Page 1

Escola SESC de Ensino MĂŠdio

A Sinfonia

Gustavo Henrique Colombini da Silva um produto


SESC | Serviço Social do Comércio Escola SESC de Ensino Médio Assessoria de Cultura Rio de Janeiro, setembro, 2011

Gustavo Henrique Colombini da Silva (SP)

A Sinfonia


SESC | Serviço Social do Comércio Presidência do Conselho Nacional Antonio Oliveira Santos Departamento Nacional Direção-Geral Maron Emile Abi-Abib ESCOLA SESC DE ENSINO MÉDIO Diretora Claudia Fadel Assessor de Cultura Sidnei Cruz Programação e Produção Cultural Viviane da Soledade Tahiba Melina Chaves

PUBLICAÇÃO Assessoria de Divulgação e Promoção/DG Christiane Caetano

Palco e Iluminação José Mário Tamas Alberto Timbó

Supervisão editorial Jane Muniz

Contrarregra Carlos Alberto Artigos

Projeto gráfico Ana Cristina Pereira (Hannah23)

Artifice JORGE LUIZ DA CONCEIÇÃO

Revisão Clarissa Penna

Administração e Logística Mariana Penteado Wagner Bettero

Produção gráfica Celso Mendonça

Estagiários Camila Reis – Artes Caroline Alciones – Produção Cultural César Augusto – Comunicação Social Juliana Turano – Produção Cultural Thiago Sardemberg – Teatro Wilson Júnior – Produção Cultural Camareira Teatral/Copeira Ana Cristina dos Santos Adriana Lapa dos Santos Praticantes Egressos Eliane Carmo – Teatro Gustavo Henrique – Teatro Primeira revisão dos textos Caroline Alciones

© Escola SESC de Ensino Médio Assessoria de Cultura Av. Ayrton Senna, 5677 - Jacarepaguá Rio de Janeiro - RJ - CEP: 22775-004 Telefone: (21) 3214-7404 www.escolasesc.com.br www.teatroescolasesc.worpress.com Impresso em setembro de 2011. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida sem autorização prévia por escrito da Escola SESC de Ensino Médio, sejam quais forem os meios e mídias empregados: eletrônicos, impressos, mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros.

Silva, Gustavo Henrique Colombini da. A sinfonia / Gustavo Henrique Colombini da Silva. – Rio de Janeiro : Escola SESC de Ensino Médio, Assessoria de Cultura, 2011. 44 p. ; 11x17 cm. Texto selecionado no 1. Concurso Jovens Dramaturgos, 2011. 1. Teatro - Brasil. I. Escola SESC de Ensino Médio. II. Título. CDD 792


É com imensa satisfação que a Escola SESC de Ensino Médio e a Assessoria de Cultura abrem espaço para novos talentos da dramaturgia. O estímulo a jovens talentos brasileiros tem sido objeto constante de nossas ações. Nesse sentido, o I Concurso Jovens Dramaturgos revelou, e agora apresenta ao grande público, a riqueza da expressão literária brasileira no âmbito das Artes Cênicas. Esta bela coletânea revigora a crença no potencial da nossa dramaturgia de sintonizar o imaginário coletivo e de reinventar-se cotidianamente. É um grande presente para todos nós. Claudia Fadel Diretora da Escola SESC de Ensino Médio


Dramaturgia, juventude, direitos culturais e desenvolvimento cultural


A publicação dos cinco textos selecionados no I Concurso Jovens Dramaturgos é o início de um programa que tem como objetivo estimular jovens criadores brasileiros não só nas linguagens das Artes Cênicas, mas em todas as áreas de artes e cultura. O concurso incentiva a escrita dramática entre jovens de 15 a 20 anos e proporciona ao jovem dramaturgo a oportunidade de desenvolver sua vocação literária ao oferecer ferramentas que lhe auxiliem em sua orientação profissional. Ações complementares são realizadas, como ciclos de leituras encenadas dos textos selecionados e um encontro-residência entre os autores premiados e representantes da nova geração de dramaturgos brasileiros. Dessa forma, entendemos que compomos um campo de força, colaboração e desenvolvimento em torno da dramaturgia, acompanhando os elos de uma cadeia criativa que engloba criação, leitura pública, intercâmbio e publicação, indo um pouco adiante do simples concurso e seleção de textos e autores. Na verdade, estamos em consonância com uma política de direitos culturais – extensão dos direitos humanos – que são resumidos em um trio de direitos essenciais: o direito à participação da vida cultural, das conquistas científicas e tecnológicas e o direito moral e material à propriedade intelectual. Sidnei Cruz Assessor de Cultura da Escola SESC de Ensino Médio


Diรกlogo orquestrado


Uma sinopse possível, entre tantas outras, inclusive do próprio autor, é a de que um homem e uma menina encontram-se em um ponto em comum do caminho (ou seria uma encruzilhada?). Um encontro em uma rua ou em um espaço público qualquer, indefinível. Eles estão com pressa, pois precisam chegar a algum lugar que não sabem onde fica. Ela quer falar algo, precisa de ajuda, e ele não dá a mínima para o que ela quer falar. A Senhorita se sente presa a um lugar, quer sair, quer escapar, ela se sente culpada por um erro que cometeu. Estão em jogo sintomas como uma vontade de comunicação, uma pressa intolerante, um peso nos ombros. Podemos continuar a tentativa de sinopses desse encontro sinfônico: o homem está assustado. Ele já não reconhece a própria voz, esqueceu o seu nome, não conhece ninguém, está isolado do mundo. Em profunda crise de identidade, apela para que a menina o ajude a desvendar quem ele é. Ambos parecem fantasmas perdidos entre o passado e o presente, entre a vida e a morte, entre a culpa e o perdão, em um nevoeiro entre a ternura e a decepção do jogo dos papéis de filha e pai.


É possível que ele tenha perdido a filha em algum acidente estranho e por isso se sinta culpado, é possível que o encontro, real ou imaginário, seja uma projeção dessa culpa. Há várias possibilidades. A qualidade principal do texto de Gustavo Colombini é a estrutura sincopada. Um jogo de palavras, réplicas e tréplicas, como em um ping-pong ágil, veloz e engenhosamente espiralado que conduz o leitor-espectador a associações próximas às inventadas pelos principais representantes do surrealismo ou do absurdo. Um jogo de palavras que remete ao método do automatismo psíquico, falar antes de pensar, “mordendo as palavras”, encadeando contrassenso, nonsense, retomando falas um do outro, trocando, negando ou reafirmando, questionando, pondo em dúvida afirmações e certezas. Todo o texto é construído como se fosse um longo poema, um teatro poético, com alusões simbólicas. Não estou nem de longe afirmando que há uma consciência deliberada do autor para enquadrar o seu texto em tais movimentos, mas apenas insinuando que as referências talvez sejam intuitivas,


ou assimiladas por leituras diretas ou indiretas. Afinal, essas contribuições já estão devidamente inseridas, incorporadas e mesmo diluídas na tradicional produção artística contemporânea. São acessadas a partir dos mais diferentes suportes da indústria cultural: internet, histórias em quadrinhos, musica pop, cinema, videoclipe, games, entre outros. Devemos brindar a experiência bem-sucedida do autor e esperar que novas peças estejam em curso. Que ele produza, pesquise, leia, assista a muito teatro, colabore com atores e diretores e não tenha pressa. A questão que interessa é que estamos diante de um exercício de dramaturgia de qualidade brilhante, um material instigante, capaz de possibilitar desafios aos artistas que resolverem encená-lo. Sidnei Cruz


Paulistano,

Gustavo Colombini

cursa Artes Cênicas –

Habilitação Direção Teatral – na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA – USP). Integrou a terceira turma do Núcleo de Dramaturgia Sesi – British Council, espaço voltado à descoberta e desenvolvimento de novos autores teatrais brasileiros contemporâneos, sob coordenação de Marici Salomão. Como diretor, ator e iluminador, participou também dos processos de montagem dos espetáculos Um homem é um homem, de Bertold Brecht (2009) e Woyzeck, de Georg Buchner (2010), ambos sob orientação de Cibele Forjaz. Em 2011, dirigiu A Nova Ordem Mundial, de Harold Pinter, como resultado processual de um semestre de pesquisa do texto teatral e seus métodos de análise. Fez parte de grupos de estudo sobre História da Arte, Arte Contemporânea e Desdobramentos do Drama e, atualmente, pesquisa a Dramaturgia Contemporânea e seus novos desafios para a cena teatral. Também escreve contos, ainda sem publicações.


A SINFONIA


Personagens: Senhor Senhorita


16

Cena 1 No mesmo espaço. SENHOR – Eu estou com essa sensação ruim desde SENHORITA – Ontem SENHOR – Eu sei

SENHORITA – Você me perguntou o que eu

queria

SENHOR – O que você quer? SENHORITA – Oi

SENHOR – Você me parou no meio da rua

SENHORITA – Eu nunca conheci a sua filha SENHOR – Quem é você, senhorita?

SENHORITA – Eu gosto de música clássica SENHOR – E fogos de artifício?

SENHORITA – Como se fosse alguma despedida SENHOR – Escuta


SENHORITA – Espera

SENHOR – Era a sua pressa, você disse

SENHORITA – Eu não posso parar, desculpe, desculpe, você repetiu

SENHOR – Você não queria encontrar ninguém SENHORITA – Eu cometi um erro hoje

SENHOR – Você cometeu um erro hoje

SENHORITA – Essa mania de morder demais as palavras

SENHOR – Ou pensar demais antes de falar SENHORITA – Nesse caso

SENHOR – Eu já não vejo semelhanças SENHORITA – Senhor SENHOR – Não

SENHORITA – Espera um minuto

SENHOR – Eu não posso parar, desculpe, minha pressa está fazendo meus ombros doerem

SENHORITA – Espera um minuto, por favor

17


18

SENHOR – O que você quer?

SENHORITA – Por favor, só um minuto SENHOR – Cinco minutos SENHORITA – Por favor

SENHOR – Quem é você, senhorita?

SENHORITA – Não precisa saber, só escuta o que eu tenho pra falar

SENHOR – Não precisa saber, só escuta o que ela tem pra falar

SENHORITA – Melhor não SENHOR – Eu já disse que SENHORITA – Por favor

SENHOR – Eu achei que não poderia ajudar você SENHORITA – Aqui

SENHOR – É um ponto em comum do caminho SENHORITA – Só escuta o que eu tenho pra

SENHOR – Eu não dou a mínima pro que você tem pra falar


SENHORITA – Por isso mesmo SENHOR – Senhorita

SENHORITA – A gente escuta muito pouco SENHOR – Você escolheu passar por aqui SENHORITA – A mínima, sim SENHOR – Você me explicou

SENHORITA – Por isso mesmo que eu quero falar com o senhor

SENHOR – Pela minha pressa? Você quer SENHORITA – Não é pela sua pressa SENHOR – Então

SENHORITA – Pelos seus motivos SENHOR – Pelos meus motivos

SENHORITA – Você acabou de dizer que

SENHOR – Eu não dou a mínima pro que você tem pra falar

SENHORITA – Ele não deu a mínima pro que ela tinha pra falar

19


20

SENHOR – Ela acabou de dizer SENHORITA – Cinco minutos

SENHOR – Eu não dou a mínima mesmo, desculpe.

SENHORITA – Não se desculpe, é justamente o que eu

procurava, justamente o que eu procurava e parece que

SENHOR – Senhorita, eu não entendi SENHORITA – O senhor

SENHOR – Eu não sei se entendi corretamente SENHORITA – Não foi isso SENHOR – Não

SENHORITA – O senhor vai entender tudo errado

SENHOR – Você disse que estava procurando por mim?

SENHORITA – Não, senhor, eu disse que SENHOR – A senhorita me conhece?

SENHORITA – Eu não disse isso, eu disse SENHOR – A senhorita me conhece


SENHORITA – O que

SENHOR – Então a senhorita me conhece

SENHORITA – O senhor não me entendeu SENHOR – Então

SENHORITA – O senhor não me entendeu SENHOR – Quem sou eu, senhorita? SENHORITA – Por favor

SENHOR – Quem sou eu? Me diga! SENHORITA – Não é isso que eu

SENHOR – Quem sou eu, senhorita? Me diga! Quem sou eu?

SENHORITA – Escuta

SENHOR – Eu não sei

SENHORITA – Senhor! Eu não

SENHOR – Diga pra mim quem eu sou! Diz! SENHORITA – Eu não sei SENHOR – A senhorita

21


22

SENHORITA – E eu é que sei? E eu é que sei, senhor?

SENHOR (descontroladamente, jogando suas coisas no

chão) – Diz quem sou eu! Diz! Quem sou eu, senhorita? Quem? Quem sou eu? Quem eu sou, por acaso? Você

disse que me conhece, não disse? Você me conhece? Então me diz! Quem sou eu? Quem eu sou, senhorita? Me explica! Diz na minha cara quem eu sou! Quem?

SENHORITA (descontroladamente) – E eu é que sei?

Eu sei? Eu sei quem é o senhor? Eu não sei! Não sei! Ou

será que eu sei quem é o senhor? Será que eu sei? Porque quando eu vi o senhor passar eu não fazia ideia de

quem era você, mas agora eu desconfio que eu saiba

tudo sobre você, meu senhor. Tudo! Desconfio que eu

saiba tudo sobre a sua vida, tudo sobre seus filhos, sua família, seu trabalho. Eu sou quem sabe tudo de você.

Não sou? Ou eu não sei nada? Eu sou a sua morte, senhor. Eu sou a sua mãe! A mãe da sua mãe! Eu sou a mãe dos seus filhos, meu senhor! Eu não sei! Pausa.

SENHOR – O que a senhorita disse? SENHORITA – Nada


SENHOR – Eu

SENHORITA – Eu não disse nada

SENHOR – Eu tive a impressão de

SENHORITA – Não precisa saber, só escuta o que eu tenho pra falar

SENHOR (enquanto vai se reajeitando) – Pode falar então, moça

SENHORITA – Eu cometi um erro hoje. Eu quase nem consigo falar sobre isso. Mas meu estado de coragem

é tal que, quando eu vi o senhor passando, eu resolvi falar com alguém sobre tudo que me aconteceu. SENHOR – Mas creio que eu não posso ajudar

SENHORITA – Pode sim, por favor! Você pode me ajudar. Qualquer um pode me ajudar. Basta querer me ajudar. Apenas ajude, por favor SENHOR – Creio que eu

SENHORITA – Qualquer um pode ajudar SENHOR – A gente não sabe o que pode

SENHORITA – Ninguém sabe o poder que tem

23


24

SENHOR – E o controle de tudo isso

SENHORITA – A gente é tão pouco pra gente SENHOR – Por favor

SENHORITA – A gente é SENHOR – Por favor

SENHORITA – Me tira daqui

SENHOR – Por favor, me tira daqui SENHORITA – Por favor, me tira SENHOR – Daqui

SENHORITA – Por favor SENHOR – Senhorita

SENHORITA – Não pergunta meu nome, eu não quero saber o seu

SENHOR – Meu nome?

SENHORITA – Eu não quero saber o seu nome, senhor SENHOR – Você não quer saber o meu nome?

SENHORITA – Eu não quero saber o seu nome, senhor


Pausa longa. SENHOR – Quem é você, senhorita? Pausa muito longa. SENHOR – Você

Ele se afasta e se senta no chão, pensativo. SENHORITA – O senhor está bem? SENHOR – Eu

SENHORITA – O senhor quer alguma coisa? SENHOR – Eu não sei SENHORITA – Você

SENHOR – Eu só estou um pouco assustado

SENHORITA – Eu posso trazer um pouco de água pro senhor

SENHOR – Água? SENHORITA – É

25


26

SENHOR – Por que eu ia querer um pouco de água, senhorita?

SENHORITA – Pra beber

SENHOR – Talvez eu esteja

SENHORITA – Talvez o senhor esteja passando mal e não saiba

SENHOR – Eu não sei

SENHORITA – Você me parou no meio da rua SENHOR – Eu cometi um erro hoje SENHORITA – Água

SENHOR – Senhorita, quando eu quiser um pouco de água, eu espero chover Pausa.

SENHORITA – Eu posso fazer chover se o senhor quiser

SENHOR – Eu estou com essa sensação ruim desde SENHORITA – Hoje


SENHOR – Eu só estou um pouco assustado

SENHORITA – As pessoas mal conseguem ver, senhor, o quanto

SENHOR – Elas não percebem que

SENHORITA – Elas não conseguem ver que

SENHOR – Eu tento me concentrar, mas eu não consigo

SENHORITA – E eu

SENHOR – Eu juro que faço o melhor de mim, mas eu não consigo. Eu não consigo nem respirar à noite. Eu

não consigo respirar. Eu não consigo me manter em pé, eu já nem posso mais gritar SENHORITA – Senhor

SENHOR – Essa voz já não é minha, entende? Eu fico tão assustado com isso, eu fico tão

SENHORITA – Eles não estão olhando pro senhor agora

SENHOR – Eles nunca olham pra nada. São dois enfeites esses olhos. Mas eu sinto, eu consigo sentir o cheiro dos olhares, é um soco. Arde a pele o olhar de

toda essa gente, é ardido. E eu fico perturbado com

27


28

tudo o que passa por mim. Às vezes eu imagino, eu

vejo eles me observando. Tantas vozes, tantos movimentos, tantos sorrisos. Parece que todo mundo se

encontra nesse determinado ponto do destino pra assustar um ao outro. E eu fico totalmente desconcerta-

do nesse ponto da jornada, sabe? Eu fico percebendo que eu não consigo assustar ninguém. E, ao mesmo

tempo, qualquer um, qualquer um consegue me botar um medo que me faz tremer inteiro. Eu fico supondo ter ouvido alguém me chamar, mas... E agora eu não

reconheço mais nenhum chamado pelo meu nome. Eu esqueci o meu nome, senhorita. Faz tempo que eu não uso. Faz tempo que ninguém usa o meu nome por aí. Eu não conheço mais ninguém, senhorita

SENHORITA – Eu sei que não estamos no controle disso agora, mas

SENHOR – Eu não sei se o controle está nas minhas

mãos ou nas mãos deles! Isso me assusta! Eles quase nem parecem tão humanos

SENHORITA – Você não escuta

SENHOR – Quando a senhorita me cutucou pelo om-

bro, eu tremi pelo seu toque. Eu fico desconcertado com qualquer voz estranha


SENHORITA – Senhor, por favor, eu não posso

SENHOR – E você veio dizer que a gente acha que não

pode ajudar ninguém? Quem eu posso ajudar, senhorita? Eu não posso ajudar nem um passarinho se ele

cair agora do céu, com uma asa quebrada. Eu não pos-

so ajudar a senhorita. Foram eles que te mandaram aqui, não foi?

SENHORITA – Não sei do que o senhor está falando SENHOR – Eu sabia!

SENHORITA – Você cometeu um erro hoje SENHOR – Você!

SENHORITA – Foi quando você falou sobre os nativos

SENHOR – Os nativos fritavam os exploradores que vi-

nham tentar mudar o mundo, sabia? Quem te mandou aqui? (fica instantaneamente atoleimado). Você parece minha filha, moça

SENHORITA – Eu nunca conheci a sua filha, senhor

SENHOR – Eu não posso deixar de te olhar dessa maneira

SENHORITA – Eu não sou sua filha, senhor. Eu não

29


30

sou nada sua. Eu mal conheço você, eu mal olhei pro

senhor, eu não imagino o que tenho pra falar, eu não imaginava. O senhor não sabe o erro que eu cometi.

Eu só queria que tudo isso acabasse logo, mas desse jeito

SENHOR – É impressionante SENHORITA – O que?

SENHOR – Como agora vocês se parecem SENHORITA – Eu não sei

SENHOR – Esse jeito de falar nos lábios. Você percebe quanto do seu som fica preso no movimento da sua

boca? Você pode falar tão mais claramente e sua voz é tão doce! Eu digo isso pra ela também. Ela tem ma-

nia de morder demais as palavras que fala. Ou pensar demais antes de falar. Nesse caso, eu já não vejo semelhanças. Mas seu cabelo, moça, o jeito com que o seu

cabelo cresce pros lados... E esses olhos, esse desvio

no olhar quando fala alguma coisa desinteressante, essas marquinhas da testa

SENHORITA – Eu não sou sua filha, senhor. Eu não sou nada sua. Eu mal conheço você, eu mal olhei pro se-

nhor, eu não imagino o que tenho pra falar. O senhor


não sabe o erro que eu cometi! Eu só queria que tudo

isso acabasse logo, mas desse jeito eu não consigo pe-

dir que me tire daqui. E é só isso o que eu quero: que alguém me tire daqui

SENHOR – Mas por que você quer sair daqui? SENHORITA – O que?

SENHOR – Por que você quer que te tirem daqui? SENHORITA – Pelo erro que eu cometi

SENHOR – Mas não foi culpa sua, senhorita

SENHORITA – Como o senhor sabe que não foi? SENHOR – Eu não imagino que

SENHORITA – Como o senhor ousa imaginar que não foi culpa minha?

SENHOR – Não cabe nos seus ombros esse peso

SENHORITA – E por acaso cabe nos seus, senhor?

SENHOR – Cabe um mundo nos meus ombros, senho-

rita. Mas eu não tenho nem forças pra carregar essa pressa que eu empurro

31


32

SENHORITA – Eu preciso que o senhor me escute por mais alguns minutos.

SENHOR – Senhorita, eu SENHORITA – Cinco

SENHOR – Senhorita, eu

SENHORITA – Por favor, eu só preciso que o senhor escute

SENHOR – Eu posso te contar um segredo, senhorita? SENHORITA – Pode sim

SENHOR – Eu não dou a mínima pro que você tem pra falar

SENHORITA – Eu não acredito no senhor

SENHOR – A senhorita não acredita em mim? SENHORITA – Não

SENHOR – Eu realmente não dou a mínima pro que você tem pra falar

SENHORITA – Foi exatamente por isso que eu escolhi você


SENHOR – Senhorita

SENHORITA – Por isso mesmo eu quero falar com o senhor

SENHOR – Pela minha pressa? Você quer

SENHORITA – Não, não é pela pressa. Pelos seus motivos. Você acabou de dizer que

SENHOR – Tinha um segredo pra te contar

SENHORITA – Você não tem segredos, tem?

SENHOR – Eu não dou a mínima pro que você tem pra falar.

SENHORITA – Exatamente por isso

SENHOR – Eu certamente não dou a mínima, desculpe. SENHORITA – Não se desculpe

SENHOR – É o que você estava procurando SENHORITA – Sim

SENHOR – Você não vai me contar nada. SENHORITA – Vou

SENHOR – Então diga

33


34

SENHORITA – O senhor é alguém ideal pra me ouvir SENHOR – Só porque a senhorita não me conhece?

SENHORITA – Não! É porque o senhor tem muita pressa. Eu posso ver nos seus ombros SENHOR – Escuta

SENHORITA – Espera

SENHOR – Eu já perdi o meu horário SENHORITA – Oi

SENHOR – Você me parou aqui neste lugar e atrasou toda a minha vida

SENHORITA – Seu tempo, senhor

SENHOR – Você desarranjou todo o meu dia SENHORITA – Sua filha, senhor SENHOR – Olha pra mim agora Pausa.

SENHOR – Eu não tenho mais pressa nenhuma Pausa.


SENHOR – Eu já não sou mais ninguém por aqui Pausa.

SENHOR – E eu não faço ideia de quem seja você e o que quer de mim

SENHORITA – É melhor

SENHOR – Eu só quero dizer que eu não posso te ajudar

SENHORITA – Tudo bem SENHOR – Tudo bem

SENHORITA – Assim a gente fica mais seguro SENHOR – Eu estaria sorrindo, moça

SENHORITA – Ele estaria sorrindo, senhorita SENHOR – É melhor

SENHORITA – Assim

SENHOR – Eu estaria sorrindo se eles me colocassem de ponta-cabeça

SENHORITA – É melhor assim

35


36

Pausa longa. SENHOR – Você gosta de música clássica?

SENHORITA – Engraçado você ter me perguntado isso, eu

SENHOR – Minha filha é violinista Ela permanece em silêncio.

SENHOR – Você gosta de fogos de artifício? SENHORITA – Me lembram despedida SENHOR – O ano

SENHORITA – Novo SENHOR – Lá longe

SENHORITA – O ano acabou de começar, meu senhor SENHOR – Ele nasce acabando Ela permanece em silêncio.

SENHOR – Eu tenho saudades dela


SENHORITA – Eu cometi um erro hoje SENHOR – Eu tenho saudades dela

SENHORITA – Eu parei um estranho na rua SENHOR – Você cometeu um erro hoje

SENHORITA – Eu parei um estranho na rua e SENHOR – E

SENHORITA – Espera SENHOR – Como?

SENHORITA – Shhh! Escuta!

SENHOR – Não entendi o que a senhorita SENHORITA – Shhhhh SENHOR – Senhorita

SENHORITA – Está ouvindo? SENHOR – Ouvindo o que? SENHORITA – Escuta SENHOR – O que

37


38

SENHORITA – Não está ouvindo mesmo? SENHOR – Ouvindo o que, senhorita? SENHORITA – A sinfonia Pausa.

SENHORITA – Você não está ouvindo? Silêncio.

Eles ficam cinco minutos em longo silêncio.

Escuro.

FIM


Comiss達o julgadora


40

1ª Fase

Caroline Alciones Formada pelo curso de Letras – Português/Inglês da Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), atuou como estagiária no projeto Periódicos literários da Fundação Biblioteca Nacional (FBN). Na FBN, desenvolveu projeto próprio sobre caricatura. Atualmente cursa o bacharelado de Produção Cultural da Federal Fluminense (UFF) e a licenciatura da UFRJ e integra, como estagiária, a equipe da Assessoria de Cultura do Teatro Escola SESC.

Eliane Carmo Ao longo de três anos participou da Cia. Eletrone de Teatro, na qual desenvolveu trabalhos como Sonho de uma noite de verão, de Shakespeare, apresentado no FESTA! de 2010, e Morte e vida severina, de João Cabral de Melo Neto. Além disso, foi monitora de direção teatral, auxiliando na montagem das peças Despertar da primavera, de Frank Wedekind, e Capitães da areia, de Jorge Amado. Atualmente está estudando na Casa das Artes de Laranjeiras (CAL).

Gustavo Henrique C. Wanderley Estudante do curso de Artes Cênicas (Licenciatura) da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), e ex-aluno da Escola SESC de Ensino Médio,


integra atualmente a equipe da Assessoria de Cultura da Escola como praticante egresso. Encenou as peças Jogos na hora da sesta (2008), O despertar da primavera (2009/2010) e o O pastelão e a torta (2010) em montagens escolares.

Thiago Sardenberg Bacharel em cinema, ator e escritor, aos 16 anos publicou o romance No abismo da paixão. Escreveu, atuou e produziu o musical e monólogo cômico Sai de mim, Julie Andrews!, dirigido por Rubens Lima Junior. Atualmente cursa Licenciatura em Artes Cênicas na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio). É estagiário de teatro na Assessoria de Cultura do Teatro Escola SESC.

2ª Fase

Claudia Sampaio Jornalista, mestre em Literatura Brasileira (Uerj-Faperj) e doutoranda em Teoria da Literatura (UFRJ-CNPQ /Capes), com a tese Diálogos, afetos e pensamento lírico: a poesia de Cecília Meireles. é pesquisadora das áreas de linguagem, teoria da literatura e poesia desde 2006. Trabalhou em jornal, rádio, televisão, internet e cinema. Tem experiência em redação, roteiro, edição de textos, investigação e preparação de livros. Seus textos podem ser lidos na revista Educação Pública: www.educacaopublica.rj.gov.br.

41


42

Ieda Magri Graduada em Letras – Português/Literaturas (2002), é mestre em Teoria da Literatura (2005) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e doutora em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É editora da revista Anjos do Picadeiro e em 2007 lançou o livro de ficção Tinha uma coisa aqui (7 Letras).

Sidnei Cruz Dramaturgo e diretor teatral (Unirio), MBA em Gestão Cultural (Ucam) e mestre em Bens Culturais e Projetos Sociais (FGV-RJ), publicou Palco Giratório: uma difusão caleidoscópica das artes cênicas (Dantes Editora), onde sintetiza os dez anos do projeto que criou e coordenou de 1998 a 2007, quando atuava no Departamento Nacional do SESC. Desde 2008 é Assessor de Cultura da Escola SESC de Ensino Médio, onde desenvolve projetos de arte e cultura voltados para o desenvolvimento cultural local. Suas mais recentes montagens são: Onde você estava quando eu acordei? (2008), Relicário (instalação cênica com o Bando Filhotes de Leão – 2009/2010) e O samba carioca de Wilson Baptista (musical brasileiro, de Rodrigo Alzuguir e Claudia Ventura – 2010/2011).


Tahiba Melina Chaves Bacharel em Interpretação Teatral pela Universidade de Brasília (UnB), cursou especialização em Terapia através do Movimento. É assessora técnica de Programação e Produção Cultural da Assessoria de Cultura da Escola SESC de Ensino Médio.

Viviane da Soledade Cursou Profissionalização de Ator na Casa das Artes de Laranjeiras (CAL), formou-se em Teoria do Teatro pela Unirio e é pós-graduanda em Arte e Cultura pela Universidade Candido Mendes (Ucam). Em 2006, ministrou aulas de interpretação teatral para adolescentes e adultos por meio do projeto Jovem trabalhador social, realizado pelo Governo do Estado. Atualmente trabalha na concepção e realização da programação do espaço cultural Teatro Escola SESC.

43


Este livro foi impresso em papel alta alvura 120g (miolo) e Duodesign 240g (capa) pela grรกfica XXXXX em setembro de 2011.


A Sinfonia  

Texto de Gustavo Henrique Colombini

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you