Page 1

CAMPANHA UNIFICADA DAS OPERADORAS

Claro debocha e oferece 0%

Pressionada pelo Sinttel-Rio demais sindicatos e pela Federação, a Claro marcou uma rodada de negociações para os dias 3 e 4, ontem e hoje, em São Paulo, mas ao chegar ao local da reunião, em São Paulo, os representantes da empresa foram bem diretos: ofereceram 0%, ou seja, nada de reajuste para os salários e benefícios. É deboche!

N

Sinttel no Outubro Rosa

Desde 1997, o mês de outubro é tomado pela cor rosa, em prol da campanha de prevenção do câncer de mama. Mais uma vez o Sinttel-Rio participa do Outubro Rosa, colore seu jornal e realiza matérias durante todo o mês com dados da doença, ações de prevenção e a programação da campanha. No Rio, a Fundação Laço Rosa é a instituição responsável por várias ações para chamar a atenção da população e dos governos para a necessidade de investimentos para diminuir as desigualdades e possibilitar que mulheres e homens sobrevivam à doença. Uma das iniciativas é a iluminação do Cristo Redentor, ícone da cidade que será colorido com a cor da campanha.

Telco enrola e marca reunião para dia 17

Em reunião realizada dia 2 de outubro com representantes da Telco, do Sinttel-Rio e da Comissão dos trabalhadores, a empresa enrolou em responder às várias reivindicações dos empregados. Contrariando o que foi aprovado unanimemente pela assembleia, o Sintelmark estava presente e serviu de base de apoio para a empresa se esquivar de vários pontos, além de insistir em jogar a responsabilidade de alguns para o Detran. Embora a Telco tenha se comprometido a pagar o piso regional para operador (R$1262,20), uma luta da comissão e do Sindicato, que exigiram o pagamento na próxima folha, a empresa enrolou e não deu uma data para aplicar o mesmo. A Telco também se comprometeu a pagar o retroativo desde 1º de janeiro como manda a lei, porém também não apresentou uma data para o pagamento. Consolidando o pagamento dos ajustes salariais que já tinham se comprometido, é possível considerar parcialmente uma vitória, mas ainda faltam respostas a muitas pendências. Um deles é o cronograma de férias e pagamento de multas, que havia sido apresentado no dia 21 e rejeitado pela comissão, pois o prazo era muito longo e com muitas parcelas. O Sinttel e a comissão exigiram que a empresa coloque em dia esta questão o mais rápido possível, pois já devia ter cumprido desde maio. Quanto à reivindicação de VA/VR no valor de R$15 para jornadas de até 180 horas e R$20 para as demais, a empresa afirmou ter dificuldades em fazer qualquer reajuste neste item, mas, diante dos argumentos do Sindicato, irá avaliar a apresentar uma nova proposta e respostas sobre as outras cobranças na nova reunião agendada para o dia 17.

ão satisfeitos, eles foram além, disseram não ter nenhuma proposta para as cláusulas sociais e mantiveram a mesma proposta de PPR/2017, já rejeitada pela comissão sindical de negociação por ser lesiva aos trabalhadores. Essa proposta de PPR torna inelegíveis os trabalhadores com menos de 180 dias de empresa e cria um gatilho que funciona como um limitador, com isso as metas ficam praticamente inalcançáveis. A Claro também se negou a fazer o adiantamento da PPR, como ocorria anteriormente. Para a comissão sindical de negociação, a Claro sequer havia lido a nossa Pauta de Reivindicações, entregue há mais de quatro meses. O fato é que não podemos nos iludir, essa postura da Claro é semelhante a da Vivo que está fazendo o mesmo jogo com seus empregados e também oferece reajuste Zero de salários e benefícios. Se nas campanhas passadas as empresas já se articularam e se uniram para discutir os reajustes de salários e benefícios, agora isso está mais evidente. Elas vão empurrar com a barriga e enrolar até o próximo Natal para nos oferecer migalhas. Mas, isso só vai acontecer se a gente se mantiver imobilizado com medo de reagir. Então,

DIEGO MELO

repetimos: é hora dos trabalhadores se unirem, se mobilizarem e enfrentarem as empresas. PARALISAÇÕES JÁ!

Num ato realizado dia 28, em frente ao prédio sede da Embratel, alguns trabalhadores pararam. Já foi um avanço, mas precisamos ir muito além disso. Essa proposta da Claro é acintosa. É provocação e deboche. A

Oi: queremos definição da data de negociação Já que assembleia de acionistas foi transferida para o dia 23, o Sinttel, demais Sindicatos e a federação que cobravam que o início das negociações acontecessem antes da mesma, agora exigem da Oi que ela defina e confirme o dia em que começam as negociações. No último contato com os sindicalistas, a empresa disse que as negociações ocorreriam entre os dias 9 e 13 de outubro. Isso é vago, queremos definição da data. Os trabalhadores vivem grande expectativa com o futuro da empresa e os Sindicatos querem garantir que estes não venham novamente a pagar por erros

Assista WebTV Sinttel

Sala de visita toda às quintas-feiras sobre a Campanha Nacional Unificada e tire suas dúvidas e mande sugestões para o e-mail da campanha

e irresponsabilidade de gestões desastrosas. Os trabalhadores da Oi querem: 4antecipação da data base para 1º de setembro 4fim da coparticipação dos trabalhadores em 12% no valor do vale refeição 4garantia da creche como direito da criança e assim a sua concessão aos homens 4garantia de todos os postos de trabalho 4reajuste de salários e benefícios acima da inflação ( INPC + 5% ganho real) TIM - A segunda rodada de negociação aconteceu ontem e até o fechamento desta edição não havia o resultado da reunião. Nextel - Negocia na próxima segunda-feira, dia 9.

nossa resposta tem que ser dura. É hora de começarmos as paralisações. Além de nada oferecer, a Claro teve a cara de pau de suspender as negociações que deveriam se estender até hoje, dia 4, e agendar uma nova reunião para dia 24. Fez isso num total descaso com os dirigentes sindicais vindos de vários estados, como se estes estivessem à sua disposição e bel prazer. Ao agir assim a Claro reforça a sua postura

claramente antissindical. Vamos dar um basta nesse abuso. A principal reivindicação dos trabalhadores do grupo Claro (Claro, Embratel, NET, Star one, Prime , etc), além do reajuste de salários e benefícios, é o fim das demissões, bem como a equiparação do vale refeição, isonomia de tratamento entre todos os trabalhadores do grupo e a inclusão dos trabalhadores da NET no Acordo.

Vivo volta a negociar dia 5 A negociação com a Vivo não fica muito longe do que está acontecendo na Claro. Isso só confirma o que estamos cansados de saber, as duas estão articuladas, trocando figurinhas e discutindo como tirar mais sangue e suor dos trabalhadores. As duas vivem a mesma realidade, ampliaram seu capital através de mega incorporação. E em todas essas operações os trabalhadores no mundo inteiro é que levam a pior. Embora bata todos os indicativos na telefonia fixa, móvel, dados , etc e acumule lucros e riqueza, a Vivo na maior, chegou à mesa de negociações oferendo reajuste de 0% para os salários e benefícios. Não satisfeita ameaçou os trabalhadores com a aplicação da reforma trabalhista golpista. A reação dos trabalhadores foi de indignação. A empresa, então, convocou uma nova reunião para o dia 27, que acabou suspendendo. A categoria

exige que, na reunião de amanhã, a Vivo faça uma proposta com base na Pauta de Reivindicações. QUEREMOS INPC MAIS 5%

Os trabalhadores da Vivo exigem garantia de emprego, isonomia de tratamento, fim das ameaças e pressões e mais: 4Auxílio educação para todos no ensino de 3º grau 4Garantia de pré-aposentadoria para todos os trabalhadores, independente do tempo de empresa 4Inclusão de não dependente no plano de saúde 4Ressarcimento de estacionamento e pedágio aos condutores de carros agregados 4Vale combustível para condutores de cargos agregados com valor médio de R$ 1.100,00

Mande sua sugestão para campanha pelo e-mail: campanhaoperadoras@sinttelrio.org.br

Feirão de Ford Zero começa amanhã, dia 5, no Sinttel

De amanhã (5) ao dia 7 de outubro, os trabalhadores sindicalizados de qualquer empresa de telecomunicações poderão aproveitar os descontos do Feirão Ford, que acontece, de 9h às 18 horas, na sede do Sinttel-Rio (Rua Moraes e Silva, 94, Maracanã), para aquisição de carros zero. Vários trabalhadores já procuraram o Sindicato e a concessionária Bracom para obter informações a respeito das vantagens negociadas para os sindicalizados. A parceria entre o Sinttel, a Ford e a concessionária Bracom oferece descontos de 13 a 14% nos modelos Ford Ka Hatch e Sedan, respectivamente.Durante o Feirão, os trabalhadores interessados devem levar os seguintes documentos: RG, CPF

Além dos descontos, a parceria rendeu aos sindicalizados financiamentos em até 60 vezes via bancos parceiros, bem como no seguro e no kit gás, que também poderão ser financiados. Outra vantagem é que o trabalhador que já possui veículo usado poderá, após avaliação do mesmo na hora, usá-lo como parte da entrada

e crachá da empresa. Caso necessário, o trabalhador poderá adquirir declaração de sindicalizado na própria sede do Sindicato.

do carro zero. Vale ressaltar que os descontos e financiamentos são extensivos a todos os trabalhadores da categoria, sejam das operadoras, prestadoras ou de teleatendimento. Confira abaixo a economia que os sindicalizados terão na compra do carro zero:

Desconto Preço cheio Com desconto Economia Modelo Ford Ka Hatch 13% R$45.280,00 R$39.393,60* R$5.886,40 Ford Ka Sedan 14% R$48.290,00 R$41.529,40* R$6.760,60 *Valores praticados no mês de setembro, podendo ser atualizados conforme política da montadora Ford


Vivo sendo explorado

Os trabalhadores da Atento/ produto Vivo vêm constantemente sendo explorados, enganados e ameaçados pela empresa. Diante do grande volume de reclamações dos trabalhadores que prestam serviço para o produto Vivo, no site da Penha, os dirigentes do Sinttel não tiveram outra saída senão colocar, no dia 29/09, o carro de som do Sindicato na frente da Atento, na Penha, e escancarar, repudiando todas as mazelas e abusos praticados pela empresa contra seus empregados. Diante do nosso barulhaço, a Atento não teve outra saída senão se reunir com o Sindicato na mesmo ocasião em que tratamos dos assuntos: 1- Proibir o trabalhador a ir ao banheiro com ameaça de medida disciplinar; 2- Liberar o trabalhador mais cedo para depois cobrar essas horas como devidas. Um absurdo, pois o trabalhador não pediu para ser liberado; 3- Proibir o trabalhador de sair ao final do seu expediente, exigindo que o mesmo fique além da jornada até bater a meta do dia; 4- Problemas na marcação de ponto, o sistema marcava sempre o horário errado em até 5 minutos a menos, o pessoal saía no horário certo, mas o sistema informava o deslogue mais cedo, fazendo com que o trabalhador ficasse devendo esses minutos no dia; 5- Supervisores chamados para trabalhar durante as férias e nas folgas e tendo que sentar para atender tudo isso para dar conta do resultado e das metas abusivas. Vivo sendo perseguido

Após o ato e da reunião no dia 29/09, a Atento e o produto Vivo partiram para retaliação contra os trabalhadores que passaram a ser perseguidos, tendo seus horários alterados no final de semana. Uma atitude condenável e antissindical das empresas. Vivo mentindo para os trabalhadores

A Atento /Vivo vem mentindo para os trabalhadores, alegando que horário de sábado seria alterado por solicitação do Sindicato, através de acordo. Mentira. O Sinttel-Rio em nenhum momento fez tal pedido, apenas enfatizou corretamente que, se a empresa libera os trabalhadores mais cedo, não pode descontar essas horas dos empregados ou colocá-los no banco de horas (BH) negativo, como vem fazendo. Essas horas devem ser abonadas. O Sinttel-Rio encaminhará à Atento uma notificação extrajudicial para que a mesma devolva as horas dos trabalhadores que foram liberados sem prévio aviso, bem como aqueles que estão no BH negativo. O Sindicato está de olho e os trabalhadores estão de parabéns por denunciarem e não aceitarem calados as arbitrariedades da empresa. Denúncias: alandias@sinttelrio.org.br ricardopereira@sinttelrio.org.br cesarfernandes@sinttelrio.org.br

TELEATENDIMENTO

AÇÕES VITORIOSAS BENEFICIAM MAIS DE MIL TRABALHADORES O Sinttel-Rio acaba de obter mais duas grandes vitórias judiciais que beneficiarão mais de mil trabalhadores (teleatendentes e telefonistas). As ações foram ganhas em última instância, portanto, não cabe mais nenhum recurso por parte das rés, que não terão outra saída senão cumprir a decisão e pagar o que devem aos trabalhadores.

U

ma das ações foi contra a Plansul (Planejamento e Consultoria) que terceiriza o teleatendimento da Caixa Econômica Federal (CEF) e a própria Caixa, corresponsável pelos empregados. A outra foi contra a Rede LAB's Dor, hoje Fleury. As duas ações ajuizadas pelo departamento jurídico do Sindicato estão em fase de execução.

período de 01-05-2012 a 30-09-2012. Essa ação envolve 731 trabalhadores.

PLANSUL

CONVOCAÇÃO

No caso da Plansul/Caixa, após esgotadas todas as tentativas de uma solução negociável para o pagamento de diferenças salariais, de benefícios relativos ao reajuste de 2012, bem como diferenças de verbas rescisórias dos trabalhadores dispensados, o Sinttel recorreu à justiça em 2013 para garantir o direito dos trabalhadores no

Findo o processo com a vitória do Sindicato, cabe ao departamento jurídico dar início à fase de execução/pagamento. Para isso, é preciso identificar todos os beneficiários dessa ação e os valores que cada um terá a receber. Assim sendo, o jurídico do Sinttel convoca todos os empregados da Plansul, lotados no contrato com a Caixa

Rede LAB’s vai ter que pagar o piso estadual A Rede LAB's se recusava a reconhecer que telefonista é uma função diferenciada como muitas outras, jornalistas, por exemplo. Isso significa que não importa onde ela esteja trabalhando, se no hospital ou laboratório (área de saúde) ou num hotel (hotelaria), será sempre telefonista e representada pelo Sinttel-Rio. Diante da insistência da Rede LAB's, que se recusava a pagar o piso regional do estado, fixado paras as telefonistas hoje no valor de R$ 1.262,20, o Sinttel-Rio através de seus departamento jurídico, entrou em 2010 com ação coletiva em favor das telefonistas da rede de laboratórios, cobrando o pagamento do piso desde 06-07-2005, além de diferenças salariais, depósito de FGTS, férias e 13º para todas as telefonistas. Essa ação vai pagar uma boa grana a essas telefonistas. A Rede LAB's, exemplo de tantas outras empresas, quis fugir do Sinttel, representante de classe da categoria, e acabou se dando mal. Eles insistiam em desconhecer

que a categoria de telefonista é diferenciada e arbitrariamente vinculava ao Sindicato dos Empregados em Estabelecimento de Serviços de Saúde. Demorou, mas agora, sete anos depois, a justiça reconheceu que o Sinttel estava com a razão e intimou a Rede LAB's a cumprir sua determinação, ou seja, pagar, imediatamente o Piso Salarial Estadual às telefonistas, sob pena de multa diária de R$ 100,00 por descumprimento e que o Sinttel-Rio apure as diferenças salariais, desde 2005, e reflexos em 13º, férias, FGTS e 40%. Quanto às telefonistas dispensadas a partir de 01-06-2008, terão direito, não só às diferenças salariais do período acima, como também, as diferenças relativas às verbas rescisórias. TELEFONISTAS ACUADAS

O Sinttel está encontrando dificuldade para apurar e cobrar o efetivo pagamento dos valores devidos porque as telefonis-

Trabalhadores credores trabalhistas da oi, patrocinados pelo jurídico do sindicato ou por escritórios de advocacia particular Os credores trabalhistas da OI, cujos créditos estejam inseridos na Lista de Credores, podem se inscrever para tentativa de conciliação que, sendo bem-sucedida, garantirá o pagamento de 90% do valor imputado como incontroverso em até 10 dias úteis após a homologação do acordo perante o CAEP do TRT RIO. Os 10% restantes serão pagos em até 10 dias úteis após a aprovação do plano de recuperação judicial. E isso sem prejuízo do prosseguimento da ação trabalhista quanto aos valores não tidos como incontroversos. Essa convocação da OI se estende também àqueles que estejam patrocinados por escritório de advocacia particular, por isso caso tenha uma demanda contra a empresa, certifique-se junto ao seu advogado se seu crédito está inserido na lista de credores. Os assistidos pelo SINTTEL RIO estão sendo cadastrados e, desde o dia 28/09/2017, já participando das conciliações. CONVOCAÇÃO DE ASSISTIDOS QUE AINDA NÃO COMPARECERAM AO DJUR: ELSON PEIXOTO LOPES; JOSÉ CLOVIS GOMES CAETANO; ORLANDO RODRIGUES DA SILVA; ESPÓLIO DE JOÃO HERNANDES FERREIRA DE OLIVEIRA.

DIAGRAMAÇÃO L&B Comunicação Ltda IMPRESSÃO Gráfica do SINTTEL-Rio: Jorge Motta Reg. 17.924 DRT /RJ (prod. gráfica)

REDAÇÃO Socorro Andrade e Simone Kabarite - Reg. 0035866/RJ

Valdir Tedesco (impressor)

ILUSTRAÇÃO Alexandre Bersot http://www.behance.net/alexandrebersot

TIRAGEM 12 mil exemplares

CIRCULAÇÃO Semanal

Rua Morais e Silva, 94 - Maracanã - RJ - CEP 20271-030 - Tel.: 2204-9300 E-mail Geral sinttelrio@sinttelrio.org.br - Site http://www.sinttelrio.org.br E-mail Jurídico juridico@sinttelrio.org.br - E-mail Imprensa imprensa@sinttelrio.org.br

bersot

EDIÇÃO Socorro Andrade Reg. 460 DRT/PB - socorroandradde@gmail.com

tas da Rede LAB's temem represálias e demissões. Procuradas pelo jurídico do Sindicato, nem a telefonista que fez a denúncia veio ao departamento. O jurídico e o Sinttel convocam as telefonistas a não se deixarem intimidar e virem ao Sindicato (Rua Morais e Silva, 94) receber o que têm direito. O horário de atendimento é de segunda a sexta 9 às 18h. Para tanto, telefonistas devem comparecer munidas dos seguintes documentos: Comunicado de dispensa e Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho (quando dispensada); identidade, CPF, comprovante, residência; contracheques de jul/2005 até hoje, ou até a dispensa; carteira de trabalho e PIS, Extrato Analítico do FGTS. Todos os trabalhadores sindicalizados têm a sua disposição assistência jurídica em todas as áreas trabalhista e previdenciária. Qualquer dificuldade é só procurar departamento jurídico de segunda a sexta, no horário das 9 às 18h.

ATENÇÃO

humor DIRETORA DE IMPRENSA Keila Machado keilamachado@sinttelrio.org.br

Econômica, que estavam ativos ou tenham sido dispensados no período de 01-05-2012 a 30-09-2012 a comparecerem ao departamento Jurídico do Sindicato (Rua Morais e Silva, 94), de segunda a sexta, no horário das 9 às 18h, com os seguintes documentos: Identidade, CPF, CTPs, PIS, Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho (apenas para quem foi dispensado entre 01-05-2012 e 30-09-2012), comprovante de residência atual e contra cheque do período de 01-052012 e 30-09-2012.

Compareçam ao Depto Jurídico do SINTTEL RIO munido de CTPS, RG, CPF, Comprovante de Residência atual. Aos representantes do espólio, é necessário acrescentar certidão de óbito e certidão de habilitados junto a Previdência Social. Para mais informações, acesse a plataforma: www.credor.oi.com.br. ADIADA A ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES PARA O DIA 23/10/2017. Informamos, em especial aos credores trabalhistas patrocinados por escritórios de advocacia particular, que a Assembleia Geral de Credores foi adiada para o dia 23/10/2017, sendo a segunda convocação alterada para o dia 27/11/2017. O SINTTEL RIO, em atenção ao comando judicial exarado nos autos da Recuperação Judicial, se credenciou à participação e estará presente à Assembleia para representar os credores sob patrocínio do Departamento Jurídico do sindicato e, se for preciso, representar os credores trabalhistas patrocinados por outros patronos que se façam ausentes. Para mais informações sobre o adiamento, propostas aos credores trabalhistas e como participar, acesse a plataforma www.recuperacaojudicialoi. com.br.

Escândalos na Oi e no TCU

Ninguém aguenta mais tantos escândalos. Infelizmente, no caso das telecomunicações, duas ocorrências graves ocorridas semana passada, nos fazem insistir nesse caminho. A primeira parece saída do teatro do absurdo. Por unanimidade, os nove conselheiros do Tribunal de Contas da União (TCU) aprovaram a troca das multas às operadoras por possíveis investimentos nas redes das próprias empresas, em especial Oi e Telefônica. Isso, apesar de tanto a área técnica quanto a procuradoria do TCU terem se manifestado contrariamente ao acordo. E a situação sempre pode piorar. Dois ministros do TCU, apesar de votarem favoravelmente, agora se dizem envergonhados. O ministro José Múcio diz que a proposta é um "desrespeito" - "votei esse, mas outro projeto igual não aprovarei". Já o ministro Aroldo Cedarz conseguiu superar o colega: "eu voto a favor querendo votar contra", "não aceito como cidadão e ministro do TCU que se perpetue esse quadro de benefícios para as operadoras." As perguntas que não querem calar: então por que votaram a favor? Por que contrariaram a orientação técnica? A segunda ocorrência vem da bomba relógio chamada Oi. O adiamento da assembleia de credores para 23 de outubro, se deu num cenário no qual o senhor Nelson Tanure, testa de ferro do grupo Société Mondiale, apresentou uma proposta para enterrar de vez a Oi. Como dois diretores estatutários se negaram a assinar o plano macabro, não houve jeito. A assembleia foi adiada. E qual é a proposta do senhor Tanure? Segundo o jornal Valor Econômico, "a empresa teria uma capitalização de R$ 7,5 bilhões por acionistas e bondholders. Contudo, desse valor, apenas R$ 3,5 bilhões seriam em dinheiro. E, ainda assim, qualquer aporte só ocorreria num futuro imprevisível (…) mas o projeto prevê que, antes de receber caixa, a Oi remunere o dinheiro comprometido pelos investidores… caso o plano não seja homologado, haveria uma taxa adicional de 12,7%. (…) Além disso, a Oi ficaria encarregada de pagar as despesas com os assessores desses bondholders e reembolso das despesas do Société Mondiale". É um esquema semelhante ao ocorrido quando da entrada da Portugal Telecom, em 2011, que teve como resultado encher o bolso dos acionistas e o aumento assombroso da dívida da Oi. O Instituto Telecom ressalta que o que está em jogo são recursos públicos os quais o TCU, conforme artigo 71 inciso II da Constituição Federal, deveria garantir que não houvesse "extravio ou outra irregularidade que resulte prejuízo ao erário". E no caso da Oi já passou da hora de se levar em consideração o interesse da empresa, dos trabalhadores e o interesse público. Basta de só beneficiar aves de rapina que se autointitulam grandes credores e acionistas. Visite o Portal www.institutotelecom.com.br

1.585

Jornal do Sinttel-Rio nº 1.585  

Claro debocha e oferece 0%