Issuu on Google+

E-FÓLIO B – OS MEDIA NA EDUCAÇÃO FICHA DE LEITURA Autor da Ficha: Sofia Cavaco Número de estudante: 701430 Data: Dezembro de 2007

Autor: Sara Pereira Data: 2004 Título do artigo: Os desafios educativos dos media na educação

de infância Fonte: Actas do Encontro Nacional da Associação de Profissionais de Educação de Infância, https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/5095/1/Desafio sEducativosMediaJI.pdf “Os media não apresentam a realidade, representam-na.” Roland Barthes Resumo Este artigo aborda a influência dos meios de comunicação social no público, mais concretamente nas crianças em idade pré-escolar. A autora começa fazer referencia a dois exemplos, um ocorrido em contexto familiar e outro escolar, com crianças entre os 4 e 5 anos. O primeiro exemplo, relata o caso de uma criança, que embora nunca tenha assistido ao programa Big Brother, fala dele como se o visse todos os dias, pedindo, incansavelmente, à mãe para ver o programa. Quando a mãe acede ao seu pedido, e a deixa assistir ao programa, esta depressa abandona a sua visualização. O outro caso retratado é o de um infantário onde a prática da educação para os media era efectuado e onde se registou um fenómeno controverso: duas irmãs, e posteriormente mais elementos da sala, de uma forma subtil, solicitavam à professora para sair mais cedo. A posteriori “descobriu-se” que era para assistir a desenho animado televisivo. O que é interessante evidenciar neste caso é o facto das crianças terem a noção de que não estavam a proceder da melhor forma. A televisão está presente no dia a dia das crianças e influência os seus comportamentos e atitudes. Outro ponto fulcral neste documento, é a forma como os educadores vêm a televisão e a educação para os media. Como deve ser abordada esta temática? Deve criticar-se ou explicar os conteúdos televisivos, visto que a criança tem um papel activo enquanto tele-espectador? Proibir não é a melhor solução. Há que reflectir em conjunto com as crianças para desmistificar e descodificar as mensagens. Numa perspectiva em que a escola deve educar para os media, devem contemplar-se diversos pontos, como o tipo de conteúdos e a forma como as crianças os consomem; a adequação da educação para os media com as orientações curriculares; a mobilização das famílias e encarregados de educação na tarefa de educar para os media e abordar os temas que mais motivam as crianças para que a aprendizagem seja conseguida na sua totalidade. Concluindo, a educação para os media deve ser feita de forma a dotar as crianças de pensamento crítico, analítico e avaliativo das mensagem veiculadas pelos media. É factor primordial que as crianças saibam como funcionam os media e os conheçam por dentro. Deve ainda promover-se a criação de meios de comunicação social escolares que permitam a construção de conteúdos mediáticos. O ensino para os media passa muito pela indução à descoberta, muitas vezes, através da sua curiosidade natural e da construção de mecanismos facilitadores da compreensão e descodificação das mensagens. Citações “Estes dois episódios, a que poderíamos com certeza acrescentar muitos outros, são excelentes indicadores de que os media, particularmente a TV, condicionam, de forma marcante e significativa, os quotidianos das crianças.”;

1


“Uma coisa é certa: atendendo ao ambiente mediático omnipresente, é importante termos presente que a simples critica, a censura, o dizer mal, a proibição, não serão os melhores caminhos a seguir. Os diferentes contextos de acolhimento à infância, que exercem funções importantes ao nível da educação e do desenvolvimento das crianças, são, ou devem ser, espaços privilegiados de construção de um olhar diferente sobre as mensagens que os mais pequenos consomem através dos media, nomeadamente através da TV.”;

Comentários pessoais Desde os primórdios da sua existência, os media, foram abordados como instrumentos de destruição da sociedade. Nos dias de hoje continua a não haver um consenso sobre o que deve e como deve ser abordada a educação para os media. Apesar de não haver unanimidade, todos sabemos que essa sensibilização e educação tem que existir. Em Portugal, a educação para os media passa muito pela produção de conteúdos, isto é, pela elaboração de jornais escolares O contacto com os media começa desde que a criança começa a percepcionar o que o rodeia. È portanto necessário que ambem a esfera familiar tenha sensibilidade nesta matéria. A escola pode ser um meio facilitador e de impulsionador a esta aprendizagem sobre os media. O seu papel é bastante relevante, a par com outras aprendizagens. Mas como e quando promover essa educação? Os contextos escolares devem ser um espaço privilegiado para a discussão em torno dos media. Começar a aprendizagem a partir do ensino pré primário, é uma forma de fazer com que as crianças desenvolvam um sentido crítico sobre as mensagens veiculadas pelos meios de comunicação social. É importante desde cedo descodificar e explicar o teor das mensagens para formar crianças capazes de discernir a ficção da realidade. Temos ainda que ter em conta a influência e a pressão do grupo de pertença na escolha daquilo a que vemos. O medo da exclusão faz, muitas vezes, com que assistamos a conteúdos que não são os que realmente gostamos. Citações externas de apoio “a Educação para os Media constitui parte da preparação básica de todo o cidadão, em qualquer país do mundo, em ordem à liberdade de expressão, ao direito de informação e representa um suporte na construção e sustento da vida democrática” (UNESCO, Áustria, 1999, conferência ’Educar para os Media na Era Digital’)(1) “Graças a essa educação, os cidadãos devem poder ter acesso à informação, analisá-la e identificar os interesses subjacentes de ordem económica, política, social ou cultural. A educação para os media consiste, pois, em ensinar os indivíduos a interpretar e a criar as mensagens, a seleccionar os media mais apropriados para comunicar e, finalmente, a influir sobre a oferta e o conteúdo dos media.” (2) “A educação para os media é um processo que começa cedo, desde logo em casa, a partir do momento em que a criança é capaz de descodificar um som ou imagem. Ela continua no quadro das suas experiências com os amigos, estende-se na escola em todas as disciplinas e determina-se na idade adulta, no seu envolvimento pessoal e colectivo de cidadão.” (3) Bibliografia: (1) http://www.apagina.pt/arquivo/Artigo.asp?ID=4646; 10/12/2007, 22:35 http://educarparaosmedia.blogspot.com/ 11/12/2007, 00:38 (2)http://www.proformar.org/revista/edicao_17/educacao_para_media.pdf; 10/12/2007, 23:24 http://www.educacaomedia.com/html/index.asp; 10/12/2007, 22:41 (3)https://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/4768; 10/12/2007, 21:56 Abrantes, J. C. (coord.) (2006), Ecrãs em mudança, Lisboa, Livros Horizonte, pag 53 a79 e pag.81 a 94 Rieffel, R. (2003), Sociologia dos Media, Porto Editora; pag 186 a 202

2


Ficha de leitua