Issuu on Google+

CLARO

Queremos PPR de 2,5 salários para todos Não aceitaremos mais discriminação e enrolação. PPR igual para todos em todo o país! Queremos o fim da violência contra o índio O Sinttel-Rio ratifica nota da CUT que repudia a violência contra os índios, cobra o fim dos conflitos e exige respeito aos povos indígenas em todo território brasileiro. Veja a nota da Central na íntegra. Foi com profundo pesar que a CUT recebeu a notícia da morte do índio Terena, Oziel Gabriel, e de dezenas de índios feridos na Fazenda Buriti, na cidade de Sidrolândia, no Mato Grosso do Sul. A CUT também lamenta a forma como o juiz local encaminhou a "reintegração de posse, orientou a força policial, tanto da Polícia Militar do Estado como da Polícia Federal local". Está cada vez mais comum o abuso por parte de representantes do Poder Judiciário contra os movimentos sociais. A Justiça precisa prestigiar o diálogo e o entendimento entre as pessoas, as instituições e entre os poderes. Formalizaremos um pedido de audiência com o Ministro da Justiça e com o ministro Gilberto Carvalho para que todas as partes sejam ouvidas e todas as providências sejam tomadas para se apurar os responsáveis pelo assassinato, a violência coletiva e os demais erros cometidos. A impunidade não pode virar regra no Brasil. A estupidez em nome da lei, não pode sobrepor-se ao diálogo e ao bom senso. A CUT defende o entendimento e o diálogo como forma de evitar mais mortes e mais violências. Agressões e mortes não ajudam a democracia e ao Brasil. A CUT, como representante de trabalhadores do campo e das cidades, reivindica participar das audiências e das negociações pela superação dos impasses no campo e nos locais de trabalho nas cidades. O Brasil precisa de Paz, progresso e respeito às regras democráticas. São Paulo, 31 de Maio de 2013 Vagner Freitas Presidente Nacional da CUT

SOCORRO ANDRADE

Nesta quinta-feira, dia 06, será realizada em São Paulo, a 4ª rodada de negociação da PPR/2013 com a Claro. A reunião será com os representantes da empresa e a Comissão Nacional de Negociação da Fenattel. Depois de tanta enrolação, com a empresa se fazendo de desentendida e propondo repetir este ano os mesmos valores pagos de PPR/2012, o Sindicato já antecipa que não aceitará nada mais, nada menos do que 2,5 salários de placar para todos os empregados. Na verdade, a proposta da empresa é de manter a mesma PPR dos últimos três anos, proposta que, aliás, foi rejeitada na mesma hora em mesa, na segunda reunião realizada com a empresa em maio. A Fenattel junto com o Sinttel-Rio e demais sindicatos vão insistir na cobrança pela implementação de um modelo igualitário que unifique o placar de 2,2 salários para 2,5 em todo o país e acabe com a discrepância social que vem sendo praticada pela empresa nos estados onde atua. PLANO DE SAÚDE

A Claro discrimina os trabalhadores até na

hora da escolha do Plano de Saúde. Do último dia 22 até o dia 29/05 a empresa abriu a semana de reopção para os trabalhadores migrarem entre diferentes planos de saúde. Mas, só deu este direito de escolha para alguns. No Rio, por exemplo, a Claro excluiu todos os trabalhadores do prédio da Mena Barreto e da Voluntários da Pátria. Durante o último Congresso da Fenattel realizado em São Paulo, no final de maio, o repúdio ao tratamento anti-isonômico que vem sendo empregado pela empresa foi unânime. Os trabalhadores cobraram da empresa que reavaliasse a sua postura, no entanto, a multinacional se absteve

Prestadoras: nova negociação hoje Hoje acontece mais uma rodada de negociação entre as empresas prestadoras de serviços de telecomunicações (Hawuai, logictel, Nokia, Siemens, Instel, Stefanini, Flowers, Italtel, etc), sindicato patronal e o Sinttel-Rio para discutir reajuste de salários e benefícios da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT/2013). Não bastasse prejuízos sofridos pelo regime de terceirização, no Rio de Janeiro, com mais de 20 mil trabalhadores a espera de melhorias. A atual proposta das empresas está muito abaixo do piso regional defendida pelo sindicato e isso causou mais revolta aos milhares de trabalhadores do setor. Piso regional é questão de lei.

.

DIREITOS EXIGIDOS

Piso Salarial - aplicação do piso

. . . . . .

regional do estado: R$918,65 Piso para Técnico - aplicação do piso regional do estado no valor de R$1.491,69. Abrangência - garantia de extensão da data base e do texto da Convenção para o trabalhadores de TV por assinatura e rede interna e externa Unificação da data base com os demais prestadores de serviços de Telecom (TV paga e rede interna e externa) Carro agregado – reajuste de 15% na atual tabela praticada sem reajuste desde a última Convenção Vale refeição - no valor de R$18,00 com redução da coparticipação PPR- cumprimento do documento básico para medição da PPR O Sinttel-Rio espera que estas empresas formalizem propostas superiores às últimas apresentadas.

e enviou um comunicado dizendo que não poderia mudar a forma das escolhas dos planos de saúde e agora atenderia um grupo de trabalhadores e, posteriormente, outros grupos. Ficou claro que a empresa não pretende mudar a sua postura e ainda blefa na tentativa de enganar o trabalhador. O Sinttel-Rio, Sinttel-Goiás e Sinttel-Bahia rejeitaram oficialmente a justificativa dada pela Claro e caso a empresa não reveja esta atitude, vão entrar com as ações devidas para garantir o direito à igualdade de escolha. A expectativa é que os demais sindicatos de outros estados também entrem na justiça.

Aprovado acordo das telefonistas de radiotáxis As telefonistas e operadores de rádio chamadas das cooperativas de táxi de Niterói e São Gonçalo aprovaram o acordo, cuja data base venceu no dia 01/06. A proposta aprovada prevê um reajuste linear no percentual de 10% para os salários. Garantindo-se assim, o piso mínimo de R$918,25 da categoria diferenciada. Para os demais trabalhadores também foi aprovado um reajuste de 10% sobre os atuais salários. RIO DE JANEIRO

No Rio também foi aprovada a proposta apresentada de garantir a manutenção do piso regional das telefonistas e operadores de chamadas de táxi. Os demais trabalhadores que se encontram com salários acima do piso terão um reajuste de 8% para salários e benefícios.

TV por assinatura: assembleia dia 7 no Sindicato O Sindicato convoca os trabalhadores de empresas de TV por assinatura, ou TV a cabo para assembleia que dará início a campanha salarial com vista à data base da categoria que é 1º de julho. Nesta sexta a assembleia será realizada em dois horários, pela manhã, a partir das 9h e à tarde, a partir das 18h, conforme edital publicado no verso desta edição. Na ocasião, os trabalhadores vão discutir e aprovar a Pauta de Revindicações a ser encaminha às empresas para negociação. Se você tem alguma proposta, ou sugestão para a pauta esse é o momento. Vá à assembleia.

CTIS: assembleia dia 7

Rede: reunião de PPR adiada de novo

Assembleia com os trabalhadores em telecomunicações da empresa CTIS que prestam serviço para o Banco do Brasil, nesta sexta-feira, dia 07, às 14h, na empresa. Será debatida a proposta da Convenção Coletiva com data base do dia 1º de maio. Confira a proposta: Reajuste de salários de 9% Aumento do ticket alimentação de R$10,00 para R$12,00. O novo reajuste foi considerado uma grande conquista do Sinttel-Rio. Com este percentual, os operadoras piso salarial será de R$9 51,70, superior ao do piso regional do estado que é R$918,25.

A reunião para discutir e definir o pagamento da PPR dos trabalhadores da Serede e Telemont marcada para ontem, dia 4, foi novamente adiada. Desta vez a justificativa foi a posse do novo diretor da Serede. A reunião em princípio foi remarcada para o dia 18. A direção do Sindicato quer antecipar essa negociação para o mais rápido possível, pois os trabalhadores já estão esperando isso desde o início de maio e não vão ficar o ano inteiro à espera. Queremos a PPR já. Chega de enrolação!Exigimos a antecipação dessa reunião.

..


ACIDENTE DE TRABALHO

REGULAÇÃO

TST faz mutirão e julga 800 casos graves

A supremacia das operadoras sobre a sociedade

ARQUIVO DO SINTTEL-RIO

No dia 22 de maio, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) deu uma contribuição importante para o problema dos acidentes de trabalho no Brasil, com o julgamento preferencial de processos relativos ao tema. Foi a primeira vez que o TST promoveu pauta temática sobre o assunto. No total, o mutirão julgou 800 casos dos 6.314 que tramitam no órgão atualmente. Para o presidente do TST, ministro Carlos Alberto Reis de Paula, “a diminuição dos acidentes de trabalho, por meio da prevenção, é uma questão de cidadania”. Sentimento que foi compartilhado pelo ministro Aloysio Corrêa da Veiga, presidente da Sexta Turma. Ele ressaltou que o compromisso com o ambiente de trabalho saudável, seguro, constitui respeito à cidadania. Infelizmente não é o que pensa a maioria do empresariado brasileiro. Arriscamos dizer que para eles prevenção e compromisso como ambiente de trabalho seguro é o que menos conta. O descaso das empresas com a prevenção se reflete diretamente no aumento a cada ano do número de acidentes, boa parte com morte e mutilações, isso conforme dados oficias divulgados pelo Ministério da Previdência Social. 2.717 MORTES EM 2012

Somente no ano passado, de acordo com o Ministério da Previdência, os acidentes de trabalho resultaram na morte de 2.717 trabalhadores. Ainda de acordo com a mesma fonte, anualmente ocorrem em média 700 mil casos de acidentes de trabalho no país. Isso é assustador. O pior é que os dados oficiais não refletem a realidade. O número de acidentes pode ser ainda maior, pois as empresas além de não cumprirem as normas de prevenção ainda manipulam as informações fazendo com que casos de acidentes de trabalho cheguem ao INSS como auxílio doença. Ou seja, negam ao trabalhador acidentado o Comunicado de Acidente

de Trabalho (CAT). Essa prática é muito comum no setor de telecomunicações, especialmente no teleatendimento (call center) e no setor operacional (rede). Muitos desses trabalhadores buscam o Sinttel, que em geral, abre o CAT no INSS e consegue reverter o benefício para acidente de trabalho. Uma denúncia sobre essa questão foi divulgada na edição passada. Veja box nesta página sobre as manobras das empresas para mascarar os dados sobre acidentes. OS CASOS JULGADOS

Nas sessões deste primeiro mutirão foram julgados os mais diversos casos entre os quais o TST destaca: do colhedor de laranjas picado por uma cobra jararaca; do caseiro que faleceu após cair de cinco metros de altura enquanto envernizava uma janela residencial; de trabalhadores vítimas de acidentes de trajeto ou de trânsito ao dirigir veículos da empresa, de acidentes que resultaram na amputação de membros, ou em graves problemas motores. Os juízes consideraram todos como níveis graves que afetam não só o próprio trabalhador, mas suas famílias e muitas vezes o clima organizacional e a comunidade.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA Sindicato dos trabalhadores em empresas de telecomunicações, transmissão de dados e correio eletrônico, telefonia móvel celular , serviços troncalizados de comunicação, radiochamadas, telemarkenting, projeto, construção, instalação e operação de equipamento e meios físicos de transmissão de sinal , similares e operadores de mesas telefônicas no E stado do Rio de Janeiro – SINTTEL - RJ convoca a todos os empregados de empresas prestadoras de serviços de telecomunicações, instalação de TV a Cabo/TV por Assinatura, sindicalizados ou não, de sua base territorial, para a Assembleia Geral Extraordinária que será realizada no dia 07.06.2013, na sede do SINTTEL-RJ, sito à Rua Morais e Silva, 94, Maracanã, Rio de Janeiro, em dois turnos: às 9h, em primeira convocação, e às 9h30, em segunda e às 18h, em primeira convocação, e as 18h30, em segunda, para deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: a) Discussão e aprovação do elenco de reivindicações para composição de norma coletiva de trabalho específica da categoria b) Outorga de poderes à diretoria do SINTTEL-RJ para encaminhamento das reivindicações, para representação dos trabalhadores nas negociações coletivas, e para celebrar ou não norma coletiva de trabalho e, no caso de malogro dos entendimentos, autorização para paralisação, bem como para suscitar dissídio coletivo, inclusive de greve, perante o Tribunal Regional do Trabalho competente; c) Discussão, aprovação e fixação da Taxa Assistencial, inclusive para manifestação dos interessados no que tange a eventual oposição, a qual deverá ser feita em até trinta dias, a contar da data do registro do instrumento coletivo, devendo ser entregue diretamente pelo interessado, mediante protocolo, na sede da entidade; d) Deliberação sobre a transformação das assembleias em permanente, em toda a jurisdição do Sindicato, até o estabelecimento final da norma coletiva. Rio de Janeiro, 05 de junho de 2013 Luis Antônio Souza da Silva COORDENADOR GERAL

A partir de sábado dia 8, a bola voltará a rolar no campo da Vila Olímpica do Salgueiro com a continuidade dos jogos do campeonato de futebol do Sinttel. Portanto, organize a sua torcida e garanta a animação desse campeonato que é reconhecidamente um sucesso. Além das equipes envolvidas, dos dirigentes da entidade, o campeonato agrega os trabalhadores das diversas operadores do setor e de

REDAÇÃO Socorro Andrade Luana Laux ILUSTRAÇÃO Alexandre Bersot http://www.behance.net/alexandrebersot

doença tem assegurado a estabilidade provisória, direito a receber PPR, por exemplo. Coisa que o auxílio doença não assegura. ATINGIDO POR UM TIRO

O caso de Sérgio é mais grave. Ele foi atingido por um tiro, depois de ter sido assaltado e sequestrado quando realizava reparo em Bangu. Diante de tal situação, a Procisa não teve como se opor a abrir o CAT. Ocorre que depois de operado e de ter retornado da licença e reassumido o trabalho ele voltou a ter problemas em decorrência do tiro e teve que ser novamente operado. Ai a empresa negou-se a dar o CAT alegando que não se tratava mais do acidente. O perito do INSS disse que seu problema era sequela do acidente, mesmo assim, a empresa negou a CAT. Sérgio procurou o Sindicato que conseguiu reverter o seu benefício e prorrogá-lo como B 91.

suas prestadoras bem como seus familiares. Confira o resultado dos jogos da primeira rodada no Portal do Sinttel (www.sinttelrio.org.br). Qualquer informação sobre o campeonato, é só entrar em contato com Ricardo Pereira, ou Alan Dias, diretores da entidade responsáveis pela organização do evento. O telefone para contato é 2204-9300, de segunda a sexta no horário comercial.

Almoço dançante na Avete Será realizado no dia 12, dia dos namorados, o almoço dançante na Avete - Associação dos Veteranos Telefônicos (Rua Gregório Neves, 22 - Engenho Novo). O almoço começa às 12h30 e todos estão convidados! Compre o seu convite ou faça sua reserva pelos telefones 2501-9934 / 2204-9300, (ramal 210)

DIAGRAMAÇÃO L&B Comunicação Ltda ESTAGIÁRIA Camila Palmares IMPRESSÃO Gráfica do SINTTEL-Rio: Jorge Motta Reg 17.924 DRT /RJ (prod. gráfica) Valdir Tedesco (impressor) CIRCULAÇÃO Semanal TIRAGEM 12 mil exemplares

Rua Morais e Silva, 94 - Maracanã - RJ - CEP 20271-030 - Tel.: 2204-9300 E-mail Geral sinttelrio@sinttelrio.org.br - Site http://www.sinttelrio.org.br E-mail Jurídico juridico@sinttelrio.org.br - E-mail Imprensa imprensa@sinttelrio.org.br

bersot

EDIÇÃO Socorro Andrade Reg. 460 DRT/PB socorroandrade@sinttelrio.org.br

A Nextel e a Procisa, ambas prestadores de serviços de telecomunicações estão entre as empresas que negam o CAT com a intenção de fugir do acidente de trabalho. Mas fácil seria garantir a prevenção e a segurança dos empregados. Recentemente o Sindicato obteve duas vitórias contra ambas junto ao INSS. Conseguiu reverter para Auxílio Acidente de Trabalho (B 91, o auxílio doença concedido aos trabalhadores Renata da Cunha Gomes e Sérgio Marques das Chagas, da Nextel e da Procisa respectivamente. No caso de Renata, a empresa deu a documentação para que ela entrasse com pedido de auxílio doença e se negou a dar o CAT. E por que fez isso? Porque o auxílio acidente de trabalho (B 91), além de incluir as empresas na lista das causadoras de acidentes ainda garante compensações para o empregado. O empregado que volta do auxílio

Campeonato de futebol: nova rodada dia 8

humor DIRETOR DE IMPRENSA Marcello Miranda marcellomiranda@sinttelrio.org.br

Empresas trocam acidente de trabalho por auxílio doença

e também pelo 2204-9326. Convide seu marido, esposa ou namorado(a), ou junte sua turma do trabalho e venha almoçar na Avete ao som de uma boa música e ainda com direito a dança. E não é só, teremos uma tarde de diversão com bingo e muita descontração.

O almoço acontece tradicionalmente na segunda quarta-feira de cada mês. O cardápio é generoso e tipicamente caseiro. Dia 12 teremos como prato principal rabada com batata e agrião, ou frango grelhado (segunda opção), e como acompanhamento arroz branco e salada.

Nos primeiros meses deste ano, a Anatel já realizou consultas públicas importantes sobre temas como o Regulamento de Estímulo a Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Telecomunicações e o Regulamento sobre Condições de Uso de Radiofrequências na Faixa de 698 MHz a 806 MHz. A primeira teve 1801 contribuições. A segunda, 1262. Números a comemorar? Sim e não. Criadas com o objetivo de intensificar a articulação entre a Anatel e a sociedade, permitindo que esta participe da formulação e definição de políticas públicas, as consultas e as audiências públicas, deveriam ser instrumentos de coleta de opiniões da sociedade sobre temas de importância. Deveriam, mas, na prática, não são. O que há, sim, é a supremacia das operadoras. Com seu poderio econômico, as empresas contratam várias consultorias que analisam a partir de uma perspectiva do lucro, todos os aspectos econômicos e jurídicos do tema posto sob consulta pública. Por isso mesmo, são responsáveis por mais de 80% das contribuições. Nas audiências públicas, a situação é praticamente a mesma. Em 2011, das 29 audiências ocorridas, cerca de 50% dos participantes foram representantes das empresas privadas. É evidente que as operadoras podem e devem contribuir. Mas, e a sociedade civil? Como participar? No parecer ao Relatório 2011 da Anatel, o Instituto Telecom já destacava: “É importante sublinhar que a Agência ainda tem bastante a avançar na tarefa de garantir maior participação social nos processos de regulação. (...) Com frequência as consultas públicas são realizadas por um prazo insuficiente e com materiais de consulta técnicos e de difícil compreensão; as audiências públicas são divulgadas com pouca antecedência, quase sempre ocorrem somente em Brasília”. Outro exemplo é a central de atendimento da Anatel. Apesar de em 2012 a central ter recebido cerca de 5 milhões de solicitações – que vão de cobranças erradas na telefonia móvel a linhas mudas ou com ruídos na telefonia fixa, passando pelas dificuldades para cancelar o serviço e as oscilações no sinal da TV por assinatura - ainda é enorme o número de consumidores que desconhecem que a Anatel tem dois telefones para receber denúncias sobre as operadoras: o 1331, para todos os usuários; e o 1332, para pessoas com deficiência auditiva. A divulgação destes números deveria ser feita de forma mais ampla pela Anatel, além de ser obrigatória para as operadoras em qualquer publicidade sobre seus serviços. Também é fundamental a realização de reuniões técnicas prévias às consultas públicas, buscando reduzir as assimetrias entre as empresas e os setores da sociedade civil interessados na pauta.

Ciranda da Alegria: aproveite porque ainda há vagas No período de 22 a 27 de julho será realizada na Colônia de Graham Bell a Colônia de Férias “Ciranda da Alegria” para crianças de 6 a 12 anos. Não perca esta oportunidade para seu filho. Crianças: aproveitem porque ainda há vagas!

1.367


Jornal do Sinttel-Rio nº 1367