Issuu on Google+

CULTURA Vladimir Brichta

por davi carneiro FOTO Solange Rossini

por excelência Vladimir Brichta costuma se entregar de corpo e alma aos seus personagens. O ator fala sobre o novo filme e da relação especial que sente pela Bahia

98

LET ' S G O B A H IA


Silêncio. Essa era a única coisa que se podia ouvir ao entrar naquele camarim, tamanha a concentração dentro do ambiente. O ator Vladimir Brichta se encontrava ali, visivelmente mais magro, sentado em um cantinho da sala. Como um monge em oração, parecia fora de si, viajando por mundos paralelos ou pela vida de alguma de suas figuras dramáticas. Mesmo com a luz bem baixinha – que cairia muito bem em um palco teatral – é possível perceber que ele está em um estado de total concentração. Vladimir, um dos atores de sua geração mais bem-sucedidos, costuma se entregar com fervor ao compor os seus personagens. Para o seu próximo papel, um playboy que tem a vida inconsequente e desregrada, o ator perdeu 11 quilos a pedido do cineasta Bernard Attal.

aspecto afetivo muito valioso para mim. Estava com saudades de muitas coisas daqui”, afirma Vladimir, que reside há dez anos no Rio e volta a pisar as ruas da Cidade Baixa para a gravação do longametragem A coleção invisível.

Somente alguns minutos depois, ele percebe a presença de nossa equipe e retorna aos poucos ao mundo real. “Peço mil perdões, mas estava mentalizando as falas da minha próxima cena. Quando isso acontece, a concentração é tanta que esqueço tudo ao meu redor”, diz o ator, com a simpatia típica de quem mata uma longa saudade. “Estou muito feliz em retornar a Salvador. Além de conhecer o universo soteropolitano, o que agrega a minha atuação, retornar à cidade onde morei até os meus 25 anos tem um

Apesar de ter nascido em Diamantina, Minas Gerais, Vladimir se considera “um autêntico baiano”. O ator se mudou para a Bahia aos 4 anos, após passar uma temporada na Alemanha, onde o seu pai, Arno Brichta, fez doutorado em geologia. “O Carybé dizia que a maior honra que poderia receber era ter nascido na Bahia. Eu costumo dizer a mesma coisa, sem nenhum demérito à cidade em que nasci, que também é um lugar lindo e especial. Eu saí de lá muito cedo e por isso todas as minhas referências culturais, geográficas e humanas são daqui”, afirma o ator, que havia completado 35 anos no dia anterior à nossa entrevista. W W W . LETSG O B A H IA . C O M . B R

99


CULTURA Vladimir Brichta

Carreira de sucesso

O ator começou na TV, em 2001, na novela Porto dos milagres, com o personagem Ezequiel. Em Coração de estudante fez o peão Nélio Garcia. Nesse trabalho conheceu a atual esposa, Adriana Esteves, com quem tem o filho Vicente, de 5 anos. Ele também é pai de Agnes Brichta, de 13 anos.

Em novelas, foi emendando papéis em Kubanacan, Começar de novo, Belíssima e Tapas e beijos. Além das novelas, também fez séries de sucesso na TV Globo, como Sexo frágil, Faça a sua história e Separação. Em teatro, atuou em espetáculos, como A máquina, Um bonde chamado desejo, Calígula e Equus. Fez filmes como Fica comigo esta noite, A mulher invisível e Quincas Berro D’Água. Eleito um dos homens mais sexy do Brasil, Vladimir não entrega o jogo e diz que seduz pelo charme e franqueza. “Até os 30 você quer ser reconhecido pelo seu talento e depois disso começa a deixar que as pessoas falem do corpo bonitinho”, diz em meio a gargalhadas. “A estética me incomodaria se fosse um empecilho para o reconhecimento do meu trabalho. Mas, venho de uma geração que teve o seu talento aclamado. Isso me deu uma segurança tremenda”, complementa.

Peço mil perdões, mas estava mentalizando as falas da minha próxima cena. Quando isso acontece, a concentração é tanta que esqueço tudo ao meu redor”

100

LET ' S G O B A H IA

Vladimir será o protagonista do longa-metragem A coleção invisível, de Bernard Attal, que começou a ser gravado no bairro do Comércio, em Salvador, e na cidade de Itajuípe, na região cacaueira. Baseado num conto do escritor austríaco Stefan Zweig, o filme tem no elenco atores como Walmor Chagas, Ludmila Rosa, Clarisse Abujamra, Conceição Senna, Paulo César Pereio e Frank Menezes. Attal – francês que mora na Bahia há seis anos – transpôs para o Brasil atual a história original que se passa na Alemanha dos anos 20. A narrativa foca um homem que passa por uma transformação na vida, revendo valores, emoções e princípios. “Poder fazer uma obra do Stefan Zweig, o escritor de língua alemã mais lido no mundo, está sendo uma experiência maravilhosa para mim. A história é de uma sensibilidade ímpar e está sendo contada com extrema sutileza e beleza pelo Bernard ”, relata.


Vladmir Brichta