Page 1

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

Manual de identidade da marca


Índice 1. Identidade

4 1.1 Conceito................................5 1.2 Argumento...........................6 1.3 Visão.....................................7 1.4 Missão..................................8 1.5 Nome....................................

5. Regras 5.1 Redução de escalas.............20 5.2 Área de protecção..............21 5.3 Utilizações indevidas..........22

2. Elementos básicos 2.1 Logótipo...............................10 2.2 Logomarca..........................11 2.3 Lettering..............................12 3. Elementos complementares 3.1 Cores.....................................14 3.2 Positivo/Negativo................15 4. Tipografia 4.1 Tipografia.............................17 4.2 Regras tipografia................18

Autores: Helder Almeida 46823 Lorenzo Cruz 47592 Sofia Cruz 49304 2


1.Identidade

Conceito | Argumento | Vis達o | Miss達o | Nome


1.1 Conceito

1.1 Conceito

4


1.2 Argumento

1.2 Argumento

A marca Museu Virtual de Design Português pretende transmitir os valores de qualidade, conhecimento, criatividade e credibilidade. Estes conceitos visam chegar ao seu público-alvo através da associação da marca à imagem de partilha de informação sobre Design Português.

5


1.2 Argumento

1.3 Visão

O projecto Museu Virtual de Design Português tem como visão a sua integração na Universidade de Aveiro e ser utilizado como ferramenta pelos alunos do curso de Design. Futuramente, predende-se que este passe a ser uma referência para todos os pioneiros do Design Português, sendo também utilizada como ferramenta em todas as universidades do país.

6


1.2 Argumento

1.4 Missão

O projecto Museu Virtual de Design Português tem como missão expandir e dar a conhecer os grandes artistas portugueses, através de um conjunto de informações/imagens que se encontram numa plataforma online.

7


1.6 Nome

MUSEU VIRTUAL DE DESIGN PORTUGUÊS

1.5 Nome

Este projecto chama-se Museu Virtual de Design Português, representando um espaço online de pesquisa e inserção de informação sobre o design português. Visto que a nossa equipa está a reformular o projecto, a questão do nome já tinha sido fruto de ideias anteriores. Inicialmente chamava-se História do Design Português, mas devido ao surgimento de novas ideias, este foi repensado e nomeado pelo actual.

8


2.Elementos B谩sicos Log贸tipo | Logomarca | Lettering


2.1 Logótipo

Logomarca + Lettering = Logótipo

O logótipo refere-se à forma como o nome da marca é representado graficamente, pela escolha ou desenho de uma tipografia específica. Este precisa seguir um padrão visual que torna a marca reconhecida onde quer que ela seja estampada. O logótipo da marca Museu Virtual de Design Português segue estes princípios, sendo composto por uma logomarca e por um lettering.

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS Logomarca

Lettering

10


2.2 Logomarca

A ideia para a construção da logomarca surgiu da conjugação de dois termos que representam o conceito do projecto, o Design e o Português. Ou seja, usando as letras D e P conseguiu-se criar uma forma simples e apelativa, dando grande destaque visual ao logótipo.

11


2.3 Lettering

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

O lettering é representado através de um tipo de letra apelativo encontrando-se bem organizado. O stroke nas palavras Design Português dá destaque em relação ao Museu Virtual.

Lettering

12


3.Elementos complementares Cores | Positivo/Negativo


3.1 Paleta de cores

Esta marca é representada por um conjunto de cinzentos e pelo vermelho. Devido ao ser conceito formal e original, optamos por usar uma paleta de cores escura, porque o objectivo principal é dar destaque às imagens que são inseridas na plataforma. A cor vermelha é usada para dar destaque à marca, sendo esta uma cor bastante viva e chamativa, despertanto a atenção do utilizador.

Cinzento Claro

Cinzento

CMYK: C: 0% M: 0% Y: 0% K: 11%

CMYK: C: 0% M: 0% Y: 0% K: 60%

RGB: R:226 G:226 B:226

RGB: R:102 G:102 B:102

Web: #e2e2e2

Web: #666666

Vermelho

Cinzento Escuro

Preto

CMYK: C: 0% M: 89% Y: 83% K: 38%

CMYK: C: 0% M: 0% Y: 0% K: 73%

CMYK: C: 0% M: 89% Y: 83% K: 100%

RGB: R:159 G:17 B:27

RGB: R:68 G:68 B:68

RGB: R:0

Web: #9f111b

Web: #444444

Web: #000000

G:0 B:0

14


3.2 Versão em Positivo/Negativo O uso do negativo/positivo num logótipo tem como objectivo criar contraste quando é usado sobre cores fortes em superfícies claras ou então cores claras em superfícies escuras. Neste logótipo o uso desta técnica funciona na perfeição não perdendo a sua leitura, sendo usada e adaptada da melhor forma possível.

Monocromático Negativo

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

Monocromático Positivo

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

Policromático Positivo

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

Policromático Negativo

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

15


4.Tipografia Tipogrรกfica | Regras Tipografia


4.1 Tipografia Museu Virtual de Design Português é uma marca direccionada para a divulgação de designers e obras portuguesas, logo o uso de uma tipografia portuguesa é considerado ouro sobre azul. Sendo assim, nesta marca é usada a tipografia de um designer português, Natanael Gama, chamada de Exo. Caracteriza como uma fonte moderna e original, usando caracteres com formas um pouco diferentes, não perdendo a sua leitura. Esta tem uma família de fontes muito completa, contendo nove tipos em versão regular e em itálico e faz parte da categoria Sans Serif. Exo é então usada tanto no logótipo como no website da marca.

Exo Thin

Exo Thin Italic

Exo Medium

Exo Medium Italic

abcABC123

abcABC123

abcABC123

abcABC123

Exo Light

Exo Light Italic

Exo Bold

Exo Bold Italic

abcABC123

abcABC123

abcABC123

abcABC123

Exo Regular

Exo Regular Italic

Exo Black

Exo Black

abcABC123

abcABC123

abcABC123

abcABC123

ABC ABC 123 & !? 17


4.2 Regras Tipografia

Utilizações correctas

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

Utilizações incorrectas

No lettering é usado um Exo Thin e o Exo Bold para dar mais destaque ao Design Português. Logo, sempre que usado, deve.

Se as regras não forem respeitadas, a leitura do lettering pode ser mais complexa.

MUSEU DESIGN VIRTUAL PORTUGUÊS MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

18


5.Regras

Redução de escalas | Área de protecção | Utilizações indevidas


5.1 Redução de escalas

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

Redução de escalas A redução de escalas têm de garantir a legibilidade da identidade. Neste caso, a boa leitura do logótipo acontece até aos 25%.

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

75%

50%

25%

20


5.2 Área de protecção

x

x

x

x

Área de Protecção As logomarcas necessitam de espaço à sua volta para aumentar a sua visibilidade. A caixa que está representada à volta da logomarca define o espaço livre mínimo que deve ser respeitado.

21


5.3 Utilizações indevidas O logótipo é o ponto de contacto da marca com o seu público-alvo, por isso deve sempre manter uma abordagem coerente e consistente na representação e aplicação do logótipo. Apesar de ter que respeitar orientações que já foram dadas, ficam aqui alguns exemplos de aplicações não permitidas com este logótipo.

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

Não esticar o logótipo.

Não usar a assinatura da marca mais pequena que o logótipo.

Não encolher o logótipo.

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

Não rodar o logótipo.

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS

Ter cuidado em conjugar as cores logótipo com as cores do fundo.

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS Não usar contornos.

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS Não usar cores flurescentes.

MUSEU VIRTUAL DESIGN PORTUGUÊS Não diminiur o icone do logótipo em relação à assinatura.

22


Marca Museu Virtual Design Português  

Manual de identidade

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you