Issuu on Google+

ANGOLA, A TERRA GENEROSA Angola, a generous land

CONCESSÕES COMPENSAM QUEBRA NA CONSTRUÇÃO Concessions offset the slowdown in the construction activity

ÁFRICA PARA DAR E RECEBER Africa to give and receive

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO . JANUARY 2012 | QUADRIMESTRAL . FOUR MONTHLY | DISTRIBUIÇÃO GRATUITA . DISTRIBUTION FREE OF CHARGE

ÁFRICA

Inovação e Crescimento África - Innovation and Growth


what’s up? SUMÁRIO - SUMMARY

FICHA TÉCNICA TECHNICAL DATA Propriedade Owner Editor Editor Grupo Soares da Costa, SGPS, SA NIF:500265763

Redacão Editorial Office Ana Santos Gomes

Desenho gráfico Graphic design 37design

Impressão Printing LST Artes gráficas Rua Mário Castelhano, nº 42 (Lux Park) A27 Queluz de Baixo - 2730-120 Barcarena

Tiragem Number of copies 1.000

Depósito legal Legal authorisation number 327630/11

Nº de Registo do título - ERC Publication Register Nº - ERC 126075 -

CONTATOS CONTACTS Porto - Oporto Rua de Santos Pousada, 220 4000-478 Porto - Portugal Tel. +351 22 834 22 00 Fax +351 22 834 26 41 geral@soaresdacosta.pt

Lisboa - Lisbon Rua Julieta Ferrão, 12 - 13º 1649-039 Lisboa - Portugal Tel. +351 21 791 32 00 Fax +351 21 795 84 84 geral@soaresdacosta.pt

Angola - Angola Rua Cónego Manuel das Neves, 19 Caixa Postal 2762 Luanda República de Angola Tel. +244 22 244 73 60 Fax +244 22 244 72 36

Moçambique - Mozambique Av. Ho Chi Min 1178, 2º Maputo - Moçambique Tel. +258 21 431 059 Fax +258 21 321 653 E.U.A. - U.S.A. 7270 NW 12th Street, Penthouse 3 - Miami Florida - 33126 USA Tel. +305 592 93 99 Fax +305 718 87 93 aesteves@soaresdacostausa.com

www.soaresdacosta.pt

África Africa

África tem dado à Soares da Costa a possibilidade de construir edifícios, estradas e pontes, participando no desenvolvimento económico e social de um continente marcado pela guerra e pela pobreza, mas também pela vontade de crescer. África tem acolhido os profissionais, a competência e o conhecimento que chegam de Portugal e retribui-os todos os dias. Angola, Moçambique e São Tomé e Príncipe concentram as atenções da Soares da Costa, que nestes mercados alimentam a sua carteira de projetos e justificam plenamente que esta edição da WIP dê a conhecer o melhor que se faz em África e as potencialidades destes mercados lusófonos.

Africa has given Soares da Costa the possibility of constructing buildings, roads and bridges, participating in the economic and social development of a continent marked by war and poverty, but also by the desire to grow. Africa has welcomed the professionals, the expertise and the knowledge coming from Portugal and reciprocates them every day. Angola, Mozambique and Sao Tome and Principe are the main focus of Soares da Costa’s attention, which in these markets nurtures its project portfolio and fully justifies why this edition of WIP raises awareness of the best that is done in Africa and the potential of these Portuguese-speaking markets.

Angola Moçambique São Tomé e Príncipe

Angola Mozambique Sao Tome and Principe

3


what’s up?

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012

ÍNDICE - INDEX

what’s up? Sumário Editorial

Summary Editorial

03 05

what’s our geography? A SDC NO MUNDO

SDC IN THE WORLD

Construímos o Mundo…

We build the World...

06

africa special ANGOLA

ANGOLA

A terra generosa

A generous land

CLEAR ANGOLA

CLEAR ANGOLA

O ponta de lança da eletromecânica

The spearhead of electromechanical installations

MOÇAMBIQUE

MOZAMBIQUE

Desenvolvimento com passado e sustentado

Continued and Sustained 24 Development

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

SaO TOME AND PRINCIPE

À espera de quase tudo

Waiting for almost everything

08

08

22

30

what’s our plan? PLANO ESTRATÉGICO

STRATEGIC PLAN

Estratégia redefinida

Redefined strategy

22

34

what’s our balance? RESULTADOS DO 3º TRIMESTRE

3RD QUARTER RESULTS

Concessões compensam quebra na construção

Concessions offset the slowdown in the construction activity

36

what’s our nature? SUSTENTABILIDADE

SUSTAINABILITY

África para dar e receber

Africa to give and receive

35 4

38

15

33

39


what’s up? EDITORIAL - EDITORIAL

África “em grande”

Africa “at its best”

África é a região do globo mais dinâmica no Grupo Soares da Costa. Em 2012 deverá representar mais de 50% do volume de negócios consolidado do Grupo, o que demonstra claramente o relevo que tem na nossa atividade. Aliás, o dinamismo de África já nem nos deve surpreender: na última década, seis das dez economias que mais cresceram no mundo são africanas; em oito desses dez anos África cresceu mais do que o Leste asiático. E mais ainda: a paz tem progressivamente alastrado a quase todo o continente, com os valores da Democracia e da Liberdade a avançarem solidamente em muitos países.

Africa is the world’s most dynamic region for Soares da Costa Group. In 2012, it should represent more than 50% of the Group’s consolidated turnover, which clearly shows how important it is to our business. Indeed, Africa’s dynamism should not even surprise us anymore: in the last decade, six of the ten fastest growing economies in the world are African; in eight of those ten years, Africa has grown more than East Asia. And, even more so: peace has gradually spread to almost the entire continent, with the values of Freedom and Democracy steadily gaining ground in many countries.

Não menos importante, a evolução demográfica da região potencia as promessas de crescimento, ao mesmo tempo que a adoção de novos hábitos de consumo e do acesso a novas tecnologias avança a ritmos surpreendentes. Enquanto isso, os níveis de produtividade cresceram mais de 3% ao ano. A dimensão da classe média explodiu e os volumes de investimento estrangeiro dispararam. É certo que a esta realidade não será indiferente o recente “boom” do preço das matérias-primas, mas nada seria possível sem a atitude progressivamente mais ambiciosa e mais orgulhosa dos dirigentes e povos africanos.

Not least, the region’s demographic trends promise growth, while the acquisition of new habits of consumption and access to new technologies is growing at a breathtaking pace. Moreover, productivity levels increased more than 3% per year. The size of the middle class exploded and foreign investment soared. This reality will certainly have an impact on the recent boom in the price of raw materials, but nothing would be possible without the progressively more ambitious and prouder attitude of the African leaders and peoples.

A Soares da Costa tem, naturalmente, muito orgulho em colaborar e fazer parte do grandioso projeto de afirmação do continente africano e de renascimento de nações fustigadas por décadas de guerras, doença e elevadas taxas de mortalidade, opressão e corrupção, a que se juntou o peso do subdesenvolvimento. Estamos, mais que nunca, certos de que valeu a pena ter estado presentes em Angola desde o início dos anos oitenta, em Moçambique, há três décadas, na Guiné Bissau e em Cabo Verde, sempre que a nossa capacidade e experiência foram solicitadas, e, mais recentemente, em São Tomé e Príncipe, um pequeno mas promissor mercado, que, tal como os outros, pode ser caminho para alguns mercados vizinhos. Em África vivem e trabalham hoje centenas de quadros do Grupo Soares da Costa que levam na bagagem o conhecimento que nos diferencia e a capacidade de dar exemplo, formar e fazer crescer excelentes profissionais africanos. Esta edição da WIP é inteiramente dedicada a África. O título da publicação é, neste caso, aplicável na perfeição. Porque em África há casas para construir e melhorar as condições de vida das populações locais. Porque há escolas e hospitais para edificar e proporcionar o acesso a saúde e educação condignas. Porque há estradas, pontes e viadutos que têm de ser feitos para melhorar a mobilidade entre províncias. Porque há fábricas, escritórios, armazéns e lojas que vão assegurar emprego para as novas gerações e possibilitar o desenvolvimento económico e social do território. África sempre acolheu a Soares da Costa de braços abertos e tem-nos permitido crescer e desenvolver o nosso negócio. Fazemos questão de continuar a retribuir estas nações com o nosso conhecimento, a nossa técnica, a nossa experiência, a nossa capacidade de formação e de inovação e de atração de mais e melhor investimento. É neste espírito que o Grupo Soares da Costa está orgulhosa e esperançadamente presente em África.

Soares da Costa is, of course, very proud to collaborate and be part of the grandiose project of affirmation of the African continent and revival of nations stricken by decades of war, disease and high mortality rates, oppression and corruption, in addition to the weight of underdevelopment. More than ever, we are certain that it was worth being present in Angola since the early eighties, in Mozambique, three decades ago, in Guinea Bissau and Cape Verde, whenever our skills and experience were required, and, more recently, in Sao Tome and Principe, a small but promising market, which, like the others, can pave the way to neighbouring markets. Hundreds of Soares da Costa managerial staff are currently living and working in Africa, carrying with them the knowledge that sets us apart and the ability to set an example, train and develop outstanding African professionals. This edition of WIP is entirely dedicated to Africa. The title of the publication is, in this case, perfectly appropriate. Because, in Africa, there are homes to be built and living conditions to be improved for local populations. Because there are schools and hospitals to be erected and access to decent health and education to be provided. Because there are roads, bridges and overpasses that must be made to improve mobility between provinces. Because there are factories, offices, warehouses and shops that will provide employment for the new generations and enable the economic and social development of the territory. Africa has always welcomed Soares da Costa with open arms and has allowed us to grow and develop our business. We would like to continue to reciprocate these nations with our knowledge, our technique, our experience, our ability to train and innovate and to attract more and better investment. It is in this spirit that Soares da Costa Group is proudly and hopefully present in Africa.

António Castro Henriques CEO of Soares da Costa Group

António Castro Henriques CEO Grupo Soares da Costa

5


what’s our geography?

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012

A SDC NO MUNDO - SDC IN THE WORLD

CONSTRUÍMOS O MUNDO… Pelos quatro cantos do Mundo o nome de Portugal continua a ser levado bem longe, participando em múltiplas formas de desenvolvimento de países e economias em diferentes estádios de evolução. Eis algumas das obras de referência com a assinatura Soares da Costa.

EUA USA Barbados Barbados Venezuela Venezuela Guiana Guyana Brasil Brazil

Costa-Rica Costa Rica

AMÉRICA AMÉRICA EUA - USA (desde | since 1994) Condomínio Marina Blue em Miami Marina Blue Condominium in Miami Continuun II em Miami Beach Continuun II in Miami Beach Beneficiação do Sistema de Gestão de Estradas - I 595 em Fort Landerdale I 595 - Managed Lanes Improvement Fort Landerdale Alargamento da Autoestrada Interestadual I 75, Macon GA I 75 - Interstate Wideneding Macon GA Escola Secundária Everglades Miramar em Broward County Everglades Senior High School Miramar in Broward County BRASIL - BRAZIL (2011) Fábrica de Cimento em Rio Branco do Sul Cement Factory in Rio Branco do Sul Fábrica de Cimento em São Luís do Maranhão Cement Factory in São Luís do Maranhão Barbados - BARBADOS (2003) Rede Geral de Saneamento Básico de toda a Costa Sul General sewage network of the whole South Coast Guyana - guyana (1998) Embaixada da ex-URSS em Georgetown Former USSR Embassy in Georgetown Hospital da Guyana Hospital of Guyana 6

Costa Rica - COSTA RICA (desde | since 2004) Concessão San José a San Ramón San José to San Ramón Concession Concessão San José a Caldera San José to Caldera Concession

Espanha - SPAIN (1992) Pavilhão de Portugal na Expo Sevilha Pavilion of Portugal at the Seville Expo Pavilhão do Mónaco na Expo Sevilha Pavilion of Monaco at the Seville Expo

Venezuela - VENEZUELA (1978-2000) Los Budares Los Budares Torre Pomarosa Pomarosa Tower Centro Poblado Los Pijiguaos Centro Poblado Los Pijiguaos Vivendas Bleumarine Bleumarine Housing Development

Roménia - ROMANIA (desde | since 2005) Reabilitação da Estrada Videle-Milcovatu Rehabilitation of the Videle-Milcovatu Road Reabilitação da Estrada Blaj-Tarnaveni Rehabilitation of the Blaj-Tarnaveni Road Reabilitação e Extensão da Rede de Águas de Pitesti Rehabilitation and Extension of the Pitesti Water Network Reabilitação e Extensão da Rede de Águas de Galati Rehabilitation and Extension of the Galati Water Network Parque eólico CAS SII SIII CAS SII SIII Wind Farm Parque eólico ALPHA N2 ALPHA N2 Wind Farm Variante à cidade de Lugoj Bypass road to the city of Lugoj

EUROPA EUROPE Portugal - PORTUGAL (desde | since 1918) Pousada da Covilhã Covilhã Inn Cidadela de Cascais Cascais Citadel Troia Resort Troia Resort Autoestrada Transmontana Transmontana Motorway Metro do Porto Porto Underground Ponte Ferroviária de S. João S. João Railway Bridge Loja do IKEA de Loures IKEA store in Loures Estádio de Braga Braga Stadium Etar do Ave Sewage and Wastewater Treatment of Ave Aeroporto Francisco Sá Carneiro Francisco Sá Carneiro Airport

ÁFRICA AFRICA Angola - ANGOLA (desde | since 1980) Estádio da Cidadela Desportiva Sports Village Stadium Palácio das Comunicações Communications Building Torres Atlântico Atlântico Towers Sana Royal Hotel Sana Royal Hotel Torre Ambiente Environmentally Tower Ponte do rio Catumbela Rio Catumbela Bridge


what’s our geography? A SDC NO MUNDO - SDC IN THE WORLD

WE BUILD THE WORLD... Portugal’s name continues to be recognised all over the world, participating in multiple projects to develop countries and economies at different stages of their life cycles. Here are some of the most significant works carried out by Soares da Costa.

Roménia Romania

Espanha Spain Portugal Portugal

Iraque Irak Argélia Algeria Egito Egypt

Cabo Verde Cape Verde

Macau Macau Guiné-Bissau Guinea-Bissau Nigéria Nigeria São Tomé e Príncipe Sao Tome and Principe

Angola Angola Moçambique Mozambique

Sede Sonangol Sonangol Headquarters Total TTA2 Total TTA2 Zona Marginal de Luanda Marginal area of Luandaa

Banco Nacional Guiné Bissau National Bank of Guinea-Bissau Ponte de S. Vicente S. Vicente Bridge

Argélia - ALGERIA (1985) Estrutura do Hospital Willaya d’Illiza Structure of Willaya d’Illiza Hospital

Moçambique MOZAMBIQUE (desde | since 1982) Instituto de Ciências Religiosas Institute of Religious Sciences Escola Portuguesa de Maputo Portuguese School in Maputo Complexo Oficinal da Pescamar Pescamar Office Complex Ponte sobre o Rio Zambeze Bridge over the Zambeze River

Cabo Verde - CAPE VERDE (1986-1995) Embaixada da URSS USSR Embassy Hotel Aeroflot Aeroflot Hotel Delegação Cidade da Praia do PNUD PNUD Branch Office in Praia Complexo de Carga e Correio do Aeroporto Internacional do Sal Freight and Mail Complex at the International Airport of Sal Egito - EGYPT (1980-1996) Maadi Towers Maadi Towers Abdul Latif Jameel Management Studies Center, American University no Cairo Abdul Latif Jameel Management Studies Center, American University in Cairo Sphinx Pyramids Hotel no Cairo Sphinx Pyramids Hotel in Cairo Guiné Bissau GUINEA-BISSAU (desde | since 1979) Embaixada USA US Embassy Liceu Internacional de Bissau International High School in Bissau Pista do aeroporto de Bissalanca Bissalanca Airport Runway

Nigéria - NIGERIA (1981) Estrutura do Hyatt Hotel em Abidjan Structure of the Hyatt Hotel in Abidjan República Cooperativa da Guiana (1987) Cooperative Republic of Guyana (1987) Embaixada URSS USSR Embassy S. Tomé e Príncipe SAO TOME AND PRINCIPE (desde | since 2005) Hotel Forte S. Jerónimo Forte S. Jerónimo Hotel Urbanização Vila Maria Vila Maria Development Hydro Power STP STP Hydro Power Escola Secundária da Trindade Secondary School in Trindade

ÁSIA ÁSIA Iraque - IRAK (1982) 2 Grandes Projetos de Habitação, em Amara e Kadisia 2 large-scale housing projects, in Amara and Kadisia Estrutura de Betão Armado de um Hotel em Bagdad Reinforced concrete structure of a hotel in Bagdad Macau-China - MACAU-CHINA (1989-1999) Centro Cultural de Macau Cultural Centre of Macau Aeroporto Internacional de Macau International Airport of Macau Central de Incineração de Resíduos Sólidos Solid Waste Incineration Plant ETAR de Macau WWTP of Macau Túnel da Guia e viadutos de acesso Guia Tunnel and approach viaducts Edifício Sede do BNU BNU Headquarter Building Hong Kong, R. P. China HONG KONG, P. R. CHINA (1995) ETAR do Novo Aeroporto Internacional de Hong Kong em Check Lao Kok WWTP of the New International Airport of Hong Kong in Check Lao Kok

7


africa special Angola - Angola

8

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012


africa special Angola - Angola

Angola A terra generosa A Generous Land -

De múltiplas cores, sons e paisagens, que mudam quase todos os dias, Angola cresce a um ritmo veloz, procurando aproveitar a paz e estabilidade política para se desenvolver económica, cultural e socialmente. O setor da construção protagoniza grande parte das mudanças de um país que recebe de braços abertos a experiência e saber acumulados de quem chega dos quatro cantos do mundo. -

With its multiple colours, sounds and landscapes, which change almost daily, Angola grows at a fast pace, seeking to take advantage of peace and political stability to develop economically, culturally and socially. The construction sector plays a key role in the changes that have taken place in a country that welcomes with open arms the accumulated knowledge and experience of people coming from the four corners of the world. -

Angola tem hoje uma das economias que regista maior crescimento em solo africano. Renascendo a olhos vistos de uma guerra civil que devastou o país, Angola procura recuperar o tempo perdido e foca-se na construção de um futuro melhor para os seus cidadãos e em especial para as gerações vindouras. A todos os níveis. Constrói estradas, pontes, ferrovias, portos e aeroportos. Reabilita infraestruturas sociais destruídas durante o conflito armado. Constrói edifícios de escritórios, residenciais, industriais e hospitalares. Promove habitação social e reforça a oferta hoteleira. O setor da construção está efetivamente na vanguarda do desenvolvimento do país, que absorve com sofreguidão o saber e experiência acumulados pelos operadores internacionais. Estes, por sua vez, encontram em Angola um diamante em estado bruto onde há muito por delapidar e para onde conseguem canalizar os recursos agora dispensáveis de outros mercados em contração.

Angola is currently one of the fastest growing economies in Africa. Having recovered impressively from a civil war that devastated the country, Angola now seeks to make up for lost time and focus on building a better future for its citizens and, in particular, for future generations. At all levels. It is building roads, bridges, railroads, ports and airports. It is rehabilitating social infrastructures destroyed during the armed conflict. It is building office, residential, industrial and hospital buildings. It is promoting social housing and strengthening the hospitality offer. The construction sector is indeed at the forefront of the development of the country, which eagerly absorbs the knowledge and experience accumulated by international operators. These, in turn, find in Angola a rough diamond where there is so much to squander and to which they are able to channel the resources that are now expendable from other contracting markets.

O setor da construção deverá contribuir para 6,4% do Produto Interno Bruto (PIB) angolano em 2011, num ano em que o próprio PIB do país deverá registar um crescimento de 3,7%. A tendência crescente do setor da construção é alimentada ano após ano pelas necessidades de reconstrução nacional que ultrapassam largamente a perspetiva económica e estendem-se ao universo social e cultural do país. Porque Angola está apostada na criação de oportunidades para o segmento mais jovem da população. O país quer gerar emprego. Quer ter habitação própria para as famílias. Quer ter escolas. Quer ter hospitais e centros de saúde. Quer melhorar as condições de habitabilidade. Estima-se que Angola tenha um défice habitacional de dois milhões de casas e este constitui indubitavelmente um mercado com enorme potencial para os operadores do setor da construção.

The construction sector should account for 6.4% of Angola’s Gross Domestic Product (GDP) in 2011, a year in which the country’s GDP is expected to increase by 3.7%. The upward trend of the construction sector is fuelled year after year by the needs of national reconstruction, which go far beyond the economic sphere and extend to the country’s social and cultural reality. Because Angola is committed to creating opportunities for the younger segment of the population. The country wants to generate employment. It wants to have private housing for families. It wants to have schools. It wants to have hospitals and health centres. It wants to improve housing conditions. It is estimated that Angola has a housing deficit of two million homes and this is undoubtedly a market with huge potential for operators in the construction sector.

9


africa special

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012

Angola - Angola

Requalificação e reordenamento urbano da zona marginal de Luanda - Angola Urban redevelopment and re-timing of the marginal area of Luanda - Angola

Consumo fomenta Consumption Enhances desenvolvimento comercial Business Development

10

Melhorar a mobilidade no interior do país é o objetivo do programa de conservação de reparação de estradas, que inclui a reabilitação de vias secundárias e terciárias. Enquanto isso, o país procura desenvolver o fabrico nacional de materiais de construção e as competências profissionais dos seus recursos humanos.

Improving mobility within the country is the main aim of the road maintenance and repair programme, which includes the rehabilitation of secondary and tertiary roads. Meanwhile, the country seeks to develop the domestic manufacture of building materials and the professional skills of its human resources.

Luanda, a capital, lidera o índice de licenciamentos concedidos para novas construções imobiliárias. Só em 2012 deverão ser inaugurados pelo menos cinco novos centros comerciais em Luanda, respondendo aos índices crescentes de consumo que a população vem demonstrando e que muitas vezes apenas conseguem ser satisfeitos em viagens a capitais europeias.

Luanda, the capital, has the highest number of permits granted for the construction of new real estate. Already in 2012, at least five new shopping centres should be inaugurated in Luanda, in order to meet the increasing consumption demand of the population and which often can only be satisfied on trips to European capitals.

Luanda tem concentrado também grande parte do investimento em infraestruturas rodoviárias, não só na construção de novos eixos, mas sobretudo na reabilitação dos traçados destruídos durante o conflito armado. Mas o ex libris da reabilitação urbana está na Marginal de Luanda, zona onde florescem agora edifícios ordenados, respondendo à necessidade de construção de sedes empresariais, hotéis, habitações de luxo e zonas de turismo e lazer. É também em Luanda que deverá ficar concluída, em 2012, a primeira fase do novo aeroporto internacional. A infraestrutura terá capacidade para 15 milhões de passageiros por ano. Ainda nos Transportes está em curso a construção do maior porto comercial do país, na província do Bengo, a conclusão do Porto do Lobito e a finalização da linha férrea nacional.

Luanda has also made a substantial investment in road infrastructure, not only in the construction of new roads, but particularly in the rehabilitation of routes destroyed during the armed conflict. But the ex-libris of urban rehabilitation is the Marginal (coastal road) of Luanda, where neatly arranged buildings are now flourishing, addressing the need for the construction of corporate headquarters, hotels, luxury homes, and tourist and leisure areas. Also in Luanda, the completion of the first phase of the new international airport is scheduled for 2012. This infrastructure will have capacity to serve 15 million passengers a year. Still in the Transport sector, the construction of the country’s largest commercial port, in the province of Bengo, the completion of the Port of Lobito and finishing of the national railway line are in progress.


africa special Angola - Angola

Torres Atlântico - Angola Atlântico Towers - Angola

Banca promove literacia financeira

The Banking Sector Promotes Financial Literacy

Contribuindo decisivamente para a dinamização da construção, o setor bancário vive dias de prosperidade em Angola, onde só em 2010 o crédito concedido cresceu 17,8% face ao ano anterior. Ao investir na literacia financeira da população, que apresentava índices muito baixos, a banca de Angola vê aumentar a adesão aos produtos e serviços que tem agora para oferecer naquele território. Só em 2010 abriram, em média, 12,5 balcões por mês no país, à medida que aumenta também a proliferação de terminais de pagamento móveis, que cresceu 60%, para mais de 12 mil terminais espalhados pelo país, a que se juntam as 1250 ATM já existentes em território angolano.

Contributing decisively to the enhancement of construction, the banking sector is living days of prosperity in Angola, where only in 2010 the number of loans granted increased by 17.8% over the previous year. By investing in the financial literacy of the population, which was very low, Angola’s banking sector is witnessing an increasing take-up of the products and services that it now has to offer in that territory. Only in 2010 alone, an average of 12.5 branches per month opened in the country, while the proliferation of mobile payment terminals also increased by 60% to more than 12 thousand terminals across the country, in addition to the 1250 ATMs already operating in Angola.

E os sinais de desenvolvimento repetem-se também no setor das Comunicações. Em 2012, Angola vai passar a dispor de melhorias no sistema de banda larga com a entrada em funcionamento da nova rede por cabo submarino de fibra ótica, em construção na Barra do Kwanza, em Luanda. O novo sistema vai garantir a melhoria da qualidade das comunicações via telefone e internet no território angolano. A ligação da rede de cabo submarino vai interligar as províncias do Huambo, Kwanza-Sul, Benguela Huíla e Namibe, estendendo-se depois a todo o país. O projeto está orçado em 90 milhões de dólares.

There are also clear signs of development in the communications sector. As of 2012, Angola will have an enhanced broadband system with the commissioning of the new submarine fibre-optic cable network, currently under construction at Barra do Kwanza, in Luanda. The new system will ensure improved telephone and Internet communications in Angola. The submarine cable network will initially link the provinces of Huambo, Kwanza-Sul, Benguela, Huíla and Namibe and then extend to the whole country. The project is budgeted at US$ 90 million. The Angolan Government wants to take advantage of the country’s development in technology and communications to invest also in electronic governance, delivering public services through the Internet and contributing to the reduction of the administrative burden on the public sector, negatively associated with excessive bureaucracy and slowness. Natural resources constitute another of the riches that Angola exploits in an increasingly efficient manner. The country resumed the extraction of iron and manganese in the southern province of Huíla, with an initial investment of about US$ 400 million, which should rise up to 2 billion at a later stage. Between 2008 and 2011, the general geology and mining sector recorded an average annual growth of 11.8%, resulting in an average annual rate of diamond production of around 2.5% and an increased production of quartz and quarried building materials, such as sand, rubble and crushed stone.

O Governo angolano quer aproveitar o desenvolvimento tecnológico e comunicacional do país para investir também na governação eletrónica, disponibilizando serviços de utilidade pública através da internet e contribuindo para a redução da carga administrativa do setor público, negativamente conotado com o excesso de burocracia e lentidão. Os recursos naturais constituem outra das riquezas que Angola explora de forma cada vez mais eficiente. O país retomou a exploração do ferro e do manganês na província meridional da Huíla, com um investimento inicial de cerca de 400 milhões de dólares, que deverá chegar em fase mais avançada aos 2 mil milhões de dólares. Entre 2008 e 2011, o setor da geologia e minas geral registou um crescimento médio anual de 11,8%, consubstanciado numa taxa média anual de produção de diamantes na ordem dos 2,5% e no aumento da produção de quartzo e de materiais de construção de origem mineira, como areia, burgau e brita.

11


africa special

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012

Angola - Angola

Estão ainda em curso ações que visam a extração de diamantes e a valorização de todas as fases da cadeia desta indústria, incluindo a transformação e a joalharia. O setor da construção poderá ainda beneficiar das iniciativas programadas para ampliar a produção do ouro e cobre, rochas ornamentais e outras matérias-primas necessárias para a indústria dos materiais de construção. E depois há a água. Elemento de vital importância para a sobrevivência humana, mas também para o desenvolvimento das regiões, a água abunda no território angolano, não só nos rios, mas também no subsolo. Além disso, o clima local proporciona períodos de chuva intensa ao longo de quase todo o ano, o que impede que a escassez de água afete o território. As carências, essas, estão no abastecimento de água às populações, condicionado pelos efeitos da guerra na destruição das redes, estimando-se que hoje apenas metade da população angolana tenha efetivamente acesso a abastecimento de água, o que levou já o Governo angolano a perspetivar um intenso investimento nesta área, tendo como prioridade as populações rurais. Infraestruturas de abastecimento de água e redes de saneamento poderão fazer a diferença na qualidade de vida das populações locais, mas também no desenvolvimento dos setores da Saúde, Energia, Indústria, Turismo e Obras Públicas. Em termos macroeconómicos, as estimativas para Angola apontam para um crescimento sustentado nos próximos anos. Depois de um crescimento de 3,4% em 2010, o Produto Interno Bruto de Angola deverá aumentar 3,7% em 2011 e acelerar para os 12% em 2012, segundo previsões do próprio presidente angolano. José Eduardo dos Santos reconhece, no entanto, que a taxa de inflação continua a ser um grande desafio para o país. Em 2010, a taxa de inflação subiu para os 14,7% e em 2011 deverá ficar abaixo dos 12%. O baixo custo do endividamento externo, combinado com a recuperação dos preços de exportação do petróleo, refletiu-se na melhoria do saldo das Transações Correntes da Balança de Pagamentos, que evoluiu de um défice de 7.572 milhões de dólares em 2009 para um défice de 348 milhões em 2010. A política macroeconómica do país tem, aliás, valido a Angola uma solidez certificada em relatórios do Fundo Monetário Internacional (FMI) e das três principais agências internacionais de classificação do risco de dívidas soberanas.

12

Diamond mining operations and measures to improve all stages in the chain of this industry, including processing and jewellery, are still ongoing. The construction industry may also benefit from the initiatives planned to boost the production of gold and copper, ornamental rocks and other raw materials needed for the building materials industry. And then there is water. This element of vital importance for human survival, but also for regional development, abounds in Angola, both in rivers and underground. Moreover, the local climate is characterised by periods of heavy rain almost the whole year round, which prevents water shortages in the territory. However, there are deficiencies in the water supply to the populations, conditioned by the effects of war on the destruction of water networks, whereby it is estimated that today, only half of the Angolan population actually has access to water supply. This has led the Angolan Government to anticipate massive investments in this area, giving priority to the rural populations. Water supply infrastructure and sanitation networks can make a difference in the quality of life of local populations, but also in the development of the Health, Energy, Industry, Tourism and Public Works sectors. In macroeconomic terms, forecasts for Angola suggest that it will experience sustained growth in the coming years. After a growth of 3.4% in 2010, Angola’s Gross Domestic Product is expected to increase by 3.7% in 2011 and sour to 12% in 2012, according the Angolan President’s own forecasts. José Eduardo dos Santos acknowledges, however, that the rate of inflation remains a major challenge for the country. In 2010, the rate of inflation rose to 14.7% and, in 2011, it should stay under 12%. The low cost of external indebtedness, coupled with the recovery of oil export prices, was reflected in the improvement of the balance of current transactions in the Balance of Payments, which evolved from a US$ 7,572 million deficit in 2009 to a US$ 348 million deficit in 2010. The country’s macroeconomic policy has indeed earned Angola an image of soundness certified in reports from the International Monetary Fund (IMF) and from the three major international sovereign debt risk rating agencies.

Torre Ambiente - Angola Environmentally Tower - Angola


africa special Angola - Angola

13


africa special

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012

Angola - Angola

Estádio dos Coqueiros - Angola Coqueiros Stadium - Angola

SDC na reconstrução de Angola A presença do Grupo Soares da Costa em Angola conta com mais de três décadas de história. Foi em 1980 que o Grupo assinou o primeiro contrato de cooperação com uma empresa local para a construção do Estádio da Cidadela Desportiva de Luanda. A essa obra ficará para sempre ligado o nome da Soares da Costa e a sua estreia no mercado angolano. Em 1981 participou na construção da Base de Transportes da Sonangol e ainda na década de oitenta construiu as instalações de apoio à atividade petrolífera da ELF no Soyo, na província do Zaire, no noroeste do país, onde se está a erguer o projeto do gás natural, e foi responsável pela edificação da nova Base de Transportes no Lobito e do Terminal Oceânico de Cabinda. A experiência acumulada ao longo dos anos permitiu granjear o reconhecimento do mercado angolano, desenvolver novos projetos e reforçar a estrutura de recursos humanos a operar naquele país. A reabilitação do Palácio Presidencial, a construção do Estádio dos Coqueiros, e do Condomínio Cajueiro são apenas alguns dos projetos que mais se destacam na lista de obras desenvolvidas pelo Grupo Soares da Costa em território angolano. Já em período pós14

guerra, o saber e a experiência da SDC são chamados a participar no amplo movimento de reconstrução nacional. É assim que o nome do Grupo surge associado à construção da ponte sobre o rio Catumbela ou à edificação das Torres Atlântico, em 2008. Por essa altura, já a Clear Angola, participada do Grupo naquele território, se tornara num dos operadores de referência no segmento de instalações eletromecânicas, onde se inclui a implementação de sistemas de eletricidade, hidráulica, AVAC e inteligent building solutions. Participa em projetos hospitalares e na construção de sedes de empresas de grande dimensão, como a Total e a Sonangol. Ao longo dos anos vai investindo na formação de recursos humanos e em equipamentos de vanguarda que proporcionam um reconhecimento positivo no mercado angolano. Em 2010, a Clear Angola regista um volume de negócios superior a 52 milhões de euros, o que representa uma subida de 50% face ao ano anterior e antecipa a concretização de uma promissora carteira de encomendas, numa altura em que a empresa tenciona também alargar os seus horizontes geográficos e reforçar a sua presença em outras cidades angolanas além da capital.


africa special Angola - Angola

SDC in the Reconstruction of Angola

Sana Luanda Royal Hotel - Angola Sana Luanda Royal Hotel - Angola

Soares da Costa Group has been present in Angola for more than three decades. It was in 1980 that the group signed the first partnership agreement with a local company for the construction of Sports Village Stadium in Luanda. This work will be forever associated with Soares da Costa’s name and its debut in the Angolan market. In 1981, it participated in the construction of Sonangol’s Transport Base and, also in the eighties, it built the support facilities for ELF’s oil activities in Soyo, in the province of Zaire, in the Northwest of the country, where the natural gas project is underway. Moreover, it was also responsible for the construction of the new Transport Base in Lobito and the Ocean Terminal of Cabinda. The experience accumulated over the years has allowed the group to earn the recognition of the Angolan market, develop new projects and streamline the human resources structure operating in that country. The rehabilitation of the Presidential Palace and construction of the Coqueiros Stadium and Cajueiro Condominium are just some of the projects that stand out in the list of works carried out by Soares da Costa Group in Angola. Already in the post-war period, SDC’s knowledge and experience are called upon to participate in the broad programme of national reconstruction. This is why the group’s name appears associated with the construction of the bridge over the Catumbela River and the erection of the Atlântico Towers in 2008. By that time, Clear Angola, a subsidiary of the group in that territory, had already become a benchmark operator in the electromechanical installations segment, which includes the implementation of electrical, hydraulic and HVAC systems and intelligent building solutions. It participates in hospital projects and in the construction of the headquarters of large companies, such as Total and Sonangol. Over the years, it has invested consistently in human resources training and cutting-edge equipment that have earned it positive recognition in the Angolan market. In 2010, Clear Angola recorded a turnover of more than EUR 52 million, representing a 50% increase over the previous year and anticipated the completion of a promising order book at a time when the company was also planning to expand its geographical horizons and strengthen its presence in other Angolan cities besides the capital.

Sana Luanda Royal Hotel - Angola Sana Luanda Royal Hotel - Angola

15


africa special Angola - Angola

Já em 2011, o nome Soares da Costa fica ligado ao consórcio que construiu o novo viaduto da Baía de Luanda, inaugurado a 27 de maio, um canal navegável e parques de estacionamento. A obra insere-se num projeto mais vasto de requalificação urbanística daquela que é considerada como uma das maiores belezas naturais de Angola e que conta agora com uma nova avenida, seis faixas de rodagem, um viaduto de ligação à Ilha do Cabo e zonas de lazer cuidadosamente ornamentadas para potenciar o desenvolvimento turístico da capital angolana. Apostando fortemente no mercado angolano, a Soares da Costa marca presença em várias frentes. Responde à crescente procura habitacional com ofertas diversificadas, seja através da grandiosa Torre Ambiente, com 90 apartamentos e 30 andares, na Avenida 4 de fevereiro, próximo do porto marítimo e da marginal de Luanda, seja através do Condomínio Lobito Restinga em fase de projeto, a 20 minutos de Benguela e com vista para o mar. Para o segmento hoteleiro, a Soares da Costa é responsável pela construção do Sana Luanda Royal Hotel, um cinco estrelas que inclui 219 quartos, 4 restaurantes, piscina exterior e interior e centro de congressos. No segmento empresarial, por seu turno, destaca-se a nova torre de 16 andares que a Total vai inaugurar em 2012, com capacidade para acolher 3.000 pessoas. Este será um dos muitos projetos em curso quando a folha do calendário mudar para 2012, sendo certo que Angola continuará a ser um destino incontornável na estratégia de internacionalização do Grupo. “A prospeção aumentou, o número de obras também, fazemos mais orçamentos e o mercado está mais dinâmico”, confirma Guilherme Carreira, diretor comercial da SDC em Angola. “A empresa está agora mais empenhada em ampliar a sua presença em diferentes províncias, o que não é tarefa fácil, mas tencionamos continuar a operar no Soyo e construir também no Huambo e em Benguela”. Hoje, Luanda, Zaire e Benguela são as províncias que já concentram projetos relevantes com a assinatura SDC, mas o Grupo começa a marcar também presença nas províncias de Zaire e Huambo, deixando adivinhar um reforço da notoriedade da Soares da Costa em território angolano, a Norte e a Sul da capital. Com um volume de negócios de 345 milhões de euros acumulado no final de 2010, a Soares da Costa contava já com 220 milhões de euros somados no final do terceiro trimestre de 2011 e uma carteira de encomendas na ordem dos 484 milhões de euros, mais 9% do que o valor da carteira no final de 2010 e representando já um terço da carteira total de encomendas do grupo. Com eleições marcadas para 2012, Angola amplia o seu potencial para o mercado da construção civil, mas a proliferação de operadores tem sido uma realidade crescente, com impacto direto no esmagamento de preços. “A concorrência qualificada é desejável, o problema está na concorrência não qualificada, que tem aparecido muito neste país. Mas a Soares da Costa tem o seu nome associado a um elevado índice de qualidade e essa tem sido a chave da fidelização dos nossos clientes”, assegura Guilherme Carreira. Além de diversificar geograficamente a sua presença, a Soares da Costa aposta igualmente na diversificação de clientes, procurando novas áreas de interesse. É neste contexto que se insere o projeto de construção de um edifício para a Sonangol, a obra da ALNG para a exploração de gás natural ou ainda a fábrica Tofa, para a Nestlé. 16

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012


africa special Angola - Angola

In 2011, Soares da Costa’s name was already associated with the consortium that built the new viaduct of Luanda Bay, inaugurated on 27 May, a navigable channel and car parks. The work is part of a larger project of urban redevelopment of what is regarded as one of the greatest natural beauties of Angola and which now has a new avenue, six lanes, a viaduct connection to Cabo Island and leisure areas carefully decorated to enhance tourism development in the Angolan capital. Investing heavily in the Angolan market, Soares da Costa is present on several fronts. It addresses the growing housing demand with diversified offerings, including the magnificent 30-storey Ambiente Tower with 90 flats, on Avenida 4 de Fevereiro, near the seaport and coastal road of Luanda, and the Lobito Restinga Condominium, still in the design phase, located 20 minutes from Benguela and overlooking the sea. In the hospitality segment, Soares da Costa is responsible for the construction of the five-star Sana Luanda Royal Hotel, with 219 rooms, 4 restaurants, outdoor and indoor swimming pool and conference centre. In the business segment, one of the most significant works is the new 16-storey tower that Total will inaugurate in 2012, with a capacity to accommodate 3000 people. This is one of many projects underway when the calendar page turns to 2012, and Angola will certainly continue to be an unavoidable target in the group’s internationalisation strategy. “Prospecting has increased, as well as the number of projects, we do more budgets and the market is more dynamic,” confirms Guilherme Carreira, SDC commercial manager in Angola. “The company is now more committed to expanding its presence in different provinces, which is no easy task, but we intend to continue to operate in Soyo and also build in Huambo and Benguela”. At present, Luanda, Zaire and Benguela are the provinces where significant projects carried out by SDC are concentrated, but the group is starting to assert itself also in the provinces of Huambo and Zaire, reflecting the growing notoriety of Soares da Costa in Angolan territory, to the North and South of the capital. With a turnover of EUR 345 million accumulated at the end of 2010, Soares da Costa had already added another EUR 220 million at the end of the third quarter of 2011 and an order book worth EUR 484 million, 9% more than the value recorded at the end of 2010 and representing already one third of the group’s total order book. With elections scheduled for 2012, Angola has extended its potential to the construction market, but the proliferation of operators has increased, with direct impact on the reduction of prices. “Qualified competition is desirable, but the problem is unqualified competition, which has become widespread in this country. However, Soares da Costa’s name is associated with high quality and this has been key to the loyalty of our clients,” assures Guilherme Carreira. In addition to geographically diversifying its presence, Soares da Costa is also focusing on client diversification, looking for new areas of interest. It is in this context that the project for the construction of a building for Sonangol, ALNG’s work to exploit natural gas and the Tofa factory for Nestlé were undertaken.

17


africa special

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012

Angola - Angola

Principais obras com assinatura SDC Main works carried out by SDC Torres do Atlântico Localizadas na zona nobre da baixa da cidade de Luanda, as Torres do Atlântico nascem da vontade conjugada das empresas Sonangol, BP e Esso quererem ter na capital angolana uma infraestrutura-pilar da atividade de exploração petrolífera. Moderno e funcional, o complexo integra uma torre de habitação com 11 pisos e uma torre de escritórios, interligadas na base com áreas comuns às três companhias. A obra teve início em maio de 2004 e foi concluída durante o ano 2009. -

Atlântico Towers Located in the noble area of downtown Luanda, the Atlântico Towers are the result of the shared desire of the companies Sonangol, BP and Esso to have a pillar oil extraction infrastructure in the Angolan capital. This modern and functional complex includes an 11-storey residential tower and an office tower, connected at the ground-floor level with common areas for the three companies. The work was commenced in May 2004 and completed in 2009.

Fábrica Tofa A partir de setembro de 2011, a Soares da Costa está envolvida na construção da primeira fábrica da Nestlé em Angola. Com um custo estimado de 8 milhões de euros, a obra inclui a área de produção, oficina, armazém, áreas comuns e técnicas. A nova unidade fabril vai operar para as marcas Nido, Nescafé e Nesquick. Esta é a primeira fase de um projeto mais vasto que a Nestlé tem traçado para o mercado angolano, onde prevê investir 120 milhões de euros para assegurar todo o processo de fabrico dos seus produtos a partir de unidades locais. -

Tofa Factory Since September 2011, Soares da Costa has been engaged in the construction of the first Nestlé factory in Angola. With an estimated cost of EUR 8 million, the project includes the production area, workshop, warehouse, common and technical areas. The new factory will operate for the Nido, Nescafé and Nesquick brands. This is the first phase of a broader project that Nestlé has drawn up for the Angolan market, where it plans to invest EUR 120 million to ensure the whole manufacturing process of its products in local facilities.

18

Complexo Luanda Towers

Luanda Towers Complex

Empreendimento no centro de Luanda com três torres de 25 andares. Inclui um aparthotel, habitação e escritórios.

This complex of three 25-storey towers located in the centre of Luanda includes an apartment hotel, housing and offices.


africa special Angola - Angola

Fortaleza de S. Miguel Reconstrução da fortaleza construída por portugueses no final do século XVI para acolhimento do futuro Museu das Forças Armadas. O projeto inclui a recuperação de painéis de azulejos que retratam a história, a fauna e a flora da região. -

S. Miguel Fortress Reconstruction of the fortress built by the Portuguese in the late 16th century to house the future “Museu das Forças Armadas” (Armed Forces Museum). The project includes the restoration of tile panels depicting the history, flora and fauna of the region.

Edifício Total Com inauguração prevista para 2012, o edifício de 16 andares terá capacidade para acolher 3.000 pessoas, integrando áreas de escritórios, cafetaria, auditório e 8 pisos de estacionamento. O projeto inclui ainda a instalação de uma estação de tratamento de esgotos domésticos. -

Total Building With its inauguration scheduled for 2012, this 16-storey building will have capacity to accommodate 3000 people, comprising offices, a cafeteria, an auditorium, and 8 parking levels. The project also includes the installation of a domestic sewage treatment plant.

Edifício sede do BESA Uma torre de 25 pisos com vista sobre a baía de Luanda acolhe a sede do Banco Espírito Santo Angola. Além dos escritórios da instituição financeira, o edifício integra uma agência bancária, galeria de arte, restaurante, bar auditório, suites habitacionais, espaço fitness e um heliporto. -

BESA Headquarter Building A 25-storey tower overlooking Luanda Bay houses the headquarters of Banco Espírito Santo Angola. In addition to the financial institution’s offices, the building includes a bank branch, an art gallery, a restaurant, a bar, an auditorium, residential suites, a fitness centre and a heliport.

Recuperação das Encostas de Miramar e Sambizanga

Recovery of the Miramar and Sambizanga Slopes

Obra de capital importância para o desenvolvimento e ordenamento urbanístico de Luanda, inclui trabalhos de contenção das encostas e de todos os trabalhos de infraestruturas do local onde vai nascer um projeto urbanístico de cerca de 1000 fogos.

This work of paramount importance for the urban planning and development of Luanda, includes slope containment and all infrastructure works on the site where an urban development project of about 1000 dwelling units will be undertaken. 19


africa special

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012

Angola - Angola

ONDE ESTAMOS WHERE TO FIND US Cabinda Cabinda Zaire Zaire ANGOLA Área: 1.246.700 km2 População: 18 milhões Capital: Luanda Moeda: Kwanza Idioma: Português (língua oficial) mais de duas dezenas de línguas nacionais Dia da Independência: 11 de novembro de 1975 Presidente da República: José Eduardo dos Santos ANGOLA Area: 1,246,700 km2 Population: 18 million Capital: Luanda Currency: Kwanza Language: Portuguese (official language) and more than twenty national languages Independence Day: 11 November, 1975 President of the Republic: José Eduardo dos Santos Huambo Huambo Luanda Luanda Benguela Benguela

20

LUANDA

Luanda

É a província mais pequena do território angolano, mas por integrar a capital do país está naturalmente votada à preferência dos investidores e à vanguarda do desenvolvimento económico e social, até porque foi relativamente poupada aos efeitos nefastos diretos da guerra civil. Com 5 milhões de habitantes, a província tem vindo a revelar-se próspera no setor da construção civil, acumulando arranha-céus por toda a capital. Sedes de empresas, edifícios de escritórios, edifícios habitacionais, centros comerciais e hotéis florescem um pouco por todo o lado. O Sana Luanda Royal Hotel, as Torres dos Atlântico e a sede do BESA são alguns dos projetos mais recentes em que a Soares da Costa esteve envolvida.

It is the smallest province of Angola, but because it is the country’s capital, it is naturally seen as the first choice of investors and at the forefront of economic and social development, not least because it was relatively spared from the direct effects of the civil war. With 5 million inhabitants, the province is thriving in the construction sector, erecting skyscrapers all over the capital. Corporate headquarters, office buildings, residential buildings, shopping centres and hotels flourish almost everywhere. The Sana Luanda Royal Hotel, the Atlântico Towers and the BESA headquarter building are some of the latest projects in which Soares da Costa has been engaged.


africa special Angola - Angola

Benguela O Condomínio Lobito Restinga, ainda em fase de projeto, vai constituir um marco histórico no segmento habitacional da região, a que o nome da Soares da Costa ficará obrigatoriamente associado. Situado a uma curta distância de Benguela, o condomínio prepara-se para proporcionar um acolhimento de grande serenidade e tranquilidade, com vista para o mar, assegurando em simultâneo o desenvolvimento do mercado de segunda habitação no território. Com 2,1 milhões de habitantes, a província vive essencialmente da agropecuária, da extração mineira, da refinaria de petróleo e da indústria metalúrgica.

Cabinda

Benguela The Lobito Restinga Condominium, still in the design phase, will constitute a milestone in the region’s housing segment, with which Soares da Costa’s name will forever be associated. Located within walking distance of Benguela, the condominium promises to offer quite a peaceful and calm accommodation, overlooking the sea, while ensuring the development of the second home market in the territory. With 2.1 million inhabitants, the province relies mainly on agriculture, mining, oil refining and the metal industry.

Cabinda

Foi o projeto do Terminal Oceânico de Cabinda que permitiu à Soares da Costa alastrar a sua presença em Angola até à província mais a Norte no território. Com cerca de 300.000 habitantes, Cabinda vive essencialmente da agricultura de subsistência, da indústria madeireira e da extração de petróleo. Só em 2010, o crude extraído em Cabinda representava cerca de 70% do total de crude exportado por Angola. E é no apoio indireto à extração petrolífera e à indústria que a SDC antevê boas potencialidades de negócio na província que inclui os municípios de Cabinda, Cacongo, Buco-Zau e Belize.

It was the Cabinda Ocean Terminal project that allowed Soares da Costa to expand its presence in Angola to the northernmost province of the territory. With about 300,000 inhabitants, Cabinda relies mainly on subsistence farming, the timber industry and oil extraction. Only in 2010, the crude extracted in Cabinda accounted for about 70% of total crude exported by Angola. And it is through the indirect support to oil extraction and industry that SDC sees good potential for business in the province that comprises the municipalities of Cabinda, Cacongo, Buco-Zau and Belize.

Huambo

Huambo

Com 2,3 milhões de habitantes, a província do Huambo tem concentrada na mineração grande parte dos seus recursos naturais, o que proporciona um intenso desenvolvimento da indústria de extração mineira, ao lado da qual a Soares da Costa tem vindo a posicionar-se, nomeadamente da construção de equipamentos de apoio a esta atividade. Ouro, prata, cobre, urânio, ferro, diamante e volfrâmio são os principais minérios extraídos da província, que tem também a sua economia dispersa pela agropecuária e pela indústria metalomecânica, a que se juntam presenças mais modestas na indústria têxtil, alimentar e na produção de materiais de construção.

With 2.3 million inhabitants, the province of Huambo concentrates much of its natural resources in mining, which has led to an intensive development of the mining industry, alongside which Soares da Costa has positioned itself, particularly with the construction of equipment to support this activity. Gold, silver, copper, uranium, iron, wolfram and diamonds are the main minerals extracted in the province, whose economy is also based on farming and the metalworking industry, in addition to more modest activities in the textile and food industries and in the production of building materials.

Zaire

Zaire

A presença da Soares da Costa na província do Zaire, a Noroeste do território angolano, já remonta aos anos oitenta, evocando a construção das instalações de apoio à atividade petrolífera da ELF no Soyo. E é aí que a SDC tem continuado a expansão da sua atividade e para 2012 é esperado o arranque da produção de gás natural liquefeito na nova fábrica que a Soares da Costa ajudou a construir naquele município. Uma obra avaliada em 54 milhões de euros e que chegou a mobilizar 650 colaboradores da Soares da Costa nos momentos mais intensivos de trabalho.

Soares da Costa’s presence in the province of Zaire, in northwest Angola, dates far back to the eighties, when it undertook the construction of facilities to support ELF’s oil activities in Soyo. It is there that SDC has continued to expand its business and, in 2012, liquefied natural gas production is expected to start in the new factory that Soares da Costa helped build in that town. This work was estimated at EUR 54 million and employed 650 Soares da Costa workers at the most labourintensive times.

21


africa special Angola - Angola

Clear Angola O ponta de lança da eletromecânica

A Clear Angola – Instalações Eletromecânicas, Lda, participada da CLEAR Instalações Eletromecânicas, SA, é hoje um dos operadores de referência no segmento de instalações eletromecânicas em território angolano. Diversificar a presença geográfica, ainda muito concentrada na Grande Luanda, e entrar em novas áreas de negócios, são duas das prioridades para 2012. - Prestes a terminar a intervenção na nova fábrica de gás natural liquefeito da LNG, no Soyo, a Clear Angola concretiza uma das suas aspirações: sair das fronteiras da Grande Luanda e começar a ganhar espaço em outras zonas do território angolano, capitalizando a experiência acumulada num vasto portefólio de obras desenvolvidas. Mais uma vez, o nome da Clear Angola, participada da Soares da Costa, ficará ligado a uma obra que contribuirá em grande medida para o desenvolvimento económico do país que procura renascer rapidamente nestes tempos pós-guerra e afirmar o seu potencial económico à escala global. Depois de ter fechado o ano 2010 com um volume de negócios superior a 52 milhões de euros, a Clear Angola atravessou o calendário de 2011 somando êxitos nas várias vertentes em que opera: implementação de sistemas de eletricidade, hidráulica, aquecimento, ventilação e ar condicionado (AVAC) e inteligent building solutions (IBS). A sua expertise atingiu um patamar tão elevado que o nome Clear é rapidamente associado às obras mais relevantes desenvolvidas na última década na capital angolana e arredores. “A Clear Angola é claramente um operador de referência neste mercado e a qualidade do serviço tem sido a nossa imagem de marca e o principal argumento de angariação de clientes”, garante Paulo Leal, responsável da empresa. “E é precisamente por essa via que a Clear Angola quer continuar a afirmar-se, levando a sua experiência e serviço de qualidade para outras paragens e contribuindo para o desenvolvimento de várias regiões do país”, anuncia Paulo Leal. Edifícios de habitação, de escritórios, industriais e até hospitalares compõem já o currículo da empresa, que trabalha atualmente em várias frentes. Está a implementar sistemas elétricos e hidráulicos na nova sede do Banco Espírito Santo Angola e no Edifício Baía, é responsável pela instalação do sistema de AVAC na Sonangol Distribuidora e no Edifício Metrópolis e opera em todas as valências nos projetos da Torre Total, Edifício Fénix e no complexo Talatona II. Está ainda a participar na implementação de inteligent building solutions, sistemas de AVAC e hidráulica no edifício da Sonangol P&P, entrando em 2012 com uma carteira de encomendas que permite encarar o novo ano com otimismo. “Apesar da crise internacional, 2012 será certamente um ano de grandes desafios e de muito trabalho”, antevê Paulo Leal.

22

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012


africa special Angola - Angola

Clear Angola

The spearhead of electromechanical installations

CLEAR Angola – Instalações Eletromecânicas, Lda, a subsidiary of CLEAR Instalações Eletromecânicas, SA, is today a benchmark operator in the electromechanical installations segment in Angola. Diversifying its geographic presence, still highly concentrated in Greater Luanda, and expanding into new business areas are two of its priorities for 2012. CLEAR Angola, which is about to complete its intervention in LNG’s new liquefied natural gas factory in Soyo, has achieved one of its goals: to step outside the borders of Greater Luanda and start gaining ground in other areas of the Angolan territory, capitalizing on the experience accumulated in a vast portfolio of works already carried out. Once again, the name of CLEAR Angola, a subsidiary of Soares da Costa, will always be associated with a project that will contribute largely to the economic development of the country, which seeks to recover quickly in these post-war times and affirm its economic potential on a global scale. After ending 2010 with a turnover of more than EUR 52 million, CLEAR Angola achieved a number of notable successes throughout 2011, in the various areas in which it operates: implementation of electrical, hydraulic, heating, ventilation and air conditioning (HVAC) systems and intelligent building solutions (IBS). It has reached such a high level of expertise that the name CLEAR is readily associated with the most significant projects undertaken over the last decade in the Angolan capital and surrounding areas. “CLEAR Angola is clearly a benchmark operator in this market and the quality of service has been our brand image and the main client-acquisition driver,” assures Paulo Leal, head of the company. “And it is precisely in this way that CLEAR Angola wants to continue to assert itself, taking its experience and quality service to other areas and contributing to the development of various regions of the country,” says Paulo Leal. Residential, office, industrial and even hospital buildings already comprise the curriculum of the company, which is currently working on several fronts. It is implementing electrical and hydraulic systems in the new headquarters of Banco Espírito Santo Angola and in the Baía Building, is responsible for the installation of HVAC system at Sonangol Distribuidora and in the Metrópolis Building and operates in all areas in the Total Tower and Fénix Building projects and at the Talatona II complex. It is also involved in the implementation of intelligent building solutions, HVAC and hydraulic systems in the Sonangol P&P building, starting 2012 with an order book that allows it to face the new year with optimism. “Despite the international crisis, 2012 will certainly be a year of great challenges and hard work,” anticipates Paulo Leal.

23


africa special MOÇAMBIQUE - MOZAMBIQUE

24

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012


africa special MOÇAMBIQUE - MOZAMBIQUE

Moçambique Mozambique

Desenvolvimento com passado e sustentado -

Continued and Sustained Development

Prestes a completar 30 anos de presença em Moçambique, a Soares da Costa foi uma das primeiras empresas portuguesas a operar naquele território, numa atuação que evolui a par e passo com o desenvolvimento do próprio país. Após a independência, Moçambique tem aproveitado o investimento estrangeiro para construir infraestruturas de suporte ao desenvolvimento nacional: estradas, pontes, escolas e hospitais, mas também habitações e edifícios de escritórios. A Soares da Costa operou até ao ano 1995 como delegação da casa-mãe e nesse ano, ao abrigo de um Programa de Privatização, comprou uma empresa de direito moçambicano, através da qual passou a operar diretamente no setor da construção civil, ficando a casa-mãe ligada às obras de maior vulto. Entre elas esteve a ponte sobre o rio Zambeze, em cuja obra de construção a Soares da Costa participou, e mais recentemente a construção da aldeia que acolheu os atletas que participaram nos X Jogos Africanos. “O crescimento da presença da Soares da Costa em Moçambique é notório. Participamos em obras públicas de grande envergadura e a qualidade do nosso trabalho é valorizada pelos clientes, o que nos torna num operador de referência neste mercado”, confirma Vieira de Magalhães. Com muitas obras em curso na capital, Maputo, a Soares da Costa apostou desde sempre na diversificação geográfica em solo moçambicano. E é em Tete, no Norte do país, que a empresa concentra agora esforços para a construção da nova ponte sobre o Rio Zambeze, com conclusão prevista para 2014. “Apesar de já existir naquela região a Ponte Samora Machel, que foi reabilitada, o governo moçambicano quer construir uma ponte mais moderna

Estradas, pontes, escolas e hospitais têm constituído o eixo prioritário do desenvolvimento de Moçambique, onde a Soares da Costa tem marcado uma presença consistente e granjeado o reconhecimento público pela qualidade das obras realizadas. Roads, bridges, schools and hospitals have been the priority in the development of Mozambique, where Soares da Costa has been consistently present and earned public recognition for the quality of its work.

With almost 30 years of presence in Mozambique, Soares da Costa was one of the first Portuguese companies to operate in that territory, working hand-in-hand with the development of the country itself. After gaining independence, Mozambique has taken advantage of foreign investment to build infrastructure to support national development: roads, bridges, schools and hospitals, but also housing and office buildings. Until 1995, Soares da Costa operated as a branch of the parent company and, that year, under a privatisation programme, it bought a Mozambican company through which it started to operate directly in the construction sector, whereby the parent company became associated with larger projects. Among them was the construction of the bridge over the Zambezi River, in which Soares da Costa took part, and, more recently, the construction of the village that accommodated the athletes who participated in the 10th All African Games. “The growing presence of Soares da Costa in Mozambique is notorious. We participate in large-scale public works and the quality of our work is valued by our clients, making us a benchmark operator in this market,” confirms Vieira de Magalhães. With many ongoing projects in the capital, Maputo, Soares da Costa has always focused on geographical diversification in Mozambique. And it is in the province of Tete, in the north of the country, that the company is now focusing its efforts to build the new bridge over the Zambezi River, scheduled for completion in 2014. “Although the region already has the Samora Machel Bridge, which was rehabilitated, the Mozambican Government wants to build a more modern and durable bridge, with lower maintenance

25


africa special

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012

MOÇAMBIQUE - MOZAMBIQUE

MOÇAMBIQUE Área: 801.590 km2 População: 20 milhões Capital: Maputo Moeda: Metical Idioma: Português (língua oficial) e diversas línguas nacionais Dia da Independência: 25 de junho de 1975 Presidente da República: Armando Emílio Guebuza

26

e duradoura, com custos de manutenção mais reduzidos”, explica Vieira de Magalhães. O governo moçambicano atribuiu também à SDC, por 30 anos, a concessão na nova ponte, da ponte existente e dos 700 quilómetros de estrada que a partir das três fronteiras da Zâmbia, Malawi e Zimbabué dão acesso às infraestruturas que atravessam o rio em Tete.

costs,” explains Vieira de Magalhães. The Mozambican Government has also awarded SDC a 30-year concession for the operation and maintenance of the new bridge, the existing bridge and 700 kilometres of road that give access to the infrastructure across the river at Tete from the three borders of Zambia, Malawi and Zimbabwe.

É também em Tete que a Soares da Costa está atualmente a construir uma nova unidade hoteleira e a sede do Instituto Nacional de Segurança Social. Em Maputo prossegue a construção do novo Tribunal Administrativo. Na cidade da Beira, a SDC está envolvida na construção da sede da TV Cabo e prepara-se para participar na construção da segunda fase de um hotel naquela cidade. E está ainda contratada pela Hidroelétrica de Cahora Bassa para reabilitar cinco dos seus edifícios.

It is also in Tete that Soares da Costa is currently building a new hotel and the headquarters of the National Institute of Social Security. In Maputo, it continues the construction of the new Administrative Court. In the city of Beira, SDC is engaged in the construction of TV Cabo’s headquarter building, and prepares to participate in the construction of the second phase of a hotel in that city. And it has also been engaged by Hidroelétrica de Cahora Bassa to rehabilitate five of its buildings.

Ao espalhar a sua presença em diversos pontos do território moçambicano, a Soares da Costa encontra realidades tão distantes, como aquela com que se deparou em Chicualacuala, a norte da província de Gaza, um dos distritos mais pobres de Moçambique. Sem infraestruturas sociais, água potável ou luz elétrica, a região enfrenta sérios problemas de escassez de água, que se agravam com a irregularidade das chuvas e que inviabilizam a agricultura. Em alternativa, a população concentra-se na produção de carvão, numa região onde o único transporte terrestre disponível é o comboio que ali chega uma vez por semana.

As it expands its presence to various locations in Mozambique, Soares da Costa encounters the most diverse realities, like the one it found in Chicualacuala, north of the Gaza province, one of the poorest districts of Mozambique. Without social infrastructure, drinking water or electricity, the region faces severe water shortage problems, which are worsening with the irregularity of rainfall and making agriculture impracticable. Alternatively, the population lives off coal production, in a region where the only land transport available is the train that arrives there once a week.


africa special MOÇAMBIQUE - MOZAMBIQUE

Exploração mineira dinamiza economia Com perto de 600 colaboradores, a Soares da Costa tem vindo a apostar na formação de mão de obra local. “Encontrámos uma população disponível para trabalhar e aprender. Os centros de formação profissional estão a funcionar muito bem e correspondem às necessidades de recursos humanos que vamos manifestando. E os colaboradores locais valorizam muito o facto de terem trabalho para garantir o seu sustento”, refere Vieira de Magalhães. Em Moçambique, 75% da população obtém os seus rendimentos a partir da agricultura que representa 23% do Produto Interno Bruto do país. Mas em algumas regiões a agricultura começa a ser substituída pela exploração mineira. Também aqui a Soares da Costa se tem posicionado junto dos principais operadores, afirmando-se como empresa de referência para a construção de infraestruturas de apoio à exploração mineira, seu transporte e parqueamento. “Esta é uma área com muito potencial nos próximos anos e a SDC tem boas perspetivas para a exploração deste negócio já em 2012”, afirma Vieira de Magalhães. Nos últimos quatro anos, o número de exportadoras portuguesas a vender para Moçambique aumentou 32% e o país é assumido como um dos principais destinos nas estratégias lusas de internacionalização, que não ficam indiferentes a uma economia que está a crescer 7,25%. “É verdade que ultimamente têm chegado aqui muitos operadores vindos de Portugal para fugir à crise e é natural que a concorrência se intensifique. Mas a SDC aposta forte na qualidade do seu trabalho e a prova disso é que os nossos custos de garantia, acionados após a conclusão das obras, são praticamente residuais. Não fazemos muita publicidade paga porque o nosso trabalho é a nossa melhor publicidade e tem garantido a fidelização dos nossos clientes”, sustenta Vieira de Magalhães.

MOZAMBIQUE Area: 801,590 km2 Population: 20 million Capital: Maputo Currency: Metical Language: Portuguese (official language) and several national languages Independence Day: 25 June, 1975 President of the Republic: Armando Emílio Guebuza

Mining Boosts Economy With nearly 600 employees, Soares da Costa has been focusing on the training of local labour. “We have found a population willing to work and learn. The vocational training centres are working very well and meet our human resource needs at all times. And local workers greatly value the fact that they have work to ensure their livelihood,” says Vieira de Magalhães. In Mozambique, 75% of the population earns their income from agriculture, which accounts for 23 of the country’s Gross Domestic Product. But in some regions, agriculture is starting to be replaced by mining. Also here, Soares da Costa has positioned itself alongside major operators, asserting itself as a benchmark company in the construction of mining, transport and parking support infrastructure. “This is an area with great potential in the coming years and SDC has good business prospects in this sector as early as 2012,” says Vieira de Magalhães. Over the past four years, the number of Portuguese exporters selling to Mozambique has increased by 32% and the country has become a key target in the internationalization strategies of Portuguese companies, which are not indifferent to an economy that is growing by 7.25%. “It is true that many Portuguese operators have recently come here to escape the crisis and it is evident that competition will increase. But SDC is firmly committed to the quality of its work and the proof of this is that our warranty costs, recovered after completion of the works, are very low. We don’t do much paid advertising because our work is our best advertisement and has secured the loyalty of our clients,” affirms Vieira de Magalhães. Vila Olímpica - Moçambique Olimpic Village - Mozambique

27


africa special

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012

MOÇAMBIQUE - MOZAMBIQUE

Principais obras com assinatura SDC Main Works Carried Out by SDC

Instalações do INNOQ INNOQ Premises

Hotel Vip Executive VIP Executive Hotel

Complexo Millenium Park Millennium Park Complex

Tribunal Administrativo de Maputo Administrative Court of Maputo

Instalações do INNOQ

INNOQ Premises

Cinco edifícios compõem o empreendimento que a SDC começou a construir em Maputo para acolher as novas instalações do Instituto Nacional de Normalização e Qualidade (INNOQ). A obra está avaliada em mais de 216 milhões de meticais (perto de 6 milhões de euros) e deverá estar concluída em fevereiro de 2012.

Five buildings make up the complex that SDC started to build in Maputo to welcome the new premises of the National Institute of Standardization and Quality of Mozambique (INNOQ). The project is estimated at more than 216 million Metical (approximately EUR 6 million) and is scheduled for completion in February 2012.

Complexo Millennium Park

Millennium Park Complex

Duas torres de 19 e 8 pisos compõem o projeto que a SDC edificou em Maputo. A construção havia começado no início da década, a cargo de outro empreiteiro, mas esteve interrompida até 2009, ano em que a Soares da Costa é chamada a concluir o projeto destinado a escritórios e espaços comerciais.

Two towers of 19 and 8 floors make up the project that SDC built in Maputo. Construction works started at the beginning of the decade, under the responsibility of another contractor, but were interrupted until 2009, the year when Soares da Costa was called upon to the complete the project intended for offices and retail spaces.

Hotel VIP Executive A construção do hotel de 4 estrelas em Tete responde à crescente procura de alojamento por parte de executivos que se deslocam à região por razões profissionais.

Tribunal Administrativo de Maputo A construção do Tribunal Administrativo de Maputo deu origem a um edifício de sete pisos acima do solo e dois pisos subterrâneos para estacionamento, num projeto orçado em perto de 9,5 milhões de euros.

28

VIP Executive Hotel The construction of the 4-star hotel in Tete addresses the growing demand for accommodation of executives who travel to the region on business.

Administrative Court of Maputo The construction of the Administrative Court of Maputo gave rise to a building with seven above-ground floors and two underground parking levels, a project budgeted at around EUR 9.5 million.


africa special MOÇAMBIQUE - MOZAMBIQUE

Silo Auto para Millennium Park Car Park for Millennium Park

Banco de Moçambique Bank of Mozambique

Ponte sobre o rio Zambeze no Caia Bridge over the Zambezi River at Caia

Edifício da Mediterranean Shipping Company Mediterranean Shipping Company Building

Silo Auto para Millennium Park

Car Park for Millennium Park

A construção do Silo Auto para o Millennium Park tem a sua conclusão prevista para 2012. A obra decorre na cidade de Maputo, no edifício contíguo às torres do complexo Millennium Park, e está avaliada em 3,3 milhões de dólares.

The construction of the Car Park for Millennium Park is scheduled for completion in 2012. The works are taking place in the city of Maputo, in the building adjacent to the towers of the Millennium Park complex, and is estimated at US$ 3.3 million.

Ponte sobre o rio Zambeze no Caia

Bridge over the Zambezi River at Caia

Inaugurada em agosto de 2009, a ponte tornou-se num importante eixo de ligação entre o Norte e o Sul do país.

Inaugurated in August 2009, the bridge has become an important link connecting the North and South of the country.

Banco de Moçambique

Bank of Mozambique

A reabilitação do edifício do ex-BCA para o Banco de Moçambique ocupou a SDC entre os anos 2004 e 2005. A obra obrigou a algumas demolições e culminou com a recuperação total do imóvel, num projeto avaliado em 6 milhões de dólares.

SDC was engaged in the rehabilitation of the building of former BCA for the Bank of Mozambique between 2004 and 2005. The work included demolition works and culminated in the full refurbishment of the building, a project estimated at US$ 6 million.

Edifício DA Mediterranean Shipping Company Construir um edifício de dois pisos para escritório e residência do delegado da Mediterranean Shipping Company na cidade da Beira foi o desafio assumido pela SDC em 2002, tendo a obra de 780 mil dólares sido concluída em março de 2004.

Mediterranean Shipping Company Building The construction of a 2-storey building for the office and residence of the Mediterranean Shipping Company representative in the city of Beira was the challenge undertaken by SDC in 2002. This US$ 780 thousand project was completed in March 2004.

29


africa special

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE - SAO TOME AND PRINCIPE

São Tomé e Príncipe SAO TOME AND PRINCIPE À espera de quase tudo Waiting for almost everything Com a economia em crescimento e o país a proporcionar melhores condições para atrair investimento estrangeiro, São Tomé e Príncipe anseia pela chegada do saber e experiência dos operadores externos para dinamizar o mercado nacional de construção, onde há muito por fazer em infraestruturas básicas, mas também na habitação, comércio e indústria. With the growing economy and the country providing better conditions to attract foreign investment, Sao Tome and Principe yearns for the input of knowledge and experience from foreign operators to boost the domestic construction market, where there is much to be done in basic infrastructure, but also in housing, trade and industry.

Remodelar e ampliar as instalações do Banco Internacional de São Tomé e Príncipe constitui o grande desafio que a Soares da Costa assume naquele território à entrada de 2012, procurando reforçar o prestígio alcançado com o portefólio desenvolvido ao longo dos últimos seis anos, num país que precisa de quase tudo. Faltam infraestruturas para água, esgotos e eletricidade. Faltam estradas e ferrovias. As redes de comunicações estão pouco desenvolvidas. Os portos e aeroportos carecem de remodelação urgente. “Há tanto por fazer. Os candeeiros a petróleo, que não se usam há décadas em Portugal, continuam a ser vendidos nas lojas de São Tomé porque há muitos lares sem energia elétrica. Faltam redes de esgotos e nem todas as famílias têm água potável. Se o país tivesse mais condições financeiras teríamos aqui um mercado com um potencial quase inesgotável para as empresas de construção”, revela Carlos Santos, administrador responsável pela coordenação de projetos da SDC em São Tomé e Príncipe. O país tem crescido timidamente e a sua economia desenvolve-se com base no apoio internacional. Espera-se um crescimento de 5% do Produto Interno Bruto no final de 2011, com os setores do comércio e construção civil a dinamizarem em grande medida este índice de desenvolvimento.

30

Remodelling and enlarging the premises of Banco Internacional de São Tomé e Príncipe is the great challenge that Soares da Costa faces in that territory at the beginning of 2012, seeking to consolidate the prestige achieved with the portfolio it has developed over the past six years, in a country that needs almost everything. There is a lack of water, sewage and electricity infrastructure. There is a lack of roads and railways. Communication networks are underdeveloped. Its ports and airports need urgent refurbishment. “There is so much to be done. Oil lamps, which have not been used for decades in Portugal, are still sold in shops across Sao Tome because there are many homes without electricity. There is a lack of sewage networks and not all families have drinking water. If the country had more financial resources, it would be a market with an almost inexhaustible potential for construction companies,” says Carlos Santos, SDC project manager in Sao Tome and Principe. The country has grown timidly and its economy still relies on international support. Its Gross Domestic Product is expected to grow 5% by the end of 2011, with the construction and trade sectors largely boosting this rate of development.


africa special SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE - SAO TOME AND PRINCIPE

Conhecimentos europeus ao serviço de São Tomé E PRÍNCIPE

European knowledge at the service of Sao Tome and Principe

Foi em 2005 que a Soares da Costa começou a marcar presença em solo santomense. Num projeto que se estendeu por mais de dois anos, a SDC assinou a construção do Hotel Pestana, chegando a mobilizar mais de duas centenas de trabalhadores numa obra orçada em 13 milhões de euros. “São Tomé não tinha oferta hoteleira daquela dimensão e com aquele nível de qualidade. Este projeto veio incrementar significativamente o nível de qualidade em hotelaria e espaços de lazer, que certamente serão dinamizados à medida que o país for desenvolvendo o seu potencial turístico”, antevê Carlos Santos. O administrador da SDC recorda ainda o esforço que a empresa teve de fazer nos primeiros anos em São Tomé para formar mão de obra local. “Tecnicamente, o mercado de construção era pouco evoluído. Hoje já temos muito bons profissionais, que aprenderam com a Soares da Costa e têm um nível de conhecimento que pode ser colocado ao serviço de obras de grande qualidade”, reconhece Carlos Santos.

Soares da Costa started operating in Sao Tome and Principe in 2005. In a project that spanned more than two years, SdC was awarded the construction of Pestana Hotel, mobilising more than two hundred workers in a project budgeted at EUR 13 million. “Sao Tome had no hotels with that size and level of quality. This project significantly increased the quality level in hotels and leisure facilities, which will certainly be streamlined as the country develops its tourism potential,” anticipates Carlos Santos. The SDC managing director also recalls the effort that the company had to make in the early years in Sao Tome to train local labour. “Technically speaking, the construction market was underdeveloped. Today, we already have very good professionals, who have learned with Soares da Costa and have a level of knowledge that can be placed at the service of high-quality projects,” acknowledges Carlos Santos.

Foi também para o grupo Pestana que a Soares da Costa iniciou, em 2007, a construção da Urbanização Vila Maria. O condomínio fechado veio elevar a fasquia da qualidade habitacional disponível em São Tomé e a conclusão do projeto aguarda apenas uma evolução favorável da comercialização das habitações já prontas. Em agosto de 2011, a Soares da Costa viu ser inaugurada a Escola Secundária da Trindade, encomendada pelo governo santomense em 2007, mas cuja construção apenas viria a ser começada em 2009 por ter obrigado à reformulação de todo o projeto, tendo em conta algumas condicionantes do terreno disponível.

In 2007, also for Pestana Group, Soares da Costa initiated the construction of the Vila Maria Development. This private condominium raised the bar in quality housing available in Sao Tome and the completion of the project is simply a matter of waiting for a favourable performance in the sale of homes already built. In August 2011, Soares da Costa saw the inauguration of Trindade Secondary School, commissioned by the Government of Sao Tome and Principe in 2007, but whose construction only commenced in 2009 for having required the reformulation of the entire project, taking into account certain limitations of the available site. The expansion of Banco Internacional, budgeted 31


africa special

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE - SAO TOME AND PRINCIPE

Em curso está agora a ampliação do Banco Internacional, orçada em 2,07 milhões de euros. “Apesar de não dispor de projetos de grande dimensão, São Tomé continua a ser um mercado onde faz sentido a Soares da Costa estar presente. O desenvolvimento previsto para os próximos anos deixa antever boas perspetivas de negócio, não só no território santomense, mas também na Guiné Equatorial”, antecipa Carlos Santos.

Ambiente mais favorável para novos negócios São Tomé e Príncipe foi este ano reconhecido no relatório “Doing Business 2012: fazer negócios num mundo mais transparente”, do Banco Mundial, como o país da África sub-shariana que mais evolui em termos de ambiente favorável aos negócios, o que ajuda o Governo santomense na sua promoção à escala global e confirma o sucesso da estratégia política e económica seguida pelo país. A melhoria do ambiente de negócio é, de resto, uma das principais exigências do programa de ajuda financeira dos Estados Unidos. Para 2012, o Orçamento de Estado de São Tomé prevê a realização de projetos de luta contra a pobreza e investimentos reforçados na saúde e educação. Mas São Tomé conta ainda com Portugal, com a Nigéria e com Taiwan entre os principais parceiros bilaterais que suportam o seu Orçamento Geral de Estado para 2012. Aliás, o contributo internacional para o Orçamento deverá chegar aos 90%. Já o contributo interno conta com parte da receita de exploração dos blocos petrolíferos, que também reverte a favor de uma reserva para as gerações futuras. O ano 2012 concentra boa parte das expetativas de desenvolvimento de São Tomé. Ainda no primeiro trimestre deverá chegar ao país o cabo submarino que permitirá revolucionar a rede de telecomunicações do país, viabilizando a ligação do arquipélago à rede de dados internacionais, aumentando a qualidade e velocidade das comunicações.

De cima para baixo From top to bottom Escola Secundária da Trindade Secondary School in Trindade Hotel Pestana São Tomé Pestana Sao Tome Hotel Urbanização Vila Maria Vila Maria Development

32

À medida que a tecnologia vai evoluindo no país, a população vai tomando contacto com os benefícios dos pagamentos automáticos. Cinco dos sete bancos comerciais disponibilizam já acesso à Rede Dobra 24 e no próximo ano já deverá ser possível efetuar carregamentos de telemóvel nas caixas multibanco. O sistema bancário de São Tomé conta atualmente com dez caixas multibanco e está previsto que em 2012 já tenham sido produzidos dez mil cartões de débito.


africa special SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE - SAO TOME AND PRINCIPE

A more favourable environment for new business In this year’s report, “Doing Business 2012: Doing Business in a More Transparent World”, published by the World Bank, Sao Tome and Principe was acknowledged as the fastest developing sub-Saharan African country in terms of business-friendly environment, which helps the Government of Sao Tome and Principe in its promotion on a global scale and confirms the success of the economic and political strategy followed by the country. Improving the business environment is indeed one of the key requirements of the U.S. financial assistance program. For 2012, Sao Tome’s State Budget provides for the implementation of projects to tackle poverty and enhanced investments in health and education. But Sao Tome also has Portugal, Nigeria and Taiwan among the key bilateral partners that support its General State Budget for 2012. Moreover, the international contribution to the Budget is expected to reach 90%. Also, the domestic contribution already includes part of the revenue from the exploitation of oil blocks, which also accrues to a reserve for future generations. The year 2012 focuses much of the expectations of development of Sao Tome. Already in the first quarter, the country should receive the submarine cable that will revolutionise its telecommunications network, enabling the connection of the archipelago to the international data network and increasing the quality and speed of communications.

at EUR 2.07 million, is currently underway. “Although it does not have large projects, Sao Tome is still a market where Soares da Costa believes it makes sense to be present. The development expected for the coming years promises good business, not only in Sao Tome and Principe, but also in Equatorial Guinea,” anticipates Carlos Santos.

As technology progresses in the country, the population is becoming increasingly aware of the benefits of automatic payments. Five of the seven commercial banks already offer access to the “Rede Dobra 24” network and, next year, it should already be possible to make mobile phone recharges via ATM. Sao Tome’s banking system currently has ten ATMs and, in 2012, ten thousand debit cards are expected to be produced.

De cima para baixo From top to bottom Hotel Pestana São Tomé Pestana Sao Tome Hotel Urbanização Vila Maria Vila Maria Development Escola Secundária da Trindade Secondary School in Trindade

33


what’s our plan?

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012

PLANO ESTRATÉGICO - STRATEGIC PLAN

Estratégia

redefinida Redefined Strategy Reforçar a presença da Soares da Costa em Angola, através da diversificação da atividade e da expansão geográfica para novas províncias, é um dos objetivos assumidos pelo Grupo Soares da Costa na última revisão do plano estratégico, comunicada no final de novembro. A deterioração das condições de acesso ao crédito em Portugal e o agravamento do contexto económico e setorial que envolve a operação da Soares da Costa levaram o Grupo a rever a sua planificação para os próximos anos, mantendo, no entanto, os pilares fundamentais do projeto. Angola representava já um destino de peso na estratégia de internacionalização do Grupo, que agora reforça a intenção de estabelecer uma parceria local que permita alavancar a experiência da Soares da Costa naquele território. O Grupo aposta também no segmento das infraestruturas para reforçar o seu portfólio em Angola, procurando explorar as potencialidades de outras províncias onde se adivinha o incremento das oportunidades de negócio. Moçambique concentra igualmente parte das atenções da Soares da Costa em solo africano, já que o Grupo conseguiu granjear prestígio naquele mercado e encontra-se bem posicionado para participar em futuros projetos de desenvolvimento económico e social do país. No continente americano, a presença da Soares da Costa nos Estados Unidos da América continua em crescimento, sobretudo no segmento de infraestruturas, onde a participada Prince tem vindo a solidificar um posicionamento relevante. Às experiências bem sucedidas no estado da Florida somam-se agora projetos em curso na Geórgia, estando a Soares da Costa empenhada em melhorar a rentabilidade operacional da sua intervenção na América do Norte. O Grupo trabalha já igualmente na expansão da sua atividade para o estado do Texas. 34

Internacionalização, construção e sustentabilidade financeira são os 3 eixos que sustentam o atual plano estratégico da Soares da Costa, um plano que tem por base as difíceis condições macroeconómicas que envolvem a sua operação. A atividade internacional, nomeadamente em África e no Brasil continuam a ter prioridade máxima. Internationalisation, construction and financial sustainability are the three pillars Soares da Costa’s current strategy, answering to the difficult macroeconomic conditions that affect our operations. The international operations, namely in Africa and Brazil, continues to be the top priority.

Strengthening Soares da Costa’s presence in Angola, through diversification of operations and geographic expansion to new provinces, is one of the goals pursued by Soares da Costa Group in the latest review of its strategic plan, reported in late November. The deterioration of the conditions of access to credit in Portugal and the worsening economic and industrial climate affecting Soares da Costa’s operations have led the Group to review its plan for the coming years, while preserving the fundamental pillars of the project. Angola already represented a major target in the internationalisation strategy of the Group, which now strengthens its intention to set up a local partnership to leverage experience in that territory. The Group is also focusing on the infrastructure segment to enhance its portfolio in Angola, seeking to explore the potential of other provinces where business opportunities are expected to grow. Mozambique is also the subject of much of Soares da Costa’s attention in African, since the Group was able to gain prestige in that market and is well positioned to participate in future projects that will contribute for the economic and social development of the country. In the American continent, Soares da Costa’s presence in the United States is still growing, especially in the infrastructure segment, where its subsidiary Prince has gained a relevant position. In addition to the successful experience in Florida, there are now ongoing projects in Georgia and Soares da Costa is committed to improve the operational profitability of its business in North America. Moreover, the Group is already working on the expansion its operations to Texas.


what’s our plan? PLANO ESTRATÉGICO - STRATEGIC PLAN

A Sul, o Brasil é o mercado-alvo estratégico da Soares da Costa para os próximos anos. Com duas empreitadas em curso naquele território, a Soares da Costa procura agora ganhar experiência e renome num mercado com elevado potencial de crescimento, onde é também intenção do Grupo adquirir, a médio prazo, uma empresa local. Acentuando o seu perfil de atuação no mercado internacional, a Soares da Costa pretende que, em 2015, pelo menos 80% do seu negócio seja já proveniente do mercado não doméstico.

Contenção de custos A alienação de ativos não estratégicos/core e/ou maduros continua a ser um objetivo para a Soares da Costa, prosseguindo a estratégia já encetada em 2010 com a alienação da participação minoritária no Banco Africano de Investimento. Entretanto, a Soares da Costa decidiu adiar novos investimentos nas áreas da Energia e Ambiente, onde tinha já adquirido posições maioritárias, que mantém, na ESCO e na Selfenergy. O Grupo é também detentor de quatro licenças de exploração de mini-hídricas em Portugal. Apostada também em manter uma presença ativa no mercado de concessões de infraestruturas, a Soares da Costa procura, no entanto, atualmente desenvolver modelos alternativos de financiamento, buscando preferencialmente projetos cuja estrutura permita um investimento limitado do Grupo em equity (capitais próprios). A redução do endividamento e a contenção de custos constituem também objetivos claramente assumidos pela Soares da Costa no seu plano estratégico, estando prevista uma redução significativa dos custos de estrutura/custos fixos no segmento da Construção, abrangendo igualmente serviços partilhados/ funções corporativas, redução/realocação de recursos humanos e ainda a redução de outros custos operacionais.

In South America, Brazil is Soares da Costa’s strategic target market for the coming years. With two ongoing contracts in that territory, Soares da Costa now seeks to gain experience and reputation in a market with a high growth potential, where the Group also intends to acquire a local company in the medium term. By enhancing its performance in the international markets, Soares da Costa expects that, by 2015, at least 80% of its business will be generated non-domestically.

Cost Control The sale of non-strategic/core and/or mature assets continues to be a goal for Soares da Costa, pursuing the strategy already undertaken in 2010 with the sale of its minority stake in Banco Africano de Investimento. However, Soares da Costa has decided to postpone new investments in the areas of Energy and Environment, where it had already acquired controlling interests, which it maintains, in both ESCO and Selfenergy. The Group also holds four licences to operate small hydro plants in Portugal. Although it is also focused on maintaining an active presence in the infrastructure concessions market, Soares da Costa is currently attempting to develop alternative financing models, seeking preferably projects whose structure allows the Group to make a limited equity investment. Debt reduction and cost control are also clearly defined strategic goals to Soares da Costa, which envisages a significant reduction of overheads/fixed costs in the Construction segment, including shared services/corporate functions, reduction/relocation of human resources and also the reduction of other operating costs.

35


what’s our balance?

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012

RESULTADOS DO 3º TRIMESTRE - 3RD QUARTER RESULTS

Concessões compensam quebra na construção Praticamente em linha com o ano anterior, a Soares da Costa fechou o terceiro trimestre de 2011 com um volume de negócios de 630 milhões de euros, com a performance da área de concessões a compensar a quebra sentida na atividade de construção. Um volume de negócios de 630 milhões de euros acumulado até 30 de setembro de 2011 permitiu à Soares da Costa chegar ao final do terceiro trimestre com resultados em linha com aqueles que haviam sido obtidos no ano anterior, conseguindo atenuar a quebra de 5% registada no mesmo período no segmento da construção. Também nos primeiros nove meses de 2011, a atividade internacional da Soares da Costa representou 60% do total, conseguindo um incremento de 7% face ao período homólogo anterior, sobretudo graças ao reforço das presenças em Moçambique e nos Estados Unidos da América. A atividade em Angola cresceu 5% no terceiro trimestre em relação ao segundo trimestre deste ano. No terceiro trimestre, o volume de negócios da Soares da Costa foi de 210 milhões de euros, refletindo a contração no mercado imobiliário e o aumento dos ajustamentos intragrupo. A construção da autoestrada Transmontana assume um papel positivo relevante nos resultados consolidados dos primeiros nove meses de 2011, especialmente no terceiro trimestre, em que foram registados mais progressos na obra. A margem EBITDA consolidada melhorou, alcançando no final de setembro os 11,2%, mais 0,5 pontos percentuais do que no período homólogo de 2010, fruto do maior peso da área das concessões na atividade do Grupo. No trimestre, a margem EBITDA foi de 10,9%. O resultado líquido de 4,3 milhões de euros registado no final do terceiro trimestre representa uma quebra de 26% face ao período homólogo de 2010, sofrendo claramente o impacto do agravamento fiscal e a subida dos custos financeiros. Ainda assim, o resultado líquido do terceiro trimestre apenas conseguiu uma evolução positiva face ao segundo trimestre deste ano, fechando nos 2,4 milhões de euros. Já os resultados financeiros dos primeiros nove meses de 2011 chegaram aos -38 milhões de euros, o que traduz um agravamento de 24%, refletindo a evolução dos juros suportados, que subiram de 31,3 para 39,7 milhões de euros. Ainda no plano financeiro, a dívida líquida da Soares da Costa atingiu os 801 milhões de euros. A dívida líquida total subiu 2,1% em relação ao final do primeiro semestre em consequência do aumento da dívida em project finance (dívida sem recurso) associada aos projetos de concessão da Transmontana e das Estradas do Zambeze. Perspetivando positivamente o futuro, a carteira de encomendas da Soares da Costa ascendia, a 30 de setembro, a 1,46 mil milhões de euros, tendo 63%das encomendas origem nos mercados externos. O mercado angolano representa cerca de 1/3 da carteira de encomendas da Soares da Costa. RESULTADOS Volume de Negócios EBITDA Margem EBITDA Resultados Operacionais Margem Operacional Resultados Financeiros Resultados Antes de Impostos Imposto sobre Rendimento Minoritários Resultado Líquido Investimento

36

3º trimestre 2011 210,2 milhões de euros 22,9 milhões de euros 10,9% 14,3 milhões de euros 6,8% -10,5 milhões de euros 3.8 milhões de euros -1,4 milhões de euros 0,1 milhões de euros 2,4 milhões de euros 13,4 milhões de euros

Janeiro a setembro 2011 629,8 milhões de euros (0%) 70,5 milhões de euros (+6%) 11,2% (+0,5pp) 45,1 milhões de euros (+17%) 7,2% (+ 1pp) -38 milhões de euros (+24%) 7,2 milhões de euros (-10%) -2,9 milhões de euros (+49%) -0,1 milhões de euros (-75%) 4,3 milhões de euros (-26%) 16,6 milhões de euros (-38%)


what’s our balance? RESULTADOS DO 3º TRIMESTRE - 3RD QUARTER RESULTS

Concessions offset the slowdown in the Construction activity Virtually in line with the previous year, Soares da Costa ended the third quarter of 2011 with a turnover of EUR 630 million, with the performance of the concessions area offsetting the slowdown felt in the construction. A turnover of EUR 630 million accumulated up to 30 September, 2011 allowed Soares da Costa to end the third quarter with results in line with those achieved in the previous year, mitigating the 5% slowdown recorded in the same period in the construction segment. Also in the first nine months of 2011, Soares da Costa’s international activity accounted for 60% of total revenue, achieving a 7% increase over the same period in the previous year, mainly due to the strengthening of its presence in Mozambique and in the United States. Its activity in Angola grew by 5% in the third quarter over the second quarter of this year. In the third quarter, Soares da Costa’s turnover reached EUR 210 million, reflecting the slowdown in the domestic market and the increase in intragroup adjustments. The construction of the Transmontana motorway had a significant positive impact on consolidated accounts for the first nine months of 2011, especially in the third quarter, in which further progress in the project was recorded. The consolidated EBITDA margin improved, reaching 11.2% by the end of September, 0.5 percentage points more than in the same period of 2010, reflecting the greater weight of the concessions area in the Group’s activity. In the third quarter alone, EBITDA margin was 10.9%. The net income of EUR 4.3 million recorded at the end of the third quarter represents a 26% decrease over the same period of 2010, clearly reflecting the impact of the increase in income tax and rising financial costs. However, the net income for the third quarter alone managed to show a positive trend compared to the second quarter of this year, reaching EUR 2.4 million. On the other hand, financial income for the first nine months of 2011 amounted to EUR -38 billion, which represents a 24% aggravation, reflecting the changes in interest paid, which rose from EUR 31.3 to 39.7 million. Also on the financial level, Soares da Costa’s net debt reached EUR 801 million. Total net debt increased by 2.1% compared with the first half of the year, as a result of the increase in project finance (debt without recourse) associated with the Transmontana motorway and Estradas do Zambeze’s concession projects. Looking forward, Soares da Costa’s order book amounted to EUR 1.46 billion at 30 September, where 63% of the orders came from foreign markets. The Angolan market accounts for approximately 13% of Soares da Costa’s order book.

INCOME Turnover EBITDA EBITDA Margin Operating Income Operating Margin Financial Income Income before taxes Income Tax Minority Interests Net Income Investment

3rd quarter 2011 EUR 210.2 million EUR 22.9 million 10.9% EUR 14.3 million 6.8% EUR -10.5 million EUR 3.8 million EUR -1.4 million EUR 0.1 million EUR 2.4 million EUR 13.4 million

January to September 2011 EUR 629.8 million (0%) EUR 70.5 million (+6%) 11.2% (+0.5pp) EUR 45.1 million (+17%) 7.2% (+ 1pp) EUR -38 million (+24%) EUR 7.2 million (-10%) EUR -2.9 million (+49%) EUR -0.1 million (-75%) EUR 4.3 million (-26%) EUR 16.6 million (-38%)

37


what’s our nature?

SOARES DA COSTA MAGAZINE | # 03 | JANEIRO. JANUARY 2012

SUSTENTABILIDADE - SUSTAINABILITY

África para dar e receber Africa - to Give and Receive É esta África, terra de oportunidades, de crescimento e evolução, repleta de recursos e vontades, que está tão carente de apoio daqueles que sabem e podem fazer mais.

This is Africa, a land of opportunity, growth and development, full of resources and ambitions, which is so lacking in support from those who know and can do more.

Há tanto para receber de África. E há tanto para fazer lá. É com a mesma vontade de edificar, de erguer paredes e telhados, de fazer bons negócios e crescer que a Soares da Costa olha em seu redor e vê também outras tantas oportunidades de contribuir para o desenvolvimento de África. De ajudar aquele povo a ter melhores condições de vida. A ter esperança. E a sorrir.

There is so much to receive from Africa. And there is so much to be done there. It is with the same desire to build, erect walls and roofs, to make good deals and grow that Soares da Costa looks around and sees so many opportunities to contribute to the development of Africa. To help its people enjoy better living conditions. To hope. And to smile.

Foi essa disponibilidade que levou a Soares da Costa a abrir em Angola as portas de um posto médico na Estrada de Cacuaco, em Mulemba, prestando apoio aos trabalhadores do grupo e seus familiares diretos, através de consultas de clínica geral, análises de laboratório e medicamentos para tratar as doenças mais correntes daquela região.

It was this willingness that led to Soares da Costa to open a medical centre on Cacuaco Road, in Mulemba (Angola), providing support to the group’s workers and their relatives, through general practice consultations, laboratory tests and medicines to treat the most common diseases in the region.

As crianças em primeiro lugar

In Mozambique, SDC was directly involved in “Escolinha do André” in Xai-Xai, a school that welcomes students in need, by providing benches and tables students’ meals and rebuilding the playground.

Em Moçambique, a SDC interviu diretamente na Escolinha do André, em Xai-Xai, que acolhe alunos carenciados, providenciando bancos e mesas para as refeições dos alunos e reconstruindo o parque infantil. Na área da Saúde, a SDC Moçambique tem apoiado o Instituto do Coração através de uma doação anual de 5.000 dólares, assegurando tratamentos de cirurgia cardíaca e cardiologia de intervenção. E foi com grande orgulho que a SDC viabilizou em 2010 uma cirurgia a uma criança de 7 anos. Os convívios fraternos, que todos os anos mobilizam em Maputo dezenas de jovens, contam desde a primeira edição, em 2002, com o apoio da SDC, que lhes garante apoio logístico, transporte e refeições. Mas também a Soares da Costa tem mantido o seu apoio direto à comunidade, através da recolha de livros, da transformação de contentores metálicos em bibliotecas para Mapai e Combomune e da construção de um parque infantil em Chicualacuala.

38

Children First

In the area of Health, SDC Mozambique has supported “Instituto do Coração” (Heart Institute) with an annual donation of US$ 5,000, ensuring heart surgery and interventional cardiology services. And it was with great pride that SDC made it possible to operate a 7-year-old child in 2010. The fraternal gatherings, which each year mobilise dozens of young people in Maputo, have, since the first edition in 2002, been supported by SDC, which provides them with accommodation, transport and meals. But Soares da Costa has also continued to offer direct support to the community by collecting books, processing metal containers in libraries for Mapai and Combomune and building a playground in Chicualacuala.


what’s our nature? SUSTENTABILIDADE - SUSTAINABILITY

União de saberes

A Unique Blend of Knowledge

São Tomé e Príncipe tem despertado o melhor sentido de voluntariado português e a participada local da SDC juntou-se à organização Meninos do Mundo para organizar diversas iniciativas. Com o apoio de médicos, psicólogos, sociólogos, arquitetos, juristas e dos próprios colaboradores da SDC São Tomé e Príncipe pintaram-se as paredes do Hospital Dr. Ayres de Menezes, realizaram-se tratamentos e cirurgias, promoveu-se apoio psicológico e social a várias famílias e deram-se aulas de educação sexual aos jovens. Os voluntários envolveram-se igualmente numa recolha de donativos que culminou com a oferta de lençóis, livros, televisões, medicamentos, equipamentos médico e produtos para bebés ao Hospital de São Tomé. Mais recentemente, a SDC São Tomé e Príncipe ofereceu tintas CIN para pintar o novo Liceu da Trindade e entregou brinquedos e material didático à CACAU e aos meninos mais carenciados da Região Autónoma da Príncipe.

Sao Tome and Principe has awakened the best sense of Portuguese volunteerism and SDC’s local subsidiary has joined the “Meninos do Mundo” (Children of the World) organisation to undertake several initiatives. With the support of doctors, psychologists, sociologists, architects, lawyers and even employees of SDC Sao Tome and Principe, the walls of Dr. Ayres de Menezes Hospital were painted, treatments and surgeries were performed, psychological and social support was provided to several families and sexual education classes were taught to the young people. The volunteers also participated in collecting donations that culminated with the supply of sheets, books, televisions, medicines, medical equipment and baby products to the Hospital of Sao Tome. More recently, SDC Sao Tome and Principe offered CIN paints to paint the new “Liceu da Trindade” high school and delivered toys and didactic material to CACAU and to the more disadvantaged children of the Autonomous Region of Principe.

39



WiP - World in Progress