Page 12

LOGÍSTICA

Frete mais caro em agosto e setembro Alta demanda para escoar a safrona de milho e reajuste da alíquota sobre combustíveis vão encarecer, ainda mais, a retirada da produção do campo até armazéns e portos Por Carlos Guimarães Filho

O campo sofreu mais um duro golpe, reflexo de medidas tributárias do governo federal para aumentar a arrecadação e reduzir o rombo nas contas públicas. O reajuste das alíquotas do Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre a gasolina, o diesel e o etanol, anunciada no final de julho, pegou os produtores paranaenses em meio ao escoamento da safrona de milho. Ou seja, o transporte das 13,8 milhões de toneladas até os armazéns e/ou portos, mais outras tantas toneladas de grãos de inverno como trigo, cevada e aveia e parte da soja que ainda está estocada irá custar ainda mais caro. “Esse aumento foi descabido e exagerado. Não houve 12

uma análise mais aprofundada de como isso impacta negativamente no setor de transporte de carga, nem no setor produtivo que cria emprego e gera renda”, dispara Sérgio Malucelli, presidente da Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado do Paraná (Fetranspar). Mesmo antes do reajuste federal, o campo já enfrentava altos fretes, reflexo das supersafras de verão e safrinha. De acordo com o levantamento do grupo de pesquisa e extensão em logística da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiróz (EsalqLog), o serviço de transporte já vinha sofrendo reajustes significativos, com previsão de novos, em função da demanda aquecida por parte do setor produtivo. A rota Toledo, no Oeste do Estado, até o BI 1398

31/07/17 a 06/08/17

Profile for Sistema FAEP

Boletim Informativo #1398  

Boletim Informativo #1398  

Advertisement