Page 1

Sara da Cunha Pimentel | Projecto Eroteca | LSD 2012


EROTECA O que se entende por Eroteca? Uma biblioteca erótica? Um armazém exótico? Foi a primeira vez que ouvi a expressão. Portanto, um espaço para explorar e dar largas à imaginação... lasciva, promíscua, diga-se. Palavra tão forte, de conotação tão negativa... Até parece mau! "proibido brincar com a comida, dormir sempre a horas certas, sexo só depois do casamento"... São ou não são necessidades básicas? Não sei se é por ser o país em questão, seja cultura, seja igreja, pudor, não sei. Nem sei porque decidiram tornar tudo o que dava prazer um pecado. Nem sei porque isso prevalece hoje em dia. Uma frase de alguém que muito admiro vieram-me à memória ao pensar no propósito deste projecto: "Considero a vida uma coisa demasiado importante para dela se falar de maneira séria." Oscar Wilde Se calhar não tem muito a ver. Mas porque não brincar? Porque tem tudo que ser tão sério? Se calhar estou a desviar-me drásticamente do assunto. Eroteca. A roupa, os objectos e o local, a fantasia está toda exposta. Um templo dedicado ao erótico, talvez? Portanto um sítio onde devemos poder dar largas à imaginação, onde o pudor e inibição ficam à porta. Encarnar uma personagem que, igualmente, deixamos à porta quando saímos. Aqui é um local onde o sensual domina. Qualquer corpo, qualquer pessoa pode ser o que quiser, qualquer pessoa pode ser desejada. Transparências, sombras, silhuetas. Preto, branco, aubergine. Correntes, grades, fechaduras. Nos provadores há a obrigação de ser Sexy, as portas são translúcidas e há um foco de luz do outro lado, portanto seremos actores de um teatro de sombras cujos expectadores são estranhos, ou vizinhos, ou amantes. Tal como na casa de banho, caso o desejo seja demasiado para aguentar até um local menos público, bom. Estamos ou não, afinal, a tentar libertar os pudores? Então a casa de banho, também nos tons de aubergine, aqueles magentas mais escuros e intensos com um toque de roxo, para libertar aquela paixão incendiada pela criatividade, tecto em espelho para que nada se perca, paredes de metal despolido, um toque frio no meio do fogo e, porque não, se estamos numa de voyeurismos, separando os dois cúbiculos está nada mais que uma janela translúcida. Porque não dar um espectáculo anónimo ao utente da casa de banho ao lado? Creio, agora, que me entusiasmei bastante com este projecto. Não deixa de ser, a meu ver, um tema que ainda precisa de ser bem explorado e desmistificado, e não deixa de me entristecer o facto que é impossível falar sobre este assunto abertamente com toda a gente. Uns tapam os ouvidos, outros dizem "Ai q'horror", depois as risadas, as coradas, aqueles que imediatamente ficam prontos para a acção, e os que desligam o cérebro para somente pensar em: "mamas". Tendo isto em conta, deitei os pudores às urtigas, e já que tenho que separar os espaços por razões técnicas, porque não apelar um pouco mais a esse nosso lado oh tão sombrio, e usar umas bonitas grades de aço? Se calhar alguém se lembra de usar logo as algemas que acabou de comprar... Não há maneira de justificar esta peça. Despejei tudo o que sentia sobre o assunto, quis desmascará-lo.

Memória Descritiva


Planta


Esquiรงos


Esquiรงos


Esquiรงos


Perspectiva 01 Lingerie


Perspectiva 02 Lingerie


PerspectivaPerspectivas 03 Lingerie


Perspectiva 04 Balc達o da Loja de Lingerie


Perspectiva 05 Sex Shop


Perspectiva 06 Sex Shop


Perspectiva 07 Bar


Perspectiva 08 Bar


Perspectiva 09 Instalações Sanitárias


Perspectiva 10 Instalações Sanitárias


Perspectiva 11 Instalações Sanitárias


Perspectiva 12 Instalações Sanitárias

Projecto Eroteca  
Projecto Eroteca  

Caderno de apresentação com memória descritiva, esquiços e perspectivas 3D

Advertisement