Page 55

Entrevista • Aymbiré Fonseca

O

Espírito Santo é o único estado brasileiro que tem produção significativa das duas espécies — Arábica e Conilon — com rendimento anual de cerca de 12,5 milhões de sacas, provenientes de 60 mil propriedades, das quais, mais de 73% são de base familiar. A produtividade média geral registrada é de 27,77 sacas por hectare. Tais números colocam o Estado como o maior produtor de café conilon do Brasil, com 78% da produção nacional, e o segundo maior produtor brasileiro de café (somando-se a produção de Arábica e Conilon), representando cerca de 25% da produção nacional e o terceiro maior produtor de café arábica. Por trás deste sucesso está a pesquisa, o desenvolvimento e inovação gerados pelo Incaper, que ganhou novo fôlego com a criação do Consórcio Pesquisa Café, em 1997. Para falar um pouco sobre essa história, entrevistamos Aymbiré Fonseca, pesquisador da Embrapa Café no Incaper.

Qual a importância socioeconômica da cafeicultura para o estado do Espírito Santo? A cafeicultura do conilon é uma das atividades mais importantes nos aspectos econômico e social no Espírito Santo, principalmente na geração de empregos e renda. Maior programa mundial de pesquisas para esta cultura, o Consórcio Pesquisa Café, fundado em 1997, é um arranjo estratégico composto por dez instituições de pesquisa, ensino e extensão rural, localizadas nas principais regiões produtoras do País. Coordenado pela Embrapa Café, busca, através de um programa de pesquisa, desenvolver tecnologias para cada etapa da cadeia produtiva do café. Presente em todos os municípios do Espírito Santo, exceto Vitória, a cafeicultura capixaba (Arábica e Conilon) é a atividade com grande poder de geração de empregos no Estado. É o sustentáculo econômico de 80% dos municípios e responde por 43% do PIB agrícola. A totalidade da cadeia produtiva gera cerca de 400 mil postos de trabalho ao ano, de forma direta e indireta. Só no setor

de produção, envolve 131 mil famílias, sendo o tamanho médio das lavouras de 7,5 ha.

Como o Incaper contribuiu para o desenvolvimento dessa atividade? O Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) é uma das instituições participantes do Consórcio. Em mais de 25 anos de pesquisa em café conilon no Incaper, foram desenvolvidos diferentes conhecimentos básicos, produtos, processos e tecnologias que têm sido amplamente utilizados pelos cafeicultores. Bons exemplos são as variedades melhoradas, aprimoramento das tecnologias para produção de mudas clonais de qualidade superior, recomendações de espaçamentos, poda programada, plantio em linhas, adubações, manejo de pragas e doenças, práticas de conservação de solo, manejo de irrigação e tecnologias de colheita, secagem, beneficiamento e armazenamento.

E os ganhos de produtividade, são expressivos? O uso das tecnologias tem contribuído para que, desde o período de lançamento das primeiras variedades clonais de café, em 1993, até hoje, a produtividade média estadual aumentasse 277%, saltando de 9,2 sacas beneficiadas/ha para 34,7 sacas beneficiadas/ha, enquanto a produção aumentou cerca de 304%, passando de 2,4 milhões de sacas para 9,7 milhões de sacas, com um aumento de apenas 11% da área plantada.

Quais foram os avanços da pesquisa que permitiram e permitem a expansão da cultura no Brasil? Quais as novas fronteiras agrícolas do café? São muitos e importantes avanços. Merecem destaque a utilização de variedades adaptadas, resistentes ao calor e a certas doenças e pragas; o emprego de técnicas de manejo de plantas eficazes na retenção de água no solo e/ou no controle do seu escorrimento superficial, na redução da exposição do solo à insolação direta e seu efeito danoso na microbiota presente; na redução das variações bienais de produção e na longevidade dos cafeeiros; avanços constantes em aspectos relativos à nutrição e a fertilização de solos, bem como disponibilidade de formulações com liberação mais lenta e gradativa de nutrientes; emprego de diferentes sistemas e irrigação; adensamento; cultivos protegidos com árvores que auxiliam na mitigação dos efeitos de temperaturas mais elevadas além de reduzir a influencia negativa de ventos mais fortes, entre muitos outros, não menos importantes. O café Conilon, apesar de mais recente no Brasil, encontra-se bastante concentrado no Espírito Santo, mas também migrou para as regiões Norte, Centro Oeste e AALavoura Lavoura- -Nº Nº699/2013 699/2013 • • 55 55

A Lavoura 699  

Café: mais demanda pela qualidade. Indicação Geográfica: Café da região do Cerrado Mineiro. Óleos essenciais: Mercado em expansão.

A Lavoura 699  

Café: mais demanda pela qualidade. Indicação Geográfica: Café da região do Cerrado Mineiro. Óleos essenciais: Mercado em expansão.

Advertisement