Issuu on Google+

O Natal do burrinho cinzento Sou um pequeno burro, cinzento e coxo. O meu dono nunca gostou de mim, por isso me fui tornando triste e, por vezes, mau. Com ele peno pelas ruas da Judeia. Esta noite, fatigados e cheios de pó, chegámos a uma vila chamada Belém. O meu dono instalou-se no último quarto livre da hospedaria. E eu fiquei num pequeno estábulo tranquilo onde já dorme um boi. De repente, a porta abre-se. ― Isto é um sítio pobre, Maria ― murmura um homem. ― Não te preocupes, José, ficamos bem. É tão doce esta voz que, pela primeira vez na minha vida, sinto alegria no meu coração. Será que foi um anjo que entrou? Levanto-me e vejo uma encantadora jovem com um belo ventre redondo. O seu olhar brilha sob um véu bordado, os seus olhos imensos parecem reflectir todas as estrelas do céu. Olha-me e sorri com bondade. Volto a deitar-me a bocejar.


Já dormito quando o grito de uma criança ecoa. É tão forte que parece celebrar a alegria do seu próprio nascimento! Levanto-me com o coração aos pulos. Maria, maravilhada, veste o recém-nascido. José inquieta-se: ― Não terá frio? Timidamente, aproximo-me e, com o meu bafo, procuro aquecer aquela criança aconchegada no colo da mãe. Estou orgulhoso por poder fazer isto, eu que não passo de um pequeno burro mal-amado. Uma estranha claridade invade agora o estábulo. No céu, irrompe o canto de uma multidão de anjos e, no meio de um alegre burburinho, o povo chega, trazido pelos pastores. Nessa noite tudo se passa como se fosse um sonho. Mas, de manhã, chega o momento que tanto receava. O meu dono abre a porta e deposita diante da criança um pequeno saco com moedas de ouro; em seguida, faz-me sinal para o seguir. Não me mexo; o meu coração estremece. ― Vamos, ― grita ― avança! Olho para Maria com ar suplicante… Ela diz com doçura: ― Agradeço-lhe o saco de ouro que ofereceu ao meu filho Jesus, mas o seu burro ser-nos-ia bem mais útil, porque temos ainda um longo caminho a percorrer. O meu dono hesita: ― Este burro, por vezes, não é nada manso… Maria sorri para mim, confiante:


― Não tenha medo! ― responde. Então, o meu dono saúda-nos e sai. O meu coração dá pulos de alegria; sinto vontade de saltar. Está prometido: não abandonarei nunca Maria, José e o pequeno Jesus. Vou tornar-me bom e doce, porque encontrei alguém que me ama!

Laurence Batz ; Quentin Gréban (ill.) Le Noël du petit âne gris In 24 histoires merveilleuses pour attendre Noël Paris, Ed. Fleurus, 2008 (Tradução e adaptação)


O Natal do burrinho cinzento