Page 1

CAMPANHA DAS OPERADORAS - A HORA É DE UNIÃO

Vivo negocia hoje, dia 9 REFORMA TRABALHISTA

O que está em jogo

Nesta edição, para a série de matérias sobre a Nota Técnica da Reforma Trabalhista realizada pelo Dieese, destacamos um ponto muito importante e que merece toda a atenção dos trabalhadores, em especial das trabalhadoras gestantes e lactantes, que podem ser extremamente prejudicadas com a nova lei. Permite que a empregada gestante e lactante possa trabalhar em locais insalubres. A empregada gestante ou lactante será afastada de atividades insalubres de grau máximo, mas em grau médio ou mínimo poderá trabalhar, desde que o médico autorize. Caso a empresa não tenha outra ocupação disponível para realocar a trabalhadora, a gravidez será considerada gravidez de risco e ela será afastada do trabalho, recebendo o salário-maternidade durante todo o período. Nota Técnica - Além de possibilitar que a gestante ou lactante trabalhe em locais com grau médio e mínimo de insalubridade, a regra permitirá que a empresa a exclua da folha de pagamento, caso não tenha outra ocupação compatível com sua situação e transfira todos os encargos para a Previdência Social. Ou seja, a empresa se exime de sua função social e constitucional de proteção à maternidade, transferindo-a integralmente ao Estado.

Terão início hoje, dia 9, em São Paulo, as negociações salariais com a Vivo. O Sinttel-Rio e os trabalhadores esperam que a empresa não venha com enrolação e manobras para adiar ao máximo o fechamento do Acordo. Se a empresa vai bem, obrigada, os trabalhadores não aguentam mais amargar perdas sucessivas. A crise que ameaça o Brasil e gera milhões de desempregados passa bem longe da Vivo, que vive no melhor dos mundos, batendo sucessivos recordes de lucro, rentabilidade e crescimento.

De acordo com estudo do Dieese em 2016, o seu lucro líquido ficou em R$ 4,08 bilhões (um crescimento de 22,6% em relação ao ano anterior), dando continuidade ao desempenho positivo dos últimos anos. É chegada a hora da Vivo dividir mais equanimemente o seu lucro com os trabalhadores. Não bastasse isso, o Brasil tem importância estratégica para Vivo/ Grupo Telefônica, tanto em termos de indicadores financeiros, quanto operacionais. De um total de 344,21 milhões de clientes do Grupo no mundo, 28%

O Sindicato realiza amanhã, da 10, a partir das 18h, na sede do Sindicato(Rua Morais e Silva, 94), assembleia geral para discussão e aprovação da Pauta de Reivindicações a ser encaminhada para a empresa. A participação dos trabalhadores é fundamental. As principais reivindicações do Sindicato são: garantia de reajuste integral pelo INPC para todos os trabalhadores mais ganho real, mudança da data base para 1º de setembro, junto com as demais operadoras e garantia de emprego. O Sindicato também vem cobrando da empresa que as negociações sejam realizadas em setembro, antes da assembleia dos acionistas. Além disso, os próprios trabalhadores, atendendo à convocação do Sinttel, enviaram suas sugestões de pauta para o e-mail da campanha e respondem a pesquisa que vem sendo distribuída nos locais de tralho desde a semana passada. Ontem, 8, por exemplo, os dirigentes do

Sinttel estiveram no prédio da Oi em Ipanema e vários trabalhadores responderam a pesquisa. Conforme o que apuramos nas pesquisas e no e-mail da campanha, as principais reivindicações dos trabalhadores da Oi são: 4fim da coparticipação no Vale Refeição, hoje em 12%, a maior praticada entre as operadores 4auxílio creche para os trabalhadores, pois o benefício é um direito da criança 4garantia de concessão do vale refeição para os trabalhadores em auxílio doença pelo tempo que perdurar a licença e não apenas por um mês, como é agora 4reajuste salarial para os gerentes, há casos, segundo fomos informados, através do e-mail da campanha, de gerentes da Oi que estão há seis anos sem reajuste É importante que os trabalhadores continuem respondendo à pesquisa de pauta e enviando e-mail com sugestões

estão no Brasil, ou seja, 97 milhões. Se considerarmos os clientes de banda larga, essa participação sobe para 345. Portanto, o Sindicato não abre mão de reajuste integral pelo INPC linear para todos os trabalhadores, mais ganho real de 5%, garantia de emprego e manutenção dos postos de trabalho no Rio. Já os trabalhadores têm exigências específicas, querem: 4Auxílio educação para todos no ensino de 3º grau 4Garantia de pré-aposentadoria

para todos os trabalhadores, independente do tempo de empresa 4Inclusão de não dependente no plano de saúde 4Ressarcimento de estacionamento e pedágio aos condutores de carros agregados 4Vale combustível para condutores de cargos agregados com valor médio de R$ 1.100,00 PAGAMENTO DA PLR/2017

- A empresa paga na sexta, dia 28, a segundo parcela da PLR/2017.

Oi: assembleia de pauta é quinta, dia 10 SOCORRO ANDRADE

ou buscando informações. Vários trabalhadores têm interagido com o Sindicato

por esse e-mail e todas as suas dúvidas são esclarecidas.

Claro é caos empresa não negocia e agora demite trabalhadores e não paga rescisão A

A Pauta de Reivindicações aprovada pelos trabalhadores foi encaminhada à empresa com a solicitação de agendamento da negociação há quase um mês. Mas, ela não retornou com nenhuma data. O Sindicato voltou a insistir que quer iniciar já as negociações. A Claro se finge de morta e não responde. Enquanto isso os problemas se multiplicam na empresa com os trabalhadores levando a pior. O Sindicato recebeu várias denúncias de trabalha-

NOC ou Noquinho, que passaram a trabalhar com call center, em baias, tendo que se logar, dar pausa e bater metas abusivas, coisa que nunca fizeram antes e que não condiz com as suas funções. Eles são expostos publicamente por fracasso, grave caso de assédio moral. O Sindicato cobra as negociações para discutir a pauta, definir a PPR e resolver todos esses problemas, resultado da completa desorganização da Claro.

Mande sua sugestão para campanha pelo e-mail: campanhaoperadoras@sinttelrio.org.br

TELOS Nos dias 21, 22 e 23 de agosto serão realizadas as eleições para escolher os representantes dos participantes nos conselhos de gestão da Telos (conselho deliberativo e conselho fiscal). A exemplo de outros anos, a votação será pela internet, através do site da Telos (www. fundacaotelos.com.br). Ressaltamos que é fundamental ter conselheiros escolhidos pelos participantes, que conheçam e intervenham nas principais decisões da Telos e fiscalizem suas ações para garantir nossos interesses e benefícios de previdência complementar. Para conhecer os programas das três chapas inscritas, os participantes terão o boletim das chapas que será distribuído esta semana, o Jornal do Sinttel e o Portal do Sinttel www.sinttelrio.org.br . É importante que os participantes se informem e participem da eleição elegendo seus representantes. “A experiência dos últimos anos tem mostrado como é importante acompanhar e ficar vigilante sobre o que é feito

dores da Claro/NET, dando conta de várias irregularidades. A principal delas é sobre trabalhadores que foram demitidos há dois meses, no dia 10 de junho, e até hoje não tiveram sua rescisão homologada pelo Sindicato e estão sem receber as verbas rescisórias. Isso é inaceitável numa empresa do tamanho da Claro. A outra denúncia, é igualmente grave. É sobre os técnicos e analistas que trabalhavam com o suporte

Eleições 2017. É hora de participar

na Telos”, observou Carlos Augusto, aposentado da Embratel e ex-dirigente do Sinttel e candidato titular na Chapa 10. Ele destacou, por exemplo, o caso do PBD (Plano de Benefício Definido), a ação dos conselheiros eleitos foi determinante para que os aposentados e pensionistas passassem a receber o adicional de 50% de seu benefício em junho. “Para quem recebe renda vitalícia pelo IGP-DI (índice de inflação), foi decisiva a batalha para que a Telos não reduzisse os benefícios quando o índice anual foi negativo”, lembra Carlos, e acrescenta, que foi também importante denunciar a redução das contribuições das empresas quando da fusão Claro/NET/Embratel, mesmo que ainda não tenhamos conseguido reversão integral desta medida discriminatória. AUDIÊNCIA PÚBLICA DIAS 9 E 17

Para discutir o programa dos candidatos e as questões da Telos, serão realizadas

duas audiências públicas na Asastel (Av. Pres.Vargas, 209/9.o andar - Centro), nos dias 9 e 17 de agosto, das 11 às 13h. É importante a participação de todos os participantes, afinal são nossos benefícios, e nossa aposentadoria que estão em jogo. Deles não podemos abrir mão. Portanto, não deixe de votar. CONSELHO DELIBERATIVO – Serão eleitas duas chapas. Cada participante deverá votar em apenas uma das chapas inscritas.

SUPLENTE: DAGMAR ABREU SOUZA CORREIA – Advogada, trabalhou no Área Jurídica da Telos de 1994 a 2005 e hoje está aposentada pelo PCV-1. Foi Membro do Conselho Deliberativo da PAME de 2008/2011 e fez parte da Assessoria Jurídica da Diretoria da PAME. Foi suplente no Conselho Deliberativo da Telos no período 2011/2014 e Diretora Vice-Presidente da Asastel, no período 2013/2016 e na atual gestão.

DIAS – Formada em Administração, trabalhou na Embratel de 1969 a 1997, foi gerente na área de Licitação e Contratos, e em outras empresas de telecomunicações. Aposentada pelo PBD, já foi membro do Conselho Fiscal da Asastel e é membro do seu Conselho Deliberativo, atual gestão.

CHAPA 10

CHAPA 11

TITULAR: HELIO MANOEL DOS SANTOS FILHO - Representante eleito pelos participantes no Conselho Deliberativo da Telos na atual gestão para onde vem sendo sucessivamente reeleito desde 2005. Economista, aposentado do PBD, trabalhou na Embratel, na Telos (1979/1997), onde foi diretor financeiro e na Telerj/Telemar. É o diretor presidente da Asatel na atual gestão e fez parte de seu conselho deliberativo em várias gestões. SUPLENTE: NORMA ISAURA

CHAPA 100

TITULAR: CARLOS AUGUSTO MACHADO – Engenheiro na Embratel (1975/2014), aposentado do PCV-1, representante eleito pelos empregados no Conselho Deliberativo da Telos na atual gestão e também em 2011/2014, 2001/2002/2005. Foi presidente da Associação dos Empregados da Embratel do Rio de Janeiro e diretor do Sinttel-Rio (1990/1992 e 2002/2012). Faz parte do Conselho Deliberativo da Asastel.

CONSELHO FISCAL – Será eleita uma chapa. Cada participante deverá votar em apenas uma chapa. TITULAR: HÉLIO LOSITO – Contador aposentado, trabalhou na Embratel de 1979 até 1998, na diretoria econômico-financeira. Foi membro do conselho fiscal da Telos, eleito pelos participantes, no período de 2011/2014. SUPLENTE: TÉRCIO GALDINO DE LIMA – Contador e economista, atualmente aposentado, trabalhou na Telos de 1978 a 2009, em diversas áreas, tendo exercido funções na diretoria de benefícios nos últimos anos de trabalho.


A nova lei viola princípios do direito do trabalho JS - Com a reforma trabalhista, o governo e os empresários tentam atacar os sindicatos e a organização dos trabalhadores. Como você vê a reforma e essa intervenção? GC- É absolutamente ilegítima, porque foi realizada para atender apenas aos interesses do empresariado brasileiro e absolutamente contrária ao clamor social, é uma reforma, como demonstrado em todas as pesquisas, reprovada pela classe trabalhadora. Isso é fato. A reforma modifica a lei e inclui uma legislação apenas sob enfoque do empresariado. Ela foi feita ao arrepio do entendimento do Ministério Público do Trabalho, da Associação de Magistrados Trabalhistas, de todo o movimento sindical brasileiro, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que no dia em que Temer

A reforma trabalhista foi feita para prejudicar os trabalhadores, disso ninguém tem dúvida. O que a maioria não sabe é que esse prejuízo vai muito além do fim de direitos, como férias integrais de 30 dias, jornada de oito horas diárias com uma hora de almoço, etc. A nova lei foi feita para beneficiar exclusivamente o empresariado. Com o advento da negociação direta patrão-empregado, a reforma tenta aniquilar os Sindicatos e deixar os trabalhadores completamente vulneráveis. Em entrevista para o Jornal do Sinttel, a advogada trabalhista Graziele Cardozo (GC), assessora jurídica do Sindicato, aponta as diversas armadilhas da lei. Longe de ser pessimista, Graziele acredita que os sindicatos vão se reinventar e criar premissas para barrar o que é inconstitucional, pois nenhuma lei é maior do que a Constituição. Mas, alerta os trabalhadores a confiarem e fortalecerem os seus sindicatos. Em virtude do grande volume de informações e do destaque que o tema exige, dividimos a entrevista em duas edições. Confira a primeira parte. SOCORRO ANDRADE

Entrevista às jornalistas Simone Kabarite e Socorro Andrade

"Será necessário criar uma linha de resistência para impedir os retrocessos previstos na nova lei"

JS - O que o trabalhador deve fazer para não cair nas armadilhas da nova lei? GC- A equipe jurídica do Sinttel-Rio realizou um estudo amiúde de todos os pontos inconstitucionais, que são muitos. A reforma toma contornos ainda mais preocupantes, porque busca afastar o trabalhador do Sindicato quando retira a obrigatoriedade das homologações serem realizadas sob a assistência sindi-

"Não caiam na armadilha daqueles que tentam desestimular a atuação sindical"

a sancionou, imediatamente noticiou o seu mais profundo repúdio por meio de nota oficial. Uma reforma que representa a ausência de diálogo com estes atores sociais, sem o tão relevante debate democrático que deve preceder alterações legislativas de tamanha grandeza. Há uma campanha empenhada pela grande mídia para macular a imagem dos sindicatos e a reforma nada mais é do que uma retaliação à combatividade ao movimento sindical brasileiro. JS - Como viabilizar um plano contra esse retrocesso? GC- As entidades sindicais são naturalmente vocacionadas à resistência, mas creio eu que, de agora em diante, algumas pautas não poderão mais ser tratadas isoladamente. Nesse novo ambiente jurídico, não é mais o direito dos trabalhadores do segmento A, B e C. Esse plano será viável à medida que o movimento sindical se reunir para

no rol das nossas preocupações. Fora isso, no âmbito do que se pode negociar, a ideia de que para toda concessão deverá haver uma contrapartida permanece firme e forte, e sempre garantindo ampla participação dos trabalhadores, a quem cabe a palavra final. Os instrumentos coletivos firmados pelo Sinttel-Rio são oriundos de processos de negociação coletiva cuidadosamente organizados de forma a garantir a ampla participação dos trabalhadores.

estabelecer premissas e, por intermédio delas, criar uma linha de resistência para impedir que sejam executados os retrocessos previstos na nova lei. JS - Como analisa a prevalência do

acordado sobre o legislado? GC- Temos convicção de que nada do que foi introduzido pode confrontar com os princípios protetivos do direito do trabalho e com a Constituição Federal, então, esta alteração legislativa não está

cal e também quando passa a autorizar negociações diretas entre o trabalhador e a empresa. Estas são duas alterações absolutamente lesivas aos trabalhadores que, desassistidos, correrão o risco de renunciar direitos que, muita das vezes, são desconhecidos. Na semana passada, por exemplo, impedimos que uma ex- trabalhadora da Oi sofresse desconto de "saldo devedor" que incluía período prescrito. Então, respondendo a pergunta, a recomendação que damos neste momento é que os trabalhadores tenham clareza de que o direito do trabalho é extenso e complexo, e tem muitos desdobramentos, como esse que acabei de citar e que, cientes disso, não caiam na armadilha daqueles que tentam desestimular a atuação sindical em prol deles. Não negociem nada diretamente, não assinem documentos unilaterais e lembrem-se, a todo momento, que a empresa estará sempre assistida pelos melhores profissionais.

PORTAL

EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DOS TRABALHADORES DAS EMPRESAS/COOPERATIVAS DE TAXI DO RIO DE JANEIRO/ GRANDE RIO/NITEROI/SÃO GONÇALO E DEMAIS REGIÕES DA BASE TERRITORIAL DO SINTTEL-RJ O SINTTEL-RJ – SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES, TRANSMISSÃO DE DADOS E CORREIO ELETRÔNICO, TELEFONIA MÓVEL CELULAR, SERVIÇOS TRONCALIZADOS DE COMUNICAÇÃO, RADIOCHAMADA, TELEMARKETING, PROJETO, CONSTRUÇÃO, INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO DE SINAL, SIMILARES E OPERADORES DE MESAS TELEFÔNICAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, convoca, na forma de seu Estatuto, todos os trabalhadores das empresas/cooperativas de taxi de sua base territorial, quais sejam, Altas Horas, Amarelinho da Usina; Arpo Taxi; Bangu Taxi; Coomit, Coopameier, Cooparioca, Coopercaxias, Disk Cap, Disk Taxi Valqueire, Hiper Meier, Ilhacoop Radio Taxi, Ligue Taxi, Norte Rio Taxi, Santaxi, Stop Taxi, Tele Academia, Tele-Academia, Taxi Pontual, Rio Coopsind Taxi, Metrotaxi, Servidor Taxi, Alto Leblon Taxi, Telecopacabana, José Linhares - J.L Leblon, Transtijuca, Pedra da Gavea Charitas Taxi Class; Coopernit; Real Táxi; Cooptaxi; Coopermac; Embrataxi; Ligue Tenha Táxi; Rádio Táxi Niterói; Elite Rádio Táxi; Unitaxi; Coopergon; Taxicall; Rádio Táxi São Gonçalo; Transtaxi; dentre outras, sindicalizados ou não, para comparecerem à Assembleia Geral Extraordinária que será realizada simultaneamente na sede e sub-sede do Sinttel-RJ da seguinte forma: a assembleia será no dia 11 de agosto de 2017, às 10h em primeira convocação, e às 15h em segunda e última convocação, na sede do Sinttel-RJ (Rua Morais e Silva 94 - Maracanã - Rio de Janeiro/RJ), e a outra assembleia será às 10h em primeira convocação, e às 15h em segunda e última convocação, na sub-sede do Sinttel-RJ (Rua Visconde de Uruguai, 277 – Centro – Niterói/RJ); ambas as assembleias com o mesmo objetivo de deliberar e decidir a seguinte pauta: a) Aprovação, com modificações ou não, da pauta de reivindicações previamente elaborada pela Diretoria do Sinttel-RJ, para a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho 2017/2018; b) Outorga de poderes à Diretoria do Sinttel-RJ para negociar e celebrar a Convenção Coletiva de Trabalho 2017/2018 com o respectivo sindicado patronal; c) Autorizar a Direção do Sinttel-RJ, em caso de impasse para a renovação da aludida convenção, instaurar dissídio coletivo, decretar greve total ou parcial da categoria e/ou tomar quaisquer outras medidas cabíveis nesta situação; d) Transformar a Assembleia Geral Extraordinária em Assembleia Permanente; e) Discutir e decidir sobre a fixação de contribuição visando o suporte financeiro das negociações coletivas. Rio de Janeiro, 09 de agosto de 2017. Luis Antônio Souza da Silva - Coordenador Geral – Sinttel-RJ

Sinttel-Rio dá atendimento jurídico gratuito na homologação

O Sinttel-Rio é um dos poucos sindicatos a oferecer assistência jurídica gratuita aos trabalhadores diretamente nas homologações das rescisões contratuais. Com isso, o Sinttel-Rio investe em mais uma frente de suporte jurídico ao trabalhador, visando oferecer cada vez mais serviços e assistência de qualidade aos seus associados. Agora o setor de homologação contará com advogados exclusivos que prestarão consultoria jurídica totalmente gratuita, e isso será possível mediante uma parceria do Sindicato com o escritório Chehab e Lemos Advocacia e Consultoria. Dessa forma, o trabalhador que precisar de assistência jurídica vai poder consultar um advogado no momento da sua homologação. O atendimento será de segunda quinta-feira, das 14h às 16h, na sede do sindicato (Rua Morais e Silva, 94, Maracanã - Rio de Janeiro).

DIRETORA DE IMPRENSA Keila Machado keilamachado@sinttelrio.org.br EDIÇÃO Socorro Andrade Reg. 460 DRT/PB - socorroandradde@gmail.com

DIAGRAMAÇÃO L&B Comunicação Ltda IMPRESSÃO Gráfica do SINTTEL-Rio: Jorge Motta Reg. 17.924 DRT /RJ (prod. gráfica)

REDAÇÃO Socorro Andrade e Simone Kabarite - Reg. 0035866/RJ

Valdir Tedesco (impressor)

ILUSTRAÇÃO Alexandre Bersot http://www.behance.net/alexandrebersot

TIRAGEM 12 mil exemplares

CIRCULAÇÃO Semanal

Rua Morais e Silva, 94 - Maracanã - RJ - CEP 20271-030 - Tel.: 2204-9300 E-mail Geral sinttelrio@sinttelrio.org.br - Site http://www.sinttelrio.org.br E-mail Jurídico juridico@sinttelrio.org.br - E-mail Imprensa imprensa@sinttelrio.org.br

bersot

humor

EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DOS TRABALHADORES DA OI S.A – EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL, OI MOVEL S.A – EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL, TELEMAR NORTE LESTE S/A, BRASIL TELECOM COMUNICACAO MULTIMIDIA LTDA e PAGGO ADMINISTRADORA LTDA. DIA 10/08/2017 O SINTTEL-RIO – SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES, TRANSMISSÃO DE DADOS E CORREIO ELETRÔNICO, TELEFONIA MÓVEL CELULAR, SERVIÇOS TRONCALIZADOS DE COMUNICAÇÃO, RADIOCHAMADA, TELEMARKETING, PROJETO, CONSTRUÇÃO, INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO DE SINAL, SIMILARES E OPERADORES DE MESAS TELEFÔNICAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, convoca, na forma de seu Estatuto, os trabalhadores da empresa OI S.A – EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL, OI MOVEL S.A – EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL, TELEMAR NORTE LESTE S/A, BRASIL TELECOM COMUNICACAO MULTIMIDIA LTDA e PAGGO ADMINISTRADORA LTDA., para comparecerem à Assembleia Geral Extraordinária que será realizada no dia 10 de agosto de 2017, na sede do Sinttel-RJ (Rua Morais e Silva, 94 – Maracanã – Rio de Janeiro/RJ), em primeira convocação, às 18h00, em segunda e última convocação às 18h30, para deliberar e decidir a seguinte pauta: a) Aprovação, com modificação ou não, da pauta de reivindicação previamente elaborada pela Diretoria do Sinttel-RJ, para a negociação do Acordo Coletivo de Trabalho 2017/2018; b) Outorga de poderes à Diretoria do Sinttel-RJ para negociar e celebrar o Acordo Coletivo de Trabalho 2017/2018; c) Autorizar a Direção do Sinttel-RJ, em caso de impasse com a empresa, instaurar dissídio coletivo, decretar greve total ou parcial da categoria e/ou tomar quaisquer outras medidas cabíveis nesta situação; d) Transformar a Assembleia Geral Extraordinária em Assembleia Permanente; e) Discutir e decidir sobre a fixação de contribuição visando o suporte financeiro das negociações coletivas. Rio de Janeiro, 09 de agosto de 2017. Luis Antônio Souza da Silva - Coordenador Geral – Sinttel-Rio

A farsa digital

Na mesma semana em que 259 deputados votaram pela permanência do presidente ilegítimo Michel Temer, o governo golpista apresentou um plano intitulado "Estratégia Brasileira para a Transformação Digital". Nome pomposo que, na verdade, é uma cortina de fumaça para garantir os interesses das grandes operadoras de telecomunicações. Sabe quem vai financiar esse projeto? Os TACs, que são dívidas das operadoras, e os bens reversíveis. Coincidentemente (?), a edição de segunda-feira, 7 de agosto, do jornal O Globo publicou a matéria "Investimento à espera de novas regras". Segundo o jornal, "a mudança na regulamentação do setor de telecomunicações poderia destravar R$ 15 bilhões em um período de cinco anos". O investimento virá "dos chamados bens reversíveis, como prédios e terrenos que pertencem à União e serão repassados às teles em troca de ampliação da banda larga no país." Nada é por acaso. Há uma evidente orquestração das forças do mercado com o intuito de todos se beneficiarem de um governo fraco e corrupto. É o pagamento da conta. As concessionárias estão sedentas, e na semana passada, o presidente do Sinditelebrasil, Eduardo Levy afirmava: "queremos que todos os brasileiros tenham acesso à internet e a franquia é ferramenta essencial para que isso seja concretizado. Uma concorrência saudável, com liberdade de modelo de negócios, amplia mercados, inclui pessoas e promove o desenvolvimento do País". É muita cara de pau. O mundo maravilhoso para as concessionárias é manter o governo golpista, aprovar o PLC 79 e estabelecer a franquia. Tudo com um discurso no qual, aparentemente, defendem o aumento de acesso. A realidade, contudo, é que essas mudanças vão promover uma concentração ainda maior. Atualmente cerca de 80% da banda larga do Brasil está nas mãos da Oi, Vivo e Claro. As mesmas que serão beneficiadas. Nesta semana, representantes da Campanha Banda Larga é um Direito Seu - da qual o Instituto Telecom e o Clube de Engenharia fazem parte -, estarão conversando com senadores para persuadí-los a votar contra o projeto das teles. Sabemos como é difícil convencer a maioria desses senhores, mas é o que nos cabe. Resistir nesse momento é fundamental. Não podemos aceitar um plano de inclusão digital que na verdade é uma farsa. Visite o Portal www.institutotelecom.com.br

Ajude o Solar Meninos da Luz

O Solar Meninos da Luz, que oferece educação em tempo integral - do berçário ao ensino médio - a 400 crianças e jovens das comunidades do Pavão-Pavãozinho e Cantagalo, corre o risco de fechar. A entidade é conhecida pelo trabalho sério que mudou a vida de centenas de crianças. Fundada pelo Lar Paulo de Tarso - Instituição Espírita de Estudos e Assistência Social - a obra possui 33 anos de existência e comemora, neste ano de 2017, 26 anos do Programa Educação Integral. Para manter o trabalho, o Solar precisa de padrinhos. Por R$60,00 por mês, é possível proporcionar a compra de um mês alimentos e aulas de português para uma criança. Para colaborar, basta acessar o site: www. meninosdeluz.org.br.

1.577

Jornal do Sinttel-Rio nº 1.577  

Vivo negocia hoje, dia 9

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you