Issuu on Google+


EDITORIAL Boletim Informativo - Fevereiro 2012 2

Desaquecimento no setor, mas expectativa é otimista

U

ma sugestão de leitura para os empresários do setor é o Sondagem da Indústria da Construção, documento de 12 páginas produzido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e que foi divulgado no final de janeiro. A partir de pesquisa feita com 423 empresas, sendo 208 pequenas, 165 médias e 50 grandes, no período de 2 a 18 de janeiro de 2012, ficou confirmado que a atividade da construção desaqueceu no ano passado. O primeiro semestre não foi tão ruim, pois era impulsionado pelo forte desempenho de 2010. Mas os últimos seis meses foram de desaceleração. A piora foi sentida principalmente pelas empresas de menor porte. Esse desaquecimento também se traduziu em redução no quadro de empregados. Dos três setores que compõem a Indústria da Construção (Construção de edifícios, Obras de infraestrutura e Serviços especializados), quem mais sofreu foi o setor Obras de infraestrutura. A notícia positiva da Sondagem é que a expectativa para os próximos seis meses é otimista. Um dos motivos dessa esperança pode estar relacionada com os dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Segundo a entidade, o mercado de crédito imobiliário com recursos da caderneta de poupança cresceu 42% no ano de 2011, com o montante de R$ 79,9 bilhões em financiamentos para a compra e construção de imóveis. Para 2012, mesmo com a retração percebida no PIB brasileiro no segundo semestre do ano passado – motivada, principalmente, pela crise europeia – a projeção da Abecip para o setor é de expansão entre 30% e 35%. As duas pesquisas apresentam números nacionais que coincidem com as análises locais. Em Santa Catarina, a participação no financiamento habitacional nacional vem crescendo a cada ano. Entre setembro de 2008 e setembro de 2011, o salto foi de quase 280%. O ano de 2012 deverá ser um ano de acomodação para a construção civil de Santa Catarina. E fevereiro pode oferecer um bom indicador, pois é quando o setor retoma as atividades, após o período de férias e de festas de final de ano. Helio Bairros Presidente do Sinduscon da Grande Florianópolis

2

O Boletim Informativo Sinduscon é uma publicação do Sindicato da Indústria da Construção Civil da Grande Florianópolis. Diretoria Executiva Presidente Helio Cesar Bairros Vice-Presidente Cezário Cezar Santos Vice-Presidente Administrativo Financeiro Edemir Frutuoso Flavio Antunes de Figueiredo (suplente) Diretoria Técnica Vice-Presidente de Tecnologia, Qualidade e Habitação Marco Aurélio Alberton Carlos Berenhausen Leite (suplente) Vice-Presidente de Economia e Estatística Amílcar Lebarbenchon da Silveira Juraci Batista Martins (suplente) Vice-Presidente de Relações Trabalhistas Robson Deschamps Juliana L. Gentil Malavaz (suplente) Vice-Presidente de Meio Ambiente e Sustentabilidade Olavo Kucker Arantes Marcelo Consonni Gomes (suplente) Vice-Presidente de Relações Associativas e Comunicação Aliator Silveira Gabriela T. Rodrigues Alves (suplente) Vice-Presidente de Assuntos Legislativos Marcos Ricardo de Almeida Brusa Odilon Furtado Filho (suplente) Conselho Fiscal Efetivos: Flávio Mazzucco, Sergio Campos de Almeida, Nestor José Deschamps Suplentes: Gilson Pinheiro, Odilon Tayer Filho, Maristela Soares Delegados Representantes na FIESC Efetivos: Helio Cesar Bairros Cezário Cezar Santos Suplentes: José Castelo Deschamps Paulo Cezar Maciel Da Silva Conselho Consultivo Olavo Fontana Arantes (1979-1981), Jair Philippi (19841987), José Joaquim de Souza (1990-1996), Itamar José da Silva (1996-1999), Adolfo Cesar dos Santos (1999-2004), Amauri Beck (2004-2006), Helio Bairros (2006-2014) Jornalista Responsável Paulo Scarduelli SC 0223 JP Colaboração e Fotos Maria Augusta Cavalheiro Editoração Claudio Santos Impressão Gráfica Rocha Sinduscon Grande Florianópolis Rua Dorval Melchiades de Souza, 633 – Centro Florianópolis – CEP 880150-070 Fone (48) 3251-7700 e Fax (48) 3251-7703 Site www.sinduscon-fpolis.org.br Email: sinduscon@sinduscon-fpolis.org.br


Associação Empresarial da Região Metropolitana de Florianópolis (Aemflo) foi sede de reunião que ocorreu no dia 19 de janeiro para analisar o projeto do novo Código de Obras de São José. Participaram da reunião o presidente do Sinduscon Helio Bairros, o presidente da Aemflo Tito Alfredo Schmitt e o presidente da Câmara de Vereadores Neri Amaral. O projeto, encaminhado pelo Executivo para análise dos vereadores em dezembro, tem sido muito contestado. Estudos

feitos por técnicos de entidades ligadas ao setor apontam que o novo Código não melhora as construções na cidade e permite um vasto campo de interpretações. “Isso aumenta a insegurança jurídica e afasta os investidores formais”, avisa Bairros. O presidente da Câmara de Vereadores foi sensível à solicitação do setor e prometeu examinar as reivindicações do Sinduscon, que defende a análise do Código somente após a aprovação do Plano Diretor. “O Código não pode preceder o Plano. Por isso, deve ser devolvido ou arquivado.”

ISS do setor sofre aumento

Normas e Procedimentos Administrativos Aplicáveis às Atividades da Construção Civil. Assim é denominada a Portaria 01/2011 da Secretaria da Receita de Florianópolis, que acabou reajustando o cálculo do ISS para as empresas do setor. A nova Portaria alterou a base de cálculo do imposto sobre a mão de obra, o que elevou os valores pagos pelas empresas. Preocupado com isso, o Sinduscon solicitou audiência com o secretário Sandro Ricardo Fernandes para demonstrar a preocupação da construção civil a respeito do assunto e solicitando providências no sentido de corrigir os prejuízos causados pela Portaria. A reunião ocorreu no início de janeiro. Além do presidente Helio Bairros, participaram representantes das construtoras Beo, Formacco e Ceranium, do advogado Waltoir Menegotto e de integrantes da Comissão de Administração Tributária da Secretaria. O secretário participará de uma reunião da Diretoria do Sinduscon para debater o problema com a construção civil. Será um momento para esclarecimentos, bem como a oportunidade para o setor apresentar suas reivindicações. “A data ainda não foi definida, mas já temos a garantia de que o secretário virá”, afirma Helio.

Boletim Informativo - Fevereiro 2012

A

LEGISLAÇÃO

Código de Obras gera insatisfação em São José

3


ENTREVISTA

Construção civil perde com falta de planejamento Vice-presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Tributação da Câmara de Vereadores de Florianópolis, o vereador Ricardo Camargo Vieira (o Dr. Ricardo) destaca-se por suas ações na área do planejamento urbano (Plano Diretor, habitação, saneamento, meio ambiente, mobilidade urbana). Em entrevista ao Informativo Sinduscon, o vereador revela preocupação com os prejuízos que a falta de planejamento traz para a cidade. Para ele, que também foi o relator do Orçamento Municipal de 2012, a construção civil formal é um dos principais empregadores e geradores de impostos da Capital.

Qual a importância do setor da construção civil para a arrecadação do município? O setor é um dos que mais arrecada. Mas a sua importância é maior do que isso. Além de ser um dos maiores empregadores, a construção civil materializa o caminho da infraestrutura urbana, com ruas, escolas, postos de saúde. Em outras palavras, ele viabiliza o desenvolvimento. Esse é um setor que deveria estar em constante diálogo com a área do planejamento urbano. Como é esse diálogo com os responsáveis do setor público do planejamento urbano? Ele está relegado ao segundo plano, infelizmente. Assim como com diversos outros setores. É assim também em outras cidades? Não. Curitiba é um exemplo em que o planejamento urbano se estrutura dependendo da perspectiva do setor da construção civil. Lá, eles colocam transporte público em vias que serão urbanizadas. Assim, a população é induzida a morar em tal local, pois sabe que ali há infraestrutura. Isso só ocorre quando se planeja o desenvolvimento. Então, esse planejamento para a construção civil não existe por aqui? Eu vejo os empresários do setor prospectando seu crescimento, enquanto empresa e

4

gerador de emprego. Mas isso é difícil, pois aonde irá se construir se não há um guia um balizador desse desenvolvimento? O Estatuto da Cidade coloca que o planejamento da cidade tem que ser feito de forma participativa, dialogando com os setores da cidade. Não seria interessante fazer um Plano Diretor pensando na Grande Florianópolis? O Ministério das Cidades aponta para isso. Que a ocupação territorial seja feita em consonância. Mas esse papel é do Governo do Estado. Ele deve ordenar as regiões metropolitanas. O ITBI (Imposto sobre Transmissão Intervivos e Bens, Imóveis e de Direito) foi um dos impostos que mais cresceu na receita do município entre 2010 e 2011. Qual a razão? Acontece pela expansão imobiliária. A quantidade de pessoas que vieram viver em Florianópolis, a quantidade de imóveis. Toda essa demanda faz com que a arrecadação do ITBI aumente. E ele poderia aumentar ainda mais se não houvesse a informalidade no setor, normalmente formada pela burocratização do serviço público na hora de emitir autorizações para construir. A leitura da Prefeitura em relação aos imóveis da capital deve ser refeita no máximo de dois em dois anos. Faz cinco anos que isso foi realizado É grande essa informalidade na construção civil? Grande parte das construções, de nossa cidade é irregular. Em torno de 70%. Isso diminui a receita da cidade. Como resolver isso? É importante e essencial a parceria entre o poder público e

Vereador Dr. Ricardo

AlumínioSão José

DISTRIBUIDOR EXCLUSIVO ALCOA PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA “A LUTA CONTRA A INVERSÃO DE VALORES, TEM QUE PREVALECER”

www.aluminiosaojose.com.br (48) 2106-6600

(48) 2106-6606


Como grande arrecadador de impostos, o que o setor da construção civil recebe de volta? O retorno deveria ser a boa execução de serviços públicos e de infraestrutura a partir dos desejos da cidade, Como relator do orçamento de 2012 do município, o que o relator pode fazer nesse processo? Apontar as necessidades de mudanças, fazer a leitura da peça orçamentária e, depois encaminhar à Câmara para ser aprovada. Tem algo específico para construção civil? Infraestrutura viária, habitação, a área de geração de empregos e renda, que em minha opinião deveria ser uma grande interface com a construção civil, pois analisando a carência de mão de obra no setor e

RECEITAS DA PREFEITURA DA CAPITAL Receita Total ISS IPTU ITBI

2010 R$ 975.882.289,00 R$ 128.853.991,00 R$ 117.873.925,00 R$ 38.224.312,00

a parcela de desempregados da cidade e jovens que querem ter uma perspectiva de trabalho. Mesmo com as crises internacionais, desde 2008, Florianópolis continua crescendo sua receita. Até quando isso vai durar? O crescimento de receita de Florianópolis tem sido espontâneo, ele não é fruto de uma política de aumento de arrecadação. Que propostas o senhor apresenta para o setor da construção civil? Para a realização do planejamento urbano, damos ênfase à necessidade desse diálogo dos poderes Executivo e Legislativo com os diversos setores. É desse diálogo que aparecem as soluções para a cidade. Conseguimos fazê-lo de maneira bem proveitosa, como foi o caso do Defeso do Itacorubi, a questão do ex-ofício. O seu diálogo com os empresários do setor é comum? É comum com o CREA, IAB, com o Sinduscon, além de outros setores da cidade que estão preocupados com o desenvolvimento, como a UFSC.

* Variação descontada a inflação do período

2011 R$ 1.095.368.198,00 R$ 153.769.117,00 R$ 122.430.000,00 R$ 47.561.000,00

Variação* 11,54% 18,58% 3,21% 23,64%

Boletim Informativo - Fevereiro 2012

a iniciativa privada. Temos conversado bastante sobre quanto o setor da construção civil pode ser o formador de mão de obra, materializador de uma política de imposto e renda, trabalhando com a juventude e com outras demandas da cidade.

5


ANIVERSARIANTES

Boletim Informativo - Fevereiro 2012

AGENDA

A diretoria do Sinduscon parabeniza os associados que nos meses de fevereiro e março completam aniversário. A todos eles, os nossos parabéns!

6

FEVEREIRO

MARÇO

1/2 | VALDEMAR DE CARVALHO———————— EMPREIT. DE MDO CARVALHO 2/2 | VALSONIR ALVES DA SILVA——————— HABITENGE EMPREEND. E ENGENHARIA LTDA 5/2 | PATRICIA MABEL MÔNICA ESPINHOSA——— PEREZ CONSTRUTORA LTDA 8/2 | WALTER OTTO ISERNHAGEN——————— TRÍPLICE ENGENHARIA LTDA 8/2 | RENÉ GUSTAVO GALVANI TALO————— SOLUÇÃO INC. EMPR. E PART. SOCIETÁRIAS LTDA 9/2 | JAIME DE CASTRO RAMOS——————— INGLESES HOLIDAY RESORT LTDA 13/2 | CLEIA NARA ZEFERINO GHIZONI————— TERRA MAR EMPREEND. IMOBIL. LTDA 13/2 | JOSÉ RENATO GHIZONI———————— TERRA MAR EMPREEND. IMOBIL. LTDA 14/2 | JOSÉ ELSON LOPES DE FREITAS JÚNIOR—— HABITATUS EMPREEND. IMOB. LTDA 14/2 | ANIBAL RAFAEL GONZALEZ DOLDAN——— SIN FRONTERAS CONSTR. E INCORP. LTDA 16/2 | FERNANDA DESCHAMPS VITÓRIO———— CONSTR. ARNALDO DESCHAMPS 19/2 | RAMON ROBERTO DESCHAMPS————— RODES ENGENHARIA LTDA 20/2 | CEZÁRIO CÉZAR SANTOS——————— FORMACCO CEZARIUM EDIFICAÇÕES LTDA 21/2 | ADRIANA PIRES VICELLI OZELAME———— ARIA CONSTRUTORA E INCORPORADORA LTDA 22/2 | SILVIA REGINA SIEBERT CORBETTA———— CORBETTA CONSTR. E EMPREEND. IMOBIL. LTDA 24/2 | MARIA HELENA ANTUNES FERREIRA———— CALVI SERVIÇOS DE ENCANAMENTO LTDA 27/2 | CELSO ANGELO PIASSETA——————— MSP CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO LTDA 28/2 | JOSÉ SPRÍCIGO——————————— JS ENGENHARIA LTDA (PISEBEM) 28/2 | EDSON GAIDZINSKI JR———————— IARA EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS LTDA

2/3 | PETERSON MACHADO DA ROSA—————— 3/3 | RODRIGO ALFREDO SCHMITT——————— 4/3 | ADERBAL DA SILVA GRILLO———————— 6/3 | RAFAEL CURTI GONZALEZ————————— 6/3 | RICARDO CURTI GONZALEZ———————— 14/3 | EDSON GAIDZIENSKI—————————— 17/3 | LAERTE ALVES DE ANDRADE———————— 19/3 | VALÉRIO GOMES NETO————————— 20/3 | ILSON A STABILLE——————————— 21/3 | FERNANDO PHILIPPI——————————— 21/3 | JAQUELINE KLOKNER—————————— 22/3 | ROBERTO RODRIGUES RITA———————— 22/3 | RENATO SCHEIDT———————————— 24/3 | JOSÉ EVILÁSIO BALDESSAR———————— 24/3 | ANA LUCIA ROHDE——————————— 27/3 | DIMAS ARNOLDO DA SILVA——————— 27/3 | PERICLES DE FREITAS DRUCK——————— 28/3 | ANNITA HOEPCKE DA SILVA——————— 30/3 | GUILHERME RIBEIRO DE TOLEDO BARROS—— 31/3 | ALEXANDRE CECHETTO BECK———————

Salão do Imóvel 2012

VIEIRA ROSA CONSTR. E INCORP. LTDA PIRAMIDE PRÉ-MOLDADOS LTDA CARLOS HOEPCKE ADM. PART. E EMPREEND. SIN FRONTERAS CONSTR. E INCORP. LTDA SIN FRONTERAS CONSTR. E INCORP. LTDA ILHAMORADA EMPREEND. IMOBILIÁRIOS LTDA EMPREEND. IMOBILIÁRIOS ZITA LTDA PEDRA BRANCA EMPREEND. IMOB. S/A SOFTPLAN PLANEJAMENTO E SISTEMAS LTDA JHP CONSTRUÇÕES LTDA KLOKPLAN ENGENHARIA LTDA MANTOVANI - RITA DESIGN CONSTRUÇÕES LTDA VENSUL PARTICIPAÇÕES LTDA BALDESSAR & CIA LTDA ROHDE CONSTRUÇÕES LTDA DIMAS EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS HABITASUL EMPREEND. IMOBIL. LTDA CARLOS HOEPCKE ADM. PART. E EMPREEND. CERANIUM CONSTR. E INCORP. LTDA SILBE EMPREEND. IMOB. LTDA

A próxima edição do Salão do Imóvel, Construfair/SC, Expo Condomínio e Expo Decor Móveis já tem data marcada. Será realizada no Centro de Convenções de Florianópolis (CentroSul) entre os dias 21 e 26 de agosto de 2012. Para quem deseja expor na edição deste ano, a organização já está comercializando estandes. Garanta sua participação. Informações através comercial@acfeiras.com.br, através dos telefones (48) 3249-0825, 3240-1658 e 8427-4185, ou no site www.construfairsc.com.br

Eventos movimentam o setor Apresentamos sugestões de eventos que serão realizados no país em 2012 e que já devem ir para a sua agenda. Vá tomando nota.

Data: 26 a 28 junho

Data: 6 a 9 de março

Data: 10 a 12 de agosto

Evento: Feira Internacional do Revestimento Onde: Transamérica Expo Center – São Paulo/SP WWW.exporevestir.com.br

Evento: 83° ENIC – Encontro Nacional da Indústria da Construção Onde: World Trade Center – São Paulo/SP www.sindusconsp.com.br/ENIC

Data: 27 a 31 de março

Data: 21 a 26 de agosto

Evento: FEICON BATIMAT - Salão Internacional da Construção Onde: Anhembi – São Paulo www.feicon.com.br

Evento: 19° Salão do Imóvel Construfair/SC Onde: Florianópolis / SC www.construfairsc.com.br

Evento: 23° Congresso Brasileiro do Aço Local: Transamérica Expo Center – São Paulo/SP www.expoaco.org.br

Floripa

. Gesso acartonado (Drywall) . Perfis para Drywall e Steel Frame . Forros . Divisórias

CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO . Steel Frame . Ferramentas . Isolamentos Térmicos e Acústicos

Visite nosso Show Room

RUA VILSON MENEZES, 142 (48) 3348.0660

www.placocenterfloripa.com.br


que vai expor é a regra de ouro. E responder aos questionamentos, ainda mais. Augusto Silveira, diretor comercial e marketing da Álamo Construtora, conta que a empresa prioriza os seus seguidores para informar sobre lançamentos imobiliários e campanhas de vendas. “Muitos deles procuram a Álamo após receberem informações em primeira mão nas redes sociais. Além disso, alguns de nossos clientes tiveram o primeiro contato com a empresa através destes canais”, comenta Augusto. Ação inédita da Álamo no Facebook, durante o feirão da Casa Própria da Caixa Econômica Federal realizado em Florianópolis entre 10 e 12 de junho do ano passado, foi um sucesso e rendeu R$ 23 mil de desconto em imóvel. O ingresso nas redes sociais é uma necessidade para as construtoras. Mas vale o conselho de Edvaldo: ”Algumas empresas se perdem querendo vender a qualquer custo e tornando-se invasivas nas redes sociais. A venda virá naturalmente, quando os seguidores perceberem a credibilidade, a ética, a transparência e a presença digital do tuiteiro”.

Razões para o setor não ficar de fora • Segundo informações cedidas pelo F/Nazca, mais de 60 milhões de brasileiros passam pelo menos 25 horas por mês conectados à internet, e as redes sociais dominam boa parte desse tempo. • A internet sai na frente como principal ferramenta de busca por imóveis, deixando os classificados dos jornais em segundo plano. Só na cidade de São Paulo, 49% das pessoas usam o meio virtual para procurar imóveis. • Empresas do setor aumentam suas expectativas de venda através da divulgação de lançamentos nas mídias sociais. • As redes sociais fornecem o que antes era mais complicado de se obter, a informação mais preciosa, opinião. Informação sobre a reputação de um produto ou empresa, vinda diretamente de quem já viveu a experiência desse produto.

REDES SOCIAIS

A

s redes sociais vêm conquistando os empresários da construção civil e deixando o setor bem mais interativo. É um caminho sem volta, pois aqui no Brasil já são mais de 35 milhões de usuários no Facebook e outro tanto no Orkut. De acordo com pesquisa divulgada no segundo trimestre do ano passado pelo Ibope Nielsen Online, 87% dos internautas brasileiros acessam alguma rede social. De acordo com o consultor de empresas e especialista do setor, Edvaldo Corrêa, a construção civil não pode ficar de fora desta onda. Em seu blog, ele explica que as empresas utilizam as redes sociais como ferramenta de posicionamento de marca, no relacionamento com os clientes e, principalmente, como prospecção e alavancagem de negócios. “Ressalto que o grande desafio é ter um bom posicionamento do que a empresa quer com as redes sociais. Fortalecer a marca? Interagir com clientes? Vender?”, alerta Edvaldo, que tem mais de 1.500 seguidores no Twitter. Utilizar as mídias sociais requer transparência e agilidade nas respostas aos questionamentos dos internautas. O conteúdo é compartilhado rapidamente entre todos no mundo virtual. Então, cuidar do

Boletim Informativo - Fevereiro 2012

Uma ferramenta de negócios

7


Setor é bode expiatório em Santo Amaro CUB: variação positiva para fevereiro O valor do CUB/SC para o mês de fevereiro teve um incremento de 0,49%, passando a valer R$ 1.133,85. Este percentual ficou próximo ao registrado no mesmo mês do ano passado, quando o indicador registrou variação de 0,45%. Três fatores contribuíram para a elevação do valor. Um deles foi o aumento do salário mínimo nacional a partir de 1º de janeiro de 2012, que influencia diretamente no custo administrativo e que faz parte da composição do CUB. Outro foi a antecipação nos pisos salariais em torno de 3% para os pedreiros e 6% para os serventes na cidade de Chapecó. Também os materiais, muitos deles com preços estáveis até dezembro, começam a dar sinais de alteração na tabela de preços. Como exemplo, a porta interna para pintura que teve reajuste médio de 4,16% em janeiro.

Os empresários formais da construção civil estão, literalmente, pagando o pato por medidas administrativas tomadas pela Prefeitura de Santo Amaro da Imperatriz. Através de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), assinado entre o Ministério Público do Estado de Santa Catarina (MPSC), a Prefeitura e a Câmara Municipal, foi suspensa no dia 16 de dezembro de 2011 a emissão de alvarás para construção superior a três pavimentos, até aprovação do novo Plano Diretor do município. Preocupado com isso, o presidente do Sinduscon reuniu-se com o prefeito Edésio Justen e o presidente da Câmara Municipal de Santo Amaro Laudi Antônio Luz em busca de diálogo para reajustar o TAC, no sentido de abrir mais prazo para construir o novo Plano Diretor. O Sinduscon está buscando saídas para que seja revertida a TAC. “Já ingressamos com mandado de segurança e Ação Direta de Inconstitucionalidade contra essa medida”, afirma o presidente Helio Bairros, que, junto com empresários do setor que atuam em Santo Amaro, se reuniu com o chefe do MPSC Lio Marcos Marin no dia 12 de janeiro para tratar do assunto. “Um Plano Diretor não pode ser imposto. Tem que ouvir a população e os setores envolvidos nesse processo. A construção civil pode contribuir para a criação do Plano, mas não pode ser penalizado com restrição desse tipo”, reclama o presidente. Foto: Bianor Silva (MPSC)

Avanços no Grupo da Norma de Desempenho O grupo de estudo criado em 2011 pelo Sinduscon para estudar a implantação da Norma Brasileira de Desempenho de Edifícios (NBR 15575) reuniu-se no dia 26 janeiro na sede do sindicato. O tema desta vez foram as medidas a serem tomadas para atender as exigências relacionadas às esquadrias. Coordenado pelo vice-presidente de Tecnologia, Qualidade e Habitação do Sinduscon, Marco Aurélio Alberton, o encontro de janeiro contou com a participação também de representantes da Associação Nacional dos Fabricantes de Esquadrias de Alumínio e da Associação Brasileira de Alumínio. Mais informações serão divulgadas oportunamente.


Boletim Informativo SINDUSCON - Fevereiro