cadastrados: Coluna “A”- será considerado o quantitativo total dos leitos existentes no hospital cadastrados no Cadastro de Estabelecimentos de Saúde, contratados ou não pelo SUS; Leitos de UTI: Coluna “B” - será considerado o quantitativo de leitos cadastrados em Unidade(s) de Terapia Intensiva (Adulto, Neonatal e Pediátrica), independentemente da classificação de tipo de UTI; Tipo de UTI: Coluna “C” - será considerado o cadastramento de UTI no Sistema Único de Saúde de acordo com seu Tipo II ou III (conforme Portaria GM/MS nº 3432, de 12 de agosto de 1998), sendo que na hipótese da existência de mais de uma unidade cadastrada, será pontuada apenas uma delas - aquela que corresponder ao maior número de pontos;

110


Alta Complexidade: Coluna “D” - será considerado o quantitativo de serviços de alta complexidade existentes no hospital e devidamente cadastrados/contratados pelo SUS, podendo ser computados para tanto: Serviços/Centros de Alta Complexidade em Assistência Cardiovascular (não serão computados Hospitais Gerais com Serviço de Implante de Marcapasso Permanente), tratamento das Lesões Lábio Palatais e Implante Coclear, Neurocirurgia, Traumato-Ortopedia, Tratamento Cirúrgico da Epilepsia, Assistência a Queimados, Oncologia, Cirurgia Bariátrica e Transplantes (considerar como 1 sistema o cadastro para realização de transplante de cada tipo de órgão); Urgência/Emergência: Coluna “E” - será considerada a existência (1) de Serviço de Pronto Atendimento nas 24 horas do dia com equipe presente, pelo menos, de urgências em pediatria e clínica médica, ou equipe daespecialidade(s) oferecida no caso de hospitais especializados, ou (2) de Serviço de Urgência e Emergência com atendimento nas 24 horas do dia, com equipe presente, de urgências e emergências em pediatria, clínica médica, cirurgia geral, ortopedia e anestesia, todos disponíveis para o SUS, ou ainda (3) a existência de Serviço de Urgência e Emergência cadastrado pelo Ministério da Saúde segundo a Portaria GM/MS nº 479, de 15 de abril de 1999, em Hospital integrante do Sistema Estadual de Referência Hospitalar em Atendimento de Urgências e Emergências, de acordo com seus respectivos Níveis I, II ou III; Gestação de Alto Risco: Coluna “F” - será considerada a existência de Serviço de Atendimento de Gestação de Alto Risco cadastrado pelo Ministério da Saúde segundo a Portaria GM/MS Nº 3477, de 20 de agosto de 1988, como Hospital integrante do Sistema Estadual de Referência Hospitalar em Atendimento à Gestação de Alto Risco, de acordo com seus respectivos Níveis I e II; Salas Cirúrgicas: Coluna “G” - será considerado o quantitativo total de salas cirúrgicas existentes no hospital.

111


Art. 4º Estabelecer que o total de pontos obtido, resultante da aplicação da Tabela de Pontuação constante do Artigo 3°, levará ao enquadramento dos hospitais no Sistema de Classificação Hospitalar do Sistema Único de Saúde em seu correspondente Porte, de acordo com o definido no Artigo 1º e em conformidade com o que segue: Porte I - de 01 a 05 pontos Porte II - de 06 a 12 pontos Porte III - de 13 a 19 pontos Porte IV - de 20 a 27 pontos Art. 5º Determinar que a Secretaria de Assistência à Saúde, utilizando-se dos dados do Banco de Dados Nacional de Estabelecimentos de Saúde disponível no DATASUS e dos critérios estabelecidos nesta Portaria, classifique, em seus respectivos Portes, todos os hospitais integrantes do Sistema Único de Saúde. §1º Aquelas instituições que realizam internações de pacientes e dispõem de 05 a 19 leitos instalados e informados no Banco de Dados mencionado no caput deste Artigo não serão objetos da Classificação Hospitalares ora estabelecida, passando estas instituições a serem consideradas e denominadas pelo Ministério da Saúde como Unidades Mistas de Internação - UMI, sendo que a Secretaria de Assistência à Saúde, em ato próprio, deve definir o perfil assistencial destas Unidades; § 2° Aquelas instituições que disponham de 05 a 19 leitos instalados e realizem atendimento especializado, desde que cumpridos os respectivos requisitos técnicos para tal, e sejam devidamente cadastradas no Banco de Dados Nacional de Estabelecimentos de Saúde -

112


DATASUS nas especialidades de cardiologia, oftalmologia, psiquiatria, tratamento da AIDS e serão enquadradas, para fins de Classificação Hospitalar, no Porte I; § 3º Aquelas instituições que disponham de 19 ou menos leitos instalados e cadastradas em conformidade com o estabelecido na Portaria GM/MS Nº 44, de 10 de janeiro de 2001, serão enquadradas como Unidades de Hospital-Dia. Art. 6º Definir que aquele hospital cujo enquadramento no respectivo Porte da Classificação Hospitalar realizada pelo Ministério da Saúde não coincidir com a efetiva realidade dos serviços deste hospital, poderá solicitar à Secretaria de Assistência à Saúde sua reclassificação; § 1º Para solicitar reclassificação, o hospital deverá providenciar junto ao respectivo gestor do SUS, o preenchimento/atualização de sua Ficha Cadastral dos Estabelecimentos de Saúde, conforme modelo aprovado pela Portaria SAS/MS n.º 511/2000, que deverá ser implantada no DATASUS, e enviar cópia desta Ficha, devidamente autorizada e assinada pelo respectivo gestor, à Secretaria de Assistência à Saúde, comprovando desta forma o enquadramento no Porte de classificação pretendido. Art. 7º Determinar à Secretaria de Assistência à Saúde a adoção das medidas necessárias ao pleno cumprimento do disposto nesta Portaria. Art. 8º Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. BARJAS NEGRI .

113


Fisioterapia é uma boa ideia? É o conjunto de técnicas usadas no tratamento e na prevenção de doenças e lesões. O fisioterapeuta previne, diagnostica e trata disfunções do organismo humano causadas por acidentes, má-formação genética ou vício de postura. Para isso, usa métodos como massagem e ginástica, com a finalidade de restaurar e desenvolver a capacidade física e funcional do paciente. Também faz tratamentos à base de água, calor, frio e aparelhos especiais. Além de ajudar na recuperação de pacientes acidentados e portadores de distúrbios neurológicos, cardíacos ou respiratórios, trabalha com idosos, gestantes, crianças e portadores de deficiência física ou mental. Pode atuar em clubes esportivos, hospitais, centros de reabilitação e em clínicas de fisioterapia e ortopedia. Em empresas, trabalha com a prevenção de acidentes de trabalho e com a correção postural dos funcionários. Em escolas, corrige e orienta a postura de crianças, jovens e adultos. O mercado de trabalho Tramita no Congresso um projeto para que o fisioterapeuta seja incluído nas equipes do Programa Saúde da Família. Se aprovado, ainda que em caráter não obrigatório em todas as equipes pelo país, deve aumentar o número de vagas para esse profissional, que, atualmente, tem seu principal empregador em clínicas especializadas e hospitais. Ele é admitido para cuidar de pacientes críticos em unidades de terapia intensiva e de doentes em enfermarias e ambulatórios. Para isso, precisa dominar conhecimentos e técnicas nas áreas respiratória, neurológica e músculo-esquelética. A atuação do fisioterapeuta também vem crescendo no campo da estética, no qual ele lida com tratamentos para celulite e recuperação de pacientes que se submeteram a cirurgia plástica. Outros nichos como a geriatria (cuidado com idosos) e a saúde do trabalho oferecem boas oportunidades para o fisioterapeuta. "Tenho visto a expansão da fisioterapia dermato-funcional crescer bastante nas grandes capitais, especialmente do Sul e Sudeste", afirma Gisele de Cássia Gomes, coordenadora do curso da UFMG. Nesse caso, o profissional utiliza técnicas manuais e outras, como eletroterapia, para tratamentos estéticos. A especialidade em acupuntura é reconhecida há 25 anos pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, e, nesse caso, o 114


profissional trabalha em clínicas ou em atendimento particular. No entanto, em clínicas, ainda é mais comum a atuação em problemas ortopédicos. Sudeste e Sul concentram a maior parte dos profissionais. Salário inicial: R$ 1.670,00 (30 horas semanais; fonte: Federação Nacional dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais). O curso As disciplinas das ciências biológicas e da saúde constituem a base do currículo. Assim, espere muita aula de biologia, anatomia, fisiologia, patologia e histologia, principalmente no primeiro dos quatro anos de curso. Você estuda saúde pública, recursos terapêuticos manuais, neurologia, ortopedia e traumatologia. A partir do segundo ano, aumenta a carga de aulas práticas, nas quais se aprendem técnicas de tratamento como a massoterapia (massagem), termoterapia (aplicação de calor ou frio) e hidroterapia (por meio da água). O estágio é obrigatório no último ano e, normalmente, feito em clínicas das próprias faculdades ou em hospitais conveniados. Para concluir o curso, também é obrigatória a elaboração de um trabalho sob orientação de um professor. Duração média: quatro anos. O que você pode fazer Atendimento domiciliar Tratar pacientes que necessitam de cuidados mais intensivos, mas que não têm indicação para internação hospitalar. Cardiologia e pneumologia

115


Cuidar de pacientes nas fases pré e pós-operatória. Prevenir e tratar doenças respiratórias e cardíacas, além de reabilitar doentes, prescrevendo e aplicando exercícios ligados aos aparelhos respiratório e circulatório. Dermatologia Aplicar massagens e aparelhos de raios infravermelhos, ultravioleta e laser para reduzir lesões e acelerar a cicatrização de queimaduras e cortes cirúrgicos. Estética Aplicar técnicas como massagens em pacientes pós-cirurgia plástica e pós-cirurgia de recuperação da mama. Fisioterapia do trabalho Prevenir e tratar doenças relacionadas com o trabalho, como as lesões causadas por esforço repetitivo (LER). Fisioterapia esportiva Prevenir e reabilitar lesões em atletas e em praticantes de atividades esportivas. Grupos especiais Estimular os músculos de quem sofre limitações de movimento, como idosos e portadores de deficiência física. Indústria de equipamentos. Pesquisar, desenvolver e testar equipamentos para uso em terapia. Neurologia adulta 116


Auxiliar na reabilitação dos pacientes que tiveram derrame cerebral, paralisias e traumatismos de coluna e crânio. Neurologia pediátrica Auxiliar na reabilitação dos portadores de patologias e síndromes típicas de criança, como paralisia cerebral e síndrome de Down. Ortopedia e traumatologia Acelerar a recuperação de movimentos e reduzir dores de pacientes com fraturas, traumas ou luxações. Prevenir e reabilitar lesões da coluna vertebral e das articulações causadas por postura incorreta ou esforço repetitivo. Programa de Saúde da Família Prevenir e tratar doenças e reabilitar pacientes em unidades básicas de saúde e em domicílio. Terapia Intensiva Tratar pacientes críticos internados em UTIs, aplicando técnicas para reabilitação respiratória, neurológica e do aparelho músculoesquelético.

Orientação Profissional guia do estudante- Editora Abril S.A. Todos os direitos reservados.

117


REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ALBUQUEQUER, Manoel Maurício . Pequena história da formação social brasileira. Rio de Janeiro: Graal, 1981, 728 p. ed.. 2. BRASIL. Instrução normativa número 01/97, de 15 de maio de 1997. Regulamenta os conteúdos, instrumentos e fluxos do processo de habilitação de municípios, de estados e do distrito federal as condições de gestão criadas pela NOB SUS 01/96. Brasília, Diário oficial da união de 15/05/97. 3. CAMPOS, Francisco E.; OLIVEIRA, Mozart; TONON, Lidia M. Planejamento e gestão em saúde. Belo Horizonte : Coopmed, 1998.102 p. (Cadernos de saúde, 2) 4. CAMPOS, Francisco E.; OLIVEIRA, Mozart; TONON, Lidia M. Legislação Básica do SUS. Belo Horizonte : Coopmed, 1998.161 p.(Cadernos de saúde, 3) 5. COSTA, Nilson Rosário. Políticas públicas : justiça distributiva e inovação. São Paulo : Hucitec, 1998. 178 p. 6. DONNANGELO, Maria C.F. Medicina e sociedade: o médico e seu mercado de trabalho Pioneira: São Paulo, 1975, 174 p. 7. GUIMARÃES, Reinaldo. Saúde e Medicina no Brasil: contribuições para um debate. Rio de Janeiro: Graal, 1979,225 p. 8. LEITE, Celso c. A crise da Previdência social.Rio de Janeiro: Zahar, 1981, 72 9. LUZ, Madel F. As instituições médicas no Brasil: instituição e estratégia de hegemonia.Rio de Janeiro, Graal, 1979, 295 p.

118


10. MENEZES, Maria J. Planejamento Governamental; um instrumento a serviço do poder. Cadernos do curso de pós-graduação em administração, UFSC, Florianópolis, 1974. 11. NICZ, Luiz F. Previdência social no Brasil. In: GONÇALVES, Ernesto L. Administração de saúde no Brasil.São Paulo: Pioneira, 1988, cap. 3, p.163-197. 12. POSSAS, Cristina A .Saúde e trabalho – a crise da previdência social.Rio de Janeiro, Graal, 1981, 324 p. 13. OLIVEIRA, Jaime A. de Araújo & TEIXEIRA, Sônia M. F. Teixeira. (Im)previdência social: 60 anos de história da Previdência no Brasil. Petropólis: Vozes,1985.360 p. 14. WWW.arcoweb.com.br 15. WWW.earth.google.com 16. Acervo Prefeitura Municipal de Bebedouro

119

Clínica de Fisioterapia  

Centro Universitário Barão de Mauá Trabalho Final de Graduação Clínica de Fisioterapia

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you