Issuu on Google+

Ano V • nº 52 •

Publicação do Sistema Federação Indústrias do Estado do Amazonas

mai/jun • 2011

das

Cultura da inovação


índice

4 6 7 12 13

Empresas têm projetos aprovados para produzir tablets em Manaus

SESI faz homenagem à professora Lizette Coelho

InovAmazonas 2011 reúne casos de sucesso entre microempresas Nasce o NAGI, com a missão de sensibilizar para a inovação

Grupo Red Bull inclui Manaus nos planos para fábrica no Brasil

18

SESI bate recorde de atendimentos na Ação Global

14

PIM bate recordes de produção e emprego no 1º quadrimestre

17 21 22 24 32

CNI promove em Manaus seminário para estudar a NR-12

Ciclo de palestras aborda Gestão Estratégica de Tecnologia e Inovação Sebrae lança site cultural com presença da banda Macaco Bong IEL/AM colhe bons frutos na 4ª edição da Feira de Micronegócios

Amazonas conquista 13 medalhas na edição nacional dos Jogos SESI

8

FIEAM entrega ‘Industrial do Ano’

23

Laboratório do SENAI tem aval da indústria oleira

Sistema Indústria do Amazonas na web www.fieam.org.br

34

Modama mostra evolução em sua 16ª edição


Miguel Ângelo/CNI

editorial

A

desinformação somada ao total desconhecimento sobre o funcionamento do Polo Industrial de Manaus está por trás de todo tipo de preconceito contra empresários e empreendedores vinculados ao modelo Zona Franca de Manaus. Mais grave quando encontramos, entre os desinformados, autoridades governamentais que, por dever de ofício, deveriam conhecer as peculiaridades da atividade industrial desenvolvida aqui, mantida graças a um sistema de tributação diferenciada. Está na lei que deu origem à Zona Franca, afinal, sem incentivos não há como compensar as desvantagens do isolamento, tanto por via terrestre, quanto o aéreo de alto custo, e o fluvial. Para terem direito ao elenco de incentivos fiscais vigentes, no entanto, os empreendedores, estejam eles entre os micro ou entre os gigantes do porte de uma Samsung ou Nokia, têm de cumprir uma série de compromissos assumidos quando da aprovação do projeto na Suframa, Sudam e Seplan. Além disso, têm de atender, efetivamente, aos Processos Produtivos Básicos estabelecidos pelos Ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e de Ciência e Tecnologia (MCT). Isso significa que aquele televisor de última geração e outros aparelhos de alta tecnologia dos mais variados setores têm prazo para atingir determi-

nado nível de nacionalização, o que elimina qualquer suspeita de produtos maquiados. O Estado do Amazonas arrecada em torno de 60% dos tributos federais da Região Norte, fruto de uma política que concede incentivos somente à produção. Não produziu dentro das normas estabelecidas, não atendeu aos critérios fixados pelos Governos Federal e Estadual, não terão a fruição dos benefícios fiscais. O que é concedido pelo Governo é uma expectativa de direito que só se concretiza com a venda da produção, ficando todos os riscos por conta dos empreendedores, sem qualquer participação ou

O Estado do Amazonas arrecada em torno de 60% dos tributos federais da Região Norte, fruto de uma política que concede incentivos somente à produção. Não atendeu aos critérios, não terá a fruição dos incentivos

Antonio Carlos da Silva Presidente do Sistema FiEAM

subsídio financeiro do Estado brasileiro. O Polo Industrial de Manaus possui uma cadeia produtiva importante, sendo considerado um dos maiores centros de produção industrial da América do Sul, efetuando, realmente, a transformação da matéria prima no seu processo de industrialização. Prova disso são as cadeias produtivas de veículos de duas rodas, mídias magnéticas (CDs, DVDs, etc), telefonia celular e produtos eletroeletrônicos, dentre outras de grande importância. Essa não é a primeira e, certamente, não será a última vez que temos de sair em defesa desse modelo que tem, inclusive, contribuído para a preservação ambiental. Esperamos que as autoridades governamentais, deixem os preconceitos de lado e percebam que o nosso polo industrial possui as bases necessárias para ser um dos protagonistas no avanço em modernidade, competitividade e inovação da indústria brasileira.

diretoria Presidente: ANTONIO CARLOS DA SILVA 1º Vice-Presidente: ATHAYDES MARIANO FÉLIX 2º Vice-Presidente: AMÉRICO AUGUSTO SOUTO RODRIGUES ESTEVES Vice-Presidentes: TEREZA CRISTINA CALDERARO CORRÊA, FRANCISCO RITTA BERNARDINO, ROBERTO DE LIMA CAMINHA FILHO, NELSON AZEVEDO DOS SANTOS, NEILSON DA CRUZ CAVALCANTE, ALDIMAR JOSÉ DIGER PAES, WILSON LUIZ BUZATO PÉRICO, CARLOS ALBERTO ROSAS MONTEIRO, JOAQUIM AUZIER DE ALMEIDA 1º Secretário: AUGUSTO CÉSAR COSTA DA SILVA 2º Secretário: ORLANDO GUALBERTO CIDADE FILHO 1º Tesoureiro: JONAS MARTINS NEVES 2º Tesoureiro: AMAURI CARLOS BLANCO Diretores Suplentes: PAULO SHUITI TAKEUCHI, FRANK BENZECRY, ENGELS LOMAS DE MEDEIROS, MÁRIO JORGE MEDEIROS DE MORAES, SÓCRATES BOMFIM

NETO, LUIZ CARVALHO CRUZ, JOSÉ AUGUSTO PINTO CARDOSO, CARLOS ALBERTO MONTEIRO, JAIME TERUO MATSUI, FRANCISCO AUGUSTO SOUTO RODRIGUES ESTEVES, JOSÉ MIGUEL DA SILVA NASSER, DAVID CUNHA NÓVOA, ARIOVALDO FRANCISCHINI DE SOUZA, CARLOS ALBERTO MARQUES DE AZEVEDO Conselho Fiscal: Titulares: MOYSES BENARROS ISRAEL, RENATO DE PAULA SIMÕES, ALCY HAGGE CAVALCANTE Suplentes: FERNANDO BRANDÃO DE ALBUQUERQUE, CARLOS ALBERTO SOUTO MAIOR CONDE, DAVID NÓVOA GONZALES Delegados Representantes junto ao Conselho da CNI Titulares: JOSÉ NASSER, ANTONIO CARLOS DA SILVA Suplentes: ATHAYDES MARIANO FÉLIX, AMÉRICO AUGUSTO SOUTO RODRIGUES ESTEVES

expediente

Revista editada pelo Sistema FIEAM COORDENADORIA GERAL DO CENTRO DE SERVIÇO COMPARTILHADO Luiz Alberto Monteiro Medeiros DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO E MARKETING Paulo Roberto Gomes Pereira

GERÊNCIA DE COMUNICAÇÃO Idelzuita Araújo - MTb 049/AM REDAÇÃO Ademar Medeiros - MTb 289/AM Evelyn Lima - MTb 151/AM Mário Freire - MTb 092/AM

COLABORAÇÃO Cássia Guterres Márcio Vieira - MTb/AM 0189 Vanessa Damasceno Diagramação Herivaldo da Matta - MTb 111/AM Capa e Publicidade Andréa Abitbol Ribeiro

FOTOGRAFIAS Comunicação O conteúdo dos artigos e textos assinados é de inteira responsabilidade de seus autores. Av. Joaquim Nabuco, 1919 Centro CEP 69020-031 Manaus/AM Fone: (0xx92) 3186-6576 Fax: (0xx92)

3


indústria

Tablets serão produzidos no PIM Duas empresas tiveram projetos aprovados pelo Codam para produzir os computadores portáteis

S

amsung e Positivo tiveram seus projetos de diversificação aprovados na última reunião do Conselho de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Codam), em 30 de junho, para produzir tablets no Polo Industrial de Manaus (PIM). As empresas estão entre as seis autorizadas pelo governo federal a fabricar esses computadores portáteis no País com redução de impostos. Os dois projetos representam investimentos de pouco mais de R$ 100 milhões. Depois de aprovar a polêmica Medida Provisória (MP) 534, que inseriu os tablets no programa federal de inclusão digital, isentando sua produção do recolhimento do PIS/Cofins e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), o governo definiu o Processo Produtivo Básico (PPB), com as regras para concessão dos benefícios

fiscais da Lei de Informática à fabricação desses dispositivos no PIM. Em forma de prancheta, os “tabletes” são computadores portáteis, com tela sensível ao toque, e representam a última palavra em convergência digital, com usos que vão do telefone à televisão. Geraram polêmica graças às condições especiais para sua produção no Brasil, via MP 534, negociadas diretamente com a empresa taiwanesa Foxconn, fabricante da linha de produtos da Apple. A empresa começa a produzir em setembro deste ano em Jundiaí (SP). Para lideranças empresariais da indústria do Amazonas, a aprovação da MP traduziu falta de empenho e união da bancada federal na defesa dos interesses do PIM no Congresso Nacional. Em reunião na sede da FIEAM, em 26 de maio, com participa-

Na reunião do Codam, Marcelo Lima (Seplan), o vice-governador

ção da senadora Vanessa Grazziotin (PC do B) e do deputado Pauderney Avelino (DEM), o presidente da FIEAM, Antonio Silva, disse que, com a convergência tecnológica, o modelo de política industrial do PIM perde todas as vantagens fiscais comparativas com outras unidades da Federação. Televisores em risco O presidente do Sindicato da Indústria de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares de Manaus (Sinaees), Wilson Périco,

Em busca de união Em reunião com empresários da indústria, na sede da FIEAM, em 14 de junho, o senador Eduardo Braga destacou a participação do presidente da CNI, Robson Andrade, e do presidente da FIEAM, Antonio Silva, em reunião para discutir a MP 534 e as dificuldades que envolvem os condicionadores de ar split e motocicletas de baixa cilindrada, com o ministro da Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel. Segundo Braga, uma de suas propostas de emenda à MP determina o limite para o tamanho das telas dos tablets que não poderá ser maior do que 600 centímetros quadrados, resguardando assim, os televisores produzidos no PIM. Entre 2003 e 2009, o percentual de produção de componentes de informática no PIM cresceu de 10 para 25%. “Em 2007,

4

22,8% do faturamento do PIM foi proveniente dos produtos de informática. Em 2010, tivemos a desoneração do IPI que acabou diminuindo nossas vantagens e a informática voltou a representar apenas 10%”, relembrou o senador, que garantiu que a medida não prejudica o Amazonas. “Estamos articulando outra emenda que visa aumentar o incentivo do Imposto de Renda para a Zona Franca de Manaus em relação aos bens de informática”, disse o senador. O conteúdo da emenda prevê que o produtor do tablet em Manaus poderá, dependendo das matérias-primas que utilizar, garantir a isenção de 100% do IR. “Isso representa entre 0,8 e 1,2% de ganho em competitividade”, garantiu Braga. O senador chamou atenção ainda para empresas instaladas no PIM que produzem

Senador Eduardo Braga em reunião com o presidente da FIEAM, Antonio Silva

tablets em outros Estados. “A Semp Toshiba produz o tablet MyPad na Bahia, a Samsung tem o Galaxy, e a Motorola, o Zoom, ambos produzidos em São Paulo”, disse. “Esta MP é mais uma oportunidade de sermos inseridos ao mercado de bens de informática”, disse, otimista.


José Melo, Isper Abrahim (Sefaz), Antonio Silva e Wilson Périco

disse que as lideranças empresariais não estavam reivindicando que os tablets sejam produzidos exclusivamente no PIM. “Queremos alertar sobre o limite das telas, o que coloca em risco a fabricação de TVs e tira toda e qualquer condição de competitividade das indústrias aqui instaladas”. Segundo Périco, que também é vice-presidente da FIEAM, da maneira como estão descritas no processo produtivo básico (PPB, leia texto nesta página) proposto, as telas dos tablets terão área superior a 142 cm².

Senadora Vanessa Grazziotin, presidente da FIEAM, Antonio Silva, e deputado federal Pauderney Avelino

23%

Ele sugeriu estabelecer limite de até 220 cm², enquadrando, assim, Essa foi a fatia mais especificamente, dos produtos de os celulares e tablets. informática no A senadora Vanesfaturamento do sa Grazziotin prometeu PIM em 2007. que a redação necesA produção de sária para resguardar componentes o televisor seria provicresceu de 10% denciada. “Nós querepara 25%, entre mos assegurar nossa competitividade”, dis2003 e 2009, se, acrescentando que nesse setor desconhecia a insatisfação do empresariado. “A equipe técnica de avaliação do PPB estava certa de que melhor não poderia ficar”, concluiu. Até o dia 30 de junho, o texto da MP 534 já havia recebido 68 propostas de emenda no Congresso Nacional, 33 delas assinadas por parlamentares do Amazonas.

PPB garante nacionalização até 2014 Pelo Processo Produtivo Básico (PPB) dos tablets, em vigor desde 1º de junho, a fabricação desses dispositivos deve ocorrer inteiramente no Brasil, a partir de 2014. O texto define a quantidade de componentes, partes e peças nacionais que os fabricantes devem utilizar na montagem do equipamento para ter direito aos benefícios tributários. A produção da placa-mãe deve ter 50% de nacionalização. Em 2013, esse percentual passará para 95%. A partir de 2012, metade dos componentes, partes e peças de carregadores de bateria ou conversores e 20% das partes com função de memória deverão ser produzidos no Brasil. Os índices de nacionalização aumentam em 2014, chegando a 80% no caso de carregadores. Telas de cristal líquido, planas ou com novas tecnologias vão poder ser importadas até 31 de dezembro de 2013. Baterias e gabinetes estão, temporariamente, dispensados de ser produzidos no país. O PPB é uma das contrapartidas exigidas das empresas instaladas na Zona Franca de Manaus. É exigido, também, das que produzem bens de informática e automação com incentivos da Lei de Informática e instaladas em qualquer parte do Brasil. Os critérios e prazos foram estabelecidos pelos ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e da Ciência e Tecnologia.

5


destaques

FIEAM recebe visita de embaixadores Maio, Mês da Indústria, foi marcado por visitas diplomáticas de sete embaixadores à Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM). O embaixador do Reino dos Países Baixos, Kees Rade, e o cônsul Ilko Minev foram recebidos pelo presidente Antonio Silva e diretores da FIEAM, de quem receberam informações sobre a Zona Franca de Manaus. Segundo o embaixador, o Polo Naval da região é um dos focos para possíveis investimentos. “A região tem potencial para mais

operações”, vislumbrou o embaixador holandês. No Dia da Indústria (25 de maio), a FIEAM recebeu comitiva com seis embaixadores dos países asiáticos: Filipinas, Indonésia, Malásia, Tailândia, Vietnã e Mianmar. Na pauta do encontro, os atrativos da Zona Franca aos investidores estrangeiros. “Toda indústria que venha colaborar e gerar empregos em Manaus, será bem vinda. Aqui temos vantagens comparativas únicas em relação aos benefícios fiscais”, garantiu Antonio Silva.

Antonio Silva, com Moyses Israel e Nelson Azevedo, recebe comitiva de embaixadores de seis países asiáticos

IEL reúne estagiários no encontro anual “Persistência, o caminho para o sucesso”. Esse foi o tema da palestra motivacional proferida pelo pedagogo e consultor de empresas Artur Camurça, no VI Encontro de Estagiários promovido pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL Amazonas), em 19 de maio, no auditório da Uninorte, no Centro. A uma plateia essencialmente jovem e iniciante no mercado de trabalho, o pedagogo ensinou que a pessoa é contratada por seu currículo, mas é demitida ou conservada na empresa pelo seu comportamento. “O estagiário tem que investir em sua comunicação, administrar melhor o seu tempo, aproveitar as oportunidades e, principalmente, ser feliz, tratar as pessoas com cordialidade e respeito. Não existe sorte, ou melhor, ela está presente quando aliamos competência com aproveitamento das oportunidades”, disse. Na sequência, Camurça conseguiu fazer com que o estagiário Jonah da Silva, 17, vencesse o

6

O pedagogo Artur Camurça ensinou aos estagiários que “a persistência é o caminho para o sucesso”

medo de falar em público, motivado por uma caixa de chocolates. “Acho que o segredo é se concentrar na mensagem que você tem para passar, deixar o nervosismo de lado e mandar ver”, disse o garoto que arrancou aplausos dos estagiários presentes.

Lizette Coelho faz o descerramento da placa marcando a reinauguração da quadra em escola do SESI

SESI dá nome de professora a quadra de escola O Serviço Social da Indústria (SESI Amazonas) batizou a nova quadra de esportes da Unidade de Educação Dr. Francisco Garcia, na Avenida Danilo Areosa, s/nº, Distrito Industrial, com o nome da professora Lizette Coelho, funcionária da instituição há 35 anos. Depois de passar por reforma, a quadra foi reinaugurada em 2 de maio, com a presença de representantes do Polo Industrial de Manaus (PIM) e do Sistema FIEAM. Principal responsável pela implantação do ensino integral nas unidades do SESI, a professora Lizette mereceu tal homenagem, de acordo com o presidente da FIEAM, Antonio Silva. “A dona Lizette passou metade de sua vida dedicando-se ao SESI, mostrando-se uma profissional forte e comprometida. Aqui fica meu beijo carinhoso em nome de todo Sistema FIEAM”, disse ele. De acordo com a arquiteta e urbanista da FIEAM, Melissa Santana, o principal ganho foi a cobertura da quadra que evitará a exposição das crianças ao sol ou chuva. Além disso, foi feita uma passarela que liga a quadra à escola e um grafismo no chão, com cores primárias e figuras geométricas. Representando as empresas, o coordenador de benefícios e responsabilidade social da Recofarma, Manuel Inauhiny, disse que a iniciativa é mais uma prova de que o SESI está preocupado em melhorar e ampliar o atendimento ao trabalhador da indústria no Amazonas.


Aprendendo e construindo

Trabalhar o livro didático possibilitando aos alunos o desenvolvimento e a criação de histórias e personagens que fazem parte do imaginário infantil. Foi esse objetivo do “Momento Cultural – Aprendendo e Construindo” promovido pelo SESI em sua unidade de educação “Dr. Francisco Garcia”, no Distrito Industrial, em 6 de maio. A atividade envolveu 260 alunos da Educação Infantil. “A criança não faz nada sozinha e, por isso, ela constroi com o outro, dentro de um processo de integração e socialização”, explicou a coordenadora do evento, Sínthia Medeiros. Para construir as estórias, os alunos confeccionaram os figuri-

Crédito para inovação

Alunos do SESI interpretam seus personagens de historinhas

nos, maquetes e acessórios sob a orientação dos professores. Um dos pontos altos da programação foi o musical “Mundo Encantado do Livro”, com os alunos caracterizados de personagens do mundo infantil, como Branca de Neve, Príncipe Encantado, Cinderela e Saci-Pererê.

FIEAM estreita relações com ALE O presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE/AM), deputado Ricardo Nicolau (PRP) foi recebido pelo presidente da FIEAM, Antonio Silva, para participar da 3ª reunião ordinária do ano, da diretoria da instituição, em 12 de maio. De acordo com o deputado “é uma obrigação a Assembléia se colocar à disposição da indústria e do comércio. Estamos ao lado do povo, da geração de emprego e renda”. O deputado lembrou, ainda, do investimento realizado pelas indústrias para manutenção da Universidade do Estado do Amazonas. “Foi a universidade pública que mais cresceu no país, dando acesso ao ensino superior no interior do Estado. Isso tudo graças ao compromisso do setor industrial não só com o desenvolvimento econômico como também com o social”, disse o deputado.

InovAmazonas 2011 O deputado Ricardo Nicolau discursa para representantes da indústria em reunião na sede da FIEAM

Segundo Antonio Silva, é gratificante saber que a Assembléia reconhece as ações da indústria para o desenvolvimento do Estado. “Esperamos solidificar essa relação, pois também reconhecemos a importância do Poder Legislativo na garantia de avanços para o nosso Estado”, disse.

CNI inscreve para prêmio de economia Termina em 31 de agosto o prazo de inscrições para o 4º Prêmio CNI de Economia, com valores totais de R$ 50 mil. Uma parceria entre a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Associação Nacional de Cursos de Pós-Graduação em Economia (Anpec), a iniciativa tem como objetivo estimular pesquisas de alta qualidade para elevar a competitividade da indústria brasileira. Podem ser inscritos artigos de economia aplicada, inéditos, de até 30 páginas, em duas categorias, Economia Industrial e Gasto Público, sendo premiados dois textos por categoria.

Empresários que planejam investir em produtos ou processos inovadores podem recorrer a uma das linhas de fomento oferecidas pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para projetos de cunho inovador. Essas linhas foram apresentadas na palestra Apoio à Inovação, realizada em 24 de maio, no Auditório Gilberto Mendes de Azevedo, da FIEAM, pelo economista Álvaro Berbel. A inovação, segundo ele, é uma prioridade estratégica do banco. “O projeto pode ser radical ou incremental, o importante é a geração de valor e o aumento da competitividade” disse. Ao final da palestra, o gerente de fomento do cartão BNDES, Ricardo Daniel, fez um balanço da movimentação em 2010, no Estado, que ficou em torno de R$ 47 milhões.

Em Economia Industrial, que abrange temas sobre a indústria como regulação, estrutura de mercado, microeconomia, entre outros, o primeiro colocado recebe R$ 20 mil e o segundo, R$ 10 mil. Em Gasto Público, que inclui questões como sustentabilidade, metas fiscais, orçamento público e previdência, as premiações são de R$ 12 mil para o primeiro lugar e R$ 8 mil para o segundo. Para se inscrever, o candidato deve preencher o formulário disponível no site www.cni. org.br (Prêmios da Indústria).

As empresas Cupuama, do ramo alimentício, e Harmonia Nativa, de cosméticos, apresentaram seus projetos inovadores no II Workshop Internacional de Inovação do Amazonas, o InovAmazonas 2011, promovido nos dias 8 e 9 de junho pela Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado do Amazonas (Fapeam), por meio da Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (Sect). A Cupuama apresentou o “Cupulate”, achocolatado feito a partir da semente do cupuaçu, enquanto a empresária Láurea Pinheiro, da Harmonia Nativa, apresentou sua linha de sabonetes ecológicos Na abertura, o secretário Odenildo Sena, da Sect, falou sobre a necessidade de construirmos um plano alternativo de desenvolvimento para o nosso estado, citando as empresas contempladas com o programa de subvenção econômica que inovam com base nos insumos amazônicos.

7


Industrial 2011

Reconhecimento a

8

Presidente da FIEAM, Antonio Silva, discursa na abertura da premiação Industrial do Ano 2011

Governador do Amazonas, Omar Aziz, entrega diplo-

O empresário Francisco Pontes exibe a placa recebida como Microindustrial de 2011

Diretor geral da Nokia, Paul Evans (direita), recebe


quem faz a diferença Evento do ano, no meio industrial, a entrega do Prêmio Industrial 2011 foi realizada como manda a tradição, há 47 anos

A

ma de Industrial do Ano 2011 para o empresário Nelson Azevedo

em nome da empresa prêmio de Maior Exportadora de 2010

o abrir a 47ª edição do “Industrial do Ano”, no dia 3 de junho, no Clube do Trabalhador do Amazonas, o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), Antonio Silva, destacou o perfil dos homenageados, detendo-se na carreira profissional de cada um e nos serviços relevantes que, direta ou indiretamente, prestam à sociedade. “São homens exemplares que contribuem com a comunidade amazonense, seja no segmento econômico, judiciário ou religioso”, pontuou o presidente. Neste ano, foram agraciados os empresários Nelson Azevedo e Francisco Pontes, o primeiro como Industrial e o segundo, Microindustrial do Ano, e a Nokia do Brasil, pelo nono ano consecutivo, como Empresa Exportadora. Foram homenageados com a Medalha do Mérito Industrial, o general de Exército Augusto Heleno Ribeiro Pereira, o arcebispo de Manaus, Dom Luiz Soares Vieira, e o ministro Mauro Campbell Marques, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Os títulos de Industrial e MicroIndustrial do Ano e as medalhas de Mérito Industrial são concedidos pela FIEAM e o Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIEAM). O governador do Estado, Omar Aziz, e o vicegovernador, José Melo, prestigiaram o evento que também contou com a presença de representantes da indústria, Poder Judiciário, políticos e outros convidados, no Salão de Eventos do Clube do Trabalhador. Agraciado com o título Industrial do Ano 2011, o empresário Nelson Azevedo dos Santos disse que o prêmio é o resultado de seu caráter participativo e colaborador. Nelson é proprietário da Poliamazon Polimentos da Amazônia Ltda, do setor de estamparia, soldagem e pintura, e sócio da Metal Alloy, do polo relojoeiro. Também é presidente do Sindicato das Indústrias de Relojoaria e Ourivesaria de Manaus e vice-

presidente da FIEAM. “Estou muito feliz e honrado por receber esse reconhecimento de amigos com os quais posso contar sempre e que agora me recompensam pela minha participação na defesa das causas da indústria”, assinalou Azevedo, que recebeu o diploma das mãos do governador Omar Aziz. O proprietário da Amazongreen Indústria e Comércio de Cosméticos e Perfumaria da Amazônia Ltda, Francisco Pontes de Aguiar, recebeu o título de Microindustrial do Ano e, emocionado, confessou o desejo de ter seu filho como seu sucessor nos negócios. A fábrica, instalada há quatro anos no Distrito Industrial de Micro e Pequenas Empresas (Dimpe), já possui um portfólio de mais de 90 produtos de beleza e perfumaria. “É uma satisfação muito grande você fazer um trabalho e ser reconhecido e recompensado. Fico muito lisonjeado, principalmente por esse Prêmio ter vindo da FIEAM. Eu sei o quanto é importante para um empresário uma homenagem como essa. Tudo isso me dá forças para continuar e ter a certeza de que eu estou no caminho certo”, disse. Pelo 9º ano consecutivo, a Nokia do Brasil Tecnologia Ltda recebeu o diploma de Exportadora do Ano. Com faturamento de 1,5 bilhão de euros e volume de exportação de 361 milhões de dólares em 2010, a Nokia permanece, desde 2002, como a maior indústria exportadora do PIM. Na ocasião, o diretor geral da Nokia, Paul Evans, falou sobre a escolha certa da empresa em instalar uma filial no Amazonas. “É um orgulho fazer parte do PIM e contribuir para preservação da floresta amazônica. Todos os nossos processos de fabricação prezam pela sustentabilidade. Cerca de 80% dos nossos celulares são recicláveis. E além do meio ambiente, nos preocupamos com as pessoas”. Evans acrescentou que a Fundação Nokia, que neste ano completa 25 anos, é umas das melhores escolas técnicas do Brasil e que 70% dos seus alunos vêm de escolas públicas. “O Instituto Nokia não abastece de pesquisa apenas a Nokia, mas o mundo. A Nokia exporta não apenas produtos, mas tecnologia”, disse. Leia mais nas páginas 10 e 11.

9


medalhas

Arcebispo Dom Luiz Vieira recebe a homenagem das mãos da superintendente da Suframa, Flávia Grosso

O governador Omar Aziz fez discurso em tom de alerta sobre o futuro do PIM na festa do Industrial do Ano

Aziz faz alerta sobre riscos com MP 534 O governador Omar O governador comentou que os peAziz encerrou a parte de didos feitos ao Governo Federal para discursos do Industrial Estamos sendo garantia dos empregos e crescimento do Ano 2011 com um ameaçados por da indústria local têm sido feitos com alerta para o risco que uma Medida argumentos que vão da expressiva vocorre o Polo Industrial Provisória que tação recebida pela presidente Dilma de Manaus (PIM) de deixa em pânico no Estado, com 80%, à preservação da perder um dos três se- os investidores floresta amazônica. Porém, segundo ele, tores que o compõem: e ninguém o argumento que deveria ser empregado o eletroeletrônico, de consegue por sua fundamental importância não duas rodas e o de in- trabalhar desta ganha espaço e nem consideração da formática. A ameaça, forma atual administração, que é a proteção da no caso, surgiu com a indústria nacional exercida pelo PIM nos Medida Provisória 534, OMAR AZIZ últimos anos. que trata da desonera“Estamos sendo ameaçados por uma ção da produção dos tablets no País. Medida Provisória que deixa em pânico os “Neste terceiro setor (informática), tí- investidores e ninguém consegue trabalhar nhamos, há 10 anos, 22% da produção desta forma”, disse. Na opinião do governacional, hoje apenas 8%, sendo que a nador, os representantes políticos do Amatendência para os próximos anos, do jeito zonas não lutam por um polo de exceção que estão andando as coisas, é não termos e benefícios fiscais e sim por um polo de nada do setor de informática no Parque In- desenvolvimento do Estado do Amazonas dustrial de Manaus”, previu. e da Região Norte do Brasil.

10

Presidente da FIEAM, Antonio Silva, entrega medalha de Mérito Industrial ao ministro Mauro Campbell

General Augusto Heleno, do Exército Brasileiro, condecorado com a Medalha do Mérito Industrial


Dom Luiz é exemplo como defensor da Amazônia Sacerdote há 51 anos, dos quais 28 no Amazonas, o arcebispo de Manaus, Dom Luiz Soares Vieira, recebeu Medalha do Mérito Industrial em virtude da defesa da Amazônia. Exemplo de entrega à fé cristã, Bispo de Macapá (1984-1991) e vice–presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (2007- 2011), ele foi a primeira personalidade religiosa a receber o Mérito pela FIEAM.

“Estou muito envaidecido. Pela primeira vez eu recebo uma medalha da Indústria. Foi uma surpresa. Estou nessa região há 28 anos, uma região que me cativou, me apaixonou, pelo seu povo e por tudo que encontro aqui. Nós temos que lutar pela Amazônia, desenvolvê-la de uma maneira que respeitemos a natureza, essa é minha bandeira”, disse.

Homenagem da FIEAM é motivo de júbilo O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Mauro Campbellm, elogiou a iniciativa da FIEAM de homenagear a prata da casa. Segundo ele, existe uma dificuldade local em prestar esse tipo de homenagem aos próprios amazonenses. Homem público de carreira brilhante, Campbell é o primeiro amazonense a exercer o cargo de ministro do STJ que exerce desde 2008. Ele também já foi procurador-geral de Justiça do Amazonas

por três mandatos. Segundo Mauro Campbell, é motivo de júbilo quando a resistência em relação à prata da casa é rompida. “Quando você é homenageado pela FIEAM, é um orgulho maior ainda, por ser a entidade que mantém vivo o único projeto federal de êxito social, que não tirou o dinheiro público para jogar fora. A Zona Franca casou desenvolvimento sustentável com a economia”, destacou.

Condecoração ‘para ser guardada no coração’ O general Augusto Heleno ressaltou que, durante os dois anos em que foi comandante Militar da Amazônia, teve o privilégio de conhecer grandes nomes do Estado que, para ele, são fundamentais no presente e serão lembrados no futuro, dando a contribuição exemplar da preservação da floresta e do incentivo ao crescimento da economia. “Essa condecoração recebida pela FIEAM será guardada em lugar de honra em meu coração. O trabalho dessas entidades industriais deve ser seguido para mostrar que a Amazônia é viável, e a história do desenvolvimento sustentável do Polo Industrial

de Manaus é a materialização de que esse conceito pode acontecer”, afirmou. Para o homenageado, o Estado Brasileiro tem que estar mais presente na Amazônia e não realizar apenas medidas emergenciais, quando ocorrem assassinatos ou algum problema nas fronteiras. Segundo o general, as medidas do governo devem ser estruturais e permanentes. “A Amazônia tem que ser tratada não como um país amigo do Brasil, mas como uma parte do País, sem a qual o Brasil não vai chegar onde quer”. O general ainda exultou: “A selva nos une. Tudo pela Amazônia! Selva!”. 11


gestão

NAGI semeia ‘Cultura da Inovação’ Lançado em Manaus o Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação que tem Comitê Gestor formado por 18 organizações

C

om a proposta inicial de sensibilizar, nos próximos três anos, pelo menos 300 empresários da indústria amazonense para a cultura da inovação, foi lançado em Manaus o Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação (NAGI). Ao anunciar a meta, o diretor regional do SENAI Amazonas e agora, também, coordenador do NAGI no Estado, Aldemurpe Oliveira de Barros, adiantou que o Núcleo vai auxiliar na elaboração de Ao lado de Antonio Silva (direita), Rodrigo Teixeira, que representou a CNI no lançamento do NAGI em Manaus 50 planos e prospectar outros 30 projetos de inovação. Além do SENAI/AM, o Núcleo conta com panhou o lançamento em Manaus, “o NAGI lizado nas ações de mobilização, capaci17 parceiros, entre os quais, a Federação vai coordenar serviços de inovação do tação, consultoria e assessoria, além da das Indústrias do Estado do Amazonas Sistema Indústria. Suas ações tornam-se contratação de consultores, promoção de (FIEAM) e o Serviço Brasileiro de Apoio às instrumento de motivação para trazer ao palestras, seminários, reuniões, atividades Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/AM), ambiente empresarial a oportunidade de voltadas para a difusão de planos de inoe outras organizações públicas e privadas aprimorar a cultura da inovação brasileira, vação com foco na melhoria de produtos que atuam nas áreas de educação, ciên- permitindo ferramentas para que as indús- e processos desenvolvidos por micro e pecia, pesquisa, tecnologia e inovação, que trias sejam mais pró-ativas e introduzam a quenas empresas industriais. A presidente da Federação das Ações formarão o Comitê Gestor. inovação na estratégia do seu negócio”. Segundo o presidente da FIEAM, AntoO NAGI Amazonas irá receber a quantia de Microempresas e Empresas de Pequenio Silva, a inovação industrial representa de R$ 771.500,00, sendo R$ 389.380,00 no Porte (Femicro), Maria Ivanilde Sama sustentabilidade dos negócios e permite viabilizados pela CNI e os outros R$ paio, disse que a entidade irá incentivar que o mercado se abra para as empresas 382.120,00 pelo Sebrae. O valor será uti- cada associado a participar da iniciativa que, segundo ela, deve gerar que ousam inovar, melhorando crescimento da cadeia produtiva seus produtos e processos. dos pequenos, mais emprego e Na avaliação de Silva, a inganhos na área econômica do dústria amazonense tem grande Amazonas. potencial inovador, porém preciA programação de lançamensa exercer mais a capacidade de to também contou com a palestransformar ideias em valor para tra do professor-doutor Manoel se tornar cada vez mais compeCardoso, oferecendo um panotitiva. Ele também destacou a rama da inovação no Estado importância da Mobilização Emdo Amazonas. “Inovar no Brasil presarial pela Inovação (MEI), é um grande desafio, porém, a movimento articulado pela Conmudança do cenário de comofederação Nacional da Indústria dismo deve vir tanto da política (CNI), com atuação e apoio dos governamental quanto da gestão líderes empresariais de vários dos líderes industriais, pois são setores da indústria. eles que permitem que as novas De acordo com o analista de ideias sejam concretizadas denEstudo e Políticas Industriais da O diretor do Sebrae/AM, Maurício Seffair, exibe o termo de adesão ao NAGI tro das fábricas”, ressaltou. CNI, Rodrigo Teixeira, que acom-

.

12


indústria

Red Bull mostra interesse no PIM Fabricante de bebidas busca local em alguns Estados para implantar sua primeira fábrica no Brasil e no mundo

O

Polo Industrial de Manaus (PIM) está no páreo para receber a primeira unidade fabril do grupo austríaco Red Bull no Brasil e no mundo. Executivos da empresa estiveram reunidos em 16 de junho com o presidente da FIEAM, Antonio Silva, para conhecer as vantagens da política tributária diferenciada do modelo Zona Franca de Manaus. O investimento previsto é da ordem de R$ 450 milhões, com geração de 60 empregos diretos e 150 indiretos. Caso se concretize, a fábrica no PIM será a primeira da empresa em todo o mundo, já que a produção da bebida energética, atualmente, está concentrada em duas unidades terceirizadas, uma na Áustria e outra na Suíça, responsáveis pelo envase de mais de 4,5 bilhões de latas para o mercado mundial. Outros Estados, além do Amazonas, têm interesse em sediar a futura fábrica. A Red Bull é considerada a terceira marca de bebidas mais valiosa do planeta, avaliada em U$ 9 bilhões, perdendo apenas para Coca-Cola e Pepsi. O Brasil é um país estratégico para a implan- Em dólares, tação da fábrica, pois esse é o valor o cenário de bebidas da empresa, energéticas está em dona da terceira expansão no país. maior marca Antonio Silva res- de bebidas do saltou que o Amazo- planeta, só nas possui uma base perdendo para estruturada para as gigantes acomodar esse fabri- Coca-Cola e cante, destacando Pepsi

9 bi

Antonio Silva reunido com os executivos do grupo, os diretores Stefan Kozak e Pedro Francisco Navio

os benefícios econômicos e ambientais em desenvolver o processo produtivo no PIM. “A Red Bull é uma empresa que vem se destacando neste mercado de energéticos pela qualidade de seu produto e pelos investimentos em marketing. Acredito que vincular a sua produção no Amazonas trará retorno positivo para fortificar ainda mais sua marca”, disse. Entre os executivos do grupo que participaram do encontro com o presidente da FIEAM estavam o diretor-presidente da Red Bull Brasil, Stefan Kozak, e o diretor de Marketing, Pedro Francisco Navio.

.

O produto A Red Bull foi lançada na Áustria em 1987 com base em bebida energética popular na Tailândia. De acordo com o site da empresa, embora as vendas na Áustria dobrem de ano para ano, o crescimento do volume de vendas chegou via expansão internacional. Em 1994, a bebida foi aprovada na Alemanha, e chegou à América do Norte, América do Sul, Ásia e Austrália a partir de 1997. É consumida no Brasil desde 1998.

13


quadrimestre

PIM tem novos recordes de De acordo com indicadores da Suframa, o faturamento do PIM cresceu 22,90% no primeiro quadrimestre

O

Polo Industrial de Manaus (PIM) fechou o primeiro quadrimestre de 2011 contabilizando novos recordes de faturamento e geração de empregos. De acordo com os indicadores levantados pela Suframa, entre janeiro e abril, as indústrias do PIM faturaram US$ 12,7 bilhões, o que representa um crescimento de 22,90% em relação ao mesmo período do ano passado (US$ 10,3 bilhões), e empregaram uma média mensal histórica de aproximadamente 113 mil trabalhadores. O total acumulado de 113.639 trabalhadores empregados registrado em abril, entre efetivos, temporários e terceirizados, também representa o melhor resultado de empregabilidade do PIM para um quarto mês do ano em toda a série histórica. As exportações do PIM totalizaram US$ 257.1 milhões no primeiro quadrimestre deste ano, apresentando queda de 24,97% na comparação com o mesmo período do ano passado. Os principais setores industriais da ZFM apresentaram bom desempenho, com destaque para os segmentos eletroeletrônico (incluindo bens de informática) e de duas rodas. O primeiro fechou o quadrimestre com um faturamento de US$ 5.3 bilhões, resultado 19,39% superior ao registrado no mesmo período do ano passado (US$ 4.4 bilhões). O Polo de Duas Rodas, por sua vez, faturou no quadrimestre US$ 2.9 bilhões, 36,74% acima do faturado no mesmo período de 2010. Outros segmentos industriais que se destacaram no primeiro quadrimestre de 2011 foram o relojoeiro, com faturamento de US$ 207.6 milhões e crescimento de 71,98% na comparação com o mesmo intervalo de 2010, e o naval, que apresentou faturamento de US$ 29.5 milhões e crescimento de 85,25%.

14

Segundo a superintendente da Zona Franca de Manaus, Flávia Grosso, o PIM vem apresentando resultados excelentes e tem amplas condições de chegar ao final do ano com novos recordes globais de produção, faturamento e geração de

empregos. “A projeção que fazemos é que o PIM alcance um faturamento superior a US$ 40 bilhões em 2011, com mais de 118 mil empregos diretos gerados”, afirmou a superintendente em matéria divulgada pela Suframa.

FATURAMENTO – POLO INDUSTRIAL DE POR POLO INDUSTRIAL

...................

(em US$)

Eletroeletrônico ............................................................ 5,3 bilhões Duas rodas .................................................................... 2,9 bilhões Relojoeiro.................................................................207,6 milhões Naval .......................................................................... 29,5 milhões


faturamento e emprego José Paulo Lacerda/CNI

45,72% e 31,80%, respectivamente, em relação ao mesmo período de 2010. Já os televisores com tela de LCD chegaram ao final do mês de abril totalizando cerca de 2,6 milhões de unidades produzidas, o que representa um aumento de 15,81% na comparação com o mesmo intervalo do ano passado. foi quanto Outros produtos cresceu o com crescimento desfaturamento do tacado nos primeiros setor naval no quatro meses do ano quadrimestre, foram os microcomo melhor putadores, inclusive desempenho portáteis, que alcanisolado entre çaram 310,1 mil unios segmentos dades produzidas e industriais um crescimento de amazonenses 196,36%, em relação ao mesmo período do ano passado; receptores de sinal de televisão, com 3,9 milhões de unidades produzidas e crescimento de 80,32%; relógios de pulso e de bolso, com 3,5 milhões de unidades fabricadas e aumento de 71,62%; e câmeras fotográficas digitais, com 984 mil unidades e aumento de 47,26%.

85%

O Polo de Duas Rodas faturou US$ 2,9 bilhões no quadrimestre, 36,74% acima do faturado no mesmo período de 2010

Produtos Os três principais produtos fabricados no PIM – televisores com tela de cristal líquido (LCD), motocicletas e telefones celulares – apresentaram, no primeiro quadrimestre de 2011, crescimento no volume de produção,

.

sendo que os aumentos mais expressivos foram verificados nos últimos dois itens. No período de janeiro a abril, o PIM fabricou aproximadamente 7,4 milhões de unidades de telefones celulares e 612,5 mil motocicletas, números que indicam crescimentos de

Informações extraídas de matéria publicada no site da Suframa.

MANAUS – 1º QUADRIMESTRE 2011 POR PRODUTO

.................. (por unidades)

Telefones celulares ............................................. 7,4 milhões Receptores de sinal/TV ..................................... 3,9 milhões Relógios/pulso/bolso ......................................... 3,5 milhões Televisores/LCD ................................................... 2,6 milhões Motocicletas ............................................................. 612,5 mil FONTE: Suframa

15


rodada de negócios

O gerente-executivo do CIN/AM, Marcelo Lima, dá as boas vindas aos visitantes

Moacyr Bittencourt, da FIEAM (centro), dá explicações a grupo de dominicanos

Missão caribenha visita PIM Rodada de negócios promovida pelo CIN/ FIEAM aproxima do PIM empresários dominicanos e haitianos

T

rinta e dois empresários dominicanos e haitianos participaram, no início de junho, no Quality Hotel Manaus, de rodada de negócios promovida pela Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), por meio do Centro Internacional de Negócios (CIN). A iniciativa teve apoio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), organização que contribui com a internacionalização de empresas brasileiras e promove a exportação. Segundo o gerente do CIN/AM, Marcelo Lima, o propósito dos empresários dos dois

países caribenhos foi comprar produtos da Zona Franca de Manaus e estabelecer contatos com empresas brasileiras dos segmentos de eletroeletrônicos, alimentos, cosméticos e madeira, entre outros. Depois de Manaus, os empresários fizeram escalas em São Paulo e Rio de Janeiro. “Nosso objetivo é comprar máquinas e equipamentos agrícolas, mas alimentos e roupas também estão no foco de nosso interesse”, disse o presidente da Federação Dominicana de Comerciantes (FDC), Ivan Garcia. A secretária-executiva adjunta de Relações Internacionais da Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico (Seplan), Juliane Mello, apresentou aos empresários um panorama sobre o Polo Industrial de Manaus (PIM), com suas 550 indústrias, 113.211 empregos diretos e quase 500 mil indiretos, destacando o faturamento recorde de 2010, US$35 bilhões.

Missão caribenha reuniu 32 empresários em visita a três cidades brasileiras

16

Segundo o gestor da Unidade de Fomento de Internacionalização da América Latina e Caribe da Apex-Brasil, Guilherme Machado, a organização articula missão comercial em novembro para que os empresários brasileiros possam visitar a República Dominicana e estreitar relacionamento comercial com o país. Segundo Marcelo Lima, 20 empresas amazonenses, como Bicho da Seda, Oiram Chocolates, Pharmakos da Amazônia, Tammy Pezzi, entre outras, participaram da rodada de negócios, por meio das reuniões pré-agendadas com os empresários dominicanos e haitianos. Para o empresário William Rene, da empresa ProNorte Representações, do segmento de alimentos, o evento foi muito válido. “Fiz ótima reunião com empresário que está interessado em comprar mercadorias. Esses eventos são importantes para gerar novos negócios”, disse.

.

Empresários locais participaram da rodada por meio de pré-agendamentos


seminário

Uma norma para segurança no trabalho José Paulo Lacerda/CNI

CNI, em parceria com FIEAM e MTE, debate a legislação em vigor com industriários do PIM

A

Norma Regulamentadora 12, que trata exclusivamente da segurança no trabalho em máquinas e equipamentos, foi amplamente discutida no seminário “A Nova NR-12”, promovido em Manaus pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em parceria com a FIEAM e o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O tema da norma foi apontado por executivos do Polo Industrial de Manaus (PIM) como prioridade, depois que auditores do trabalho autuaram algumas empresas, em março deste ano, por descumprimento da NR, no que diz respeito à proteção e adequação de máquinas, capacitação e segurança dos trabalhadores. Para o superintendente Regional do Trabalho e Emprego no Amazonas, Alcino dos Santos, a NR-12 garante a saúde do operário, relatando características das novas tecnologias inseridas no dia a dia do trabalho utilizadas pelo profissional. “Não temos a intenção de interditar fábricas, muito menos de autuar as indústrias do PIM. Entretanto, queremos garantir a segurança e os direitos dos trabalhadores”, disse. Por conta das auditorias, mais de 40 empresários se reuniram em 15 de abril para tratar do assunto com líderes sindicais e técnicos da FIEAM, solicitando a intervenção da instituição para negociação de prazos de adequação, bem como para trazer o debate técnico às novidades da legislação em vigor. “O Sistema Indústria cumpre o seu papel ao promover esse seminário, mostrando que apoia a indústria e o industriário quanto às condições de trabalho, saúde e segurança. Desta forma, a Federação exerce a defesa dos interesses das indústrias do Amazonas, mantendo articulação

A nova NR-12 trata exclusivamente da segurança relacionada ao uso de máquinas e equipamentos

e comunicação com os seus sindicatos estaduais e a CNI, na esfera nacional”, disse o coordenador de Segurança e Saúde no Trabalho da CNI, Clovis Veloso de Queiroz Neto. De acordo com o assessor do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos (Sindipeças) e da bancada patronal da Comissão Tripartite da NR-12 do MTE, José Carlos de Freitas, a Norma é recente, foi implementada em dezembro do ano passado e, portanto, carece do período de amadurecimento e conhecimento

Representante da CNI, Clovis Veloso, vice-presidente da FIEAM, Athaydes Mariano, e o superintendente Regional do Trabalho, Alcino dos Santos

para os atendidos, contando com o bom senso e a tolerância do Governo, Ministério, indústria e trabalhadores. Na avaliação do assessor, a NR-12 está dividida em dois universos: das máquinas novas e das máquinas em uso. Os itens de maior reincidência de autuação na indústria metalúrgica de São Paulo são os critérios de proteção das máquinas e a ênfase na capacitação dos trabalhadores. Para Freitas, o texto de 1978, formulado por técnicos do MTE, era muito genérico. O aprimoramento da norma traz informações específicas e detalhadas, redigidas pela Comissão Tripartite da NR-12, sendo desenvolvidas, de forma mais democrática, com a participação do governo, empresários e trabalhadores. No seminário, desenvolvido em dois dias no auditório Arivaldo Silveira Fontes, na sede do SENAI, os técnicos da CNI e FIEAM, bem como os representantes da Comissão Tripartite da Nova NR-12 e os auditores fiscais do MTE, esclareceram dúvidas dos representantes industriais, individualmente, sobre a legislação em vigor e os prazos adotados para adequação das não-conformidades.

.

17


ação global 2011

Voluntariado mostra sua força

Evento bate recorde de público e de atendimento no Clube do Trabalhador do Amazonas

A

Ação Global cumpriu mais uma vez neste brou que as pessoas atendidas receberam ano a missão de ajudar a reduzir as desi- uma cartela com quatro fotos 3x4 para dogualdades sociais do Brasil. Em Manaus, cumentos. “Não tenho palavras para explicar mais de 62 mil pessoas tiveram acesso aos minha felicidade em contribuir com essas serviços essenciais oferecidos pelo SESI e pessoas que vêm em busca do primeiro doseus 113 parceiros, no Clube do Trabalhador cumento para se tornar cidadãos de fato pedo Amazonas, na zona Leste, em 14 de maio. rante a sociedade”, disse Fonseca. Ao todo, foi oferecido o número recorde de mais de 124 mil atendimentos nas áreas de Geração de renda educação, saúde, lazer e cidadania. O movimento no Clube foi intenso até o encerraCom o resultado em mãos, a coordenamento do programa, por volta das 17h. dora de Programas e Projetos de Cidadania Como vem acontecendo nos últimos do SESI Amazonas, Silvane Almeida, disse anos, os serviços de cidadania estiveram que a grande contribuição da Ação Global, entre os mais procurados, principalmente atualmente, está na possibilidade de muna emissão de documentos fundamen- dar a vida de parte da população beneficiatais, como carteira de identidade, carteira da, seja através dos cursos de empreendede trabalho, CPF e título de eleitor. Foram dorismo oferecidos por meio do projeto de expedidos cerca de 4 mil documentos em geração de renda ou no encaminhamento primeira ou segunda vias. Em saúde, foram para emprego. registrados mais de 10 mil atendimentos, e As donas de casa Aurilene Gomes, 24, e mais de 7 mil na área de educação. a tia dela, Claucione Paz de Souza, 28, moO professor Sebastião Castro, 54, foi ao radoras do Valparaíso, na zona Norte, saíram programa para tirar a primeira via da carteira da Ação Global com certificados de artesãs de identidade dos filhos de 15, 13 e 11 anos, depois do curso oferecido pela Ágape Artes e a segunda via do próprio RG. Sebastião, e HVS Projetos e Ferramentaria. Segundo a que há pouco tempo sofreu um acidente coordenadora de Eduvascular cerebral que o obriga a se lococação Continuada, do mover em cadeira de rodas, parabenizou o SESI, Maria de Lourdes atendimento dos voluntários desta edição Raposo, o curso benefida Ação Global, que o encaminharam cor- O número de ciou, em duas turmas, retamente para tirar as fotos 3x4 e depois parceiros do 120 pessoas. Também deram suporte para os serviços de saúde. SESI/AM na foram oferecidos cursos O gerente da Foto Nascimento, Leandro Ação Global de maquiagem, manicuFonseca, dividiu o estande da empresa deste ano, que re e confecção de brincom outros cinco voluntários que fizeram teve público de quedos com material 3 mil registros fotográficos. Fonseca lem- 62 mil pessoas reciclado.

113

18

Sebastião, Efigênia e netos foram atendidos em menos de 3 hora


as na Ação Global deste ano

Atendimento na Ação Global, neste ano, foi facilitado graças à distribuição de senhas para cada serviço

Atendimento em saúde é facilitado Graças ao sistema de distribuição de senhas, adotado este ano pelo SESI, o casal de agricultores Sebastião Barros dos Santos, 66, e Efigênia Alves Brasil, 62, não precisou esperar muito para receber encaminhamento médico para o ortopedista. Moradores da comunidade Vista Alegre, interior da vila Novo Remanso, em Itacoatiara, a 175 quilômetros de Manaus, eles estavam hospedados na cada de uma das filhas, no Monte das Oliveiras, zona Norte de Manaus. Acompanhados dos netos Andreza, 12, Henriquesson, 7, e Hendel, 5, Sebastião

e Efigência conseguiram resolver tudo em menos de três horas. Às 10h30, a neta já havia faturado dois brinquedos no tradicional jogo da pescaria, e os dois meninos exibiam as máscaras de animais que ganharam nas oficinas de pintura facial. “Eles só vieram brincar”, disse a avó. Diferente dos anos anteriores, o atendimento em saúde ficou concentrado num único local, a Unidade de Educação Dra. Emina Barbosa Mustafa, anexa ao Clube do Trabalhador, que chegou a reunir cerca de 100 profissionais médicos de várias especialidades.

19


Notas globais

Indústrias Dos 113 parceiros do SESI e da Rede Globo, neste ano, 34 eram empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM), como a Moto Honda, que participou pela sexta vez, e a Samsung, que fez sua estreia no programa, cada uma contribuindo com voluntários e serviços médicos, odonto-

lógicos e de cidadania, além da doação de alimentos, bebidas e material. A analista ambiental da Samsung, Cristiane Gomes, destacou que a ação desenvolvida foi educativa, motivando os visitantes a transformarem resíduos plásticos em brinquedo.

Multa moral Técnica de Gestão Ambiental da Honda, Ellen Cunha, ensina plantio caseiro de hortaliças

Analista ambiental da Samsung, Cristiane Gomes, ensina como fazer brinquedos com plástico

Simpatia

Ismael Neves

Pela segunda vez, o ator Max Fercondini foi o embaixador da Rede Globo na Ação Global do Amazonas. A escolha foi do próprio ator que atualmente está na novela “Morde & Assopra”. Max não esconde o interesse pela Amazônia e pelo Amazonas desde as reportagens que fez para o programa “Globo Ecologia”. “Quando vi as cidades cotadas, não pensei duas vezes e aproveitei para convidar a Amanda (Richter, também atriz, namorada dele) que não conhecia o Estado”. Max e Amanda distribuíram simpatia no Clube do Trabalhador, dando autógrafos e posando para dezenas de fotos com os fãs. Eles acompanharam o menino Jorge Nascimento, de 4 anos, a tirar seu registro de nascimento. Segundo a criança, foi “muito legal” conhecer de pertinho os artistas da televisão.

Os atores Max Fercondini e Amanda Richter distribuem simpatia na ação Global

O Centro de Vida Independente do Amazonas (CVI-AM) distribuiu, durante a Ação Global, folheto divulgando a “multa moral” que está sendo aplicada contra quem estaciona em vaga reservada a quem transporta pessoas com dificuldade de locomoção, de acordo com a Resolução 304, de 18 de dezembro de 2008. Na outra ponta, o Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito, o Manaustrans, estava preenchendo cadastro para vagas de estacionamento especial, para pessoas com deficiência e idosos.

A cantora Djena Tikuna, à frente do Grupo Mugüta, encanta plateia da Ação Global

Canto indígena Uma das atrações musicais da Ação Global, o Grupo Magüta, formado por indígenas da etnia tikuna, fez a plateia dançar e até cantar na língua nativa. A cantora Djena Tikuna, vestida e pintada a caráter, incentivou o público a fazer coro para alguns cânticos. Além da vocalista, o grupo é formado por um violonista e dois percussionistas.

20


palestras

Soluções inovadoras para indústria O IEL/AM se junta ao IEL Paraná para divulgar Programa de Capacitação Empresarial

O

Instituto Euvaldo Lodi (IEL) do Paraná promoveu, em parceria com o IEL Amazonas, em 30 de junho, em Manaus, ciclo de palestras para disseminar as práticas e conhecimentos consolidados a partir do Programa de Capacitação Empresarial em Gestão Estratégica de Tecnologia e Inovação (GIT). Logo na abertura do evento, com a palestra “O Panorama da Inovação no Amazonas e suas Perspectivas”, o secretário de Estado de Ciência e Tecnologia, Odenildo Sena, reconheceu que o Brasil demorou muito para ser influenciado pela febre de inovação em que vive o mundo. Apesar disso, segundo ele, o Amazonas se destaca na Região Norte. “Fomos o Estado que mais cresceu em número de doutores, e 1,24% da receita total do Estado é destinada para a área, o que nos posiciona à frente dos demais Estados da Região”, disse, complementando que o investimento não é pouco em comparação ao que se tinha, “mas ainda é pouco para posicionar o Amazonas no patamar de alta competitividade”. A convite do IEL/PR, o doutor em engenharia de produção, Eduardo Fayet, apresentou a palestra “Gerenciar a Inovação: Um desafio

O secretário Odenildo Sena (2º à esquerda), na mesa do evento, junto com outras autoridades convidadas

Eduardo Fayet disse que inovação só existe com pesquisa

para as empresas”. Segundo ele, a inovação não existe sem ciência e tecnologia, ou seja, sem pesquisa. “E a pesquisa deve aplicar o conhecimento na prática, trazendo resultados inclusive econômicos”, esclareu. O Programa do IEL paranaense GIT capacitou, por meio de especialização voltada para inovação, 189 participantes e 41 empresas. Com o diagnóstico das empresas em mãos, foi possível traçar o ranking das empresas mais inovadoras do Paraná e destacar as melhores práticas. Entre os cases de empresas paranaenses inovadoras, Fayet apresentou a Angelus, a Herbarium e a Identech. A proposta do IEL, com o GIT, é apresentar soluções inovadoras às indústrias, criando oportunidades para as empresas obterem vantagens competitivas no mercado.

.

Fabriq é um caso de sucesso Na pauta da Inovação, o empresário Fredson Encarnação, proprietário da Fabriq, apresentou a evolução da empresa amazonense do ramo de desenvolvimento de softwares, que teve início na incubadora do Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (Cide). Hoje, a Fabriq tem sede própria e conta com uma cartela de clientes, como a Philips, Petrobras, Sony DADC, Masa, Seculus, Fucapi, Envision, Unicoba, entre outras. “Estamos há nove anos no mercado e temos mais de 40 projetos de sistemas da informação desenvolvidos. Ao todo, empregamos 40 colaboradores e estamos

tentando desmistificar o conceito de que só os softwares desenvolvidos fora têm valor”, disse o empreendedor. A empresa busca o conhecimento constantemente como forma de se manter competitiva no mercado. Em 2011, iniciou a utilização da metodologia do Balanced Scorecard (BSC) e vem colecionando premiações no Prêmio Finep de Inovação. Além de tudo a empresa ainda ajuda a preservar o meio ambiente. “Com conhecimento, inteligência e computadores a gente consegue trabalhar na Amazônia sem degradar o meio ambiente”, disse Encarnação.

O empresário Fredson Encarnação, dono da Fabriq

21


internet

Site divulga oportunidades de mercado para setor cultural Com show da banda cuiabana Macaco Bong, lançamento do site aconteceu em maio no All Night Pub

J

á está no ar o site www.culturaenegocios. org, um espaço adaptado para apoiar e agregar informações sobre negócios ligados ao ramo da cultura amazonense. O lançamento foi realizado pelo Sebrae no Amazonas, em parceria com o Coletivo Difusão, na sexta-feira, 20 de maio. O evento ocorreu às 16h no All Night Pub, na Avenida Ephigênio Salles, 2085, bairro Aleixo (Zona Centro-Sul de Manaus) e contou com a participação de produtores culturais, empresários e artistas do ramo. A banda cuiabana Macaco Bong foi convidada para o lançamento do site, apresentando um workshow sobre o processo de construção da carreira dentro de um novo

A banda Macaco Bong, que tocou no lançamento do site em Manaus, é apontada como exemplo de um novo modelo de gestão cultural

22

modelo de gestão da música nacional. O site é uma iniciativa do Sebrae por meio do projeto ‘Copa 2014: Cultura, Negócios e Entretenimento’, desenvolvido para fomentar e apoiar a cadeia produtiva de arte e cultura do Estado. O sistema foi elaborado em formato de catálogo virtual de serviços, divulgando artistas, músicos, companhias de animação e teatro, produção de evento e demais serviços que englobem o processo de negócios voltados

para a cena cultural. O cadastro é gratuito. Para o presidente do grupo Coletivo Difusão, Caio Mota, a banda é referência no que diz respeito ao processo de gestão de carreira musical. “Neste primeiro momento, estamos focando na música como negócio, apontar a Macaco Bong como exemplo é fundamental para divulgar um novo modelo de gestão cultural”, afirma Mota. Para a gerente da Unidade de Atendimento Coletivo, Comércio e Serviços do Sebrae no Amazonas, Sâmia Cardoso, o objetivo do site é tentar criar uma referência para o setor no estado. “O Sebrae apoia este tipo de negócio, pois entende o setor cultural como mais uma forma de empreendedorismo. Vamos trabalhar para organizar uma estrutura, criando um nicho de mercado e expandindo os segmentos”, afirma a gerente.

.


cerâmica

Técnico do SENAI Francis Aquino explica o processo dos ensaios desenvolvidos no Laboratório aos empresários Antônio da Mata e Hyrlene Ferreira

Empresário Antônio da Mata deixa amostra do tijolo produzido em sua olaria para análise no Laboratório de Cerâmica Vermelha do SENAI

Laboratório leva mais qualidade ao Polo Oleiro Sindicato do setor reconhece importância do laboratório de cerâmica do SENAI

O

Laboratório de Cerâmica Vermelha do SENAI ganhou o aval da indústria oleira do Amazonas. Ao visitar, no final de maio, as instalações do setor na Escola SENAI Demóstenes Travessa, no Distrito Industrial, a presidente do Sindicato da Indústria de Olaria do Amazonas, Hyrlene Ferreira, disse que o setor não precisa mais enviar seus produtos para teste de qualidade fora do Estado. “Com o laboratório, os gastos dos empresários com a avaliação dos seus produtos vão diminuir”, disse. O gerente da escola, Eduardo Matos, revelou que recente auditoria atestou que o laboratório possui condições de oferecer ensaios cerâmicos para certificação da qualidade de blocos e telhas. Segundo Matos, o projeto do Laboratório foi concebido para atender principalmente às olarias instaladas nos municípios de Iranduba e Manacapuru, onde se empregam cerca de 10 mil trabalhadores diretos. “O laboratório é voltado para a prestação

de serviços à indústria, visando à qualidade carência de conhecimento profissionalizante dos tijolos e telhas cerâmicas. Os ensaios no segmento cerâmico é um problema crônisão realizados por técnicos qualificados, co no polo oleiro de Iranduba, a 25 quilômeem uma instalação apropriada e com equi- tros de Manaus. “Para inserir a modernidade pamentos de ponta, garantindo a qualidade na produção de cerâmicas precisamos que dos serviços prestados pela instituição”, esta mão de obra tenha formação básica e disse o gerente. profissional, pois sem o conhecimento não Segundo Hyrlene Ferreira, os há como automatizar os procesensaios cerâmicos feitos em Masos, tampouco ter qualidade”, naus são um passo importante disse. para a melhoria dos produtos. A Escola SENAI Demóstenes “Com a avaliação mais acessível Travessa oferece mais de 20 ,poderemos cobrar mais qualidacursos de qualificação profissiode dos tijolos e telhas fabricados nal nos diversos segmentos da no Amazonas, bem como corrigir construção civil, além de servie adotar procedimentos de meços técnicos e tecnológicos nas lhoria nos processos produtivos áreas de madeira/móvel e certiutilizados no Estado”, disse ela. Com ficação de pessoas, de profissioO proprietário da Cerâmica Rio nais que atuam como pedreiros, avaliação Negro, Antônio da Mata, que tam- mais acessível instaladores elétricos, pintores e bém é vice-presidente do Sindica- podemos encanadores. to, aproveitou a visita para deixar cobrar mais Mais informações sobre seramostras da sua produção, pros- qualidade nos viços e programação de cursos pectando futuras melhorias após nossos produtos diretos na Escola, localizada na o relatório desenvolvido pelos e adotar Avenida Rodrigo Otávio, 510, Distécnicos do SENAI. procedimentos trito Industrial, pelos telefones de melhoria 3614-5900/5901, ou no portal Mão de obra qualificada nos processos do Sistema FIEAM http://www. produtivos fieam.org.br/site/senai/escolaAntônio da Mata disse que a HYRLENE FERREIRA senai-demostenes-travessa

.

23


feira

Feira do IEL/AM e Sebrae/AM reuniu 87 representantes das micro e pequenas empresas amazonenses

IEL incentiva micronegócios A 4ª edição da Feira reuniu 87 expositores no Salão de Eventos do Clube do Trabalhador

A

empresária Telma Pinho, 32, da Flora por via aérea, de São Paulo. Pinho, estreou em grande estilo – e A empresa de cosméticos Beauty Be com lucro - na Feira de Micronegócios, também marcou presença e fez pré-cadaspromovida anualmente pelo Instituto Euval- tro de aproximadamente 100 revendedodo Lodi (IEL Amazonas), em parceria com ras para a marca. Segundo a gerente de o Sebrae-AM. Em sua 4ª edição, agora operações comerciais, no Salão de Eventos do Clube do TrabaKeyla Solano, a Beauty lhador do Amazonas, o evento reuniu em Be lançaria, ainda em A ideia maio - “Mês da Indústria” - 87 exposi(com o pré- maio, catálogo com tores dos segmentos vestuário, alimen- cadastramento mais de 100 produtação, artesanato e tecnologia, entre de 100 tos amazônicos, como outros. perfumes, hidratantes, candidatas) “É a primeira vez que participo da fei- é montar desodorantes, xampus, ra, estou amando a experiência”, decla- uma rede de entre outros. “A ideia rou Telma, que montou um estande com revendedoras é montar uma rede de os principais itens de sua floricultura. Se- e orientá-las na revendedoras e orientágundo a empresária, as flores preferidas administração las na administração do dos amazonenses são as orquídeas culti- do micronegómicronegócio”, disse a vadas na vila de Balbina, a 187 quilôme- cio gerente. tros de Manaus, e as rosas que chegam KEYLA SOLANO A programação da

24


A empresária Cris Batista, do Atelier Santa Cris, expôs suas roupas artesanais e feitas sob medida na feira

feira contou, ainda, com a “showlestra” Qualidade de Vida, do Grupo de Teatro do SESI Amazonas. O diretor do grupo, Wagner Melo, montou a apresentação com base nos desafios cotidianos para se alcançar qualidade de vida em casa e no trabalho. Estudantes de universidades amazonenses prestigiaram a oficina de Comunicação e Liderança, ministrada pelo consultor da Speaker.com Treinamentos, José Baptista Santos. O consultor é autor do livro “Desinibição e Expressão Verbal” e desenvolveu dinâmica com os participantes para mostrar, na prática, as habilidades de trabalho em equipe, desenvolvimento de projetos e apresentação em público. Sete marcas do Polo de Moda do Amazonas apresentaram suas produções no desfile de moda promovido na feira. As empresas Cam’s Confecções, Moda Flores, Santa Cris/Atelier da Fabi, Clea’s Fashion, Isabel Oliveira, Wall Grife/Criativa e Pérolas da Amazônia mostraram 60 ‘looks’ da moda produzida 100% no Amazonas. Para o presidente da Frente Parlamentar de Apoio às Micro e Pequenas Empresas e Empreendedores Individuais (FremA parceria preei), deputado esdo Sebrae tadual Adjuto Afoncom o IEL so, a política pública na Feira de deve favorecer mais Micronegócios os pequenos empreé fundamental sários que, devido para incentivar às barreiras burocráos microempre- ticas ainda optam endedores a pela informalização deixar a de seus pequenos informalinegócios. dade “IEL e Sebrae são instituições fundaMAURÍCIO SEFFAIR mentais para o desenvolvimento de pequenos negócios e assessoria dos empreendedores individuais que hoje são mais de 14 mil, porém a meta para este ano é chegarmos a 16 mil pequenos empresários formalizados” disse. De acordo com o diretor técnico do Sebrae Amazonas, Maurício Seffair, é importante que as instituições de apoio às micro e pequenas empresas se unam para promover os negócios desses empreendedores, fortalecendo a economia no Estado do Amazonas. “A parceria do Sebrae com o IEL, na Feira de Micronegócios, é fundamental para incentivar os microempreendedores a deixar a informalidade”, disse Seffair.

.

25


reportagem

Sebrae/AM entrega prêmio de Jornalismo Prêmio foi criado para reconhecer e valorizar reportagens publicadas sobre as micro e pequenas empresas

Agnaldo Oliveira, jornalista vencedor na categoria telejornalismo, recebe prêmio do gerente da Unidade de Marketing e Comunicação do Sebrae/AM, Márcio Vieira

O

s jornalistas Cesar Augustus Coelho e Agnaldo de Oliveira Gomes Júnior são os vencedores, no Amazonas, do Prêmio Sebrae de Jornalismo, uma premiação criada para reconhecer e valorizar as melhores reportagens publicadas sobre as micro e pequenas empresas. Cesar Augustus venceu na categoria Jornalismo Impresso, e Agnaldo Oliveira, na categoria Telejornalismo. Na categoria Jornalismo Web, o melhor trabalho inscrito foi do jornalista Diego Oliveira. O Amazonas não teve vencedor na categoria Radiojornalismo. Os vencedores recebem certificados, troféus e duas cortesias do Sebrae para participar gratuitamente do Empretec, um treinamento de excelência da instituição voltado para o desenvolvimento e potencialização do comportamento empreendedor. O anúncio dos vencedores aconteceu nos dias 25 e 26 de maio, nas redações onde trabalham os vencedores. “Só tenho a agradecer ao Sebrae e a toda a equipe da minha editoria, pois penso que este prêmio é de todos nós e o Sebrae está de parabéns por incentivar o bom jornalismo”, disse Cesar Augustus. “Todos os jornalistas que se inscreveram no Prêmio estão de parabéns. Tivemos um recorde em número de inscritos e isso de-

26

monstra que as micro e pequenas empresas estão ganhando espaço na mídia em geral”, disse o diretor-superintendente do Sebrae no Amazonas, Nelson Rocha. Nesta edição, o Amazonas contou com 26 trabalhos inscritos, o dobro do número de inscrições ocorridas na edição anterior. Pelo regulamento do Prêmio, cada vencedor por categoria no Estado passa a ser finalista regional e, caso tenha sua reportagem considerada a melhor da região Norte, passa à fase seguinte, ou seja, vai disputar o Prêmio em âmbito nacional. Nessa fase, a premiação é de R$ 12,5 mil para o vencedor de cada categoria. “Nossa expectativa é a de que os melhores do Amazonas também sejam os melhores no Norte, pois assim teremos representação nacional e a chance de um profissional do Amazonas ser reconhecido nacionalmente por ter feito uma excelente reportagem sobre as micro e pequenas empresas”, avalia o gerente de marketing e comunicação do Sebrae/AM, Márcio Vieira. O Prêmio Sebrae de Jornalismo é uma realização do Sebrae em parceria com a Revista Imprensa, Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom).

.

Prêmio nacional é de Canellas O jornalista Marcelo Canellas, da TV Globo, recebeu o Grande Prêmio Sebrae de Jornalismo, com a reportagem “Microcrédito”, que integrou a série Brasileiras exibida pela emissora no ano passado. O prêmio - troféu e cheque no valor de R$ 25 mil - foi entregue em cerimônia na sede da instituição, em Brasília, em 1º de junho, Dia da Imprensa. Com tema “Inovação”, a terceira edição do Prêmio Sebrae de Jornalismo teve 1.033 trabalhos inscritos por jornalistas de 27 Estados do País. Até a definição dos vencedores, foram realizadas três etapas - estadual, regional e nacional - em que os trabalhos passaram pela avaliação de jurados do Sebrae, Fenaj, Intercom e Revista Imprensa. “O país vive um momento muito bom em termos de empreendedorismo e de desenvolvimento econômico, e a imprensa teve um papel fundamental na disseminação destas informações. A imprensa deve noticiar coisas positivas, agindo como agente multiplicador”, afirmou o presidente do Sebrae, Luiz Barretto.


curso

Cozinha Brasil para mães na Honda Programa do SESI monta turma especial do curso de Educação Alimentar como parte do Dia das Mães

T

rezentos e noventa mães trabalhadoras da Moto Honda da Amazônia, no Distrito Industrial, receberam aula sobre alimentação saudável e sobre a preparação dos alimentos de forma racional, econômica e sem desperdícios, por meio do Programa Cozinha Brasil, do SESI. A programação fez parte do Dia das Mães realizada pela empresa. Segundo a analista administrativa da Honda, Marcela Costa, a parceria com o SESI surgiu da necessidade de inovar e falar sobre qualidade de vida para as trabalhadoras. “Todos os anos fazemos esse evento e abordamos temas, como violência contra mulher e drogas em família, só que isso repercutia no emocional das funcionárias. Por isso, pensamos numa programação mais leve e que elas pudessem transmitir aos seus filhos”, disse Marcela. A equipe do Cozinha Brasil, formada por duas nutricionistas e duas auxiliares de cozinha, deu a receita do famoso suco da horta, distribuiu a bebida nutritiva e mate-

Receita do Suco da Horta foi ensinada e a bebida distribuída para 390 mães da empresa Moto Honda

rial didático que ensina receitas utilizando talos, raízes e caules de verduras e legumes, normalmente descartados no preparo das refeições. A analista de sistemas Neurizete Costa disse que apesar da empresa já se preocupar com a questão da alimentação, mantendo três tipos de cardápios (“comida Brasil”, “diet grill” e “japonesa”), essa preocupação não se estende às suas casas. A colaboradora aproveitou para perguntar à equipe do SESI a receita do molho de tomate natural.

A oficial de produção Luciana Lira elogiou a parte da palestra que falou sobre a alimentação das crianças. A colaboradora tem dois filhos que estudam no SESI e disse que irá preparar o suco da horta para suas crianças, que já consomem alimentação balanceada na instituição. “É sempre válido inovar. Achei o evento muito produtivo e estou interessada em fazer o curso completo do Cozinha Brasil para cuidar da alimentação da minha família toda”, comentou a funcionária.

.

Programa faz sucesso na TV Depois do sucesso da Família Silva, entra em cena a Família Mesquita, de Goiânia, no Cozinha Brasil-Série Receita de Família, reality show realizado pelo Conselho Nacional do SESI, em parceria com a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e produção da Cinevídeo. O programa é exibido sempre aos sábados, na TV Brasil. Em cada programa, um membro da família se torna “chef” e coloca em prática tudo o que aprendeu, tendo como base uma receita da própria família, mas com acompanhamento da nutricionista e chef Aline Rissatto. Os participantes recebem dicas de como aproveitar melhor os ali-

mentos, com mais saúde e custos menores, numa verdadeira aula de reeducação alimentar. A direção do reality show é de Marcelo Krause. Os telespectadores poderão interagir com a produção através do site (www.cozinhareceitadefamilia.com.br) e do perfil do Receita de Família no Facebook. Na página, é possível conhecer cada família do reality e conferir os vídeos dos programas anteriores. Segundo o presidente do Conselho Nacional do SESI, Jair Meneguelli, o Cozinha Brasil-Série Receita de Família foi estruturado para que a população tivesse mais

Cena de um dos programas do Cozinha Brasil na TV

um canal de informação e aprendizado, dando sequência à iniciativa do SESI que, inspirado no programa Alimente-se Bem, em 2004, lançou nacionalmente o Cozinha Brasil.

27


folclore

Festival folclórico em Alunos das unidades de educação do SESI mostram diversidade cultural das regiões Norte e Nordeste

A

s escolas da Rede SESI Amazonas de Educação promoveram, em 21 de junho, no Clube do Trabalhador, o seu 8º Festival Folclórico, reunindo cerca de 1.400 alunos das unidades Émina Barbosa Mustafa, na zona Leste, Adalberto Ferreira do Valle, na Centro-Sul, e Francisco Garcia, na zona Sul. Com o tema “Brincadeiras, Felicidade e Preservação”, o festival mostrou a diversidade cultural das regiões Norte e Nordeste. Alunos da Unidade Adalberto Valle apresentaram a tradicional Lenda do Çairé, sob o ritmo forte e empolgante do carimbó. A coreografia ainda representou a necessidade de conscientização das pessoas para a preservação dos botos, que estão ameaçados de extinção na Amazônia. O tema ajudou na divulgação da música originária do estado do Pará, além de um apelo para a salvação da natureza. A Unidade Francisco Garcia levou para o festival a Quadrilha Amazônia, com os temas “Um clamor pela natureza” e “Amazônia – Fonte de Esperança e Vida”, tratando da biodiversidade da região e de sua importância para a humanidade. Os alunos mostraram a beleza da região e seus

Alunos do SESI apresentaram suas danças dentro do tema “Brincadeiras, Felicidade e Preservação”

personagens, como o ribeirinho, o índio, o caboclo, além da riqueza da fauna. A professora Vera Lúcia, uma das coordenadoras, disse que o tema da preservação foi muito bem assimilado pelos alunos que se dedicaram durante meses aos preparativos. Para ela, foi importante desenvolver o tema, inclusive com os alunos de 5 anos de idade, porque “a conscientização sobre a preservação do meio ambiente deve começar cedo”. O festival foi encerrado com os cerca

Ao ritmo do carimbó, alunos da Unidade Adalberto Valle apresentaram a tradicional Lenda do Çairé

28

de 350 alunos da Unidade Émina Barbosa Mustafa, que ocuparam todo o espaço destinado às apresentações com coreografias nos ritmos do axé e da suingueira. A coordenadora do Festival Folclórico do SESI, Lizette Coelho, destacou a evolução do festival nos últimos anos, ressaltando o trabalho de pesquisa e ensaio realizado pelos professores e alunos. Lizette disse que todo o trabalho apresentado no festival é resultado das atividades vivenciadas em sala de aula por alunos e professores.


ritmo de preservação

Festival Folclórico, em Itacoatiara, teve grande diversidade de danças apresentadas por alunos do SESI

Boi Curumim brilha em Itacoatiara Sinhazinha da Fazenda foi um dos itens mais aplaudidos do Boi Curumim no festival

Boi-bumbá, Sinhazinha da Fazenda, Pajé, Cunhã-poranga, Rainha do Folclore, Porta-estandarte e muitos índios dançando ao ritmo empolgante do boi-bumbá amazonense. Assim foi a apresentação do BoiBumbá Curumim, promovida pela Unidade de Educação do SESI Vicente de Mendonça Lima - Escola Abrahão Sabbá, em Itacoatiara, a 175 quilômetros de Manaus. O Boi Curumim fechou a programação do Festival Folclórico realizado em 18 de junho, no Centro de Eventos de Itacoatiara, mesmo local onde é promovido o Fecani, o famoso Festival da Canção de Itacoatiara. As crianças deram um show de simpatia e talento ao representar os itens do boi com graça e seriedade. Além do Boi Curumim, a escola, que possui 780 alunos matriculados, apresentou a quadrilha “Os caboclinhos do SESI”, Carimbó e a Dança Árabe.

Visitas VIP Duas autoridades prestigiaram o Festival Folclórico do SESI em Itacoatiara. O conselheiro da FIEAM e apaixonado por Itacoatiara, Moyses Israel, viajou especialmente para prestigiar a festa. “A visita do ‘Seu’ Moyses é muito significativa para nós. Essa escola é a menina dos olhos dele e nós todos o temos no coração. Temos muito respeito pela figura dele e ficamos felizes com sua visita”, disse a assistente social Joseane de Almeida Melo, que trabalha há 14 anos na instituição. Outra autoridade que marcou presença no evento foi o prefeito de Itacoatiara, Antônio Peixoto de Oliveira. “Os alunos do SESI têm um aproveitamento invejável, o SESI é um dos modelos mais bem-sucedidos na área de educação privada em Itacoatiara”, reconheceu o prefeito.

29


jiu-jítsu

Atleta do SESI ganha ouro no Brasileiro Disputa reuniu atletas de todo o Brasil e aconteceu em maio, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo

O

atleta Paulo Rogério Júnior, de 10 anos, da Escolinha de Jiu-Jitsu do SESI, conquistou medalha de ouro na categoria Pesadíssimo (infantil) no Campeonato Brasileiro de Jiu-Jítsu Esportivo, no Ginásio Ibirapuera, em São Paulo, nos dias 20 a 22 de maio. O faixa branca Rogério Júnior ganhou o combate, por pontos, do representante de Mato Grosso e garantiu vaga para o Mundial da modalidade que será realizado no mês de julho, em São Paulo. Paulo Rogério pratica jiu-jitsu há dez meses, na Escolinha do SESI, e cursa o 6º ano do Ensino Fundamental no Colégio Militar de Manaus. Segundo ele, desde que começou a praticar o jiu-jítsu, seu rendimento escolar melhorou, alcançando melhores médias, o que o tornou mais disciplinado em suas atividades. O professor de jiu-jitsu do SESI, o faixa preta Fábio Pinheiro, disse que a medalha de ouro mostra o trabalho desenvolvido pela Escolinha que vem conquistando resultados positivos para o esporte. De acordo com Fábio, a Escolinha do SESI, além de preparar os atletas para as competições, ensinando os fundamentos do jiu-jitsu, também ensina noções de cidadania e valores do esporte, por meio de palestras com especialistas. Ele cita como exemplo alunos que tinham dificuldades de relacionamento e,

Paulo Rogério exibe medalha conquistada no Brasileiro de JiuJitsu disputado em São Paulo

30

Paulo Rogério (centro) no pódio do Campeonato Norte

ao chegarem na Escolinha, conseguiram superar isso. A modalidade de jiu-jítsu começou a ser desenvolvida no SESI em agosto de 2009, no Clube do Trabalhador do Amazonas. Atualmente, a equipe, formada por 40 atletas a partir dos 6 anos de idade, é comandada pelos instrutores Fábio Pinheiro e o estagiário Márcio Soares. As aulas são realizadas de segunda a sexta, de 18h30 às 19h30 e das 19h30 às 20h30. Informações sobre vagas e matrícula pelo telefone (92) 3216-1030.

Medalhas no regional Paulo Rogério Júnior também se destacou, entre outros atletas do SESI, no 1º Campeonato Norte de Jiu-Jítsu, promovido nos dias 23 e 24 de maio, no Ginásio de Esportes Ninimberg Guerra, no bairro São Jorge, zona Oeste, pela Federação Amazonense de Jiu-Jitsu Esportivo (Fajje) e Confederação Brasileira de Jiu-Jítsu Esportivo (CBJJE). O SESI participou da competição com dez atletas. Além de Paulo Rogério, da categoria Pesadíssimo (infantil), o faixa preta Luiz Márcio, da categoria Galo (máster) faturou medalha de ouro. Já o faixa branca Paulo Rogério da Silva ganhou a medalha de prata na categoria Pesadíssimo (máster). O Campeonato Norte de Jiu-Jítsu teve a participação de cerca de 1,2 mil atletas dos Estados da Região Norte, a partir de 4 anos (pré-mirim, mirim, infantil, juvenil, adulto, máster e sênior) no masculino e feminino nas categorias pena, pluma, galo, médio, pesado e pesadíssimo nas faixas branca, azul, roxa, marrom e preta. O Amazonas reuniu a maior delegação com cerca de 800 atletas de 20 agremiações.


jogos estaduais 2011

No tênis de mesa, naipe masculino, Levy Torres (direita), da LG Eletronics, sagrou-se bicampeão

Neste ano, a modalidade xadrez foi disputada por 21 trabalhadores-atletas de empresas do PIM

Pódio do tênis de mesa, naipe feminino, com trabalhadoras-atletas da Nokia, Moto Honda e Honda Lock

As primeiras medalhas

Etapa estadual dos Jogos SESI já tem campeões no xadrez e tênis de mesa

N

okia do Brasil e LG Eletronics conquistam as primeiras medalhas de ouro nos Jogos SESI 2011, etapa estadual, na modalidade tênis de mesa. No xadrez, outra modalidade que também já definiu seus campeões, o ouro ficou com trabalhadores-atletas da Philips, no xadrez rápido, e da Nokia, no xadrez pensado. A etapa estadual dos Jogos SESI começou no início de maio e deve seguir até agosto com disputas em 18 modalidades nas arenas

do Clube do Trabalhador do Amazonas, na zona Leste, e na Vila Olímpica de Manaus, na zona Centro-Oeste. A Nokia conquistou duas medalhas de ouro, no naipe feminino, uma por equipe e outra individual, com Suzana Kamimura. No masculino, a LG dominou a competição, vencendo por equipe e no individual, com o atleta Levy Torres sagrando-se bicampeão. No feminino, a final foi entre Honda e Nokia, tanto por equipe quanto no indivi-

Quadro de Medalhas MEDALHA OURO PRATA BRONZE MEDALHA OURO

XADREZ PENSADO Sharles Mafra Alan Costa Luiz Eduardo Santos XADREZ RÁPIDO Alan Costa

EMPRESA Nokia Philips Poliamazon EMPRESA Philips

PRATA BRONZE MEDALHA OURO PRATA BRONZE MEDALHA OURO PRATA BRONZE MEDALHA OURO PRATA BRONZE MEDALHA OURO PRATA BRONZE

Jardel Farias Luiz Eduardo Santos TÊNIS/MESA/FEM. Equipe Equipe Equipe TÊNIS/MESA/FEM. Suzana Kamimura François Nogueir Simone Salves TÊNIS/MESA/MASC. Levy Torres Bruno Soares Carlos Lírio TÊNIS/MESA/MASC. Equipe Equipe Equipe

Samsung Poliamazon EMPRESA Nokia Moto Honda Nippon Seiki EMPRESA Nokia Moto Honda Nokia EMPRESA LG Eletronics LG Eletronics LG Eletronics EMPRESA LG Eletronics Moto Honda Yamaha e Petrobras

dual. A Nokia, com uma equipe composta pelas atletas Suzana Kamimura, Simone Alves e Viviane Pereira, mostrou mais habilidade técnica e venceu todas as partidas na fases de grupo e classificatória. Suzana Kamimura conquistou o 1º lugar, no individual, ao vencer por 3 a 0 a atleta da Honda, François Nogueir. Suzana é chefe de produção e participou pela primeira vez dos Jogos SESI. Segundo ela, o nível do tênis entre industriários é bom, mas pode melhorar muito, ressaltando que é preciso treinar mais. No masculino, a LG participou da competição com quatro atletas de bom nível técnico, e classificou três para as finais por equipe. No individual, Levy Torres, da LG, conquistou o bicampeonato ao vencer, em uma partida emocionante de cinco sets, o atleta da LG, Bruno Soares por 3 a 2. Nokia e Philips no xadrez Os trabalhadores-atletas Sharles Mafra (Nokia) e Alan Costa (Philips) são os campeões no xadrez. Alan conquistou a medalha de ouro no xadrez rápido, ao vencer cinco partidas e empatar uma. As partidas contaram com a participação de 21 atletas de empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM) No xadrez pensado, Sharles Mafra, da Nokia, conquistou a medalha de ouro após quatro vitórias e um empate. Segundo ele, a partida mais difícil foi justamente contra Alan Costa. O duelo entre os dois enxadristas vem se repetindo há quatro anos.

.

31


jogos nacionais 2011

Amazonenses faturam Atletas do Estado obtêm seu melhor resultado na competição disputada na capital baiana

N

o melhor resultado do Estado nos Jogos Nacionais do SESI, o Amazonas conquistou 13 medalhas na edição deste ano, em Simões Filho, região metropolitana de Salvador, na Bahia. A delegação amazonense, formada por 84 trabalhadores-atletas de 16 empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM), trouxe duas medalhas de ouro, quatro de prata e sete de bronze. Detentoras das medalhas de ouro, as atletas Valéria Nascimento e Juliana Gusmão garantiram vagas nos Jogos Mundiais dos Trabalhadores que serão disputados em outubro, na Áustria, respectivamente, nas provas de arremesso de peso e 1.500m rasos. Valéria Nascimento, funcionária da Moto Honda, era a favorita na modalidade e aca-

bou superando a marca de 9m70 que lhe deu o ouro em 2010, em Bento Gonçalves (RS) na mesma competição, atingindo agora 10m03. Nos 1.500 metros rasos, Juliana Gusmão, da Philips do Brasil, também era favorita e acabou liderando a prova do início ao fim, com um tempo de 5min09. Além das medalhas de ouro, o atletismo deu ao Amazonas duas medalhas de prata nas provas de 800m, com o atleta Leonardo Santos, da Keihin Tecnologia do Brasil, e na de 3000m, com Jackson Mendes, da Steck da Amazônia. As outras duas de prata vieram da natação, com Fernanda Barbosa, da Nokia do Brasil, na prova de 50m peito, e do tênis de mesa, com a atleta da Philips, Raquel Carvalho. Três das medalhas de bronze vieram do atletismo, com Sandra Morete, da Keihin, nos 400 metros rasos; com a equipe de revezamento feminino 4x100, da Jabil (formada pelas atletas Cleize, Deise, Greisiany e Mary Jane); e com o revezamento masculino 4x100, da Philips (Edevaldo, Maik Sarubi, Railson e Inaldo); outras duas vieram da natação, com Fernanda Barbosa (Nokia) nos 50m borboleta e com o reveza-

mento feminino 4x50, da Philips (Elisângela, Clarice, Maria e Ieda). As outras duas medalhas de bronze vieram do tênis de mesa, com Levy Torres, da LG, e do futebol sete máster da Moto Honda. As equipes de futsal feminino da

Juliana Gusmão correu como favorita e confirmou a boa fase nos 1.500 metros rasos Equipe de revezamento 4x100m, da Philips, garantiu mais uma medalha de bronze para o Amazonas

32


13 medalhas na Bahia futebol de campo, xadrez e vôlei de praia. A cidade de Goiânia (GO) foi escolhida como sede dos Jogos Nacionais em 2012. Estado cresce na competição

Valéria Nascimento, da Moto Honda, conquista o ouro pela segunda vez no arremesso de peso

Salcomp e o vôlei masculino da Yamaha também tiveram uma boa participação nos jogos, conquistando o 4º lugar em suas respectivas modalidades. Este ano, os jogos reuniram 1.087 trabalhadores-atletas de 234 empresas

industriais do Brasil, e foram disputados em dez modalidades esportivas: futebol de campo, futsal, futebol sete máster, natação, atletismo, tênis de mesa, tênis de quadra, voleibol, vôlei de praia e xadrez. O Amazonas só não teve representantes no

Fernanda Barbosa, da Nokia, conquistou prata e bronze na natação

Em 2010, a delegação amazonense conquistou oito medalhas nos Jogos, então realizados em Bento Gonçalves (RS), sendo duas de ouro, com as atletas Valéria Nascimento, da Moto Honda, no arremesso de peso, e Fernanda Barbosa, da Nokia, na natação, prova de 50m borboleta. De acordo com o coordenador de Esportes do SESI, Alberto Júnior, o histórico dos amazonenses na competição é bom, além da experiência de atletas, como Deise Soares, da Jabil, que participou das três últimas edições dos jogos, em Uberlândia (MG), Manaus e Bento Gonçalves, acumulando dez medalhas sendo quatro de ouro. Deise é bicampeã da prova de 400m, além de ter conquistado a medalha de prata em 2008 e 2010 na prova de 1.500m. O coordenador de Esportes da Philips, Aldemir Oliveira, disse que o nível da competição nacional é sempre alto, mas que o Amazonas competiu em igualdade de condições. A empresa levou representantes no atletismo, natação e tênis de mesa. O treinamento da equipe da Philips foi feito na Vila Olímpica de Manaus e no Clube do Trabalhador do Amazonas, do SESI.

.

Equipe de revezamento da Jabil, que tem como destaque a supercampeã

Deise Rodrigues (2ª à direita)

33


dança

Evolução marca 16 anos da Modama Tradicional mostra se mantém firme como espaço para desenvolvimento da dança no Amazonas

C

erca de 200 grupos de dança participaram da 16ª edição da Modama Mostra de Dança de Manaus, de 3 a 5 de maio, no ginásio de esportes da Praça de Alimentação do Conjunto Dom Pedro I, zona Centro-Oeste de Manaus, nas categorias infantil, juvenil, adulto e terceira idade. Mais de 2 mil bailarinos profissionais e alunos de dança mostraram uma variedade de gêneros e estilos, como balé, jazz, dança clássica e moderna. A Modama é um projeto idealizado pela bailarina e coreógrafa Ana Mendes, em parceria com o jornalista Eduardo Monteiro de Paula, e promovida pela Companhia Corpo em Mo-

Há 16 anos, a Modama vem abrindo espaço para todos os estilos e gêneros de dança, do clássico ao popular

vimento, com o apoio do SESI e SESC. Na abertura da mostra, Ana Mendes disse que percebeu, nesta 16ª edição, uma evolução muito grande nos grupos, em especial o trabalho de pesquisa realizado pelos coreógrafos e a técnica dos bailarinos mais aprimorada. Segundo a bailarina, há 16 anos, apenas oito grupos, todos de Manaus, participaram da primeira Modama,

Os coordenadores da Modama, Eduardo Monteiro de Paula e Ana Mendes; à esquerda, a gerente de Cultura, Esporte e Lazer do SESI, Nelsi Lunière

34

realizada com muitas dificuldades por falta de espaço para as apresentações. Os grupos, segundo ela, se preparam durante o ano todo para participar da mostra, o que prova a credibilidade da Modama, que hoje recebe grupos de vários municípios. O jornalista Eduardo Monteiro de Paula disse que a Modama é uma grande descoberta, uma oportunidade para todos aqueles que fazem dança mostrar seu trabalho, independente de nível, podendo ser iniciante ou de estágios mais avançados. De acordo com Monteiro, nesses 16 anos, a mostra conseguiu projetar vários bailarino e grupos que vivem da dança, mas que ficaram fieis ao evento, mesmo dançando em companhias nacionais. Para a gerente de Cultura do SESI, Nelsi Lunière, a Modama tem dado uma grande contribuição para a qualificação de bailarinos e grupos de dança e que, a partir da sua criação, vários outros eventos na área de dança estão sendo realizados. Ela disse que a parceria do SESI tem sido fundamental para o crescimento da mostra. O SESI participou da mostra com seis coreografias desenvolvidas por seu Núcleo de Dança.

.



/FIEAM-52S