Page 1

Ano 2 | Edição 14 | Fev 10

Sinduscon Notícias EDUCAÇÃO CORPORATIVA Instituições investem para garantir mão-de-obra qualificada 4e5

Lançamento PQVC 2010

Tijolo à base de lixo orgânico

3

Convenção coletiva de trabalho

6

7


EDITORIAL

PAINEL SINDUSCON

Trabalho

Financiamento O financiamento imobiliário pela Caixa

No último dia 3 de fevereiro, a Campanha

Econômica Federal, principal agente do seg-

Coração Solidário realizou a entrega de donati-

mento, vai superar R$ 50 bilhões este ano, se-

vos ao Educandário Eunice Weaver, Lar Torres

gundo o vice-presidente de Governo do banco,

de Melo e Instituto Felipo Smaldon. A campa-

Jorge Hereda. Do total, R$ 20 bilhões serão re-

nha arrecadou R$ 24.340,71, beneficiando cada

cursos de poupança e R$ 30 bilhões, do Fundo

instituição com R$ 8.113,75. Ainda no primeiro

de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e do

semestre, coordenada pelo Sinduscon e Lopes

Fundo de Arrendamento Residencial (FAR).

Imobilis, com apoios da EBM Novo Tempo e

Segundo a Caixa, o orçamento do crédito habi-

algumas incorporadoras, a campanha irá bene-

tacional para 2010 será revisto a cada trimestre e

ficiar mais três instituições: Casa Sol Nascente,

poderá aumentar conforme a demanda. O valor

Associação Peter Pan e Lar Amigos de Jesus.

inicial de R$ 50 bilhões para 2010 ultrapassa o recorde de R$ 47,05 bilhões desembolsado em 2009. Para Hereda, o valor recorde de contra-

2

O Sinduscon-CE realiza os últimos preparativos para lançar sua Universidade Corporativa. A iniciativa, que tem a frente o vice presidente administrativo Ricardo Teixeira, o diretor Eugênio Montenegro e é coordenada pela superintendente Fátima Santana, tem como principal objetivo contribuir para a constante melhoria técnica e atualização dos profissionais da construção civil cearense, representando um investimento significativo para o desenvolvimento de nosso setor. Com a Universidade Corporativa, voltada para nossa realidade, o setor sem dúvida dará um significativo salto de qualidade. Outro grande expoente do Sinduscon-CE, o Programa Qualidade de Vida na Construção (PQVC), teve sua agenda 2010 iniciada com o lançamento da oficina Construção Virtual, através da qual os operários passam a conhecer os processos que levam à elaboração das plantas baixas dos projetos, materializados com seu fundamental trabalho. Fevereiro também marcou o início das negociações dos termos da Convenção Coletiva com o sindicato dos trabalhadores. O Sinduscon-CE tem se empenhado para oferecer soluções que beneficiem a todos, empresariado e trabalhadores. Contudo, as negociações tem se mostrado difíceis em conseqüência de posicionamentos intransigentes, com exigências fora da realidade de mercado. Mas manteremos nossos esforços para que as negociações tenham continuidade e as discussões mantenham um nível elevado, norteando-se pelo bom senso. Embora os avanços sejam inegáveis, temos consciência de que há muito ainda a ser feito para a melhoria da qualidade de vida de nossos operários. E o Sinduscon-CE continuará cumprindo o papel que assumiu e tem desempenhado de forma tão positiva. Contudo, cabe ao sindicato, antes de qualquer coisa, defender os interesses de seus associados, função que desempenharemos como sempre fizemos, de forma ferrenha. Roberto Sérgio Ferreira Presidente do Sinduscon-CE

Coração Solidário

tações resultou da resposta do governo federal diante da crise financeira mundial, com o programa habitacional “Minha Casa, Minha Vida”.

Ciclo de Seminários Em 2010, o Sinduscon promoverá mensalmente, em parceria com a Focvs Consultoria, seminários voltados ao Departamento Pessoal e Recursos Humanos das empresas associadas. A iniciativa, que integra o PQVC, tem como objetivo manter os departamentos atualizados sobre os inúmeros assuntos de interesse aos setores específicos dessa área. O primeiro seminário foi realizado no último dia 24 de fevereiro, no auditório do Sinduscon. Na ocasião foram discutidos o Fator Acidentário de Prevenção (FAP), Contrato de Experiência Unificado, Imposto Sindical e Terceirização. As inscrições para os próximos seminários podem ser feitas pelo e-mail vanessa@sinduscon-ce.org.br

Empregos Segundo dados do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho, foram criados 995,1 mil vagas em 2009. O Ceará foi responsável por 64,4 mil novos postos de empregos celetistas, o que significa um crescimento de 55% em relação a 2008 – número recorde para o Estado, que teve o segundo melhor desempenho do país. A construção civil foi um dos setores que mais contribuíram para o bom índice. Em 2009, foram gerados 9,8 mil postos de trabalhos – três vezes mais que os 3,3 mil do ano anterior.

Meio Ambiente No próximo dia 4 de março, o Sinduscon-CE promove, em parceria com o IBAMA e o SINDSERRARIA, Seminário sobre

Questões

Ambientais.

O

even-

to acontece no auditório José Flávio, na Federação das Indústrias do Ceará (FIEC). Entre os temas abordados, Licenciamentos Ambientais, Obrigatoriedade do Cadastro Técnico Federal de Atividades, Documento de Origem Florestal (DOF) e Lei Nº 10.1652000, que trata da cobrança da Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental (TCFA).

Aniversariantes 01/03 02/03 04/03 05/03 05/03 05/03 07/03 08/03 11/03 11/03 12/03 12/03 15/03 15/03 15/03 15/03 17/03 18/03 19/03 19/03 22/03 22/03 22/03 22/03 22/03 22/03 23/03 23/03 25/03 26/03 27/03 28/03 29/03 31/03

Augusto Prudente Costa Patrícia Neri Coelho Machado José Carneiro de Andrade Filho Bruno de Oliveira Arruda Márcia Brasil de Carvalho Rocha Vítor José Matos da Silva Fernando José Pinto Jorge Mauro Soares Lins Francisco Rodrigues de Lima Pablo Oliveira Rolim Geraldo Cabral Rola Rubens Menin Teixeira de Souza Adriano José Correa Crosara Ana Gláucia Pedrosa Oliveira Coutinho Carlos Alberto Studart Gomes Neto Chistiano Fonseca de Souza José Maria Moreira Lima José Dario de Carvalho Fontenelle Júlio César Claro Rodrigues Luciana Falcão Aureliano Dante Aguiar Bonorandi Joaquim Antônio Caracas Nogueira Marcelo Fiuza de Miranda Marcos Flávio Borges Pinheiro Onório Tremarin Toniolo Ruperto Barbosa Porto Nilo Viana Diniz Sobrinho Sônia Maria Alves Cisne José Ribamar Saraiva Mota Neto José de Montier Barroso Westanisa de Souza Vianna Luís Duarte Ripardo Pedro Paulo de Bonis Cruz Sâmia Leite de Aquino

Ambiental CRC Maravilha Jofre LCR Marsilop Engetech JM PWE Vecol EIT MRV EMSA Arquetipo Magis CS Enprol Primare CR Technic Mercurius Protensão Compacta Suporte Busnello Porto Captor SCC VM Terrafirme SG Calila Nivel Fieza


EM FOCO

Lançamento PQVC 2010 Construção Virtual marca início das atividades

Como faz todos os dias, o pedreiro

aproximação entre trabalhadores e empresá-

longo de uma semana. “Além de possibilitar

Francisco Luíz Sales chegou cedinho ao tra-

rios”, afirma o presidente do Sinduscon-CE,

que o operário passe a compreender as plantas

balho. Mas ao invés da colher, do nível e de-

Roberto Sérgio Ferreira.

e projetos, aprimorando mais um conhecimen-

sempenadeira, sentou junto com os colegas

A oficina Construção Virtual aborda des-

to referente à sua profissão, a oficina promove

em frente ao computador. Durante uma sema-

de a divisão dos cômodos, através do design

também uma maior familiaridade do manuseio

na, entre os dias 1 e 5 de fevereiro, esta foi sua

interno da casa, até a colocação de mobílias,

da informática, visto que desde o ano passado

rotina. Ele é um dos primeiros operários bene-

de forma que os alunos explorem as ferra-

estamos trabalhando oficinas de matemática e

ficiados com a oficina “Construção Virtual”,

mentas do software e estendam, virtualmen-

português nos canteiros de obras com professo-

que iniciou o calendário 2010 do Programa

te, a noção do plano ao espaço.

res do SESI através da utilização de notebooks

Qualidade de Vida na Construção (PQVC).

“O PQVC é interessante, em primeiro lu-

e internet. A cada ano a gente tenta se supe-

Promovida pelo Sinduscon-CE, em par-

gar, por permitir que os trabalhadores possam

rar, para oferecer sempre coisas novas e man-

ceria com o Serviço Social da Indústria (Sesi),

exercitar suas outras competências. Para re-

tê-los sempre interessados em aprender cada

a oficina Construção Virtual propõe uma

solver as questões propostas pelos instrutores,

vez mais. É muito gratificante vermos o quanto

nova abordagem para que o trabalhador da

eles trocam idéias entre si, desenvolvendo a

cada novo conhecimento significa para eles”,

construção civil possa adquirir os conheci-

interação, trabalho em equipe, atitude crítica

afirma a vice-presidente de sustentabilidade do

mentos básicos de leitura, projeção e cons-

e o sentimento de pertencimento, pois no mo-

Sinduscon-CE, Paula Frota.

trução da planta baixa de um imóvel através

mento que lhes é oferecida a oportunidade de

Os projetos desenvolvidos pelos operá-

de um programa de computador especial-

adquirirem novos conhecimentos, com certeza

rios durante a oficina serão publicados na in-

mente adaptado para a realidade do setor.

levamos um beneficio enorme para sua auto-

ternet, na página do Sindicato das Indústrias

“Esse país está mudando e temos de ter

estima. Isso é muito importante, pois passam a

da Construção Civil do Ceará (Sinduscon-CE).

um papel importante nessa mudança. Com

se reconhecer não apenas como construtores,

Ao final da primeira oficina, uma comissão

o PQVC promovemos o resgate da cidada-

mas como parte de todo um processo de tra-

irá escolher o melhor projeto, cujo autor será

nia de nossos trabalhadores. Para muitos

balho”, explica o Superintendente Regional do

premiado com um notebook, oferecido pela

deles, era um sonho distante o manuseio de

Sesi, Francisco das Chagas Magalhães.

Construtora Mota Machado. “É excelente par-

um computador. Além de tudo, o programa

Cada oficina, com turmas em média de

ticipar dessas oficinas. A gente aprende muito

ainda tem o mérito de promover uma maior

50 operários, terá cinco horas de duração, du-

e acaba entendendo muito mais até do nosso

integração entre os operários e uma maior

rante o horário de trabalho, desenvolvida ao

próprio trabalho”, avalia Francisco Luiz Sales.

3


CAPA

Educação Corporativa Instituições investem para garantir mão-de-obra qualificada

reciclemos os quadros de nossos associados.

atualizar os conhecimentos

mais importantes para

será apresentada

a primeira publicação liga-

Além disso, teremos a possibilidade de oferecer

da ao novo projeto: o Manual de Fundamentos

cada vez

cursos de acordo com as necessidades do mercado

do Projeto Estrutural, produzido com apoio da

acompanhar

da construção civil, que vem passando por intensas

UFC e a Associação Cearense de Engenharia

mudanças nos últimos anos”, explica.

Estrutural. Escrito pelos engenheiros Dácio

dos

funcionários são ações

os movimentos do mercado. Assim surgiram as Universidades Corporativas, presentes no Brasil

Ainda segundo ele, implantar a universidade

Carvalho, Marcelo Silveira, Helder Martins e

há mais de dez anos. Nesse período, passaram de

era uma das metas da atual gestão do Sinduscon-

pelo prof. Doutor Antônio Eduardo Cabral (UFC),

20, em 1999, para 250 no ano passado, de acordo

CE. “Desde o início, a atual diretoria vem de-

o manual oferece aos profissionais uma visão

com a Pesquisa Nacional Prática e Resultados da

senvolvendo um planejamento estratégico para

sistêmica e conceitual de todo o processo de

Educação Corporativa, realizada pela Faculdade

qualificar ainda mais nossos associados para suas

construção.

de Economia, Administração e Contabilidade da

necessidades”, complementa Ricardo.

Segundo a coordenadora da Universidade

No processo de concepção de cursos, pales-

Sinduscon-CE, Fátima Santana, no primei-

As universidades corporativas são formas

tras e workshops, o Sinduscon buscou apoio do

ro semestre de 2010 serão oferecidos cursos

de complemento estratégico do gerenciamen-

Centro de Tecnologia da Universidade Federal

em abril, maio e junho, nas áreas de logística

Universidade de São Paulo (FEA-USP).

4

Universidade Sinduscon

nos permitir formar mão-de-obra e que

Melhorar e

to, do aprendizado e desenvolvimento dos funcionários de uma empresas ou membros de uma organização. Como as organizações necessitam que as pessoas aprendam mais rápido, acompanhando a velocidade da geração de conhecimento do mundo atual, elas precisam alinhar as iniciativas de treinamento com a estratégia da organização, considerando a cultura organizacional, o contexto organizacional e as competências essenciais. Sempre investindo na qualificação dos profissionais do setor de construção civil do Ceará, o Sinduscon-CE está finalizando o planejamento para lançar a sua Universidade Corporativa, cuja cerimônia de lançamento será realizada no próximo dia 23 de março, com palestra do professor Doutor Luiz Gonzaga Rebouças Ferreira. A implantação vai ajudar na melhoria dos serviços da indústria da construção civil no Estado. “O principal objetivo da Universidade Corporativa será atualizar os conhecimentos técnicos do nosso

“A Universidade vai nos proporcionar que formemos mão-de-obra e reciclemos os quadros de nossos associados. Além disso, teremos a possibilidade de oferecer cursos de acordo com as necessidades do mercado da construção civil, que vem passando por intensas mudanças nos últimos anos” Ricardo Teixeira Vice-presidente administrativo

pessoal, principalmente os engenheiros e téc-

(Planejamento no Canteiro de Obras), qualidade (Inovacoes Tecnológicas na Construção) e jurídica (Direito Imobiliário) respectivamente. “A expectativa para as primeiras turmas é atender cerca de 100 pessoas. A partir da Universidade Corporativa, o sindicato vai preencher a lacuna de reciclagem que por hora existe”, ressalta Roberto Sérgio. Os cursos serão tanto de forma presencial quanto à distância.

Especificidades O termo “universidade” na modalidade corporativa, geralmente, é uma espécie de marca fantasia, pois a instituição não possui o reconhecimento pelo Ministério da Educação. A qualificação feita por ela está geralmente associada a instituições de ensino superior, principalmente quando há cursos de pós-graduação envolvidos. A grande vantagem de uma universidade corporativa é a possibilidade de atualizar os quadros de acordo com as necessidades percebidas pela instituição. Enquanto universidades tradicionais e

nicos de nível médio”, explica o presidente do

do Ceará. “Fizemos um pedido e fomos pronta-

outros tipos de qualificação possuem grades que

Sinduscon-CE, Roberto Sérgio Ferreira.

mente atendidos com a ajuda da UFC desde o

demoram algum tempo para mudar seus currícu-

O vice-presidente administrativo do Sinduscon-

início do projeto. Eles vão nos auxiliar com todo o

los, as universidades corporativas podem moldar

CE, Ricardo Teixeira, que está à frente da implanta-

arsenal científico que possuem e a credibilidade

seus cursos, palestras e workshops de acordo com

ção da Universidade Corporativa Sinduscon junto

de uma instituição de ensino reconhecida nacio-

a demanda percebida. Outros quesitos bastante

com o diretor de investimentos internacionais do

nalmente”, conclui Roberto Sérgio, que ressalta

vantajosos são duração e diversidade das ativida-

Sinduscon-CE, Eugênio Montenegro, ressalta o

os esforços dos professores Augusto Albuquerque

des. Há desde pequenas palestras a cursos com

que, a seu ver, é uma das características mais po-

e José de Paula Barros Neto.

alguns meses de duração, além de workshops

sitivas desse tipo de iniciativa. “A Universidade vai

Durante a cerimônia de lançamento da

voltados especificamente a um objetivo.


Os desafios e benefícios das Universidades Corporativas O diretor Eugênio Montenegro conhece de perto uma experiência de Universidade

assim toda Unimed Fortaleza”, destaca o presidente da cooperativa, Mairton Lucena.

Corporativa. Também atuando como vice-pre-

No caso da Faculdade CDL (Câmara de

sidente da Associação para o Desenvolvimento

Dirigentes Lojistas), o desafio de iniciar a oferta

Imobiliário e Turístico do Nordeste Brasileiro

de cursos foi ainda maior. A intenção de ofe-

(ADIT Nordeste), ele acompanhou a implanta-

recer a graduação em de nível superior, impli-

ção da UNIADIT, no segundo semestre de 2009.

cou em um grande esforço para obter o reco-

A ADIT foi criada para captar inves-

nhecimento do Ministério da Educação (MEC).

timento imobiliários e turístico para o

“Inicialmente, precisamos formatar o regimen-

Nordeste brasileiro. A necessidade de aper-

to interno da faculdade de modo a atender e

feiçoar o empresariado fez surgir a idéia de

contemplar as reais necessidades acadêmicas

uma universidade corporativa.

e as necessidades do segmento do comércio.

“Pensamos em criar um centro de refe-

Veio então uma segunda etapa, não de dificul-

rência para nossos membros. A UNIADIT

dade, mas cheia de detalhes: a autorização jun-

veio para cobrir deficiências que tínhamos

to ao MEC. Em seguida, o reconhecimento do

na atração de investimentos internacionais,

curso. Nossa dedicação acabou sendo recom-

dentre outros assuntos. Depois de definida

pensada e obtivemos o conceito máximo da

a idéia de montar a universidade, tivemos

instituição”, explica coordenadora acadêmica

várias reuniões para decidir quais seriam as

da Faculdade CDL, Meirijane Anastácio.

prioridades de nossas ações”, explica.

Atualmente com nove turmas do curso

Outro ponto que ele destaca é o público

superior de Tecnologia em Gestão Comercial

atingido. “Oferecemos cursos para um público

e dois de pós-graduação a instituição vem ob-

bem focado, por isso, nossas turmas não serão

tendo bons resultados. Outra prova do suces-

grandes. Isso ajuda no aproveitamento dos con-

so da instituição é o lançamento de mais um

teúdos por parte dos participantes”, ressalta.

curso superior, o de Tecnologia em Logística,

Após a palestra que marcou o início ofi-

com início previsto para 2010.2. “Nossa fa-

cial da UNIADIT, a Universidade se prepara

culdade vem beneficiando as diversas insti-

para oferecer o primeiro curso de Preparação

tuições associadas à Câmara de Dirigentes

de Projetos para Captação de Investimentos

Lojistas através da capacitação dos seus fun-

Imobiliários, que será oferecido em Fortaleza e

cionários, executivos e diretores. Através de

Salvador. “Estamos com uma boa expectativa

uma política de desconto diferenciada para

para nosso primeiro curso. Esperamos que traga

os associados lojistas, estamos atraindo tam-

benefícios para nossos projetos no sentido de ga-

bém novos associados interessados em obter

nharem em qualidade. Dessa forma, poderemos

uma capacitação profissional”, complementa

apresentar mais alternativas para os investidores

a coordenadora acadêmica.

internacionais e atraí-los ao Brasil”, conclui. Com

mais

tempo

de

atuação,

a

Universidade Unimed Fortaleza foi lançada em julho de 2001 no desenvolvimento profissional e a educação continuada de médicos cooperados, clientes do sistema Unimed, colaboradores, parceiros, fornecedores e demais membros envolvidos com a cooperativa. “O foco principal da nossa educação cooperativista é promover a gestão do conhecimento a todos os integrantes da instituição. Para fomentar essa grande cadeia do conhecimento, envolvemos todos os setores em ações pontuais e segmentadas, templando

con-

Lançamento da Universidade Sinduscon O lançamento da Universidade SindusconCE e do Manual de Fundamentos do Processo Estrutural será no próximo dia 23 de março, na sede do sindicato, com palestra do prof. Luiz Gonzaga Ferreira.

As Universidades Corporativas no Brasil No mundo, o primeiro caso de Universidade Corporativa do qual se tem registro é o da General Eletric, criando a Crotonville, em 1955. A “moda”, porém, demorou a pegar. Até meados dos anos 1980, o investimento no empregado estava concentrado em ações como pagar a faculdade, reembolsar despesas com as aulas de línguas, financiar viagens culturais ao exterior e, muitas vezes, convidar especialistas para ministrar palestras. A mudança ocorreu por volta dos anos 1990 quando algumas empresas perceberam a necessidade de seguir capacitando seus empregados para as necessidades mais urgentes do mercado, que acabavam não sendo contempladas por outro tipo de formação. Dessa forma, ganhou força a idéia das universidades corporativas. No Brasil, as experiências pioneiras de Universidades Corporativas pertenceram às empresas Accor Brasil, Algar, Amil, Brahma, BankBoston, Elma Chips, Ford, McDonald´s e Motorola. Existem também outras experiências de empresas que, embora não usem o nome Universidade Corporativa, apresentam sistemas educacionais nos seus princípios conceituais e estão pautados por uma abordagem de gestão do conhecimento e competências, como por exemplo: Gessy Lever, Volkswagen/Audi, Datasul e Rhodia. O final da década de 1990 é apontado como o marco da educação corporativa no Brasil. Em 1999, apenas dez empresas possuíam iniciativa na área. Em dez anos, de acordo com a Pesquisa Nacional Prática e Resultados da Educação Corporativa, coordenada pela professora Marisa Emboli, da Universidade de São Paulo (USP), houve um salto estimado de 2400%, o que significa que o país possui atualmente cerca de 250 unidades.

5


SUSTENTABILIDADE

Pesquisa de Instituto produz tijolo à base de lixo orgânico Misture um pouco de lixo orgânico

de carbono, uma vez que abre espaço

vendido pelo mesmo preço de tijolos de

compostado a resíduos da construção ci-

para a redução de emissão de metano,

solo cimento, entre R$ 0,42 e R$ 0,50,

vil e cimento. Agora, prense e deixe secar

um dos gases que causam o efeito estufa e

pois, mesmo considerando os 33% de im-

no sol por 14 dias. Esta é a receita bá-

que tem como principais fontes os aterros

postos, comprando a compostagem e os

sica do tijolo desenvolvido pelo pesqui-

sanitários e lixões.

resíduos da construção, incluindo mão de

sador Luiz Badejo, do Instituto Virtual de

Segundo o pesquisador, o projeto

obra, a depreciação de equipamentos, ele-

Mudanças Globais (IVIG), que pode re-

pode ser enquadrado em metodologias

tricidade, aluguel e insumos, o custo do ti-

duzir a pegada ecológica da construção

já aprovadas pelo Conselho Executivo de

jolo é de R$ 0,36.

civil, gerar créditos de carbono e, ain-

Mecanismo de Desenvolvimento Limpo da

da, possibilitar renda a partir dos aterros

Organização das

exauridos.

Nações

Inspirando-se no bloco solo-cimento – feito com uma mistura de terra e cimento

Fonte: www.revistasustentabilidade.com.br

Unidas

(ONU), que aprova projetos de MDL.

que é prensada e seca – os pesquisadores

Segundo

começaram a testar o material de aterro,

estimativas, o ti-

suas

aprimorando, ano após ano. O processo

jolo poderia ser

foi, inclusive, tema do mestrado de Badejo. Para se fazer um tijolo do tipo solo-cimento utiliza-se entre 700 e 800 gramas de terra ou adubo desidratado, além de 2,8kg de resíduos doméstico, ou seja, considerando que, por exemplo, cerca de 60% de todas as 8 mil toneladas de resíduos urbanos geradas diariamente na cidade do Rio de Janeiro (onde foi desenvolvida a pesquisa) são compostáveis, seria possível fabricar

6

mais de 1,5 milhão de tijolos por dia. O uso do material de aterros e lixões exauridos possibilita geração de créditos

ESPAÇO ACADÊMICO

Fosfogesso pode substituir o cimento É do Instituto de Física da Universidade

para o fosfogesso, geralmente descartado em

da pesquisa é obter a certificação do material

de São Paulo (USP), campus de São Carlos,

aterros. Seria ainda uma alternativa ao uso

de construção junto ao Instituto de Pesquisas

uma das mais promissoras novidades para a

de cimento, cuja carência tem sido aponta-

Tecnológicas (IPT), e assim tornar o fosfogesso

construção civil brasileira. Cientistas da insti-

da como um entrave para o desenvolvimento

um insumo comercializável.

tuição realizaram testes comprovando que o

do setor. Além disso, a produção de cimento

Outra vantagem do fosfogesso é ser

fosfogesso (sulfato de cálcio, tipo de gesso de

é muito danosa ao meio ambiente. Calcula-

um material totalmente reciclável. No caso

origem química obtido na produção de ferti-

se que a produção de 1 tonelada de cimento

de uma demolição, pode-se reaproveitar

lizantes) pode ser utilizado como material es-

gere 3 toneladas de gás carbônico.

o fosfogesso, utilizando o mesmo processo

trutural. A descoberta pode auxiliar bastante

O Brasil possui 150 milhões de toneladas de

UCOS. De acordo com os pesquisadores,

na redução de custos num momento de gran-

fosfogesso em aterros, o suficiente para construir

uma casa construída com o material pode

de demanda por habitações populares.

50 milhões de casas populares, número quase

gerar uma economia de até 20%.

De acordo com o aluno de doutora-

3 vezes maior que o atual déficit habitacional

Fonte: www.confea.org.br

do e Engenheiro Civil Wellington Kanno,

do país (17 milhões de unidades). Segundo os

o processo de tratamento do fosfogesso

pesquisadores, a resistência do material já foi

desenvolvido na USP, batizado de UCOS

comprovada. Agora eles realizam testes

(Umedecimento, Compactação e Secagem),

para verificar o grau de deformação

permitiu a obtenção de elementos cerâmi-

do material ao longo do tem-

cos de alta resistência, alcançando até 70

po, quando submetido a

Megapascal (MPa), um número muito supe-

condições especí-

rior ao concreto de alta resistência (40 MPa)

ficas. O próxi-

e ao concreto comum (20 MPa).

mo passo

O processo é uma excelente solução


ESPAÇO JURÍDICO

Convenção Coletiva de Trabalho negociações

participação nos lucros e resultados (PLR).

as empresas associadas complementam, por

dos termos da Convenção Coletiva de

Foram

iniciadas

as

Atualmente, as empresas associadas ao

até mais 75 dias, o auxílio-doença pago pelo

Trabalho 2010/2011. Segundo o vice-

Sinduscon-CE oferecem aos trabalhadores

Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), até

presidente de Relações Trabalhistas do

PRL que chega a representar 40% do salário

o limite da remuneração do empregado. Em

Sinduscon-CE, Fernando José Pinto, as

mensal, concedido a cada semestre, para

caso de licença médica decorrente de aciden-

negociações com o sindicato dos traba-

os trabalhadores que não tiverem nenhu-

te do trabalho ou doença profissional, a com-

lhadores deverão ser muito difíceis em

ma ausência, justificada ou não, e de 30%

plementação é estendida por até mais 90 dias,

virtude da complexidade das exigências.

para aqueles que tiverem até seis faltas. Isso

a partir do 16º (décimo sexto) dia. Isso garante

No último dia 25 de fevereiro, a diretoria

equivale a um 14º salário anual. No atual

que o funcionário receba o valor integral de

do Sinduscon-CE reuniu-se para discutir a

pleito, a categoria quer ampliar esses valo-

seu salário durante sua recuperação.

pauta de reivindicações apresentada pe-

res para 50% e 40%, e o numero de faltas

los representantes dos operários.

para oito semestrais.

Entre as principais reivindicações do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Civil da Região Metropolitana de Fortaleza, reajuste salarial médio de 19% (incluso o ganho por produtividade) em um cenário de inflação anual de 4,5%, redução da jornada para 36 horas semanais de segunda a sexta-feira e reajuste dos valores de vale-refeição e alimentação em

Concessões Atualmente, o Sinduscon garante um adicional de 5% sobre os salários dos seus empregados que apresentarem certificados de cursos de aperfeiçoamento técnico - profissional, com carga horária mínima de 60 horas/

Quanto ao vale-transporte, por lei o empregador pode descontar até 6% do salário do funcionário para a concessão do benefício, mas as empresas associadas mantêm o desconto em apenas 1,5%. Além disso, os funcionários com filhos que necessitam de cuidados especiais têm direito a duas folgas mensais para acompanhá-los em consultas e tratamentos. Fernando destaca ainda a estabilidade

aula, fornecidos pelo SENAI ou organismos

de emprego para os funcionários em perío-

oficialmente reconhecidos, desde que tais

do pré-aposentadoria. “Faltando quatro anos

quase 80%. “As reivindicações estão com-

empregados exerçam nas empresas funções

para se aposentar, os funcionários que con-

pletamente fora da realidade da conjuntura

compatíveis com a habilitação do certificado.

tem com pelo menos quatro anos consecuti-

Quanto ao auxilio doença/acidente, a

vos na empresa não poderão ser demitidos,

econômica”, afirma Fernando. Outra mudança solicitada diz respeito à

partir do 16º dia de licença do trabalhador

exceto por justa causa”, explica.

7

PONTO DE VISTA

Comunicar é Preciso Prof. Dr. Tadeu Feitosa Acerca das mudanças pelas quais o

Na esteira dessas mudanças, a comu-

mundo vem passando desde a chama-

nicação organizacional das empresas re-

da “explosão tecnológica”, informacio-

clamará investimentos maiores na área, a

nal e comunicacional, o historiador Roger

fim de concorrerem em pé de igualdade

Chartier pede cautela, pois a humanidade

com os grandes conglomerados empresa-

já assistiu a muitas outras “revoluções” cul-

riais do mundo. Investimentos na área de

turais. Não obstante isso ser verdade, é de

comunicação organizacional não apenas

impressionar o volume das demandas polí-

melhorarão os lucros das empresas, mas

ticas, econômicas, sociais e culturais que

desses investimentos dependerá a perma-

precisam lidar com uma complexa rede de

nência delas no mercado competitivo em

fluxos informacionais e com sofisticados

que se inserem.

processos de comunicação.

que elas podem abrir para se firmarem e garantirem suas continuidades.

Todo e qualquer investimento em comu-

Está em curso no mundo um volume

nicação organizacional não pode ser pensa-

cada vez maior de processos comunicati-

do como uma ação esporádica ou sem liga-

vos, de ações e práticas de comunicação e,

ções com o todo sistêmico das empresas e

para as organizações – empresas, bancos,

suas relações com um mundo cada vez mais

comércio, indústria – é condição básica

globalizado. Assim, o investimento em co-

que elas se adaptem a essas novas realida-

municação pelas empresas deve ser consi-

des. No curso de tal “revolução” comuni-

derado como uma porção do seu ativo. Sim,

cacional muita coisa muda, inclusive nos-

porque é investimento e este será responsá-

sos perfis e identidades culturais. Assim, as

vel por parte significativa de seus lucros e pe-

organizações empresariais – quer queiram

las enormes possibilidades de intercâmbio,

ou não – têm de assumir novas identidades,

de parcerias e de novas aberturas de merca-

o que reclama delas novas posturas empre-

dos. As empresas precisam olhar com mais

sariais e administrativas.

seriedade para os nichos comunicacionais

Prof. Dr. Tadeu Feitosa Chefe do Departamento de Ciências da Informação Universidade Federal do Ceará Email: tadeufeitosa@superig.com.br


SINDUSCON NO INTERIOR

Minha Casa, Minha Vida Enquanto o setor de construção civil na

mais terrenos de grande extensão e uma

vai diminuir o inchaço urbano da capital”,

capital reclama dos entraves para a execu-

concentração imobiliária menor, facili-

explica Felipe Coelho, representante do

ção do Programa Minha Casa, Minha Vida,

tando o escoamento do esgoto, um dos

Sinduscon no Cariri.

as construtoras que atuam no interior do

principais obstáculos ao programa na ca-

Em março, serão iniciadas as obras de

Estado só têm motivos para comemorar. Dos

pital. “Posso citar três aspectos que tornam

1.282 unidades habitacionais em Juazeiro

44 projetos recebidos pela Caixa Econômica

o Minha Casa, Minha Vida um programa

do Norte e, em abril, mais 472 em Barbalha.

Federal (CEF), 40 têm previsão de execução

de suma importância para o interior do

“Esse programa do Governo Federal, pelo

no interior, prevendo a construção de 9.872

Estado. O primeiro é o fato de se preen-

volume de investimentos que vai proporcio-

unidades habitacionais ao custo de R$ 409

cher uma lacuna histórica e beneficiar a

nar, será importantíssimo para nós. Apenas

milhões, valor 20 vezes maior que os investi-

faixa mais pobre da população com mora-

através de uma ação com tamanha abran-

mentos na Região Metropolitana de Fortaleza

dia digna. Outro é a geração de empregos

gência, podemos combater de maneira mais

(RMF), que chegam a R$ 26 milhões.

na região, o que vai dar um bom impulso

efetiva o déficit habitacional em nosso muni-

Isso se deve ao fato de que, diferente

à economia local. Por fim, isso vai evitar

cípio”, afirma a secretária de infra-estrutura

da RMF, as cidades do interior apresentam

o fluxo migratório para Fortaleza, o que

de Juazeiro do Norte, Fátima Bandeira.

Como já se tornou uma tradição, o

comemoração pelos aniversários dos asso-

última quinta-feira de cada mês, uma ex-

Sinduscon-CE promove, no próximo dia

ciados. O evento, que a cada mês reúne

celente ocasião para reforçar os laços entre

25 de março, em sua sede, happy hour em

mais convidados, é realizado sempre na

amigos e companheiros.

DESTAQUE

Happy Hour CONHEÇA O SINDUSCON-CE 8

Heitor de Mendonça Studart Vice-presidente de Obras Públicas O vice-presidente de obras públicas do

gabinete do Departamento de Edificações e

Sinduscon-CE, Heitor de Mendonça Studart é da-

Obras (DER). Atualmente é sócio das firmas

quelas pessoas que preferem realizar seu trabalho

Palma Engenharia e CG Construções.

silenciosamente, mas sempre com competência.

Heitor iniciou a participação no Sinduscon-

Nascido em Fortaleza, estudou Engenharia Civil

CE comparecendo a reuniões sobre assuntos ge-

na Universidade de Brasília (UnB), curso que es-

rais da área de Obras Públicas, rumando para dis-

colheu por se considerar vocacionado.

cussões internas que o levaram à atual diretoria.

A trajetória profissional provou que a

Quanto ao futuro, ele revela-se bastante

decisão foi correta. Após sair da faculda-

otimista. O atendimento aos desafios do país

de, ingressou na antiga Superintendência

em infra-estrutura como a Copa do Mundo,

de Obras do Estado do Ceará (SOEC), onde

Olimpíadas e diminuição do déficit habitacio-

foi engenheiro na Diretoria de Divisão de

nal o motivam a seguir lutando por um melhor

Orçamento. De lá, passou pelo Departamento

tratamento das empresas da construção civil

de Edificações. Exerceu ainda a chefia de

que atuam no setor de obras públicas.

Expediente Este informativo é uma publicação mensal do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará - www.sinduscon-ce.org.br Concepção editorial: VSM Comunicação - www.vsmcomunicacao.com.br - Direção: Marcos A. Borges - Editora: Mônika Vieira (Mte CE 01277jp) Subeditor: Jerfson Lins (Mte CE 02086jp) - Redação: Jerfson Lins e Aurimar Monteiro - Produção: Vânia Feitosa e Andrea Araújo Concepção visual: Gadioli Cipolla Comunicação - www.gadioli.com - Direção de arte: Cassiano G. Cipolla - Designer de fechamento: Samuel Harami Fotografias: Lee Rodrigues | Tiragem: 1.000 - Impressão: Expressão Gráfica

Sinduscon Notícias Edição nº 14  

Edição nº 14