Page 1

Heart on a Chain - Cindy C. Bennett

1 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett

Sinopse Kate tem 17 anos e tem vivido toda a sua vida na pobreza extrema, com um pai alcoólatra e uma mãe viciada em medicamentos, que abusa gravemente de Kate. Na escola, suas roupas de segunda mão são como uma marca de alvo. Sua recusa em se defender à torna o alvo de ridicularização e intimidação de seus colegas. Isto é, até o retorno de Henry. Henry Jamison afastou-se há seis anos, quando ele e Kate tinham começado a desenvolver sentimentos um pelo outro. Ele retorna para encontrar a menina, engraçada, extrovertida brilhante que tinha conhecido agora timidamente escondida nos cantos, sem falar com ninguém ao seu redor, desconfiando mesmo dele. Kate não consegue descobrir qual jogo que Henry está tentando com ela. O que o grandioso garoto de seu passado poderia querer com ela? Kate finalmente decide confiar nas intenções de Henry, abrindo seu coração para ele. Justamente quando parece que ela pode ser verdadeira em sua amizade, uma tragédia acontece, ameaçando tudo em que Kate tem trabalhado para vencer. Henry pode ajudá-la a superar essa nova devastação, ou separá-los para sempre?

2 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett

Tradução: Nane (ARE) Revisão inicial: Renatinha (ARE) Leitura Final: Ludmilla (ARE) Formatação: Ludmilla (ARE) Distribuição: Grupo ARE

3 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett

Comentários da Revisora ARE, Renata: "Um lindo romance adolescente entre Kate e Henry. Kate é uma garota que sofre muito abusos, físicos e psicológicos, ela está muito marcada e não acredita que sua vida possa ficar pior. Mas sempre fica. Até Henry retornar a sua vida. Eles se conheceram na pré-escola e desde então se tornaram grandes amigos, e quando estão a ponto de se tornarem algo mais do que amigos, ele vai embora. Quando volta, Henry não reconhece em Kate a mesma garota que conheceu, ela está sempre isolada e fugindo das pessoas antes que elas a machuquem e a humilhem. Porém Henry está determinado a se aproximar de Kate e fazê-la acreditar no amor entre uma família, e principalmente no amor entre eles. É uma história maravilhosa onde Kate desabrocha e se choca com o quão complicada e desconhecida é a sua vida."

4 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Prólogo Seis anos antes... Henry observava Kate, e viu quando ela passou a mão na ranhura escassamente povoada de sua caixa do dia dos namorados, com seus nervos zumbido... Foi uma sensação estranha para ele, essa insegurança. Ele não daria a sua vida como garantia exatamente, mas não sabia que haveria muitos conflitos jogados em seu caminho, tão pouco de seus colegas e de sua família. Ele era muito jovem para apreciar plenamente a bênção de ter uma vida tranquila, mas com idade suficiente para entender que nem todos eram tão bons quanto ele. Tinha amado Kate desde que ele a tinha conhecido. Ela tinha sido sua primeira amiga desde o seu primeiro dia no jardim de infância. Não queria que sua mãe o deixasse nesse grande e novo lugar assustador cheio de estranhos. Kate tinha chegado enquanto ele estava lutando com as lágrimas e colocou a mão na dele. Com um sorriso, ela o trouxe para a mesa de pintura e ele tinha caído de amor daquele dia em diante. Ele nunca esqueceu isso, ela tinha sido o seu consolo, seu raio de luz na tempestade escura de emoções. Devido à sua sensibilidade a ela, ele era um dos poucos que tinha notado mudanças nos últimos anos. Ela deixou de ser uma menina doce, engraçada, sempre sorrindo, ela sempre poderia fazer os outros rir, à alguém que estava sempre em silêncio e raramente sorria. Eu me sentia triste, principalmente porque eu não sabia o porquê, e portanto, não poderia ajuda-la. Nunca me dei por vencido. Pensava que se continuasse tentando, poderia encontrar aquela garota novamente. Ainda mais do que isso, queria saber o que sentia, o que realmente sentia por ela. Não pensava que queria saber, o quanto queria estar com ela, o quanto a amava. Esperava que seu cartão especial do Dia dos Namorados esclarecesse este assunto. Kate colocou a mão em sua caixa, casualmente e pegou o pequeno cartão comprado em loja, à maioria dos quais pareciam personagens de desenhos animados sobre eles, me senti uma fraude. Apenas olhou para ele enquanto afastou seus olhos. Poderia ter acreditado que ela era 5 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett completamente indiferente, que estava longe de sentir alguma coisa por mim, com exceção da pequena curva no canto da sua boca. Então ela o abriu. Podia-se compreender minha intenção, porque o sorriso saiu de seu rosto e sua testa se franziu, consternada, enquanto que sua mão estava parada, recuperando o avanço, ela puxou um pouco mais, em seguida, virou a mão em um ângulo para manobrar o grande pedaço de papel dobrado, e desembrulhando a abertura. Kate olhou para frente. Henry sentiu vergonha de repente, inseguro sobre o seu presente para ela. Talvez fosse estúpido... Foi estúpido. Foi estúpido e infantil. Cortou e colou corações com diferentes cores em camadas em cima de outro papel vermelho. Devia ter apenas comprado algo em uma loja, teria sido melhor. Ele cerrou os punhos em seus lados, quando um rubor cobriu suas bochechas. Então ela abriu, leu as palavras que ele havia escrito ali, e seu estômago se fechou. Algo surpreendente aconteceu em seguida. Como o sol nascendo no horizonte, o seu sorriso apareceu, mudando seu rosto, iluminando seu rosto de uma maneira que ele não via há muito tempo. Seus olhos encontraram os dele, e neles ele podia ver sua resposta. Ela se levantou e caminhou cambaleando em direção a ele, com seu sorriso ligeiramente hesitante. Então ela virou-se para o armário de manutenção, dando-lhe um olhar que o atraiu para ela. Ele olhou em volta para se certificar de ninguém estava olhando, esperou um minuto ou algo assim, então a seguiu dentro. Ela estava no canto, no fundo, à espera, a preocupação franzindo a testa, torcendo as mãos, até que ela viu Henry. Seu rosto se abriu, e um pequeno sorriso brincou em seus lábios. Henry se aproximou, parando em frente a ela. Ela olhou para baixo, seus olhos se voltaram lentamente em direção a ele quando se aproximou. Ele levantou a boca dela e beijou-a. A surpresa a manteve congelada por um longo momento antes de derreter-se, inocentemente, beijando de volta. Ela era a garota de seus sonhos, e com seu beijo era finalmente sua. Quatro meses mais tarde, Henry e sua família se mudaram. 6 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett

7 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 1 Wham! Ela me golpeia com a parte de trás da mão atirando-me ao chão. Eu levanto e olho para ela, pensando em um nano segundo se eu devo ficar para baixo ou ficar em pé. Atrapalho-me com os pés, encolhendo-me ligeiramente em me preparar para o próximo ataque, garantido se eu a interpretar erroneamente. Eu não reajo. Ela se move para longe de mim com uma decepção familiar. -Limpe a bagunça que você fez, Kate - murmura, chutando a mesa com os restos de seu almoço que tinham caído no chão do seu lado da mesa quando eu caí. -Tudo bem, mãe. Ela se vira, com a ameaça em sua pose. - Então, você está respondendo? -Não mãe, me desculpe. - Eu odeio o tom bajulador da minha voz, mas eu sou impotente contra ela, como estou em mudar o rumo da minha vida. Pego as sobras com as minhas mãos, reunindo-as de volta para o prato e coloco-o de lado. Limpo um par de frascos de prescrição, que tinham caído na confusão, com a frente da minha camisa. Eu coloco os frascos caídos sobre a mesa no seu devido lugar, dentro do grupo de pequenos frascos marrons. Ela sabe exatamente o que está em cada um deles para a sua localização. Espontaneamente, a foto que tenho escondida debaixo do meu colchão desliza em minha mente. Nela, minha mãe está no quintal com meu pai e comigo, rindo e amando, jovem e bonita, e muito grávida. Eu tinha nove anos na época, prestes a começar a quarta série, que foi emocionante porque eu pensava estar cada vez mais próxima de atingir a sexta série que era muito legal porque era a classe sênior. No dia em que a foto foi tirada, meu pai trouxe para casa uma surpresa de aniversário para mim. Meu aniversário é em fevereiro, mas meu pai não podia esperar. Ele queria que eu a tivesse antes, assim poderia apreciá-la antes que a neve caísse. 8 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Enquanto levo o prato sujo de minha mãe para cozinha, olho para fora da janela, para a surpresa de aniversário que tive há muito tempo. É um balanço, de um aço resistente em forma de A, normalmente não é encontrada nos quintais, mas sim num parque público. Foi feito para durar um longo tempo, mesmo agora é quase a mesma, só o brilho opaco trai sua idade. Três reformas cuidadosas, pendurada por longas correntes. Os homens corpulentos lhe fixaram sobre os postes de cimento nas profundezas da terra para que ela não tombasse. Eles disseram que eu tinha que esperar três dias para balançar sobre ela, para o cimento endurecer. Três dias é uma eternidade para uma menina de nove anos de idade. Em três dias, eu aprendi que uma eternidade de mudanças podem ocorrer. Rápida e silenciosamente quanto é possível lavo os pratos, a máquina de lavar louça há muito tempo deixou de funcionar e a ideia de pagar um técnico ou comprar uma nova, era tão estranha quanto a uma viagem para o Taj Mahal. Assim que eu termino, eu deslizo silenciosamente pela porta dos fundos. Estou bem ciente de quão patético é a minha única rota de fuga, meu melhor amigo, é um objeto inanimado, e brinquedo de criança para alguém que tem dezessete anos e pronta para começar o seu último ano do ensino médio. Mas é tudo o que eu tenho, então eu ando mais rápido, ignorando a leve chuva que começa a cair, enquanto planto os pés no chão bem gasto, e eu subo tão rápido quanto eu posso com um pequeno salto. O vento sopra em mim a toda velocidade, como uma tempestade. Sinto a carne quente e inchada no meu queixo, vai deixar uma contusão para começar o ano escolar amanhã. Não que isso importe. Um saco de pancadas pré-moído não faz diferença para a maioria dos meus torturadores. Enquanto me balanço mais alto, sinto a tensão liberada, o mundo desaparecendo. Estou aliviada pelo vento que vem enquanto eu me esforço para subir mais e mais. Minha mente esta em branco enquanto eu me rendo à sensação. A única interrupção vem quando ouço meu pai tropeçar dentro de casa no início desta noite, e começa a gritaria. Mesmo que eu possa afastá-la com um pouco de esforço, que eu tive anos de prática.

9 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Felizmente, não há sons reveladores de punhos contra a pele quando os gritos param. Minha mente registra esse alívio que também significa que há uma boa chance que não tenho que estar no recebimento final da sua raiva esta noite. Algum tempo depois, eu percebo que as luzes foram desligadas em casa. Não ocorre a eles querer perguntar onde estou, ou até mesmo verificar o meu quarto e ver se eu estou lá. Eu não tenho problema com isso, a sua falta de interesse e de atenção deixou de ser dolorosa algum tempo atrás e tornou-se uma coisa boa, se isso significa ser invisível. Eu continuo balançando no ar fresco da noite, com os cabelos molhado da chuva. Espero que a paz seja reestabelecida completamente antes e depois de balançar lentamente eu paro. Respiro profundamente, recobro meu valor, então eu entro na casa tão silenciosamente quanto possível, para não chamar a atenção sobre a minha existência. Eu abro meu guarda-roupa, e tomo um fôlego exasperado pela falta de opções diante de mim. Amanhã vou ser uma estudante do último ano, acho que deveria qualificar-me para talvez ter apenas uma roupa nova, não de um brechó, uma que não esteja usada, desbotada e ajustada. Eu deixei uma festa de dois minutos para a compaixão, então saco as peças menos desgastadas para usar na parte da manhã. Último ano. Ugh. *** Eu odeio o primeiro dia de aula. Na verdade, eu odeio todos os dias de aula, mas como este é o primeiro dia do meu último ano de alguma forma parece pior do que todos os outros. Há uma excitação palpável no ar em relação aos últimos anos, sabendo que após esse ano a vida real vai começar. Eu não tenho vida real, por isso este ano é mais assustador do que todos outros, e isso é dizer muito, considerando como cada ano anterior a escola tem sido para mim. -Cuidado, fenômeno! Eu tropeço, mas não caio enquanto sou empurrada de lado por um dos calouros. Eu vejo um casal de alunos do segundo ano olhando com 10 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett interesse. O tempo dirá se esses estreantes vão participar do jogo, ou se eles vão ter pena e me deixar em paz. Dirijo-me longe deles e vejo Jessica Bolen vindo pelo corredor, cercada por suas seguidoras. Isso é realmente uma boa razão para dar a volta e ir na direção oposta. Não me notado ainda, faço uma retirada apressada as escadas nas proximidades, embora signifique que eu vou ter que correr para chegar a minha primeira aula. Os atrasos são algo a ser evitado com uma paixão, eu não quero chamar a atenção, a menos que seja absolutamente necessário. Jessica é a minha principal... Inimiga, eu suponho, mas houve um tempo éramos amigas. O verão antes do ensino médio, em que de repente floresci. Meus seios começaram a surgir, eu cresci alguns centímetros e de repente eu estava sem roupas adequadas. As camisas eram muito apertadas e shorts curtos. Minha mãe não podia se preocupar com algo tão trivial como uma criança que cresce em seu mundo louco, então eu me tornei uma ladra. Nas primeiras horas, antes de qualquer um de meus pais deixassem o seu estado de torpor, eu escapava e pegava um ou dois dólares da carteira do meu pai e da bolsa da minha mãe, cada vez que eles tinham um. Foi assim que eu financiei um novo guarda-roupa de três camisas, dois pares de calças, um sutiã, três pares de calcinhas e um par de tênis surrado no brechó local. Custaram 12 dólares roubados e um monte de culpa. Embora minhas roupas parecessem melhor do que qualquer outra opção que eu tinha, foram me marcando. Enquanto na escola primária tinha sido capaz de me transformar numa observadora silenciosamente, passando despercebida e deixada sozinha, na escola torne-me um alvo. Foi Jessica Bolen que realmente começou, deu o tom que minha vida tinha se tornado, pelo menos no que diz respeito à escola. Por alguma razão, tinha começado a não gostar no final do ano anterior escola. Tinha sido perto do fim do ano, quando ela começou a dizer coisas depreciativas sobre mim para meus colegas de classe, apesar de não ter havido tempo suficiente para que as fofocas fossem realizadas em mais do que alguns dardos me tendo por objetivo de suas seguidoras. Ela também floresceu no verão e quando a escola começou, caminhava com uma confiante beleza loura em que todos os meninos, até mesmo os alunos da oitava série e vários calouros do ensino médio 11 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett a admiravam. Com sua nova confiança veio um traço de crueldade e um alvo perfeito para aprimorar suas habilidades... Eu. O primeiro dia de escola, eu fui usando minhas roupas de segunda categoria, e olhei para o pequeno grupo de amigos que tinha tido no primário, incluindo Jessica. Quando me aproximei, Jessica virou de volta para onde eles estavam em um círculo, conversando. - O que você está fazendo aqui? Você não pertence a nós, zombavam de mim. Eu olhei para as outras, à espera de... O quê? Que me defendessem? Em vez disso, elas começaram a rir às minhas custas, e eu me virei, saindo humilhada. Aparentemente, ela tinha ouvido seus pais falar sobre a minha família, de modo que naquele ano, ela começou a espalhar rumores que meu pai era alcoólatra e minha mãe viciada em drogas. Eu não conseguia nem me defender, porque não sabiam tão bem quanto eu, como os rumores eram verdadeiros. Claro que, ela não sabia toda a história, e não havia nenhuma maneira que eu estava indo para informar e dar mais munição. Não tinha nenhuma chance já que minhas roupas eram todas de caridade. Com o seu esmagamento qualquer pingo de autoestima que poderia ter, se foi e não lutei com ela de volta quando eu era insultada, ou batia os meus livros dos meus braços, ou quando me fazia tropeçar carregando uma bandeja de comida no refeitório. Foi surpreendente o quão rápido os outros alunos perceberam seu jogo e se juntaram. Aqueles que não foram integrados, logo eram evitados como um pária, para não interferir a qualquer uma das balas que eram direcionadas para mim. Todos os dias desde então, tem sido um jogo de sobrevivência, como hoje, enquanto eu corro para fora do seu caminho. Eu aprendi a evitar áreas onde ela ou qualquer um de seus amigos podiam estar o que é difícil porque quase todos são seus amigos, ou pelo menos fingem ser. Eu estava esperando que o curso preparatório pudesse mudar a situação para mim aqui. Quer dizer, os alunos são mais velhos e mais maduros, certo? Apesar das provocações, empurrões e insultos não são tão intensos quanto a minha experiência na escola anterior, mas ainda está lá, em cada esquina, ao que parece.

12 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Meu cabelo loiro tem crescido muito ao longo dos anos. Eu sou grata por isso, faz um bom véu para me esconder. Infelizmente, também fornece uma presa fácil para aqueles que desejam puxá-lo. Acho que sempre posso esperar que este ano vai ser diferente. É quando eu vou para minha segunda aula do período no dia, andando de cabeça baixa, mas também observando os que me rodeiam em alerta aos sinais de aviso de perigo, até que eu o vejo. Henry Jamison. Eu congelei onde estava, sendo esbarrado por trás, não foi empurrada. Ainda ouvi um sussurro: "Desculpe-me". Provavelmente porque não perceberam a quem golpearam. Eu estou congelada enquanto olhava boquiaberta. A sua visão me traz de volta um fluxo de memórias que eu tinha esquecido. Ele tinha ido à minha escola primária, eu já o conhecia desde o primeiro dia no jardim de infância. Eu tinha gostado dele de um modo infantil e inocente porque nunca foi a intenção de ninguém. Era o tipo de cara que os outros dirigiam naturalmente, sem tentar ser popular ou mesmo se importar se ele era. Fez com que todos se sentissem como se fossem seus amigos. Eu o admirava por isso. Especialmente durante os anos em que a minha vida tinha escurecido e continuou a me tratar amavelmente. Sentava-se comigo na hora do almoço, quando estava sozinha, o que naturalmente atraíam outros para a mesa. Eu sempre fui convidada para jogar a bola quando me viam sentada sozinha, mesmo sabendo que eu iria recusar. Quando eu comecei a notar os meninos, como mais do que um completo aborrecimento, tinha pensado que ele era o tipo de cara que poderia realmente gostar, até mesmo amar, como mais do que um amigo. O fim da sexta série me fez pensar que poderia ser outra coisa, além disso, quando me deu um cartão especial do dia dos namorados que tinha feito, e não apenas um dos mais baratos, o pequeno papel, fez todo meu mundo desmaiar. Com a lembrança disso traz de volta, a memória do meu primeiro beijo, meu único beijo, em o armário de manutenção. Como era ousada. Quão bem senti seus lábios nos meus. Quanta esperança havia tido em uma coisa tão simples. 13 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Meu rosto corou pensando nele segurando a minha mão na hora do recreio, às vezes depois daquele beijo. Nós nunca nos beijamos de novo, apesar de que eu gostaria. Eu acho que ambos éramos muito tímidos e inseguros para fazer o primeiro movimento. Ele havia se mudado naquele verão. Eu não sabia, é claro, até o próximo ano letivo começar. E agora ele está aqui novamente. Ele cresceu, mudou, mas não há dúvida de que é ele. Ele está mais alto, apesar de que era da minha altura a última vez que tinha visto. É maior que a maioria e eu acho que tem de cerca 1,80, talvez um pouco mais. Ele tem cabelo loiro escuro, curto nos lados e picos no topo de sua cabeça, que eu penso que quando está distraído corre os dedos por ele. Em vez de parecer bagunçado, no entanto, tem um efeito surpreendente, parecendo como se tivesse penteado por horas para fazê-lo parecer assim. Sua mandíbula é forte, quadrada, bem masculina. A promessa do menino bonito tornou-se um jovem incrivelmente belo. Ele ri de algo que alguém diz e meu estômago aperta em reconhecimento. Seu sorriso é o mesmo que eu me lembro, charmoso e bonito. Estou aqui de pé, olhando para ele, esquecendo-me de manter meu costume de cuidar dos cotovelos e pés no meu caminho, então, quando um cotovelo vem não estou pronta. Envia os meus livros dispersos pelo chão, alto, o que chama a sua atenção. Seus olhos se encontram com os meus e eu vejo um flash de reconhecimento em seus olhos profundos e escuros, com um sorriso divertido nos cantos de sua boca. Horrorizada, eu apresso-me a pegar meus livros e desço as escadas, humilhada que deveria ter sido surpreendido com isso, ou pior ainda, ter que ver o novo esporte que eu me tornei.

14 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 2 Passo o dia escondida até mesmo evito meu precioso almoço, perdendo o que é, possivelmente, a única refeição que conseguirei hoje. Em vez de olhar para os pés arrastando a minha frente, eu olho para vêlo. Quando eu chego ao último período do dia, na aula de fotografia, dou um suspiro de alívio de que este dia horrível está quase no fim. Sento-me sozinha a uma mesa para dois, na certeza de que ninguém vai sentar-se ao meu lado a menos que sejam forçados a isso. Sento-me com a cabeça baixa, evitando qualquer contato visual com a precisão que desenvolvi ao longo dos anos, mas desta forma é como eu vejo um grande, tênis branco que parou ao lado da minha carteira. A sensação de mal estar é formada na boca do estômago, como sempre faz, para o confronto que se avizinha. Mas então... Nada acontece. Sentindo-me confusa eu percebo que o meu torturador quer toda a minha atenção, e não vai sair até que ele a receba. Eu tomo uma respiração e levanto minha cabeça... E eu sinto que minha boca caiu com a visão de Henry ali. Consternação enche meu peito. “Oh, não, por favor, não ele também.” - Eu posso sentar aqui?- pergunta. “O quê?” Inclino minha cabeça um pouco, não sei se ouvi corretamente. Eu olho em volta e percebo que ainda existem alguns lugares vazios disponíveis na sala. Eu vejo um par de jogadores de futebol sentado ao fundo, olhando para minha aparência, e rindo. Olho sobre o ombro de Henry e eu sinto lágrimas pinicando meus olhos, em seguida, entendo que ele também de alguma forma é parte dela, parte da tortura, sinto que é parte do jogo. Antes que eu possa reunir a coragem de dizer não, ele coloca um monte de livros sobre a mesa e cai no assento ao meu lado. Imediatamente me afasto para longe dele, segurando o lado oposto do meu assento. Ele não percebe, ou decide não comentar. -Ei, Kate é você? Kate? Mosley? Eu não sei se você lembra de mim, sou Henry. Henry Jamison? Fomos para a escola primária, juntos, lembra? - Ele termina com uma pergunta e eu só posso olhar para ele como uma imbecil, como minha mãe me diz, quando ela toma muitos comprimidos de resfriado. 15 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Esta é uma nova tática, que eu não tinha experimentado antes. Eu olho em volta mais uma vez, para ver quem mais pode estar envolvido nisso, mas em seguida, a campainha toca e o professor se levanta de sua mesa, ele pede a atenção para o resto da classe, ou pelo menos tenta. De minha parte, não consigo me concentrar em tudo o que ele diz, algo para a minha esquerda está forçando minha atenção. Estou em guarda ainda mais do que o habitual. Minhas emoções estão na borda, porque apesar de eu não conhecer Henry agora, eu conhecia-o quando ele era mais jovem. Eu sempre admirei sua bondade, ainda mais assim, especialmente quando qualquer resquício de bondade em minha casa tinha ido embora, e tive que desfocar na minha escola. Mas parece que o tempo tem mudado mais do que apenas o seu tamanho e aparência, mudou sua natureza e rapidamente tomou parte no "jogo -torturando a Kate”.. Toda vez que ele se move, salto involuntariamente. Eu sinto seus olhos em mim, mas eu me recuso a ser isca. Eu mantenho meus olhos fixos no notebook aberto diante de mim, em branco, apesar do professor ler. Nós estamos falando sobre as ferramentas que precisamos para a classe. Mesmo que eu não consigo me concentrar o suficiente para tentar planejar como conseguir todos esses itens impossíveis. Para única coisa que levantei a minha visão é olhar para o relógio. Assim soa o sinal, eu estou pronta. Salto para fora do meu assento, pegando meus livros a partir da borda da mesa. Obrigado à intervenção divina, não me deixo cair. Eu corro a partir da sala, sem me preocupar com quem bateu no meu caminho, eu me esforço para manter meu pés sob meu corpo enquanto sou batida e empurrada. Eu tenho que lutar até passar a área onde os ônibus são estacionados, mesmo que a minha casa fica a cinco quilômetros da escola, e qualifica-me para andar neles. Eu descobri rapidamente que o ônibus é apenas uma mudança de cenário na perseguição, um deles com nenhuma esperança de fuga por cinco milhas. É por isso que vale a pena caminhar. Além disso, o benefício adicional no andar é que leva mais tempo, o que me mantém longe de casa por um pouco mais. Hoje eu ando depressa, pelo menos até além dos limites escolares para além do qual a maioria dos caras devem andar fora. Alguns carros passam com a janelas abertas, os alunos insultam a minha roupa, mas eu ignoro. Eu ainda não posso acreditar que ele é parte disso. Eu não sei por que isso está me incomodando muito. Algumas pessoas me ignoram, é claro. Eu teria preferido que ele fosse um deles, mas honestamente eu 16 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett esperava que pudesse ser o mesmo que costumava ser tantos anos trás. Eu me preocupo com tudo isso indo para casa e, aparentemente, leva ao meu abdômen uma tensão, como sempre, e minha atenção é atraída a pensar sobre a realidade do que está por vir com Henry Jamison. Eu me pergunto com que o humor minha mãe está hoje. Na verdade, eu prefiro quando está num estado melancólico, mesmo que isso signifique muitas lágrimas. É muito melhor do que a violência, que eu estou sempre recebendo por algo tão simples como entrar errada em seu caminho, ou engolir muito forte. Apresso-me a entrar, liberando os meus livros, e removo o calçado para me manter tão silenciosa quanto possível, a probabilidade de que ela saiba que eu estou em casa. Corro para a cozinha para começar a minha lição de casa, o que significa organizar a bagunça que ela fez hoje. Existem vários pratos e tigelas empilhadas acumulando-se, e os copos de bebida do meu pai usados a noite. Lavo rapidamente, seco e guardo. Varro o chão, que é preenchido com restos de comida e limpo a mesa. Puxo as garrafas de bebidas vazias, retornando- as para o gabinete. Corro até o banheiro, pegando roupas molhadas com mau cheiro que estão à porta do quarto de meus pais para levá-las de volta para a lavanderia. Vou para o banheiro para limpar e esfregar, estou terminando, quando eu ouço. - Kathryn! Com o estômago apertado, entro na sala onde ela coloca os olhos em uma pequena TV. Ela caminha ao lado de uma mesa pequena, caindo aos pedaços, onde havia uma grande tela que havia sido recuperada. Eu me lembro daquele dia, com clareza, porque foi a primeira e única vez que eu fui espancada pelo meu pai desde então, só minha mãe que entrega punições. Ela se senta em seu local habitual de sofá, moldado em seu lugar. Deveria ter excesso de peso, principalmente devido à sua dieta de fast food, que ansiosamente aguardava. Se eu como alguma coisa, tenho que passar por um inferno, mesmo se ela imagina que algo está faltando. Mas as drogas explodiam o seu metabolismo, o que a mantém magra. Eu acho que provavelmente poderia me sobrepor a ela , se eu quisesse, mas ela tem trabalhado e feito a minha mente muito bem, desde que eu era uma criança impressionável. Mesmo sabendo que é 17 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett um jogo mental, eu não tenho mais coragem de fugir dela do que para me defender na escola. - Onde você estava? – Pergunta com palavras pronunciadas. - Eu a tenho chamado por horas! - É, literalmente, pode significar horas, ou poderia ter sido apenas alguns minutos. -Eu fui à escola, lembra? Hoje foi o primeiro dia. -Oh. - Isso dá um pouco de vento a suas velas, mas encontra um novo alvo rápido o suficiente. - Bem, amanhã antes de sair é melhor ter certeza de obter a casa limpa. Eu não posso viver nesse lixo. -Claro, mamãe, - eu respondo, já limpando ao seu redor. O seu forte punho fechado acima da minha orelha não me surpreende, mas eu estou um pouco fora do jogo de hoje. Tropeço e caio em meus joelhos balançando lateralmente, batendo a cabeça na mesa de cabeceira e quase tocando a lâmpada do abajur. Eu estou lutando para me equilibrar e pegá-lo antes que ele possa cair. - Você é uma estúpida? -Não, mamãe, não. Desculpe. Desculpe. - Respiro a palavra e dou uma grande exalação, e é assim que eu sinto a cor da humilhação, permitindo-me tratar desta forma e depois ter que pedir desculpas por isso, a rotina não mudou muito nos últimos oito anos e os velhos hábitos são difíceis para quebrar. Corro para o armário do corredor para obter o espanador. Começo removendo poeira ao redor de objetos sobre a mesa rapidamente, mas discretamente, sabendo que é melhor não tocar as coisas dela. -Oh. Apenas acabe com isso, - diz ela, com desgosto em suas palavras. Volto, esperando para ver o que mais tem a me dizer. - Pare de olhar para mim, me dá calafrios, diz ela. -Vá para o seu quarto. Eu não tenho nenhum desejo de vê-la hoje. Assenti e guardei o espanador no meu caminho para as escadas. Então, hoje é o dia dos mortos, o melhor de todos. Ficar no meu quarto significa que não há possibilidade de jantar. Isto é uma negociação, eu acho. Eu costumo fazer os pedidos para o jantar, mas eu não posso comer. Às vezes eu consigo ter algum alimento durante o cozimento. Estar no meu quarto significa apenas que há nenhuma chance disso, mas também que eu não vou ser derrotada. 18 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Então, eu estou aliviada. Eu não vou ser capaz de esgueirar-me para recuperar meus livros que eu me esqueci de pegar ao longo do caminho, até que eles estejam dormindo. Sempre completo a minha lição de casa, mas às vezes me esqueço afim de manter a nota média e completar meu grau. Infelizmente, isso me dá bastante tempo para pensar sobre Henry Jamison e eu me pergunto o que ele estava fazendo hoje. A amarga decepção volta e sento na minha janela olhando para fora, pensando sobre onde gostaria de estar.

19 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 3 - Hey, Kate! Eu tropeço e quase caio com essas palavras, trazendo uma rodada de risadas zombando de algum lugar próximo. Eu olho para trás e vejo o Henry assistindo. Se não soubesse melhor, eu juraria que quase tem um olhar de preocupação em seu rosto. Afasto-me rapidamente, segurando meus livros com força. “O que ele quis dizer com isso?” Eu me pergunto. Seu tom de voz era neutro, quase amigável. Eu realmente pensei que não haveria novas torturas que poderiam jogar em mim Assim, eu sofri toda humilhação possível. Eu estava errada. Considero seriamente pular o curso de fotografia, mas não me atrevo. Quando eu chego, ele está sentado na nossa mesa agora partilhada. É ruim o suficiente, mas é cercada por duas meninas e um menino. Eu sei que as meninas são animadoras de torcida populares, mas que me deixam em paz. O menino é um daqueles que costumava me atormentar constantemente até o ensino médio. Ele agora está no time de futebol e tinha incomodado muito nos últimos anos, mas isso não me consola, exatamente. Me debato sobre sentar em outra mesa, mas uma rápida olhada me diz que não há lugares disponíveis, que sejam melhores do que ao lado dele. - Kate! – Eu sou chamada enquanto me cumprimenta com a mão. Faço uma pausa, assustada. As duas líderes de torcida me olhando com a boca aberta, e o jogador de futebol olha para Henry como se tivesse crescido duas cabeças. - Tudo bem, pessoal, vamos tomar nossos assentos, - ordenou o Sr. Hurley, nosso professor. Eu sou forçada a tomar o meu lugar ao lado de Henry, que sorri abertamente. Tremo e eu me viro.

20 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Eu tenho documentos aqui para aqueles que se qualificam para o almoço grátis ou preços reduzidos, aos classificados como necessitados. “Oh, não!” Minhas bochechas queimam pelo que eu sei que está chegando. Com efeito, se aproximando me deixando exposta. Vergonha inunda meu corpo através da humilhação de ter de Henry vendo isso. - Quem mais? - Hurley diz, acenando-as no ar. - Qualquer um? Muito bem, então, para o resto de vocês, preciso de um recibo que pagaram suas dívidas para o escritório principal antes dos exames parciais. Janna? - A menina da primeira fileira o olha. - Passe-as para mim. - E ele entrega as cédulas. Janna se levanta e começa a entregar as cédulas enquanto o Sr. Hurley, move-se para a parte dianteira da sala, para iniciar a aula. Enquanto ela se aproxima de Henry, dá a ele a cédula com um sorriso, indicando claramente o seu interesse por ele. -Oi Henry, sou Janna. - Não há dúvida de seu tom de voz que está sendo mais do que amigável. Ele faz uma coisa estranha, ele me dá uma olhada e desvia rapidamente. Ela sorri educadamente, olhando para longe. O sorriso de Janna endurece quando me vê. Então ela se vira duro, com escárnio em cada linha. - Tome fenômeno, - ela brinca, entregando a cédula, e então o distancia. - Opa, desculpe, esqueci que você não precisa de um desses. - Ela ri cruelmente, olhando para Henry, esperando para se juntar à brincadeira. Eu não posso ver o seu rosto, porque ele virou um pouco longe de mim para ela, e que o fato de que eu estou abaixando a cabeça, tentando esconder meu rosto, mas também tentando ver a reação dele. Portanto, não eu posso ver o que ela vê, mas o que quer que seja, a congela. O sorriso cai do rosto e ela engoliu em seco, com o rosto corado. Henry se vira para mim, mas rapidamente se inclinou para frente, retirando meu cabelo solto como um escudo do meu rosto, fico mortificada pela troca. Eu me pergunto o quão difícil será para mudar minhas aulas agora. *** 21 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett A escola torna-se ainda mais um exercício de tortura, embora não tinha pensado que fosse possível piorar, porque ele foi adicionado à mistura. Sentada ao lado de Henry na aula de fotografia é o pior, porque sempre que sento, ele me cumprimenta como amigos. Quase todos os dias ele é cercado por outros, ou ele é completamente alheio à sua aparência, enquanto me reconhece ou simplesmente não se importa. Eu sei o que é proposto, porque não é exatamente um novo jogo. Ele é somente melhor do que aqueles que tentaram a mesma coisa antes. Fazendo o fenômeno pensar que você é seu amigo, para que possamos obter mais humilhação. Eu não aprendi em primeiro lugar, e fui enganada pela segunda vez, mas eu não vou cair nessa armadilha de novo, e não o farei agora. Nunca antes, no entanto, os grupos pareceram um caminho. Eu sei que os outros não pensam em mim como uma pessoa real, apesar de doloroso, não é a coisa mais devastadora. Isso é pior, porque ele tinha sido meu amigo uma vez, e talvez até mais. Eu tenho que admitir que parte disso me fizesse acreditar que ele era muito melhor do que o resto. É uma realidade dolorosa para ver que ele não é. Na aula de fotografia, às vezes tentava iniciar uma conversa, mas eu continuo virando e eu me recuso a deixar-me envolver, ignorando-o com firmeza, mantendo o cabelo entre nós. Mesmo sabendo o que é proposto, não posso deixar de ficar atraída por ele, apesar de desconfiar. Por causa da nossa história, eu acho. Então, eu assisto em segredo, apenas as suas mãos, em primeiro lugar ao arrastar uma caneta em toda a página, enquanto toma notas detalhadas. Suas mãos estão grandes, formando uma escrita limpa e rabiscos confusos que a maioria dos adolescentes fazem. Ele tem mãos fortes, com os dedos longos unhas aparadas e limpas, e uma pequena cicatriz na parte de trás sua mão direita. Ele é canhoto, mas não escreve com a mão em um ângulo desconfortável que eu já vi em outros esquerdistas. Em vez disso, mantém a mão como um destro qualificando o mesmo ângulo, só que ao contrário, embora quase põe de lado a página para escrever. Às vezes, deixo minha imaginação correr solta e imagino sua mão com a cicatriz, envolvendo-a minha mão na sua. Pergunto-me se ele vai ser quente ou frio, lisas ou ásperas com calos. Eu não posso lembrar como me senti durante todos aqueles anos atrás. Eu não tenho tocado em uma mão masculina educadamente que eu possa lembrar-me, provavelmente, desde a última vez que ele segurou minha mão, embora 22 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett eu tenho certeza que houve um tempo em que meu pai me tocou com amor. O mais preocupante de tudo, é a fantasia da bondade dele. Em seguida lembro-me no que Henry se propõe, que sua bondade morreu e aquelas mãos nunca me tocarão com nada, mas com um propósito de humilhação ou pior, com repulsa. Todos os dias depois da escola, fujo da sala e corredor, esperando até que eu esteja além dos limites escolares para reduzir a velocidade. *** As primeiras semanas de escola passaram, e embora Henry deixou de tentar iniciar uma conversa, ainda diz olá cada vez eu chego. Eu nunca respondo, mas quando ele não faz mais movimentos, começo a relaxar e não me sento tão longe na borda de meu assento. Não faz nenhuma piada à minha custa, pelo menos não que eu saiba, não tem tentado me humilhar publicamente. Curiosamente, parece que os outros alunos, que antes gostavam de me atormentar, estão perdendo o interesse no jogo também. Nem todos eles, é claro, mas alguns deles. Então, um dia, enquanto setembro dá lugar a outubro, o ar começa a esfriar e as folhas começam a virar um amarelo brilhante, algo começa a mudar tudo de novo. Estou na hora do almoço, no meu lugar habitual no canto sozinha, começo a comer o meu almoço gratuito patrocinado pelo Estado, quando Henry vem e senta-se à mesa mais próxima de mim. Eu congelo no ato de trazer um pedaço de pão para a boca, sentado à mesa, que geralmente era reservada para o grupo “dos perdedores” da escola... embora, obviamente, ainda não tão grandes perdedores como eu porque eles têm, pelo menos, uma mesa. Ele se vira para mim, olhando-me diretamente. Eu fico olhando para os olhos escuros, é a primeira vez que fiz contato visual com ele desde o primeiro dia de aula. Uma carga elétrica atravessa o meu corpo. Com todos os nervos no limite, e rouba um rubor para o meu corpo, com o calor que flui através do meu abdômen. É evidente que reconhece a luta ou a sensação de voar. Ele parece estar à espera de alguma coisa, mas eu não consigo respirar, e muito menos, pensar sobre o que ele pode querer. Ele abaixa 23 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett a bandeja sem quebrar o contato com os olhos, e, em seguida, dá um passo em minha direção. Isso me faz derreter. Flutuar. Eu luto com meus pés, recusando-me a esperar e ver o que poderia fazer comigo ou meus alimentos. Ele chama o meu nome, mas eu estou correndo para a área para deixar a bandeja e largo meu precioso almoço sem comer. Eu tropeço na minha pressa e quase derrubo minha bandeja, ignorando a gargalhada em torno de mim, juntamente com os insultos de “idiota” e “fenômeno”. Dos quais nem sequer dei atenção. Essas palavras não significam nada para mim, mas sabendo que ele provavelmente vê a minha retirada desajeitada, faz o meu rosto brilhar. Eu pulo o resto das minhas aulas. Eu pulei aulas apenas uma vez na escola, quando a ridicularizarão tinha chegado à extrema crueldade, especialmente quando uma garota durona o fazia, e tinha medo pela minha vida, então eu saí da escola mais cedo e fui para casa. Mas quando a escola ligou para minha casa para dizer à minha mãe que eu tinha saltado aulas, ela estava em um de seus dias violentos. Tive que voltar à escola no dia seguinte com um olho negro, um lábio inchado, com dor na caixa torácica que foram possivelmente quebrado e marcas de dedos vermelhas no meu pescoço, onde o ar em meus pulmões tinham sido cortado um pouco antes de perder a consciência. Quando voltei, vi a garota durona, e alguma forma de reconhecimento e relação tinha brilhado em seus olhos. Depois disso ela deixou de me dar momentos difíceis. Na verdade, eu acho que houve uma trégua, um sinal para me deixarem em paz, porque ninguém me deu um tempo difícil durante algum tempo. Em seguida, ela foi presa e levada para o reformatório, ou assim eu ouvi, e logo foi esquecida. Eu não. Eu voltei a ser alvo da perseguição. Neste dia, eu sinto que vale a pena o risco. Eu não posso lidar com isso. E sinto-me, pelo menos, um pouco mais segura desde que eu não tenho um telefone de qualquer tipo, por isso a minha ausência vai exigir uma nota pelo correio. Sou eu que tenho que trazer a correspondência, por isso não é muito difícil jogá-la na lata de lixo antes que ela possa ter visto. Eu gostaria de poder ir para casa e fugir, mas eu não posso correr o risco de ser vista por minha mãe, então eu me esconderia em uma densa floresta de árvores que crescem perto minha casa até a escola estar fora e obrigar-me-ia a ir para casa. Tanto quanto eu quero ir contra, outro dia vem e eu tenho que para ir à escola. Eu estava esperando que ele me deixasse em paz, mas na hora do almoço eu o vejo voltar para o meu canto. A fome prevalece sobre o medo, e eu não tinha jantado novamente na noite anterior, e eu 24 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett me enrolei protetora sobre minha bandeja quando o vejo vir. Em vez de olhar diretamente para mim ou entrar no meu caminho, simplesmente para na mesa dos “perdedores” e se senta. Os poucos alunos que estão reunidos na mesa, parecem que viram uma cobra sentando com eles. Eu olho, meu corpo ainda debruçado protetor sobre minha bandeja, ele coloca o guardanapo em seu colo, certificando-se de cumprimentar cada pessoa sentada lá, apresentandose como se cada um deles não estivesse ciente sobre quem ele é. Teria que ser cego ou surdo não saber quem era Henry Jamison. Ele definitivamente não perdeu sua capacidade de atrair os outros para si mesmo sem sequer tentar. Poucos dias depois de seu retorno à escola, tornou-se popular, procurado como antes, pelos meninos para ser seu amigo, e todas as meninas tolas desmaiando por mais. Depois de um momento de silêncio, retomaram suas conversas, ignorando-o principalmente, mas ocasionalmente, olhando como se perguntando por que ele estava lá. Um par de amigos de Henry passou em volta, olhando para aqueles que estavam sentados, e, em seguida, olhando para Henry se sentaram para avaliar suas reações. Eles se apresentaram aos “Perdedores” surpreendentemente lembrando seus nomes. Seus amigos só balançaram a cabeça, sentando longe e ignoraram como se eles não estivessem lá. Os outros “perdedores” pareciam intimidados por alguns minutos, mudando de posição e se perguntando se deviam ir embora. Finalmente, eles decidiram fazer o mesmo e ignorar Henry e seus amigos. Observo isso com surpresa e desconfiança. “O que você está fazendo?” Quando não olha para mim, fico aliviada, finalmente, com a postura curvada e começo a comer. Não tiro os olhos dele, no entanto. Eu fico me perguntando “o que está fazendo”, mas eu não tenho comido desde a minha metade abandonada do almoço de ontem. Na verdade, estou me sentindo um pouco fraca pela minha falta de comida e isso me dá o impulso que eu preciso para comer, apesar de sua proximidade. Na aula de fotografia, cuidadosamente o ignoro, voltando a minha velha forma de sentar-me na ponta da cadeira, me recusando a permitir que meus olhos percorram suas mãos. Ele diz “Olá” quando se senta, mas sinto a tensão que emanava dele, o que me deixa nervosa. 25 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett A nova rotina começa com ele, sentado na mesma mesa na hora do almoço todos os dias, a mesa é composta agora apenas com " metade de “perdedores” e a outra metade com os amigos de Henry, bem como o dois primeiros que se sentaram com ele pela primeira vez e adicionando mais amigos todos os dias, cada grupo ignorando o outro, mas olhando para uma estranha espécie de camaradagem desconfortável. Esta nova prática me endurece e me deixa ansiosa. Considero alterar o local onde eu estou, mas tenho a sensação de que ele iria continuar de qualquer maneira. Só que eu não consigo descobrir o porquê. Passamos uma semana sem incidentes, minha apreensão diminui pouco, quando algo assustador acontece. Um cara que tem sido um dos meus piores carrascos, através do ensino médio e antes, entra no refeitório. Meu estômago se apertou com medo. Normalmente, Frank e seus amigos saem da escola para o almoço. Quando ficam na escola é para um propósito, e esse propósito é geralmente para mim. Tremo só de pensar nas vezes que fui forçada a perder meu almoço, ou porque ele cuspiu ou deixou cair alguma coisa na minha comida que era coco de cão, eu tentava comer em torno disso. Isso me dá um grande calafrio e eu acho que com o tempo a humilhação começou a afastar a minha vergonha ardente. Hoje é a primeira vez este ano que ele vê, aparentemente. Localiza-me imediatamente no refeitório onde eu me sento, com um sorriso dividindo seu rosto. Meus olhos instantaneamente voam para Harry, que está envolvido escutando uma história que é contada por um de seus amigos. “Oh, por favor ...” imploro silenciosamente, “não deixe-o ver isso”. Eu não tenho certeza se eu quero ser exposta novamente, a fim de evitar uma nova ideia para me humilharem mais, ou simplesmente não quero que Henry veja a minha degradação. Eu olho para o meu carrasco freneticamente, sabendo por experiência própria que devo tentar proteger a minha comida só consigo arrastar a bandeja para mim, e depois ter que passar o dia andando com vergonha em vão, com a frente da minha camisa manchada com os restos mortais de meu almoço. Sinto que os olhos de Henry pesam sobre mim e sobre o meu olhar que o atraí para ele contra a minha vontade. Sua testa está franzida, como se estivesse tentando descobrir o que acontece. Eu não posso manter meus olhos em um só lugar, meu olhar está alternando entre eles. Ele segue o meu olhar para meu algoz, e de volta para mim. Eu vejo que começa a entender, mas em vez de antecipação que espero 26 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett ver, descubro e vejo seu rosto endurecer, vejo a raiva escurecendo seus olhos, apertando sua mandíbula. Assumo imediatamente que sua raiva é para mim, como se eu estivesse sendo condicionada a ela pelo resto da minha vida, eu estremeço e mantenho meus olhos nele, sabendo que ele é o perigo mais imediato. Ele abruptamente se levanta, fazendo com que cada pessoa em sua mesa e até mesmo alguns das mesas próximas parem imediatamente de conversar e o olhem. Tremo instintivamente. Mas, em vez de vir a mim, vira e está na frente de Frank, bloqueando seu progresso para mim. - Posso ajudar? - Suas palavras ressoam com fúria. Ouço claramente de onde estou sentada, mas de alguma forma Frank não percebe, e sorri confiante. -Não cara, eu estou bem. Tenta dar mais um passo e, de repente Henry coloca a mão sobre seu ombro. Henry é no mínimo, seis centímetros mais alto do que o Frank, que tira sua mão com força, mas em vez de conseguir, ele cai como uma pedra. Frank olha para Henry de repente, com sua mandíbula apertada. Ele hesita por um segundo, cautelosamente rasteja em seu rosto um sorriso arrogante quando ele percebe que seus amigos estão assistindo. - Posso ajudar? - Frank perguntou sarcasticamente, causando risos de seus próprios amigos. - Eu não acho que há alguma coisa para você neste lugar, - Henry rosna, assustando-o. Frank dá um leve passo para trás, olhando nervosamente por cima do ombro, tentando manter sua arrogância. - Eu acho que você e seus amigos, - Henry diz com determinação, devem ir em embora. Não pense que este é um lugar para você agora, ou em qualquer momento no futuro para esse assunto. Frank engoliu nervosamente, segurando suas mãos na redenção com um riso tentando parecer desleixado, mas que vem soando como pânico. Lança um olhar confuso para mim não impressionado pelo braço volumoso de Henry. - Muito bom homem, mais nenhum mal será feito, Certo? 27 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Henry não retirou a mão do ombro de Frank e vi como ele apertava, causando em Frank um ligeiro estremecer. - Não hoje e não mais, de qualquer maneira, - Henry rosna ameaçadoramente, olhando para mim, mas, provavelmente, refere-se ao passado. Ele se inclina para frente, colocando seu rosto próximo ao de Frank. - Nunca mais, Entendeu? Frank dá um riso irregular. - Você está brincando não é amigo? Você a está protegendo? Cospe como se eu fosse menos do que um inseto. Eu posso ver seus amigos se preocuparem atrás dele, ofendidos por estar longe de sua diversão. Então, surpreendentemente, alguns dos alunos apoiam Henry não compreendendo, do tipo de grandes jogadores de futebol, que claramente não entendem o que está acontecendo, mas estão dispostos a apoiar Henry de qualquer maneira. Eles não se movem a partir de onde eles estão em pé ao lado da mesa, mas os amigos de Frank são forçados a se retirar imediatamente. O mesmo vale para Frank, longe das garras do Henry. Seus olhos correm em minha direção, e nesse breve olhar eu vejo a promessa de algo pior. Tão rápido olha para trás, para Henry, seu rosto cuidadosamente em branco quando ele se vira e vai embora, tentando retomar sua arrogância descuidada, mas não, pelo menos um tempo. Amigos de Henry se sentam, resmungando sobre a turma, e os outros caras na mesa olham um pouco impressionados com a cena que acabaram de ver, de que alguém que é considerado o maioral, foi rebaixado por esses caras, permitindo que compartilhassem mesa de almoço. Vários deles lançam em mim olhares confusos, querendo saber o que fiz para ter ganhado tal defesa. Eu vejo isso na minha visão periférica, enquanto olhava para Henry. Ele se vira para mim, e eu olho da mesma forma, com uma expressão em seus olhos que eu não consigo decifrar. Não parece estar com raiva de mim, mesmo que sua respiração se acelera. Enquanto o olho, ele leva um par de respirações profundas, relaxando sua raiva em sua boca sombria, soltando os punhos. Acena firmemente para mim, voltar a me colocar na mesa. Eu não tenho mais fome, mas não me movo para ir embora, olhando Henry abertamente. Eu não posso ajudá-lo. Era quase como se 28 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett ... tivesse me ... protegido, como disse Frank. Mas ... “Por que ele faria isso?” Estou confusa, perplexa. Um par de vezes que recebo ajuda parece ser escondida, e aqueles que não me ajudam só podem reunir uma razão para me criar asas e me enviar para o lua. Pela primeira vez durante todo o ano, eu passei a noite esperando pela aula de fotografia. Eu não posso tirar da minha mente o drama do almoço. Não importa como eu veja a situação, ainda parece como se ele tivesse feito por mim. “Por quê?”. Quando ele entra na sala de aula, eu o olho diretamente, tentando ler seu rosto. Ele para ao lado da mesa, quando ele vê o meu olhar interrogativo, me olha com a mesma expressão ilegível que o vi antes. Um rubor arrasta-se até minhas bochechas, e olho para o lado, apertando a mandíbula. Ele me dá outro tenso aceno de cabeça, sem me avisar primeiro. -Oi , - diz, de repente eu entendo. Ele está irritado e envergonhado por ter me defendido, e na frente não só dos seus amigos, mas também de outros alunos, incluindo que a história se espalhou como rastilho de pólvora. Eu já ouvi outros comentando quando eles sabiam que eu podia ouvir, e as pessoas têm me olhado como se tentassem encontrar algo. Agora, obviamente, ele lamenta o que fez. Lágrimas ardem na parte de trás dos meus olhos enquanto estou indo para a mesa. Por um breve momento, senti a alegria de ter um anjo da guarda, ter alguém que não permitiria que alguém agisse errado comigo. Esse par de horas para sentir que a segurança, apenas tornou mais dolorosa para mim. Assim que o sino toca, eu corro para pegar meus livros, pronta para escapar. Eu sinto uma mão pegando meu braço. O calor flui do ponto de contato quando eu fico parada, olhando para a mão segurando meu braço com firmeza agora. A mesma mão que eu tinha observado, com a ligeira cicatriz na parte traseira. Seu aperto é sólido, mais, no entanto, macio o suficiente para saber que poderia quebrar-me facilmente com o contato. -Kate, - Henry diz suavemente, e meu coração dá uma guinada no som o meu nome saindo da sua boca. Por favor, eu quero conversar... 29 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett NĂŁo quero esperar para ouvir o que ele quer dizer. Eu corro, empurrando os outros alunos na porta. Alguns me empurram quando eu passo, mas consigo manter o equilĂ­brio.

30 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 4 Fujo pelos corredores, empurrando e desviando da multidão espessa de adolescentes para alcançar a segurança da entrada. Salto apressadamente, correndo para a minha fuga. Eu não tenho certeza de como, se meus pés se entrelaçam quando chego à calçada ou se alguém me empurra, mas de repente eu estou deitada no chão com os meus livros e papéis dispersos. - Kate! Eu ouço Henry dizer o meu nome e viro minha cabeça para olhar para fora da entrada. Levanto-me, deixando meus livros e papéis onde eles estão. Tomando um tempo para reuni-los apenas para dar-lhe a oportunidade de tentar me alcançar. De toda e qualquer forma eu corro mais rápido, sem tomá-los como obstáculos, ignorando os risos e zombarias em volta, sem saber se ele também zomba de mim. Eu continuo correndo até me encontrar a meio caminho, até meus pulmões estarem gritando, e eu tenho uma pontada no lado do corpo, sendo forçada a parar. Inclino-me, com as mãos sobre os joelhos tentando respirar. Só então me dei conta de que eu estou chorando. Paro em meus pés, minhas mãos em meu rosto, sentindo a umidade lá. Oh! Percebo que minhas mãos estão arranhadas e sangrando, pontilhada com pequenos pedaços de pedras e cimento da queda. Que para as minhas lágrimas. - Idiota!, -eu me xingo. Felizmente, estou perto de uma riacho que corre para o lado da estrada. Dou um passo e quase caio Mais uma vez, meus joelhos estão tremendo, adrenalina não se arrasta. Olho para baixo e vejo que a perna esquerda da calça está em péssimas condições. - Fantástico! - Eu murmuro. Arregaço o tecido da perna da calça até acima do joelho. Ele está riscado, não é uma marca avermelhada, o que significa que amanhã vou ter um hematoma. Eu levanto a outra perna da calça e eu posso ver que o outro joelho está no mesmo estado, só falta um pedaço de pele logo abaixo da rótula, a partir do qual flui uma pequena quantidade de sangue. Eu tropeço no caminho para encontrar uma parte da costa para verificar se é seguro o suficiente para ir para a água. Eu deslizo para o lado da terra para chegar ao rio atual, ajoelhando. Eu grito em sinal 31 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett protesto. Sento-me em uma pedra plana e eu me inclino para a frente limpando as minhas mãos. Faço a limpeza da melhor maneira que posso, tentando remover as pedras, esfregando o sangue das minhas mãos. Espirro água em meu rosto, e lágrimas de afogamento caem na água fria. Um carro se dirige devagar atrás de mim, tão lentamente que eu não teria notado se não fosse ouvir os freios do carro de patrulha e segurança, parar em frente de mim. Observando que está do outro lado da margem, eu penso o quão difícil posso ser abordada. - Aí está você! -Eu congelo, estou surpresa que ele está aqui. -Eu tenho te procurado por toda parte. Eu forço minhas pernas a agir, ignorando a dor nos meus joelhos que protestam. Eu ando devagar ao longo do rio para a estrada, fingindo que não estou sentindo dor. Tenho que usar minhas mãos para me ajudar na encosta íngreme, segurando-me no barranco. Minhas mãos recém-limpas ficam pretas. Quando cheguei ao topo, ele me alcança, mas eu tento correr pela lateral, rapidamente, tentando não mancar, e falhando miseravelmente. -Por favor, Kate, você pode simplesmente parar por um minuto? Espere, você está com dor? - Quase soa verdadeiro e preocupado. Rosna silenciosamente. - Kate, por favor pare, eu quero falar com você, te perguntar ... Viro-me para ele. - O quê! -Eu exijo raiva. - O que você quer de mim? Eu tropeço antes de dar mais um passo em sua direção a onde sua boca está aberta, com minha explosão. - Você esteve fora por tantos anos ... Por que agora? Por que não me deixa sozinha? Por que você tem que ser como eles, porque antes pensei que você fosse melhor! - Eu estou chorando agora. Eu empurro a parede sólida de seu peito com ambas às mãos, deixando-a coberta de lama e manchas de sangue. - Vá! - Eu comando, enquanto as lágrimas começam a cair. Ele está olhando para mim com um olhar estranho em seus olhos novamente. Me enfureço soltando um grito lhe bato as mãos contra o seu peito novamente. Ele prende minhas mãos firmemente e tento libertá-las, em seguida de repente, seus braços estão em volta de mim, pressionando-me contra ele, enquanto eu soluço. Sem pensar, me 32 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett sujeita com a frente de sua camisa com meus punhos, que estão presos entre nós, ele me detém. Suas mãos acalmam em minhas costas, seu queixo está descansando suavemente sobre o topo da minha cabeça. O sentimento dos braços dele em volta de mim, com todo o conforto e sem qualquer restrição ou intenção de prejudicar, me desfaz. Eu choro por todos esses anos de provocações e piadas que recebi das mãos de meus colegas. Nascida de pais que me odeiam, através de um descuido. Eu choro pelo fato de que um bom menino, juntou-se ao jogo. E isso me faz pensar que não há esperança de encontrar algo bom em qualquer um, o que só me faz lamentar ainda mais. Aos poucos, começo a perceber onde estou e no peito de quem eu enterrei minha mortificação. Mesmo assim, continuo por mais um segundo, para deleitar-me com a sensação de estar sujeita a alguém, e como ser tocado com ternura, mesmo que isso não seja real. Eu me afasto e ele afrouxa seu aperto, mas manteve as mãos nos meus ombros. Ele abaixa a cabeça para mim e sinto a vergonha se espalhar pelo meu rosto. Eu mantenho meus olhos para baixo, na esperança de não ver a sua expressão, que é provavelmente desgosto. -Espere um segundo, - Henry diz e vai correndo em direção a seu carro. Imediatamente sinto a perda da pressão e o calor de suas mãos. Certamente ele vai sair agora. De repente, ele está empurrando um lenço para mim. Eu pego-o com cautela, ainda não tenho certeza de seus motivos. Eu uso para limpar meu rosto e nariz, agradecendo-lhe em um sussurro. Eu vejo horror, a bagunça que eu fiz na camisa dele com as minhas mãos. Eu aponto a cabeça para ela. -Desculpe, - eu peço, incerta de que essa história vai se transformada amanhã. Ele sorri, e as batidas do meu coração param por um momento antes de sofrer uma guinada frenética. O sorriso parece realmente genuíno. -Não importa, - diz ele, com gentileza em sua voz, deixando-me um pouco desnorteada. Então ele olha para baixo e vê as manchas de sangue. Ele olha horrorizado. -Você se feriu, -acusa-me. Eu cerro os punhos e encolho meus ombros, pisando para trás, ele está com raiva, agora que viu o estado arruinado de sua camisa. -Eu estou bem. 33 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett E eu estou, em comparação com alguns dos outros ferimentos que eu tive na minha vida. Ele dá um passo adiante, puxando minhas mãos para ele, desenrolado os dedos suavemente de meus punhos, ignorando meu enrijecimento ao seu toque. -Vamos-, diz-me, levando-me suavemente de volta à pista. É muito mais fácil firmar-me com o apoio dele, mas certamente mais assustador. Ainda não sei o que quer de mim. Faz-me sentar sobre a rocha onde estivera antes, então rasga uma tira de sua camisa. Ofego surpresa, e ele sorri encolhe de ombros, fazendo com que o meu coração acelere novamente. Mergulha a tira de pano na água e começar a limpar as minhas mãos com ela. Embora seja surpreendentemente amigável, esta sensação de dor me faz respirar profundo através dos meus dentes. -Desculpe-, diz ele, inclinando-se para soprar suavemente em minhas mãos. Alivia o ardor das mãos, mas provoca uma sensação de queimação que começa na boca do meu estômago, o que é diferente de tudo que já experimentei antes. Continua a limpeza e sopra minhas mãos, até que eu me sinta como se estivesse em chamas. Eu acho que eu ainda lamento porque de repente olha para mim, olhos ilegíveis. Eu abaixo a minha cabeça com vergonha. Em seguida, limpa o meu joelho, que ainda está em minhas calças ferido e exposto. Rasga mais duas faixas da parte de trás de sua camisa, já que são limpos, e os usa para enfaixar minhas mãos, fazendo nós como um profissional. Quando eu levanto minha sobrancelha para os nós, ele sorri novamente e diz: Escoteiro Eagle. Medalha de mérito de primeiros socorros são necessárias, você sabe. Eu olho para as minhas mãos, limpas e enfaixadas, e então eu olho para Henry. - Por que você está sendo bom para mim?- Eu pergunto, confusa com a sua atenção. Sua perplexidade combina com a minha, quando ele diz: -Eu realmente não sei. Meu coração afunda pela sua resposta. Ele vê na minha cara, porque levanta as mãos, palmas para mim. 34 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Isso não soou bem. - Ele levanta-se, afastando-se, passando a mão pelo cabelo, tornando-se novamente desordenado. -Quando estávamos no primário, nós éramos amigos, certo?- Ele se vira, olha para mim, mas não espera uma resposta. -Eu realmente não posso explicar isso, mas eu sempre me senti, você sabe, protetor em relação a você. Ele me dá uma olhada para ver o que eu acho disso. Depois se senta, eu olho para ele com desconfiança, ele continua: -Quando nos mudamos, senti sua falta-, diz isso com naturalidade, como se ele estivesse dizendo que o céu é azul, mas suas palavras me balançam. Alguém me surpreende agora? Não apenas a mim, não é?. - Pensei em você, às vezes. Eu me perguntava o que estava fazendo, se ainda estivesse aqui. Então eu descobri que estávamos nos mudando novamente. Eu estava esperando que você ainda estivesse aqui, e que conseguiria vê-la. Não poderia estar mais surpresa ainda se ele dissesse que cruzou o oceano a nado. A única coisa que alguém pensava sobre mim eram sobre como me ferir ou humilhar, colegas e pais da mesma forma. Ter alguém para pensar de forma diferente sobre mim é além da imaginação. Eu o estudo, tentando decidir se está zombando, me usando para uma fraude elaborada, mas honestamente, ele parece sincero. -Então eu a vi no primeiro dia e você fugiu, e eu tenho tentado falar com você desde então. Mas você não parece muito aberta à conversa.-, ele diz ironicamente. Ele olha para mim, esperando que eu diga alguma coisa. Só suspiro. -As coisas mudaram-, eu digo a ele. Ele inclina a cabeça, tentando entender o que quero dizer. -A vida aqui não é a mesma. Eu não sou a mesma. Acena com a cabeça, aceitando isso. Ele vem e agacha diante de mim. -Sim, você é muito mais alta-, diz muito a sério. Eu olho para ele e vejo a sua boca se torcer, então olho para cima através de seus cílios e vejo o brilho de seus olhos. Eu não posso ajudá-lo, dou um sorriso. Isso traz um sorriso ao seu rosto e eu apresso-me a cobrir a boca para parar o som. O sorriso dele caiu, e ele chega para puxar minha mão. -Você não deve fazer isso. Eu tinha esquecido o grande sorriso que você tem. 35 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Afasto-me dele, e as lágrimas ameaçam novamente. -Você não deve dizer coisas assim-, murmuro abaixando as calças sentindo dor. - É? Por que não? Parece muito interessado. -Você não pode dizer que você não notou como são as coisas na escola. Eu sou a perdedora favorita de todos. Nada os diverte mais do que me irritar-. Ele fica em silêncio por um longo tempo, finalmente virome para ele, e eu vejo a raiva em seu rosto, mais uma vez, pressionando a mandíbula. Me surpreende e, preocupa que ele possa estar com raiva de mim. Eu olho para trás em direção à costa do outro lado do rio, querendo saber se eu posso correr com os joelhos tão doloridos. Eu sei que posso, claro que posso. Eu tive que me mover muitas outras vezes com dor pior do que isso. -Sim, eu notei. Isso realmente me deixa irritado. Seguro uma risada sobre isso. Ele está irritado com isso? Eu agito cabeça. -Eu quero ser seu amigo- diz, e meu estômago aperta. -Você não pode ser meu amigo. Ninguém pode ser meu amigo. É suicídio social. Ele estende a mão e acariciando gentilmente um dedo sobre a faixa na minha mão, deixando um rastro de fogo improvável. -Eu posso honestamente dizer que, mesmo se isso é verdade, eu não me importo. Soltou um gemido frustrado. -É claro que você se importa. Todo mundo se importa. Você quer ser tratado como eu? Confie em mim quando eu digo que não. -Acredite-me quando eu digo que eu não me importo. Eu acho que você da a si mesma e algumas outros pessoas muito pouco crédito. Além disso, se você é tão impopular, quem se importa? -Você fala como alguém que nunca passou o que passei. -Eu olho a leste, observando as montanhas escarpadas. Ele ficou em silêncio por um minuto, com a cabeça baixa. 36 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Você está certa. Eu não estive lá. Eu não estou pedindo um sacrifício para qualquer um de nós. Eu só estou pedindo uma chance para ser seu amigo-. Ele se vira para olhar para mim, me forçando a olhá-lo nos olhos. - Por quê?- Eu pergunto, em apenas um sussurro. -Você não me conhece. Ele sorri, e sinto que a minha decisão se enfraquece. -Sim, mas eu gostaria de fazê-lo. Eu balancei minha cabeça e fez uma careta. -Você não sabe o que está pedindo. -Eu não estou pedindo nada. Eu não vou esperar mais do que você quer me dar. Mas de tudo, não me ignore na aula de fotografia. - Os cantos de minha boca ligeiramente sobem. -Eu queria saber como você seria quando fossemos parceiros de laboratório. Sorrio de orelha a orelha. Eu olho para ele com ar de dúvida. -Eu não sei nada sobre a coisa de ser amigos, mas ... -Sim, você pode estar certa. É possível que não lhe agrade também-, sei que ele está brincando. Como se tivesse a oportunidade. - E eu?- volto a ficar séria. -Duvido-. Ele está sorrindo, mas sua voz é solene. -Mas saberemos se não experimentá-lo, certo? Há milhares de razões pelas quais eu não deveria aceitar isso, mas ele aperta meu braço em sinal de súplica, tanto quanto é possível com alguém que realmente é um amigo. Os argumentos morrem em meus lábios. -Será o seu funeral - resmungo. Ele ri, e depois estende a mão para mim. - Amigos?

37 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eu fico olhando para sua mão estendida, antes de, finalmente, colocar a minha mão na sua. Ele apertou suavemente, cuidadosamente enrolando-a, em seguida, se levanta, me levando com ele. -Vem, amiga, eu vou te levar para casa. - Não!- Ele olha para mim, surpreso com a minha rejeição exaltada, mas não posso deixar que me leve para casa. -Quero dizer, tudo bem, eu gosto de andar. Caminho para casa todos os dias. -Tudo bem. -Aceita isso sem argumento. Quando eu começar a subir o morro, meus joelhos feridos protestam o suficiente para endurecer e trair-me arrependo e solto um gemido involuntariamente. - O quê?- Sua preocupação é imediata quando me olha. -Nada, eu estou bem. Eu acho que eu machuquei meu joelho um pouco. –Trato de me firmar com a intenção de deixar a terra lá embaixo e andar como se não houvesse nada mal. Meu corpo que nunca foi meu aliado tem outras ideias e meus passos vacilantes me delatam. -Certo, chega de martírio,- diz, levando-me em seus braços como se eu fosse uma garotinha. Surpresa, eu envolvo meus braços em torno de o pescoço para me segurar, viro a cabeça de vergonha. Caminha facilmente pelo morro, até chegar ao seu carro. Coloca-me no chão, abre a porta, retira um monte de livros para eu subir. -Esses são os seus livros, - e me entrega a pilha. –Os que você deixou na porta da escola hoje. Não é feita qualquer referência ao fato de qual a razão para que eu esteja ferida sem pele em minhas mãos e joelhos, era porque estava fugindo dele. -Obrigado- murmuro. Ele fecha a porta, andando em volta do carro para chegar ao lado do motorista. Isto parece surreal, eu sair em um carro com um menino, quase como normal. Nos dirigimos a cerca de um quarteirão da minha casa. -Pare aqui, eu vou andando agora. Ele olha para mim com um argumento inteligente, mas algo que ele vê no meu rosto interrompe. Ele balança a cabeça, e para. 38 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Você tem certeza que está bem?- , Ele pergunta. -Sim, eu vou ficar bem. -Muito bem. Um momento,- diz ele, quando eu viro a maçaneta. Ele salta para fora, correndo ao redor do carro para abrir a porta. Pretendo que os meus joelhos não estejam tremendo, e ele finge não perceber como eu me apresso para sair. -Você sabe, você está um pouco alto também,- digo eu, surpresa com a minha ousadia. Ele ri quando entra no carro, dá-me um tchau, se vira e vai embora. Eu vejo quando ele vai. Quando passo mancando pela porta da frente, vejo logo que minha mãe está dormindo, roncando em um sonho induzido pelas drogas. Primeiro fiquei em silêncio ao lado dela, olhando ela dormir, esqueço a minha lição de casa por um momento, subo as escadas. Entro no banheiro, fechando a porta atrás de mim. Um pouco assustada, me aproximo do espelho. O espelho tornou-se meu inimigo nos últimos anos ,servindo - me apenas quando eu tenho que tentar cobrir uma contusão ou olho roxo. Agora eu olho para ele, jogo meu longo cabelo loiro contra o meu rosto claro e tento enxergar o que Henry pode ver quando me olha. Nada muito especial, eu acho. Com um dedo, eu traço o curso da minha pele suave abençoadamente livre de acne e manchas, pele lisa, nariz reto, sobrancelhas nem muito grossas nem muito finas e uma boca normal, queixo comum. Adivinho que meus olhos são a minha melhor característica, grande e com um contorno de cílios escuros. Eles são de cor azul claro, com anéis de ouro. Eu balanço minha cabeça e deixo meu cabelo cair no lugar. Nada atraente extremamente simples, mas ele ainda quer ser meu amigo. Muito bom, então. Pela primeira vez na minha vida, olho com interesse os dias de escola no futuro. Na verdade, eu acho que eu não posso esperar para chegar o amanhã.

39 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 5 Enquanto amanhece, eu fico ansiosa. Será que à tarde anterior realmente aconteceu, ou apenas devo ter sonhado? Não consigo imaginar alguém que pudesse sair de seu caminho para ser meu amigo, muito menos alguém como Henry. Eu acordei cedo entusiasmada, que gradualmente desaparece, com as minhas dúvidas me encontro arrastando pés, para não sair até o último minuto. Uma vez na escola, eu caio de volta para o meu antigo padrão de evitar lugares onde ele poderia estar. Eu não tenho certeza do que eu vou fazer se eu o ver e ele me ignorar, ou pior, rir de mim. Mas chega a hora do almoço, eu estou apertada com a tensão. Caminho pelo refeitório, de cabeça baixa, para fila para conseguir o meu almoço, e, em seguida, caminho em direção a meu canto habitual. E eu paro de repente quando eu o vejo sentado na mesma mesa, olhando para mim, com um sorriso. Pelo menos, eu acho que eu estou sorrindo, porque um olhar para trás, não revela mais ninguém olhando em sua direção. Quando me aproximo, mesmo hesitante, ele se levanta de sua cadeira. Faço uma pausa para preocupada, congelada, tensa, à espera de ... O quê? Que ele faça voar a bandeja de minhas mãos? Por piada às minhas custas? Por seu riso zombeteiro? Caminha em direção a mim, com um olhar interrogativo em seus olhos, o sorriso nos lábios um pouco hesitante. Ele passa os dedos pelos cabelos, e para quando está na minha frente. -Olá,- diz ele. O som faz com que me coloque nervosa, rapidamente, olho ao redor para ver se alguém está ouvindo. Ele ainda tem a oportunidade de recuar. Da mais um passo e levanta a mão para mim. Eu dou um passo para trás, pronta para esquivar-me caso ele venha a empurrar a bandeja para cima. Ele para o movimento, a cor deixa seu rosto. Olha-me, e eu sinto em minhas bochechas rubor de vergonha. -Deixe-me ver isso para você,- diz, baixinho, pegando a minha bandeja. Estou relutante em liberar do meu aperto, tendo perdido mais de uma refeição no passado com essa tática simples. Sem querer entrar em um cabo-de-guerra, a deixo ir. Para minha surpresa, ele simplesmente se vira e coloca-a na mesa ao lado da sua, em seguida, 40 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett puxa uma cadeira. Eu olho para a cadeira, e depois para ele novamente. Outra tática que eu tenho sido uma vítima antes, com a cadeira ser retirada quando eu sentar-me. Henry simplesmente espera. Com algumas reservas, fico em sua frente, segurando a borda da cadeira para que quando eu me sente, evitar que ele a puxe, mas eu sinto que ele a encosta por trás de mim. É um pouco estranho sentar-me à mesa, e olho com saudade para meu lugar de sempre no chão. Eu me sinto muito exposta. Henry sentado ao meu lado, seu tamanho e presença dão-me abrigo, oferecendo sensação de segurança, falsa ou não, acho que é reconfortante. - Como você está hoje?- Ele pergunta de repente, e sob a fatia de pizza que estava prestes a morder. Eu dou de ombros. -Bem, eu acho. -Quero dizer, as mãos e os joelhos?- ele sorri. - Oh!- Eu olho para as minhas mãos, e de repente suas mãos grandes estão lá, segurando minhas mãos nas dele. Seu toque queima através do ponto de contato, dirigindo-se ao meu estômago. Eu tive mais contato humano nas últimas 24 horas do que eu tive desde que me lembro, excluindo o tipo violento, claro, e tem sido parte dela. Examina cuidadosamente as minhas mãos, como se estivesse prestes a dar um diagnóstico. Esfrega as pontas dos seus dedos suavemente sobre as crostas de arranhões, e eu estremeço involuntariamente. -Eles parecem melhor, limpo, não está infeccionado. - Ele olha para mim e sorri novamente. Meus batimentos cardíacos aceleram e eu retiro as minhas mãos. Não parece ofendido e seu sorriso nunca hesita. -Você não está mancando tanto.. Isso me surpreende, eu pensei que não estava mancando nada. Será que você veio andando para a escola hoje? Eu aceno, minha língua está atada. Ele balança a cabeça. - Será que você perdeu o ônibus? 41 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Não, nunca viajo no ônibus. Sempre caminho. -É mais saudável, né? Eu quase sorrio com suas palavras. -Sim - mais saudável, sem chance de uma surra! -Então, recupera e come toda a porcaria gordurosa. -Brinca, indicando minha pizza. Para ele, é lixo gorduroso para mim, provavelmente a única refeição que receberei hoje, portanto, é delicioso. Eu não posso dizer que é ruim, então eu dou de ombros e mais uma vez, dou uma mordida grande. Então eu percebo os outros na mesa. Eles são os "perdedores" também e estão olhando para mim com bocas abertas, estão impactados como se houvesse brotado em Henry uma segunda cabeça e começasse falar em línguas. Rapidamente olho para baixo, tentando ignorá-los, mas eu estou super consciente de todos os olhos sobre mim. Se isso não fosse ruim o suficiente, logo os dois amigos de Henry chegam, soltando suas bandejas ruidosamente. Eles olham para mim, mas eu acho que talvez pareçam menos surpresos em me ver aqui do que os outros "perdedores". - Conhece Ian e Kaden?- Ele me pergunta, eu só vejo como levantam o queixo em minha direção me cumprimentando. Logo outros três garotos chegam e sentam-se, Henry novamente faz apresentações, como se ele tivesse ido para a escola com esses caras por vários anos. Com eles vem um monte de barulho e conversas, e eu estou contente afundando-me na invisibilidade, com rapidez. Mas Henry está atento a mim, tendo certeza de que estou incluída na conversa, mas sem tentar me atrair, pelo qual sou grata. A hora do almoço passa muito lentamente, ao mesmo tempo muito rápida. Depois do almoço, eu tenho mais duas aulas antes da de fotografia. Eu movo entre as classes, mas eu estou contando os minutos para que essa aula chegue. Chego mais cedo do que o habitual tento não ficar olhando para a porta, procurando o familiar cabelo espetado loiro escuro. Quando eu vejo sua silhueta na porta. Meu pulso se acelera. Enquanto se senta ao meu lado com sua saudação habitual, eu 42 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett posso dizer que estou surpresa quando eu olho com um sorriso tímido e respondo: "Olá" de volta. A aula começa e não há oportunidade para uma conversa, mas eu sinto uma espécie de satisfação reconfortante estar sentada aqui ao lado dele. Hoje é o último dia para tomar notas, e segunda-feira começará a laboratório. Estou ansiosa para chegar a hora, e eu vou ter uma desculpa para interagir com ele, e medo ao mesmo tempo. Assim que os sinos tocam, começo a empilhar os meus livros, eu tenho tanta pressa como eu tinha antes, ainda preciso sair da escola antes da maioria dos alunos, e aumentar a minha chance de ser deixada em paz. - Você precisa de uma carona para casa?- Suas palavras param meus movimentos. Eu penso em como eu estava sentada ao lado dele no seu carro. Então eu penso sobre as aparências e o que as pessoas pensarão, e como vou mencionar estar em casa mais cedo. -Não, obrigada, eu vou a pé. - Com seus joelhos?- Diz cético. - Venha é meu caminho. - Eu ainda tinha dúvidas, preocupada com a ideia de andar pelo corredor ao lado Henry, com todo mundo olhando, perguntando-me se eu deveria aceitar entrar novamente em seu carro, sabendo o que na verdade pareceria. Pegua minhas dúvidas como rendição, e toma meus livros, empilhando-os com os seus enquanto ele se levanta. -Eu prometo não morder- fala de brincadeira com aquele sorriso encantador. Sem isso, poderia ter dito não, mas eu vou, infelizmente, impotente contra o ele faz ao meu coração. Com a cabeça baixa, eu saio da sala aulas com ele. Quando estou no corredor, eu reduzo a velocidade dos meus passos um pouco, caminhando ligeiramente atrás dele. Pareceria muito sem vergonha andando ao seu lado. Ele retarda seus passos também coincidindo com os meus, mantendo-me ao seu lado. Tento reduzir a velocidade um pouco mais, mas ele também o faz. Finalmente, quando percebo como estamos nos movendo, e quão ridículo isso é começo a andar em um ritmo normal. Eu tento, sem sucesso, ignorar os olhares e sussurros que enfrentamos, pois é óbvio que nós caminhando juntos desde que Henry me apoia pelo cotovelo ao longo do caminho guiandome através da multidão. 43 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Sinto-me grata quando chegamos ao carro. Ele abre a porta para mim, entregando meus livros antes de fechar. Quando saímos do estacionamento, estou ciente dos incrédulos estudantes apontando para nós. Henry está alheio a tudo isso. -Então, você tem grandes planos para este fim de semana? –Me pergunta, prestando atenção à estrada enquanto guia através do labirinto de motoristas adolescentes, ainda saindo do estacionamento fundindo-se com o tráfego. Vejamos, limpar a casa, lavar roupa, cozinhar alimentos que não são permitidos comer, e talvez uma ou duas surras. E oh, sim, influenciar crianças a se balançar como um meio de fuga. -Não, nada realmente, e você? -Nada de mais. Tenho certeza de que minha mãe tem uma lista de tarefas para mim,- diz amargamente alegre em sua voz e um sorriso em seu lábios. Eu me pergunto por que essas tarefas são certamente nada comparadas com as minhas. -Eu estava pensando em ir ao jogo de futebol hoje à noite, você vai? Ah? Jogo de futebol? Eu tenho que pensar nisso por um minuto. Ah, sim, deve referir-se ao jogo de futebol do colégio. Estou ciente de atividades extracurriculares, desde que elas não são para mim. Não importa o jogo que está se referindo, eu não vou. -Não. - Você quer ir ... comigo, eu quero dizer? Eu olho para ele, espantada. Ele está me convidando para um encontro? Não, eu rio em silêncio, claro que não. Apenas tentando ser gentil, ser um amigo. Meu silêncio o leva a falar novamente. -Eu poderia buscá-la. Você sabe que eu não quero que ande com aqueles joelhos doloridos por alguns dias- brinca, sorrindo. -Não, eu não posso. –Não há sorriso de resposta em meu rosto, eu mesma ouço apenas o desespero silencioso na minha voz. -Ah, qual é, poderia ser divertido e ... - Não! Eu disse que não. Apenas ... Eu não posso simplesmente ir certo? -Ele fica em silêncio depois do meu desabafo. 44 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Você está bem? Sua voz é cheia de preocupação. Eu estou com a minha cabeça virada de lado, sem responder, não confiando em minha voz, porque eu posso me imaginar sentada ao lado dele nas arquibancadas, bebendo um refrigerante, quase sendo uma adolescente normal. Sinto seu olhar em mim, apesar de não me pressionar. Ele para no lugar onde havia me deixado no dia anterior e eu salto do carro, sem esperar que ele abra minha porta, fechando-a atrás de mim, corro para casa, e ignorando os meus joelhos gritando.

45 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 6 Este foi o fim de semana mais deprimente que eu tive, e eu tive um monte deles para medir os seus contras. Antes de tudo era o que estava esperando por mim em casa, agora eu sei que há coisas de que podem ter esperado por mim durante tudo este tempo. Uma semana atrás, eu não teria sequer pensado sobre isso, mas agora eu faço. Eu posso imaginar e é tudo por causa de Henry, ele me tratou como se eu fosse igual todas as outras meninas quando me convidou. Não sei nada sobre futebol, eu não sei se é algo que eu gostaria de saber, de modo que não tem capturado minha imaginação. Só gostaria de poder estar lá, entre os meus colegas, sentada ao lado de Henry. Nem seque me preocupo com a provocação ou humilhação que isso poderia causar por aparecer em um evento social onde há menos supervisão que na escola, porque de alguma forma eu sei que estando com ele, ninguém vai me incomodar. Minha mãe está particularmente irritada neste fim de semana, provavelmente, porque sexta-feira meu pai recebeu seu salário e ainda não chegou em casa do trabalho, desde sábado à noite, o que significa que não trará muito dinheiro quando voltar para casa, se é que ele ainda tem algum, porque certamente já bebeu quase tudo. Isto significa que, devo permanecer em meu quarto divagando a minha miséria com o pensamento de Henry e da partida de futebol, que aumenta a diversão, o que ajuda a me distrair. Os pratos não estão lavados e estou quieta o suficiente para evitar causar mais contusões de impressões digitais no meu braço, fazendo com que as partículas de poeira voando no ar me distraiam do soco no peito que me deixa sem fôlego. Finalmente, no domingo, ela começa a gritar na minha cara porque eu tinha comido uma de suas barras de chocolate (que na realidade é verdade, embora em minha defesa eu não tinha comido nada mais durante todo o fim de semana e eu me senti tonta por ser forçada a ficar em um canto em pé por três horas) me acerta com o seu cinto e prende-o na frente meus olhos, batendo-me no chão. Antes que possa ir mais longe para me machucar, ela ouve o carro do meu pai na garagem. -Vá limpar a casa. Olha a bagunça que você fez, - diz-me rapidamente.

46 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Estou bem ciente do jogo de esconder o abuso de meu pai. Não porque ele se preocupe comigo, mas porque simplesmente lhe dá mais desculpas para atingi-la. Neste cavalo dado não se olha para os seus dentes. Corro até as escadas, lavo meu rosto, eu vejo que está de cor roxa em torno de meu olho. Eu o ouvi entrar, ela o recrimina e começar a gritar. Eu entro no meu quarto, abro a janela e vou para o refúgio com minha balança. *** Na segunda-feira de manhã, eu me levanto cedo, tomou um banho rápido e me visto. Escolho minhas melhores roupas, e corro pela minha rua e ao virar a esquina, meus pés se detém. Henry está parado, encostado no capô de seu carro, as pernas dobradas na altura dos tornozelos, de braços cruzados e cabeça baixa, com a maior concentração do mundo, como se estivesse em uma longa espera, como estivesse observando seu relógio, porém, de repente olha para cima. Quando ele me vê, um sorriso lento divide seu rosto, lentamente descruzando os tornozelos se aproxima de mim. -Olá,- me diz, naturalmente, como se fosse comum a presença dele aqui. - O que você está fazendo aqui?- Pergunto desconfiada. Ele ri. -Bom dia para você também. Eu sorrio, encolhendo os ombros, envergonhada por ter sido tão rude. -Bom dia. Eu olho para ele por um momento, e então eu pergunto novamente: - O que você está fazendo aqui? Aperta sua mão para indicar o carro. -Eu pensei que você ia gostar de dar um passeio. Demonstro preocupação. - Você já pensou que talvez eu caminhe até a escola porque eu gosto de fazer? - Eu pergunto, um pouco defensivamente. 47 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Ele fica surpreso por isso. - Sério?- Ele parece confuso. -Como pode andar de tão longe para a escola duas vezes por dia, todos os dias? Eu olho para longe e, em seguida, dou-lhe uma meia verdade. -Sim. Eu gosto de andar a maior parte do tempo, mas só porque a outra alternativa é pouco atraente. Alguns dias são chatos, e algumas vezes, meu corpo maltratado se torna difícil, mas também me dá algum tempo para mim mesma, tempo para pensar, ver, sentir e cheirar o mundo sem ninguém para me incomodar. - Huh! -Bufa, surpreso e um pouco desanimado. -Bem, eu pensei talvez seus joelhos ... -Eles estão melhor agora. - Ah! -Parece confuso. Os cantos da boca se levantam ligeiramente como em uma criança contrariada, finalmente sinto pena dele. - Foi uma oferta muito boa, no entanto. Apreciei. Ainda parece fazer um pouco de beicinho, e eu me lembro do garoto que tinha sido em nossos primeiros anos na escola primária. De repente, seu olhar se ilumina. -Talvez eu possa andar com você hoje. Vou deixar meu carro aqui, e pegá-lo depois da escola. Eu franzi as sobrancelhas. -Mas como você vai voltar aqui para buscá-lo? -Eu posso andar de novo ... você ... você sabe, se está tudo bem ... – Em seu tom de voz eu percebo que ele se sente inseguro de si mesmo. -Tudo bem. Minha resposta silenciosa o também, pois sou honesta.

surpreende, e eu me surpreendo

48 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Ele olha para mim por um momento, pensando se eu estou aceitando por querer fazê-lo ou se eu me sinto pressionada. Tudo que vê no meu rosto o deixa satisfeito, e acena com a cabeça. -Tudo bem. Deixe-me pegar meus livros e fechar o carro. - Ele faz isso, correndo e volta para o meu lado. -Temos uma rota especial para tomar? Aceno, muito sério. -Sim, eu gostaria de aproveitar para levá-lo pelo caminho mais longo. Ele olha para mim por um minuto. Eu não posso manter o meu sorriso escondido. Ele começa a rir. -Sim, eu acho que seria uma boa ideia. Pega os livros dos meus braços, encolhendo os ombros. -Minha mãe me mataria se pensasse que eu não sou um cavalheiro em cada absoluto segundo. Bem, isso explica tudo, abrindo a porta do carro para mim. Trata de andar a passos largos mais do que os meus enquanto caminhamos. Olha para mim, abrindo a boca para dizer alguma coisa. As palavras nunca chegam. Ele para abruptamente e me para com o olhar de alarme em seu rosto. Olho atrás de mim para ver o que é que está havendo. Alguém já o viu andar comigo? Olhando para trás percebo que sou eu, para quem está olhando. - O quê?- Eu pergunto. Estende a mão, colocando-a suavemente no meu rosto, escovando ligeiramente com o polegar logo acima da minha bochecha. -Você tem um olho roxo. Afastei-me longe de seu toque, usando minha mão para substituir a sua, cobrindo um lado do meu rosto, usando o meu cabelo como um véu entre nós, caindo pelo meu rosto. Eu tinha esquecido completamente sobre isso. Eu tinha coberto com corretivo antes, mas, aparentemente, não havia feito um trabalho muito bom com isso. 49 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - O que aconteceu?- Eu ouço a angústia em sua voz. -Apenas a minha falta de jeito é usual. - Eu minto. -Eu caí e colidi contra o batente da porta. Uma mentira viaja facilmente da minha boca, depois de ter dito muitas vezes antes. Ele estende a mão e puxa a minha, fazendo-me enfrentá-lo, examinando com o mesmo cuidado e concentração utilizado anteriormente ao examinar minhas mãos machucadas. Ouve cético a minha história, mas não me faz mais perguntas. -Você precisa ter mais cuidado, repreende gentilmente. -Dói? Seu toque famíliar está fazendo coisas estranhas na minha cabeça, por isso é difícil pensar, então eu me afasto de novo e continuo a andar. -Não. Eu tinha esquecido sobre isso até que você mencionou. Dá um passo mais rápido para me alcançar. Eu posso sentir seus olhos em meu rosto, e sinto calor nas bochechas. Ele está em silêncio. - Será que ela parece tão ruim assim?- Pergunto-lhe quando o silêncio continua. Ele não diz nada por tanto tempo que, eventualmente, me arrisco. Eu olho com intensa atenção. Ele suspira. -Não, na verdade não é tão fácil de ver. -Você viu.- acuso. -Sou muito observador, provavelmente mais do que o normal. Caminhamos em silêncio por alguns minutos. - Alguma vez você já pensou em se tornar um médico?- Eu pergunto. Ele fica surpreso. - O que faz você perguntar isso? -Eu não sei, você me lembra os modos de um médico, você sabe, com meu olho hoje e na semana passada, enquanto você estava limpando minhas mãos preocupado com lesões. Ele sorri. -Na verdade, eu pensei nisso. Eu tenho pensado muito sobre ser médico. Simplesmente eu planejei meus estudos para seguir 50 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett esta direção. Meu pai é um veterinário, então eu passei a maior parte da minha vida vendo curar os animais, de qualquer maneira. Sempre quis ser como ele, ser um veterinário, sabe? Mas, apesar de gostar da maioria dos animais, eu não sou apaixonado por eles como meu pai é, por ser assim eu pensei que seria melhor tentar com as pessoas. Tento imaginar o que seria ter um pai a quem você admira tanto que quer seguir os seus passos. -Lembro-me um pouco de sua mãe,- eu digo. -Ela sempre estava caminhando, e eu lembro-me seu salão para festas e outras coisas. -Sim, ela é uma boa mãe. É uma coisa boa que eu tenho irmãs pequenas, porque elas a enlouquecem, gastam seu tempo com as meninas pequenas. Minha garganta está apertada. Lembro-me vagamente de minha mãe ser uma em vez dessa forma. Devo ter sido uma menina horrível por ter matado esse tipo de comportamento. Eu limpo minha garganta, empurrando esses pensamentos. -Lembro-me de uma irmã, sua mãe sempre usava carro. Tem mais agora? -Essa era a minha irmã menor. Ela agora tem dez anos. Eu tenho outra irmã que tem treze. Talvez você não se lembre, porque estava em uma escola diferente. E eu tenho uma irmã mais nova, que tem três, foi uma espécie de “Oooops”. Muito embaraçoso para um menino de quinze anos, tendo um mãe grávida. Mas o que você pode fazer? É também uma menina bonita. - Sem irmãos? -Não-, ele ri. -Meu pai diz que ele e eu moramos em um oceano de estrogênio, o que não é tão ruim agora, mas espere até que todas tenham atingido a adolescência. Eu rio. Ele olha para mim, envergonhado de dizer isso, de modo que olha para o lado. - E quanto a você? -Pergunta. -Tem irmãos ou irmãs? -Não,- eu disse, pensando, como sempre, no irmão mais novo que devia ter, o menino cuja morte destruiu a minha mãe.

51 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Ainda tenho lembranças de quando a vida era boa. Isso é um tanto bênção e uma maldição, como diz o ditado. A bênção, porque na mais escura das vezes quando me agarro ao que eu gostaria ter e imaginar o que a minha vida é. Às vezes isso é tudo o que me mantém pendurada. A maldição é que as lembranças da minha vida parecem agora muito mais escuras, porque houve um tempo quando a vida era a luz. Escuridão começou no dia em que meu pai perdeu o emprego, mas, na realidade, as pessoas perdem seus empregos todos os dias. Por que tinha sido tão traumático para o meu pai? Essa é uma pergunta que eu nunca pude responder. No início, minha mãe grávida havia me protegido do impacto da fúria de meu pai. Ela era a calma em meio à tempestade. Quando ouvimos o carro descendo, ela me incentivou a jogar no meu novo brinquedo. Foi lá que eu encontrei a minha fuga. Com o vento soprando no meu cabelo, o céu azul em cima e grama verde abaixo, eu estava voando. Achei que era um pássaro, e se chegasse a elevar alto o suficiente, poderia parar deixando de lado todas essas correntes e voar para longe dos gritos, os sons que meu cérebro se recusou a processar, mas sempre levou a um olho preto ou um lábio cortado da minha mãe. Quando ela entrou em trabalho de parto prematuro depois de uma briga particularmente violenta poucos dias antes do Halloween, eu estava tentando chegar a esse voo mágico. Eu tinha ouvido o meu pai bater com a porta do carro, quando a ouvi gritar dolorosamente angustiada para obter ajuda. Corri para dentro e viu a poça de sangue embaixo dela no chão, onde ficou segurando a barriga, arredondada e ofegante de dor. Cerca de um mês antes eu vi os homens aterrorizando dizendo que estava chegando o dia de levar o seu carro. Eu não poderia ter compreendido, entanto, como só tinha nove anos e era pequena para a minha idade. Não tínhamos telefone também, que reduzia as opções. Fui expressamente proibida de ir para os vizinhos em tudo. Quando ela caiu no chão e não poderia acordá-la, fiquei desesperada. Eu quebrei a regra e corri para a casa ao lado. 52 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett O vizinho ligou para o 911, mas, aparentemente, foi onde ele terminou sua ajuda. Nem sequer me acompanhou a minha casa para ver se poderia ajudar minha mãe, e mesmo naquela tenra idade eu poderia entender sua relutância em se envolver. Eu mesma teria amado não me envolver com a minha família. Logo chegou uma ambulância para levá-la embora. Ninguém parecia muito preocupado que uma criança de nove anos de idade, estava sozinha na casa com uma grande poça de sangue sujando o piso no chão da cozinha. Eu estava com medo de que meu pai chegasse em casa e visse a bagunça, por isso eu encontrei algumas toalhas e limpei o melhor que pude. Nunca tinha utilizado a máquina de lavar, mas já tinha visto minha mãe fazer isso, então eu tentei imitar o que me lembrava, e coloquei as toalhas encharcadas de vermelho no interior, o aterro parecia ter a quantidade certa de sabão, até que o fluxo de água começou. Então eu limpei o chão e guardei o balde no armário, em seguida, terminei a limpeza, polindo em torno das arestas das peças, até mesmo no lugar onde a poça de sangue estava. Eu não podia ver vestígios de sangue no chão. Meu pai não voltou para casa naquela noite. De alguma forma, ele havia recebido a notícia e foi para o hospital. Eu estava sozinha em casa. Ela não voltou para casa no dia seguinte, ou quando meu pai chegou em casa para me dizer resumidamente que ela iria fazer no dia seguinte. Fiquei surpresa ele realmente pareceu um pouco triste e um pouco culpado, quando retornou. Ele trouxe um saco com um hambúrguer, batatas fritas e refrigerante para mim, um gesto raro que tinha obtido a partir do dia anterior quando ele perdeu o emprego. Foi embora e assumi que ia passar a noite sozinha outra vez. No entanto, eu acordei no escuro da noite, quando ele chegou. Então, eu me encolhi debaixo das cobertas, com medo, sem a proteção de minha mãe. Seus passos pararam fora da minha porta, e gelo penetrou na minha pele, meu corpo congelou até a minha respiração. Finalmente, ele tropeçou e deixou escapar um suspiro de alívio. Eu tremia como uma árvore no inverno, incapaz de controlar o medo residual, lágrimas escorrendo pelo meu rosto em silêncio. O sono levou um longo tempo para chegar. Ele foi para o hospital no dia seguinte para trazer minha mãe para casa. Quando chegou, seu estômago estava estranhamente plano, e não trouxe nenhum bebê. Eu estava aliviada que ela estava em casa me 53 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett joguei contra ela, envolvendo meus braços em torno de sua cintura. Mas não voltou o abraço, nem mesmo pareceu perceber que eu estava ali. - Pare com isso!- Ordena meu pai, uma frase que meus pais começaram a usar muitas vezes comigo. Deixei meus braços cair, olhando com dúvida. Ela nem olhou para mim, e eu percebi quão triste ela parecia estar, os cantos de seus lábios estavam profundamente marcados, seus olhos estavam vermelhos e inchados. Ela entrou na casa e deitou-se no sofá, dando a volta, puxando o cobertor pendurado na parte de trás da parte de trás sobre si mesma, cobrindo a cabeça. - Mamãe?- Eu disse, chamando-a pelo nome que eu tinha usado em longo tempo. Ela me ignorou e então ouvi os soluços suaves de baixo cobertor. Olhei para o meu pai, com olhos acusatórios, que parecia justo desde que ele tinha sido a causa de todas as suas lágrimas nos últimos meses. Eu olhei e vi a culpa voar rapidamente em seu rosto, em seguida, olhou para o lado e substituiu-a com a sua habitual carranca. -Sua mãe perdeu o bebê-, ele disse. "Será que você perdeu? Não deveríamos estar procurando?” Ele deve ter visto o confusão no meu rosto, porque ele disse: -O bebê morreu. Sua mãe vai ficar triste por um tempo saia e deixe-a sozinha. Eu estava atordoada. Será que o bebê tinha morrido? Como isso aconteceu? Olhei brevemente mais uma vez, viu as questões em meu rosto e se afastou. - Estou saindo. - disse-me sobre seu ombro enquanto ele empurrou a porta. Eu estava atrás dele, com lágrimas picadas nos meus olhos. Olhei para o caroço encolhido no sofá estava se movendo silencioso e fiz o que eu tinha dito, quando eu fui para fora, ao meu fiel amigo, o balanço a espera para me levar embora. -A única filha, hein? Aposto que você é mimada? – O comentário de Henry me retorna das memórias amargas enquanto caminhamos. Eu deixo escapar um sorriso cínico pelo seu comentário. -Eu sou a coisa mais distante de ser mimada. -Ele olha para mim. - Como foi o jogo? -Deixo escapar, mas é a primeira coisa que me ocorre para mudar de assunto. Olha-me por alguns instantes, mas eu 54 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett olho para a calçada, é como se ele pudesse ler minha mente e ver a verdade. -Foi tudo bem, eu acho. Típico. Muitos gritos e caras que não veem o jogo. É mais social do que qualquer outra coisa. Duvido que mais de um poucos sabem dizer a diferença entre um touchdown e uma meta de campo. Sinto-me a cor da mortificação no meu rosto, perguntando se ele sabe algo que eu não sei. -Acho que a maioria dos caras vai ver as líderes de torcida, e as meninas vão ver os jogadores de futebol. Você não tem ideia de como a coisa toda soa para mim. E nós perdemos. Na próxima semana deve ser melhor, no entanto. Jogamos contra Jefferson. Escola Jefferson High é o maior objetivo da nossa escola, embora eu nunca consiga entender por que ele é o maior rival de qualquer outra escola. -Você deve vir. Percebe que estou prestes a negar a questão, e se apressa em me acalmar. -Antes que você diga não, apenas prometa-me pensar sobre isso. Se é um problema com seus pais, porque eles querem que você vá com um cara, pode me encontrar lá. Eu vou ter certeza de que haverá meninas conosco, por isso não há necessidade de mentir. Até eu posso arranjar alguém para vir buscá-la, uma menina, eu quero dizer. Não tem que ser como um encontro ou nada, se isso é um problema. Apenas amigos, apenas por diversão. -Levanta as mãos em súplica. - Você pensa sobre isso? Por favor? Não quero discutir, ou tentar inventar uma desculpa, então movo minha cabeça, sabendo que eu vou ter que dizer não, na sexta-feira à tarde. Ele sorri triunfante, e eu me sinto mal de pensar que vou ter que tomar a vitória lá na frente. Eu tenho que admitir o resto da semana, vou fantasiar sobre isso. Eu imagino dizendo que sim, sentindo-se o que seria estar sentada como todos os outros, tomando algo que todo mundo leva para arquibancada, sendo normal.

55 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 7 Ele não menciona o jogo de futebol o resto da semana. Em parte eu esperava que ele tivesse esquecido sobre isso e não me pergunte E mais uma vez, obrigando-me a dizer que não. Uma grande parte de mim está horrorizada com o pensamento de que ele tenha esquecido, ou se arrependido, então ele perguntou novamente. Ele me leva para casa na sexta-feira. Cada dia começou para mim na parte da manhã. Às vezes a gente ia em seu carro, às vezes andamos. Eu gosto mais de andar porque leva mais tempo para chegar à escola. Sozinho com o que eu posso ser eu mesma e falar livremente, ou tão livremente quanto possível para alguém que está cheia de segredos. Estou tensa na sexta-feira, cheia de medo sobre ele pedir ou não. Ele não diz nada sobre isso todo o caminho para casa, dirigindo não leva tanto tempo. Então, com tanto alívio e decepção que eu digo adeus Assim que ele abriu a porta e saiu do carro. -Espere, - diz ele, pegando meu braço gentilmente. -Será que você pensou sobre o jogo? Você vai? “Eu não posso.” Essas são as palavras em minha cabeça, tentando dizer. Em vez disso eu me ouvi dizer. -Tudo bem. “O quê?” Seu rosto atordoado ecoa na minha cabeça, mas se recupera rapidamente. -Genial. Devo buscá-la em sua casa ou ... -Nós vamos nos encontrar aqui. -Não sei bem como vou conseguir isso. Minha garganta fecha com medo. -Tudo bem. Cerca de 18:30? Concordo com a cabeça, mas não confio, se eu posso falar, vou embora rapidamente, em vez de esperar enquanto estou fora, como de costume. Corro para casa, querendo terminar minhas tarefas mais rapidamente e eficientemente quanto possível, para evitar a ira de mamãe. Eu sinto que a tensão toma conta de mim a partir do topo minha cabeça até a ponta dos meus pés. Estou orando por algum milagre para 56 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett conseguir isso. Quando eu chego em casa, mamãe está no chuveiro. Isso me confunde, porque ela nunca se banha no período da tarde. É raro quando usa o chuveiro na parte da manhã, mas nunca faz na parte da tarde. Eu estou na cozinha, sem saber o que fazer sobre isso. - Kate? –Me chama após alguns minutos do seu quarto. Pelo menos, me chama de "Kate" em vez de "Kathryn". Quando me chama pelo meu nome completo, nunca acaba bem. Com medo, eu vou à sua porta. Eu bato suavemente, e me chama para entrar. Eu fico olhando para a porta com terror. Ela nunca me permitiu sequer me aproximar do seu quarto, e muito menos entrar nele. Minha mão está sobre a maçaneta da porta, com medo de abrir, com medo de não o fazer. -Kate, venha é uma ordem. Eu abro a porta, mas eu fico na porta. -Aí está você. -Ela está na frente de seu armário vestindo apenas calcinhas e sutiã. Eu olho em volta, querendo saber se eu entrei em alguma versão distorcida do mundo real. -Preciso de sua ajuda. Eu tenho que estar pronta para o jantar. - diz como se fosse um pedido comum. - Jantar?- Minha voz é um sussurro estrangulado. -Sim, para o jantar... - Idiota, é claramente o resto da frase não dita. -Você sabe o que é isso, certo? O alimento que você come durante a noite, depois de almoço, antes de dormir. - Sua voz está zombando. Já ouvi falar dele, sim, apenas não costumo chegar a tê-lo. Imagine as consequências de dizer esta oração em voz alta? Em vez disso, digo: - O que eu posso fazer para ajudar? -A esposa do chefe de seu pai está tendo uma grande festa em que as esposas têm a obrigação de comparecer. Você tem que me ajudar a vestir-me e arrumar meu cabelo. Eu me pergunto se ela subitamente está falando uma língua estrangeira, pois suas palavras não fazem sentido para mim. Quando percebe que continuo parada perplexa, me dá um olhar nervosa. 57 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Não fique aí parada como um idiota. Entre. Me movo hesitante no reino proibido, tentando não olhar ao redor, embora eu não possa ajudá-la de alguma forma. Há roupas desordenadas e sujas, e vários papéis espalhados no quarto. Bem, eu acho que, se Cinderela não pode ir para dentro do castelo, ela não pode limpar para você. Ela coloca uma blusa de botões com uma saia que a ajudo a amarrar. Ele se senta ao usar o secador para secar o cabelo. Quer que eu coloque rolos quentes para enrola-los, vou colocando as peças no cabelo, mas estou uma pilha de nervos, e eu continuo a deixá-los cair. Finalmente ela se irrita e os toma de minhas mãos. "Você é inútil, - diz ela. Vá para ... limpar a cozinha ou algo assim. Tente algo útil. Eu não espero para ver se ela muda de ideia, depois de ter sido liberada. Eu vou fazer o que ela pediu, mas rapidamente limpo o que quer que eu seja capaz, antes dela encontrar alguma falha imediatamente. Quando meu pai para na entrada, meu estômago começa a convulsionar novamente. Ele não foi para casa por tanto tempo, que eu não me lembro de quando foi à última vez que o vi. Na maioria das vezes ele se sente como alguém que não viveu aqui mais do que minha mãe e eu. Dá uma olhada em volta, mas completamente me ignora quando se eu estivesse invisível. Eu ouço o chuveiro novamente e alguns minutos depois, sai de seu quarto, se mostrando para o mundo como qualquer outro casal casado saindo para jantar fora. Tenho certeza de que minha boca está muito aberta. -Termine o seu dever de casa, e depois vá para a cama. -É toda a instrução que recebo deles enquanto caminham até a porta da frente. Caminho na sala de estar, observando pela janela enquanto entram no carro velho, meu pai acelera e deixa a entrada. Não estão longe até eu perceber o que isto significa. Vou ver um jogo de futebol. *** Eu termina minhas tarefas em tempo recorde. Não há muito que eu possa fazer sobre mim, além de escovar meu cabelo e colocar minha 58 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett camisa menos arruinada das cinco que eu tenho. Eu tenho medo de que eles retornem cedo e me detenham, eu corro na rua e ao virar a esquina, quase tropeço em Henry. Ele me agarra pelos braços, levando o peso de ambos contra um poste telefone, conseguindo evitar nossa queda na calçada. Recuperome envergonhada enquanto me afasto dele. - Você está com pressa? Ele pergunta com um sorriso. -Desculpe, eu pensei que você não estaria aqui ainda. - Vejo confusão em suas feições. - Então, por que a pressa? Você estava tentando chegar e sair antes de eu chegar? Estou surpreso em ver com que forma a sua mente funciona, poderia pensar que iria tentar evitá-lo, eu balancei minha cabeça. -Claro que não. Embora tivesse sido bom ser a primeira aqui. Não importa o quão cedo eu saisse de casa, você me vence aqui. -Não é uma mentira, apenas uma verdade diferente. Ele ri. -Desculpe. Deve me olhar se eu fosse algum perseguidor estranho ou algo assim, sentado aqui aguardando sua chegada. Eu dou de ombros. -Eu não me importo. É bom de certa forma ter alguém te esperando. Ele inclina a cabeça, com os olhos escuros intensos. -Bem, aqueles que estão esperando por você não sabem o que eles estão perdendo. Minha respiração fica presa na garganta. Soa quase como se fosse um flerte. Eu balancei minha cabeça e solto um sorriso silencioso, é um absurdo. Ele está apenas sendo cortês como sempre instruído pelo sua mãe da mesma forma que leva os meus livros ou minha bandeja ou mostra uma cadeira para mim na hora do almoço, e quando abre a porta do carro. Seu olhar ainda não abrandou, observando como se estivesse esperando alguma coisa, uma resposta ou reação. Eu não tenho, porque eu não sei como responder a este tipo de coisa. -Então,- eu digo, estendendo a minha mão para o carro. -Você vai abrir minha porta ou eu tenho que fazer isso sozinha e dizer a sua mãe? 59 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Ele ri, quebrando o feitiço, andando até o carro. Abre a porta, fazendo um arco com um floreio e varrendo a mão pelo carro. Eu sorrio timidamente ao passar. Chegamos à escola antes do início da partida, mas o estacionamento já está lotado de estudantes. Alguns alunos não só da nossa escola, mas também de Jefferson. Há uma abundância de provocações acontecendo bem-humoradas, mas os policiais circulando e andando por aí dão a impressão de que poderia haver outra coisa. Henry se vira e abre a porta, é claro, cumprimenta alguns de seus amigos. Reconheço alguns que sentam com a gente na hora do almoço, e olho em volta com surpresa quando me gritam “Olá”. Fomos para a entrada do campo. Eu vejo algumas meninas que estão na equipe Espírito sentadas em uma mesa, verificando as carteirinhas dos estudantes ou tomando dinheiro dos bilhetes. Ambas ficam perplexas quando me veem andando em direção à mesa. Seus olhos quase pulam para fora de suas cabeças quando Henry pega a minha mão, entrelaçando os dedos com os meus e me puxando em direção a ele, fazendo com que obviamente saibam que estou com ele. -Ei Celia, Amber! Como estão?- Henry diz. Eu poderia ter sorrido quando vi Celia alcançar dois bilhetes e dar-lhes a Henry sem pedir identificação dos alunos, com os olhos saltando entre nós, mas eu estou começando a sentir que isto é um erro, eu deveria ter ficado à margem, como sempre faço. Sinto um pouco de frio no meu estômago. Henry não solta a minha mão, me mantendo firme ao seu lado quando atravessou o portão, dando os bilhetes para outra equipe de meninas Espírito que abrem a boca como as duas primeiras. Só ele continua sorrindo, cumprimentando todo mundo, agindo como se não houvesse nada de estranho estar lá com a maior perdedora da escola. Há uma sensação de grande excitação no estádio, os alunos estão correndo por toda parte. Alunos, pais e professores da escola, todos vestidos com as cores da sua própria escola, dependendo de que a equipe está aqui para apoiar. Mesmo Henry está usando as cores da escola. Eu olho para as minha camisa amarela que não ajuda nenhuma equipe. Mas é apropriada de alguma forma, para uma ilha com eu. Estou muito consciente de sua mão pressionada contra a minha. Eu sei que isto não é um encontro, apenas amigos saindo. Saber disso não muda a velocidade do meu coração, não tive uma mão sobre a minha desde ... Bem, desde que eu segurei a mão de Henry na sexta série. Caminhamos para as arquibancadas, cheias de uma massa retorcida da 60 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett humanidade exausta e estou duplamente grata que eu ele me apoia, porque teria sido fácil perder – me entre todas as pessoas. Ele me puxa para trás até as escadas, para o lugar onde ele parece saber o caminho, e encontramos lugares entre um grupo de caras que eu conheço pelo nome, dos quais vários já me torturaram em um momento ou outro no passado. Henry choca cinco caras, e garotas, quando lhes diz “Olá”, eu fico de pé atrás dele, enquanto espero um grande buraco se abrir e me engolir. Mantenho a cabeça baixa, mesmo quando Henry leva-me em frente a ele, deixando de lado a minha mão e colocando as duas mãos em meus ombros. - Vocês todos conhecem Kate, certo? Ele pergunta com uma animação positiva, me reconhecem olhando envergonhados e dizem “Olá” . Dou uma olhada em cada rosto, acenando com a cabeça ligeiramente em resposta, uma vez que estão claramente desconfortáveis como eu estou, conheço a história entre nós, apenas Henry o desconhece. Embora não pareça haver espaço entre as pessoas vejo Ian e Kaden, nossos companheiros de almoço, abrir espaço e começar a brincar e rir alto com Henry e os outros lá em pé. Sou grata por sua exuberância que levam a atenção tensa de mim. Os times de futebol fazem o seu caminho para o campo e a multidão cresce galopante. Apesar da minha ansiedade, eu sinto uma emoção. Eu não vou tão longe para gritar como os outros, mas eu encontro-me sorrindo. Henry assobia alto ao meu lado, e me lança um sorriso malicioso que me faz rir. Mesmo aqueles que estão em torno parecem ter chegado a um acordo silencioso com a minha presença e não me lançam olhares de soslaio, me ignoram agora para se juntar aos aplausos. Uma moeda é lançada ao ar, eu posso dizer que o resultado foi a nosso favor, pois aplausos irromperam em torno de mim. Depois disso, as equipes se alinham em extremidades opostas do campo e alguém na outra equipe chuta a bola para a nossa equipe. Para minha surpresa, todos saem correndo em sua direção, quando de repente se ajoelha. Estou confusa, meu conhecimento é limitado, pelo menos eu sei que não é suposto os choques envolvidos. Henry escolhe esse momento para olhar para mim e vê o olhar confuso em meu rosto que está inclinado. Gritando para ser ouvido sobre a multidão, eu pergunta: - Você já viu um jogo de futebol antes? 61 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eu balancei minha cabeça. - Nunca viu um na TV? Eu balancei minha cabeça novamente. - Você sabe alguma coisa sobre isso? -Eu pensei que soubesse. Achei que eles deveria ter se chocado com outros. -A maior parte é verdade. - Então, por que eles se detiveram? Então, me explica o que ocorre depois de cada jogada. Ouço atenta, determinada a aprender. É difícil me concentrar, porque o ruído à nossa volta dificulta, por isso envolveu-me com o braço em volta do meu ombro com cada explicação, puxando-me perto para ouvir melhor. Cria um pequeno casulo privado e eu posso olhar para ele, com os olhos fixos nele para escutá-lo Não para ele, de qualquer maneira, mas muito mais para mim. Depois de um tempo, retira seu braço deixado em meu ombro entre as explicações. Depois de ter passado um pouco de tempo, ele diz: Vamos. -Toma minha mão e me puxando para cima das escadas, desta vez andando pelo canto no topo das arquibancadas. - Terminou o jogo? -Não, é quase intervalo. Mas se não formos à lanchonete agora, vamos ter que esperar em uma longa fila. Quando chegamos à lanchonete, a fila é de uma dúzia de pessoas por muito tempo, e me pergunto o que ele considera uma longa fila. Ouço um apito, em seguida, as duas equipes correm para fora do campo e acho que isto significa que o intervalo começou. A fila atrás de nós tem crescido, serpenteando até que eu possa entender o que ele quis dizer. Pouco antes de atingir a frente da fila, Henry vira mim e me perguntar o que eu gostaria. O pânico me congela por um momento. Eu não trouxe nenhum dinheiro. Eu não tenho nada mesmo se eu quisesse trazer. Simplesmente agito minha cabeça. - Você não quer nada?- Ele está realmente confuso. 62 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Não, eu estou bem. Eu ... comi antes. -Mais uma vez, não é exatamente uma mentira desde que eu tinha comido o almoço na escola. -Vamos lá, você não pode estar em um jogo sem um cachorroquente. É uma tradição. -Não, realmente, eu estou bem. É a nossa vez, então ele vai em frente e faz o pedido enquanto me observa ao redor, fingindo que minha barriga não está roncando vácuo com odores. Eu não posso deixar de notar os olhares que recebo de pessoas que estão em minha direção e que frequentam a nossa escola. O mesmo olhar que eu já vi em outros rostos durante toda a noite. Eu ignoro, não querendo estragar a minha noite. Henry se vira e me dá um refrigerante e um cachorro-quente, empurra-os em minhas mãos antes que eu possa recusar, voltando-se para garçonete para pedir para si mesmo. -Eu disse que eu estava bem ... -Eu sei, mas uma vez que este é o seu primeiro jogo, não quero ser acusado de não dar-lhe a experiência completa.- Seu sorriso me desarma. -Tudo bem. Obrigado. Inclina a cabeça para mim, com seus olhos negros, e minha respiração para. - De nada, - diz ele, com um sorriso em sua voz. Nós nos aproximamos de uma mesa cheia de condimentos, a maioria que tenham sido derramados. Nós nos servimos de ketchup e mostarda, e comemos, nos servindo com temperos salpicando o chão. É a melhor comida que eu já comi. Nós fazemos o nosso caminho de volta para as arquibancadas, ao mesmo tempo em que as equipes retornam para o campo. Há aplausos, embora não tão entusiasmados como quando o jogo começou. Henry está de pé ao meu lado, apenas ocasionalmente tem que explicar as peças ou regras. Mas ele está de pé, com o braço em volta de mim, para minha decepção, de forma mais clara e percebo coisas que eu não tinha notado antes. 63 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Muitas pessoas não prestam atenção ao jogo. A maioria daqueles que estamos vendo são os pais. Todos os outros estão circulando, conversando e rindo, só voltando ao jogo, quando uma boa marca é feita, ou quando os pontos são marcados. Enquanto eu estou olhando em volta de mim vejo algo. Jéssica localizada a poucas linhas acima de mim a uma seção distante. Sou encarada. A ferocidade de seu olhar me atordoa. Nunca hesita, mesmo quando seus amigos falam animadamente com ela. Deve ter me observado por algum tempo, porque nenhum deles ainda parecem perceber seu foco, ou buscar o que ela está assistindo. Dirijo-me rapidamente para frente, com os olhos no jogo, mas com a minha mente para ela. Eu não sei por que ela me odeia tanto. Eu tentei muito ficar fora de seu caminho e não irritá-la mais do que o necessário. Mas aparentemente, a minha presença no jogo de futebol é o suficiente para reacender seu ódio em sua totalidade. Eu tento seguir o jogo, mas agora é como se pudesse sentir seus olhos em mim. Rapidamente olho para trás e confirmo que ainda continua me olhando. Depois de alguns olhares, Henry olha para mim, e então atrás de mim para ver o que eu estou vendo, e então de volta para mim. - Você está bem? Ela pergunta. Eu olho para trás e vejo que de repente está interessada na conversa ao seu redor. Meus olhos se estreitaram em suspeita. Sorrio para Henry. -Sim, está tudo bem. Ele sorri de volta. Nossa equipe pontua um touchdown e sua atenção se volta para o campo, assobiando e batendo palmas. Dou um rápido olhar para trás e vejo que ela está me olhando ferozmente. Suspiro. Seria bom ter apenas um dia fácil na minha vida. *** Nossa equipe acaba de marcar um gol muito emocionante e desempata. O jogador é levantado sobre os ombros de seus colegas e levado no campo, desta forma, as líderes de torcida estão pulando para cima e para baixo, pessoas cercando os grupo e gritando, enquanto se afastam quando Henry me puxa para uma comemoração improvisada em seu abraço, levantando os meus pés do chão, enquanto me segura. Rodeio meus braços em torno de seu pescoço para a segurança pela súbita sensação de imponderabilidade. A sensação de solidez de seu corpo quente pressionado intimamente contra o meu é diferente de tudo 64 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett que eu experimentei anteriormente. É apenas um abraço para ele, mas agora, eu sei que quaisquer que sejam as consequências que terei de enfrentar se a minha ausência for descoberta, vai valer a pena por este momento. Toma um tempo para fazer o nosso caminho para casa após todas as celebrações. Em um momento a mão de Henry é tirada da minha para me segurar firmemente contra seu lado. Depois de um minuto ou dois tentando descobrir o que fazer com a minha mão que esta desajeitada presa entre nós, enrolo delicadamente contra a sua cintura. Uma vez fora da multidão, eu deveria ter sido liberada, mas em vez disso Henry mantém a sua aderência. Quando chegamos ao seu carro ele me libera para puxar as chaves do bolso. A perda de calor para frio ar da noite de outono me fez estremecer. - Você está com frio? Ela pergunta. Eu envolvo meus braços contra meu corpo. -Um pouco, mas eu vou sobreviver. -Aqui, eu tenho uma jaqueta ... -Abra na blusa zíper frontal. Eu empurro meus braços na jaqueta demasiada grande. Alcança zíper e fecha, e depois esfrega o mãos para cima e para baixo nos braços. - Melhor? -Sim, obrigado. E quanto a você, então? -Quase não pego um resfriado. Minha mãe diz que meu pai e eu fomos feitos em fornos. Ele abre a porta do carro a fecha atrás de mim, e vai para o seu lado. Liga o carro, levando algum tempo para ligar o aquecimento. - Gostou do jogo?- Ela pergunta enquanto tentamos deixar o estacionamento, que ainda está cheio de rapazes sentados em seus carros, piscando suas luzes e buzinando. -Sim, eu realmente gostei. -O que você gostou mais. Meu pai vê futebol na TV a tempos, mas depois de todos esses anos minha mãe ainda não tem ideia de como ele funciona. -Esta queixa é dada com a mesma diversão frustrada. Eu já 65 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett ouvi antes ao falar sobre ela. Eu me pergunto o que teria uma mãe digna de amor. Ainda mais, eu me pergunto como seria ser receptora de tanta emoção de Henry. -Foi muito divertido. Estou contente por ter vindo. Agradeço pelo convite. Ele se inclina sobre o assento e aperta minha mão que está no meu colo, e ainda segurando-a pelo resto do caminho para casa. Paramos no lugar de costume, o que inicia as borboletas no meu estômago para o que vou encontrar em casa. Se eu tiver sorte, meus pais ainda não estarão em casa. Sim, desde quando eu tinha esse tipo de sorte? “Desde que ele entrou em sua vida”, outra voz responde, surpreendendo-me com a sua veracidade. -Este é o seu ponto de ônibus ele diz quando abre a porta. Saio, começando a tirar o casaco, mas sua mão interrompe a ação. -Fique com ele. Pode dar-me depois. - Não estar com frio? Eu pergunto. -Forno interno, lembra? -Tudo bem, então eu vou levá-la na segunda-feira. -Olha, eu queria saber se você quer fazer algo amanhã? Claro que sim, mais do que qualquer coisa que eu sempre quis na minha vida. Essa não é a minha realidade, no entanto, temo o que eu quero. -Desculpe, gostaria de poder, mas eu não posso. A decepção é refletida em seus olhos. Ele acena com a cabeça. - Tem certeza de que não posso levá-la para casa? É escuro aqui fora. Se ele soubesse que o perigo não é aqui no escuro, mas na "Segurança" da minha casa. -Não, eu vou ficar bem. Obrigado mais uma vez. Eu não tinha tanta diversão desde que me lembro. 66 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Ele sorri e me puxa em um abraço que atesta o seu calor interno, libertando-me antes que possa reagir suficiente para levantar os braços para devolver o gesto. -Vejo você na segunda de manhã, então. -Tudo bem. Até logo. Eu o vejo sair, e depois caminho até a minha casa no escuro. O carro está no caminho, mas todas as luzes estão apagadas bom sinal. Eu dou a volta na casa e subo até minha janela, que tinha deixado destravada antes de sair. Subo silenciosamente, Tirando o casaco, pronta para ir para a cama. Tiro os lençóis, movendo os travesseiros que se estavam na minha cama para fazê-los parecer como se já estivesse deitada. Possibilidades que um dos dois realmente viessem me ver eram pequenas, mas melhor estar preparada por tudo que eu já sofri. Pouco antes de cair na cama tiro a jaqueta para fora da cadeira, fechando em direção a mim. Eu subo na cama, aconchegando-a perto de mim. Tem o cheiro dele, eu acho isso quando eu tomo uma respiração profunda da roupa. Eu revivo a noite, empurrando para fora da minha mente as partes ruins, especialmente Jessica, revivendo lentamente cada momento no jogo a minha mão na sua, ou em seus braços. Com um suspiro feliz, eu escorrego no sono.

67 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 8 Se puder haver alguma coisa como um fim de semana tranquilo em casa, é esse. Independentemente, de como foi na sexta-feira à noite para meus pais, isso de alguma forma deu uma pequena dose de felicidade para a minha mãe. Não que ela é imediatamente transformada em uma espécie de mãe amorosa, mas as humilhações são poucas, as queixas sobre meu trabalho são quase inexistentes, e eu não recebi uma grito ou tapa. Eu não consigo parar de pensar em Henry. Segunda-feira não pode vir rápido o suficiente, não importa o quão extraordinariamente tranquilo está sendo o fim de semana. Gostaria de saber onde ele está? O que está fazendo. Saber com quem está? e eu estou com ciúmes de alguém que está com ele, não importa quem seja. Eu nunca imaginei que a escola era algo para antecipar, mas aqui estou eu de novo, correndo para me preparar para sair pela porta. Apenas gostaria de ter algumas roupas que não se parecem com o elemento óbvio segunda mão que são. Mais do que tudo eu tenho camisas e camisetas sem forma, roupas estranhas. Pela primeira vez, quero algo mais feminino. Eu corro para a esquina, e, em seguida, caminho lentamente para o caso de Henry já está lá. E ele já está lá. Eu sorrio, imaginando como deveria parecer para ganhá-lo. Eu estou usando o seu casaco porque o ar está frio na parte da manhã, tendo sido enterrado sobre os meus livros quando eu saí da casa. Ele poderia simplesmente ter cobrado, mas queria senti-lo em mim novamente. -Olá,- me diz. -Olá, - eu respondo, timidamente, envergonhada, agora, eu estou usando jaqueta. Acomodando os meus livros e começo a desabotoar. -Obrigado por emprestá-lo. Envolve sua mão ao redor da minha, me parando. -Fique com ele. -Minha mão fria é aquecida pela sua. -Eu não posso ... 68 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Está frio aqui fora. -Aperte as mãos. -Eu posso dizer que você tem frio. Além disso, tenho muitos mais. -Ok, eu vou devolvê-lo depois da escola. Tenho certeza de que em seguida, será mais quente. Ao viajar no conforto quente de seu carro, ele estende sua mão. -Aqui, me dê sua mão para aquecê-la. Cautelosamente, eu coloco minha mão na sua, pensando em todas as coisas que estou sentindo com intensidade com apenas as mãos dadas, algo que nunca fiz com ninguém. Então eu decido que estou fantasiando muito a coisa toda. Claramente, ele está apenas tentando ajudar, e eu sou grata para o bem da minha mão fria, de qualquer maneira. "Eu queria dizer-lhe que ... Quero dizer, o que eu quis dizer foi ... "Sua voz é estranhamente insegura, vulnerável. Ele limpa a garganta, e, em seguida, começa um movimento completamente distraído de esfregar completamente o polegar sobre a palma da mão. -Eu me diverti com você na sexta-feira à noite. -Eu também. Ele abre a boca, fecha novamente, aperta o queixo uma vez antes dizer: "Eu queria saber se você estaria disposta a me dar o número do seu telefone para que eu possa... você sabe, chamá-lo em algum momento. Gostaria de saber se é normal ser uma coisa tão importante como ter o número de telefone de alguém. Sem nunca ter um telefone ou um amigo, eu não tenho ideia. -Eu ficaria feliz em dar a você, se pudesse. Ele me dá um olhar, franzindo a testa com aquele olhar encantador tem, por vezes, confusão. - Não deixam dar o seu número? Eu curvo à cabeça, envergonhada agora. -Nós não temos telefone. 69 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Oh-Isso frustra-o. Fica em silêncio por um minuto. Bem, ele inspira fundo. Eu não posso ajudá-lo. Eu rio. Isso é péssimo para ele? Como você acha que é para mim? Embora, é verdade, eu realmente não preciso, não há quem queira chamar, e muito menos alguém que quer me chamar. Ele sorri com meu riso. -O sábado e domingo foram dias intermináveis. Eu estava ansioso para falar com você. Estou surpresa com a forma como seus pensamentos ecoam os meus, mas ainda mais surpresa que ele tenha pensado em mim depois do jogo. Surpresa o ouvindo dizer isso que eu recebo tanto calor. -Para mim também foram dias longos,- eu digo. - Você acha que você pode ser capaz de sair novamente neste fim de semana? - Quando? - Me ouço perguntando, sabendo que é completamente impossível. -Bem, seria bom se você pudesse, no sábado. Minha mãe é conhecida ... Bem, mais ou menos em cada feriado. Mas desde que o Halloween está quase chegando, ela está programando um grande jantar anual de Halloween para esta sábado. - Você quer que eu vá para jantar com a sua mãe? - Eu estou surpresa. -Não é uma grande coisa, - é rápido para me acalmar. -Ela organiza ótimos jantares de feriados, os mais festivos antes das férias real. Uma espécie de tradição, mas também é um pouco engraçado, suponho... Só achei que você ia gostar. - Quem estará lá? Eu pergunto. -Só a minha família. Sinto-me um pouco tonta com a ideia de estar lá com a família funcional, que realmente existe. Eu não tive muita experiência em tudo sobre conviver com famílias normais. - Mas sua mãe não vai ficar brava se você me levar para jantar em família? 70 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Na verdade, ela a convidou. -Mas ... ela nem sequer me conhece. -Eu disse sobre você e ela gostaria de conhecê-la. Pânico me inunda. “Por que ela quer me conhecer?” Lendo minha mente, diz: -Ela gosta de conhecer todos os meus amigos. -Oh. -O medo diminui ligeiramente. Isso faz sentido, eu acho. É provavelmente o normal este comportamento para a maioria das mães. -Pensei em dizer-te agora e, em seguida, você pode ter a semana para pensar sobre isso novamente. Eu pareço ter melhor sorte desta maneira. Eu sorrio. -Tudo bem, vou pensar. - Prometo, e decepcionada, de nenhuma maneira a sorte será mantida durante outra semana, permitindo-me a dizer que sim. Provavelmente teria dito não, com exceção do incidente que ocorreu na sexta-feira. Depois do almoço, eu ando para minha aula de matemática, sem prestar atenção ao meu redor. Com Henry ao meu lado eu tenho atraído uma espécie de atenção, outros alunos parecem ter perdido a maior parte de sua paixão pelos valentões. Eu não tenho certeza qual razão para isso, mas eu não estou pedindo para chamar a atenção. De jeito nenhum eu estou cheia de confiança para andar pelos corredores, continuo mantendo meus olhos no chão, mas talvez não tão vigilante como antes. Foi por isso que eu não vi Jessica. Quando eu passei pelo banheiro das meninas, de repente fui empurrada, caindo com meus livros ao longo do chão. Eu olho para ver o que aconteceu e vejo Jessica com duas de suas seguidoras em pé, bloqueando a saída. Uma continua olhando para o corredor, observando a vinda de alguém. Já faz muito tempo desde que alguém tenha feito algo, por isso, em vez de recuar, como eu costumo fazer, eu levanto com a intenção de confrontá-la. Algo em seu rosto me parou.

71 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Os olhos se estreitam, sua boca aperta. Parece mais do que raiva. Parece o modo como a minha mãe faz antes de qualquer tipo de violência infligida em mim. Ela vê minha hesitação e começa a mover-se lentamente para mim, como um predador a encurralar sua presa. Eu dou um passo involuntário para trás, e vejo seus olhos se arregalarem com o prazer neles. -Eu tenho uma pergunta para você, - diz casualmente, mas eu posso ouvir a ameaça em sua voz. Eu engoli o caroço na minha garganta, todos aqueles sentimentos de medo e humilhação que eu tinha quase esquecido, recentemente voltam com força total. Ela está andando devagar, examinando suas unhas. -Eu estava pensando ... Seus olhos dispararam para os meus, e eu estou surpresa pelo poder do ódio que vejo neles. -Apenas quem você pensa que é? Eu não estava esperando isso. Meu rosto deve refletir a minha confusão porque de repente ela toma medidas para mim, e coloca o rosto um pouco acima meu. - Você acha que você é tão legal que você merece alguém como Henry Jamison? -Quando não respondo, sua raiva explode. Com metade gritos, e rosnados me dá um soco na cara, me batendo de volta no chão. - Você é uma perdedora! -Grita-Ele é bom demais para você. Deixeo sozinho! Ela se afasta, supondo que eu vou obedecer. Eu deveria ter uma ideia melhor, deixar as coisas como elas eram. Mas algo mudou em mim, ainda que levemente, e antes que eu pudesse considerar as consequências, eu abro a minha boca. -Ele é meu amigo.- Minha voz é fraca, mas ela claramente ouve. Ela se vira para mim. - O quê?- Ela diz em voz alta.

72 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Me sento, limpando sangue jorrando do corte do meu lábio com o meu polegar. -Eu disse que ele é meu amigo,- minha voz é mais forte agora. Com outro grito frustrado ela pula em mim, acertando minha cabeça contra os azulejos frios. Em seguida, ela me bate duas vezes com muita força, antes que possa me recuperar o suficiente para tentar detê-la. Ela se inclina sobre mim e fala com os dentes cerrados, espirrando saliva em meu rosto. - Em que mundo começa a acreditar que ele poderia ser seu amigo, e muito menos te querer? Eu vi a forma como olham um para o outro. Isto é nojento. Eu digo a você agora que eu não vou deixá-lo ser seu. Eu sou a única boa o suficiente para ele, e eu vou tê-lo quando você parar de engana-lo, ou fazer o que faz para ele. Se eu tiver que te dizer uma vez mais, você vai se arrepender! Ela me bateu na cabeça novamente, se levanta. Depois chuta o meu estômago, para garantir que a mensagem seja clara, sai furiosa para fora do banheiro. Eu levanto minha cabeça para vê-la ir. As outras duas meninas que estão com ela voltam seus olhos para mim, e eu juro que olham quase se desculpando. Eu gemo e encosto a cabeça para trás por um minuto. Eu ouço o sino e gemo novamente. Rolo lentamente para um lado e me empurrou para estar em uma posição sentada. O banheiro gira e fecho os olhos contra a sensação. Quando para, pego a borda da pia me seguro e levanto. Eu olho no espelho, vejo o sangue seco em meu rosto, no canto da minha boca já está dolorida. Abro a torneira e limpo o sangue com cuidado e enxaguo a boca com um pouco de água. Eu toco a parte de trás da minha cabeça que está latejando, e me encolho de dor quando meus dedos escovam o nó já se formando lá. Eu poderia ter chorado, então, com meu senso fraco de segurança tinha acabado de ser destruído, exceto por uma coisa que ela me disse. Algo cantando através de meu sangue e minhas terminações nervosas provoca um formigamento. “Eu vi a forma como olham um para o outro”, ela disse, e as possibilidades que acompanham essas palavras trazem um sorriso ao meu rosto. 73 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Quando chega a aula de fotografia, meu lábio está inchado, mas não posso evitar manter o sorriso largo no rosto. Henry olha para mim com horror. - O que aconteceu?- Exige com raiva. Estou começando a entender que a sua raiva não era direcionada para mim, mas sim para quem quer me machucar, e eu não estou assustada com isso. -'Não importa,- eu digo com alegria. Eu posso ver a sua raiva hesitar, em guerra com outra coisa. - Você está feliz que alguém te machucou? -Diz incrédulo. Eu balancei minha cabeça. -Então, por que é o grande sorriso? -Eu estou contente que decidi dizer que sim. - Sim? – parece perdido. -Sim, eu tenho que dizer que sim, para você. Para sábado. Se você ainda quiser sair. Um sorriso luta para acabar com uma carranca em seu rosto, seus olhos continuam a mostrar a sua confusão. - Será que você tem que tomar uma surra para dizer sim? Eu dou de ombros, com o meu sorriso que nunca vacila. -Que confusão,- ele murmura. Mr. Hurley começar a aula, enquanto Henry inclina para mim. -Então, como se parece o jantar? - Brinco, para alivia-lo da tensão que se vai.

74 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett

Capítulo 9 Chego sábado, Henry me pega em nosso lugar às seis. Tenho a certeza ter feito toda a minha lição de casa muito bem e rapidamente. Ainda estava tentando encontrar uma maneira de fugir quando os meus pais começaram a brigar, dando-me a oportunidade de escapar. Subi as escadas como se eu fosse para o meu quarto, como esperado, então eu coloquei a jaqueta que Henry insistiu que mantivesse no outro dia a cada vez que eu tentei devolve-la e sai pela janela. Ando todo o caminho para o nosso local de encontro, permanecendo nas sombras, assistindo ao pôr do sol. Chego apenas quando ele está estacionando. Eu não espero para ele sair e abrir minha porta, basta abri-la e saltar para dentro. - Hey! -Exclama. - Vamos! -Eu comando, deslizando para baixo no assento enquanto eu fecho a porta atrás de mim. - Alguém está perseguindo você? Seu corpo está tenso com medo. -Ainda não. Basta ir. Ele pergunta novamente, pisando no acelerador para longe do meio-fio. Quando eu sinto o carro virar numa curva, eu olho para trás de meu assento. Eu vejo os meus pais sairem em seu carro. Solto um suspiro de alívio, estou completamente em linha reta e sorrio. Ele está me olhando estranho. -Isso tem que ser a maneira mais estranha que eu já apanhei alguém. -Desculpe. -Eu sei que parece que eu sinto muito, mas eu estou feliz. Eu escapei! Nós viajamos por cerca de três quadras, em seguida, vira à esquerda e move-se mais duas quadras. Ele vira novamente à esquerda para a rua ao lado e chega na entrada de uma casa de três andares. Estaciona o carro e desligá-o. -Não se atreva a tocar a maçaneta da porta. - me avisa. 75 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Ele não tinha necessidade de se preocupar, não acho que eu posso mesmo me mover, mesmo se minha vida dependesse disso. Eu estou olhando para fora da janela do carro com desânimo para a casa grande de tijolo vermelho em pé na minha frente. É enorme. Eu sei que as pessoas que vivem em casas como estas são pessoas como Jessica. Pessoas que usam calças que custam mais do que custa o meu guarda-roupa inteiro. Pessoas que dirigem carros caros e bebem vinho caro e cospem em famílias pobres como a minha. Henry abre minha porta. Depois de um minuto, ele se inclina para baixo e me olha de perto. - Você quer vir, ou devo trazer o seu jantar aqui? -Ele brinca. Eu sou grata por estar escuro o suficiente para que ele não possa ver o alarme no meu rosto e ver lágrimas brilhando nos meus olhos. Salto do carro, mantendo meus olhos para baixo. - Você mora aqui? Pergunto e espero que ele não possa ouvir o tremor em minha voz. -Siiiiiim.- sua resposta termina hesitante soando como uma pergunta. Eu olho para o gramado bem cuidado com flores e iluminação organizada no jardim, e eu sinto o estômago revirar. Existe cimento colorido cobrindo a grande entrada debaixo dos meus pés, uma garagem para quatro carros mais recuada na estrada com portas personalizadas, obviamente, rostos. Uma construção bastante grande atrás da casa. Provavelmente um estábulo, penso eu cinicamente. Eu deveria ter sabido. Ele me disse que seu pai era um veterinário, deveria ter sabido que ele tinha dinheiro, mas ele é tão bom como nunca tinha imaginado. Eu assisti-o agora e parece tão óbvio. Suas roupas são claramente melhores do que a média, seus sapatos são os mais caros do tipo, até mesmo a forma como é realizada em confiança despretensiosa gritando dinheiro. A jaqueta que eu uso agora é grossa, e de boa qualidade. Sinto-me mal em minha estupidez. Jessica estava certa, eu não tenho uma conexão com ele, nem mesmo como amizade. -Deveria ir para casa,- eu digo, as minhas palavras saturadas com consternação. Ele coloca minhas mãos nas dele. 76 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Kate, eu fiz algo errado? Qual é o problema? -Você é rico,- eu digo. -Na verdade não, eu não sou. Meu pai é rico, eu sou pobre e vivo de sua boa vontade. - Brinca, com um sorriso incerto no rosto. Isso é algo que só alguém com um monte de dinheiro pode dizer, eu penso comigo mesma. Eu olho para baixo e vejo os meus sapatos usados ao lado do seu elegante e limpo. -Eu não pertenço aqui. Ele ri e me abraça. -Claro que sim. Escuta, minha família vai amar você, assim como ... - Ele para no meio da frase, percebendo a expressão no meu rosto. -Por favor, minha mãe está muito animada com isso. Eu também estou. Minha decisão está desmoronando antes de sua contestação. Eu deixei ele me puxar para a frente, sentindo-me como Daniel sendo introduzida na cova dos leões. “Bem, eu acho, que é só ficar até o final da refeição e, em seguida, fazer a minha fuga. Eu posso sobreviver ao esnobismo e desdém que certamente virá a mim por tanto tempo, por Henry”. Ele está segurando a minha mão, quando nós atravessamos a luxuosa porta da entrada para um corredor que tem as imagens que eu vi de grandes hotéis, pisos de mármore, uma escadaria curva com pisos de madeira, mesa de madeira escura, ao lado de uma parede perfeitamente pintada com um grande vaso de arranjo de flores. Para a esquerda é uma sala de estar com móveis que parecem formais e desconfortáveis. A direita é uma sala com uma longa mesa, rodeada por cadeiras pesadas. Meu estômago aperta, com a possibilidade. Descemos um pequeno corredor para a parte de trás da casa, e eu posso ouvir as pessoas rindo e conversando. À medida que avançamos para entrar através de sala da família, a casa muda. Esta sala é preenchida com mobiliário estofado confortável, o tipo projetado para colocar seus pés sobre eles.

77 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Há uma grande tela, que mostra um desenho de Halloween. Na frente da tela está uma pequena menina com cabelos loiros, com um livro aberto no colo, parece ter concentração absoluta, ignorando o ruído à sua volta. O espaço familiar tem vista para a cozinha, de onde eu sinto odores fortes dar água na boca, o cheiro é agradável. Há quatro pessoas na cozinha, aquelas que fazem todo o barulho, parecendo estar tropeçando um no outro com sua proximidade. Eu observo por um momento, absorvendo tudo. Não é a cena com música de elevador silencioso que eu imaginava um momento anterior. A cena soa sobre como deve ser uma família. A menina se vira e vê-nos ali. - Henry! Ele grita, tentando se levantar, sobe e salta na parte de trás de um dos sofás. Corre e salta para Henry. Ele a abraça e ela envolve seus braços em volta do pescoço. -Você sabe, eu vi você há 10 minutos. – Diz e faz cócegas contra suas costelas que a envia para um ataque de riso. Ele planta um beijo na bochecha. Seus sons chamam a atenção do resto da família, e todos chegam onde estamos. Ele muda de posição a menina e prende-a com um braço, e coloca o outro em volta dos meus ombros. -Estes são os meus pais, Paul e Emma, e minhas irmãs Claire e Amy. E esta aqui,- diz, levantando a menina com o braço, - é Christine. Ele sorri. -Pessoal, esta é Kate. Seu pai vem e aperta minha mão. Ele se parece muito com Henry, apenas com as linhas ao redor dos olhos, quando ele ri, e alguns dispersos fios cinza de seu cabelo, o diferenciam de Henry, é talvez uma polegada menor do que Henry. -É um prazer finalmente conhecê-la me diz. Sua mãe dá um passo adiante e, em vez de pegar em minha mão, me dá uma abraço, liberando rapidamente antes que eu tenha a chance de responder ou me sentir envergonhada. Embora ela mantenha as mãos nos meus ombros, sorrindo para o meu rosto. 78 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Tudo que ouvimos é sobre Kate, Kate, Kate, por isso não posso começar a dizer quando eu estou feliz em conhecê-la e ver que você é uma garota real. Minha boca fica aberta com isso, e o pai de Henry vai embora com um sorriso. -Tudo bem, querida, o suficiente para constranger essa menina agora. -Minha vez, minha vez, - diz Amy, que tem dez. Ela também me dá um abraço. Claire a empurra para fora do caminho. Eu sei que esta é a irmã que tem treze anos de idade, mas parece cerca de dezesseis anos. É tão alta quanto sou, e é absolutamente linda, e eu estou intimidada por eles imediatamente. -Lamento que todos eles são um grupo de idiotas,- diz ela. Não existe malícia por trás de suas palavras, no entanto. Ele coloca o braço em volta de meus ombros, empurrando Henry e manobrando-me para longe da sala. Christine corre para fora dos braços de Henry e retorna para seu livro ao lado da tela. Ele estende a mão e diz: - Deixe-me pedir desculpas agora por isso aqui, - e empurra o polegar para Claire, que olha para mim e rola olhos. - Tudo o que ele diz, - responde sarcasticamente, e com o mesmo tom, diz - Linda jaqueta. -Não é minha. É de Henry. -Huh, - olha para mim. -Ele realmente deve gosta de você, porque se eu peço algo emprestado ele fica furioso. Seu cabelo realmente é impressionante! Eu balancei um pouco com a mudança repentina de assunto. Chego a tocar meu cabelo sem graça. - Posso tocá-lo? - Pergunta-me, e então sem esperar por aprovação o toca. -É como eu pensava. É tão macio. Parece de um comercial, você sabe, para shampoo ou qualquer outra coisa, onde sempre tem esse cabelo perfeito, brilhante e lustroso que você sabe... que só fica dessa 79 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett forma porque alguém escovou por horas. Você escova o suficiente! Gosto de colocar minhas mãos sobre ele, ver como fica encaracolado. -Claire, Sra. Jamison a adverte. Kate não é um dos seus porquinhos da índia para mimar. Tente conter-se. -Claro, mãe, eu sei. - Estou surpreso com o tom sarcástico usado com sua mãe, que só ganha uma olhada um pouco irônica, em vez de um soco ou chute. Sra. Jamison se aproxima de onde estamos. - Eu posso levar a sua jaqueta?- Ela pede educadamente, dando a Henry um olhar. -Oh, desculpe, - diz ele, eu não tenho certeza se o pedido de desculpas é para mim ou para ela. -É só que eu me acostumei a vê-la em ti. Tento não mostrar a minha surpresa quando me ajuda a tomá-la. Eu vi nos filmes antigos, onde os homens sempre fazem coisas como esta para as mulheres, mas não na vida real, muito menos eu sendo a destinatária desta cortesia. Uma mesa informal ao lado num canto, e disposta e decorada com uma grande quantidade de enfeites do Dia das Bruxas. Mesmo os pratos têm as formas e cores de folhas de outono. Parece como algo saído de uma revista, assim como a frente da casa. -A mesa parece ótima, - eu digo a Sra. Jamison. Claire irradia com orgulho. -Eu fiz. Minha mãe me disse uma vez que eu podia ajudar quando fosse adolescente, e este ano tenho treze oficialmente uma adolescente, de modo que me deixou fazer isso por mim mesma. -Você não deve elogiá-la. - Henry diz - Ela não precisa de nenhuma ajuda com o seu ego. – Isto é dito com um sorriso indulgente para ela. -Espero que você goste de abóbora, - ela me diz. -Eu não sei, - eu digo, - eu nunca provei.

80 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Sério? Quem não experimento a abóbora?- Ele pergunta com o seu nariz enrugado. - Oh, bem, você vai gostar. Ninguém faz sopa de abóbora como a minha mãe. -Se você não gosta querida, diga-me e começa com outra coisa, diz a Sra. Jamison. Logo estamos sentados à mesa, depois de um pequeno tumulto Christine, que queria terminar seu livro. A promessa de Henry de ler uma história, em seguida, resolve a questão. É óbvio que ela e Henry são loucos um pelo outro, como ela insiste em sentar-se em seu lado. Sento-me em frente a ele, olhando ao seu redor, todos sorrindo e rindo e conversando sobre o outro, numa espécie de caos organizado, e sinto que o mundo muda novamente. Eu não sabia que esse tipo família realmente existisse. Eu vejo a forma como os seus pais olham um para o outro, com um profundo entendimento e segurança em seu amor por todos os lados. Suas irmãs lutam um pouco, mas é óbvio que não é falta de amor, entre si e para Henry. E me incluem como se pertencesse a família. Todos eles aceitam sopa de abóbora servida em cuias, com pães caseiros em uma cesta de vime forrada com um guardanapo de abóbora temperado com sal, toda a atmosfera, coisas assim, para mim, são como um conto de fadas. Quando a mãe de Henry se levanta para ir para a cozinha para recuperar os cookies feitos de abóbora para a sobremesa meus olhos a seguem. Enquanto desaparece através da porta aberta, meus olhos param em Henry, que está me observando de perto. Eu vejo seus olhos escurecerem como faz toda vez que me olha, o que me faz sentir algo forte sobre isso. Parece que lê alguma coisa em meu rosto, mas não faz nenhuma pergunta, continua me olhando e debaixo da mesa, busca minha mão me dando um ancoradouro seguro para me apegar. Depois do jantar, Sr. Jamison não me deixa ajudá-lo a limpar porque eu sou visitante, não importa o quanto eu sou persistente. -Leve-a para ver a clínica. - diz a Henry. Eu não sei nada sobre clínicas, mas eu concordo em ir para estar a sós com Henry, caminho feliz. Ele leva o seu casaco para me vestir. Passamos por uma impressionante porta francesa para um terraço que é maior do que o meu quarto. Atravessamos uma área de gramado, que ainda está verde, apesar do fato de que ele deve estar em hibernação. Ele pega a minha mão e leva-me para o grande edifício que tinha visto 81 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett antes. Acontece que eu estava tão errada quando eu pensei que era um estábulo, mas sem cavalos desde que seu pai não se especializou em animais de grande porte, como explica Henry, mas da clínica que trata dos animais. Ele abre a porta e acende as luzes fluorescentes, revelando uma sala estéril limpa, diz ele, é a sala de cirurgia. Guia-me ao interior, mostrando as salas de tratamento, sala de recuperação individual e sala de espera, que tem grandes janelas com vista para o lado da casa. Eu posso ver um estacionamento e eu percebo que é acessível a partir da estrada principal. - Seu pai trabalha em casa? Eu pergunto. -Mais ou menos, em parte. - É a sua mãe fica bem com isso?- Eu pergunto, pensando sobre o quanto minha mãe odeia quando meu pai está em casa. Quando ele está casa tudo que eles fazem é brigar, de qualquer maneira. Ele ri. -Estranho, não é? Meus pais ainda vergonhosamente se amam. Ela passa a maior parte do seu tempo aqui quando ele está trabalhando. Estamos no limiar que separa a sala de espera a partir do resto da clínica, eu olho ao redor da confortável sala de espera, que é mais acolhedora do que a minha própria casa, e eu sinto as lágrimas ardendo em meus olhos, com as diferenças óbvias entre a minha vida e a dele. -Não te mereço, - eu sussurro, imediatamente coro de vergonha por ter falado em voz alta o pensamento. -Você não tem ideia de como me sinto sobre você, certo? –Me pergunta. Eu olho para ele. Ele está com as duas mãos enterradas em seus bolsos frontais, ombros levemente curvados para frente, encostado na moldura da porta, no lado oposto que estou. Nós não acendemos as luzes da sala de espera, a única luz vem de lâmpadas da rua brilhando através das janelas, e de um aquário enorme que brilha no canto. As luzes no corredor atrás de nós brilham, protegendo seu rosto no escuro, por isso não posso ler sua expressão. Eu balancei minha cabeça. Ele inclina a cabeça. 82 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Alguma vez você já teve um namorado? Eu engasguei de tanto rir. -Dificilmente. Você já viu... bem, você já viu como é na escola. Eu não tenho sequer um amigo. - Você tem agora. - disse em voz baixa. -Eu não entendo por que quer ser, mas você é meu amigo. Meu único amigo. Meu melhor amigo. Ele ri baixinho. -Estou feliz por isso. - Sua voz é baixa e rouca, com uma concentração que nunca ouvi antes. Lentamente, ele se inclina para mim, trazendo seu rosto ao meu. Ele para a poucos centímetros do meu rosto. Mas está se esforçando para tentar outra coisa. Minha respiração ficou presa na minha garganta em sua abordagem. - Alguma vez você já foi beijada?- Ele sussurra, com um sorriso. “Só por você”, eu penso. Se ele não se lembra, eu não vou lembralo. Eu balancei minha cabeça, abaixando-a um pouco inquieta. Ele me beija então, os seus lábios quentes e macios nos meus. Fico atordoada, os olhos abertos olhando os olhos fechados deles. Ele beijando de volta, instintivamente, inocentemente, inundando-me as sensações. Não há movimento na sala, não mais do que sons da nossa respiração, meu coração batendo em meus ouvidos. Ele não está me tocando em qualquer lugar, apenas seus lábios nos meus. É o melhor momento da minha vida, ainda melhor do que quando balanço-me. - Ew que asqueroso!-Claire está atrás de nós, não ouvimos sua chegada, eu pelo menos não ouvi sobre o zumbido nos meus ouvidos. Tentei pular longe, instintivamente, mas Henry me apertou mais, trazendo uma das suas mãos à parte de trás do meu pescoço, prendendo-me. Ele não removeu a boca da minha, apesar de abrir os olhos para encontrar olhando-o atentamente. Sente a tensão em mim e sussurra: -Relaxe-, contra a minha boca. Levante a mão esquerda e dá a Claire um pequeno empurrão para trás. 83 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Hey! -Ela grita. -Vá embora, - ele rosna, sua boca ainda pressionada a minha. Fecha a porta, trancando-nos no escuro da sala de espera. Eu sorrio contra sua boca, e ele encontra seu próprio sorriso, embora gentilmente. Eu olho para baixo, sem vontade de encontrar seu olhar sobre a intensa emoção das consequências do beijo. Foi mais do que eu poderia ter sonhado, ainda mais maravilhoso do que quando pegou minha mão. Eu não acho que nada poderia ser melhor do que isso, o contato humano simples que eu tenho experimentado desde que eu era jovem. Ele traz as duas mãos para cima, apoiando-as em ambos os lados do meu pescoço com os polegares passando suavemente em meu rosto, forçando-me a olhar para cima. O sorriso deixa seu rosto, enquanto investia sua boca de volta para a minha. Desta vez, eu fecho meus olhos, deixando as sensações fluírem através de mim.

84 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 10 - Então, quarta-feira é Dia das Bruxas, - diz Henry enquanto caminhávamos para a escola na segunda de manhã. Nós desfrutamos de altas temperaturas no final deste ano, o ar é frio nas manhãs e noites, mas a vinte graus celsius durante o dia. Então decidimos caminhar até a escola todos os dias. Ele pega a minha mão ao caminhar, carregar meus poucos livros em seu outro braço. -Sim, eu sei. Olha para os livros em seu braço. - Não tem um armário? Sua mudança de tema me faz rir. Às vezes, as conversas com Henry são tão esquizofrênicas como conversas com sua irmã, Claire. -Não, eu não tive um armário por anos. - Eu não vou falar sobre isso, mas logo descobri que os armários são apenas mais um instrumento de tortura. Já era ruim o suficiente para encontrar todos os tipos de lixo desagradável que deixavam lá e que eu tive que limpar, ou encontrar um livro destruído que não podia me dar ao luxo de substituir, cheguei a visitar o escritório do diretor, onde apenas minhas lágrimas genuínas caiam. A gota d'água foi quando me empurraram dentro e trancaram-me, eu decidi que era a minha sugestão para não chegar perto um de novo. Desde então carrego todo o meu material a caminho para a escola. -Você pode compartilhar o meu. - diz. Imagino-me abrindo o seu armário para encontrar um sanduíche com mofo e manchas em suas coisas, e eu balancei minha cabeça. -Isso é bom. Mas não me importo de levá-los. -Especialmente desde que você não os carrega - diz, levantando os livros na sugestão. Eu sinto meu rosto corar. -Você não tem que levá-los para mim, você sabe? - eu murmuro. Ele ri e se inclina para me dar um beijo rápido, surpreendente e sufocante simultaneamente. -Realmente precisa aprender a não levar tudo tão a sério. -Me diz alguém da família que ri o tempo todo. 85 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Eles só colocaram a fachada para você. Eu olho para ele, erguendo as sobrancelhas com ironia. -Tudo bem, então, eles são irritantemente alegres, - me diz. – Eles gostaram de você. Especialmente Claire. Ela realmente quer você de volta para poder brincar com o seu cabelo. Eu rio. -Eu realmente gostei, também. Posso sempre visitá-la e deixá-la fazer isso. -Você não sabe o que está dizendo,- me avisa ironicamente. -Eu vi o danos que ela pode fazer. O que fez para mim! - O quê? Seu cabelo? Seu cabelo é muito curto para isso. - Por que você acha que eu cortei? Eu costumava deixar mais longo. - Será que ela tem fotos disso? Peço rindo, então olho dor que me atira com os olhos. -Então, no Halloween. Você estará fazendo alguma coisa? “Sim, eu penso, como sempre, fazendo um sinal para a porta que dizendo "não tem doce”, de modo que eu não culpo as crianças chamando na porta, esperando por doces que não tem. Então eu vou subir muito cedo na manhã seguinte para limpar os ovos e abóboras que serão lançadas na casa antes de meus pais verem.”. -Porque há um grupo de rapazes que vão para o labirinto de milho, e pensei que seria divertido. -Oh, bem, sim. -Eu sinto uma inveja aguda, uma vez que ele vai se divertir sem mim. Eu sei que ele tem uma vida que não hiberna no seu quarto quando não está comigo, mas eu não tenho conscientemente pensado nisso. -Soa divertido. Com quem você vai? Ele olha para mim, balançando a cabeça. -Não, Kate, eu estou perguntando porque eu quero que a gente vá junto. -Oh. –Me sinto estúpida e exaltada pela minha má interpretação. Claro, eu não posso ir, de jeito nenhum. 86 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Claro, eu poderia fazer isso, - eu digo. -Legal. -Aperte minha mão e se inclina para me beijar de novo. Poderia realmente me acostumar com isso, eu acho. - Você tem uma fantasia? Faço uma careta. -Não. E não há nenhuma maneira de obter uma, qualquer uma. -Isso é bom. Você tem quase o mesmo tamanho que a minha irmã. Pense em quão animada ela ficará se você permitir-se usar uma. Provavelmente ficaria muito feliz se você deixar ver como ficaria. Eu rio querendo negá-lo, mas sabendo que, provavelmente é verdade. Quando chegamos a vislumbrar a escola, eu puxo a minha mão de Henry. Ele olha interrogativamente. -É ruim o suficiente para você sermos amigos. Poderia ser realmente ruim se as pessoas pensarem que ... -Eu não posso decidir as palavras, eu não estou realmente segura. Seus olhos são frios e tempestuosos, enquanto aperta sua mandíbula. Eu levanto o meu braço e minha mão desliza ao longo de seu rosto do seu músculo tenso, deleitando-me com o fato de que eu posso fazer isso e não causar um encolher em desgosto. - Por favor?- Eu pergunto, pensando que Jessica não é a única que pode querer me machucar se vê-lo tomar minha mão, ou pior, me beijando. Ele colocou a mão sobre a minha, segurando firme em meu rosto, com os olhos de amolecidos. - O que eu posso dizer não? -Pergunta. - Bem, eu vou manter a minha distância. Por enquanto. -Ressalta. -Obrigado,- eu disse, hesitante, então eu fico na ponta dos pés para beijá-lo. Rosna contra a minha boca, e me afasto um pouco, perguntandome se é rejeição por minha ousadia, mas ele está sorrindo para mim. - Por que fez isso? - Eu pergunto, tentando manter o nervosismo fora da minha voz. 87 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Devo estar louco para aceitar isso. *** Quarta-feira é um dia louco na escola. Os meninos têm o direito de usar fantasias, desde que elas sejam "de bom gosto" e não envolvam máscaras. Está chovendo um pouco quando entramos no estacionamento, um grupo de meninas vestidas como enfermeiras caminham, bruxas e noivas cadáver, mas realmente parecido com o que é suposto ser. Henry assiste-as passar, em seguida, olha para mim com as sobrancelhas levantadas. - Quando exatamente Halloween se tornou uma desculpa para se vestir como uma vadia? - Ele pergunta. - Você está dizendo que você não gosta? Ele dá um leve rosnado e então diz: - Se Claire tentar colocar algo assim em você, eu vou matá-la. Tento imaginar-me vestida desse jeito, andando com confiança, e quase sufoco com a imagem. Dirijo-me a maçaneta da porta e abro, sabendo que ele vai protestar, mas segura a minha mão. -Ei, eu preciso te contar uma coisa. Eu me viro. -Tudo bem. Para a noite, quando formos para o labirinto de milho, eu vou segurar sua mão, e, provavelmente, beijá-la também. Sua mandíbula degola teimosamente desafiando-me a discutir. -Oh ... hum, ok,- eu digo com um sorriso, apreciando o visual preso em seu rosto. -Vejo você na hora do almoço. *** Quando ele me deixou, depois da escola, no entanto, sinto a familiar dor de estômago. Fui empurrando minha sorte nas últimas duas vezes, quando tinha escapado. No entanto, esta é uma noite de escola, o que significa que o meu pai não vai estar em casa para lutar, e não haverá jantar milagroso.

88 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Henry me deixar sair, me puxando para perto dele para me beijar profundamente, e por alguns minutos, o meu dilema desaparece e o pensamento coerente também. Esse beijo é, sem dúvida, o mais intenso de todos que tem me dado. -Então, eu venho buscá-la às seis?- Henry diz, rindo com o olhar focado em meus olhos. - O quê? Oh, sim, claro. Ele me beija novamente, e então começa a caminhar para o seu lado do carro. A perda de calor retorna para o mundo. -Espere Henry... - Não tenho a intenção de dizer-lhe que eu não posso ir, ele está andando de volta para mim com um olhar de estranha intenção em seu rosto, com olhos escuros. Seus olhos me calam, sua mão desliza para o lado do meu pescoço para levantar minha cabeça para me beijar. Me inclina para trás, olhando nos meus olhos. -Esta é a primeira vez que você disse meu nome. - É... é disse? - É difícil pensar claramente quando ele olha para mim assim. Um canto de sua boca levantou em um sorriso, e seu olhar cai na minha boca, seguindo o caminho de seu polegar que toca levemente meu lábio inferior. -Eu gosto da maneira como ele soa em seus lábios. -Ah,- respiro enquanto se inclina para substituir o polegar com o sua boca. Quando ele finalmente dá um passo para trás, meus joelhos estão fracos. Eu não sabia que era realmente possível, eu pensei que era apenas algo que acontece em romances ou filmes. -Se eu for agora ... -Não termino. Tome uma respiração profunda. Bem, eu já vou. Vejo você em breve. Eu o vejo indo embora, entrando em seu carro e virando-se para voltar para casa. Eu vejo isso até que ele saia da minha vista, e não é até que ele tenha ido que eu percebo que eu não tinha terminado o que comecei a dizer. E claro, eu não tenho como ligar. Com o pânico no meu coração, eu sei que sentirá raiva quando eu não comparecer. Caminho até a porta, observando minha mãe dormindo no sofá. Eu fico a vê-la por um minuto, em comparação com a Sra. Jamison. Eu me 89 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett pergunto como as coisas teriam sido se tivessem saído errado, se meu irmão estivesse vivo, se ele fosse mais parecido com ela. Eu deixo os meus livros, e vou fazer minhas tarefas sem muito entusiasmo, e tentando parecer calma como eu costumo fazer quando durmo. Não há nada para mudar meu destino hoje, então por que tentar? - John? -Eu ouvi o seu chamado, e me pergunto brevemente por que chamaria meu pai, com a preocupação em sua voz. -Não, mamãe, sou eu. Silêncio, então ela me chamou para aproximar-me. Está arrastando as palavras, por tudo o que eu sei é que tem estado a tomar muitos de seus comprimidos novamente. Eu vou ao seu lado, esperando. - Como foi à escola? , Ele pergunta. Eu olho para ela, de boca aberta. Não ouvi essas palavras por anos ... se ela já as disse. Ela estala a língua para mim com desgosto. -Cala a boca, você parece uma idiota. Quase sorrio, isso é mais parecido com ela. - A senhora está certa, - eu respondo, e de repente surge uma ideia para mim. -Mas eu preciso ir até a biblioteca para estudar à noite.Odeio mentir, mesmo, mas eu estou disposta a fazer para ir ver Henry. - Porque você não pode estudar aqui?- Suas palavras são confusas ao alcançar com os olhos fechados metade de seu copo de água e uma garrafa de pílulas. -Eu preciso de você. -Eu preciso usar a Internet. Eu não vou ficar fora por muito tempo. Eu vou fazer o jantar primeiro. – Eu tento esconder o desespero da minha voz. Ela me manda ir para longe enquanto inclina o copo para engolir sua pílula. Eu faço a minha fuga para a cozinha, pegando itens que preciso para fazer o seu jantar. Pela primeira vez, não estou com ciúmes da sua comida, E não tento comer qualquer coisa escondida. Quando terminei, ela está deitada no sofá, seus olhos se estreitam. Levo-lhe um prato de comida e coloco-o sobre a mesa ao lado dela. 90 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Agora eu vou.- Ela olha para cima, seus olhos vagando preguiçosamente. -Eu estarei de volta logo que eu puder,- eu digo, correndo pela porta antes que eu possa parar. E cedo para que Henry esteja esperando por mim, e eu não tenho vontade de estar na rua onde ninguém possa me ver. Eu decido caminhar a sua casa como um plano melhor. Há um prado coberto que faz um atalho entre nossas casas. Ainda não foi desenvolvido, é cheio de longos álamos e pinheiros em torno de um pequeno lago de água onde um bando de gansos se reúne em todos os verãos. Isso faz com que a área esteja protegida, mas também autônoma. Eu estive na mata muitas vezes antes, é um bom esconderijo. Caminho através dela, por isso a minha maneira rápida, chego a Rua de Henry em menos de quinze minutos. Eu me aproximo de sua casa, em seguida, chego à entrada e vejo que o seu carro não está aqui. Faço uma pausa, frustrada em minha intenção. Não eu tenho certeza do que fazer. Acho que eu poderia esperar entre as árvores, até que ver o seu carro de volta na rua. Claire toma a decisão para mim, quando ela sai pela porta da frente e me vê lá. -Kate, Olá!- Ela diz, correndo pela estrada e lançando-se para mim com um abraço. Eu sinto a mesma intimidação e me pergunto como eu posso ser tão intimidada por uma menina de treze anos. -Henry me disse que estava vindo de novo. Disse que precisava de uma fantasia? Eu tenho todos os tipos. Além disso, posso fazer alguma coisa com o seu cabelo se você quiser. Vocês vão para o labirinto de milho, certo? Pode estar frio lá. Será que você vai levar um casaco? Não importa, vamos criar um modelo que irá mantê-la aquecida. - Este discurso não é interrompido até que ela engancha seus braços nos meus e praticamente arrasta-me para a casa. - Henry não está em casa ainda? Eu pergunto. -Não, ele estava à procura de uma fantasia. Você não ligou? -Nós não temos um telefone, - eu admito. -Que pena!- ela diz, como se não fosse constrangedor em tudo. Bem, eu vou e dizer a ele que você está aqui. Eu não vou dizer-lhe que fantasia vamos te colocar. Isso vai ser uma surpresa. 91 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Quando ela chama de seu telefone celular na frente da escada, está em silêncio enquanto ele falava, voltando os olhos para mim. -Bem, está bem!- suspira de frustração. Ela diz que eles estão organizando essas coisas no labirinto de milho, e quer saber se tenho uma roupa que serve para isso. Não posso esperar para ver o que ele está usando, provavelmente, meias ou algo horrível assim, quando eu poderia facilmente ter feito algo granderesmunga.- Imediatamente, ela está feliz. Mas você ficará grandiosa, no entanto. E eu posso colocar enfeites em seus cabelos. Tento imaginar-me com pérolas no cabelo, imaginando longas filas de esferas trançadas terminando em plástico colorido brilhante, e eu posso ver o quão ridículo seria. Há meninas que, provavelmente, poderiam aceitar esse visual, eu não sou uma delas. Ela me leva a outra parte da casa, pela sala confortável que eu prefiro. A sra. Jamison está sentada no sofá com Christine abraçada no colo, assistindo Elmo falar sobre cores. Eu sinto uma pontada de nostalgia quando a vejo acariciando distraidamente o cabelo de Christine. Ela olha para cima à medida que entramos, e levanta com Christine. -Bem, Olá, Kate.- Seu tom é acolhedor e convidativo, avança com um abraço cobrindo Christine e eu, que ainda está em seus braços. Eu tenho certeza que vou me acostumar a isso, como eles abraçam uns aos outros e a mim, uma estranha, como se a coisa fosse natural. -Olá, Sra. Jamison. Olá, Christine. Christine timidamente me cumprimenta, enfiando a cabeça no pescoço de sua mãe, mas mantendo os olhos e sorriso para mim. Ela é uma pequena coisa bonita, com olhos escuros, que são como os de Henry. - Posso pedir um favor, Kate? Eu gostaria que você me chamasse de Emma. A Sra. Jamison é a minha sogra. - Claro tudo bem. - Adivinha o quê, mãe?- O entusiasmo de Claire é palpável. Kate vai pedir uma das minhas fantasias. E eu tenho o cabelo dela para preparar.

92 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Ah, é mesmo? E Kate concorda com isso, ou apenas está sendo forçada?- Emma olha para mim com uma pergunta sorrindo. -Bom... - Claire sai um pouco. - Está tudo bem, - digo em sua defesa, não querendo levá-la em apuros. -Não me importo. - Isso é apenas outra mentira pela metade. -Tudo bem, então vocês divirtam-se. Se ficar muito intenso, Kate, você só precisa dizer-lhe para se afastar, - ela diz, acompanhando as palavras com um suave despenteado para o cabelo de Claire. –Suas intenções são boas, ela só fica um pouco ... entusiasmada. Claire revira os olhos para mim, então pega a minha mão e me arrasta para um segundo conjunto de escadas na sala da família. Ela está falando animadamente o tempo todo quando estamos caminhando, o que é bom, porque eu estou sem palavras. O segundo andar da casa é formal, mas é grande. Existem várias salas em um corredor em forma de L, mas a maioria das portas estão fechadas, por isso não sei quais são os tipos de quartos. O quarto de Claire é incrível. O chão tem um tapete grosso rosa, a cama é coberta por uma colcha de manchas brancas e cor de rosa, que é perfeitamente criado, e coberto com uma variedade de travesseirosde-rosa, branco e verde. Há um toldo amarrado com cordas e contas no dossel pendurados no teto para cercar parte da cama. É definitivamente um quarto feminino, mas a coisa surpreendente são as paredes. Em vez de cartazes das últimas bandas ou estrelas de cinema, é coberto com fotografias de moda de revistas e desenhos à mão, também parecem ter cortes periódicos muito bem desenhados. Eu vejo um grupo deles, quando o nome do canto inferior direito, chama a minha atenção. Eu me virei para olhar para Claire, que está em seu armário que é quase tão grande quanto o meu quarto. - Será que você fez isso? Eu pergunto. Ela se inclina ao redor da moldura da porta, olhando para as imagens. -Sim. Esses são os meus originais. Algum dia serão roupas de verdade, quero dizer, roupas que outros possam usar. 93 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Você fez isso? Não são cópias? Ela se encaixava totalmente no quarto, carregando uma pilha de materiais vermelho escuro. -Não. Eu vou ser uma designer de moda algum dia. Eu só estou tentando e ensaiando agora. Eu convenci e minha mãe me comprar o material e me ajudar a fazer um padrão de costura e algums modelos deles. Às vezes eu os visto em mim. Eu olho. Assim como eu sou desinformada sobre moda, posso dizer eles são bons. -Estes são realmente ótimos. Eu acho que você é um designer de moda. Claire brilha pelo elogio. -Obrigado, mas tenho ainda muito a aprender. Eu vou para a faculdade para aprender mais sobre moda, mas também para aprender a ser uma mulher de negócios, porque eu quero executar o meu próprio empreendimento. Eu me pergunto como seria ser tão jovem e ter tanta certeza do futuro, não só com um plano em prática, mas com um talento para suportá-lo. Estou prestes a me formar e não tenho ideia do que farei. O que é deprimente. - De qualquer forma, estou feliz que você gosta, porque este é um que eu fiz - diz, segurando uma pilha para cima, revelando um vestido preparado. - Este é o vestido que eu lhe falei. Funciona bem, eu acho, porque sua aparência é um pouco medieval e é pesado para você mantê-lo aquecida. E, oh!- Ela joga o vestido em cima da cama e corre de volta para o armário. Volta carregando uma grande quantidade de material preto. -Esta capa ficaria genial, com isso, se está muito frio não tem necessidade de um casaco. -Isso é muito amável de sua parte,- eu digo. Eu vou para a cama, passando a mão sobre o rico veludo rubi. -Mas eu não acho que devo levar isso para o labirinto de milho. Provavelmente vai ficar sujo e poderia, eventualmente, rasgar ou algo assim. Ela sacode a mão. -Não tem problema. Eu posso corrigi-lo. Aqui, venha sentar-se. Ela indica uma cadeira de frente a um belo espelho triplo. A extremidade traseira do espelho é muito bem organizada e tem 94 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett uma incrível variedade de produtos de maquiagem e cabelo. Tomo assento obedientemente e ela começa a escovar os meus cabelos. - O que eu não daria para ter seu cabelo. Você é tão sortuda! Eu olho no espelho, tentando ver o que ela vê e eu não. Meu cabelo cresce tão reto que apenas lavo, penteio e deixo secar. Nem sequer tenho um secador de cabelo. Talvez todos esses anos sem tratamento para ajudá-lo a ser mais saudável ,não causou dano ao meu cabelo. Para mim, ele só é loiro e simples, em linha reta, caindo pelo meio de minhas costas. -Eu tenho uma ideia. Se você não gostar do que eu fizer, desmanchamos e tentamos algo diferente, ok? Na verdade, é bom ter alguém escovando meu cabelo. Mesmo quando ela está puxando e pregando enfeites delicadamente, a sensação é boa. Eu fecho meus olhos e fingindo que eu sou uma garota normal, sentada em sua cômoda, com sua mãe ou irmã ajeitando meu cabelo. Tento lembrar-me se a minha mãe me penteou. Ela deve ter feito quando eu era uma criança, mas eu não posso trazer um simples lembrete disso. Em vez de me sentir triste, como eu faço, eu me sinto com um pouco de raiva. -Aqui, veja como está? -Claire pergunta. Abro os olhos e só posso olhar. Ela envolveu a frente do meu cabelo em um tipo de aplique natural, entrelaçado com colares de pérolas vermelhas que se destacam contra meu cabelo loiro. A parte de trás cai em cachos macios. O medo se aprofunda em mim, eu não posso sair assim. Eu me sinto exposta, sem meu escudo. Mas não posso decepcionar Claire, no entanto. Ela se parece muito satisfeita consigo mesma. -Parece bom, - eu digo, com voz vacilante. Mas, em sua juventude, não se dá conta. - Ótimo! Você quer um pouco de maquiagem? -Antes que você pode classificar meus pensamentos horrorizados para dizer não, ela responde: - Não, Eu acho que você é muito bonita sem ela. Você não? “Bonita? Acho que não.” -Bem, vamos colocar o vestido e ver como tudo parece. -Ela olha o relógio de cabeceira. – No tempo certo!

95 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Ela se afasta enquanto eu dispo-me e coloco o vestido, mas tem uma longa linha de ganchos na parte de trás que eu não posso alcançar, então ela vem para me ajudar a fazer isso. Estou consciente do que ela está fazendo, porque ninguém jamais havia me visto em qualquer estado de nudez. Mas na verdade é tão normal para ela que eu não posso sentir tanta vergonha. Uma vez que eles estão todos conectados, organiza as rendas na frente, puxando o veludo em torno da seda branca abaixo, deixando apenas uma pequena amostra, para se ajustar a perfeição. - Perfeito!- Ela anuncia. - Veja. - Virei-me para um espelho de corpo inteiro no canto. Eu tenho que admitir, eu pareço diferente, como alguém que vem de um tempo passado. O vestido também tem rendas nas mangas, expondo o painel de seda branca costurado abaixo. O corpete é equipado e a saia é lisa, a barra de seda branca é repetida na parte da frente da saia. É um vestido incrível, que iria transformar alguém que o usasse. -Estou maravilhosa,- eu disse, passando um braço ao redor de seus ombros. Isto é apenas metade abraço, mas muito mais do que você pode ter pensado que eu era capaz de fazer algumas semanas atrás. Ela sorri. -Você está ótima. Agora, espere aqui. Eu quero ver se Henry ainda não está em casa para que você possa fazer uma entrada e impressioná-lo. Ela não esperou por uma resposta, rompeu fora do quarto e fechou a porta atrás dela. Eu me sinto nervosa, até que eu ouço seus passos vindo pelo corredor. -Bem, ele está aqui, mas temos que esperar alguns minutos enquanto mamãe traz a câmera. - Câmera? -Chio. -Oh, sim, se acostume com isso. Se você estiver indo para ser a namorada de Henry, temos que tirar uma foto sua para recordação, como fazemos a cada evento imaginável. Minha mãe é a rainha das fotos. Ouço apenas a última parte, porque minha mente está confusa presa na outra palavra do que ela disse, o mesmo que usou Jessica. - Você acha que eu sou a namorada de Henry? Eu pergunto. 96 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Bem, duh! Eu vi vocês se beijando lembra? O choque em meu rosto aos poucos dá lugar a um sorriso. Namorada. Eu sou a namorada de alguém! Não é qualquer um, a namorada de Henry. Pelo menos, é o que acha sua irmã. Ela provavelmente sabe mais sobre estas coisas que eu. Eu não sei o que Henry acha, talvez nós não sejamos apenas amigos, mais talvez. Talvez ele também pensa em mim como sua namorada. O pensamento envia um feixe de alegria através de mim. Claire leva-me para fora de seu quarto, desta vez na direção oposta, para as escadas na parte dianteira da casa. -Muito bem, todos vocês, preparem-se. Aqui vem ela. Eu ainda estou sorrindo, mas minha boca se abre quando eu começo a descer as escadas e vejo Henry. Ele tem uma camisa branca solta, com cordões na frente, e uma espécie de calça preta dobrada sobre as botas. É a melhor interpretação livre de um traje medieval, mas que não importa, porque parece incrível. Como um herói ou um cavaleiro de um tempo distante, esperando na parte inferior da escada por mim. -Oh, querida, você parece uma princesa, - Emma suspirou. Eu olho para ela e ela tira uma foto. Meus olhos são atraídos de volta para Henry. Ele está olhando para mim, e a expressão em seu rosto é intensamente poderosa. Quando eu olho para ele, sorri lentamente, derretendo os meus joelhos novamente. Emma ficou tirando fotos enquanto eu caminhava, e quando eu coloquei a mão na do Henry, ela tira mais uma foto. Volta-me a câmera para me mostrar a última foto. Eu estou olhando para Henry, como ele olha para mim, os dois com um meio-sorriso nos rostos, olhando como se fossemos as duas últimos pessoas na terra. Henry sorri para a foto, em seguida, se inclina para me beijar. Antes que ele possa, Amy fala. - Será que você fez isso,Claire? -Sim. -Wow, ela está linda!. -Bonita,- ecoa Christine. 97 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eu sorrio para todos eles. -Ok, ok, de pé um ao lado do outro, para que eu possa tirar a foto. Vista seu casaco, Henry. Sua jaqueta é preta e dourada de veludo com as mangas cortadas. Não acho que ele pode ficar melhor do que já está, mas, em seguida, coloca o casaco e vejo que estou errada. Ele se aproxima, envolvendo os braços em volta da minha cintura e puxando-me contra ele, sem tirar os olhos ainda fixos em mim. Emma tira algumas fotos, seguindo uma rodada de abraços para mim e Henry. Eles seguem-nos para o carro para se despedir quando nos distanciamos. Henry sorri para mim com aprovação quando ele acena com a mão para eles. Quando dirige até a rua e vira para uma esquina, aproximando-se de repente do lado da rua, estacionando o carro. Sem dizer nada, ele se inclina sobre mim, sobre o meu rosto e me beija profundamente. Depois de alguns minutos ele sorri. -Oi,- diz ele. Eu sorrio. -Olá. -Você está muito bela, - disse, seus olhos me examinando um pouco, me tocando o cabelo primeiro com os seus olhos, e então suavemente com a mão. - Eu vou ter que fazer algo realmente grande para agradecer à pequena pentelha. -Você não parece tão ruim,- eu digo. Beijou-me novamente, e eu perdi um pouco da culpa por mentir para estar com ele.

98 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 11 No labirinto de milho, encontramos Ian e Kaden, e alguns companheiros de almoço, Brock, com sua turma e suas respectivas garotas. Suas fantasias são vestidos previsivelmente com uma versão depravada de coisas diferentes, e todas estão congelando de frio. Os meninos se vestem de vampiro, lobisomens e um médico de todas as coisas. As meninas fazem "ooh" e "ahh" sobre o meu vestido, e Henry as informa de que sua irmã o projetou. Mas, mesmo enquanto admira o vestido, olha para mim de soslaio, Henry me olha com o desejo. -Tudo bem, aqui está o plano, - diz Ian. Tudo o que temos que fazer é resolver todas as pistas no labirinto. Há trinta dicas e temos que encontrá-las. Cada mensagem tem uma marca no papel. - Ele dá a cada casal um pequeno pedaço de papel, numerado de 1 a 30. - Quem perder tem de comprar sorvete para os vencedores. Sem enrolar, eu conheço o cara que trabalha na entrada e ele vai confessar, se alguém tentar trapacear. -Vocês dois começam com o número um, diz,- apontando para Brock. -Vocês dois com o número quinze- indica a Kaden. -Henry, você começa com o número quinze vai em frente com o números, e vamos começar a parte de trás. Primeiro casal todas as respostas ganha. - Eu estou muito confusa, mas ninguém está, então eu finjo que entendo também. Henry segura minha capa e, e coloca seu braço no meu ombro enquanto nos dirigimos para o labirinto. Mantém o seu braço em volta dos meus ombros, uma vez que estamos caminhando. Eu escuto a menina que está andando com a gente suspirar, e lhe dou uma olhada e a vejo olhando para Henry sonhadoramente. Eu olho para Henry e pela primeira vez eu sinto um arrepio de medo na minha garganta. Por algum motivo que ele me escolheu para ser sua amiga, e embora goste me beijar e me tocar, não disse que não somos nada mais do que isso. Eu não tenho direitos sobre ele, que poderia estar beijando outras meninas também. O gelo é lançado pelas costas antes que a imagem que o pensamento traz à minha mente. Por outro lado, pode ficar cansado de mim e sair sem olhar para trás. Meu estômago dá uma guinada. Henry olha para mim, que estou agarrando meu estômago sem pensar. - Você está bem? Pergunta. 99 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Aceno, envolvendo meu braço em torno da cintura dele. Apenas começo a me perguntar por que está perdendo eu tempo comigo? Decido que o melhor a fazer é aproveitar o tempo que tenho. Encontramos a placa que marca quinze, Henry pegou o papel e lápis que estava segurando quando entramos, e escreve a resposta para a primeira pista. A outra dupla segue seu caminho para a direita para encontrar o próxima pista e nós,voltamo-nos para a esquerda. Estamos em busca da próxima pista, estou estudando o mapa no escuro, quando eu percebo que Henry não esta mais comigo. Paro girando em um círculo completo. - Henry? Aonde ele foi? Eu sinto uma pitada de medo? É esta piada pela qual vou passar? Será feito, pois tenho lhe dado à oportunidade. Lágrimas ardem por baixo das pálpebras, mas eu mordo o lábio para detê-las. Eu não vou dar isso. Então sua mão disparou do meio de galhos e segura meu braço, me puxando para um retiro privado criado por milhos. -Henry, o que ..? Então, sua boca está na minha, corta as minhas palavras e os meus pensamentos coerentes. Ele envolve os braços em volta da minha cintura sob o manto. Coloco meus braços em seus ombros, arrastando as bordas da camada da capa com eles, formando um casulo em torno de nós. Ele se afasta, levantando uma mão e usando o polegar para enxugar a lágrima que escapou escorrendo pelo meu rosto. - Eu machuquei você? Ele pergunta, preocupado. Eu balancei minha cabeça. -Eu me desculpo, no entanto. -Não, só me assustou um pouco. -Desculpe.- O pedido de desculpas é cheio de remorso. Eu balancei minha cabeça novamente. -Não importa. 100 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Claro que é importante, nunca farei nada com o propósito de magoá-la. Com medo de que suas palavras me façam lamentar mais, curva a cabeça e me dá outro beijo, com o qual me derrete. Estamos protegidos pelos talos de milho, mas ainda podemos ouvir as outras pessoas que estão com a gente, rindo e conversando. -Vamos, é melhor seguir. Relutantemente, deixamos o abrigo e nos encaminhamos. Desta vez mantenho a minha mão com firmeza em Henry que não pode desaparecer novamente. Paradas ocasionais feitas em vários becos em privado ocorrem sempre que os encontramos, o que torna mais difícil de resolver os enigmas com meus pensamentos todos confusos. As demais paradas tornam difícil até mesmo para mim conseguir me preocupar sobre a punição de não resolver os enigmas, com sorvete ou não. Quando nos aproximamos do número trinta, no entanto, começamos a notar algum ruído. Rangidos e gemidos, algo que soa como uma serra elétrica, mas o pior são os gritos. Eu olho para Henry, que não parece se dar conta, então eu decido que talvez seja minha imaginação. Quando ouço outro grito e pulo me aproximando de Henry, ele me olha e sorri. Eu tento sorrir de volta, mas meu coração está acelerado. Caminhamos através de um arco e nos encontramos em um enevoado, quase escuro. Os rangidos e gemidos são mais fortes agora, nós andamos em torno de um canto onde há uma menina deitado em uma mesa, gritando por socorro, enquanto um homem com cabelos grisalhos selvagens, e avental manchado de sangue está acima dela com uma faca pingando vermelho, prestes a cortar o sangramento abdômen. Meus pés estão congelados no lugar. Henry percebe meu pânico me olha, e para minha surpresa, noto que ele está olhando para eles com um sorriso. Apenas nesse momento uma pessoa salta sobre nós com uma máscara branca e um traje azul claro com a motosserra que tinha ouvido antes. Tremo contra Henry, pronta para fugir, o pânico enche minha cabeça. Ele olha para mim com uma risada, segurando-me firmemente lugar. “Henry quer me matar? Eu concluo com terror. É disso que se trata?” Então seu rosto muda e solta uma gargalhada enquanto um pânico se espalha por mim. 101 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Você está bem?- Ele pergunta. Eu não posso responder. Sinto-me como se todo o sangue tivesse sido drenado para os meus pés e não pudesse me mover, mesmo se minha vida dependesse disso, quando o cara com a faca está se movendo em nossa direção. Henry sacode meus ombros me balança um pouco. - Kate! E então ele vem me pega em seus braços, de volta à estrada pela qual tínhamos vindo, faz todo o caminho até a entrada no estacionamento. Senta-se em um fardo de feno comigo em seu colo. - Ela está bem? -Eu ouço alguém perguntar. -Dê a ela um pouco de água,- diz alguém. Eu não tiro os olhos do rosto de Henry, que está alarmado, e ele fez o mesmo não tira os olhos do meu rosto, mesmo quando alguém lhe dá um copo de água e pressiona em meus lábios. Eu atraio sua cabeça, e coloco a minha boca ao lado de sua orelha. -Você tem que arranjar alguém para ajudar a menina, - eu sussurro com urgência. Ele se afastou e olha para mim. - Que garota? - Você viu que o homem a estava machucando! - O quê? Você quer dizer ...- Ele parou, deixando escapar uma risada de alívio. Eu me aproximo dele que me abraça com força. -Não, Henry, você tem que ... -Na verdade, não. - diz em voz baixa para que ninguém mais possa ouvir. - O quê? -Não é real, Kate. É falso. Você nunca esteve em uma casa assombrada antes? Eu balancei minha cabeça lentamente, percebendo o que está dizendo. 102 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Você quer dizer ... Será que eles são apenas ...? - Eles estão somente fingindo, Kate. Não é real. Você acha que ...? Quando suas palavras me penetram, meu rosto ilumina-se com mortificação. - Não é ... real? Ele sorri com alívio evidente em seu rosto. Eu olho para o lado, assistindo a uma multidão lá, curiosa, com expressões preocupadas em seus rostos. Henry segue o meu olhar. -Ei, pessoal, podem voltar? Ela só precisa de um pouco de ar - diz em voz alta. - Ela está bem? -Alguém pergunta. Ele olha para mim de novo, e eu estou contente de não ver nenhuma zombaria em seu rosto. -Sim, só um pouco enjoada, um pouco fraca. -Assustada, hein? – Questiona o organizador. Temos menos uma noite. Eu enterro meu rosto na frente de Henry, e ele me abraça com força. Todos perdem o interesse quando veem que não tem nada de emocionante acontecendo, e eventualmente saem. -Estou tão envergonhada, eu sussurrei. Ele ri baixinho. - Você me assustou até a morte! -Eu só me escondo mais fundo. Você realmente nunca esteve em uma casa assombrada ou algo desse estilo antes? -Não. -Desculpe. Se eu soubesse, eu teria lhe avisado. Eu só posso imaginar como lhe pareceu... Volto a ver a imagem e eu estremeço. -Você sabe que esses atores fazem encenação, certo? 103 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eu olho para ele. - Por quê? -É que o trabalho deles é assustar as pessoas. A sua foi provavelmente a melhor reação que eles tiveram a noite toda. - Isso é pra me fazer sentir melhor? Ele encolhe os ombros. -Pense nisso como um ato de caridade. Sento-me um pouco mais, olhando curiosamente, sorrindo irônica no lugar. -Claro,- diz ele. –Eles não têm salário, não ganham nada para trabalhar aqui, a sua única recompensa está nas reações que recebem de pessoas. Portanto, temos dado o que eles queriam. Alguma caridade. -Esta distorcendo,- digo, sorrindo. -Eu faço o que posso. - Voltei a sorrir. -Quer ir para casa, ou quer esperar para tomar um sorvete com os outros? -Vamos esperar. Passa algum tempo antes que os outros regressem. Eu movo-me para sentar-me ao lado de Henry no feno, para conversar, enquanto esperamos. -Então, por que você não joga futebol? Eu pergunto. Ele olha para mim, surpreso com a pergunta. -Quero dizer, você é grande e forte como o resto dos outros. Ele encolhe os ombros. -Eu perdi os testes. Já tinha passado quando nos mudamos de volta. - Você já jogou antes? - Um pouco, - diz ele, e me dá a impressão de que era mais do que um pouco. Fico feliz que ele não jogue, caso contrário, provavelmente estaria saindo com uma líder de torcida e não comigo. Obviamente, nós perdemos uma vez que nem sequer terminamos, mas todos retornam rindo e ofegantes de correr do tipo com a motosserra. Fico feliz em ver que seu medo é normal, apesar de eu 104 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett suspeitar que o seu medo é simulado, em lugar do real que eu tinha sentido. Vamos a sorveteria Ice Cream Parlor Ice Castle. É divertido fingir ser normal, apesar de eu não falar muito, principalmente eu apenas sento em silêncio e observo. Eu tenho que olhar para a garota de Brock que observa Henry, eu tenho a alegria de ser o centro da sua atenção no final da noite, quando alternativamente me lança punhais com seu olhar. Quando Henry finalmente me deixa, é muito mais tarde do que tinha planejado, e vou para casa com um medo familiar. Eu escorrego para dentro pela janela no meu quarto, sem saber se minha mãe está dormindo ou acordada, uma vez que vejo o brilho da TV pela janela. Eu decido que a minha história é que ela estava dormindo quando eu cheguei em casa, era perfeitamente viável, e por isso eu tinha ido para a cama. Provavelmente obterei um grito ou dois, ou talvez um insulto, mas terá muitas evidências do contrário, e não vai ser capaz de se lembrar claramente se tinha me visto ou não. Eu acho que é uma vantagem em ter uma mãe debilitada pelo uso de medicamentos.

105 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 12 Desde aquela noite, Henry esqueceu minha decisão de não deixar ninguém nos ver juntos. Estamos sempre de mãos dadas ou tenho o seu braço em volta de mim, caminha comigo pela escola e beija-me quando me deixa. E eu não quero para-lo, não importa a ameaça de Jessica. A maioria dos fins de semana eu posso sair uma noite para ver Henry, e às vezes durante a semana também. Em casa, eu estou além de intacta ou tanto quanto possível, embora seja mínima em encontrar a falha, mas desde o convite para jantar com meu pai, tem havido uma ligeira mudança nela. De nenhuma maneira é o ideal, mas às vezes eles tentam um pouco, saber sobre a escola ou até mesmo me permitindo jantar. Ela e meu pai não estão discutindo muito, eu não vi uma contusão ou lábio inchado a partir da data que eles tinham ido para o jantar. Outubro caminha a novembro, e neve começa a cair. Inicialmente o momento só dura um ou dois dias e depois são fundidos, mas uma semana antes de Ação de Graças a neve pesada cai, parece determinada a ficar por um tempo. Por causa de como estou feliz com Henry na minha vida, e ao ambiente calmo em casa, eu estou um pouco feliz e cheia de esperança, esperançosa de que poderia haver uma chance de que nós nos convertêssemos em uma família de verdade, talvez não tão boa como a dos Jamisons, mas, pelo menos, uma sombra dos mesmos. Eu escolho fazer por nós o tradicional jantar de Ação de Graças. A Ação de Graças geralmente passa despercebida como as outras festas. No passado, vagamos pateticamente nas ruas para ver as famílias em suas casas. Não este ano. Neste ano estou determinada que a nossa família tenha uma refeição feliz, rindo juntos. Talvez a parte rindo e feliz, não vai acontecer, mas vamos resolver juntos. Eu conheço um lugar onde eu possa ir buscar comida fornecida pelo banco de alimentos. Eu estive lá várias vezes antes por conta de nossa crise financeira, quando não havia alimentos nos armários de casa, nem dinheiro para comprar nada. Claro, eu tenho que dizer a minha mãe que o dinheiro vem de fundos de doações. Ela odeia a caridade. 106 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eles me fornecem um pequeno peru, batatas e molho, um pouco de macarrão, duas latas de legumes e uma lata de geleia de amora, todos estes estão vencido, mas pelo menos eles ainda são comestíveis. Não é a preparação elaborada que eu tenho certeza que eles têm em na casa Henry, mas isso vai ter que bastar. É melhor do que costumamos ter. Na manhã de Ação de Graças eu me levanto cedo para iniciar a cozimento do peru. Eu sigo as instruções da caixa e colocou o peru. Depois de assar um par de horas, a casa encheu-se com o delicioso aroma, eu passo para a cozinha para começar a descascar batatas. Às quatro horas, a mini-festa está preparada. Eu preparei uma mesa para três tão elegante como eu posso fazer com o que temos, e incluo algumas folhas que eu encontrei no final do outono, sob a égide da varanda de trás, e que milagrosamente não estão totalmente secas. Eu tenho que dizer, estou muito orgulhosa de mim mesma, não é nada como a mesa de Claire, mas não está mal. Meu pai chegou em casa muito tarde esta noite, e eu o ouvi entrar no chuveiro vinte minutos depois. Sento-me à mesa, à espera que desçam as escadas, em seguida, mas para minha surpresa eles se dirigem ao meu quarto. Eu ouço seus passos na escada, e quase imediatamente a minha mãe começa a protestar sobre ele estar fora à noite toda. Ele começa a gritar e em poucos minutos a briga se estende a uma gritaria. Sento-me à mesa da cozinha, com as mãos sobre os ouvidos em vão, com lágrimas escorrendo pelo meu rosto quando o meu plano se desintegra. Então eu ouço o som revelador do punho na mandíbula, som que conheço melhor que a maioria dos outros sons, então seu carro acelera rapidamente e vai embora. Eu não me movo, olhando para o que eu fiz. Que idiota eu sou. - Que diabos é isso? Eu olho para a minha mãe, na porta. Seu rosto está cheio de raiva e inchado acima de sua mandíbula. -É de Ação de Graças -, digo sem muita convicção. - De onde é que veio tudo isso?- Ela grita. 107 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Eu ganhei. - murmuro, o medo abrindo caminho através de minhas veias. Ela dá um passo para a mesa, olha para o peru perfeitamente cozido, deitado no prato, à espera de ser cortado. - Você roubou de novo, ou é da caridade?- Sua voz é baixa, mas ainda mais alarmante do que seus gritos. Empalideço. “Será que ela pensa que roubei?” Não posso responder, congelada no meu terror. Ela toca o peru, e, em seguida, com um movimento rápido pega com bandeja e tudo, e joga-o em minha cabeça. Abaixei tarde demais, a pesada placa de vidro quebra em minha testa. Imediatamente o sangue começa a jorrar do corte no meu rosto. Eu mergulho para os lados da cadeira, inclinando-me onde eu caio. Avança sobre mim chutando nas costelas. Eu tento proteger-me, mas isso só a enfurece e as colisões tornam-se mais rápidas e severas. Isso não é suficiente para expressar sua ira, de modo que inclui a cadeira. Ela se inclina para mim, e eu com o meu braço tento me cobrir numa defesa precipitada. Eu sinto a pressão no meu pulso quando os eixos da madeira se quebram. Com um grito de raiva, ela se abaixa e pega minha camisa com um punho, puxando para cima, na posição de semi-sentada, e dá outros golpes atingido meu rosto. Com apenas um braço bom para me protege, ela tem vantagem. Ela se vira e começa a chover golpes no rosto e gritando ao me chutar nas costelas. Eu sinto quando ele começa a ficar cansada, o que é uma coisa boa, pois minha consciência está desvanecendo. Mas ainda não acabou. Me larga e eu caio no chão novamente. Em seguida vem para minha direção, com as duas mãos ao redor do meu pescoço enquanto corta o meu ar. Grita novamente, mas eu não posso ouvir as suas palavras sobre o zumbido nos meus ouvidos. O mundo desaparece nas bordas, e a última coisa que eu vejo é o seu rosto, concentrado e roxo de raiva antes que a escuridão me encontrasse feliz. Meu último pensamento antes de ceder à escuridão é atraente: desta vez, me matará. *** Quando eu volto à consciência, eu ainda estou deitada no chão da cozinha, onde ela está à esquerda. Eu estou em algo pegajoso. “O caldo de peru?” 108 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eu rolo para o lado, chorando de dor nas costelas, eu paro e puxo uma respiração dolorosa. Eu me concentro na minha respiração, mantendo um baixo controle, sabendo por experiência que esta é a única maneira de aliviar alguma dor. Eu me empurrei com o braço bom, inclinando-me contra a parede e tomo respirações lentas e profundas, quando o mundo começa a girar novamente. Eu me sinto um pouco melhor, e eu olho para baixo rigidamente percebo que estava deitada em cima de meu próprio sangue. Náuseas rolam através de mim. Usei a borda da mesa para me empurrar com meu braço para ficar de joelhos, e depois para os meus pés, lutando contra a nova rodada de náuseas e tonturas que vem com isso. Eu olho para a mesa, tudo havia sido deixado, menos o peru. Ela está sentada ali com desdém, zombando de meus esforços. Levanto-me insegura, tentando recuperar o fôlego suficiente para me levantar e limpar. Quando eu finalmente levanto, vou imediatamente para a porta dos fundos. Eu olho para o meu balanço pendurado, balançando suavemente na brisa fresca e eu tomo uma decisão. Deixo minha casa, lentamente e com cuidado avanço. Eu não sei se ela vai ser capaz de me ver, mas eu não vou lhe dar uma chance. Uma vez que eu estou na rua, sem ser detectada por ela ou por qualquer um dos vizinhos, atravesso o campo e, eventualmente, faço o meu caminho através das árvores a distância. Caio várias vezes, cada vez leva mais tempo do que o anterior para voltar a levantar. Eu sei o que eu tenho que fazer, eu tenho que chegar até ele. Seu rosto me faz continuar, puxando para fora da neve cada vez eu caio manchando a branca neve com vermelho impecável. Finalmente cheguei a sua casa, sem saber quanto tempo passou. Está começando a escurecer, então eu acho que foi algum tempo. “E agora”, eu me pergunto. Eu avanço aos tropeços, mas em vez de ir para a porta da frente, eu faço o meu caminho ao redor da casa entrando em colapso novamente perto da clínica. Eu tento me levantar, mas eu não posso mais subir. Eu desisto. Fiquei ali na neve não sei quanto tempo, em seguida, ocorre um milagre. -Henry, cereja e torta de maçã estão na prateleira de cima, mas o creme de banana e abóbora estão no fundo, não se esqueça deles,109 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett ouvi Emma dizer quando a porta traseira era aberta, luz e calor se estenderam de sua casa. -Tudo bem, mamãe - diz Henry quando sai, para o terraço e deixando a porta se fechar atrás dele, -como se não soubesse onde estão a cada ano,- ele resmunga para si mesmo enquanto ele anda, fechando a zíper de sua jaqueta, -eu não esqueci ainda, certo? Claramente foi enviado para buscar algo na clínica. Suas queixas continuam. -São armazenadas aqui todos os anos. Não é uma surpresa ou algo assim. Não me vê deitada, pois pretende cumprir seu propósito rapidamente e sair do frio. -Henry-Eu chamo fracamente, segurando minha mão. Ele para e olha para onde eu estou não reconhece meu rosto inchado e sangrando. Ele se aproxima com cautela, não muito perto. - Quem está aí? Ele diz. -Henry- digo mais uma vez, e eu vejo a mudança em seu rosto quando ele ouve a minha voz. - O que aconteceu? Como você ...? Eu não posso ... Eu tenho que levá-la ao meu pai Diz freneticamente. - Não! -É preciso toda a minha força de vontade para usar minha voz para o forte o suficiente para detê-lo em sua carreira. Eu caio de volta para a neve. -Promete ... -Eu faço um ruído áspero, minha respiração torna-se algo dolorosamente rápida, mas é importante para obter a sua palavra. -Nada de polícia ... sem os pais ... prometa-me. -Tudo bem, tudo bem. - Cada promessa é acompanhada por uma respiração ofegante, e com surpresa, eu percebo que ele está chorando. -Ajude-me, peço. - O quê? –Me fala angustiado.

110 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Ajude-me ... levantar-me. -Ele se inclina para baixo e gentilmente me enrola sobre o dorso. Eu grito de dor. -Desculpe,- ele geme. -Eu não ... se desculpe. Desliza um braço atrás das minhas costas e outro sob os joelhos, subindo lentamente e com cuidado, segurando com cuidado em seus braços. -Eu tenho ... frio. -Bem, eu vou levá-la para dentro. -Não ... Não para a casa ... você prometeu. Ele balança a cabeça, infelizmente, as lágrimas ainda escorrendo pelas suas bochechas. Ele carrega-me para dentro da clínica. Ela é destinada a animais, mas a cama na sala de exame é o tamanho certo para ele me colocar com meus tornozelos que pairam sobre o fim. Eu deixei cair, cuidadosamente colocando meus braços em meu estômago; abruptamente sinto uma agitação e choro quando obviamente não movimento o braço quebrado. -Espere aqui, vou pegar alguns cobertores. Eu tento sorrir, mas é provável que parece um sorriso medonho inchado com sangue. -Não ... Eu estou indo ... a lugar nenhum. Ele me olha meio soluço, meio rindo, curvando-se para um beijo na testa. Ele sai apenas à metade de um minuto se passou quando retorna, com uma pilha de cobertores. Nenhum deles é suficientemente para me cobrir, então os hematomas no meu corpo. - O que aconteceu?- Ele pergunta novamente. Eu balancei minha cabeça, não querendo dizer por agora. A porta abre atrás dele. -Henry, sua mãe enviou-me para ver ... - Seu pai se assusta quando me ve. Henry salta e fica na defensiva diante de mim. 111 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - O que no mundo ....? O que está acontecendo Henry? Esta é ... Kate, você está! É você? Eu fecho meus olhos. Eu encontrei seu pai agora, do lado de fora da clínica. Seu pai avança e tira Henry para fora do caminho. Deu uma olhada no meu rosto, e em seguida, puxou o cobertor para baixo. Dá uma olha para o meu pulso deitado no meu peito e respira entre dentes. Eu começo a tremer e puxo as cobertas sobre mim. -Ligue para o 911- se dirige a Henry. Ele se afasta e começa a abrir as portas do gabinete. -Não. -Agarrou o braço de Henry com a mão boa. - Não, você prometeu. Por favor, prometeu. Dr. Jamison está de volta ao que, erguendo as sobrancelhas para Henry que Henry balança a cabeça. -Não, pai, eu prometi que não faria isso. Dr. Jamison me olha, suspira e finalmente toma uma decisão. -Tudo bem, mas pelo menos você tem que chamar seus pais. - Não! -Meu protesto é ainda mais exaltado. Isso é pior! Eu me esforço para sentar-se, puxo contra o braço de Henry para me apoiar. Não. .. Não. .. Vou embora .... Por favor, não. -Pai ... –A súplica de Henry combina com a minha. Dr. Jamison está imediatamente ao meu lado, com as mãos tentando manter-me parada. -Kate, acalme-se. Não chamarei ninguém, certo? Acalme-se antes que se machuque mais. Eu caio em cima da mesa, com as costelas gritando em agonia, tentando pegar um fôlego enquanto as lágrimas correm pelo meu rosto. Henry inclina-se para baixo, colocando sua testa contra a minha, há agonia em seus olhos escuros brilhando com lágrimas. Dr. Jamison suspira novamente. 112 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Eu sou um veterinário, Kate, não um médico. Eu não sei se eu posso ajudar. -Não ajude ... posso apenas descansar. - Eu não acho que posso ajudá-la agora. Obviamente você tem um pulso quebrado e precisar de pontos. E isso é só o que eu posso ver. Mais tem danos internos. Eu não posso sair sem tentar ajuda-la.Estendo a mão e agarro a sua. Ele precisa compreender urgentemente a importância disto. -Nada de policiais ... Sem os pais... Ou ela vai me matar. -Minha voz é rouca asfixiada, mas ele entendeu claramente. Se eu não fosse tão ruim, eu teria acreditado, que minhas feridas se curariam sem intervenção. Aperta o queixo, algo que eu já vi Henry fazer em várias ocasiões, quando chateado. -Tudo bem. -Parece relutante renuncia. - Eu vou fazer o que puder para ajudar. Eu relaxo com suas palavras e solto a sua mão. Eu vou ter que dizer a sua mãe diz Henry. Ela vai perguntar por que está demorando tanto e é melhor saber agora ao invés de enviar para cá uma das meninas para nos encontrar. Eu olho com aprovação. Não quero ser a causa de sofrimento para qualquer de suas irmãs, então eu não tenho escolha a não ser concordar com o meu consentimento. Instrui Henry para manter uma gaze contra o corte na testa e, entretanto, ele chega em casa para dizer a Emma. Henry puxa um banquinho de rolamento e senta-se ao meu lado, alisando os cabelos para trás, segurando gentilmente uma gaze sobre a ferida que sangra. As lágrimas pararam, mas a expressão em seu rosto alterna entre a tristeza e raiva. Ele não fala e, finalmente, deixei meus olhos fechem. Não estou dormindo, mas em repouso, tranquilo e seguro para o momento, a dor profunda se movimenta contra o meu alívio, ainda deitada e em voz baixa. Muito em breve Dr. Jamison volta com alguns cobertores limpos. Emma havia dito a todos que havia uma emergência, e uma vez que é algo comum, não fizeram perguntas. Ele puxa um kit de sutura e começa trabalhar em minha lesão, depois de ter 113 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett certeza que eu saiba que não é um médico, e que isso pode deixar uma marca enorme. Ele costura rapidamente, em seguida, Henry pega alguns panos molhados para limpar meu rosto. Decide que o lábio cortado não necessita pontos, mas eu definitivamente preciso de radiografias. Henry me levanta cuidadosamente, mas ainda me dói muito, me leva para a sala de raio-x. Me coloca em cima da mesa, e vai embora, enquanto o Dr. Jamison tira fotos, tem de tirar mais do que o habitual porque filmes de raios-X não são tão grandes como o necessário. Ele me diz que eu tenho três costelas quebradas e duas trincadas. Meu pulso está quebrado, mas é simples, mas muito doloroso para ele corrigir. Ele faz, e vejo ele e Henry fazerem caretas de dor. Assim que o faz, meu braço se sente melhor. Radiografa novamente, agora para talas, e explica que é preciso alguns dias para que o inchaço diminua antes de moldá-los para baixo. Diz a Henry para ir a casa para obter a ajuda de Emma para embrulhar minhas costelas, pois requer a remoção de minhas roupas, e quer proteger a minha modéstia. Quando ela vem e me olha, imediatamente começa a chorar, mas inicia os cuidados de forma semelhante. Esta é uma mulher que chora para a lesões que foram causadas por minha própria mãe. Como eles dois logo terminam de me enfaixar, me envolvem em uma das colchas. Dr. Jamison disse que permanecer deitada na neve fria provavelmente ajudou os meus ferimentos. Era como ser colocado em um grande bloco de gelo. -Ela não pode ir para casa. –Dr. Jamison diz a Emma de forma significativa, e apesar de eu ver a curiosidade em seu rosto, ela mantém a sua questões internamente, ordenando a Henry me levar pra casa coloque-a no quarto de hóspedes. -Eu estou indo para distrair os outros por agora, para que eles possam ir em privado. Leve-a através da porta. Henry me apoia, levanta-me apertando contra ele, sem me machucar, me colocando sob o queixo, acariciando sua mandíbula contra o meu cabelo. Ele me leva a uma sala ao lado da porta e atrás da sala de estar formal, outro cômodo que não tinha notado antes. Henry e seu pai deitam-me na cama com cuidado. Dr. Jamison verifica minha temperatura, o que ainda é um pouco baixa, e pilhas de 114 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett mais alguns cobertores são lançadas em mim, ajuda-me a engolir uma pílula para dor. -Venha, Henry. Voltaremos à família e deixe repousar em Kate. -Eu não vou sair,- diz Henry, com seus olhos nos meus. Dr. Jamison suspira novamente. - Por alguma razão, eu sabia que você ia dizer isso. Ok, mas deixea dormir. Ela precisa dormir mais do que qualquer coisa neste momento. Henry concorda com a cabeça, puxando uma cadeira ao lado da cama, e colocando o braço debaixo das mantas para segurar minha mão boa. -Você vai ficar bem, - Kate diz, e isso soa como uma ordem. Quero assegurar-lhe, e dizer obrigado, mas agora meus olhos estão se fechando na distância. Eu nunca estive tão cansada na minha vida. *** Quando abro meus olhos novamente, a sala é escura. Por um momento eu não sei onde eu estou, mas quando eu tento mudar meu corpo, eu me lembro imediatamente. Os eventos do dia vem correndo para mim, e gemo de dor. - Kate? -Henry fica imediatamente ao meu lado, com as mãos macias segurando minha cabeça. -Henry- sussurro, a garganta é tudo que posso manipular. Ele alcança e liga a lâmpada de cabeceira, e eu o vejo estremecer a visão do meu rosto. Humilhada, virei o rosto. Ele pega meu queixo um pouco e me vira para ele. Ele se inclina e me beija suavemente no canto da minha boca em bom estado. - Quem fez isso? A voz dele está quebrada. Eu balancei minha cabeça, lágrimas caindo dos cantos dos meus olhos. -Eu não sou uma pessoa violenta, mas ficaria feliz em matar quem fez isso. -Meus olhos se arregalam para isso. Ele esta absolutamente a sério. - Foi Frank? 115 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eu tenho que pensar por um minuto no que quer dizer, lembrando que foi ele que tinha conseguido intimidar Frank a parar no almoço. -Não. -Minha resposta vem com uma voz rouca. -Então, quem? - Ele pergunta. Eu não posso dizer. Estou salva de ter que responder quando o Dr. Jamison e Emma entram no quarto. Eles tinham visto todos os seus convidados, e tinham deixado Claire com duas filhas mais jovens. Emma se apressa para o meu lado, sussurrando calmamente, algo que só uma verdadeira mãe sabe. Dr. Jamison está me assistindo com cuidado, como se estivesse decidindo alguma coisa em sua cabeça. - Tudo bem, vocês dois, eu tenho que conversar com a Kate. Deixem-nos a sós por poucos minutos. - Pai, eu não... - Dr. Jamison coloca a mão no ombro de Henry, interrompendo. -Henry, é de apenas alguns minutos. Vá ao chuveiro, então você pode voltar e ficar com ela esta noite. Henry está relutante, mas acena com a cabeça em concordância. Ele me beija novamente e sai. -Emma, ela pode precisar de gelo e talvez um pouco caldo? Emma acena com a cabeça, com lágrimas nos seus olhos enquanto me olha. E então ela faz uma coisa incrível, ela se inclina e beija minha testa. É o afeto mais forte e maternal que recebi em um longo tempo que eu me lembro. Quando estamos sozinhos, Dr. Jamison verifica meu pulso e minha atadura nas costelas, tomando minha temperatura novamente e observa os pontos suturados. Eu sinto que ele é apenas exigente, tentando encontrar algo para fazer. Finalmente, suspira e se senta na cadeira de Henry. - Não acho que você vai me dizer o que aconteceu - Ele olha para mim, mas eu posso ver em seu rosto que sabe a resposta, antes mesmo de eu agitar sua cabeça. -Sou melhor cuidando de animais do que pessoas, mas posso ler um raio-x. -Ele olha para mim, segurando meu olhar com aqueles olhos 116 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett tão parecidos com os de Henry. Havia muitas de antigas lesões curadas. Esta não é a primeira vez que eles te machucaram. Meus olhos caem. -Há uma razão pela qual não quer ir para casa. Eu não respondo. Ele limpa a garganta. - Henry sabe? Eu poderia perguntar o que ele está falando, fingindo que nada de ruim está acontecendo em casa, mas a verdade paira no ar entre nós. -Não. -Há pessoas que podem ajudá-la, lugares que você pode ir ... Eu encontro os olhos novamente. -Dr. Jamison, tenho dezessete anos, quase dezoito anos. O que acontece, o Estado me colocará em um lar adotivo? Quem adota alguém de dezessete anos? - Minha ferida garganta empurra as palavras. - Alguém à procura de dinheiro, talvez. Ou, não sei... alguém que queira ter benefícios em torno disso. A maioria das famílias adotam bebês. Você acha que as coisas seriam diferentes para mim em outro lugar? Pelo menos sabemos o que esperar. Sua cabeça caiu em suas mãos apesar de reconhecer a verdade das minhas palavras. - Eu não gosto disso. - ele resmunga, provavelmente não querendo aceitar o que escuta. Então ele olha para mim novamente. -Você está muito ferida. Tem sido tão ruim assim? Eu penso nas outras vezes que fui açoitada, mas tenho que admitir que este foi o pior. Eu balancei minha cabeça. - O que se pode piorar? Pior poderia significar a morte. Eu sei disso. Lembro-me de pensar claramente que ela iria me matar naquelas outras vezes. Ela não fez, no entanto. Algo a tinha parado. “Vai parar na próxima vez?” 117 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Eu posso tentar ajudar. -Não. -Eu tenho a garganta em chamas, falando dolorosamente. Isto é imperativo fazê-lo entender. Eu não poderia viver com isso, se ela descobrisse sobre Henry. Eu não poderia suportar se ele sentisse pena de mim. Ele é meu amigo. O que mudaria se ele soubesse. Dr. Jamison balança a cabeça. -Não, você está dando-lhe crédito suficiente. -Por favor, eu imploro. -Isto não é sobre Henry, ou o que ele pensa. É sobre você. -Está certo. E eu estou pedindo para sair. Se isso se torna difícil para você, legalmente, quer dizer, eu vou embora. Encontre outro lugar para eu ir por alguns dias. Ele não responde, pergunta em vez disso: - O que vai acontecer se você não se mostrar casa por alguns dias? Eu olho para fora da janela, como se as respostas estivessem lá nas estrelas. -Ela não vai chamar a polícia. Ela não quer ser investigada. Provavelmente se perguntará se eu morri,- sussurro, lembrando o tanto de sangue no chão da cozinha, ao pé da mesa de jantar na cena da ação de graças. Dr. Jamison está abalado pela surpresa, por minha admissão, ou pelo que eu confesso a ele, talvez pelos dois. Bufa em renúncia desconfortável. -Tudo bem, você precisa descansar por alguns dias. Costelas quebradas podem ser perigosas, podem perfurar um pulmão, teria que ir para hospital para ver. -Vou descansar, eu prometo. Sai pela porta, respirando sem virar-se para mim, virando a porta. - Ela deveria estar na cadeia por isso.

118 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 13 Devido às férias de outono, não tenho que voltar para a escola até a quarta-feira seguinte de Ação de Graças. Passei estes dias me recuperando na casa dos Jamisons. Que permitiram que as meninas viessem onde eu estou, e foi dito que eu estive em um acidente. Não me perguntaram por que eu vou ficar em sua casa em lugar da minha. Eles estão apenas felizes por me terem por lá. Depois de alguns dias, eu estou autorizado a levantar-me um pouco, e passar tempo com eles na área da sala de família, comendo sanduíches de sobras de peru, que são muito melhores do que os sanduíches que têm na escola. Toda a família tomou a iniciativa de tentar superar uns aos outros como meus cuidadores. Tornou-se uma espécie jogo para eles, ver quem pode fazer mais por mim. Acima de tudo, tenho prazer em estar perto de Henry, o dia todo, todos os dias. Eu tento fazer com que ele faça uma pausa de mim, mas não quer ouvir falar sobre isso. Exceto quando ele vai tomar um banho, ele está comigo, mesmo quando é noite, dorme na cadeira ao meu lado. Dr. Jamison engessou meu pulso, e eu posso ter minhas costelas sem ataduras temporariamente para tomar um banho. Até mesmo forneceram uma cadeira de plástico para sentar-me no chuveiro. Eu poderia ter vivido neste mundo de fantasia para sempre, mas inexoravelmente chega terça-feira. A volta à escola é amanhã, e não eu não posso me dar ao luxo de perdê-la e toda a atenção recai sobre mim. -Fique mais uma noite- implora Henry. Vou levá-la para casa amanhã depois da escola. Então, eu fico. Só que eu tenho as minhas roupas rasgadas e ensanguentadas que tinham sido tomadas no primeiro dia, e jogadas fora, eu acho, e eu só fui vestindo um pijama de Claire. Ela me traz um par de calças e um top caro para usar amanhã na escola, pois é improvável que são do mesmo tamanho. Estas são as melhores roupas que vesti, mas de uma forma muito feminina e vaidosa, eu estou contente que Henry me olhe pelo menos uma vez em alguma coisa que não está deformada e feia. Eu acordei na manhã seguinte, minhas costelas são enfaixadas mais forte, não é uma tarefa fácil. Eu ainda estou muito dolorida, mas eu sei que posso aguentar. Eu olho no espelho, meu rosto está manchado com hematomas roxos e amarelos. Embora a maior parte do inchaço 119 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett saiu. Meu lábio está apenas um pouco inchado, o grande problema é que dói quando Henry me beija, por isso tem me beijado muito pouco. Dirigimos para a escola na neve. Henry deu-me um casaco contra os meus protestos, com sua jaqueta ainda em minha casa. Estou feliz que ele insistiu, porque o casaco anterior perdeu seu perfume há muito tempo, mas seu casaco novo está cheio disso. Ele já está espalhando a palavra entre alguns de seus amigos sobre a meu acidente de carro, sabendo que a sua palavra atingirá toda a escola. Sigo frustrada comigo porque eu não vou dizer exatamente o que aconteceu. Acho que meu acidente recebeu alguma simpatia, provavelmente, mais pelo jeito que meu rosto parece que qualquer coisa. Não só alguém tentando me machucar ou causar-me constrangimento, eles realmente seguram a porta para mim e me ajudam a carregar os meus livros, que felizmente ficam com Henry, quando eu estou com ele. Sobretudo, este ato é realizado por amigos de Henry, com a quem eu sou grata, quando me encontro com Jessica nos corredores eu vejo não só sua falta de simpatia em seus olhos, mas sua raiva. Depois da escola Henry discute comigo, tentando voltar para sua casa. Eu só quero fazer isso, tomar o caminho mais fácil e esconder, tanto quanto possível. Ele faz com que seja muito mais difícil quando olha para mim com apelo desesperado nas profundezas escuras de seu olhos. Eu não sei o que eles sabem, mas eu suspeito que talvez a verdade, ou algo próximo a ela. Finalmente, ele segura a minha mão. -Pelo menos deixe-me levá-la para casa. Você não deveria estar caminhando tão logo. Assim começa uma nova discussão, mas acho que Henry é tão teimoso quanto eu. Nós prometemos que não vai me deixar na frente da minha casa, mas em frente da casa ao lado, e ele me deixou fazer meu caminho de casa. Ele me ajuda a sair do carro, puxando-me perto em um abraço suave, deixando beijos no meu rosto e na minha boca, um momento põe alguma coisa na minha mão e olho para baixo para ver um telefone celular lá. -Não,- eu protesto, minha voz ainda é um pouco difícil.

120 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Não é de minha parte. É de meu pai. -Quando eu olho-o de volta, envolve sua mão ao redor da mina, prendendo o telefone lá. - Ele pertencia a um de seus funcionários que não trabalha mais para ele. Meu pai o paga a cada mês para estar em uma gaveta. Está preocupado que não tenha um telefone. É um empréstimo. Pegue-o. -Eu não posso... - Por favor. Por mim. Tem todos os nossos números de telefone programado para ele. Tudo que você tem a fazer é chamar e eu vou, eu estarei aqui antes de você terminar de discar. -Henry... -É apenas um empréstimo. - Ele vê a minha hesitação. - Se for preciso, eu vou jogá-la de volta no meu carro agora e mantê-la refém em minha casa até que você concorde. Eu sorrio. – Você está me ameaçando com isso? Ele ri, beijando-me suavemente. -Por favor, tome isso. Minha mãe não me deixará voltar para casa com ele na mão. Ele não desiste. - Bem, não podemos permitir isso, certo? Ele me mostra como usar o telefone, pois eu nunca tive um para mim mesma. Ele tem, é claro, seu numero marcado como o primeiro na discagem rápida. Ele me beija novamente, e me abraçar forte. Eu relaxo nele, temendo o tempo que irá demorar até que eu possa vê-lo novamente. -Eu vou sentir sua falta esta noite, - eu digo. Ele olha para mim. - Chame-me antes de ir para a cama. -Tudo bem. -Me lanço de volta para a minha casa, com medo de entrar, mas sabendo que é hora de fazê-lo. Ele espera até que eu chegue a minha porta antes de sair e voltar a entrar em seu carro. 121 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Mamãe está sentada no sofá, mas em vez de estar meio dormindo ou assistindo TV, está sentada, com a cabeça entre as mãos, e os braços repousando sobre os joelhos. Ela olha para cima quando eu fecho a porta atrás mim. Alívio inundou o rosto ao me ver lá. Eu caminho para chegar diante dela e seus olhos me avaliam, ver o gesso no meu braço, e minha testa costurada antes de parar nos meus olhos. Sustenta o olhar por um minuto e, em seguida, olha para o lado. "Eu estava ... Eu pensei ... não sei onde você estava,- gagueja, e se não a conhecesse melhor, poderia pensar que há uma preocupação em sua voz. - Quer dizer que não sabia se estava viva ou não,- eu digo, com medo girando através do meu estômago por pensar sobre o que poderia me fazer por falar dessa maneira. Olho de novo e seu rosto se contorceu com culpa. Eu sinto um pouco de simpatia por ela, mas desaparece quando eu tomo uma respiração profunda e minhas costelas se abalam em protesto. -Eu estou viva e estou de volta, e eu preciso descansar para me recuperar completamente. Eu passo por ela em direção à escada, olhando para a cozinha. Ela limpou a sujeira, a parede esculpida e chão de modo que as evidências não permaneceram. Tanto pela sua preocupação por mim, pessoalmente, acho que ela estava mais preocupada em saber se ela poderia ser presa. Eu passo na escada, e eu volto para enfrenta- lá mais uma vez, com meu coração batendo. Ela me olha de perto. -Você não pode fazer isso comigo de novo. Você não pode me machucar mais. Ela não diz nada, então eu me viro e subo as escadas. Em meu quarto, deito na minha cama, tonta com o esforço de confrontá-la. Um sorriso cruza minha face. *** Um novo tipo de vida começa novamente. Porque o meu pulso direito está quebrado, então eu preciso de ajuda para fazer meu dever de casa, tanto na escola que estranhamente tenho um monte de voluntários, novamente principalmente os amigos de Henry, mas também vários dos “Perdedores“ que partilham a nossa mesa de almoço, como acontece com a minha lição de casa depois da escola. 122 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Digo para minha mãe que preciso de ajuda, fico surpresa quando não discute. Então, depois da escola, eu vou para casa com Henry e fico na parte da tarde e à noite todos os dias. Emma parece feliz com isso, e faz com que eu tenha o jantar todas as noites antes de sair. Eu me recupero rapidamente, provavelmente porque o meu corpo está recebendo mais energia do que eu já tive. Acho que me encaixo em uma família, e eu gosto de como me sinto. Claire faz questão de mostrar muitas fotos constrangedoras de Henry, especialmente àquela em que penteou o seu cabelo, quando era maior. Suborna-me para pentear os meus. Mostra-me uma imagem dos membros da família, incluindo o avô de Henry e por que Henry foi nomeado assim, o que traz uma lembrança clara de Henry como uma criança. No primeiro dia de escola, ele havia anunciado o seu nome na frente da classe, dizendo a todos que tinha sido nomeado por seu avô Henry, e para os próximos anos, cada vez que chegava alguém novo, ele repetia a mesma história. No momento em que estávamos na quarta série, estávamos todos muito conscientes de onde veio seu nome. Eu rio da memória e eu digo a suas irmãs sobre isso, que encontram como uma coisa legal para zombar dele. Elas começam a chamar Henry-que-foi-chamado-por-seu-avô com o nome longo. Toda noite quando eu chego em casa, limpo a cozinha e a sala de estar, embora não tão duro quanto antes, porque a minha mãe está fazendo algum esforço nisso também. Limpo meu banheiro enquanto eu me preparo para ir ao cama, em seguida, telefono para Henry assim que eu estou na cama, e falo até que um ou ambos caem no sono. À medida que o tempo passa fica mais frio, às vezes abaixo de zero durante a noite e a maioria dos adolescentes lutam para acordar durante o dia, Henry começa a me pegar e me deixar na frente da minha casa. Ignorando meus protestos de que eu tenho andado no clima como este por anos, e quando parece não haver nenhuma queixa de minha mãe, eu deixo de me opor. Uma noite, nós estamos sozinhos em sua casa. Estamos sentados no chão da sala de estar, fazendo o dever de matemática. Este é o meu lugar favorito, estão todos os cômodos decorados para o Natal. Uma mistura de enfeites, todos os membros da família Jamison tem enfeitado sua casa ao longo dos anos, adornam as enormes árvores de Natal, que foram compradas na loja escolhida pelas meninas. Cada uma é 123 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett cuidadosamente marcada com o seu nome, o ano em que foi feita ou quando o ornamento foi adquirido. De alguma forma, Emma conseguiu um visual elegante aconchegante. Dr. Jamison disse que eu precisava para tirar o gesso até o ano novo, ainda sou incapaz de escrever. Apesar de ter melhorado muito, que Henry fica me distraindo com beijos, já que o inchaço do meu lábio está desaparecido não dói mais. Além disso, eu prefiro beija-lo a matemática, então eu realmente não estou reclamando muito. -Eu quero pedir um favor,- me disse entre os beijos. Olhando para a sua boca, com longos e grossos cílios escondendo seus olhos, encontro dificuldades para pensar com clareza. -Qualquer coisa,- respiro, beijando-o novamente. Ele sorri, em seguida, olha para meus olhos, seu olhar com a intenção escuro. - Eu quero que você me diga alguma coisa. -Tudo bem,- eu concordo, disposta a dizer qualquer coisa. Levanta a mão, roçando o polegar sobre a cicatriz sumindo sobre o meu rosto, acompanhando o movimento com os seus olhos. A laceração corre ao longo da linha da sobrancelha, por isso não é visível os pontos marcados serão removidos, e, eventualmente ficará quase imperceptível. Seus olhos se voltar para os meus, e por isso sem a menor cerimônia em silêncio, diz: -Eu quero que você me diga quem fez isso. Eu congelo sob seu toque. Seu olhar não vacila. Desvio os meus olhos longe dele. -Não me pergunte isso,- minha voz é baixa. - Não confia em mim? -, Ele pergunta. Viro-me para ele com surpresa. Ele está olhando para baixo, encarando o chão. -É claro que eu confio em você, Henry. Eu te a... - Faço uma pausa para mim mesma, mas seus olhos chegam aos meus, mantendo o seu corpo imóvel ainda. As palavras tinham quase saindo, palavras que não podiam ser faladas em voz alta. Então eu sei que esta é a verdade. Abaixo meus olhos, respiro, então olho novamente. -Quero dizer, você é meu melhor amigo. Eu confio em você mais do que qualquer outro. 124 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Estou pedindo que confie em mim quando eu digo que eu não posso te dizer. Ainda sem mover um músculo, olha, esperando. Quando não digo nada mais, solta sua respiração, desviando o olhar. Finalmente, concorda. -Eu posso aceitar isso.- Ele se move, em seguida, de joelhos, me puxando em seus próprios joelhos e seus braços. -Eu não gosto, mas eu posso aceitar. -Mantém um braço em volta da minha cintura, puxando o outro para descansar em um dos lados do meu pescoço, com um polegar traçando o minha mandíbula. -Mesmo que, posso perguntar-lhe outra coisa? Com um pouco mais de cuidado agora, aceno. - Isso é tudo o que somos? Amigos? -Uh ... -Meus pensamentos estão espalhados novamente. -Porque eu pensei que fossemos outra coisa. Ele abaixa a cabeça para a minha. Quando seus olhos estão apenas alguns centímetros de distância da minha, ele questiona. - Quantos amigos fazem isso?Então, sua boca está na minha. O calor flui através de mim como sempre faz quando estamos neste aperto, como se estivesse pegando fogo. Hoje à noite é mais intenso pelo fato de que eu estava prestes a revelar o meu amor por ele. Ele tive prestes a dizer antes, e acho que ele sabe disso. Assim como eu pensava nas palavras, eu sabia que era verdade, que sempre será verdade. Embora não possa dizer o pensamento, sabendo que o que temos é apenas momentaneo, pois assim que se formar, ele vai embora para a faculdade. No momento em que ele retornar, nossa vida vai ter ido embora, provavelmente virá com outra pessoa. Ciúme brota através de mim. Ouvimos a porta da garagem aberta e nos separamos quando o porta se abre, espalhando a família dentro. Todos eles vêm beijar Henry e abraçar-me, mesmo seus pais. Com eles aqui, o ambiente é animado e vivo, nossa intimidade desaparece. Mas, mesmo assim, enquanto nós fazemos o nosso trabalho, Henry mantém sua mão entrelaçada com a minha, o polegar traçando a palma da minha mão, meus pensamentos se voltando para a sensação. É só quando o vejo olhando para mim por sob os cílios com um sorriso secreto, que eu percebo que ele sabe 125 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett exatamente o que está fazendo. Eu penso em retirar minha mão para tirar a presunção de seu rosto, mas então eu ficaria sem o seu toque. Eu não sou tola o suficiente para me torturar apenas para demonstram um ponto. Mais tarde, à medida que vou para casa, Emma caminha conosco para a porta. - Henry disse que nós estamos indo para a Flórida para as férias?Ela pergunta. Meus olhos voam para Henry. Será que ele vai? Meu horror deve ser exibido na minha cara, porque ele responde por mim. -Não, mãe, eu não disse ainda. - Oh – a pergunta de Emma é casual, como se não acabasse de dizer que vou passar duas semanas na miséria. Henry apertar a minha mão. -Bem, na verdade, eu sei que é Natal, e realmente é um feriado familiar... – “Ah, eu não sei de onde isso vem, é apenas mais um dia”, mas nós realmente gostaríamos que você viesse conosco, se estiver tudo bem com seus pais. Eu olho para ele, espantada. “Quer que eu vá com eles em suas férias família?” - Os pais de Paul vivem lá, então vamos descer para passar um tempo com eles. - Você quer que eu vá com você?- Eu não tenho certeza se eu ouvi bem. -Bem, eu sei que é um pouco estranho, pergunte aos seus pais se você pode ir a uma viagem com a família de seu namorado... Olho para Henry a menção da palavra namorado, e ele apenas sorri arrogantemente, com uma sobrancelha levantada, me desafiando a contestar o uso da palavra. -Nem tanto... –Quero comemorar, com cada fibra do meu ser. -Natal não é uma grande festa em minha casa ...

126 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -O eufemismo do ano. Mais, um... -Eu tenho vergonha de ter de dizer que não há nenhuma maneira possível que eu possa pagar. Ela espera. -Não que eu não queira, eu adoraria ir, mas ... uh ... -Pense sobre isso,- ela diz, notando o meu desconforto e deixandome um tempo para pensar. - Converse com seus pais para que eles saibam sobre Henry. Nós amaríamos se vier conosco. Ela não tem ideia de quão dolorosas são as suas palavras. Eu daria meu braço saudável, e um braço quebrado também, mas desde que não conheço um lugar onde vender meus braços, eu sei que é apenas uma fantasia. Nós dirigimos para casa a maior parte em silêncio. Quando paramos em frente da minha casa, ele desligou o motor do carro e se vira para mim. - Eu não posso acreditar que você não me disse que estava indo viajar, -'eu digo. -Mamãe queria pedir-lhe para vir ela mesma, e teria sido uma tortura, porque se eu disser que eu vou, você terá de vir. Caso contrário e você não possa ir, eu vou organizar um motim, e ficar em casa. - E faria falta a seu avô Henry?- Estou brincando, mas eu posso ver a decepção que passa em seu rosto com o pensamento. - Eu não posso ir, Henry. Sua mandíbula se apertou, mas sua voz está resignada. - Seus pais não iriam deixá-la, certo? Tento imaginar sequer pedir aos meus pais, mas eu não posso imaginar nem mesmo chegar a esse ponto. -Não, não é isso.... bem, olha. - Encosto minha mão na casa arruinada do bairro. Ele olha, então para casa e então olha para mim, franzindo a testa em confusão. - Então? -Henry, olhe para as minhas roupas. -Ele faz. - Se eles pudessem se dar ao luxo de me enviar para a Flórida para o Natal, poderiam se dar ao luxo de comprar ao menos um traje que não seja de segunda mão,eu digo, envergonhada ao admitir isso. 127 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett O rosto de Henry expressa compreensão. - Esse é o impedimento? Dinheiro? -Você fala como alguém que tem muito,- resmungo. -Kate, quando minha mãe pediu-lhe para vir, eu sabia que você não podia pagar. "Então, por que ...? - Os meus pensamentos se voltam imediatamente para perguntar por que ela faria algo tão cruel, fazendo piadas como essa. -Eles pretendem pagar para você. - Não! Henry, não. Eu não posso aceitar isso. Eu não sou um caso de caridade. - Minto, sabendo que isso é exatamente o que eu sou. -Kate, querida, - meu coração salta uma batida com a ternura, a primeira dos seus lábios - Não ofereceriam se não quisessem. Minha família inteira é louca por você. É embaraçoso admitir, mas você sabe que eles pode pagar. -Isso não quer dizer que prefira aceitá-lo. - Você vai deixar seu orgulho impedi-la de passar as férias comigo e com minha família? -Eu sei que você está tentando fazer alguma manipulação para eu mudar de ideia, mesmo com vergonha. O problema é que está funcionando um pouco. - Não faça isso. - O quê?- Ele tem curiosidade genuína. -Não faça parecer como se o meu orgulho estivesse impedindo que esta viagem seja uma realidade. É uma questão de certo e errado. E é errado deixar alguém gastar tanto em mim. -Não muito. Não altera o custo do lugar em que ficamos, ou a maioria dos alimentos que comemos lá, como vamos estar comendo especialmente na casa de praia que está alugada. É algo que eles realmente querem fazer. O coração da mamãe vai quebrar se você disser não. - Está começando a soar como uma possibilidade dolorosa porque não é possível, certo? Então ele diz algo que inquieta-me um pouco. 128 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Quebrará meu coração, se você não vier. Suspiro. -Eu tenho certeza que ela não vai me deixar ir de qualquer maneira - Eu digo, sacudindo o polegar em direção a minha casa. Seu sorriso é brilhante com a vitória súbita. - Mas perguntará? -É triunfante. Eu não posso ficar forte na presença de sua alegria. -Eu vou perguntar. - Sim! -Dá um soco no ar, como se tivesse acabado de marcar um touchdown. Beijou-me com entusiasmo. Quando? - Quando o quê?- Eu pergunto. - Quando vai perguntar? -Oh. Ah, não sei. Quando for a hora certa, eu acho. Seu humor é esvaziado um pouco. -Tudo bem. Mas não espere muito tempo. É em apenas duas semanas. *** No sábado seguinte, eu me levanto cedo começo limpar a casa silenciosamente, mas completamente. Fui aproveitando a culpa da minha mãe para aliviar meus deveres como empregada doméstica. Hoje eu preciso ser agradável porque lhe perguntarei sobre a Florida. Limpo, tiro a poeira e organizo, e certificando-me de que quando acordar tenha um bom almoço. Eu mais tranquila, permanecendo fora de seu caminho, mas estou disponível quando precisa de mim. No momento em que a comida fica pronta, sirvo e limpo tudo, estou exausta. Eu realmente quero estar com Henry. Eu entro na sala, onde ela está olhando uma revista velha, provavelmente roubado de sua última visita ao médico em busca drogas. Sento-me ao lado dela, e olha para mim com uma expressão desconfiada. 129 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Mãe, eu estava me perguntando se eu poderia falar com você. Deixou a revista de lado, em primeiro lugar, e volta sua atenção para mim. -Eu tenho uma coisa para lhe perguntar. -Engulo nervosamente. Estende a mão para mim, e eu estremeço instintivamente. Ela para abruptamente, com a mão congelada no ar entre nós. Algo como tristeza nubla seus olhos. Segura a mão lá até o pânico deixar meu rosto e eu me sentir nervosa. Toca meu rosto gentilmente. -Eu não tenho sido muito boa mãe para você certo? Tenho certeza de que minha boca aberta, mas não vou concordar com ela e alterá-lo. -Desculpe por isso. Eu gostaria que pudéssemos voltar no tempo ... - Desviou o olhar, deixando cair sua mão. -O que você quer perguntar? Eu faço uma pausa. -Eu tenho um amigo. - Quase sorrio com a palavra, pensando no rosto Henry quando o chamei de amigo. - E a família do meu amigo me convidou para ir a uma viagem com eles durante as férias escolares. - Você se aproxima de suas férias escolares? -Sim, mãe, para o Natal. -Oh. Prendo a respiração. Ele não disse que não ainda, e nem está zangada. - Você quer ir embora para o Natal?- Ela olha para mim, surpresa. Aceno. Ela solta um suspiro. -Mas o que vou fazer sem você aqui? -São apenas duas semanas. Então eu vou estar em casa novamente. 130 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Ela balança a cabeça, e eu sinto uma decepção afiada. -Bem, eu acho que é o mínimo que eu posso te dar agora. Eu fico olhando. -Você está dizendo que ...? Ela olha para mim. - Eu posso ir? -Atrevo-me a perguntar. -Suponho.- Ele suspira. Um sorriso largo divide meu rosto. Eu sinto que estou flutuando acima do chão, mais alto do que eu posso fazer no meu balanço. Eu me levanto, controlando minha reação para que ela não tenha nenhum motivo para se arrepender. Em um acesso repentino, eu me curvo e beijo sua bochecha. -Obrigada,- eu digo. Corro até as escadas para o meu quarto, antes de me trancar e me jogar na minha cama em êxtase, rindo da minha boa sorte. É muito mais do que poderia esperar. Nessa noite eu sonho. “O céu está cinzento e nublado. Corro para me balançar a primeira hora da manhã, a minha primeira vez depois que foi fixada e cimentada pelos grandes homens da entrega. É o momento mais tranquilo do dia, não há gritos, todavia. Eu sei que haverá muitos gritos hoje dia, porque meu pai chegou em casa muito tarde ontem a noite, tropeçando e xingando em voz alta quando ele bateu contra paredes. Tinha começado a xingar e tropeçar dois dias antes, quando meu pai veio para casa mais cedo do trabalho, anunciando que ele tinha perdido o emprego. Cheirava a bebida, e arrastava todas as palavras. Nunca houve um xingamento em nossa casa, e meu pai nunca tinha bebido antes. Eu sabia que ele estava bêbado porque minha mãe o tinha nomeado após o primeiro dia. Ele havia saído de casa com raiva, batendo a porta e foi aí que as lágrimas haviam começado. Naquela noite, quando chegou em casa, os gritos começaram. Continuaram até mais tarde, quando ele finalmente tropeçou fora da cama, e foi seguido por outro estrondo quando ela caiu, então não havia mais gritos naquela noite quando ele chegou em casa bêbado de novo. Eu sei que vai ser o mesmo, hoje, porque há um novo padrão que está se formando em nossa família. 131 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Mamãe está chorando muito. Ela tem uma nova expressão de cansaço ao redor da sua boca que eu não tinha visto antes. Eu estou com medo. Eu não gosto. Ela me faz sentir vulnerável. Então, eu fico no meu quarto, escondida, deixando-o apenas quando a mãe vem à minha procura para o almoço ou jantar. Neste, terceiro dia, eu sei que o cimento secou, e eu balanço-me. Assim Eu faço, sem pedir permissão antes. Peguei as duas correntes dos lados balançando e me empurro com os pés. No início, sinto meu mundo endireitando-se um pouco. Embora eu seja uma garota, eu posso reconhecer que essa é a atividade normal, uma criança em seu balanço, não houve gritos de casa. Quando eu empurrei mais, senti um friozinho no meu abdômen com cada descida. Logo, eu estou muito alta, quase alta o suficiente para ver o quintal do vizinho. Eu não sei quanto tempo eu estive balançando quando ouço papai chamar a mamãe. Ela responde com seu grito, e então ambos começam a discutir seriamente, as vozes cada vez mais fortes. Eu balanço mais elevado. O vento assobia em meus ouvidos, ofuscando o som de alguma coisa, então eu me empurro mais alto. Estou no balanço quando o pai começa a chamá-la por nomes que lavaria minha boca definitivamente dizê-las. Não me abaixo quando ela grita de volta. Não me abaixo quando ouço o som de algo que soa como alguém que está sendo espancado no rosto, ou quando o grito lamentoso começa, ou quando o pai bate a porta principal, e seus pneus cantam enquanto acelera. Eu nem sequer abaixo quando a paz retorna, e o tempo passa e meu estômago ronca de fome. Eu imagino que o balanço tem que ser bom, seca as lágrimas o que ninguém mais fará. Então o sonho é familiar, uma memória real, muda. Eu ainda balanço, mas eu não estou sozinho. Henry está ao meu lado, segurando a minha mão. Em vez de ruídos assustadores que vêm de minha casa, eu ouço risos. De repente, o resto da família de Henry vem para fora da porta traseira se juntar a nós. Eles são a fonte de riso. A coisa mais surpreendente é que eles são seguidos por meus próprios pais, e não como eles estão agora, mas, como tinham sido anteriormente. Jovens e felizes, sorrindo um para o outro e sorrindo para mim.” 132 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eu acordo agitada, sento com lágrimas escorrendo pelo meu rosto. Sorrio para o novo rumo do meu sonho, mas meu sorriso se desvanece quando eu percebo como é impossível. Minhas lágrimas se transformam em uma torrente de auto piedade, enquanto enterro o rosto no meu travesseiro, rezando por um sono sem sonhos para me levar embora. Eu espero até que eu estou na casa de Henry no domingo para o jantar e dar a notícia. Eu digo a todos no jantar, e eu fico agradavelmente surpresa com a suas reações. Emma aplaude, Christine grita, e Claire e Amy saltam com alegria, ao redor da mesa para me abraçar com alegria. O Dr. Jamison estende-se sobre a mesa para apertar a minha mão. A melhor reação é de Henry. Ele não disse nada, apenas inclina a mandíbula contra seu punho. Mas seu rosto é iluminado com a felicidade, o sorriso no seu rosto e o olhar em seus olhos são só para mim, com a satisfação irradiando dele.

133 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 14 Chego em casa da escola, um dia antes do previsto para a viagem, encontro uma mala na minha cama. A abri-la vejo dentro uma nota de cem dólares preso a uma nota que simplesmente diz: "Feliz Natal”. Eu sei o que custou, e eu sinto as lágrimas começando a sair da bondade por trás disso. Não demorou muito para arrumar, já que eu realmente não possuo muitas roupas, jogo meus itens pessoais em sacos de supermercado e coloco na mala. Eu tenho um maiô antigo, porque ele havia sido usado no ano anterior para a aula de ginástica, então eu o atiro dentro da mala também, sem saber se eu precisarei ou não. Finalmente, eu alcanço meu pijama surrado, esperando que Henry nunca tenha a oportunidade de me ver com ele. Eu digo a Henry que provavelmente ficarei em casa hoje à noite, já que eu vou sair com eles por tanto tempo. Temo, no entanto, que ela possa entrar e tomar isto de mim no último minuto. Eu sei que sua família já se preparou e, provavelmente, não teria necessidade de ajudá-los lá, por isso não importa o quanto eu queira ficar com ele, me aquieto em casa. Eu observo o dinheiro no bolso da mala, e de repente decido fazer algo. Eu preciso de ajuda embora. Eu chamo Henry e pergunto-lhe se pode ajudar. Eu levo o dinheiro que tinha deixado na mala e desço ao primeiro andar, sem qualquer pressa de sair pela porta. Ele primeiro me leva para o shopping. Eu o forço a prometer-me de que me esperará no carro para que ele não seja capaz de ver o que eu vou fazer. Eu estou indo para um dos quiosques que vendem bugigangas e escolho um ornamento de prata para os meus pais. Pegar algumas outras coisas para Henry e sua família, e um rolo de papel de presente com o tema Natal. Em um brechó compro uma pequena árvore de Natal plástica prédecorada para colocar em cima da mesa. Não é nada parecida como o grande pinheiro de Emma que está coberto com coisas bonitas, mas é mais do que temos normalmente, não é nenhuma árvore em tudo. Eu espero até que meus pais estejam na cama antes de descer as escadas para colocar a árvore sobre a mesa, coloco o presente embrulhado. Volto para a cama e durmo, por vezes, até que o meu alarme soa cinco horas. Rapidamente me visto, pego minha bolsa e me dirijo pelas escadas para encontrar Henry, que já estava esperando por mim na escuridão da madrugada. 134 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Ele me leva de volta para sua casa, onde transfere minha bagagem para o porta-malas do SUV já cheio com as coisas da família. Fomos ao aeroporto, enquanto borboletas vibram no meu estômago com o pensamento no meu primeiro voo. Christine está cansada, depois de ter sido tirada da cama tão cedo, e realmente não carrega a emoção da viagem. Ela insiste que Henry a carregue e não deixe ninguém tocá-la. Então ele a transporta, em um braço e mantendo o outro em torno de mim. O voo é incrível. Quantas vezes eu estive no meu balanço, empurrando tão alto para que eu pudesse ter a sensação a voar? Agora estou aqui, realmente fazendo. Henry deixa-me ter o assento da janela e, em seguida, eu posso olhar para fora. Mantenho minha mão na de Henry, mas os meus olhos, vendo o sol começam a subir quando saímos, fico surpresa ao ver as nuvens abaixo de mim. Mesmo que desembarcássemos, ou nos virássemos de volta para casa, eu teria sido feliz. Ficamos em uma pequena casa branca, não muito longe do aeroporto. Paramos na garagem e descarregamos as bagagens da van de aluguel. Há um cheiro no ar que eu não estou acostumada, mas eu gosto. Tem um cheiro forte de sal. Entramos na casa, até um pequeno corredor para introduzir uma sala de estar. Meus pés derrapam até parar e minha bolsa cai da minha mão, criando um eco forte no chão. Henry solta sua bolsa e Christine abaixa a sua, correndo ao meu lado, com um olhar de alarme no rosto. -Kate, o que está errado? Seguem o meu ponto de vista. Eu estou olhando para a parte de trás da casa, que é composta inteiramente de janelas de vidro que vão do teto ao chão. Mas não são as janelas extraordinárias que causam minha reação. É a visão além delas. - Isso é o oceano? Pergunto maravilhada. "Bem, sim. Você nunca viu isso antes? -Não. -Leve-a para vê-lo de perto, Henry- diz Emma de outro quarto. 135 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Henry sorri, pega a minha mão e me leva até a porta de vidro. Há uma plataforma sobre o terraço traseiro da casa, com três degraus na areia. -Espere-, disse ele, ajoelhando-se para subir as pernas de minhas calças e tirar os sapatos. -Você tem que tirar os sapatos para ter uma experiência completa. Pisando no degrau eu percebo que o que eu tinha sentido na garagem é um pouco mais forte aqui, e é acompanhado pelos sons rítmicos de ondas do mar e os gritos dos pássaros acima. Depois que Henry tira seus sapatos e arregaça a calças descemos à terra, esmagando a areia entre os dedos de nossos pés com água quente acima, abaixo fria. Água azul vem correndo com uma onda e lava meus pés. Grito quando a água fria me atinge, saltando longe de Henry correndo até acima da marca d'água. Eu volto para vê-lo de pé com água até os tornozelos. Ele sorri de orelha a orelha. O oceano cria um grande e belo cenário, retirando-se atrás dele. -Venha aqui, chama. - Está frio! Exclamo. -Vamos, covarde!- zomba. A água está de volta à costa e agora ele tem os pés plantados na areia molhada. Volto e caminho para ele, preparada e pronta para correr quando a agua retornar. Ele pega a minha mão e me arrasta mais perto da água. - Não! -Lamento-me, mantendo-me firme quando ele me puxa para o mar. Ele ri e captura-me em seus braços, andando com determinação quando a água corre de volta para nós. -Deixe-grito, ainda rindo. Em vez de responder, ele me puxa para mais perto dele, plantando sua boca firmemente na minha. Todos os meus protestos foram esquecidos no calor de seus lábios. Gradualmente libera minhas pernas, deixando-me a deslizar por todo o seu corpo, com remoinhos de água em torno de nossos tornozelos. Meus pés tocam a água, e começo a me afastar, mas ele me aperta, aprofundando o beijo. 136 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett É uma sensação incrível, o calor que está sendo inundado pelo meu corpo, frieza no pé de gelo, colidindo com o fogo. Meus olhos se abrem em “pop” de surpresa para vê-lo me observando atentamente. Essa olhada é suficiente para amortecer as chamas, esforço-me para soltarme divertida quando o mar recua. Depois de alguns minutos, diminui a força de seu braço, mas não renuncia ao seu poder sobre mim. A água retorna mais uma vez, voltando em torno de nossos tornozelos, e olho com surpresa. -Eu não sinto frio. -Sim, leva apenas alguns minutos para que seu corpo se acostumar com isso. Examina o meu rosto, então sorri maliciosamente. - Você quer entrar?-, Ele pergunta. Dirijo-lhe meus próprios olhos com espanto. - Agora? -Agora- confirma. -Mas... Estou vestida. - E...? -Encolhe os ombros. - Há algo de errado com o meu braço – Levanto meu braço indicando a fratura no pulso que não está enfaixado porque o Dr. Jamison a removeu dele, substituindo-a por uma tala, que pode ser removida no chuveiro, mas não por muito tempo, “e provavelmente não brincar no oceano”. -Quando sair, vou tirar e secá-las para você. -Eu olho para o água, então para ele com um sorriso. -Tudo bem. Parece um pouco surpreso com a minha resposta, mas não comenta a respeito, apenas se volta a mim, mantendo o braço em volta do meu ombro enquanto caminhamos até o ponto onde a água tem diminuído.

137 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Na primeira onda força-me a respirar quando a água fria atinge os meus joelhos, e quase caio quando ele começa a recuar novamente, areia se volta contra meus tornozelos e tenta sugar meus pés. Ela é poderosa! Henry manteve seu aperto firme, rindo comigo. Andamos até que passamos, onde as ondas estão quebrando, Henry agora segura minha mão e me ensina a saltar quando as ondas vêm, acima da crista para que não nos empurrem de volta à costa. Então estamos na água até o peito, salto quando as ondas quebram sobre nós. Henry se move, envolvendo os braços em volta da minha cintura, me trazendo para mais perto. Rodeio meus braços em torno de seus ombros, Henry levantoume como se pesasse nada na água e segurou-me contra ele firmemente, mantendo minha cabeça no seu nível. Beijou-me novamente com sal e fresco sabor na boca. Rio quando uma grande onda vem despercebido e quebra sobre as nossas cabeças, se chocando em nossos pés e separando-nos. Henry pega a minha mão antes de eu recuperar o equilíbrio, jogando-me para ele, sorrindo. -Estou feliz que você veio,- diz. -Eu também - eu sorrio. -Te amo - diz. Eu olho para ele, espantada. Antes de começar a processar completamente suas palavras, uma nova onda lavou as nossas cabeças, nos afastando. Desta vez, Henry consegue manter o controle sobre a minha mão. - Quer experimentar algo divertido?- , Ele pergunta. -Claro,- eu digo timidamente, minha mente está girando para suas palavras, agora me perguntando se eu ouvi corretamente. Quando me atrevi a sonhar que essa declaração de amor entre nós, viria com ... Eu não sei, velas e violinos, Eu acho ... mas não sendo impulsionado pelo acaso no oceano. Eu tenho que ter ouvido mal. -Quando a próxima grande onda vem, levante os pés e deixa levá-lo para da costa.- Eu levanto as minhas sobrancelhas e rio duvidando. -Vai ser divertido, eu prometo. Eu não vou deixar você ir. - Suas palavras têm 138 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett um tom sério, e inclina a cabeça ligeiramente. Ele se vira para olhar as ondas, e eu segui o seu olhar. -Não é esta- anuncia. Precisa ser a correta. -E como você pode decidir o qual é a “correta”?- Eu pergunto, olhando para seu perfil. -Você só sabe que ela é - diz, voltando seu olhar escuro de volta para mim, com significado mais profundo em suas palavras, mais uma vez, eu acho que entendo o que significa , mas eu tenho medo de esperar por ele para ser verdade. Ele olha atrás, no mar e, em seguida, ele sorri. -Esta- disse. Eu olho e vejo uma onda maior do que todas as outras se movendo em nossa direção. Eu olho para ele novamente e ele deve ver o pânico na minha face, porque ele se inclina um pouco para fecharme, e deixa um beijo salgado os meus lábios. -Confie em mim.- Ele insiste humilde. Aceno. Viramos o rosto para a costa. -Quando eu disser agora!, Você pula e deixa-se recolher pela água. Mantenha os pés para cima. Eu engulo em seco, agarrando suas mãos sob a água. A água começa a ser mais profunda com a forma da onda. - Agora! Ele grita, e eu salto. A água nos atrapalha e me impulsiona para o pico da onda, levando-nos inexoravelmente para a frente. “Isto parece como voar na água”, eu penso eu rio e tomo um bocado de mar. Henry está à minha frente, mas eu ainda seguro sua mão. A onda nos joga para a costa, os joelhos raspando na parte inferior. Quase que imediatamente começa a nos lançar de volta com ela, e por um minuto sinto pânico quando sinto o poder de atração do recuo. Henry que já está em seus pés e se volta para pegar o outro braço acima da tala, arrastando-me sem jeito. - Isso foi divertido! -Pronunciei as palavras antes que eu percebesse que parecemos crianças. 139 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Henry apenas ri, beijando rapidamente. Eu tremo quando me atrai contra ele. Sua pele é fria, mas eu ainda posso sentir o calor do seu “forno interno” abaixo da superfície. -É um pouco frio quando você está fora da água, não é? , Ele pergunta. Isso não é exatamente o porquê eu tremia, eu acho, mas depois o meu corpo fragmenta-se em arrepios, negando qualquer protesto que poderia inventar. - Vamos voltar pegar algo para mudar as roupas e ajudar a desfazer as malas. Eu me virei e olhei melancolicamente para a água, e ele sorriu. -Nós vamos ter muito tempo para “body surfing”, - diz ele. - De todos as modalidade é a menos restritiva e não é tão fria quando se está em uma roupa de banho. Caminhamos ao largo da praia, de uma forma tranquila ao contrário de quando tínhamos saído da água. A casa de praia tem uma cabana de ducha atrás dela. Há duas toalhas grossas e roupões de banho no banco de frente do interior. -Minha mãe. -Henry sorri. -Provavelmente sabia que não seria capaz de resistir a entrar. Vá em frente, escolha uma ducha e um roupão, então você pode entrar na casa e vestir-se. Entro, fechando a porta atrás de mim. É um pouco estranho o chuveiro aqui. Parece que eu estou do lado de fora, mesmo que fechada na estrutura. Sinto-me vulnerável quando não tenho roupas. Eu não posso acreditar na quantidade de areia molhada que está dentro de minhas roupas e ainda grudadas ao meu corpo. Enxaguo-me rapidamente, lavo a areia do meu cabelo, surpreendida pela quantidade que sai e forma redemoinhos pelo ralo. Eu me envolvo no robe que é luxuosamente suave. Abro a porta timidamente, sentindo-se exposta novamente, apesar de o manto que me cobre do pescoço até os meus dedos dos pés. Henry se vira para mim, com os olhos arregalados em cima de mim, uma intensidade dispara de seus olhos quando voltam aos meus. 140 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Kate, deixe suas roupas naquele tanque, diz Emma da porta de trás. Henry e eu pulamos ao som de sua voz e o rosto de Henry cora estranhamente com culpa. Eu olho para Emma, que está apontando para um tanque que paira sobre um dos lados da cabine. Eu tenho um pouco de vergonha de ter que colocar minha calcinha lá. Mais tarde voltaremos para enxaguá-las da água do mar e lavá-las Henry explica. Ele olha para mim por um momento, depois se vira e entra na cabine murmurando para si mesmo: -Cara, eu acho que preciso muito mesmo de uma ducha fria. “Que coisa estranha de se dizer”, eu penso enquanto sigo Emma ao interior da casa. -Você vai dividir o quarto com Claire e Amy, se estiver tudo bem,me diz Emma. Diz como se tivesse razão para reclamar, se não concordasse, mas não tenho queixas de qualquer maneira. Eu gosto muito de ambas. -Isso é bom. E obrigado, Emma, por me trazer. - Ela se volta para trás e me abraça. Desta vez, não é tão surpreendente ou inesperado, e eu me abro para abraçá-la de volta antes de me liberar. -De nada, querida. Estou tão feliz que você foi capaz de vir. - Ela me libera. -Você gostou do mar? Eu sorrio. -Sim, foi incrível. Henry me ensinou a surfar com o corpo. Espero que esteja tudo bem por voltar com nossas roupas molhadas. Ela sorri com indulgência. -Para isso é que lavadoras e secadoras foram criadas. Eu penso na minha mãe, e qual seria sua reação sob a mesma circunstância, e estremeço. Oh, bem, não tenho que me preocupar com ele ou ela Durante estas duas semanas gloriosas. Sorrio com prazer no pensamento quando eu entro em meu quarto compartilhado onde fui recebida com grande alegria pelas irmãs de Henry, como se eu tivesse saído por uma semana, em vez de uma meia hora. “Ah, sim”, eu penso, “ este será um ótimo Natal !” 141 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 15 No dia seguinte, visitamos o famoso avô Henry. Ele e sua esposa, June avós que vivem em uma floresta, o que me surpreendeu, porque eu não achei que houvesse qualquer floresta, na Flórida. Eles vivem em uma pequena cabana à beira de um rio. Vovô Henry não parece muito Henry e seu pai, com exceção de seus olhos, que são quase exatamente o mesmo que tem Henry. Os Avós de Henry juntos gastam algum tempo abraçando e beijando os membros da família, enquanto eu estou atrás deles e observando. Vovô Henry pega algumas grandes moedas de prata de seu bolso e dá uma a cada uma das meninas, incluindo Henry. Então ele me vê de pé e se aproxima com um grande sorriso. -Você deve ser Kate. Eu já ouvi muito sobre você. Ele me abraça, algo que não me surpreende, vindo de alguém desta família. Desliza uma moeda na minha mão também. Vovó June me abraça, então o avô Henry deslizou a mão em meu braço. -Vamos caminhar, - diz ele. -Henry, deixe a menina ir sozinha. - repreende a avó June. - Eu só quero andar com ela, conhecê-la um pouco mais,- diz ele, me levando para a porta dos fundos. - Eu não me importo,- eu digo a Henry, que está assistindo com clara intenção de intervir se eu quisesse. -June, mel, por que não leva algo para alimentar as crianças enquanto Kate e eu conversamos? Sem esperar por uma resposta, ele só leva-me para fora da porta traseira, fechando-a firmemente por trás dele, uma clara indicação de que não que ser seguido. Ele me leva por um caminho que corre ao longo rio. -Então você é a namorada de Henry, hein?- Ele pergunta, sorrindo travesso. Eu dou de ombros. -Acho que sim. - Você acha? Você não sabe? 142 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Não houve realmente... - procuro uma palavra, - uma declaração formal de qualquer um. -Mesmo quando eu digo isso, lembro-me das palavras de Henry no dia anterior ao brincar no oceano. Eu te amo. Pelo menos, foi isso que eu ouvi. -Huh.- Ela está perdido em seus pensamentos.- Estranho,finalmente estala. - O que é estranho? -Eu falo com Henry várias vezes por semana, - ele disse uma coisa que eu não sabia. -E tudo o que esse cara está falando é sobre você. Acho que posso dizer com certeza de que a criança está de cabeça para baixo por você. Eu abaixo a minha cabeça com vergonha, mas também extremamente satisfeita por suas palavras. -Bem,- murmuro, -o sentimento é totalmente recíproco. O Vovô de Henry ri, indo para um banco de frente para o rio. -Vamos ficar aqui um tempo. -É muito bonito aqui, - eu digo, admirando as árvores exuberantes pinheiros verdes grossos e profundos que, nos rodeiam. A água é clara e borbulhante. -Acha isso? June e eu temos vivido aqui, oh, eu acho que seria perto de dez anos, e temos a intenção de morrer aqui. Aceno. -Eu posso ver o porquê. Eu morreria aqui, também. Me olha, e eu percebo o que eu disse, e quão estúpido soou. Minhas bochechas viram rosa com desgosto. -O que eu quis dizer, é que se fosse para morrer, esse seria o lugar ideal para fazê-lo. Vovô Henry ri. -Bem, espero que você não tenha que se preocupar com isso por algum tempo. -Olha para o meu pulso na tala. -O que aconteceu aqui? A questão faz meu estômago se contrair. Eu não estou disposta a mentir para este homem, mas não quero admitir a verdade. Eu luto com 143 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett a minha resposta, como ele espera pacientemente, observando o fluxo do rio. Talvez seja a influência calmante do rio, ou a maneira como ele inspira confiança com sua presença, ou simplesmente o fato de que seus olhos são tão parecidos com os do meu Henry, deixo escapar da verdade. -Minha mãe fez isso. - Assim que as palavras saem, eu quero removê-las, mas em vez de suspiro com surpresa ou com confiança, ele apenas balança a cabeça, mantendo os olhos no rio. -Já me disseram que eu sou um bom ouvinte. -Agora se volta para mim. -Eu também sou muito bom em manter segredos. E assim, eu encontro-me dizendo-lhe tudo. -Quando eu era jovem, minha vida era muito normal, eu acho. Eu não tenho nenhuma lembrança ruim ou traumática de qualquer maneira. Então, quando tinha nove anos, meu pai perdeu o emprego. Eu não sei por que isso deveria ter sido um grande problema, já que ele tem agora há um ano no cargo. Mas mudou tudo. Eu digo a ele como minha mãe tinha mudado depois de perder o bebê, toda história até a última batida, deixando de fora os piores detalhes ou frequência e gravidade dos golpes, mas eu acho que ele preenche os espaços em branco de qualquer maneira. Assiste ao rio, sem qualquer comentário ou interrupção. Em algum ponto da minha história, vem e prende delicadamente minha mão. Sua gasta, e enrugada, mão calejada sobre a minha tem um efeito calmante e, em vez de contar a história com lágrimas ou raiva, simplesmente declaro os fatos. Quando termino, ele aperta minha mão e, em seguida, a libera. - Henry sabe sobre isso? Eu balancei minha cabeça. -Não. Eu acho que ele pode suspeitar um pouco, mas realmente não pode imaginar, vindo da família que vem. -Não. Eu não acho que ele pode. Meu filho sabe? - Ele sabe de algo. Foi ele quem socorreu após a última ... vez. Ele viu algumas velhas feridas nas minhas radiografias e me perguntou. -Ele é um bom rapaz. 144 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Sorrio para a descrição do Dr. Jamison como um rapaz. Eu posso dificilmente pensar em Henry como um menino, e muito menos em seu pai. -Sim, ele é.- Eu concordo. Eles são boas pessoas. Tê-los retornou meu ideal do como uma família deve ser. Eu nunca imaginei que havia famílias reais lá fora como esta, aqui todo mundo é tão bom, e eles se amam tanto. -Meu filho fez bem em escolher Emma como sua esposa. Ela me lembra muito a minha June. Ele olha de lado a lado. -Parece que Henry tem a mesma tendência de escolher um boa menina para amar. Eu sorrio, tocada por seu elogio. -Você não deveria voltar para casa,- ele diz, muito a sério. -Parece que está piorando. O que vai acontecer a seguir? Engulo. Eu tive os mesmos pensamentos, muitas vezes. -Ela parece estar melhor agora. Tem sido boa para mim desde a última vez, e me permitiu vir aqui. Ela até me deu um pouco de dinheiro, que então foi um grande sacrifício para ela. - Ela sabe que você veio com Henry? -Não. - Desvio o olhar, sentindo-me culpada. -Ela nem sequer conhece Henry. Apenas disse que eu iria com um amigo, que não era uma mentira. Henry é o meu melhor amigo. Ouvimos folhas farfalhando no chão atrás de nós e nos viramos e vemos Henry vindo em nossa direção. Olho para seu avô com intensificação do estresse dos meus olhos ao pensar que ele dirá o meu segredo. Ele olha para mim e balança a cabeça, afirmando a sua confidencialidade. -Ai estão vocês dois,- diz Henry, olhando para o avô com um sorriso carinhoso, e depois voltando o olhar para mim, com preocupação em sua expressão. Eu sorrio e relaxa visivelmente. -Estamos aqui sentados, admirando o rio. - diz vovô Henry - Queria ter a certeza que esta menina não era boa o suficiente para você. - Seu 145 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett tom é leve e provocante, mas eu tenho a sensação de que é um pouco sério sobre isso. - Então?- Henry pergunta, sorrindo. Eu olho para o avô Henry, também esperando por sua resposta. - E eu acho que agora que eu tenho que saber se você é suficientemente bom para ela! -Eles riem tanto e balançam a cabeça. -Bem, - diz Henry. -Se eu não sou, vou tentar muito difícil fazer-me digno. -Henry vem a nós e está inclinado para puxar minha mão na sua. Vovô Henry se levanta, e apresso-me a fazer o mesmo. Ele me dá um tapinha no ombro, mantendo-me no lugar. -Eu acho que você vai se sair bem ", diz a Henry. - O que você acha do vovô?- Henry pede-me. - Acho que sei onde você conseguiu o seu charme. Vovô começa a rir com isso. -Boa resposta- me diz. Então olha para Henry. -Vou voltar para o casa. Vocês voltam quando estiverem prontos. Henry se senta ao meu lado no banco onde o seu avô tinha estado e estica o braço em volta do meu ombro. Felizmente eu me inclino para ele, envolvendo meu braço em torno da cintura dele. Ficamos ali por algum tempo, observando o rio em um silêncio confortável. *** A minha estadia na Flórida rejuvenesceu minha alma. Eu não sou obrigada a fazer qualquer coisa sob a ameaça de violência, tortura ou zombarias de qualquer maneira, mas de uma forma amorosa. A família de Henry me leva para um parque de diversões, e eu estou assim animada como Christine para todos os personagens e passeios. Claire e Amy tentam parecer indiferentes, mas logo abandonam todas as reivindicações e se tornam tão animadas como eu estou apontando tudo. Henry me leva às montanhas-russas que fazem meu estômago cair num medo emocionante, e passeios que me surpreendem com a criatividade de cada um. O melhor de tudo, levamme a um enorme balanço que nos eleva para o céu e, quando Henry puxa uma corda, despencamos 45 metros em direção à Terra a uma 146 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett velocidade que me permite rir e chorar ao mesmo tempo. Leva-me tão alto como eu tentei ir no meu próprio balanço, que jamais fui capaz de fazer, uma vez que não faz jus a isso. É emocionante. Nós comemos pipoca e maçãs doces e algodão doce até enjoar. Emma tira centenas de fotografias. Vamos para os pântanos em um barco e ver os verdadeiros crocodilos que lá vivem, então vamos para comer em um restaurante às margens do pântano e comer “mordidas de jacaré”, que para o meu horror, são crocodilo reais. Vamos ao cinema ver um filme, também a primeira vez para mim. Passamos muitos dias com os avós de Henry, às vezes em casa, alguns na casa de praia. Estes são os meus momentos favoritos, rodeado por esta família amorosa, onde há sempre o riso. Nós comemos bifes e hambúrgueres de churrasco, que eu nunca comi antes. Dr. Jamison está rindo de minha insistência para vê-lo para aprender como fazer. Sempre ajudo Emma na cozinha, quando eu estou lá, apesar dos protestos de que sou uma convidada. Uma noite, depois de um dia agitado, Claire, Amy e eu nos jogamos na cozinha e nós três fizemos uma pequena festa para a família. Todos os meus anos de criação de refeições que estavam disponíveis são úteis para mim. Nós colocamos a mesa formal, Claire cuida dela me mostrando como colocar corretamente os utensílios. Eu viajo de volta as memórias da última vez que tentei uma coisa dessas, meu estômago se contrai nervosamente, quando a família se deixar vir. A reação encantada de Emma e a valorização do resto da família, varrem a memória e é substituído com as novas, boas lembranças. A véspera de natal e dia de natal foram gastos com o vovô Henry e Avó June. Após uma deliciosa ceia de Natal, feita pela avó, Henry me traz para o banco perto do rio, a fim de trocar presentes. Ele insiste em abrir primeiro o meu. Agora é hora de abri-lo, e eu estou em dúvida sobre isso. Não havia custado muito. Na época que eu comprei, queria algo que dissesse a ele o que eu sentia por ele, mas não estou certo de suas palavras aquele dia no oceano, eu estou com um pouco de medo de pensar que é um pouco precipitado. 147 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Desembrulha o presente, para revelar uma pequena caixa de vidro com um coração gravado a laser no centro dela. -Não muito, eu sei. Eu só ... queria ... significa ... Minha voz desaparece gradualmente, sem saber o que dizer. Eu olho e vejo algo parecido com esperança em seus olhos. - Por que você me deu isso?- Ele pergunta baixinho, não exigindo, apenas querendo saber o que significa. Suspiro e desvio o olhar, envergonhada. - Porque eu queria que você soubesse como eu me sinto sobre você. Levanto o queixo até que meus olhos encontram os dele. - E como você se sente sobre mim, Kate? Além de ser o melhor amigo. - rapidamente fala. Eu engulo em seco, olhando para baixo, com medo de proferir as palavras agora. Então eu decidi dizer-lhe de qualquer maneira, e eu espero que ele não pense que eu sou uma garota boba. Eu olho para ele diretamente nos olhos e repouso sobre ele. -Você sabe ... que eu te amo,- eu digo. Ele sorri, um sorriso que ilumina seu rosto, puxando-me em seus braços e beijando-me profundamente. - Finalmente!- Ela exclama. - Por que isso? -Eu ecoo. -Estava começando a me perguntar, Kate. Tem sido quase uma semana desde que eu disse que te amava, e você não disse nada. Eu estava começando a me preocupar que você não fazia, e eu fui me perguntando o que eu poderia fazer para fazer você me amar. - Você quer que eu te ame?- Eu pergunto, confusa. -Kate, eu a amei por anos. Quer dizer, eu sei que há 12 anos não sabia o que era o amor, então eu acho que eu deveria dizer, eu realmente gostei de você por anos. Mas quando eu a vi este ano, eu sabia. Eu sabia que deveríamos estar juntos. Só não sabia o quão difícil 148 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett seria conseguir e ainda lhe agradar. Então, sim, é claro que eu quero que você me ame. Eu sorrio. -Bem, eu te amo. Mais do que eu pensei que seria possível, mais do que deveria. Mas eu não me importo. Eu não me importo se isso incomoda as outras pessoas, ou se pensam que não te mereço, eu não me importo, porque eu te amo e vou te amar sempre, não importa o quê. Henry ri do meu discurso, me beijando novamente. -Tudo bem, dê-me o meu presente agora, - ele brincou quando exige recuperando o fôlego. Comprou-me uma corrente de prata com um coração aberto pendurado dele. - A mesma teoria por trás de mim presente,- ele diz, encolhendo os ombros. Eu o beijo. Pensei em dar-lhe uma jaqueta sorri ironicamente, mas eu gosto de ver você na minha. - Obrigada. É o melhor presente que eu recebi. Mais tarde, Emma pede a minha ajuda e de Henry para auxiliar como Papai Noel a distribuir as meninas seus presentes enquanto dormem. Não tive uma manhã de Natal desde que eu era menina. Eu esqueci o quão divertido pode ser, toda a emoção e antecipação. A manhã de natal começa cedo com gritos excitados de Christine. Eu a vejo e as outras duas meninas, enquanto rasgando animadas os seus presentes. Claire está ciente de quem é o Papai Noel na verdade, é claro, mas ainda joga por causa de suas duas irmãs mais novas. Depois que termina, Claire escava debaixo da árvore, eliminando os presentes familiares e lá, estou animada e um pouco autoconsciente quando eu entrego os presentes para cada membro da família, incluindo os avós de Henry. Estou contente por ter aproveitado o tempo antes para levá-los a cada um, um presente pequeno, e ter colocado debaixo da árvore na noite anterior. Tinha conseguido presentes para a avó June e avó de Henry, no pequeno mercado na praia poucos dias antes. Estou impressionado com o amor e a aceitação que eu sinto, e eu sou grata para todos os seus dons. Toco o coração de prata pendurado 149 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett na corrente em volta do meu pescoço, e eu sei que o melhor presente de qualquer um deles, é o de Henry. *** A véspera de Ano Novo é um dia que vou lembrar para sempre. Antes de anoitecer, levamos cobertores e arrastamos cadeiras para a praia na beira da água. Nós carregamos coolers e alimentos e recipientes de bebidas. Em seguida, carregamos com fardos de madeira, e um aparelho de som, com uma pilha de CDs. Brincamos o tempo todo que estamos aqui fora. Até mesmo as pilhas se esgotam até o ponto onde elas precisam ser substituídas. Acendemos uma fogueira e fizemos cachorros-quentes grelhados em varas. Emma faz batata e macarrão, e saladas que comemos com filhotes de cachorro aquecidos. Em seguida, fazemos alguns marshmallows. Eu nunca tinha comido marshmallows torrado, que são como o próprio céu. Mas quando Henry me faz provar “Ah” e levanta um para tomar uma mordida, eu derreto com prazer. Há fogos de artifício sobre o mar à meia-noite, iluminando o céu e a água, com cores vivas, que são melhor vistas do que no meu balanço no último 04 de julho em casa, especialmente desde que eu os vejo envolta nos braços de Henry. Após os fogos de artifício, Dr. Jamison dança com Claire e Amy. Christine adormeceu nos braços de Emma. Sento-me em um tronco, com Henry sentado em frente de mim, com as mãos segurando meus braços, que estão em volta de seu pescoço com meu queixo apoiado em sua cabeça. Eu assisto Dr. Jamison, o homem que tem tanta compaixão e me ajudou e cuidou de mim quando eu era praticamente uma desconhecida, que me ofereceu a sua ajuda e guardou o meu segredo. É ele quem deveria ser o meu pai, um homem que arregaça as calças e dança na areia com suas filhas, mesmo se você achar que pode parecer ridículo. Eu olho para Claire, a garota com um grande senso de moda e um enorme talento, que tem me ajudado e não deu importância para a nossa diferença de idade. E Amy, a menina tímida, que às vezes vem à meu lado e desliza sua mão na minha timidamente, ou sentado ao meu lado, feliz em sentar-se calmamente. 150 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Virei-me para Emma, observando-a alisar o queixo na cabeça de Christine, vendo o marido e as filhas com o amor brilhando em seus olhos. A mulher que criou meu Henry obcecado sobre ser um cavalheiro o tempo todo, apenas para não a decepcionar. Os Avós de Henry estão sentados juntos em um sofá dobrável de dois lugares. Eles me aceitaram e eu também e eu os adoro incondicionalmente, especialmente o avô de Henry, que sabe tudo sobre o horror que é a minha vida e manteve para si mesmo, e que não tem me tratado de forma diferente por causa disso. Aperto Henry, que se volta para me sorrir, antes de voltar a ver as suas irmãs. Ele me deu essas pessoas que eu aprendi a amar com tanto carinho. Eu sinto uma paz e uma alegria que eu não sei se sou capaz de retornar a sentir, mas eu sei que sempre vou ter essa memória.

151 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 16 Voltamos para casa na noite de sábado, então vamos ter um dia para relaxar antes de voltar para a escola na segunda-feira de manhã. Eu estou relutante em ir para casa, sentindo a familiar sensação de ansiedade no estômago quando o avião pousa. Primeiro vamos a casa de Henry, onde nós transferimos a minha mala e saco extra que tinha que levar para casa com todos os presentes e lembranças que recebi para o carro de Henry. Eu mesma trouxe para os meus pais uma garrafa cheia de areia e algumas conchas cuidadosamente selecionadas na praia. Eu recebo abraços de todos, e prometo que eu vou passar mais tempo com eles em casa, esta será uma promessa fácil de manter, desde que passo a maior parte do meu tempo aqui. Henry abre a porta e quando eu subo, eu coloco uma mão no bolso minha jaqueta e eu sinto outro segredo, que agora mantemos o avô de Henry e eu. A culpa me inundou quando os meus dedos tocam na embalagem, enchimento “cem dólares”. Ele insistiu para que seja usado em algo que ele chama de "fundo de emergência". -Você não tem que usá-lo. Mas eu me sentiria melhor se eu soubesse que o têm, por isso, se você precisar de um escape, rápido, você tem uma escolha - Ele disse. Argumentei, mas ele insistiu, e de alguma forma eu me encontrei a embarcar no avião com dinheiro no bolso. Tenho a intenção de enterrálo no fundo de uma gaveta e, quando me mudar da minha casa, Vou enviá-lo de volta para ele. Henry guia até a minha casa, a viagem é muito curta. Estaciona e me ajuda descarregar a minha bagagem, e depois puxa-me em seus braços, que são quentes contra o ar frio da noite. - Como eu posso suportar não vê-la todos os dias, todos os dias?Ele pergunta, abraçando-me. Eu não respondo, esperando chorar só de pensar em voltar para a minha triste vida sabendo que eu tenho que esperar até segunda-feira de manhã para voltar a vê-lo novamente.

152 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Tem certeza de que não posso ajudá-la a levar sua bagagem? Nós tivemos essa discussão muitas vezes antes, e eu posso ouvir em sua voz que ele já sabe a resposta. -Eu realmente tenho que conhecer seus pais. Aparentemente, é ruim nos escondermos deles. -Henry, é complicado. Você sabe disso. Chegará o dia em que poderão se conhecer. - eu digo, tenho um momento difícil imaginando quando esse dia poderia se tornar realidade. -Mas ainda não. Por favor. Ele suspira me entregando os sacos. Ele me beija, e depois entra no carro e vai embora. Eu sinto o frio que escoa através da minha pele com a perda o contato, é muito assustador e também com um pouco de esperança, de volta à minha casa. Eu me pergunto quais são as chances de que seu bom humor seja prolongado. O carro do meu pai não está estacionado na garagem, nada incomum para um sábado à noite. Eu arrastei a bagagem para subir as escadas da frente. Retiro o envelope de dinheiro do meu bolso e o coloco em um dos o saco antes de abrir a porta. Eu tenho que jogar uma das minhas malas para dentro e ao mesmo tempo, manter a porta aberta, e depois volto para buscar a outra. No entanto, antes que você possa tomar a segunda, eu ouço meu nome. - Kathryn! É você? Meu coração afunda como uma pedra. Eu conheço o tom muito bem. Uma vida inteira de treinamento para obediência se vira para mim, deixando meu segundo saco na varanda. Vejo imediatamente que seus olhos estão semiabertos e envidraçados, tem as pupilas dilatadas. Eu quero ir embora, mas meus pés se aproximam dela, aparentemente por vontade. Ela se senta no sofá iluminado pela luz fraca da lâmpada. - Onde diabos você estava? -Requer, terrivelmente calma. -Eu ... Eu fui para a Flórida, lembra? Eu vejo um flash de memória em seus olhos, mas ela aparata longe, absorta na sua ira. - Quem disse que você poderia fazer isso?

153 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett “Você”, eu penso, mas não me atrevo a dizê-lo em voz alta, sou bem treinada nas minhas respostas. Foi quando eu percebi que a casa está um desastre. Lixo no chão, os velhos pratos de comida estão na mesa e no chão. Isso cheira a algo que provavelmente como tem sido desde que sai. Ela segue o caminho dos meus olhos, e seus olhos brilham com a resposta. - Você vê esse desastre?- Sua voz agora é cada vez mais alta, as suas palavras vêm mais rápido. --Você fez toda essa bagunça, então a deixa para ir para suas férias- cospe a palavra, -deixando isso aqui para eu limpar! Porque eu ainda estou olhando em volta de mim com repulsa, e imaginando as horas de trabalho duro que vai demorar para ser limpo, quase não vejo seu próximo movimento. Com um ritmo acelerado, que não sabia que ela era capaz de fazer, levanta-se do sofá com um taco de beisebol de metal na mão, balançando-o em minha cabeça. Eu jogo meu braço novamente sem tala para proteger-me instintivamente. Ela bate no meu braço enfraquecido, continuando suas tentativas para acertar contra o lado da minha cabeça. Eu caio no chão, a dor em meu braço quebrado é a única coisa que me mantém consciente e suspiro. O instinto de sobrevivência tem lutado de joelhos para ficar longe dela que balança o taco novamente, o metal duro bate minha espinha fortemente e envia dor instantânea, roubando minha respiração. Estou no terreno de volta, rolando para longe quando ela bate de volta para baixo, dessa vez vagando próximo a minha cabeça por centímetros. Isso a enfurece e solta um grito animal que me assusta mais do que qualquer outro grito ela nunca fez antes. Sinto a parede ao lado e me engasguei e empurrando contra ela, usando-a como alavanca com o braço bom para me esforçar para estar em uma posição de pé quando a batida vem a toda velocidade, desta vez fazendo contato violento contra o meu estômago. Eu torço involuntariamente e ela me acerta novamente, através das minhas costas. Isso me impulsiona para frente. Estou ao fim da mesa quando desabo para me quebrando, batendo com a lâmpada no chão, estalando a lâmpada, o que deixa-nos na escuridão impenetrável. A única luz que brilha através a janela é na rua. Eu rolo sobre a mesa para o sofá, 154 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett usando isso como uma barreira temporária para a obtenção de meus pés. Ela bateu na minha cara, provocando uma dor na face que estremece o mundo e leva-me temporariamente fora de foco. Eu me esforço para manter a consciência quando eu olho, vejo o rosto contorcido por uma horrível raiva, e eu sei que ela vai me matar se eu escapar. Uma imagem com flashes de Henry vem à minha cabeça e com ele uma partida de reserva elaborando força de algum lugar dentro de mim. Tropeço para a cozinha, mas ela antecipa e se aproxima da cozinha pelo outro lado, me batendo com a porta. Ela move e bate novamente e minha mão boa surge intuitivamente em defesa. O fim do taco bate na palma da minha mão que fecha em torno do bastão, ficando ferida para emprestar a força da minha mão. Antes de eu ter tempo para pensar, agiu o instinto de sobrevivência, empurrei-o em direção a ela, empurrando-a no peito com força suficiente para empurrá-la para trás. Ela não esperava isso de modo que não foi preparada. A força a mandou cambaleando para trás. Não há tempo para tentar amortecer sua queda e segurar a vara, que eu solto, ele cai ladrilhos. Eu ouço sua cabeça batendo com uma ressonância repugnantemente forte. A força me envia tropeçando para trás e caio maltratada de volta no chão com uma dor esmagadora que me tira o fôlego, tanto que estávamos a uma distância curta. Eu fico parada, sem fôlego, sabendo que eu tenho que passar antes que ela levante novamente. Dolorosamente, eu rolo na minha barriga e começo a impulsionar os pés, incapazes de subir, enquanto o mundo gira me arrastando ao redor. Eu tenho que sair. Eu posso sentir o acúmulo de sangue por debaixo de mim, manchando com cada impulso para frente. Só consigo me mover uns metros antes de cair. Minha cabeça está cambaleando, quase consciência se sustenta em uma só coisa. Finalmente eu fico parada, esperando por ela para voltar terminar o que começou. Henry. O nome dele é executado através de minha cabeça, memórias e pensamentos misturado incoerentemente. Eu não sei quanto tempo eu estive aqui, dolorosamente tentando respirar, antes que eu percebo eu não ouço nenhum movimento. 155 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett “Oh, por favor”-rezo-, que esteja inconsciente. O pensamento de que eu ainda posso escapar dentro mim mesma, me leva para frente de novo, mas o esforço e dor por sua vez, causam náuseas perigosamente, então eu paro. “Henry”, penso mais uma vez, e como se meus pensamentos fossem convoca-lo, o telefone celular no bolso da frente começa a tocar. Eu gerencio para levantar meu quadril dolorosamente, o suficiente para colocar a mão e puxá-lo, meus dedos sangrentos escapando pela primeira vez. Eu finalmente consigo mexer para fora, empurrando-o no chão perto meu rosto, sabendo, sem olhar que ele é. Eu atendo e tento dizer o seu nome. -Ei, Kate, eu sei que você disse para não chamar, mas eu não podia esperar. Eu queria falar com você agora. -Eu ouço sua voz no altofalante. Eu tomo um folego com falta de ar. -Henry,- esta palavra sai em um sussurro. - Kate? Você está aí? “Por favor”, oro em silêncio. - Olá? Kate? -Henry- ofego novamente. Desta vez ele ouve, e pelas palavras irregulares descobre que há algo de errado. - Kate? O que está havendo? -Há uma sugestão de pânico em sua voz. -Polícia... Chame a... Polícia. - Minha voz é suave e quebrada. - Kate! Katy espere. Eu posso ouvir Henry falando freneticamente para seu pai, que compreende imediatamente o que aconteceu. Ele pega o telefone de Henry. - Kate? Você ainda está em casa?- Sua voz é calma e autoritária. - Ajude-me... - Eu sussurro. 156 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Mark fala para a polícia no telefone, Henry dê-lhes o endereço - Eu posso ouvi-lo dizer para Henry. - Kate, você está machucada? Ele diz ao telefone para mim, sua voz é calma, mas é forte. -Ajuda-me, - sussurro novamente. -Kate, a ajuda está a caminho. Tente entrar em um armário ou em algum lugar seguro se você puder. Posso notar que começo a me preocupar com o arrasto em suas palavras. Suas palavras estão desaparecendo. Quero dizer a Henry que eu o amo, Vou sentir sua falta. Porque eu estou morrendo ... me perdoe. Mas não há palavras para alcançar. A escuridão suave e quente me envolve e eu me rendo a ela.

157 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 17 Há branco em todos ao lado, enquanto pisco lentamente ao abrir os olhos. Bem, acho que estou confusa, todos falam em uma luz branca. Há um som constante, e silvo rítmicos do ar com um som de clique. Algo está puxando fortemente no lado da minha boca, e eu me sinto presa, como se pudesse mover se eu tentasse. -Bem, bem, olha quem finalmente acordou. Uma mulher entra na minha visão com um rosto amigável, e eu estou surpresa que os anjos estão vestidos como... Os enfermeiros? Eu tento conversar, mas sou incapaz de formar palavras, basta fazer sons na minha garganta. -Você não vai ser capaz de falar, querida. Você tem um tubo na sua garganta que a ajuda a respirar. Eu tenho que respirar no céu? Eu movo meu braço e sinto dor atirando-se para o meu ombro. Tremo, começando a suspeitar que não estou no céu, em tudo, o que significa que ou eu estou no inferno, ou eu não estou morta, não é uma perspectiva boa. -Posso dar-lhe algo para a dor, se você quiser- diz ela. Mas provavelmente você vai dormir de novo, e há alguém aqui para vê-la. Ela olha de forma significativa no meu outro lado e vira a cabeça ligeiramente. Vejo Henry, sentado em uma cadeira que parece desconfortável em um canto, dormindo. Seu rosto tem barba por fazer há vários dias, tem crescido o bigode, fazendo-o parecer mais velho. Eu percebo que eu nunca o vi de outro jeito, se não barbeado. As lágrimas são formadas e rolam pelos cantos dos meus olhos com a visão dele lá. Eu olho para trás para a enfermeira, que parece preocupada que eu tenha muita dor, mas não vê outra coisa no meu rosto e sorri. -Ele não se moveu durante todo o tempo que você esteve aqui. Fizemos tudo o que poderíamos fazer para tirá-lo da sala, enquanto fizemos o que precisava ser feito. Mesmo assim, ele só foi para fora da porta. Um cara muito dedicado você chegou lá. Ela anda pela sala, que agora eu reconheço como um quarto de hospital que inexplicavelmente está cheio de flores. Ela sacode suavemente no ombro, chamando seu nome. 158 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Henry, há algo que você deve ver. Henry se endireita rapidamente, seu corpo tenso, como se à espera de algo ruim, os olhos imediatamente voam em minha direção. Ele olha para ela e de volta para mim, confusão passa pelo rosto enquanto assistia a meus olhos, depois, incredulidade. Olha para a enfermeira, e ela balança a cabeça. Seus olhos voltam aos meus enquanto se põe em pé. Devagar anda em minha direção, como se temesse que qualquer movimento rápido mude o que você acha que está assistindo. Ele caminha, com seus olhos brilhando com lágrimas enquanto aproxima o dedo, pegando as minhas lágrimas com o dedo. Esfregando o polegar e o dedo como se quisesse certificar-se de que as lágrimas são reais. - Kate?- Pergunta o meu nome. Sua mão acaricia minha bochecha magra. Ele se inclina para mim, colocando sua testa contra a minha, e seus olhos a centímetros do meu. -Kate,- ele respira com alívio evidente em sua voz. Ele fecha os olhos e engole difícil. -Por favor Recupere- se- sussurra, abrindo os olhos para olhar para os meus, e lá eu vejo o amor misturado com alívio, e, em seguida, alguns, também. Culpa? "Vou chamar o médico, para que ele saiba que você está acordada,- diz a enfermeira. Tanto a ouço mas nem olhamos para o outro lado, absorvidos um ao outro. -Não ... eu pensei, que nunca poderia acordar, Kate.- Ele engole, buscando minha mão cegamente atingindo a mão livre, envolvendo-a na sua, suavemente. -Eu teria morrido. Eu tento sacudir a cabeça furiosamente com o pensamento de Henry morto, mas impedido pela sonda na garganta. Eu não posso começar a imagina-lo morto, mas sim bonito, vibrante, gentil, amoroso e muito vivo. A enfermeira volta para a sala, seguido por um terapeuta respiratório, disse que e o médico estava vindo me ver de qualquer jeito. Henry está um pouco para trás, mas ainda segurando minha mão. -Você nos deu um bom susto, mocinha, diz o médico. Eu não sei quem é ele, nunca tinha visto antes, e eu me pergunto se ele é tão bom médico como o Dr. Jamison, embora provavelmente não gostaria de ser comparado com um veterinário. 159 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Vamos tentar conseguir que o tubo fique fora de sua garganta, hein? Aceno de cabeça, querendo falar com Henry. -Nós vamos tirar, mas você está contando com ele por um tempo, então pode ser difícil para o seu corpo para respirar por si mesmo. Talvez tenhamos que colocá-lo de volta, ele adverte. Ele e a enfermeira dão um passo adiante, forçando Henry recuar. Move-se para o final da cama, onde pode me ver. Jogam para fora o tubo, e começo a tossir com ânsia de vômito com a sensação ruim. O terapeuta começa abordagens técnicas respiratórias e coloca uma máscara sobre o rosto, bombeamento uma coisa bulbosa na outra extremidade, forçando ar os pulmões. Para agora eu sentir como se estivesse me afogando, então os instintos de meu corpo entram em ação, e meus pulmões dão um pequeno respiro por conta, depois outro e outro. Os três soltam um sorriso de alegria, parecendo pais orgulhosos. A cânula é colocada no meu nariz e oxigênio começa a fluir. -Henry.- Minha voz sai grossa e áspera, quase um sussurro. Henry sorri seu sorriso largo que eu amo tanto. -Vai demorar alguns dias para que a sua voz funcione bem- me diz a enfermeira. Henry volta para mim, inclinando-se para beijar-me suavemente sobre meus lábios liberados. -Eu amo você -apontou. -Eu te amo tanto, eu respondi. *** É uma lenta e dolorosa recuperação para chegar ao ponto onde eu possa sair da cama. Tenho fisioterapeutas respiratórios a cada dia. Sou informada que um dos meus pulmões tinha sido perfurado por uma costela quebrada e outro colapsado quando encheu de líquido. Meu corpo está fraco por falta de uso, de modo que a fisioterapia é mais difícil, especialmente porque tenho ainda muitos ossos quebrados. 160 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Foram duas semanas desde o ataque até que eu acordei do coma. Existem exames e testes realizados por uma terapeuta ocupacional para determinar que não há dano cerebral óbvio. Henry nunca saiu do meu lado. Suas irmãs, Claire e Amy têm vindo me visitar, Emma e Claire gritam quando me veem. Claire me promete uma roupa especial para vestir no hospital, e Amy calmamente desliza um trevo quatro folhas na minha mão. Emma me disse mais tarde que ela tinha encontrado há um ano e vinha mantendo para dar sorte. Estou tocada que queira que eu o tenha, eu preciso de toda a sorte para começar. Eu vejo o jeito que Emma olha para Henry, com preocupação em seu rosto. -Henry.- Minha voz é áspera ainda, mas ele é rápido e vem para o meu lado quando eu chamo. -Vá para casa, Henry. Tome uma verdadeira ducha faça a barba. - Eu levanto minha mão, sem pouco esforço, esfregando-a contra sua bochecha áspera. -Tenha uma boa noite de sono em sua própria cama. - Eu não vou a lugar nenhum. Emma se junta ao meu coro. -Vá, querido, eu vou ficar aqui. Ele parece prestes a protestar, mas depois concorda com cansaço. Eu posso ver o que custa estar aqui o tempo todo. Ele concordou em tomar um banho e fazer a barba, mas insiste em voltar mais tarde esta noite. *** Uma semana depois, eu estou ficando louca. Quero um pouco privacidade de todos os médicos, enfermeiros e terapeutas que estão constantemente no meu quarto. Eu também tenho medo, porque eu não posso voltar para casa. Não tenho me perguntado sobre minha mãe. Nem ela nem meu pai, têm vindo me ver. Cheguei ao ponto em que não decido o que é pior do que perguntar, então quando Henry e eu raramente temos alguns minutos sozinhos a noite, sentado em sua cadeira tentando se fazer confortável ao lado de minha cama, eu pergunto. 161 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - O que aconteceu com a minha mãe, Henry? Ele fica onde está imóvel, olhando para seus pés. Finalmente exala um suspiro e me encara. - Eu não tenho certeza de quem está em posição de dizer, Kate. Eu rio com desprezo. - Você é quem deveria me dizer, Henry. Ele não diz nada. - Você está com raiva de mim, Henry? Por não te dizer, eu quero dizer. Ele olha para mim, confuso. - Por que você não me disse? -Sobre ... ela. Você sabe, não podia lhe dizer o que estava acontecendo na minha casa. Ele se estica e pega a minha mão, apertando-a a boca. -Claro que não. Eu olho para ele. - Não mesmo? Eu pergunto. Ele encolhe os ombros e sorri tristemente. -Talvez um pouco, porque eu poderia ter ajudado, talvez. - Me olha - Você não confiou em mim o suficiente para saber que você pode me contar tudo. - Eu confio em você, Henry, mais do que ninguém. Não foi nada disso. - O que foi então? -Eu poderia ter sofrido se tivesse pena de mim. Eu sabia que você tinha um pouco, por causa dos alunos na escola. Mas se você soubesse sobre isso, eu sempre me perguntaria se você realmente me amou, ou se era apenas simpatia. 162 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Como você pode perguntar isso? Não sabe o quanto eu te amo? Eu sorrio. - É um pouco difícil de entender, porque se há uma coisa que eu sei, é que não mereço você. - Não diga isso. - Ele parece magoado com as minhas palavras. -Eu não a mereço, especialmente agora. - As duas últimas palavras foram murmuradas baixinho. - O que quer dizer, especialmente agora? Seu rosto está angustiado enquanto aperta minha mão. -A culpa é minha,- diz ele, com a mão que paira sobre o meu corpo, que tem sido largamente libertado de vários tubos e cintos. - O quê? Henry, que parte de sua imaginação acha que isso é culpa sua? -Porque eu a levei a sua casa. Eu senti que eu precisava ir com você, mas eu deixei você me convencer. Se eu fosse... - fala atormentado. -Henry, olhe para mim,- eu digo, esperando até que seus olhos se encontrem os meus. -Se não, então, teria sido mais tarde, depois que você tivesse ido embora. Ou no dia seguinte. Ou na próxima semana. Não é culpa sua, e pela primeira vez na minha vida, eu sei que não era minha. Eu não vou deixar que se culpe. Além disso, acabou. Não vou deixá-la me tocar novamente. Ele olha para o lado com as minhas palavras. -Na Ação de Graças foi ela? Ele pergunta. -Sim. - E todas as outras vezes, quando você tinha um olho negro, ou de outras marcas? -Sim. -Deveria ter sabido, deveria ter adivinhado. - Diz miseravelmente. -Você não deveria Henry. Ela era boa no jogo de esconde. Ele não parece muito convencido por isso. 163 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Ela está na cadeia? Eu pergunto. Ele não responde, segurando a minha respiração com medo, e eu sei que ela não está. -Se ela não está na prisão onde deveria estar ela está em casa, eu tenho que encontrar outro lugar para ir. Eu não posso voltar para lá. Se possível, Henry parece ainda pior do que antes. - O que aconteceu Henry?- Eu estou começando a sentir medo agora diante da expressão em seu rosto. -Ela está em casa? Henry sacode a cabeça, e eu me sinto um pouco aliviada. Mas ainda parece miserável. Agora eu estou assustada e confusa. - Henry? -Kate, há algo que você precisa saber. Sobre sua mãe. -Toma um fôlego resignado. -Kate, ela está morta.

164 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 18 Esse dia me tornei uma assassina. Ela morreu como resultado da batida de sua cabeça contra o piso de cerâmica, uma rara, mas fatal lesão, comum na qual o cérebro é separado do seu tronco cerebral. Ela tinha morrido imediatamente, não teria havido nenhuma chance de se salvar, mesmo se alguém estivesse lá para tentar. Isso explica a única coisa que eu estive pensando, por que o meu pai não veio para o hospital para me ver? “Ele deve me odiar”, eu penso. A polícia quer falar comigo assim que os médicos sentirem que sou capaz de fazer, a única coisa que os mantém longe até agora, é o fato de eu ter estado inconsciente no momento de sua morte. Com o conhecimento de sua morte caio, entorpecida, e tenho um psiquiatra para conversar comigo. A única condição para isso é permitir que o psicólogo da polícia ouça as sessões. Eu realmente não quero falar sobre isso, no entanto. Eu disse à polícia tudo o que eu me lembrava, mas eu não vou compartilhá-lo com um psiquiatra. Eu não iria compartilhá-lo com ninguém. Henry tenta fazer com que me abra sobre isso, mas eu não posso nem olhar para ele. Eu não posso imaginar que ele queira estar com uma assassina, como pode olhar para mim da mesma forma que antes? Foi-me dito que haverá uma investigação, que sempre ocorre quando há uma morte violenta, mas vão esperar até que tenha alta do hospital e eu me sinta mais forte. Continuo a melhorar fisicamente, finalmente chegou a um ponto onde não estou ligada a qualquer máquina, ou tenha tubos em mim. Eu também continuo com a minha fisioterapia até que eu possa andar praticamente sozinha. Os médicos decidiram que eu posso ir para casa e continuar com o meu tratamento em ambulatórios. Isto me leva a um novo medo... Aonde eu vou ficar, quando eu sair do hospital? Henry, Emma, e até mesmo Dr. Jamison tentam me convencer de que devo ir para casa com eles, mas eu recuso. Eu não vou força-los fazer isso, levando uma assassina para casa com eles, junto de Claire, Amy e Christine. Um dia antes da alta, meu pai vem me visitar. Acabei a 165 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett fisioterapia e estou cansada, pronta para dormir um tempo, quando ele vem. Henry está sentado em sua cadeira, fazendo os deveres que Emma começou a trazer da escola. Eles serão mais tolerantes comigo, esperando até que seja dada alta do hospital, antes de enviar um professor com os meus próprios trabalhos. Henry olha quando ele entra, e se levanta. -Olá, Sr. Mosley- diz a meu pai. - Olá Henry- responde meu pai. Eu olho para os dois, atordoada. Quando se conheceram? Henry vem para mim, inclinando-se para me beijar. - Eu estou indo para a cafeteria para tomar uma bebida. Volto em um instante -, diz ele. Agarro-lhe a mão, com os olhos implorando-lhe para ficar. Ele só aperta minha mão, tentando me acalmar, antes de se virar para fora. Eu o vejo ir, em pânico por estar sozinha com este homem que é o meu pai, mas é um estranho, mais até, do que os médico ou enfermeiros que cuidam de mim. Ele para na porta, parece relutante em entrar, como estou relutante de Henry sair. Ele usa um boné de beisebol que é removido, e torcido em suas mãos. Eu posso ver que faz um esforço para ser apresentável, vestindo uma camisa abotoada um pouco enrugada, mas está barbeado, posso dizer porque está preso um pedaço papel no queixo. Eu fico a estudá-lo, e eu percebo que em algum momento nos últimos anos ele envelheceu dez anos. Lembro-me dele como jovem e bonito, mas agora parece velho e esfarrapado, seu cabelo está cinza com listras, rugas no rosto e pesadas bolsas sob os olhos. Ele limpa a garganta e dá um passo mais perto. -Você parece melhor-, diz ele. - Você já esteve aqui antes?- Eu pergunto surpresa. - Eu vim no começo, mas depois parecia que estava prestes a acordar e... - desvanece, levantando a mão, como se isso explicasse a sua ausência. - Eu despertei há quase duas semanas.- Ele olha para o outro lado, culpado. 166 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Eu sei - diz ele. - Paul ... Dr. Jamison, disse que um dia você queria saber sobre mim. Ele se ofereceu para me trazer, mas não queria enfrentar-te. A culpa quase me sufoca como suas próprias palavras. Claro, ele não queria olhar para mim, porque eu matei sua esposa. Aceno a cabeça, lágrimas ardendo em meus olhos para olhar. Ele dá um passo mais perto. -A coisa é... Eu falhei com você, Kate. -Eu olho para ele, espantada com suas palavras. Será que ele me deixou na mão? Ele balança a cabeça, se aproximando e eu posso ver que ele está lutando com suas próprias emoções. -Eu poderia ficar aqui e dizer a você que não sabia, mas... -Libera uma respiração pesada, e até mesmo de onde eu estou posso sentir o cheiro do álcool, não é tão forte, no entanto. -Eu sabia o que ela fazia. Eu acho que eu sabia porque fazia isso. Mas eu não sabia que era tão ruim assim. Olha-me para avaliar minha reação. Estou sem palavras. Está dizendo que ele sabia do abuso? Que sabia o tempo todo? -Eu não sabia que lhe maltratava tanto. - Um soluço lhe escapa, é fica uma merda, dando um passo para trás. -Eu juro que eu não sabia. -Eu a matei,- eu digo, desejando que me odeie. -Eu sei. Foi legítima defesa, certo? Eu acho que ela não teria parado. Se você tivesse visto a si mesma. - Ele move-se para longe na memória e faz uma careta. Eu me viro, eu não sei como lidar com esse estranho que, de repente está dando algumas dicas misturadas com os sinais paternais. -Me disseram que poderia haver um julgamento, - eu digo. Ele balança a cabeça, movendo-se a um passo de estar a poucos metros da minha cama. -Eles disseram que você pode voltar para casa amanhã. - muda repentinamente de assunto. - Posso?- Eu pergunto, e ele olha para mim interrogativamente. Quer dizer, eu posso voltar para casa?

167 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett O entendimento é claro em seu rosto, em seguida, sua boca é torcida em abaixo. -Claro que você pode. É a sua casa. Onde mais você poderia ir? Eu acho que a casa de Henry, na vivacidade, no riso e luz que estão lá, o amor, carinho e conforto que eu sei que vou conseguir, se eu for para lá. Eu acho a minha própria casa, escura, triste e sem vida, em comparação. É onde eu pertenço. - Você vem me pegar, ou ...?- Ele olha para o lado, culpado novamente. -Eu vim hoje para assinar os papéis. Disseram-me que poderia ir para casa com Henry. Eu me sinto um nó na garganta. Então, veio a mim depois tudo, para vir assinar os papéis, empurrando a responsabilidade para outra pessoa. As coisas estão de volta ao normal, pelo menos, no que lhe diz respeito. Henry está de volta e, em seguida, a tensão na sala vai longe com a sua presença. Ele está levando sua bebida, seus olhos estão sobre mim determinando se estou triste ou não. Eu estou, mas eu tento não mostrar isso. -Então, eu acho que estou indo agora, - meu pai diz. Você vai levála para casa amanhã, então, Henry? -Claro. Vou ficar com ela até o senhor chegar em casa. Acho que o minha mãe tem a intenção de levar algo para comer, novamente. Meu pai concorda. -Isso é bondade da parte dela. Diga-lhe que lhe agradeço. -Claro, Sr. Mosley- Henry diz, nunca deixando de ser cavalheiresco e cortês, mas eu o conheço bem o suficiente para ouvir a baixa tensão sob a superfície. -Bem, até logo, então- ele diz para Henry, olhando para mim com um gesto e vai. Ambos olhamos como ele vai. -Você nunca me disse que ele esteve aqui, eu digo. 168 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Você não perguntou. - Lhe lanço um olhar condenatório e ele encolhe ombros, tomando sua bebida e coloca-a na mesa ao lado de minha cama. Ele se senta na beira da minha cama, acariciando meu braço com a mão. -Eu pensei que iria incomodá-la. Eu não tinha certeza se ele era parte... –faz uma expressão dolorosa, em seguida, força as palavras através de seus dentes -... Deste abuso a que foi submetida. Ofego. - Você pensou que ele estava abusando de mim, mas ainda deixoume sozinha? -Não, não penso assim, não mais. Mas para ser honesto, eu estava na porta de seu quarto o tempo todo, observando. -Ele sorri encantador com culpa. -Peguei um doce na máquina, e tomei uma bebida. Eu sorrio então eu me lembrando de suas palavras. - Por que você não acha mais? Que ele era parte disso?- Eu pergunto. -Porque eu vi a cara dele quando ele estava aqui. Chorou muito e parecia muito culpado, mas não o tipo de culpa de alguém que foi capaz de fazer isso com você. - Ele olha para mim. -Estou errado? -Não. -Mas tampouco evitou que acontecesse, certo?- Sua voz é baixa, com fúria controlada. -Não. - Meus olhos se enchem de lágrimas de novo e seco, enquanto me sinto humilhada em minha raiva. -Ele poderia ter... Ele poderia ter encontrado uma maneira de parála.- Seus olhos são fixos nos meus, com a intenção clara como ele fala. Se eu soubesse... - Olha para baixo. - Ele deveria ter sabido. Deveria ter visto... - Não, - eu disse friamente. - Não faça isso. Não tente encontrar um culpado. Já está feito. Olha para mim, com tormento em cada linha de seu rosto.

169 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Eu não posso parar de pensar sobre isso. Eu não posso imaginar o que deve ter sido para você, todos os dias. Durante esse tempo eu pensei que não queria me levar a sua casa porque você estava com vergonha dela, ou de seu pai, ou até a mim. Eu nunca pensei que poderia ser isso. -Henry... - As lágrimas correram pelo meu rosto. -Quando você foi para a minha casa na ação de graças... Eu pensei... Alguém, mais... Mas não achava que era sua mãe. Sua cabeça cai para o lado do meu braço na cama. -Henry. –Jogo seu rosto para cima. -Claro que você não poderia imaginar. Olhe para a sua mãe. -Pisca com culpa passando por seus olhos novamente. - Não!- Eu digo. -Você não vai se sentir culpado por ter uma família grandiosa. -Mas eu tinha que ter te levado para casa, a pressionado, quando todo o tempo você tinha que voltar para sua casa, e enfrentar... Isso. -Sim, e obrigada por fazer isso, - eu digo com sinceridade. Seus olhos se arregalaram ligeiramente pelas palavras. -Eu não sabia que uma família poderia ser assim. Você me levou e me mostrou como uma família deve ser. E toda a sua família... Mostrou-me o amor e a bondade, sendo merecedora ou não. Eu te amo, Henry. Ele me atrai em seus braços, o seu corpo está tremendo com a força de suas emoções, que ele processando minhas palavras e tentando colocar de lado sua própria culpa. - Você vai ficar bem lá? -Pergunta no meu cabelo. -Porque você sabe você que pode e deve vir a minha casa. Eu abraço-o apertado, não querendo que ele veja a mentira na minha cara. -Tudo vai ficar bem. Eu quero ir para minha casa.- Eu forço minha voz a soar segura. Henry libera uma respiração. -Tudo bem, mas o plano será o seguinte, vou estar lá o tempo todo, até você ficar cansada de mim. 170 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eu abro um sorriso. -Isso nĂŁo vai acontecer. De maneira nenhuma poderia me cansar de vocĂŞ.

171 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 19 Henry me leva para casa pela manhã. Fico feliz que não tem ninguém lá, somente ele e eu. Eu estava esperando que olharia diferente de alguma forma. Mas é a mesma casa de sempre, com um sofá e uma pequena TV no mesmo lugar, o chão de madeira contínua usado e surrado, a cozinha ainda é pequena e apertada. A única diferença física é a lâmpada que falta. A partir de um ponto de vista diferente, eu começo a tremer. Meu olhar cai através da parede onde está a primeira rachadura do bastão, e imagino que posso ver o contorno do meu corpo lá, o lugar onde me arrastei sobre o piso de madeira onde eu era puxada, imaginando que posso ver as marcas fracas de sangue se arrastando, no piso de ladrilho na cozinha, onde eu imagino ver o contorno circular da cabeça, o lugar onde tirei sua vida pela força da minha mão. Tremo e virou o rosto para o ombro de Henry, que passa os braços para cima em torno de mim para me dar segurança. Eu tomo uma respiração profunda, na minha cabeça sou forçada a resistir. Porque eu sei que se dou o menor motivo, partirá comigo em seus braços e me levará para sua casa. Combato com desejo em meu pensamento, então mentalmente balanço a cabeça para tirá-las da memória. Logo Emma e Christine vieram para ajudar a instalar-me. As outras meninas estão na escola, mas ela me promete trazê-las mais tarde. Eu quero vê-las, mas eu tenho vergonha de fazê-las ver a minha casa, que é um simples lugar, em comparação com sua bela casa, brilhante. Mas eu acho que talvez eu tenha razão, talvez eles devessem ver no meu mundo real, para que eles possam entender o quanto eu não pertenço a eles. Sento no canto do sofá “longe do canto que pertencia a ela”, aceno a Henry, que se senta ao meu lado. Eu estou exausta, por causa viagem, e de repente eu estou dormindo. Quando eu acordo, eu estou deitada no sofá com um travesseiro debaixo da minha cabeça e um cobertor me cobrindo. Eu posso ouvir Henry na cozinha, conversando com Emma, e sons de preparação de alimentos. Então eu ouço a voz de meu pai, que me põe tensa. -Isso parece ser uma ótima maneira de continuar. A Faculdade de Medicina deve ser muito cara, né? - Eu o ouço perguntar. -Sim, mas já me ofertaram algumas bolsas de estudo para ajudar diz Henry. 172 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Você está indo para uma faculdade próxima? -Henry foi solicitado e aceito em várias instituições, - Emma diz com orgulho. -Ele sempre teve a esperança de ir para a faculdade, então eu não acho que vou tê-lo por mais tempo. Eu quase posso ouvir o encolher de ombros na voz de Henry quando ele responde. - Posso esperar um pouco, e ir para a faculdade daqui. - Ah, é mesmo?- Eu posso ouvir a surpresa na voz de Emma. -Eu não sabia que tinha pensado nisso. Oh, um momento,- diz a ele quando seu telefone toca. Houve um silêncio na cozinha, exceto para as suas respostas. - Era Paul, -ela lhes diz,- ele e as meninas acabaram de sair de casa para estarem aqui muito em breve. Eu espero que você não se importe de cuidarmos de sua casa, John. “John?” Tento imaginar meu pai como uma pessoa, com um nome, e não apenas meu pai. Eu não posso fazer isso, mas não me surpreende que Emma possa. -Eu sou grato a você. Tem sido uma grande ajuda para mim e ...para minha filha. Essa troca é incrível. “Sério ... Minha filha?” - Bem, todos nós a queremos bem. Ela é uma boa garota. A campainha toca e Henry entra na sala para abrir a porta. Procura automaticamente onde estou, parando quando me vê com os olhos abertos. -Ei, você está acordada, diz, mudando seu rumo e me atinge. Emma deve ter ouvido ele falar, porque segue logo atrás, e continua para abrir a porta e deixa Dr. Jamison e as duas meninas entrarem. Eu me pergunto onde está Christine brevemente, e então eu estou sem palavras quando meu pai chega um momento mais tarde, a sala, lotada. 173 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Henry me ajuda para que eu possa abraçar as meninas. E só com isso, a minha casa está cheia de amor e risos, que tinha acreditado ser possível ter apenas na casa de Henry. Não há espaço suficiente para todos se acomodarem em torno de nossa mesa na cozinha pequena com três cadeiras já que a quarta tinha me atingido na ação de graças e nunca foi reposta, então Emma decide que todos devem sentar-se na sala de estar, equilibrando bandejas carregadas de alimentos nos joelhos. Henry leva as três cadeiras para a sala, apenas no perímetro, em seguida, se estabelece em seu lugar no chão, ao lado de meus joelhos, sabendo que, se saísse o lugar seria tomado por uma de suas irmãs. Muito mais tarde, depois de tudo foi limpo os Jamison sumiram, com exceção de Henry, o meu pai diz boa noite. É a primeira vez que eu me lembro dele fazer isso. - Quando você vai voltar para a escola? Pergunto a Henry. Tínhamos discutido que precisava estar na escola em vez de sentar-se no hospital todos os dias, mas finalmente concordou, uma vez que eu estivesse em casa, ele iria voltar. Emma e Dr. Jamison tinha ficado do meu lado nisso. -Amanhã- responde. -Você deveria ir para casa, então. Vá para a cama. Ele se vira para mim. -Eu poderia ficar aqui, e só ir na parte da manhã. -Henry... - Minha voz soa um aviso. - Eu não estou dizendo que vou faltar à escola. Eu estou dizendo... coloco meus dedos em sua boca. -Vá para casa, Henry. Vá dormir. Volte depois da escola. Ele olha para mim por um longo momento, e depois balança a cabeça, apertando minha mão com mais força em sua boca para um beijo. -Tudo bem, mas você tem o telefone celular. Você promete ligar se precisar de alguma coisa? Eu levanto minha mão direita:- Eu prometo. 174 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Passa algum tempo me beijando a noite, o que não me importa em tudo, apenas desfruto, embora eu saiba que só esteja estagnada. Ele insiste em me ajudar a subir para o meu quarto, mas não o deixo ir. Ele me deixa fora do meu quarto, espera até que tenha subido as escadas, e desligar as luzes para que vá, ouço a porta da frente sendo fechada. Eu entro no meu quarto, pequeno e simples, mas organizado e limpo. Agora, ele se sente muito menos como a minha casa do que antes. Eu vou para a cama, puxando as cobertas sobre mim, com lágrimas caindo para absorver o travesseiro debaixo da minha cabeça. *** Três dias depois, a polícia chegou com a acusação formal da morte de minha mãe, e leu meus direitos. Eu sou grata que durante o dia, desde que meu pai está no trabalho e Henry na escola. Emma está aqui, como faz quase todos os dias, de pé, pálida e tremendo, enquanto o oficial faz seu serviço com relutância. Isto é humilhante vê-la testemunhar, mas, pelo contrário, também Fico feliz em ter o seu apoio. -Devido às circunstâncias atenuantes de seus problemas de saúde, o juiz concordou que uma vez que a levemos a delegacia para ser processada, você é imediatamente colocado em liberdade condicional. Você irá há uma audiência na próxima semana assim terá tempo de nomear um advogado. Bobinas giram em minha mente com as palavras. O que tinha sido apenas o sentimento de ser uma assassina, de repente, tornar-se realidade. Não vão algemar-me, mas eu preciso viajar na parte de trás do carro de patrulha para a delegacia. Emma nos segue atrás com seu carro, parando para deixar Christine com um vizinho. Então, quando chegamos ao prédio, eu me sinto muito sozinha. Os oficiais são agradáveis para mim, tomam cuidado com as minhas lesões quando tomam minhas impressões digitais e me fotografam. Eu tenho que preencher alguns papéis, tentando não perceber os olhares que recebo de muitos dos outros oficiais, com os olhos cheios de pena. Quando termino, levam-me a uma sala de espera, onde Emma espera por mim. Eu posso ver que ela está chorando e o remorso se apodera de mim, Eu estou expondo ela e sua família a tudo isso, só porque eles me têm mostrado bondade. No momento em que volto para casa, estou exausta, física e emocionalmente. 175 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eu deito no sofá e durmo pesadamente, sem acordar até anoitecer. Posso ouvir Henry e pai na cozinha, conversando em voz baixa. Eu não posso ouvir as suas palavras, mas apenas ouvir a voz de Henry me conforta. Eu me levanto e caminho até a cozinha. Ambos olham culpados quando entro, obviamente deveriam estar falando de mim. Meu pai parece estranhamente envergonhado e Henry furioso. Quando ele me vê, tenta corrigir o rosto com uma boa expressão, mas não funciona, causa estremecimento o olhar com o qual quase me faz rir ... Mas eu estou querendo saber, o que o fez ficar tão bravo para começar. Ele se levanta e vem para mim, envolvendo-me em seus braços. - Era hora de acordar- brinca, tentando esconder a raiva em sua voz, e falhando miseravelmente. - O que está acontecendo? Peço desconfiada. Dou um passo para trás, olhando para o meu pai. -Ouvimos sobre hoje, - diz o meu pai. -Oh. -Meu rosto é obscurecido pela vergonha. Henry me segura contra ele. - Sinto muito por não estar aqui, diz. -Não importa. Não foi tão ruim. - Além da humilhação que passei, na verdade, não era. Meu pai, de repente se levanta. - Eu vou sair por um tempo. - Eu sei o que isso significa, mas posso dizer que Henry não tem ideia, apenas parece irritado que eu tenha passado por algo tão horrível durante o dia. Eu sinto meu coração afundar, porque o meu pai tem estado sóbrio para os últimos dias que eu estive em casa, e "sair" sempre significa voltar para casa bêbado. Henry me faz contar cada segundo do meu tempo na delegacia, várias vezes até que finalmente me recuso a dizer de novo. Tomamos uma sopa que Emma tinha trazido antes, junto com um pouco de pão caseiro. Então, ele me abraça enquanto assistimos a um filme na televisão velha, eu não consigo me concentrar. Minha mente repassa 176 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett pelos acontecimentos do dia e o que eles podem significar para mim, mas ainda mais sobre o que eles podem significar para Henry. Mais tarde, enquanto eu estou na cama, ouço meu pai chegando em casa. Eu ouço os sons reveladores que está tropeçando pelas escadas. Eu permaneço congelada quando seus passos vem pelo corredor e param na frente da minha porta. Meu estômago se apertou com um medo de que reconheço muito bem em toda a minha vida, mas eu esperava não sentir novamente. Prendo a respiração, observando a maçaneta da porta com tanto cuidado Eu começo a imaginar que gira quando isso não acontece. Assustada, a minha temperatura aumenta ainda mais quando eu puxo todos os meus cobertores acima, no meu rosto, deixando apenas os olhos de fora, como se assim eu me tornasse invisível. Finalmente, após o que parece uma eternidade, ele se vira e volta para seu quarto. *** Dez dias se passaram antes da audiência. Eu estou à porta com um homem preocupado e agitado que afirma ser o meu advogado. Ele usa um terno de veludo marrom, tem cabelo castanho encaracolado, parece tão pálido e usa óculos redondos. Ele está manipulando um pasta cheia de papéis aleatoriamente, caminha rapidamente para a sala como se estivesse em uma corrida, sem parar para esperar ou mesmo ver se eu o estou seguindo. Eu olho para Henry, que segura a minha mão de apoio, em seguida, encolhe os ombros e segue-o. Henry parece tão angustiado como eu me sinto. Meu pai se senta ao meu lado, parecendo desconfortável em um terno amassado muito grande, puxando seu pescoço como se o asfixiasse. Meu caso é nomeado e há uma abundância de palavras legais de comprimento saltando pelo Ministério Público, entre meu advogado e o juiz. Estou tentando seguir em vão, na verdade, apenas a compreensão do "inocente" e "autodefesa", mas em seguida, o juiz bate o martelo e, de repente o meu advogado está caminhando de volta pelo corredor em direção ao hall de entrada, com um gesto para segui-lo. Eu o sigo com Henry logo atrás de mim.

177 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Tudo bem, então foi como o esperado,- diz o advogado, fazendo uma pausa. Mesmo na sua relativa imobilidade, ele dá a sensação de estar em movimento. -Você é livre para ir embora sem fiança. A data do julgamento será definida. Assim quando souber, eu vou fazer você saber. - Cava no bolso de sua jaqueta e tira um cartão de visita ligeiramente enrugada. Aqui está o meu cartão, caso você tenha perguntas. Eu vou falar com você em breve. E então ele se vai. Eu olho para Henry, que solta um som estrangulado, algo entre um soluço e riso. - O que foi isso? O rosto de Henry estava tenso e seus olhos rigidamente ainda olhando o homem, que está praticamente correndo pelo corredor. Seus olhos se voltam para os meus e posso ver o olhar morrendo lá. Eu odeio ser a causa dessa expressão natural em seu rosto. -Tudo vai ficar bem,- diz ele, mas soa mais como se ele estivesse tentando convencer a si mesmo. Uma semana depois, outro homem vem à minha porta. Ele é alto, cabelos escuros, vestindo um terno risca de giz, aparentemente caro. - Kate Mosley? - Ele pergunta, quando eu abro a porta. - Sim? Ele estende a mão dele. - Meu nome é Rufus Caim. Foi-me dado seu caso para cuidar. Quando permaneço parada ali, diz: -Eu sou o seu novo advogado. - Você sempre atende em casa?- Eu pergunto não confiando nele. -Nem sempre. Não. Mas às vezes. Eu sabia que você estava muito machucada e eu não quero que você vá ao meu escritório. Estou em casa sozinha. Emma reduz a quantidade de tempo que gasta em casa comigo, pois já posso me mover melhor, esperando agora que eu seja capaz de mover um pouco mais fácil. Ela só vem três 178 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett vezes por semana para passar tarde, o que ainda é, muitas vezes, na minha opinião. Foi a menor quantidade que consegui negociar. Henry retorna da rua agora neste momento. Eu não posso vê-lo, mas eu aprendi a ouvir o som de seu motor tão bem que eu agora posso o diferenciar sobre todos os outros carros. Rufus Caim se vira ao som do carro que para em frente da minha casa. Olha comigo como Henry salta de seu carro, eu sou grata por seus largos ombros e altura que podem tornar-se intimidante. - Um amigo seu? Rufus pergunta a mim. -Sim. - Você se importaria de falar na frente dele ou marcar uma consulta para eu retornar quando ele não estiver aqui? - Não,- eu balancei minha cabeça. -Ele sabe de tudo. Eu quero ele aqui. Henry vai para a varanda, olhando de soslaio para o advogado. Mas Rufus se apresenta e eu posso ver Henry relaxar. Eu tenho que admitir, este homem inspira mais confiança do advogado anterior. Ele vem e nós sentamos na mesa da cozinha, Rufus retira um bloco, um lápis e um gravador. -Isto é para ter certeza de que as minhas notas estão corretas, - diz, indicando o gravador. Nós analisamos algumas informações básicas: o meu nome, os nomes dos meus pais, e minha data de nascimento. Henry fica surpreso quando ele descobre o dia, eu nunca havia dito a data do meu aniversário. Que é dia 23 de fevereiro. -Bem, eu não tenho certeza de quanto você entende a acusação, Começa. -Isso foi apenas uma formalidade para que você prestasse uma declaração, o que era ... –Olha seus documentos, certificando-se que está correto -... Culpada por motivo de autodefesa. Muito bem. Certo. Isso é bom por agora. Na verdade, eu não sei como o promotor vai acusá-la, como vai levar o seu caso. Está sendo acusada de homicídio involuntário. -Eu sinto o mundo inclinar-se quando ele diz as palavras. - Mas eu quero que retirem as acusações. Foi para isso que eu vim. - Henry vem e pega a minha mão. Eu envolvo minha mão na sua, entrelaçando os dedos e mantendo-a firme. - Eu sei que isso vai ser difícil, mas temos que passar por cima de tudo o que aconteceu 179 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett naquela noite, com todos detalhes que você possa lembrar. Então nós temos que voltar para os crimes cometidos no passado por sua mãe contra você. Eu não quero que Henry ouça isso, que saiba toda profundidade de minha vergonha e humilhação, mas por algum motivo eu consigo encontrar a coragem para deixar sair. Então eu digo para o meu advogado mais uma vez, enquanto ele grava os registros de minha indignidade, e Henry permanece sentado ao meu lado, imóvel como uma estátua, exceto para o leve tremor que o sacode quando ouve o horror que tem sido a minha vida.

180 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 20 Cheguei na casa da Flórida, um período de férias que tive tirada com os Jamisons- começo. - Suponho que recebeu permissão para ir?- Rufus pergunta sem olhar para mim, escrevendo em seu bloco de notas amarelo. -Claro. Realmente não achei que ela diria que sim, na verdade, nem mesmo planejava pedir. -Lanço um olhar de desculpas para Henry, mas ele não está olhando para mim. - Ela de fato estava sendo boa, o que era estranho. Eu acho que sentia culpa sobre o quão duro tinha me batido na ação de graças Rufus ergue a vista, mas não interrompe, retornando para a sua tomada de notas. - Até aquela última noite. –Eu limpo a garganta e continuo: Bem, até então, a pior agressão que ela tinha me dado, foi na ação de graças. Eu acho que ela sabia que tinha ido longe demais. -Resumo breve da história, disse que sim. Talvez porque ela se sentia culpada. Então eu fui. Eu acho que enquanto eu estava fora, pegou pílulas suficiente para esquecer de onde eu estava. - Pílulas?- Rufus interrupções. -Hum, sim, ela teve um problema com comprimidos. - O que você quer dizer com problema? Recuso-me a olhar para Henry quando eu confesso essa nova humilhação na frente dele. - Ela tomava muitas. Também. Foi à única maneira que ela tinha para levar a situação. - São essas pílulas foram prescritas, ou ...? -Ele não diz as palavras, deixando a questão de suspensão. -Prescritas, pelo quanto eu sei. Pelo menos, eles estavam sempre em frascos prescritos. Rufus rabiscando loucamente. E espero. -Bem, então ela estava com raiva porque você tinha estado ausente. 181 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett "Sim, mas ... - Eu vagueio, lembrando. -Ela veio até mim quase que imediatamente com o bastão. Henry estremece e Rufus levanta sua cabeça novamente. - Ela tinha o bastão com ela? E isso era incomum? -Sim, quero dizer, eu nem tenho certeza de onde ele veio. De algum lugar na garagem, eu acho. Mas antes, ela sempre me bateu com qualquer coisa que era uma arma de forma convincente, sabe? Como uma cadeira, ou uma vassoura ou algo que seria muito prático. Henry estremece, e mais uma vez o pensamento do que eu deveria dizer, tremula na minha cabeça. Só que eu estou cansada e o suficiente egoísta de ignorar o pensamento. -Então, isso foi estranho, diferente, eu acho. Não me lembro de muitos detalhes, só que ela veio até mim uma e outra vez com o bastão. Sinceramente, pensei que estava tentando me matar. Henry aperta minha mão mais apertado. - Pegou o taco uma vez, quando ela me cercou com ele, e eu a empurrei. Ela caiu. Eu ouvi sua cabeça bater. - Eu engulo em seco, sabendo que deveria ter sido o momento de sua morte. -Lembro-me do medo doentio que eu estava sentindo, tentando fugir antes que ela pudesse se levantar e terminar o que começou. Respiro fundo. Eu estava no chão, chamando Henry, e isso é tudo que eu lembro - Libero uma única respiração. - Isso e o rastro de sangue, o que deixava ao me arrastar. - Tudo bem, Kate, isso é bom. - Rufus se estende, como se fosse pegar minha mão, mas se afasta e pigarreia. - Eu sei que isto não é fácil, mas temos de falar de abusos do passado. Lembra quando começou? -Quando meu irmão morreu, - eu digo. Ele parece surpreso. - Você tem um irmão? -Mais ou menos, eu acho. Minha mãe estava grávida, e nós sabíamos que era um menino. Mas ela e meu pai tiveram uma briga e ela perdeu o bebê. Eu tinha nove anos. -Eu olho para Henry, pedindo ... O quê? Eu não sei. –Não foi sempre o caso. Houve um tempo em que éramos uma família normal, quando eu os amava. Mas o meu pai... Ele 182 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett perdeu o emprego, e tudo mudou. Ele começou a beber, mas ela ainda estava tentando me proteger. Ela me amava. Mas quando ela foi para o hospital e voltou para casa sozinha, também mudou. Eu sinto que eu tinha sido um forte lembrete de que ela o perdeu. Fui eu quem a encontrei e consegui ajuda. Talvez eu não fui rápida o suficiente, ou esperei muito tempo. Eu não sei... Talvez fosse minha culpa. -Não, Kate, - Henry murmura. -Ela começou a tomar pílulas, para esquecer, eu acho. E então voltou sua raiva em cima de mim. Estamos em silêncio, quietamente na sala. Henry olha para mim, com angústia nos olhos úmidos, a boca e a mandíbula apertadas. Eu não posso suportar ver, então eu olho para trás para o meu novo advogado. De repente, ele está à procura de algo em sua bolsa, com suspeita pigarreia um som. Por fim, me olha, e eu finjo não ver a pena em seus olhos brilhando úmidos. Se há um coisa que eu odeio, é que sintam pena de mim. - Você pode, uh ... você pode dar alguns exemplos concretos de alguns dos abusos? Eu ri, mas o som não tem senso de humor. Meus dedos começam a entorpecer por conta da pressão de Henry. - Privar-me de comida, às vezes por dias e dias, conta? Perguntolhe incisivamente. - Ou refere-se ao ser forçada a ficar em um canto por horas e horas? Ou o castigo sempre clássico onde eu sou forçada a sentar-me no armário por alguns dias, sabendo que quando eu deixá-lo sair apenas para ser batida, pois é impossível tanto tempo sem banho. Além disso, não acho que é normal ser batida, golpeada, esmurrada ou chutada, por respirar incorretamente. Na agitação, me joguei para trás, me levantando, com o mesmo movimento libero minha mão de Henry. Viro-me e dou alguns passos, cruzando os braços para me proteger. Eu tive minhas memórias guardadas por tanto tempo, é quase como uma traição deixá-las fora. Mas uma traição de quem? - Seu pai abusou de você também? - A pergunta de Rufus é quase muito fácil para ser ouvida.

183 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Não, - eu disse, esperando que ele não tivesse notado a minha hesitação. - Seu pai estava ciente do abuso? - Ele provavelmente suspeitava. - Minha voz é quase tão baixo quanto a dele. -No entanto, ela foi sutil o suficiente para escondê-lo. E foi assim porque raramente ele vinha aqui, principalmente para dormir, o que provavelmente, era muito fácil para ele ignorar. - E você acha que o abuso tenha aumentado ao longo do tempo? - Ela foi consistente o suficiente depois de um par de anos, quando aprendi o quanto eu poderia fugir dela. Mas, no ano passado, sim, era pior. Acho que depois de ação de graças, ela sabia que tinha cruzado a linha. Ela estava alheia por um tempo, até que eu cheguei em casa da Flórida. - Alguma vez houve necessidade de hospitalização? - Claro algumas. Mas nunca causaram suspeitas, em ninguém nos últimos anos. Acho que a única razão para ser levada ao hospital, foi porque ela sabia que eu estava indo para obter alguns analgésicos receitados. Claro, nunca me permitiu tomar pílulas. Finalmente, Rufus suspira e se inclina para frente, puxando uma pasta fora de sua maleta. Volto a sentar-me ao lado do ainda congelado Henry. -Vou escrever seu depoimento e vou apresentá-lo ao Ministério Público, - enquanto diz abre a pasta sobre a mesa entre nós. - Além disso, vou anexar estas imagens que foram tiradas no hospital. Desliza a pasta sobre a mesa, virando o rosto para mim, quando ele diz isso. Eu olho para baixo e vejo uma foto de algo inchado e roxo. Estou confusa, então eu começo a olhar e eu percebo que eu sou. Percorrer imagem após imagem de mim, doente e surpreso, porque estou irreconhecível. No momento que acordei do coma, e tinha sido capaz de levantarme e chegar perto de um espelho, a maioria do inchaço tinha diminuído e os hematomas tinham começado a desvanecer-se a um roxo suave, cercado por verde e amarelo.

184 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Há fotos de mim deitada na cama depois de ter sido enfaixada, com monitores e tubos ligados a mim. Eu pareço uma versão de um filme em que alguém que foi envolvido em um acidente horrível, onde o maquiador passou um pouco dos limites com o drama. Eu olho para Henry novamente e vejo que ele está olhando para o outro lado da mesa, recusando-se a olhar para as imagens. Com horror, eu percebi que eu tinha feito, e ele tinha me visto. - Nós temos que mostrar isso em público?- Pergunto desanimada. -Eles são o nosso melhor apoio na teoria da autodefesa. Ninguém pode olhar para elas e não saber que você estava no meio de uma luta por sua vida. Uma lágrima rola no meu rosto e distraidamente reflito. Rufus pigarreia. - Kate, é por sua vida que nós estamos lutando agora. Me haviam dito que houve algum abuso anterior ...- Ele limpa a garganta novamente e eu tenho a nítida sensação de que está lutando um pouco de emoção por conta própria. - Mas depois do que você disse, bem, criminosa é a maneira como eles trataram você. Esta é um dos piores casos de abuso que tratei. Você é a vítima aqui e devemos fazer o juiz ver. Parece desconfortável, movendo-se em sua cadeira. Eu preciso lhe fazer uma pergunta que merece uma resposta honesta, Kate -Aceno. -Você está absolutamente certa de que nunca houve abusos por parte de seu pai? Penso na única vez que me espancou, e sobre como isso se voltou abusando de minha mãe. Eu já a tinha visto ocasionalmente com o seu próprio olho roxo ou um lábio inchado. Eu penso sobre os seus passos fora da minha porta, e como eu durmo com uma cadeira entalada na maçaneta da porta. Então eu penso sobre o que poderia acontecer se ele fosse preso pela única vez que me bateu, isto provocaria a faísca em sua ira, e, em seguida, viria em mim, agora que ela não está aqui para ele depositar a sua frustração? Eu não sei ao certo, mas eu sei que eu não quero descobrir. -Não,- eu digo. -Nunca. Henry relaxa, uma parte para mim e entende que ele tinha se colocado rígido de tensão, esperando pela minha resposta. 185 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Ok, só mais uma coisa. Você planejou ou tinha a intenção de matar sua mãe aquela noite? - Claro que não! -Explodi, irritada, como ousa perguntar isso. Levanta a mão. -Tudo bem, eu sei que você não fez. Mas é provável que lhe façam a mesma pergunta. Estende-se por cima da mesa, pega as fotos e vira a pasta novamente para si mesmo, mantendo-a. -Tudo bem, então é isso. Eu vou deixar você saber quando marcarem seu julgamento. - Ele desliza um cartão sobre a mesa para mim. - Meu escritório e números de telefone celular estão ai. Chame-me a qualquer hora Se você tiver dúvidas, preocupações ou se apenas tiver algo mais a dizer. Eu olho para o cartão, é impresso em papel caro, com letras de ouro em alto relevo, e me pergunto como um defensor público pode se dar esse luxo. Ele se levanta e aperta minha mão, tão estranhamente formal depois do que compartilhei com ele. Henry também o cumprimenta, e então vai. Assim que ele se vai, há um silêncio rígido entre Henry e eu. - Como foi à escola? Pergunto, finalmente, qualquer coisa para quebrar o feitiço estranho. Ele não responde, apenas se vira para mim e abre seus braços. Alegremente vou para eles, embora eu estou surpresa com o gesto. Ele apenas diz, esfregando as mãos ligeiramente para cima e para baixo nas costas, eu me tranquilizo envolvida. -Eu não tinha ideia, - diz ele finalmente. -Eu sei. Ninguém tinha. - Por que manter isso em segredo? - Ela pergunta, torturado. - Por que não pedir ajuda? Eu balancei minha cabeça. -É complicado. Eu era muito jovem quando tudo começou, e não sabia onde ir para obter ajuda. Não tinha amigos, e nenhum adulto de confiança o bastante. Na época, eu pensei em pedir ajuda, tinha vergonha de não ter feito isso há algum tempo. Eu pensei que ela devia 186 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett ter uma boa razão para fazê-lo, deve haver algo de muito mal em mim ou de errado comigo, para fazê-la me odiar tanto. Henry aperta seus braços. -Sinto muito, - ele diz com sinceridade em cada linha de seu corpo e seu timbre voz. -Eu sinto muito que você teve que passar por tudo isso sozinha. Sinto muito por tudo o que você está passando agora. Mas eu prometo a você uma coisa, - Ele se inclina para trás, levando o meu rosto em suas mãos e olha em seus olhos. - Nunca estará sozinha novamente.

187 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 21 A data do julgamento foi marcada para o final de maio, pouco antes da graduação, o que significa que eu tenho mais tempo para me recuperar, mas isso também significa que eu tenho que fingir para viver novamente, agir como se você tivesse uma vida que continua para além de Maio. Eu estou sofrendo de algumas dores de cabeça intensas, que me disseram que eventualmente será atenuada, mas eu faço os trabalhos da escola mais dedicadamente. Então, por agora eu estou dispensada de ir à escola e a maior parte do meu tempo, é dedicada à lição de casa. Eu me lembro que há muito tempo teria dado quase tudo para ser dispensada, agora daria quase o mesmo para estar indo para a escola. Tenho saudades dos meus passeios pela manhã com Henry, sentar ao lado dele no almoço e na aula de fotografia. Ele continua vindo assim que termina a escola, agora só vai chegar em casa as dez ou onze todas as noites, quando ele me traz de volta a minha casa. Eu odeio a minha casa, porque meu pai voltou para seus velhos hábitos, ficar fora bebendo a metade da noite e eu me preocupo quando ele está lá, quando Henry sai. Eu não tenho dito sobre a bebida, e não quero que ele testemunhe. Para o meu aniversário, Emma planeja uma festa e convida meu pai para um jantar nos Jamisons. Ele vem, com os olhos injetados de sangue e olhando abatido, mas sóbrio. Até trouxe um presente. Me dou conta, infelizmente, é o primeiro presente que recebi em anos após o meu balanço. Emma e eu conversamos alguns dias atrás, sobre o que pode ajudar durante períodos de estresse é escrever as coisas, por isso Emma e Dr. Jamison me dão um conjunto com diário e caneta para o meu aniversário. Amy me dá uma fotografia emoldurada de mim com todo o clã Jamison tirada na Flórida. Christine me dá um de seus livros, uma de suas preciosas posses. Claire está quase pulando para fora do seu assento, enquanto eu abro seu presente, que guardou por último (exceto para Henry, que, mais uma vez, espera até que estamos sozinhos mais tarde). Pelo tamanho e peso da caixa, eu sei que é roupa, mas quando eu abro, eu fico surpresa. Na caixa está um vestido branco feito de material sedoso que nunca senti. Eu o levo para fora e vejo que é um vestido, uma toga realmente. 188 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Tem o corpete sem mangas, com um material tecido com intrincado padrão, coberto com uma camada de prata pura, que desce para parte posterior do vestido, formando uma capa. As camadas da saia são mais uma vez cobertas com um material fino. -Claire, é lindo,- eu digo. -É para você usar no baile, - diz ela com um amplo sorriso. - Baile? - Eu olho para ela. Ela está radiante, e eu não tenho a coragem de dizer a ela, não há caminho para a dança. Assim, apenas abraço-a e digo a ela que eu a amo, o que eu realmente faço. -Você pode provar isso para mim mais tarde, quando você não tem mais a sua plateia. E também quando Henry não estiver em volta. Não quero que veja você antes da grande noite. Eu não respondo, apenas tento sorrir. Devo ter uma expressão estranha, porque Henry ergue a cabeça para mim interrogativamente, mas não diz nada. Emma traz um bolo que ela fez, e que as três meninas ajudaram a decorar. Tem a altura de três andares e cada menina decorou uma camada. A camada inferior claramente foi Claire, é muito brilhante e coberto com redemoinhos intrincados e flores rosa e roxo. Amy decorou a camada do meio e em sua própria maneira tranquila, apenas colocou algumas decorações, belas em sua simplicidade. Christine fez a camada superior, que está empilhada de todas as cores do gelo, confuso e colorido, com uma grande vela que se projeta a partir do topo. É o mais lindo bolo que eu já vi. Eles cantam para mim, também, pela primeira vez em anos, enquanto lembro-me, então, comemos o bolo e sorvete caseiro. Meu pai nos deixa pouco tempo depois disso. Assim que a bagunça é limpa, Emma garante que todos tenham uma missão ou tarefa que os levem a uma outra parte da casa, deixando Henry e eu sozinhos. Há fogo queimando na lareira, e Henry pega seu enorme saco de feijão que coloca em frente para nos sentarmos juntos. - Você quer que o seu presente? - brinca. - Este é o meu presente, estar aqui sozinha com você, - eu digo. 189 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Apesar de ter sido graças à minha mãe. -Eu sei. Eu tenho que agradecer por isso. Henry cava a mão no bolso e tira uma pequena caixa. A última caixa pequena ele me deu foi o meu colar no natal, que eu o uso desde para sempre. Então, eu estou animada para abri-la e ver o que eu tenho agora. Meu coração para quando eu vejo o que tem dentro. - Eu sei que isso não é muito romântico, - diz com um sorriso, - e não é como eu gostaria que fosse, mas... - Ele dá de ombros, voltandose para estar em frente a mim. - Eu amo você, Kate. Eu sei que somos muito jovens, mas eu sei que eu quero passar minha vida com você. Eu não quero perder tempo. Eu quero estar com você todos os dias, acordar ao seu lado a cada manhã. Eu quero casar com você, Kate. Olho de seu rosto para o anel dentro da caixa. É um anel simples, com um solitário quadrado e com um aro de prata lisa. É perfeito. Olho de volta para ele, e vejo a esperança em seus olhos. -Henry... Nós somos muito jovens, ainda estamos na escola. - Eu sei disso, Kate. Eu sei o que as pessoas pensam sobre casar depois da graduação, mas eu não me importo. Eu nunca vou amar ninguém, apenas você. -Henry, eu não posso. Nós não podemos. Há tantas coisas ... Ele me interrompe, apertando sua boca na minha. -Não diga não, - sussurra contra a minha boca. - Diz talvez. Por favor. Mas eu estou balançando minha cabeça. Henry vai para a faculdade. Por tanto tempo quanto eu odeio a ideia, eu sabia o tempo todo que esse tema de horror e medo chegaria. Esse é o seu destino. Eu sou realista sobre o seu futuro, o que significa, pelo menos, de oito a doze anos de faculdade, ou mais, para realizar seu sonho de se tornar um médico, e isso não vai acontecer se ele estiver preso com uma mulher, especialmente aquela que vem com o meu tipo de bagagem. Para não falar de forma realista, eu poderia estar na cadeia em breve. - Eu não posso. -Meu coração está partido, as lágrimas odiadas voltando. 190 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Você pode! -contesta. – Nós podemos. Você me ama, certo? Eu toco seu rosto. -Você sabe que eu faço. -Então qual é o problema? -Henry, a forma como a sua vida foi estabelecida muito antes de eu chegar. Seria um erro mudar só para mim. -Nada vai mudar. Exceto para melhor, porque eu sou melhor quando estou com você. -Henry, eu ... - Talvez, - ele interrompe. -Tudo o que estou pedindo é um talvez. Diga-me que você vai pensar sobre isso, me dê uma chance para convencê-la. Eu sei que é certo, é o justo dizer não, acabar isso aqui antes que ele possa se machucar. Não há nem mesmo uma remota possibilidade de um futuro entre nós. Também estou ciente de que Henry é um protetor, e isso não é nada mais do que uma maneira de tentar me proteger. No entanto, eu sou fraca e não consigo me imaginar a tentar seguir em frente nos próximos meses, sozinha, sem ele ao meu lado. Eu sou fraca o suficiente e egoísta para ficar com ele por muito tempo, abraçalo em cada segundo que puder estar com ele. Eu imagino a dor insuportável de ficar sem ele, e eu me sinto doente só de pensar sobre isso, então por isso eu adio o máximo possível, mesmo que o custo para incentiva-lo, esteja sendo desonesto. - Tudo bem, talvez, - digo, com a culpa esmagadora que me consome no olhar de felicidade em seu rosto, sabendo que a minha verdadeira resposta só pode ser não. Empurro a caixa de volta para sua mão. -Mas você tem que guardar isto. - Você não vai usar o meu anel? - Ele pergunta enquanto olho para a caixa, com a dor em sua voz. Se você soubesse o quanto eu queria.

191 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Henry, há tanta coisa acontecendo agora. Parece apenas como mais uma complicação, explicar o anel. Não pode ser apenas o nosso segredo? Ele acena com a cabeça, mas, em seguida, olha para mim intrigado. - De alguma forma, eu queria que você o usasse, então todo mundo saberia que você é minha. Eu sorrio fracamente. - Quem não sabe disso? Eles teriam que ser totalmente cegos para não saber. Ele coloca a caixa de volta no bolso. - O que posso dar-lhe para o seu aniversário, então? - Ele pergunta mal-humorado. Meu coração está se contorcendo violentamente no meu peito, mas empurrou a sensação sentido a prática que nasceu de anos de esconder a verdade. -Posso pensar em algo, - eu digo baixinho, puxando seu rosto para o meu, escondendo a dor por trás do meu amor por Henry.

192 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 22 Continuo com a minha fisioterapia duas vezes por semana, que Emma geralmente me leva. Eu tenho minha carteira de motorista B, desde quando eu tinha dezesseis anos, e tinha tomado aula de educação no trânsito, através da escola, mas como não fui expulsa eu tenho a licença, mas não tenho certeza ainda se lembro como fazer. Henry ofereceu-se para deixar o seu carro comigo para que eu possa dirigir depois que tirasse o gesso, mas vou dizer que provavelmente não lembro mais como dirigir, ou então vou apenas dizer que eu não quero usar o seu carro. A administração da escola decidiu que, com base no meu período de recuperação e meu julgamento próximo, posso ter aulas especiais, para em seguida os testes para determinar minha elegibilidade para pós-graduação com resto dos meus colegas de classe. Ninguém diz em voz alta o que todos estão pensando, que eu poderia estar na cadeia no momento da graduação e não vou participar dela em tudo. O baile está chegando e Henry tenta me convencer a ir. Não pode entender que eu tive pesadelos com essa ação social da escola nos últimos anos. Eu cometi o erro de participar de um baile do colégio. Foi no início da minha sétima série, quando a tortura pelos meus colegas liderada por Jessica tinha acabado de começar e ainda estava em seu início, mas era brutal. O baile foi observado por alguns dos professores e alguns pais, e ainda assim, Jessica conseguiu fazer um dia horrível para mim. Eu havia roubado dinheiro suficiente de meus pais para me comprar uma nova roupa no brechó. Eu comprei um par realmente bonito calças capri e suéter de cashmere rosa. Passei algum tempo extra fazendo o meu cabelo em cachos, e eu fui ainda ao quarto de minha mãe para usar um pouco de maquiagem. Jessica, obviamente, passou algum tempo pensando sobre como me humilhar. Ele convenceu Brad Johnson, um dos rapazes mais bonitos e os mais populares da escola para ajudar, assim como alguns outros rapazes, meninos e meninas. Ela tinha uma quedinha por Brad, que teve noventa por cento das meninas que iam para a escola. Não só era bonito, era um aluno do oitavo ano. Claro, Jessica era a garota mais quente e bonita da escola, então eu tenho certeza que não demorou muito para obter ajuda de Brad.

193 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett A dança era muito boa, com muitos jovens a dançar. Eu, estava sentada sozinha nas arquibancadas próximas ao ar-condicionado do ginásio lotado. Eu queria dançar, mas não tinha a coragem de perguntar a alguém, ou a dançar sozinha como muitos dos meninos. Então Brad veio até mim. Ele me pediu para dançar e eu senti uma onda de alegria, Brad Johnson me escolheu. Por um minuto eu me senti um senso de justiça, isso iria mostrar a Jessica e a todas as outras meninas. Eu o segui até a pista de dança cheia de pessoas. Era uma música rápida e havia jovens em todo o lugar, deixando de dançar uns com os outros, por isso nunca me ocorreu pensar que havia algo de estranho acontecendo. Brad sorria por cima do ombro de vez em quando e eu estava estúpida o suficiente para pensar que estava orgulhoso por dançar comigo, ele sorriu para seus amigos. Mas logo percebi risos atrás de mim, e as pessoas apontando e sussurrando por trás de suas mãos uns aos outros, espalhando risos e ficando mais forte. Olhei atrás de mim e não vi nada que fosse divertido. Então eu vi a Sra. Cowan, o treinador do ginásio, correndo em minha direção. Ela me afastou de Brad, e rapidamente me levou às portas levando para o vestiário. Eu recuei, me perguntando se havia algo com minhas roupas. Não tinha feito nada de errado, não é? -Vamos para o vestiário e conversar lá. Ela disse com urgência. Olhei atrás de mim e vi todo mundo rindo e apontando para mim. Vi Brad, com o braço em torno de Jessica, também rindo, e Jessica sorrindo como um gato Cheshire. Uma vez no vestiário das meninas, a Ms. Cowan me levou para o banheiro. - O que está acontecendo? - Eu perguntei, começando a sentir um pouco medo. -Querida, eu odeio dizer isso, mas parece que o seu período começou. - O quê?- Ela ficou chocada, como o meu período terminou a semana anterior. - Você traz uma absorvente com você? -Não, eu não tenho. -Meu estômago começou a doer com medo. 194 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Sra. Cowan correu para a secretaria da escola e voltou, pressionando a massa branca na minha mão. Entrei na cabine do banheiro com medo de que poderia ter começado o meu período de novo tão cedo? Quando eu cheguei lá, era óbvio que o sangue era só do lado de fora da minhas calças, e de modo algum veio de mim. Meu primeiro pensamento foi que alguém estava ferido e havia sangrado em mim. Estendi a mão para abrir a porta para informar a Sra.Cowan, mas, em seguida, minha mente começou a processar tarde a informação, a quantidade de sangue em mim tinha que ter vindo de alguém gravemente ferido. Mesmo que fosse o meu período, não poderia ter sangrado tão profusamente e rapidamente. Então me lembrei de Brad sorrindo por cima do meu ombro, todos os caras esbarrando em mim, uma sensação de umidade nas minhas costas, eu pensei que fosse talvez apenas o suor do calor. Especialmente me lembro de Jessica sorrindo. Foi quando eu soube que ela tinha feito isso. Eu não tinha certeza se o sangue era real ou algo que tinha sido preparado, mas realmente não importava. Era a humilhação que importava, ela queria me humilhar e tinha se assegurado que ocorresse. Eu nunca esqueci a mortificação completa com os risos, seguindo quando eu voltei para a escola no dia seguinte e tive os alunos apontando e rindo, absorventes íntimos e tampões durante o caminho pelos corredores, e o meu armário, que foi coberto com eles do lado de fora. Prometi, então, que eu nunca mais me exporia em posição de ser humilhada como essa de novo, então eu evitava todas as atividades escolares e extracurriculares, especialmente os bailes. Eu não posso sequer pensar em ir a um baile sem me lembrar daquele dia e revivê-lo. Não é uma história que estou disposta a compartilhar com Henry, especialmente com todo o conhecimento que tem hoje sobre o resto da minha vida. Eu sei que provavelmente já ouviu algumas histórias sobre mim de seus amigos, mas apenas uma garota pode entender a plena humilhação esta em especial, por isso duvido que qualquer um dos caras se lembrem. 195 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Então, não digo a ele o motivo real, e eu não tenho uma desculpa muito boa para não ir, mas eu quero apenas dizer não, porém ele segue perguntando, tentando convencer. -Vai ser o nosso único baile, nós temos que ir, - diz ele. Eu digo que ele deve ir com alguém. Não tinha ideia do quão difícil era dizer a ele para levar outra, com ciúme a me comer, mas ele se recusa de qualquer maneira, para meu alívio e desgosto. -Minha mãe vai ficar desapontada com você se não tirar fotos de nós para o álbum de recordações. - me diz, e eu sei que ela pode ficar um pouco desapontada, mas eu também acho que parte de Emma sente instintivamente que não quero ir, então nunca me pressiona. -Claire ficará arrasada se você não usar o vestido - diz, e eu tenho que admitir que é um dos argumentos que quase me influencia. Eu não quero que ela ache que não gosto de seu vestido. Eu acho que é uma bela criação que será arruinada por uma gozação, e minha decisão é fortalecida. -Realmente quero sair com você, e estar com você naquela noite, digo, e finalmente me comprometo. Desde que Claire me vista com o vestido que ela fez por mim, e faça o meu cabelo, mas Henry vai me levar para outro lugar, longe de qualquer lugar que os alunos possam estar. Henry parece feliz com esse compromisso, se torna algo secreto essa noite não me diz onde vamos. Dizemos a Claire que vamos ao baile, o que a faz tão feliz que me sinto culpada pela fraude, mas não culpada o suficiente para desistir. *** Todos os dias eu tenho ou tutoria ou fisioterapia, e estou completamente dependente de Henry e sua família. Meu pai voltou para seus velhos hábitos, é raro voltar para casa do trabalho até que ele passou várias horas no bar bebendo. Eu tento esconder isso de Henry e Emma em particular, mas desde que os dois passam mais tempo na minha casa ou me levando a algum lugar, logo se torna muito aparente. Uma noite, Henry me leva para casa, me acompanha como sempre. Estamos a dizer boa noite quando meu pai volta para casa, um pouco mais cedo do que o habitual. Ele tropeça dentro, quase caindo quando passa. Henry o pega.

196 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Whoa, o Sr. Mosley, esta bem? Ele pergunta, arrastando meu pai em posição vertical. -Henry, você é um bom menino. - diz demoradamente, dando tapinhas em Henry descuidadamente na bochecha. Henry olha para mim e sinto minhas bochechas queimando de vergonha. - Ele está bem, só precisa ir para a cama, - murmura, abraçando seus braços em volta de mim, pergunto-me se o chão está aberto paraa desaparecer dentro. - Isso acontece muitas vezes? - Henry pergunta, mesmo estabilizando meu pai, que agora está cantando uma canção obscena que faz meu rosto queimar mais intensamente. Eu dou de ombros, não querendo mentir, mas não querendo admitir qualquer um. - Você está segura aqui? - Henry faz uma pergunta razoável considerando o que sabemos sobre a forma como tem sido a minha vida, fico tão mortificada que ele nem sequer pensar em perguntar. -Claro que está, - meu pai intervém, parando através de sua música, e tenta ficar um pouco mais alto. Eu fecho as portas a mim mesma. Eu reviro os olhos. Obviamente que não é ao que Henry se refere. -Sim, eu estou, - eu digo. Henry olha para mim com ar de dúvida, mas depois aceita o que digo como verdade. -Tudo bem. - Ele se volta para o meu pai, que está se inclinando perigosamente. - Sr. Mosley, vamos levá-lo para a cama. -Oh, Henry, não. - Eu passo para a frente, com a mão estendida, horrorizada com o pensamento de ter a ajuda de Henry nisso. -Eu posso fazer isso. - Sério? - Parece duvidar, olhando significativamente. -Claro. – Trato de seguir sonhando. Eu nunca o ajudei a subir para cama antes. -Espere aqui, - diz Henry. Voltarei. 197 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eu presto atenção com desânimo enquanto Henry o arrasta através dos passos, ouço atentamente para ver se Henry vai precisar de ajuda. Em breve tempo, ele volta descendo as escadas. - Ele está sem roupa e na cama, - disse calmamente, para minha vergonha teve não só uma testemunha disso, mas como realmente fosse parte disto, meu estômago se revira. - Eu acho que ele vai ficar bem. -Henry, me desculpe. - Porquê? Ele o levou para fora e derramou bebida em sua garganta. Eu não posso dizer nada, minha garganta está obstruída com palavras de desculpas. Ele vê o olhar no meu rosto e me puxa para perto. -Kate, por que você não me disse que isso era um problema novo? Eu balancei minha cabeça contra seu peito, ainda incapaz de falar. -Você não deveria estar aqui. - Ele franze a testa. -Eu tenho que estar. Esta é a minha casa. -Eu estou a ponto de engasgar com a palavra, me comparando automaticamente com a casa dele. - Estou preocupado com você. -Eu sei. - Respiro fundo e olhou para ele. - Mas eu juro que está tudo bem. Ele não me machucou. Só não voltou para casa muito, e às vezes quando isso acontece, é bem dizer, tropeçando para as escadas. - Eu não gosto de deixá-la aqui desta forma. - Sua voz é urgente preocupação. Eu o abraço. - Tudo vai ficar bem, - eu prometo, não tenho certeza que qualquer coisa será boa de novo.

198 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 23 O dia do baile, inevitavelmente chega. Algum tempo atrás removi meu gesso e diminuiu em parte os tratamentos, e eu estou ostentando algumas novas cicatrizes, mas nada tão extremo indicando o que aconteceu há quatro meses que mudou a minha vida drasticamente. Claire está encantada que eu vou estar usando seu vestido para o baile, e eu me sinto um pouco culpada pela minha falta de honestidade, mas, tanto quanto o quero, eu não vou ceder, neste caso. Eu deixo-a fazer o meu cabelo em cachos longos, um processo que leva cerca de duas horas, porque ela insiste que cada loop deve ser perfeito. Fala o tempo todo, dizendo-me as últimas fofocas de seus amigos. Eu não posso deixar de comparar sua incrivelmente emocionante experiência na escola, com a qual tinha sido a minha própria terrível provação. Inclui algum rímel e brilho labial em mim, e insiste que ha necessidade de fotos. Prometo fazer as fotos o mais rápido possível, antes que Henry possa me beijar e remover o brilho labial, como ele diz em tom de desgosto, e meu rosto arde com vergonha. Ela já o fez prometer que ele não pode me beijar até depois das fotos. Minha culpa é empilhada quando souberem o por que não haverá foto. Ela posiciona todos ao pé da escada no hall de entrada, a área favorita da casa, pelo menos favorita antes de me deixar sair, insiste que fazer uma aparição mais uma vez, descendo as escadas, quando todos estão lá, Emma com a câmera na mão. Claire está no topo das escadas para ver a reação de todos. Estou aprendendo que tem um dom para o drama, e eu sou a cobaia preferida dela. Eu não vejo a reação de todos, porque uma vez que chego à parte do topo da escada, meus olhos vão infalivelmente para Henry, e eu acho que não conseguiria desviar o olhar mesmo se minha vida dependesse disso. Ele está no pé da escada, olhando mais alto, mais largo e bonito do que eu ja o vi em seu smoking preto. Ele penteou os cabelos para baixo, mas não vai demorar muito para inconscientemente correr os dedos ao longo dele que cairá novamente. Eu sorrio e quase rio quando ele faz naquele momento, meu coração derrete-se na visão familiar. 199 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Seus olhos descem lentamente ao longo do vestido, em seguida, sobem novamente e um sorriso lento atravessa seu rosto. Eu chego ao fundo das escadas, e ele pega minha mão, inclinando-se para me beijar como um ímã atraiu o aço, incapaz de evitar a atração para o outro. - Henry, você prometeu! -Ouvimos os grito de Claire quando ela se apressa em descer as escadas. -Oh, sinto muito, - Henry murmura, a distância. Mas o sorriso em seu rosto e o olhar em seus olhos diz que não sente nada. Volto a sorrir. -Aqui. - diz Claire, armada com gloss, como se esperasse que Henry quebrasse sua palavra. Ela reaplica, todos estão rindo de sua raiva. - Você pode beijar o quanto quiser depois Henry, mas somente após as fotos. Henry levanta as mãos em sinal de rendição, os olhos ainda grudados nos meus. -Tudo bem, tudo bem, eu prometo desta vez é real. Só que eu esqueci por um minuto. - Eca - Claire e Amy gemem juntas. - Tudo bem, vocês dois, por aqui, - diz Emma, nos posicionando, antes que Henry venha a limpar meus lábios brilhosos. As fotografias são tiradas, todos nos dizem quão bem nós estamos e dão um abraço, antes de sairmos. Entramos no carro de Henry e eu me virei para ele. - Quanto tempo você acha que precisa ocupar antes de voltarmos? - Não se preocupe, nós vamos estar fora por tempo suficiente. - O que você tem na manga? Pergunto desconfiada. Ele ri e se inclina para beijar-me embora para antes que seus lábios me tocam. -Opa, quase quebrei minha promessa novamente. -Não importa certo? Não haverá imagem. Ele encolhe os ombros. Talvez. 200 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eu olho para ele, apreensiva. -Henry, você prometeu. Sem dança. - Não se preocupe, - repete. - Eu não vou quebrar minha promessa para você. Mas eu preciso que você feche os olhos e não abra-os até que eu diga. -Henry... -Eu adverti. Ele se estica e aperta minha mão. - Confie em mim, - ele diz, e porque eu confio nele mais do que ninguém, eu fecho meus olhos. Depois de alguns minutos, eu sinto o carro ir para fora da estrada em uma estrada de terra. Não dirige muito antes de parar e desligar o motor. - Olhos fechados? , - Ele pergunta. -Sim, - eu digo, curiosa agora. -Tudo bem, fique aqui. - Ele abre a porta, sai e a bate. Poucos segundos depois, a porta se abre e me ajuda. -Mantenha-os fechados até que eu diga - ele adverte. O solo é cheio de buracos, mas não me deixa cair. Leva-me através do terreno acidentado e posso sentir a luz, alterando um pouco atrás de minhas pálpebras, tornando-se mais brilhante, mas não é como se estivéssemos dentro de uma casa. -Tudo bem, - ele diz. - Você pode abri-los. Abro os olhos. Na minha frente é a cena de um filme. Henry me levou para uma clareira em uma pequena floresta que fica entre nossas casas. Fez uma fogueira, como fonte de luz, e trouxe uma mesa para dois, com velas e guardanapos dobrados. Há ainda luzes claras de pisca-pisca de árvores de Natal. Ele se afasta e pressiona um botão no aparelho de som, a música começa, a mesma que ainda pode ser ouvida num baile de formatura agora mesmo.

201 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Ele me olha sorrindo, mas eu posso ler sua incerteza, inseguro de minha reação. Aproximei-me dele, enlaçando-o meus braços em volta de seu pescoço e puxando-o para beijá-lo. - Me fizeste o meu próprio baile de formatura! - Exclamei. - É incrível. Você é inacreditável. - Claire vai ficar muito chateada, - diz ele com um sorriso, me beijando novamente, acabando com o brilho labial. - O que você vai fazer? Será que quer tirar uma foto de nós nas árvores e dizer que o tema era a floresta? - Eu brinco. -Ainda melhor, - diz levando-me ao meio da floresta escondida entre as árvores que não tinha visto antes. Acende um interruptor e uma luz brilhante ilumina, brilhando como se estivéssemos dentro de uma casa. - Como no mundo ...? -Amber, a namorada de Corey pintou o pano de fundo para o baile, então eu pedi-lhe para fazer um para mim. - Como você conseguiu eletricidade no meio de todas essas árvores? - Eu pergunto, olhando para a luz brilhante. -Há na descida um gerador. - diz, apontando. -Inteligente. -murmuro. -E assim, Claire nunca saberá que estávamos em qualquer lugar mais do que no baile. -Oh, não. -Rio, colocando meus dedos em meus lábios sem brilho. Henry sorri, colocando a mão no bolso e tirando um tubo de brilho labial. - Ela nos conhece muito bem, diz ele. Então o coloquei no bolso antes de sair. -Vamos tirar a foto, para não ter de nos preocuparmos com isso, eu rio. Mas quem é que vai tirar a nossa foto? - Aposto que um dos nossos garçons, diz maliciosamente. - Os garçons? - Eu pergunto, franzindo a testa em confusão. Ouvindo outro carro chegando na colina e ele sorri. 202 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Lá estão eles, - diz ele. Emma e Dr. Jamison vem à luz, vestidos de jeans e camisas brancas e um avental. Eu rio com a visão. Emma tira a nossa foto, e, em seguida, limpo o meu brilho, grata por ter meus lábios livres novamente. Emma e Henry tinham passado o dia fazendo uma refeição, que foi mantida no caminhão do Dr. Jamison e agora nos servem a mesa à luz de velas. Quando terminamos de comer, limpam todos os alimentos e pratos, mas deixam a mesa posta para nós. Nos deixam também uma caixa com todos os elementos necessários para fazer um tipo de biscoitos com marshmallows torrado e chocolate, e algumas cadeiras de praia ao redor da fogueira. Emma diz a Henry para deixar tudo que eles voltarão para fazer a organização novamente. Então, nos deixam a sós. - Quer dançar? Henry pergunta-me. - Eu realmente não sei como fazê-lo, - digo. -Eu também não. Improvisaremos juntos. -Tudo bem. - Eu sorrio e ele me leva ao fogo, envolvendo os braços em volta de mim e me puxando para perto para uma dança lenta, apesar de que a música não é tão lenta em tudo. -Você está muito bonita hoje à noite ", diz ele. -Este é um grande vestido que Claire fez. - concordo. -Sim, o vestido é bonito também, mas eu quero dizer que você. Coloca sua mão em todo o meu rosto, acariciando minha bochecha com o polegar. - Mas então, você sempre é linda para mim. Então me beija enquanto nós nos movemos em nosso próprio ritmo. - Tem certeza que você não se importa com isso? Não sair em público quando você está vestido assim? A maioria das meninas gostaria de tê-lo visto. - Talvez você não tenha notado, eu não sou como a maioria dos meninos. -Tenho notado. É isso que eu gosto em você. - É?

203 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Sim. Você não joga, eu suponho que você faça o que quer, ou o que você está pensando. Não teme ficar sujo, não se preocupa se o seu cabelo parece bom, ou fica com raiva por ter o seu baile na floresta. -Oh. Eu não tenho certeza se isso é bom ou não. Deveria me preocupar com essas coisas? -Não, - ele ri. - Por favor, não. Eu te amo do jeito que você é. Eu inclino a minha cabeça contra o peito dele, feliz por estar aqui. Mesmo que por um breve momento a realidade, tenta invadir, mas a distancio. Pelo menos por hoje, não vou pensar em nada mais do que estar aqui, com Henry, e sentindo-me feliz. Eu ouço um outro carro chegar no morro e sinto Henry ficar tenso, mas supondo que sejam apenas Emma e Dr. Jamison de volta, eu ignoro. -Ei, Henry, não nos disse que era aqui o lugar onde estava a festa. E eu sinto a minha alegria quebrar. Eu me viro e vejo Corey, Brock e Kaden com suas parceiras de entre as árvores. Eu relaxo novamente, esses caras são bons, mas preferia ficar sozinha com Henry. E então eu vejo Jessica. Ela está com Ian, que acabou de sair do escuro. Eu congelo com horror, o meu coração fica com medo líquido à vista, com os pensamentos de minha última dança com ela, em volta. Isso é quase uma cópia da minha última dança, eu estou com o cara mais bonito e mais popular da escola, na verdade Eu usei descaradamente maquiagem, cabelo encaracolado, e eu estou vestida de branco. Henry sente a mudança em mim e olha para baixo com confusão em seus olhos ao ver o meu rosto pálido. Por um segundo, eu sinto um forte esmagamento de dor no meu coração em pensar que Henry poderia ser parte do plano cruel de Jessica, ele poderia ter planejado isso para me ferir. Mesmo que o meu corpo reaja a esses danos, minha mente está rejeitando essa ideia. Eu confio em Henry. - Você está bem? – Ele pergunta, reforçando seu aperto na minha cintura. O deixo me puxar, mais perto enquanto eu aceno. - Eu não sei como nos encontraram, não contei a ninguém ... -Então seu rosto cai. Deve ter sido Amber. Ela veio aqui hoje para colocar a tela no fundo. Vão ter que sair. - Ele começa a se afastar de mim, mas o detenho mais 204 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett forte. Eu sei que Henry passa muito tempo comigo e não está o suficiente com seus amigos, eu não quero ser a causa disso. -Está tudo bem, - eu digo. Eu tento sorrir, mas eu sei que eu não soa sincero quando a expressão de seu rosto escurece. - Eles vão ter que sair, - diz, rispidamente. -Não, deixe-os ficar. - O impeço de novo. -Por favor, por mim. Ele olha para mim estranhamente, e posso dizer que ele quer recusar, mas acena com a cabeça em seu lugar. Os meninos vêm, sacudindo a mão e bater-lhe nas costas, cada um dizendo “Olá e que estou bem” . As meninas também dizem “Olá”, mas ainda um pouco inseguras de mim, andando para trás em seu próprio círculo. Apenas Jessica está distante, sozinha. Ela parece estranhamente desconfortável, olhando para mim e depois para o chão. Parece ainda mais inquieta do que eu. Huh. Eu decido ficar perto de Henry, com a certeza de que não deixará nada de ruim acontecer comigo. Outros decidem que precisam apenas tirar fotos de todos, o que me deixa de pé ao lado de Amber quando tiram fotos. Eu me sinto exposta e vulnerável. Jessica toma a oportunidade de caminhar em minha direção, e instintivamente me encolho de medo. Ela vê isso e seu rosto cai em desânimo. - Eu posso falar com você? - Ela pergunta hesitante. Eu viro, e olho para trás para onde Henry está com seus amigos, rindo enquanto brinca com a câmera. Não há realmente nenhum modo como chama-lo, sem parecer uma covarde completa. Considero chamar de qualquer maneira. -Eu prometo que não vou fazer nada. - Dá alguns passos para trás, afastando-se. -Olha, eu ficarei de pé aqui. Eu só quero dizer uma coisa, então eu vou embora. Nem mesmo deveria ter vindo, mas Ian queria parar, e não sabia que era onde você e o Henry estariam. Eu mantenho o silêncio com o aumento da desconfiança desenfreada em minhas veias. 205 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Eu sei que você não tem nenhuma razão para acreditar – diz - não a culpo por me odiar. Eu fiz coisas realmente horríveis – Sua voz sobe e seu olhar para ao lado com a culpa inundando seu rosto- Realmente horríveis - reitera. - E eu gostaria de poder retirá-las, mas eu não posso. Realmente desculpe, mas isso não muda as coisas, certo? - Ela olha para mim, mas não está à espera de uma resposta, e, provavelmente, não poderia dar uma de qualquer forma, estou tão surpresa com esse discurso estranho. -Eu tenho sido tão horrível para você. Fomos amigas uma vez, lembra? - olha de novo, agora querendo uma resposta. Eu era tão estúpida, mesquinha, invejosa e cruel, e eu não tenho nenhuma desculpa. Eu ouvi sobre você, você sabe, - olha para longe, parecendo envergonhada, - sua mãe e tudo, e tudo que eu conseguia pensar era que você precisava de um amigo. E quando você precisava tinha a certeza que você não teria um, que você não tivesse ninguém com a qual pudesse contar. E realmente, realmente sinto muito, mais do que já sabe. Eu gostaria de poder fazer as pazes com você. Sinto-me muito mal, mas eu não acho que provavelmente tão mal, quanto eu a fiz sentir em todos esses anos. Eu não posso falar, imaginando o que está por trás dessa confissão surpreendente. Eu estou esperando por uma série de golpes, ou até mesmo uma explosão ou o trote com piada humilhação, ou o que tenha planejado. - Eu apenas queria que você soubesse que eu sinto muito. - Ela olha para mim novamente. – Diga a Ian que fui para casa, ok? - Ela se vira para ir embora. Eu olho para Henry e decido tomar a oportunidade. - Jessica - a chamo. Ela para e se vira para mim. - Não vá. - Lhe digo. - O quê? - Fique. -Eu dou de ombros e faço um gesto vago em direção ao fogo. - Vamos assar doces de marshmallows. Ela olha para mim interrogativamente, dando um passo hesitante em direção a mim. - Você tem certeza? Eu não tenho, mas eu aceno de qualquer maneira. 206 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Alguma vez você já provou um? Ela sorri hesitante. -Sim, eles são muito bons. -Eles são realmente bons. Você deve ficar. Ela caminha de volta para mim, parando a poucos metros de distância. -Esta é a sua noite, - ela diz. - Eu não quero arruiná-la. -Então, não o faça - digo-lhe. - Fique e tente um doce. -Tudo bem. -Aceita com um pequeno sorriso. Eu sorrio de volta, o meu sorriso incerto corresponde ao dela. Parece que nós chegamos a uma espécie de trégua, pelo menos por esta noite. Eu posso viver com isso.

207 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 24 A minha data do julgamento é uma semana antes da formatura. Peço emprestado um dos vestidos mais modestos, e humilde azul de Claire. É mais bonito do que qualquer outro que eu tenha, embora as poucas roupas que tenho no meu armário parecem estar de alguma forma multiplicando-se, brotando roupas mais bonitas do que as minhas roupas de segunda mão. Claire diz que ela estava prestes a trocá-las de qualquer maneira. Eu sou uma massa de nervos, na esperança de não ter que ir para a prisão por algo que foi completamente involuntária, enquanto acreditando absolutamente que eu mereço ser punida por causar a morte de minha mãe. Meu pai teve o dia de folga do trabalho, e conseguiu olhos sóbrios e claros, enquanto me leva ao palácio de justiça. Está muito tranquilo, e eu sei que ele está tão nervoso quanto eu, Não sei o porquê. Sua vida não vai mudar muito se eu estou em casa ou na prisão. Rufus me encontra no tribunal, tranquilo e descontraído, completam o contraste com a minha experiência com o meu primeiro advogado. Entramos, e vimos Henry me esperando, sentado na fileira atrás de onde ficarei sentada, com Emma e Dr. Jamison ao seu lado. Estica o seu braço quando passo e toca minha mão, que quase me derrete. Eu quero ir para o abrigo da proteção de seus braços e me esconder lá. Movo-me em meu assento na mesa da defesa, de frente para ele. Atrás dele vejo quando Jessica vem e senta-se na fileira do fundo. Sorrime timidamente. Fico insegura de seus motivos, não tenho certeza se está aqui para apoiar ou para tripudiar. Desde a noite do baile de formatura, foi um pouco amigável comigo na escola. É um pouco estranho entre nós, por todos os atos de inimizade anterior. Eu não tenho certeza se qualquer uma de nós sabe o que fazer com essa trégua. A juíza é anunciada e a mulher entra, ela é quem vai decidir o meu futuro. É envelhecida, profissional, seu rosto ilegível. Nem mesmo olha para mim quando toma assento. O tribunal é chamado à ordem, com o meu caso anunciado, o promotor levanta a mão, fazendo um anúncio que esperava. -Meritíssima, à luz das provas, e as provas que temos sendo fornecidas pela defesa, e os relatórios apresentados pelos oficiais da 208 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett polícia na cena do crime e o relatório do legista, as pessoas pedem para descartar o caso contra Kathryn Mosley neste momento. - Presumo que a defesa não tem nada contra isso? - Solicita à juíza, parecendo entediada, como se ela não esperasse menos. Olho para Rufus na borda de suas lentes. -Não, Meritíssima. -Ele não parece tão surpreso quanto eu me sinto, mas eu posso ouvir o alívio em sua voz. -Bem. - Ela tira os óculos e olha para mim. - Senhorita Mosley, eu revi o seu caso, e não vejo nenhuma culpa da sua parte aqui. Lamento pelos traumas que sofreu. O sistema falhou, deveria ter sido melhor protegida. Eu acho que o Estado deve um pedido de desculpas por isso. -Caso encerrado. - Seu tom é mantido mesmo com esse anúncio, de modo que quando atinge o convés, olho para Rufus, confusa. Ele está sorrindo ao promotor, balançando a mão e agradecendo. Olho de voltar para Henry, que se senta atrás de mim. Olho hesitante esperançosa. A Juíza se levanta junto com o resto de nós para fora do tribunal. Desta vez, ela olha para mim com um leve sorriso em seu rosto. Eu olho para Rufus. - O que aconteceu? Eu pergunto. -Eu acho que você poderia dizer que nós ganhamos. As acusações foram retiradas. - Retiradas? Para sempre? Ele ri. -Para sempre. Eles leram sua declaração, viram as suas fotos. Sabiam que não havia um caso, nunca houve qualquer intenção maliciosa, somente defesa própria. Teria ficado surpreso se eles tivessem seguido essa questão. - Então é isso? -É isso aí. Você pode sair daqui livre e esclarecida. Nem mesmo a pensar sobre isso novamente. - Altera em posição desconfortável quando perceber como suas palavras soam, como dizer a alguém que se esqueça de que sua mãe é morta por sua própria mão, intencional ou não . - Quero dizer, legalmente você não precisa se preocupar com isso. Henry que entende antes de mim. Dá um grito de alegria e me levanta em seus braços, um pouco acima do divisor de madeira, me 209 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett girando. Planta um atordoado beijo em meus lábios, e depois me abaixa para Emma e Dr. Jamison me abraçarem. Meu pai está chegando, com terno ligeiramente enrugado está na frente, inquieto. Eu não tenho certeza o que dizer. Não falamos em tudo o que aconteceu, e eu não tenho certeza de como ele se sente sobre o fato de que sua esposa está morta por minha causa, e eu acabar lhe dando um cartão de cadeia grátis. Seus olhos se movem para frente entre nós, incluindo Rufus, a quem Henry tardiamente apresentou ao meu pai. Eles apertam as mãos, meu pai, sentindo-se desconfortável por seu papel estranho, tinha sido necessário para estar aqui, porque eu tinha dezessete anos na época do incidente, mas agora não é mais necessário. Esfrega meu braço sem jeito. -Vejo-a em casa, então - diz, depois de esfregar meu braço. Eu me curvo abruptamente para ele e abraçou-o. Ele está surpreso com o movimento inesperado, com os braços espontaneamente para abraçar minha cintura. -Obrigado, pai, por estar aqui. Eu quero que você saiba que eu aprecio sua esforço. Ele acena com a cabeça, então se vira para ir embora, assumindo, acho, que eu vou estar em casa com Jamisons. Paul, Emma e Rufus o seguem Emma enrosca o braço em volta do meu pai. Vejo longe e meus olhos caem sobre Jessica, ainda sentada na parte de trás da sala. - Já volto - Digo a Henry. Eu dirijo para o fundo da sala, Jessica se levanta enquanto me aproximo. - Espero que esteja bem ... eu me encontrar aqui, - diz. - Por que você está aqui? - Eu pergunto, realmente curiosa. Olha para baixo e, em seguida, além de mim, procurando as palavras. Finalmente seus olhos voltam ao meu. -Para um monte de desculpas, eu acho. Estou surpresa com a sua resposta honesta. 210 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Quero dizer, eu não consigo parar de pensar em tudo... Especialmente no início deste ano, quando eu... No banheiro da escola... - Minha mente retorna de volta para seu ataque e batendo a minha cabeça contra o chão. Eu poderia ter dito que sua batida foi comparada a iniciantes em relação com as quais fui criada, mas de repente parece não ter importância. Ela estremece na memória. - Eu não posso ajudar, todo esse tempo você estava sofrendo muito, e eu adicionei mais a isso. -Jessica. - Toco-lhe o braço, e ela miseravelmente murcha sob o meu contato. - É o fim. Você não pode desfazer. Eu te perdoo. - Como você pode perdoar-me? grita miseravelmente. Como se não posso fazê-lo? -Pode perdoar-se, porque eu posso fazer isso, - eu digo. De repente, eu tenho uma ideia. Vou fazer um trato com você. Ele me olha com curiosidade. -Posso precisar de um favor um dia desses, e precisar... de uma amiga... Posso pedir-lhe. - Qualquer coisa. -A frase sai numa rajada de ar. - Vou fazer qualquer coisa para que você saiba como estou arrependida. Assinto. - Obrigada por ter vindo. Ele encolhe os ombros. -Eu queria. Além disso, todos na escola estão à espera de informações. Eu disse que o faria, então eu sou a portadora da classe designada. Eu sinto algo fluir. Um fluxo de veneno através de mim, os lobos estão novamente à espera de ouvir sobre a humilhação das ovelhas. Meus sentimentos devem ter se mostrado em meu rosto, porque ela é rápida para me corrigir. - É porque eles se importam. Eles ficarão felizes por você.

211 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Feliz. - A palavra é amarga na minha língua. “Feliz por me livrar de algo que eu fiz?” Henry vem a mim por trás e desliza seus braços em volta de minha cintura. - Você está bem? - Ele pergunta, e eu posso ouvir em sua voz que conhece ao menos um pouco da história sobre mim e Jessica. - Sim, - repondo, sorrindo. -Acho que eu deveria ir agora, - diz. Eu olho para ela, passando minhas mãos ao longo dos braços de Henry distraidamente, mas com a consciência absoluta. -Obrigado, Jessica. Sorri-me, virando-se para sair. Henry me vira em seus braços, e minhas mãos deslizam em torno de seu pescoço. - O que foi aquilo? , - Ele pergunta. - Não importa, - eu digo, inclinando-me sobre ele, enquanto os eventos do dia me alcançam e começo a sentir a enormidade do que aconteceu, o que foi lançado sobre mim. Eu tenho que sair daqui. Fomos ao fundo do corredor, onde seus pais estão conversando com Rufus e algo acerca disso me parece estranho, mas eu não consigo entender o que é. Henry cumprimenta-os, e eles vêm até nós, seguidos por Rufus. - Obrigado, - eu digo, - por tudo. -Espero nunca ter que vê-la novamente, pelo profissionalmente - diz. - Vejo vocês mais tarde, Paul, Emma.

menos

-Obrigado Rufus diz Dr. Jamison, dando tapinhas nas costas dele, como se fosse um amigo. - Por que você não vem para a casa depois do jantar? - Emma pergunta virando-se para mim. - Traga o seu pai, também. -Obrigado, Emma. -Falarei com ele, para ver se estará disponível. – A resposta é automática, distraída, enquanto eu assisto meu advogado deixando a sala, e depois eu me volto para o Sr. Jamison. 212 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - O conhecem? - Pergunto ao Dr. Jamison. -Sim, ele traz seus cachorros a mim. - Mas mesmo quando ele diz, muda nervosamente sua posição. -Que coincidência né? Pergunto desconfiado. Dr. Jamison encolhe os ombros. - Ele é um velho amigo. Ele me devia um favor, Kate. Não custou nada. Eu olho para Emma, com o rosto traindo com o conhecimento, e, em seguida, olhou para Henry. - Você sabia? Acena com cautela, esperando a explosão, que parece temer, em seguida, prepara, erguendo as mãos para mim. - Eu não sabia em primeiro lugar. Só depois que ele foi a sua casa naquele dia, e fui para casa para contar aos meus pais. - Por que você não me contou? -Porque você tem um problema em aceitar ajuda, e eu sabia que você ia ficar com raiva. Eu quero discutir, mas eu sei que ele está certo. Então eu olho para Dr. Jamison em seu lugar. - Realmente não custou nada? -Não. - Seu olhar é franco e honesto. - Os advogados têm de fazer uma certa quantidade de trabalho gratuito por ano. Então eu liguei. – Olhei para Henry. - Henry me contou sobre seu primeiro advogado. Kate, só queria ajudar. Suspiro. Acho que posso viver com a sua ajuda, desde que ela não tenha custado nada. -Tudo bem, obrigado então. Eu realmente aprecio isso. – Abraço os Jamisons, em seguida, envolvo meus braços em torno de Henry, transmitindo a mensagem que eu não estou brava com ele. Ele corresponde o abraço, com a tensão deixando seu corpo. 213 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett *** - Onde quer ir? - Henry pede-me depois de chegar a minha casa para me enfiar em um jeans e uma camiseta que pertenciam a Claire. É um dia bonito, com um céu azul e sol brilhante. -Vamos nos balançar! – digo, com uma fantasia que estive alimentando durante algum tempo. Ele me segue de volta, e pela primeira vez na minha vida, não estou em meu amado balanço sozinha. Henry se senta ao meu lado, segurando minha mão entre as correntes, enquanto nós balançamos suavemente para trás e para a frente. - Eu aposto que posso ir mais alto do que você, - o desafio em tom de brincadeira, liberando sua mão e me puxando para trás com os pés, rindo enquanto coloco mais e mais força, com Henry a meu lado, com sua inexperiência balança-se lentamente, apesar de suas longas pernas. Eu dou impulso, observando o padrão familiar da grama, o muro, o quintal vizinho, as copas das árvores e, finalmente, o céu, de um azul profundo e brilhante, com suas nuvens macias brancas redondas como lotes de chantilly colocado lá, e então o padrão inverso, e frente de novo, Henry passando pela minha visão periférica enquanto balança ao meu lado. Eu estou rindo, e de repente eu estou chorando, lentamente no início, com lágrimas escorrendo lentamente por minhas bochechas enquanto o riso diminui. As memórias inundam minha mente e alma, começando com o primeiro dia em que eu coloquei os olhos neste balanço, viajando através da desintegração da minha infância, e a perda de uma vida normal dos meus pais, por meio de trabalhos forçados como escravidão, a fome e a tortura, através de espancamentos por parte da mulher que deveria ter me amado mais do que ninguém, e cuja morte foi minha culpa. Minhas lágrimas se transformam em grandes soluços e Henry parou de balançar, dizendo meu nome enquanto tenta parar o meu balanço, que passa pelo arco no voo. Ele está atrás de mim, esperando, sigo balançando quando envolve seus braços em volta da minha cintura com força, parando o meu progresso, o lançando-me para frente. Ele se inclina para trás e me deixa ser puxada pelo movimento do balanço. Eu caio em meus joelhos entrando em colapso, e ele vem comigo, envolvendo seu corpo em torno de mim por trás, os joelhos contra os meus lados, o seu braço preso fortemente em cima de mim, segurando 214 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett o golpe, o peso, balançando quando nós caímos juntos na terra, eu me arrependo e me lamento, derramando a minha dor de uma forma que eu não tinha permitido desde que acordei pela primeira vez no hospital. Quando meu choro se transforma em gemidos suaves, eu me viro para o lado dele, que puxa meu rosto em seu ombro. Eu envolvo meus braços em torno se suas costelas, grata por sua força sólida. Estou tremendo agora reação retardada ao calor em torno de mim. -Eu a matei - gemo. - Querida, foi um acidente. - Sua voz é convincente, cheio de emoção. Eu balancei minha cabeça. -Não importa. A culpa é minha. -Katy, você estava tentando fugir. Ela teria matado você... Sua voz é presa e para. Eu me pressiono mais contra ele. -Talvez, - concedo. -Mas talvez não. Não lhe dei a chance de me ver vindo. - Eu tomo um sopro, então eu digo uma coisa que eu nunca disse a ninguém. - Eu desejei isso, Henry. Mais vezes do que posso contar. Porque mesmo rezei para acontecer. Que tipo de pessoa reza para a morte de sua mãe? E se houvesse um acidente... E se inconscientemente, sabia o que estava fazendo? - Kate, olhe para mim. - Leva o meu rosto com uma das mãos na direção dele, a outra mão ainda me segurando. - Não faça isso com você mesma. Eu te vi. Quase morri! Mais uma batida e ela teria... - Seu rosto está terrível ao se lembrar, arrasado com o pensamento. Seus olhos desolados seguram os meus, escuros com sentimento. - Kate, querida, você apenas empurrou. Foi um acidente. Você pode me ouvir? Acidente! Poderia simplesmente ter ficado inconsciente. Ou até mesmo não ser ferido em tudo, e ir para você novamente. Não foi sua culpa se bateu com a cabeça na forma como fez, especialmente que não era sua culpa. Foi dela por colocá-la em uma posição de ter que se defender em primeiro lugar. Seu tom é urgente, pedindo-me que eu entenda. -Eu não podia sequer ir ao seu funeral, -sussurro. 215 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Ela era um monstro, - diz. - Ela era a minha mãe. Balançando a cabeça, tentando entender, incapaz de fazer em seu próprio mundo brilhante cheio de amor. Ele me abraça apertado novamente. -Eu sei Kate. -Nós balançamos em silêncio por alguns minutos, as lágrimas correndo silenciosamente pelo meu rosto, com a minha dor na garganta com a tensão residual. -Eu a queria - sussurro. -Você tem que deixá-la ir, - diz baixinho. Eu sei que tem razão, mas não tenho ideia de como fazer isso.

216 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 25 Chega o dia da formatura, e como eu passei em todos os testes “E eu não estou na cadeia”, eu tenho permissão para me formar com todos os outros. Eu estou preocupada com o que aparece em público, uma vez que os jornais locais divulgaram a minha história e têm circulado a abordagem sensacionalista se aproximando da verdade. Eu não tenho certeza da reação que esperar de meus colegas, a maioria dos quais eu já conheço durante os últimos doze anos. Meu pai realmente consegue ficar sóbrio de novo, e nos leva para a escola em seu carro, o que eu tenho que admitir que eu estou surpresa que ainda funcione. Eu acho que tem a ver que sempre trabalhou como mecânico, para muitas empresas ao longo dos anos, e consegue mantêlo em execução. O interior do carro é sujo, como se não tivesse sido limpo nos últimos anos, e está cheio de garrafas vazias. Pergunto-me como viveu todos esses anos sem abraçar uma árvore em uma confusão mental, álcool, ou evitou ferir alguém. Nós nos reunimos com Henry e sua família, no auditório onde a graduação terá lugar. Meu pai vai sentar-se com eles, enquanto Henry e eu passamos aos nossos lugares. Eu tento fingir que eu não percebo e vislumbro os olhares que estou recebendo, e os sussurros atrás das mãos. Os amigos de Henry vieram me cumprimentar como suas namoradas, que olham em volta de mim mais desconfortáveis do que o habitual. Então Jessica vem a mim, sentada na fileira ao meu lado, com um sorriso. Eu tenho que admitir que eu ainda enlouqueço por tê-la tão perto, mas ela ainda é a única com a presença mais agradável de todas as meninas. Estamos alinhados, nós nos sentamos nos bancos e ouvimos por um tempo, discursos chatos que acompanham graduação. Então, fila por fila, nos colocamos de pé e caminhamos até o palco para receber nossos diplomas. Foi-nos dada instruções para entrar e partir em lados opostos, tomar o nosso diploma, apertar a mão dos administradores à medida que caminhamos para o centro do palco, e após deixa-lo. Quando foi a minha vez, meu nome é anunciado, vem um punhado de aplausos atrás de mim. Isto se torna rapidamente uma estrondosa salva de palmas e eu olho ao redor para ver o que está causando o tumulto.

217 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Todo mundo está olhando, sorrisos ou lagrimas deslizam em seus rostos, ou ambos. Mesmo a administração e alto-falantes no palco estão parados e juntaram-se. “Estão felizes por mim?” Olho para Henry, mas está no lado oposto acompanhando, está muito longe para alcançá-lo. Ele está me tocando em tudo ainda assim, com os olhos ardendo intensamente em mim, com um sorriso de amor e reconhecimento em seu rosto. Jessica está de pé atrás de mim, e eu abordo-a cegamente, para qualquer coisa real e sólida neste mundo estranho. Vendo a minha necessidade dá um passo para frente, pega minha mão, me dando apoio em face do esmagador evento. Eu continuo até o palco, liberando a mão de Jessica, encontro a linha da recepção, recebendo abraços em vez de aperto de mão tradicional, mesmo daqueles que supostamente deveriam estar no outro lado do cenário. Henry chegou a mim, e me encontra no centro, pegando a minha mão e me beijando no templo, encaminhando- me para descer as escadas. Leva algum tempo para diminuir os aplausos depois de voltar para o meu lugar, solto Henry com relutância. Neste momento estou totalmente sem graça. Eu acho que o meu momento celebridade alcançou essa reação. Mais tarde, eu digo que é respeito pelo meu valor, e sobreviver em tais possibilidades. Isso não soa muito bem para mim, “mas o que fez optar por sobreviver?” Não me considero corajosa em tudo. O valor parece uma palavra honrada, e matar sua própria mãe não é nada honroso. Vamos jantar com os Jamisons para celebrar a dúbia distinção de alcançar formatura do ensino médio. Até meu pai, que está muito inquieto se esforça para ser como um pai deve. Trata-se de uma noite de agitação e risos na maioria dos casos, mas por dentro eu sinto um medo profundo, porque sei que todos os dias se aproxima o momento em que eu vou ter que seguir sem Henry. - Quer voltar para a minha casa por um tempo? - Henry perguntame mais tarde, quando para na frente da minha casa, com meu pai pulando para fora da SUV. Vejo-o sair e balanço a cabeça. -Eu acho que eu preciso falar com meu pai. As coisas têm sido estranhas entre nós, e é hora de falar sobre isso. - Isso é sobre a morte da minha mãe, sua esposa, minha culpa. Henry não discute, a compreensão instintivamente, o que eu mais preciso, como ele sempre faz. 218 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eu sigo o meu pai para o interior, olha para ele nervosamente perto da janela da frente, obviamente querendo escapar. Eu reconheço esse sentimento muito bem, mas desta vez será ignorado por mim, sua filha. - Pai, eu tenho que falar com você. Ele olha para mim com medo em cada linha de seu rosto. - Estava prestes a sair, - ele diz. -Eu sei. Mas eu preciso de você agora. Só por um momento. -Tudo bem, - admite, mas não feliz com isso. Andou para a cozinha e se senta à mesa. Encheu um copo com água para mim e um com refrigerante para ele, descartando a cerveja. Eu preciso dele um pouco sóbrio. - Você me culpa? Pergunto, assim que eu me sento. Ele está surpreso. - A culpa de quê? , - Ele pergunta. - Pela ... mãe. Por ... matá-la. Seu queixo cai. Isso obviamente não é o que esperava. -Não, Kate, claro que não. Eu sei o que aconteceu. Você não a matou, não realmente. -Eu fiz. Ela está morta por minha causa. Foi a sua esposa e agora ela se foi por minha culpa. Estende-se sobre a mesa e cobriu minha mão com a sua, um inesperado gesto paternal. - Kate, você sabe como as coisas eram. Você é inteligente, você viu o que aconteceu entre nós. Ela não era realmente minha esposa ... por um longo tempo. - Olha para os lados culpado. - Não que eu culpo, portanto, qualquer um. Há um monte de culpa de minha parte. Eu acho que, às vezes, eu sabia como as coisas ficavam tão ruins. - Ele olha para mim, seus olhos cheios de remorso. - É, sobretudo, por minha culpa, pela maneira que as coisas estavam entre mim e ela. Eu não estava lá quando ela precisava, e voltava-se, para as drogas gravemente. Eu sabia, mas ignorei. - Ele olha para mim. - Eu vi como ela estava com você.

219 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Por quê? - Eu pergunto torturada. - Por que era assim comigo? Eu estava tão horrível, indigna de ser amada? Por que me odiava? Ele balança a cabeça e suspira, um suspiro longo e decisivo, como se ele fizesse uma escolha. - Há algo que você deve saber, Kate. Algo que você provavelmente merecia saber há muito tempo. - Ele está de pé. - Espere aqui, eu tenho algo que deveria ver. Sobe as escadas com um olhar de sonhador para a porta principal. Eu posso escutá-lo a cavar e, finalmente, retorna, trazendo uma folha de papel com ele. Ele se senta na minha frente, olhando para baixo para o papel como se estivesse decidindo se era bom ou ruim me mostrar, mas, em seguida, deixa-o em cima da mesa e me empurra, não encontrando o meu olhar. Eu olho para baixo. O Certificado de Adoção está rabiscado na folha superior. Minhas sobrancelhas se franzem na testa em confusão. “Minha mãe era adotada? O que isso tem a ver comigo?” Então continuo lendo, observando a data de nascimento do bebê, e os nomes dos pais adotivos, e meu coração para. Eu olho para o meu pai, que está me olhando dolorosamente. - Eu fui adotada? - Minha voz sai em um guincho. -Sim. - Mas eu não entendo. Ela estava grávida, eu me lembro quando ... Ela estava grávida, quando eu era jovem. Eu tenho uma foto dela. Ele balança a cabeça tristemente. - Ela estava. Isso foi um acidente. Tentamos evitar gravidez. - Por quê? -Agora eu entendo ainda menos do que antes. -Há um histórico de doença mental na família do lado de sua mãe, e meus problemas de dependência. Nós decidimos que não queríamos transmitir esses genes. Então adotamos você. - É por isso que me odiava? Por que não era sua filha? - Não, Kate, não em tudo. Ela a amava. Eu sei que é difícil de acreditar agora, mas você tinha que tê-la visto quando a trouxe para casa. Te adorava. Ela passou todo o seu tempo a brincar com você e 220 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett cuidar de você. Mesmo quando descobriu que ela estava grávida, e falou sobre o aborto, que poderia fazer, no final, ainda te amava. Como se fosse a sua própria carne e sangue. E, em seguida, perdeu o bebê. – Sua voz racha, perdido na miséria que traz a memória - Não lidamos bem com isso. Acho que ambos estávamos ansiosos pelo bebê mais do que sabíamos. Algo aconteceu em seguida, como se um interruptor fosse desligado. Ela estava tomando analgésicos para o aborto, seguido de comprimidos para depressão quando não podia com a tristeza. – Me olha. - Ela estava tomando pílulas para o seu tipo de psicose antes de se casar, mas como se tornou viciada em outras pílulas, parou de tomalas Eu gostaria de ter uma desculpa porque ela fez as coisas que fez, mas no final tudo se resume a isso. Ela tinha começado a tomar a seus comprimidos de novo cerca de um dia após a ação de graças, mas, em seguida, parou quando você saiu no natal. Eu tenho vergonha de dizer que eu estava tão confinado em mim e em meus próprios problemas que eu ignorei os dela. E o seu. Não queria lidar com nada disso. E é por isso que você passou anos sendo ferida, e terminamos assim dessa maneira. Eu só posso olhar para ele com surpresa. Minha vida inteira foi baseada em mentiras e egoísmo. - Próximo a Ação de Graças? - Eu pergunto silenciosamente. Posso adivinhar exatamente o que motivou a retomar suas pílulas de novo naquele momento... Ela quase me matou. Eu sinto uma centelha de raiva inflamar. -Você sabe por quê? Ele nega com a cabeça, olhando de soslaio para o meu tom. - Ela me espancou. Gravemente. Eu fique fora por quase uma semana, enquanto os Jamisons cuidaram de mim até me curar. Mesmo que você estivesse ciente do porque, pai? - Cuspi seu nome sarcasticamente. - Kate ...-começa, mas eu interrompo. - Você optou por adotar-me – o acuso, com a voz cheia de veneno. - Você tinha uma responsabilidade comigo. Ambos tinham. E você se desculpa por não lidar com isso? -Eu estou furiosa, e ele olha para o chão, com miséria em cada linha de seu corpo. Amputo qualquer sentimento de compaixão que me vem. - Você esteve bêbado e inútil em sua auto piedade, e eu não sou sua filha! -Minha voz sobe, emoções e pensamentos que rodam em um caos tenebroso na minha cabeça. Quero expressar todos eles, mas eu 221 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett não consigo encontrar um lugar para começar na violenta tempestade que é a minha mente. Parece haver um único lugar para começar. - Eu estou indo embora! - Exclamo, tomando uma decisão repentina, as palavras encontram o seu caminho para a superfície por sua própria vontade. Mas enquanto eu digo, eu sinto fortemente que é a minha decisão correta. - Eu vou sair em alguns dias, e você vai viver o resto de sua vida miserável e solitária da maneira que você escolher. Espero que pense em mim, cada dia que passei, e saiba que você fez isso. Você tinha o poder para impedi-la, mas você não iria lidar com isto. Então, agora viva com o que você permitiu! Eu tomo a certidão em minhas mãos, trazendo comigo quando eu deixo a sala e subo as escadas. Eu bato a porta e fico no meu quarto que tem sido tanto a minha prisão e meu santuário por tantos anos. Eu não sinto nada. Nada além de raiva que queima diante da vida que me foi designada. Prendo a cadeira sob a maçaneta da porta. Poucos minutos depois eu ouvi a porta da frente ser fechada, e o motor do carro sair da garagem. Abro a porta, ouço o silêncio. De repente sou tomada por um forte desejo de estar fora deste lugar. Volto para o meu quarto, até a velha mala de viagem na parte superior do meu armário e furiosamente empurro meu poucos pertences nele, sentindo mais raiva crescendo com o pouco que tenho para mostrar os anos de abuso que sofri nesta casa. Saco o telefone que eu ainda tenho do Dr. Jamison, e chamo o serviço de informações. Marco um novo número que vou chamar a para pedir pelo favor, que esperava que fosse algo completamente diferente quando eu perguntei. Sinto-me aliviada quando Jessica responde. - Sou a Kate, - eu digo, - Eu preciso desse favor agora.

222 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 26 Pergunto a Jessica se se eu posso ficar com ela por alguns dias, em que ela e seus pais concordaram com prazer. Para mim, Jessica é filha única como eu, e disse a seus pais sobre a forma que me tratou ao longo dos últimos anos no seu ataque de arrependimento. Eles ficaram chocados e tristes com seu comportamento, e ficaram contentes que ela tentou fazer as pazes comigo, então eles estavam mais do que dispostos a deixarem-me ficar. Eles têm um quarto de hóspedes, e divido banheiro com Jessica, que me deixa usar. É um pouco estranho no começo, mas estar em um espaço fechado cria um tipo de intimidade forçada, e logo Jessica e eu nos tornamos algo como amigas. Por detrás da fachada, que apresenta na escola é alguém que é realmente uma boa pessoa. - Por quê? - Pergunto uma noite em que nós nos sentamos no chão de seu quarto, olhando fotos antigas de sua família, algo que eu nunca tive, exceto a foto do dia da entrega do meu balanço. -Porquê me odiava tanto? Morde o lado de seu polegar por longos segundos, sem olhar para mim. Finalmente, encolhe os ombros. -É incrivelmente estúpido quando eu penso sobre isso agora. – Levanta o olhar, e eu posso ver a vergonha na cara. - Lembre-se quando éramos amigas? - Aceno. - Mas começou a ficar um pouco estranha. - Olha para baixo novamente. -Acho que agora eu entendo o porquê. Mas porque não me disse? – Olha me, respira e me diz. -Mesmo que você se tornasse estranha, e realmente calada, você era tão linda. Eu estava com ciúmes porque eu queria ser a mais bonita. Eu acho que é bastante egoísta, mas... - Ela dá de ombros novamente. - De qualquer forma, sempre achei que Henry era o cara mais bonito na escola, e em algum momento eu decidi que, se ele era o mais bonito, e eu a mais bonita, devíamos estar juntos. Como um casal super. Depois que eu decidi isso, eu comecei a perceber a forma como ele olhava para você. Ele sempre desviava do seu caminho para ser bom para você. Então eu vi o presente do Dia dos Namorados que ele te deu. Eu me lembro daquele dia e do presente claramente. Eu mesma o tenho ainda em algum lugar. 223 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Me odiava por um presente do Dia dos Namorados? - Eu pergunto. -Algo assim. - esclarece. - Essa foi apenas uma parte dela. Depois disso, vocês dois estavam sempre juntos, de mãos dadas. Mas desde que eu tinha decidido que ele deveria estar comigo, eu virei a minha ira contra você. Como eu era egoísta ... e mesquinha. - Mas ele saiu no ano seguinte. Jessica treme ante minhas palavras, torcendo as mãos culpada. - Naquele tempo, eu acho que o ódio era quase um hábito. Você voltou para a escola naquele ano mais bonita do que nunca... - Soa abafado e ela para, olhando-me com a dor em seus olhos culpados. Ela inclina a cabeça. -Realmente não se vê com clareza. - Seu olhar cai e suas bochechas ruborizam. - Mas eu acho que a culpa é minha também, certo? Me assegurei que você se enxergasse da maneira como o caras a olharam no primeiro dia de aulas. -Jess, nenhum cara olhava para mim. Eu era magra e usava roupas de segunda mão. Eles não conseguiam tirar os olhos de você. Ele sorri tristemente. - Notei, Kate. Então, tive a certeza que os cuidados fossem tomados rapidamente para torna-la uma negativa. Nunca se opôs, não contra mim, ou contra qualquer pessoa. Era tão fácil...- Sua voz desaparece, ouvindo suas próprias palavras. Quando olho para mim, tem lágrimas nos olhos. - Eu não tinha ideia do que estava acontecendo, Kate. Isso não é desculpa, mas eu fiz ficar cem mil vezes pior. Já era ruim o suficiente, ser capaz de tal crueldade, eu poderia fazer a vida de alguém miserável. Então, ao saber o que você estava sofrendo... - Ela de repente se aproxima, tomando minhas mãos. -Você deve me desprezar, Kate. Eu não sou digna de qualquer coisa sobre você, exceto sua aversão. Eu sou uma pessoa horrível. E mesmo sabendo disso, quero que me perdoe. Por favor, perdoe-me, Kate.

224 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eu aperto as suas mãos, enquanto as lágrimas deslizaram por suas bochechas, perfeitas e impecáveis, aquelas bochechas porque eu passei tantos anos com ciúmes. -Você foi muito horrível, - eu digo. Jessica acena com a cabeça em acordo. - Por que você veio para mim, no dia da formatura e do baile e agiu tão bem? -Eu vi você quando você voltou para a escola, e não sabia quem tinha te machucado, mas então eu vi o que eu estava fazendo com uma clareza que eu não tinha tido antes. Eu me senti mal que tinha sido ferida, por isso era muito estranho para mim, me sentir mal por ver você daquele jeito. -Então eu confessei a minha mãe, que ficou horrorizada que sua filha pudesse ser tão má. Eu disse que a única maneira de fazer as pazes com você era sendo sua amiga. Só não sabia como fazer isso. Aperta as mãos. - Eu sabia que não havia nenhuma maneira possível para fazer as pazes com você. Sinto muito por tudo, Kate. Então, sua mãe fez, de modo o que eu fiz, para o que os outros fizessem com você por causa de mim. -Não se lastime. Ele se inclina para trás, surpresa com as minhas palavras. - Eu odeio a lástima -eu digo. - Embora, eu poderia ter uma amiga. -Se me permitir Kate, eu vou ser sua amiga. Vou passar o resto da minha vida tentando fazer as pazes com você. Finalmente eu rio e ela sorri um pouco. -Parece muito melodramático, hein? -Como uma novela, - eu digo. -Tem o Henry também. Meu sorriso vacila e retiro as minhas mãos dela. - Tem o Henry também, - murmuro, me virando. - Estou feliz, Kate. Fico feliz que você tem isso, que ele pode ver o que o resto de nós estava cego demais para ver. 225 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Sim, - eu concordo. - Eu também estou contente de tê-lo. Eu não digo que não vou ter por muito mais tempo, e não lhe olho nos olhos, com medo de que veja a dor e o terror que a ideia de perdê-lo me causa. *** A casa de Jessica é mais distante para a casa de Henry do que a minha, mas com o clima tornando-se mais quente para andar a distância, e Henry me leva de volta em seu carro durante a noite. Eu realmente não posso dizer que entendo por que eu estou tão brava com meu pai, mas eu acho que Emma e Dr. Jamison são um pouco mais compreensivos. Eu tenho pensado muito sobre Henry, tentando encontrar uma maneira que nós sejamos capazes de permanecer juntos. Eu sei que vai para a faculdade, mas não tenho nada para me amarrar a onde estou. Talvez, se eu trabalhar muito e economizar um pouco de dinheiro. Ou eu posso esperar por ele. Vou esperar por ele para sempre se eu tiver que fazer. O pensamento de estar sem ele permanentemente me petrifica. Quando eu estou andando para a casa de Henry, eu ouço o conversa que muda as minhas esperanças. Henry está sentado no quintal com seu pai. Não é minha intenção espionar, mas no final, eu estou contente de fazer. -Henry, não seja tolo, - diz o Dr. Jamison. -Pai, eu sei o que estou fazendo. -Não, eu acho que você não sabe. Filho, eu sei que você a ama, mas desistir de seu futuro por ela? Eu congelei, sabendo instintivamente que eles estão falando de mim. -Sim, eu vou, faria qualquer coisa por ela. - E acabar com raiva e amargo por causa disso. Então a odiará, e ela não merece isso. - Isso não vai acontecer, - argumenta Henry, mas não soa tão certo agora. 226 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Eu não acho que isso vai acontecer, mas eu já vi isso acontecer muitas vezes. Já tinha escolhido a sua carreira universitária, desde que me lembro. Você não pode simplesmente desistir. - Eu não vou desistir. Só estou ... mudando. - Filho, você trabalhou duro por muito tempo para chegar a este ponto. Como você pode pensar isso? - Porque eu não posso imaginar estar sem Kate. Eu preciso. E eu não posso machuca-la desse jeito, deixando-a aqui sozinha. Fugi de lá, então, não querendo ouvir mais. Eu sabia o que ele seria, claro que eu sabia. Embora, agora que penso, eu sei que eu sempre pensei que haveria uma maneira de contornar isso, como muitas vezes como eu conseguia sair da minha casa para estar com ele quando parecia impossível. Porque eu não posso imaginar estar sem ele. Agora eu posso ver e saber o quanto eu dependo dele, ele está disposto a mudar a sua vida, desistir de seus sonhos para mim, uma ninguém. Uma assassina. E eu sei que o Dr. Jamison está certo, que me odiará por isso ao final. Trato de imaginar Henry me olhando com ódio e nojo, e eu fico fisicamente doente ao ver essa imagem em minha cabeça. Eu corro para a floresta, a floresta que tinha sido o lugar de seu baile para mim, um duro teste de quão longe foi para tentar me agradar, tal como tinha feito quando ele renunciou à sua para dar-me meu próprio baile. Sento-me no chão sobre folhas molhadas. Eu sei o que tenho que fazer. Eu tenho que o destruir para salvar. Me inclino, vomitando sobre o chão que prende o meu estômago com o pensamento. Levanto-me e volto para sua casa. Eu tenho que fazê-lo agora antes de perder a coragem. Henry está sentado sozinho no quintal, debruçado sobre uma cadeira de jardim, imerso em pensamentos. Abro o trinco da porta, e senta com o som. - Hey, - diz ele, sorrindo, feliz em me ver, quebrando meu coração. Ele se levanta e me cerca, levando-me em seus braços e me beijando. 227 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Eu relaxo com ele, saboreando a sensação, como qualquer desculpa para adiar o que eu tenho que fazer, tentando uma última vez a ser realizada por ele. -Suas calças estão molhadas. -Nota. -Oh, sim ... eu parei entre as árvores e sentei-me por um tempo, pensando. Ele inclina a cabeça, dando-me um olhar estranho. - Pensando? Sobre algo importante? -Na verdade, sim. Algo que eu tenho que falar com você. -Tudo bem. -Pega minha mão e me leva para as cadeiras de jardim. Sento na frente dele, sem saber por onde começar, não querendo fazer isso. - Você está bem? Existe um problema na casa de Jessica? Ou com seu pai? -Não, não há nenhum problema com a Jessica ou meu... Papai. Jessica e seus pais têm sido ótimos. -Sempre que você quiser pode ficar aqui, você sabe. Meu coração contrai dolorosamente. Com cada fibra do meu ser quer fazer isso, ceder, ficar dentro desta casa acolhedora, ser cercada pelo amor de família. Para ficar com Henry. Acima de tudo, para estar com Henry. -Henry, a coisa é... Eu não posso mais vê-lo novamente. -Eu me ponho de pé a me viro, não querendo que veja o que me custa dizer essas palavras, com medo de que se eu o olhar, mudarei de ideia. - O quê? - Diz incrédulo. - O que quer dizer? -Quero dizer que é hora de crescer, a começar viver para o nosso futuro. E eu não vejo um futuro para nós juntos. - O que você está falando? - Ele se levanta, e uso todos os meus anos de prática onde aprendi a colocar meu rosto em branco contra a fúria da minha mãe, quando eu a enfrentava.

228 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Henry, vivemos vidas diferentes em mundos diferentes. Nosso futuro será totalmente diferente. Você terá sucesso no que você fizer, se você se tornar um médico ou não. Você foi criado para fazer isso. Fui criada apenas para sobreviver, para me vestir com roupas usadas para dirigir carros e viver em casas de merda deterioradas. Esse é o meu futuro. -Isso não é verdade, não comigo. Não deixe que seja o caminho que tenha que viver. -Mas essa é a diferença entre nós, Henry. Eu não me importo. Não aspiro a ser algo que não sou. E você nunca poderia viver da maneira que eu faço. - Você está dizendo que não podemos estar juntos, porque eu não sou pobre? - Parece zangado agora, com dor em suas palavras. - Eu posso viver dessa forma, desde que seja com você. Eu vou, se é isso que você quer. - Mas as suas palavras não são verdadeiras, ele sabe e eu sei. -Você vai para a faculdade, eu vou ter sorte para conseguir um emprego cozinhando hambúrgueres. Você precisa de uma mulher que pode se encaixar em seu mundo que não tem um passado como o meu, alguém cujos pais não são bêbados e drogados, ou loucos. Uma esposa, que não foi acusada de assassinar sua mãe. Imagine tentar explicar aos outros colegas médicos ou seus pacientes quando você estiver tentando exercer sua prática. Os olhos de Henry ficam escuros com a negação, com o rosto devastado. Ele balançando a cabeça, e eu preciso de tudo o que tenho para não colocar o meus braços ao redor dele e tentar aliviar a dor em seus olhos. -Não importa. Está implorando agora. - Eu não me importo com o que pensam. -Mas eu sim, Henry. -Isso o impede.- Porque seria a mim a quem desprezariam, para me excluírem de suas vidas, eu seria a sua vergonha, que me feriria por isso. -Eu ando longe dele porque honestamente, eu não me importo uma dica que qualquer um pensa de mim, ninguém a pensar no futuro, mas se isso é necessário para que Henry me deixe ir, então eu vou usá-lo. - Não faça isso, Kate. Por favor. 229 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Sua voz treme quebrada e profunda em minha alma. Eu não quero, oh, não quero. Mas as palavras de seu pai tocam de novo nos meus ouvidos. Não posso deixá-lo arruinar a sua vida por mim, mal vale a pena. Se não era digna de amor de nenhum dos meus pais biológicos ou adotivos, então eu não sou realmente uma pessoa digna do amor tão puro como de Henry. Eu pego o telefone do bolso, apertando, como se fosse imprimir a sensação de que de alguma forma na minha mão, deixe-me continuar com algo de Henry. Eu o deixo sobre a mesa. -Katy, por favor, por favor, não faça isso. Eu quero estar com você. Eu quero casar com você. -Dá um passo para frente e eu viro para ele com as mãos apertadas em volta dos meus braços. Eu fecho meus olhos na intensidade de seus olhos, contra a minha imensa vontade de me dar para ele, ser egoísta e pegar o que me oferece. Mas por trás de meus olhos fechados, eu vejo nova imagem dele me olhando com ódio e minha decisão torna-se mais forte. -Henry não iria durar. Você sabe disso. - Kate, eu amo você - diz, com saudade em suas palavras. -Eu também te amo. - Eu tento manter minha voz clara, para suprimir a emoção que exige para ser lançada com as palavras. Sempre te amarei. Você era meu melhor amigo. Eu nunca vou esquecer tudo o que você fez para mim. Você não tem ideia do quanto isso significa. Mas agora é hora de prosseguir. - Não, - geme, pressionando a testa contra a minha. Eu coloco minha mão contra sua bochecha, permitindo esta última indulgência. - Adeus, Henry - Eu digo, afastando-me, apressando-me através da porta uma vez que eu estou fora da casa, corro cegamente, com lágrimas inundando meus olhos, sem parar, até que eu não posso correr mais.

230 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 27 Termino permanecendo com Jessica durante todo o verão. Cada vez que eu tento ir, Jessica e seus pais me convenceram a ficar um pouco mais, até que finalmente paro de lutar. Parece apenas mais fácil ficar. Quando chego em casa depois de romper com Henry, e eu digo a Jessica isso, ela fica comigo enquanto eu choro. - Eu não posso fazer isso, -eu digo. -Então não faça, - diz ela. - Volte com ele. Ele fica perto de mim, quando eu passo pela depressão, rastejando para fora da cama em dias em que eu não quero levantar. -Vamos, Kate, vamos tomar um sorvete, - diz. - Eu não quero tomar um sorvete novamente, -digo reclamando. - Então vamos para uma xícara de cianeto. Ouvi dizer que eles servem no oeste o melhor cianeto das Montanhas Rochosas, no Joe. Ela também me diz que eu sou uma idiota, que se tivesse alguém a amá-la da maneira que Henry me ama, faria qualquer coisa para preservar, não para diminuir o amor. Ela não pode, no entanto, ver a imagem na minha cabeça, aquela em que Henry me odeia por destruir o seu sonho, por ser casado com uma assassina perfeita que abalou sua vida. Encontro trabalho no lar de idosos, cuidando de pacientes com Alzheimer aprendo que é necessário paciência e amor para as pessoas que estão sofrendo muito pior do que eu, pessoas que não se preocupam com a minha fama local repentina e me fazem perguntas sobre outros assuntos. Eu faço diversas aplicações de bolsa de estudos, e receber o suficiente para assumir um curso completo de aulas na faculdade da comunidade, incluindo suficiente para cobrir os custos de livros. Jessica também participa, e temos apenas duas aulas juntas. Eu vou para o banco com o dinheiro do vovô Henry e transformá-lo em uma ordem de depósito, que envio pelo correio. Me é devolvido uma semana mais tarde. O mando pelo correio novamente, desta vez com 231 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett uma carta, dizendo que não estou mais com Henry e não preciso de um fundo de emergência . Devolvem novamente, desta vez com uma nova quantia de dois mil dólares, com o sua própria carta. Cara Kate, Estou ciente de equivocado rompimento com o meu neto, mas ainda tenho esperança que se de conta de que perceba sua estupidez e que volte com ele. Entretanto esse dinheiro é meu para fazer o que eu quero, e eu quero que você fique com ele. Estou feliz que já não precisa de dinheiro de emergência, de modo a gastá-lo com você mesma. Você merece. Devolva-me e eu vou voltar com o dobro do seu valor e continuará enquanto você mandar entregá-lo de volta. Você quer ser responsável pela extinção das economias da vida de um homem velho? O amor, o vovô de Henry. A carta faz-me rir e chorar. Tenho saudades vovô Henry, por outro lado sei que nunca iria vê-lo novamente. Mas eu sei o que ele quer dizer, então vou aceitar o dinheiro, desta vez enviando uma carta de agradecimento para sua doação para uma nova vida no “Fundo Kate Mosley”. -Então, eu ouvi dizer que você não dirige, - pai de Jessica, Tom, me diz durante o jantar uma noite. Eu olho para Jessica, que intencionalmente me ignora, servindo batatas no seu prato. Viro-me para Tom. -Isso é apenas um pouco verdade. Eu tenho uma carteira de motorista, apenas não pratiquei, não tinha uma oportunidade para dirigir, então eu não tenho certeza se eu posso fazê-lo ou não. - Bem, então, vamos lá. Ele se levanta, e eu olhei em volta, confusa. Jessica só encolhe os ombros, com a boca cheia de batatas em sua boca, para cobrir um sorriso, suspeito. A mãe de Jessica, Jill apenas sorri e acena a cabeça para seguir o marido. Fomos para a garagem, e Tom me joga as chaves para o seu pequeno SUV ao subir no banco do passageiro. Eu respiro, a subir ao lado. 232 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett E eu me sento sozinha. Depois de um longo momento de silêncio, Tom olha para mim. - E então? ,- Ele pergunta. Viro-me para ele. -Isso é muito bonito, mas... - Mas? -Parece bobagem. Nem mesmo tenho um carro. -Não é grande coisa, - diz ele. - Você será a piloto oficial aqui da família de agora em diante, até obter o seu próprio carro. - Eu não vou ter dinheiro para um carro... -Eu paro enquanto um pensamento vem à minha cabeça. Eu olho para ele com um sorriso. - E agora? -Disse, devolvendo o sorriso. - Você conhece algum bom vendedor de carros usados? - Eu pergunto, enquanto coloco a chave na ignição. *** A família de Jessica é tão diferente dos Jamisons, não é tão barulhento e exuberante, com abraços dadas com moderação, mas ainda assim, bem acima daqueles que conheci. Seus pais são calmas, estáveis e quentes, me acolheram na família em primeiro lugar, como se pertencesse a ela, mas só agora apareci. Eles claramente amam uns aos outros, simplesmente não o demostram ao público como fazem Emma e Dr. Jamison. Estou tecida na tapeçaria de sua família, a tal ponto que até eu consigo algumas tarefas a fazer, juntamente com Jessica. Quando o verão está chegando ao fim e começam a falar sobre se mudar de novo, me ignoram, sem fazer um grande barulho e eu me encontro, me hospedando novamente. Acontece que Tom tem um amigo que é dono de uma concessionária de carros e me ajuda a encontrar um bom carro usado a um preço baixo, Uma vez que pago por ele, de alguma forma eu me sinto culpada sobre o uso do dinheiro do avô de Henry. 233 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett A dor de perder Henry nunca alivia, apenas aprendi a viver com ela. Eu evito lugares na cidade em que eu sei que ele poderia estar. Jessica trata de dizer as coisas que ela ouve falar sobre ele, mas tapo os meus ouvidos infantilmente, o seu nome é muito doloroso mesmo de ouvir. Eu não sei o que está fazendo, mesmo que eu perca a visão de sua face, o toque de sua mão, beijar seus lábios, então eu choro todas as noite antes de dormir. Então acontece, a única coisa que eu temia. Estou voltando para casa do trabalho, e quando eu paro em um sinal, eu vejo um carro familiar vindo do outro lado. Eu rapidamente mudo para outro caminho, esquivando-me, procurando sobre o volante. Meu coração está batendo forte, minhas mãos suando. Minha reação é completamente visceral, e eu estou arrebentando em pedaços, então estou sentada e assistindo, esperando e temendo. É Emma. Respirar um suspiro de alívio e começo a tremer após o choque. Não era quem eu pensava, mas era quase tão ruim como se fosse. Uma onda de saudade bate em mim, e por um momento de loucura, eu penso em virar com o meu carro e segui-la. Então eu tiro sarro de mim. - Ok, Kate, controle-se! –me ordeno. Tento imaginar o que teria acontecido se tivesse sido Henry no carro, e a dor me banha e oprime. Eu acho que se eu visse Henry provavelmente, em qualquer lugar teria um enfarte e a reação atual no meu corpo é uma indicação. Pelo menos na mesma hora entraria em colapso o progresso que consegui manter sobre a tentativa de viver sem ele, não importa o quão pequeno o progresso. Eu me imagino saindo da cama, e tentando ter uma vida, é melhor do que nada. Conheço algumas pessoas novas na classe da Universidade, embora eu ainda lute com problemas de confiança em acreditar em alguém queira me conhecer, sem más intenções. Eu estou vendo um psiquiatra novamente, por insistência dos pais de Jessica, que são preocupados com a minha profunda depressão depois de Henry. Depois de ter visto e sentido o resultado de depressão não tratada em primeira mão pela minha mãe, eu concordo. Eu não preciso de comprimidos, recuso-me a levá-los, como uma questão de fato, Eu só preciso de alguém para me ajudar a superar tudo isso. Ele está me ajudando a aprender a confiar, a acreditar em mim 234 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett mesma, e a seguir em frente sem Henry. Continua incentivando-me a encontrar um namorado, mas eu sei que isso n達o vai acontecer por um longo tempo, se isso acontecer novamente.

235 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 28 O psiquiatra me incentiva a fazer as pazes com meu pai. Descobri que meus pais biológicos são estranhos, que me deixaram nos degraus de um hospital ... Na verdade, não é romântico quanto sonhei. Então eu decidir tentar vê-lo. Ironicamente eu paro na frente da casa ao lado da casa onde eu cresci, no lugar onde Henry havia me deixado evitar ser visto. Meu pai está em casa, por mais estranho que seja no meio da tarde em um Sábado. Ele tem a cabeça apoiada aberta sob o capô do seu velho carro. É uma coisa normal de se fazer, mas peculiar, algo que eu não me lembro de ter visto fazer antes. Eu assisto por alguns minutos, olhando para a raiva dentro de mim. Há um pequeno estrondo nas profundezas de meu estômago, mas a maioria está desaparecida. Deixo meu carro, e ele salta com o som da porta de meu carro sendo fechada, batendo sua cabeça contra a capô aberto, xingando enquanto ele esfrega no momento do golpe. Seu olhar cai sobre mim e ainda estão esfregando as mãos, quando eu me aproximo vê com descrença. - Oi, - eu digo, quando eu chego ao outro lado do carro que está. - Oi - repetiu, sua voz reflete sua confusão. Pega um pedaço de pano deitado no para-choque, esfregando nas mãos para limpá-las. -Problemas com o carro, hein? - Eu digo a ele. Ele olha para o motor como se pudesse haver algo lá para explicar a minha presença. -Sim, eu ainda acho que vou mantê-lo por mais alguns anos, mas ele tem suas próprias ideias. -Concordo com a cabeça e ele olha por mim, para onde meu carro está. -É seu? , - Ele pergunta. -Sim, eu tenho há um mês. -Funciona bem, hein? - Eu dou de ombros. -Isso parece. -Se você precisar olhar para ele, eu posso... -Seus voz falha. Olha indeciso. -Tudo bem, poderia trazê-lo em algum momento. -Minha resposta o surpreendente. Fica em silêncio por um minuto, olhando, mudando de posição nervosamente. 236 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Você quer vir, tomar uma bebida ou algo assim? - Ele pergunta, mas parece como se esperasse um não. -Claro. -Mais uma vez, levanta as sobrancelhas em estado de choque para minha resposta. Eu o segui, sentando à mesa, enquanto lava suas mãos na pia. Aproveite a oportunidade para olhar ao redor. Serei honesta, eu esperava que o lugar estivesse em desordem, os pratos empilhados na pia, o chão manchado. Está limpo e organizado. Quando ele abre a geladeira para bebidas frias, está cheia de alimentos e o mais incomum de todos, sem cerveja ou outros tipos de álcool que podia ver. Quando senta em frente de mim realmente o olho pela primeira vez. -Você está bem, - eu digo, e é verdade. Seus olhos são claros. Seu rosto está ansioso porque eu estou aqui, mas no fundo está relaxado, sem nervos ou espasmos nervosos. Seu nariz está marcado por listras de vasinhos sanguíneos, indicando o alcoolismo, mas não vermelho. - Obrigado. Você também. -Toma um gole de sua bebida, me observa. -Um monte de minhas memórias estão relacionadas nesta mesa, eu digo, passando minhas mãos através da superfície limpa e desgastada. -Embora não todas elas sejam boas, hein? Eu olho para ele, lembro-me a minha última vez aqui, quando eu soube que ele tinha me adotado, o jantar de ação de graças, todas as refeições a serem servidas, mas que não foram comidas por mim. Então eu penso nas vezes que eu me sentei aqui com Henry ou Emma. E mesmo alguns daqueles momentos com meu pai lá. -Nem todas elas são ruins, - eu digo. Ele limpa a garganta, atravessando suas mãos ao redor da lata de refrigerante. - Kate, eu tenho algo a lhe dizer, se estiver tudo bem. - Seus olhos estão voltados para a mesa. -Claro. -Eu me pergunto que outra revelação que pode me dar, e se isso vai explodir meu mundo, explodir novamente. 237 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Eu sou um alcoólatra, - diz casualmente o que faz minha boca abrir um pouco. Não que não soubesse. Não que eu não soubesse. Mas eu não podia admiti-lo antes. Agora eu posso. Ele olha para mim. Eu tenho ido ao “Alcoólatras Anônimos” para pedir ajuda. -Isso é bom, - eu digo, e eu realmente quero dizer. - Eu deveria ter feito isso anos atrás, no entanto. Antes de você nascer, antes de sua mãe e eu nos casamos, estava tendo problemas com a bebida e tinha recebido ajuda, então, mas não durou muito tempo. Eu estava bem até que eu perdi meu emprego. O que não deveria ter sido tão ruim, mas eu estava com medo e ela estava grávida com um bebê que não deveria ter, como tivemos de ser responsáveis por essa casa e sua hipoteca, contas de outras coisas. E, em vez de lidar com tudo, eu me virei para o álcool para aliviar o stress. - Eu sei que isso não importa agora, com tudo o que aconteceu, mas é importante para mim compreender que a maior parte dos últimos dez anos têm sido uma névoa bêbada para mim. -Ele levanta as mãos como se protestasse. - Não é desculpa para o que eu fiz. Ou então eu não tenho feito. Ou deixar que nada acontecesse com você. Presumo que tinha toda a responsabilidade por isso. Eu era o seu pai, e nem sempre agi como tal. Mas Kate, eu sempre te amei. Eu fiz um trabalho muito pobre em prová-lo, mas eu amei. - Por que agora? - Eu pergunto, curiosa. - Aconteceu alguma coisa com você para decidir obter ajuda? -Você. - Responde como se devesse ter sido óbvio. - A última vez que esteve aqui. Você estava tão irritada. E eu percebi que a culpa foi minha. - Ele sorri tristemente. - Quando cheguei em casa e você não estava aqui, e não voltou, eu sabia que eu tinha destruído a única coisa que tinha de bom na minha vida. -Mas você não foi me buscar. -Não. Ele balançou a cabeça. Eu percebi que me odiava, e com boa razão. Eu não tinha o direito de lhe pedir para me perdoar. Mas eu sabia de você. - Sério? -Eu levei algum tempo para ficar sóbrio. Quando eu fiz eu realmente percebi que a havia perdido. Então eu perguntei pelos arredores. Eu sabia que você estava vivendo com a família de Tom Bolen na loja de 238 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett hardwares. Demorou algum tempo e várias conversas com ele convencê-lo de que a minha preocupação era genuína, que não a procurei para causar-lhe danos, antes que ele me dissesse qualquer coisa. - Ele acena com a mão à parede, a abertura entre a cozinha e a sala de estar, e eu vejo um telefone branco pendurado na parede. -Eu finalmente consegui um telefone. Eu fiquei sóbrio, de modo que posso manter o meu trabalho, para que eu possa pagar uma conta de telefone, para que eu possa falar com Tom sobre você. Ele balança a cabeça. - Patético, não é? -Não é patético. É responsável. Paterno. Seus olhos brilham com algo como esperança e raiva permanecendo em meu coração derretido. Eu tomo um bloco e uma caneta da minha bolsa, rabiscando números nele, entregando a ele. - O número do meu celular, - eu digo. - Pode chamar diretamente agora lhe direi como estou. - Eu posso chamá-la? -Claro. - Ele está olhando para o papel, esfregando o dedo leve na tinta. - Você acha que algum dia você pode permitir que eu possa ser seu pai outra vez? - Ele pergunta em voz baixa. - Eu gostaria disso. -Eu cubro a sua mão com a minha. Ele se inclina e me beija os dedos. - Eu posso ficar para o jantar? Eu poderia cozinhar para nós, - eu digo. - Você pode ficar, mas eu cozinho. Eu me tornei muito hábil com grelhado. Gostaria de mostrá-lo para alguém, além de mim há um tempo. Eu rio. – Feito! *** Desde aquele dia eu falei com ele ao telefone quase que diariamente. Estou em casa algumas vezes por semana para jantar com ele. Sóbrio é um homem novo , ele está longe de ter a estranha intoxicação que tinha conhecido antes. Uma vez ele me perguntou sobre Henry porque o pai de Jessica tinha dito que eu tinha terminado com ele, mas eu o interrompi, recusando-se a falar sobre o assunto, e ao contrário de Jessica, ele não perguntou novamente. Às vezes, eu o vejo olhando para mim com um olhar triste, com a confusão em seus olhos e 239 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett eu sei que quer perguntar, quer saber o que poderia ter nos levados a terminar, mas ele não faz a pergunta. O verão se finda e circula o outono, as montanhas mudam de verde para vermelho, como a mudança das folhas, e, finalmente, para o branco quando chega o inverno e a neve cai. Minha vida é uma vida média, mas ainda mais do que tinha tido antes de Henry. Eu vou para a escola e faço o melhor, eu não sinto a necessidade de me manter despercebida com notas medíocres. Vou trabalhar e eu tenho que fingir ser qualquer coisa, porque a maioria dos pacientes têm problemas de qualquer maneira, lembrar de mim apenas ocasionalmente. Vou ao cinema com Jessica, e assisto TV com seus pais. Passei um tempo com meu pai, ainda assistindo a algumas reuniões do AA com ele. Eu vejo o meu psiquiatra que trabalha em minha culpa e falta de autoestima tanto quanto possível. Eu sorrio e rio quando eu tenho que fazer. Eu finjo que estou bem consciente de que ele se foi, onde quer que seu destino tem sido. Pouco antes do Natal, volto para casa com meu pai. Estou determinada a manter uma cara feliz para ele, para ajudar a ficar sóbrio e não afundar com a minha dor. À noite, eu ainda choro e sonho com Henry, eu sinto falta dele com uma solidão dolorosa que ameaça esmagar tudo na minha vida.

240 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Capítulo 29 A primavera chega mais cedo. A neve e o gelo derretem rapidamente, as flores da primavera florescem quando não deveriam. sigo avançando tanto quanto eu posso, então eu estou feliz com as flores, especialmente quando eu estou no campus, porque elas são tão bonitas. Elas se sentem como uma nova vida, um novo começo. Eu gosto de andar de prédio em prédio para a escola, com o sol quente nas minhas costas. Eu uso a jaqueta que Henry, me deu, optando por esse pequeno pedaço de autotortura, sentimento de pena fornecido mais perto dele. Quando eu ouço meu nome sendo chamado de uma tarde de primavera, uma voz mais familiar do que a minha, eu decido que é o poder da ilusão, pois estou usando o seu casaco. Eu viro de qualquer maneira segurando meu sorriso para não demonstrar o quanto eu quero que a voz pertença realmente a ele, à espera de ver um dos meus colegas lá. Meu sorriso cai, meus braços ficam fracos em meus livros, que são espalhados pelo chão, quando meus olhos pousaram sobre ele. Ele está aqui, na verdade, aqui, de pé, três pés de mim. Ele me estreita, com um sorriso irônico cruzando seu rosto enquanto ele leva os livros espalhados. Meu coração torce com expressão dolorosamente familiar, minhas mãos enrolam em punhos, com as unhas para me impedir de gritar de dor. -Ainda não é boa emcarregar livros hein? - Ele pergunta, seus olhos estão fixos no meu rosto. Mas sou atingida pela dor que eu vejo refletida em seus olhos. Eu agacho, para pegar meus livros, até que eu tenha uma oportunidade para reagrupa-los. Qualquer chance de que esteja perdida enquanto cada vez mais se aproxima de mim agora. Pouco a pouco eu me coloco de pé, respiro, querendo correr, mas fico e o enfrento de qualquer maneira. - Por que você está aqui? -Tenho a intenção de que soe como se não me importasse,. Em vez disso as palavras soam quase sem fôlego, com a dor que subjaz a cada sílaba. -Eu realmente não sei, - diz ele, suas palavras ecoando a resposta da primeira vez que falei com ele, quando eu lhe perguntei por que ele queria ser meu amigo. -Você deve ir. - Eu ordeno meus pés viram para ir embora, mas desobedecem, e permanecem fixos no lugar. 241 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett - Eu não posso, Kate. - O som do meu nome nos seus lábios é como um golpe físico. Eu movo ligeiramente para trás com o impacto. Não até dizer o que eu vim dizer. -Diga então. - murmuro baixinho, esperando que este momento termine agora, porque eu acredito não ser capaz de resistir muito mais, mas também querendo alongar, para que possa me embriagar com sua visão, o que é realmente muito melhor do que nos meus sonhos. -Eu acho que é hora de parar de ser uma mártir. - Suas palavras vêm duras, com a tensão em sua mandíbula. Passa os dedos pelo cabelo, o gesto é tão encantadoramente familiar que dói. Dá mais um passo de perto. - Quanto tempo mais nós temos que sofrer, além do momento em que o senso de justiça é cumprido? - O quê? –Suspiro. - Você acha que isso é algum tipo de masoquismo, ou autopunição? -Se não, então o que é? - Sua voz se eleva, e alguns alunos nas proximidades olham em nossa direção. -Isso não pode funcionar, Henry. Eu te disse ... - Você me disse um monte de porcaria! Pensei em tudo o que você disse, uma centena de vezes por dia, todos os dias, e não faz sentido. A única coisa que faz sentido é pensar que você não é o suficiente boa para mim, você acha que você não me merece. Você acha que você tem que fazer sacrifício para, finalmente, fazer todos felizes. Isso está tão próximo da realidade que a dor é derramada sobre mim. Por sua vez, eu converti a dor em raiva. -Muito arrogante, Henry. Parece que você pensou que você é muito bom para mim. -Não tente transformar minhas palavras, Kate. -Você estava comigo só porque sentiu pena. Eu era apenas uma pobre criatura resgatada. - Não! - Sua negação é veemente. – A principio não. E depois, bem, talvez uma vez um pouco. - Estou espantada que ele me admita isso. Mas não depois disto. Eu me apaixonei por você! Com sua força e coragem, engenho e inocência, sem nenhum senso de humor não instruído. Com sua lealdade e como de bom grado me deu seu amor e confiança. 242 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett -Não exatamente lisonjeiro, Henry. – Repasso suas palavras, tentando encontrar uma parte em seu discurso que não seja como uma canção através de meu coração, tentando manter minha raiva. Finalmente encontrar uma única palavra. Leal! Como um bom cão. -Está distorcendo minhas palavras de novo, Kate - resmunga. Seu rosto está a apenas alguns centímetros do meu, enquanto gritamos um com o outro, quão perto que se eu dobrar a poucos centímetros mais curtos, nossos lábios se tocariam. Vejo que quando Henry percebe o mesmo, quando sua cara muda à expressão de raiva, quando ele começa a avançar. Eu canalizo cada gota de autocontrole e força de vontade que eu tenho em mim para me jogar para trás e dou um passo para longe dele. Sua mandíbula aperta. -Isso é estúpido, Kate. Eu te amo. Eu quero estar com você. Hoje, amanhã e sempre. E eu sei que você me ama. Diga-me que estou errado sobre você, sobre por que você me deixou. Diga-me que não me ama. Eu sei que deveria abrir a boca e dizer as palavras, dizer uma mentira, e então ele pode seguir em frente. Eu abro minha boca. Nada vem para fora, e eu forçada a fechar. -Ainda usa a minha jaqueta. – A acusação está misturada com sua miséria. A ajusto mais sobre mim em resposta, minha garganta está bloqueada pelas lágrimas. -Então aqui está o negócio, - diz ele, quando eu fico quieta, limpando a garganta e começando do zero. Ele se aproxima de mim, e depois se detém, sua mão cai inutilmente para o lado. - Eu estou vivendo em casa, vou para a faculdade daqui, para a faculdade em que está, então eu vou estar cursando pelos próximos três anos. E depois disso eu não sei onde eu vou estar, mas isso é o que sei, que eu quero estar contigo. Eu não vou ficar sem você, mas ficarei. E, em seguida, voltarei para você. Se eu tiver que esperar um dia ou 20 anos, esperarei por você. Então, quando você decidir o que fazer com isso... - Sua voz sai procurando a palavra certa. Aparentemente, não encontrando, ele continua – Se decidir já nos castigou o suficiente, volte para mim. Porque foi a isso que você me reduziu, um homem que vai viver uma vida pateticamente vazia, apenas esperando por você. - Ele olha firmemente mais do que um segundo eterno, enquanto um redemoinho com milhares de pensamentos passam na minha cabeça, cada um lutando para sair, sem ter sucesso. Finalmente, ele se vira e começa a se afastar, ignorando as lágrimas correm pelo meu rosto. Ele faz uma 243 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett pausa e murmura - Estou torturado, Kate. - Antes de ir para longe de mim. -Henry. - O nome dele sai antes que eu possa parar, antes de saber o que estou tentando dizer. Ele para, congela, e então lentamente se vira para mim. Seu rosto está cheio de miséria, dor brilha em seus olhos, cada linha de seu corpo reflete seu desespero. E eu percebo que tudo isso é devido a mim. Eu o amo mais do que pensei que fosse possível amar alguém, e aqui estou eu, causando muita dor, quando tudo o que queria era fazê-lo feliz. Com isso, a minha decisão está tomada. Minhas lágrimas secam, ergo os meus ombros. -Eu quero contar uma história, eu digo. É sobre uma menina, que se apaixonou por um rapaz. Mas ela não achava que era digna do amor deste menino, ou o amor de alguém. Ela pensou que tinha que sair de sua vida para ele poder ser feliz. - Eu vejo que lentamente a compreensão atravessar seu rosto, embora ainda temperada com a ideia de que posso não estar dizendo o que ele quer. Eu começo a andar lentamente em direção a ele. - Ela era uma menina boba, infeliz e solitária, que chorava até dormir todas as noites porque perdeu muito. Mas isso não importava, o que importava era que ele estava melhor sem ela. - Ele balança a cabeça, abrindo a boca para protestar, mas eu estou à frente dele, e coloco o dedo levemente sobre seus lábios para impedilo. Calor, e um senso de precisão, atravessam-me ao contato, estando quase a ponto de descarrilar um trem com o pensamento. - Mas um dia ele veio até ela, e ela podia ver que ele estava ferido, e que ela tinha provocado isso a ele, - minha mão segura seu rosto - que tinha machucado ele, mesmo que ela preferisse morrer mil vezes lentamente, mortes agonizantes, ao invés de ter causado a ele um único segundo de dor. E ela percebeu que talvez estivesse errada. - Sua mão captura a minha, pressionando a palma da minha mão contra seus lábios. - Ela percebeu que talvez ela pudesse fazê-lo feliz, e ela se perguntou de forma agradável, se ele poderia perdoá-la e dar-lhe outra chance. Se talvez ele permitir-se-ia passar o resto de sua vida com ela lhe mostrando o que e quanto ela lamenta e que o ama muito. -Sua mão livre está na minha bochecha, colocando em meu queixo. -Já ouvi essa história, - ele sorri. - Ah, é mesmo? - Eu pergunto, se perder em que seus olhos escuros agora estão brilhando. – E como essa história termina? -Ela não termina,- diz, se arrastando perto. - Ela se inicia desta maneira. 244 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Quando sua boca desce a minha, meu coração bate com a carga e livre ele se eleva. Eu estou de volta onde eu pertenço.

245 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Epílogo Henry Deslizo minha mão debaixo da mesa, correndo os dedos gentilmente, lentamente por seu braço até que nossas mãos estejam unidas. Imediatamente ela vira a mão, envolvendo seus dedos com os meus. É muito conveniente que eu sou canhoto e ela destra, porque eu posso tomar a sua mão quando eu quero e sem interromper sua meticulosa concentração. Ela não olha na minha direção, mantendo os olhos resolutamente à frente da sala, aparentemente ouvindo cada palavra, que o professor diz. No entanto, eu sinto muito bem. Os cantos de sua boca sobem, e um pequeno suspiro escapa de seus lábios. Vou receber um beijo depois da aula. Eu sempre soube que Kate era teimosa, mas eu não tinha percebido a qual ponto poderia chegar, até que eu decidi como nossas vidas deveriam continuar. Descobri que Kate tinha suas próprias ideias. Ela ficou na faculdade da comunidade por mais um ano completo enquanto eu estava na Universidade. Não importava o quanto era lisonjeiro, eu implorei e ameacei, mas ela fez o que ela queria. Era uma tortura, com nossas agendas tão cheias, vê-la tão pouco. No ano passado, ela se transferiu para a Universidade, e embora esta seja a única aula que temos juntos esse ano, organizamos os nossos horários de modo que nós podemos estar juntos na escola, todo o momento possível, e por isso, foi o mesmo em casa. Kate vive com seu pai, ao qual se apegou muito. John fez transformar sua vida completamente em torno de Kate... Uma sensação com a qual eu simpatizo completamente. Finalmente sendo o pai que se negou por muitos anos. Ela se recusa a casar comigo. Diz que não se casa comigo até terminar os seus estudos e poder me apoiar quando eu for para a escola médica. Está a menos de um semestre de obter o seu diploma de professora. 246 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Quer ensinar na quarta série, ela diz, foi nesse momento que ela precisava de alguém para ver que sua vida em casa estava se deteriorando. Ela quer estar na posição de fazer algo por alguém se necessário. Minha compassiva, e corajosa Kate, seria a pessoa certa para fazer isso. Eu fico olhando para Kate, obrigando-a a olhar para mim. Ela abaixa a olhar para o papel em que está tomando notas, deslizando seus olhos lateralmente para checar-me sob seus longos, cílios escuros. -Eu te amo. - Formulo silenciosamente com os lábios, esfregando o polegar na palma da sua mão descansando em seu colo. Ela sorri abertamente para mim. -Eu também. - É a resposta de sua boca. Assim, de maneira ausente, passo a mão pelo seu cabelo, desarrumando-o, e seu olhar derrete. Eu sorrio silenciosamente. Nunca deixo de surpreender as coisas que ela ama em mim. Já disse várias vezes que considera que o hábito “adorável”. Não sei como me sinto sobre que... Não soa muito viril ser “adorável”. Mas, então, ela me olha dessa forma, quando eu faço e, de repente, eu não me importo de ser “adorável”. Eu não sei exatamente quantas vezes eu já me declarei. Muitas. Mas terá que dizer que sim em breve. Não só porque eu não posso esperar mais, mas porque isso é o certo. Desta vez eu tenho um ás na manga. Fui aceito na pré-medicina em Maine, que é cerca de 4023 milhas de distância, e eu não vou sair sem ela. Dirá que sim, porque é a única maneira de ir comigo, é se tiver o nosso casamento legalizado. Ela é muito firme sobre isso, que não podemos morar juntos até que estejamos casados. Parte disto é por valores pessoais, além disso, eu penso, é porque teme que eu a deixe. Ela não sabe que eu nunca vou deixá-la, e se ela for, eu vou seguir até os confins da terra. Oh, vai protestar. Dizer que não é boa o suficiente para ser o esposa de um médico, que os meus colegas vão rejeitá-la. É equivocada. Kate nunca foi capaz de ver a si mesma como ela realmente é. A raiva passa por mim quando eu penso sobre o que fizeram a ela, por ter 247 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett uma visão tão pobre de si mesma. Me acalmo, ela me ensinou sobre o perdão, deixar ir, então eu estou trabalhando nisso. O que ela não sabe é o que eu vejo. Se alguém tentar deprecia-la, e a fizer se sentir inferior a eles, ela vai varre-los com sua dignidade calma. Não é mais o ratinho a que costumava ser reduzida. Eu olho de novo, eu vejo a curva de sua boca, enquanto ela empurra seu ombro contra o meu. -Pare de me olhar, - diz ao gesto. A coisa boa sobre gestos é como é fácil ignorá-los. Ela olha para mim e eu vejo, esse lampejo de orgulho e confiança que aparece quando ela não está se esforçando para esconder. Eles não estariam pensando que ela não é boa o suficiente para mim, eles iriam estar se perguntando por que ela está comigo. -Isso é tudo por hoje, - anunciou o professor, e rapidamente jogo meus livros na minha mochila assim como Kate lentamente organiza os seus por tamanho na mochila que eu comprei. Impaciente, empurro seus livros pela borda da mesa dentro do mochila, puxando-a em meio a seus protestos, empurrando-a para sair da sala. -Henry, o que ... Corto sua palavras com minha boca enquanto eu a empurro em um canto, Preciso dela em meus braços. Ela responde imediatamente, fogo encontra o fogo. - Por que isso? - Ela pergunta sem fôlego quando a libero para puxar algum ar. - Será que isso importa? - Eu brinco. -Não.. - Ela sorri, me puxando para outro beijo. Sim, com certeza vou ter que pressioná-la para fazer este casamento... Em breve. Eu não posso imaginar nada melhor, nada que eu queira mais, ou nada que desejo mais do que tê-la em meus braços. Para sempre. 248 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett Fim

249 Adoro Romances em Ebook


Heart on a Chain - Cindy C. Bennett

Biografia da Autora Cindy C. Bennett nasceu e foi criada em Bela cidade de Salt Lake, crescendo no sombra das majestosas Montanhas Rochosas. Ela vive com o marido, duas filhas e dois cães. Ele também tem dois filhos. Ela é voluntária com adolescentes entre 12 e 18 anos, que são criaturas belas e fascinantes. Quando não está escrevendo, lendo ou respondendo emails, você pode encontrá-la montada em sua Harley através dos belos cânions perto de sua casa -Sim, eu dirijo uma Harley e não, você nunca saberia, olhando para mim! Por favor, visite o site do autor www.cindycbennett.com

Este livro é de fãs para fãs. Não pode ser obtido qualquer tipo de lucro com este material. Se você gostou do livro, compre, vamos pretigiar os autores. Um incentivo à leitura.

250 Adoro Romances em Ebook

Cindy c bennett heart on a chain (livro único) (revisado)  
Cindy c bennett heart on a chain (livro único) (revisado)  
Advertisement