Issuu on Google+

Classificação das Esofagites de Refluxo Caio Salem


Classificação Endoscópica das Esofagites de Refluxo  Considerações iniciais  As esofagites de refluxo GE sempre envolvem a TEG e as complicações : úlceras, estenoses e metaplasia colunar - se desenvolvem sempre antes do diagnóstico inicial endoscópico e raramente ou nunca, depois (Richter, J.E; G.I. Endoscopy. Classen, Tytgat, Lightdale, 2006)

 Uma EDA é portanto, essencial para avaliar todos os doentes com sintomas crônicos de D.R.G.E. → estadiar a gravidade da doença  Pacientes com esofagite de refluxo exibem a mucosa normal ou erosões discretas, raramente evoluem para formas mais graves da doença. Nestes o comportamentos evolutivo é outro (Kahrilas, P.J. JAMA, 1996; 276: 982-8)

Tratamento Tratamento Clínico Clínico –– Crônico Crônico ou ou Cirúrgico Cirúrgico


Classificação Endoscópica das Esofagites de Refluxo  Critérios endoscópicos são fundamentais para estadiamento e visão evolutiva da D.R.G.E  Porém :  Lembrar que metade dos casos com pHmetria anormal, só cerca de 40% < 60% têm evidências endoscópicas de esofagite Interm. Med. 1982; 97:93-103)

(Richter, Amm


“A classificação endoscópica das D.R.G.E. depende da interpretação das imagens feitas pelo endoscopista. Infelizmente não existe um esquema classificatório padrão para os achados endoscópicos” Richter, J.E.


Sintomas e Achados Endoscópicos  Sintomas diários (predominantemente Pirose): 67%  Sintomas diurnos e noturnos: 49%  Intensidade dos sintomas (moderada a grave): > 90%  Achados endoscópicos  41% Esofagite leve a moderada  4% Esofagite grave ou ulceração esofágica Adaptado de Jones et al; 1995


Diagnóstico da DRGE  Endoscopia digestiva alta : considerar  A ausência de lesões não exclui o diagnóstico: 40 % têm DRNE  Erosões, úlceras, estenose péptica e esôfago de Barrett  Não considerar eritema, friabilidade e edema  Hérnia de hiato não é parâmetro diagnóstico de DRGE  Classificação Savary-Miller/Los Angeles


Diagn贸stico Endosc贸pico da DRGE A intensidade dos sintomas correlaciona-se pouco com o grau da les茫o esof谩gica

Pacientes (%)

100

Pirose

80

Grave Moderada

60

Leve

40 20 0

Endoscopia negativa

Endoscopia positiva


Classi ficações  Savary-Miller  Los Angeles  Hetzel-Dent  MUSE  ASGE  Tytgat


Esofagite – Classificação de Savary-Miller - 1989  Grau I  Lesões erosivas únicas, ovais ou lineares, com ou sem exsudato fibrinoso, situando-se em uma única prega longitudinal

 Grau II  Erosões lineares, com ou sem exsudato, situadas em mais que uma prega longitudinal, com ou sem confluência

 Grau III  Erosões confluentes que adquirem o aspecto circular com exsudato

 Grau IV  Lesões crônicas: úlcera, subestenose, esôfago curto, isoladas ou associadas às lesões observadas nos graus I, II ou III

 Grau V  Barretização: tecido metaplásico sob a forma de lingüetas ou ocupando toda a circunferência esofágica, isoladamente ou associadas às lesões dos graus I ao IV


Es么fago Normal


DRGE - Savary-Miller â&#x20AC;&#x201C; Grau I


DRGE - Savary-Miller â&#x20AC;&#x201C; Grau II


DRGE - Savary-Miller â&#x20AC;&#x201C; Grau III


DRGE - Savary-Miller â&#x20AC;&#x201C; Grau IV


DRGE - Barret – Grau V


DRGE - Barret – Grau V


DRGE - Barret – Grau V

D

D


DRGE - Barret – Grau V


DRGE - Barret – Grau V


Classificação de Los Angeles Grau A

One (or more) mucosal break no longer than 5mm, that does not extend between the tops of two mucosal folds

Grau B

One (or more) mucosal break more than 5 mm long, that does not extend between the tops of two mucosal folds Lundell et al Gut 45:172-180 (1999)


Classificação de Los Angeles Grau C

One (or more) mucosal break that is continuous between the tops of two or more mucosal folds, but which involves less than 75% of the circumference

Grau D

One (or more) mucosal break which involves at least 75% of the esophageal circumference

Lundell et al Gut 45:172-180 (1999)


Classificação de Los Angeles

Unicamp, 1994


Classificação de Los Angeles

D

D


Classificação das Esofagites

Nayar DS. Gastrointestinal Endoscopy, 2004



Classificação das Esofagites de Refluxo