Issuu on Google+

24 de abril - Dia do OTT

FILIADO A CUT E A FENTECT

Impresso Especial

9912292945/2012-DR/SC

SINTECT/SC CORREIOS abril de 2013 - número 4 Rua Heronildes José da Silva, 190 - CEP: 88110-624 - Bairro Floresta, São José/SC - Telefones/Fax: 0800.646.1992 / (48) 3346.1992 / (48) 3346.3448

desrespeito PRIVACIDADE Dirigentes criticam Anexo 0 e cobram solução para acabar com o assédio moral no CEE Florianópolis Em reunião com a DR/SC, os dirigentes do Sintect/SC, entregaram para o Diretor Regional, documento assinado pelos trabalhadores do CEE Florianópolis, relatando as inúmeras reclamações da cate-

goria. Os dirigentes ainda criticaram as determinações do Anexo 0 e cobraram uma solução para acabar com o assédio moral nas unidades dos Correios. (Continue lendo a matéria na página 7.)

Luta em 2013: resultado aponta opinião dos trabalhadores 56,1% dos trabalhadores dos Correios de Santa Catarina gostariam de ter incorporado ao salário o valor do vale-alimentação. A opinião foi apontada na enquete realizada no site do Sintect/SC, entre os dias 1 a 22 de março de 2013. Na enquete a pergunta era pra saber, na opinião dos trabalhadores, qual deveria ser a principal luta do Sintect/SC, neste ano. O resultado serve para orientar as ações dos dirigentes e será levada em

consideração na formulação da pauta de reivindicações da Campanha Salarial. Empatado em segundo lugar com 14,63% ficou a inclusão da PLR no Acordo Coletivo e o direito ao auxílio-creche para o homem na ECT. Os trabalhadores também disseram que gostariam de ter o pagamento em folha do auxílio combustível (13,1%) e que fossem adquiridos novos equipamentos de trabalho em substituição aos atuais (1,63%). Incorporado ao salário o valor do vale-alimentação Inclusão da PLR no Acordo Coletivo

56,1%

14,63%

Auxílio-creche para o homem

13,1%

1,63%

Pagamento em folha do auxílo combustível Equipamentos de trabalho em substituição aos atuais

SINDICALIZAÇÃO Para conquistar melhores condições de trabalho, reajustes de acordo com os índices, garantia de emprego e benefícios é preciso organização e luta. Nosso dever é estar à frente das negociações e dos enfrentamentos com os patrões. Combater a exploração, o assédio-moral, o tratamento desígual - as injustiças - exigindo dignidade para o exercício do trabalho. Defendemos o trabalhador em situações como: Transferências, Assédio-moral, Pagamento de Benefício, Dano moral e material, SID entre outros. O Sintect/SC está na sociedade como interlocutor da categoria. Na política atua de acordo com o interesse dos trabalhadores. Filie-se, preencha os campos da ficha inscrição no site, assine e envie ao Sintect/SC.

ELEIÇÃO

Delegados eleitos em todo o estado

Participação das mulheres qualificam o trabalho do sindicato

Delegados Sindicais são eleitos nas unidades das principais regiões do estado. A participação da categoria na eleição é prova de que os ecetistas estão cada vez mais presentes na vida sindical. Agora, os representantes do sindicato, eleitos, terão a oportunidade de auxiliar os colegas e o sindicato nos locais de trabalho. Os delegados são referência dentro da unidade na busca por solução aos problemas e as demandas dos trabalhadores.

A política é quase tão excitante como a guerra e não menos perigosa. Na guerra a pessoa só pode ser morta uma vez, mas na política diversas vezes. Winston Churchill


JURÍDICO

Trabalhadores são beneficiados em decisões Trabalhadores obtém o resultado esperado em decorrência de ações do Sintect/SC

A 1aVara do Trabalho de Rio do Sul condenou a ECT ao pagamento de diferenças salariais decorrentes da descumprimento do direito às promoções por antiguidade, previsto no PCCS/1995. Para o relator do processo, Grácio Ricardo Barbosa Petrone, apesar do Plano de Carreira, Cargos e Salários - PCCS estabelecer que as progressões horizontais serão concedidas por deliberação da empresa, em conformidade com a lucratividade do período, o PCCS, ao estipular o prazo máximo de 3 (três) anos, limitou o âmbito de

sua deliberação, conferindo ao empregado o direito à promoção por antigüidade após o prazo. Vale observar que a discussão limita-se às promoções posteriores ao PCCS/2008. O Plano de Carreiras, Cargos e Salários de 2008, em seu item 5.2.3.3.3, combinado com item 5.4.4, estabelece critérios para a concessão da promoção horizontal por antiguidade, atrelando à progressão, além do prazo, condicionantes de deliberação da diretoria da empresa e orçamentária.

na contramão

Transferência de trabalhadores

como moeda de troca

No CEE Florianópolis, desde o ano de 2011, tem sido realizada a transferência de trabalhadores com a justificativa de excesso de efetivo. Os dirigentes estiveram em frente a unidade para protestar. Em levantamento realizado pelo sindicato, atualmente, o CEE possui 10 ecetista atuando na unidade, emprestados de outras unidades. CDD/Araranguá, CDD/Tubarão, AC/SÃO Ludgero, CDD/Criciúma, CDD/Balneário Camboriú / CDD Itajaí. Ocorre que a transferência na ECT contra a vontade do trabalhador é utilizada para punir, privilegiar ou para a prática de exercício de poder dos gestores. É do conhecimento do sindicato que outras transferências estão prontas para serem realizadas de maneira arbitrária. Diante dos fatos, não se justifica as últimas transferências e portanto o sindicato vai acionar a Justiça do Trabalho contra a empresa, no intuito de reverter e evitar novas transferências.

ECT não concedeu progressões de acordo com o PCCS Em Joinville, trabalhador procurou o Sintect/SC e acionou a Justiça, pois a ECT não concedeu todas as progressões/promoções de acordo com o PCCS 1995 e 2008. Ganhou. Da decisão do juíz, ficou estabelecido à ECT o pagamento das diferenças salárias decorrentes da promoção horizontal por antiguidade reconhecida, a partir de outubro de 2008, com reflexos em horas extras, férias acrescidas de 1/3, 13ºs salários, anuênios e FGTS.

OTT receberá atrasados de adcional de atividade (AAT) O juiz da 3ª Vara do Trabalho de São José garantiu a trabalhadora do CTC que exerce cargo de OTT, o pagamento do adicional de tratamento. De acordo com a decisão, a ECT terá de pagar o Adicional de Atividade de Tratamento (AAT), do período de outubro de 2008 a fevereiro de 2010, com reflexos em férias e gratificações e depósitos do FGTS. O Sintect/SC tem empenhando esforços para agilizar os processos, entretanto a morosidade da Justiça tem exigido paciência por parte dos trabalhadores.

Incorporado 15% de sábado

Documento apontando problemas no CEE foi entregue para a DR/SC.

Em São José, a juíza do trabalho Ana L. M. Rick condenou a ECT a incorporar os reflexos da parcela de 15%, referente ao trabalho aos sábados, no salário do trabalhador. Na decisão a juiza, a ECT foi condenada ao pagamento dos reflexos da parcela “trabalho no final de semana” - nos repousos semanais remunerados e, com estes, nas férias acrescidas de 1/3, anuênios, décimos terceiros salários, depósitos do FGTS, em parcelas vencidas e vincendas.


especial: Perfil da DR/SC

Realidade em SC Dirigentes do Sintect/SC buscam nas ações estratégicas reduzir os prejuízos aos trabalhadores

O xadrez, por ser um jogo de estratégia e tática, não envolve o elemento sorte.

O Sintect/SC continua recebendo dezenas de denúncias dos trabalhadores dos Correios de Santa Catarina. As reclamações são por falta de efetivo, más condições de trabalho e principalmente por assédio moral, perseguição, convocação para o trabalho aos finais de semana. Os dirigentes do sindicato tem solicitado providência a Direção Regional para melhorar as atividades da categoria. Apesar dos protestos do sindicato, as chefias não estão melhorando o comportamento e o modo de agir com os trabalhadores. Em

alguns casos é possível perceber que gestores e chefias estão agindo com o respaldo da DR/SC. Por um lado, a ECT tem imposto regras com base em ferramentas de gestão, e, por outro, os gestores se fortalecem com o discurso de estarem protegidos e amparados pelo Diretor Regional. Dentro da estrutura organizacional dos Correios em SC, ocorre favorecimentos - o chamado apadrinhamento. Essas duas situações são difíceis de serem combatidas pois ocorrem camufladas pela burocracia e se dão encorbertas pelas

relações pessoais, fácil de serem observadas, mas não de serem extintas. Tudo funciona como em um jogo de xadrez, onde algumas peças são favorecidas e outras são sacrificadas. Tentando reduzir ao máximo os prejuízos aos trabalhadores os dirigentes do Sintect/SC expõe as situações na esperança de que o prejuízo com a divulgação e a visibilidade dos casos, atinja a imagem dos envolvidos, e assim possamos equilibrar as forças nas relações de trabalho.


Perfil da DR/SC

Gestores das unidades são peças da DR/SC No xadrez o peão movimenta-se sempre para a frente, sendo a única peça que não pode retornar ou retroceder.

LO RI AN ÓP TU OL BA 3RÃ IS CD O D JO 4IN CD VI LL D EL JA RA ES 5TE GU CE Á EB DO LU S 6 CD D

No CEE BLUMENAU continua a política de assediar trabalhador com a aplicação de SIDs e suspensões. A intenção é criar um desgaste psicológico nos trabalhadores da unidade. O gestor exige que os trabalhadores entreguem os atestados em mãos [fato inédito em SC]. O autoritarismo é tanto, que se exige das companheiras

EF

No CDD JOINVILLE LESTE depois da intervenção do sindicato e união dos

No CDD TUBARÃO os trabalhadores são convocados para trabalhar aos sábados. Os mesmo estão sendo coagidos com o termo de orientação. Quando um trabalhador adoece a chefia utiliza o afastamento do trabalhador como justificativa para as convocações para trabalhar aos finais de semana.

2-

No CEE FLORIANÓPOLIS o gerente continua transferindo trabalhadores. Este movimento cria intranquilidade nos trabalhadores. Na unidade de 65 trabalhadores, 25 estão afastados por estress. Mesmo recebendo auxílio de outras unidades, o CEE não consegue dar vazão a carga por falta de efetivo. Para compensar, a chefia convoca os trabalhadores para atuar aos sábados e domingos. O último episódio de assédio moral foi a chefia coagindo trabalhador, recém eleito delegado sindical. Ainda envia SID, via carta registrada, para trabalhador com atestado.

Ranking das piore

Entre os itens que classificam a un guição, convocação para trabalhar a to de chefias. Após publicar em jane piores unidades dos Correios em S as unidades para conversar com os ficou a classificação das piores unid em março e abril de 2013. Destaq subiu 5 posições, em relaç

No CDD JARAGUÁ DO SUL a unidade continua em condições precárias. Os dirigentes do Sintect/SC apuraram a situação em que trabalhadores eram transportados em um veículo de carga. O GERAE do CEP 89000 assinou um termo de ajuste e até hoje não concretizou o compromisso.

CE

No CDD BARREIROS a gerente pressionava a categoria cronometrando e controlando o tempo dos trabalhadores. Após denúncia dos dirigentes do Sintect/ SC a chefia foi alterada. Atualmente, atua como eventual do CAE.

trabalhadores, o supervisor foi transferido. O atual gestor continua cobrando o termo de resto. Os trabalhadores continuam a realizar dobras por falta de efetivo.

1-

Alcançar um cargo de gestor dentro da estrutura da DR/SC demanda não apenas competência e qualificação mas atitude política sintonizada com os interesses da Direção Regional. Tudo faz parte de um jogo, onde algumas peças são marcadas, outras não. Nesse tabuleiro de relações, os trabalhadores são os mais prejudicados, pois acabam sofrendo com as consequências das jogadas. Alcançar um nível acima na hierarquia dos Correios, em SC, depende muito da capacidade do jogador em implementar aquilo que determina a DR/SC e do quanto esse futuro peão está preparado para se indispor com a categoria. O sindicato foi aos locais de trabalho, conversou com os trabalhadores, e a partir do conjunto das dezenas de opiniões, elaborou o perfil dos gestores das unidades com maior número de problemas no estado. A seguir o jornal Cartas na Mesa aponta as atitudes das chefias mais destacadas pela categoria.


Perfil da DR/SC

No jogo, peças são colocadas e retiradas Tudo depende do objetivo do jogo e do desempenho dos jogadores, o importante é a capacidade de adaptação ao clima da partida. da limpeza, que o café seja servido em sua mesa. A arrogância quase o levou as vias de fato [brigar] com os vigilantes. Falta preparo. No CDD BALNEÁRIO CAMBORIÚ a exigência é para aumentar a produtividade da unidade. Entretanto, a grande parte do efetivo está afastado por problema de saúde. A falta é preenchida com MOT. Com todos os problemas a chefia empresta trabalhador para outras unidades. No CDD BRUSQUE o gestor levou adiante a perseguição aos trabalhadores que participaram das reuniões do sindicato e ainda mantém uma política de pressão psicológica. Também não aceitou atestado de acompanhante de trabalhador.

es unidades em SC

BA CO NC ÓR DI A

CD D

9-

8-

CD D

JO AÇ A

SQ U

E

RI O

BR U

NE Á

CD D

BA L 7-

6-

CD D

UM EN

AU

CA

M

SU L

BO RI U

nidade está o assédio moral, perseaos finais de semana e favorecimeneiro deste ano o ranking com as 10 SC, o jornal Cartas na Mesa, voltou s trabalhadores. Veja a seguir como dades. Os critérios foram avaliados que para o CEE Florianópolis que ção a classificação anterior.

Regras para jogar xadrez O Xadrez é um jogo para duas pessoas em um tabuleiro com 32 peças (16 para cada jogador) de seis tipos. Cada peça move-se de forma distinta. O objetivo do jogo é dar o xeque-mate, isto é, ameaçar o Rei do oponente com a captura inevitável. Os jogos não terminam necessariamente com o xeque-mate – os jogadores com certa frequência desistem se acreditam que irão perder. A Torre se movimenta pelas linhas (horizontais) e colunas (verticais), não podendo se mover pelas diagonais. Ela pode mover quantas casas desejar pelas colunas e linhas, porém, apenas em um sentido em cada jogada. O Bispo se movimenta nas direções diagonais, ou seja, na direção das casas da mesma cor. Ela pode mover quantas casas desejar pelas diagonais, porém, apenas em um sentido (cada jogada), existe o bispo da casa preta e o bispo da casa branca, e os mesmos não podem mudar de cor durante o jogo. A Dama pode movimentar-se quantas casas quiser ou puder, na diagonal, vertical ou horizontal, porém, apenas em um sentido em cada joga-

da, a dama (ou rainha) anda com os movimentos de todas as outras peças (exceto o cavalo), andando quantas casas quiser. O Rei pode se mover em todas as direções somente uma casa de cada vez, desde que o movimento não seja para uma casa ameaçada por uma peça adversária. O rei também pode capturar qualquer peça adversária, desde que a mesma não tenha outra peça defendendo-a. Um Rei nunca poderá dar xeque a outro Rei. O Cavalo se movimenta em “forma de L”, ou seja, anda duas casas na horizontal ou vertical e depois uma casa na vertical ou horizontal, ou vice-versa. O cavalo pode saltar sobre qualquer peça sua ou do adversário. A captura ocorre quando uma peça adversária se encontra na casa final do movimento realizado pelo cavalo. O Peão move-se em coluna (vertical) somente para a frente e uma casa, nunca para trás. Quando um peão alcança a última fileira do tabuleiro (fileira 8 para as brancas ou 1 para as pretas) ele é promovido, tornando-se uma Torre, Bispo, Cavalo ou Dama, conforme o desejo do jogador.


Perfil da DR/SC

Perfil dos gestores Trabalhadores sentem na pele as ações e atitudes de gestores cada vez mais preparados para explorar a mão de obra Conheça, de acordo com os cargos, as ações dos gestores sobre a vida dos trabalhadores. Começando pelo GERAE, responsável pelas unidades de CEP 88000, ex-gerente do CDD Rio do Sul, premiado como CDD nota 10, menos pelo desempenho do chefe, mais pela iniciativa dos trabalhadores. Após dois anos, como prêmio, os trabalhadores receberam um aparelho portátil de DVD. Um dos aparelhos foi entregue com defeito e até hoje a empresa não resolveu a situação. Quando era gerente do CTE GTURN 2, tentou alterar o horário dos trabalhadores, após mobilização dos companheiros, voltou atrás. Por onde passou o gerente acumula inimizades. Atualmente, utiliza das ferramentas de gestão dos Correios para perseguir os trabalhadores e respaldar a mesma atitude de gestores despreparados. O GERAE, responsável pelas unidades de CEP 89000, citado em outros informes do sindicato, quando foi gerente do CTE GTURN 2, perseguiu e assediou o atual Secretario Geral do Sintect/SC. Chegou a ir ao banheiro atrás do trabalhador. Além disso, demitiu um companheiro diagnosticado com câncer. As demissões se repetiram a cada semestre. Numa atitude de exercício de autoridade, pressionava gestores de outras unidades a não aceita-

rem trabalhadores da sua lista de desafetos. Além disso, determinou quais trabalhadores deveriam fazer horas-extras. Ele também foi gerente do CDD Barreiros onde deixou muitos trabalhadores descontentes com seu método truculento e arrogante de agir. As atitudes, segundo os trabalhadores, ele justifica ao deixar a entender, ser ele, apadrinhado do Diretor Regional. Em sua passagem como GERAE exigiu dos trabalhadores: horas extras e limpeza dos distritos. Exigências sem as mínimas condições para o trabalho. Falta efetivo, os distritos são incompatíveis com a estrutura da unidade e os veículos estão em péssimas condições de uso. O GEOPE está sendo o responsável pelas constantes convocações para o trabalho aos finais de semana e cumprimento de horas-extras.Transfere e pune trabalhadores. Esqueceu completamente que veio da base. Durante muito tempo o ASGET fez vistas grossas aos vários problemas apresentados pelo sindicato. Foi substituído. A vaga foi preenchida, no dia 1 de abril, pelo ex-dirigente sindical Mauricio Rosa. Conhecido da categoria dos tempos em que atuou no Sintect/SC, ele assume o compromisso de melhorar a relação entre o sindicato e a DR/SC. Mauricio atuou no Sintect/SC na década de 90. De acordo com o Diretor Regional foi uma decisão estratégica. Para os dirigentes do Sintect/SC é grande o desafio do novo ASGET pois como ex-dirigente será cobrado ainda

mais pela categoria e pelo sindicato. A direção do sindicato respeita a decisão pessoal, mas, o grupo de dirigentes, não aceita este tipo de comportamento. Na mesma mudança, o também ex-dirigente da atual gestão do Sintect/SC, Gilberto Alves (Betinho), renunciou, para assumir o cargo de CORSIN na DR/SC. O sindicato estará de olho e a expectativa da categoria é de atitude por parte dos representantes da empresa e o comprometimento em buscar soluções para resolver os problemas. O ASCOM é uma figura conhecida dos trabalhadores do CTE GTURN 2, onde foi condenado por assédio moral. Ex-sindicalista, como tantos outros, assumiu a função depois da eleição do Lula. Solicitou ressarcimento de combustível mesmo tendo transporte disponível pela empresa. Caiu! O DIRETOR REGIONAL responsável pela implantação do Anexo Zero - determinação de vistoria aos pentences dos trabalhadores. Além disso, proibiu a utilização de aparelhos celulares pessoais, para receber ou fazer chamadas. Ex-sindicalista, perdeu a essência da luta ao decidir pelo lado da empresa. Visitando as unidades dos Correios no estado os dirigentes estão documentando como estão as condições de trabalho. Veículos sucateados, falta de efetivo, prédios em decomposição. Além do descaso com dinheiro público com pagamento de aluguel de imóveis sem o seu uso. Trabalhadores reclamam do assédio moral nas unidades, perseguições e punições dos gestores. Os trabalhadores culpam o Diretor Regional por incentivar a prática e a manter a Ditadura Amarela nos Correios em SC.


ReuniãO com a DR/SC

Gestor assedia delegado Assédio moral e o Anexo 0 foram os temas tratados na reunião com os diretores regionais dos Correios de Santa Catarina Minutos antes do inicio da reunião com o Diretor Regional dos Correios, o trabalhador do CEE Florianópolis, recém eleito para atuar como delegado sindical, sofreu coação do gestor da unidade. O fato ocorrido com o companheiro foi relatado para os diretores da DR/ SC e o sindicato exigiu solução pois nesta mesma unidade muitos trabalhadores estão sofrendo com o assédio moral. Os dirigentes do Sintect/SC entregaram para o Diretor Regional documento assinado pelos trabalhadores do CEE Florianópolis, relatando as reclamações da categoria, principalmente, pela falta de efetivo, o que obriga a quem está na ativa a realizar o trabalho dobrado e abrir mão dos finais de semana para o descanso. No CEE Florianópolis, dos 60 trabalhadores, pelos menos 20 estão afastados por motivo de doença. O documento foi entregue durante a reunião para tratar do Anexo 0, Controle de Acesso, publicado no dia 7/3/2013, que determina a revista aos armários, veículos e pertences dos trabalhadores. A medida enquadra as unidades da ECT no Decreto Lei na. 7.168, de 5 de maio de 2010, que institui o Programa Nacional de Segurança da Aviação Civil contra Atos de Interferência Ilícita (PNAVSEC) e visa a segurança e a prevenção de possíveis ações criminosas dentro das unidades dos Correios. Entre as determinações do Anexo consta a proibição da utilização do aparelho de telefone pessoal. O sindicato defende o uso do celular pelos trabalhadores, desde que respeitada a condução dos trabalhos da unidade. Os dirigentes do Sintect/SC explicaram ao representantes da ECT/SC que alguns itens do Anexo 0, causam desconforto ao trabalhador, e agrega mais um fator desmotivador a vida profissional da categoria.

Diretor lê documento assinado pelos trabalhadores reclamando dos problemas na unidade.

Assédio moral a trabalhador do CEE Florianópolis Após a mobilização no CEE Florianópolis, um trabalhador sofreu assédio moral. O sindicato está tomando as medidas cabíveis, e já solicitou ao Diretor Regional, providência para resolver o problema. Celulares Os dirigentes sindicais exigiram da DR/SC que fosse mantido o uso dos telefones pelos trabalhadores, quando em uma ligação e fora da área operacional. Direção

Regional não cedeu, e até a próxima reunião, agendada para o dia 29/04, mantêm-se a determinação do Anexo 0. A direção do sindicato estava preparada para discutir os pontos divergentes do Anexo 0, mas os técnicos da empresa pediram mais tempo para apurar as informações. O sindicato orienta aos trabalhadores, caso de necessidade, utilizem o telefone fora da área operacional.Nos casos que o gestor aplicar SID, comunique aos dirigentes no sindicato. - Vamos ajudar a responder a solicitação.

Devolução do Imposto Sindical Em cumprimento ao compromisso de campanha da atual gestão do Sintect/ SC, os valores descontados em folha de pagamento, no mês de março deste ano, referente ao imposto sindical, serão devolvidos aos trabalhadores sindicalizados. Este compromisso é uma decisão da gestão do sindicato, que apoia o plebiscito nacional da CUT pelo fim do imposto sindical. Os trabalhadores dos Correios terão

devolvidos 60% do valor descontado em forma de imposto sindical. Os valores arrecadados com o imposto sindical são depositados na conta do Ministério do Trabalho, pois se trata de um tributo federal. Do total arrecadado 10% vai para a Conta Salário e Emprego do Ministério do Trabalho; 10% para a Central Sindical; 5% para a Confederação; 15% para a Federação e 60% para os sindicatos de base.


Sintect/SC reafirma o compromisso de fazer a devolução do imposto sindical, aos sinndicalizados, da mesma maneira como ocorreu no ano passado. Saiba mais na próxima edição do Cartas na Mesa.

Direito dos Trabalhadores

Prazo para entrar com ação termina em julho A assessoria jurídica do Sintect/SC informa a categoria que existe um período legal para entrar com ação na Justiça, e este prazo começa a vencer na metade deste ano. Confira abaixo quais são os tipos de ação onde o prazo irá expirar: - Vítimas de Assalto: trabalhadores, em especial os Atendentes Comerciais, podem ajuizar uma ação reparatória, cobrando indenização por dano moral. Neste casos, o direito ocorre porque o empregador não oferece as devidas condições de segurança para o trabalhador exercer as atividades profissionais. Em caso de utilização do beneficio previdenciário, pelo INSS, decorrente de stress ou trauma, o trabalhador tem direito a indenização.

- Adicional de Tratamento: Carteiros ou Atendentes Comerciais com funções de Tratamento, seja em um CDD ou até mesmo em Agências, têm direito a receber o pagamento do Adicional de Tratamento, conforme ACT/2008. A situação também se aplica aos trabalhadores reabilitados pelo INSS.

Acompanhe essa notícia no www.sintectsc.org.br

justo que os diretores, gerentes, chefes e coordenadores ganhem mais do que a gente, já que somos nós que ficamos na linha de frente com os clientes”, destacou o Secretário Geral do Sintect/SC, Hélio Samuel de Medeiros. Para os dirigentes do sindicato não se trata apenas de obter um dinheiro a mais no salário, a questão é que cada vez mais, a empresa tenta engessar as negociações com os trabalhadores. A luta do sindicato é pela valorização de carteiros, OTTs, atendentes e motoristas, pois a maioria dos benefícios foram conquistados através de mobilizações realizadas por todos os trabalhadores.

Gambiarra em bicicletas coloca carteiros em risco de acidente Bicicletas sem banco, com problemas nos freios e ainda com partes soldadas. Essa é a realidade em algumas unidades dos Correios no estado. Preocupado com a saúde dos Carteiros, o Sintect/SC decidiu criar a Guia de Manutenção de Veículo. O Carteiro preenche em duas vias, assinadas pela chefia, entrega uma para o gestor e a outra encaminha para o sindicato. Vamos cobrar a solução dos problemas da DR/SC. A ficha está encartada nesta edição e disponível no site.

Formação política é função do sindicato

- Redução da Gratificação: trabalhadores tiveram redução da gratificação nas agências que foram reclassificadas por conta da criação do Banco Postal. Os trabalhadores, em especial, aqueles que atuam em agências reclassificadas por conta do Banco Postal, por consequência, tiveram reduzida a gratificação - Complemento de Salário Singular, Gratificação de Função.

PLR: Mobilização dos trabalhadores dos Correios O protesto exigindo o pagamento linear da PLR, sem condicionar a metas (GCR), aconteceu no dia 24 de abril, com a participação dos trabalhadores dos Correios de Santa Catarina. (Confira matéria completa na próxima edição.) A categoria é contrária a decisão da empresa em destinar 10% do lucro obtido no ano de 2012, cerca de 1,044 bilhão, para o setor estratégico da ECT. O Ministério Público do Trabalho entrou em cena para mediar a negociação e propôs a redução da parcela estratégica de 10% para 8%. “Queremos que o benefício seja igual para todos os trabalhadores, pois não é

FORMAÇÃO

O Sintect/SC começa a publicar em seus meios de comunicação textos da série “Noções de Política e Cidadania no Brasil”. Os textos estão publicados na Cartilha elaborada pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). A intenção é contribuir para a formação política da pessoas e a participação efetiva dos cidadãos no processo político, sempre com o objetivo de avançar nas conquistas políticas, econômicas, sociais e culturais. Não existe solução para os problemas coletivos fora da política, assim como não há cidadania sem educação política. Ao não querer falar e participar da vida política as pessoas transferem as decisões dos cidadãos, por meio da política, para grupos econômicos e de poder que se apoderam do aparelho do Estado em busca de interesses próprios. Desta maneira o Sintect/SC alinha seus objetivos aos dos escritores dos textos no intuito de despertar nos trabalhadores dos Correios e outros leitores a consciência política, o resgate de valores éticos e de cidadania, contribuindo para o aprofundamento da democracia, promovendo os interesses coletivos e públicos, além de defender a participação política dos cidadãos. Acompanhe a partir das próximas edições e no portal de notícias do sindicato, todos os meses, a publicação da série Educação Política.

Risco: solda pode partir com o peso da bolsa.

Jornal do Sintect/SC Site: www.sintectsc.org.br / Twitter: @sintectsc / Email: sintectsc@sintectsc.org.br / Sede - Rua Heronildes José da Silva, 190 - CEP: 88.110-624 - Bairro Floresta, São José/SC Contato por telefones/fax: 0800.646.1992 / (48) 3346.1992 / (48) 3346.3448 - Jornalista: Claudio Lucio Augusto (DRT/SC 2475) Tiragem: 4.000 mil



Jornal Cartas na Mesa (Abril 2013)