Issuu on Google+

Ano VI • nº 56 •

jan/fev • 2012

Publicação do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Amazonas

Polo Relojoeiro não para de crescer


índice

4

Coca-Cola tem planos para utilizar frutas regionais SENAI capacita instrutores em formação pedagógica

5

Campanha Carinho de Verdade ganha novos prêmios

FIEAM lança cronograma da Expocomer

6

Indústria e governo debatem alternativas sobre a Zona Franca

17

Polo Relojoeiro amplia investimentos na produção

12

Empresas se mobilizam para elevar grau de inovação

13 14 25 30 33

MDIC promete rever todos os PPBs do Polo Industrial de Manaus

SENAI e SESI sensibilizam empresas para o EBEP Declaração de renda do MEI deve ser enviada até 31 de maio

10

CAS e Codam aprovam novos projetos

SESI fatura oito medalhas no Open Amazonas de Jiu-Jítsu

20

Unidades de Educação do SESI voltam às aulas

Sistema Indústria do Amazonas na web www.fieam.org.br

Número de alunos do ensino profissional cresce 83% em seis anos

34

PAF do SESI ganha reforço com tênis de mesa


Miguel Ângelo/CNI

editorial

O

s resultados de 2011, no faturamento e geração de emprego, do Polo Industrial de Manaus (PIM), só vieram confirmar todas as nossas projeções feitas ao longo do ano. Desde julho, nossa indústria bateu seguidos recordes históricos. De janeiro a novembro, o faturamento global foi de US$ 41 bilhões, o que representou crescimento de cerca de 14% em relação ao mesmo período do ano passado. E o crescimento não foi exclusivo de segmentos industriais específicos: os 21 subsetores industriais pesquisados pela Suframa apresentaram alta no faturamento em comparação com igual período do ano anterior. Na geração de emprego, foram registrados 119.445 trabalhadores, entre efetivos, temporários e terceirizados. Nos indicadores da Suframa, o polo Eletroeletrônico aparece em destaque com 50.028 empregos diretos gerados, seguido pelos polos de Duas Rodas (21.120) e de Termoplásticos (11.627). Ainda de acordo com os números da Suframa, durante o ano, 61.413 pessoas foram contratadas no PIM e 44.861 foram demitidas, o que dá um saldo de mais de 16 mil novas oportunidades de emprego criadas ao longo do ano.

Foi, de fato, um ano de recordes históricos, mas não podemos esquecer que foi também um ano de debates sobre novas alternativas econômicas e de articulação política para obtermos melhorias na infraestrutura física e logística para o segmento industrial do Amazonas. Ainda temos muitos entraves ao desenvolvimento da nossa indústria, como as constantes mudanças nas leis federais, o contingenciamento dos recursos da Suframa, além da infraestrutura aeroportuária, energia elétrica e

Ainda temos muitos entraves ao desenvolvimento da nossa indústria, como as constantes mudanças nas leis federais, o contingenciamento dos recursos da Suframa, além da infraestrutura regional

Antonio Carlos da Silva Presidente do Sistema FiEAM

telecomunicações, entre outros. De nossa parte, estamos abertos e favoráveis à criação de uma agenda comum para a indústria, por meio da qual possamos debater assuntos tão palpitantes, como a extensão dos incentivos fiscais para a região metropolitana e a reforma tributária, além de outros obstáculos que haveremos de superar neste ano. Em fevereiro de 2012, em nossa primeira reunião de diretoria, tivemos uma boa demonstração da convergência de interesses dos setores mais importantes com ingerência sobre a indústria amazonense, como o Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIEAM), Suframa e Governo do Estado, nossos interlocutores na discussão sobre o futuro da Zona Franca de Manaus, assunto que continua rendendo boas pautas.

diretoria Presidente: ANTONIO CARLOS DA SILVA 1º Vice-Presidente: ATHAYDES MARIANO FÉLIX 2º Vice-Presidente: AMÉRICO AUGUSTO SOUTO RODRIGUES ESTEVES Vice-Presidentes: NELSON AZEVEDO DOS SANTOS, TEREZA CRISTINA CALDERARO CORRÊA, NEILSON DA CRUZ CAVALCANTE, ROBERTO DE LIMA CAMINHA FILHO, ALDIMAR JOSÉ DIGER PAES, WILSON LUIZ BUZATO PÉRICO, CARLOS ALBERTO ROSAS MONTEIRO, EDUARDO JORGE DE OLIVEIRA LOPES, AMAURI CARLOS BLANCO, HYRLENE BATALHA FERREIRA 1º Secretário: ENGELS LOMAS DE MEDEIROS 2º Secretário: ORLANDO GUALBERTO CIDADE FILHO 1º Tesoureiro: JONAS MARTINS NEVES 2º Tesoureiro: AUGUSTO CÉSAR COSTA DA SILVA Diretores: SÓCRATES BOMFIM NETO, FRANK BENZECRY, AGOSTINHO DE OLIVEIRA FREITAS JÚNIOR, CARLOS ALBERTO MARQUES DE AZEVEDO, ROBERTO BENEDI-

TO DE ALMEIDA, LUIZ CARVALHO CRUZ, CARLOS ALBERTO MONTEIRO, MAURÍCIO QUINTINO DA SILVA, JOAQUIM AUZIER DE ALMEIDA, PAULO SHUITI TAKEUCHI, ANTONIO JULIÃO DE SOUSA, MÁRIO JORGE MEDEIROS DE MORAES, DAVID CUNHA NÓVOA, GENOIR PIEROSAN, CRISTIANO IUKIO MORIKIO, CLEONICE DA ROCHA SANTOS, ARIOVALDO FRANCISCHINI DE SOUZA Conselho Fiscal: Titulares: MOYSES BENARROS ISRAEL, RENATO DE PAULA SIMÕES, JOSÉ NASSER Suplentes: ALCY HAGGE CAVALCANTE, CARLOS ALBERTO SOUTO MAIOR CONDE, DAVID NÓVOA GONZALES Delegados representantes junto ao Conselho da CNI Titulares: ANTONIO CARLOS DA SILVA, ATHAYDES MARIANO FÉLIX Suplentes: AMÉRICO AUGUSTO SOUTO RODRIGUES ESTEVES e FRANCISCO RITTA BERNARDINO

expediente Revista editada pelo Sistema FIEAM COORDENADORIA GERAL DO CENTRO DE SERVIÇO COMPARTILHADO Luiz Alberto Monteiro Medeiros DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO E MARKETING Paulo Roberto Gomes Pereira GERÊNCIA DE COMUNICAÇÃO Idelzuita Araújo - MTb 049/AM

REDAÇÃO Ademar Medeiros - MTb 289/AM Evelyn Lima - MTb 151/AM Mário Freire - MTb 092/AM COLABORAÇÃO Cássia Guterres Márcio Vieira - MTb/AM 0189 Vanessa Damasceno

Diagramação Herivaldo da Matta - MTb 111/AM Capa e Publicidades Andrea Monique Ribeiro FOTOGRAFIAS Comunicação

O conteúdo dos artigos e textos assinados é de inteira responsabilidade de seus autores. Av. Joaquim Nabuco, 1919 Centro CEP 69020-031 Manaus/AM Fone: (0xx92) 3186-6576 Fax: (0xx92) 3233-5594 - acs@fieam.org.br

3


destaques

Coca-Cola pode utilizar frutas regionais O presidente da Coca-Cola Brasil, Xiemar Zarazúa, em visita ao presidente da FIEAM, Antonio Silva, destacou o compromisso assumido pela empresa ao longo de cinco anos, iniciados em 2010, de investir no país cerca de US$ 6 bilhões em novas tecnologias, lançamentos de produtos e novas fábricas. Também participou da reunião na FIEAM o vice-presidente de Assuntos Governamentais da Coca-Cola, Jack Corrêa. “Consideramos investimentos fortes em Manaus, pois é uma área de grandes oportunidades, na qual a Recofarma atua como parceiro deste Estado há mais de 15 anos. Acreditamos na Região e vamos contribuir com a indústria, incentivando empresas a seguir o exemplo da Companhia que já faz parte da Zona Franca de Manaus”, declarou Xiemar. Segundo Antonio Silva, a primeira visita do presidente da Coca-Cola Brasil na FIEAM é mais uma iniciativa dos gestores da Companhia em se aproximar da entidade de classe da indústria local para fortalecer o Sistema, vislumbrando a ampliação de suas ações no Amazonas.

Jack Corrêa, Antonio Silva e Xiemar Zarazúa em reunião na FIEAM sobre a atuação da Coca-Cola no Amazonas

Quando questionado sobre a inclusão dos sucos de frutas regionais nas linhas dos produtos da Coca-Cola, Zarazúa não descartou a possibilidade de aproveitar o potencial do Estado e revelou que a utilização dos sabores da Amazônia é uma idéia que está sendo estudada. “É uma iniciativa que vamos perseguir, pois o projeto de levar o sabor das frutas

Novos instrutores em formação pedagógica para o SENAI O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) formou mais 330 instrutores e técnicos da Rede SENAI no Programa Especial de Formação Pedagógica para Formadores da Educação Profissional. O curso é ministrado à distância pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul). Nesta 5ª turma do convênio, o Departamento Regional inscreveu 25 docentes das quatro unidades operacionais de Manaus, sendo cinco bolsas concedidas pelo Departamento Nacional e as demais 20 vagas custeadas pelo SENAI Amazonas. A iniciativa tem finalidade de elevar a qualidade do ensino disseminado pelas escolas dos 27 Departamentos Regionais da instituição, bem como habilitar seus instrutores no exercício do magistério. “Por meio desta graduação, o SENAI cumpre com os aspectos legais no que diz

4

George Cunha, com o diretor do SENAI, Aldemurpe Barros, é um dos formandos da Unisul

respeito à formação de mão de obra, pois além da responsabilidade de transferir o conhecimento técnico aos futuros trabalhadores, é necessário que nossos instrutores estejam habilitados para exercer a docência”, disse o diretor do SENAI Amazonas, Aldemurpe Barros.

amazônicas ao resto do Brasil e para o mundo é um de nossos desafios, porém trata-se de uma ação a longo prazo”, vislumbra. De acordo com Zarazúa, mesmo com as crises econômicas mundiais ocorridas no decorrer de 2011, a Companhia vem crescendo e consolidando seu posicionamento no mercado brasileiro.

Prêmio CNI de Jornalismo já tem comissão de seleção A comissão de seleção da primeira edição do Prêmio CNI de Jornalismo já está composta. São sete jornalistas experientes e que representam quase todos os segmentos do jornalismo. Eles terão a tarefa de selecionar três finalistas para cada uma das 13 categorias do concurso que distribuirá R$ 240 mil brutos em prêmios, o maior valor do país. As inscrições estão abertas até 5 de abril deste ano. Poderão concorrer matérias publicadas em veículos de empresas jornalísticas entre 1º de abril de 2011 e 31 de março de 2012. Informações e o regulamento do prêmio estão no hot site http://www. premiocnidejornalismo.com.br/.


Campanha Carinho de Verdade, do SESI, ganha novos prêmios As ações inovadoras da campanha Carinho de Verdade, iniciativa do Conselho Nacional do SESI contra a exploração sexual de crianças e adolescentes, têm conquistado o reconhecimento do mercado publicitário, em nível nacional e internacional. Além de ter sido premiada nos maiores festivais de publicidade do mundo – Cannes, Nova York, Clio Awards e INFOCCOM 2011, a campanha venceu duas categorias do Prêmio Colunistas Brasília 2011. O “maior abraço do mundo” foi o vencedor da categoria Ação Promocional. Por meio da utilização da técnica mapping, a estátua do Cristo Redentor fechou os braços, numa alusão ao gesto-símbolo da campanha. A projeção, exibida em outubro de 2010, teve criação conjunta das agências Monumenta e Agnelo Pacheco. O vídeo do abraço do Cristo já teve milhões de acessos na internet. O case “50 mil tweets”, da agência Digital Group, também foi premiado. A ação re-

alizada em maio de 2011 nas redes sociais, em prol do Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, foi vencedora da categoria Peça Publicitária Viral. A idéia foi reunir, em um mês, 50 mil publicações (tweets) de usuários do Twitter em defesa dos jovens vítimas de abuso e exploração sexual. Mas, superando as expectativas, a meta foi atingida em apenas duas semanas. No prazo estimado, foi alcançado o dobro de tweets previstos: mais de 100 mil. A campanha Carinho de Verdade conta com o apoio de artistas, atletas, entidades públicas e privadas. No total, mais de 120 mil pessoas já abraçaram a campanha. A última ação do Carinho de Verdade foi a gravação de um videoclipe com a participação de 22 artistas da música brasileira. O vídeo está disponível no Youtube e já conta com mais de 100 mil acessos.

FIEAM lança cronograma da Expocomer A Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), por meio do Centro Internacional de Negócios (CIN Amazonas), lançou a programação da Exposição Comercial Internacional, a Expocomer, a ser realizada na cidade do Panamá, em que o CIN está mediando informações para os interessados na missão empresarial. A 30ª edição da Expocomer será realizada nos dias 21 e 24 de março no Centro de Convenções Atlapa. De acordo com o presiden-

te da FIEAM, Antonio Silva, a iniciativa visa incentivar o comércio internacional para micro, pequenos e médios empreendedores locais. “A Expocomer é um canal de abertura de novos mercados. No propósito de internacionalizar empresas de capital regional, o CIN desenvolve serviços de competência e credibilidade aos empreendedores locais com objetivo de torná-los mais competitivos no mercado internacional”, explicou Silva.

Thomaz Nogueira assume a Suframa O bacharel em direito com atuação na área fiscal e tributária, Thomaz Nogueira, assumiu, em 10 de janeiro, como novo superintendente da Zona Franca de Manaus. Funcionário de carreira da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), com 30 anos de experiência na área, onde atua como secretário-executivo, Nogueira disse que os desafios futuros da autarquia incluem as discussões sobre o futuro do modelo Zona Franca que está em processo de debate no Congresso Nacional por conta da proposta de prorrogação dos incentivos fiscais por mais 50 anos, a partir da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) encaminhada pelo governo federal. “Temos o apoio da presidente Dilma Rousseff com o modelo e a autarquia”, frisou. Nogueira, falou ainda sobre a atuação da SUFRAMA na região: “A SUFRAMA gerenciou até agora um modelo de desenvolvimento vencedor que impacta em mais de 25% do território nacional (Amazônia Ocidental), apesar de gerar recursos em um espaço físico mais limitado (o Polo Industrial de Manaus). Ela faz muito mais do que apenas gerenciar benefícios”.

5


zona franca

Indústria e governo debatem alternativas Governo do Estado e Suframa discutem com a FIEAM os entraves ao desenvolvimento do polo industrial local

A

primeira reunião de diretoria de 2012 da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM) foi marcada pelo debate sobre o futuro do modelo Zona Franca de Manaus. Estiveram presentes o vice-governador, José Melo, e o superintendente da Suframa, Thomaz Nogueira, além de todos os membros da diretoria da organização. O presidente da FIEAM, Antonio Silva, apontou como entraves ao desenvolvimento do Polo Industrial de Manaus (PIM) as constantes mudanças nas leis federais, o contingenciamento dos recursos da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), além da infraestrutura aeroportuária, energia elétrica, telecomunicações, entre outros. “Precisamos traçar uma agenda comum para a indústria e debater assuntos como a extensão dos incentivos fiscais para a região metropolitana, reforma tributária, descontigenciamento dos recursos da Suframa, entre outros. Esses são os obstáculos que devemos superar este ano”, enumerou Silva O presidente do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIEAM), Wilson Périco, reforçou a importância do PIM na arrecadação do governo federal. “Dos 27 Estados da Federação apenas oito devolvem em tributos mais do que recebem do

6

governo federal. O Amazonas é um deles: recebeu 4 bilhões e recolheu 6,3 bilhões, ou seja, não precisamos ficar com o pires na mão pedindo favores do governo, somos importantes e temos impacto na balança comercial”, disse Périco, que também é vice-presidente da FIEAM. Recém-empossado no cargo, o superintendente da Suframa, Thomaz Nogueira, fez um balanço de seus primeiros 30 dias à frente da autarquia. “Estamos em diálogo com a sociedade, ouvimos as demandas das entidades representativas e da força sindical, pois é preciso que tenhamos a maior interação possível”, disse. Nogueira afirmou que a guerra fiscal entre os Estados brasileiros existe devido à ausência de uma Política Industrial definida nacionalmente. “É preciso definir o que vai ser produzido em cada Estado. Não

Diretoria da FIEAM durante a primeira reunião de 2012


6,3

podemos nos excluir nem sermos excluídos. em bilhões de Não se trata de reais, esse é o reduzir oportunimontante que dades e sim de o Amazonas otimizar as linhas recolhe em que são nossa tributos federais vocação”, disse graças às o superintendenatividades do te. Nogueira afirPIM, segundo mou ainda que o Wilson Périco próximo passo é desenhar a Política Industrial do Amazonas, que será desenvolvida pela inteligência da Suframa e discutida com o Governo e as entidades representativas. A necessidade da construção de uma política industrial para o Amazonas foi uma unanimidade no posicionamento dos líderes políticos e empresariais. O vice-governador, José Melo, finalizou a reunião afirmando que “em nenhum outro momento tivemos tantas convergências. As entidades estão unidas frente ao mesmo objetivo. Isso demonstra espírito público”, afirmou o vice-governador. Contigenciamento Presidente da FIEAM, Antonio Silva, abre a reunião com as reinvidicações da indústria local

Lideranças da indústria e também do comércio debateram alternativas ao modelo Zona Franca de Manaus

O superintendente da Suframa, Thomaz Nogueira, compartilhou a informação sobre o contingenciamento dos recursos da autarquia pelo governo federal. Segundo Nogueira, dos R$ 514 milhões destinados à Suframa em 2012, o montante de R$ 309 milhões já está contingenciado pelo governo federal. Wilson Périco contestou: “A taxa (de Serviço Administrativo, TSA) que pagamos seria para propiciar à Suframa os recursos para melhoria da infraestrutura. Por que o empresariado vai continuar recolhendo (a TSA) se os recursos estão contingenciados?”, argumentou Périco. “De todas as soluções, a desoneração é a que eu menos prefiro. Como bom fiscal que sou, prefiro arrecadar e gastar bem com infraestrutura”, respondeu o superintendente da Suframa.

.

7


indicadores

O Polo de Duas Rodas contribuiu com os bons resultados obtidos pelo PIM em 2011 ao produzir e vender mais de 1,8 milhão de unidades

Indicadores de 2011 apresentados pela Suframa comprovam resultados acima do esperado pela indústria

A

cima das expectativas mais otimistas e com recorde histórico, o faturamento do Polo Industrial de Manaus (PIM), em 2011, chegou a US$ 41 bilhões, mais de 14% acima do resultado de 2010. De acordo com a Suframa, o total faturado no ano passado representa o melhor desempenho desde que a autarquia começou a divulgar os indicadores do Polo. O subsetor de duas rodas foi responsável pelo faturamento de US$ 6,9 bilhões, com mais de 1,8 milhão de motocicletas, motonetas e ciclomotos produzidos e vendidos. Outro destaque

8

14%

veio da produção de acordo com a autarquia, está acima televisores com tela da média pré-crise de 2008, quando LCD/LED e telefones 106.914 vagas foram mantidas no celulares que fatura- Esse foi o PIM. O polo Eletroeletrônico apareram, respectivamen- crescimento do ce em destaque: fechou o ano com te, US$ 6,7 bilhões e faturamento do 50.028 empregos diretos, seguido US$ 2 bilhões. PIM, em 2012, pelos polos de Duas Rodas (21.120) Ainda de acordo um recorde e de Termoplásticos (11.627). “Cocom o levantamento histórico, meçamos o ano com 110.437 empreda Suframa, os celu- segundo a gos e encerramos com 120.566, um lares figuraram en- Suframa, em número nunca alcançado no PIM. O tre os produtos mais comparação ao mais importante, porém, é observar exportados, com um resultado do ano que, durante o ano, 61.413 pessoas total de 2,8 milhões anterior foram contratadas e 44.861 foram de unidades vendidas demitidas, ou seja, surgiram mais de para o mercado externo. No item ex- 16 mil novas oportunidades de empreportação, o destaque são os cartuchos go”, comentou o superintendente da com lâminas de barbear. O PIM expor- Suframa, Thomaz Nogueira, na matéria tou quase 200 milhões de unidades do que acompanha a divulgação dos resulproduto em 2011. tados de 2011, no site da autarquia. De acordo com o superintendente, Também nos indicadores de mão de obra, no PIM, os números da Suframa em 2006, o Polo Industrial de Manaus apontam para outro recorde na geração obteve um saldo positivo de pouco mais de emprego: a média mensal de mão de de 1,5 mil empregos, e, em 2007, um obra chegou a 119.445 vagas, que, de ano antes dos efeitos da crise econômi-


A produção de aparelhos de TV foi um dos destaques no faturamento recorde registrado pelo PIM em 2011

ca mundial começarem a ser sentidos por aqui, o saldo foi de sete mil vagas. “Com a crise, tivemos um saldo negativo em 2009, com 5,8 mil vagas a menos. Os números do ano passado são históricos e teremos um grande trabalho pela frente para manter o saldo no patamar de 16 mil”, completou Thomaz Nogueira. A Suframa fez a divulgação dos resultados de 2011 em 29 de fevereiro último. Superação Para o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), Antonio Silva, os resultados de 2011 só vieram confirmar todas as projeções feitas ao longo do ano. “Foi um ano de recordes históricos, de superação de projeções de faturamento e geração de emprego, mas também ano de debate sobre novas alternativas econômicas e articulação para melhorias na infraestrutura física e logística para o segmento industrial”, disse ele.

6,9

Segundo Silva, mais importante que o crescimento da indústria como um todo é que esse resultado Em bilhões de beneficiou igualmen- dólares, esse foi te todos os setores o faturamento industriais do PIM, es- registrado pelo pecialmente o Polo de Polo de Duas Duas Rodas e o setor Rodas do PIM Eletroeletrônico, onde em 2011, com se destaca a produ- 1,8 milhão ção de televisores de unidades com tela de LCD/LED produzidas e e telefones celulares. vendidas Segundo Silva, a expectativa da indústria amazonense para 2012 é continuar crescendo, porém em menor escala, em consequência do recrudecimento da crise na economia mundial, agora mais concentrada na Europa, principalmente. “Entretanto, continuamos otimistas porque as medidas já colocadas em prática e as anunciadas pelo governo federal nos

dão esperança de que a economia amazonense continue tendo um desempenho positivo neste e nos próximos anos”, disse. Uma das batalhas em que a FIEAM estará envolvida em 2012, segundo Silva, é pela aprovação da proposta de emenda constitucional (PEC) que prorroga os incentivos da Zona Franca de Manaus por mais 50 anos, conforme promessa feita em outubro pela presidente Dilma Roussef. “Nossa luta pela manutenção das vantagens comparativas em relação a outros polos produtores continua, já que além da prorrogação, precisamos manter nossa competitividade e atrair novos investimentos. Sem os diferenciais competitivos, nossos custos logísticos se tornam pouco atraentes para os investidores. Portanto, a luta continua em 2012”, disse Antonio Silva.

.

Com informações da assessoria da Suframa.

9


indústria

Uma nova linha de produtos no PIM CAS e Codam aprovam, respectivamente, 239 e 226 projetos para o Polo Industrial de Manaus em 2011

O

Conselho de Administração da Suframa (CAS) aprovou, em 2011, 239 novos projetos para o Polo Industrial de Manaus (PIM), com previsão de investimentos de cerca de US$ 3 bilhões e a geração de 9.545 empregos em até três anos. Na esfera estadual, o Conselho de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Codam), encerrou o exercício de 2011 com um total de 226 projetos aprovados que somam investimentos de R$ 4.682 bilhões e a promessa de gerar 16.985 empregos no PIM. Depois da grande polêmica do ano, envolvendo a aprovação pelo Congresso da Medida Provisória (MP) 534, que inseriu os tablets no programa federal de inclusão digital, isentando sua produção do recolhimento de impostos, o que deixou o polo de Manaus em ligeira desvantagem com relação a outras regiões do País, a fabricação desses computadores portáteis terminou como destaque entre os projetos aprovados em 2011 pelo Codam: foi um total de sete, com um volume de investimentos que vai além dos R$ 255 milhões e a criação de 288 novas vagas no mercado de trabalho local. Entre os projetos aprovados para produção de tablets no PIM destacam-se os da Samsung, da Positivo e o da Evadin, que fechou contrato com a chinesa ZTE para produzir o modelo V9 em Manaus De acordo com a análise da Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico (Seplan), o volume geral de investimentos em 2011 representou um pequeno recuo em relação ao ano anterior, quando foram apurados empreendimentos no valor de R$ 5.407 bilhões, mas os qua-

10

Reunião do Codam, com participação do presidente da FIEAM, Antonio Silva, e do vice-governador José Melo

se 17 mil empregos previstos em 2011 foi a maior oferta dos últimos dois anos. No ano passado, segundo a Seplan, a mão de obra prevista em 214 projetos foi de 11.705 empregos, e 9.391 ofertados em 2009. Pelo balanço apresentado pela Seplan, entre 2009 e 2011, o Codam aprovou 666 projetos industriais com um total de investimentos de R$ 13.732 bilhões e 38.126 empregos.

Outro destaque em 2011, segundo a assessoria, foi a definição de um possível novo segmento no Polo Industrial de Manaus com a aprovação do projeto para a produção de medicamentos da Novamed, com previsão de gerar 320 empregos e com recursos de R$ 187 milhões. Ainda de acordo com a Seplan, as empresas A.Alves de Souza e CR Zongsheng tiveram projetos aprovaram para produção


Pneus, energéticos e tablets A empresa de origem austríaca Red Bull ingredientes regionais, e na criação de novos recebeu aval tanto do Codam quanto do CAS produtos no PIM. para instalar projeto no Polo Industrial de MaEntre os projetos de instalação aprovados naus com investimento previsto de R$ 509 pelo CAS, em 2011, destacam-se o da Tintas milhões. A aprovação do projeto, que só foi Brazilian Indústria da Amazônia, com investipossível graças à alteração do PPB (Processo mentos fixos de US$ 312 milhões para proProdutivo Básico) para refrigerantes, foi um duzir tintas à base de polímeros sintéticos; o dos destaques de 2011 por abrir um novo ni- da Touch da Amazônia, de US$ 143 milhões, cho industrial no Amazonas. Com a mudança para produzir relógios de pulso; o da Bertolini nesse PPB, o Ministério do Desenvolvimento, Construção Naval da Amazônia para produIndústria e Comércio (MDIC) ampliou a lista ção de barcos e outras estruturas flutuantes. de empresas com a concessão de benefíTambém é destaque cios fiscais para fabricantes de refrescos, o projeto de implantação isotônicos e energéticos. da Andrade Ribeiro InEm junho passado, o diretor-presidendústria do Látex Ltda, de te da Red Bull Brasil, Stefan Kozak, e o em milhões de US$ 2,2 milhões, para diretor de Marketing da empresa, Pedro reais, esse é o beneficiamento de borFrancisco Navio, entre outros executivos investimento racha granulada no muda empresa, manifestaram em encontro previsto pela nicípio de Iranduba, a 25 com o presidente da FIEAM, Antonio Silva, Red Bull Brasil quilômetros de Manaus, interesse em instalar no PIM a primeira para instalar e o da Neotec Indústria fábrica da empresa em todo o mundo, seu projeto, já e Comércio de Pneus, já que a produção da bebida energética, aprovado, no com previsão de US$ 58 atualmente, está concentrada em duas Polo Industrial milhões, para fabricar unidades terceirizadas, uma na Áustria e de Manaus pneumáticos para motooutra na Suíça, responsáveis pelo envacicletas e bicicletas. se de mais de 4,5 bilhões de latas para Entre os projetos de o mercado mundial. A bebida energética foi diversificação, destacam-se o da Electrolux lançada na Áustria em 1987 e chegou ao da Amazônia e o da Whirlpool para produzir Brasil em 1998. ar-condicionado do tipo split, com investiNo projeto apresentado ao Codam, a em- mentos fixos de US$ 1,4 milhão e US$ 11 mipresa calculou a capacidade de produção lhões, respectivamente; o da Foxconn, com em 64 milhões de litros no primeiro ano e de investimentos de US$ 31 milhões, para pro85 milhões no terceiro. De acordo com previ- duzir games; e o da PST Eletrônica, no valor sões da Suframa, a Red Bull deverá investir de US$ 5,3 milhões, para produzir autorrádio na substituição de insumos, aproveitando com TV e DVD player integrados.

509

Com informações das assessorias da Seplan e Suframa.

de bicicletas elétricas, somando aproximadamente R$ 159 milhões e 230 empregos. A Rexam aprovou projeto para fabricação de latas com R$ 136 milhões e mão de obra de 58 trabalhadores. No setor de micro e pequenas empresas o destaque é o projeto da Venttos para produção de placa para informática, um empreendimento de R$ 4 milhões e 78 empregos.

Antonio Silva com o presidente da Red Bull Brasil, Stefan Kozak (esquerda) e outros executivos do grupo

11


consultoria

Projeto de inovação mobiliza indústrias

Augusto César Rocha, especialista em Gestão da Inovação, deu palestras no lançamento do projeto

Coordenador espera implementar projetos de inovação em 60 empresas industriais até 2013

O

Projeto de Mobilização para Elevação do Grau de Inovação nas Micro e Pequenas Empresas Industriais pretende sensibilizar neste ano 300 empresas, capacitar outras 120 e oferecer diagnóstico e consultorias em elaboração de planos de inovação. A meta foi anunciada pelo coordenador José Nabir de Oliveira, durante lançamento do projeto no auditório do SENAI, em 26 de janeiro. A expectativa, segundo Nabir, é implementar projetos de inovação em 60 empresas até 2013. O projeto é promovido pela Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). O presidente em exercício da FIEAM, Américo Esteves, disse que o evento representa oportunidade para micro e pequenas empresas

12

O coordenador do projeto, José Nabir de Oliveira, quer oferecer diagnósticos e consultorias a 120 empresas

300

industriais começarem processo de mudança em 2012, visando a inovação. De acordo com Essa é a meta Esteves, a inovação vai de empresas possibilitar aos empre- que serão sários desenvolvimento sensibilizadas das empresas, acesso em 2012, no a novos mercados e au- Amazonas, mento das margens de por meio de lucro. parceria entre “Inovar pressupõe FIEAM, CNI e geração de resultados. Sebrae A ideia de inovação é fazer o novo, algo inédito no contexto”. A afirmação é do especialista em Gestão da Inovação, pela Universidade de Santiago da Compostela (Espanha), Augusto César Rocha, em palestra realizada para os convidados da construção civil, setor moveleiro e naval. De acordo com o consultor, 90% dos produtos consumidos em 10 anos não existem hoje, e que não é preciso realizar pesquisa de mercado para lançar novos produtos, ressaltando que a inovação está em toda parte. “É uma questão de percepção”, disse. Para o palestrante, medidas simples po-

O presidente em exercício da FIEAM, Américo Esteves, disse que a inovação também gera desenvolvimento

dem ser consideradas inovadoras, citando como exemplo as antigas padarias que para se manter no mercado tiveram que diversificar a sua produção oferecendo ao consumidor vários produtos. Segundo Rocha, um produto comercializado em outro país pode ser adaptado para ser utilizado em um mercado desconhecido. Ele disse ainda que o empresário não é resistente às mudanças e que as entidades de pesquisa e os empreendedores devem interagir, reduzindo as distância para que os projetos de inovação sejam implementados. Para o consultor, inovação e tecnologia estão associadas, destacando a importância do conhecimento científico, o conhecimento prático e os meios (capital) para a viabilização de projetos de inovação. O coordenado do projeto pela FIEAM/ SENAI, José Nabir de Oliveira, disse que o projeto pretende sensibilizar 300 empresas durante os primeiros eventos, além da capacitação em Gestão e Inovação para empresários, diagnóstico das empresas e consultoria na elaboração de planos de inovação. “A expectativa é de implementar projetos de inovação em 60 empresas até 2013”, disse.

.


produção

MDIC promete rever Processos Produtivos Secretário ministerial fez a promessa em reunião com lideranças industriais na sede da FIEAM

O

Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio se comprometeu a revisar, no prazo de 60 dias, e atualizar, em no máximo 120, todos os Processos Produtivos Básicos (PPB) do Polo Industrial de Manaus (PIM) para dar mais agilidade à industria. A promessa foi feita pelo secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Alessandro Teixeira, em reunião com o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), Antonio Silva, na sede da organização. O presidente da FIEAM, Antonio Silva, aproveitou o encontro com o secretário para discutir os interesses da indústria amazonense, bem como dos demais segmentos econômicos do Estado, em reunião que contou também com a participação de outros representantes do MDIC, Suframa, Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIEAM), Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (FAEA) e Associação Comercial do Amazonas (ACA). Segundo o presidente da FIEAM, o Estado do Amazonas tem condições de mostrar uma política de desenvolvimento segura e lucrativa, porém é indispensável que os órgãos federais acreditem na capacidade da participação efetiva da indústria amazonense. “Temos uma indústria produtiva e viável da qual a nossa população necessita para se manter independente, visto que somos um estado afastado dos grandes centros econômicos do País. Precisamos mostrar a importância dos investimentos empregados na região na geração de emprego, renda e desenvolvimento do Amazonas”,

O secretário Alessandro Teixeira (esquerda), com o presidente da FIEAM, Antonio Silva, e outras lideranças

destacou Silva. Dos pleitos apresentados a Alessandro, o presidente do CIEAM, Wilson Périco, solicitou maior observação do MDIC nos PPB´s que estão prontos para serem aprovados, levando em consideração a competitividade, sustentabilidade e desenvolvimento das empresas que apostam no Polo Industrial de Manaus (PIM). “Esesse é o prazo, tamos falando dos em número de PPB´s relacionados dias, em que o à Videolar, à produMDIC promete ção de interruptor e atualizar os tomadas e do cultivo Processos da juta”, elencou PéProdutivos rico, reivindicando Básicos também uma estrapendentes do tégia para a devoPolo Industrial lução das taxas da de Manaus Suframa, no valor de

120

R$ 300 a R$ 400 milhões. Na visão do superintendente da Suframa, Thomaz Nogueira, o momento é de vencer as questões pontuais do PIM e construir diretrizes dos passos futuros para que o Modelo Zona Franca de Manaus seja sempre bem-sucedido. Para Teixeira, a visita à FIEAM foi positiva, pois trouxe uma visão ampla das preocupações dos setores econômicos aos técnicos do MDIC que participaram do encontro, sendo possível retornar a Brasília com uma pauta das medidas a serem estudadas. “Discutimos questões relacionados à economia do país, alinhando alguns pontos prioritários da indústria amazonense, bem como discutimos o futuro do PIM, a partir do ponto de vista da FIEAM, Superintendência, Governo e demais entidades presentes”, concluiu o secretário-executivo do MDIC.

.

13


ebep

Ensino articulado SESI e SENAI atende segmentos da construção civil e metalmecânica

O

Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) tem como obrigar as empresas a cumprir a cota de contratação de aprendizes, mas é função do órgão, também, sensibilizar o empregador sobre a importância de se investir no jovem que passa pela formação básica, profissional e pela prática dentro de sua empresa. Assim, a auditora fiscal Karina Andrade, do MTE, iniciou sua explanação sobre a Lei Nº 10.097/2000 no workshop sobre Educação Básica do SESI articulada com a Educação Profissional do SENAI (EBEP), realizado na Escola SENAI Waldemiro Lustoza, localizada no bairro Cachoeirinha. A programação ocorreu nos dias 28 e 29 de fevereiro e foi direcionada aos segmentos da construção civil e metalmecânica. “Este ensino (EBEP) permite que jovens entre 14 e 24 anos consigam a tão sonhada experiência profissional e se tornem mão de obra qualificada e com o perfil adequado à demanda dessa empresa”, disse ela. De acordo com a Lei 10.097/2000 que alterou dispositivos da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), os estabelecimentos de qualquer natureza são obrigados não só a contratar um número de aprendizes equivalente a 5% (mínimo) ou 15% (máximo) do seu efetivo, mas também matricular esses menores em cursos dos Serviços Nacionais de Aprendizagem, ou industrial (SENAI), ou comercial (SENAC). O ensino/aprendizagem dos alunos do EBEP segue o escopo do Programa Menor Aprendiz. Os cursos têm duração de 19 meses ou 1.600 horas. Na primeira parte do programa, o aluno recebe, pela manhã, a formação do ensino médio, com os professores do SESI que utilizam a metodologia SESI Educa, e à tarde, o conhecimento profissionalizante com aulas teóricas e práticas dos instrutores do SENAI dentro

14

Auditora fiscal do MTE, Karina Andrade, explicou sobre os benefícios do contrato do menor aprendiz

de salas e laboratórios da instituição. “Esta ação que SESI e SENAI estão disponibilizando para a indústria fortalece toda a cadeia produtiva atendida, possibilitando que a empresa se torne mais competitiva contando com uma força de trabalho alinhada às suas atividades”, disse a gerente de Educação de Jovens e Adultos do SESI (EJA), Cassandra Augusta. As outras 800 horas são cumpridas nas empresas que recebem este profissional em processo de aprendizagem. O aluno do EBEP é um trabalhador diferenciado dos demais, pois se trata de um menor que está sob responsabilidade de um monitor que deve acompanhar a última fase deste aprendizado no ambiente de trabalho condizente às técnicas e habilidades desenvolvidas no SENAI.

SESI e SENAI promoveram workshop para divulgar a importância


Cleber Pinheiro começou no Menor Aprendiz do SENAI, iniciativa para atender a demanda industrial

Mais 248 vagas em 2012

do EBEP para os segmentos da Construção Civil e Metalmecânica

Sou fruto A meta para este ano é matricular Doce. Conquistei meu deste 248 novos alunos com a abertura dos primeiro emprego atracursos no segmento de metalmecânica, brilhante vés do SENAI. Sou um com turmas de almoxarife, mecânica de projeto Menor exemplo de que este motocicleta, operador e programador de Aprendiz. iniciei projeto dá todas as fermáquinas a CNC e mecânico de moto- minha carreira ramentas necessárias res automotivos, e cursos para atender aos 14 anos para o crescimento do o segmento da construção civil, ofere- e conquistei trabalhador e da indúscendo turmas de instalador hidráulico meu primeiro tria”, afirmou Cleber. predial e eletricista instalador predial de emprego Todo o processo de através do baixa tensão. contratação e escolha Para o coordenador de manutenção SENAI do jovem que irá particiindustrial da empresa Entec Longhi e Cia, CLEBER PINHEIRO par do EBEP é realizado Cleber Pinheiro, a proposta do Sistema S é pela empresa, porém o grandiosa tanto para a empresa que contribui SENAI quando solicitado pode auxiliar com com a formação os futuros funcionários de o encaminhamento de currículo de candiseu quadro quanto com o próprio adolescen- datos para a formação. te que passa a ter um amplo conhecimento Para mais informações sobre como as educacional básico e profissional. empresas podem participar do Programa “Sou fruto deste brilhante projeto do de Educação Básica e de Educação ProMenor Aprendiz, iniciando minha carreira fissional, ligar para Cassandra Augusta, no profissional aos 14 anos quando fui con- SESI, pelo 3238-9706, ou para Socorro Butratado como aprendiz pela Vale do Rio tel, no SENAI, pelo 3182-9972. 15


negócios

Sigvig substitui papelada aduaneira Sistema de informações promete agilizar as transações aduaneiras na Zona Franca de Manaus

F

erramenta informatizada com acessibilidade pela Internet promete agilizar as transações aduaneiras na Zona Franca de Manaus. A novidade para o Amazonas foi apresentada por grupo de técnicos e gestores do Sistema de Informações Gerenciais de Importação e Exportação do Vigiagro (Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional), na sede da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas, para profissionais que lidam diretamente com os processos de gerenciamento, controle de recebimento, envio e fiscalização das mercadorias importadas e exportadas pela indústria local. A ferramenta foi desenvolvida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e lançado em 2009. As papeladas já foram substituídas pelos

documentos digitais importação e exportação com seus resem praticamente pectivos termos. todos os portos do “Com o Sigvig, a indústria ganha, Espírito Santo ao Mais de 60% pois deverá diminuir o tempo gasto no Rio Grande do Sul, do volume de desembaraço da entrega e recebimento segundo informou importação de insumos do PIM”, disse o vice-presio coordenador-gee exportação dente da FIEAM, Nelson Azevedo. ral do Sigvig, Oscar praticado no Para a indústria amazonense, a granRosa Filho. território brasileiro de expectativa está no módulo que ain“Mais de 60% do da será implantado no Sigvig referente já utiliza essa volume de importaàs embalagens de madeira. ferramenta que ção e exportação torna mais rápida A Superintendência Federal da Agripraticado no territócultura no Amazonas deve definir um a gestão da rio brasileiro já utilicronograma para realizar treinamento e informação za essa ferramenta promover testes da ferramenta para exque torna mais rápiportadores e importadores locais para OSCAR R. FILHO da a gestão da inforque o Amazonas esteja inserido nesta mação e menos butecnologia que já vem sendo empregada rocrática a liberação e o recebimento das com sucesso em outros Estados. cargas nos portos e aeroportos do Brasil”, Oscar lembra que os interessados em destaca o coordenador do Sigvig e fiscal fe- mais informações sobre o Sigvig podem deral agropecuário. acessar o endereço on-line http://sisteO sistema destina-se a atender as ne- masweb.agricultura.gov.br/pages/SIGVIG. cessidades aduaneiras, oferecendo cadas- html, onde estão disponíveis apostila via tro único dos estabelecimentos, represen- web e o passo a passo de como operaciotantes autorizados e de requerimentos de nalizar a ferramenta.

Apresentação da nova ferramenta recebeu a atenção de muitos empresários amazonenses

16

.

Oscar Rosa Filho apresentou o novo sistema


Polo relojoeiro mantém crescimento C

onsiderado por muitos como símbolo de poder, o relógio de pulso continua sendo, em plena era dos celulares, objeto de desejo de homens e mulheres. Basta ver o investimento produtivo do Polo Relojoeiro da Zona Franca de Manaus, em 2011, de mais de US$ 104 milhões - um valor mais alto que todo o investimento de 2009 e 2010 somados - para perceber que a produção de relógios de pulso não dá o menor sinal de crise. De acordo com levantamento da Suframa, nos últimos dois anos, o faturamento do Polo Relojoeiro saltou de US$ 301 milhões para US$ 613 milhões, um crescimento de mais de 103%. Também segundo dados da autarquia, os postos de trabalho no segmento cresceram 34,5% entre 2010 e 2011, evolução considera-

Polo Relojoeiro teve um dos melhores desempenho de 2011, tanto em faturamento quanto em emprego da a maior do Polo Industrial de Manaus (PIM). Depois de passar por período de estagnação em razão da popularização dos celulares que marcam a hora, o relógio foi reinventado com novos modelos e cores, ganhando novos consumidores em todo o mundo e passou a ser um acessório indispensável para todos. Não há nenhuma indicação de que a produção de relógios de pulso tenha reduzido.

De acordo com o presidente do Sindicato das Indústrias de Relojoaria e Ourivesaria de Manaus, Nelson Azevedo dos Santos, a aposta no setor relojoeiro do Polo Industrial de Manaus (PIM) tem apresentado bons resultados, ressaltando que em 2010, o segmento teve crescimento de 103 % em relação ao ano anterior. Em 2009, o faturamento foi de US$ 301 milhões, enquanto que em 2010, faturou US$ 613milhões. “A expectativa é de que o faturamento ultrapasse US$ 644 milhões”, disse. Segundo, o presidente do Sindicato, oito empresas compõem o Polo Relojoeiro, entre as quais, Dumont, Technos, Seculus, Oriente, Magnus, Citizen, que produzem cerca de 1 milhão de unidades por mês, destacando que nos 11 meses

17


O presidente do Sindicato das Indústrias de Relojoaria e Ourivesaria de Manaus, Nelson Azevedo

do ano passado foram vendidos mais de 9,8 milhões de relógios de pulso e de bolso, sendo 99% para o mercado interno, considerado o melhor desempenho em 45 anos de criação da Zona Franca de Manaus. Ele destacou ainda, a criação de novos postos de trabalho, de 1.372 empregos em 2006, o setor saltou para 2.425, em 2011. No comparativo entre 2011 e e 2010, o crescimento foi da ordem de 34,5%. Esta evolução foi a maior do Polo Industrial de Manaus, sem levar em conta o setor de beneficiamento de borracha que cresceu 66,67%. Ele disse também que o segmento de relógio passou por um período difícil no Polo de Manaus, em razão do forte contrabando e da pirataria, mas que a situação tem melhorado muito nos últimos anos devido o combate feito a essas práticas pelo Polícia Federal, Receita Federal e Associação Brasileira de Combate ao Contrabando e outra s entidades. Para Nelson Azevedo, os relógios produzidos no Polo Industrial de Manaus tem boa qualidade e cada uma empresas tem a sua marca, com vários modelos, atendendo aos consumidores de baixa renda até os mais exigentes.

18

Santos esclareceu, que o mecanismo dos relógios são todos fornecidos por grandes empresas mundiais com a mesma qualidade, ressaltando que o custo mínimo para se produzir um relógios fica entre US$ 6,00 e US$ 8,00 para colocar no mercado. O presidente do Sindicatos dos Relojoeiros e Ourivesarias, compõem o Polo Reloalertou para os danos causados à joeiro de Manaus, proeconomia amazonense pelos produduz 132 mil unidades tos pirateados e contrabandeados ou da mão de obra de relógios por mês gesubfaturados que são vendidos da Dumont, que rando 300 empregos em Manaus.. “ Essa prática gera uma é detentora de diretos. concorrência desleal e predatória para 11 marcas, são De acordo cm o as empresas que estão instaladas no mulheres, que gerente de Recursos Polo Industrial de Manaus que pagam têm mostrado Humanos da empresa, seus impostos e encargos, além de ge- mais habilidade Ivanildo Belém, 70% rar emprego e renda” disse. dos trabalhadores são e prazer para Finalizando, disse que os relógios produzir relógios mulheres que têm depopulares produzidos em Manaus têm no polo de monstrado mais habilimais qualidades do que os chineses Manaus dade e prazer para procomercializados na cidade. duzir relógios. Ele disse que a Dumont é detentora de 11 marcas Dumont Saab do Brasil de relógios, como Condor, Timex, Adidas, Diesel, Fossil Michael Kors, Marc Jacobs e Segunda empresa do segmento re- Armani, que produzem cerca de 3 mil molojoeiro a se instalar na Zona Franca de delos de relógios, de variados designers Manaus, em abril de 1970, com a deno- para esportistas e executivos, crianças, minação de Nelima Indústria de Relógios jovens e adultos. Segundo Ivanildo, 5% do LTDA, a Dumont, uma das empresas que total dos trabalhadores têm qualificação

70%


Gerente da Dumont, Ivanildo Belém, aposta na habilidade das mulheres para produzir relógios

especial e são considerados relojoeiros, com larga experiência na área e que são muito disputados pelo mercado. O coordenador do Sistema de Gestão e Qualidade, Almir Menezes disse que a produção é toda destinada ao consumo interno e que os relógios produzidos pela Dumont são comercializados em todos os estados brasileiros, ressaltando que depois de produzidos, os relógios são enviados para a Unidade Comercial, em São Paulo, para a entrega aos estados. Segundo Menezes, os relógios Dumont são comercializados no valor entre R$ 70,00 e R$ 3.OOO,00 atendendo a todas as camadas sociais. De acordo com o gerente-administrativo-financeiro, Álvaro Regis, a produção da Dumont, no Brasil está toda concentrada em Manaus e atinge 40% da produção internacional, ressaltando que até 2012 toda a produção mundial com a marca Dumont estará concentrada no Polo Industrial de Manaus..

19


educação

A gerente da Unidade 2, Lizette Coelho (ao fundo, à direita) dá as boas vindas aos alunos no primeiro dia

A pequena Giovana folheia livro de histórias em seu primeiro dia

Emoção renovada na volta às aulas Unidades de Educação do SESI voltaram às atividades, com mais de 5 mil alunos matriculados

E

Expectativa, choro, coração apertado, despedida e novos desafios, marcaram a volta às aulas da Rede SESI de Educação. Na segunda (6), mais de 3 mil alunos das unidades de Manaus, Itacoatiara e Iranduba começaram o ano letivo, exceto os alunos da Unidade 8 (Dr. Francisco Rodrigues Garcia), no Distrito Industrial, que terá as aulas iniciadas no próximo dia 13. Esses sentimentos predominaram na família Diniz, que levou o pequeno Levi (4) para o seu primeiro dia de aula na unidade 3 (Dra. Emina Mustafa), São José I, que disponibiliza Educação Infantil (a partir de

20

3 anos) e Ensino Fundamental (até o 9º ano). Para o pai, Jupi Diniz, que também é professor, a expectativa para sua família é bem maior. “O Levi tem algumas limitações, como a fala. Nossa é expectativa é que a escola auxilie no seu desenvolvimento e facilite a sua integração com as outras crianças, almeja o pai. Já na unidade 2 (Dr. Adalberto Valle), no Conjunto Ica – Paraíba, que oferece ensino de Educação Infantil e Ensino Fundamental do 1º ao 5º ano, o clima foi de mais confiança. Como em todas as unidades, os pais puderam acompanhar seus filhos nas primeiras horas de adaptação. Como a mãe, e contadora da empresa Foxconn, Alessandra Margatho, que aproveitou seu horário de almoço para participar do primeiro dia de aula de sua filha Isabela (5). De acordo com a mãe, a criança estuda no SESI desde o maternal, e o motivo da criança continuar na instituição até hoje

A mãe Alessandra Margatho acompanha o primeiro dia de aula da

é a metodologia e confiança nos profissionais da instituição. “Hoje estamos mais tranqüilas, pois não é nosso primeiro dia no SESI. Mas estou aqui do lado dela, passando segurança e confiança para enfrentar esse retorno às aulas. Para a gerente da unidade 02, Lizette Coelho, que retornou ao comando da unidade, a expectativa da Rede é elevar consideravelmente o nível da educação. “Além da manutenção anual das unidades, o SESI tem como novidade um professor para cada disciplina do 2º ao 5º, a educação financeira


Rede prevê novidades para 2012

na Unidade 8

A equipe de docentes da Rede SESI de Educação participou de capacitação pedagógica com consultores da Rede Pitágoras, que desenvolve a metodologia de ensino utilizada nas Unidades do SESI. Segundo o superintendente do SESI/ AM, Luiz Alberto Medeiros, além da ampliação de 10 salas de aula na Unidade 08 (creche), o SESI também investe em metodologia com objetivo de alcançar um nível de excelência em educação de crianças e adolescentes. “É preciso formar jovens preparados para os desafios da vida adulta e esse processo começa já na educação infantil”, disse. No encontro, foram debatidas temáticas como a educação inclusiva e os desafios de cuidar e educar de crianças com necessidades especiais, o processo do construcionismo - a construção do conhecimento e; o estímulo ao engajamento dos alunos do 6º ao 9º ano e também a importância dos projetos especiais para as turmas do ensino fundamental. “O projeto possibilita a interação entre as disciplinas e faz com que o aluno se torne mais responsável, comprometa-se com o grupo e possa se projetar no tempo, planificando ações futuras”, disse a consultora Vera Maria Paixão. Segundo a gerente de Educação do SESI/AM, Rita Machado, as novidades

para 2012 são as aulas de xadrez (para alunos do 1º período ao 9º ano), música (todos os alunos) e educação financeira (ensino fundamental). “Para o segundo semestre, está previsto o lançamento da Sala de Recursos, dedicada exclusivamente para alunos com necessidades especiais. O aluno poderá frequentar esta sala em horários extras e será estimulado com jogos e metodologias dinâmicas, visando seu desenvolvimento”, vislumbrou. Machado aponta também a mudança no sistema de avaliação dos alunos. “O objetivo é adequar o padrão das avaliações do SESI às provas do Enem para que o aluno se adapte ao estilo de prova desde cedo tornando o vestibular um processo natural”, projetou a gerente. De acordo com a gerente, o SESI está na busca de alcançar novos patamares no sistema educacional. No ano passado, o SESI participou da Prova Brasil, realizada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira/ Ministério da Educação (Inep/ MEC), e da avaliação da Rede SESI (PAERS), feita pelo Instituto Nacional de Administração para o Desenvolvimento (Inad). Ambas com objetivo de avaliar os conhecimentos em matemática e língua portuguesa dos alunos do 5º e 9º ano do Ensino Fundamental.

filha Isabela

que será trabalhada na disciplina de matemática e o trabalho na área musical na disciplina de artes”, disse lizette. A unidade 8, que atenderá esse ano mais de 2 mil alunos na faixa dos 4 meses a 5 anos, na Educação Infantil (Creche e Pré – Escola), teve a ampliação de 10 salas de aula para atender exclusivamente o maternal nesse ano de 2012. Com a volta às aulas desta turma, a Rede SESI de Educação somará mais de cinco mil alunos.

Superintendente do SESI, Luiz Alberto Medeiros, fala a professores da instituição durante capacitação pedagógica

21


educação

Crianças fazem recreação antes de iniciar as atividades na volta às aulas na Unidade 8, do SESI

O bercário da Unidade do SESI também passou por ampliação para dar mais conforto às crianças

Creche do SESI recebe 2,1 mil alunos após ampliação Unidade localizada no Distrito Industrial é considerada a maior creche da América Latina

A

mpliada em mais dez salas de aula para alunos de creche, a Unidade de Educação 8 “Francisco Garcia”, do Serviço Social da Indústria (SESI), no Distrito Industrial, iniciou hoje (13) as atividades do ano letivo,

22

que beneficiam 2,1 mil alunos de creche e pré-escola, em regime integral. “O SESI investiu na ampliação da área física e recursos humanos da maior creche da América Latina para melhor atender os filhos e dependentes dos trabalhadores da indústria”, explicou o presidente da Federação das Indústrias e diretor regional do SESI/AM, Antonio Silva. Inaugurada em 21 de março de 1994, a Unidade 8 “Francisco Garcia” foi concebida com a função primordial de atender os trabalhadores do Polo Industrial de Manaus

Crianças são encaminhadas às salas de aula no primeiro dia do


Vista da área ampliada da Unidade de Educação 8, que ampliou sua capacidade em 12%

12%

ano letivo de 2012, na Unidade de Educação 8, do SESI l

(PIM) que precisavam deixar Além do espaço físico, a Unidaseus filhos na escola em tempo de Francisco Garcia dispõe de integral. estrutura que compreende 87 De acordo com a gerente da Esse é o professores, 60 auxiliares de Unidade, Acilda Santos, a Unida- percentual de pré-escola, 50 estagiários, sete de 8 aumentou em 12% a oferta crescimento pedagogos, dois assistentes sode vagas passando de 1,8 mil da capacidade ciais, um médico, um psicólogo, para 2,1 mil alunos, além da da Unidade, dois enfermeiros e um nutricioconstrução de um prédio todo cli- que ampliou a nista. matizado com dependências no oferta de vagas Ela disse também que hoje é de 1,8 mil para um dia especial com a Unidade térreo e no primeiro pavimento. No térreo foram construídas 2.1 mil alunos colocando toda sua estrutura áreas para recepção, atendimen- em regime de para receber os alunos. “No 1º dia to médico, odontologia e sala tempo integral de aula, os alunos aprendem a lopara nutricionista. No 1º pavicalização das salas de aula e têm mento foram construídas salas para profes- contato inicial com os professores”, disse. sores, estagiários, pedagogos, serviço soO arquiteto em software, da Fucapi, Yuri cial, administração, secretaria de gerência Guimarães, disse que estava feliz em sua e gerência, além de banheiros. filha, Laura Guimarães, ao 1º dia de aula Acilda disse ainda que a Unidade 8 ado- do ano. Yuri disse que a escola oferece ta ações pedagógicas que oportunizam aos segurança e que tem professores qualificaalunos a construção conjunta do conheci- dos em Educação Infantil. Laura é aluna do mento e a participação social constante. maternal 2.

.

23


convênio

Mulheres produtoras ganham feira de produtos regionais Governo do Estado e 7º Comar inauguram Feira da Economia Feminista e Solidária de Produtos Regionais do Amazonas

C

om o intuito de abrir um espaço para as produtoras do Estado foi inaugurada, em 4 de fevereiro, pelo governador Omar Aziz, a Feira da Economia Feminista e Solidária de Produtos Regionais do Ama-

zonas. A feira é resultado de um convênio do Governo do Estado com o 7° Comando Aéreo Regional da Aeronáutica (7° COMAR), onde serão comercializados produtos regionais a preços acessíveis para a população. O destaque da feira é a representatividade feminina nos negócios da família, e como exemplo temos a Associação de Mulheres Indígenas de Benjamim Constant, município a 1.118 quilômetros de Manaus, que expõe artesanato confeccionado pelas mulheres do grupo juntamente com as produtoras do Projeto de Desenvolvimento

Sustentável do Instituto Nacional de Colonização e Regularização Agrária (Incra), em Iranduba, a 25 quilômetros de Manaus. Segundo a líder de Projetos de Agronegócios do Sebrae Amazonas, Eliene Freitas, a feira acontece quinzenalmente no pátio do Clube dos Suboficiais e Sargentos da Aeronáutica (Cassam) e abriga cerca de 100 produtoras dos municípios de Manaus, Autazes, Careiro da Várzea, Iranduba, Manacapuru, Rio Preto da Eva, Presidente Figueiredo, Itacoatiara, Manaquiri, Anamã, Tefé, Uarini, Maués e Careiro-Castanho.

Governador Omar Aziz (esquerda) comandou a inauguração da Feira ao lado de parlamentares, autoridades do Sebrae e da Agricultura

24

.


tributos

Declaração de renda do MEI deve ser enviada até 31 de maio

De acordo com orientações do Sebrae, o empreendedor individual precisa acessar, no site da Receita Federal, o link do Simples Nacional para acessar o PGMEI

A Declaração Anual do Simples Nacional equivale ao Imposto de Renda de Pessoa Jurídica

C

erca de 21 mil empreendedores individuais do Amazonas devem enviar, até o dia 31 de maio, a Declaração Anual do Simples Nacional (DASN) à Receita Federal. Quem não enviar a declaração no prazo determinado estará sujeito ao pagamento de multas e ficará com o CPF irregular. A DASN equivale ao imposto de renda de pessoa jurídica, porém exigida às empresas optantes do Simples Nacional. Nelas os empresários fornecem as informações do faturamento bruto da empresa no ano base de 2011. De acordo com o analista técnico do Sebrae no Amazonas, Douglas Mousse, para

fazer o envio da declaração o empreendedor precisa visitar o site da Receita Federal (www.receita.fazenda.gov.br) e pelo link do Simples Nacional acessar o PGMEI, informando seu CNPJ e seguir as instruções do site para o envio da DASN. Para declarar é necessário informar se houve registro de funcionário durante o ano passado e para os que tiverem o negócio ligado ao comércio ou indústria é preciso declarar o valor da receita sujeito mil. Esse é o uni ao Imposto sobre a Circulação de Merverso de micro empreendedor cadorias e Serviços que o Sebrae (ICMS). “É de extreespera que ma importância que façam a o empreendedor Declaração saiba o valor exato Anual do de seu faturamenSimples to desde janeiro a Nacional, o dezembro de 2011 DASN para que seja infor-

21

mado corretamente na declaração, que é de preenchimento simples e rápido”, comenta Douglas. Os que estiverem com dúvidas sobre como fazer a declaração anual podem pedir informações nos postos de atendimento do Sebrae no Amazonas ou ligar para a central de relacionamentos pelo número 0800 570 0800.

.

25


inovação

Consultoria gratuita para micro e pequenos E

mpresários interessados em empreendedorismo, inovação tecnológica ou melhorias de gestão, devem se inscrever no Programa de Iniciação Científica e Tecnológica para Micro e Pequenas Empresas (Bitec). A iniciativa é do Instituto Euvaldo Lodi (IEL Amazonas), em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Fapeam), e oferece 70 bolsas para que estudantes de nível superior ou superior tecnológico desenvolvam projetos em micro e pequenas empresas. De acordo com a técnica responsável pelo Bitec, Joelma Muniz, a partir das necessidades identificadas nas empresas, os universitários selecionados e orientados por professores elaboram projetos que geram soluções tecnológicas capazes de tra-

26

O Bitec oferece 70 bolsas para que estudantes desenvolvam micro e pequenos projetos zer ganhos de produtividade, redução de custos, aumento de receitas, inovação, implantação de tecnologia, modelo de gestão e empreendedorismo para as empresas. “A vantagem para a empresa é a transferência de conhecimentos do meio acadêmico para o produtivo, com aplicabilidade prática, onde o aluno desenvolverá projetos nas áreas de inovação, empreendedorismo, tecnologia ou gestão que resultará em um

produto final que poderá ser uma pesquisa, um software, um manual, um mapeamento ou um protótipo”, disse Muniz. As inscrições podem ser feitas até 30 de março. Os projetos terão duração de seis meses cada. E os estudantes receberão bolsas mensais de R$ 360,00 e os professores de R$ 461,00. Das 70 bolsas, 35 são para alunos e 35 para professores, com total de 35 empresas contempladas. Destas, dez são exclusivas do polo naval. Ao final do projeto são escolhidos os três melhores e o primeiro lugar será publicado na coletânea do Projeto Bitec, pelo IEL Nacional. Para se candidatar ao programa, os empresários, professores e alunos interessados podem se informar pelos números: 3233-4372/2125-8847.

.


alimentação

A gerente de Responsabilidade Social Empresarial, do SESI, e coordenadora do Cozinha Brasil, Simônica Sidrim, mostra o novo manual lançado pelo Departamento Nacional

Cozinha Brasil terá cardápio regional O Serviço Social da Indústria no Amazonas (SESI/AM) vai lançar até o início do segundo semestre de 2012 um concurso de receitas gastronômicas inspiradas na cozinha regional e no conceito básico do Programa SESI Cozinha Brasil, a partir da mistura de três ingredientes fundamentais para uma alimentação saudável e nutritiva: economia, qualidade e sabor. Essa é apenas uma das ideias já formatadas após o Encontro Técnico do Progra-

SESI Amazonas lançará concurso de receitas gastronômicas inspiradas no conceito básico do programa ma Cozinha Brasil, que reuniu em Brasília, no início de dezembro passado, gestores e coordenadores técnicos dos Departamen-

tos Regionais do SESI para avaliar o desempenho do programa nos últimos anos e definir ações estratégicas para o planejamento de 2012. Como representante do SESI/AM, ao lado da nutricionista Evely Medeiros, a gerente da área de Responsabilidade Social Empresarial e coordenadora regional do Cozinha Brasil, Simônica Sidrim, considerou o encontro muito produtivo por ter tido, segundo ela, pela primeira vez, oportunidade de ter acesso a ações que em nível nacional são desenvolvidas e que poderiam ser adaptadas à realidade do Amazonas. Segundo Simônica, foi apresentado no encontro a necessidade de reforçar os três eixos de atuação do Cozinha Brasil, que são a redução do consumo, alimentação saudável e o investimento social privado.

27


“Esses são os eixos estratégicos com os O nosso ção científica por meio quais o Cozinha Brasil já vem trabalhanpúblico de parcerias com as do, mas que serão reforçados a partir alvo ainda é o universidades. “Além de agora. O nosso público alvo ainda é trabalhador da dos projetos específio trabalhador da indústria e seus depen- indústria e seus cos que contemplam dentes, a população em geral e algumas dependentes, a uma indústria ou outro instituições governamentais e não go- população em parceiro, temos ainda vernamentais, desde que respaldadas geral e algumas os projetos com as miou com apoio das indústrias”, disse. instituições cro e pequenas empreAlém do concurso de receitas, a co- governamensas, em parceria com ordenadora vem se reunindo com pes- tais e ONGs o Sebrae, e outros que quisadores do Inpa (Instituto Nacional a gente precisa desende Pesquisas da Amazônia) para desen- SIMÔNICA SIDRIM volver, tudo isso, claro, volver projetos de inovação junto com com apoio da Superinindústrias usando alimentos saudáveis. tendência do SESI do Amazonas, da DireSegundo Simônica, esse projeto seria toria Regional e do Conselho Nacional do acompanhado de estudos científicos para SESI”, disse Simônica. verificar como a mudança dos hábitos aliCom relação ao Conselho Nacional, a mentares contribui para o aumento da pro- coordenadora lembra que o presidente, dutividade. “O projeto provavelmente deve Jair Meneguelli, nessa reunião, deixou claro envolver também a Universidade Federal que as ações, enquanto forem inovadoras do Amazonas (Ufam) e deve ser incluído no e realmente posicionem o Cozinha Brasil edital Inova SENAI SESI que deve sair em como agente transformador e de inclusão março”. social, os Departamentos Regionais terão Para Simônica, o caminho do Cozinha carta aberta para investir e ampliar cada Brasil, no futuro, tem que envolver a produ- vez mais sua atuação.

Um bom desempenho em 2011 O Cozinha Brasil ofereceu mais de 9.600 atendimentos em diversas ações, ao longo de 2011, incluindo degustações, orientações e atendimentos personalizados, mas cumpriu apenas 70,23% da meta física dos cursos de educação alimentar. Das 4.290 vagas previstas, o programa certificou 3.013 alunos durante o ano. A meta para este ano é de 4.612. “O programa pode não ter atingido a meta física de alunos nos cursos oferecidos, mas com as outras ações nós superamos o atendimento previsto para 2011. Tivemos excelente desempenho em relação à inclusão de cidadania das pessoas”, disse Simônica, referindo-se a eventos pontuais, como as participações em Sipats (Semanas Internas de Prevenção de Acidentes de Trabalho) em empresas; atendimento a alunos de comunidades indicadas por empresas e também a populações ribeirinhas

28

Em 2011, o Cozinha Brasil ofereceu cursos de educação alimentar para 3.013 alunos da indústria e comunidade

atendidas pelo barco-escola Samaúma, do SENAI Amazonas, no interior do Estado. Simônica cita, ainda, como ação inovadora, em 2011, o curso para 60 pessoas com deficiência visual e auditiva, na Escola Estadual Mayara Redman, em parceria com a

Sect (Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia) e o SENAI. “Junto com alunos com deficiência visual desenvolvemos uma receita de bolo feito com casca de banana escrita em braile, o que representou mais um processo de inclusão”, disse a coordenadora.


Os cursos oferecidos pelo SESI, no Programa Cozinha Brasil, atraem também o público mais jovem, tanto nas empresas quanto nas comunidades

Manual traz ‘passo a passo’ Novidade apresentada durante o Encontro Técnico do programa, em dezembro, em Brasília, o manual “Cozinha Brasil – Alimentação Saudável Com Três Ingredientes: Economia, Qualidade e Sabor” traz o passo a passo de cada um dos processos do Cozinha Brasil, ao mesmo tempo em que sistematiza e consolida o programa criado pelo SESI em 2004. Hoje com o status de “tecnologia social”, o Cozinha Brasil é apresentado no manual em seis capítulos, um deles dedicado à metodologia do programa. No capítulo “Investimento Social Privado”, a indústria é chamada para dialogar com a comunidade e produzir impacto na qualidade de vida do público beneficiado e de alterar positivamente a imagem que se tem das empresas. Reconhecido internacionalmente como uma eficiente opção de programa de educação alimentar e combate à fome, o Cozinha Brasil começa a cruzar as fronteiras do país para se instalar no Uruguai, onde recebeu o nome Cocina Uruguay, e em Moçambique, na África.

29


ensino profissional

Marcelo Neri, da FGV (esquerda), e Rafael Lucchesi, do SENAI, apresentam os resultados da pesquisa na CNI

Pesquisa da FGV em parceria com SENAI mostra as razões da alta demanda, no país, da educação profissional

O

número de brasileiros que frequentaram cursos de educação profissional cresceu 83% entre maio de 2004 e setembro de 2010. É o que revela pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV) em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), divulgada em 08 de fevereiro, na Confederação Nacional da Indústria (CNI). O estudo As Razões da Educação Profissional: Olhar da Demanda, apresentado pelo diretor de Educação e Tecnologia da CNI e diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi, e pelo economista Marcelo Neri, do Centro de Políticas Sociais da FVG, mostra que os brasileiros da classe C são os que mais procuram esse tipo de formação, sobretudo jovens, mulheres, negros e moradores das regiões periféricas das grandes capitais.

30


Jovens veem mais importância no conhecimento do que na compra de um carro ou da TV a cabo

A adesão da classe C aos cursos de educação profissional mostra que hoje o conhecimento é mais importante do que a compra de um carro e da adesão à TV a cabo. O estudo aponta que os jovens entre 15 e 19 anos dessa camada da população fazem clara opção por carteira de trabalho e veem nesse tipo de formação alternativa de ascensão social. “A onda jovem está acontecendo de maneira sustentável. A classe C busca se qualificar para obter emprego e, dessa forma, sustentar suas novas aspirações. Nesse contexto, a indústria é um dos atores importantes e capazes de induzir esta mobilidade, o que é Esse é o fundamental para o percentual de desenvolvimento do jovens que país”, afirmou Lucconcluem o chesi. ensino médio e Neri, responsánão conseguem vel pela pesquisa, ingressar ressaltou haver uma em curso de clara relação entre a nível superior, crescente demanda segundo por cursos de educapesquisas ção profissional e a

90%

ascensão da chamada nova classe média a partir de 2004. “Quem faz um curso técnico tem 15% a mais de retorno de salário para toda a vida”, observou. Mudança cultural Para Luchessi, o Brasil passa por uma mudança cultural também no mundo do emprego. E aumentar as oportunidades é fator crucial para o país crescer. “Iniciativas como o Pronatec, o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, têm papel fundamental para fazer essa ponte entre os alunos do ensino médio e os da educação profissional”, assinalou o diretor da CNI. Segundo ele, entre 2011 e 2015 a indústria brasileira investirá US$ 650 bilhões, o que vai exigir um grande contingente de mão de obra qualificada. Ressaltou que 90% dos jovens que concluem o ensino médio não ingressam em curso de nível superior. Por isso, na sua opinião, é preciso incentivar as oportunidades e informar esses jovens sobre as diferentes formações técnicas – que não precisam de cursos de graduação. O estudo revela também que alunos que

freqüentaram cursos de educação profissional dos níveis mais elevados têm mais possibilidade de encontrar emprego na sua área de formação. Tecnólogos (nível superior) e técnicos (nível médio) têm chances de 79,5% e 70,1%, respectivamente, de ingressar no mercado de trabalho na área de formação. Quem freqüenta cursos de curta duração – chamados de qualificação - tem chance média de 60,8% de trabalhar no segmento para o qual se preparou - ou seja, quase 10% de diferença em relação aos alunos dos cursos com maior nível de especialização. A pesquisa informa ainda que os ex-alunos das três modalidades da educação profissional têm chances - entre 30,7% e 50,8% - de conseguir uma colocação profissional em áreas diferentes da sua formação. A possibilidade aumenta proporcionalmente à duração do curso. O estudo “As Razões da Educação Profissional” é baseado em dados coletados de 400 mil entrevistas feitas pela Pesquisa Nacional de Amostras em Domicílio (PNAD) de 2007 e pela Pesquisa Mensal de Emprego (PME), entre março de 2002 e setembro de 2010.

31


educação

SESI capacita professores com projeto LEGO/ZOOM Os professores atuam na área da Educação de Jovens e Adultos e fizeram a capacitação em 16 horas

E

ducadores do Serviço Social da Indústria no Amazonas (SESI/AM) já estão aptos a repassar aos alunos da Educação Básica e Continuada de Jovens e Adultos (EJA) o conteúdo das disciplinas, tanto do ensino fundamental quanto do médio, por meio das soluções de aprendizagem inovadora da LEGO/ ZOOM. Nesta terça-feira (17), eles concluíram a capacitação desenvolvida nos últimos quatro dias, com duração de 16 horas. Depois de 8 horas de teoria sobre os conceitos e metodologia do projeto tecnológico, os professores da EJA receberam as caixas com centenas de peças para iniciar a fase prática do programa. Na última sexta-feira, antes de iniciar a parte mais avançada da robótica, os professores-alunos tiveram que montar e colocar em funcionamento uma esteira rolante de 10 centímetros de comprimento. De acordo com a gerente da EJA, Cassandra Augusta, os professores aprenderam

Professores montam uma esteira rolante acompanhados do orientador Anderson Santana (de camisa branca

a fazer planejamento de aula adequando o conteúdo à realidade dos jovens e adultos matriculados no SESI. “A montagem também está relacionada ao conteúdo didático e ao dia a dia dos alunos no mercado de trabalho”, diz ela. Para o orientador educacional da LEGO/ ZOOM, Anderson Santana, 31, todo o conteúdo do projeto é contextualizado. “No ensino médio, por exemplo, está mais voltado para o ensino da física e da matemática”,

diz. Os alunos, segundo ele, aprendem a resolver cálculos só com a montagem dos objetos, porque treinam a concentração, desenvolvem o raciocínio lógico e aprendem a trabalhar em equipe. O SESI está entre os principais parceiros da ZOOM, empresa brasileira que desenvolve soluções de aprendizagem por meio dos kits da LEGO Education, fascículos educacionais, assessoria às escolas e capacitação de educadores.

.

Professores concentrados na resolução do problema

32


jiu-jítsu

SESI fatura oito medalhas no Open Amazonas Vinte alunos da Escola de Jiu-Jítsu do SESI Amazonas participaram da competição realizada em Manaus

O

SESI Amazonas conquistou oito medalhas, sendo quatro de ouro, duas de bronze e duas de prata no OpenAmazonas de Jiu-Jitsu, promovido pela Federação Amazonense de Jiu-Jitsu Esportivo (FAJJE), nos dias 11 e 12 de fevereiro, no Ginásio de Esportes Ninimberg Guerra, bairro de São Jorge, Zona Oeste. A competição reuniu cerca de 200 atletas de várias associações de Manaus. A Escolinha de Jiu-Jítsu do SESI participou com 20 atletas e, segundo o instrutor e coordenador da escola, Fábio Pinheiro, a competição foi uma oportunidade desses atletas mostrarem sua evolução em competições oficiais, resultado de treinos diários. Ele disse que os alunos visam uma boa participação nos dois principais eventos na modalidade de jiu-jítsu programados para o primeiro semestre de 2012: Copa América, nos dias 31 de março e 1º de abril, e Campeonato Brasileiro de JiuJítsu, que será realizado nos dias 25, 26

Atletas-alunos do SESI exibem as medalhas conquistadas no Amazon Open, com o instrutor Fábio Pinheiro

e 27 de maio, na Arena Amadeu Teixeira, que reunirá cerca de mil atletas de todos estados brasileiros. Luís Henrique Marques, categoria pesadíssimo, faixa – azul conquistou uma das medalhas de ouro para o SESI. Marques, tem 16 anos e há um ano pratica jiu-jítsu na Escolinha do SESI, disse que a conquista da medalha é importante porque as competições são sempre difíceis e exigem que o atleta mostre no tatame que está

preparado para os grandes desafios. Ele disse também que o seu objetivo é participar das competições esportivas na modalidade MMA (Artes Marciais), ressaltando que para alcançar esse sonho começou a praticar karatê e boxe, que são modalidades importantes para quem pratica o MMA. Luís Henrique tem 18 anos e cursa o 1º ano do Ensino Médio, na Escola Estadual professor Antônio Maurity, bairro do Coroado, zona Leste.

.

SESI RESULTADO AMAZON OPEN DE JIU-JITSU - 2012 N.

ATLETA

IDADE

CATEGORIA

FAIXA

CLASSIFICAÇÃO

01

LARISSA NICÁCIO (IND)

10/11

MÉDIO

AMARELA

OURO

02

LARISSA BEATRIZ (COM)

12/13

PESADÍSSIMO

BRANCA

OURO

03

LUIZ HENRIQUE MARQUES (COM)

16/17

PESADÍSSIMO

AZUL

OURO

04

ANDRÉ HARDY (COM)

MASTER

MÉDIO

AZUL

OURO

05

TAYNARA SOUZA (IND)

16/17

PENA

BRANCA

PRATA

06

COSME JUNIOR (IND)

16/17

LEVE

BRANCA

PRATA

07

OSEIAS SAMPAIO (COM)

14/15

PENA

LARANJA

BRONZE

08

FELIPE MOURA (COM)

ADULTO

MÉDIO

AZUL

BRONZE

33


esporte

Amanda Silva, Israel Barreto e Márcio Costa atuarão como instrutores

Alunas da modalidade balé se apresentam como atração no evento

Tênis de mesa traz reforço ao PAF

Modalidade é oferecida a alunos da Escola General Sampaio por meio de convênio com a Semdej e FTMA

D

uzentos alunos da Escola Estadual General Sampaio, no São Jorge, zona Oeste de Manaus, vão receber aulas de tênis de mesa oferecidas pelo Serviço Social da Indústria (SESI Amazonas), em parceria com a Secretaria Municipal do Desporto, Lazer e Juventude (Semdej) e Federação de Tênis de Mesa do Amazonas (FTMA). Na sexta-feira, 2 de março, os parceiros celebraram o acordo que incluiu a modalidade esportiva entre as opções do Programa Atleta do Futuro, o PAF. Desenvolvido desde o ano passado pelo SESI e outros parceiros, o PAF já atende a 700 crianças e adolescentes, na faixa de 8 aos 17 anos, alunos das escolas estaduais General Sampaio e Myrthes Trigueiro (Coroado II, zona Leste), com as modalidades dança (balé e jazz) e futsal. Ainda neste semestre, o programa fechará parceria para oferecer ginástica rítmica para mais 300 alunos de escolas públicas. Ao assinar o termo com a Semdej e

34

FTMA, o superintendente do SESI Amazonas, Luiz Alberto Medeiros, reiterou que o PAF tem como objetivo contribuir na formação do atleta cidadão, além da descoberta de novos talentos na área esportiva. Para ele, o programa possibilita também ao jovem participante, a inclusão social e um melhor aprendizado. De acordo com o coordenador do PAF, Rodrigo Travessa, os 200 alunos da Escola

O superintendente do SESI, Luiz Alberto Medeiros

General Sampaio terão uma hora de aula duas vezes por semana, no Centro de Atividades do SESI, no São Jorge. Segundo Travessa, para dar maior visibilidade e mais fundamento à preparação dos alunos, as aulas serão ministradas pelos mesatenistas Israel Barreto, Márcio Costa e Amanda Silva, que têm projeção nacional e internacional, além de participação em vários campeonatos e tornei os, como Copa Mundial de Tênis de Mesa, e ainda por profissionais do SESI. O secretário Fabrício Lima, da Semdej, disse que o Sistema FIEAM tem sido o maior parceiro da Prefeitura de Manaus em todos os eventos esportivos, como a Corrida da Mulher e Corrida Cidade de Manaus. De acordo com Fabrício, o PAF é um programa de grande alcance social que contribuirá na formação de atletas de nível em várias modalidades esportivas no Amazonas. O presidente da FTMA, André Galvão, disse que os alunos do PAF usarão o mesmo material utilizado pelos atletas na Copa Brasil de Tênis de Mesa 2011, realizada em Manaus, e que o programa contribui para o resgate da modalidade no Amazonas. De acordo com Galvão, os quatro atletas de melhor desempenho serão observados pela Confederação Brasileira de Tênis visando as Olimpíadas de 2016 e 2020.

.



Revista FIEAMNoticias