Issuu on Google+

edição

253

AGOSTO

2012

Foto: A/SN Caio Castanho

GRATUÍTO PARA SÍNDICOS DE EDIFÍCIOS

MANUTENÇÃO

I n d i s p e n s á v e l

A correta conservação dos elevadores do condomínio garante segurança ao ELEVADOR usuário, além de rapidez e economia de energia pags 06 e 07


I n d i s p e n s á v e l

www.sindiconews.com.br sindiconews@sindiconews.com.br SANTA LUIZA EDITORA LTDA Empresa autorizada para uso da marca Síndico News Rua Domingos de Morais, 1794 - Cj. 13 Vila Mariana - 04010-200 - São Paulo - SP PABX: (11) 5573-0333 Tiragem - 25.000 exemplares Distribuição - Gratuita para síndico de condomínios Dirigido a - condomínios residenciais e comerciais, administradoras, hotéis, shoppings, construtoras. Público leitor - síndicos, zeladores, conselheiros, administradores, construtores, prestadores de serviços em geral. Periodicidade - mensal Área de distribuição - Capital de S Paulo, Santo André, Maúa, S. Caetano do Sul, S. Bernardo do Campo, Diadema. Jornalista Responsável: Caio Girardi - MTB 39543 Diagramação, Composição: Santa Luiza Editora Ltda O Jornal Síndico News é impresso na Plural Editora e Gráfica Ltda

EDITORIAL Acabamos de completar 21 anos e estamos felizes de podermos continuar aos lado de todos os leitores e parceiros, estreitando ainda mais os laços de confiança e amizade. Os síndicos nos tem como um instrumento de trabalho, já os parceiros anunciantes acreditam em todo nosso potencial de alcance qualitativo. Por que o Síndico News é tão especial? A resposta é complexa, mas vamos simplificar. Primeiro, trabalhamos sempre pensando em facilitar o trabalho de síndicos e síndicas, fornecendo informação de qualida-

DISTRIBUIÇÃO

02 Agosto/ 2012

encontramos dificuldades, pois as portas dos condomínios estão sempre abertas ao Síndico News. Apesar de ser uma publicação direcionada, o Síndico News caiu no gosto de todos os condôminos. Alguns síndicos já nos revelaram que tiram cópias do jornal e distribuem pelo condomínio. Outros, separam os assuntos mais interessantes, afixando no mural ou até mesmo no elevador. Sem contar os antigos síndicos que pedem para continuar recebendo o jornal. Ao receberem publicações a mais, estas esgotam-se rapidamen-

te. Os assuntos que costumamos abordar são de interesse de todos os moradores. A credibilidade nos gratifica com a imensa quantidade de emails de elogio e agradecimento pelos temas variados. Nosso trabalho continuará sério para estreitar ainda mais os laços Veículo/Síndico/Colaborador/Anunciante. Serão mais duas décadas de desafios que, com sua ajuda, conseguiremos superar. Mais uma vez muito obrigado pela companhia durante estes 21 anos de Síndico News.

Pensamento do mês: “Quem exerce a autoridade sem fazer sentir o seu peso consegue respeito afetuoso e obediência espontânea e pronta” G. Fanti

JURÍDICO

A cobrança das taxas condominiais em atraso

Outras Praças de Publicações Associadas: J. Pessoa - PB.............. (83) 3219.0000 Diretor:............................. Inaldo Dantas Recife - PE.................... (81) 3221.9083 Diretor:............................. Inaldo Dantas Natal - RN...................... (84) 3223.5593 Diretor:............................. Inaldo Dantas S. J. do Rio Preto - SP..... (17) 9708.2506 Diretor:..........................Hércules Garcia Fortaleza - CE............... (85) 3254.7415 Diretor:............................. Inaldo Dantas Brasília - DF.................. (61) 3226.8810 J.Síndico..............(Fundação: Abril/84) Diretor:..............................Vicente Vecci Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização por escrito da Santa Luiza Editora. A Santa Luiza Editora não se responsabiliza por conceitos ou idéias emitidos em artigos ou matérias pagas ou assinadas e não expressa, necessariamente a opinião da Editora. A Santa Luiza Editora não se responsabiliza pelos serviços e produtos oferecidos pelos anunciantes. A Santa Luiza Editora tem o direito de não editar publicidade sem fundamentar motivação de recusa.

de. Segundo, porque temos colaboradores e colunistas extremamente especializados. Por último, mas tão importante quanto todos os itens, apresentamos aos leitores os melhores prestadores de serviços. Não é fácil passar de duas décadas neste concorrido mercado. Chegamos à edição número 253 com elogios contínuos dos leitores. Mais do que ser nosso público, eles ajudam dando novas ideias e sugestões. Quando precisamos entrevistar algum síndico ou fazer uma matéria sobre uma obra específica, não

A inadimplência, nos condomínios, é sem dúvida um dos grandes problemas, uma vez que os condôminos tem que cobrir os que não pagam, a fim de que nenhuma conta fique em aberto. Não há alternativa, pois o síndico não pode deixar de pagar os salários e encargos dos funcionários, nem a conta de energia elétrica, a manutenção dos elevadores, das bombas, etc. Assim, a administradora, verificando que determinados condôminos não pagaram, deve enviar carta de

cobrança e, não havendo resposta ou possibilidade de acordo, passará para o jurídico, que enviará correspondência de cobrança amigável. Não atendida, o remédio é a propositura de ação judicial. O acordo deve consistir somente em parcelamento do débito, integral, com multa, juros, correção monetária, etc. Frise-se que salvo casos especialíssimos, não se deve abrir mão dos acréscimos decorrentes da mora, pois implicaria em tratamento desigual em relação aos condôminos que pagam em dia suas taxas, além de descumprimento da convenção condominial (que prevê as penalidades na hipótese de inadimplemento). A cobrança dos inadimplentes deve ser iniciada logo após decorrido o prazo para pagamento em banco com multa, pois a recomendação é “rédeas curtas”. Em condomínios onde a assembleia decide que a ação judicial só deve ser proposta após 90 dias de atraso, por

exemplo, as pessoas já ficam sabendo que podem atrasar até esse prazo. É um convite à inadimplência. Encaminhada a cobrança para o jurídico propor a ação, o advogado deverá instruir a petição inicial com os documentos indispensáveis, dentre os quais se destacam a convenção e a especificação de condomínio, a procuração, a certidão de propriedade atualizada, a ata de assembleia que elegeu o síndico e a relação de débitos. Outro documento importante é a ata ou atas que aprovaram a previsão orçamentária do período cobrado. Consiste na apresentação em assembleia, pelo síndico, em atendimento ao disposto no artigo 1348 do Código Civil, inciso VI, do que será gasto na conta ordinária (referente às despesas de manutenção), mensalmente, nos próximos doze meses. O valor aprovado será rateado aos condôminos e se constitui na taxa de condomínio cobrada geralmente através de boleto bancário.

Tratando-se de previsão, é perfeitamente possível que, no decorrer do tempo, as despesas ultrapassem o que foi calculado. Nada impede que o síndico convoque outra assembleia geral para aumentar o rateio. Essa ata também deverá ser encaminhada ao advogado, para ser juntada à petição inicial. O que se tem visto é que, nos condomínios que possuem autoadministração, muitas vezes não se faz essa assembleia ordinária anual, obrigatória, na qual são aprovadas as contas do síndico dos doze meses anteriores, nem a previsão dos próximos doze meses. Se realizam essa assembleia, não inserem na Ordem do Dia a previsão orçamentária, faltando com isso documento indispensável à propositura da ação de cobrança de taxas condominiais. Daphnis Citti de Lauro, Advogado, é autor do livro “Condomínio: Conheça seus Problemas” dclauro@aasp.org.br www.sindiconews.com.br


ADMINISTRATIVO

Várias ações judicias têm sido propostas para exigir o cumprimento administrativo da convenção de condomínio, do regimento interno e, também, para cancelar as multas aplicadas aos moradores infratores. Milhares, também, são as reclamações escritas ou verbais dos síndicos contra os moradores e dos moradores contra os síndicos. Não é bom, em um condomínio, o síndico andar com o regimento interno debaixo do braço. Nem é bom o morador andar com a convenção debaixo do braço, visitando vizinhos para convencê-los a cumprir essas normas internas. A tensão nos relacionamentos condominiais vai aumentar, porque a maioria das pessoas só tem pensado da seguinte forma: “Minha educação depende da tua”. Infelizmente, esse é o pensamento de quem vê a impunidade predominar neste país e se sente como uma formiguinha no imenso território brasileiro. Os direitos individuais são pouco respeitados. Os políticos não têm sido exemplares. Os poderes públicos mostram-se hipossuficientes para cuidar, ao mesmo tempo, de todos os portadores de CPF e RG. Claro, que o morador em condomínio, eleitor, trabalhador, contribuinte dos impostos, possuidor de CPF e RG, passa a “se defender” nas pequenas questões, utilizando a expressão acima ou praticando ação física fora dos padrões www.sindiconews.com.br

Reclamações e reações gerais

de civilidade. No passado, muito distante, existia a pena talião, cujo princípio era olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé, queimadura por queimadura, ferida por ferida, golpe por golpe. Nos tempos atuais, utilizamos o diálogo e o bom senso para equilibrar as divergências nas formas comportamentais previstas na convenção e no regimento interno. Feliz é o síndico que escuta uma reclamação. Isso vai ajudá-lo na administração condominial. Feliz é o morador que recebe um aviso do síndico, comunicando-lhe que suas reações não são as certas, embora tenha o direito às tantas reclamações. Devemos diferenciar o que é CERTO e o que é o DIREITO. Às vezes, o CERTO é abrir mão do DIREITO das reclamações constantes, pois o tempo fará com que as pessoas erradas se corrijam. Reclamações constantes, inevitavelmente, vão provocar, em muito, o morador que passa por problemas que jamais gostaríamos de ter. Contudo, cada caso é um caso e numa reunião conciliatória, em forma de assembleia ou diante de um grupo (síndico, conselheiros e partes), tudo pode colocar as coisas nos lugares. Contribua para que seu condomínioseja o melhor para todos. Róberson Chrispim Valle Advogado, especialista em condomínio robersonvalle@globo.com

TERCEIRIZAÇÃO Os “arrastões” e a terceirização Uma ou duas vezes por mês o noticiário dos jornais e TVs indicam que os assaltos a condomínios continuam resistindo às ações da polícia, e que os marginais demonstram não se importar com portões duplos, cercas eletrificadas, CFTVs, etc. Eles sabem que são poucos os condomínios que realmente gravam imagens. E se gravam, confiam que conseguirão levar a fita. Partindo do pressuposto de que os marginais escolhem seus alvos onde sentem que as chances de sucesso são maiores, os síndicos procuram instalar todo tipo de equipamento ou obstáculo possível, na expectativa de desencorajar as invasões. Os dispositivos de proteção mais ostensivos, como cerca eletrificada, portões duplos, luzes externas com sensores, etc. são os que devem ter prioridade sobre os demais sistemas, pois, deve-se fazer todo o possível para impedir a entrada dos ladrões. Se a invasão de fato ocorre, então, nenhum dispositivo eletrônico evitará os traumas e sequelas resultantes das ameaças e agressões. A instalação desses dispositivos é importante, porém, não suficiente. É preciso tomar duas outras providências igualmente importantes: 1) ter a guarita estrategicamente posicionada e que ofereça proteção mínima ao porteiro. Na hipótese de tentativa de invasão, o porteiro tem que ser alertado em tempo de reagir, tocando uma sirena, botão de pânico ou discando 190. Levar em conta, porém, que é de se esperar que o porteiro reaja se a guarita for blindada, e lhe de condições mínimas de proteção, sem correr riscos de ser subjugado ou agredido. 2) ter empregados qualificados e

treinados para situações de emergência. A vasta maioria dos arrastões não ocorre através da transposição dos muros ou grades. Os marginais se utilizam de artimanhas para iludir o porteiro, convencendo-o a abrir o portão. E é justamente nessa questão que os condôminos mais se enganam, achando que estão seguros porque os seus empregados “são antigos” e, por isso, são “de confiança”. Esse raciocínio é equivocado. Confunde-se “antigo” com “experiente”, e “de confiança” com “capacitado”. São coisas distintas. Não basta o porteiro ser antigo e de confiança. É preciso estar atento à movimentação das pessoas na calçada. Precisa estar treinado e alertado sobre os variados métodos utilizados pelos marginais, e sobre as medidas a tomar ao se dar conta de que o “visi-

tante” é, de fato, um marginal tentando convencê-lo a abrir o portão. É preciso instalar dispositivos que os mantenham alertas, e é preciso monitoramento 24 horas para que haja reação nas emergências. É nesse aspecto que vemos a terceirização como a melhor solução: trocam-se antigos empregados por outros mais qualificados, treinados com cursos e frequentes reciclagens sobre segurança. Existem empresas que financiam as indenizações dos empregados a baixo custo, para pagamento com a própria economia proporcionada pela terceirização. Melhora-se expressivamente a segurança e a qualidade dos serviços e, eventualmente, da taxa condominial. Etore A. Fuzetti etore@replace.com.br

Agosto / 2012 03


SEGURANÇA

Não se engane pelas aparências

nheiro, jóias, dólares, celulares e até veículos, mantendo os moradores e empregados reféns. Através disto, constatamos, mais uma vez, a ingenuidade dos porteiros dos prédios, devido falta de preparo e ausência de um plano de contingência eficienNo último mês de julho, foi divul- te. Esta ocorrência não é a única que gado pela imprensa que uma qua- vem acontecendo ultimamente, mas drilha assaltou um condomínio na um infeliz exemplo em que espelha a Rua Bela Cintra e a chefe do bando realidade sobre proteção em edifícios. era uma mulher. A notícia foi veicu- Visto tudo isto, concluímos que os lada da seguinte forma: “Dois são funcionários dos condomínios depresos em tentativa de assalto a vem ser orientados para não se imprédio na Consolação, em SP. Dois pressionarem ou se intimidarem com homens foram presos por volta das as aparências das pessoas, ou ainda 21h desta segunda-feira em um aquelas que demonstrem estar bem roubo a um prédio residencial na trajadas ou mesmo que falem “bonirua Bela Cintra, na Consolação (re- to” ou ainda quando são abordados gião central de São Paulo). Segun- por mulheres visto que, grande parte do a Polícia Militar, um casal rendeu das quadrilhas possui uma mulher um morador e obrigou a ligar do em seu quadro. Os colaboradores deseu apartamento para a portaria, vem efetuar um rigoroso controle de autorizando a entrada de um Fiesta acesso com todos. com outros dois criminosos. Segun- Para tanto, há a necessidade de que do a PM, dois suspeitos foram pre- os empregados sejam treinados e sos em uma rua próxima ao prédio preparados a exercerem sua funcom duas armas e duas mochilas ção, principalmente aquelas que com parte dos produtos roubados” dizem respeito à segurança. (Fonte: Folha de SP UOL, de 24/07/12). E por fim, as pessoas devem estar Ainda, segundo a polícia, a mulher, conscientes sobre a importância em que trabalhava como atendente de se integrar com os órgãos de Segutelemarketing, admitiu ter reunido rança Pública,acionando a Polícia os três homens para efetuar o ar- Militar, pelo telefone 190, e informar rastão. O grupo rendeu o porteiro sobre o que está ocorrendo, como foi do edifício, e entrou no prédio com realizado pelo morador desse prédio, um carro roubado. Observando os culminando com a prisão de dois fatos, percebe-se que mais uma bandidos, além de prestarem queivez os ladrões se aproveitaram da xa à Polícia Civil, com o máximo de dados possíveis, para que possa ser fragilidade do sistema de portaria efetuada a investigação e as possíe controle de acesso dos prédios para cometer seus delitos e invadir veis prisões dos ladrões. José Elias de Godoy o condomínio. Dentro do prédio, Especialista de Segurança em eles rendem o porteiro e abrem o Condomínios e autor dos livros portão para que, juntamente com “Manual de Segurança em eles, entrem seus comparsas, norCondomínios’’ e “Técnicas de malmente fortemente armados, Segurança em Condomínios”. promovendo assim um arrastão em elias@suat.com.br vários apartamentos, levando di04 Agosto / 2012

SINDICO NEWS RESPONDE

Roubo

Minha dúvida é sobre roubo dentro do condomínio. De quem é a responsabilidade de arcar com o bem roubado? Pois moro em um condomínio, com 12 prédios, houve o roubo da bomba de água. No conjunto, não existe segurança eletrônica e nem monitoramento de pedestre, mas temos porteiros. Então minha dúvida é: quem deve arcar com a compra da bomba roubada são os moradores, do meu prédio ou o condominio com o fundo de reservas? R: No Condomínio, há bens que são de propriedade e uso privativos (apartamento, garagem) e há os que são de uso coletivo (elevadores, piscina, corredores, escadas, salão de festas,etc.). Os que são de uso coletivo, devem ser custeados com recursos da taxa ordinária de condomínio. As bombas, assim como os elevadores, seguem esta lógica. Assim, no seu caso, é do condomínio a responsabilidade pela sua reposição, salvo se no seu condomínio, as despesas por blocos são custeadas entre os blocos.

Conselho

Será realizada uma eleição no meu condomínio para síndico. O meu pai é proprietário de um imóvel e fará parte do conselho Fiscal e eu serei do conselho Suplente como procuradora da mi-

nha irmã, que também tem um imóvel no condomínio. A minha dúvida é a seguinte: Eu posso fazer parte do conselho munida de procuração do proprietário? Se o nome que entra na chapa para compor o conselho é o meu (procuradora) ou da minha irmã (proprietária)? R: Desde a entrada em vigor do “novo” Código Civil em janeiro de 2003, a existência do conselho deixou de ser obrigatória. Porém, se a convenção do condomínio prevê, passa a continuar existindo. Desta forma, caberá a cada convenção definir a forma deste conselho. Muitas delas vetam a existência de NÃO condôminos entre os seus membros. Se for este o quadro no seu condomínio, só quem pode figurar como conselheira (efetiva ou suplente) é a sua irmã, já que é ela a condômina. A procuração dá apenas direito de representá-la e não de substituí-la, já que o cargo é personalíssimo. Por outro lado, se a convenção não exige que seus membros sejam obrigatoriamente condôminos, você poderá compô-lo, onde, na chapa, figurará o seu nome.

Síndico Profissional

Sou estudante de Negócios Imobiliários no IFPB, e tive a oportunidade de participar da sua última palestra. Recordo que fiz algumas perguntas, mas eram tantas que não cabiam no momento. Confesso que desconhecia a profissão de síndico. Dúvida suficiente para iniciar um trabalho de pesquisa. Percebi que a profissão de síndico não é regulamentada. São utilizadas as diretrizes do Código

Civil (especialmente a parte de condomínios), a lei dos condomínios, e correlatas, bem como a convenção condominial e o contrato de prestação de serviço (em se tratando do síndico profissional). Ou seja, baseado na ata da assembleia, condiciona-se a atuação do síndico contratado. De fato, existe a necessidade do profissional síndico? R: Eu diria que sim e pelas seguintes razões: A cada dia, menos pessoas se dispõem a assumir o cargo em seus condomínios, seja pela falta de tempo, ou pela falta de conhecimento e, até, pela falta de colaboração dos demais vizinhos; E de quanto seria essa demanda? R: Falando do mercado de João Pessoa, por ainda não ser bem trabalhada a questão, seria “um chute” dizer qual seria a demanda. Porém, com o problema de cada vez menos pessoas quererem “este cargo”, eu diria que, uma vez a mídia divulgando, pelo menos 50% dos condomínios de posse (os que podem pagar) contrataria este serviço. Existe alguma entidade de classe que apoie, ou represente essa categoria? R: Sim, o Secovi O Senhor conhece alguma Instituição que oferte curso nessa área? R: Na Paraíba, não! Em algum momento, já viu algum anúncio solicitando o síndico profissional? R: Não. Inaldo Dantas - Advogado Administrador de Condomínio Presidente do Secovi - PB e-mail: inaldo.dantas@globo.com www.sindiconews.com.br


MESES

INDICADOR ECONÔMICO SALÁRIO INFLAÇÃO

IMPOSTO DE RENDA EM 2012 TR

POUPANÇA

Agosto

R$545,00

0,44%

0,2076%

0,7086%

Setembro

R$545,00

0,65%

0,1003%

0,6008%

Outubro

R$545,00

0,53%

0,0620%

0,5623%

Novembro

R$545,00

0,50%

0,0645%

0,5648%

Dezembro

R$545,00

-0,12%

0,0937%

0,5942%

Janeiro/12

R$622,00

0,25%

0,0864%

0,5868%

Fevereiro

R$622,00

-0,06%

0,0000%

0,5000%

Março

R$622,00

0,43%

0,1068%

0,6073%

Abril

R$622,00

0,85%

0,0227%

0,5228%

Maio

R$622,00

1,02%

0,0468%

0,5470%

Junho

R$622,00

0,66%

0,0000%

0,5000%

Julho

R$622,00

1,34%

0,0144%

0,5145%

* Índice de inflação IGP-M da FGV

** Salário Mínimo Empregados Domésticos em SP - R$ 690,00

OBRIGAÇÕES

Admissão/Demissão • Comunicar ao Ministério do Trabalho até o dia 07 do mês seguinte Recolhimento do INSS conforme tabela ao lado: • Todo dia 20 do mês subseqüente. Recolhimento do FGTS, 8,0% sobre a folha de pagamento: • Até o dia 7 de cada mês, ou no dia útil anterior. Recolhimento do PIS, 1% sobre a folha de pagamento: • Até o dia 20, sem multa. • Após, multa de mora de 0,33% ao dia, limitado até 20%. Recolher à Receita Federal o Imposto de Renda. Recolher à Prefeitura Municipal ISS sobre Serviços Prestados.

www.sindiconews.com.br

Rendimento % Parc. Deduzir Até R$ 1.637,11............................................. isento -----De R$ 1.637,12 até R$ 2.453,50.................... 7,5% ......... R$122,78 De R$ 2.453,51 até R$ 3.271,38.................. 15,0% ......... R$306,08 De R$ 3.271,39 até R$ 4.087,65.................. 22,5% ......... R$552,15 Acima de R$ 4.087,65 ................................ 27,5% .......... R$756,53 Abatimento por dependente:.............................................. R$164,56 Salário Família à partir de 01/01/2012 Até R$ 608,80 = R$ 31,22 por cota Acima de R$ 608,81 Até R$ 915,05 = R$ 22,00 por cota A cota do salário familia é paga para cada lho menor de 14 anos

INSS Salário Contribuição (R$) ............................................Alíquota Até R$ 1.174,86............................................................................. 8 % De R$ 1.174,87 até R$ 1.958,10 .................................................. 9 % De R$ 1.958,11 até R$ 3.916,20................................................11 % 20% sobre a folha, como parcela do condomínio 2% sobre a folha, como seguro de acidente de trabalho (vericar de acordo com o fator FAP de cada condomínio) 4,5% sobre a folha, contribuiçãode terceiros (Sesc, Senai, etc)

PISO SALARIAL Zeladores ......................................................................... R$ 878,70 Porteiro, Vigia, Garagista, e Manobristas................................R$ 841,73 Cabineiro ou Ascensorista ...............................................R$ 841,73 Faxineiro e demais ........................................................... R$ 804,75 Acúmulo de cargo ..................................................................... 20% Adicional noturno ...................................................................... 20% Horas extras .............................................................................. 50% Folgas trabalhadas e feriados ................................................. 100% Cesta Básica .................................................................... R$ 130,00

Reajuste de 8,75% com vigência a partir de 1o de outubro/11 até 30/09/12.

Agosto / 2012 05


MANUTENÇÃO ELEVADOR

O meio de transporte mais utilizado em condomínios, sem sombra de dúvidas, é o elevador. O deslocamento entre os andares do edifício envolve muito mais do que a simples manutenção de cabos e roldanas. Os síndicos bem informados sabem que a tecnologia envolvida neste sistema necessita de atenção especial. Defeitos ou má conservação dos elevadores podem causar acidentes. A programação financeira do síndico e de seus colaboradores deve atentar para a modernização de alguns itens. No caso dos equipamentos de locomoção, não é só a parte do maquinário que precisa de reparos. A cabina pode necessitar de ajustes e até uma reforma completa. As corretas manutenção e conservação dos elevadores do condomínio garantem segurança ao usuário, além de rapidez e economia de energia elétrica. Como qualquer outro equipamento abastecido por eletricidade, o elevador deve estar sempre nas melhores condições possíveis para utilizar apenas a energia necessária para seu funcionamento. Ainda nos deparamos com elevadores em estado precário. As cabinas 06 Agosto / 2012

Manutenção de elevador, o assunto que nunca sai de pauta

com revestimento em madeira, que se deterioram mais depressa, são encontradas em prédios mais antigos. Quando prepara o caixa, o síndico consegue bons contratos para a modernização do equipamento. A primeira atitude do administrador é contratar uma empresa especializada, com todos os documentos necessários ao serviço. Desconfie dos orçamentos muito baixos. A

O elevador deve estar sempre nas melhores condições possíveis para utilizar apenas a energia necessária .

pesquisa por referências é uma boa arma contra os incompetentes. Uma reforma sai mais em conta do que trocar todo o elevador. Durante os reparos, toda a estrutura da cabina é utilizada, o que diminui boa parte do custo e também do tempo do serviço. Entretanto, é importante tomar

cuidado com o estilo do prédio. O revestimento em inox é uma boa pedida. Bonito, resistente, de fácil limpeza, este produto é bem aceito nos condomínios. Na restauração, são substituídos o teto por outro mais moderno, da mesma maneira que o revestimento do assoalho. Existem diversos tipos de painéis. O mais procurado é o com revestimento em aço e marcador digital. A altura deve ser acessível aos cadeirantes. Nos elevadores antigos, a entrada é estreita e os botões são altos, sem condição do cadeirante se virar sem ajuda. Já nos novos, acontece o contrário. A botoeira é baixa e a entrada larga. A simples utilização da numeração Braille permite uma grande facilidade na locomoção do deficiente visual pelo edifício, aumentando a qualidade de vida dos moradores e de seus visitantes.

O estilo escolhido deve ser seguido. Painel moderno, revestimento envelhecido e portas de metal não formam um conjunto harmonioso. Portanto, é importante prestar atenção na disponibilidade de peças de reposição. Também pode ser feita a instalação de espelho lapidado e corrimão. Atualmente, existe uma ampla variedade de materiais decorativos como cores de granitos, para atender as exigências do cliente. É possível restaurar uma cabina em dois dias. Para adquirir um produto bem desenhado não é preciso desembolsar muito dinheiro. Um elevador com design arrojado não é necessariamente um pequeno local cheio de tecnologia de ponta. O valor cobrado a mais é compensado pela eficiência e conforto do produto. O design ultrapassa a ideia de apenas gerar um bom visual. Ele pode

ser utilizado para tornar o equipamento melhor adaptado ao edifício, mais eficiente e mais confortável, sem dispensar a beleza. A ajuda de um profissional abrevia boa parte das duvidas sobre design e estética, evitando qualquer equívoco. Como este tipo de investimento tem uma durabilidade muito grande e um custo relativamente alto. A assistência técnica deve ser chamada sempre que for necessária.

Itens importantes

Piso - Antiderrapante. Um piso mais simples coberto por tapetes amplia as possibilidades e diminui os custos. Alguns condomínios colocam placas com o nome do edifico dentro da cabine. Um dos melhores materiais é a fibra entrelaçada de vinil. Revestimento interno - Acolchoado, de metal ou de fórmica. www.sindiconews.com.br


Portas - Podem seguir o padrão dos revestimentos internos para ocorrer o melhor efeito estético possível. Subteto - Pode ter um fundo falso para que haja espaço para o equipamento e deve fornecer uma boa intensidade de luz. Espelho – Este é um item interessante, especialmente no elevador social, já que as pessoas o utilizam mais. Botões - Devem ser trocados quando caírem ou ficarem soltos.

Limpeza, manutenção e cuidados

A limpeza é um dos fatores mais importantes para manter uma boa aparência e aumentar a durabilidade do equipamento. Alguns tipos de painéis necessitam de produtos

Dicas

• Providenciar proteções acolchoadas nas paredes, no caso de mudanças e outras manutenções. Esses acolchoados são muito úteis na preservação do material. Para uma melhor eficiência, é recomendável uma capa de material lavável, que não deixe alguma parte da parede à mostra; • Ordenar que os moradores não ultrapassem o número limite de usuários; • Ficar atento a quem utiliza o elevador para evitar estragos causados por vandalismo; • Ordenar que o interior seja limpo diariamente. A limpeza é um dos fatores mais importantes para manter uma boa aparência e aumentar a durabilidade do equipamento. Alguns tipos de painéis necessitam de produtos especiais de limpeza. Mas, normalmente, ela pode ser feita apenas com um pano molhado em água e sabão. A sujeira e oleosidade da mão dos usuários podem danificar o funcionamento dos botões; • Proibir brincadeiras dentro do elevador e fumo no interior das cabinas. www.sindiconews.com.br

especiais de limpeza. Mas, normalmente, ela pode ser feita apenas com um pano molhado em água e sabão. A sujeira e oleosidade da mão dos usuários podem danificar o funcionamento dos botões. As proteções acolchoadas das paredes, no caso de mudanças e outras manutenções, são muito úteis na preservação do material. Para uma melhor eficiência, é recomendável uma capa de material lavável, que não deixe alguma parte da parede à mostra. O síndico deve instruir os moradores a controlarem as crianças. Assim, riscos na parede do elevador, teto rachado e botões soltos serão evitados e a boa aparência do equipamento irá durar muito tempo. Todo elevador instalado no Município de São Paulo deve ser conservado por uma empresa especializada cadastrada na Prefeitura. A concessão de registro é de competência da Divisão Técnica de Elevadores do Contru. Só que chega uma hora na qual o condomínio não tem mais condições de gastar com peças e com serviço de conservação. Depois de uma análise profissional minuciosa diagnosticar, o síndico precisa colocar em pauta a modernização total dos elevadores.

Cartilha

Não se deve descuidar da manutenção dessa parte tão fundamental de qualquer condomínio. Os cuidados começam na escolha da empresa, que deve ter registro no CONTRU, possuir engenheiro responsável e ter know-how para efetuar o serviço. Caso contrário, o condômino pode ser multado e o síndico responde judicialmente pelos acidentes ocorridos. Para evitar transtornos, o CONTRU (Departamento de Controle do Uso de Imóveis) tem uma cartilha para o uso do elevador. Separamos algumas importantes dicas para que o condomínio evite ao máximo ter problemas com este importante maio de transporte.

PROCEDIMENTOS E CUIDADOS 1) A infiltração de água nas instalações é prejudicial ao funcionamento do elevador. Manter secos, permanentemente: • Casa de máquinas • Caixa de passagem • Poço • Cabina • Evitar lavagem de piso ou paredes em halls e corredores próximos aos elevadores. 2) O acesso à casa de máquinas, ao poço e à caixa de passagem só deve ser permitido a pessoas habilitadas, de preferência da própria conservadora. A chave que permite o acesso a esses locais deve permanecer com o zelador da edificação. 3) A abertura da porta de pavimento, com chave especial, deve ser feita apenas por pessoas habilitadas, de preferência da própria conservadora. A chave deve permanecer com o zelador da edificação. 4) Em caso de incêndio, não utilizar os elevadores. O abandono do edifício deve ser feito pelas escadas. Os elevadores devem ser conduzidos ao pavimento térreo e depois desligados com as portas abertas. 5) Se o elevador para entre andares, as pessoas retidas em seu interior devem: • Manter a calma. A situação não oferece perigo iminente; • Acionar o botão de alarme a fim

de atrair a atenção e/ou usar o interfone para pedir ajuda; • Solicitar que se chame imediatamente a conservadora, cujo telefone deverá estar afixado no elevador, ou o Corpo de Bombeiros, telefone 193; • Aguardar calma e passivamente o resgate seguro. IMPORTANTE: • Em hipótese alguma force portas ou tente sair por conta própria. • Somente pessoas habilitadas da conservadora ou do Corpo de Bombeiros podem efetuar resgate seguro. • Cada elevador possui duas chaves de força: uma na casa de máquinas e outra no quadro de entrada de força do edifício. Em qualquer hipótese de resgate, uma das duas chaves de força precisa estar desligada. 6) Respeitar a capacidade máxima de transporte do elevador. É obrigatório afixar no interior da cabina o número máximo de pessoas e peso máximo permitido. O excesso

de lotação e o excesso de carga acarretam desgaste prematuro do equipamento. 7) As crianças devem ser orientadas a usar o elevador com segurança, evitando brincadeiras, pulos ou movimentos bruscos. Os usuários, principalmente as crianças, devem posicionar-se no elevador afastados da porta da cabina. 8) Os usuários devem estar atentos às irregularidades no funcionamento dos elevadores. Qualquer irregularidade deve ser comunicada imediatamente à firma conservadora. O número do telefone da firma conservadora fica afixado no interior da cabina do elevador. 9) Antes de abrir a porta do pavimento, certificar-se da presença, no andar, da cabina do elevador. 10) Sempre que houver necessidade de transportar cargas pesadas, como cofres, convocar a firma conservadora para orientar a operação.

Agosto / 2012 07


Classiďƒžcados do SĂ­ndico

08 Agosto / 2012

www.sindiconews.com.br


Classiďƒžcados do SĂ­ndico

www.sindiconews.com.br

Agosto / 2012 09


Classiďƒžcados do SĂ­ndico

10 Agosto / 2012

www.sindiconews.com.br


Classiďƒžcados do SĂ­ndico

www.sindiconews.com.br

Agosto / 2012 11


Classiďƒžcados do SĂ­ndico

12 Agosto / 2012

www.sindiconews.com.br


Classiďƒžcados do SĂ­ndico

www.sindiconews.com.br

Agosto / 2012 13


Classiďƒžcados do SĂ­ndico

14 Agosto / 2012

www.sindiconews.com.br


Classiďƒžcados do SĂ­ndico

www.sindiconews.com.br

Agosto / 2012 15


Legislação

FACHADA

O polêmico fechamento de sacadas

A alteração de fachada tem sido discutida desde o século passado. Condôminos costumavam arrumar encrenca por causa de desejos, que muitas vezes achavam perfeitamente normais, como pendurar um vaso fora da janela, enfeitar a sacada, instalar uma antena digital, abrir um buraco para o ar-condicionado e por aí vai. Atualmente, a discussão tem girado em torno, principalmente, do fechamento das sacadas com vidros. Alguns prédios já são construídos com a ideia em prática, o que faz moradores de outros edifícios desejarem o mesmo. Mas a mudança não é assim tão simples, pois o artigo 1.336, inciso III, do Código Civil, diz: I - Contribuir para as despesas do condomínio, na proporção de suas frações ideais; II - não realizar obras que comprometam a segurança da edificação; III - não alterar a forma e a cor da fachada, das partes e esquadrias externas; IV - dar às suas partes a mesma destinação que tem a edificação, e não as utilizar de maneira prejudicial ao sossego, salubridade e segurança dos possuidores, ou aos bons costumes. Parágrafo primeiro - O condômino que não pagar a sua contribuição ficará sujeito aos juros moratórios convencionados ou, não sendo previstos, os de um por cento ao mês e multa de até dois por cento sobre o débito. Parágrafo segundo - O condômino, que não cumprir qualquer dos deveres estabelecidos nos incisos II a IV, pagará a multa prevista no ato constitutivo ou na convenção, não podendo ela ser superior a cinco

vezes o valor de suas contribuições mensais, independentemente das perdas e danos que se apurarem; não havendo disposição expressa, caberá à assembleia geral, por dois terços no mínimo dos condôminos restantes, deliberar sobre a cobrança da multa.

Aprovação de 100%

As convenções costumam proibir qualquer mudança que possa prejudicar o projeto inicial da edificação. O fechamento da sacada

O fechamento da sacada só será permitido após aprovação unânime dos condôminos.

só será permitido após aprovação unânime dos condôminos em assembleia geral. Após aprovada a obra, é necessária autorização da prefeitura. Os condomínios que aprovam o fechamento, costumam definir um padrão. Imagina só se cada morador utilizar vidros e estruturas diferentes. A harmonia entre cores,

formas e medidas, pensada pelo projetista, será destruída, derrubando o valor do imóvel. A alteração da sacada realizada indiscriminadamente por algum condômino interfere negativamente na imagem do prédio. Uma janela instalada em apenas uma sacada estraga toda padronização pensada pelos engenheiros e arquitetos. Forma-se uma cicatriz na parede da estrutura. Por outro lado, quando há um projeto preparado para todo o edifício, mesmo que alguns optem por não fechar, os terraços envidraçados têm efeito embelezador. De acordo com a norma 7199 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), em sacadas, guarda-corpos, peitoris e balaústres é obrigatório o uso de vidros laminados ou aramados. Laminado - Reduz risco de ferimento em caso de quebra, pois retém os cacos aderidos em sua película. Colabora para o isolamento acústico entre ambientes. É constituído por duas chapas de vidros intercaladas por uma resina PVB ou UVEKOL. Aramado ou Telado - Reduz risco de ferimento retendo os cacos em sua tela. Insere-se uma tela metálica proporcionando maior resistência e proteção.


Jornal Síndico News