Page 1

Sテ年IA PAIVA


EDUCADORA E ARTISTA MÚLTIPLA


EDUCADORA


LIVRO DIDÁTICO


Encenação: percurso pela criação, planejamento e produção teatral. Editora da UnB, lançamento previsto para novembro de 2011.


LABORATÓRIO DE CENOGRAFIA NA QUADRIENAL DE PRAGA 2011


Catรกlogos da Mostra dos Cenรณgrafos brasileiros e diรกrio da Mostra das Escolas, Praga 2011


Uma prévia da Quadrienal de Praga, Correio Brasiliense, Diversão e Arte, Brasília, 28 de abril 2011


A terceira Margem do Rio, projeto vencedor da Mostra das Escolas brasileiras da Quadrienal de 2011


FamĂ­lia a moda da casa, terceiro lugar na Mostra das Escolas brasileiras da Quadrienal de Praga 2011


Simplicidade: o imaginårio de um grande coração vermelho, selecionado para a Mostra das Escolas brasileiras da Quadrienal de Praga 2011


Coralina ou a vida mera das obscuras, selecionado para a Mostra das Escolas brasileiras da Quadrienal de Praga 2011


FESTIVAL TUCAN


SIQUEIRA, Fernanda e GARCIA, TaĂ­s, O renascimento de Helena, Campus, Cultura, novembro de 2007


Folder do Festival Tucan, criado e organizado no perĂ­odo de chefia do Departamento de Artes CĂŞnicas, 2007


ARTISTA MÚLTIPLA


INSTALAÇÕES, ANIMAÇÕES E PERFORMANCE


INSTALAÇÃO ENCENAÇÃO PICTÓRICA


MACIEL, Nahima, A volta da gordinha e da malandragem, Correio Brasiliense, Caderno C, Brasília, 27 de março 2007


Sônia Paiva e o Jogo Alegórico da Pintura A artista Sônia Paiva ancora seu fluxo criativo naquilo que denomina “encenações pictóricas”, em sua dissertação de Mestrado. Esta mostra é um convite para que o público possa penetrar e fluir das espirais, labirintos, dobras e a maneira pela qual esse conceito opera e provoca uma experiência estética a ser vivenciada por meio do jogo estabelecido no espaço-tempo-movimento. De suas investigações, mesmo aquelas pontuais desenvolvidas empíricamente ou aquelas que requerem a participação de especialistas de áreas afins (dependendo das demandas de sua arte-artesania), assistimos ao transbordamento de sua atividade artística. A artista não delimita fronteiras para a sua criação. Portanto, instrumentos pincel, tinta, silicone, tecido, câmera, computador...-, linguagens pictórica, gráfica, escultórica, cênica, fílmica, computacional...- e, sobretudo, a injunção arte-vida, se tornam meios, adquiridos ao longo de seu percurso. A ligação que a artista mantém com a linguagem cênica, situada no intermédio, tanto das expressões autônomas quanto fora delas, resultam na integração de múltiplos recursos que fundamentam seu engajamento com a arte. Sua proposta nada deixa ao acaso. A premeditação se evidencia na escolha de elementos e funções para formar um mecanismo combinatório. Um desses é uma personagem, capturada no início de seu envolvimento com a pintura. Trata-se de a louca com sua boneca; essa gera uma outra, a gordinha que, por sua vez, torna-se-á um duplo de Alice, de Lewis Carrol e, por um processo de condensação, dará lugar à Alice-Gordinha; desse modo, tece e entretece a mulher, a imagem de mulher, o espéculo de outra mulher. Ato contínuo, outras personagens e objetos entrarão na superfície das telas e participarão de sequências narrativas em recortes e montagens cênicas, picotadas. De lá, saltam para o espaço, adquirem volume, transitam em instalações, atuam em roteiros, percorrem cenários, posam para stills, adquirem movimento.


Nesse ponto, o espectador poderá perceber um impulso alegórico no conjunto do trabalho de Sônia Paiva. Sabemos que isso ocorre quando um texto é duplicado em um outro e descreve a sua estrutura. A imagem, assim, se apropria de uma outra imagem e adiciona-lhe significado. A alegoria (allos=outra+agoreuei=falar) é aí concebida como suplemento, adicionada e recolocada, subordinada ao símbolo, atraída pela fragmentação e incompletude estrutura obssessiva -, e tem uma estratégia de acumulação. Desse modo, é a partir da pintura que a artista cria planos de estruturas orgânicas, arquiteta labirintos e cidades ideais, forma ambientes com massa aqüosa ou em grade, monta cenários, insere os seus “atores” com figurinos, ilumina-os e dirige-os, reinveste na imagem pictórica já remota, espectral mas, presente- e exibe-os em loops que são, potencialmente, repetições de repetições. A artista cria narrativas alegóricas em uma espiral de signos, expande-as em uma vertiginosa rede de significações para transformar, continuamente, a multiplicidade das projeções que o olhar de um duplo pode oferecer. Agora, com as cartas e os dados de um jogo (da arte, da vida) assim distribuídos, Sônia Paiva convida o espectador a se arriscar. Brasília, março, 2007 Grace Maria Machado de Freitas


Folder da exposição de Naura Tim e Sônia Paiva, Galeria Espaço Piloto, UnB, 2007


MACIEL, Nahima, O vôo poético de uma gordinha, Correio Brasiliense, Brasília, 4 de dezembro de 2006.


CALDAS, Roberta. Pedaços de mim, Correio Brasiliense, Caderno C, Brasília, 30 de agosto 2005


ANIMAÇÃO NADA COMO O FIRMAMENTO...


A volta de gordinha Alice, Correio Brasiliense, Caderno fim de semana, BrasĂ­lia, 30 de setembro 2005


Animação Stop-Motion e digital 3D, patrocinada pela Petrobras, Nada como o Firmamento... ,2005


PERFORMANCE MULTIMÍDIA A CORRESPONDÊNCIA


A correspondência..., performance construída da união de fotografia, atuação, artes gráficas, projeções e sonoplastia, Sala Saltimbancos, 2003


A Correspondência... projeções de imagens sobre guarda-chuva e atriz, Sala Saltimbancos, 2003


INSTALAÇÃO LA FOLLE E ET LA POUPEÉ PRÉSENTENT SÔNIA PAIVA


Catálogo da Exposição/ Instalação La folle et la Poupeé présentent Sonia Paiva, Galeria Debret, Paris, 1997


Maquete eletrônica da mostra La folle et la Poupeé présentent Sonia Paiva, Galeria Debret, Paris, 1997


Vista da vitrine de La folle et la PoupeĂŠ prĂŠsentent Sonia Paiva, Galeria Debret, Paris, 1997


Maquete 3D, da terceira sala da mostra, La folle et la PoupeĂŠ prĂŠsentent Sonia Paiva, Paris, 1997


Foto da sala de mini-esculturas, La folle et la PoupeĂŠ prĂŠsentent Sonia Paiva, Galeria Debret, Paris, 1997


I INSTALAÇÃO A BONECA E LOUCA APRESENTAM SÔNIA PAIVA


Catálogo da Instalação A boneca e a louca apresentam Sonia Paiva, CCBB, Rio de janeiro, 1996


Metรกforas delirantes, Veredas: revista do Centro Cultural do Banco do Brasil, Rio de janeiro, 1996, p.7


TRABALHOS DE ENCENAÇÃO TEATRAL


TEATRO O FATO


A música contemporânea entra em cena, Jornal do Campus, 2002


Cartaz de O Fato, de Oscar Edelstein, direção de Sílvia davini, Teatro Garagem - SESC , Brasília , 2002


O Enigm贸logo, personagem de Jo茫o Ant么nio em O fato, Teatro Garagem - SESC , 2002


Adereรงo de cabeรงa, com sistema de luz, para o Enigmรณlogo em O fato Teatro Garagem - SESC , 2002


Figurino da Voz, atriz SĂ­lvia Davini em O fato Teatro Garagem - SESC , 2002


TEATRO - INSTALAÇÃO ROSANEGRA


MUNIZ, Alethea. O círculo do Sertão, Correio Brasiliense, Cultura, Brasília, 23 de maio 2002


Rosanegra, desenho dos personagens Rosalina, Tavares e Mariano, direção Hugo Rodas, 2002


Rosanegra, desenho dos personagens Pai do Mariano, o Cego, Tavares e o Balseiro, 2002


Prova dos figurinos de Rosanegra no Espaço Cultural Contemporâneo Venâncio, Brasília, 2002


TEATRO HAMULETO


MUNIZ, Alethea. Hamlet e os orixás, Cultura, Brasília, 16 de maio 2002


Figurino de Gertrudes de Hamuleto mon贸logo com Simone Reis, Bras铆lia, 2002


Figurino de Ofélia com cabeça postiça, Teatro do Centro Cultural do Banco do Brasil, Brasília, 2002


Tótem composto de Gertrudes, Ofélia e Hamlet, Teatro do Centro Cultural do Banco do Brasil, Brasília, 2002


Figurino de Hamlet em Hamuleto, Teatro do Centro Cultural do Banco do Brasil, BrasĂ­lia, 2002


TEATRO DE RUA A RUA É UM RIO BRILHANTE


Folder de A rua é um rio brilhante, uma farsa de José Mapurunga, teatro de rua, Brasília, 2001


Figurino e cabeças para A rua é um rio brilhante, direção de Humberto Pedrancinil, Brasília, 2001


Emas e macaco para A rua ĂŠ um rio brilhante, teatro de rua, BrasĂ­lia, 2001


Bois para A rua ĂŠ um rio brilhante, teatro de rua, BrasĂ­lia, 2001


Moscas para A rua ĂŠ um rio brilhante, teatro de rua, BrasĂ­lia, 2001


TEATRO DE RUA O AUTO DA CAMISINHA


Desenhos do Diabo, a Costureira e o Padrinho de O auto da camisinha, direção de Humberto Pedrancinil, Brasília, 1999


Foto do Padrinho e Benedito de O auto da camisinha, Teatro de rua, BrasĂ­lia, 1999


Foto da Costureira e Benedito de O auto da camisinha, Teatro de rua, BrasĂ­lia, 1999


Sonia Paiva's portfolio  

Portfolio sample made for the PHD project's selection at Brasília University, 2011.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you