{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade.

Page 1

DIREITOS DO TRABALHADOR Edição 301 Novembro 2018 SINTRACON-SP 11 3388 4800

Filiado à

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

sintraconsp.org.br sintraconsp@sintraconsp.org.br

O JORNAL DE QUEM CONSTRÓI O PAÍS

REFORMA TRABALHISTA COMPLETA UM ANO, PARA DESGRAÇA DO TRABALHADOR FOTO: REPRODUÇÃO

Em poucas semanas, nas obras da área sob influência do nosso sindicato, o Sintracon-SP, diversos acidentes mataram e feriram companheiros. Isso vem se repetindo de forma alarmante, devido à terceirização desenfreada e à contratação de pessoas com salário mais baixo, nem sempre aptas a desenvolver o serviço num ambiente hostil como é o dos canteiros. Com a perda de direitos e o enfraquecimento financeiro dos sindicatos em geral, os patrões vêm fazendo o

que bem entendem. É o caso da Gafisa, que, no Brasil, demitiu 61% de seu efetivo. Quem sabe faz a hora. E a hora é agora! Vamos fortalecer a entidade de defesa de quem efetivamente constrói São Paulo e o País. Associe-se ao sindicato e garanta sua segurança perante o empresariado. Ramalho da Construção Presidente do Sintracon-SP


CONVENÇÃO COLETIVA 2018 A reforma trabalhista do governo Temer privilegia o empresário e prejudica o trabalhador. Em nossa Convenção Coletiva, os patrões queriam tirar todas as nossas conquistas. Fizemos greve geral durante seis dias e afastamos esse perigo, garantindo:

• CAFÉ DA MANHÃ; • VALE-REFEIÇÃO, QUE SUBIU PARA R$ 21,15; • VALE-ALIMENTAÇÃO, QUE AGORA É DE R$ 300,00; • LANCHE DA TARDE; • DUAS MUDAS DE UNIFORMES; • SEGURO DE VIDA; • REPOSIÇÃO DA PERDA INFLACIONÁRIA DO PERÍODO ENTRE MAIO DE 2017 E ABRIL DE 2018: 1,69%; • A OBRIGATORIEDADE DA EMPRESA MANTER A SAÚDE DO TRABALHADOR ATRAVÉS DO SECONCI-SP. Se somarmos todas os benefícios, temos como resultado a manutenção de mais de R$ 600,00 no bolso do trabalhador.

UNIDOS SOMOS FORTES. FORTALEÇA O SINTRACON-SP.

SEM SEGURANÇA, NÃO SE ARRISQUE NO TRABALHO! São Paulo tem mais de dez mil canteiros de obras. Trabalhar nesses canteiros é conviver com o perigo. O ambiente de trabalho é cheio de armadilhas que podem levar a acidentes às vezes fatais. Toda atenção é pouca. E o correto uso de equipamentos de proteção individuais (EPIs) é indispensável. Jamais confie na sorte. A vida é o maior patrimônio do trabalhador. Se você, companheiro, sentir insegurança para executar sua função, não a faça, mesmo que obrigado a isso por seu chefe. Qualquer situação insegura deve ser co-

municada imediatamente ao Sindicato, que tomará providências. A filosofia do nosso sindicato, o Sintracon-SP é a de acidente zero nos canteiros. Para isso faz inspeções de rotina nas obras com suas equipes de base. A maioria dos acidentes de trabalho advém do cansaço do trabalhador, que normalmente é incentivado a fazer horas extras intermináveis para ganhar um dinheiro a mais. As malditas tarefas vêm sendo combatidas pelo nosso Sindicato. É ouro de tolo. A pessoa trabalha além da conta e seu ganho não é devidamente computado no holerite.

Tarefas ganhas por fora do holerite representam perdas para efeito de 13º salário, férias, fundo de garantia e aposentadoria. As tarefas o afastam da vida familiar e de momentos de lazer, causando frustração, desatenção e acidentes terríveis. Jamais desafie os seus limites físicos e mentais. Saiba a hora de parar. Não aceite coações por parte do patrão, que só pensa em lucrar mais e mais. A construção civil é o setor que mais tem acidentes de trabalho no Brasil. A escalada das drogas que assolam a sociedade também é responsável direta por mortes e mutilações.

Afaste-se das drogas. Jamais dê o primeiro passo em direção a elas. Fuja do vício. Não entre nessa areia movediça que acaba com a família, a autoestima e a vida. Qualquer irregularidade numa obra pode levar a ocorrências sérias, desde o meio ambiente de trabalho inadequado até à falta de pagamento e o não fornecimento de benefícios conquistados. Trabalhadores que se sentem prejudicados devem procurar o Sindicato que, através do diálogo ou greve, resolverá as questões. Respeite, sempre, as orientações dos técnicos de segurança!


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

3

EDITORIAL

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de São Paulo / Fundação em 16 de junho de 1936 / Adaptado ao Decreto - Lei 1.402 – por carta de maio de 1941. Sede: Rua Conde de Sarzedas, 286, Centro – São Paulo – SP CEP 01512-000 – Fone: 3388-4800 – Fax: 3207-4921 Internet: www.sintraconsp.org.br E-mail: sintraconsp@sintraconsp.org.br Base territorial: Município de São Paulo, Itapecerica da Serra, Taboão da Serra, Embú das Artes, Embú-Guaçu, Franco da Rocha, Mairiporã, Caieiras, Juquitiba, Francisco Morato e São Lourenço da Serra. Representantes: Categoria Profissionais de Trabalhadores do Ramo da Construção Civil, Ladrilhos Hidráulicos e Produtos de Cimento, Cerâmica para Construção, Pinturas, Decorações, Estuques, Ornatos, Artefatos de Cimento Armado, Instalações Elétricas, Ofíciais Eletricistas, Gás, Hidráulicas, Sanitárias, Montagens Industriais e Engenharia Consultiva. Diretoria Executiva Presidente: Antonio de Sousa Ramalho Secretário Geral: Antonio de Freitas Pereira 1° Secretário: Antonio de Sousa Ramalho Junior 2º Secretário Licenciado: Atevaldo Vieira Leitão Tesoureiro Geral: Wilson Florentino de Paula 1º Tesoureira: Sueli Ramos de Lira 2º Tesoureiro: José Pedro dos Santos Diretoria de Base Ezequiel Barbosa de Sales Josileide Neri de Oliveira João Rodrigues de Araujo Raimundo Nonato dos Santos Damião Antonio de Oliveira Conselho Fiscal Oswaldo de Oliveira Souza Cláudio Aureliano Moreira Francisco de Andrade Coelho Suplentes: José Luiz do Nascimento José Geraldo Martins Miguel Machado Pereira Delegados da Federação Antonio de Sousa Ramalho Antonio de Freitas Pereira Suplentes: Manoel Teixeira de Carvalho Francisco de Assis Pereira Lima Conselho de Redação Antonio de Sousa Ramalho Arnaldo Jubelini Jr. – MTB 12.597 Jornalista Responsável: Arnaldo Jubelini Jr. – MTB 12.597 Assistente de Redação: César Rota Diagramação: Beatriz Salazar Fotografia: Arquivos SINTRACON-SP e Claudinei Bitman Impressão: Mix Editora – Tiragem: 150 mil exemplares

Companheiros e companheiras, Dia 11 de novembro foi a data de criação da perversa reforma trabalhista, ou seja, a promulgação da Lei 13.467 de 2017. Há um ano, portanto, a reforma veio com o pretexto de gerar emprego e modernizar as relações entre o capital e o trabalho. Infelizmente, ela fez com que 14 milhões de brasileiros perdessem o trabalho, sem contar os que desistiram de procurar vagas ou foram para o subemprego. Tudo somado, podemos dizer que o Brasil tem perto de 28 milhões de trabalhadores vivendo com dificuldades. Se levarmos em consideração que cada indivíduo sustenta uma família de quatro pessoas, podemos dizer, sem medo de errar: 112 milhões de brasileiros foram prejudicados com a reforma. A informalidade aumentou assustadoramente. Poucos conseguem ocupação com carteira assinada. E os salários foram achatados. Na construção civil, há grande desmotivação. O setor perdeu centenas de milhares de postos de trabalho. Com isso, o consumidor corre sérios riscos de gastar suas economias na aquisição do sonho da casa própria e receber o produto com problemas e defeitos de acabamento. Vamos esperar que o Brasil, sob nova direção, volte a se desenvolver.

FOTO: CLAUDINEI BITMAN

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL EDIÇÃO 301 – NOVEMBRO 2018

UM ANO DE REFORMA TRABALHISTA. DOZE MESES DE REVOLTA E PENÚRIA

RAMALHO DA CONSTRUÇÃO Presidente do Sintracon-SP (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de São Paulo)

RELATÓRIO MENSAL DO DEPARTAMENTO DE BASE PRODUTIVIDADE

OUTUBRO

Total de dias trabalhados

22 dias

Visitas em Canteiros e Obra

193

Greves

07

Assembleias

56

Atendimentos na Base

338

Reuniões com Empresas

34

* Greves = 3 parcias + 4 totais


4

SINTRACON-SP | NOVEMBRO DE 2018

25 DE OUTUBRO. PARABÉNS PELO SEU DIA, TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO! N a qualidade de deputado estadual pelo PSDB-SP, o líder do nosso sindicato, Ramalho da Construção, foi o autor do projeto de lei número 561/14, que, após apreciação e aprovação pelo então governador Geraldo Alckmin, se transformou em lei. Assim sendo, o dia 25 de outubro passou a ser, oficialmente, o Dia do Trabalhador da Construção Civil, em São Paulo. “A data foi escolhida em homenagem a Frei Galvão, que é considerado o primeiro santo do Brasil e, também, o padroeiro da categoria”, explica Ramalho. O Santo, cujo dia é comemorado também em 25 de outubro, foi arquiteto, mestre de obras e pedreiro. Durante 28 anos

FOTO: CLAUDINEI BITMAN

conduziu as obras do Mosteiro da Luz, no bairro da Luz, em São Paulo, Capital. Com essa Lei, fica reconhecida a competência e a importância do trabalhador da Construção Civil que, literalmente, transformou São Paulo numa das maiores metrópoles do mundo.

Gente guerreira! “25 de outubro é a data reservada a pessoas muito, mas muito especiais, que exercem suas atividades em condições difíceis e inóspitas, sempre atentas para não sofrerem acidentes, muitas vezes fatais”, afirma Ramalho. E conclui: “Essa categoria merece ser respeitada e valorizada cada vez mais. E nós lutamos por isso”.

OPERADOR DE BETONEIRA PERDE A VIDA NO TRABALHO Morreu em 17 de outubro, vítima de acidente de trabalho, o companheiro João Messias dos Santos Carvalho, natural de Esperantina, Piauí. Segundo informações do diretor do nosso sindicato, o Sintracon-SP, Ramalho Junior, o operador de betoneira estava concretando o 9º pavimento de uma obra de responsabilidade da Construtora Múltipla, em Guaianazes. “Messias já estava no fim do trabalho quando tropeçou e caiu em cima de um vergalhão. A ponta do artefato entrou pela virilha e transpassou o corpo, saindo pelo abdômen. Corpo ainda quente, Messias levantou-se e conseguiu tirar a lanceta de seu corpo. Foi socorrido imediatamente. Em menos de 8 minutos estava no hospital. Passou por cirurgia, mas infelizmente não sobreviveu”, conta Ramalho Junior.

FOTO: SINTRACON-SP

O piauiense, conforme informações, trabalhava há dois meses na empresa ASJ Empreiteira. Veio para São Paulo em 1990. Deixou uma filha de dois anos de idade. Ramalho da Construção “Segundo os 200 trabalhadores da obra, o que houve foi uma fatalidade”, diz o líder da nossa categoria, Ramalho da Construção. E continua: “Trabalhei em mais de 700 canteiros de obras. Portanto, reúno experiência para dizer que não acredito em acidentes. Sempre há negligência. Após investigações a serem realizadas pelo Sintracon-SP e por autoridades de fiscalização, o motivo da morte será melhor esclarecido. Já determinei atuação rigorosa no caso. E coloquei o setor Jurídico do nosso sindicato à disposição dos familiares”.

ADEMILTON, DE APENAS 16 ANOS, MORRE APÓS QUEDA DE VIGA O triste acontecimento foi lavrado em Boletim de Ocorrência (5064/2018), pela Polícia Civil. Nele aparece o nome de mais uma vítima fatal na construção civil: Ademilton Rodrigues Novaes, de apenas 16 anos, natural de Itaberaba, na Bahia. Outro trabalhador ficou seriamente ferido na ocasião. Trata-se do companheiro Paulo Bispo dos Santos, de Boquira, também na Bahia, de 40 anos de idade.

No dia 17 de outubro, eles estavam exercendo suas funções na construção de uma escola localizada na Rua Eliane Araújo Alves, número 218, no bairro paulistano de Campo Limpo, de responsabilidade, segundo o BO, da empreiteira Pré Galpão. Foi quando um guindaste, em operação, bateu numa viga, que se partiu e despencou, causando a fatalidade. Três pessoas estavam na parte debaixo. Pau-

lo Bispo foi encaminhado ao hospital com fratura exposta. Adenilton Novaes morreu na hora. Já Domingos Osvaldo Henrique dos Santos escapou ileso, mesmo assim precisou de cuidados médicos. “O nosso sindicato, como não poderia deixar de ser, está acompanhando o caso de perto. É preciso saber se houve negligência patronal. De antemão, sabemos que os trabalhadores não possuíam vínculo

empregatício direto com os envolvidos no acidente. É de se lamentar o falecimento de um garoto de apenas 16 anos. O ambiente de trabalho nos canteiros de obras costuma ser difícil e inóspito, requerendo cuidado e aplicação correta de normas de segurança. O sindicato está a postos para auxiliar familiares”, afirma o líder da categoria Antonio de Sousa Ramalho, o Ramalho da Construção.


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

5

MURO DESABA NA VILA OLÍMPIA E MATA DUAS PESSOAS FOTO: DIVULGAÇÃO/CORPO DE BOMBEIROS

!

A

precarização das relações entre capital e trabalho, imposta pela péssima reforma trabalhista proposta pelo governo Temer, vai fazendo suas vítimas, não apenas em termos de desemprego, mas, também, nos canteiros de obras da construção civil, onde a terceirização e a informalidade campeiam. No último dia 27 de outubro, um muro

de contenção de uma obra localizada na Rua Gomes de Carvalho, na Vila Olímpia, fez mais duas vítimas fatais e deixou outros três companheiros feridos. “O muro de cerca de seis metros, caiu. Algo fez com que isso acontecesse, provavelmente falha humana e erro de gestão da obra. A área fica em frente a um espaço de eventos”, afirma o presidente do nosso

sindicato, Ramalho da Construção. Segundo Ramalho, os três feridos foram atendidos pelo Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu), dois foram levados para o Hospital das Clínicas e uma vítima ao Pronto-Socorro Regional de Osasco. “Ainda não há informações sobre as causas do desabamento. A Diretoria de

base do Sintracon-SP foi acionada e colaborará nas investigações. Fatos como esse, lamentáveis, precisam ser banidos de um setor que reponde por expressiva parcela do PIB (Produto Interno Bruto Brasileiro) brasileiro. O trabalhador da construção merece mais respeito”, conclui Ramalho, que já colocou o setor Jurídico do sindicato à disposição de familiares das vítimas.

SINTRACON-SP APOIA A CAMPANHA NOVEMBRO AZUL Depois da campanha “Outubro Rosa”, que visa conscientizar a população feminina sobre os perigos do câncer de mama, e despertar a atenção para o problema em todos os meses do ano, nosso sindicato, o Sintracon-SP, abraça nova campanha: a “Novembro Azul”, que tem como meta o Combate ao Câncer de Próstata. Este tipo de câncer é a causa de morte de 28,6% da população masculina que desenvolve neoplasias malignas. No Brasil, um homem morre a cada 38 minutos devido ao câncer de próstata, segundo os dados mais recentes do Instituto Nacional do Câncer (INCA). A próstata é uma glândula do sistema reprodutor masculino, que pesa cerca de 20 gramas, e se assemelha a uma castanha. Ela localiza-se abaixo da bexiga e sua principal função, juntamente com as vesículas seminais, é produzir o esperma. Na fase inicial, o câncer de próstata não

FOTO: SINTRACON-SP

apresenta sintomas e, quando alguns sinais começam a aparecer, cerca de 95% dos tumores já estão em fase avançada, dificultando a cura. A única forma de garantir a cura do câncer de próstata é o diagnóstico precoce. Mesmo na ausência de sintomas, homens a partir dos 45 anos com fatores de risco, ou 50 anos sem estes fatores, devem ir ao urologista para o médico avaliar alterações da glândula, como endurecimento e presença de nódulos suspeitos, e sobre o exame de sangue PSA (antígeno prostático específico). “Cerca de 20% dos pacientes com câncer de próstata são diagnosticados somente pela alteração no toque retal. Outros exames poderão ser solicitados se houver suspeita de câncer de próstata, como as biópsias, que retiram fragmentos da próstata para análise”, comenta o líder da nossa categoria, Ramalho da Construção.

DIA NACIONAL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA NO TRABALHO A data de 27 de novembro é marcada pelo Dia Nacional do Técnico em Segurança do Trabalho. Nós, do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Paulo (Sintracon-SP), só podemos comemorar e agradecer à atuação desses ver-

dadeiros anjos da guarda, que dia e noite zelam pela vida de quem desenvolve suas atividades no ambiente, muitas vezes hostil, dos mais de 10 mil canteiros de obras espalhados por uma das maiores metrópoles do mundo.

Para o líder da nossa categoria, Ramalho da Construção, o papel do técnico é fundamental e vai além da simples orientação ao trabalhador: “O profissional passa a maior parte do tempo longe de casa. Os companheiros

acabam fazendo parte da família. O convívio é enriquecedor. Precisam estar conscientes, pois o nosso País, tão sucateado por problemas da corrupção, precisa de gente que pensa e participa das ações político-sociais”, acredita Ramalho.


6

SINTRACON-SP | NOVEMBRO DE 2018

GREVE NA GAFISA ADIADA PARA NEGOCIAÇÕES Em reunião realizada na manhã de 24 de outubro, Gafisa recua. Quer negociar com o sindicato. Apresenta avanços e vontade de dialogar. Leia entrevista com o líder da nossa categoria, Antonio de Sousa Ramalho, o Ramalho da Construção: FOTO: CLAUDINEI BITMAN

O coreano Mu Hak You, presidente da Gafisa, parece que deixou de lado o chá de peroba e passou a tomar o de maracujá, que tem efeito de acalmar ânimos, certo? Ramalho. Ficou mais tranquilo e decidiu procurar o nosso sindicato para negociar. Isso certamente aconteceu pela demonstração de força dos 2.500 trabalhadores da empresa, locados em 16 canteiros de obras, durante nossas assembleias, onde ficou decidido greve a partir da zero hora de 25 de outubro. Ele veio ao sindicato? R. Não chegou a tanto, mas, pelo jeito, já descobriu que banana não tem caroço. Na manhã de 24 de outubro, a mando dele, diretores da Gafisa vieram ao sindicato para negociar. Apresentaram avanços positivos, como a manutenção da jornada em 40 horas, respeito a todas as cláusulas de nosO avanço nas negociações adiou sa última Convenção Coletiva de Trabalho e a quitação, até meados de novembro, a greve? R. Nosso sindicato sempre deu prefedos serviços prestados pelas empreiteiras e fornecedores, assegurando pagamento rência ao diálogo, exceto quando aparece um coreano desavisado que quer botar fogo de salários. naquela que, ao longo de décadas, sempre E quanto a mudança para São Ca- foi uma ótima empresa. O magro um meetano, que vem atazanando a vida tro e meio de olhos puxados agora conhedos funcionários administrativos da ce a força e o brio do trabalhador. Assim sendo, devido à demonstração de negociar Gafisa? R. Sobre a mudança do prédio perto do da Gafisa, decidimos suspender a greve e Shopping Eldorado para um imóvel em São continuar, até 21 de novembro, dialogando Caetano do Sul, também houve retrocesso. com a construtora, sempre assegurando A Gafisa informou que o projeto é ainda em- os direitos do trabalhador. Mas, na reunião, brionário. Precisa passar em assembleia de deixamos bem claro que 21 de novembro acionistas, ou seja, o caminho a ser trilhado será a data final. Se as negociações não é longo. Mas estaremos atentos à evolução chegarem à medida do bom fim, a greve será imediata. das coisas.

CONSTRUTORA FALEIROS Parabéns, trabalhadores da obra da Construtora Faleiros, localizada na Vila Santa Catarina, na Zona Sul de São Paulo, que entenderam o verda-

deiro significado da sindicalização e se associaram ao nosso sindicato. Dos 80 operários da obra, quase 100% estão sindicalizados.

CHEQUE DE R$ 2 MIL Edmilson Araújo Furtado, que será pai em breve, recebeu, por meio da parceria entre o Sintracon-SP e a Seguradora Costa e Parra, R$ 2 mil. O valor é sorteado apenas para associa-

dos do sindicato. O diretor da entidade, Ramalho Júnior, entregou o cheque. Após o evento, quase 100% dos trabalhadores da obra se associaram ao Sintracon-SP.

dores sem receber passivos e 20 mil fornecedores sem captar seus créditos. Ele, inclusive, já andou dizendo que não gosta de brasileiros. Logo, logo, vai estar comendo buchada, dobradinha, feijoada e virado à paulista.

Como é que ele chegou ao poder na Gafisa? R. A Gafisa, hoje de capital aberto, sempre prestou bons serviços. Daí então, o tal do coreano comprou 37% das ações da empresa. Deu um golpe no presidente. Assumiu o controle e começou a fazer verdadeiras barbaridades contra seus trabalhadores e, também, contra seus consumidores. 60% do corpo funcional da construtora em todo o País foi demitido por ordem do “estimado” Mu Hak You. Nas homologações, feitas no próprio escritório da organização, ele parcelou o dinheiro do passivo trabalhista. Parcelou e não pagou. O que faz o nosso sindicato temer Deu calote também nas ações trabalhistas tanto as ações do tal de Mu Hak You, é algo em torno de R$ 9,5 milhões. esse o nome dele, certo? R. O Mu sei lá o que está causando. O Caso de hospício, certo? coreano pegou a Gafisa de assalto. SuspenR. Sim. Mas tem mais, tem mais. de obras. Demite funcionários aos quilos. Conquistas trabalhistas como seguro de Não paga direitos. Dá calote em fornece- vida, vale-alimentação, INSS, FGTS, endores e ameaça o sonho da casa própria tre outros, já foram para o espaço através dos consumidores daquela que foi uma das das ações desse senhor que aliás, nunca maiores empresas do ramo no Brasil. O his- trabalhou na vida por ser um especulador tórico não é nada bom. financeiro oportunista e venal. Folgado ele, hein? R. Nosso medo é que o coreano acabe transformando a Gafisa numa nova Encol que, na década de 90, deixou 720 prédios inacabados, 40 mil consumidores sem realizar o sonho da casa própria, 36 mil trabalha-

Concluindo... R. Gostaria de parabenizar os trabalhadores da Gafisa que, durante as assembleias, foram unânimes em demonstrar repúdio às ações do mandatário Mu Hak You.

TRABALHAR EM EXCESSO É COMO DIRIGIR BÊBADO, INDICA ESTUDO De acordo com a BBC Brasil, longas jornadas de trabalho aumentam os riscos de acidentes. Os níveis de estresse provocam até dor física. Mas o grande problema é que muitas pessoas simplesmente não podem evitá-las. De acordo com as últimas estatísticas da Organização Internacional do Trabalho (OIT), mais de 400 milhões de pessoas trabalham 49 ou mais horas por semana, uma proporção considerável do quase 1,8 bilhão de trabalhadores em todo o mundo. “Esgotar-se como se isso valesse uma medalha de honra abre precedentes perigosos. Trabalhar por muitas horas e finais de semanas é muito comum no setor da construção civil de São Paulo e do nosso País. Nosso sindicato, o Sintracon-SP, sempre lutou contra as malditas tarefas que enganam a boa fé do trabalhador, pois as horas extras, em alguns casos, não são pagas pelo valor correto e nem incidem no holerite, causando perdas para cálculo de aposentadoria, 13º salário, FGTS e por aí vai”, observa o líder da nossa categoria, Ramalho da Construção.


A TRIBUNA

7

DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RAMALHO E AS ELEIÇÕES E CONHECEREIS A VERDADE, E A VERDADE VOS LIBERTARÁ

O

resultado das eleições, que fizeram de Jair Bolsonaro o novo presidente do Brasil, traduz o desejo soberano do eleitor. É preciso respeitar tal fato e unir forças para a edificação de um País melhor. A hora é de se discutir propostas e colocar o novo presidente à par das dificuldades do setor da construção civil e, em especial, de seus trabalhadores, que efetivamente constroem São Paulo e a Nação. Para diminuir o déficit de emprego, que chega a 14 milhões, Jair Bolsonaro precisa saber que, ao investir na construção, o caminho se torna mais fácil. Sempre digo que, quando se investe R$ 1 bilhão na construção, gera-se 15.157 empregos diretos e com carteira assinada. Mais os indiretos, esse número supera os 51 mil. Além disso, o montante investido representa a construção de 13.788 moradias. O Brasil precisa sair desse estado de paralisia e retomar o curso do desenvolvimento, com investimento e geração de emprego. Essas são as alavancas para construir melhorias e reverter a desigualdade social, restabelecer a segurança e atender as expectativas do cidadão. Recuperar a competitividade da economia e a geração de empregos, trazendo de volta os milhões de brasileiros hoje desam-

FOTO: CLAUDINEI BITMAN

parados, deve ser a agenda de Jair Bolsonaro. E a construção civil é o segmento com maior potencial para abrir postos de trabalho com rapidez e grande volume. Setor fortemente prejudicado pela crise, a construção perdeu mais de um milhão de trabalhadores e perde espaço no Produto Interno Bruto (PIB) há 178 trimestres consecutivos. Defesa do trabalhador Bolsonaro prometeu, tendo a Bíblia e a Constituição ao lado, que governaria para todos, sem distinção, privilegiando os mais pobres e necessitados. Cremos que, mesmo antes de tomar posse, ele perceberá o demasiado oportunismo das elites e do capital. E que o povo trabalhador está sem defesa e ao Deus dará. Com a sensibilidade social que caracteriza seu senso de justiça, o novo líder da Nação verde e amarela não poderá dar as costas aos direitos do trabalhador, sob pena de desiludir às pessoas simples. Tais pessoas votaram nele para acabar com a corrupção em larga escala, que assolou o Brasil nas sucessivas administrações petistas. Também elegeram Bolsonaro na esperança que a violência desenfreada

Doria representa a social democracia, o PSDB, que muito vem fazendo para aumentar, ainda mais a pujança do estado considerado a locomotiva da nação. Cremos que ele fará muito pela geração de empregos e, também, para aumentar o número de moradias ao povo paulista. Trata-se de um gestor de sucesso, que, certamente, contará com o nosso apoio A eleição de Doria O novo governador de São Paulo, João e incentivo. Doria, sempre foi amigo do trabalhador da construção civil. Chegou a assistir jogos da Ramalho da Construção Copa do Mundo de futebol no auditório do Presidente do Sindicato dos Trabalhanosso sindicato, onde afirmou ser sua casa. dores da Construção Civil de São Paulo seja combatida. Desemprego, salário baixo e insegurança jurídica também constituem violência. E de cidadania. Portanto, Jair Bolsonaro dará ótimo exemplo se dialogar com a classe trabalhadora, coisa que o PT não fez, por esquecer a base da pirâmide social.

WANDERLEY ALEXANDRINO, A HISTÓRIA VIVA DO SINTRACON-SP pitalar na Faculdade São Camilo. De office boy passou para o Departamento Pessoal, na área de Recursos Humanos. E foi decisivo na montagem dos ambulatórios médico e odontológico. “A categoria pedia por saúde. Saímos a campo. Com a ajuda do urologista, doutor Osvaldo Bocallini, conheci o professor de medicina do Hospital das Clínicas, doutor Alberto Berger, grande profissional”, diz Wanderley. Em pouco tempo surgiu o Departamento de Saúde, com 35 médicos, de várias especialidades, além de 15 dentistas, três técnicos de Raio X e três enfermeiras. Parcerias foram viabilizadas com o então INAMPS, hoje SUS, para a realização de médias e grandes cirurgias. Na opinião de Wanderley Alexandrino, casado há 45 anos com Sueli Miranda Alexandrino, com quem tem dois filhos e cinco netos, o sindicalismo, apesar do cala boca da ditadura, era forte. Após a democratização, ficou mais poderoso ainda. Já nos últimos tempos, nas administrações Dilma e Temer, foi enfraquecendo.

“A reforma trabalhista de Temer acabou com os direitos do trabalhador e abalou muito os sindicatos que, sem condições econômicas, estão sendo obrigados a demitir pessoas e, alguns, até a vender seus próprios. Vejo tudo isto com tristeza, pois sou testemunha viva da importância de um sindicato na defesa de quem luta para levar o pão para casa. Essa gente, que constrói o País, está órfã de tudo”, observa Deley. No ano 2000, Wanderley se aposentou. Passados dois anos foi chamado de volta pelo presidente do Sintracon-SP, Ramalho da Construção, para ser seu assessor direto. “Creio que desempenhei tal papel com muita dedicação. Especialmente a partir de 2007, quando o Ramalho foi acometido de um câncer abdominal. De 2007 até 2017, estive ao lado dele dia e noite. Graças a Deus tudo acabou bem.” Em agosto último, Wanderley Milton Alexandrino vivenciou um dos mais gratificantes momentos de toda a sua vida. Foi quando o Sintracon-SP preparou uma festa surpresa pelos seus 50 anos de grandes serviços prestados ao trabalhador da cons-

FOTO: REPRODUÇÃO/FACEBOOK

Wanderley Milton Alexandrino se confunde com a história de lutas do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Paulo (Sintracon-SP). Aos 65 anos, nascido no bairro paulistano do Belenzinho, Deley (como é mais conhecido), entrou para a entidade de defesa dos direitos da categoria como office boy, em 1968. “Tinha apenas 15 anos, mas dava para perceber que o ambiente era difícil. Vivíamos os anos de chumbo da ditadura militar. As paredes tinham ouvidos. A vigilância das forças armadas era constante. O Sintracon-SP, assim como todo o movimento sindical, pisava em ovos. O clima tenso, durou mais de 15 anos. Mas, entre nós, funcionários, não tinha mau tempo. Nos divertíamos muito. Com o advogado Eber Cleto Duarte e o seu Abel Pereira, ajudei a montar o time de futebol do sindicato. Além de jogar, cuidava da contabilidade”, rememora Deley. Com o passar do tempo, o paulistano da Zona Leste foi galgando posições. Incentivado por Emílio Sanches, Assessor Especial da Presidência, foi fazer Administração Hos-

Wanderley Milton Alexandrino trução civil. Passei mais tempo no sindicato do que com a minha família. O Sintracon-SP é a minha primeira casa”, conclui emocionado.


8

SINTRACON-SP | NOVEMBRO DE 2018

O BRASIL DO BOM SENSO

A

o ser questionado, em entrevista, sobre a Reforma da Previdência, o presidente Jair Bolsonaro deu exemplo de lucidez e senso de justiça ao dizer que algumas categorias, como a da construção civil, precisam ser melhor avaliadas. “Aos 60 anos, fica difícil para um trabalhador carregar saco de cimento nas costas”, salientou o presidente. Não é à toa que o povo do nosso País

deu a Bolsonaro tão expressiva vitória nas urnas. Ele conhece e reconhece problemas políticos, econômicos e, especialmente, os de natureza social. Seu governo promete construir um Brasil melhor.

REDE DE BENEFÍCIOS PARA OS ASSOCIADOS

Ramalho da Construção Deputado estadual e presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Paulo

CIDADE BRASIL A empresa Cidade Brasil, que presta serviços de manutenção dentro do Ceagesp, está dando calote nos trabalhadores. Tem gente com férias vencidas há dois anos, sem vale-alimentação, café da manhã e lanche da tarde. Além disso, anda praticando assédio moral. Depois de várias tentativas infrutíferas

de diálogo, para resolver a situação, nosso sindicato denunciou a Cidade Brasil junto ao MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) e MPT (Ministério Público do Trabalho). Encaminhou, ainda, os operários interessados ao Departamento Jurídico, para entrar com ações sobre assédio moral e revisões indiretas do contrato de trabalho.

CONSTRUTORA FLPP O canteiro da Construtora FLPP, localizado na Rua Lício Nogueira, 111, em Moema, ficou parado por mais de uma hora. O sindicato e os trabalhadores da obra chegaram no local por volta das 06 horas, cruzaram os braços e só voltaram às atividades depois das 8 horas. De acordo com o diretor do Sintracon-SP, João Rodrigues,

o Sintracon-SP era proibido de entrar no ambiente de trabalho. “O engenheiro da obra disse que o nosso sindicato não representava os trabalhadores de lá e quem fazia essa representação era o Secovi. Depois de dialogarmos, ele entendeu o nosso papel e, a partir de agora, temos acesso livre”. FOTO: SINTRACON-SP

SÓCIOS TÊM

10% DE

DESCONTO

MAIS OBRA, MENOS IMPOSTO A construção civil é um setor decisivo para que o Brasil retorne aos trilhos do crescimento, com mais renda, mais empregos, mais riquezas e mais desenvolvimento. Os principais agentes do segmento já elaboraram uma pauta de reivindicações ao futuro presidente da República, Jair Bolsonaro. Veja: . Dar andamento a obras públicas paradas; . Incentivar o Programa de Parcerias Público-Privadas (PPPs) e às concessões, que podem atrair capital estrangeiro. . Acelerar o programa Minha Casa Minha Vida, que funciona com recursos do FGTS. . Desenvolvimento de ações visando a geração de empregos no País; . Antecipação da vigência da decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN) de permitir ao FGTS financiar imóveis até R$ 1,5 milhão;

. Incentivo para que as empresas construtoras adquiram terrenos para a edificação de conjuntos habitacionais mais próximos ao centro das cidades; . Compromisso do governo de revogar a Resolução 823/2018, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que tira das distribuidoras a responsabilidade do custo da construção das obras de infraestrutura básica das redes de distribuição de energia elétrica nos empreendimentos de interesse social. . Os agentes da construção manifestam preocupação com as questões referentes ao crédito e à segurança jurídica, no aspecto do licenciamento ambiental e da parte trabalhista; . Que as construtoras tenham a garantia e a segurança que não sofrerão aumento em suas despesas com impostos.

NA ENTRADA DO AQUÁRIO DE SÃO PAULO Para adquirir o desconto, o sócio precisa entrar no site www.aquariodesp. com.br/sintraconsp; depois inserir a senha (E0407V) - tudo em letra maiúscula - e seguir as etapas abaixo para realizar a compra: - Selecionar os ingressos desejados; - Marcar a data e o horário; - Realizar o pagamento via cartão; - Imprimir o voucher e o levar para o evento junto com sua carteirinha de sócio do Sintracon-SP. Se o titular da compra não estiver

presente no evento, o visitante deverá levar consigo: - Uma cópia do documento de identificação do titular da compra; - Uma autorização por escrito (de próprio punho) do proprietário do cartão; - Uma cópia do cartão de crédito que foi usado. No caso dos funcionários do sindicato, é fundamental a apresentação do crachá da entidade na entrada do evento. Não é possível agendar o voucher para o mesmo dia e não há desconto direto na bilheteria.


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

9


10

SINTRACON-SP | NOVEMBRO DE 2018

SINTRACON-SP INVESTINDO NA QUALIFICAÇÃO DO TRABALHADOR!

Eletricista NR 10 Pedreiro Azulejista SÓCIO DO SINTRACON-SP, INSCREVA-SE AGORA MESMO!

VOCÊ QUE AINDA NÃO É SÓCIO, INFORME-SE!

Rua Conde de Sarzedas, 286 - Centro São Paulo - SP - Fone (11) 3388-4800 sintraconsp@sintraconsp.org.br www.sintraconsp.org.br

ATENCÃO, ASSOCIADOS DO SINDICATO!!! A REFORMA TRABALHISTA PASSOU E O DESEMPREGO AUMENTOU!!!

FIQUEM ATENTOS!!!

Entregue seu currículo, no térreo – Ouvidoria – aos cuidados da nossa funcionária Elaine. Encaminharemos seu currículo para as empresas que necessitam de mão de obra.

Caso já possua um currículo, envie no e-mail abaixo: elaine.mizokami@sintraconsp.org.br

SINTRACON-SP – Ao Lado do Trabalhador que Constrói o País!!!

Filiado à

DIÁRIA NÃO SÓCIOS

DIÁRIA SÓCIOS

FICOU DESEMPREGADO? CONHECE ALGUÉM NESSA SITUAÇÃO?


CLUBE DE CAMPO DO CIPÓ Diversão Garantida para toda a Família!

Pensando no associado, o Sintracon-SP tem o Clube de Campo do Cipó, em Embu-Guaçu, São Paulo O clube possui quadra poliesportiva, quadra de bocha, churrasqueiras, campo de futebol e muito mais. No local há dez chalés, cada um com capacidade para receber até seis pessoas.

O associado deve providenciar: • Alimentação • Transporte • Roupa de Cama • Valores

ÁREAS DE LAZER Atualmente as áreas de lazer estão passando por reformas para melhor atender as necessidades dos sócios. Contudo, alguns espaços estão disponíveis, tais como: campo de futebol, quadra de bocha, área verde, salão de jogos e as piscinas.

SERVIÇO O Clube de Campo do Cipó, localizado na cidade de Embu-Guaçu - interior do Estado de São Paulo, oferece toda essa comodidade por R$ 100,00 a diária. Para mais informações, ligue: (11) 3388-4800 (ramal 4102).

COLÔNIA DE FÉRIAS EM ITANHAÉM Para você, associado, que deseja se divertir junto a seus familiares, o nosso Sindicato tem a Colônia de Férias, na cidade de Itanhaém, no litoral sul. Paz, sossego e tranquilidade. Além de magníficas praias, são pontos turísticos famosos:

DIÁRIA NÃO SÓCIOS

DIÁRIA SÓCIOS

• Cama de Anchieta • Morro de Pernambuco • Convento Nossa Senhora de Conceição • Gruta Nossa Senhora de Lourdes

110 ,00

Apartamento para 6 Pessoas

160,00

Apartamento para 6 Pessoas

Apartamento para 4 Pessoas

R$

Apartamento para 4 Pessoas

R$

São disponibilizados dois tipos de apartamentos: com capacidade para quatro pessoas e instalações para receber até seis pessoas. Agendamento prévio através do telefone (11) 3388.4800 (ramal 4292) - após isso é necessário comparecer ao Sindicato (Rua Conde de Sarzedas, 286, Centro) com o RG original ou cópia do documento de identidade dos hóspedes. Os valores são cobrados pelos dias que o sócio se hospedar, sendo que o sócio deve estar em dia com as mensalidades.

R$

R$

140 ,00

200,00

OBS: Pulseira de identificação R$ 1,00 cada adulto e cada criança. Valores sujeitos a alterações. Trazer documentos de identificação com foto original ou xerox de todos os hospedes.

RESERVAS E INFORMAÇÕES: SEGUNDA A QUINTA: 7HS ÀS 17HS | SEXTA: 7HS ÀS 16HS FONE: (11) 3388-4800 (RAMAL 4102)

A 200 METROS DE DISTÂNCIA DA PRAIA


CONHEÇA O CARTÃO AMIGO DO TRABALHADOR E APROVEITE AS VANTAGENS! É um benefício exclusivo para nossos sócios Conheça os benefícios: • Descontos em estabelecimentos comerciais e de ensino; • Sorteios semanais de R$ 2.000,00; (muitos companheiros já ganharam, você pode ser o próximo)

CARTÃO AMIGO DO

TRABALHADOR

• Seguro de R$ 1.500,00 em caso de morte acidental;

Quem tem direito aos benefícios? Todos os sócios em dia com suas mensalidades e com cadastro atualizado. Mais do que um bom negócio, o Cartão Amigo do Trabalhador é uma conquista dos trabalhadores, resultado de uma gestão moderna, transparente e eficaz do Sintracon-SP.

“A maioria dos sindicatos dá carteirinha para os sócios. No Sintracon-SP, damos o Cartão Amigo do Trabalhador, cheio de benefícios”, Ramalho da Construção.

SÃO MUITAS AS VANTAGENS DE SER SÓCIO DO SINTRACON-SP SEJA SÓCIO DO NOSSO SINDICATO E FORTALEÇA A LUTA PELOS SEUS DIREITOS O Sintracon-SP oferece, aos seus associados, assistência jurídica para tirar dúvidas, entrar com ações trabalhistas e realizar homologações. O atendimento é realizado de segunda-feira à quinta-feira, das 8h às 18h, e sexta-feira, das 8h às 17h.

CONQUISTAS NAS CONVENÇÕES COLETIVAS Aumento salarial

acima da inflação 12 anos consecutivos

Café da manhã Vale-Alimentação Lanche da tarde Dois uniformes completos Participação nos lucros das empresas

TUDO ISSO POR APENAS R$ 35,00 /MÊS

Profile for sintraconsp

A Tribuna - Novembro | 2018  

A Tribuna - Novembro | 2018  

Advertisement