Page 1

Abril / Maio/ Junho, 2013 Numero 10

Agrupamento de Escolas de Albufeira al

Porta Aberta O sucesso reside no nosso Agrupamento!           

1º lugar na Competição Nacional de Ciência em Rede, na modalidade FISQ; Medalha de ouro nas Olimpíadas Nacionais da Matemática; Medalha de ouro nas Olimpíadas Nacionais da Química Júnior 2013; Campeãs Nacionais e Regionais Juvenis de Basquetebol; Campeões Regionais de Basquetebol Masculino - iniciados 2013; Campeões Regionais de Futsal Infantil Masculino; 1º Prémio no concurso “Respira Livremente, Defende os teus Pulmões”; 1º Prémio no concurso “Saúde e Segurança na Praia” (CMA); 1º lugar no Concurso Speak Out Challenge; 1º lugar no Concurso “Energia e as Alterações Climáticas” (CMA); 1º lugar no 4º concurso de bar interescolas.

Projetos Passatempos Campeonatos Jogos Histórias Cinema Visitas

Nesta ediçao ha: Jack Petchey………………………….....2 Ciências ...................................... 3 Desporto e Saúde……………………...8 EB1/JI ......................................... 12 Consultório Geográfico............... 18 As Nossas Bibliotecas ................. 21 Cantinho das Línguas .................. 24 Arte ............................................ 28 ...e muitas notícias...

A nao esquecer...  Aproveitar as férias para descansar… e ler muito!

Notícias das Bibliotecas

O que é uma Biblioteca…? Parte III

 Para o próximo ano, trazer boa disposição, responsabilidade e espírito de solidariedade. Assim é mais fácil!


Editorial Educação para a Saúde Mais um final de ano letivo se aproxima, durante o qual o Porta Aberta constituiu um espaço de partilha de experiências, de reflexão, de identidade do nosso agrupamento, no sentido em que todos tiveram aqui uma oportunidade de dar a conhecer o seu trabalho, a sua criatividade, os seus projetos, as suais ideias, as suas preocupações. Neste contexto, a Educação para a Saúde encontrou no Porta Aberta um espaço privilegiado de divulgação dos trabalhos, iniciativas e projetos, desenvolvidos quer por alunos, quer por professores, muitos deles em parceria com entidades locais e regionais, que apoiam direta ou indiretamente as escolas no âmbito da educação para a saúde em meio escolar. Tratando-se de um jornal escolar, todas as escolas do Agrupamento, mas também a comunidade educativa em geral, incluindo pais e encarregados de educação, têm tido através deste jornal acesso àquilo que se tem realizado no nosso Agrupamento no âmbito da educação para a Saúde, conscientes de que se trata de uma amostra pequena desse trabalho, mas também dos valores por nós defendidos, tais como os direitos humanos (e da criança, em particular). A Declaração Universal dos Direitos Humanos, ao declarar que “todo o indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal”, está na base da Educação para a Saúde, bem como a noção de saúde da própria Organização Mundial da Saúde (OMS), segundo a qual a saúde deve ser entendida como o sentido positivo de bem-estar que envolve todos os aspetos da vida – físico, emocional e social. Health and Wealth na terminologia anglo-saxónica. O objetivo de se alcançar o bem-estar físico, emocional e social está presente na Educação para a Saúde, na medida em que esta trabalha áreas temáticas principais como a Alimentação e atividade física, o Consumo de substâncias psicoativas (spa), as Infeções Sexualmente Transmissíveis (IST), a Educação Sexual, a Saúde Mental e a prevenção da violência em meio escolar. Outras áreas, como a saúde oral ou a segurança infantil têm, também, sido trabalhadas no nosso Agrupamento. De igual forma, o direito à vida (saudável do ponto de vista da OMS), à segurança pessoal e à liberdade é assegurado quando se promove o acesso à informação, à reflexão e ao desenvolvimento de competências pessoais e sociais. Ou seja, a saúde é um direito e, simultaneamente, um dever. E é, também, o bem a preservar porque sem ela não é possível que as crianças e os jovens adquiram informações e competências indispensáveis ao seu pleno desenvolvimento, contribuindo, também, para que possam fazer escolhas responsáveis no âmbito de uma cidadania ativa. Conceição Vieira, Coordenadora de Educação para a Saúde

2

Durante este ano lectivo, o nosso agrupamento contou, mais uma vez, com o apoio da Fundação Jack Petchey em diferentes atividades. Ao longo do ano foram propostos para os Prémios de Realização os alunos que se destacaram pelo seu esforço para melhorar os seus resultados escolares ou pela sua solidariedade com os colegas e colaboração nas atividades extracurriculares. Com o patrocínio da Fundação realizaram-se as formações: “Construir o teu futuro” nas turmas de 9º ano e do 2º ano de CEF, “Curriculo Vitae” no ensino profissional e “Speak Out Challenge” para os alunos de 9º ano interessados em melhorar as suas capacidades de comunicação e oratória. No “Speak Out Challenge”, que é simultaneamente uma formação e um concurso, destacou-se a aluna Júlia Domingos do 9ºD da Escola Dr. Francisco Cabrita por ter ganho a final (ver pág.19). Contudo, esta formação foi uma mais valia para todos os que tiveram a oportunidade de participar. Graças ao apoio financeiro do Sr. Jack Petchey foi possível imprimir este jornal e comprar várias coisas úteis para as escolas com o valor recebido dos Prémios de Realização, como por exemplo: os cartões electrónicos para a EBSA e E. Francisco Cabrita; os arranjos das casas de banho e o espelho do ginásio da E. Francisco Cabrita, assim como os arranjos do espaço exterior da EBSA. Maria José Leote

Natacha Andrade 7ºD - EFC

Beatriz Silva 9ºD - EBSA

Melissa Peli 9ºB - EBSA

Mês

Prémio de Realização EBSA

Prémio de Realização Escola Dr. Fr. Cabrita

Outubro

Ofélia Pedure 6ºA

Natacha Andrade 7ºD

Novembro

Adriana Bentes 10ºE

Corina Popa 9ºC

Dezembro

Marco Nunes 12ºA

David Barbosa 9ºA

Janeiro

Beatriz Silva 9ºD

Laura Tintim 7ºD

Fevereiro

Beatriz Curva 10ºE

Alessia Príolo 5ºA

Março

Inês 7ºD

Diana Faísca 6ºA

Abril

Isabelle Lima 10ºE

Em votação

Maio

Melissa Peli 9ºB

Em votação

Junho

Amélia Chen 8ºD

Em votação


e Marta Teixeira (5ºC) . No “superTmatik Quiz Educação Com os objetivos de fomentar o gosto pela aprendi- Alimentar”, participaram as alunas Francesca Melinceazagem das Ciências Naturais, sensibino e Ofélia Peduré (6ºA) e Ana Bealizar os alunos para a importância de triz Oliveira e Filipa Andrade (6ºB) e adotar estilos de vida saudáveis, conAdriana Silva (6ºC). tribuir para a aquisição, consolidação e ampliação de conhecimentos de Nesta eliminatória foram apurados os ciências, reforçar a componente lúdiCampeões da nossa escola, que irão ca na aprendizagem das Ciências da agora jogar na final nacional do Natureza e promover o convívio entre alunos, professo- “superTmatik Quiz Ciências Naturais”, os alunos Manuel res e restante comunidade escolar, a professora Ângela Baldé, do 5ºB (campeão) e Bruno Valente, do 5ºC (viceAlmeida organizou o “IV Campeonato superTmatik campeão). Quiz Ciências Naturais”, destinado a alunos do 5º ano, e E no “superTmatik Quiz Educao “I Campeonato superTmatik Quiz Educação Alimenção Alimentar” foram apuratar”, destinado a alunos do 6ºano, da Escola Básica e das as alunas Filipa Andrade, Secundária de Albufeira. do 6ºB (campeã), e a Ofélia Inicialmente, realizaram-se Campeonatos intraPeduré, do 6ºA (vice-campeã). turma: eliminatórias PARABÉNS! disputadas entre aluA final nacional será onnos da mesma turma line, de 6 a 17 de maio, e para apuramento dos constará de 3 tentativas paCampeões de turma. ra realizar o melhor tempo No dia 9 de abril de no superTmatik. Antes dis2013, pelas 16h05m, so, terão acesso a sessões realizou-se o Campeonato inter-turmas, tendo partici- de ambientação online. pado no “superTmatik Quiz Ciências Naturais”, os aluParabéns aos nossos campeões! Ângela Almeida nos Gabriel Baltar e Manuel Baldé (5ºB ) e Bruno Valente Os alunos de todas as turmas dos 6º e 9º anos do o seu material genético, da acção dos vírus, da terapia Agrupamento participaram numa acção de motivação genética e finalmente das investigações recentes em dos jovens portugueses para a ciência e para a investi- células estaminais e em nanotecnologias. Champimógação científica, promovida pela Fundação Champali- vel é uma apresentação dinâmica e divertida que premaud intitulada “Champimóvel: O Futuro da Ciência”.

tende despertar a curiosidade dos jovens estudantes

O objectivo principal da Fundação Champalimaud é pelos temas científicos. apoiar os avanços na investigação biomédica, sobretu-

Para mais informações é só consultar a seguinte

do os que podem ter uma aplicação prática na preven- página: www.fchampalimaud.org ção, no diagnóstico e no tratamento de doenças, e

Fica aqui a fotografia de uma das turmas partici-

também ajudar a colocar Portugal entre os principais pantes, o 6ºB actores na investigação biomédica. O Champimóvel é da

EBSA,

um show animado interactivo em 3D, apresentado num acompanhasimulador transportável, que percorre as escolas do dos pela propaís. O show é uma viagem através

fessora

do corpo humano, apresentada pela

gela

figura animada “Champi”. A viagem

da.

Ân-

Almei-

começa com o mecanismo da visão, seguido da apresentação da célula e

3


All-Portugal Asteroid Search Campaign

International Astronomical Search Collaboration (IASC) - PROCURA DE ASTEROIDES

Projeto coordenado por Dr. Patrick Miller da Hardin-Simmons University no Texas

e 16 d

a panh ar’13 Cam 20 m a 3 fev’1

Promovido por

ANSIOSOS POR SALVAR O MUNDO?! A EBSA deu o seu contributo... Normalmente, a maioria dos asteroides encontram-se no cinturão dos asteroides, entre as órbitas de Marte e Júpiter, mas outros descrevem órbitas que os aproxima da Terra: estes são conhecidos como objetos próximos da Terra (NEOs). Se entrarem em rota de colisão com a Terra, eles são chamados meteoroides. Quando um meteoroide atinge a atmosfera em alta velocidade, a fricção faz com que ele se queime num raio de luz conhecido como meteoro. Se o meteoroide não queimar completamente, o que resta atinge a superfície da terra e é chamado um meteorito.

Embora muitos asteroides atinjam a terra todos os dias, são muito pequenos para causar qualquer dano! Com o recurso a um software informático, Astrométrica, e imagens reais do céu noturno, tiradas com intervalos de tempo distantes, para que os asteroides mudem de posição entre imagens, os alunos João Luna e Tomás Martins do 9º B, Mayara Santos, Roberto Nunes e Wender Galeano do 12º C, procederam à deteção de asteroides reais, que podem estar a ser encaminhados para a Terra. 4


Participaram nesta campanha, para além de 17 escolas portuguesas, escolas dos seguintes países: Algéria, Austrália, Bulgária, Israel, Moçambique, Roménia, São Tomé e EUA.

Duas das Imagens analisadas

As descobertas da Escola Básica e Secundária de Albufeira foram... Observations Object

Students

NEO

2013 CT36

T. Martins, J. Luna, & A. Gonçalves

2013 CS83

T. Martins, J. Luna, & A. Gonçalves

2013 DU

T. Martins, J. Luna, & A. Gonçalves

'27461

T. Martins, J. Luna, & A. Gonçalves

'2006 WS1 T. Martins, J. Luna, & A. Gonçalves 2005 ES70

W. Galeano, R. Nunes, M. Santos, J. Luna, & A. Gonçalves

2002 GA

W. Galeano, R. Nunes, M. Santos, T. Martins, & A. Gonçalves

2010 FO92 T. Martins, J. Luna, & A. Gonçalves Main Belt AVK255 Asteroid Discoveries

T. Martins, J. Luna, & A. Gonçalves

Esta campanha de “Caça aos Asteroides” consistiu também numa demonstração, seguida da apresentação do projeto. Os alunos das turmas 6º B, 9º B e D, 10º A, 10º E, 11º B e 12º C puderam, assim, participar! Eis alguns desses momentos ...

5 Professora Ana Luísa Gonçalves


Passatempos com Ciência Para representar os elementos químicos são utilizados símbolos. Encontra na sopa de letras os nomes correspondentes aos seguintes símbolos: P O T A S S I O P A Z O T O E Cl I H K

Fe Ca C Na

He N P O

S Ag Au Al

Atenção! As palavras podem estar escritas também na diagonal e de trás para a frente. Soluções das palavras cruzadas da edição anterior:

T

A

O

R

U

O

T

H

J

T

D

E

R

A

Q

R

Z

A

S

V

X

D

B

J

A

C

C

I

P

F

E

M B

D

A

I

G

I

K

R

V

A

U

W

O

C

N

I

C

U

G

A

V

O

P

C

R

R

E

S

E

L

L

O

R

E

L

B

U

H

Z

B

E

N

F

W I

O

R

E

N

U

L

T

G

J

O

O

X

O

Q

D

Ç

R

D

I

M

Ç

I

V

R

N

U

O

R

Z

T

A

E

O

O

I

H

E

L

I

O

J

F

O

E

R

S

F

R

A

N

V

A

N

O

V

H

R

D

A

T

I

D

S

E

I

C

S

M D

C

G

E

G

C

A

L

C

I

O

O

X

Z

R

O

G

H

L

P

I

H

B

P

O

I

N

E

G

O

R

D

I

H

V

No dia 17 de Abril de 2013 realizou-se na Escola Básica 2,3 Dr. Francisco Cabrita mais uma edição do campeonato interturmas do “Jogo do 24”. Participaram ativamente neste campeonato os alunos do 2º ciclo com destaque para os alunos da turma A do 5º ano que desde o início deste campeonato se envolveram na sua organização e divulgação. No final do campeonato os participantes e vencedores foram aplaudidos pelos presentes, com a certeza porém de que no próximo ano letivo se voltará a repetir com mais aderentes e mais treinos. A terminar o campeonato ainda

No dia 17 de Abril, seis alunos do Agrupamento (Roberto Costa do 7ºA FC; Miruna Sima do 7ºD-FC; Vlada Nani do 8ºA FC; Bruno Lopes do 8ºD-FC e Diogo Alves do 8ºD-FC; David Andrade do 9ºB EBSA e Diana Smitina 9ºB EBSA), acompanhados pela professora Dilar Viegas, responsável pelas Olimpíadas na Escola Dr Francisco Cabrita, participaram na final do Barlavento Algarvio das Olimpíadas Concelhias da Matemática, que se realizou na Escola Secundária Poeta António Aleixo em Portimão. Nesta final, em que participaram cerca de 100 alunos, o aluno David Andrade 9º B-EBSA, ganhou o Bruno 1º lugar e os alunos RoLopes e berto Costa-7ºA FC, BruDiana Smintina no Lopes-8ºD-

6

Roberto Costa

houve lugar para um lanche de confraternização preparado com gosto e profissionalismo pelos alunos CEF9 "Serviço de Bar", do 1.º ano, supervisionados pelo formador Renato. O momento alto deste convívio contou com a oferta de dois magníficos bolos confecionados pelos encarregados de educação dos alunos participantes. Margarida Brazão

FC, e Diana Smintina 9º EBSA ficaram todos em quarto lugar. Os 4 alunos apurados participaram na Finalíssima das Olimpíadas da Matemática que se realizou no dia 8 de Maio, pelas 14:30 horas, na universidade do Algarve- campus de Gambelas, também acompanhados pela professora Dilar Viegas. Nesta finalíssima, ao nível do Algarve, em que participaram 56 alunos, o aluno David Andrade do 9ºB da EBSA ganhou o 2º lugar. Parabéns!

Os 3 primeiros classificados na final do Barlavento


Foi no passado dia 12 de Abril que os laboratórios de Biologia da EBSA contaram com uma equipa de investigação que tinha um árduo desafio pela frente: desvendar um «crime» utilizando técnicas de Genética Molecular! Graças a um protocolo de cooperação com o projeto Lab-It, da Universidade do Algarve, foi possível aos alunos de Biologia do 12º A e à Sara Carina, grande vencedora do concurso "Câmara, Genética...Ação!", manipular uma série de instrumentos e técnicas de extra-

ção, amplificação e análise de ADN recolhido de fluidos orgânicos (sangue e saliva) no local onde foi encontrada a «vítima». Sob orientação da Dra. Sara Mira, investigadora na área de Genética Molecular da Universidade do Algarve, e dos professores de Biologia, Fátima Anica e Marco Neves, o empenho da equipa foi total em todas as etapas desta atividade, o que contribuiu decisivamente para o sucesso das análises efetuadas.

UMA AULA DIFERENTE

preparatório para esta aula, o Professor João Seixas solicitou que os nossos alunos respondessem a algumas questões e fizessem uma pesquisa sobre o trabalho desenvolvido no CERN. Durante a videoconferência desmistificou algumas das ideias dos nossos alunos e respondeu a um conjunto de questões por estes elaboradas. Os alunos ficaram a compreender melhor a “famosa” partícula de Deus ou bosão de Higgs, muito falado na comunicação social. Com esta aula diferente, os alunos puderam compreender melhor alguns conteúdos lecionados na disciplina Física e Química A, bem como a sua aplicação prática. Uma experiência única e que certamente não irão esquecer.

No passado dia dez de maio, realizou-se no auditório da EBSA uma aula de Física diferente. Os alunos dos 10º, 11º e 12º anos do Curso de Ciências e Tecnologias estiveram em comunicação com o CERN (Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear), na Suíça. Tal só foi possível porque o Professor João Seixas do Instituto Superior Técnico, que neste momento se encontra a trabalhar no CERN, aceitou o desafio de falar com os nossos alunos através de videoconferência. O CERN é um dos maiores centros de investigação do mundo, onde milhares de cientistas todos os dias desenvolvem os maiores e mais complexos instrumentos científicos para posteriormente criarem as condições necessárias para estudo dos constituintes básicos da matéria e das interações fundamentais, o que permite a demonstração das teorias fundamentais da física de partículas e a descoberta dos princípios elementares da criação do mundo como o conhecemos. Como trabalho

Marco Neves

As professoras, Fátima Anica e Mariana Teles

7


Campeãs Nacionais Juvenis

Basquetebol do Desporto Escolar / 2013 Após a consagração regional, por dois anos consecutivos, a equipa de Basquetebol Feminino – Juvenis do nosso agrupamento disputou os Campeonatos Nacionais do Desporto Escolar que se realizaram na cidade de Évora nos dias 10, 11 e 12 de Maio de 2013. Depois de jogos bastante equilibrados, em que a entrega e determinação das nossas jogadoras foi total e até ao último segundo, a equipa conseguiu sagrar-se Campeã Nacional do Desporto Escolar. Parabéns a todas. Na foto, de cima para baixo e da esquerda para a direita: Leandra Cortez; Barbara Xabregas; Vera Santos; Leonor Abreu; Laura Zander; Gabriela Batista; Prof. Elói Sousa; Júlia Domingos; Mafalda Vicente; Ana Santos; Mariana Silva; Isadora Silva e Leonor Pires. Participaram na conquista deste Título Nacional a Adriana Correia, a Ana Barnabé e a Vera Luz, mas que, por motivos pessoais, Muitos parabéns! Será sem duvida uma recordação não puderam participar nas Finais Nacionais. Um enor- para a Vida! me agradecimento ao Ion Moroi, árbitro acompanhanAtualiza-te em: http://www.facebook.com/ te da equipa que realizou também um excelente cam- desportoescolar.deaealbufeira Elói Sousa peonato e tirou esta fotografia que servirá para a posteridade. O nosso agrupamento também viu os seus alunos sagrarem-se Campeões Regionais de Basquetebol Masculino iniciados 2013, sob as orientações do Treinador João Moura, e Campeões Regionais de Futsal Infantil Masculino, com o professor Eduardo Magalhães nos comandos. No dia 3 de junho realizou-se o Encontro Final de Escola Ativa no Estádio Municipal de Albufeira. Ficam aqui registados alguns momentos desse dia.

EBSA conquista o 1º Prémio no Concurso “Respira Livremente, Defende os Teus Pulmões” Os alunos da turma D do 9º ano da Escola Básica e Secundária de Albufeira, no âmbito da disciplina de Ciências Naturais, no tema Sistema Respiratório, participaram no concurso “Respira Livremente, Defende os teus Pulmões”, promovido pela Fundação Portuguesa do Pulmão. O trabalho intitulado “Poluição” realizado pelo aluno Hugo Alves conquistou o 1º prémio, na Categoria Literatura, Subcategoria Poesia, escalão 2º e 3º ciclo. O Júri do concurso salientou a qualidade dos projetos apresentados, sendo demonstrativos de grande empenhamento dos seus executores e de terem 8 sido alcançados os objetivos de sensibili-

zação para a importância do combate ao tabagismo e à poluição atmosférica. A proclamação dos vencedores foi feita no dia um de junho, durante a Feira da Saúde Respiratória que se realizou em Lisboa no jardim da Torre de Belém, conforme programa que pode ser consultado www.fundacaoportuguesadopulmao.org Parabéns aos nossos alunos!

no

site

Carla Dinis


Ao longo do segundo e terceiro períodos, foi desenvolvido o projeto “Está na tua mão… não fumar!” pela turma B do oitavo ano de escolaridade da Escola E.B. 2/3 Dr. Francisco Cabrita. A Diretora de Turma Sandra Pina Gonçalves em parceria com a professora Conceição Vieira, as enfermeiras Martine Braun e Vera Andrez, bem como a psicóloga Ana Rita Leitão, dinamizaram atividades com a turma em questão após ter sido realizado um estudo acerca dos consumos da comunidade escolar. Na sequência de três sessões levadas a cabo pela enfermeira Vera Andrez e pela psicóloga Ana Rita Leitão, subordinadas aos temas do tabagismo e da assertividade, a turma elaborou trabalhos com a finalidade de desenvolver uma consciência acerca das consequências e dos malefícios do tabaco para os transmitir à turma B do sexto ano de escolaridade, da mesma escola, no Dia Mundial Sem Tabaco (31 de maio de 2013). Neste mesmo Dia, no final da apresentação dos trabalhos, os alu-

nos do 8ºB, juntamente com a enfermeira Martine Braun, esclareceram dúvidas aos alunos do 6ºB acerca do tabagismo e realizaram com estes um jogo de papéis (role-playing) para trabalharem comportamentos assertivos relacionados com a pressão de pares na adolescência. A atividade terminou com a distribuição de autocolantes elaborados pelos alunos da turma E do décimo ano da Escola Básica e Secundária de Albufeira na disciplina de Plástica, lecionada pela professora Ascensão Marrachinho, os quais também desenvolveram um projeto em torno do tabagismo em parceria com as enfermeiras Vera Andrez e Martine Braun e com a psicóloga escolar. Para além dos autocolantes, alguns alunos receberam ainda marcadores de livro elaborados pelos alunos da turma B do 8º ano da Escola E.B. 2/3 Dr. Francisco Cabrita. As professoras, Sandra Gonçalves e Conceição Vieira

Esclarecimento de dúvidas sobre o tema do tabagismo com a colaboração da enfermeira Martine Braun (Dia Mundial Sem Tabaco).

Sessão sobre tabagismo levada a cabo pela enfermeira Vera Andrez na turma B do 8º ano da Escola E.B. 2/3 Dr. Francisco Cabrita (22 de abril).

Apresentação dos trabalhos do 8º B aos alunos do 6º B da Escola E.B. 2/3 Dr. Francisco Cabrita no Dia Mundial Sem Tabaco (Auditório da escola).

DIA MUNDIAL SEM TABACO 31 de Maio No âmbito do Projeto “Está na tua mão… não fumar!”, os alunos do Curso Profissional Técnico de Apoio à Infância, turma 10ºE, receberam formação das enfermeiras da Saúde Escolar e da psicóloga da Escola sobre o tema do tabagismo. Com os conhecimentos adquiridos elaboraram, nas aulas de TIC, várias apresentações

multimédia que foram exibidas aos alunos das turmas 7ºA, 7ºB, 7ºD, 8ºA e 8ºD, no dia 31 de Maio. Nesse mesmo dia foram distribuídos autocolantes, por eles produzidos nas aulas de Plástica, a toda a comunidade escolar. Os alunos do 10ºE aproveitaram o momento para esclarecer e sensibilizar os colegas mais novos sobre os malefícios do tabaco.

Jogo de papéis (role-playing) sobre assertividade realizado por alunos das turmas B do 6º e do 8º ano de escolaridade.

As professoras, Fátima Anica e Manuela Lopes

Distribuição de autocolantes elaborados pelos alunos da turma E do 10º ano da EBSA na disciplina de Artes e de marcadores de livro produzidos pelos alunos da turma B do 8º ano da Francisco Cabrita.

No Dia Mundial Sem Tabaco, os alunos do 10ºE visitaram a aula de Alemão do 8ºD, e sensibilizaram os colegas para os maléficos do tabaco. Fizeram o mesmo nas aulas de História do 7ºA, de Geografia do 7ºB, de Português do 7ºD e de FísicoQuímica do 8ºA.

Neste dia, os alunos do 10ºE, distribuíram autocolantes, por eles produzidos.

9


A turma do 5º C (FC) foi até à pal de Albufeira, a Associapraia da Oura, numa ativida- ção de Nadadores Salvade integrada dores de no "Projeto Albufeira, Saúde e Segurepresentanrança na tes do CenPraia", com a tro de Saúde professora e directora de turma Helena de Albufeira Miranda, os técnicos da Câmara Municie a Autoridade Marítima. A vencedora deste ano do concurso “Saúde e Segurança na Praia”, promovido pela Câmara Municipal de Albufeira é a Mariana Ataíde do 5ºC da Escola Dr. Francisco Cabrita. Parabéns ao nosso Agrupamento, mais uma vez!

tendo sido detetadas algumas situações que careComemoração do Dia Aberto da Saúde Oral cem de uma intervenção posterior. Estes dados foram A Equipa da Educação para a Saúde promoveu, na comunicados aos respetivos diretores de turmanhã do dia 14 de maio de 2013, uma ativima que farão chegar a informação aos Encardade relacionada com a comemoração do regados de Educação dos alunos em causa. Dia Aberto da Saúde Oral, na Escola E/B 2,3 Uma iniciativa semelhante teve lugar na EscoDr. Francisco Cabrita, levada a cabo pelo Dr. la Básica e Secundária de Albufeira no dia 18 Hugo Santos, higienista oral do Centro de de abril, da parte da manhã. Também neste Saúde de Albufeira. Dia Aberto, o objetivo consistiu em fazer um Esta atividade destinou-se a toda a corastreio oral a eventuais interessados da comunidade escolar. munidade escolar, esclarecer dúvidas e sensiVários foram os alunos que aderiram a bilizar para a temática da higiene e saúde oral, esta iniciativa e acorreram ao Gabinete de Educação para privilegiando os alunos do nosso agrupamento. a Saúde, para efetuarem um rastreio gratuito. A equipa de Educação para a Saúde do Agrupamento O higienista oral observou um total de vinte alunos, O Curso de Educação e Formação de Serviço de Bar participou com 3 alunos e seu formador no passado dia 17 de Março no XXI concurso Nacional de Cocktails – fase regional. O concurso contou com a presença de 27 concorrentes, os quais elaboraram 5 composições de bar de sua auto-

10

ria. O Aluno Guoxin Huang ficou em 7º Lugar ficando apurado para disputar o Nacional no dia 7 Abril na Sede da Associação Barmen do Algarve em Albufeira. Nesta fase final o aluno ficou no 13º lugar e o seu formador (Renato Pires) em 2º lugar. No dia 3 de Maio o mesmo aluno ficou classificado em 1º lugar no 4º concurso de bar interescolas que se realizou no castelo de Silves.


Entende-se por primeiro socorro o tratamento inicial e temporário ministrado a acidentados e/ou vítimas de doença súbita, num esforço de preservar a vida, diminuir a incapacidade e minorar o sofrimento. O primeiro socorro consiste, conforme a situação, na proteção de feridas, imobilização de fraturas, controlo de hemorragias visíveis, desobstrução das vias respiratórias, reanimação e ventilação artificial, sendo que o socorrista, não substituindo nem um médico nem um enfermeiro, evita em muitos casos o agravamento do acidente. Na prática, infelizmente, os acidentes acontecem nas nossas escolas quando menos esperamos e nesse sentido urge saber aplicar técnicas de primeiros socorros da forma mais correta e em tempo útil, o que pressupõe, também, a existência de uma caixa de primeiros socorros devidamente apetrechada (seguindo as recomendações da Administração Regional de Saúde). Neste contexto, considerou-se importante realizar uma ação de formação dirigida ao pessoal que mais diretamente contacta com os alunos acidentados nas escolas, ou seja, aos assistentes operacionais do nosso agrupamento, de modo a sensibilizá-los para a uniformização de procedimentos em relação aos primeiros socorros. Assim, teve lugar na Escola Básica e Secundária de Albufeira, na interrupção letiva da Páscoa, no dia 26 de março, uma ação de formação designada “Caixa dos Primeiros Socorros – Material e Utilização”, a qual abrangeu cerca de 40 assistentes operacionais do Agrupamento de Escolas de Albufeira. Na referida formação, foram abordados temas como a caixa de primeiros socorros, respetiva gestão de material e noções básicas de socorrismo, incidindo nos acidentes que com mais frequência acontecem nas escolas: hemorragias, feridas, picadas, mordeduras, lipotímia-desmaio, crise convulsiva, hipoglicemia, queimaduras, intoxicações e asfixia/sufocação.

A ação de formação foi levada a cabo pelas enfermeiras Vera Andrez e Martine Braun, do Centro de Saúde de Albufeira, e os formandos tiveram oportunidade de contactar diretamente com materiais da caixa de primeiros socorros, praticar a 1-Desinfeção das mãos. técnica correta da lavagem de mãos (1) e simular algumas ações de socorrismo, nomeadamente, a desinfeção de feridas (2), a manobra de Heimlich (3) e a Posição Lateral de Segurança (4). A ação de formação “Caixa dos Primeiros Socor- 2-Simulação do tratamento de uma ferida. ros – Material e Utilização” foi levada a cabo em todas as escolas do concelho de Albufeira esperando ser um contributo para que existam, em cada escola, assistentes operacionais com formação em primeiros socorros, assim como o material/ equipamento mínimo 3-Manobra de Heimlich. necessário.

A Coordenadora de Educação para a Saúde, Conceição Vieira

4-Posição Lateral de Segurança.

11


EB1/JI da Correeira

A professora Graça Pinheiro e os seus alunos da turma A do 3º Um dia, ao discutirem, a mãe lembrou-se que há ano da EB1/JI da Correeira leram o livro “Segredo do Rio”, de pouco tempo tinha visto um peixe no pequeno rio e Miguel Sousa Tavares. Um dos alunos, o André Silva, elaborou um resumo sobre a história. Talvez desperte a curiosidade pela que isso lhes daria alguma comida. O rapaz, ao ouvir aquilo, ficou muito assustado. Foi logo a correr para leitura deste ou de outros livros…

O segredo do Rio

junto do peixe, avisa-lo que tinha de sair dali rapidamente senão era morto. Com isto tiveram que se despedir e o menino, já chorando, disse-lhe adeus e que gostava imenso dele. No dia seguinte, com grande espanto, o pai vai ao rio e não vê nada. Nessa noite o jantar foi muito triste. Estavam todos desanimados por não terem apanhado o peixe, menos o menino, claro! Passaram duas semanas até que o menino foi até ao rio olhar para as estrelas, mas logo que olhou para o rio viu o peixe e até os seus olhos brilharam de alegria. O peixe tinha arranjado uma solução. Trouxe um saco cheio de comida que estava num barco afundado no rio. Teve uma pequena ajuda das raposas, pois de outro nodo não conseguiria trazer tanta comida do fundo do rio sozinho. O rapaz ficou muito feliz, pois assim já tinha comida. O rapaz ficou tão contente que decidiu que ia contar aos pais que tinha sido o peixe a arranjar o saco. E assim foi. No dia seguinte, o rapaz levou os pais ao rio e contou-lhes tudo menos a parte em que o peixe falava e que eles brincavam, senão os pais iam achar que o rapaz estava maluco. Durante toda a manhã os pais estiveram a arrumar a comida. Quando tudo ficou arrumado, e depois de almoçar, o pai foi fazer uma tabuleta a dizer: “Proibido pescar neste local”. O rapaz, no dia seguinte, também fez uma tabuleta a dizer: “Este rio tem um segredo e esse segredo é só meu”.

Era uma vez um rapaz que vivia numa casa no campo. À volta da casa havia um pomar. Por isso, havia sempre fruta da época em quantidade. Em frente da casa havia um rio. O rapaz brincava no rio o tempo todo, sempre que não chovia. Numa tarde de Primavera, o rapaz estava no rio e, de repente, ouviu um barulho na água. Era um grande peixe qua dava saltos lá dentro. O rapaz, sem coragem para fugir, ficou a olhar para ele. Entretanto, ouviu o peixe falar e ficou espantado. Mas, depois de falarem e de se apresentarem, o peixe contou-lhe a história da sua vida. Contou-lhe que tinha vivido num aquário que pertencia a uma família com um menino, que era o seu dono, e que tinha mais ou menos a sua idade. O menino estava sempre a dar-lhe comida e assim ele foi crescendo até que não cabia no aquário. A mãe do menino combinou que ele tinha de ser lançado a um rio, onde viviam os outros peixes. E assim fez. E daí o peixe foi nadando até que chegou ao pé da casa do rapaz. O rapaz ficou muito preocupado com o peixe. Ele não tinha casa para viver e se alguém soubesse que ele “morava” ali matá-lo-iam. Então o rapaz fez um acordo com o peixe, que ele podia morar ali, mas ninguém podia saber que estava lá, senão ainda iam pensar que estava maluco por falar com um peixe. Passou o Verão e o rapaz brincava com o peixe os dias inteiros. Veio o Outono e, em vez das chuvas, os dias contiConclusão nuaram quentes com o sol sempre a brilhar. O rapaz Os animais também são nossos amigos. estava muito feliz, porque isso permitia-lhe continuar a Com este livro aprendi que devemos ser amigos de tomar banho no rio. Mas, os pais do rapaz não estavam assim tão felizes, porque os campos de cultivo estavam todos e fazer com que todos sejam nossos amigos. A amizade é um sentimento muito forte e ao qual a secar e eles estavam a ficar sem comida. E mesmo o que vendiam rendia pouco dinheiro e já não chegava devemos dar muito valor. André Silva – 3ºA, nº 1 para as despesas. Os pais até já discutiam.

12


A professora Mónica Félix (da turma 2.ºC da EB1/JI da Correeira), como forma de consolidar os conteúdos programáticos na área de estudo do meio e permitir aos alunos perceberem as várias funcionalidades dos lares e das creches, realizou uma visita de estudo ao Centro Social e à Creche da

Quinta da Palmeira. Os alunos elaboraram flores da amizade e ofereceram-nas aos idosos residentes no centro. No âmbito do mês da Prevenção dos Maus Tratos na Infância todas as turmas da EB1/JI de Correeira, uniram-se e pintaram laços azuis para celebrar esta data, aderindo ao desafio do CPCJ.

Coordenadora de Estabelecimento Prof. Sílvia Alegria

Brigada Pirilampina e Brigada Reciclex A EB1/JI de Correeira participou no Concurso das Brigadas Positivas, da Galp Energia. Cada turma elegeu um ou dois elementos para participar. Foram feitas reuniões semanais com a Coor-

denadora de Estabelecimento. Foram realizados, pelas brigadas Pirilampina e Reciclex, cartazes, folhetos e etiquetas apelativas à poupança de energia e à reciclagem. Destacou-se também a recolha de papel para o Banco Alimentar. Coordenadora de Estabelecimento

Prof. Sílvia Alegria

13


EB1/JI Vale Pedras

No âmbito da área disciplinar de Estudo do Meio e na abordagem ao tema “Os seres vivos do meu ambiente”, as turmas do 1ºA e 1ºB de Vale Pedras projetaram a criação de uma horta/jardim no espaço da escola. Para que tal ideia se concretizasse, contamos com a preciosa colaboração dos Encarregados de Educação, que desde a organização do espaço à sementeira, se mostraram disponíveis e participativos. Desta forma, os nossos alunos experienciaram a sementeira/ plantação e têm a responsabilidade de cuidar do espaço. OBRIGADA, PAIS. Sónia Pinto As nossas plantas São regadas com carinho e alegria Ver as sementes a crescer Até parece magia.

Temos um espantalho Com roupa muito janota Que faz algum barulho E assusta os pássaros da horta. (Quadras elaboradas pelos alunos)

EB1/JI dos Caliços Visita à Ribeira de Quarteira e Castelo de Paderne No dia 11 de abril de 2013 pelas 9:30m, a nossa turma foi visitar e fazer uma caminhada junto à ribeira de Quarteira que fica situada na vila de

pouco cansativo. Finalmente chegamos ao castelo, o Luís e a Marisa (os monitores/técnicos da câmara) explicaram-nos e aprendemos sobre a historia do castelo e sobre muitas espécies de animais e plantas. Nós gostamos muito de fazer esta visita.

Paderne. No caminho pedestre vimos muitas plantas selvagens, tais como: rosmaninho, palmeiras anãs, tojo, tomilho, papoilas, canas de bambu, etc, etc. Também ouvimos as rãs, alguns pássaros e coelhos, estes também são selvagens. Durante o passeio passamos pela ponte islâmica (que era a única passagem para o castelo de Paderne), por um antigo moinho com Texto realizaforno, onde do em grupo. se cozinha o Passado a pão e todo o computador percurso foi por André e Ana Luíza. muito interessante mas um

14


Inserido no projeto da nossa turma “A escola da família”, os nossos pais visitaram-nos à sala de aula para lerem algumas historias do PNL como “Livro com cheiro a chocolate”, “Domingos” e o “Dragão”. Os pais começaram por apresentar os livros, a capa, contracapa, autor e ilustrador. No final fizeram-nos questões e ainda desenhamos o que dizia respeito à introdução,

No passado dia 14 de março de 2013, realizou-se um concurso de karaoke na escola EB 2/3 Dr. Francisco Cabrita, o qual foi organizado pela professora Sandra Pina Gonçalves. O evento contou com a colaboração de alunos, professores e funcionários, os quais fizerem parte do júri. A professora em causa destacou, em termos de colaboração na organização, o aluno Carlos Ferrão, nº 5, da turma A do oitavo ano. Participaram no concurso alunos de vários anos e ciclos de ensino, cantando individualmente ou em grupo. O 1º lugar foi conquistado pela aluna Joana Gaspar, nº 15 (5ºA), cantando a música de Jessie J. “Price Tag”. Em 2º lugar ficaram alunas do 7ºD (Ana Teixeira, Emília Martins, Alice Jorge, Alexandra Silva, Khrystyna Kliva-

desenvolvimento, conclusão e a parte que mais gostamos. Passamos umas tardes diferentes, divertidas e ainda nos surpreenderam com gostosas guloseimas! Gostamos muito destas visitas e as dos nossos pais são sempre bem vindas à nossa sala. Turma: 2ºA - EB1/JI dos Caliços

nets, Filipa Costa, Laura Tintim e Natacha Andrade) e do 6ºA (Rebeca Faria), as quais cantaram a música de Justin Bieber “Beauty and a Beat”. Alcançaram, ainda, o 3º lugar os alunos do 9ºB, tendo cantado a música de Chris Brown “Don’t wake me up”. Foram ainda mencionados, entre os participantes, os alunos Carlos Beijinha (8ºD) e Ana Margarida Santos (9ºB), os quais, apesar de não terem ficado entre os três melhores, revelaram-se verdadeiros cantores e artistas. A docente Sandra Pina Gonçalves considerou que o balanço foi, mais uma vez, francamente positivo e está a planear mais um evento musical para comemorar o final do ano lectivo para o nono ano de escolaridade, o qual contará com a participação de alunos da escola sede e que frequentam o nível secundário. Sandra Gonçalves

Poema “A Restauração da Independência - 1640” Naquele dia Ouviu-se um grupo de nobres caminhar Chegaram ao paço Para a dinastia terminar.

Naquele dia A revolta aconteceu Duquesa de Mântula Assim se prendeu.

Naquele dia Que grande sensação Vão-se embora os espanhóis E que venha D. João.

Naquele dia Tudo ficou bem De novo as especiarias Sem guerras também.

Naquele dia Ouviu-se gritar “Liberdade! Liberdade! D. João IV vai reinar.”

Joana Gaspar 5º A- HGP Professora Regina Baptista

15


Ao longo do segundo e terceiro períodos, foram realizadas atividades diversas na Unidade de Intervenção Especializada da nossa escola. A atividade do dia dos namorados foi comemorada no dia 14 de fevereiro. Os alunos da UIE construíram um marco do correio que foi pintado a vermelho e enfeitado a rigor. O marco foi colocado no átrio da escola acompanhado com cartazes diretivos para a colocação de mensagens de amizade/amor por parte de quem quisesse participar – alunos, professores e funcionários. Aquando da abertura do lindo marco as cartas não abundaram, mas as mensagens contidas em algumas delas eram verdadeiras trovas de amizade/amor. Foram escritos poemas singelos, cartas de amor e de amizade que não podemos revelar, pois segundo a nossa opinião:

- O segredo é de ouro e preservá-lo é um tesouro. Depois de separadas as cartas por turmas fomos entregá-las em mão às mesmas. Enquanto carteiros das mensagens de amizade/ amor, verificámos que alguns alunos ficaram perplexos com dedicatórias inesperadas. Em suma, esta atividade foi de agrado geral, a adesão foi positiva e as trocas de carinho recebidas são o nosso maior triunfo. A todos um muito obrigado pela participação!

Ainda na celebração de dias festivos, na nossa Unidade foram construídas máscaras para festejar o dia de Carnaval. Como podem ver nas fotografias o nosso disfarce ficou colorido e muito engraçado. Este dia foi vivido com muita alegria e divertimento. Quanto às festividades da Páscoa, também foram realizados trabalhos diversos que remontam para aspectrabalhos diversos relativos a essa época. tos culturais próprios da época em causa. Em grupo, ou individualmente, construímos, desenhámos, pintámos e colámos É ainda importante referir as aprendizagens adquiridas no dia 25 de abril e dia 1 de maio. Estivemos na biblioteca da nossa escola com colegas a ouvir testemunhos reais de membros ativos da nossa escola, relativos aos dias em causa. Tendo em atenção os nossos trabalhos queremos aqui deixar registado outros lavores que levámos a cabo neste período e que despertaram em nós

curiosidade, muito empenho e um enorme contentamento quando vimos o resultado final. Contudo, este trabalho é o fruto de muita interajuda desde professores, técnicos e assistentes operacionais que nos aconselham e nos incentivam para que o resultado seja sempre aprazível para nós. Reparem nas fotografias, bonito não?

Entre as muitas atividades realizadas salientamos uma que se destinava também para a comunidade educativa; a visita à feira do livro no dia 8 de março. Fomos todos entusiasmados e ficámos muito surpreendidos com tantos livros. Os livros reportavam-se a várias áreas do conhecimento e como é de prever, cada um de nós identificou-se com um livro quer pela ilustração sugestiva quer pelo seu título. Ainda nesta visita tivemos uma enorme surpresa, a leitura expressiva de dois contos que fazem parte do património oral português “A Bela Adormecida” e o “Rei Artur”, pela professora Fátima Silva. O segundo conto contou com uma ilustrativa encenação sob a responsabilidade da animadora cultural Ana, alunos

Diogo, Carlos e o Carlos da UIE. Em ambas as histórias aprendemos que a bondade é o melhor bem que possuímos. Atentem no registo das fotografias da atividade realizada. Também fizemos parte da plateia que assistiu ao desfile da feira do livro. Bem, todos nós adorámos a atividade e claro também concordamos com a votação do júri. Regis-

16

tamos a nossa presença neste evento com muito agrado.


Existem dias importantes que precisam de ser relembrados diariamente porque contam com alguém muito especial. Assim, lançámos mão à obra e construímos um arranjo floral em papel para ofertar a uma “mulher” muito especial - a mãe, a encarregada de educação ou outra mulher que seja especial para nós. Inicialmente, a tarefa não parecia nada fácil, mas todos juntos pensámos, construímos e aplicámos as ideias. O resultado foi

estes raminhos de flores construídos em papel colorido. Como podem constatar, uma equipa coesa constrói maravilhas com resultados bastante apelativos. Todos nós oferecemos o nosso raminho a alguém muito especial que admiramos por razões que só a razão sabe e o coração conhece. A aluna Tânia da UIE ofereceu o seu raminho à sua diretora de turma, uma mulher especial, tal como podem constatar na fotografia.

Dando continuidade ao nosso trabalho Em suma, já Cazus referia: relativo ao poder da terra ainda nos Flores são flores dedicámos à plantação de flores/plantas Vivas num jardim diversas em vasinhos improvisados. Foi uma experiência agradável, cada um de Pessoas são boas nós escolheu a sua planta/flor e como Já nascem assim bons trabalhadores lançámos a semen- Flores são flores te à terra. Este trabalho foi exposto Colhidas sem dó junto à entrada da escola. Cada um de Por alguém que ama nós vai regar o seu canteirinho diaria- E não quer ficar só… mente e é bom ver as plantas crescer. Sigam as fotografias que refletem os passos do trabalho realizado. Adorámos também o Karaoke de inglês. Todos os participantes cantaram como lindos rouxinóis sempre batendo o pezinho ao som da música. Marcámos também presença cantando e dançando em harmonia com todos os presentes. Ao longo do ano letivo, contamos sempre com a presença de professores e técnicos

que vêm trabalhar connosco. Aguardamos estes momentos com muita expetativa, pois todos os segundos são preciosos e de uma mais-valia extrema no nosso percurso escolar, obrigada por tudo o que nos dão e fazem sentir.

No dia 18 de maio teve lugar uma visita à escola de trânsito Obrigado a todos pelos momentos vividos!!!! de Albufeira. Marcaram presença alunos da Educação Espe- Amiguinhos, aqui ficam os nossos registos deste dia maravicial da Escola EB 2/3 Dr. Francisco Cabrita lhoso. e Escola Básica e Secundária de Albufeira. A primeira parte da visita foi marcada por uma exposição teórica sobre os sinais e regras de trânsito que devemos ter sempre presentes. Na segunda fase, a parte mais prática, fomos aplicar tudo o que aprendemos em terreno verdadeiro (estrada, passadeiras, sinais de trânsito e luminosos) num espaço próprio da escola de trânsito. Escolhemos os nossos veículos e começámos a nossa viagem em estrada. Tudo correu bem, pois os ensinamentos recebidos marcaram as nossas passadas/viagens Não há satisfação enquanto peões e enquanto condutores de veículos em maior do que faixa de rodagem. Não se registaram acidentes porque soaquela que sentimos jovens conscientes da prevenção rodoviária. No final mos quando prode todo o percurso regressámos à sala e ouvimos uma linda porcionamos alemúsica acompanhada pela mascote da escola de trânsito. gria aos outros. Foi a euforia total, porque a música ainda nos alegrou mais M. Taniguchi e a mascote era linda de morrer, seria tão bom poder levá-la connosco!

17


O efeito de estufa é algo de que todos nós já ouvimos falar, mas será que sabemos realmente o que isso é? Como funciona? O que pode causar? Eu fui entrevistar uma pessoa que é especialista neste assunto. O Sr. Geógrafo irá esclarecer todas as nossas dúvidas e desvendar o que podemos fazer para um mundo melhor.

Corina – Bom dia, Sr. Geógrafo! Geógrafo – Bom dia! Corina – Fale-nos do Efeito de Estufa e da sua investigação acerca do assunto. Geógrafo – Bem, o Efeito de Estufa é uma função da atmosfera que tem como objectivo o aquecimento da parte inferior da troposfera, ou seja a superfície terrestre. Corina – E como ocorre esse fenómeno? Geógrafo – O sol emite radiação solar que vem em direcção à Terra, desta radiação 25% é reflectida e 26% absorvida nas camadas superiores. Da radiação que atinge a superfície terrestre, 6% é reflectida pela Terra e 43% absorvida, sendo posteriormente transformada em energia calorífera. Corina – E o que acontece a essa energia calorífica? Geógrafo – É posteriormente libertada através da radiação terrestre, sendo uma parte enviada para o espaço enquanto outra fica retida, devido aos gases com efeito de estufa, na atmosfera voltando para a Terra. Este é o processo do efeito de estufa. Corina – A maioria das pessoas tem uma ideia errada acerca dos efeito de estufa, não é assim? Geógrafo – Infelizmente sim, muitos desconhecem o verdadeiro significado deste fenómeno da natureza, é algo natural e não algo mau nem algo que vai acabar com o mundo. Quer dizer, supostamente não deveria. Corina – O efeito de estufa também é importante, certo? Geógrafo – Sim, aliás se não fosse o efeito de estufa não haveria vida na Terra, ou pelo menos não da maneira como a conhecemos, a temperatura média seria -18ºC, logo, nem havia água liquida. Assim, pelo menos temos uma temperatura média de quase 15ºC o que nos pro-

18

porciona este clima. Corina – O problema está no aumento do efeito de estufa. Mas por que é que isso acontece? Geógrafo – Porque a concentração dos gases com efeito de estufa na atmosfera está a aumentar. Corina – A que é que isso se deve? Geógrafo – Deve-se à poluição atmosférica. Corina – Que consequências pode isso trazer? Geógrafo – Há várias consequências, porém apenas a longo prazo isso se vai notar, ou seja o efeito não é imediato porém não deixa de ser muito grave. Corina – As pessoas também não estão muito conscientes dessa realidade, não é assim? Geógrafo – As maioria das pessoas não se preocupa muito com o ambiente e isso vê-se. O aumento do efeito de estufa é responsabilidade nossa, dos seres humanos, uns mais do que outros, mas nossa. Corina – Que outras consequências existem? Geógrafo – Subida da temperatura média da Terra (aquecimento global) que consequentemente provoca dilatação térmica das águas superficiais dos oceanos e o degelo dos glaciares. Corina – Isso já está a acontecer? Geógrafo – Sim, porém as previsões são ainda mais assustadoras do que a realidade. Como a água do mar sobe, a erosão e as inundações serão inevitáveis nas ilhas e áreas costeiras de baixa altitude; também as migrações da população e a modificação de habitats naturais serão consequências; também há os riscos de salinização das reservas de água doce. Corina – Que novas informações há sobre as alterações climáticas? Geógrafo – O aumento de estufa provoca alterações na distribuição das temperaturas e da precipitação. Corina – O que isso pode significar para uma pessoa comum? Geógrafo – Isso significa que vai haver mudanças e temos de estar conscientes disso. Em alguns sítios vais chover mais, noutros vai chover menos, mas a nível global a precipitação irá aumentar. As temperaturas também. Corina – E que consequências isso pode trazer? Geógrafo – Inundações, furacões, ondas de calor, secas, etc. Corina – O que as pessoas podem fazer para tentar suavizar esses efeitos? Geógrafo – Podem começar por preocupar-se mais com o ambiente, tentar não poluir tanto com gestos banais mas que se todos contribuírem podem fazer a diferença, como, por exemplo: partilhar o carro, optar por transportes públicos, fábricas mais “limpas”, etc. Corina – Obrigada pelo entrevista Sr. Geógrafo e por partilhar a sua sabedoria connosco. Geógrafo – É o meu dever, protejam o ambiente!!!


No passado dia 5 de de maio comemorou-se o dia da mãe e a Tetra Pak lançou um desafio às Eco-Escolas de todo o país: criar um coração com embalagens Tetra Pak, para demonstrar o amor pela mãe e pela natureza. A nossa escola abraçou este desafio e a turma D do oitavo ano (FC) elaborou

um projeto, no âmbito dos conteúdos abordados na disciplina de Ciências Naturais - Gestão Sustentável dos Recursos - e do Programa Eco-Escolas. Apesar de não ser o vencedor merece ser apresentado a toda a comunidade educativa. Cumprimentos Ecológicos, A Equipa Eco-Escolas

Energia e as alterações climáticas

No próximo dia 5 de junho a turma irá receber o prémio Os alunos da turma D do oitavo ano de escolaridade da no Auditório da Escola EB 2, 3 Dr. Francisco Cabrita foram os vencedores CMA, pela manhã. do concurso promovido pela Divisão do Ambiente da CMA "Energia e as alterações climáticas". Os alu- Saudações Ecológicas, nos elaboraram um vídeo onde se podem observar com- A Equipa Eco-Escolas portamentos incorretos do uso da energia.

VISITAS DE ESTUDO NO ÂMBITO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA No dia 13 de Março os alunos de EMRC do 6º e 7º anos da EBSA e da Escola Dr. Francisco Cabrita deslocaram-se em visita de estudo a Mafra e a Lisboa. A visita contemplou o Mosteiro de Mafra durante a parte da manhã e o Mosteiro dos Jerónimos na parte da tarde. Participaram nesta visita 47 alunos acompanhados pelos professores Fernanda Silva, Emídio Teodósio, Regina Batista e Domingos Mendes.

Parque. Participaram nesta visita 51 alunos acompanhados pelos professores Emídio Teodósio, Hélia Saraiva, Paula RoNo dia 14 de Maio foi a vez dos 5ºs anos. Na desloca- cha e Domingos ção a Santiago do Cacém visitou-se as Ruínas Romanas Mendes. de Miróbriga – antiga cidade romana e o Badoca Safari Realizou-se no dia 19 de Abril, no auditório municipal de Albufeira, a final da 5ª edição do Concurso Speak Out Challenge, dinamizado pela Fundação Jack Petchey. Nesta final, estiveram presentes os 15 alunos finalistas dos concelhos de Albufeira, Loulé e Silves. Cada um fez a sua apresentação, com o máximo de 3m sobre um tema original, não sendo possível repetir discursos anteriores ou abordar os mesmos temas, por essa razão, foram feitas preparações prévias nas escolas para que tudo estivesse perfeito neste dia. Após todas as apresentações, o júri, (constituído, entre outros, pelos presidentes das Câmaras municipais de Albufeira, de Silves e pelo Diretor

Domingos Mendes

regional de educação), reuniu para deliberar, tendo concluído que a vencedora deste ano é a aluna Júlia Domingos do 9ºD da Escola E.B. 2,3 Dr. Francisco Cabrita. Os aluno classificado em 2º e 3º lugares são respetivamente, Luís Ramos de EB. 2,3 de Algoz e Lara André da E.B.2,3 Dr. Garcia Domingues de Silves. No final da cerimónia houve diplomas para todos e, claro, prémios especiais para a Júlia Domingos do nosso agrupamento que está de parabéns e para a Escola. Foram ainda distinguidos os professores que prepararam os alunos participantes no Speak Out Challenge. Maria José Leote

19


Eis-nos chegados já ao final deste percurso de JCE de um ano. E porque o cinema é também imagem decidimos despedir-nos com uma exposição levada a cabo nas aulas de Educação Visual da Professora Leopoldina Figueiras (com as turmas de sexto ano e a A do sétimo da EBSA), sobre alguns filmes premiados pela Academia. Uma homenagem à arte, que procura recriar os cartazes que fazem também parte da história do cinema! E esta altura presta-se também para balanços. E sorrimos de satisfação como Salvatore em menino … Parece que a escolha dos filmes foi do agrado da maioria dos alunos. Começámos com A Noiva Cadáver, do afamado Tim Burton; partilhámos com Os Coristas, de Christophe Barratier, as travessuras de miúdos…

Culminámos com Cinema Paraíso, de Giuseppe Tornatore! Nada melhor que acabar com esta metáfora: a do espaço, a do amor de uma criança curiosa – depois adulta – que ousa, que desafia quem lhe proíbe, que persegue a sua paixão, que olha, quase magicamente, o grande ecrã. Enfim, o cinema trazido à nossa e a qualquer outra realidade (em fotogramas facilmente reconhecíveis), com um beijo, escondido, fugaz, tímido, nostálgico, poético, mais ousado, longo, quente, real, apaixonado… e, mesmo que outrora proibido aos espetadores, à sétima arte… e com o qual nos despedimos, por agora. Bem hajam! A equipa do JCE, A professora Leopoldina Figueiras

alunos tiveram oportunidade de participar numa atividade Visita de Estudo à Associação “A Rocha” No passado dia 28 de maio, a turma B do 8º ano da Es- de anilhagem de aves, capturadas no local e libertadas logo após a atividade, de percorrer um trilho cola E.B. 2,3 Dr. Francisco Cabrita realizou de educação ambiental, onde puderam obuma visita de estudo à Associação “A Roservar o sistema de redes utilizado na captucha”, situada na Mexilhoeira Grande. ra das aves, uma horta biológica, adaptaA associação “A Rocha” é uma associações de algumas plantas às condições edafoção de educação ambiental que desenvolve climáticas da região, um compostor e um trabalhos de investigação na área da ecolosistema ecológico de tratamento de águas gia, sobretudo no âmbito da avifauna da Ria residuais, uma armadilha para captura de de Alvor, e que recebe turmas de vários borboletas noturnas (também estudadas ciclos de ensino das escolas do Algarve. por elementos da associação) e uma sala de A diversidade de habitats existentes naexposições. quela zona proporciona a observação de Esta visita de estudo realizou-se no âmbito uma grande variedade de aves típicas de da disciplina de Ciências Naturais e teve coestuários e sapais, aves marinhas e mo professores acompanhantes a docente aves associadas a campos agrícolas. Conceição Vieira (de Ciências Naturais) e o O reconhecimento da singularidade ecoprofessor Ângelo Rosa que leciona a disciplilógica da Ria de Alvor levou à sua classificana de Fisicoção como Zona Húmida de Importância InQuímica à turternacional (Convenção de Ramsar), Biótoma. po CORINE e Zona Especial de Conservação (Rede NATURA 2000). Conceição Vieira Na visita de estudo realizada pelo 8ºB, os

20


A Biblioteca é: Parte III

pretada com criatividade e um aguçado ato de pensar. É neste caldo de utilizadores tão diferenciados, que a “minha” biblioteca ganha identidade e serve uma comunidade mais alargada, numa oportunidade continuada de encontros e de partilhas de saberes, de modus operandi de os construir, para que no emergir de uma sociedade tecnologicamente, mais crescida e evoluída, sejamos capazes de dar corpo a um futuro mais profícuo e sorridente, com base num paradigma mais humanista. Contudo, algo perpassa – em comum entre todos estes atores – o lado criativo, o ato de pensar e as ideias, como uma estrutura significativa, para conseguir conhecimento. Para tal, e mesmo que esses atores, em interação, se vejam mergulhados num bailado de avanços e recuos, estrategicamente pedagógicos, nós homens e mulheres de hoje deveremos ser capazes de deixar às gerações vindouras um mundo feito de diálogo, ideias, sonhos e criatividade entre o que eternamente permanece e o que futuramente urge ter a sua própria identidade e idiossincrasia culturais e tecnológicas. O homem deve pôr a tecnologia ao seu serviço e não estar ao serviço da tecnologia, pois esta, sem essa vertente de humanismo criativo, deita por baixo um legado civilizacional secularmente rico, feito de encontros e de esperanças, num mundo multicultural, livre, sem peias e grilhões, e cada vez mais determinado na construção desse futuro, que será o espelho de nós mesmos, gerado neste nosso presente de ambiguidades, certezas e mudanças. Em suma, esta dialética inter-geracional e de interesses múltiplos que dá razão de ser a uma biblioteca escolar, “numa época em que as tecnologias e as pressões económicas acentuam a necessidade de fazer valer o papel e a necessidade de bibliotecas, no seio das quais a avaliação tem – por consequência – um papel determinante, permitindo-nos validar o que fazemos, como fazemos, onde estamos e até onde queremos ir, mas sobretudo o papel e intervenção, as mais-valias que acrescentamos” (1). Assim, se faz um bailado num palco que é a biblioteca escolar, onde o maestro é o Professor Bibliotecário, enquanto plataforma giratória em permanente diálogo com os demais intervenientes no concerto construtivo de aprendizagens (direção, departamentos, professores, alunos e pais / encarregados de educação), gerindo com liderança e com a definição coerente de estratégias de gestão e de integração da BE no seio da comunidade educativa., disponibilizando recursos múltiplos de informação, em diferentes ambientes e suportes para construir conhecimentos e avaliar os seus resultados.

A biblioteca deve ser o cadinho onde se mesclam e doseiam esses recursos diferenciados, para públicos diferenciados, agarrados aos seus pergaminhos de aprendizagem, porque todos são capazes de ser satisfeitos e agraciados com o acesso à informação ao seu alcance, de acordo com os seus instrumentos mentais e culturais, que apesar de tudo, lhes despertam o interesse e a curiosidade para estruturar conhecimento. Urge, portanto, processar dados e selecionar a informação para estruturar conhecimento, desde que se tenha em conta a superestrutura mental e graus culturais desses utilizadores, tão diferenciados, a saber: uns que tocam clarinete usando o teclado de um computador, outros que teclam um piano virtual, outros ainda que se limitam ao solfejo dedilhado, lendo – para isso – um simples livro ou revista. A biblioteca escolar é uma orquestra polifónica, como uma cascata de sons, onde várias vozes se mesclam harmoniosamente, cruzando-se entre si, se olham e descobrem em busca de conhecimento estruturante e estruturado, com resultados construtivos e evidentes, transformadores das competências e aprendizagens de todos os utilizadores. Deste modo, “o que verdadeiramente interessa e justifica a ação e a existência da “minha” biblioteca escolar não são os processos implicados, mas sim o resultado, o valor que eles acrescentam nas atitudes e nas competências dos utilizadores. Quero fazer da “minha” biblioteca um palco com todos esses atores intergeracionais (alunos, professores e pais/ encarregados de educação): primeiro, porque é prioritário colocar nesse palco todos aqueles que continuam livremente presos ao prazer de folhear um livro (a sua predileta matéria prima), porque com ele selecionam e descodificam informações gráficas e fonéticas imediatas, cuja visualização de símbolos gráficos lhe permitem estruturar um percurso de aprendizagens e de conhecimento próprios. Em segundo lugar, urge introduzir outros atores, em que o domínio das novas tecnologias lhes possibilita estruturar conhecimento de uma forma mais veloz e em maior quantidade/qualidade, porque os dados disponíveis, como matéria-prima, são obviamente muito maiores. Para estes basta ligar um computador, processar um alargado conjunto de dados e transformá-lo em informação e estruturar, daí, conhecimento estruturado e cognoscível. Por último, o palco continua disponível e aberto a todos aqueles cuja habilidade e destreza mentais assentem no processamento de dados, recolha de informação e estruturação Nota: de conhecimento global, à distância, pondo-se em comunicação com cibernautas dos mais recônditos locais do plane- (1) - in, The Evidence-Based Manifesto para a Escola de Biblita. Para isso, basta pôr-se, através da Internet, a comunicar otecários, de Ross Todd, pág. 3. com outros num tempo fugaz, rápido e imediato, pegando Texto de Joaquim José Veiga, Professor Bibliotecário na matéria em bruto e dar-lhe forma compreendida e inter-

21


No âmbito da comemoração do 39 º aniversário da Revolução de 25 de abril de 1974, decorreu, na Biblioteca da Escola Dr. Francisco Cabrita, entre os dias 23 e 30 de abril, uma exposição de cartazes realizados pelos alunos das turmas 6º B, C, D e E, na disciplina de História e Geografia de Portugal. No dia trinta de abril, e para comemorar este aniversário da implantação do regime democrático em Portugal, foi promovida uma sessão dinamizada pelos Professores Domingos Mendes, Fátima Dias e Regina Baptista. Foram cantadas can-

ções e tocadas algumas das músicas mais emblemáticas da Revolução dos Cravos e dados os testemunhos vivenciados desse acontecimento tão importante na vida social e política de Portugal. Esta sessão contou com a valiosa participação e empenho dos alunos do 6º C, 8º C e D e dos alunos da Unidade de Intervenção Especializada. Regina Batista

Ao longo da semana de 11 a 15 de março, a Biblioteca Dr. Francisco Cabrita, teve várias exposições patentes no local.

Exposição da Santillana Exposição do artista Manuel Ribeiro

Para além das exposições foram realizadas algumas atividades:  Aulas na biblioteca;  Encontro com o artista Manuel Ribeiro;  Visita à Feira do Livro de alunos da Escola da Correeira;  Visita e participação em atividades com os meninos da unidade;  Peddy paper.

Feira do livro

22

Algumas aulas de português foram realizadas na Biblioteca com leituras de contos e textos literários. Os alunos tiveram a oportunidade fazer a leitura dos textos, com os livros da Feira do Livro. Para além disso, também visitaram as exposições. Tivemos, igualmente, o prazer de receber três turmas da Correeira, onde as crianças consultaram, folhearam, manusearam e adquiriram alguns livros expostos na Feira do Livro. Houve oportunidade também de fazer partilha de leituras: três alunas do 2º ciclo leram contos aos meninos da nossa Unidade. Foram lidos alguns contos às crianças da Correeira, pela animadora Ana Lúcia Silva e por alunos do 5º e 6º anos. A verba obtida através do lucro da Feira do Livro vai ser usada na compra de livros. Desta vez, será direcionada exclusivamente para a aquisição de livros para o 3º ciclo e algum material necessário à Biblioteca.


O pintor Manuel Ribeiro com a sua variada audiência.

O artista Manuel Ribeiro apresentou o seu trabalho de pintura e escultura aos alunos do 9ºB e 8ºC, e outros alunos interessados na temática. O seu trabalho é bastante interessante onde a palavra e a natureza se cruzam com a pintura e a escultura. Foi uma apresentação interessante e de grande valor cultural.

O Peddy Paper foi realizado na quinta-feira e teve como participantes vários alunos de várias turmas, num total de 11 equipas. As três primeiras equipas foram premiadas com livros.

Do dia 2 ao dia 8 de abril, decorreu na Biblioteca Dr. Francisco Cabrita, a Semana da Leitura e do Mar. Ao longo desta semana, desenvolveram-se atividades direccionadas aos alunos, aos professores e à comunidade em geral, para festejar o livro, a leitura e o mar. Esta iniciativa permitiu que a leitura mostrasse a relevância histórica e cultural do mar, na construção da identidade do povo português, ajudando a (re) descobrir a pluralidade de dimensões do mundo. Dinamizamos atividades de promoção de leitura que envolveram os alunos, professores e crianças da escola da Correeira. Para além disso esteve sempre patente a nossa feira do livro, que permitiu aos vários alunos, o envolvimento com o livro. Puderam manusear, folhear, ler e utilizar o livro como instrumento de trabalho, para promoção da leitura e dinamização de atividades. Foi uma semana calorosa, envolvente, bastante diversificada e cheia de dinamismo. Tivemos desde contos ao desafio/ torneio Interturmas, onde os alunos foram desafiados a ler em dueto, visita e participação de algumas turmas da Correeira

para verem, visitarem a feira do livro e participarem em atividades, palavras cruzadas dinâmicas, leitores à babuja que meteram as mãos em massa de modelar e fizeram leitores bastantes originais, tivemos uma fantástica e original Passagem de Modelos com livros, que intitulámos de Moda Livro Albufeira. Nesta atividade houve grande envolvência de alunos desde o 5º ao 9ºano, alunos do CEF e alguns professores. Foi uma atividade brilhante, onde a criatividade, o entusiasmo, solidariedade e dinamismo estiveram de mãos dadas, pois, para além do evento em si, houve todo um trabalho por trás que deve ser mencionado. Para além do desfile de moda, com os alunos do 5ºA, 6º B, 6ºC, 7ºC, 7ºA, e dos alunos do júri 7ºA, 9ºD e 9ºA, tivemos a atuação brilhante de Rita Varela , que com a sua voz, fascinou todos os presentes e que envolveu o aluno Carlos na sua prestação.

Esta semana culminou com a realização de uma ativi- ta escola. dade direccionada aos alunos do 2º ano da Correeira, Um grande agradecimento a todos os presentes que dinamizada com a Professora Fátima Dias, o aluno Car- desta forma permitiram que estas atividades pudessem los Ferrão do 8º A e a Animadora Ana Lúcia Silva, para ser realizadas. além dos contos ao Desafio com a turma do 5ºC. A Animadora, Foi uma semana enriquecedora em vários sentidos, Ana Lúcia M. Silva unindo a arte, cultura literária, a solidariedade, e o potencial riquíssimo existente em cada interveniente, nes-

23


Páscoa na Alemanha (Ostern in Deutschland) Na Alemanha, a tradição cristã da Páscoa como a festa da ressurreição de Cristo, em que a morte não é vista como o fim e sim como o recomeço de uma nova vida, está ligada a elementos da mitologia germânica. Segundo Jacob Grimm, um dos famosos irmãos Grimm, o próprio termo alemão, Ostern, deriva de Ostara, a deusa germânica da primavera. Na escola E.B 2,3 Dr. Francisco Cabrita as turmas de alemão dos 7º e 8º anos comemoraram a época da Páscoa com a pintura de ovos, que é uma atividade muita típica desta época na Alemanha. Os alunos usaram várias técnicas para pintar os ovos. Quando os ovos são para pendurar, que foi o caso, os mesmos são esvaziados antes de pintar. Para isso fez-se cuidadosamente um buraquinho com um prego ou palito na parte de cima do ovo e outro na parte de baixo. Depois, com muito fôlego, os alunos sopraram no buraquinho de cima e a gema e a clara saiam por baixo.

As Aulas De Alemão São Bastante Divertidas A turma do 8ºA da EBSA teve que realizar um trabalho em que tinha de apresentar em alemão uma receita tipicamente portuguesa, chinesa, japonesa, alemã, etc… Todas elas pareciam apetitosas, tendo nós tido oportunidade de provar duas delas. A primeira feita pelo Bruno, era uma fabulosa “baba de camelo”! A outra, na quinta-feira dia 14 de Março, feita pela aluna Yifan Yao, trouxe as famosas “bolas de arroz” (uma especialidade

Teatro em Cena “Das Treffen” - peça apresentada em Almada no âmbito do projeto Alemão em Cena, pelos alunos de alemão do 9ºD da EBSA. A história retrata um grupo de jovens – à partida desconhecidos – que decide fazer uma viagem à Alemanha. Até aqui nada de estranho. Todos eles com propósitos diferentes: desde visitas a museus e/ ou a amigos, passando por uma ida a um estádio de futebol, chegando mesmo a ir a um concerto… Em cada situação, respira-se o que mais caraterístico pode existir. Essa viagem física retrata também um processo de (auto) conhecimento e o regresso simboliza essa consciência. A peça é sobre reencontros, vivências, experiências, amizade. É um texto sobre impressões pela mão e corpo dos alunos da turma C do nono ano. Monica Moreira e Miguel Melo Para mim foi espetacular esta ida a Almada. Conheci gente diferente e fiz novos amigos durante uma experiência que adorei, porque me fez sentir tudo o que há para sentir quando se faz um teatro. Rafael Duarte, nº25/9ºD

24

É uma prática bastante simples. Entretanto, os ovos foram pintados de várias maneiras ou decorados com colagens de diversos materiais. A seguir penduraram-se os ovos coloridos por uma linha numa planta que se encontra no átrio da escola criando uma espécie de “Árvore da Páscoa” (Osterbaum). Surgiram verdadeiras obras de arte! Portanto, com estas actividades procuramos valorizar a criatividade jovem evocando um dos aspetos mais típicos da vivência desta época na Alemanha. Esperamos que tenham gostado e poderão sempre experimentar fazer estas atividades numa próxima Páscoa. A professora de Alemão, Cristina Barbosa

chinesa) que deixou toda a turma a salivar por mais! A turma adorou todos estes momentos. Francisco Jesus, nº 11, 8ºA - EBSA No início da viagem estávamos muito ansiosos, mas quando lá chegamos estávamos eufóricos. Correu tudo bem e ninguém se enganou no teatro. Beatriz Silva, nº4/9ºD Estivemos num auditório enorme! Os nossos dormitórios eram espectaculares com uma vista excelente. Rafael Piedade nº 24/9ºD Na ida a Almada representámos em grupo a escola. Foi uma experiência inovadora. A peça era-nos especial e foi apresentada com muito orgulho. Com muito esforço e dedicação foi um sucesso. Jennifer Coutinho, nº17 Foi uma experiência inesquecível que gostava de repetir. Rute Guerreiro, nº 26


A aluna Vlada Ilyeva da turma do 7ºB da Escola Dr. Francisco Cabrita gosta de escrever e decidiu partilhar com a comunidade escolar um dos seus poemas, “Já”. Aqui fica um exemplo da sua veia poética e da sua criatividade. Já escondi um AMOR com medo de o perder, já perdi um AMOR com medo de o esconder. Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo ao ponto de nem sentir as mãos. Já expulsei pessoas da minha vida e já me arrependi por isso. Já passei noites a chorar até não pregar olho, já fui dormir tão feliz ao ponto de nem o conseguir. Já acreditei em AMORES PERFEITOS , e descobri que eles não existem. Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram. Já passei horas em frente ao espelho para tentar descobrir quem sou, já tive tanta certeza de mim , ao ponto de querer desaparecer. Já falei a verdade ao MEU MUNDO, enquanto o MEU MUNDO eras tu. Já fingi não dar importância às pessoas que me amaram, para depois chorar quieta no meu canto. Já sorri de tanto chorar, já chorei de tanto rir. Já deixei de acreditar em pessoas que realmente valiam a pena, já acreditei em pessoas que não valiam. Já senti tanta falta de alguém ao ponto de nem conseguir admitir. Já gritei quando devia estar calada, já calei quando devia estar a gritar. Já fingi ser o que não sou para agradar uns e desagradar outros. Já inventei histórias com finais felizes para dar esperanças a quem mais precisava. Quem ama como eu, perdoa, não as traições, mas sim as mentiras e as desilusões. Não me deem fórmulas certas porque eu não espero acertar sempre. Não me mostrem o que esperam de mim porque vou seguir o meu coração. Não sei AMAR pela metade, não sei viver de mentiras, não sei VOAR com os pés no chão. Sou sempre eu mesma, mas de certeza que não serei a mesma para SEMPRE! Gosto dos VENENOS mais lentos, das BEBIDAS mais amargas, das IDEIAS mais insanas, dos PENSAMENTOS mais complexos, dos SENTIMENTOS mais fortes. Tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos. Até me podes empurrar de um penhasco que eu vou dizer: "E daí? Eu adoro VOAR!" Vlada Iliyeva 7º B FC

No âmbito da ação de formação que as professoras Ana Cristina Marques e Ana Pereira se encontram a frequentar, subordinada ao tema da Interculturalidade, foi lançado o desafio aos alunos dos quintos, sextos e sétimos anos de escolaridade, em especial aos discentes estrangeiros, para que trouxessem um pouco da sua cultura à escola. Sob o signo da partilha, muitos dos alunos da EBSA responderam ao desafio e elaboraram trabalhos cujo tema versou sobre a celebração da Páscoa (“Easter all over the World”), apresentando-os à

turma, revelando assim de que forma se vive esta quadra festiva no seu país de origem ou no país da sua escolha. As professoras aproveitaram para realçar a importância dos valores do respeito pelas diferentes culturas e modos de estar, da integração e partilha de vivências, inerentes a esta noção de diversidade e multiculturalismo. O projeto intercultural culminou com uma exposição de trabalhos na Biblioteca para conhecimento da Comunidade Escolar.

No dia 13 de março de 2013 os alunos Beatriz Figueiredo, Catarina Valério, Catarina Silva, Diana Molefas, Gonçalo Chaveiro, Jéssica Malheiro e Vitalliy Burak do 7ºB foram a várias salas com orelhas de coelho entregar ovos em cartolina com uma atividade em alemão. O nosso principal objetivo foi dar a conhecer a tradição alemã e sensibilizar os alunos para a aprendizagem da língua e cultura alemã.

Portanto, já sabem… Se gostam de aprender línguas e destas atividades lúdicas inscrevam-se em alemão e venham experimentar connosco. Jéssica Malheiro, 7ºB (EBSA)

25


O professor Jony do Mar propôs aos seus alunos que escolhessem um tema para procederem à apresentação de trabalhos de expressão oral. A Joana Gaspar (5ºA FC) escolheu o tema “50% dos pais espiam os filhos”. A Joana inventou uma história com um detetive a investi-

gar um caso ‘especial’. Para o seu trabalho, recorreu-se de entrevistas que efetuou a 4 pais: uma psicóloga, uma professora, um bombeiro e uma assistente de loja. Aqui fica a sua história.

História de uma detetive

tadas, mais rebeldes e exigentes com tudo. Os pais estão muito preocupados com o futuro dos seus filhos, com o ambiente que os rodeia. Dizem que temem as drogas, o tabaco, a pedofilia, os roubos, entre outras coisas. Não sabem o que poderiam os seus filhos começar a fazer, por isso têm que ter cuidados na sua educação e “vigiá-los”, de modo a evitar que os mesmos não comecem a falar com estranhos, a fumar drogas, a roubar e coisas assim. Mas será verdade o que dizem?! Claro que algumas crianças são mal comportadas e problemáticas…mas serão todas as crianças assim?! Espiar é a pior coisa que se pode fazer nessas situações, porque além de poder pensar coisas fora do contexto retira a confiança do seu filho em si. Se é verdade que o controlo parental pode impedir o acesso das crianças a sites impróprios para a sua idade, protegendo-as de hackers, estranhos, pedófilos, etc, também não é menos verdade que esta proteção, por vezes excessiva, também impede estas crianças de crescerem, de se tornarem independentes e autónomas, de serem elas a tomarem as decisões certas. Zelo, ou invasão de privacidade? Na minha opinião penso que é necessário haver um equilíbrio das coisas. Ambos, pais e crianças, precisam de confiar uns nos outros. E essa confiança é a base de qualquer relação! Investigado e concluído mais um caso, confirmei a estas quatro crianças as suas suspeitas, mas também lhes fiz ver o outro lado, as preocupações dos pais. Sugeri que conversassem um pouco mais com os mesmos. (Pausa) - “Sim?” (ouvindo o telemóvel) - Esperem, tenho que me ir embora. Algo de grave está prestes a acontecer! (e sai correndo)

Música - (A detetive anda concentrada nas suas investigações e nem repara que está a ser observada…)

- Pssst! Estou numa missão ultra secreta! Ah, desculpem, não me apresentei. Olá, chamo-me Joana Gaspar, sou detetive privado e vou contar-vos um pouco acerca do meu trabalho. Como já referi, sou detetive e, como tal, investigo diversos casos. Na semana passada tive uma visita inesperada. Visitaram-me não uma, nem duas, mas quatro crianças, todas com a mesma preocupação. Disseram-me que sentiam que alguém os vigiava com frequência e queriam que eu descobrisse quem eram esses “espiões”. Seriam muito provavelmente os seus pais, diziam-me elas, mas nem queriam acreditar que assim fosse! Por ser um caso raro, decidi aceitá-lo e iniciei a minha investigação. Visitei pessoalmente cada um desses pais, fingindo ser uma estudante universitária com um trabalho para fazer e consegui, inclusive, entrevistá-los sobre o assunto em questão. As suas respostas confirmaram imediatamente as minhas suspeitas. Todos estes pais “espiam” os seus filhos, das mais diversas maneiras, sendo as mais comuns o controlar os seus telemóveis e inscreverem-se no facebook com o propósito de verem o que os filhos escrevem e publicam na rede. Isto causa um pensamento perturbador nas crianças, visto que os pais estão cada vez mais inseguros relativamente aos filhos. As crianças portuguesas têm cada vez mais receio de estarem a ser espiadas a toda a hora, sem o saberem. E qual o motivo para espiarem os filhos? Durante as minhas investigações, foi-me dito que as crianças desta “geração” estão cada vez piores, mais mal comporSynopsis A la suite d’un accident de parapente, Philippe, riche aristocrate, engage comme aide à domicile Driss, un jeune de banlieue tout juste sorti de prison. Bref la personne la moins adaptée pour le job. Driss ne se croit pas capable de prendre bien soin de Philippe, mais il refuse de le prendre en pitié malgré son handicap. L'insolence de Driss est rafraîchissante pour Philippe et leur relation se transforme rapidement en amitié. Ensemble ils vont faire cohabiter Vivaldi et

26

Earth Wind and Fire, le verbe et l’argot … Deux univers três différents qui vont s’adapter pour donner naissance à une amitié qui les rendra… Intouchables. Philippe peut enfin s'amuser un peu et reprendre goût à la vie. Peut-être même jusqu'à rencontrer une femme… 8ºA (EBSA): “Le film est très comique et émouvant parce qu’il parle d’une histoire vraie. Il raconte la vie d’un tétraplégique riche et de son fidèle ami Driss.” 8º A/B (F.C.): “Le meilleur film que j’ai déjà vu!” “C’est l’histoire d’une amitié spectaculaire entre un riche et un pauvre. Il met en cause toute sorte de préconcepts…” “C’est un film comique, dramatique et moraliste en même temps”.


Durante os meses de abril e maio, realizaram-se pela primeira vez no nosso Agrupamento as Olimpíadas das Línguas (Alemão, Espanhol, Francês e Inglês), organizadas pelos professores do Departamento de Línguas. Esta atividade envolveu todos os alunos do 3º ciclo do Ensino Básico e do Ensino Secundário. As Olimpíadas das Línguas visaram essencialmente incentivar e desenvolver o gosto pelas línguas e culturas estrangeiras. Numa primeira fase, as equipas, compostas por quatro alunos de cada turma, responderam a um questionário de língua e cultura. As três melhores equipas de cada uma das línguas passaram à segunda fase, onde realizaram uma prova de leitura. Após esta fase, foram apurados os vencedores.

No dia 15 de maio, realizou-se a cerimónia de entrega dos prémios a todos os alunos que participaram na atividade. Considerando o empenho e o entusiasmo demonstrados por professores e alunos, esperamos poder voltar a contar com a participação de todos no próximo ano. Para finalizar, será importante agradecer às entidades que patrocinaram esta atividade: Centro de Ciência Viva do Algarve, Zoomarine, Parque da Mina, Porto Editora, Santillana e Areal Editores. Prof. Carlos Mangas e Prof.ª Ana Pereira

Campanha mundial GLOBE at Night 2013 No âmbito do projeto Os alunos das turmas 9º B e 10º A, em Físico-Química e Geografia, respetivamente, uniram-se a este projeto, dando o seu contributo, participando na campanha que se realizou de 29 de abril a 8 de maio de 2013. Assim, foi escolhido o nosso mapa estelar que melhor correspondia à constelação que observámos no dia 30 de abril de 2013 e enviámos, através do site GLOBE at Night, juntamente com a data, hora e local, estes dados, bem como outras características físicas do local que nos foi solicitado online, por forma a medir o índice de poluição luminosa na estrada de Vale Pedras, em frente à EBSA. Deste modo, esta estrada ficou registada mundialmente. Os dados recolhidos, em todo o mundo, podem ser visualizados num mapa interativo, em http:// www.globeatnight.org/map/, onde se pode explorar a poluição luminosa, localmente e em todo o globo.

APAGUEM AS LUZES, ACENDAM AS ESTRELAS! Professoras Ana Luísa Gonçalves e Rita Newton

27


Os autorretratos desta vez foram nhecidos artistas plásticos conteminspirados na Arte porâneos. Contemporânea Os autorretratos criados Os alunos do nono ano pelos alunos utilizam da Escola EB Dr Francistambém materiais muito co Cabrita realizaram diversos como malmeautorretratos originais queres, rosas, areia, goinspirados no artista mas, pastilha elástica, plástico contemporâneo feijões, massa, confetis brasileiro, Vik Muniz. de bolos, especiarias Autorretrato de Vik Este artista nasceu em várias, conchas, café, Muniz realizado com terra e folhas secas 1961 em S.Paulo e vive entre outros. Os trabaatualmente em Nova lhos foram fotografados e depois York. Ele concebe as suas obras “destruídos”, ou seja os alunos concom materiais muito diversos, al- ceberam uma obra de arte perecível guns que nem imaginamos, como: que perpetua apenas através da compotas, chocolate, açúcar e até fotografia. Neste momento pode-se lixo reciclável. O artista concebe a ver o resultado desse trabalho no obra que depois a fotografa mudan- átrio da Escola Dr Francisco Cabrita. do assim o conceito de obra de arte que passou a ser a própria fotograA professora de EV, Ascensão Marrachinho fia. Vik Muniz é um dos mais reco-

Agrupamento de Escolas de Albufeira E-mail: jornal.francisco.cabrita@gmail.com

Beatriz, 9ºA FC Cristiana, 9ºB FC Jefferson, 9ºA FC

Corina, 9ºC FC

Rute Alm., 9ºB FC Hanna, 9ºC FC

Soraia, 9ºC FC

Sara, 9ºB FC

Com o apoio de: Vanessa, 9ºA FC

Comemoração do dia mundial sem tabaco A turma do 10ºE (Curso Profissional de Técnicos de Apoio à Infância) desenvolveu uma série de actividades durante os meses de Abril e Maio para comemorar o Dia Mundial Sem Tabaco, em colaboração com o Gabinete de Educação para a Saúde e em parceria com a equipa de Saúde Escolar do CSA. Nessa medida realizaram, na disciplina de Expressão Plástica, autocolantes sobre o tema. Os autocolantes foram criados com a técnica do vitral sobre

28

A Equipa do Porta Aberta agradece a todos os que colaboraram para este jornal!

cartolina preta recortada e papel celofane. Os trabalhos serão colados nos vidros do átrio da EBSA e serão impressos autocolantes conforme os que mostramos como exemplo. A professora de Expressão Plástica, Ascensão Marrachinho

Jornal 10  

Jornal Porta Aberta n.º10

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you