Page 1

Impresso Especial

Jornal da

Nº 9912260030/DR/BA

SOGIBA

SOGIBA

CORREIOS

Associação de Obstetrícia e Ginecologia da Bahia A $12‡1ž‡$12

O

Eleições da Sogiba nº 110 do jornal da Sogiba traz uma matéria especial com informações sobre a eleição para a nova diretoria da associação, que ocorrerá neste mês de outubro. A edição também apresenta

informações sobre a campanha de vacinação contra HPV para associados e dependentes, artigo científico, agenda da Sogiba e detalhes sobre o XX Congresso Baiano de Ginecologia e Obstetrícia em um encarte especial. Ah, não deixe de conferir as dicas de filme, viagem e esporte!


Editorial

E

Estamos chegando lá!

stamos chegando ao final de mais uma gestão, que se concluirá com o Congresso Baiano de Ginecologia e Obstetrícia, no período de 23 a 25 de outubro de 2014. Nesta oportunidade, vocês receberão o encarte com a programação final e detalhes deste nosso evento. Tenham a certeza de que tudo vem sendo elaborado com muito cuidado e carinho, desde o final de 2013. O programa científico foi montado com a confirmação de mais de dez palestrantes internacionais e nacionais, além de expressivos nomes da medicina local. Serão conferências, mesas-redondas, discussões informais e seminários sempre priorizando o debate.

sobretudo, às necessidades do toco ginecologista regional, com temas básicos e atualidades. Também durante este congresso, finalizaremos nossas eleições para a escolha de mais uma diretoria, visando dar continuidade ao espírito da gestão de nossa Sogiba, procurando sempre a superação, no firme propósito do cada vez melhor. Esse exercício democrático na escolha de uma nova diretoria é extremamente importante, pois nosso voto singular irá resultar no plural de uma decisão: a escolha de um candidato que vista a nossa camisa, que defenda os nossos interesses e, sobretudo, que represente esta associação de que tanto nos orgulhamos. Portanto, caro associado, procure saber o que cada um dos candidatos representa, pois desta forma o seu voto se afirmará positivamente. Às urnas e boa votação!

Trata-se, portanto, de uma programação que atende,

Ana Luiza Fontes

Presidente da SOGIBA

SOGIBA - ASSOCIAÇÃO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA DA BAHIA Av. ACM, 2.487, Edf. Fernandez Plaza, sala 2304, CEP 40280-000 Salvador - Bahia Telefax: (71) 3351-5907 – e-mail: sogiba@sogiba.com.br site: www.sogiba.com.br DIRETORIA DA SOGIBA – Triênio 2012-2014 Presidente: Ana Luiza Moura Fontes Vice-presidente: Wigberto Cunha Azevedo Secretário Geral: Alexandre Silva Dumas Primeiro Secretário: Magnólia Pereira dos Santos Tesoureiro: James José de Carvalho Cadidé Diretor Científico: Carlos Augusto Santos Menezes Diretora Cultural: Licia de Fátima Amorim Simões Diretora de Divulgação: Maria José Andrade Carvalho COMISSÃO CIENTÍFICA - Presidente: Marcelo de Amorim Aquino; Membros: Antonio Carlos Vieira Lopes; Leomar D’ Cirqueira Lírio; Margarida Santos Matos; Marcelo Esteve COMISSÃO DE ÉTICA E DEFESA PROFISSIONAL - Presidente: João Paulo Queiroz Farias; Membros: Celso Lima Viana; Maria do Carmo Botelho; Denise dos Santos Barata; Vera Lúcia Souza Bretones COMISSÃO DE ENSINO E RESIDÊNCIA MÉDICA - Presidente: Tatiana Magalhães; Aguiar; Membros: Amado Nizarala de Ávila; Karina Adami; Sylvia Viana Pereira Aragão; Rone Peterson Oliveira COMISSÃO DE EVENTOS - Presidente: Paulo Galvão Spinola; Membros: Claudia Margareth Smith; Margarida Silva Nascimento; Mari Celeste de Moraes Ferreira; Ilmar Cabral de Oliveira – Comitês: Medicina Fetal: Manoel Curvelo Sarno; Mastologia: João Crisóstomo Lucas Neto; Ultra-sonografia: Clodoaldo Cadete;

REGIONAIS DA SOGIBA Regional Sertão – Feira de Santana Presidente: Dr. Francisco Mota Regional Sul – Itabuna/Ilhéus Presidente: DR. Viriato Luiza Corrêa Neto Vice – Presidente – Antonio Augusto Monteiro Primeira Secretária – Dóris Marta Vilas Boas L. Reis Tesoureiro: Jose Slaib Filho COMISSÃO CIENTÍFICA - Karen Freire, Eduardo Leahy e Ernesto Silveira Regional Sudeste – Vitória da Conquista Presidente: Dr. Absolon Duque dos Santos Regional Nordeste – Paulo Afonso Representante: Francisco Pereira de Assis Regional Oeste – Barreiras Representante: Peres Embiruçu Barreto Junior Regional Chapada – Jacobina Representante: Cilmara Melo Nunes de Souza Regional Recôncavo – Santo Antonio de Jesus Representante: Luiz Christian Darwim Ferraz Souto JORNAL DA SOGIBA - Jornalistas responsáveis: Inês Costal (MTB 3366/BA) e Patrícia Conceição (MTB 2641/BA) Arte - Mirela Cardoso - tel: 71 9733.3669 Editoração Eletrônica e Impressão - GENSA Gráfica (71) 3503-3555 vendas@gensagrafica.com.br

SUMÁRIO

2

Novidades tecnológicas do Congresso Europeu de Endoscopia Ginecológica.............................4 Eleições para diretoria da Sogiba............................................................................................................6 Dicas de viagem, filme e esporte..............................................................................................................8 Campanha de Vacinação contra HPV...................................................................................................11 Agenda Científica da Sogiba..................................................................................................................12


Crônica

Sobre a morte e o morrer*

J

Rubem Alves

á tive medo da morte. Hoje não tenho mais. O que sinto é uma enorme tristeza. Concordo com Mário Quintana: “Morrer, que me importa? (...) O diabo é deixar de viver.” A vida é tão boa! Não quero ir embora...

miséria! Mas o médico, movido pelos automatismos costumeiros, apressou-se a cumprir seu dever: debruçou-se sobre o velhinho e o fez respirar de novo. Sofreu inutilmente por mais dois dias antes de tocar de novo o acorde final.

Eram 6h. Minha filha me acordou. Ela tinha três anos. Fez-me então a pergunta que eu nunca imaginara: “Papai, quando você morrer, você vai sentir saudades?”. Emudeci. Não sabia o que dizer. Ela entendeu e veio em meu socorro: “Não chore, que eu vou te abraçar...” Ela, menina de três anos, sabia que a morte é onde mora a saudade.

Dir-me-ão que é dever dos médicos fazer todo o possível para que a vida continue. Eu também, da minha forma, luto pela vida. A literatura tem o poder de ressuscitar os mortos. Aprendi com Albert Schweitzer que a “reverência pela vida” é o supremo princípio ético do amor. Mas o que é vida? Mais precisamente, o que é a vida de um ser humano? O que e quem a define? O coração que continua a bater num corpo aparentemente morto? Ou serão os ziguezagues nos vídeos dos monitores, que indicam a presença de ondas cerebrais?

Cecília Meireles sentia algo parecido: “E eu fico a imaginar se depois de muito navegar a algum lugar enfim se chega... O que será, talvez, até mais triste. Nem barcas, nem gaivotas. Apenas sobre humanas companhias... Com que tristeza o horizonte avisto, aproximado e sem recurso. Que pena a vida ser só isto...” Dona Clara era uma velhinha de 95 anos, lá em Minas. Vivia uma religiosidade mansa, sem culpas ou medos. Na cama, cega, a filha lhe lia a Bíblia. De repente, ela fez um gesto, interrompendo a leitura. O que ela tinha a dizer era infinitamente mais importante. “Minha filha, sei que minha hora está chegando... Mas, que pena! A vida é tão boa...” Mas tenho muito medo do morrer. O morrer pode vir acompanhado de dores, humilhações, aparelhos e tubos enfiados no meu corpo, contra a minha vontade, sem que eu nada possa fazer, porque já não sou mais dono de mim mesmo; solidão, ninguém tem coragem ou palavras para, de mãos dadas comigo, falar sobre a minha morte, medo de que a passagem seja demorada. Bom seria se, depois de anunciada, ela acontecesse de forma mansa e sem dores, longe dos hospitais, em meio às pessoas que se ama, em meio a visões de beleza. Mas a medicina não entende. Um amigo contou-me dos últimos dias do seu pai, já bem velho. As dores eram terríveis. Era-lhe insuportável a visão do sofrimento do pai. Dirigiu-se, então, ao médico: “O senhor não poderia aumentar a dose dos analgésicos, para que meu pai não sofra?”. O médico olhou-o com olhar severo e disse: “O senhor está sugerindo que eu pratique a eutanásia?”. Há dores que fazem sentido, como as dores do parto: uma vida nova está nascendo. Mas há dores que não fazem sentido nenhum. Seu velho pai morreu sofrendo uma dor inútil. Qual foi o ganho humano? Que eu saiba, apenas a consciência apaziguada do médico, que dormiu em paz por haver feito aquilo que o costume mandava; costume a que frequentemente se dá o nome de ética. Um outro velhinho querido, 92 anos, cego, surdo, todos os esfíncteres sem controle, numa cama - de repente um acontecimento feliz! O coração parou. Ah, com certeza fora o seu anjo da guarda, que assim punha um fim à sua

Confesso que, na minha experiência de ser humano, nunca me encontrei com a vida sob a forma de batidas de coração ou ondas cerebrais. A vida humana não se define biologicamente. Permanecemos humanos enquanto existe em nós a esperança da beleza e da alegria. Morta a possibilidade de sentir alegria ou gozar a beleza, o corpo se transforma numa casca de cigarra vazia. Muitos dos chamados “recursos heroicos” para manter vivo um paciente são, do meu ponto de vista, uma violência ao princípio da “reverência pela vida”. Porque, se os médicos dessem ouvidos ao pedido que a vida está fazendo, eles a ouviriam dizer: “Liberta-me”. Comovi-me com o drama do jovem francês Vincent Humbert, de 22 anos, há três anos cego, surdo, mudo, tetraplégico, vítima de um acidente automobilístico. Comunicava-se por meio do único dedo que podia movimentar. E foi assim que escreveu um livro em que dizia: “Morri em 24 de setembro de 2000. Desde aquele dia, eu não vivo. Fazem-me viver. Para quem, para que, eu não sei...”. Implorava que lhe dessem o direito de morrer. Como as autoridades, movidas pelo costume e pelas leis, se recusassem, sua mãe realizou seu desejo. A morte o libertou do sofrimento. Dizem as escrituras sagradas: “Para tudo há o seu tempo. Há tempo para nascer e tempo para morrer”. A morte e a vida não são contrárias. São irmãs. A “reverência pela vida” exige que sejamos sábios para permitir que a morte chegue quando a vida deseja ir. Cheguei a sugerir uma nova especialidade médica, simétrica à obstetrícia: a “morienterapia”, o cuidado com os que estão morrendo. A missão da morienterapia seria cuidar da vida que se prepara para partir. Cuidar para que ela seja mansa, sem dores e cercada de amigos, longe de UTIs. Já encontrei a padroeira para essa nova especialidade: a “Pietà” de Michelângelo, com o Cristo morto nos seus braços. Nos braços daquela mãe o morrer deixa de causar medo. *Texto publicado no jornal Folha de São Paulo/Caderno Sinapse (12-10-03).

3


Artigo Falando das novidades tecnológicas do Congresso Europeu de Endoscopia Ginecológica

Emilly Serapião

Especialista em Cirurgia Minimamente Invasiva em Ginecologia

E

m outubro de 2013, após passar alguns dias de férias nas cidades de Madrid, Praga e Dresden, já com o inverno se aproximando, cheguei a Berlim/Alemanha para participar do 22º Congresso Anual da Sociedade Europeia de Endoscopia Ginecológica, um dos mais importantes da especialidade. Como sempre ocorre em eventos deste porte, havia muita gente do mundo todo, sendo que as maiores delegações eram obviamente os anfitriões e as demais nacionalidades europeias, mas havia também muitos indianos, árabes, japoneses, chineses e uma pequena delegação brasileira. Um ótimo pretexto para encontrar amigos do eixo Rio-São Paulo. A dinâmica do congresso envolvia sempre o início do dia com cirurgias ao vivo no maior auditório, transmitidas em telões imensos, com uma bancada de experts comentando os casos clínicos e as questões técnicas das cirurgias, que sempre estavam ocorrendo ininterruptamente em quatro centros distintos. Ou seja, logo cedo as cirurgias nos faziam despertar e criar fôlego para o que se seguia a partir do final da manhã, que eram oito salas com conferências sobre os mais variados temas, envolvendo as principais patologias cirúrgicas ginecológicas.

4

Como a endoscopia ginecológica envolve muita tecnologia, boa parte dos grandes congressos da especialidade sempre se volta para as novidades nesta área. Na verdade, nós também vamos para o evento com esta expectativa. E após experimentar os mais interessantes lançamentos, vemos que alguns de fato entram e facilitam a

nossa rotina, mas outros, que por um momento pareciam incríveis, com o tempo acabam não se consolidando. Este ano a maior novidade, lançada por dois gigantes do setor, foi o sistema de imagem 3D para videolaparoscopia. Ele nos dá a possibilidade de aliar a magnificação da imagem com a visualização das estruturas pélvicas de forma tridimensional. Além disso, são usados com laparoscópios que se articulam até 100 graus, flexionando em quatro direções. Para vasos sanguíneos, por exemplo, durante uma histerectomia ou uma linfadenectomia, o ganho é realmente sensacional. Assistimos algumas cirurgias com óculos 3D, e o que vimos foi de fato incrível! As empresas prometem uma melhora na acurácia, na precisão dos movimentos e redução do tempo cirúrgico, tudo com uma menor curva de aprendizado. É esperar para ver. Na mesma linha, discutiu-se também mais sobre


as possibilidades das cirurgias realizadas por incisão laparoscópica única (umbilical) de 2/3cm, a chamada Single Port, e não as habituais três ou quatro que fazemos hoje. E há uma grande expectativa sobre a tecnologia das óticas, mas aqui o ponto crucial é o diâmetro. Bem mais finas e articuladas, inseridas pelo mesmo trocarte, junto com as pinças, que também são articuladas, permitem ampliar os horizontes de indicações desta que ainda é uma forma de se fazer videolaparoscopia que tem sido vista com bastante desconfiança pela maioria dos cirurgiões. Mas talvez tudo possa mudar, quando no futuro possamos ter óticas mais finas e flexíveis, que reproduzam, ao menos mais que hoje, os movimentos do punho humano, como na cirurgia robótica. Aliás, a cirurgia robótica sempre tem bastante destaque em reuniões mundiais de cirurgia laparoscópica, mais nos eventos americanos e menos nos europeus. Mesmo assim, algumas salas foram ocupadas por este tema, discutindo sua aplicação na miomectomia, histerectomias, cirurgias oncológicas etc. É inegável seu papel consolidado nos dias atuais como importante avanço nas diversas especialidades cirúrgicas, mas também não podemos deixar de pontuar o alto custo que a cirurgia robótica ainda envolve. Seguindo este raciocínio, houve uma reflexão se, diante deste alto custo, este tipo de tecnologia seria fundamental na cirurgia ginecológica, prin-

cipalmente a realizada por cirurgião bem treinado. Quanto às novidades em histeroscopia cirúrgica, a mais propagada foi o histeroscópio capaz de morcelar lesões sólidas, em especial miomas, chamado de Myosure ou Truclear. Eles têm um sistema de morcelamento na camisa operatória do histeroscópico que permite o fatiamento e aspiração de pólipos ou miomas, quase simultaneamente, sem a necessidade de retirar o instrumento, com perda de pressão ou da imagem, como se faz com o aparelho tradicional, conferindo maior rapidez à cirurgia. No entanto vi que tem algumas limitações, principalmente em lesões fúndicas e cornuais, o que pode limitar a difusão do uso do aparelho. Por fim, vi muito, mas muito mesmo, foco nas discussões sobre o ensino e divulgação da cirurgia laparoscópica e histeroscópica, não só nas aulas, mas nos estandes de vendas. Muitos se dedicaram a simuladores para treinamento de iniciantes, onde também pudemos ver um impressionante avanço no desempenho desses modelos. O cenário sinaliza para uma preocupação na universalização da cirurgia minimamente invasiva em ginecologia, para a qual não podemos nos fechar, pois não se trata de futuro, estamos falando do presente já bem estabelecido em outras especialidades.

5


Reportagem

Eleições para diretoria da Sogiba serão realizadas em outubro

N

o dia 1º de outubro começa o período de votação para escolha da nova diretoria da Sogiba. No mesmo mês em que eleições estaduais e nacionais decidirão quais representantes do povo irão governar pelos próximos quatro anos, os associados da Sogiba exercerão o poder democrático do voto para escolha da nova diretoria da associação. A diretoria eleita será responsável pela gestão de novembro de 2014 a novembro de 2017. A votação pode ser realizada até o dia 23 de outubro. Do dia 1º ao dia 10 os associados poderão enviar as cédulas de votação para a

Sogiba pelo correio. Todos os associados receberão as cédulas e os envelopes para envio no final do mês de agosto. A partir do dia 11, a cédula deve ser entregue pessoalmente na sede da associação. Essa entrega pode ser feita até o dia 22 de outubro. No dia 23 haverá uma urna no Pestana Bahia Hotel, durante a realização do 20º Congresso Baiano de Ginecologia e Obstetrícia, disponível para depósito das cédulas até às 16h. Para consolidar o voto, o associado deverá estar quite com a anuidade de 2014. É importante que o associado tenha atenção ao marcar a cédula de votação: rasuras na

Veja a sequência de acontecimentos desde o início do calendário eleitoral de 2014: Calendário eleitoral da Sogiba - 2014 ‡ 0DLR²GLD Publicação do edital de eleição em jornal de circulação estadual; ‡ -XOKR ²GLD Aprovação do calendário e do processo eleitoral pelo conselho superior; ‡ -XOKR²GLD Encerramento do período de inscrição das chapas; ‡ -XOKR²GLD: Aprovação das chapas inscritas; ‡ -XOKR²GLD Divulgação das chapas aprovadas; ‡ -XOKR²GLD Aprovação da folha de votação com a ordem das chapas inscritas; ‡ $JRVWR²GLD Envio das cédulas eleitorais em envelope para os associados; ‡ 2XWXEUR²GLD Prazo final de entrega dos envelopes com as células eleitorais durante a realização do 20º Congresso de G.O. (Pestana Bahia Hotel, até 16h); ‡ 2XWXEUR²GLD Apuração das eleições pela comissão eleitoral e divulgação do resultado, às 17h30; ‡ 2XWXEUR²GLD Prazo final para encaminhamento dos recursos; ‡ 2XWXEUR²GLD Reunião do conselho superior para aprovação do resultado da eleição; ‡ 2XWXEUR²GLD Divulgação oficial da chapa vencedora; ‡ 2XWXEUR²GLD Assembleia geral da Sogiba e posse da diretoria eleita

6


cĂŠdula anularĂŁo o voto, assim como qualquer rasura no envelope branco nĂŁo identificado, no caso de envio pelo correio. Duas chapas foram inscritas para concorrer a eleição da nova diretoria da Sogiba. A chapa 1, “Novos Temposâ€?, tem como candidato a presidente o Dr. Carlos Augusto Pires Costa Lino. Na chapa 2, “Dignidade com IndependĂŞnciaâ€?, concorre Ă presidĂŞncia o Dr. Alexandre Silva Dumas. Os associados terĂŁo acesso a detalhes sobre cada chapa no site da Sogiba – www. sogiba.com.br – e na pĂĄgina da associação no Facebook. A contagem dos votos serĂĄ realizada no dia 23 de outubro, das 16h Ă s 17h30, no Pestana Bahia Hotel. O resultado serĂĄ divulgado no dia 30 do mesmo mĂŞs no site e na pĂĄgina do Facebook da Sogiba, alĂŠm de enviado por e-mail para todos os associados.

Nome e perĂ­odo do mandato dos presidentes HOHLWRVSDUDDGLUHWRULDGD6RJLED ‡-RVpGH6RX]D&RVWD²D ‡0DQRHO%RQILP6RXVD)LOKR²D ‡/XL](GXDUGR0DFKDGR²D ‡*DEULHO%LWWHQFRXUW&RUUHLD²D ‡&UHPLOGD&RVWDGH)LJXHLUHGR²D ‡$QW{QLR&DUORV9LHLUD/RSHV²D ‡+LOWRQ3LQD²D ‡1LOPD$QWDV1HYHV²D ‡-RUJH/XL]6DSXFDLD&DODEULFK²D ‡3HGUR3DXOR%DVWRV)LOKR²D ‡ -DPHV -RVp GH &DUYDOKR &DGLGp ²  D 2011 ‡$QD/XL]D0RXUD)RQWHV²D

7


Relato de viagem Por Licia Amorim Simões

fomos orientados a ir após visitar o local. Bem, havia por ali várias lojinhas cheias de novidades e claro que, com o espírito de compras, fui me empolgando! Sabia que teria um tempo (creio que umas duas horas) até encontrar o ônibus, almoçar e seguir viagem. Aí é que a porca torceu o rabo!

V

iajar abre horizontes e enriquece a alma! Mas para muitos – entre os quais me incluo – a barreira do idioma pode ser um entrave, transformado em momentos de angústia. Vou relatar aqui um desses momentos que protagonizei e, se não fosse pela minha memória, teria passado por maus lençóis.

Sempre tive muita vontade de viajar e, assim que apareceu uma oportunidade de me engajar numa excursão, paga em módicas prestações, convidei uma amiga e lá fomos nós em direção a América do Norte! O roteiro começava por Nova York e seguia de ônibus até o Canadá, passando por Washington, Boston etc. Nosso guia americano era a cara do Gugu Liberato, falava português fluente e se mostrou muito rigoroso com horários: a todo o momento nos avisava que andássemos com os passaportes porque, caso ocorresse algum atraso de nossa parte, a excursão seguiria e teríamos de nos virar sozinhos até a próxima etapa.

8

Tudo corria bem até chegarmos a Quebec, província do Canadá cuja língua oficial é o francês. Era noite e no trajeto até o hotel nosso Gugu falou rapidamente o nome de um restaurante que poderíamos almoçar. No dia seguinte saímos do hotel já com as malas para um city tour que teria início na Cidade Baixa (tal e qual como cá), onde o ônibus não poderia permanecer por ser um Centro Histórico. Dessa forma, nosso motorista esperaria no topo de uma escadaria, para onde

Em um momento procurei os companheiros e...necas! Nem ao menos minha amiga, todos sumiram, e me vi completamente só. Pensei “subo as escadas e pronto”. Qual nada! Descobri que havia mais de uma escadaria e cada uma leFoto: Blog Wazari vava a lugares diferentes. Tempo passando e minhas esperanças de encontrá-los diminuindo...E agora, como sair dessa? Coração batendo forte, desespero tomando conta, a única coisa que sabia falar em francês era “oui”. Nesse momento veio a luz: o nome do restaurante mencionado pelo guia! Essa era a linha, a direção e restava então encontrar um táxi. Andava, andava e nada! Começou a chover e o tempo, inexorável, a passar. Tentei perguntar, mas me ensinaram o ponto de ônibus. Agradeci e segui adiante perdida, me perguntando como sair dessa se nem ao menos sabia o nome do hotel da próxima cidade. Não havia celular, nem wi-fi, nenhuma forma moderna de comunicação. Imersa nos pensamentos, dei de cara com uma praça cheinha de táxis. Ufa! Respirei aliviada. “Estou salva”, pensei. Enchi o peito de ar, entrei no táxi, disse o nome do restaurante e permaneci calada, rezando. Em poucos minutos vislumbro nosso ônibus. Agradeço a Deus e vou ao encontro da turma, que terminava de almoçar. Grande decepção! Pensava que estariam preocupados com minha ausência, pelo menos minha amiga...qual nada! Apenas perguntaram se havia almoçado. Da alegria imensurável passo a mais profunda tristeza ao constatar que ninguém ali havia se preocupado comigo. Reflito e chego à conclusão: QUEM NÃO TEM TU, VAI COM TU MESMO!


Dica de esporte Futebol

Um estudo do fisiologista Turíbio Leite de Barros, desenvolvido com jogadores profissionais do São Paulo Futebol Clube, apontou os diversos aspectos físicos trabalhados nas diferentes posiçþes dos atletas em jogo. Veja o ponto forte de cada um deles: ‡ =DJXHLUR – jogador mais potente do ponto de vista muscular; ‡ $WDFDQWH – aptidão para velocista. O mais eficiente em corridas curtas, de explosão muscular; ‡ *ROHLURHYRODQWH – campeþes em impulsão vertical. O goleiro ainda mais que o volante; ‡ /DWHUDO – jogador mais ågil e com melhor capacidade respiratória.

Q

uem pensa que em um time de futebol todos os jogadores saem ganhando, acertou. Independentemente da vitĂłria ou derrota na partida, jogadores de futebol desenvolvem qualidades fĂ­sicas durante a prĂĄtica do esporte. Mas cada um com sua especialidade.

Contudo, a pråtica do futebol deve ser acompanhada de cuidados. Barros alerta para a importância de consultar um mÊdico e conhecer suas condiçþes físicas e de saúde antes de iniciar qualquer atividade. Depois disso, o planejamento deve incluir atividades físicas ao longo da semana. O futebol faz bem, mas ser sedentårio durante toda a semana e partir para pråticas pesadas no ViEDGRHGRPLQJRSRGHSUHMXGLFDUPDLVGRTXH DMXGDU

Dica de filme As pontes de Madison

A

s Pontes de Madison (The Bridges of Madison County - 1995) narra a história de Francesca Johnson (Meryl Streep), uma proprietåria rural do interior de Iowa (Estados Unidos), casada hå mais de 15 anos, que se envolve com um fotógrafo da revista National Geographic. Vivido por Clint Eastwood, o personagem visita o condado de Madison para captar imagens das famosas pontes. O encontro e a breve história de amor muda a vida dos dois para sempre. O romance extraconjugal vem à tona somente após a morte de Francesca, quando seus dois filhos leem o diårio em que a mãe conta os quatro intensos dias vividos ao lado do fotógrafo. As revelaçþes fazem os filhos questionarem seus próprios casamentos e trajetórias e os conceitos de felicidade e desejo. AlÊm de interpretar o fotógrafo Robert Kincaid, Eastwood tambÊm produziu e dirigiu a obra. Por sua atuação, Meryl Streep recebeu uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz, em 1996. A película Ê baseada em um best-seller homônimo escrito por Robert James Waller. Disponível em DVD.

9


PESQUISA DE TROMBOFILIAS HEREDITÁRIAS

A solicitação de exames para a investigação de trombofilias hereditárias deve ser sempre pautada no impacto previsto para o manejo do paciente. Segundo a Diretriz do British Council for Standardization in Hematology, a investigação das trombofilias hereditárias pode trazer informações sobre o risco de recorrência, principalmente quando a trombose ocorre em pacientes jovens (abaixo de 40 anos) e sem fatores desencadeantes; em famílias com histórico de trombose; e em recém-nascidos com quadro de púrpura fulminans. O Laboratório Sabin disponibiliza a quantificação de proteína C, proteína S e antitrombina e a pesquisa das mutações no gene da protrombina e o Fator V Leiden, além de oferecer o apoio diagnóstico em outras condições associadas à trombose, pela dosagem de homocisteína, pesquisa de anticoagulante lúpico, anticorpos anticardiolipina e anti-glicoproteína 1 e mutação do gene MTHFR. Referências 1. Banglin T et al. Clinical guidelines for testing for heritable thrombophilia. British Journal of Hamatology (2010). 2. Middeldorp S. Evidence-based approach to thrombophilia testing. J Thromb Thrombolysis (2011).

www.sabin.com.br |

ISO 9001: 2008

Central de atendimento: 71 3261-1314

10

@labsabin |

Laboratório Sabin

RT: Dra. Tatiana Ferraz – CRF: 3437

Trombofilias hereditárias são condições em que os mecanismos de controle da hemostasia encontram-se alterados. Os mais conhecidos são a deficiência de proteína C, proteína S e antitrombina e a mutação dos fatores II (protrombina G20210A) e V (Leiden). Apesar de raras, estão associadas a eventos tromboembólicos venosos.


Campanha de Vacinação contra HPV beneficia associados da Sogiba e seus dependentes

Encarte especial do 20º Congresso Baiano de Ginecologia e Obstetrícia

A

lém de estimular a educação médica continuada, atuar na defesa profissional e promover eventos sociais, a Sogiba também investe em ações com foco na saúde de seus associados e dependentes. Pensando nisso, lançamos a Campanha de Vacinação em 3 doses contra o HPV – Vacina Quadrivalente Recombinante contra o Papilomavírus Humano (tipos 6, 11, 16 e 18). Voltada para ampliar o acesso à imunização entre associados e dependentes, a campanha possibilita uma economia de cerca de R$ 100 por dose da vacina. Para participar da iniciativa contra o HPV, os interessados devem assinar o termo de adesão e efetuar o pagamento da primeira dose da vacina, que deve ser aplicada na Clínica NAN - Centro Médico Empresarial, até 30 de setembro. A segunda dose será ministrada entre 03/11/14 e 28/11/14 e a terceira entre 02/03/15 e 31/03/15 - cada dose corresponde ao valor de R$255.

N

esta edição, o Jornal da Sogiba traz um encarte especial com a programação completa do 20º Congresso Baiano de Ginecologia e Obstetrícia, que acontecerá entre os dias 23 e 25 de outubro no Pestana Bahia Hotel, em Salvador. O encarte reúne informações sobre os três dias de conferências, painéis, debates e mesas-redondas que integram a programação científica do evento. Não deixe de conferir!

11


Diversos CURSO DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA - 27 de Setembro de 2014

Temas: Vacinação da mulher e patologia do trato genital inferior Coord.: Nilma Antas Neves e Walquíria Primo

12:30h - Conduta em NIC II/III/CIS/AIS Dra. Margarida Matos 13h - Como abordar NIC em adolescentes e imunodeprimidas? Dra. Isa Melo (DF) 13:30h

-

Encerramento

Programação: 08:30h - Como interpretar e conduzir as alterações citológicas? Dra. Ilsa Prudente 09h - Testes DNA-HPV: tipos, indicações, interpretação e conduta Dra. Isa Melo (DF) 10h - Vacinas HPV: dados recentes de atualização Dra. Nilma Antas Neves 10:30h - Vacinas HPV: dúvidas práticas de consultório Dra. Nilma Antas Neves 11h - Intervalo 11:30h- Outras vacinas da mulher: guia prático de prescrição Dra. Nilma Antas Neves 12h- Conduta em NIC I persistente e recidivante Dra. Isa Melo (DF)

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA DA SOGIBA – 2014 1º de SETEMBRO

Centro Médico Aliança - 19:30h Aprendendo com os erros médicos mais comuns em G. O. Coordenadora: Dra. Tatiana Aguiar Dr. Jecé Brandão

27 de SETEMBRO

Curso de Educação Médica Continuada – 08:30h às 13:30 Para programação completa ver box. 14 de OUTUBRO

Mercure Hotel (Rio Vermelho) - III CIAGO - 19h Violência Contra a Mulher

Dr. José Augusto Costa Dra. Licia Moreira

06 de OUTUBRO

Centro Médico Aliança - 19:30h 20 de SETEMBRO

Café da manhã no Hotel Fiesta - 08h A primeira consulta com a adolescente. Qual a melhor abordagem Coordenadora: Dra. Licia Amorim Vulvovaginites na infância: Dra. Marcia Cunha Sexualidade Virtual: Dra. Margarida Nascimento

12

Transtornos Psiquiátricos em G. O. Coordenadora: Tatiana Aguiar Dra. Manuela Lima 23 a 25 de OUTUBRO

XX Congresso Baiano de Ginecologia e Obstetrícia Informações no encarte especial anexo a este jornal.

Jornal sogiba 110  
Advertisement