Page 1

Agrupamento de Escolas de Albufeira al

Setembro / Outubro/ Novembro, 2012 Numero 8

Porta Aberta Ensino Pré-Escolar com actividades divertidas e pedagógicas

Alunos à prova!

Corta-Mato no Agrupamento

Trabalhar e aprender

Nesta ediçao ha: Jack Petchey………………………….....3 Ciências ...................................... 4

Cantar a aprender ou aprender a cantar?

Consultório Geográfico............... 5 EB1/JI ......................................... 6 As Nossas Bibliotecas ................. 10 Página divertida.......................... 13 Cantinho das Línguas .................. 14 ...e muitas notícias...

A nao esquecer...

O que é uma Biblioteca…? Notícias das Bibliotecas

 Ler ajuda a pensar e a escapar. É só começar!  Com o frio vem a camaradagem! Aquecer o ambiente com a partilha de umas quantas histórias...


Editorial Um novo ano letivo se iniciou sob a égide da crise global que nos afeta a todos e à qual o Agrupamento de Escolas de Albufeira não pode ser alheio. Neste contexto, urge primar pela criatividade de modo a minorar dificuldades e desafios, quer a nível das escolas do Agrupamento, quer no seio da comunidade educativa. Para dar corpo e continuidade a este periódico informativo que é o nosso rosto, a nossa identidade, só é possível envolvendo todos os órgãos (direção, intermédios, alunos, docentes, corpo não docente) a estabelecer sinergias com a comunidade envolvente (associações de pais, edilidade e outros parceiros locais de diversa índole) para a consecução dos nossos objetivos e oportunidades comuns para promover o sucesso educativo dos nossos alunos numa perspetiva construtivista e transformista, no desenvolvimento de atitudes e valores. Este jornal do Agrupamento é o reflexo desses desafios e oportunidades, pois folheando as suas páginas deixamo-nos fascinar por tudo o que já se fez e se vai fazendo, de forma a tornar as escolas em locais privilegiados para construir a cidadania e, todos em conjunto, sermos capazes de nos impor como engenheiros de sonhos fortalecendo laços de solidariedade, empenho, iniciativa, partilha e trabalho de complementaridade. Numa conjuntura de crise, porque não ignoramos as dificuldades primárias de muitos alunos e famílias, as escolas tudo têm feito, através dos órgãos competentes, para que em cada rosto haja um sorriso de felicidade. Nestas circunstâncias, urge priorizar dificuldades emergentes, em detrimento de desperdícios desnecessários, apelando-se à contenção de gastos, à imaginação e à criatividade de todos nós. Sem sermos fatalistas, ao desperdício deveremos dar lugar à reciclagem, privilegiar o digital e o virtual em detrimento da informação exclusivamente impressa. Conservar os recursos existentes é também uma atitude louvável para conseguirmos trilhar um percurso sem sobressaltos e sermos capazes de dar respostas cabais e imediatas aos desafios. Seremos, pois, e como sempre, capazes de dar passos de gigante para tornar as escolas em autênticos cadinhos de cidadania e socialização. Da minha parte, ao longo de doze anos a gravitar nesta galáxia pedagógica senti esse compromisso coletivo, onde todos partilhamos e aprendemos a ser outra vez e sempre mais novos e inovadores. Sei que vou partir, por razões meramente pessoais, para outros horizontes e desafios, sem nunca deixar de me esquecer dessa chama de humanidade que, em conjunto, partilhámos, construímos e com a qual crescemos. Que este jornal, dando as boas vindas à comunidade educativa, através da sua informação, reflexo da obra já feita, seja um momento para pensarmos no nosso papel enquanto comunidade educativa coesa, geradora de novas e vindouras gentes, que levarei agradecidamente no coração. Joaquim José Veiga (professor de História e bibliotecário)

2

Sonhos e sucessos


Jack Petchey No dia 26 de Outubro, ocorreu, no Hotel Montechoro, a cerimónia da entrega dos Prémios de Realização e Liderança Jack Petchey referentes ao ano lectivo 2011-2012. Foram entregues inúmeras medalhas a jovens representantes de escolas, clubes e associações dos concelhos de Albufeira e Silves que se distinguiram pela sua atitude positiva, empenho e amizade. Do nosso agrupamento foram distinguidos os seguintes alunos: Jennifer Coutinho, Lara Barradas, Inês carvalho, Wender Galeano, Telmo Rodrigues, Inês Fernandes, Cláudia Luz e Gonçalo Costa, da Escola Básica e Secundária. E ainda os alunos: André Parego, Miguel Loução, Cristiana Reis, Rebeca Faria, Nuno Esperança, Tiago Seong, Alice Jorge e Ana Barnabé da Escola E.B. 2,3 Dr. Francisco Cabrita. Foram também homenageados os adultos que foram eleitos pelos alunos, tendo recebido

o Prémio de Liderança do Ano: a funcionária Dina Machado da Escola Básica e Secundária e a professora Catarina Guerreiro da Escola Dr. Francisco Cabrita. É de realçar que a cerimónia decorreu, como de costume, com muito glamour e com excelentes momentos de espetáculo, tendo como um dos apresentadores, o Henrique Evangelista, (10º ano da E.B.S.A) que foi um dos finalistas do Speak Out Challenge do ano letivo anterior. Também representaram o nosso agrupamento as alunas Vera Santos e Carolina Godinho (10º e 11º ano da EBSA, respetivamente), que se encarregaram da animação musical durante o lanche. Com o contributo financeiro dos prémios vai ser possível adquirir mais mesas e cadeiras, os cartões eletrónicos, material de Educação Física e, claro, imprimir este jornal.

3


Curso Profissional de Energias Renováveis Os nossos alunos também são notícia ‘lá fora’. A revista ALGARVE MAIS escreveu sobre aqueles que finalizaram o curso sobre energias renováveis. Eis um pouco do que foi publicado.

Energias Renováveis vão a exame Realizou-se, no dia 20 de Julho, na Escola Básica e Secundária de Albufeira, a Prova de Aptidão Profissional (PAP) do 1.º Curso Profissional de Energias Renováveis lecionado neste estabelecimento de ensino. Com forte presença de público, maioritariamente constituído por familiares, amigos e outros alunos que encheram o Auditório, as provas foram avaliadas por um júri de exame, presidido pelo professor Celestino Biscainho, elemento indigitado pela diretora do Agrupamento de Escolas de Albufeira, e composto ainda por Manuela Jorge (diretora do curso), Rui Neves (diretor de turma), José Proença (presidente do Conselho Geral), Rui Ferreira, Filipe Siquenique e Raul Ferreira, para além dos representantes das empresas colaborantes da Formação em Contexto de Trabalho, respetivamente António Neto, representante da LOJADEZ, e Nuno Martins, da REFRISUN, Lda. As PAP que foram a exame final representavam quatro projetos: um protótipo, à escala reduzida, de uma embarcação movida a energia solar, concebido pelos alunos Mihail, Rui, Rafael e Serhiy; um painel de aquecimento de ar, executado pelos alunos J. Dias, Gonçalo e Sandra; um grelhador solar, utilizando o método de aquecimento por termossifão, da responsabilidade do Anderson, Nuno, Sandro e J. Duarte; e

uma ideia de casa sustentável energeticamente, através de painéis foto voltaicos colocados no telhado, desenvolvido pelas alunas Ana, Margarida e Daniela. Cada projeto foi apresentado individualmente pelos elementos do respetivo grupo, envolvendo primeiro uma exposição teórica através de um PowerPoint, e depois uma demonstração prática do funcionamento de cada trabalho. Seguiu-se uma sessão em que foi proposto ao júri e ao público presente a colocação de questões e dúvidas ou comentários relativos a cada um dos projetos, o que levantou algum diálogo interessante com os examinados sobre os trabalhos em avaliação, tendo alguns dos presentes elogiado os projetos e manifestado alguma estupefação pelo facto de não estar previsto ser dada continuidade a este curso Profissional de Energias Renováveis. Importa salientar que todos os alunos do curso obtiveram aprovação, com notas que variaram entre 13 e 16 valores. Destaque ainda para as empresas que, com a sua disponibilidade e vontade de apoiar este tipo de projetos de utilização intensiva de energia solar, contribuíram de modo significativo com materiais, equipamento e dinheiro, nomeadamente a Leroy Merlin, a Boxeldois, a Justplan, engenharia e a SOS-Frio Climatização, Lda.

Já visitaste o blog de Física e Química? Temos novidades!

Sabias que o sol um dia irá morrer? O que irá acontecer depois? Fica a saber… Descobre a química envolvida enquanto dormes. Visita-nos! E lembra-te que a Os alunos do 7.º e 8.º anos da EBSA vão continuar este ciência está sempre presente no teu dia a dia e nas ano a dinamizar um espaço na web para onde te pomais diversas formas! Desejamos a todos um excelendes manter a par das novidades do mundo da ciência/ te ano letivo! tecnologia e aprofundar os teus conhecimentos na Os alunos do 7.º e 8.º anos de F.Q. área da Física e da Química. Professora Sílvia Correia Ficaste curioso/a? Digita aprendemaiscfq.blogspot.com e acede ao Passatempos com ciência site. Aí poderás encontrar vídeos, Adivinhas… 2. É satélite natural animações, simulações, curiosidaÉ branca, bela e brilhante des, notícias, resumos, um dicioná1. Estrela bela e de três letras Ora cheia, ora nova rio de novos conceitos e até resBrilha no alto da serra Ora em quarto minguante ponder a desafios. É das estrelas existentes A mais próxima da Terra

4


A Aldeia Global é uma expressão que se refere às inter-relações de todo o mundo, um fenómeno natural. Este fenómeno foi originado por um processo social e cultural: a globalização, que influenciou drasticamente o mundo. Aconteceu devido à informatização e ao desenvolvimento dos meios de comunicação e dos meios de transporte. Nesta aldeia global todas as pessoas estão interligadas e interconectadas, toda a gente se conhece e comunica, tendo acesso a informação, tanto de uma pessoa que está próximo como de alguém que mora no outro lado do Mundo cada vez mais facilmente. Assim, a nossa visão do Mundo é cada vez mais acessível e

facilitada. Conhecemos e damos a conhecer aos outros, de forma que toda a gente possa saber o que se passa no nosso mundo, por mais distantes que sejam os lugares. Esta troca e circulação de ideias, de capitais, de informações e dados é possível graças ao avanço das tecnologias de informação e comunicação e ao desenvolvimento das telecomunicações. A aldeia global proporciona a homogeneização de culturas e a uniformização dos gostos, hábitos e costumes das populações. Isto pode ser uma ameaça para a cultura que cada país possui e que o identifica. Cátia Filipe, 9ºB FC

Procuram-se Bebés!

filhos, ou seja, o aumento dos manuais escolares, materiais, entre outros desmotiva o casal para sustentar o filho. Os valores da taxa de natalidade estão a descer. Nos países • A generalização progressiva da instrução básica, ou seja, a menos desenvolvidos a taxa de natalidade é muito alta, nos mulher está ao longo dos tempo, a instruir-se mais, isso quer países em desenvolvimento é média e, nos países desenvolvidizer que quanto mais estuda, menos tempo tem para criar dos é baixa. um filho. Há uns anos atrás, a mulher ficava em casa a arrumáA taxa de natalidade está relacionada com o desenvolvimento la com os muitos filhos que tinha porque não tinha instrução. de cada país e outros fatores: • A diminuição generalizada do trabalho infantil, ou seja, à • A utilização de contracetivos e o planeamento familiar, ou medida que o trabalho infantil diminui, a taxa de natalidade seja, nos países menos desenvolvidos, onde não há muita indiminuiu face às despesas na educação, como já referidas. formação sobre estes assuntos, é natural que haja mais nasci• A atitude política de cada país perante o aborto, as ajudas mentos. Nos países desenvolvidos, como há muita informaconcedidas às famílias, ou seja, se o país não contribuir (com ção é natural que haja menos nascimentos. dinheiro) para que os casais tenham filhos é normal que a ta• O casamento tardio, ou seja, quanto mais tarde se casa, xa de natalidade baixe porque para ter um filho é necessário mais tarde se tem filhos e isso impossibilita o casal de ter mais ter condições económicas. filhos. • A diminuição da mortalidade infantil, ou seja, devido às vaci• O trabalho feminino, que impede a mulher de ocupar o seu nas e outros métodos fiáveis, os bebés criam defesas para tempo com os filhos, ou seja, o excesso de trabalho causa ultrapassar eventuais problemas a nível da saúde, devendo cansaço na mulher e normalmente esta não vai ter paciência ter à mesma muito cuidado porque não deixam de ser muito para cuidar e criar os seus filhos. frágeis. • O aumento de encargos (despesas) com a educação dos Liliana Calado - 8ºB O acesso à educação no mundo tem progredido significativamente nestes últimos anos. Tanto nos países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento, a taxa de alfabetização de adultos subiu, diminuindo assim o número de analfabetos no mundo em cerca de 100 milhões. As taxas de matrícula no ensino básico e as taxas de escolarização bruta nos países em desenvolvimento também aumentaram. Consequentemente, a desigualdade entre géneros tem estado a diminuir mas ainda não é suficientemente satisfatória: as mulheres representam ainda a grande maioria das pessoas analfabetas no mundo (cerca de dois terços da população com 15 ou mais anos), sendo as raparigas que menos frequentam a escola e em muitos países da África e da Ásia ainda se verificam elevadas taxas de analfabetismo. Estes dados estão relacionados com o abandono escolar sobretudo pela falta de rendimentos para pagar os estudos e com os elevados níveis de desigualdade entre géneros como a grande discriminação das raparigas por causa de certas mentalidades ou religiões. Nos países em desenvolvimento, as raparigas são muito discriminadas no acesso à educação. Esta desigualdade entre géneros é provocada, principalmente, por: o predo-

mínio das sociedades patriarcais e as razões culturais ou religiosas fazem com que haja preferência pela instrução dos rapazes, medida extremamente incorreta pois as mulheres têm maior possibilidade de transmitir os seus conhecimentos aos filhos e a outras pessoas do que os homens. Assim, como os custos implicados na educação são elevados dão também prioridade aos rapazes; a mulher, nesses países ainda é vista como apenas mãe, trabalhadora agrícola e doméstica, tendo assim pouco valor na sociedade e nunca é vista como uma possível profissional empregue no mercado de trabalho. Outras causas são, por exemplo o matrimónio precoce gerado muitas vezes por sequestros e abusos sexuais, sendo estas mulheres obrigadas a casar. Em muitos países há um grande número de raparigas casadas com sete e oito anos. Muitas mulheres também não prosseguem os estudos devido à gravidez na adolescência. E a grande vulnerabilidade das mulheres à SIDA/ HIV, relacionada com a prostituição feminina, violação e abusos sexuais e a não utilização de métodos contracetivos são outras das causas do reduzido número de crianças do sexo feminino a frequentar a escola. Cátia Filipe - 9ºB

5


No passado dia 30 de novembro, os Eco-Alunos do 2.º Ciclo da Escola EB 2/3 Dr. Francisco Cabrita efetuaram um percurso desde a praia da Galé até à praia dos Salgados, no âmbito do projeto "Coastwatch". Este projeto pretende alertar para os principais problemas do litoral, através da sua observação direta, nomeadamente aqueles que resultam da ocupação humana ao longo de várias gerações, intensificada nas últimas décadas do século XX. O projeto tem como objetivos gerais caracterizar anualmente a situação ambiental da faixa litoral; sensibilizar as populações para a importância do litoral; contribuir para a preservação dos sistemas litorais; incentivar a participação activa dos cidadãos na defesa da qualidade

ambiental do litoral; promover a Educação Ambiental nas escolas; incentivar a prática da cidadania activa no seio da Comunidade Escolar; possibilitar o desenvolvimento do espírito crítico / espírito científico; explorar conceitos ambientais, nomeadamente relacionados com os ecossistemas litorais; desenvolver competências técnicas de observação / trabalho de campo. Os Eco-Alunos e as Eco-Professoras, com o auxílio de um Técnico da CMA, preencheram um questionário onde se encontram questões relacionadas com a presença de lixo nas várias zonas da costa, erosão das arribas, perigos de derrocada, densidade urbanística, etc, que permite o registo "in loco" a par da observação de cada faixa de 500m de litoral. Apesar do vento forte e frio que se fazia sentir o sol nunca nos abandonou! Catarina Guerreiro

EB1/JI Vale Pedras

Receção aos “caloiros”

No dia 19 de setembro, os alunos dos segundos, terceiros e quartos anos de escolaridade, organizaram diversas atividades a fim de promover a integração dos novos alunos na escola EB1/JI de Vale Pedras. Nas fotos, alguns dos jogos de exterior, organizados pelas quatro turmas do 4º ano.

6


EB1/JI de Correeira No dia 16 de outubro, as três turmas do 3º ano da Correeira, comemoraram o dia da alimentação com uma atividade em conjunto. As turmas foram divididas em dois grupos, participando em duas oficinas, a oficina da laranja, onde se fez néctar de laranja (para o lanche) e a oficina da gelatina, onde as cascas das laranjas, utilizadas no néctar, serviram de taça para a gelatina (sobremesa do almoço do dia seguinte). Foi uma atividade que motivou e apresentou a interdisciplinaridade na cozinha. Foi um excelente momento de convívio e de partilha de saberes. Raquel São Matias Queremos repetir mais oficinas destas!

EB1/JI dos Caliços

O Halloween na Escola dos Caliços

Todas as treze turmas da escola participaram e os concorrentes receberam um diploma de participação, uma pequena lembrança e um pote de doce de abóbora. O júri composto pelo Vice-presidente

No Dia das Bruxas, o Halloween, na escola dos Caliços, foi lançado um concurso de abóboras, no qual participaram todas as turmas. A professora Sandra Estêvão fez um trabalho de pesquisa sobre o Halloween com as turmas do 2º e 3º ano. E para concluir a atividade, de maneira muito doce, foi pedido aos alunos que trouxessem abóboras, com as quais fizeram doce. A parte de fora da abóbora foi decorada pelos alunos. No dia 29 de Outubro começou-se a fazer o doce. A miudagem não perdia pitada.

Dr. Rolo, a Dra. Manuela Lima e a Dra. Ana Patrícia avaliaram todas as abóboras e escolheram como vencedora a abóbora do 2º D. Os vencedores receNo dia 31 de Outubro realizou-se o Concurso das beram doces e um livro de receitas feitas com abóAbóboras. bora. Os alunos após criarem o desenho executaram-no Parabéns aos vencedores! na abóbora. Para terminar este dia magnífico, à tarde realizouse um peddy paper pela escola com a temática do Halloween. Foi um dia de susto! Eh! Eh! 7


EB1/JI Vale Pedras O Jardim de Infância de Vale Pedras acolheu pais e filhos, apostando num novo ano lectivo que prime pela qualidade. Eis como foi a receção: E agora, observemos o que têm feito nas aulas. A porta da sala foi decorada com uma coroa de folhas picotadas pelas crianças.

O negativo da picotagem Painel dos Aniversários

Pintura a aguarela Ilustração de uma história Texturas

CONSTRUÇÃO DE PAINEL ALUSIVO AO DIA MUNDIAL DO ANIMAL. Exposição dos TPC “ O Meu Animal de Estimação”. Elaboração de Painel “Os Animais que temos”.

COMEMORAÇÃO DO DIA DO ANIMAL. Os meninos da Sala 3 foram à Sala 4 cantar uma canção sobre os cuidados com os animais.

Educadora Ana Brasão, Sala 3

COMEMORAÇÃO DO DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO. As educadoras do Jardim de Infância de Vale Pedras apresentaram a peça “O Capuchinho Vermelho e o Lobo Guloso”. Os alunos mostraram-se muito interessados e participativos.

Com o objetivo de preparar a transição das crianças do Ensino Pré escolar para o 1º ciclo, a Educadora Ana Brasão desenvolve uma actividade semanal. As crianças do Jardim de Infância visitam as instalações do 1º ciclo, particularmente as salas do 1º ano. As crianças levam o seu material (caderno e estojo) e permanecem uma hora na sala, em pequenos grupos. Assim aprendem a utilizar o lápis, a borracha e o apara-lápis.

8


SALA 3 DO JARDIM DE INFÂNCIA DE VALE PEDRAS ADERE AO PROJETO “DIA NACIONAL DO PIJAMA” Crianças ajudam outras crianças UMA CRIANÇA TEM DIREITO A CRESCER NUMA FAMÍLIA é a grande causa do Dia Nacional do Pijama. A Convenção Internacional dos Direitos da Criança, no seu preâmbulo, defende que "uma criança deve viver num ambiente familiar, num clima de felicidade, amor e compreensão, para que seja possível realizar, na sua plenitude, todos os seus direitos". Com o Dia Nacional do Pijama pretende-se dar visibilidade a esta causa, sensibilizando cada um de nós para a necessidade de tornar real este direito fundamental das crianças. A preparação deste dia começou com desenhos, pintura dos mesmos e recortes. Depois, chegou a altura da divulgação pelas outras salas, com uma história para contar.

Vale Pedras também recebeu a visita da nutricionista do Centro de Saúde, Drª Célia, que falou sobre alimentação saudável. Mas não foi sozinha, fez-se acompanhar de um pequeno teatro de fantoches que apresentou a peça “Vamos brincar à Roda dos Alimentos”!

ESTA INICIATIVA DEU FRUTOS… Os meninos e meninas da Sala 3 aderiram ao consumo de leite Escolar SIMPLES! Na nossa sala apenas uma criança ainda bebe leite achocolatado… e a educadora também alinha Beber leite simples é fixe! Na sexta-feira, dia 9 de novembro, à semelhança dos anos anteriores, a escola EB1/JI de Vale Pedras, realizou mais um Magusto, em comemoração do Dia de São Martinho, como manda a tradição. Foi um agradável momento de convívio, onde não faltaram as tradicionais caras enfarruscadas...

Nela Vilela No Jardim de Infância de Vale Pedras procedeu-se a uma acção de sensibilização, pela equipa da CMA, para a igualdade de género, com o Teatro de Fantoches “ A Ana e o Jimmy”.

9


Os autores dos livros mistério apresentados pelas Bibliotecas até agora são Inês Pedrosa e José Fanha. Vamos conhecê-los um pouco melhor... Inês Pedrosa nasceu em 1962. Licenciou-se em Comunicação Social pela Universidade Nova de Lisboa. Trabalhou em vários jornais e revistas. O seu primeiro romance, "A Instrução dos Amantes", foi publicado em 1992.. Cinco anos mais tarde surgiu "Nas Tuas Mãos e publicou ainda uma magnífica "Fotobiografia de Cardoso Pires", e os livros "20 Mulheres para o Século XX" e "Poemas de Amor (antologia de poesia portuguesa)". Prepara um novo romance, que sairá ainda este ano. Também escreve para o público mais jovem, no âmbito da Literatura Infantil. José Fanha, nascido em 1951, é arquiteto e professor. Poeta e escritor, é autor de histórias e poesia para a infância e guionista de rádio, cinema e televisão. Divulgador de poesia, traficante de palavras claras, contrabandista de sonhos, habitante da solidariedade e da utopia, é cidadão de corpo inteiro desde sempre e enquanto durar.

Quanto aos livros recomendados para leitura pela Biblioteca (Livro do Mês), destacam-se alguns. Vamos apresentar um resumo e esperar que atraiam a curiosidade! João Aguiar é um nome de referência da literatura portuguesa dos séculos XX inícios do XXI, tendo-se destacado, também na literatura infantil. Um espetáculo de ópera em Vila Rica não é coisa que interesse muito o Carlos, a Catarina, o Álvaro e o Frederico. Mas quando começam os trabalhos de montagem do palco, o Carlos julga reconhecer o homem que está a dirigi-los: é um criminoso e fez parte de uma quadrilha que o Bando dos Quatro ajudou a apanhar. Embora tudo indique que ele está enganado, o Bando dos Quatro começa a inves-tigar e não tarda a descobrir um plano terrível: durante a representação da ópera, uma pessoa vai ser assassinada. Mas eles não sabem quem será a vítima. Pega nesta aventura do Bando dos Quatro e descobrirás a trama deste crime que ajudarás a desvendar com os teus próprios olhos. Um Crime na Ópera (O Bando dos Quatro, 14) João Aguiar, Asa

Robert Kilgore Muchamore (Londres, Inglaterra, 26 de Dezembro de 1972) é um escritor britânico. É mais conhecido por ser autor da série CHERUB. Trabalhou durante treze anos como detective privado, mas abandonou a profissão para se dedicar à escrita a

tempo inteiro. Nesta obra “O Traficante”, os agentes Cherub não são o James Bond. Não existem mestres do crime, nem engenhocas de alta tecnologia. Eles são profissionais treinados que escapam ao radar dos adultos e descobrem informações que ajudarão a colocar criminosos e terroristas atrás das grades. Keith Moore é o maior traficante de cocaína da Europa, que a polícia persegue há mais de 20 anos. Agora, quatro agentes CHERUB juntam-se à aventura. Conseguirá um grupo de quatro jovens infiltrar-se na organização de Keith Moore, depois de dezenas de tentativas falhadas? Como a aventura continua, porque motivos não integras a equipa dos agentes CHERUB a descobrir esta odisseia pelo mundo do crime?

O Traficante (Coleção Cherub) Robert Muchamore

PORTO EDITORA

Para ficarmos a conhecer um pouco melhor o mundo da pintura, a Biblioteca mostra um quadro e um autor por mês. Vamos conhecê-los: Biblio-

Outono, de Giuseppe Arcimboldo 10

tecário, de G. Arcimboldo


A Biblioteca é… Parte I

mente no seio da escola e da comunidade educativa. A interioridade orgânica da biblioteca escolar ganha identidade quando se articula com o meio envolvente. Neste âmbito, há que pôr em interação, por um lado, todos aqueles cuja formação continua vincadamente hipotecada ao suporte livro, porque com ele pensam e estruturam sentidos; mas por outro lado, dar asas à imaginação a todos aqueles que possuem um grau de proficiência no uso de novos suportes, tais como: o computador, a Internet e o mundo de realidades virtuais. Esta “comunhão e casamento” de intervenientes pressupõem, à partida, um papel de liderança funcional que mobilize os outros, numa sistemática colaboração com a direção, com os outros docentes, alunos e, por que não, pais e encarregados de educação, de modo a priorizar e dar um maior enfoque da ação em aspetos mais críticos. Somente neste palco de atores diferenciados, é possível servir uma comunidade mais alargada, já que urge servir vários destinatários e utilizadores desse “espaço multiusos”, porque socialmente diferenciados, esses mesmos utilizadores têm oportunidades de estruturar o seu conhecimento, numa perspetiva construtivista e transformista, já que são por si seres pensantes, criativos e cheios de ideias. Portanto, a Biblioteca Escolar, através do professor bibliotecário e da sua Equipa em interação com a comunidade educativa, deve definir uma política de flexibilização suscetível de dar respostas cabais à mudança, fundindo “aprendizagem, informação e tecnologia … proporcionando as melhores oportunidades para que os jovens possam aprender e … ajudando-os a desenvolver-se intelectual, social e culturalmente, transformando a informação em conhecimento, no desenvolvimento de atitudes e de valores”(1).

um palco, onde interagem atores de todas as cores e ritmos, como um universo heterogéneo de utilizadores com referenciais diferenciados, que se cruzam entre si e se descobrem mutuamente num misto de desconfiança e de esperança, na busca de pensar sobre as coisas e jogar com elas, em nosso benefício. A consciencialização destes desafios obriga, obviamente repensar o papel e uma nova conceção da Biblioteca Escolar e, para tal, o seu modelo de autoavaliação deve ser encarado como instrumento pedagógico e de melhoria das próprias práticas. Para materializar esta cultura e aplicação da autoavaliação como meio de reflexão sistemático das próprias dinâmicas e ações da Biblioteca Escolar, urge definir metodologias e recolha sistemática de evidências. Assim, é de relevante importância que se procure sistematicamente a melhoria e a qualidade dos serviços prestados, no seio de uma comunidade plural, onde o transitório e o fugaz se impõem como imperativo de uma sociedade tecnológica emergente, pelo que a biblioteca escolar deverá – por consequência – enfrentar esses desafios e oportunidades, tendo em conta os seus contextos, num espírito de confiança e de recíproco entendimento nas dinâmicas da escola/agrupamento e da própria comunidade educativa. Estes princípios determinam portanto um novo paradigma da biblioteca escolar que se Notas: alicerça no desenvolvimento (1) – in, The Evidence-Based, Manifesto para a Escola de Bibliotecários, de competências de comunicade Ross Todd, pág. 1; ção, a par de um trabalho de equipa que se afirme organicaTexto de Joaquim José Veiga, professor bibliotecário

O Corta MaCorta-Mato to Escolar da EB 2,3 Dr. Francisco Cabrita decorreu no dia 22 de Novembro com a participação empenhada de cerca de 220 alunos. Os primeiros seis alunos de cada escalão irão

representar a escola no Corta Mato Distrital do Desporto Escolar, na pista das Açoteias no 2ºPeríodo. Esta atividade promove a modalidade e também hábitos de vida

saudáveis. Permite elevar o nível funcional das capacidades condicionais e coordenativas gerais básicas, particularmente da resistência e incentiva o respeito pelas regras, o fortalecimento dos laços de amizade e companheirismo, o respeito pelo adversário, e a disputa sem violência física ou verbal. O Grupo de Educação Física agradece a participação de todos os envolvidos.

11


Ao longo do período as Bibliotecas Escolares dos Caliços, Correeira e Vale Pedras desenvolveram inúmeras atividades procurando sempre ajudar os alunos a desenvolverem as suas capacidades cognitivas, pessoais e sociais. Assim, aqui fica o registo de algumas dessas atividades. Para conhecerem melhor as nossas bibliotecas, visitem os nossos blogues: - http://biblioteca-calicos.blogspot.pt - http://bibcorreeira.blogspot.pt

A Escola de Trânsito visitou a BE e contou aos meninos do Jardim de Infância a história da Guerra dos Sinais.

Alunos a ler na BE

Um aluno a participar no concurso de escrita criativa Dia dos Jogos Lúdicos

O Daniel Lopes, do 4º ano ganhou o Concurso «Porque Ler É...» com a frase: «Ler é sentir a imaginação dentro de si./ É o poder da Amizade./ É soltar as raízes das palavras./ É sentir as letras a juntarem-se e formarem palavras.»

No Dia Mundial da Alimentação Os alunos do 1º ano ouviram a história do Capuchinho Vermelho e encheram os cestinhos de alimentos saudáveis.

12

O Grupo de Teatro da turma do 4ºA apresentou uma peça de teatro de fantoches, sobre o S. Martinho. A miudagem adorou! Foi um sucesso!

Os alunos da sala de multideficiência estiveram na biblioteca a ver um filme sobre animais e, posteriormente, fizeram desenhos sobre os mesmos.

A Árvore do Outono


Curiosidades

Sobre Geografia, sabias que …

A aurora boreal e austral são fenómenos visuais que ocorrem nas regiões polares de nosso planeta. São efeitos de luz colorida que aparecem no firmamento, à noite. Normalmente são de cor esverdeada e correm em função do contacto dos ventos solares com o campo magnético do nosso planeta Terra. A primeira capital do Brasil foi Salvador da Baía. Em 1763, a capital do Brasil foi transferida de Salvador para o Rio de Janeiro, pois o ouro e os diamantes passaram a ser escoados pelo porto do Rio de Janeiro, aumentando a sua importância económica e política. Em 1961, o Rio de Janeiro perdeu o título de Capital Federal para a Cidade de Brasília.

Os Himalaias são a maior e mais alta cadeia montanhosa do planeta, formando uma barreira intransponível entre a Índia e a Ásia continental, ao longo de 2.500 km. Inclui a montanha mais alta do mundo, o Evereste, com 8.848 metros de altura.

Os Tsunamis são gigantescas ondas que possuem um grande volume de energia e que ocorrem nos oceanos, causadas pela movimentação das placas tectónicas localizadas abaixo dos oceanos. As placas oceânicas mais densas deslizam sob as placas continentais que são menos densas, num processo que recebe o nome de subducção. Estes maremotos, deslocam uma grande quantidade de água formando uma ou mais ondas (tsunamis) que podem atingir as costas dos continentes, provocando catástrofes de grandes dimensões. O maior Tsunami ocorreu em 26/12/2004 no Oceano Índico, tendo dizimado mais de duzentas mil pessoas.

Curiosidades Sobre História, sabias que …

Nzinga Mbandi ou Rainha Ginga, rainha do Reino Ngola, hoje Angola, viveu durante um período em que o tráfico de escravos africanos e a consolidação do poder dos portugueses estavam a crescer rapidamente. Essas incursões portuguesas criaram inúmeras rivalidades com a soberana, obrigando-a a estabelecer inúmeras alianças com outros povos locais, para afastar a presença portuguesa. Posteriormente estabeleceu um acordo de paz com Portugal, e nessa altura, como não lhe deram uma cadeira para se sentar, pediu a presença de uma escrava sua, sobre a qual se sentou. Napoleão afirmava sistematicamente que “A minha grandeza não consiste em nunca ter caído, mas em levantar-me sempre”. Tentou, em vão, dominar a Europa, desde a península Ibérica até à Rússia, começando a partir daí a sua derrota. Em 1815 foi finalmente derrotado em Waterloo (Bélgica) e foi deportado para a ilha de Santa Helena, Atlântico Sul, onde veio a falecer em 5 de maio de 1821, provavelmente envenenado. Pedro I da Rússia nasceu em Moscovo e era filho do imperador Aleixo I. Ao aperceber-se de que a Rússia era social e tecnicamente atrasada, resolveu abrir uma janela para o Ocidente. Já como czar, aderiu às ideias do Iluminismo e progresso. Para o efeito, empreendeu um périplo pela Europa, fazendo-se passar por marinheiro e trabalhou como carpinteiro num estaleiro da Holanda e aprendeu a retalhar a gordura da baleia, estudou anatomia e cirurgia observando dissecação de cadáveres, visitou museus e galerias de arte, o que lhe permitiu modernizar o seu vasto império. Rubrica em parceria com a Biblioteca da EB2,3 Dr. Francisco Cabrita (Professor bibliotecário - Joaquim Veiga)

13


No dia 31 de Outubro, os formandos da turma CEF8 – Serviço de Mesa, em conjunto com as formadoras, prepararam uma ‘Feira de Halloween’ repleta de coisas boas e arrepiantes. A decoração foi também elaborada por eles com muita ajuda dos alunos da unidade de multideficiência. Houve tarte de abóbora, maçãs caramelizadas, pipocas e bebidas. As bebidas apresentadas tinham nomes sugestivos e muito apropriados à época: “Chills”, “Red Dracula” e “Blood Poison”. As maçãs são chamadas de “Candy apples” e “Caramel apples”

nos países anglosaxónicos. Outra tradição passa por fazer muitas “popcorns” e ver fimes assustadores… Podemos dizer que este dia foi um sucesso… vendeu-se tudo! E, já agora, as bebidas eram deliciosas e sem uma pinga de álcool! Para o ano há mais! Mas fiquem atentos que haverá mais feiras e ofertas saborosas…

Os alunos do 2º e 3º ciclo realizaram diferentes ativida- enraizar-se noutros países, bem patente no nosso caso des em sala de aula relacionadas com o Halloween na manifestação de interesse dos alunos em trazerem com a colaboração das professoras abóboras, morcegos e monstride Inglês. nhos para decorar a escola nesta Esta comemoração tipicamente proépoca. A grande vencedora foi a movida em países de língua inglesa, aluna Jéssica Manuel do 7º C, que foi popularizada por emigrantes Irlanapelando à sua veia criativa criou deses nos Estados Unidos da América um original morcego, que merecia partir do século XIX, lentamente damente acabou por ser contemtendo começado a criar tradição e a plada com um livro. Ana Cristina Marques e Monica Moreira

“St. Martinstag” festejado pelos alunos de alemão Mais uma vez o S. Martinho foi assinalado nas nossas escolas, visto que na Alemanha se dá muita importância a esta época do ano. Em todo o espaço alemão realizamse cortejos infantis com a presença de muita luz usando para esse efeito lanternas “Laternen” que as próprias crianças criam nas respectivas escolas. Os cortejos começam a partir das 17h, quando começa a escurecer, e as crianças vão iluminando o caminho do santo. É lindo! Cada criança prepara com muito carinho a sua lanterna. Estas procissões são sempre acompanhadas por um "São Martinho" a cavalo e com o famoso manto. As crianças cantam canções tradicionais em homenagem ao santo. Esta tradição e as suas lendas ainda permanecem muito vivas em toda a Alemanha. A sua história e a sua cultura foram retratadas nas salas de aula, entre outras, com atividades de elaboração de receitas de bolos específicos desta altura como o “Weckmann” e realização de “St.-MartinsLaternen” pelos alunos do 8º e 9º anos. Durante a sua exposição na EBSA foi eleita por professores e funcionários a “St.-Martins-Laterne” mais trabalhada.

A aluna vencedora foi a Beatriz Silva do 9ºD e recebeu um saco tipicamente alemão. Na Escola Dr. Francisco Cabrita os alunos de alemão dos 7ºs anos elaboraram trabalhos sobre esta tradição alemã, que também estiveram expostos durante esta época festiva. Deu-se ênfase à lenda dos gansos: São Martinho tornou-se sacerdote e fundou um mosteiro. Estava feliz da vida, praticando somente o bem, sem ambições, quando, em 371, foi levado a Tours para se tornar bispo. Mas não era isso que ele queria. O santo conseguiu escapar e foi-se esconder junto a gansos. Como estes não "calaram o bico" e fizeram muito barulho, acabaram delatando o pobre do santo. Bem, aí não houve remédio, São Martinho tornou-se bispo. Desde então, na Alemanha nesta época e até ao Natal, os gansos, literalmente, "pagam" por serem os "traidores". Ganso assado é um prato tradicional e não pode faltar. Recheado com puré de maçãs, é mágico. Cristina Barbosa e Monica Moreira

14


Aprender alemão de uma forma diferente Foi esse o objectivo, no dia 9 de Novembro de 2012 no auditório da EBSA, onde os alunos das turmas do 6º e 7º anos (iniciação de alemão) da Escola Dr Francisco Cabrita e da Escola Básica e Secundária de Albufeira assistiram e participaram no concerto de “Uwe Kind”, patrocinado pelo Goethe Institut. Na abertura desta atividade tivemos a presença da Diretora da Escola, Dra Clara Pinto, que testemunhou a forma descontraída que foi proporcionada aos alunos de aprender vocabulário alemão, cantando músicas com letra alemã num ambiente divertido onde in-

clusivamente pudemos contar com a participação de alguns professores. Este novo método promove o ritmo e a mobilidade, obrigando todos a mexer-se, mover-se e gesticular ao som das músicas. Alunos, professores e funcionários participaram ativamente nestas atividades e, sem dúvida, passava-se nos corredores e os alunos diziam “Winke, winke”.

Cristina Barbosa e Monica Moreira

Busque en la sopa de letras diez palabras referidas a complementos y calzado.

November 7th is the international tongue twister day! Can you say this? Peter Piper Peter Piper picked a peck of pickled peppers. Did Peter Piper pick a peck of pickled peppers? If Peter Piper picked a peck of pickled peppers, where’s the peck of pickled peppers Peter Piper picked? She sells seashells She sells seashells by the seashore. The shells she sells are surely seashells. So if she sells shells on the seashore, I’m sure she sells seashore shells. And the most difficult tongue Water Monsters and twister in the English language is… “The sixth sick sheikh's sixth Mermaids sheep's sick.”

Loch Ness has a monster living in its depths – or has it? Some say the widely used 1934 photograph of the Loch Ness monster is a fake; but of course that doesn’t prove there is no monster. Around the Scottish islands are said to live silkies – half-seal, half-human – who remove their skins and come ashore to dance. Cornish mermaids are usually friendly; but some Scottish mermaids are bloodthirsty!

15


Dans la France, on fête Saint Nicolas la nuit du 5 au 6 décembre. La Saint-Nicolas est une fête principalement tournée vers les enfants. Les traditions diffèrent selon les régions. Un trait commun à ces célébrations est la distribution de cadeaux aux enfants. Dans l’est de la France c’est la fête du pain d’épices, un gâteau traditionnel fait de farine de seigle (centeio) de sucre, de miel et d’épices (especiarias), comme la cannelle, le girofle (cravinho), etc. On le mange en dessert ou pour le goûter. C’est très bon !

Agrupamento de Escolas de Albufeira E-mail: jornal.francisco.cabrita@gmail.com;

Image et recette : http://samgraphic18.wordpress.com/2010/02/08/pain-depices/

Clafoutis aux pommes Ingrédients (pour 4 à 6 personnes) : # 5 pommes, # 3 œufs, # 50g de farine, # 100g de sucre, # 125ml de lait, # 1 peu d’extrait de vanille # 1 cuillère à soupe d'huile # du beurre (pour beurrer le plat )

1. Préchauffez votre four à 180°C (thermostat 6). Beurrez un plat à tarte. 2. Épluchez les pommes et coupez-les en quartiers fins. Disposez les pommes dans le plat à tarte. 3. Mélangez tous les autres ingrédients dans un Tupperware, fermez et agitez très bien. 4. Versez la pâte sur les pommes et enfournez pendant +- 20 minutes. Servez (dans le même plat) chaud ou froid saupoudré de sucre.

A Equipa do Porta Aberta agradece a todos os que colaboraram para este jornal! Com o apoio de:

Os formandos do curso CEF8—Serviço de Mesa— participaram num jantar em grande escala, no dia 20 de Outubro, no Espaço Multiusos de Albufeira, e foram muito elogiados pela sua prestação, pela provedora da Santa Casa da Misericórdia de Albufeira.

16


Porta aberta n.º8  

Jornal Porta Aberta, Agrupamento de Escolas de Albufeira

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you