{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade.

Page 1

DIREITOS DO TRABALHADOR Edição 300 Outubro 2018 SINTRACON-SP 11 3388 4800

Filiado à

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

sintraconsp.org.br sintraconsp@sintraconsp.org.br

O JORNAL DE QUEM CONSTRÓI O PAÍS

SINDICALISMO PERDE FORÇA NAS URNAS DE TODO O PAÍS FOTO: NELSON JR./ASCOM/TSE

O resultado das eleições deixou claro. O sistema, comandado pelas elites brasileiras, se interessa mesmo é em fortalecer o mercado, pouco se importando com os direitos do trabalhador. Em seus dois anos, o governo de Michel Temer jogou pesado para desconstruir a imagem do sindicalismo e das entidades de defesa de quem efetivamente constrói o País. A estratégia deu resultado. O social perdeu para o capital. Consequências: Ramalho da Construção, apesar de sua excelente atuação como deputado estadual, não foi reeleito, assim como tantos outros valores da bancada trabalhista.


CONVENÇÃO COLETIVA 2018 A reforma trabalhista do governo Temer privilegia o empresário e prejudica o trabalhador. Em nossa Convenção Coletiva, os patrões queriam tirar todas as nossas conquistas. Fizemos greve geral durante seis dias e afastamos esse perigo, garantindo:

• CAFÉ DA MANHÃ; • VALE-REFEIÇÃO, QUE SUBIU PARA R$ 21,15; • VALE-ALIMENTAÇÃO, QUE AGORA É DE R$ 300,00; • LANCHE DA TARDE; • DUAS MUDAS DE UNIFORMES; • SEGURO DE VIDA; • REPOSIÇÃO DA PERDA INFLACIONÁRIA DO PERÍODO ENTRE MAIO DE 2017 E ABRIL DE 2018: 1,69%; • A OBRIGATORIEDADE DE A EMPRESA MANTER A SAÚDE DO TRABALHADOR ATRAVÉS DO SECONCI-SP. Se somarmos todas os benefícios, temos como resultado a manutenção de mais de R$ 600,00 no bolso do trabalhador.

UNIDOS SOMOS FORTES. FORTALEÇA O SINTRACON-SP.

SEM SEGURANÇA, NÃO SE ARRISQUE NO TRABALHO! São Paulo tem mais de dez mil canteiros de obras. Trabalhar nesses canteiros é conviver com o perigo. O ambiente de trabalho é cheio de armadilhas que podem levar a acidentes às vezes fatais. Toda atenção é pouca. E o correto uso de equipamentos de proteção individuais (EPIs) é indispensável. Jamais confie na sorte. A vida é o maior patrimônio do trabalhador. Se você, companheiro, sentir insegurança para executar sua função, não a faça, mesmo que obrigado a isso por seu chefe. Qualquer situação insegura deve ser co-

municada imediatamente ao Sindicato, que tomará providências. A filosofia do nosso sindicato, o Sintracon-SP é a de acidente zero nos canteiros. Para isso faz inspeções de rotina nas obras com suas equipes de base. A maioria dos acidentes de trabalho advém do cansaço do trabalhador, que normalmente é incentivado a fazer horas extras intermináveis para ganhar um dinheiro a mais. As malditas tarefas vêm sendo combatidas pelo nosso Sindicato. É ouro de tolo. A pessoa trabalha além da conta e seu ganho não é devidamente computado no holerite.

Tarefas ganhas por fora do holerite representam perdas para efeito de 13º salário, férias, fundo de garantia e aposentadoria. As tarefas o afastam da vida familiar e de momentos de lazer, causando frustração, desatenção e acidentes terríveis. Jamais desafie os seus limites físicos e mentais. Saiba a hora de parar. Não aceite coações por parte do patrão, que só pensa em lucrar mais e mais. A construção civil é o setor que mais tem acidentes de trabalho no Brasil. A escalada das drogas que assolam a sociedade também é responsável direta por mortes e mutilações.

Afaste-se das drogas. Jamais dê o primeiro passo em direção a elas. Fuja do vício. Não entre nessa areia movediça que acaba com a família, a autoestima e a vida. Qualquer irregularidade numa obra pode levar a ocorrências sérias, desde o meio ambiente de trabalho inadequado até à falta de pagamento e o não fornecimento de benefícios conquistados. Trabalhadores que se sentem prejudicados devem procurar o Sindicato que, através do diálogo ou greve, resolverá as questões. Respeite, sempre, as orientações dos técnicos de segurança!


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

3

EDITORIAL 86% DO POVO BRASILEIRO ACEITA SALÁRIO

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de São Paulo / Fundação em 16 de junho de 1936 / Adaptado ao Decreto - Lei 1.402 – por carta de maio de 1941. Sede: Rua Conde de Sarzedas, 286, Centro – São Paulo – SP CEP 01512-000 – Fone: 3388-4800 – Fax: 3207-4921 Internet: www.sintraconsp.org.br E-mail: sintraconsp@sintraconsp.org.br Base territorial: Município de São Paulo, Itapecerica da Serra, Taboão da Serra, Embú das Artes, Embú-Guaçu, Franco da Rocha, Mairiporã, Caieiras, Juquitiba, Francisco Morato e São Lourenço da Serra. Representantes: Categoria Profissionais de Trabalhadores do Ramo da Construção Civil, Ladrilhos Hidráulicos e Produtos de Cimento, Cerâmica para Construção, Pinturas, Decorações, Estuques, Ornatos, Artefatos de Cimento Armado, Instalações Elétricas, Ofíciais Eletricistas, Gás, Hidráulicas, Sanitárias, Montagens Industriais e Engenharia Consultiva. Diretoria Executiva Presidente: Antonio de Sousa Ramalho Secretário Geral: Antonio de Freitas Pereira 1° Secretário: Antonio de Sousa Ramalho Junior 2º Secretário Licenciado: Atevaldo Vieira Leitão Tesoureiro Geral: Wilson Florentino de Paula 1º Tesoureiro: Sueli Ramos de Lira 2º Tesoureiro: José Pedro dos Santos Diretoria de Base Ezequiel Barbosa de Sales Josileide Neri de Oliveira João Rodrigues de Araujo Raimundo Nonato dos Santos Damião Antonio de Oliveira Conselho Fiscal Oswaldo de Oliveira Souza Cláudio Aureliano Moreira Francisco de Andrade Coelho Suplentes: José Luiz do Nascimento José Geraldo Martins Miguel Machado Pereira Delegados da Federação Antonio de Sousa Ramalho Antonio de Freitas Pereira Suplentes: Manoel Teixeira de Carvalho Francisco de Assis Pereira Lima Conselho de Redação Antonio de Sousa Ramalho Arnaldo Jubelini Jr. – MTB 12.597 Jornalista Responsável: Arnaldo Jubelini Jr. – MTB 12.597 Assistente de Redação: César Rota Diagramação: Beatriz Salazar Fotografia: Arquivos SINTRACON-SP e Claudinei Bitman Impressão: Mix Editora – Tiragem: 150 mil exemplares

MENOR PARA VOLTAR AO TRABALHO

A

liberdade deveria ser mais importante do que o pão. Mas, quem tem dificuldade para ter acesso a pelo menos uma das três refeições diárias, é desfibrado, sem condições de lutar por princípios básicos. Para o líder do Sintracon-SP, esta foi a aposta do governo neoliberal de Michel Temer: deixar o brasileiro sem direito algum, nem à própria dignidade. “Gente empregada, com carteira assinada, está sendo mandada embora e recontratada como pessoa jurídica. E pela metade do salário anteriormente percebido. No paredão, diante do pesado armamento patronal e da falta de opções para levar o pão para casa, pessoas que constroem o Brasil aceitam até lamber rapadura como ganho”, observa Ramalho. A opinião do sindicalista é devidamente embasada pelos resultados da 5ª edição do Índice de Confiança Robert Half, apontando que 86% dos profissionais desempregados entrevistados estão dispostos a aceitar uma proposta salarial inferior à do último emprego para voltar ao mercado de trabalho. “O comportamento retratado na pesquisa reflete a dificuldade de recolocação. As reservas financeiras vão se esgotando. Não há saída a não ser comungar com a cartilha dada ao patrão pelo

FOTO: MARCOS SANTOS/USP IMAGENS

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL EDIÇÃO 300 – OUTUBRO 2018

governo, que deveria ser do povo, para o povo e pelo povo. Esperamos que tal situação espelhe um regime de exceção. Caso contrário, só resta ao brasileiro o pires na mão”, conclui Ramalho da Construção. RAMALHO DA CONSTRUÇÃO Presidente do Sintracon-SP (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de São Paulo)

RELATÓRIO MENSAL DO DEPARTAMENTO DE BASE PRODUTIVIDADE

SETEMBRO

Total de dias trabalhados

19 dias

Visitas em Canteiros de Obra

324

Greves

05*

Assembleias

127

Atendimentos na Base

678

Reuniões com Empresas

48

* Greves = 1 parcias + 4 totais


4

SINTRACON-SP | OUTUBRO DE 2018

SÓCIOS DO SINTRACON-SP RECEBEM R$ 12 MIL ENTRE AGOSTO E SETEMBRO

P

or meio da parceria entre o Sintracon-SP e a Seguradora Costa e Parra, o sindicato sorteou, entre agosto e setembro, R$ 12 mil a sócios da entidade. O prêmio (cheque de R$ 2 mil) é destinado apenas aos trabalhadores da construção civil que possuem o Cartão Amigo do Trabalhador. Assim como no mês anterior, os diretores do sindicato entregaram pessoalmente os prêmios nos canteiros de obras. O primeiro ganhador foi o sócio Marcelo Gomes Pereira, que recebeu o cheque das mãos do diretor João Rodrigues, no dia 21 de agosto, em uma obra localizada na região da Chácara Santo Antônio. O segundo sorteio aconteceu no dia 23 de agosto. O ganhador foi o sócio Joaquim Neto de Souza, que trabalha em um canteiro localizado na Brasilândia. O diretor José Luís do Nascimento foi o responsável pelo sorteio e entregou o cheque de

FOTOS: ASSESSORIA DE BASE/SINTRACON-SP

R$ 2 mil ao Joaquim. Na terça-feira, dia 28 de agosto, foi a vez do sócio Josivaldo dos Santos de Jesus. Ele exerce suas atividades profissionais em um canteiro de obra que fica no Jardim Amaralina. O diretor Wilson Florentino de Paula foi o responsável pela entrega do cheque. O quarto ganhador foi o sócio Joaquim Araújo Silva, que trabalha no Ipiranga. Ele recebeu o prêmio das mãos do diretor Antonio de Sousa Ramalho Junior, na quinta-feira, 30 de agosto. Nivanildo do Sacramento Matos e Manuel Franca Costa, receberam os cheques das mãos dos diretores João Rodrigues e Antonio de Sousa Ramalho Junior. Para os próximos meses, os diretores do sindicato estudam esse e outros programas de assistência ao sócio do Sintracon-SP, que é trabalhador da construção civil.


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

5

M ELITE JOGA PESADO CONTRA O TRABALHADOR O Sindicalistas, em sua esmagadora maioria, não se elegem ou têm votação bem menor do que antes

N

as eleições realizadas em 7 de outubro, Ramalho da Construção obteve perto de 30 mil votos nas urnas. Não se reelegeu para o seu terceiro mandato consecutivo na Assembleia Legislativa de São Paulo. Com isto, o trabalhador da construção civil perde representatividade, que, no entender do Ramalho, será compensada pela categoria junto ao sindicato que ele lidera, o Sintracon-SP. Em análise de resultados, Ramalho observa que o sindicalismo, tão combatido pelo governo neoliberal de Michel Temer, sofreu derrotas em todo o País. “Para entregar o Brasil aos patrões, o Governo Federal realizou um incessante trabalho de desmonte da imagem dos sindicatos, deixando o trabalhador sem defesa, nas garras dos empresários. O trabalho oportu-

nista, de um total cinismo, deu resultado”, comenta Ramalho. Segundo o sindicalista, Temer jamais se preocupou com o povo brasileiro e suas necessidades, legando 14 milhões de desempregados que, somados aos desalentados e ao subemprego, resulta em mais de 28 milhões de pessoas, sem eira nem beira, além de dezenas de milhares de gente abaixo da linha da miséria. “O Governo Temer influenciou nas eleições. Para entregar o País nas mãos do capital, dos donos da grana, atacou violentamente o sindicalismo e seus representantes. Mas a luta não para. O estômago vazio do trabalhador e as evidências de precarização da mão de obra brasileira haverão de reagir. Vamos lutar por isso”, conclui Ramalho da Construção.

COMO DEPUTADO ESTADUAL, O QUE FEZ RAMALHO DA CONSTRUÇÃO

COMO SINDICALISTA, VEJA AS CONQUISTAS DO RAMALHO DA CONSTRUÇÃO

• Destinou 214 emendas, no valor total de R$ 22.480.000,00. • Foram 65 emendas para o setor da saúde; 65 para o setor de planejamento; 44 na área de esportes; 24 de caráter social; cinco na educação; 8 encaminhados à cultura e 3 à agricultura. • Autor de 27 Projetos de Lei; • Teve 11 leis aprovadas, entre elas a que estabelece o Dia do Trabalhador da Construção Civil; • 60 cidades paulistas foram beneficiadas com recursos enviados.

• • • • • • • • •

AGRADECIMENTOS

P

articipamos de uma campanha eleitoral árdua e difícil. Ouvimos, nas mais diversas regiões do estado de São Paulo, às indignações dos eleitores. Indignação contra o alto índice de desemprego e com a perversa reforma trabalhista proposta pelo Governo Federal, que tirou 127 direitos da classe trabalhadora. Insatisfação, também, com a saúde e a segurança pública, considerada, nas ruas, como uma vergonha, e, principalmente, com a classe política, devido ao alto grau de corrupção promovida por parlamentares e dirigentes indignos de representar a sociedade brasileira. Não há como não concordar. A voz do povo é soberana. É a voz de Deus. E nos

comprometemos a continuar lutando contra tal cenário de desolação. Fomos até a reta final. Praticamos o bom combate. Perdemos nas urnas. Mas temos a certeza de que vamos continuar na trincheira do bem, lutando pelo trabalhador da construção civil e pelo povo de São Paulo. Quero deixar os meus sinceros agradecimentos à minha equipe de colaboradores, cujo trabalho e empenho merecem os mais altos elogios. Agradecemos, também, às lideranças, que se somaram a nós com notável fidelidade, e a cada voto que recebemos nas urnas. Obrigado a todos!!! Ramalho da Construção

Aumento real de salários, acima da inflação, por 12 anos consecutivos; Café da manhã; Chuveiro, vaso sanitário e refeitório nos canteiros de obras; Duas mudas de uniforme completas; Lanche da tarde; Grande redução do índice de acidentes no ambiente de trabalho; Férias de 30 dias; Vale-alimentação; Vale-refeição.


6

SINTRACON-SP | OUTUBRO DE 2018

OUTUBRO ROSA: UM MÊS DE CONSCIENTIZAÇÃO

A

o longo do mês de outubro, nosso Sindicato, o Sintracon-SP, vestirá rosa. E fará isso para estimular a participação da sociedade em geral a participar efetivamente do controle do câncer de mama. “O câncer tem cura quando diagnosticado em seu início, ou seja, de forma precoce. Sei disso pois enfrentei uma árdua batalha contra a moléstia, na região abdominal, há oito anos, e, graças ao apoio de minha família, companheiros e, acima de tudo, da misericórdia de Deus, venci”, comenta o presidente do Sintracon-SP, Ramalho da Construção. E continua: “A informação é a arma mais eficaz. As pessoas precisam entender que a saúde é um bem inestimável. No caso do câncer de mama, o controle não depende apenas da realização da mamografia, mas também do acesso ao diagnóstico e ao tratamento com qualidade e no tempo oportuno. Não dá para brincar. É necessário realizar ações ao longo de todo o ano e não apenas no mês de outubro”, comenta Ramalho da Construção. Autoexame - Além do atendimento médico anual, faça exames mensais em sua residência. Recomendações: Faça o autoexame mensalmente e um exame completo com o seu médico pelo menos uma vez ao ano. Com orientação do seu médico, talvez seja necessário fazer outros exames, como: mamografia e ultrassonografia das mamas. Entre o quarto e o sexto dia depois do fluxo menstrual é o melhor período para realizar o autoexame. É recomendado a realização do exame de mamografia a partir dos 40 anos.

Ponha uma das mãos atrás da cabeça e utilize a outra para palpar a mama do lado oposto. Com os dedos esticados faça movimentos percorrendo a mama desde a área próxima da axila até os mamilos. Repita os mesmos passos para a outra mama.

De frente ao espelho com os braços ao longo do corpo. Olhe as mamas e tente identificar algo de anormal em suas aparências.

Repita o procedimento, agora com os braços levantados.

Agora, com as mãos no quadris, observe mais uma vez se há algo diferente com os seus seios. Após, incline-se, ainda observando através do espelho.

Deitada e com a barriga para cima coloque um travesseiro embaixo do seu ombro esquerdo. Com a mão direita, examine toda a mama esquerda.

Com os dedos esticados em cima do seu seio, pressione firmemente de modo delicado, após médio e por fim forte, realizando a pressão, primeiro, em movimentos cicrculares pequenos e, depois, maiores.

Durante o banho, apalpe suas mamas e axilas a fim de identificar caroços ou alterações. A forma de pressionar deve ser também, firme e delicada, depois de forma média e forte, em movimentos circulares.

Importante! • Lembre-se de que 80% dos nódulos mamários são benignos e apenas uma pequena porcentagem de secreções está relacionada ao câncer. • O autoexame das mamas não substitui a consulta de rotina que deve ser feita ao mastologista.

Sintomas: • Aparecimento de nódulos e caroço nos seios; • Inchaço em parte do seio; • Irritação da pele ou aparecimento de irregularidades, como covinhas ou franzidos, ou que fazem a pele se assemelhar à casca de uma laranja; • Dor no mamilo ou inversão do mamilo (para dentro);

• Vermelhidão ou descamação do mamilo ou pele da mama; nódulo

• Saída de secreção serosa ou sangue pelo mamilo; • Caroço nas axilas; • Inchaço no braço; • Crescimento excessivo de uma das mamas.

alteração da cor, espessura ou textura da pele de uma mama

retração da pele

secreção ou perda de líquido pelo mamilo

retração ou alteração de posição ou forma de um mamilo

N


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

7

NA PREVIDÊNCIA NÃO HÁ ROMBO, MAS ROUBO

FOTO:DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

O

Ministério do Trabalho anunciou o recolhimento de R$ 2,4 bilhões durante fiscalizações feitas no 1º semestre contra a sonegação do FGTS por parte das empresas. O valor é 30,8% maior na comparação com o mesmo período de 2016 e 4,3% superior a 2017. Essas fiscalizações atingiram 20,4 mil

estabelecimentos do país. Ou seja, trata-se de dinheiro que não foi pago aos trabalhadores. Portanto, crime... Vale ressaltar que o FGTS deve ser depositado pelo empregador até o dia 7 de cada mês em conta bancária vinculada, o equivalente a 8% da remuneração do trabalhador. A lista de empresas devedoras é pública

e pode ser acessada no site da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN). No site é possível ainda denunciar irregularidade ou ação contrária à recuperação de créditos. “O governo Temer tenta, a qualquer custo, mudar a Previdência Social. Quer que, diante do rombo nas contas, o brasileiro se aposente ao lado de seu atestado de óbito. Ora, pelo que aprendemos nos bancos

escolares, punido deve ser quem sonega impostos, ou seja, o patronato, mas isso jamais vai acontecer quando se defende o capital e suas nocivas mazelas em detrimento de quem trabalha para construir o País”, comenta o presidente do Sintracon-SP, Ramalho da Construção. E acrescenta: é de se concluir que, na Previdência, não há rombo, mas roubo.

GOVERNO REPASSARÁ CONTRIBUIÇÃO A SINDICATOS Dinheiro destinado ao sindicalismo foi para os cofres públicos e não para as entidades sindicais. As centrais estimam que há resíduo passando de governo em governo, desde a gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB. Assim sendo, houve reunião entre centrais, Michel Temer e ministros no Palácio do Planalto. “Após o encontro, o governo concordou em calcular o que aparece em guias de recolhimento identificadas. O imposto foi extinto na reforma

trabalhista, mas sindicalistas cobram pelo menos R$ 200 milhões que não teriam sido repassados às entidades”, afirma o líder sindical Ramalho da Construção. As centrais dizem que a dívida é bem maior se forem colocadas no cálculo as guias não identificadas, ou seja, que foram recolhidas com alguma informação faltando. O Ministério do Trabalho fará mais reuniões para definir os critérios antes de divulgar portaria a respeito.

FOTO: MARCOS SANTOS/USP IMAGENS

FATURAMENTO DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO TEM ALTA DE 0,5% A boa notícia é que o faturamento da indústria de materiais de construção cresceu 0,5% em agosto, já descontada a inflação, na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo pesquisa mensal da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat). Em relação a julho deste ano, houve

alta de 1,2%. No acumulado dos últimos 12 meses, o setor registra elevação de 1,9%. “A má notícia é que, no período, o emprego patinou e teve queda de 0,8% no número de vagas. A situação, segundo o estudo, está melhorando. Mas muito vagarosamente”, pondera o líder do nosso sindicato, Ramalho da Construção.

FOTO: REPRODUÇÃO


8

SINTRACON-SP | OUTUBRO DE 2018

CONSTRUÇÃO DEMITE 109 MIL

EMPREGADOS EM UM ANO

A

FOTO: FACEBOOK/SENAI CONSTRUÇÃO CIVIL

construção cortou 109 mil postos de trabalho no período de um ano, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O total de ocupados na atividade encolheu 1,6% no trimestre encerrado em julho de 2018 ante o mesmo período de 2017. A série histórica da Pnad começou a ser feita em 2012. Também houve corte de vagas na indústria, 43 mil trabalhadores a menos, e no setor de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e agricultura, com menos 49 mil empregados.

POBREZA ATINGE 23,3 MILHÕES NO BRASIL FOTO: REPRODUÇÃO

Entre o fim de 2014 e 2017, cresceu em 33% o total de pessoas vivendo com menos de R$ 233,00 por mês no Brasil, segundo novos dados do Centro de Políticas Públicas da FGV Social. “Trata-se de um contingente de 23,3 milhões de pobres, número maior do que a população do Chile. O total de pobres, pelo critério dos R$ 233/mês, passou de 8,4% para 11,2%”, analisa o sindicalista Ramalho da Construção, para quem o aumento do índice de pobreza é inaceitável e antirrepublicano.

SECONCI-SP ABORDA VIOLÊNCIA CONTRA MULHER FOTO: REPRODUÇÃO

O Seconci-SP passou a abordar o tema “mulher” nas sessões do Grupo Social de Apoio, que funciona em sua Unidade Central. Para o líder do nosso sindicato, Ramalho da Construção, o trabalho objetiva conscientizar os participantes do grupo – trabalhadores da construção e familiares – sobre a importância de se banir essa violência, reconhecida pela ONU e pelo Ministério da Saúde como um problema de saúde pública. “Há debates sobre as mais diferentes formas de violência doméstica e familiar

contra a mulher, seja ela física, psicológica, sexual, moral e as que resultam em diminuição de autoestima. É importante que o Seconci-SP se preocupe com problemas sociais, pois a violência contra a mulher provoca diversas doenças e transtornos psicológicos, como TOC, depressão, crises de ansiedade, síndrome do pânico entre outras, que pedem cuidados”, diz Ramalho. Nos encontros, são transmitidas informações sobre as políticas públicas para gerar a reflexão, incentivar o compartilhamento de experiências e apontar caminhos para a superação.


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

9

TEMER, A SAÚVA ATÔMICA

C

om medidas que servem ao capital em detrimento do trabalho, o governo Temer arrasa conquistas da classe trabalhadora obtidas ao longo de décadas. A opinião é do presidente do nosso sindicato, o Sintracon-SP, Ramalho da Construção. FOTOS: CLAUDINEI BITMAN

O que o senhor pensa da terceirização irrestrita aprovada pelo STF? Ramalho da Construção. Mais um desserviço prestado à Nação. As elites e suas nefastas influências vão, aos poucos, exterminando com o trabalho em prol do capital. O governo neoliberalista de Michel Temer é pior do que a saúva, cuja ferocidade, em meados do século passado, virou inimigo mortal do progresso do País, sintetizada na frase: “Ou o Brasil acaba com a saúva ou a saúva acaba com o Brasil”. Pois bem, o atual governo é uma saúva atômica, forjada pelo capital.

Pode aumentar sensivelmente o número de acidentes do trabalho, concorda?

Piora ainda mais o já estabelecido na reforma trabalhista? R. Sim, a ponto de deixar o trabalhador de mãos atadas e, sem dinheiro, latindo no quintal para economizar cachorro. A reforma trabalhista, de truculento cinismo, acabou com a CLT, tirando, dos trabalhadores, conquistas que levaram década e mais décadas de luta. Outro atentado ao povo brasileiro está engatilhado: a reforma da Previdência. Agora, o Supremo Tribunal Federal aprova a terceirização irrestrita, abrindo caminho para a descontrolada precarização das condições de trabalho. Todo mundo sabe que os empresários estão mandando embora gente com carteira assinada e contratando terceirizados pela metade (ou menos, ainda) do salário. E ninguém consegue parar com tal barbárie,

contarmos com os desalentados e com os subempregados, o número sobe para mais de 28 milhões. É de se perguntar para que serve a medida tomada. Sim, pois a terceirização da atividade-fim vai criar empregos? Não, em absoluto. Vai é reduzir salários, dividir a representação sindical e prejudicar as negociações por benefícios e melhores salários. E lá vai Michel Temer, ampliando ainda mais os problemas já existentes.

uma vez que, na reforma, o governo enfraqueceu sobremaneira os sindicatos, lídimos representantes de quem trabalha para construir a Nação. A Justiça, antes gratuita e ao alcance do trabalhador, hoje precisa ser paga. E se por acaso o profissional perder a causa, tem de arcar com as custas do processo.

categorias. Agora, com a terceirização, o profissional pode ser desvinculado de sua entidade de classe. O resultado da votação no STF causa indignação no movimento sindical. Análise de diversas centrais aponta para um verdadeiro tsunami no mercado, especialmente sobre as mulheres, os negros e os jovens.

O objetivo do governo com As condições de trabalho e produesse pacote de medidas é fortalecer ção vão piorar, é isso? o emprego... R. A medida aprovada pelo Supremo R. O objetivo é o de aumentar o abisTribunal Federal permitirá a exploração sem mo entre pobres e ricos. Há hoje, no Brasil, nenhum prurido do trabalho humano, já em condição degradante. Éramos divididos em mais de 13 milhões de desempregados. Se

“A reforma trabalhista, de truculento cinismo, acabou com a CLT, tirando, dos trabalhadores, conquistas que levaram década e mais décadas de luta” Ramalho da Construção

R. Eu diria que o perverso conjunto de decisões do governo Temer, somado à terceirização irrestrita, aciona definitivamente a máquina de moer carne de trabalhador. Qualquer leigo sabe que a medida vai elevar o número de doenças ocupacionais e gerar depressão nas pessoas. E a fiscalização das condições de trabalho, de responsabilidade do governo, é ruim, quase inexistente. Com o aumento da precarização e a possibilidade de demissão sem um acordo coletivo que o proteja, o trabalhador evitará ao máximo o afastamento por doença, trabalhando até o limite, o que vai comprometer sua própria recuperação. E com salários menores, achatados, a arrecadação para a saúde, a Previdência e outros setores essenciais, vai despencar. Montado numa filosofia de capitalismo selvagem, o neoliberalismo, destrói as relações humanas. Só não vê quem não quer.


10

SINTRACON-SP | OUTUBRO DE 2018

DADOS DO DIAP APONTAM QUE REFORMA

TRABALHISTA NÃO DEU CERTO

FOTO: MARCOS SANTOS/USP IMAGENS

Q

uem queria pagar para ver se a reforma trabalhista seria ou não prejudicial ao trabalhador, aqui vão alguns dados do Diap:

13.320 parciais no período (saldo). Ou seja, 78,4% do saldo de empregos formais gerados desde novembro foi em contratos “atípicos” e precários, que passam a ser reconhecidos pela Reforma Trabalhista.

que as medidas para “modernização” da mais intensa dos empregos com do mercado de trabalho, reduzindo carteira assinada e, por outro lado, há seguridade no trabalho acometem o aumento do trabalho desprotegido. prioritariamente ocupações que já eram mais vulneráveis e com meno- • A reforma não atacou o desemprego, • Com a divulgação do saldo de empreres salários. mas desarrumou o trabalho formal no gos de julho, números demonstram Brasil, precarizando o já existente. que desde a entrada em vigor da • A ampliação dos contratos atípicos • O desligamento por comum acordo, Reforma Trabalhista foram gerados concentrou-se em setores econômicos criado com a reforma, também é ex- • O Relatório Luz da agenda 2030 de apenas 50.545 postos de empregos com maior rotatividade e menores sapressivo: foram 94,5 mil desligamendesenvolvimento sustentável, aponformais em 9 meses. lários: 62% do saldo de emprego com tos sob essa forma. Nesses casos, o tou expansão de 53,2% no número contratos intermitentes estavam nos trabalhador não acessa integralmente de pessoas que vivem abaixo da linha • O resultado é irrisório frente ao fechasetores de comércio ou serviços, com as verbas rescisórias e não tem acesde pobreza desde 2014, passando de mento de 2,9 milhões de empregos menores salários. Esse setor, além de so ao seguro-desemprego. 14,1 milhões de pessoas para 21,6 com carteira entre dezembro de 2014 acumular o maior saldo de contratos no final de 2017. A extrema pobreza e dezembro de 2017, uma média de intermitentes, também é o segundo • Há expressivo aumento no número de já atinge 11,8 milhões de brasileiros, 79,5 mil postos a menos por mês, com maior diferença salarial entre adempregadores (11,7%), conta própria nível mais alto desde 2005. durante 36 meses. O período envolve mitidos e desligados (-16,35%), o que (6,2%), emprego no setor privado os governos Dilma e Temer. estimula a rotatividade. sem carteira (5,8%), e do trabalho Quem pagou para ver, portanto, doméstico sem carteira (8,9%). está vendo... • A qualidade dos postos é o ponto • A ocupação de servente de obras crítico no pós-reforma. Foram geraestá entre as que tem maior saldo de • Portanto, verifica-se uma redução da Ramalho da Construção dos 26.300 postos intermitentes e contratos intermitentes, o que sugere ocupação em geral, uma redução ain- Presidente do Sintracon-SP


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

11

NÚMERO DE GREVES NO BRASIL CAIU 25% EM 2017, APONTA DIEESE No ano passado, foram realizadas 1.566 paralisações no país, sendo que 16% delas duraram mais de 10 dias.

A

proposta neoliberal, de capitalismo selvagem, do governo de Michel Temer, que penitencia os trabalhadores e enfraquece os sindicatos, começa a mostrar suas consequências. Em 2017, foram registradas 1.566 greves no país, o que representa uma queda de 25% na comparação com 2016, segundo balanço anual divulgado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Segundo o levantamento, 81% das greves realizadas em 2017 incluíam itens de caráter defensivo na pauta de reivindicações, sendo que mais da metade (56%) referia-se a descumprimento de direitos. Ou seja, a classe trabalhadora precisou

FOTO: GEORGE CAMPOS/USP IMAGENS

recuar em suas reivindicações para assegurar direitos conquistados. A exigência de regularização de vencimentos em atraso (salários, férias, 13º ou vale salarial) esteve presente na pauta de 44% e foi a principal reivindicação. Na sequência, aparece o pedido de reajuste de salários e pisos, presente em 32% das paralisações. “O mercado de trabalho sofreu muito com o aumento do desemprego e o recuo nos números do trabalho formalizado. Tais fatos tiveram impacto negativo na disposição do trabalhador para a greve, especialmente na esfera privada” pondera o presidente do Sintracon-SP, Ramalho da Construção.

QUANDO SE TRATA DE TEMER, TODO MUNDO DUVIDA FOTO: USP IMAGENS

Você compraria um carro usado pelo selvagem, proposto pelo atual governo, Michel Temer? Escolha uma das alterna- nem por decreto. Afinal, em dois anos de tivas abaixo: administração, ele acabou com a lavoura do brasileiro. Um exemplo? Vamos lá: a) Só se o carro conhecer a pizzaria da Nos últimos quatro anos, o semaleta tor imobiliário do Brasil sofreu uma b) Só se vier com meio milhão em filé da mudança drástica. Friboi O preço médio dos imóveis caiu cerca c) Só se o motor aguentar 49 anos de de 19% em relação a 2014 e as taxas de trabalho juros para financiamento estão muito pród) Só se não for terceirizado ximas das mínimas históricas. e) Nem a pau, Juvenal O total de crédito imobiliário novo nos últimos 12 meses (registra a Folha de S. Pois é. Com Temer é assim. Antes de Paulo) é 50% menor do que há quatro cravar o que pensa, o povo questiona, pois anos, para pessoas físicas. não confia no neoliberalismo, de capital Para pessoas jurídicas, a baixa real

(descontada a inflação) é de cerca de 80%. Mesmo assim, a Caixa Econômica Federal, que detém quase 70% do mercado de financiamento imobiliário, prevê que haverá estagnação no setor imobiliário em 2019. Ninguém realiza o sonho da casa própria porque Temer navega num mar de incertezas morais e jurídicas. Com o parque imobiliário parado, novas iniciativas ficam engavetadas. A roda da construção civil parou. Com isso, a falta de emprego no setor, que já é grande, só tende a aumentar. Não foi por falta de aviso. Temer sabe muito bem que, sem incrementar o setor, não pode haver desenvolvimento e empre-

gabilidade plena. Sempre digo que, quando se investe R$ 1 bilhão na construção, gera-se 15.157 empregos diretos e com carteira assinada. Mais os indiretos, esse número supera os 51 mil. Além disso, o montante investido representa a construção de 13.788 moradias. A construção civil, portanto, é um dos melhores caminhos para que o Brasil volte aos trilhos do desenvolvimento. Só que Temer é a demolição do setor. Ramalho da Construção Deputado estadual pelo PSDB-SP


12

SINTRACON-SP | OUTUBRO DE 2018

VAMOS FORTALECER OS SINDICATOS!

REDE DE BENEFÍCIOS PARA OS ASSOCIADOS

“Não existe uma boa sociedade sem um bom sindicato. E não há um bom sindicato que não renasça todos os dias nas periferias, que não transforme as pedras descartadas da economia em pedras angulares”. O pensamento, observa o líder do nosso sindicato, o SintraconSP, Ramalho da Construção, é de ninguém menos do que o Papa Francisco, que se demonstra preocupado com o avanço do capitalismo selvagem, desprezando o fator humano. “O capitalismo do nosso tempo não compreende o valor do sindicato, porque esqueceu a natureza social da economia. Este é um dos maiores pecados”, afirma o Papa Francisco. “Passamos por um momento difícil”, salienta Ramalho. “A crise econômica é grave, causa desemprego. E o que o governo pretende com as reformas trabalhista e previdenciária, é penitenciar ainda mais o trabalhador brasileiro, de quem quer calar a voz ao enfraquecer suas entidades sindicais representativas”. Para Ramalho, sindicatos e trabalhadores têm de permanecer unidos, pois o poder econômico, quer isolar o trabalhador, deixando-o nu em negociações com o patronato. Associe-se ao Sindicato “Não há outro caminho a não ser o do fortalecimento sindical. Que o trabalhador zele pelo seu futuro, se associando ao sindicato e participando de suas lutas”, conclui o presidente do Sintracon-SP.

SÓCIOS TÊM

10% DE

DESCONTO

NA ENTRADA DO AQUÁRIO DE SÃO PAULO Para adquirir o desconto, o sócio precisa entrar no site www.aquariodesp. com.br/sintraconsp; depois inserir a senha (E0407V) - tudo em letra maiúscula - e seguir as etapas abaixo para realizar a compra: - Selecionar os ingressos desejados; - Marcar a data e o horário; - Realizar o pagamento via cartão; - Imprimir o voucher e o levar para o evento junto com sua carteirinha de sócio do Sintracon-SP. Se o titular da compra não estiver

presente no evento, o visitante deverá levar consigo: - Uma cópia do documento de identificação do titular da compra; - Uma autorização por escrito (de próprio punho) do proprietário do cartão; - Uma cópia do cartão de crédito que foi usado. No caso dos funcionários do sindicato, é fundamental a apresentação do crachá da entidade na entrada do evento. Não é possível agendar o voucher para o mesmo dia e não há desconto direto na bilheteria.


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

13


14

SINTRACON-SP | OUTUBRO DE 2018

SINTRACON-SP INVESTINDO NA QUALIFICAÇÃO DO TRABALHADOR!

Eletricista NR 10 Pedreiro Azulejista SÓCIO DO SINTRACON-SP, INSCREVA-SE AGORA MESMO!

VOCÊ QUE AINDA NÃO É SÓCIO, INFORME-SE!

Rua Conde de Sarzedas, 286 - Centro São Paulo - SP - Fone (11) 3388-4800 sintraconsp@sintraconsp.org.br www.sintraconsp.org.br

ATENCÃO, ASSOCIADOS DO SINDICATO!!! A REFORMA TRABALHISTA PASSOU E O DESEMPREGO AUMENTOU!!!

FIQUEM ATENTOS!!!

Entregue seu currículo, no térreo – Ouvidoria – aos cuidados da nossa funcionária Elaine. Encaminharemos seu currículo para as empresas que necessitam de mão de obra.

Caso já possua um currículo, envie no e-mail abaixo: elaine.mizokami@sintraconsp.org.br

SINTRACON-SP – Ao Lado do Trabalhador que Constrói o País!!!

Filiado à

DIÁRIA NÃO SÓCIOS

DIÁRIA SÓCIOS

FICOU DESEMPREGADO? CONHECE ALGUÉM NESSA SITUAÇÃO?


CLUBE DE CAMPO DO CIPÓ Diversão Garantida para toda a Família!

Pensando no associado, o Sintracon-SP tem o Clube de Campo do Cipó, em Embu-Guaçu, São Paulo O clube possui quadra poliesportiva, quadra de bocha, churrasqueiras, campo de futebol e muito mais. No local há dez chalés, cada um com capacidade para receber até seis pessoas.

O associado deve providenciar: • Alimentação • Transporte • Roupa de Cama • Valores

ÁREAS DE LAZER Atualmente as áreas de lazer estão passando por reformas para melhor atender as necessidades dos sócios. Contudo, alguns espaços estão disponíveis, tais como: campo de futebol, quadra de bocha, área verde, salão de jogos e as piscinas.

SERVIÇO O Clube de Campo do Cipó, localizado na cidade de Embu-Guaçu - interior do Estado de São Paulo, oferece toda essa comodidade por R$ 100,00 a diária. Para mais informações, ligue: (11) 3388-4800 (ramal 4102).

COLÔNIA DE FÉRIAS EM ITANHAÉM Para você, associado, que deseja se divertir junto a seus familiares, o nosso Sindicato tem a Colônia de Férias, na cidade de Itanhaém, no litoral sul. Paz, sossego e tranquilidade. Além de magníficas praias, são pontos turísticos famosos:

DIÁRIA NÃO SÓCIOS

DIÁRIA SÓCIOS

• Cama de Anchieta • Morro de Pernambuco • Convento Nossa Senhora de Conceição • Gruta Nossa Senhora de Lourdes

110 ,00

Apartamento para 6 Pessoas

160,00

Apartamento para 6 Pessoas

Apartamento para 4 Pessoas

R$

Apartamento para 4 Pessoas

R$

São disponibilizados dois tipos de apartamentos: com capacidade para quatro pessoas e instalações para receber até seis pessoas. Agendamento prévio através do telefone (11) 3388.4800 (ramal 4292) - após isso é necessário comparecer ao Sindicato (Rua Conde de Sarzedas, 286, Centro) com o RG original ou cópia do documento de identidade dos hóspedes. Os valores são cobrados pelos dias que o sócio se hospedar, sendo que o sócio deve estar em dia com as mensalidades.

R$

R$

140 ,00

200,00

OBS: Pulseira de identificação R$ 1,00 cada adulto e cada criança. Valores sujeitos a alterações. Trazer documentos de identificação com foto original ou xerox de todos os hospedes.

RESERVAS E INFORMAÇÕES: SEGUNDA A QUINTA: 7HS ÀS 17HS | SEXTA: 7HS ÀS 16HS FONE: (11) 3388-4800 (RAMAL 4102)

A 200 METROS DE DISTÂNCIA DA PRAIA


CONHEÇA O CARTÃO AMIGO DO TRABALHADOR E APROVEITE AS VANTAGENS! É um benefício exclusivo para nossos sócios Conheça os benefícios: • Descontos em estabelecimentos comerciais e de ensino; • Sorteios semanais de R$ 2.000,00; (muitos companheiros já ganharam, você pode ser o próximo)

CARTÃO AMIGO DO

TRABALHADOR

• Seguro de R$ 1.500,00 em caso de morte acidental;

Quem tem direito aos benefícios? Todos os sócios em dia com suas mensalidades e com cadastro atualizado. Mais do que um bom negócio, o Cartão Amigo do Trabalhador é uma conquista dos trabalhadores, resultado de uma gestão moderna, transparente e eficaz do Sintracon-SP.

A maioria dos sindicatos dá carteirinha para os sócios. No Sintracon-SP, damos o Cartão Amigo do Trabalhador, cheio de benefícios.

SÃO MUITAS AS VANTAGENS DE SER SÓCIO DO SINTRACON-SP SEJA SÓCIO DO NOSSO SINDICATO E FORTALEÇA A LUTA PELOS SEUS DIREITOS O Sintracon-SP oferece, aos seus associados, assistência jurídica para tirar dúvidas, entrar com ações trabalhistas e realizar homologações. O atendimento é realizado de segunda-feira à quinta-feira, das 8h às 18h, e sexta-feira, das 8h às 17h.

CONQUISTAS NAS CONVENÇÕES COLETIVAS Aumento salarial

acima da inflação 12 anos consecutivos

Café da manhã Vale-Alimentação Lanche da tarde Dois uniformes completos Participação nos lucros das empresas

TUDO ISSO POR APENAS R$ 35,00 /MÊS

Profile for sintraconsp

A Tribuna - Outubro | 2018  

A Tribuna - Outubro | 2018  

Advertisement