Page 1

vivasesi Ano 9

nº. 48

Goiânia

Jul 2014

EJA vai muito além da alfabetização Trabalhadores da indústria que voltaram para a sala de aula ou pegaram no lápis e caderno pela primeira vez, como o operador de betoneira Valmir Quaresma (foto), acumulam conquistas pessoais e profissionais, que vão desde a promoção de cargo dentro da empresa a melhor interação com familiares e amigos. O Programa Educação de Jovens e Adultos (EJA) do Sesi em Goiás eleva a escolaridade e exclui das estatísticas de analfabetismo em média 14 mil pessoas por ano. Leia mais nas páginas 2 a 4


vivasesi

Goiânia

julho

2

2014

Sesi eleva escolaridade na indústria Da alfabetização ao ensino médio, Educação de Jovens e Adultos (EJA) proporciona mudanças na vida de trabalhadores

Valmir Quaresma Torres, operador de betoneira da Pontal Engenharia: orgulho em saber ler e escrever

V

almir Quaresma Torres, de 46 anos, não conhecia as letras. Uma situação simples do cotidiano, como o trajeto para o trabalho, se tornava uma tarefa difícil para o operador de betoneira da Pontal Engenharia, construtora de Goiânia. “Muitas vezes eu não conseguia

pegar o ônibus, pois as pessoas me ensinavam errado”, lembra. Diante de oportunidade de resgate da cidadania perdida no tempo por meio da alfabetização, oferecida em canteiro de obra da empresa, em parceria com o Sesi, no âmbito do programa Educação

de Jovens e Adultos (EJA), Torres foi o primeiro trabalhador a se matricular na turma. Era o ano de 2007 quando o trabalhador entrou pela primeira vez em uma sala de aula. Hoje, cursando o 6º ano, ele se orgulha da possibilidade da leitura de um jornal ou um livro, compartilhada o casal de filhos, de 11 e 7 anos. “É bom demais, nunca pensei que estudar iria mudar tanto minha vida”, afirma. Torres acorda todos os dias às 5 horas da manhã e termina o expediente às 17 horas. Mesmo cansado, ele encontra motivação para permanecer na obra e participar das aulas. “É cansativo, mas vale a pena, pois hoje consigo achar um endereço, fazer compra sozinho, ver o preço e o vencimento de um produto e, principalmente, pegar o ônibus certo”, ressalta. O colaborador da Pontal Engenharia é um dos muitos egressos do programa do Sesi, destinado a proporcionar ao aluno-trabalhador a formação básica necessária ao desenvolvimento de suas potencialidades, à sua autorrealização, ao preparo para o exercício pleno da cidadania, maior participação na sociedade competitiva em que está inserido, bem como para sua atuação e inserção no mercado de trabalho.

Matrículas EJA – Série histórica – 2010-2013 2010

2011

2012

2013

Total

Trabalhadores da indústria

Total

Trabalhadores da indústria

Total

Trabalhadores da indústria

Total

Trabalhadores da indústria

21.182

12%

14.024

19%

10.305

25%

11.012

27%


vivasesi

Goiânia

julho

3

2014

Realização de sonhos

Elias André Silva, da Carta Fabril: conclusão do ensino médio, promoção funcional e sonho com a universidade

Este ano, até junho, o programa contabiliza 8.474 inscritos, mais da metade da previsão para o exercício, de beneficiar 16.240 pessoas. Nos últimos anos, nova estratégia do Sesi para a modalidade foca o trabalhador da indústria, mais do que dobrando sua participação em matrículas – de 12% em 2010 para 27% em 2013 (veja quadro na página anterior) . Em termos quantitativos, a média anual é superior a 14 mil concluintes. Entre os beneficiados, Elias André Silva, de 36 anos, funcionário há sete anos da Carta Fabril – indústria do segmento de higiene pessoal, de Anápolis –, havia parado os estudos há cinco anos, quando cursava o 7º ano. Por não ter concluído o ensino médio, André conta que chegou

a perder oportunidades de promoção dentro da indústria. Há três anos, quando a empresa montou a turma de EJA, em parceria com o Sesi, André retomou as aulas. Mesmo com a dificuldade de enfrentar o cansaço e abdicar de mais tempo com a família, se manteve firme e foi promovido de auxiliar de produção a encarregado no mesmo setor. Hoje, na última etapa do programa para a conclusão do ensino médio, ele sonha se formar em engenharia mecânica. “A Carta Fabril e o Sesi me abriram as portas, por isso só tenho a agradecer a eles, a Deus e a minha esposa, por sempre ter me apoiado a me tornar um exemplo aos meus dois filhos, Daniel e Daniela”, ressalta.

Conhecimento que transforma Os serviços de educação do trabalhador do Sesi Goiás vão desde a alfabetização à conclusão do ensino médio e incluem também a educação continuada, que se realiza ao longo da vida dos participantes e tem como característica a flexibilidade. As aulas de ensino fundamental e médio são realizadas nas unidades do Sesi em Goiás ou dentro da própria empresa, com turmas fechadas, o que facilita o acesso do trabalhador ao estudo. Foi essa flexibilidade que proporcionou a Michael Douglas da Silva, de 24 anos, retomar os estudos. Empregado na Companhia Hering, de Anápolis, há um ano e meio, ele teve sua vida transformada após agarrar a oportunidade de ingressar na turma de EJA dentro da empresa, em parceria com o Sesi. A conclusão do ensino médio possibilitou que o trabalhador entrasse para o curso de eletricista predial oferecido pelo Senai e garantiu a promoção do mecânico de máquina de costura a eletricista. “Entrar na Hering e concluir meus estudos pelo Sesi me motivou a querer correr atrás do tempo perdido e agora não quero mais parar, vou prestar vesti-

Michael Douglas da Silva, da Hering: retomada dos estudos, curso no Senai e vestibular à vista

bular para engenharia mecânica ou elétrica”, planeja. A analista de Recursos Humanos da Hering, Edna Maria Silva, afirma que a conclusão do ensino médio é critério fun-

damental para a promoção de colaboradores da empresa, a exemplo de Douglas. Ela acrescenta que a sala de aula dentro da empresa é importante também na retenção de profissionais potenciais.


vivasesi

Goiânia

julho

4

2014

Fernando Rodrigues da Rocha, auxiliar de produção de cerâmica, e os pais: alfabetização e independência

Superando barreiras para aprender O programa EJA do Sesi integra esforços constantes do Sistema Indústria em nível nacional, a exemplo do projeto Educação para o Mundo do Trabalho, lançado em 2013 pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) com a perspectiva de acelerar a transformação da educação brasileira. A proposta é melhorar o ensino para 16,4 milhões de pessoas no País, das quais 5,6 milhões de trabalhadores da indústria. Desses últimos, 81 mil são analfabetos, 2,6 milhões não completaram o ensino fundamental, contra 1,8 milhão que concluíram essa etapa, e 1,1 milhão têm ensino médio incompleto. A iniciativa do Sesi excluiu dessa estatística Fernando Rodrigues da Rocha, de 31 anos, auxiliar de produção de uma cerâmica em Campo Limpo de Goiás, na

Região Centro Goiano. Ele foi matriculado na escola ainda criança, junto com as duas irmãs, mas não aprendia como elas e sempre repetia o ano letivo. Com a dificuldade para passar de ano, o rapaz decidiu desistir dos estudos e se dedicar apenas à vida profissional, escolha que nunca agradou aos pais. “Cheguei a levar meu filho ao médico para saber se tinha algo de errado com ele”, diz o aposentado João Amaro da Rocha, emocionado com a superação do filho. Em 2012, Fernando decidiu que tentaria mais uma vez a aprender a ler e escrever e se matriculou na turma de EJA do Sesi, em parceria com a prefeitura de Campo Limpo de Goiás. Hoje, cursando o 5º ano, ele não precisa mais da ajuda

do pai para receber seu salário e nem dos colegas de trabalho para ler os comunicados do mural da empresa. “Antes eu não entendia bem o que os professores ensinavam, não tinha interesse nenhum em aprender, agora tenho muitas amizades, a professora tem bastante paciência para ensinar e já consigo me virar sozinho”, afirma. Mas a meta de Fernando não para por aí e ele rapaz já faz planos para quando concluir os estudos básicos. “Quero fazer um curso de mecânica no Senai.” Satisfeito com a mudança no comportamento do filho, Rocha comenta que nunca desistiu de incentivá-lo. “Sempre tive fé e estou muito alegre em ver que no Sesi ele conseguiu aprender e já sonha com uma profissão”, fala.


vivasesi

Goiânia

julho

5

2014

Doe Sangue, Doe Vida, uma lição de solidariedade do Sesi Campinas

P

romovida há 13 anos pela Escola Sesi Campinas, a Campanha Doe Sangue, Doe Vida alcançou resultados expressivos em sua última edição, a segunda consecutiva com a parceria do Hemocentro de Goiás (Hemogo). Em um dia (6 de junho), foram coletadas 140 bolsas de sangue e, até o fim do mês, a iniciativa já contabilizava mais de 300 doações de pessoas mobilizadas por alunos e professores da unidade. Na ocasião, mais de 1.500 pessoas, entre alunos, professores e colaboradores das instituições envolvidas, se revezaram na organização e na mobilização de doadores. Após dois anos participando da campanha apenas como divulgadora, a aluna Thaís Teixeira do Nascimento pôde ser uma das doadoras. “Completei 16 anos e já me interessei em ajudar outras vidas”, diz. Ela ressalta que a iniciativa da escola fez com que a conscientização chegasse a toda sua família. “Muitos sabem da importância de participar, mas não fazem parte, por mitos ou falta de consciência”, afirma. Mobilizar a população e a comunidade escolar num projeto de assistência e solidariedade, sensibilizando todos para a

Thaís Teixeira, de divulgadora da campanha a doadora, pela primeira vez

importância e a necessidade da doação de sangue, é o principal objetivo do Doe Sangue, Doe Vida. Elza Fleury, diretora da Escola Sesi Campinas, destaca o espírito de solidariedade despertado nos alunos durante o período de campanha e a importância da parceria com o Hemogo. “Nossa vontade é de que outras instituições de ensino passem a participar também desse projeto, que é lindo e muito gratificante.” Para a realização da campanha, o Sesi Campinas oferece infraestrutura adequa-

No SESI tem:

Massagem relaxante com foco nos pés: bem-estar e alívio

da. Nove macas, adquiridas pelos próprios alunos por meio de doações de pais e patrocinadores, foram disponibilizadas para atender à demanda. Além de apresentações culturais, para não tornar a espera na fila um momento desmotivador, os estudantes também arrecadaram brindes que foram sorteados entre os participantes da campanha, por meio de bingos realizados durante o evento. Houve até cartinhas de alunos aos doadores, agradecendo a participação.

Reflexologia podal Indústrias interessadas em iniciativas diferentes para levar qualidade de vida a seus trabalhadores contam, no Sesi, com uma boa opção: a reflexologia podal, técnica de massagem relaxante que envolve a aplicação de pressão em pontos específicos dos pés, resultando no aumento do fluxo sanguíneo e energético nas áreas correspondentes aos órgãos do corpo. Os benefícios são alívio de desconfortos corporais e, consequentemente, bem-estar durante jornadas de trabalho. Essa ação pode ser uma grande aliada para tornar mais atrativos eventos sazonais e obrigatórios, como a Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho (Sipat), e ao mesmo tempo proporcionar conforto e relaxamento aos funcionários da empresa, além da diminuição das tensões, do estresse, de dores, apresentando resultados significativos para a saúde dos trabalhadores. Mais informações: (62) 3219-1411.


vivasesi

Goiânia

julho

6

2014

Conexão Mundo Goiás inicia etapa presencial com tutores americanos

Makenna Burnett (direita), uma dos cinco coaches do programa, durante recepção pelos alunos

O

Programa Conexão Mundo, que oferece aulas gratuitas e diferenciadas de inglês a um grupo de alunos do Sesi em Goiás, entra em nova etapa, com a chegada de instrutores americanos, dia 5 de julho. Os participantes do projeto – 50 estudantes da Escola Senai Dr. Celso Charuri, em Aparecida de Goiânia – poderão agora colocar em prática o que aprenderam desde o começo do curso, via plataformas vir-

na Casa da Indústria, os alunos receberam o grupo americano com apresentações culturais e muita conversação. A expectativa é de mão dupla, como revelou Makenna Burnett, uma dos cinco coaches, estudantes da Jackson College, do Estado americano de Michigan, que ministrarão as aulas presenciais e querem aproveitar a oportunidade para conhecer mais a cultura brasileira. “Este momento é extremamente importante pra mim, pois quero fazer isso quando me formar, ensinar inglês em outros países”, disse Makenna, que faz sua primeira viagem ao Brasil, país que ela só conhecia por fotos.

Sobre o programa tuais de aprendizagem e redes sociais. A iniciativa é mais um diferencial para a qualificação profissional dos jovens, que frequentam o Ebep, modalidade que articula a educação básica com a educação profissional. Além de se despedirem do ensino médio já com formação técnica, adquirida simultaneamente, terão em seu currículo mais um idioma. Durante a abertura oficial da nova fase, no dia 7, no auditório João Bennio,

Iniciado em abril de 2014, o Conexão Mundo em Goiás representa nova experiência no ensino do Sesi e Senai, ao facilitar o aprendizado do inglês e permitir ao estudante estabelecer contatos e fazer amizades com professores e outros estudantes estrangeiros. O projeto de intercâmbio, em parceria com a ONG americana US-Brazil Connect, vai oferecer aos alunos que mais se destacarem no curso uma viagem aos Estados Unidos.

Caesan e Sesi promovem seminário sobre qualidade de vida Diante dos novos desafios enfrentados pela administração contemporânea, investir em saúde e bem-estar é fundamental para que as organizações alcancem bons resultados. Preocupada com a saúde dos colaboradores ativos e inativos, acima de 60 anos, a Caixa de Assistência dos Empregados da Saneago (Caesan), em parceria com o Sesi, promoveu, de 9 a 11 de junho, o Seminário Qualidade de Vida, sob o tema Saúde: Quem Cuida tem Futuro. Com o foco no envelhecimento saudável, a iniciativa proporcionou realização de exames, massagem quick, aferição de

pressão arterial, além de palestras voltadas a doenças senis. Terezinha Magda do Nascimento, de 61 anos, foi uma dos 100 participantes do evento, acompanhada pelo marido Dirceu Cardec de Lima, de 65. Funcionária aposentada da Saneago, ela diz que o encontro é importante não só para cuidar da saúde, como é também um momento de integração com os colegas de trabalho que já não vê mais. “Sempre participo das ações da Caesan, faço exames, vejo as palestras e hoje fui sorteada com um brinde pela segunda vez”, comemora a aposentada, que ganhou uma diária para o Sesi de Aruanã.

Terezinha Magda e o marido, Dirceu Cardec de Lima: saúde e integração


vivasesi

Goiânia

julho

7

2014

Ginástica laboral do Sesi consolida posição no ranking do Prêmio Marca Brasil: atividades recreativas durante a jornada de trabalho

Serviços do Sesi são eleitos melhores do País Eleito como melhor marca de ginástica laboral, pela 9ª vez consecutiva, e de serviços para Sipat (3ª vez seguida), o Sesi vai receber, no dia 16 de setembro, , o Prêmio Marca Brasil 2014. A distinção, uma das mais importantes do setor empresarial brasileiro, é organizada pela Trio International Distinction e destaca, entre os fornecedores de produtos e serviços de vários segmentos da economia, aqueles que apresentam o maior respeito para seus consumidores.

A conquista garantiu ao Sesi, pela segunda vez, a placa Top Max Marca Brasil, por se manter na liderança da categoria por oito anos e, pela quinta vez, a placa Top Absolute Marca Brasil, por se manter em primeiro lugar desde que a categoria foi criada. A eleição é realizada por meio de pesquisa com leitores da revista CIPA, publicação mensal especializada na área de higiene, segurança e infortunística laboral, destinada à prevenção de acidentes e segurança total

do trabalhador, do lar, do trabalho, da empresa e seus bens. Em Goiás, o Programa Sesi Ginástica na Empresa atende mais de 160 indústrias e cerca de 54 mil trabalhadores. Revisora de tecidos da fábrica da Hering, em Anápolis, Luiza Braz, de 24 anos, enxerga a ginástica laboral como um atrativo a mais no trabalho. “Fico mais disposta, animada para a jornada de serviço e, além de tudo, me distraio nesse momento com minhas colegas”, afirma.

Sesi Indústria do Conhecimento completa um ano na CMC A biblioteca do Programa Sesi Indústria do Conhecimento instalada nas dependências da Central Metalúrgica Catalana (CMC), em Catalão, completou, em 8 de julho, um ano de funcionamento. O dia foi comemorado com apresentações culturais e um café da manhã aos visitantes. Denominado Biblioteca Aníbal Rosa – em homenagem ao educador e pai do proprietário da empresa –, o espaço oferece aos cerca de 370 colaboradores da indústria e a toda a comunidade regional um ambiente único no município, que permite a realização de projetos e programas educacionais para toda a população. Por meio de computadores com aces-

so à internet, os usuários têm oportunidade de inclusão digital e de obter informações diversas. Há, ainda, um acervo com mais de 500 itens, entre livros literários, didáticos, paradidáticos e DVDs. Um dos beneficiados, o caldeireiro Márcio Peixoto, de 63 anos, chega a locar oito livros por mês, para ele e para toda a família. “Pra mim, que sempre gostei de ler, a biblioteca é muito importante, pois fiz somente até a oitava série e o resto que aprendi foi através dos livros”, observa. Segundo ele, atualmente os preços das obras literárias só vêm aumentando e o espaço na CMC torna o hábito da leitura mais acessível para ele, para os familiares e todos os colegas de trabalho.

Márcio Peixoto, caldeireiro, chega a locar oito livros por mês


vivasesi

Goiânia

julho

8

2014

Cozinha Brasil para crianças rente e bem colorido, assim chama mais a atenção dos pequenos.” Desenvolvido em todo o País, o Cozinha Brasil abrange a indústria e a comunidade, ao proporcionar, por meio de ação móvel, educação alimentar para toda a família. Cursos ministrados em diferentes locais ensinam a preparar pratos deliciosos e saudáveis. A experiência é também boa aliada para tornar mais atrativos eventos sazonais e obrigatórios dentro das empresas. Trabalhadores da indústria, comunidade e crianças interessadas em participar dos cursos ou empresas que queiram contratar o serviço do Sesi devem procurar a unidade mais próxima e fazer a inscrição. Mais informações pelos telefones (62) 3219-1793 ou 3236-3818.

Mão na massa: crianças participam de curso de educação alimentar do programa Cozinha Brasil

P

ara incentivar crianças a ter alimentação mais saudável, o Sesi abriu, em Goiás, a primeira Turminha Cozinha Brasil, versão do programa de educação alimentar da instituição que está mudando hábitos de milhares de brasileiros. Participantes da Colônia de Férias do Sesi Clube Antônio Ferreira Pacheco, em Goiânia, foram os estreantes da experiência. Munidos de toca e avental, de forma bastante descontraída, crianças de 4 a 6 anos receberam informações nutricionais sobre os alimentos, orientação sobre seu aproveitamento integral, além de aprender a preparar receitas. De forma lúdica, meninos e meninas entraram no clima da proposta do programa. Só depois de degustar três copos do “suco do Hulk”, conhecido personagem de histórias em quadrinhos, João Gabriel, de 5 anos, descobriu que a saborosa receita tinha a couve como principal ingrediente. Surpreso, ele aprendeu a importância da hortaliça e a preparar o alimento de forma diferente. Já Guilherme Lourenço de Melo, de 7 anos, aproveitou a oportunidade para

colocar a mão na massa, já que em casa não costuma frequentar muito a cozinha. “Eu nunca tinha feito comida em casa, além de um brigadeiro que ajudei a fazer na casa da minha avó, e estou achando muito legal”, disse o garoto.

Hábito alimentar O Turminha Cozinha Brasil nasce com o propósito de ensinar crianças a preparar refeições de baixo custo, aproveitando ao máximo o sabor e os nutrientes dos alimentos. “A partir dessa idade é que eles começam a formação do seu hábito alimentar, por isso deve se introduzir uma alimentação adequada desde a saída do aleitamento materno à fase escolar”, explicou a nutricionista do Sesi Júlia Souza Moraes. Fazer crianças gostar de leguminosas, verduras e frutas é o grande desafio, mas a nutricionista revela o segredo. “Primeiro precisamos apresentar os alimentos a elas e achar uma forma de preparo diferente e mais gostosa.” Um exemplo: o preparo do “bolinho colorido”, uma das receitas ensinadas no curso, inclui cenoura, brócolis e talo de couve. “Fica dife-

vivasesi Revista de divulgação do Sesi Goiás, publicação da Assessoria de Comunicação Institucional do Sistema Fieg Av. Araguaia, nº 1.544, Edifício Albano Franco, Casa da Indústria Vila Nova - Goiânia-GO - CEP 74645-070 Fone: (62) 3219-1300 / Fax: (62) 3223-9913 www.sesigo.org.br e-mail: ascom@sistemafieg.org.br Presidente da FIEG e Diretor Regional do SESI: Pedro Alves de Oliveira Assessor de Comunicação Institucional do Sistema FIEG: Geraldo Neto Edição: Dehovan Lima Reportagens: Daniela Ribeiro, Edilaine Pazini e Valbene Bezerra Projeto Gráfico e Diagramação: Thatyane Mendonça Fotos: Alex Malheiros, Silvio Simões, Josemar Callefi e Edilaine Pazini

Profile for Sistema FIEG

Revista Viva Sesi - Edição n. 48  

Sesi

Revista Viva Sesi - Edição n. 48  

Sesi

Advertisement