Issuu on Google+

Direção: Carlos Amaro 1º Período 2013/2014

Número 22

Somos Nós ORGÃO OFICIAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA

«Fomos nós» no 1º período


Direção: Carlos Amaro 1º Período 2013/2014

Número 22

Somos Nós

FICHA TÉCNICA

ORGÃO OFICIAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA

"Somos Nós"

EDITORIAL A Escola, a família e a crise dos valores

Orgão Informativo do Agrupamento de Escolas de Samora Correia Número 22 Edição: 1º Período

Estamos no final de mais um ano, quase em altura de renovar os votos de um futuro melhor já para o próximo ano de 2014. Vivemos o Natal, afirmamos os valores tradicionais, fazemos promessas de solidariedade e desejamos tudo o que é o melhor para todos quantos nos rodeiam. Contudo, para tornarmos a nossa vivência num constante Natal precisamos de algo que se está a perder, a um ritmo cada vez mais acelerado, com origem na família e na estrutura social, ou seja, os valores. A base sólida para a boa educação e formação do caráter das nossas crianças – a família tradicional - está em parte destruída! Esta rutura tem contribuído para muitos dos problemas existentes na sociedade atual. A crise na instituição familiar, das suas relações, do próprio modelo de família, primeira fonte de transmissão de valores, as modificações de ordem material, nos aspetos tecnológico e científico e as sucessivas mutações económicas podem conduzir ao distanciamento, cada vez maior, da sociedade moderna, face aos valores tradicionais. Será que a desvalorização da tradição, através de ideologias que tudo subjugam à história e ao plano social, desvalorizando os valores tradicionais, negando o seu valor absoluto, tornando os valores morais como produto de mecanismos mentais repressivos, são a solução de sociedade do futuro? Será viável substituir a moral autónoma pelo relativismo? A sociedade, hoje em dia, tornou-se mais aberta e plural, mais intercultural, assumindo melhor as diferenças, mas também tornando-se mais insegura, violenta, tendendo para a repressão e até para um individualismo egoísta, esvaziado de valores, de relações interpessoais. Para muitos, não existe crise, antes abertura para outros. A maior crise é a incapacidade humana de enfrentar o problema da crise de valores. Subsiste a ideia de que nas democracias não há valores impessoais ou suprapessoais, parecendo que cada um escolhe os seus. Há quem sugira que a crise não será apenas de valores mas, também, de referências estáveis e sólidas. É perceptível que, a cada dia, as crianças têm desenvolvido comportamentos menos solidários e menos próximos com os seus parceiros. Assistimos ao aparecimentos de grupos e movimentos com comportamentos promíscuos e anti-sociais, vemos cada vez mais indivíduos infelizes, violentos e fracassados que, por sua vez, são progenitores que se demitem das suas funções de primeiros educadores para depositar, nos professores e na escola, a responsabilidade pelo caráter dos filhos, quando sabemos que é no lar que eles recebem a primeira instrução e onde serão influenciados pelos exemplos que vivenciarem, na conduta dos adultos, agindo exatamente como um reflexo dos exemplos observados.

(continuação na pag.19)

(dezembro 2013) Diretor: Prof. Carlos Amaro Director do Agrupamento de Escolas de Samora Correia Coordenação do Projeto: Prof. Leonor Dias Prof. Teresa Caetano Redação e Planeamento : E.B. 2,3 Prof. João Fernandes Pratas Bairro das Acácias 2135-236 SAMORA CORREIA Tel.263 654 324 / 5 Fax. 263 656 936 E-mail: jornaldoagrupamento@gmail.com Acompanhamento: Conselho Pedagógico do Agrupamento Paginação e Grafismo: Prof. Teresa Caetano Revisão de Provas: Prof. Leonor Dias

Todos os artigos de opinião são da responsabilidade de quem os subscreve.


3

CENTRO ESCOLAR As Bibliotecas Escolares do Agrupamento têm desenvolvido atividades muito interessantes e animadas, dando cumprimento ao Plano de Atividades, neste início de ano letivo. Na semana relacionada com o Dia Mundial da Alimentação foram realizadas atividades com turmas do Pré-Escolar e do 1º ano na BE do Centro Escolar de Samora, explorando o livro “A Sopa Verde”. Os professores do 4º ano organizaram uma atividade relacionada também com o Dia Mundial da Alimentação em parceria com o Centro de Saúde e foram à BE falar de Alimentação Saudável. Uma outra atividade realizada na BE do Centro Escolar de Samora e organizada também pelos professores de 4º ano, em articulação com o Departamento de Ciências da EB2/3, contribuiu para os alunos conhecerem e realizarem experiências muito divertidas. A professora Graça também dinamizou atividades relacionadas com o Dia Mundial da Alimentação na BE do Porto Alto com as turmas do Pré-escolar e 1º ciclo, explorando a história “O Nabo Gigante”. Na BE de Samora, a professora Graça tem desenvolvido atividades para o Pré-escolar e 1º ano de escolaridade relacionadas com o livro “A Toupeira que não sabia o que tinha na cabeça…”, no âmbito do projeto “Dialetos de Sonho”.

No dia 31 de outubro na BE do Centro Escolar de Samora dinamizou-se um pequeno concurso/atividade alusivo ao Halloween – Dia das Bruxas – em que alguns alunos participaram com o desenho de uma bruxa ou fizeram-na com materiais à sua escolha, destacando-se a criatividade e originalidade de cada criança, não esquecendo o empenho e dedicação. No Dia das Bruxas, os alunos do ensino Pré-escolar vestiram-se a rigor juntamente com as educadoras e foram visitar a BE. Na BE do Centro Escolar do Porto Alto foram promovidas atividades relacionadas com o livro “Desculpa… Por acaso és uma bruxa?”

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


4

CENTRO ESCOLAR Ainda no mês de outubro, mês das Bibliotecas Escolares, várias atividades foram promovidas, incluindo a formação de utilizadores para os 1º e 5º anos, dando a conhecer as normas de utilização e procedimentos na Biblioteca. Além disso, foram igualmente promovidos concursos/atividades relacionadas com o Dia Mundial das Bibliotecas Escolares – 28 de outubro – em que os alunos participantes do 1º Ciclo elaboraram bonitos marcadores de livros, fizeram desenhos da BE e escreveram receitas intituladas “Como fazer uma boa Biblioteca”.

Receita para uma boa Biblioteca 700g de computadores; 300g de jogos; 1 tela de postar; 800g de criatividade; 1 teatro; 1 professora bibliotecária; 1 funcionária; 1 tonelada de livros; 750g de gosto pela leitura; prateleiras, mesas e cadeiras (q, b.) 1 kg de imaginação; Crianças a gosto. Preparação: Numa taça, juntar 700g de computadores,300g da jogos,1 tela de postar,300g de criatividade e 1 teatro. Misturar tudo muito bem e deixar repousar. Numa tigela grande, colocar 1professora bibliotecária,1funcionária, 1 tonelada de livros, 750g de gosto pela leitura, prateleiras, mesas e cadeiras (q.b.) e mexer bem, até ficar no ponto. De seguida, colocar numa forma por camadas, levar ao forno a 180º C, durante 1 hora. Quando estiver bem cozido, retirar do forno e deixar arrefecer à temperatura ambiente. Por fim, decorar com 1kg de imaginação e crianças a gosto. Assim se fez uma boa Biblioteca. Se a conservares com carinho, pode durar toda a vida!

HOMEM MORDEU CÃO NO ALGARVE Um homem mordeu o seu cão no Algarve, mas não foi uma mordidela qualquer. Foi numa tarde onde toda a gente perdeu o juízo… Entretanto, apareceu um cão salvador que socorreu o cão que estava todo mordido. O cão salvador perguntou ao homem porque é que estava a morder o seu cão e ele respondeu que o cão estava a portar-se muito mal. Então, o cão salvador disse para eles fazerem as pazes. A Noticia – 4º H1 Trabalho realizado por: - Giovana Costa - Joana Flores

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


5

CENTRO ESCOLAR Bons livros vamos ler, Imaginar e reler. Boa biblioteca é a do Centro Escolar. Ler livros sem nunca parar, depois é só reler. Imaginamos e começamos a viajar. Os jogos vamos jogar e silêncio vamos fazer. Também há computadores para pesquisar. Eu adoro requisitar e depois ler. Com a biblioteca é sempre a melhorar. A biblioteca é espaço a respeitar. Andreia Mendes

Barulho é proibido. Inventar sem um único ruído. Bailarinas não há nem vai haver. Ler para aprender. Inconscientes não ficamos. Os jogos fazemos. Também há muitos livros E poucos castigos. Com os computadores, Aventuramo-nos a ser jogadores.

Para comemorar o mês Internacional das Bibliotecas Escolares, os alunos do 4º F5, do Centro Escolar de Samora Correia escreveram de forma criativa. Tatiana Cabral

Biblioteca é um ponto de sabedoria, Incluindo que tem muita magia! Bastante agradável... Leio livros com uma história imaginável. Indomáveis histórias, O que nos traz memórias! Tem grandes aventuras E histórias de criaturas. Coisas novas aprenderei, As histórias recitarei.

Biblioteca é um local para ler. Improvável é não o fazer. Barulho não podemos mostrar. Livros podemos requisitar. Impossível não resistir. Os livros não vão fugir! Todos os livros eu quero ler e rever. E todas as histórias eu vou saber. Coisas inesquecíveis há numa biblioteca. .

Rita Casquinha Pedro Silva

Bruxas, princesas, dragões… Isto tudo não são ilusões. Baleias, sereias, livros sobre o mar. Leio para memorizar. Imagino histórias de contos de fada, Ou histórias muitas engraçadas. Também preciso de ler. E novas palavras vou aprender… Com os livros vou me divertir. A biblioteca faz-me sorrir! Eva Paulino

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


6

CENTRO ESCOLAR

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


7

CENTRO ESCOLAR Dia Mundial da Alimentação No dia 14 de outubro de 2013, as turmas de 4º ano, do agrupamento assistiram a uma atividade dinamizada por uma enfermeira estagiária, do Centro de Saúde de Samora Correia, no âmbito da semana da alimentação. Esta atividade realizou-se na Biblioteca do Centro Escolar, onde os alunos assistiram a um filme relacionado com os hábitos alimentares. De seguida, elaboraram uma ementa saudável, desde o pequeno almoço até ao jantar, para perceberem a importância de uma alimentação variada, não deixando de ser alertados para os cuidados a ter na alimentação. No final, os alunos receberam uma garrafa de água e uma peça de fruta.

Na semana da Ciência e Tecnologia foi assim … Em Articulação com as Professoras do departamento das Ciências Experimentais, da EB2/3 Professor João Fernandes Pratas, os alunos do 4º ano do Centro Escolar assistiram, na biblioteca, a uma sessão experimental.

Fizemos uma solução. Misturámos dois líquidos e formámos um novo líquido.

Fizemos experiências com balões, um tapete, papelinhos e uma lata, onde vimos como funciona a eletricidade estática.

Também vimos algumas células no microscópio e observámos vários glóbulos, entre eles, um branco.

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


8

CENTRO ESCOLAR Realização de Acrósticos com a palavra Magusto Muito boas são as castanhas, Acabadinhas de fazer. Gosto delas a ferver. Um dia inteiro a comer. São Martinho é o herói, da lenda do Magusto. Num dia de tempestade, Tudo, tudo fez para ajudar, O senhor mendigo. Dando um pouco da sua capa. E, assim é a lenda! Margarida Lomba 4º G1

Maravilha das castanhas; A melhor festa do ano; Golos de água fresca como a neve; Uvas passadas também não vão faltar; São muito saborosas. Tão doces que são de chorar por mais. O outono é uma bela estação.

Realização de Poemas sobre sentimentos A Liberdade É azul bebé, como o céu. Sabe a um delicioso chocolate. Cheira a um dia muito quente. Tem alta temperatura. Move-se como as ondas do mar. Leve é o seu peso. Tem o som do clarinete. Faz-me sentir fantástica, livre para sempre! Margarida Lomba 4º G1

A Felicidade A felicidade tem as cores infinitas do arco-íris; Sabe a maçã. A sua temperatura é escaldante, Como o Sol. Tem o som do canto dos pássaros. Move-se como as nuvens. É leve como uma pena. Faz-me sentir como se estivesse com Deus. Helga Cabrita 4º G1 4º G1 – Professora Manuela Figueiredo

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


9

CENTRO ESCOLAR No âmbito da Educação Literária, a turma do 4º I2 conheceu a obra de António Couto Viana. No final, foi proposto aos alunos que escrevessem um poema, tendo como modelo o poema Quem sou eu, do autor estudado.

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


10

BIBLIOTECA DA ESCOLA EB 2/3-Samora Correia

Comemoração do Dia Internacional da Poupança No âmbito do Plano de Atividades das Bibliotecas Escolares do nosso Agrupamento para o ano letivo de 2013/14, foi assinalado o Dia Mundial da Poupança, com uma sessão, na Biblioteca da Escola E.B.2,3 Professor João Fernandes Pratas, na qual participaram de forma ativa e empenhada os alunos do 7ºD. A sessão foi dinamizada pelos professores António Raposo, que levou os alunos a refletirem sobre os gastos mensais de uma família, e o professor Carlos Bexiga que sensibilizou a turma para a importância da poupança diária em termos monetários, energéticos e outros consumos domésticos. A turma foi acompanhada pela professora Ana Lúcia Pinto, da disciplina de Português, estando também na sessão outros professores da respetiva escola.

No dia 14 de novembro, integradas na celebração do «Dia Mundial do Não Fumador», realizaram-se algumas atividades, dinamizadas pela BE e alguns professores de português, nomeadamente, o visionamento de um powerpoint alusivo, debates e ilustrações realizados por alunos do 1º ciclo e a turma E do 6º ano.

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


11

BIBLIOTECA DA ESCOLA EB 2/3-Samora Correia Ser Colaborador da BE Ser colaborador da BE é divulgar, participar e apoiar as várias atividades temáticas dinamizadas e realizadas neste espaço vivo. As vantagens são imensas, aprendemos a ser mais solidários, mais participativos, mais curiosos e crescermos com mais sabedoria, o que contribui para a nossa cultura geral e também para o espírito cooperativo, intervindo mais ativamente na «Vida Escolar». Carolina Camilo Diana Grigorita 9ºB

Oferta de livros pelos Correios CTT A Biblioteca da Escola EB 2,3 recebeu via Biblioteca Municipal de Benavente, no passado mês de Novembro um conjunto de vinte livros oferecidos pelos CTT Correios, editados pelos mesmos, ou pela Fundação Portuguesa das Comunicações. Trata-se de um interessante conjunto no qual existem cinco volumes sobre a história de alguns desportos nomeadamente, atletismo, ciclismo, hóquei, andebol e futebol. Dois outros volumes abordam temas relacionados com a história do descobrimento do Brasil e a rota Índia. Há também três volumes que focam a vida e obra de vultos como, S. Francisco de Xavier, Eça de Queirós e Vitorino Nemésio. Fazem ainda parte da oferta uma excelente colecção de cinco volumes sobre a história das comunicações desde a antiguidade até à época contemporânea, focando temas desde os tempos telégrafo até aos tempos digitais. Os restantes cinco volumes abordam várias temáticas desde a história das comunicações até à história da astronomia. Todas as obras ficam ao dispor da comunidade escolar, desde alunos e professores até encarregados de educação, a quem os temas possam interessar. A Biblioteca Escolar deixa aqui o seu agradecimento público aos Correios CTT pela oferta.

A Harmonia está presente em tudo na vida e concordo completamente com o sujeito poético (Oliveira 1922) no facto da Humanidade e a Natureza serem o exemplo de harmonia perfeita, "como um rio lento e irrevogável, a humanidade está na rua", segundo o autor em "Quando a Harmonia chega" (linha 5). Para mim, a harmonia é algo que pode não manifestar qualquer som, mas que sempre se ouve; é algo que vive em nós e que mora nos nossos corações; é algo perfeito, é um silêncio desesperado e contínuo e palavras por dizer ou música para os meus ouvidos; é um puzzle com peças completamente diferentes, mas que se encaixam perfeitamente; é como a lua e o sol, a terra e o mar e o meu ser e o teu. Posso concluir que há harmonia em tudo e a visão de Carlos de Oliveira é clara sobre o tema, pois a harmonia é transparente aos nossos olhos, assim como a nossa alma. Estrela Assunção nº12, 9ºE

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


12 DEPARTAMENTO DAS LÍNGUAS O Natal Era véspera de Natal. A Maria, uma menina rica e muito mimada, adorava esta época, gostava de comer os doces e os fritos de Natal e recebia muitos, muitos presentes… Todos os anos, na véspera de Natal, Maria e os pais saíam para comprar presentes para toda a família. Como sempre, ela adorava andar às compras. -Filha, não te afastes de nós!-repetia o pai pela décima vez. Mas Maria distraiu-se a olhar para uma montra e só reparou que não estava junto dos pais quando olhou à sua volta e não os viu. -Mãe, pai, onde estão?!-gritava Maria desesperada. Procurou-os em todas as ruas, em todas as lojas e nada. Já anoitecia e a menina não sabia o que fazer, chorando e tremendo de frio. Até que encontrou um velhote de barbas que julgou ser o Pai Natal. -Boa noite, minha menina, o que estás aqui a fazer sozinha? E os teus pais?-perguntava o velho com voz rouca. -Eu perdi-me dos meus pais…E o senhor? Não passa o Natal com a sua família?-perguntou a Maria a tiritar de frio. -Toma esta manta, estás a tremer de frio. Sabes uma coisa? Eu não festejo o Natal há mais de cinco anos, pois já não tenho família. Ela, sem saber o que dizer, ficou a olhar de boca aberta. Por fim saiu-lhe algo: -Não fazia ideia que algumas pessoas não festejam o Natal! Eu gosto muito, porque recebo muitos presentes. Nesse momento, a Maria percebeu que o Natal não seria importante sem a presença da família. -Vamos procurar os teus pais!-exclamou o velho. E lá foram. Depois de tanto caminharem, a Maria avistou os pais. -Mãe, pai, estou aqui!-gritou ela muito aflita. -Filha, estás bem?-perguntaram os pais em sintonia, muito preocupados. -Estou bem, pois o Pai Natal ajudou-me a encontrar-vos. – declarou a menina. -Pai Natal?!-exclamou o pai surpreendido. -Sim, pai, este senhor é o meu Pai Natal. Desde esse dia, o velhote passou todos os natais com a Maria e a sua família e nunca mais se sentiu só. Débora Veríssimo,6º D

A minha árvore A árvore desta língua... Que tem as folhas onde eu escrevo As minhas poesias. Tem as flores que os passarinhos beijam E encantam as raízes Que enterram o teu lindo tronco, Onde os picapaus infiltram o seu bico Para se alimentarem. Tu és o nosso guarda... Beatriz Ângelo, 5ºD

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


13

DEPARTAMENTO DAS LÍNGUAS No dia 31 de outubro de 2013, na escola sede do Agrupamento, viveu-se um dia diferente, na medida em que, mais uma vez, se assinalou a tradição dos países de língua inglesa, já enraizada na cultura portuguesa e vulgarmente conhecida como “HALLOWEEN”. Dos vários cantos desta cidade, chegaram chapéus e máscaras, bruxas, abóboras de cores, tamanhos e qualidades variados. Serviram para decorar, aprender e divertir… Não faltaram imaginação e criatividade! Bruxas, fantasmas, abóboras e morcegos, foram distribuídos pela escola, deixando a marca de mais um HALLOWEEN vivido e comemorado em verdadeiro ambiente de festa, próprio de um contexto escolar. As professoras de Inglês agradecem a colaboração das famílias nesta atividade.

Elogio à arte Decorreu no dia 10 de dezembro de 2013 a visita de estudo do 9.º ano, que levou os alunos a Lisboa, para assistirem à representação da peça “Auto da Barca do Inferno” e visitarem o Centro de Arte Moderna da Fundação Gulbenkian. Começámos o dia gelado deambulando pelos jardins da fundação, enquanto os 3 grupos de alunos se organizavam para desfrutar da visita guiada “Isto é arte?”. Através de peças/quadros associados ao movimento modernista ou a autores contemporâneos, os alunos procuraram compreender o conceito de “arte”, numa atividade dinamizada pela professora Teresa Caetano, que os alertava para a necessidade de “olharem com olhos de Visual”. À tarde, já no auditório do BES, a companhia de teatro “O Sonho” levou à cena mais uma divertida representação da peça do pai do teatro nacional, Gil Vicente. Apesar de ser um texto do século XVI, os alunos aperceberam-se da intemporalidade dos aspetos criticados na obra e mostraram-se agradados com a encenação levada a cabo. Esta visita foi dinamizada pelas docentes de Português Dora Morgado e Elsa Cletodoulou. As professoras Ana Cristina Fernandes, Carla Brandão e Lucinda Camilo acompanharam os alunos num clima de boa disposição, contribuindo também para o sucesso das atividades. A rapaziada gostou, aprendeu muitas coisas e isso leva-nos a concluir: MISSÃO CUMPRIDA!

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


14

ESPAÇO LIVRE Um Poema Penso que estou feliz Mas quero não estar Resumindo, estou infeliz É claro que não estou a gostar. A vida é safada E a minha já está bem tramada. Será que ela é a culpada Da minha infelicidade? Cá para mim ela foi infetada Ou é porque não tenho liberdade? Ou então não tenho qualidade. Nesta sociedade Cheia de maldade Gostava que houvesse mais humildade. Um Humano

Natal Solidário No âmbito da disciplina de Educação Moral Religiosa Católica, foi organizada a atividade «Natal Solidário», com o objetivo de contribuir para a CARITAS de Samora Correia, e ajudar as famílias mais necessitadas. No decorrer da última semana de aulas, foi criada uma «banca» no pátio da escola, onde estavam expostos trabalhos elaborados pelos alunos nas aulas da disciplina de Educação Visual, na nossa escola e também na do Porto Alto. Os alunos construíram pregadeiras com material reciclado; pulseiras; postais; marcadores de livros e azulejos. Todos os intervenientes nesta atividade, demonstraram um grande espírito solidário, para com esta causa!

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


15

PROJETO COMENIUS Mobilidade Comenius à Hungria Nos dias 10 e 15 de outubro, a equipa de docentes, constituída por Luísa Romão, João Filipe, Maria da Luz Cruz e Paula Louçã, deslocou-se à Hungria, mais concretamente à sua capital, a cidade de Budapeste, através do projeto Comenius 2013-2015, naquela que foi a nossa primeira mobilidade. A Escola que nos acolheu designa-se por “Hunfalvy Jánus”, nome do seu padroeiro e situa-se em pleno coração da capital magiar, junto ao rio Danúbio. Enquadrada na arquitetura da cidade, o edifício desta escola secundária-profissional, bilingue, com parcerias com Alemanha e França, é apenas reconhecido como espaço escolar pelas insígnias da escola e as bandeiras do país e da união europeia. É acolhedor e tranquilo, um lugar adequado para se aprender e ensinar. A primeira mobilidade Comenius destinou-se, sobretudo, a aferir a metodologia e as atividades a desenvolver no Projeto, cujo tema é a Cultura Pop nos países que nele participam. São eles Alemanha, Espanha, Itália, Polónia, Hungria e Roménia. Foi a oportunidade de determinar quais as tarefas que constituem a responsabilidade de cada equipa, as datas de outras mobilidades, bem como avaliar sobre as possibilidades de mobilidade de alunos e docentes. Tivemos também oportunidade de visitar a localidade de Szentendre, conhecida pela sua arte popular e museus e o belíssimo Parlamento Húngaro. O acolhimento da equipa húngara pautou-se pela simpatia e profissionalismo, o que é transversal às restantes equipas. Os alunos do nosso Agrupamento que forem selecionados para participarem nas mobilidades ou no acolhimento dos alunos estrangeiros terão a possibilidade de os conhecer. Vista geral cidade de Budapeste

Grupo Comenius

Agrupamento de Escolas de Samora Correia

Escola anfitriã


16

DEPARTAMENTO DAS EXPRESSÕES SALA DO ENSINO ESTRUTURADO Aprender a Fazer Salame de Chocolate….Fazendo! A Educação Especial tem por objetivo a inclusão educativa e social dos alunos, o acesso e o sucesso educativo, a promoção da autonomia e estabilidade emocional, bem como a igualdade de oportunidades. Através de uma Educação não formal, promovem-se atividades tendo em conta os quatro pilares da Educação - saber/conhecer; saber/fazer; saber/ser, saber viver em conjunto. Aqui o tempo da aprendizagem é flexível, respeitando as diferenças e as capacidades de cada um. Existe flexibilidade tanto em relação ao tempo como em relação à forma de aprender, tendo em conta os materiais e estratégias utilizadas, os contextos e os espaços. Promover nos alunos uma maior autonomia pessoal e social, autoconfiança, auto-estima, espírito solidário e crítico, em relação a tudo o que os cerca, incutindo-lhes, em todos os momentos, o gosto pela aprendizagem.

Exposição de Natal A nossa escola,candidatou-se à exposição de Natal promovida pela DGEstE. O trabalho consistiu em executarorigami modelar origami modelar “Kusudama Flower e Shuriken“ com o qual foi montada posteriormente uma árvore com 2m de altura. Esta árvore, foi colocada na Avenida 5 de outubro no dia 2 de dezembro. O trabalho consistiu em: Estrutura da árvore executada pelo Assistente Operacional, Manuel António Parrerinha. Origami realizado pelos alunos das Turmas B,D,E,F e H do 7º Ano da disciplina de Educação Tecnológica. Colaboração da docente Teresa Caetano e alunos da disciplina de Educação Visual. Trabalho orientado pela docente Emília Ro d r i g u e s - G r u p o 5 3 0 E d u c a ç ã o Tecnológica.

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


17

DEPARTAMENTO DAS EXPRESSÕES 1ª CONCENTRAÇÃO DE BOCCIA Alguns alunos desta escola, aplicaram na prática as regras, bem como os elementos técnicos aprendidos na unidade de ensino de Boccia, integrada no Desporto escolar. Participaram na 1ªconcentração, realizada no dia 4 de dezembro, em Almeirim, onde o grupo de Samora Correia ficou em 1º lugar, na categoria da divisão II. Jogaram com as seguintes escolas: E,B de Alpiarça e CRIAl. Concentração.... Atenção... Confiança... Cooperação... Espírito de grupo... VIVA!!! GANHAMOS!!! E por fim.... o descanso merecido dos vencedores!!!

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


18

BIBLIOTECA DA ESCOLA EB 2/3- Porto Alto ATIVIDADES NA BEPA! Neste início de ano letivo começámos por receber os alunos de 5º ano e seus encarregados de educação, aquando da receção feita pelos diretores de turma. Celebrando o mês da Biblioteca Escolar, fizemos a imprescindível formação de utilizadores para todos os alunos de 5º ano. Posteriormente todos os discentes foram convidados a registar num cartaz a sua opinião sobre a BEPA (Biblioteca Escolar do Porto Alto).

Celebrámos o Halloween em colaboração com os docentes das Línguas expondo trabalhos dos alunos.

A professora bibliotecária

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


19

BIBLIOTECA DA ESCOLA EB 2/3- Porto Alto Friedrich, um pintor que admiro

No dia 20 de Novembro, o professor Luís Pinheiro dinamizou uma aula na BEPA (Biblioteca Escolar da EB2,3 de Porto Alto) para os seus alunos do 6º ano – turma B. Apresentou trabalhos do pintor romântico alemão Caspar David Friedrich (1774-1840), sobre os quais teceu alguns comentários, nomeadamente “A importância de Friedrich estende-se até aos dias de hoje pela importância que confere à observação participativa, à contemplação mística das realizações humanas e da natureza e às mensagens encriptadas, pelo que esconde, e que se descodificam nas experiências emocionais que as obras despertam.” Brindou-nos este colega com uma excelente sessão, salientando as caraterísticas do romantismo e comentando diversas obras de arte. Os alunos participaram com entusiasmo e ficaram, sem dúvida, mais enriquecidos.

Em 15 de dezembro e no âmbito do seu projeto "Dialetos de Sonho", a professora Graça Gonçalves dinamizou uma sessão, para a turma do 1º ano da Escola EB 1 do 1ºciclo na BEPA. Os alunos participaram de forma ativa com muito entusiasmo.

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


20 PRÉMIO SFUS - 2013 CENTRO ESCOLAR E EB1 DE PORTO ALTO 1º ano-Camila Fernandes Oliveira; 1º A4 2º ano-João Bernardo Duarte Morato; 2º E4 3º ano-Mariana Moreira Cabaço; 2º/3º A3 4º ano-Miguel Patarrão Bastos; 3º/4º C3

EB2,3 DE PORTO ALTO 5º ano-Isa Alexandra Vieira Pinto; nº 16 5º A 6º ano-Iuri Madeira Ribeiro; nº 14 6º B 7º ano-Henrique Bastos Ribeiro; nº 12 7º B 8º ano-Beatriz Gil de Barros; nº 03 8º C 9º ano-André Madaleno Félix; nº 05 9º B

CENTRO ESCOLAR SAMORA CORREIA 1º ano-Jesus Manuel Gonçalves Prudêncio; 1º B 2º ano-Clara dos Santos Porto; 2º E 3º ano-Pedro António Matos Silva; 3º H 4º ano-João Tanissa de Carvalho Reis; 4º J

EB1 DAS ACÁCIAS 1º ano-Miguel Martins Antunes de Andrade Madaleno; 1º C2 2º ano-Pedro Miguel Cardoso Veríssimo; 2º E2 3º ano-Inês Maria Moreira Lima; 3º H2 4º ano – Ricardo João Fernandes Inocêncio; 3º/4º L2

EB2,3 PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS 5º ano-Margarida Infante Salgueiro Agulhas Andana; nº 31 ; 5º D 6º ano-Joana Isabel Fonseca Rolo; nº 11 ; 6º E 7º ano-Bruno Alexandre Inácio Martins; nº 2 ; 7º B 8º ano-João Fernando Henriques Bento; nº 14 ; 8º C 9º ano-Miguel Jorge Costa Nunes; nº 10 ; 9º A - João Pedro Bento Marquez; nº 11 ; 9º E Nota: Não foi possível desempatar os alunos utilizando os critérios de desempate do agrupamento. (Cont. da pag.2 )

Estamos em pleno século XXI e quase toda a sociedade considera que existe uma crise de valores ou, pelo menos, a falência dos tradicionais. Esta consciência de crise de valores sempre existiu, numa perspectiva mais restrita e sem as dimensões de generalização como sucede hoje. A globalização económica e o neoliberalismo, o individualismo e o relativismo, a par do progresso tecnológico, aceleraram a tomada de consciência de crise de valores por parte da população. Por um lado esbateram-se ou já não existem mesmo critérios seguros para distinção do bem e do mal, do justo e do injusto, entre outras categorias morais e pessoais, imperando pois a subjetividade e o relativismo. Radicalmente, alguns vão mais longe e afirmam mesmo que já não existem sequer valores, tudo é circunstancial. O que era antes intemporal e inalterável, é agora volátil ou inconsistente, passando-se do relativismo à descrença niilista absoluta. É desejável que todas as nossas crianças se desenvolvam com uma orientação adequada e com o devido discernimento do que é certo e do que é errado. Cabe a todos mas fundamentalmente à família o dever de ensiná-las desde cedo a exercerem a sua responsabilidade, a prepará-las para se tornarem cidadãos. Deixo aqui esta minha reflexão a todos e, principalmente, àqueles que exercem e aos que um dia exercerão este papel, tão honrado e sublime, de educar os seus filhos. Mudar só depende, da força de vontade e motivação que existe dentro de nós. Votos de um próximo 2014 cheio de tudo o que mais desejamos e já agora também uma grande dose de valores. Carlos Amaro

Agrupamento de Escolas de Samora Correia


Somosnós 22 1ºp final 1