Page 1

Jornal da

SOGIBA

Impresso Especial Nº 9912260030/DR/BA

SOGIBA

CORREIOS

Associação de Obstetrícia e Ginecologia da Bahia

“Imagem extraída da http://www.jardimdapenhaonline.com.br/site/wp-content/uploads/2015/11/festas-final-de-ano.jpg

Ano 20 – no 120 – dezembro de 2016

E

m nossa edição de final de ano, trazemos uma reportagem sobre trombose e uso de anticoncepcional, matéria sobre o XXI Congresso Baiano de Ginecologia e Obstetrícia promovido pela SOGIBA e seus artigos premiados, dicas de viagem

no verão e muito mais. Boa leitura!


Editorial

Expediente SOGIBA - ASSOCIAÇÃO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA DA BAHIA Av. ACM, 2.487, Edf. Fernandez Plaza, S/2304, CEP 40280-000 Salvador - Bahia Telefax: (71) 3351-5907 – E-mail: sogiba@sogiba.com.br - site: www.sogiba.com.br DIRETORIA DA SOGIBA – Triênio 2015-2017 Presidente: Carlos Augusto Pires Costa Lino Vice-presidente: Clodoaldo Cadete Fernandes Costa Secretário Geral: Tatiana Magalhães Aguiar Primeira Secretária: Mara Valéria Pereira Mendes Tesoureiro: Dina Rita Perez Cervino Diretora Científica: Márcia Sacramento Cunha Machado Diretora Cultural: Márcia Maria Pedreira da Silveira Diretora de Divulgação: Carla Kruschewsky Sarno COMISSÃO CIENTÍFICA - Presidente: Denise dos Santos Barata; Membros: Antonio Carlos Vieira Lopes; Cláudia Margareth Smith; Joaquim Roberto Costa Lopes; Hilton Pina

Caro associado, É com imensa satisfação que comunico o sucesso de participação e engajamento dos profissionais de saúde no XXI Congresso Baiano de Ginecologia e Obstetrícia, realizado pela SOGIBA, entre os dias 13 e 15 de outubro.

COMISSÃO DE ENSINO E RESIDÊNCIA MÉDICA - Presidente: Renata Lopes Brito; Membros: Adenilda Lima Lopes Martins; Amado Nizarala de Ávila; Sylvia Vianna Pereira Aragão; Fábio Agnelo Vieira Miranda Rios

Os congressistas participaram de uma refinada atualização científica com grandes nomes nacionais e internacionais da área. Temas como crise obstétrica e endometriose foram debatidos no evento.

COMISSÃO DE EVENTOS - Presidente: Maria José Andrade Carvalho; Membros: Maria das Graças de Mello Cunha; Margarida Silva Nascimento; Valdeci Lima Maldonado; Altacir Rebouças Campos D Oliveira– Comitês: Medicina Fetal: Luiz Eduardo Machado; Mastologia: Augusto Tufi Hassan; Ultra--sonografia: Kleber Chagas

A alta dos preços dos planos de saúde e a dependência do poder público para um atendimento ginecológico e obstétrico para a maior parte da população também foi um dos temas de maior atenção e preocupação dos envolvidos.

REGIONAIS DA SOGIBA

Entre os participantes, destaque para o presidente da Febrasgo, Dr. César Fernandes, o presidente da Sogesp, Dr. Paulo Giraldo e os médicos Dra. Rosanne M. Kho e Dr. Maurício Abrão. A reportagem principal da revista discute a relação entre o uso de anticoncepcional e a trombose, o sedentarismo, a relação de mulheres tabagistas com o uso de contraceptivos e o componente do anticoncepcional que está relacionado com o risco de trombose. Nesta edição de final de ano, você confere também dicas de viagem, filmes e uma deliciosa receita. Saiba como preparar um Bacalhau Confitado. Aproveitem!

Carlos Lino

2

COMISSÃO DE ÉTICA E DEFESA PROFISSIONAL - Presidente: Caio Nogueira Lessa; Membros: José Carlos de Jesus Gaspar; D’Cerqueira Lyrio; Ilmar Cabral de Oliveira; Luiz Carlos Calmon Teixeira Filho

Presidente da Sogiba

CONSELHO FISCAL - Maria da Conceição Farani de Santana; Licia de Fatima de Amorim Simões; Karen dos Santos Abbehusen Dorea; Suplente: Ana Maria de Souza Terencio

Regional Sertão – Feira de Santana Presidente: Dr. Francisco Mota Regional Sul – Itabuna/Ilhéus Presidente: DR. Viriato Luiza Corrêa Neto Vice–Presidente: Antonio Augusto Monteiro Primeira Secretária: Dóris Marta Vilas Boas L. Reis Tesoureiro: Jose Slaib Filho COMISSÃO CIENTÍFICA - Karen Freire, Eduardo Leahy e Ernesto Silveira Regional Sudeste – Vitória da Conquista Presidente: Dr. Absolon Duque dos Santos Regional Nordeste – Paulo Afonso Representante: Francisco Pereira de Assis Regional Oeste – Barreiras Representante: Peres Embiruçu Barreto Junior Regional Chapada – Jacobina Representante: Cilmara Melo Nunes de Souza Regional Recôncavo – Santo Antonio de Jesus Representante: Luiz Christian Darwim Ferraz Souto JORNAL DA SOGIBA Maria del Carmen González Azevêdo DRT-BA 3335 Editoração e Arte - Bárbara Almeida - (71) 99983 1578 Impressão - GENSA Gráfica (71) 3503-3555 vendas@gensagrafica.com.br


Sogiba

Veja como foi o XXI Congresso Baiano de Ginecologia e Obstetrícia

Sumário Saiba quais foram os melhores trabalhos apresentados sobre ginecologia e obstetrícia............4 Relação do uso de anticoncepcional e trombose..............................................................................6 Dicas de: viajem, filmes e receita ...........................................................................................................8 Notícias da Sogiba.................................................................................................................................11 Atividades Científicas da SOGIBA do 1º semestre de 2017 ................................................................12

3


Artigo

Saiba quais foram os melhores trabalhos apresentados sobre ginecologia e obstetrícia

C

om o objetivo de incentivar a pesquisa e o estudo de assuntos ligados a área, profissionais de saúde e estudantes que participaram do XXI Congresso Baiano de Ginecologia e Obstetrícia, realizado em Salvador, tiveram a oportunidade de inscrever seus trabalhos no evento. Após avaliação dos 91 artigos enviados, seis trabalhos de destaque foram escolhidos para publicação. Confira abaixo: Ginecologia 1º lugar – “Prevalência de sífilis em adolescentes atendidos no centro especializado em diagnóstico, assistência e pesquisa – Cedap Salvador, Bahia, Brasil”, dos autores Camila Souza, Eveline Xavier, Krysna Lessa, Raíza Trindade, Maiara Timbó, Carlos Lima, Ana Gabriela Travassos. 2º lugar – “HPV em adolescentes – realidade em um Centro de Referência em DST e HIV em Salvador/ Bahia”, dos autores Raíza Trindade, Eveline Xavier, Krysna Lessa, Camila Souza, Maiara Timbó, Carlos Lima, Ana Gabriela Travassos.

Ginecologia - 1º lugar

4


3º lugar – “Análise de ciclos de fertilização in vitro por meio de injeção intracitoplasmática de espermatozoide em pacientes com endometriose”, dos autores Ana Catharina Pinho Costa, Isa Alves Rocha. Obstetrícia 1º lugar - “Rastreamento do câncer de colo de útero em pré-natal de gestantes vivendo com HIV/ AIDS em Salvador, Bahia”, dos autores Eveline Xavier-Souza, Maiara Timbó, Camila Barone, Tatiana Haguihara, Sheyla Fernandes, Isabella Nóbrega, Ana Gabriela Travassos. 2º lugar – “Prevalência de dislipidemia em gestantes com patologias de alto risco gestacional e associação com desfechos neonatais”, dos autores Lavinas-Jones JM, Fonseca EM, Santos JLF, Pato RB, Novaes LO, Feitosa ACR. Maternidade Prof. José Maria de Magalhães Netto, Hospital Santa Izabel, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. 3º lugar – “Prevalência de dislipidemia em gestantes com patologias de alto risco gestacional e associação com desfechos fetais”, dos autores Rocha, M; Guerra, C; Benevides, José; Santos, M; Menezes, C. Maternidade Climério de Oliveira (MCO); Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Obstetrícia - 1º lugar

5


Reportagem

Os riscos da trombose Relação entre a doença e o uso de contraceptivo: risco de trombose ocorre no primeiro ano de uso dos contraceptivos hormonais combinados mulheres que usam anticoncepcionais combinados contendo drospirenona, gestodeno ou desogestrel (caso das pílulas) têm um risco de 4 a 6 vezes maior de desenvolver a trombose, em um ano, do que as mulheres que não usam contraceptivos hormonais combinados. O uso de anticoncepcionais faz parte da rotina da mulher há décadas, desde a adolescência, como parte de um método eficaz para prevenir gestações não-planejadas, assim como o uso do preservativo, que protege das doenças sexualmente transmissíveis.

C

ausada pela formação de coágulos de sangue no interior das veias, a trombose é uma doença que vem despertando a atenção da obstetrícia e ginecologia brasileira nos últimos anos, diante do crescente número de casos registrados. A enfermidade está relacionada a antecedentes familiares, tabagismo, hipertensão arterial e ao uso do anticoncepcional. Os principais sintomas da doença são: inchaço e dor nas pernas, coloração arroxeada na pele e sensibilidade incomum nas pernas e planta dos pés.

Dados do Ministério da Saúde apontam que, de cada mil brasileiros, um ou dois tenham trombose. Variações da trombose, como a trombose venosa profunda, o tromboembolismo e o embolismo pulmonar, estão entre as três principais causas de mortes no país, atrás do infarto e do Acidente Vascular Cerebral (AVC). De acordo com a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SACV), cerca de 120 mil novos casos de trombose venosa profunda são diagnosticados por ano no Brasil. Ainda segundo a SACV, para prevenir a doença, deve-se evitar ficar muito tempo sentado, sem se movimentar, manter dieta equilibrada, praticar exercícios físicos regularmente, manter o peso adequado e usar meias de compressão, caso tenha algum histórico familiar associado a varizes ou à trombose.

Trombose x Contraceptivos

6

Como as mulheres estão entre as mais afetadas, a relação entre a doença e o uso de anticoncepcionais está bastante em evidência. De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa),

De acordo com a médica ginecologista e obstetra Milena Brito, estudos evidenciaram que o maior risco de trombose ocorre no primeiro ano de uso dos contraceptivos hormonais combinados. “Um grande estudo dinamarquês observou que eles aumentam de 2 a 6 vezes o risco de trombose venosa profunda, comparados a mulheres que não fazem uso de contraceptivos hormonais. O componente estrogênico em altas doses (>50mcg) é o principal fator associado ao risco de trombose. Assim, quanto menor a dose (<30mcg) do etinilestradiol, menor o risco”, diz. Mulheres obesas e fumantes devem evitar tomar a pílula. “Mulheres acima de 35 anos, tabagistas e acima do peso não podem utilizar métodos contraceptivos hormonais combinados, devido ao elevado risco de doença cardiovascular, independente da via de administração”, afirma a especialista. Ainda segundo a ginecologista, o estilo de vida da mulher de hoje, mais sedentário, certamente favorece o tromboembolismo. “Precisamos ficar atentos a outros fatores de risco para tromboembolismo, como sedentarismo e obesidade. Houve uma importante mudança no estilo de vida das pessoas nos últimos anos. Não se pode ‘culpar’ apenas os contraceptivos hormonais combinados. É preciso ressaltar que o risco absoluto de trombose associado ao contraceptivo hormonal combinado é muito baixo, especialmente se comparado a outros fatores de risco, como a obesidade. O medicamento não é isento de riscos, portanto, é necessária uma adequada orientação e prescrição médica, avaliando as contraindicações, efeitos adversos e benefícios não contraceptivos para que a paciente decida de maneira informada a opção contraceptiva mais adequada ao seu perfil”, conclui a especialista.


Prática intensiva com duração de 3 meses e dedicação de 2 turnos semanais

PÓS-GRADUAÇÃO

PRÁTICA INTENSIVA

Prática intensiva com duração de 1 mês e dedicação de 11 turnos semanais

Programa de Treinamento Profissional em Ultrassonografia Geral (Nos moldes de Pós-Graduação)

Programa de Treinamento Profissional em Ultrassonografia em Ginecologia e Obstetrícia

Programa de Aperfeiçoamento ç em Ultrassonografia onografia Geral Credenciadoo pelo Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnósticoo por Imagem em

(Nos moldes de Pós-Graduação)

7


Dicas

Viagem

Caraíva (BA) Por mais que alguém descreva um local, apenas os olhos podem confirmar o que era esperado. Em Caraíva, este “esperado” se torna mais: é o mais alto nível da beleza natural. Um dos lugares mais paradisíacos do Brasil. O dia é o principal aliado de quem vai em busca do sossego, espalhado pela

praia quase deserta em baixa temporada e um pouquinho mais agitada durante o verão. Para combater o calor, as sombras dos coqueiros que agem como verdadeiros oásis ao final da faixa de areia. Fonte: http://turismo.ig.com.br/destinos-nacionais/oessencial-de-caraiva/n1597215054567.html

Cânions do Xingó (SE) Muitas pessoas que viajam a Aracaju, capital do Sergipe, aproveitam o passeio para conhecer as belezas do sertão sergipano. O maior dos atrativos é o Cânion do Xingó (ou do Rio São Francisco) - lá, é

8

possível fazer um passeio de catamarã pelas águas verde esmeralda do Chico e passar por entre as enormes rochas da região. http://turismo.ig.com.br/destinos-nacionais/2015-12-16/7lugares-magicos-para-conhecer-no-brasil.html


Filmes Feliz Natal - Joyeux Nöel (2005 / Christian Carion. Num campo de batalha, durante a primeira Guerra, franceses e escoceses entrincheirados de um lado e alemães do outro, fazem uma trégua para celebrar a noite de Natal. Acabam comemorando juntos, conhecendo-se e entendendo que os inimigos eram pessoas como eles. Uma bonita mensagem contra o absurdo das guerras)

O Expresso Polar (2004 / Robert Zemeckis. Um garoto está acordado na véspera de Natal. Sem acreditar mais em Papai Noel, ele espera que algo aconteça para renovar sua crença. Quando ele ouve o barulho de um trem ao lado da sua casa, o condutor o convida a entrar com destino ao Polo Norte onde ele vai viver muitas aventuras natalinas. Impressionante mistura de animação com atores, num ótimo filme)

Receita assados em forno baixo. Nível de dificuldade: fácil Tempo de preparo: 1h e 15 minutos Rendimento: 4 porções Não deixem de conferir as receitas do projeto “Hoje é Dia de Bacalhau”. Fonte: http://panelaterapia.com/2012/08/bacalhauconfitado.html#.UqIoQ_RDsQ0

Bacalhau Confitado A receita é um bacalhau muito especial, com uma textura macia, úmida e com um sabor divino! E o melhor: super simples de preparar. Para ficar mais fácil ainda, usei lombo de bacalhau Porto Morhua da Riberalves, que já vem dessalgado. É só descongelar e usar! Vamos à receita? Ingredientes: – 1kg de lombo de bacalhau Riberalves, divido em pedaços – 1 litro de azeite – 2 folhas de louro – 1 colher (café) de grãos de pimenta do reino – 6 dentes de alho Descongele o bacalhau, retire a pele e divida o bacalhau em pedaços. Coloque todos os ingredientes em um refratário fundo ou panela que possa ir ao forno e cubra com azeite. Leve ao forno em temperatura bem baixa (em torno de 100 graus) por cerca de 1 hora ou até que o bacalhau esteja cozido e macio. Na hora de servir, retire as postas de bacalhau, regue com o azeite e sirva salpicado com alho frito. Sugestão de acompanhamento: batatas, tomates-cereja, pimentões, azeitonas pretas e cebolas regados com azeite e

9


AF_LBA 0074-16 ANÃ&#x161;NCIO AACC RV SOGIBA - SABIN--21x30cm.pdf

10

1

17/10/16

17:03


Notícias da Sogiba

Sogiba realiza XXI Congresso Baiano de Ginecologia e Obstetrícia com grandes nomes da medicina

C

om o objetivo de atender os anseios dos tocoginecologistas através de atualização e discussão de temas que emergem o dia a dia do trabalho dos profissionais da área, a Sogiba realizou, entre os dias 13 e 15 de outubro, no Bahia Othon Palace Hotel, o XXI Congresso Baiano de Ginecologia e Obstetrícia com grandes nomes nacionais e internacionais da medicina. Na oportunidade, o presidente da Sogiba, Dr. Carlos Lino declarou que tem trabalhado muito na educação continuada em defesa da melhoria da saúde da mulher. “Foi muito enriquecedor tornar-me presidente da Associação, isso nos dá uma recompensa grande”, disse. O secretário de saúde do estado da Bahia, Dr. Fábio Vilas Boas, afirmou que a Sogiba foi a associação que ficou mais próxima da secretaria pela proatividade em tentar resolver os problemas da área. “A

Sogiba faz balanço positivo das ações realizadas em 2016

Sogiba foi para campo, investigou, entregou para a secretaria parte do diagnóstico feito em algumas maternidades, então percebi que estava na mão de um gestor diferente”, completa. No decorrer do evento, os participantes puderam se atualizar com conferências ministradas por especialistas renomados da medicina. Um dos destaques do congresso foi o módulo endometriose e o fórum sobre crise obstétrica, com a presença do conselheiro Dr. José Abelardo Meneses, os promotores de justiça, Dr. Rogério Queiroz e Dr. Roberto Gomes, além do presidente da Febrasgo. Representando a Associação Bahiana de Medicina (ABM), a diretora da entidade e médica ginecológica Dra. Tatiana Aguiar participou de um debate informal sobre como tratar e diagnosticar o sangramento uterino anormal. Foram 600 congressistas inscritos, 91 trabalhos enviados e 41 selecionados. O grupo teatral da Climério encerrou as atividades do congresso no terceiro dia com apresentação para os congressistas.

O

ano de 2016 foi marcado por grandes ações da Sogiba. Diversas iniciativas foram promovidas para o melhor desenvolvimento dos profissionais das áreas de ginecologia e obstetrícia no estado. Além do XXI Congresso de Ginecologia e obstetrícia, avanços importantes foram registrados, a exemplo do relatório sobre maternidades públicas, desenvolvido por médicos, após visitarem 11 maternidades (10 em Salvador, uma em Lauro de Freitas). Importante ressaltar também dois cafés da manhã e nove sessões científicas abordando temas importantes. Destaque para a Jornada de Atualização do Oeste em Ginecologia e Obstetrícia, em Barreiras, que abordou assuntos como Endometriose, Partograma, Ecografia, Casal infértil, Cesárea, Miomatose uterina e Infertilidade.

11


Diversos

Errata

Dados sobre Mortalidade Materna publicados no Jornal da Sogiba (setembro/2016)

pleta 5 anos Caliper com o ia no mercad de excelênc

íeira Caliper, cl iza nossa parc en b ra a p a b gi de A So os seus 5 anos e imagem, pel d la co es e nica de toto profissional en m oa iç fe er p e atuação no a amos sucesso imagem. Desej e d s a re á s a das

O Jornal da Sogiba publicou erroneamente a fonte do gráfico sobre Mortalidade Materna (pág. 12) na edição de setembro de 2016 e não citou as referências. Segue abaixo o material corrigido

vida longa.

Fonte: Sesab/Suvisa/DIS – SIM – Sinasc *Dados preliminares, processados em Maio/2016

Atividades Científicas da SOGIBA

10 semestre de 2017 09 Sessões Científicas começando em março. Aguarde as datas em breve Temas:

Março Contracepção TH x risco de trombose

Abril Patologias Benignas complexas e infecciosas das mamas

Maio Parto Humanizado

1º Café da Manhã dia 11 de março (Clinica AMO) - Discussão de casos clínicos: Endometriose ou Carcinomatose? Da Clínica a Radiologia 2º Café da manhã dia 20 de maio (Laboratório DNA) - Triagem para Pré Eclampsia Teremos cursos e jornadas que em breve serão divulgadas por e-mail, atualize seu e-mail na SOGIBA

12

No Brasil, cerca de 3/4 das mortes maternas são devidos a causas obstétricas diretas, consideradas evitáveis, enquanto que nos países desenvolvidos tem nas causas indiretas a sua grande prevalência1. Como representa o gráfico acima, além da alta razão de Mortalidade Materna, na Bahia, prevalece também a morte obstétrica direta. Isso demonstra a grande fragilidade na assistência obstétrica. A mortalidade materna é descrita pela OMS como sendo a morte da mulher em período gestacional ou dentro dos 42 dias completos do puerpério, independente do intervalo de tempo da gestação e do sítio de implantação do ovo2. Assim, é o falecimento que deriva de qualquer fator relacionado ou agravado pela gravidez ou de seu tratamento, excluindo-se os motivos acidentais ou incidentais2. Considera-se a morte obstétrica direta como o resultado de complicações obstétricas na gravidez, no parto ou no puerpério, em decorrência de intervenções, omissões, falta de tratamento adequado ou, mesmo, uma sucessão de tais acontecimentos; e a morte obstétrica indireta é aquela derivada de patologias pré-existentes ao período gestacional ou que se desenvolveram durante o próprio período da gravidez, isto é, aquelas que foram agravadas pelos seus efeitos fisiológicos3. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que pelo menos 88-98% das mortes maternas podem ser evitadas com o acesso oportuno a intervenções de emergência obstétrica vigente4. 1. Em, P. D. E. P. & Em, T. DESVINCULAÇÃO DA ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL EM UMA MATERNIDADE PÚBLICA DE SALVADOR-BA DESVINCULAÇÃO DA ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL EM UMA. (2015). 2. WHO. Maternal Death Surveillance and Response TECHNICAL GUIDANCE. WHO (2013). at <http://www.who.int/ maternal_child_adolescent/documents/maternal_death_ surveillance/en/index.html> 3. Rita, M. & Garbi, C. Mortalidade Materna – uma abordagem atualizada. 141–152 (2011). 4. UNICEF Brasil – Imprensa – Mortes maternas caem um terço em todo o mundo.

Jornal sogiba nº 120 (9)  

A edição de final de ano destaca o XXI Congresso Baiano de Ginecologia e Obstetrícia, seus artigos e a reportagem sobre a relação do uso do...

Advertisement