Issuu on Google+

Mulheres em luta pela igualdade Sinttel-Rio faz homenagem a Mulher este ano com o tema “Mulheres em Luta pela Igualdade, Autonomia e Liberdade”. A comemoração acontece na sexta-feira, dia 14, às 18h, na sede do Sindicato e vai premiar grandes mulheres que tiveram destaque na militância pela igualdade de gênero no mundo do trabalho com a entrega do Troféu Rio Mulher 2014.

Líder não cumpre acordo Para impedir que os trabalhadores aprovassem um indicativo de paralisação a Lider, empresa prestadora de serviços de TV por assinatura para Embratel, Net e Vivo, fez uma proposta que previa a solução de todos os problemas e cumprimento da Convenção Coletiva da Categoria em vigor desde 1º de julho, data base dos trabalhadores. A proposta foi submetida à categoria numa assembleia dia 7, em frente ao prédio da Líder e aprovada por unanimidade. Lamentavelmente, três dias depois, na segunda-feira, dia 10, várias trabalhadores voltaram ao Sindicato para denunciar o não pagamento da segunda parcela do vale refeição, o não pagamento do vale transporte, a suspensão da assistência médica, erros nos salários, entre outros problemas. O Sindicato voltou a questionar a empresa e exigir a correção desses erros. A Líder se comprometeu a resolver e dar um retorno ao Sindicato na terça-feira, dia 11, mas até o fechamento desta edição ela não havia retornado. Diante disso, o Sindicato já está com notificações prontas para denunciar a Líder a suas tomadoras de serviços: Embratel, Net e Vivo. E se nada for feito até o final da semana, o Sindicato vai denunciar a Líder e suas tomadoras ao Ministério Público do Trabalho e à Superintendência Regional do Trabalho e irá mobilizar os trabalhadores para retomar a luta. O Sindicato espera que a Líder cumpra com sua palavra e respeite a proposta aprovada pelos trabalhadores.

Nos últimos anos no Brasil, a luta pela igualdade de gênero no mundo do trabalho e demais setores avançou. As mulheres já detêm, por exemplo, uma média de estudo maior que a dos homens e representam mais da metade dos bolsistas do Prouni e do Fies. Mas, ainda têm menos chances de emprego, recebem menos do que homens trabalhando nas mesmas funções e ocupam os piores postos. É por isso que todos os anos quando das comemorações do Dia Internacional da Mulher, 8 de maço, o Sinttel-Rio reconhece a importância da luta das mulheres por igualdade de direitos na sociedade e presta homenagem a mulheres da categoria e as dirigentes sindicais que batalha de todos os dias ao lado dos dirigentes da entidade ou na categoria, por condições dignas de trabalho, pelo fim do assédio moral e sexual. Este ano a festa “Mulheres em Luta pela Igualdade, Autonomia e Liberdade” reunirá cerca de 500 trabalhadoras e trabalhadores sindicalizados na sexta-feira, no Sindicato. TROFÉU RIO MULHER 2014

A 2ª edição do Troféu irá premiar as

EDITORIAL

mulheres cuja trajetória tem transformado a vida de outras mulheres e conquistado mais igualdade de gênero no mundo do trabalho. A entrega do troféu vai acontecer durante a festa e este ano tem como homenageadas: Guadalupe Louro Turos Couto (Procuradora do Ministério Público do Trabalho- MPT), Bete Mendes (atriz), Edna Maria do Sacramento (Diretora de Saúde do Sinttel-Rio) e Isabel Cristina de Moraes Gomes (Enfermeira do Trabalho/Vigilante Sanitária-Nusat). BRASIL É O 46º EM IGUALDADE

O Brasil ocupa a 46ª posição em um ranking de 128 países que mede o nível de igualdade entre homens e mulheres. O estudo da consultoria Booz & Company ordenou a lista com base na capacidade do país em permitir que as mulheres sejam agentes ativos da economia.

Os nossos melhores rankings foram os “avanços” e “políticas de acesso ao mercado de trabalho” - em ambos os casos o país fica na 29ª posição. De acordo com o estudo, isso aconteceu porque as mulheres se beneficiaram do crescimento econômico que alavancou boa parte da população à classe média. No entanto, o país ainda sofre com a falta de igualdade de salários, ficando na 65ª posição.

Garis dão exemplo

A greve vitoriosa dos garis do Rio de Janeiro prova o que estamos cansados de saber e de repetir. Aliás, o que já nos ensinaram Karl Max e Friedrich Engels no Manifesto Comunista, quando conclamaram “trabalhadores de todo o mundo uni-vos”. A união e a mobilização da categoria foi o ingrediente primordial da vitória dos garis sobre o autoritarismo do prefeito Eduardo Paes e a subserviência do Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação do Rio de Janeiro à Comlurb e à Prefeitura. O estopim para a greve foi justamente a decisão do Sindicato de aceitar a proposta da Comlurb à revelia da categoria firmando um acordo absurdo que na sua cláusula 65 previa demissões.

Que Sindicato sério e combativo assinaria um acordo aceitando demissões? Só isso já seria suficiente para o Sindicato rejeitar o acordo. Os garis lutavam por reajuste digno de salários e benefícios e foram até as últimas consequências para conquistar isso. O momento não podia ser mais oportuno para pressionar o prefeito a ouví-los e a negociar. Estavam em pleno Carnaval, com a cidade cheia de turistas de várias regiões do país e do mundo. A tática utilizada por Eduardo Paes foi a de desqualificar o movimento e difamar as suas lideranças taxando-as de delinquentes, e acusando-as de partidarizarem o movimento e de fazerem motim. As acusações de Paes eram ratificadas pelo Sindicato, que ao invés

de defender os trabalhadores estava mais preocupado em evitar o surgimento de uma oposição à atual direção da entidade. Para tentar garantir a limpeza na Zona Sul, menina dos olhos dos governos estadual e municipal, Paes chegou ao cúmulo de usar escolta policial para obrigar os garis a furar a greve. Não satisfeito, tentou sem sucesso vender para a opinião pública uma imagem distorcida dos líderes do movimento: a de que não passavam de radicais, insatisfeitos com o acordo. As mentiras do prefeito não se sustentavam e sua retaliação com o anúncio da demissão de 300 garis causou mais revolta na categoria e na sociedade que já apoiava o movimento. A resistência e unidade dos

garis além de garantir a vitória da greve com a conquista do reajuste de 37%, percentual que elevou o atual salário de R$ 802,57 para R$ 1.100, ainda garantiu o tíquete alimentação de R$ 20 e revisão das demissões anunciadas. A lição dos garis para nós trabalhadores é uma só: unidos e mobilizados podemos muito. Foi a unidade da categoria que forçou o prefeito a engolir a sua arrogância, arbítrio e autoritarismos e ceder, inclusive, antecipando a negociação que pôs fim à greve. O prefeito e os patrões precisam saber que o diálogo é sempre a melhor saída para qualquer conflito, ou impasse. Unidos nós podemos. Sigamos o exemplo dos garis. A Diretoria


50 ANOS DO GOLPE MILITAR

José Evandro Lírio

José Evandro Lírio, ou simplesmente Lírio, entrou para a Embratel em novembro de 1977 e trabalhou 21 anos na empresa até 1998. A militância política começou já no início da carreira quando depois de uma grande mobilização interna ajudou a constituir o sindicato de profissionais de processamento de dados. A partir daí começou a participar ativamente do Sinttel e a construir o principal pilar da época: a unificação das lutas de todos os setores trabalhistas no país. Em 1987 as mobilizações trabalhistas já eram intensas como a luta contra a privatização da Embratel, por exemplo. Ele lembra que o momento culminante disso foi quando a Embratel fez um contrato com a Vicom e todos os trabalhadores junto com o sindicato identificaram na hora que aquele era o início do processo de privatização da empresa. Nesse momento a categoria se mobilizou e conseguiu sensibilizar a CUT e todos os companheiros e entidades num protesto que fechou a Presidente Vargas, uma verdadeira vitória. “Foi muito importante. Todos os setores da empresa aderiram. A gente viu o pessoal da administração, do comercial, da engenharia, todos juntos exigindo que um contrato fosse rasgado. Foi uma greve essencialmente política que teve a adesão de 100 % da empresa contra a privatização”, afirma Lírio. Na campanha salarial no final do ano de 87, o Ministro das Comunicações da época era Antônio Carlos Magalhães e foi ele o responsável por determinar a punição e a demissão dos trabalhadores presentes na greve. O companheiro Lírio foi um dos sete demitidos da Embratel. Na mesma época foram demitidos 30 trabalhadores da Telerj e nos Correios foram demitidos 2000 pessoas no Rio e 8 mil pessoas em São Paulo. Um duro golpe para o movimento sindical. Só depois de muita luta é que os trabalhadores foram aceitos de volta nas empresas. Lírio se aposentou no mesmo ano da privatização das telecomunicações feita por FHC, em 1998. Para o sábio companheiro, o grande significado e força do sindicato está na união. Lírio se despede com esta mensagem para os mais novos: “acho que é importante que os trabalhadores identifiquem que a solução de seus problemas passa pela união e a união é o sindicato. É ele que possui os meios, todas as condições. Esse é o caminho para nos levar ao porto seguro - o fortalecimento do sindicato este grande instrumento de luta”.

“Resistir é Preciso” relembra assassinato de Herzog DIVULGAÇÃO

Há 50 anos, em 1964, o Brasil passava pelo golpe militar que instalou a ditadura no país e foi o responsável pela morte e desaparecimento de milhares de militantes, entre eles o jornalista Vladimir Herzog. Agora com a democracia restabelecida e em meio às atuais manifestações, a exposição “Resistir é preciso”, organizada pelo Instituto Herzog resgata a história do país nesse período, a luta e a forte resistência ao regime. A exposição está em cartaz no CCBB até o dia 28 de abril e a entrada é franca. “Resistir é Preciso” reúne um expressivo conjunto de obras de arte que mostra a militância dos artistas, a luta de intelectuais, sindicatos, jornalistas e estudantes clamando por democracia e denunciando os abusos e os crimes da ditadura. Entre obras de arte e documentos históricos, a exposição apresenta ao público a militância dos artistas ao denunciar abusos e crimes da ditadura com destaque para as obras de Sérgio Freire, Flávio Império, Sérgio Ferro e Takaoka, produzidas no período de cárcere e as ilustrações de Rubem Grilo para publicações como o Pasquim e Opinião, fotografias de Luis Humberto e Orlando Brito, entre outras. Em meio ao monopólio midiático e tendencioso ditado por empresas como Globo, SBT, Record entre outros veículos, também é possível conferir a história de uma imprensa de resistência que nasceu nesses anos e se expandiu no Brasil, na clandestinidade e no exílio. Muitas publicações dessa imprensa alternativa eram vendidas nas bancas de jornal e ainda que censuradas, foram importantes para a resistência à ditadura militar. A exposição acontece num momento importante do país, não só pela mobilização social e reivindicação política, mas principalmente pelos resultados das investigações da Comissão Nacional da Verdade instaurada em maio de 2012 com a finalidade de apurar graves violações de

Direitos Humanos ocorridas entre 18 de setembro de 1946 e 5 de outubro de 1988. Foi através do trabalho da Comissão que foi possível fazer justiça ao jornalista Herzog. Assassinado nos porões da ditadura em 1975 sob tortura, em seu atestado de óbito a causa de sua morte constava como suicídio. A Comissão entrou com o pedido de retificação deste atestado para constar que sua “morte decorreu de lesões e maus-tratos sofridos em dependência do II Exército – SP (Doi-Codi)”.

Antes do Rio, a exposição esteve presente em São Paulo e foi vista por mais de 168 mil pessoas durante a temporada em São Paulo. Depois do Rio de Janeiro, será a vez da exposição passar pelo CCBB Belo Horizonte de 21 de maio a 28 de julho. A mostra também passou por Brasília de agosto a setembro de 2013. Serviço: Até o dia 28/04, de quarta a segunda, das 9h às 21h. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, Rio de Janeiro, Tel.: (21) 3808-2020.

Ato “Lembrar é resistir”, dia 13/03  Partidos políticos de esquerda, centrais sindicais, entidades estudantis e diversas instituições do movimento social farão na quinta-feira, dia 13, às 15h, um novo Comício da Central do Brasil. O ato é uma homenagem à liberdade e à democracia e tem como objetivo não esquecer golpe militar de triste memória ocorrido no dia 13 de março de 1964 e que este mês completa 50 anos. Foi nesta data que o então presidente da República João Goulart proferiu um discurso na Central anunciando as reformas de base que seu governo pretendia empreender e que atenderia as diversas reivindicações dos trabalhadores do campo e da cidade. Alguns

dias depois os militares brasileiros com apoio de forças conservadoras do país e do governo dos Estados Unidos derrubaram Jango e implantaram uma ditadura militar no país, que perdurou por 21 longos anos. O ato desta quinta-feira tem como principal bandeira de luta a expressão “Lembrar é resistir”. Os partidos que convocam a manifestação são PT, PC do B, PCB, PDT, PPL, PSTU e Psol. As centrais sindicais organizadoras do ato são CUT, CTB, CSP-Conlutas, UGT e CSB. Além de Famerj, Faferj, MST, OAB, UNE, UBES, entre outras entidades do movimento social. Ditadura nunca mais.

O DIV ULGAÇÃ

“Mulher, Direito e Sociedade” é tema de mostra Neste mês de março, dedicado internacionalmente às mulheres, acontece a exposição “Mulher, Direito e Sociedade: o feminino na construção da Justiça”, que presta homenagem e destaca líderes feministas que contribuíram para a conquista de direitos e espaço na sociedade para as mulheres. A exposição entrou em cartaz nesta terça-feira, dia 11, no Centro da Memória Judiciária de Niterói (Antigo Palácio da Justiça, Praça da Repúbli-

ca, s/nº, centro). O evento, gratuito, é aberto ao público de segunda a sexta-feira, das 11h às 17h. Composta por 62 painéis, a mostra apresenta uma perspectiva histórica sobre as questões de gênero em nossa sociedade, principalmente, a relação entre as conquistas de direitos alcançados pelas mulheres e as transformações provocadas por elas, dentro e fora do Poder Judiciário. A exposição aborda também a violência doméstica,

destacando conquistas na área - como a “Lei Maria da Penha” (Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006) e a instituição de Juizados Especiais da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher. A mostra é uma realização da Divisão de Difusão da Memória Judiciária e Educação Patrimonial (DIDEP), do Museu da Justiça - unidade vinculada à DiretoriaGeral de Comunicação Institucional (DGCOM) do TJRJ.


CARTÃO DE CRÉDITO

Tratamento dentário de graça O Dentista do Bem é o principal projeto que conta com o trabalho voluntário de cirurgiões-dentistas que atendem em seu próprio consultório crianças e jovens de baixa renda entre 11 e 17 anos, proporcionando-lhes tratamento odontológico gratuito até que completem 18 anos. Atualmente, é a maior rede de voluntariado especializado do mundo. Os pacientes são selecionados por grau de necessidade, o que é determinado por uma triagem realizada em escolas da rede pública ou instituição social. Jovens e crianças com problemas bucais graves, os mais carentes e próximos do primeiro emprego têm prioridade no atendimento. O tratamento, realizado no consultório do próprio dentista voluntário, é de caráter curativo, preventivo e educativo. O Projeto Dentista do Bem conta com voluntários espalhados por todo o país – nos 26 estados e Distrito Federal –, dez países da América Latina e Portugal. Para que as crianças e adolescentes de suas escola sejam beneficiadas indique o site www.turmadobem. org.br para a diretora de sua escola e nesse mesmo site ela pode buscar informações e inscrever a escola.

Bancos aumentam as anuidades em até 85%

sinttel imagens

Segundo levantamento realizado pelo Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) os bancos aumentam em até 85% o valor das anuidades dos cartões de crédito. Portanto, fique atento confira a anuidade do seu cartão e tente negociar com o seu banco. Parta Chegar a essa conclusão o Idec pesquisou os seis maiores (Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú e Santander), das 209 modalidades de cartões de crédito, 99 (45% do total) tiveram os preços corrigidos com índices que variam entre 4,7% até 85%, no último ano (entre janeiro de 2013 a janeiro de 2014). Dos seis somente o Banco do Brasil e a Caixa Econômica não reajustaram a anuidades dos cartões de crédito. Isso é um verdadeiro assalto ao bolso do consumidor desavisado, o que, diga-se de passagem, todos nós somos. Por acaso você sabe em quanto por cento foi reajustada a anuidade do seu cartão de crédito este ano? O maior índice foi aplicado pelo Bradesco, que reajustou as anuidades de 25 modalidades, com variações entre 13% e 85%. O cartão com reajuste mais elevado foi o do Bradesco Seguros e Previdência Internacional (Visa) que passou de R$ 108,00 para R$ 199,88, índice de 85%.

O Itaú, que possui o maior número de modalidades (78 tipos), reajustou o preço de 62 cartões de créditos, com índices entre 4,7% até 37,9%. O HSBC reajustou a anuidade de quatro cartões entre 6% e 50%. O Santander corrigiu o valor da anuidade de oito cartões com índices entre 13% e 26%. A economista do Idec, Ione Amorim, destaca que a inflação de 2013 divulgada pelo IBGE fechou o IPCA em 5,91%, ou seja, muito abaixo dos reajustes praticados, já que a média dos 99 reajustes identificados nos seis principais bancos foi de 18%. Portanto, a média de reajuste das anuidades representa três vezes a inflação do ano. “Infelizmente, de acordo com as normas do CMN (Conselho Monetário Nacional) e BC (Banco Central), essa prática é permitida aos bancos a cada ano e os valores são estabelecidos pelo mercado. Seria razoável que as normas fossem aprimoradas para inibir reajustes tão abusivos”, conclui Ione Amorim. Além dos altos índices de re-

ajustes, o levantamento também concluiu que alguns bancos possuem tantas opções de cartões que dificultam ao consumidor avaliar as diferenças das modalidades. Como é o caso do Itaú - que possui 78 alternativas de cartões - alguns com diferença de anuidade por bandeira que chegam a 10%. Prática pouco comum entre as instituições financeiras, seguido pelo Bradesco com 46. O QUE FAZER?

Diante dos reajustes abusivos, o consumidor precisa ficar atento à oferta de cartões, em muitos casos, o que diferencia uma modalidade da outra é apenas o valor da anuidade. É aconselhável recusar os aumentos, trocar de modalidade, realizar pesquisas, comparar as tabelas de preços de tarifas de anuidade do cartão. Também levar em consideração, além da modalidade, se é nacional ou internacional e se os benefícios oferecidos estão adequados a sua necessidade. DIVULGAÇÃO

Mitos e verdades sobre a dengue A dengue é uma doença que pode ser contraída facilmente pela picada do mosquito transmissor, Aedes Aegypti. Veja o que é realmente verdade e o que é crendice a respeito do mosquito: .Só as fêmeas do Aedes aegypti picam

Verdade. As fêmeas precisam de sangue para fazer eclodir os ovos, motivo pelo qual nos picam. .Pessoas com sangue doce atraem mais os mosquitos

Mito. Os mosquitos são mais atraídos por certas pessoas, mas não pelo sabor do sangue. Eles escolhem as vítimas com base no cheiro da pele, transpiração e emissão de gás carbônico. .Luz elétrica atrai os mosquitos

Mito. Os mosquitos não têm

receptores para luz. Existem possíveis explicações para eles se aproximarem da luz: podem ser atraídos pelo calor das lâmpadas, ou por outros insetos que sejam sensíveis à luz.

Mas ele pode se espalhar pelas escadas e pelo elevador. .O uso do fumacê é suficiente para evitar a dengue

Mito. Os ultrassons têm efeito sobre pequenos roedores, mas não contra mosquitos, pois eles não têm aparelho auditivo.

Mito. Ele tem a função de diminuir a população de mosquitos adultos no ambiente e deve ser utilizado em caso de surto, ou epidemia. O uso indiscriminado pode trazer prejuízos ao meio ambientes e às pessoas.

Mito. Eventualmente andares mais baixos podem ter mais criadouros em função da facilidade de acesso pelos mosquitos.

Mito. A dengue é mais frequente no verão, mas o Brasil

.Ultrassons afastam os mosquitos

.O mosquito não chega até andares altos

.Não existe transmissão da dengue fora dos períodos de chuva

tem condições climáticas e ambientes favoráveis à proliferação do mosquito o ano todo. .O Aedes aegypti só pica nas pernas

O mosquito prefere a região das pernas, mas se elas estiverem cobertas, ele vai picar o braço ou qualquer outra área exposta do corpo. .Quem toma vitamina B não é picado

A ingestão de vitamina B pode fazer com que a pessoa elimine moléculas que evitam um pouco a picada, mas não afasta totalmente o mosquito. Fonte: Proteste - Saúde

O ano das telecomunicações tem que começar É lugar comum dizer que, no Brasil, o ano só começa depois do Carnaval. Mas nas telecomunicações, 16 anos depois da privatização do Sistema Telebras, esse começo ainda não aconteceu. Ao contrário. Temos hoje as tarifas mais caras do mundo na telefonia fixa. Uma rede celular que tem o menor tráfego, qualidade sofrível e uma cobertura que deixa a desejar. Uma banda larga, que não é larga segundo parâmetros europeus ou norte-americanos. Um sucateamento da rede pública, com telefones públicos quebrados e sem manutenção. E o problema não está só nos serviços. Estudos do Ipea mostram que “em 1997 os fornecimentos por empresas brasileiras do setor de telecomunicações para o mercado nacional atingiam cerca de 42%. Em 2008 esses fornecimentos só chegavam a cerca de 3%, fruto das importações empreendidas pelas prestadoras de serviços multinacionais que dominam os fornecimentos para o setor. Nossa indústria eletroeletrônica representa atualmente cerca de 4% do PIB, enquanto em países desenvolvidos atinge cerca de 12%.” Os trabalhadores sofrem com os descalabros das operadoras. Terceirização em massa, salários aviltantes, condições de trabalho absurdas. Isto num setor que tem a principal infraestrutura, a banda larga, para fomentar a educação, segurança, saúde. É urgente a elaboração de um plano de resgate das telecomunicações brasileiras. O Instituto Telecom e o Clube de Engenharia estão elaborando um projeto para ser encaminhado a todos os candidatos às Assembleias Legislativas, Câmara Federal, Senado e presidência nas eleições deste ano. Vamos cobrar e divulgar quem é a favor ou contra o renascimento das telecomunicações públicas universalizadas, com tarifa/preço módicos e de qualidade. Uma política industrial que incentive a pesquisa, desenvolvimento e a cadeia produtiva nacional se faz urgente para reverter um processo que, antes da privatização do setor, tinha exatamente o sentido contrário, o superávit das exportações e uma indústria em crescimento. O ano das telecomunicações tem que começar. Mesmo que seja com atraso de 16 anos. Leia mais no site www.institutotelecom.com.br


EMBRATEL, OI/CONTAX

Obra da calçada de Mackenzie começa esta semana Depois de anos de espera, finalmente os trabalhadores da Rua Alexandre Mackenzie vão ver uma de suas principais reivindicações atendidas: a prefeitura inicia esta semana as obras de alargamento da calçada no trecho entre as ruas Marechal Floriano e Senador Pompeu. No ano passado, trabalhadores da Embratel pediram ao deputado estadual Gilberto Palmares que intercedesse junto à Prefeitura para buscar uma solução. Na Alexandre Mackenzie estão instaladas grandes empresas como Embratel, Light, Contax e Oi, funcionando em três turnos e com milhares de empregados. Todos são obrigados a circular pelo meio da rua, já que as calçadas são estreitas e cheias de obstáculos como postes de iluminação e placas de sinalização. Palmares procurou o secretário municipal de Transportes e em outubro do ano passado conseguiu que o assessor da Secretaria, Fabinho Fernandes, fosse ao local. Na segunda-feira, Fabinho, mais uma vez a pedido de Palmares,

Vivo também quarteiriza Não satisfeita em terceirizar, a Vivo não fiscaliza as suas prestadoras de serviços que ficam completamente à vontade para quarteirizar e cometer outras irregularidades. Foi o que aconteceu no malote da empresa que é terceirizado pela Tgestiona que por sua vez, quarteirizou o serviço através da JC Express. Mas, a precarização não parou por aí. No dia 07/02 mais uma vez a Vivo mudou a empresa prestadora de serviço de malote passando o serviço para a Pitney Bowes. A nova mudança atingiu cerca de 50 funcionários JC Express em 14 Regionais da Vivo. No Rio os funcionários da JC Express ficaram numa situação de total abandono. Não só não foram reaproveitados pela Pitney, como não receberam o salário de janeiro, não foram chamados para assinar a rescisão de contrato nem deram baixa nas carteiras. E o pior, há um ano a empresa não recolhia o FGTS. O nome disso é quarteirização e a Vivo é a culpada dessa situação. A única saída é a justiça, o Sinttel-Rio vai entrar com uma ação contra a Vivo para que esta arque com todas as suas responsabilidades,

Fabinho Fernandes, assessor da secretaria de transportes (na cadeira de rodas) e Gilberto Palmares ao lado do engenheiro da Porto Novo

voltou à rua acompanhado de um engenheiro da Porto Novo. A empresa é responsável pelas obras no porto. O engenheiro verificou que os 300 metros da rua não oferecem grandes obstáculos para o alargamento da calçada. A obra, que deve durar alguns dias, vai acabar com o estaciona-

Oi: DG Alfa Barra às moscas Não é a primeira vez que denunciamos o estado de completo abandono do DG da Oi na estação Alfa Barra. A situação é desesperadora. Há mais de um ano não há nenhum tipo de manutenção no DG. A água foi cortada há um ano e três. Os trabalhadores são obrigados a trazer água de casa para beber e precisam ir numa lanchonete próxima para fazer suas necessidades. Se não quiserem conviver com ratos, baratas e outros insetos também são obrigados a fazer a limpeza da estação. Além disso, o banheiro está sem pia e sem lâmpadas. O Sindicato exige da Oi garantia de condições dignas de trabalho para os empregados e se uma providência não for tomada urgentemente vai denunciá-la aos órgãos de saúde pública e do trabalho.

DIRETOR DE IMPRENSA Marcello Miranda marcellomiranda@sinttelrio.org.br EDIÇÃO Socorro Andrade Reg. 460 DRT/PB socorroandradde@gmail.com REDAÇÃO Socorro Andrade e Luana Laux

ILUSTRAÇÃO Alexandre Bersot www.alexandrebersot.com.br DIAGRAMAÇÃO L&B Comunicação Ltda IMPRESSÃO CIRCULAÇÃO Semanal TIRAGEM 12 mil exemplares

Rua Morais e Silva, 94 - Maracanã - RJ - CEP 20271-030 - Tel.: 2204-9300 E-mail Geral sinttelrio@sinttelrio.org.br - Portal http://www.sinttelrio.org.br E-mail Jurídico juridico@sinttelrio.org.br - E-mail Imprensa imprensa@sinttelrio.org.br

bersot

humor

mento no trecho. Também serão construídos quebra-molas especiais do tipo speed table, no mesmo nível da calçada. Os quebra-molas serão colocados em frente aos prédios de maior movimento, como o da Contax, onde trabalham vários portadores de deficiência, em especial cadeirantes.

Abuso na Atento

Campo Grande - produto TIM encerrou suas atividades no site dia 28/02 e transferiu seus trabalhadores sem o consentimento dos mesmos para Madureira. O Sindicato não concorda com essa decisão arbitrária da empresa e marcou uma reunião pra hoje, dia 12, para resolver a situação dos trabalhadores. Saúde Bradesco - Teleporto, 7 º andar, o produto Saúde Bradesco fez uma campanha motivacional para incentivar suas vendas com a promessa de que a equipe que batesse as metas ganharia folga no carnaval. Mas quem bateu as metas ficou a ver navios, pois a empresa considerou ilegal as folgas conquistadas e contabilizou as mesmas como horas negativas no banco. É muita cara de pau. PLR - A Atento ficou de pagar nesta segunda, dia 10, a PLR dos trabalhadores que ainda não a receberam. Caso você ainda não tenha recebido entre em contato por email com Ricardo Pereira (ricardopereira@sinttelrio.org.br), Alan Dias (alandias@sinttelrio.org.br) e Cesar Fernandes (cesarfernandes@sinttelrio.org.br)ou pelo telefone 2204-9304. Mais uma vez a Atento não cumpre nada do que fala. A empresa não só quebrou a promessa de negociar a PLR 2014 no final de 2013, como já desmarcou a reunião que havia agendado para hoje, dia 12 com o intuito de debater a mesma.

Provider ainda sem acordo Para fechar o acordo com a Provider o Sindicato exigiu da empresa um índice de reajuste diferenciado para os trabalhadores com jornada de 7h12, que fazem atendimento presencial. A empresa ficou de apresentar uma proposta e até agora nada. Exigimos o fechamento do acordo o quanto antes, o Sindicato não vai esperar a vida toda e os trabalhadores têm pressa, pois seus salários estão sem reajuste.

Trabalhadores de satélites aprovam pauta Os trabalhadores das diversas empresas de satélites já aprovaram a Pauta de Reivindicações que será encaminhada às empresas ainda esta semana. A data base da categoria é 1º de maio e diferentemente dos anos anteriores, este ano o Sinttel vai negociar com o Sindisat (sindicato patronal). A expectativa é que as negociações comecem o quanto antes.

Café com ideias dia 25 A iniciativa do Departamento d Aposentados do Sinttel com o “Café com ideias” é motivar os aposentados que já participam da reunião mensal transformar o evento em algo mais dinâmico, agregador, criativo e mobilizador. A ideia é reorganizar o departamento, atrair e aglutinar os aposentados que não participam da reunião e fazer com eles participem, recuperem o contato com os antigos companheiros e com a entidade e venha trazer suas sugestões e ideias para dinamizar o departamento. O “Café com ideias” acontecerá sempre uma vez por mês, na última terçafeira do mês, às 14h, na sede do Sindicato (Rua Morais e Silva, 94 - Maracanã). O primeiro será no dia 25, contamos com todos os aposentados.

1.404


Jornal do Sinttel-Rio nº 1404