Page 1

DIREITOS DO TRABALHADOR Edição 299 Setembro 2018 SINTRACON-SP 11 3388 4800

Filiado à

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

sintraconsp.org.br sintraconsp@sintraconsp.org.br

O JORNAL DE QUEM CONSTRÓI O PAÍS

APENAS SÓCIOS DO SINDICATO TÊM DIREITO A BENEFÍCIOS CONQUISTADOS NA CCT FOTO: REPRODUÇÃO

A Procuradoria Regional do Trabalho da 1ª Região confirma que benefícios como vale-alimentação, vale-transporte, PLR, reajuste salarial, dentre outros, somente farão jus aos empregados que contribuem ao sindicato. PÁGINA 5.

SINTRACON-SP REALIZA SORTEIOS DE R$ 2 MIL EM OBRAS Diretores do nosso sindicato comparecem em canteiros de obras da capital para realizar sorteio com os sócios do sindicato. Os sortudos ganham um cheque de R$ 2 mil, através de uma parceria entre a Costa e Parra (Corretora de Seguros) e o Sintracon-SP. O objetivo é aumentar ainda mais o número de filiados. PÁGINA 4. PROBLEMAS NA COLUNA VERTEBRAL? Seconci-SP adquire equipamento de ponta para o tratamento de um problema que afeta grande número de trabalhadores da construção. PÁGINA 11.


CONVENÇÃO COLETIVA 2018 A reforma trabalhista do governo Temer privilegia o empresário e prejudica o trabalhador. Em nossa Convenção Coletiva, os patrões queriam tirar todas as nossas conquistas. Fizemos greve geral durante seis dias e afastamos esse perigo, garantindo:

• CAFÉ DA MANHÃ; • VALE-REFEIÇÃO, QUE SUBIU PARA R$ 21,15; • VALE-ALIMENTAÇÃO, QUE AGORA É DE R$ 300,00; • LANCHE DA TARDE; • DUAS MUDAS DE UNIFORMES; • SEGURO DE VIDA; • REPOSIÇÃO DA PERDA INFLACIONÁRIA DO PERÍODO ENTRE MAIO DE 2017 E ABRIL DE 2018: 1,69%; • A OBRIGATORIEDADE DE A EMPRESA MANTER A SAÚDE DO TRABALHADOR ATRAVÉS DO SECONCI-SP. Se somarmos todas os benefícios, temos como resultado a manutenção de mais de R$ 600,00 no bolso do trabalhador.

UNIDOS SOMOS FORTES. FORTALEÇA O SINTRACON-SP.

SEM SEGURANÇA, NÃO SE ARRISQUE NO TRABALHO! São Paulo tem mais de dez mil canteiros de obras. Trabalhar nesses canteiros é conviver com o perigo. O ambiente de trabalho é cheio de armadilhas que podem levar a acidentes às vezes fatais. Toda atenção é pouca. E o correto uso de equipamentos de proteção individuais (EPIs) é indispensável. Jamais confie na sorte. A vida é o maior patrimônio do trabalhador. Se você, companheiro, sentir insegurança para executar sua função, não a faça, mesmo que obrigado a isso por seu chefe. Qualquer situação insegura deve ser co-

municada imediatamente ao Sindicato, que tomará providências. A filosofia do nosso sindicato, o Sintracon-SP é a de acidente zero nos canteiros. Para isso faz inspeções de rotina nas obras com suas equipes de base. A maioria dos acidentes de trabalho advém do cansaço do trabalhador, que normalmente é incentivado a fazer horas extras intermináveis para ganhar um dinheiro a mais. As malditas tarefas vêm sendo combatidas pelo nosso Sindicato. É ouro de tolo. A pessoa trabalha além da conta e seu ganho não é devidamente computado no holerite.

Tarefas ganhas por fora do holerite representam perdas para efeito de 13º salário, férias, fundo de garantia e aposentadoria. As tarefas o afastam da vida familiar e de momentos de lazer, causando frustração, desatenção e acidentes terríveis. Jamais desafie os seus limites físicos e mentais. Saiba a hora de parar. Não aceite coações por parte do patrão, que só pensa em lucrar mais e mais. A construção civil é o setor que mais tem acidentes de trabalho no Brasil. A escalada das drogas que assolam a sociedade também é responsável direta por mortes e mutilações.

Afaste-se das drogas. Jamais dê o primeiro passo em direção a elas. Fuja do vício. Não entre nessa areia movediça que acaba com a família, a autoestima e a vida. Qualquer irregularidade numa obra pode levar a ocorrências sérias, desde o meio ambiente de trabalho inadequado até à falta de pagamento e o não fornecimento de benefícios conquistados. Trabalhadores que se sentem prejudicados devem procurar o Sindicato que, através do diálogo ou greve, resolverá as questões. Respeite, sempre, as orientações dos técnicos de segurança!


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

3

EDITORIAL CRESCE NO SINDICALISMO REPÚDIO A DESVIOS

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de São Paulo / Fundação em 16 de junho de 1936 / Adaptado ao Decreto - Lei 1.402 – por carta de maio de 1941. Sede: Rua Conde de Sarzedas, 286, Centro – São Paulo – SP CEP 01512-000 – Fone: 3388-4800 – Fax: 3207-4921 Internet: www.sintraconsp.org.br E-mail: sintraconsp@sintraconsp.org.br Base territorial: Município de São Paulo, Itapecerica da Serra, Taboão da Serra, Embú das Artes, Embú-Guaçu, Franco da Rocha, Mairiporã, Caieiras, Juquitiba, Francisco Morato e São Lourenço da Serra. Representantes: Categoria Profissionais de Trabalhadores do Ramo da Construção Civil, Ladrilhos Hidráulicos e Produtos de Cimento, Cerâmica para Construção, Pinturas, Decorações, Estuques, Ornatos, Artefatos de Cimento Armado, Instalações Elétricas, Ofíciais Eletricistas, Gás, Hidráulicas, Sanitárias, Montagens Industriais e Engenharia Consultiva. Diretoria Executiva Presidente Licenciado: Antonio de Sousa Ramalho Secretário Geral: Antonio de Freitas Pereira 1° Secretário: Antonio de Sousa Ramalho Junior 2º Secretário Licenciado: Atevaldo Vieira Leitão Tesoureiro Geral: Wilson Florentino de Paula 1º Tesoureiro: Sueli Ramos de Lira 2º Tesoureiro: José Pedro dos Santos Diretoria de Base Ezequiel Barbosa de Sales Josileide Neri de Oliveira João Rodrigues de Araujo Raimundo Nonato dos Santos Damião Antonio de Oliveira Conselho Fiscal Oswaldo de Oliveira Souza Cláudio Aureliano Moreira Francisco de Andrade Coelho Suplentes: José Luiz do Nascimento José Geraldo Martins Miguel Machado Pereira Delegados da Federação Antonio de Sousa Ramalho (Licenciado) Antonio de Freitas Pereira Suplentes: Manoel Teixeira de Carvalho Francisco de Assis Pereira Lima Conselho de Redação Antonio de Sousa Ramalho (Licenciado) Arnaldo Jubelini Jr. – MTB 12.597 Jornalista Responsável: Arnaldo Jubelini Jr. – MTB 12.597 Assistente de Redação: César Rota Diagramação: Beatriz Salazar Fotografia: Arquivos SINTRACON-SP e Claudinei Bitman Impressão: Mix Editora – Tiragem: 150 mil exemplares

DE RECURSOS PARA SISTEMA PATRONAL

O

sindicalismo reage, com indignação, ao repasse de verbas da qualificação dos trabalhadores para financiar entidades patronais. O repúdio se justifica porque o governo, que destina recursos a entidades do patronato, é o mesmo que bancou a reforma trabalhista, atacando duramente o sindicalismo classista e cortando seu custeio. Entidades de trabalhadores estudam recorrer à Justiça. A Força Sindical publicou nota, logo após a matéria no “Estado de S. Paulo”, na qual o jornal mostra que Temer emitiu decreto para financiar entidades do setor agrícola, utilizando recursos da qualificação profissional.

FOTO: MARCOS SANTOS/USP IMAGENS

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL EDIÇÃO 299 – SETEMBRO 2018

Posição do Sintracon-SP Nós, do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Paulo (SintraconSP), julgamos a parcialidade absurda, pois mostra, na prática, que o governo está disposto a garantir recursos para entidades patronais e deixar o sindicalismo sem o custeio que vem da base. Para o patronato, pode tudo, para os trabalhadores, nada. Esse dinheiro está sendo retirado do investimento em qualificação dos trabalhadores. Uma imoralidade!

RELATÓRIO MENSAL DO DEPARTAMENTO DE BASE PRODUTIVIDADE

AGOSTO

Total de dias trabalhados

23 dias

Visitas em Canteiros de Obra

594

Greves

07*

Assembleias

207

Atendimentos na Base

545

Reuniões com Empresas

71

* Greves = 5 parcias + 2 totais


4

SINTRACON-SP | SETEMBRO DE 2018

PRÊMIOS DE R$ 2 MIL SÃO SORTEADOS A TRABALHADORES EM CANTEIROS DE OBRAS

O

s diretores do Sintracon-SP compareceram nesta segunda-feira, 20, nos canteiros de obras da capital para realizar um sorteio com os sócios do sindicato. Os nomes sorteados ganharam um cheque de R$ 2 mil, através de uma parceria entre a Costa e Parra – Corretora de Seguros e o Sintracon-SP. O presidente em exercício do Sintracon-SP parabenizou os trabalhadores que foram escolhidos: “Fico feliz por eles (ganhadores) e por suas famílias. Este é um novo programa da nossa entidade, nos próximos dias vamos realizar outros sorteios. Parabéns aos vencedores”. O diretor João Rodrigues sorteou o Eudenilson Dias Brandão, funcionário da Engecap Three Construção Eirelli, que atualmente exerce suas funções na obra da Even, no Campo Belo. Wilson Florentino de Paula, também

FOTOS: ASSESSORIA DE BASE/SINTRACON-SP

diretor da entidade, sorteou Carlos de Matos Lopes, que trabalha na Sanhidrel Engekit Instalações e Comércio, na obra da Tegra, na Pompéia. A diretora Josileide Neri de Oliveira, na região da zona leste de São Paulo, sorteou Marcos Santos de Morais, funcionário da MRV Construções, na obra da própria construtora, localizada em Guaianazes. Já o último ganhador, Antonio Rodrigues Nascimento, recebeu o cheque das mãos do diretor Francisco de Assis Pereira Lima. Antonio, assim como Marcos, trabalha na MRV, mas em Pirituba. Os coordenadores da base do Sintracon-SP, Custódio e Fábio, ao lado da gerente do departamento, Ana Paula Goffi, deram o suporte necessário aos diretores para que houvesse a organização e a logística correta no sorteio. O ganhador Antonio Rodrigues (esq.) ao lado do diretor Franscisco de Assis

Eudenilson Dias (dir.) com o diretor João Rodrigues Marcos Santos recebe cheque da diretora Josileide

Carlos Lopes (dir.) acompanhado do diretor Wilson

CURSO DE PORTARIA E CONTROLADOR DE ACESSO NO SINDICATO Conteúdo: Legislação condominial; Constituição Federal; Código Civil; Leis Especiais; Convenções e Regimento Condominial; Prevenção a Furtos e Roubos, além de outros detalhes. Quem fez o curso está apto a trabalhar em: – Condomínios – Empresas – Consultórios – Hospitais As apostilas foram entregues gratuitamente. E, ao final, o aluno ganhou um certificado no término da aula.

FOTO: REPRODUÇÃO/PIXABAY

Numa realização do Projeto APAM (Ajudando Pessoas, Ajudando o Mundo) e do nosso sindicato, o Sintracon-SP, foi realizado, em agosto, o curso de Portaria e Controlador de Acesso. As vagas foram limitadas em até 300 pessoas e as inscrições obedeceram a uma ordem de chegada. O curso teve duração de um dia. Se as vagas acabassem, a inscrição da pessoa ficaria reservada para o dia seguinte. O palco do evento foi o auditório do Sintracon-SP, localizado na Rua Conde de Sarzedas, número 286, região central de São Paulo.


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

5

BENEFÍCIOS SOMENTE PARA ASSOCIADOS DO SINDICATO, CONFIRMA MPT FOTO: ASSESSORIA DE IMPRENSA/SINTRACON-SP

O

sindicato nunca foi tão importante. Estamos vivendo num governo neoliberal, de capitalismo selvagem, onde o patrão pode tudo e o trabalhador, nada. Há perto de 28 milhões de pessoas desempregadas ou subempregadas, com salários achatados por um processo de terceirização de serviços desenfreado. Portanto, cada um de nós deve fortalecer a sua categoria, evitando individualismos que, no momento, expõe o profissional a

aventuras mal- sucedidas. Com a reforma trabalhista, sindicatos e centrais sindicais perderam até 90% de orçamento. A homologação pode ser feita sob o ar condicionado da sala do patrão, onde injustiças de todos os tipos podem acontecer. Com isso, a classe trabalhadora, sem defesa institucional, corre o risco de deixar de ser classe. O Sintracon-SP é de opinião que quem não participa da luta pelo desenvolvimen-

to de seu sindicato também não deveria receber benefícios obtidos em Convenção Coletiva de Trabalho. Aliás, em decisão recente, a Procuradoria Regional do Trabalho da 1ª Região confirma: “sob à luz da Lei 13.467/2017 (nova lei trabalhista), benefícios como vale-alimentação, vale-transporte, PLR, reajuste salarial, dentre outros, somente farão jus aos empregados que contribuem ao sindicato”.

Vale ressaltar que a nova legislação não alterou o artigo 513 da CLT, que diz que cabe aos sindicatos impor, através de assembleia, contribuições para todos aqueles que participam da categoria representada. A questão é menos financeira e mais política. Para o Sintracon-SP, não se pode deixar o patrão fazer o que bem entender com seus recursos humanos, como se eles não passassem de marionetes.

O PORQUÊ DE SER SINDICALIZADO! por ambientes seguros de trabalho, pelo cumprimento das convenções ou acordos coletivos, e pelas demandas oriundas da relação capital e trabalho, sejam elas coletivas ou individuais. São os sindicatos que mobilizam o conjunto dos trabalhadores de uma determinada empresa, de um determinado setor ou de toda uma categoria, expõem contrapropostas de acordos baseados nas informações de seus setores jurídicos, discutem com os representantes patronais e organizam paralisações quando se fizer necessário. O desejo dos nossos dirigentes, em Brasília – com o total apoio do empresariado, diga-se de passagem –, em acabar com a contribuição sindical, a forma mais efetiva de sustentação do funcionamento de uma entidade sindical, é a de enfraque-

cer o movimento sindical como um todo, e as bandeiras por ele defendidas, deixando os trabalhadores à mercê da “rapinagem” patronal e com seu poder de defesa totalmente imobilizado e sem sincronia. A única forma de seguirmos lutando e conquistando é tendo os trabalhadores do nosso lado, imbuídos de um mesmo ideal de luta e firmes para defender aquilo que é nosso: nossos empregos, nossos direitos, nossas conquistas e o sustento de nossas famílias. Os trabalhadores, sem um sindicato atuante ao seu lado, são presas fáceis para os maus patrões. Mas seguimos acreditando que este dia não chegará, pois nós, unidos, mobilizados e organizados, não permitiremos que tal fato aconteça. Miguel Torres Presidente interino da Força Sindical

FOTO: JAÉLCIO SANTANA

No atual período que o País vivencia, de crise econômica, social e política, de desemprego e insegurança, de salários achatados, produção tímida e consumo inibido, juros ainda altos e crédito caro, de supressão de direitos trabalhistas e previdenciários, de educação precária e um sistema de saúde moribundo, de falta de moradias e de infraestrutura, de violência incontida e de tantas outras mazelas que penalizam a vida de todos os trabalhadores brasileiros, mais clara fica a importância de um sindicato atuante e representativo e de trabalhadores sindicalizados. Apesar de não ser obrigatório, sindicalizar-se é um direito do trabalhador. São os sindicatos os legítimos representantes dos trabalhadores junto às empresas e ao governo na luta por reajustes salariais, pela manutenção e ampliação de direitos,

Miguel Torres


6

SINTRACON-SP | SETEMBRO DE 2018

POR QUE O GOVERNO DEVE

INVESTIR NA CONSTRUÇÃO CIVIL? FOTO: REPRODUÇÃO

• O custo é pouco, ou quase nada, mas • De 2006 a 2007, com o Programa de o resultado em termos de emprego e Aceleração do Crescimento (PAC), a construção civil foi aquecida, chegando desenvolvimento é enorme. a 3,09 milhões de empregos. • A influência do setor para o PIB brasileiro é fundamental. Em 2017, por • Segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC), o Minha exemplo, o Produto Interno Bruto (PIB) Casa gera 450 mil empregos diretos da construção (0,5%) acabou puxando o PIB nacional para baixo, mesmo após e tem a capacidade de agregar empregos em 62 segmentos da sua alta (1,0%). economia. • Quando o governo cria programas de estímulo à construção, • Como resultado da queda do investimento da caderneta de poupança, houimediatamente o setor responde com ve perda de 980 mil empregos, diretos a geração de empregos para a sociedae indiretos. de brasileira.

• Em 2017, o governo brasileiro investiu • Aprovação da Lei de Licenciana construção 1,4% do PIB. O percenmento Ambiental. tual ideal seria 5%. Assim sendo, dei• A Lei de Abuso do Poder. xou-se de criar 1,7 milhão de postos de trabalho. • A Lei de Licitações. • Vale ressaltar que 0,65% do PIB Poten- • A correção de inibidores de investimencial foi perdido com obras paralisadas. to, o que poderia suprir a falta de incenCom isto, R$ 42,4 bilhões deixaram de tivo do setor público. ser aplicados. • Linha de crédito, planejamento e estímulo ao capital privado. O QUE O SETOR PRECISA PARA SE DESENVOLVER Só assim o Brasil voltará aos trilhos do • Segurança jurídica.

crescimento e diminuirá, drasticamente, o nível de desemprego.

TERCEIRIZAÇÃO, UM CÂNCER NAS

RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO As relações entre capital e trabalho no Brasil nunca estiveram tão desiguais. Com a reforma trabalhista de Temer, o capital manda. E não há possibilidade de harmonia quando o empresariado detém um arsenal nuclear enquanto quem efetivamente produz, que é o trabalhador, foi rebaixado à idade da pedra lascada. Para o nosso sindicato, o Sintracon-SP, um exemplo de tanta fragilidade é a flexibilização das regras de terceirização implementada pela reforma. Participantes de uma Audiência Pública realizada pela Subcomissão Temporária no Estatuto do Trabalho, chegou à conclusão de que tal prática

prejudica o profissional. A reunião fez parte de um ciclo de debates proposto pelo senador Paulo Paim (PT-RS), para quem a iniciativa governamental desregulamenta a terceirização e gera um efeito negativo nas relações de trabalho, inclusive na média salarial. Paim está coberto de razão, pois os novos contratados recebem remunerações menores até que o salário mínimo, avalia o Sintracon-SP. Como podemos retomar o consumo e reforçar a política de emprego se a renda da população diminui cada vez mais?”, indagou Paim, que traduz, com exatidão, o nosso pensamento.

FOTO: REPRODUÇÃO


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

7

O GRAVE CENÁRIO DOS ACIDENTES DO TRABALHO FOTO: REPRODUÇÃO

O

s números sobre acidente do trabalho no Brasil são alarmantes. Dados do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho do Ministério Público do Trabalho (MPT) revelam que o país registrou cerca de 4,26 milhões de acidentes de trabalho de 2012 até o último dia 3

de agosto. A categoria dos trabalhadores da Construção Civil é uma das mais afetadas por ocorrências no ambiente de trabalho que, ou matam ou mutilam pessoas. Nosso sindicato, o Sintracon-SP, não pode admitir que, no Brasil, haja um acidente a cada

48 segundos nos mais diversos segmentos produtivos. O Sintracon-SP acredita que são necessárias políticas imediatas e mais efetivas de prevenção de acidente nas atividades profissionais, pois os reflexos para os cofres públicos são alarmantes: cerca de R$ 28,81

bilhões foram gastos de 2012 até agora com benefícios acidentários, que incluem auxílio-doença, aposentadoria por invalidez, pensão por morte e auxílio-acidente. Significa que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) gasta R$ 1,00 a cada sete milésimo de segundos com acidentes no país.

SINDICATOS ENFRENTAM IMPASSES PARA FECHAR NEGOCIAÇÕES No primeiro semestre do ano, a quantidade de convenções coletivas de trabalho acertadas recuou em 45,2%, na comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo um levantamento da Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (Fipe). No mesmo período, os acordos recuaram 34%. Graças à malfadada reforma trabalhista do Temer, os patrões estão fazendo o que bem entendem com os trabalhadores. Querem, inclusive, retirar conquistas anteriores obtidas pelos sindicatos de diversas categorias. Com isso, tudo fica mais difícil. As questões econômicas estão prejudicadas

FOTO: REPRODUÇÃO

pela crise desenfreada. Os patrões insistem em demitir funcionários com carteira assinada e recontratar contingente na informalidade. E, com tanta prepotência,

tre, até o fim do ano, vão encarar um ambiente adverso para conseguir fechar as convenções coletivas nas primeiras discussões sob a validade da nova legislação trabalhista. A reforma trabalhista, feita goela abaixo dos trabalhadores, permite tudo em prol das elites e nada a favor da classe trabalhadora. Tal filosofia de governo precisa mudar o quanto antes. Caso contrário, o percentual de desemprego aumentará ainda mais sindicato que se preze não pode aceitar e salários e benefícios serão permanentemente vilipendiados. determinadas imposições. Os grandes sindicatos que sentam à Sintracon-SP mesa de negociação no segundo semes-


8

SINTRACON-SP | SETEMBRO DE 2018

MEGASIPAT DA CONSTRUÇÃO TEM

SHOW DE SEGURANÇA E PREVENÇÃO O maior evento anual de Saúde e Segurança do Trabalho da construção paulista começou em 10 de agosto. A atuação profissional, no setor, é por vezes hostil e perigosa. O Sintracon-SP, sabe muito bem a importância de tal evento, organizado pelo SindusCon-SP em parceria com o Seconci-SP. A melhor forma de impedir acidentes de trabalho é a conscientização, o que nosso Sindicato, tem como prioridade absoluta. Melhor prevenir do que remediar. Na ocasião, a equipe do Seconci-SP foi responsável pela realização de exames preventivos – acuidade visual, glicemia e pressão arterial – e pelo Quiz Saúde, uma

FOTO: FACEBOOK/SENAI CONSTRUÇÃO CIVIL

dinâmica que orienta sobre temas como higiene pessoal e geral; drogas lícitas e ilícitas; doenças sexualmente transmissíveis; saúde do homem, da mulher e saúde mental. O presidente do Seconci-SP e vice-presidente de Relações Capital-Trabalho e Responsabilidade Social do SindusCon-SP, Haruo Ishikawa, destacou que “cuidar da saúde e da segurança dos trabalhadores da construção deve ser visto pelas empresas como investimento e não despesa.” A opinião é compartilhada pelo Sintracon-SP, pois o maior patrimônio de uma empresa deve ser, sempre, os seus recursos humanos.

GOVERNO ELEVA VALOR DO IMÓVEL COMPRADO COM O FGTS PARA R$ 1,5 MILHÃO O pacote de medidas anunciado pelo governo federal para estimular a compra da casa própria foi amplamente divulgado pela imprensa. Ouvido pelo jornal O Globo, o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, destacou que o pacote de medidas vai beneficiar principalmente a classe média. Segundo o executivo, tanto o setor da construção quanto os consumidores saem ganhando com as novas regras, já que há potencial para reduzir o custo dos financiamentos. Dentre as medidas, a de que os trabalhadores com saldo no Fun-

FOTO: REPRODUÇÃO

do de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) poderão financiar imóvel de até R$ 1,5 milhão em todo o país. Além disso, o governo mudou normas para obrigar os bancos a usarem os recursos depositados na caderneta de poupança para financiamento imobiliário e criou uma forma de incentivar que as instituições financiem imóveis de até R$ 500 mil. Aprovadas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), as novas regras passarão a valer a partir de 1º de janeiro de 2019 e devem colocar R$ 80 bilhões em novos empréstimos ao logo dos próximos seis anos.

CMN APROVA MEDIDAS DE ESTÍMULO AO MERCADO IMOBILIÁRIO O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, anunciou um conjunto de medidas para reaquecer o mercado imobiliário nacional e estimular a geração de empregos no setor da construção. As medidas traduzem demandas antigas do setor, que mobilizam a agenda estratégica da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) há mais de 18 meses, com o apoio do nosso sindicato, o Sintracon-SP. Desse diálogo, resultaram novas re-

FOTO: REPRODUÇÃO

gras para o direcionamento dos recursos da caderneta de poupança, uma das principais fontes de financiamento do mercado imobiliário. As medidas entram em vigor no dia 1º de janeiro de 2019, prazo necessário para que as instituições e demais agentes financeiros promovam os ajustes operacionais necessários à sua implementação, e que o setor da construção e os mutuários familiarizem-se com a nova estrutura e suas repercussões.


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

BASTA AO SOFRIMENTO DO POVO BRASILEIRO

O P

O

9

FOTO: JAÉLCIO SANTANA

ara nosso sindicato, o Sintracon-SP, não dá para a classe trabalhadora continuar vivendo sob o guarda-chuva de maldades aberto pelo neoliberalismo do governo de Michel Temer, que, nos últimos anos, aumentou o número de desempregados no País e, através de reformas, privilegiou elites em detrimento do povo brasileiro. Se somarmos o número de pessoas fora do mercado com o dos que procuram sobreviver no subemprego, não há dúvidas: cerca de 28 milhões estão sem emprego. A maioria tem família. Portanto, se multiplicarmos por cinco (família padrão), o número alcança os 140 milhões de adultos, idosos e crianças, cujo prato de comi- Juruna, secretário-geral da Força Sindical, durante ato em frente a FIESP da está vazio. Diante do catastrófico fato, as centrais País, em defesa do emprego, aposentadoNa Capital paulista, cerca de 10 mil sindicais promoveram atos, por todo o ria e direitos trabalhistas. pessoas e diferentes categorias profissio-

nais estiveram concentrados em frente ao prédio da Fiesp. Milhares fizeram passeatas nas mais diversas regiões do País. Vale ressaltar que as centrais conceberam uma Agenda Prioritária, documento composto por 22 reivindicações, pelas quais o movimento sindical vem lutando. O governo, ao que tudo indica, deu de ombros. “Precisamos ter consciência de que, nas próximas eleições, é necessário votar em candidatos comprometidos com os trabalhadores”, afirmou João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força. O Sintracon-SP, concorda. Afinal, o número de parlamentares que defendem os interesses da classe trabalhadora é muito pequeno, sem condições de fazer frente ao grupo de políticos que vota a favor do atual governo.

POR UMA LEI MARIA DA PENHA MAIS RIGOROSA A Lei Maria da Penha, que completou 12 anos, é fruto de uma luta histórica das mulheres. Um dos grandes papéis do sindicalismo contemporâneo é a luta contra a violência de gênero tanto na vida como no mundo do trabalho. A violência contra a mulher é um grave problema social, que se tornou uma questão de saúde pública. Portanto, deve ser enfrentada pelo conjunto da sociedade, como um problema político, social e coletivo. Vários estudos apontam que os custos sociais e econômicos da violência contra

as mulheres são enormes. Mesmo com todo o aparato da Lei Maria da Penha, o número de casos de violência doméstica registrados no Brasil aumentou em 2017, segundo estudo divulgado pelo Departamento de Pesquisas Judiciárias do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Defendemos rigor ainda maior na Lei, pois o assunto é de extrema importância para que o Brasil se democratize cada vez mais, com justiça e igualdade para todos. Sintracon-SP

CBIC REALIZA O DIA NACIONAL DA CONSTRUÇÃO SOCIAL Festa. No último 18 de agosto foi comemorado, em todo o País, o Dia Nacional da Construção Civil. O evento, de iniciativa da CBIC, teve por objetivo unir, numa grande corrente, empresários e trabalhadores do setor. Houve lazer e mais de 33 mil atendimentos médicos. A iniciativa deste ano levou, para todo o Brasil, a campanha “O Futuro dos Nossos Filhos”. Nosso sindicato, o Sintracon-SP, apoia iniciativas do gênero, es-

FOTO: REPRODUÇÃO

pecialmente porque, na ocasião, foi possível realizar aferição da pressão, exame de palpação das mamas, exames rápidos de Hepatite C e Sífilis e teste de acuidade visual. Também foram oferecidas informações sobre Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) e sobre o câncer de mama. Na Unidade Móvel Odontológica, os trabalhadores puderam fazer uma limpeza de dentes completa.

FOTO: CBIC


10

SINTRACON-SP | SETEMBRO DE 2018

60% DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES

SÃO POBRES NO BRASIL, DIZ UNICEF

FOTO: REPRODUÇÃO/PEXELS

O

estudo inédito “Pobreza na Infância e Adolescência”, elaborado pelo Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) revela que em cada 10 crianças e adolescentes brasileiros seis vivem em situação de pobreza no Brasil, totalizando 32 milhões de jovens (ou 61% dos 53 milhões que for-

mam a população brasileira com menos de 18 anos). Para a elaboração da pesquisa, que tem por fonte dados oficiais da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) 2015, do IBGE, o Unicef considerou “que a pobreza na infância e adolescência ultrapassa a falta de di-

nheiro e precisa levar necessariamente em conta outros fatores, os quais influenciam para rebaixar a qualidade de vida. Vive em pobreza monetária, segundo o fundo, a criança ou adolescente de família com renda inferior a R$ 346,00 por pessoa por mês na zona urbana e

R$ 269,00 na zona rural. Então, conforme o Unicef, os 32 milhões de crianças e adolescentes em condição de pobreza estão assim porque são monetariamente pobres e/ou estão privados de um ou mais direitos básicos. Lá vem o Brasil, descendo a ladeira.

FALTA TRABALHO PARA 27,6 MILHÕES DE PESSOAS NO PAÍS, APONTA IBGE No segundo trimestre de 2018, faltou trabalho para 27,6 milhões de pessoas no Brasil. A chamada taxa de subutilização da força de trabalho foi de 24,6%, segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Tais números não pegam de surpresa o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Paulo (Sintracon-SP), que a bons pares de anos vem denun-

ciando as causas da política neoliberal de Michel Temer. O número de desalentados (que desistiram de procurar emprego) chegou a 4,8 milhões de pessoas de 14 anos ou mais de idade, resultado superior ao do 1º trimestre de 2018 (4,6 milhões) e do 2º trimestre de 2017 (4 milhões de pessoas). Esse foi o maior contingente de desalentados desde 2012, quando a pesquisa começou a ser feita.

FOTO: MARCOS SANTOS/USP IMAGENS


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

11

SECONCI-SP INOVA NA ÁREA DE FISIOTERAPIA Novo equipamento adquirido pela entidade é um dos últimos lançamentos para o tratamento de problemas na coluna vertebral FOTO: REPRODUÇÃO/SINDUSCON-SP

L

evantamentos realizados pelo Iepac (Instituto de Ensino e Pesquisa Armênio Crestana), do Seconci-SP (Serviço Social da Construção), entre os anos de 2012 e 2017, apontam as dores nas costas, juntas e inflamações (ombro, juntas e tendão) como os principais responsáveis pelo afastamento de trabalhadores de suas atividades laborais. Somente no ano passado, de acordo com a pesquisa, estes fatores responderam por cerca de 30% das ausências no trabalho. Já dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) indicam que até 80% da população mundial sofre com dores na coluna. Diante deste cenário, inúmeros estudos têm sido feitos para modernizar e melhorar o tratamento das patologias que atingem a coluna vertebral. E a mesa de tração computadorizada recém adquirida pelo Seconci-SP é uma das últimas inovações do segmento. A supervisora de Fisioterapia da entidade, Elaine Almeida Medeiros, explica que a mesa colocará o tratamento dos trabalhadores que sofrem com problemas na coluna vertebral em um novo patamar. “Estamos falando de um equipamento computadorizado, que contribuirá para uma reabilitação mais assertiva e menos dolorosa”, diz. O equipamento, de fabricação norte-americana, é uma mesa que possui unidade de tração automática - computadorizada - e que promove uma força de

FOTO: ASSESSORIA DE IMPRENSA/SECONCI-SP

descompressão no eixo axial da coluna vertebral do paciente. Funciona através de mecanismo de deslizamento com molas, onde o paciente encontra-se sobre a mesa, garantindo uma progressão segura,

suave, confortável e precisa no processo de aplicação e retirada da carga de tração. O dr. Antonio Hideo Okumura, ortopedista do Seconci-SP, comenta que “outra vantagem deste equipamento é que já

vem pré-programado de fábrica com alguns protocolos específicos para as patologias que mais atingem os trabalhadores, como espondilose (artrose), espondilolistese, discopatia cervical ou lombar (hérnia de disco), dores musculares e neuropatias (inflamação do nervo)”. Elaine ressalta que a mesa possui também a opção de regulagem de tempo, carga e tipo de tração estática ou dinâmica. “Isso é muito importante porque, dependendo do problema do paciente, intensidade da dor e tipo físico, a aplicação gradual da força e velocidade de descompressão é fundamental para que o usuário consiga realizar o tratamento”. A supervisora explica ainda que, geralmente, são realizadas dez sessões com esse equipamento. Porém, de acordo com a especialista, é importante destacar que a mesa será importante aliada no tratamento das patologias que atingem a coluna cervical e lombar, mas sempre será utilizada associada a outras técnicas, como o alongamento e o fortalecimento, mediante os demais equipamentos já utilizados na área de fisioterapia da entidade. Os tratamentos dos problemas na coluna são realizados em conjunto entre as áreas de Ortopedia e Fisioterapia. “Recebemos o paciente e realizamos uma avaliação clínica para verificar a situação e a melhor forma de resolvê-la. Em virtude dos avanços médicos e tecnológicos, são cada vez mais raros os casos em que precisamos recomendar intervenções cirúrgicas”, conclui o dr. Okumura.


12

SINTRACON-SP | SETEMBRO DE 2018

BRASIL TEM 38 MILHÕES DE ANALFABETOS FUNCIONAIS A Educação é prioritária para um País que se quer democrático e justo. Todavia, segundo nosso sindicato, o Sintracon-SP, os últimos governantes, que compuseram a chapa do Partido dos Trabalhadores, o PT, utilizaram a contramão da verdade. Isso porque, segundo dados do Ibope Inteligência (desenvolvido pela ONG Ação Educativa e pelo Instituto Paulo Montenegro), três em cada dez jovens e adultos e adultos de 15 a 64 anos no País (29% do total, o equivalente a cerca de 38 milhões de pessoas) são considerados analfabetos funcionais. Antes de tal período, o número era menor, ou seja, 27%.

REDE DE BENEFÍCIOS PARA OS ASSOCIADOS

O analfabeto funcional tem muita dificuldade de entender e se expressar por meio de letras e números em situações cotidianas, como fazer contas de uma pequena compra ou identificar as principais informações em um cartaz de vacinação. Há dez anos, a taxa de brasileiros nessa situação está estagnada, demonstrando que os petistas não são tão preocupados com o social como pregam. Em quase 16 anos de poder, o governo do PT estagnou e decresceu o número de analfabetos funcionais. Talvez de propósito, transformando Bolsa Família em solução de vida.

MORRE AOS 79 ANOS SERGIO MAUAD, UM HOMEM DE BEM A perda de Sergio Mauad, no dia 18 de agosto, vítima de um AVC (Acidente Vascular Cerebral), deixa um grande vácuo, não só no setor da construção civil como no que diz respeito à boa prática política e social do Brasil. Ele tinha 79 anos e deixou esposa, Dona Maria Mauad, dois filhos e um neto, a quem fazemos questão de deixar nossa palavra de consolo. Mauad era um homem de visão que, como poucos, lutava pelo equilíbrio das relações entre o capital e o trabalho. Engenheiro civil, defendia a livre iniciativa e o direito à propriedade. Foi deputado federal tendo honrosamente contribuído com a Constituição de 1988 e, ainda, na

concepção de textos como a Lei do Inquilinato. Entre suas obras de nítido caráter social, destaca-se o projeto Ampliar, instituição que há 27 anos trabalha na formação e na profissionalização de jovens em situação de vulnerabilidade social. Ex-presidente do Secovi-SP, Sergio Mauad trabalhou ainda como conselheiro do Capítulo Brasileiro da Fiabci - Federação Internacional das Profissões Imobiliárias. Geria também uma empresa com as iniciais do seu nome, a SMDI - Consultoria e Desenvolvimento Imobiliário, focada na viabilização de negócios imobiliários. Sintracon-SP FOTO: DIVULGAÇÃO

SÓCIOS TÊM

10% DE

DESCONTO

NA ENTRADA DO AQUÁRIO DE SÃO PAULO Para adquirir o desconto, o sócio precisa entrar no site www.aquariodesp. com.br/sintraconsp; depois inserir a senha (E0407V) - tudo em letra maiúscula - e seguir as etapas abaixo para realizar a compra: - Selecionar os ingressos desejados; - Marcar a data e o horário; - Realizar o pagamento via cartão; - Imprimir o voucher e o levar para o evento junto com sua carteirinha de sócio do Sintracon-SP. Se o titular da compra não estiver

presente no evento, o visitante deverá levar consigo: - Uma cópia do documento de identificação do titular da compra; - Uma autorização por escrito (de próprio punho) do proprietário do cartão; - Uma cópia do cartão de crédito que foi usado. No caso dos funcionários do sindicato, é fundamental a apresentação do crachá da entidade na entrada do evento. Não é possível agendar o voucher para o mesmo dia e não há desconto direto na bilheteria.


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

Oportunidade imperdível para sócios, dependentes e funcionários do Sintracon-SP

55% A 65%

DE DESCONTO EM

BOLSAS DE ESTUDO Para mais informações: (11) 3388-4800 - Ramal 4313 (Thiago) http://www.ibirapuera.br/

13


14

SINTRACON-SP | SETEMBRO DE 2018

SINTRACON-SP INVESTINDO NA QUALIFICAÇÃO DO TRABALHADOR!

Eletricista NR 10 Pedreiro Azulejista SÓCIO DO SINTRACON-SP, INSCREVA-SE AGORA MESMO!

VOCÊ QUE AINDA NÃO É SÓCIO, INFORME-SE!

Rua Conde de Sarzedas, 286 - Centro São Paulo - SP - Fone (11) 3388-4800 sintraconsp@sintraconsp.org.br www.sintraconsp.org.br

ATENCÃO, ASSOCIADOS DO SINDICATO!!! A REFORMA TRABALHISTA PASSOU E O DESEMPREGO AUMENTOU!!!

FIQUEM ATENTOS!!!

Entregue seu currículo, no 1º andar – Departamento de Base – Setor de Fidelização e Recolocação Profissional – aos cuidados do nosso funcionário Thiago. Encaminharemos seu currículo para as empresas que necessitam de mão de obra.

Caso já possua um currículo, envie no e-mail abaixo: thiago.boz@sintraconsp.org.br

SINTRACON-SP – Ao Lado do Trabalhador que Constrói o País!!!

Filiado à

DIÁRIA NÃO SÓCIOS

DIÁRIA SÓCIOS

FICOU DESEMPREGADO? CONHECE ALGUÉM NESSA SITUAÇÃO?


CLUBE DE CAMPO DO CIPÓ Diversão Garantida para toda a Família!

Pensando no associado, o Sintracon-SP tem o Clube de Campo do Cipó, em Embu-Guaçu, São Paulo O clube possui quadra poliesportiva, quadra de bocha, churrasqueiras, campo de futebol e muito mais. No local há dez chalés, cada um com capacidade para receber até seis pessoas.

O associado deve providenciar: • Alimentação • Transporte • Roupa de Cama • Valores

ÁREAS DE LAZER Atualmente as áreas de lazer estão passando por reformas para melhor atender as necessidades dos sócios. Contudo, alguns espaços estão disponíveis, tais como: campo de futebol, quadra de bocha, área verde, salão de jogos e as piscinas.

SERVIÇO O Clube de Campo do Cipó, localizado na cidade de Embu-Guaçu - interior do Estado de São Paulo, oferece toda essa comodidade por R$ 100,00 a diária. Para mais informações, ligue: (11) 3388-4800 (ramal 4102).

COLÔNIA DE FÉRIAS EM ITANHAÉM Para você, associado, que deseja se divertir junto a seus familiares, o nosso Sindicato tem a Colônia de Férias, na cidade de Itanhaém, no litoral sul. Paz, sossego e tranquilidade. Além de magníficas praias, são pontos turísticos famosos:

DIÁRIA NÃO SÓCIOS

DIÁRIA SÓCIOS

• Cama de Anchieta • Morro de Pernambuco • Convento Nossa Senhora de Conceição • Gruta Nossa Senhora de Lourdes

110 ,00

Apartamento para 6 Pessoas

160,00

Apartamento para 6 Pessoas

Apartamento para 4 Pessoas

R$

Apartamento para 4 Pessoas

R$

São disponibilizados dois tipos de apartamentos: com capacidade para quatro pessoas e instalações para receber até seis pessoas. Agendamento prévio através do telefone (11) 3388.4800 (ramal 4292) - após isso é necessário comparecer ao Sindicato (Rua Conde de Sarzedas, 286, Centro) com o RG original ou cópia do documento de identidade dos hóspedes. Os valores são cobrados pelos dias que o sócio se hospedar, sendo que o sócio deve estar em dia com as mensalidades.

R$

R$

140 ,00

200,00

OBS: Pulseira de identificação R$ 1,00 cada adulto e cada criança. Valores sujeitos a alterações. Trazer documentos de identificação com foto original ou xerox de todos os hospedes.

RESERVAS E INFORMAÇÕES: SEGUNDA A QUINTA: 7HS ÀS 17HS | SEXTA: 7HS ÀS 16HS FONE: (11) 3388-4800 (RAMAL 4102)

A 200 METROS DE DISTÂNCIA DA PRAIA


CONHEÇA O CARTÃO AMIGO DO TRABALHADOR E APROVEITE AS VANTAGENS! É um benefício exclusivo para nossos sócios Conheça os benefícios: • Descontos em estabelecimentos comerciais e de ensino; • Sorteios semanais de R$ 2.000,00; (muitos companheiros já ganharam, você pode ser o próximo)

CARTÃO AMIGO DO

TRABALHADOR

• Seguro de R$ 1.500,00 em caso de morte acidental;

Quem tem direito aos benefícios? Todos os sócios em dia com suas mensalidades e com cadastro atualizado. Mais do que um bom negócio, o Cartão Amigo do Trabalhador é uma conquista dos trabalhadores, resultado de uma gestão moderna, transparente e eficaz do Sintracon-SP.

A maioria dos sindicatos dá carteirinha para os sócios. No Sintracon-SP, damos o Cartão Amigo do Trabalhador, cheio de benefícios.

SÃO MUITAS AS VANTAGENS DE SER SÓCIO DO SINTRACON-SP SEJA SÓCIO DO NOSSO SINDICATO E FORTALEÇA A LUTA PELOS SEUS DIREITOS O Sintracon-SP oferece, aos seus associados, assistência jurídica para tirar dúvidas, entrar com ações trabalhistas e realizar homologações. O atendimento é realizado de segunda-feira à quinta-feira, das 8h às 18h, e sexta-feira, das 8h às 17h.

CONQUISTAS NAS CONVENÇÕES COLETIVAS Aumento salarial

acima da inflação 12 anos consecutivos

Café da manhã Vale-Alimentação Lanche da tarde Dois uniformes completos Participação nos lucros das empresas

TUDO ISSO POR APENAS R$ 35,00 /MÊS

Profile for sintraconsp

A Tribuna - Setembro | 2018  

A Tribuna - Setembro | 2018  

Advertisement