Page 1

Dossier Ciência

Da

Flexibilidade ao Plano de Inovação...o caminho


Índice 4

Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação O que mudou?

12

O que nos distingue? AEA - Um agrupamento com ciência

22

AEA na senda de uma cidadania inclusiva, solidária e ativa

26

AEA e a preocupação com o bem-estar

28

O que vai mudar? Plano de Inovação Plano Nacional das Artes EQAVET

34

AEA Escola Farol Distinções

Editorial

Ficha Técnica: Edição: Agrupamento de Escolas de Alcanena Coordenação: Ana Cláudia Cohen Coordenador de redação: Carlos Lopes Redação: Ana Cláudia Cohen, Carla Ferreira, Carlos Lopes, Carlos Marques, Fátima Caeiro, Hélia Achega, José Fradique, Olga Gonçalves, Suzana Santos. Grafismo: Paula Correia Fotografia: Pedro Dionísio Sede: Escola Secundária c/ 3º ciclo do Ensino Básico de Alcanena - Alcanena

Tel.249887390 / Fax.249887399 aea.agrupamentodealcanena@gmail.com

2

A abertura de um ano letivo assinala o fim de um ciclo e o início de outro.

plural, com muitos desafios superados, desde a sala de aula do futuro ao

A presente revista pretende celebrar este momento, dando relevância aos marcos de qualidade do nosso projeto educativo que decorreram de um trabalho conjunto de uma equipa fantástica e plural - professores, alunos, funcionários, encarregados de educação e parceiros.

Classroom on wheels, ao makers space, à mudança das práticas na sala de aula; aos projetos Autonomia e Flexibilidade Curricular, Leadership For Change, aos inúmeros projetos no âmbito das ciências, das artes, a nossa orquestra, o desporto, que fazem de nós escola farol nas mais diversas áreas. O dispositivo de intervisão pedagógica 360º, formação em cascata, a face visível da liderança partilhada que temos vindo a desenvolver.

Juntos aprendemos que a diversidade e o respeito são os princípios de uma cooperação profissional. Juntos aprendemos que o rigor e a excelência são compatíveis com uma gestão flexível do currículo e com a integração curricular. Têm sido anos de crescimento

Neste início de mais um ano letivo, é tempo de convocar a reflexão crítica em torno de um compromisso e projetar os desafios que se nos colocam hoje e no futuro. Foi neste enquadramento estra-


tégico que concebemos o nosso Plano de Inovação, que aqui partilhamos, fruto

cidadania informada, onde todos somos chamados a fazer a diferença; a arti-

de uma reflexão conjunta e partilhada sobre o caminho traçado de dois anos de flexibilidade curricular, procurando-se responder às necessidades identificadas.

cular o currículo com a realidade que nos circunda; a suscitar aprendizagens interdisciplinares, sem prejuízo da consolidação dos diversos conhecimentos disciplinares; a promover o alinhamento do currículo com as necessidades individuais de aprendizagem de todos e de cada um dos nossos alunos.

Por último importa realçar que a marca distintiva do Agrupamento de Escolas de Alcanena – a sua matriz – continuará a ser:

A responsabilidade pelo percurso educativo do concelho, desde as crianças que iniciam o dia connosco aos adultos que trabalham o seu percurso educativo no nosso Qualifica;

O espírito de missão, na perseverança da luta contínua por todos e por cada um dos alunos / formandos que nos confiam as suas ambições e sonhos para que os apoiemos na sua transição para concretizações e sucessos de futuro.

Se queremos desenvolver cidadãos ativos, responsáveis, empreendedores e inovadores; cidadãos que se preocupem com o bem-estar individual e coletivo da comunidade e do planeta; se queremos que os nossos alunos valorizem o bem comum, a sustentabilidade e o bem-estar; se queremos que os nossos alunos valorizem a colaboração acima da divisão e a sustentabilidade acima dos benefícios a curto prazo, temos a responsabilidade de desenvolver uma

O respeito por todas e cada uma das pessoas que connosco constroem, desenvolvem e realizam o nosso projeto educativo;

A preocupação com os alunos / formandos, no apoio ao desenvolvimento do seu projeto de vida, do seu percurso e no apoio às suas escolhas informadas;

Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

3


Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação

O que mudou? Tendo o Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória como horizonte, e as Aprendizagens Essenciais como referente, o Agrupamento de Escolas de Alcanena selecionou temas aglutinadores: 2017/18 “Caminhando ao longo da nossa história”, com uma forte componente do currículo local.

O AEA de Alcanena aderiu em 2017/18 ao projeto Flexibilidade Curricular, o que facilitou a apropriação participada e a mobilização de novas metodologias de ensino e de aprendizagem, assentes no trabalho colaborativo entre docentes. A implementação deste novo paradigma foi antecedida de uma reflexão coletiva, que constituiu uma oportunidade para: • generalizar boas práticas já recorrentes no AEA; • promover a melhoria das aprendizagens, objetivando a aquisição de conhecimentos (Aprendizagens Essenciais), o desenvolvimento de competências (Perfil do Aluno) e a valorização de atitudes (Cidadania e Desenvolvimento); • valorizar as artes, a ciência, o desporto, as humanidades, as TIC´s, o trabalho experimental; • desenvolver competências de pesquisa, gestão da informação, reflexão, trabalho colaborativo e de comunicação; • privilegiar e generalizar a implementação do trabalho de projeto, a par de outras metodologias ativas; • flexibilizar a concetualização dos espaços (sala de aula sem paredes) e dos tempos escolares; • promover o exercício de uma cidadania ativa, responsável e inovadora.

4

2018/19 “O Antropoceno” e a preocupação com o ambiente e sustentabilidade permitiram que 1000 alunos dos diferentes ciclos pudessem investigar, conceber, desenvolver, relacionar, inferir, interagir, apresentar, comunicar, numa abordagem concetual que potenciou a interdisciplinaridade dos projetos das turmas e permitiu a construção de diversas propostas de trabalho que integraram

Articulação Curricular A aposta na articulação interdisciplinar da História e Geografia e das Artes levou os alunos do 5º ano a pesquisar e a aprofundar os conhecimentos dos primeiros povos que habitaram o nosso território.

Acolhemos uma residência artística dos “M Com o intuito de proporcionar às crianças que frequentam o AEA oportunidades para a concretização de aprendizagens integrais, a Materiais Diversos tem convidado artistas de diferentes áreas para realizar oficinas no 1º e 2º ciclos, quer em horário curricular quer extracurricular. Uma oferta paralela de oficinas artísticas de curta duração foi proporcionada aos professores, contribuindo para a inovação pedagógica e a partilha de experiências enriquecedoras com os alunos. Acreditamos que estas experiências são tanto mais significativas quanto ancoradas na vivência e conhecimento dos lugares onde habitam estas crianças e na construção paralela do sentimento de pertença e do pensamento crítico. Por isso, em 2018, foi introduzido como tema exploratório de uma sequência de oficinas de expressão corporal e de filosofia o “Antropoceno”, tema adotado na flexibilidade curricular do AEA no ano


Autonomia e Flexibilidade Curricular aprendizagens essenciais das ciências experimentais, geografia, história, português, cidadania e desenvolvimento, entre outras. Os projetos das turmas desenvolveram temas diversos como alterações climáticas, importância da biodiversidade, agricultura sustentável, proteção dos rios e oceanos, diversidade cultural, riscos naturais, património natural geológico, sustentabilidade e biodiversidade.

Materiais Diversos” letivo 2018/19. Através de oficinas de Voz/ Movimento, Filosofia e Artes plásticas com duas turmas de 5º ano, relacionam-se três eixos no quadro do projeto de flexibilidade curricular do AEA: aprendizagens essenciais, aprendizagens de excelência nos campos das artes e da filosofia, e aprendizagens com consequências na relação com o meio local. As artistas convidadas foram Margarida Mestre — Voz/ Movimento; Marina Palácio — Artes Plásticas e Rita Pedro — Filosofia com crianças, contando ainda com a colaboração do Centro de Ciência Viva do Alviela. Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

5


O que mudou? Articulação Curricular No 7º ano, o trabalho desenvolvido nas Ciências e em Geografia permitiu conhecer o carso e o relevo da nossa região, em parceria com o Centro de Ciência Viva do Alviela.

Integração

Calend

de projetos no currículo

Integrámos projetos no currículo. Apresentámos projetos à comunidade, na região, a nível nacional e na europa. Criámos um Referencial de Sustentabilidade do AEA.

Flexibilização de espaços Flexibilizámos espaços, numa perspetiva de sala de aula sem paredes: estas ocorrem no pátio, no centro de ciência viva, num prado, numa gruta, numa empresa, num ambiente educativo inovador, num palco.

Flexibilização de tempo Flexibilizámos tempos escolares, criámos espaços para todos os alunos aprenderem num contexto favorável à colaboração, onde todos, sem exceção, têm oportunidade de explorar e mostrar as suas potencialidades.

6

O ensino experimental e a resolução de problemas ambientais, contextualizada numa vertente sócio-económica, foram os desafios dos 10º e 11º anos, em que a Ciência se alia às Tecnologias, com a colaboração das Faculdades de Ciências e Tecnologias da Universidade Nova de Lisboa e da Universidade de Coimbra e do Centro Tecnológico das Indústrias do Couro.

Programámos pausas das atividades letivas


Autonomia e Flexibilidade Curricular

dário escolar

Matrizes Curriculares Criámos novas disciplinas: Laboratório de criatividade e Laboratório experimental.

Gestão

de equipas e grupos turma

Motivámos equipas, mobilizámos os Diretores de Turma, envolvemos os pais, alunos e desenvolvemos parcerias. No 2º ciclo, agrupámos os alunos por centros de interesse perdendo-se, frequentemente, a lógica da turma, orientados por equipas pedagógicas, numa efetiva articulação inter e transdisciplinar.

Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

7


O que mudou? Mostramos

o currículo aprendido

17/18 Dinamizámos a Feira do Tempo, na qual o nosso território foi mostrado sob várias perspetivas: artística, histórica, geográfica, geológica, económica, científica e tecnológica.

18/19 Realizámos o

Festival do Antropoceno, tendo o agrupamento assumido o desafio da produção e apresentação no festival de um Referencial para a Sustentabilidade, construído a partir de propostas das turmas, debatidas por todos, potenciando a cidadania esclarecida, ativa e reflexiva em toda a comunidade escolar.

Demos voz aos alunos Demos voz aos alunos que participaram na tomada de decisão de diferentes formas: Assembleias de turma, Assembleias interturmas, Assembleias de ciclo, Assembleias interciclos, Reuniões Gerais de Alunos, Reuniões de delegados e subdelegados, participação dos alunos no Conselho Pedagógico como convidados, participação dos alunos no Conselho Geral, participação dos alunos nos conselhos de turma, eleição da Associação de Estudantes, Orçamento Participativo Jovem, Orçamento Participativo da Escola, Assembleias eleitorais para tomada de decisão, 2 alunos embaixadores da OCDE.

8


Autonomia e Flexibilidade Curricular

Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

9


Os desafios do Antropoceno exigem que cada um, individualmente ou no universo das instituições em que está inserido, tenha uma voz ativa, esclarecida e mobilizadora.

Todos os níveis de ensino, do primeiro ciclo ao secundário, estiveram envolvidos no desafio de elaborar um Referencial do Agrupamento de Escolas de Alcanena para a sustentabilidade.

O que mudou? Numa primeira fase, no âmbito da turma e dos projetos de flexibilidade curricular em desenvolvimento, os alunos apresentaram propostas de medidas a implementar pelo agrupamento, as quais foram validadas pelo conselho de turma. De seguida, foi dada voz aos alunos

para, em assembleia de ano, apresentarem e contextualizarem as propostas e elegeram os seus representantes. Todo este processo foi acompanhado pela turma 10º C e coordenado pelo professor Domingues Frade. Estes alunos ficaram responsáveis por elaborar o regulamen-

REFERENCIAL - EDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE Grande Tema

Sustentabilidade, ética e cidadania

Organização de um dia de recuperação/ reabilitação ambiental do recinto escolar.

Participação de toda a comunidade educativa, com limpeza, pintura, plantação de árvores e afixação de cartazes. Eventual concurso para cartazes.

A voz aos alunos.

Realização de assembleias de alunos/turma, ciclo e interciclo, de forma regular, no sentido de os alunos se corresponsabilizarem pela construção de uma escola melhor.

Campanha de sensibilização para comportamentos sustentáveis como a redução de resíduos e a separação seletiva.

A ação passará pela intervenção na comunidade escolar e local, através de cartazes e folhetos, para sensibilizar, desenvolver conhecimento e estimular práticas mais amigas do ambiente.

Criação de espaços de bem-estar para alunos e professores.

Criação de dois espaços de bem-estar com sofás e cadeirões de massagens: um para alunos e outro para professores, tendo como referência o conceito de bem-estar dos romanos.

Implementação de debates na escola e na comunidade sobre direitos e deveres enquanto cidadãos face ao ambiente.

Medida que surge no contexto da sociedade de consumo em que vivemos, sendo essencial prevenir e controlar o desperdício.

Criação de uma brigada de vigilantes da Natureza.

Paralelamente ao projeto de criação de um percurso pedestre, a brigada poderá ser responsável pela colocação de recipientes naturais para a recolha de resíduos e respetiva manutenção dos mesmos, em cooperação com o PNSAC e entidades oficiais.

Promoção de um estilo de vida ativa e saudável.

Sensibilização da comunidade para a adoção de hábitos simples de vida ativa e saudável, como deslocar-se a pé e de bicicleta nos seus percursos diários, diminuindo também a pegada ambiental associada aos maus hábitos do nosso quotidiano.

Definição de um dia para divulgar outras culturas, propondo ementas típicas de outros países, contextualizando a medida através da divulgação de informação.

A divulgação e a sensibilização para outras culturas, através das tradições gastronómicas contribui para destacar a importância da diversidade cultural no futuro da humanidade.

Vestuário com nova vida.

Recolha e aproveitamento de qualquer tipo de vestuário com o objetivo de dar novas utilizações.

Dia sem telemóveis.

Consciencialização da comunidade educativa para a realidade do uso abusivo desta tecnologia e para a consequente reflexão ética.

Sensibilização da comunidade escolar e população do concelho de Alcanena, bem como o poder local (CMA), sobre o impacto da atividade sísmica.

Realização de sessões explicativas da atividade sísmica e dos comportamentos a adotar em caso de sismo, junto da comunidade escolar e da população do concelho de Alcanena.

Limpeza e recuperação dos espaços exteriores das escolas do AEA.

Criação de equipas de trabalho em cada escola do AEA a fim de recolher o lixo nos espaços exteriores das mesmas e reabilitar os espaços verdes existentes, nomeadamente com a construção de canteiros e plantação de flores.

Criação de brigadas verdes para melhorar o ambiente na Escola.

Criação de brigadas de alunos que têm como responsabilidade estimular, monitorizar e implementar um plano de recolha de lixo, promovendo a melhoria da qualidade do ambiente pessoal e social.

Realização de uma feira de produtos locais e de comércio justo.

Estímulo à reflexão sobre a origem dos produtos que consumimos/compramos e sobre algumas injustiças na cadeia de valor do produto.

Ações para proteger e melhorar espaços e percursos naturais.

Desenvolvimento de uma campanha informativa para a manutenção do bom estado dos percursos naturais, de forma a incrementar o turismo ecológico - como forma de lazer sustentável - e promover em simultâneo a saúde.

REFERENCIAL - EDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE

10

2019/2020

2020/2021

2021/2022

REFERENCIAL - EDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE

Grande Tema

Produção e consumo sustentáveis

Grande Tema

Água

Criação de hortas pedagógicas em todas as escolas do Agrupamento e na freguesia de Minde.

A valorização da agricultura na região poderá ser dinamizada através da plantação de produtos em hortas biológicas, podendo depois vender-se ou doar-se os bens a famílias mais carenciadas. Em parceria com a JF de Minde, criação de uma horta comunitária e solidária na freguesia.

Construção de reservatórios para recolha das águas da chuva provenientes dos telhados dos edifícios do Agrupamento com um adaptador para mangueira.

A utilização de água da chuva, p utilizada em diferentes situações de espaços comuns.

Instalação de ecopontos no espaço escolar.

Melhorar o processo de separação de resíduos, estimulando a população escolar para a importância dos hábitos promotores da reciclagem.

Criação de compostores, incentivando o seu uso.

A valorização da agricultura biológica garante a produção de alimentos mais saudáveis e com menos impacto ambiental. As práticas de compostagem garantem a redução do uso de fertilizantes e adubos químicos.

Construção de um sistema de recolha de águas dos banhos dos balneários e posterior utilização nos sanitários.

A importância de reaproveitar a reduzindo desperdícios e promov escasso.

Recuperação do depósito de recolha de águas pluviais da ESA.

A água recolhida neste depósito rega de espaços verdes/hortas b

Divulgação e sensibilização, através de palestras com pessoal especializado, para a importância de uma alimentação saudável.

Palestras com pessoal técnico especializado, junto da comunidade escolar realçando a importância de uma alimentação saudável, contrariando os dados da OMS sobre o futuro dos jovens obesos.

Ações para sensibilizar para o pe oceanos.

Divulgação de medidas contextualizadas para a sustentabilidade alimentar (ex. redução da carne vermelha e açúcares processados).

O planeta não terá capacidade de alimentar tantas pessoas sem uma transformação dos hábitos alimentares, uma melhoria na produção e uma redução do desperdício, dando-se o exemplo das carnes vermelhas, que apresenta uma grande pegada de carbono e os açucares refinados, típicos de alimentos industrializados e pouco saudáveis.

Promoção de ações para preservar a vida nos oceanos: dia de voluntariado de limpeza na praia e campanha para troca de sacos plásticos por sacos de tecido. Campanha de divulgação nos pontos de compra de peixe para a correta escola do pescado.

Sensibilizar para a escolha de es adequada.

2019/2020

2020/2021

2021/2022


Referencial para a sustentabilidade to eleitoral e organizar a votação das medidas. A assembleia eleitoral decorreu no dia 28 de maio. Nesse momento, os alunos do 4º ano e todos os alunos do 5º ao 12º ano votaram em três medidas que

consideraram mais prioritárias. Desta votação resultou um cronograma de ação, com medidas a aplicar em 20192020, 2020-2021 e 2021-2022. O referencial foi apresentado publicamente à comunidade, pelos porta vozes

de cada ano de escolaridade, durante o Festival do Antropoceno, no dia 29 de maio. Este momento marcou também um compromisso para o futuro – desenvolver estratégias de aplicação de medidas de sustentabilidade definidas, discutidas e votadas pelos alunos.

REFERENCIAL - EDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE Grande Tema

Território e paisagem

Construção de bebedouros para os animais no Polje, território natural e fonte de vida.

A construção de reservatórios de água (pequenos lagos) ou o aproveitamento, com recuperação, de reservatórios existentes, é uma forma de manter a dinâmica dos ecossistemas.

Limpeza do Polje de Minde – ação conjunta com a JF de Minde, alunos do 3º CEB e voluntários locais.

O espaço do Polje, pela sua importância, beneficiará de uma limpeza e recuperação ambiental (ex. plantação de carvalhos autóctones).

Revitalização de um espaço do recinto escolar, recorrendo a materiais naturais (rochas, seixos, cascalhos, mesas e bancos em calcário).

Promoção do conhecimento sobre a importância da gestão sustentável de recursos geológicos locais como a rocha calcária.

Promoção de atividades de reflorestação e reabilitação ambiental do espaço de pedreiras abandonadas.

Há várias pedreiras desativadas na região, que continuam ao abandono, constituindo risco e revelando incumprimento da lei. A reabilitação destes locais com iniciativas como campanhas de reflorestação pode ser realizada pelos alunos das escolas.

Requalificação da Praia Jurássica através da criação de sinalética alusiva aos fósseis marinhos e proteção de toda a área envolvente.

A requalificação e valorização de um património científico de extrema importância (preservação de um fundo marinho com cerca de 169 M. a.) que se encontra desprotegido e à mercê de atos de vandalismo é fundamental para conhecermos a evolução geológica do planeta.

2019/2020

2020/2021

2021/2022

2019/2020

2020/2021

2021/2022

REFERENCIAL - EDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE Grande Tema

Energia e alterações climáticas

Exploração das potencialidades de obtenção de um biocombustível a partir de desperdícios da indústria dos curtumes, utilizando microalgas.

Resolução de um problema local, contribuindo para uma alternativa biológica e sustentável.

Medidas para melhorar a utilização de energia: campanha para antecipar fecho das centrais termoelétricas, substituição de luminárias pouco eficientes e criação de um ponto de carregamento de telemóveis a energia solar

Melhorar a eficiência energética do AEA. Estimular a produção de energia a partir de fontes renováveis e limpas.

Substituição de lâmpadas que iluminam uma gruta visitável por luminárias com comprimento de onda/frequência de radiação que diminua a taxa fotossintética de seres invasores.

Existem seres fotossintéticos que se desenvolvem à superfície de rochas iluminadas artificialmente e que alteram o ecossistema natural das grutas. A utilização de formas de iluminação menos estimulantes da fotossíntese ajudaria a minorar este impacto ambiental.

Sensibilização de entidades para a construção de locais para carregamento de baterias de carros elétricos em Alcanena.

O previsível (e desejável do ponto de vista ambiental) aumento do número de carros elétricos exige maior disponibilidade de pontos de carregamento.

previamente recolhida, poderá ser s como a rega de plantas ou a lavagem

água para melhorar o seu uso no AEA, vendo a poupança ecológica de um bem

o, já existente, poderá ser utilizada na biológicas na ESA.

REFERENCIAL - EDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE 2019/2020

2020/2021

2021/2022

Grande Tema

Biodiversidade

Criação de charcos nos recintos escolares.

A construção e manutenção de pequenos charcos nos recintos escolares é uma forma de destacar a importância da proteção da biodiversidade natural, potenciando a ocupação do espaço por espécies autóctones.

Criação de hotéis de insetos.

A valorização dos insetos no equilíbrio dos ecossistemas (Ex. polinização e controlo de pragas) pode ser promovida através da instalação de pequenas estruturas (hotéis) que garante o desenvolvimento de espécies de insetos.

Criação de animais de quinta na escola.

A produção alimentar em larga escala contribui para uma exagerada seleção de animais. A manutenção de esquemas produtivos tradicionais é promotora da valorização da diversidade genética e da produção alimentar mais sustentável.

Recuperação de charco existente na ESA.

A manutenção de pequenos charcos nos recintos escolares é uma forma de destacar a importância da proteção da biodiversidade natural, potenciando a ocupação do espaço por espécies autóctones.

Implementarção de um manual de boas práticas para promoção da florestação e jardinagem com plantas autóctones resistentes à seca.

Os efeitos do aquecimento global e das alterações climáticas exigem uma adaptação da escolha de plantas para jardinagem e florestação.

erigo dos plásticos e microplásticos nos

spécies mais sustentáveis e com dimensão

2019/2020

2020/2021

2021/2022

Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

11


Somos um Agrupamento com Ciência

O que nos distingue? Clube de Ciência Viva Âmbito: Alicerçado em práticas enraizadas de articulação entre o Agrupamento e o Centro de Ciência Viva do Alviela, nomeadamente na dinamização da AEC, Ciência Viva e da Oferta Complementar, Iniciação à Programação e Robótica, o Clube de Ciência Viva constitui-se como um espaço potenciador da implementação de atividades experimentais inovadoras na área das ciências, promovendo o potencial da base de conhecimentos científicos e de exploração do conhecimento, bem como a utilização das TIC na difusão desse conhecimento. O que é: Espaço de conhecimento aberto e dirigido a toda a comunidade educativa, incluindo famílias e restante

O desenvolvimento de projetos científicos tem sido uma prática enraizada no Agrupamento. A integração destes projetos no currículo, no âmbito da flexibilidade, e as mais valias do trabalho de projeto nas aprendizagens dos alunos são aspetos cruciais para a continuidade destas atividades.

12

comunidade local, no sentido de permitir a promoção do acesso a práticas científicas inovadoras, com vista à promoção da literacia científica ao longo da vida, através da integração das aprendizagens em ciências, desenvolvidas em contexto formal, não formal e informal. Objetivos • incentivar os alunos a estabelecerem relações entre as aprendizagens adquiridas nas várias áreas curriculares, consolidando-as; •

sensibilizar os alunos para uma cidadania mais ativa, esclarecida e participada;

capacitar os alunos sobre a sua participação ativa na resolução de problemas locais e globais, recorrendo ao currículo aprendido;

fomentar, nos alunos, a literacia científica através de metodologias promotoras de aprendizagens ativas;

Clube da Robótica


A ciência na escola •

estabelecer/criar ecossistemas inovadores, multi e interdisciplinares, de aprendizagem; criar embaixadores do clube que possam promover a divulgação e dinamização de atividades.

Atividades • Encontros com cientistas e/ou atividades de laboratório •

Realização de exposições para a comunidade educativa

Realização de visitas de estudo

Implementação de projetos interdisciplinares

Candidatura aprovada: 11764,70€ Público-alvo: Alunos dos diferentes níveis e ciclos de ensino, do pré escolar ao 12º ano, estimando-se, em 2020, o envolvimento de mais de 70% dos alunos, acrescidos dos pais e encarregados de educação e comunidade, em geral.

Escola Ciência Viva Programa de educação científica, resultante de uma parceria entre o Ciência Viva do Alviela e o AEA, que integra o currículo escolar num ambiente de aprendizagem com um espaço físico adequado ao ensino experimental das ciências, dotado de laboratório e de área de exposições interativas de ciência. Este projeto visa desenvolver a cultura científica e tecnológica dos alunos, privilegiando-se o contacto precoce com o conhecimento científico. Destinatários: alunos do 3º e 4º anos Como: cada turma tem aulas durante uma semana no Centro de Ciência Viva do Alviela.

Concurso Róbotica A participação neste concurso consistia, numa primeira fase, apresentar o projeto do Clube de Robótica e plano anual de atividades. Numa fase posterior, os CPR teriam de criar um vídeo que demonstrasse os objetivos, os produtos e alguns momentos do seu quotidiano mais relevantes e característicos do seu clube. O AE de Alcanena concorreu e ganhou o prémio Robótica Criativa. O prémio foi recebido pelo coordenador do clube, professor Carlos Sousa, pela Diretora do Agrupamento, Ana Cláudia Cohen e pelos alunos dinamizadores durante a “Codeweek”, encontro de programação e robótica que decorreu em Rio Tinto, no distrito do Porto, nos dias 19 e 20 de outubro. Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

13


Café da Ciência A convite do Centro Ciência Viva do Alviela estiveram presentes, na Assembleia da Républica, quatro alunos e duas professoras do AE de Alcanena para participar no “Café da Ciência - Acesso à água: gerir a mudança”, moderado pelo professor Alexandre Quintanilha. Entre deputados, investigadores, instituições científicas, empresários, professores, os nossos alunos (Rodrigo Frazão, Carolina Silva, Íris Mau e Francisco Marques) e as professoras Susana Santos e Carla Ferreira, partilharam os projetos que estavam a desenvolver para melhorar a qualidade da água. A sua participação foi muito elogiada pelos presentes.

Ciência XXS Projeto de desenvolvimento da literacia científica, junto das crianças do ensino pré-escolar, através do desenvolvimento de um conjunto de atividades experimentais relacionando a ciência com atividades do dia-a-dia. Objetivo: contribuir para uma imagem positiva acerca da ciência, através de uma exposição precoce das crianças a fenómenos científicos que favorecem uma melhor compreensão dos conceitos que serão apresentados mais tarde, no ensino básico. Pretende-se com o projeto Ciência XXS auxiliar os Educadores do

Prémio Ilídio Pinho Em 2017/18, dos sete projetos do AEA de Alcanena, submetidos na 15ª edição, quatro ficaram entre os cem finalistas, tendo o projeto “Combate aos efeitos nefastos dos incêndios”, coordenado pela professora Conceição Castro, obtido o terceiro prémio, do terceiro escalão (2º ciclo). Os outros três projetos finalistas receberam também um diploma de mérito, com destaque para os projetos coordenados pela professora Ana Paula Vieira e José Fradique.

14


A ciência na escola

“Projeto L2C” O Agrupamento de Escolas de Alcanena integra o Projeto L2C, coordenado pela EUN e pela DGE. Além do nosso Agrupamento participam também os Agrupamentos de escolas do Barreiro, Alvalade, Amadora Oeste e Marinha Grande. O projeto L2C visa fomentar a liderança escolar partilhada e o trabalho em rede, através do envolvimento e capacitação nas escolas. Através da autoavaliação, formação e partilha de melhores práticas, as escolas terão oportunidade de aprender, discutir e desenvolver lideranças partilhadas em três áreas

principais: Educação CTEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática); utilização inovadora das TIC no ensino e Cidadania Digital. O projeto baseia-se num processo de co-construção e de colaboração entre escolas de cinco países (Bélgica, Flandres, Espanha, Itália, Malta e Portugal). Teve início no dia 1 de janeiro de 2018 e terminará em dezembro de 2020.

Agrupamento de Escolas de Alcanena na formação de cidadãos capazes de exercer uma cidadania ativa e responsável e de interpretar e compreender conceitos científicos elementares, bem como pensar cientificamente, de forma crítica e criativa. Conceitos abordados :Luz e sombras; Flutua ou não flutua; Dinâmica do voo; Ímanes; Circuitos elétricos, Eletricidade e Eletricidade estática;Química do dia-a-dia

Projetos: Termoraspa: isolante termico (10º ano) Eucalygrape leather (11º ano) Polje um lugar a compreender para enaltecer (4º ano) Em 2018-2019, as sete candidaturas apresentadas pelo AEA foram selecionadas para a fase de desenvolvimento da 16º edição do Prémio Fundação Ilídio Pinho – Ciência na Escola. Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

15


Kefir ou Pipocas!! Este projeto desenvolvido por alunos do 1º Ciclo (3º ano) teve como objetivo analisar as condições de otimização para o cultivo de colónias de microorganismos (os grãos de kefir). São culturas de bactérias que se desenvolvem durante o processo de fermentação, cuja aparência é de uma pipoca. Recorreu-se aos conceitos de variáveis dependentes e independentes, desenvolvendo nos alunos capacidades de análise de controlo de variáveis. Fizeram-se medições de capacidade volumétrica, massa, escalas de temperatura, entre outros, de modo a poder concluir-se quais as condições experimentais que otimizam o cultivo.

Deste modo estimulou-se o interesse das crianças para o mundo da Ciência, desenvolvendo o espírito de investigação através da realização e avaliação de um conjunto de ensaios experimentais.

Por este H2O acima Face à deteção por parte de alguns alunos do 8º e 10º ano, de uma situação algo preocupante no que diz respeito à poluição no rio Alviela, fez-se a identificação de alguns dos seus poluentes, tendo-se quantificado quer a sua concentração quer a variação desta em função do curso do rio. Avaliaram-se ainda algumas alterações ao nível dos valores de certas propriedades da água do rio, nomeadamente (pH, temperatura, concentração de dioxigénio dissolvido na água em ppm, concentração de iões nitratos, fosfatos e sulfuretos e ainda concentração de crómio).

Green Filter

16

O projeto consiste em criar um filtro natural para águas residuais, isto é, encontrar uma solução ecologicamente sustentável para tratamento da poluição das águas residuais da região, nomeadamente da indústria de curtumes, testar a sua aplicação e eficácia. Foi escolhido o fruto seco da planta Luffa aegyptiaca, do qual foram retiradas as sementes, ficando com uma estrutura porosa, flexível, mas resistente. Face a esta observação, foi testado o poder de retenção de sólidos em suspensão desta estrutura natural. Entretanto, foram também realizados testes de avaliação

da quantidade de sólidos em suspensão, tendo -se concluído que houve retenção de cerca de 70% dos sólidos em suspensão nas duas amostras analisadas e que o pH aumentou, ou seja, as soluções tornaram-se menos ácidas. Foi assim demonstrado que a bucha vegetal pode ser utilizada como filtro natural e é uma solução inovadora e ecológica na região e na indústria, apesar de ser igualmente aplicável a outras indústrias onde a retenção de sólidos em suspensão nas águas é fundamental como medida para a preservação dos recursos hídricos.


Abelhas

saudáveis sem pesticidas

Este projeto pretendeu mostrar que é possível efetuar um combate aos ácaros e microrganismos que infestam as colmeias e destroem as abelhas melíferas, nomeadamente ao ácaro Varroa Destructor, com um produto natural de origem vegetal, o óleo de Lavandula Augustifolia, que aplicado em diferentes colmeias e respetivamente em diferentes concentrações, nos permitiria concluir pela concentração eficaz na eliminação dos ácaros e assim substituir o uso de pesticidas, pela aplicação de um produto natural.

Happy 2 Smell te eficaz, uma vez que as bactérias sulfurosas produzem compostos orgânicos necessários à sua sobrevivência a partir do consumo de sulfureto de hidrogénio e de oxigénio, libertando água e enxofre, evitando a emissão deste gás poluente - sulfureto de hidrogénio para a atmosfera.

Alunos de Química de 12º ano criaram um filtro eficaz na retenção bioquímica do sulfureto de hidrogénio, através da inoculação de bactérias sulfurosas presentes em lamas de tratamento da ETAR, na matriz da planta Luffa aegyptiaca (bucha vegetal). Este projeto pretendeu contribuir para uma solução ambientalmen-

Mudança de ares No âmbito do desenvolvimento de conteúdos de Física de 11º e 12º ano, pretendeu-se desenvolver um projeto que permitisse aumentar a eficiência de conversão de energia eólica em energia elétrica recorrendo a um suporte implementando rolamentos na turbina eólica, usando um rotor de eixo vertical e ainda um sistema inovador de pás com lâminas de inclinação variável, controlada por um anemómetro/sensor, de modo a aumentar a segurança da estrutura face a ventos de forte intensidade. Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

17


Alterando

o nosso papel/plástico

Neste projeto, realizado por um grupo de alunos de Química de 12º ano, avaliaram-se experimentalmente os valores de lenhina, celulose e hemi -celulose presentes em cascas de diferentes frutos secos no sentido de produzir pasta de papel a partir destes resíduos. Após se ter concluído acerca da inviabilidade da produção da pasta de papel a partir dos referidos resíduos, redirecionou-se a investigação para a produção de um compósito a partir de PLA (ácido poliláctico) e algodão, realizando-se experimentalmente a produção do referido compósito.

Natureza

Nas grutas turísticas, com iluminação artificial, foi detetado um problema: existência de seres fotossintéticos (Lampenflora), essencialmente musgos. Com o objetivo de resolver este problema, os alunos da turma A do 10º ano desenvolveram um trabalho de investigação científica que teve início com a realização de trabalhos de pesquisa e debate de ideias. De seguida foi feita a colheita de material (solo, rocha e musgos) na gruta de Mira D`Aire. Os alunos projetaram e

Cientificamente provável Hidroponia A Escola de Minde possui uma horta pedagógica há já alguns anos. Este ano, a turma do 8ºF decidiu cultivar alguns produtos, recorrendo a novas práticas agrícolas, mais amigas do ambiente. Como a pegada agrícola tem prejudicado bastante o solo, a ideia basilar deste projeto de hidroponia consistiu no cultivo de algumas espécies sem recurso a solo, utilizando apenas água e determinados nutrientes, comparando posteriormente se os produtos cultivados em terra e através do método da hidroponia têm as mesmas qualidades nutricionais. Inicialmente, uma equipa de docentes especialistas do Departamento de Química da Universidade de Aveiro, com quem foi estabelecida uma parceria de trabalho, vieram à escola onde realizaram uma sessão de sensibilização, com apresentação de algumas ideias e métodos de cultivo hidropónico. Posteriormente, os alunos visitaram uma estufa onde a produção de morangos e alface é realizada pelo sistema da hidroponia.

18

artificial pelo t

Em seguida, na estufa da escola, também ecologicamente construída por alunos com recurso a garrafas PET, os discentes começaram por construir o sistema de hidroponia e escolher as plantas a cultivar: orégãos, alface, salsa, tomilho, plantas já existentes na horta da escola. O desenvolvimento do projeto exigiu também a preparação da solução nutritiva, com diferentes nutrientes químicos, a manutenção do sistema de rega e a monitorização e vigilância do desenvolvi-

mento das plantas. A turma e os docentes envolvidos no projeto deslocaram-se à Universidade de Aveiro, aos laboratórios do Departamento de Química, para realizarem experiências e testes científicos ao produto do seu trabalho.


A ciência na escola

turismo de Portugal construíram um dispositivo experimental para simular 2 grutas, onde foram colocadas as amostras do material anteriormente colhido. Como variável independente utilizaram, apenas, o tipo de luz. Numa das “grutas” utilizaram uma lâmpada led (controlo) e na outra, uma lâmpada de sódio de alta pressão. Foram medidos e registados, de 2 em 2 horas, através de um sensor, os valores de CO2, humidade e temperatura em cada “gruta”. Após análise dos resultados concluiu-se que: Na “gruta” em que foi usada a lâmpada de sódio, a concentração de CO2 (gasoso) manteve-se,

aproximadamente constante, o que significa que a taxa fotossintética foi quase nula, uma vez que durante o processo fotossintético a planta deveria consumir o CO2 da atmosfera da gruta; Na “gruta” em que foi usada a lâmpada led (luz branca), a concentração de CO2 (gasoso) diminuiu ao longo do tempo, o que significa que a planta realizou a fotossíntese. Concluiu-se que, o uso de lâmpadas de sódio impede o desenvolvimento de seres vivos fotossintéticos.

Forno Solar No projeto de autonomia e flexibilidade curricular a turma do 6ºF, no âmbito do tema "Alimentar o Futuro”, realizou várias atividades sobre a sustentabilidade alimentar, incluindo a construção de um Forno Solar. Para tal, a parceria com o Instituto Politécnico de Leiria revelou-se preciosa. Com as explicações sobre o funcionamento de um forno solar, suas vantagens como fonte de energia não poluente e gratuita e com capacidade de conservar as propriedades dos alimentos durante a cozedura, o Eng.º André Fonseca, do Departamento de Engenharia do Ambiente daquele Instituto, mostrou e montou, perante os alunos, um forno solar comercial e nele experienciou o aquecimento de água. De seguida, os alunos foram convidados a construir um forno solar de acordo com um protótipo que apresentou e com os materiais que previamente lhes foram indicados. Curiosamente, este tipo de forno dobra-se como um livro / concertina e assim, ocupando pouco espaço, é muito fácil de transportar para qualquer lado como veio a acontecer no transporte para o festival Antropoceno. Os alunos mostraram-se muito interessados, foram muito colaborativos e apresentaram com entusiasmo e orgulho o projeto aos convidados do festival.

Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

19


Outros projetos de investigação foram integrados no currículo e foram assim uma parte basilar do trabalho desenvolvido pelas turmas no âmbito da flexibilidade curricular.

TSL Trust for Sustainable Living. Concurso Internacional que convida os jovens a refletir sobre a sustentabilidade. Os alunos do 11º A redigiram um essay, com todo o rigor académico, alusivo ao tema "Young people are key to achieving SDG #15 (Life on Land)". Para tal, mobilizaram aprendizagens de Biologia e Geologia. Dos 25 essays da turma, 12 receberam menções honrosas e a aluna Diana Mota foi apurada para a final.

BLOOM Boosting European citizens knowledge and awareness of bioeconomy. AMBITO: Projeto resultante de um protocolo oficializado entre o Agrupamento de Escolas de Alcanena (AEA) e a European Schoolnet de Bruxelas, no qual participam 10 países europeus, apoiados pelos respetivos Ministérios da Educação.

20

COMO: O AEA, enquanto parte dinamizadora do projeto, reuniu em Bruxelas com a equipa, produziu materiais, delineou e testou estratégias, participou na conceção do MOOC da European Schoolnet sobre BioEconomia. QUEM: A turma B do 10º ano, idealizou um projeto que consiste no estudo e exploração do potencial uso de algas, obtidas a partir de desperdícios da in-

dústria de curtumes, na obtenção de um possível biocombustível. Deste modo, ao promover o conceito de BioEconomia e de Economia Circular, está a resolver-se um problema local e, ao mesmo tempo, a dar uso a recursos biológicos obtidos a partir de desperdícios da nossa indústria. Esta atividade interdisicplinar possibilitou recolher material para o MOOC, objetivando a participação efetiva do AEA no BLOOM.


Projetos

GIFT Geosciences Information for Teachers. O docente José Fradique foi selecionado para participar neste evento internacional, dinamizado e organizado, em Viena, Austria, pela European Geosciences Union (EGU), visando a atualização científica de professores de Geologia de todo o Mundo. Para além de participar, durante cinco dias, em inúmeros workshops e comunicações, o docente foi convidado a apresentar uma comunicação em poster sobre atividades de Geologia desenvolvidas com os seus alunos no Agrupamento de Escolas de Alcanena. O poster, elaborado em parceria com dois colegas de outras escolas nacionais, foi sobre Plate Tectonics: an example of knowledge construction using diferents scales.

Alunos flexibilidade e exames nacionais

Este ano, a expectativa relativa aos exames foi grande, uma vez que os alunos do 11º ano, nomeadamente de Ciências e Tecnologias, tinham “mergulhado” na flexibilidade curricular no 10º ano, sendo as disciplinas nucleares dos DAC as duas bienais, Biologia e Geologia (BG) e Física e Química A (FQA). Os resultados foram muito satisfatórios, porquanto a totalidade dos alunos destas duas disciplinas realizou os exames como alunos internos, tendo a média sido dois valores a BG e meio valor a FQA acima da média

nacional. Com efeito, nas disciplinas de 11° ano, houve 0% de reprovações. As médias foram superiores, ou em linha, com as médias nacionais (Economia). O coeficiente de correlação CIF-Exame foi bom (muito próximo do 1) em muitas disciplinas (Biologia e Geologia - 0,9; Física e Química A - 0,85; Economia A - 0,82), o que demonstra a preparação dos alunos para os exames, uma vez que não houve discrepâncias significativas entre as

classificações de frequência e as notas dos exames. Os exames confirmam que, nas disciplinas que integraram os DAC, é possível alcançar bons resultados. Os alunos encararam os exames com naturalidade, segurança e confiança. Com a flexibilidade houve uma preparação efetiva para itens que exigem mobilização de processos cognitivos complexos, espírito crítico, interpretação e mobilização das aprendizagens em novos contextos.

Práticas de supervisão pedagógica e trabalho colaborativo O processo de supervisão pedagógica iniciou-se, no AEA, no ano letivo de 2014/2015 e ao longo do tempo tem vindo a evoluir com operacionalizações diferentes. Os docentes do AEA têm vindo a desenvolver, de uma forma cada vez mais efusiva, um dispositivo de supervisão/intervisão das atividades le-

tivas 360º (isto é, todos observam e são observados), colocando em evidência os benefícios dos compromissos inter e transdisciplinares em termos do sucesso das aprendizagens dos alunos. Ao longo dos anos, o processo foi gradativo: desde a intervisão colaborativa inicial até ao atual e efetivo trabalho cooperativo

entre docentes de áreas disciplinares diferentes traduzido na intervisão interdisciplinar com docentes de um mesmo conselho de turma (lógica horizontal), o que tem facilitado melhores realizações em sala de aula e fora dela.

Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

21


AEA na senda de uma cidadania inclusiva, solidária e ativa A Maior lição do Mundo no AE de Alcanena

Parlamento Jovem Alunos do AE de Alcanena foram ao Parlamento apresentar propostas para reverter o aquecimento global “Alterações climáticas - Reverter o aquecimento global” foi o tema debatido nos dias 20 e 21 de maio na Assembleia da República, pelos cerca de 130 deputados do Ensino Secundário, das 65 escolas eleitas nas Sessões Distritais e Regionais. Alunos de Alcanena foram os selecionados a nível do distrito de Santarém para irem ao Parlamento apresentar as suas cinco propostas para reverter o aquecimento global no âmbito do projeto Parlamento Jovem, organizado pela Assembleia da República.

22

A Maior lição do Mundo é uma oportunidade anual para apresentar ou relembrar aos alunos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, visando colocar as crianças e os jovens no centro do desenvolvimento, promovendo-se, deste modo, o seu envolvimento enquanto cidadãos. Muitos alunos e professores, no país e no mundo, desde 2015, têm estado envolvidos nesta iniciativa. Em 2018, a Maior lição do Mundo,

associou-se às comemorações dos 70 anos da convenção Europeia dos Direitos Humanos e dos 40 anos da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos Humanos, reforçando a consciencialização para o percurso feito em prol da justiça e da paz. O lançamento oficial da Maior Lição do Mundo de 2018 fez-se no dia 10 de outubro, no AE de Alcanena, tendo contado com a Unicef – Portugal, com a presen-


ça e contributo inestimável do senhor ministro da educação e com um convidado muito especial, Sua Excelência o Presidente da República de Portugal. A sessão decorreu num diálogo muito profícuo entre o senhor Ministro da Educação e grupos de alunos do pré-escolar ao ensino secundário, onde os discentes foram desafiados a apresentar atividades e projetos em que estão envolvidos. As apresentações dos alunos ocorre-

ram em diversos formatos, desde um estendal dos Direitos da Criança e uma canção sobre esses mesmos direitos, a uma expressão corporal, recriando situações de violência (no namoro e na escola), passando pela apresentação de um teatro de fantoches, alusivo ao Direito da Família, ou pela conceção de um mural alusivo aos direitos Humanos. A Maior Lição do Mundo culminou com o Hino da Alegria, numa interpretação da

orquestra de alunos do agrupamento. O encerramento deste dia ímpar na história do AE de Alcanena foi efetuado por Sua Excelência, o Senhor Presidente da República que elogiou a comunidade educativa, considerando-a um exemplo.

AEA Solidário Anualmente, são desenvolvidos mais de duas dezenas de projetos no âmbito da solidariedade por parte das crianças e alunos do agrupamento. A preocupação com o bem-estar do outro, seja de proximidade ou à distância, é a razão de um trabalho continuado por parte dos nossos alunos, destacando-se três com maior visibilidade: Helpo, Banco Alimentar e Gala Solidária. A Gala da Solidariedade é já uma referência no calendário anual das atividades desenvolvidas pelo Agrupamento de Escolas de Alcanena. Este ano, o espetáculo musical, sob orientação da coordenadora das Artes Performativas, professora Gabriela Capaz, e desenvolvido com base em musicais clássicos adaptados às características dos alunos envolvidos, contou com cerca de setenta alunos e vinte docentes e com a colaboração de vários encarregados de educação. As receitas obtidas das diversas sessões reverteram a favor da AINJIL. Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

23


AEA na senda de uma cidadania inclusiva, solidária e ativa Rede de escolas da OCDE O Agrupamento de Escolas de Alcanena integrou a rede de escolas portuguesas no 8º e 9º encontro no âmbito do Projeto The Future of Education and Skills: Education 2030, em Paris e Vancouver, respetivamente. O Agrupamento foi representado, nestes dois eventos, pela diretora e por dois alunos, embaixadores da OCDE, Guilherme Félix e Miguel Sampainho. Em Paris, os dois embaixadores, participaram ativamente na discussão sobre o Quadro de Referencia Internacional de conhecimentos, competências, atitudes e valores que os jovens precisam de adquirir para compreender e participar num mundo que se

encontra em constante mudança. Em Vancouver, os três representantes do AEA tiveram o privilégio de assistir ao lançamento do Learning Compass 2030. No segundo dia de trabalhos, a diretora assumiu o papel de co-chair do FG2, tendo dinamizado: a conconstrução de um plano de envolvimento estratégico, tendo em vista a partilha do Learning Compass 2030; a discussão do perfil do professor 2030 e do plano de mudança curricular, no âmbito da Educação 2030. Em simultâneo, os nossos alunos Guilherme Felix e Miguel Sampainho, contribuíram ativamente nos trabalhos do FG3.

Orçamento Participativo Jovem - Portugal

O Agrupamento de Escolas de Alcanena, em conjunto com os Agrupamento de Escolas de Tomar, integrou uma proposta para eliminação das garrafas de plástico das escolas – o Projeto Plástico Zero. Esta proposta ao Orçamento Participativo Jovem foi selecionada para votação, tendo sido segundo projeto mais votado, de entre 232 concorrentes a nível nacional. O prémio foi entregue no passado dia 12 de agosto – Dia da Juventude, pelo Sr. Secretário de Estado da Juventude e do Desporto. O projeto Plástico Zero é um exemplo da iniciativa jovem e é mais um passo para melhorar a consciência ambiental de todos, pois permitirá que os alunos tenham acesso a dispensadores de água e garrafas reutilizáveis nas nossas escolas.

24


Orçamento Participativo das Escolas Pelo terceiro ano consecutivo, os estudantes do 3.º ciclo do ensino básico e do ensino secundário puderam decidir o que querem melhorar na sua escola. Em 2018-2019, a proposta vencedora do orçamento participativo para a Escola Secundária de Alcanena foi a Requalifica-

ção do Campo de Jogos, dos proponentes Diana Frazão, Gonçalo Neto e Filipe Lourenço, alunos do 8º ano. Na Escola Básica de Minde, a proposta mais votada foi a Aquisição de Equipamento de Voleibol, dos proponentes Alina Kransnenko, Diana Marques, Caroline Reis, Elizaveta

Prypuzova e Inês Maia, também alunas do 8º ano.

Escola Transformadora FILOSOFIA EACH – Everyone a changemaker

O Agrupamento de Escolas de Alcanena foi reconhecido como Escola Transformadora, passando a integrar a rede global Ashoka de transformação do paradigma educacional. O processo de recrutamento, que abrangeu mais de uma centena de escolas, selecionou o AE de Alcanena, através de entrevistas online, primeiramente com a delegação portuguesa e depois com a Ashoka Internacional, visitas presenciais ao agrupamento e painéis de entrevistas a alunos, professores e parceiros. As representantes da Ashoka consideraram que no AE de Alcanena

o conceito de inclusão é tomado como uma missão central, na medida em que através de metodologias de aprendizagem por projeto e de muitas e variadas ofertas para a exploração e aprofundamento vocacional, a equipa de docentes e parceiros da escola está dedicada a empoderar cada aluno para que se torne um agente de transformação positiva na sua comunidade, sempre fomentando a compreensão profunda e comum da importância da cooperação, do respeito pela diversidade e igualdade, tal como afirma o nosso aluno, Vinicius Lima: “Nesta Escola, todos sentimos que somos valorizados e encorajados a ser a melhor versão de nós próprios e a encontrar o nosso caminho pessoal”.

Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

25


AEA e a preocupação com o bem-estar O Desporto Escolar tem sido encarado como um projeto estratégico para a vida da escola, pois, para além de dar oportunidade aos alunos fisicamente mais aptos de expressar as suas capacidades num contexto de competição desportiva, cumpre, ainda, um conjunto de objetivos que se têm revelado da maior importância para a integração e sucesso escolar dos alunos que dele fazem parte, tais como: • Valorização pessoal; •

Outdoor activities Tendo como horizonte o bem-estar da comunidade escolar, o AE de Alcanena dinamiza, de forma regular, atividades fora do espaço da escola com comunhão de vivências e experiências que incrementam o sentido de pertença à organização escolar. Estes momentos inscrevem-se na necessidade de promover uma maior interação entre todos os docentes e colaboradores, através de momentos de descontração e felicidade, nos quais se reforçam laços de amizade conducentes a um ambiente propício de concretização de objetivos de bem-estar e desenvolvimento profissional.

26

2018 foi palco de mais uma atividade de sucesso, desta vez na Quinta do Arrife. As possibilidades de aprendizagem, de forma lúdica e descontraída, mas com sentido e objetivos claros, foram um ótimo ponto de partida para trabalhos e aprendizagens profícuas, em que se gerou empatia facilitadora de um desenvolvimento profissional de maior qualidade e intencionalidade.

Recuperação de alunos;

Aumento do gosto pela escola;

Integração de alunos com necessidades educativas;

Integração de alunos socialmente excluídos ou discriminados.

Presentemente, o clube do Desporto Escolar do AEA oferece aos alunos a prática das seguintes modalidades: natação, tiro com arco, ténis de mesa, badminton e voleibol. Esta última modalidade tem sido a grande referência do agrupamento a nível de resultados alcançados, contando já com vários títulos de campeão


regional da DRELVT e alguns pódios a nível dos campeonatos nacionais do Desporto Escolar. O número de praticantes é considerável, tendo a adesão ao programa “Desporto Escolar +” permitido a integração no projeto de Voleibol de alunos desde o 3º ano (nível a partir do qual se justifica a abordagem do Voleibol no 1º ciclo) até ao 12º ano. Para além do voleibol, também as modalidades de natação e tiro com arco já proporcionaram a alunos do agrupamento a conquista de títulos regionais.

DE+ No ano letivo 2018/19, foi lançado o programa “Desporto Escolar +”, a que o agrupamento rapidamente se candidatou, no sentido de abranger um maior número de alunos e iniciar mais cedo a sua intervenção, em particular a nível do 1º ciclo. O desenvolvimento de ações pontuais neste ciclo de ensino que ocorreram no ano letivo transato irá dar lugar a uma intervenção regular e mais abrangente no presente ano letivo, para que mais alunos do agrupamento possam, mais cedo, beneficiar de todos os ganhos que a prática das atividades físicas do Desporto Escolar proporcionam.

Meditação De acordo com estudos recentes, a capacidade de focar a atenção está associada à diminuição da ansiedade, sendo proporcional ao tempo de prática de meditação exigindo, por consequência, menos esforço para manter o foco. Para além disso, acredita-se que a prática da meditação é facilitadora do desenvolvimento de uma psicologia positiva. O AE de Alcanena implementou o projeto Meditar para Transformar, que se desenvolve com alunos dos diferentes ciclos.

1º e 2º CEB

Início da prática de meditação guiada e visualização criativa, acompanhada de música e a partir do universo de referências das crianças.

3º CEB

Implementação de outras técnicas (respiração, concentração e dinâmica) propiciadoras de momentos de bem-estar físico e mental.

Ensino

Meditação de âmbito mais alargado através da construção de imagens mentais sugestivas e criativas.

Secundário Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

27


Plano de Inovação A gestão do AEA é um desafio essencialmente coletivo e, por isso, partilhado.

O que vai mudar?

A. Gestão curricular Neste pressuposto, a construção do Plano de Inovação (PI) constituiu-se como uma oportunidade para o exercício de uma reflexividade emancipatória, uma vez que se concede a possibilidade de repensar a organização, no sentido de se delinear um referencial do AEA, alicerçado nos valores da corresponsabilização e colaboração.

• A criação de novas disciplinas no ensino básico;

Efetuado o balanço de dois anos de flexibilidade, o AEA deliberou em conformidade com a Portaria n.º 181/2019, de 11 de junho e tendo por referência os princípios consagrados no Decreto-Lei n.º 55/2018, de 6 de julho, e no Decreto-Lei n.º 54/2018, de 6 de julho, conceber o Plano de Inovação (PI) que implicou o envolvimento dos diferentes atores, materializado em 11 momentos distintos, nos diversos órgãos e estruturas educativas, tendo culminado com a aprovação em Conselho Pedagógico e em Conselho Geral.

B. Calendário escolar

O Plano de Inovação, enquanto documento de referência alinhado com o respetivo Projeto Educativo, pretende dar resposta às necessidades sentidas pelos diferentes agentes educativos em diversas vertentes.

28

• A redistribuição dos tempos/horas fixados entre componentes das matrizes curricular-base do ensino básico; • A gestão interturmas dos tempos/ horas fixados nas matrizes curriculares-base.

• A divisão do ano escolar em 2 semestres.

1º Ciclo Nos 1º e 2º anos, pretende-se, com início em 2019/2020, redistribuir os tempos fixados na matriz curricular

base, nomeadamente com a introdução da nova disciplina transdisciplinar “Oficina InformArte” que agrega a Oferta Complementar, o Apoio ao Estudo, a Educação Artística e trinta minutos do Estudo do Meio. No que se refere ao 3º e 4º anos, a disciplina de trabalho transdisciplinar “Oficina Tecnomov@rte” resulta da aglutinação das disciplinas Oferta Complementar, Apoio ao Estudo, Educação Artística, Educação Física e Estudo do Meio (trinta minutos). As novas disciplinas estão alicerçadas numa dimensão humana, social e ambiental que incluem itens do domínio do meio envolvente, das artes, da ciência e da tecnologia, recorrendo aos recursos naturais e materiais existentes na região. Carga horária semanal (60 minutos)

Componentes do currículo

1º ano/2ºano

3º ano/4º ano

7h

7h

Matemática

7h

7h

Inglês

----

2h

Estudo do Meio

2,5h

2,5h

Oficina InformArt

6,5h

---

Português

Educação Física Oficina Tecnomov@rte

2h ---

6,5h

25h

25h

Atividades de Enriquecimento Curricular

5h

5h

Educação Moral e Religiosa

1h

1h

Total


Plano de Inovação (PI)

2º Ciclo As propostas sugeridas pelos docentes do 2º ciclo prendem-se com 3 ordens de razão: •

Necessidade de treino de enunciados orais e escritos;

Desapego progressivo dos alunos relativo à matemática;

Necessidade de desenvolvimento da componente experimental no âmbito das ciências;

Desta forma, de seguida apresenta-se a matriz com as alterações sugeridas:

Componentes de currículo

Carga horária semanal (45 minutos) 5º ano

6º ano

Português

5

5

Inglês

2

2

Laboratório de Línguas

2

2

História e Geografia de Portugal

3

3

0,5

0,5

Matemática

5

5

Matematik

1

1

Ciência Ativa

0

3

Ciências Naturais

2

0

7,5

6,5

Educação Física

3

3

Educação Moral e Religiosa

1

1

32

32

Oferta Complementar

0

1 (já atribuído Ciência Ativa)

Apoio ao Estudo

2

2

1 (já atribuído Cri@rte)

0

Línguas e Estudos Sociais

Cidadania e Desenvolvimento Matemática e Ciências

Educação Artística e Tecnológica Cri@rte (EV+ET+EM+TIC)

TOTAL

Complemento à Educação Artística

Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

29


Matrizes Curriculares

O que vai mudar? 3º Ciclo As alterações a introduzir na matriz curricular do 3º ciclo prendem-se com: •

Constatação da dificuldade e dos piores desempenhos dos alunos em interpretar fontes, identificar informação em documentos de natureza variada;

mas temáticas quando trabalhadas articuladamente com a componente de Cidadania e Desenvolvimento; •

Operacionalização, na matriz, de práticas já testadas desde 2017/18 de trabalho inter e transdisciplinar, a par do trabalho em equipas educativas.

Assunção de maior eficácia na interdisciplinaridade subjacente a algu-

Componentes de currículo

Carga horaria semanal (45 minutos) 7º ano

8º ano

9º ano

5

5

5

Inglês

3

2

3

Laboratório de Línguas

0

2

0

Língua Estrangeira 2

2

2

2

História

2

3

0

Geografia

2

2

3

Laboratório Magalhães

1

0

0

Cidadania e Atualidade

0

0

3

Matemática

5

5

5

Cidadania e Ambiente

4

3,5

0

Físico-Química

3

3

3

0

0

3

4

3,5

4

3

3

3

opcional

opcional

opcional

34

34

35

(L. Magalhães)

(L. Línguas)

0

0

Áreas disciplinares/Disciplinas Português Línguas Estrangeiras

Ciências Sociais e Humanas

Ciências Físico-Naturais

Ciências Naturais Educação Artística e Tecnológica Cri@rte2 Educação Física Educação Moral e Religiosa TOTAL Oferta Complementar Laboratório Matemática e Português

1

Organização do ano escolar A transição entre ciclos assume por vezes um elevado grau de complexidade para o aluno em termos da sua adaptação. A diagnose efetuada no início do ciclo, por domínios de cada área disciplinar, de modo a obter-se a fotografia do aluno é um processo que se estende até novembro. Só então após a discussão

30

dos dados recolhidos em conselho de turma, se delineia um plano de ação. Por vezes, por força da restrição de recursos ou outras, o aluno é sujeito a uma avaliação sumativa, sem que tivesse beneficiado das medidas propostas de acordo com o seu perfil. Esta situação, infelizmente recorrente, é confrangedora para os diversos atores educativos e


Plano de Inovação (PI)

por vezes, condiciona o percurso escolar subsequente.

mestres; 2. A criação de interrupções letivas em cada semestre, encurtando por um lado os períodos contínuos de atividade letiva e, simultaneamente potenciando os momentos de trabalho cooperativo.

Por outro lado, a divisão trimestral é condicionada pelo calendário religioso, havendo, com frequência, uma distribuição desigual do número de semanas em cada trimestre, o que não potencia a boa gestão do processo de ensino e aprendizagem.

A valorização da avaliação formativa e da interação com a família, consubstanciada no aumento dos reportes aos pais

Perante estes factos, o AEA deliberou: 1. A divisão do ano escolar em 2 se-

e na melhoria da qualidade dos mesmos implicam: •

Criar, adotar, diversificar e validar instrumentos mais (in)formativos que os testes escritos, negociando também estratégias e técnicas centradas na dimensão formativa da avaliação.

Conceber uma aplicação (em curso) facilitadora da criação do reporte descritivo a comunicar ao aluno e à família.

2 SEMESTRES

2019

Setembro

D

S

T

Q

Q

S

S

D

S

T

Q

Q

S

S

D

S

T

Q

Q

S

S

D

S

T

Q

Q

S

S

D

S

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

Outubro Novembro Dezembro S

D

2020

Março

1

Q

28

29

30

31

27

28

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

S

T

Q

Q

S

S

D

S

T

Q

Q

S

S

D

S

T

Q

Q

S

S

D

S

T

Q

Q

S

S

D

S

T

Q

Q

S

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

P

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

2

3

4

1

2

3

Maio 1

2

3

4

S

S 13

2

Abril Junho

Q

1

Janeiro Fevereiro

T

23 29

30

1º semestre

S

18 15

S

D 15

84

17 22 14 29

30

31

19 13

85 169

Semestre

Início

Termo

12 setembro

1 fevereiro

Momentos de Avaliação

24 janeiro

19 junho

Calendário reuniões

2º semestre

S

total

Interrupções Letivas Interrupções

Início

Termo

1ª interrupção

11-nov-19

12-nov-19

2ª Interrupção

23-dez-19

03-jan-20

3ª interrupção

27-jan-20

31-jan-20

4ª interrupção

24-fev-20

26-fev-20

5ª interrupção

2-abr-20

13-abr-20

Tipo de avaliação

Reporte aos alunos e família

1º Momento

11 a 13 nov

Formativa

Feedback descritivo e qualitativo

2º Momento

27 a 31 janeiro

Sumativa

Feedback quantitativo

3º Momento

1 a 3 abril

Formativa

Feedback descritivo e qualitativo

4º Momento

Final do ano letivo

Sumativa

Feedback quantitativo

Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

31


Integração do AEA no Plano Nacional das Artes

O que vai mudar? O Projeto Educativo do AE de Alcanena aposta na integração das artes no currículo dos alunos desde o pré escolar ao 12º ano, o que se tem vindo a desenvolver, não apenas através do nosso clube

de artes performativas, coordenado pela professora Gabriela Capaz, que anualmente junta no palco cerca de 100 crianças dos diferentes ciclos, mas também através de uma diversidade de projetos e parcerias:

Projetos

Parcerias

Música no pré escolar

Associação de Pais de Alcanena

Música no 1º ciclo através da dinamização de uma AEC

Câmara Municipal de Alcanena (CMA) e o Conservatório de Música Jaime Chavinha

Orquestra do Agrupamento

Conservatório de Música Jaime Chavinha

O museu vai à escola e a Escola vai ao Museu

Museu Aguarela Roque Gameiro (CAORG) Museu da Boneca (CMA)

STEAM

Materiais Diversos e Clube de Ciência Viva

Espetáculos diversos de artes performativas

Cine Teatro São Pedro (CMA) Materiais Diversos

Programas diversos no âmbito do Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura Rede de Bibliotecas Escolares Biblioteca Municipal

O Agrupamento de Escolas de Alcanena está a desenvolver esforços para a obtenção de um selo de qualidade nos seus Cursos Profissionais, Curso Profissional de Técnico Multimédia e Curso Profissional de Técnico de Desporto, através do alinhamento com o sistema de qualidade EQAVET. Desta forma, assegura-se mais um passo para a excelência do trabalho realizado no Agrupamento de Escolas de Alcanena, colocando os nossos cursos profissionais ao nível dos referentes de qualidade europeia.

32


Plano de Inovação (PI) Em 2019/20, vamos apresentar à comunidade o Projeto Cultural do agrupamento, no sentido de permitir a integração do AEA no Plano Nacional das Artes. Esse programa cultural implica a programação de uma serie de atividades dentro e fora dos

muros da escola, de que são exemplo, as seguintes, já planeadas para setembro /outubro, fruto da parceria com a Associação Materiais Diversos e Integradas no Festival Materiais Diversos 2019.

tica que vamos acolher este ano letivo para continuarmos a trabalhar as STEAM no 2º ciclo.

Destaque, ainda, para a residência artís-

Atividades

Local

Espetáculo Juana Azurduy,

Escola Básica Moitas Venda

Espetáculo MESA,

Cine Teatro S. Pedro

Oficina para professores com a artista Inês Barahona

Agrupamento de Escolas de Alcanena

Ensaio de A Menor Língua do Mundo

Cine Teatro S. Pedro

Visita Performativa “O Antropoceno das Crianças”

Mata de Minde

Espetáculo Margem

Cartaxo

Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

33


AEA Escola Farol O AE de Alcanena foi denominado Escola Farol por sugestão do relatório final da OCDE da avaliação do Projeto piloto da flexibilidade curricular, tendo em 2018-2019 sido convidado a partilhar, em diversos fóruns, nacionais e internacionais, as suas boas práticas.

Setembro Santiago Cacém Ourém Mafra Serpa Lourinhã Lisboa Outubro A Maior Lição do Mundo Vila Franca de Xira Oliveira do Bairro Porto Loulé Paris OCDE Novembro Maia Amadora Rio Maior Janeiro S. João da Pesqueira Guarda Tábua Moita Fevereiro Encontro Regional ACES Cacém Lisboa Leiria

Distinções Para além de inúmeros prémios que os nossos alunos anualmente obtêm, no domínio das Ciências, literacia da leitura, Matemática, Olimpíadas diversas, Robótica, Desporto Escolar, o AEA obteve as seguintes distinções:

34


Março Alcoutim Barreiro Viseu Leiria Loures Abril Alcanena Lisboa Seixal Lisboa Maio Bragança Póvoa de Santa Iria Santa Comba Dão Vancouver – Canadá Lisboa Junho Beja Figueira de Castelo Rodrigo Tavira Porto Julho Cascais Cantanhede Castelo Branco

STEM School Label O Agrupamento de Escolas de Alcanena (AEA) foi convidado pela European Schoolnet e pelo Centro Ciência Viva para integrar o projeto-piloto europeu STEM School Label. As atividades e os estudos de caso evidenciados, numa perspetiva STEM, pelo AEA, permitiram, na avaliação efetuada, conquistar o Proficient Label. Deste modo, o AEA foi um dos três agrupamentos portugueses nomeados como Escolas Embaixadoras do projeto STEM School Label, constituindo um exemplo para todas as escolas na Europa. Em setembro de 2019, participaremos no 33rd Science Projects Workshop, na Future Classroom Lab, em Bruxelas. Durante o ano letivo 2019/2020 trabalharemos em estrita colaboração com a European Schoolnet no âmbito das STEM.

Da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação ... o caminho

35


36

Profile for Soma&Segue

AEAlcanena - da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação...o caminho  

Agrupamento de Escolas de Alcanena

AEAlcanena - da Flexibilidade Curricular ao Plano de Inovação...o caminho  

Agrupamento de Escolas de Alcanena

Profile for somasegue
Advertisement