Page 1

9912294454/2012/DR/MT


Índice

16 História da Gente

Odemar Schenatto integra a história de Sinop

5 Entrevista

18 Conveniência

7 Jurídico

22 Revenda em ação

8 Expopostos

26 Notas

Alísio Vaz, presidente do Sindicom Cartão para todas as compras Inovações em equipamentos e serviços

Novas tendências no setor de alimentação Frente parlamentar do setor de combustíveis Lembretes e notícias

10 Capa

30ª Festa do Revendedor de MT

A SindiNews tem tiragem de 1.500 exemplares e é um dos principais veículos de informações do setor de revenda de combustíveis de Mato Grosso. O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis de Mato Grosso (Sindipetróleo) representa regionalmente cerca de 1.000 postos. Sua sede está localizada na rua Manoel Leopoldino, nº 414, Araés. Cuiabá-MT. CEP: 78.005-550. Telefone: (65) 3621-6623. Presidente: Aldo Locatelli Vice-presidente: João Marcelo G. F. Borges 1º Secretário: Bruno Borges 2º Secretário: Eduardo Piccini 1º Tesoureiro: Ranmed Leite Moussa 2º Tesoureiro: Joaquim Carvalho Moraes Suplentes da Diretoria: Jaeder Batista Carvalho, Rodrigo dos Santos Osmar, Ramsés Victor Castoldi e José Luis Demeneghi Conselheiros fiscais: Fábio Delfino de O. Marques, Gilberto Gomes Junior, Paulo César Borghette de Melo, Felipe David Cerutti, Rodrigo Trevisan e Benedito Pedro Gonçalves.

Diretor-executivo: Nelson Soares Júnior Jornalista responsável: Simone Alves – DRT/MT 1493 Assessoria de imprensa: jornalismo@sindipetroleo.com.br Revisor Ortográfico: Leony Lemos - (65) 9215-4568 Impressão: Gráfica Defanti Programação Visual: (65) 3028-4452 Diretor de Criação: Marcos Garbin | Assistente de Arte: Alexandro Biazoto Fale com o Sindicato Gerente administrativo: Jonil Marques contato@sindipetroleo.com.br Atendimento ao associado: administrativo@sindipetroleo.com.br atc1@sindipetroleo.com.br www.sindipetroleo.com.br Curta o Sindipetróleo /sindipetroleomt


PALAVRA DO PRESIDENTE Estamos em busca de um mercado cada vez mais justo A revenda mato-grossense vivenciou em setembro um dia de confraternização com a realização da 30ª Festa do Revendedor. Foi um momento excelente para recompormos o relacionamento entre revendedores e parceiros, além de servir para recarregarmos as energias, tão necessárias para enfrentar os desafios diários impostos ao nosso segmento. O Sindipetróleo tem atuado com muita transparência e perseverança nas suas atribuições institucionais. Frente às autoridades, não deixamos de pontuar nossas necessidades, sempre buscando obter o reconhecimento da sociedade de que o nosso setor espelha um mercado cada vez mais livre, justo e com produtos de qualidade. Junto ao revendedor, o Sindicato, através das ações de sua diretoria e seus funcionários, tem feito crescer a capacidade de suporte ao setor. Através da Fecombustíveis, temos conseguido grandes vitórias para todo o segmento. Frente aos órgãos de fiscalização, mantemos nossa de posição de cobrança por uma atuação justa e principalmente de bom-senso. A não diferenciação entre a mera desconformidade, como, por exemplo, coloração diferente da especificada pela Agência Nacional do Petróleo, e a adulteração intencional são pontos de discussão, uma vez que os revendedores ficam sujeitos à mesma penalidade. Este é um assunto nevrálgico. Afinal, a priori, nos parece muito difícil estabelecer o tamanho de um dolo no que se refere às misturas de combustíveis. A qualidade do biodiesel e sua capacidade de transformação, por exemplo, são algo que merece muita discussão. Inclusive, a ANP está avaliando se

Carta ao leitor Esta edição da SindiNews destaca algumas fotos da 30ª Festa do Revendedor. O evento foi um sucesso. Como ocorreu com a Expopostos 2012, uma vitrine de novos produtos e centro de debates sobre o setor. Veja uma síntese da programação do evento realizado este ano no Rio de Janeiro. Na área de novos produtos, apresentamos à revenda um equipamento curioso – uma máquina que analisa a qualidade do combustível em poucos segundos. Nossa entrevista é com o presidente do Sindicom, Alísio Vaz, que traça um panorama da logística de transportes e seus impactos na distribuição de combustíveis, uma grande preocupação do setor. Na coluna Jurídica, o advogado Saulo Gahyva, e atendendo a pedidos dos revendedores, amplia os esclarecimentos das vendas por meio de cartões. Em parecer, analisa a possibilidade de vinculação da venda de cartões telefônicos, cigarros e recarga de celular ao pagamento em dinheiro, impedindo a compra através de cartões de crédito/débito. Na palavra do Sindmat, o diretor-executivo, Gilvando Alves de Lima, destaca os pontos polêmicos que envolvem as novas regras relacionadas ao setor de transporte. Esta edição é especial, pois está com 32 páginas excepcionalmente. Ó tima leitura! Simone Alves e Nelson Soares Junior

4

retomará a obrigatoriedade do armazenamento da amostratestemunha. Inclusive, tem discutido isto com a revenda e com o Sindicom. O assunto divide opiniões. Destacamos também a nossa participação direta na criação da Frente Parlamentar em Defesa dos Consumidores, Distribuidores e Revendedores de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, no último mês de agosto, que tem o intuito de discutir ações para o aperfeiçoamento de legislações e relações entre o consumidor e a revenda. Temas complexos que precisam chegar ao conhecimento de todos. Uma das funções da nossa revista. Mais uma vez, convidamos cada revendedor e também os parceiros a abraçarem o nosso trabalho, afinal temos que contar uns com os outros. Suas opiniões sobre assuntos serão sempre bem-vindas. Compareçam mais ao Sindicato. Acessem nosso site pelo menos uma vez por semana. Enviem-nos críticas e sugestões. Participem de todas as nossas ações.

Aldo Locatelli

Institucional Missão, Visão e Valores

Missão Ser uma entidade participativa, dinâmica, eficiente, voltada para a defesa dos interesses do revendedor de combustíveis de Mato Grosso. Visão Ser a referência, o exemplo, o ponto de apoio e suporte para o associado na busca de um mercado em equilíbrio, ético, justo e digno. Nossos Valores Ética, qualidade, transparência, parceria, o ser humano.


ENTREVISTA

Foto: Approach

Em busca da redução dos gargalos na logística de combustíveis Alísio Vaz Presidente do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom)

Muitos revendedores demonstram preocupação com a possibilidade de falta e/ou o racionamento de combustíveis. O clima de apreensão se acentuou entre o mês de julho e o início de agosto, quando a demora na entrega de produtos afetou dezenas de postos em Mato Grosso e centenas de postos no Mato Grosso do Sul. A dificuldade estaria no transporte. Logo a situação da falta de gasolina e de diesel foi resolvida, mas ainda se ouve notícias de que os revendedores solicitam uma determinada quantidade de produtos, principalmente gasolina, e recebem outra, o que deixa a entender que está havendo racionamento na distribuição. Em entrevista, Alísio Vaz, presidente do Sindicom, reconhece que os gargalos existentes na logística de transporte de combustíveis afetam, de forma significativa, o setor. Ele explica que está havendo um trabalho em conjunto sendo realizado para traçar soluções. Segundo ele, “um planejamento está curso”. Confira os principais trechos da entrevista. O consumo de combustíveis vem crescendo muito. Qual o peso deste fator sobre a logística de combustíveis? O crescimento do mercado está vigoroso e vem se mantendo em alta, apensar de, no geral, a economia não estar se desenvolvendo no mesmo patamar. No Brasil, o consumo de gasolina vem crescendo 13%. Em Mato Grosso, este índice no fim do ano pode alcançar um percentual ainda maior. Isto influencia, sim, na infraestrutura de logística. A diversidade de produtos no mercado também ajuda a acentuar esta problemática. Temos que dar conta do transporte de biodiesel e também do diesel S-50. A diversidade de produtos também gera dificuldades. Outro ponto é a regularidade nas importações que gera maior demanda no transporte. Além disso, somando a tudo isto, o setor ainda foi impactado pelas diversas greves.

Como o Sindicom, como entidade que representa as grandes distribuidoras de combustíveis, pode intervir ou atuar na busca de soluções para estes gargalos a curto e médio prazos? A melhoria do planejamento na infraestrutura de transportes já está em curso. É preciso considerar que tão logo não contaremos com novas estradas. O que podemos fazer é planejar com antecedência as demandas tidas como emergenciais. A produção também precisa estar aferida, ou seja, em sintonia com as operadoras de logística, inclusive com as ferrovias. Com um trabalho estratégico é que as distribuidoras têm feito com que todos estes problemas citados afetem apenas eventualmente o comércio de combustíveis.

S-50?

Quais as principais expectativas quanto ao diesel

Atualmente, 10% do diesel produzido é de S-50 e a tendência é crescer. A Petrobras está trabalhando com intensidade para ampliar isto. O volume de S-50 no mercado ainda é muito pequeno, já que o modelo adotado no Brasil tornou obrigatório o diesel menos poluentes apenas para frota nova. Equilibrar os preços entre os diesel S-500 e 1800 com os preços do diesel com baixo teor de enxofre é possível? O Diesel S-50 está 5% a 10% mais caro que o diesel comum. Ele sempre vai custar mais. Grande parte da diferença pode ser explicada pelos custos de produção. É um produto diferenciado. Além disso, a logística também afeta os preços. Precisamos de maior eficiência no transporte para reduzir o custo final do produto. Transportar diesel S-50 cada vez mais por meio de trem é uma alternativa.


ATUAÇÃO SINDICAL

Assessoria Comercial oferece in loco suporte aos revendedores O Sindipetróleo busca ampliar o atendimento ao revendedor estando no posto. Através das visitas, realizadas pelo assessor comercial Arthur Antônio, o Sindipetróleo ajuda o empresário a tirar dúvidas e apresenta parcerias que permitem a contratação de serviços ou compra de produtos para postos com descontos. Por exemplo, Arthur encontra muitos revendedores que custeiam valores altíssimos de seguros, sendo que o

Visita ao Posto Cooperverde, em Campo Verde-MT

Sindicato, por meio de parceria com uma corretora de Seguros e a Seguradora Tókio Marine, oferece uma opção deste serviço muito mais acessível economicamente. Há revendedores que chegam a economizar mais que o suficiente para pagar a mensalidade sindical, só para citar um exemplo das vantagens das parcerias que atendem revendedores em todo o Estado. Esta é uma maneira do Sindicato estar mais próximo do revendedor, sempre em busca de melhores condições para as empresas do setor. Através do trabalho do assessor, conseguimos direcionar ações do Sindicato em prol do revendedor.

Visita ao Posto Mírian III, em Várzea Grande.

Nos últimos três meses, Arthur visitou revendedores em 20 cidades, conquistando 8 novos filiados, além de assinar inúmeros termos de parcerias, levando benefícios diretos também aos já associados. E este trabalho não para por aqui. “Muitas vezes a gente acha que sabe tudo e não sabe, e o Sindicato em suas visitas vem nos dar este suporte. Vindo até a gente, o assessor nos mantém atualizados em muita coisa. Fiquei contente com a visita”, disse Josemar Andreotti, gerente do Posto Cooperverde, localizado em Campo Verde.

Parcerias Acesse o site do Sindipetróleo, no ícone PARCERIAS, e saiba quais os benefícios disponíveis aos Revendedores – www.sindipetroleo.com.br.

Gran Odara (Hotel 5 estrelas); Interativa Pantanal (área: Turismo); JRC (Educação Profissional); Oficina Comunicação (Comunicação visual);

São elas:

Policard (Cartão-alimentação);

Automatec (automação de postos);

Manins (Manutenção e Instalação de Tanques) ;

Balcão de Empregos (recrutamento e seleção de funcionários com apoio da CDL Cuiabá); C.A.V. Comunicação Visual (área: adesivos); CDL Digital (Certificação Digital, e-CPF, e-CNPJ, e NF-e), CDL Celular (área: telefonia) ; CNA (Curso de Inglês); Ecosupply (Serviços ambientais); 6

Manutec (Instalação e Manutenção de tanques); MS Comunicação (Publicidade via SMS); Sestmat (Engenharia do Trabalho); Supermaq (equipamentos como ECF e REP); Ticket Com (publicidade em cupom fiscal); Vestra e Tokio Marine (área: Seguro de Vida).

Ligue no Sindicato e saiba mais!


JURÍDICO

Lojas não devem recusar cartão de crédito para algumas compras Por Saulo Gahyva

O advogado Saulo Gahyva integra a Assessoria jurídica do Sindipetróleo

Parecer Jurídico conclui: Código de Defesa do Consumidor estabelece que não se pode restringir o pagamento por meio de cartões a determinados produtos. A recusa em aceitar pagamento com cartão de crédito para determinados produtos, como cigarros, cartões telefônicos ou recarga de celular, ou quando o valor é muito baixo, vem sendo fortemente combatida por órgãos integrantes do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor, a exemplo o PROCON, sob o fundamento de que configura prática abusiva, nos termos do artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor (CDC). Os órgãos fiscalizadores entendem que o estabelecimento pode aceitar ou não o cartão de crédito. Mas uma vez que oferece esse serviço ao cliente, não pode fazer restrições. O Procon, por exemplo, fundamenta que a restrição configura prática abusiva, nos termos do artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor. Existe um inciso do artigo 5º da Constituição Federal que diz que as pessoas físicas e jurídicas só são obrigadas a aceitar um pagamento por meio de moeda corrente nacional (notas e moedas de dinheiro). Aceitando receber o pagamento através de cartão, há o entendimento de que esse tipo de restrição, imposta somente a alguns produtos, fere o direito de escolha do consumidor porque condiciona o fornecimento de produto ou serviço a limite quantitativo. Assim, partindo-se de uma interpretação sistemática dos dispositivos do Código de Defesa do Consumidor, caso o estabelecimento comercial opte por disponibilizar a utilização de cartão de crédito/débito como forma de pagamento dos produtos vendidos, recomenda-se que não limite essa modalidade de quitação a determinados produtos, sob pena de incorrer em ilícito administrativo. Vale ressaltar que os locais que não aceitam o cartão devem informar isso em avisos com destaque, do mesmo modo que quando não aceitam cheques. A restrição à compra de alguns produtos para pagamento através cartão de crédito e/ou débito pode gerar notificações e multas que variam entre R$ 200 e R$ 3 milhões.


EXPOPOSTOS

Informação e novidades aos empresários Evento é marcado por discussões sobre o futuro do setor e inovações em equipamentos e serviços

A Expopostos e Conveniência 2012 – feira e fórum internacional de postos de serviços, equipamentos, lojas de conveniência e food service – evento realizado em agosto, no Rio de Janeiro, cidade onde estão localizadas as sedes das grandes companhias petrolíferas, comemorou os 100 anos de revenda no Brasil. Foram cerca de 15 mil visitantes nos três dias de evento (21, 22 e 23 de agosto) e expositores de todo o País. O fórum foi recorde de público com cerca de 600 participantes, superando todas as expectativas. Revendedores mato-grossenses também prestigiaram o evento. A Expopostos e Conveniência é um importante centro de discussões sobre o futuro do setor dos combustíveis no país, que vive o processo de implementação do Arla 32, do Diesel S-50 e da preparação logística brasileira para entrada do Diesel S-10, que começa a ser comercializado no mercado nacional em janeiro de 2013. Esses combustíveis se caracterizam por ser menos poluentes e mais eficientes. No entanto, o uso dessas novas tecnologias demandará profundas mudanças nos processos de distribuição, venda e armazenagem. A Expopostos e Conveniência 2012 também mostrou ao público o vigor do segmento: a demanda por gasolina cresceu mais de 57% nos últimos três anos. De janeiro a julho, o setor já observa um incremento de 13% em relação ao mesmo período em 2011. O mercado de combustíveis movimenta cerca de R$ 240 bilhões por ano, sendo 46,9% em óleo diesel, de acordo com o levantamento do Sindicom. Essas novas diretrizes foram todas discutidas no fórum, que aconteceu em paralelo à feira. Os debates contaram com a presença de alguns dos principais agentes do setor, como ANP, Ministério de Minas de Energia, Petrobras, ABIEPS, Fecombustíveis e Sindicom. Na exposição de equipamentos e serviços ao revendedor, modelos de conveniência se destacaram. Afinal, é um setor que vem crescendo consideravelmente. Conforme informações da

Revendedores de Mato Grosso participam da Expopostos e Conveniência

Fecombustíveis, no Brasil, apenas 18% dos postos de combustíveis possuem lojas de conveniência. Nos EUA, essa proporção é de 89%. Diante destes dados, é possível visualizar um grande espaço para o crescimento neste nicho. O setor de equipamentos também apresenta grande perspectiva de crescimento. Só no primeiro semestre de 2012, o avanço foi de 3%. De janeiro a julho, o segmento fechou com faturamento de R$ 1.442 bilhão, recolheu R$ 243.080 milhões em impostos e registrou 515 empresas. Paulo Miranda, presidente da Fecombustíveis, ressaltou que “a Expopostos e Conveniência também mostrou que os fornecedores estão atentos às necessidades do mercado, apresentando um amplo leque de soluções para automação, coleta de resíduos, transporte de valores e filtragem de diesel, entre outros”. O presidente do Sindipetróleo, Aldo Locatelli, participou da coordenação de um painel dedicado a levantar soluções aos postos de rodovias. Locatelli pediu mais empenho dos revendedores em participar de momentos de decisão ou de formatação de leis com impacto direto sobre a revenda. “Estamos sofrendo na pele os efeitos da Lei do Descanso, que regulamenta a profissão dos motoristas.

Encontro de assessores de imprensa na Expopostos Jornalistas dos Sindicatos se reúnem na Expopostos Anualmente, os jornalistas dos Sindicatos regionais se reúnem para trocar experiências relacionadas às estratégias de atendimento à imprensa. Neste ano, os jornalistas presentes também receberam orientações da Assessoria Jurídica da Fecombustíveis.


qualidade do combustível fornecido. O objetivo do aparelho é fazer com que o revendedor controle a qualidade do combustível que revende desde o abastecimento até o abastecimento. Aspirador Self Service Outro produto, destaque é o aspirador self-service concebido com design e tecnologia modernos, especialmente projetado para uso na aspiração de interiores de veículos em postos de gasolina, lava-rápidos, condomínios residenciais, etc. O aparelho funciona com moedas de R$ 1,00 ou fichas (opcionais) e sua estrutura é de aço inoxidável escovado.

Produtos-destaques na Expopostos A Feira de Produtos da Expopostos destacou centenas de produtos destinados a melhor desenvolver ou modernizar as atividades dos revendedores. Citamos aqui dois produtos que chamaram muita atenção dos empresários. Analisador de combustíveis Uma empresa de instrumentos de combustíveis apresentou as características do Analisador de Combustíveis que pode ser usado em qualquer lugar onde haja fonte de energia elétrica. Com o aparelho, em menos de 1 minuto se obtém o resultado. É possível realizar um teste com apenas 5ml de amostra já considerando a lavagem da cubeta. Conforme o divulgador do produto, a análise não altera as características originais do combustível analisado. No caso da gasolina, o método atualmente utilizado gera 100ml de resíduo. O Analisador permite que as amostras possam ser reaproveitadas como combustível. Armazena os resultados de até 98 análises na memória, os quais podem ser transferidos para uma planilha de controle no computador. Uma maneira eficiente de acompanhar a

Feira é um importante centro de novidades em equipamentos e serviços

Soluções em Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional: Elaborações de Programas como: PPRA , PCMSO , LTCAT entre outros; Realizações de Exames Admissionais, demissionais, audiometria e outros no consultório ou na empresa; Treinamentos e Cursos; Equipe com profissionais de diferentes segmentos; Visitas técnicas mensais.

(65) 3321-5132

Rua Comandante Costa, 1265 | Piso Inferior Centro Sul | CEP: 78.020-400 | Cuiabá - MT

w w w.previnamt.com.br


mais uma vez contagia com clima de confraternização Ano a ano, evento, dedicado principalmente à revenda, é cuidadosamente preparado, a começar pelo show. O Sindipetróleo realizou em 22 de setembro a 30ª Festa do Revendedor de Mato Grosso. O clima de animação estava contagiante. A noite foi embalada pela boa música da dupla sertaneja Gian e Giovanni, que cantaram ao vivo e bem próximos ao público. E enquanto a música rolava, o telão exibia imagens dos patrocinadores do evento, empresas que, no dia a dia do setor, atuam como grandes parceiros. Clima de alegria também durante o sorteio de prêmios. Entre os brindes, TV, notebooks, kit churrasco, vale-viagem e bolsa escolar, entre outros prêmios. Foram mais de 50 presentes.


A festa aconteceu no Cenarium Rural, em Cuiabá, e recebeu mais de 1.200 pessoas. Ano a ano, é cuidadosamente preparada, a começar pelo show, cardápio do jantar e variedade de bebidas. Ao longo de 30 anos, a Festa do Revendedor se tornou um ponto de encontro entre empresários e familiares e fornecedores de postos, por ser um momento de confraternização. Neste ano, o evento contou com a presença de muitos revendedores do interior do Estado, assim como a participação daqueles que residem em Cuiabá e Várzea Grande. O Estado vizinho também esteve representado por Mário Shiraishi, presidente do Sinpetro, sindicato da revenda do Mato Grosso do Sul. “Esta


maior interação tem uma motivação a mais: a realização do 2ª Encontro Regional de Revendedores de Combustíveis, a ser realizado em 2013, a exemplo do evento organizado no Mato Grosso do Sul Recentemente”, destacou o presidente do Sindipetróleo, Aldo Locatelli. Foi recíproca a cortesia do representante da revenda do Mato Grosso do Sul. “Agradeço sensibilizado a tão calorosa e maravilhosa receptividade que me foi dispensada durante a 30ª Festa do Revendedor. A festa, por sinal, em nada deixou a desejar, da organização impecável à alegria dos participantes, que tornou o evento contagiante. Deixo os meus parabéns por mais este sucesso ao mesmo tempo em que reitero meus votos de profundo respeito e admiração”, destacou Shiraishi.

12


MENSAGEM DO SINDMAT

Sindmat contribui com esclarecimentos sobre a Lei 12.619/2012 Da Assessoria

O Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas de Mato Grosso (Sindmat) mantém seu posicionamento em defesa da fiscalização imediata do cumprimento da Lei 12.619/12, que regulamenta a profissão de motoristas de transporte rodoviário de carga, bem como a jornada de trabalho dos caminhoneiros autônomos, sendo este um dos pontos polêmicos desta lei. Os diretores da entidade corroboram com a legislação porque ela já foi amplamente discutida e, apesar de reconhecer que alguns ajustes serão necessários através de convenções e acordos coletivos, defendem que em momento algum a lei deve retroceder, por mais que alguns pontos ainda sejam discutíveis. O Sindmat acredita numa tendência da Justiça Trabalhista considerar a imediata tendência da lei em possíveis ações que envolvam os motoristas. Afinal, a lei está regulamentada. É isto que ficou claro durante o 2º Seminário Trabalhista do Transporte Rodoviário de Cargas, realizado pelo Sindmat em 26 de setembro. Após o debate, a maioria dos mais de 150

participantes concluiu que apenas a fiscalização dos períodos de descanso, conforme estabelecido na Resolução Nº 417/2012 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), foi adiada. “É esta compreensão que a Justiça pode ter, pois o adiamento da fiscalização contradiz o objetivo de prevenir acidentes fatais e a defesa dos direitos do trabalhador motorista. O não cumprimento da nova legislação pode gerar questionamentos sobre a legitimidade da resolução do Contran”, pontua o secretário-executivo do Sindmat, Gilvando Alves de Lima. O secretário-executivo destaca ainda outro fato de contradição na Legislação. Acrescenta que o adiamento da fiscalização dos períodos de descanso estabelecido na Resolução Nº 417/2012 do CONTRAN atenta exatamente contra o objetivo de prevenir acidentes fatais ao determinar que a lei teria aplicabilidade em algumas rodovias, e não em todas. Diante disto, o que muitos caminhoneiros estão dizendo por aí é que teríamos a rodovia da morte e a rodovia da vida. “Aliás, este é o titulo de uma carta aberta assinada por entidades laborais e que foi enviada a Brasília recentemente almejando a imediata revogação da Resolução Nº 417”, pontua Lima.

Seminário debate pontos polêmicos da Lei que regulamenta a profissão de motoristas de transporte rodoviários de carga e a jornada de trabalho dos caminhoneiros autônomos.


PERFIl

História da gente

O pioneiro em Sinop

Ao lado do pai, Seo Aleixo, Odemar Schenatto fundou o grupo Caiçara, iniciando com posto de combustível na década de 70. Odemar, hoje com 60 anos, nasceu em Paim Filho, no Rio Grande do Sul, e casado com Lourdes Schenatto, com quem teve três filhas. Em 1970, Schenatto iniciou a faculdade de Filosofia, Ciências e Letras e o curso de História, no Paraná. Depois, transferiu-se para o curso de Engenharia Mecânica na Faculdade Federal do Paraná, em Curitiba. Com o propósito de buscar novos horizontes, inclusive comerciais, em 02 de outubro de 1973, aos 23 anos, mudou-se com a família para Sinop (a 503 quilômetros de distância ao norte da capital), onde instalaram o segundo Posto de Combustíveis da cidade. Pioneira, a família Schenatto está entre as dez primeiras que se instalaram no município. Ele ampliou os negócios ao agregar ao posto as atividades de churrascaria, lanchonete e loja de conveniência. Também abriu lava-jato, borracharia e salas comerciais. A grande estrutura e as dezenas de empregos gerados são características que fazem do Posto Caiçara um dos maiores pontos de referência da região norte do Estado. Odemar Schenatto é daqueles que andam em todo o posto para observar de perto o seu negócio. É um articulador nato e conhecido como cidadão ativo por participar das principais atividades da cidade. O empresário e sua família apoiaram, por exemplo, a construção da Igreja Santo Antônio, a primeira de Sinop. Dirigiu a Paróquia São Camilo e o Seminário Diocesano, que mais tarde se transformou no Colégio Regina Pacis. O gaúcho contribuiu ainda para a implantação e manutenção da Apae de Sinop. Já atuou como membro da Associação dos Criadores do Norte Matogrossense, entidade responsável pela realização da maior feira agropecuária da região norte de Mato Grosso. Sua atuação ganhou notoriedade em outros municípios. Em União do Sul e Cláudia, contribuiu para a recuperação de igrejas e estradas. Ele também é popular no futebol. Comandou o clube de 1988 a 1990 e em 1996, conquistando dois títulos e um vice-campeonato estadual – campeão da Segundona (1988) e da Primeira Divisão do Estadual (1990). 16

Odemar com outro pioneiro da Cidade, Massami Uriu

Recentemente, ajudou a articular uma reunião entre políticos, empresários e Polícia Militar para discutir medidas de segurança para a cidade e para os postos de combustíveis. Não é à toa que já recebeu os títulos de Cidadão Sinopense Benemérito, pela Câmara de Vereadores, e também título de Cidadão Mato-grossense, pela Assembleia Legislativa. Apesar de ter o seu nome bem conhecido na cidade, Odemar é discreto. Não é de vangloriar-se, mas ele não consegue esconde sua popularidade, afinal integra a história de desenvolvimento de Sinop.

Odemar recebe títulos de Cidadão Sinopense e Mato-grossense


MEIO AMBIENTE E LEGISLAÇÃO

Motores mais eficientes e, portanto, menos poluentes Montadoras de veículos investem em tecnologias mais “verdes”

A partir de janeiro começam a vigorar novas regras automotivas que, por consequência, já estão gerando maior investimento por parte das montadoras de veículos em tecnologias para reduzir emissões de gases. O foco das montadoras é investir em tecnologias que aliem a proteção ao meio ambiente sem que os motores dos veículos percam potência e desempenho. Isto é possível através da redução de consumo de combustíveis. Exemplo: hoje a média de consumo de um veículo 1.0 alcança 14 quilômetros por litro com gasolina e 9,7 quilômetros por litro com etanol. Com motores com maior desempenho, os carros rodariam com 17,26 quilômetros por litro com gasolina ou 11,96 quilômetros por litro com etanol. Na prática, isso levará a outro objetivo que o governo quer que as montadoras atingem: a redução da emissão de gases poluentes dos atuais 171 gramas de gás carbônico

(CO2) por quilômetro, em média, para cerca de 130 gramas por quilômetro em 2017. Como as montadoras obtêm este resultado? Combinam injeção direta e mais precisa de combustível a alta pressão, turbo de baixa inércia e duplo comando independente de válvulas variável. Além disso, o motor é menor e mais leve do que os comuns. Já há no mercado motores com este conceito, mas outros tipos motores podem surgir. O novo regime automotivo entrará em vigor em 2013, seguindo até 2017. O investimento em tecnologias mais eficientes - tanto no que se refere à preservação do meio ambiente quanto ao bolso do consumidor - acompanha uma demanda nacional e internacional.


Conveniência

Pesquisa Setor de alimentação nota novas tendências

A consolidação das padarias como opção de refeição na rua, a evolução dos restaurantes das lojas de conveniência em postos de combustível, o aumento de estabelecimentos que servem comida por quilo e o alimento comprado para ser consumido em casa são fortes tendências do varejo de alimentação nos próximos anos. É o que aponta um estudo exclusivo da GS&MD Gouvêa de Souza, empresa de consultoria e serviços voltados a varejo, marketing e distribuição.

Padaria em posto gera maior movimentação de clientes

pessoas em quatro capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre (RS) e Recife (PE). Entre os entrevistados, 66% disseram fazer refeições em super e hipermercados, 61% em padarias, 55% em restaurantes de rede e 44% em restaurantes independentes. Durante a semana, o principal motivo apontado para comer fora de casa é o trabalho. Já no fim de semana, 53% do universo pesquisado frequenta

Eliete Bacarin Pajanoti administra padaria e conveniência no Posto Paradise há dez anos e afirma: “um negócio complementa o outro”

O estudo identificou, que há dois anos 69% dos consumidores compravam comida pronta para consumir em casa. Em 2012, o índice subiu para 77%. Padarias As padarias se reforçam como um destino diário do consumidor brasileiro, e não somente pela manhã, mas também nos horários de almoço e jantar. O estudo revelou que 61% dos entrevistados costumam se alimentar em estabelecimentos desse tipo. Conveniências As lojas de conveniência presentes em postos de combustível aparecem na pesquisa como locais não somente para a compra de produtos de necessidade básica, mas também para fazer uma refeição completa. Números gerais A pesquisa da GS&MD Gouvêa de Souza ouviu 1.016 18

restaurantes por lazer, e 39%, por prazer. Foi constatado que, durante a semana, o gasto médio para almoçar é de R$ 19,30. Em 2010 esse índice estava em R$ 14,80. Já durante o fim de semana, o gasto médio no almoço caiu de R$ 37,20 para R$ 30,50. O estudo também apontou menor deslocamento e menor tempo de permanência nos restaurantes durante a semana. São Paulo foi a cidade pesquisada onde menos tempo as pessoas ficam dentro dos estabelecimentos: cerca de 29 minutos. A média nacional, que em 2010 era de 40 minutos, este ano ficou em 35. Nos fins de semana os deslocamentos são maiores e se gasta mais por conta de ocasiões especiais. Já no decorrer da semana, o vale-refeição limita os gastos dos trabalhadores. (Autor: Lucas Paulino DCI)


CONHECENDO OS CRÉDITOS A QUE AS EMPRESAS FAZEM JUS E QUE PODEM SER COMPENSADOS JUNTO À RECEITA FEDERAL E AO INSS INFORME PUBLICITÁRIO - CRÉDITOS INSS - 11% RETENÇÃO – EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS (MÃO- DE-OBRA E EMPREITADA) A Lei nº. 9.711, de 20 de novembro de 1998, que passou a vigorar a partir de fevereiro de 1999, introduziu a obrigatoriedade da retenção pela empresa contratante de serviço mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada, de 11% (onze por cento) sobre o valor total (bruto) dos serviços contidos na nota fiscal, fatura ou recibo emitido pelo prestador (contratada). As empresas prestadoras de serviços mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada sofrem retenção de 11% para o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) no ato da quitação da nota fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços. A Secretaria da Receita Federal, por meio da Instrução Normativa 900/2008, regulamentou os procedimentos para a compensação de contribuições previdenciárias na cessão de mão-de-obra e na empreitada. Portanto, o valor de 11% que fica retido gera crédito ao contribuinte que deve ser compensado pela empresa contratada com as contribuições devidas à Previdência Social. - CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS CONSTANTES NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES DA CONTA CORRENTE DA EMPRESA (SINCOR) SINCOR é uma conta-corrente que o Fisco federal (RFB) mantém em seu sistema de informações referente a cada contribuinte, no bojo da qual são lançados todos os créditos que porventura existam em seu favor (relatório de crédito). Esses créditos gerados se referem ao resultado do cruzamento dos pagamentos realizados pela empresa das obrigações acessórias. No SINCOR (Sistema de informações da conta-corrente) vão constar, além dos créditos disponíveis e existentes até o momento, todos os pagamentos de tributos federais realizados pela empresa nos últimos 5 (cinco) anos. A Justiça Federal tem deferido incansavelmente todos os pedidos de compensação dos débitos tributários nos moldes doa artigo 156, II, do Código Tributário Nacional quando requeridos pelo nosso escritório. - CRÉDITOS DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDÊNCIÁRIAS PAGAS SOBRE AS VERBAS INDENIZATÓRIAS O artigo 195, I, da Constituição Federal determina que o empregador tem o dever de contribuir para a Seguridade Social

CSS ADVOGADOS ASSOCIADOS Fones: (65) 3028-6005 | Cel: (65) 9971-2114 adv-silvana@hotmail.com marinacssj@hotmail.com

Advogados Marina Santana, Dejango Campos e Silvana A. Souza

mediante contribuições incidentes sobre folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo empregatício (redação da EC 20/98). Logo, as quantias pagas ao trabalhador a título de indenização não devem compor a base de calculo da referida exação, uma vez que tais valores não servem para remunerá-lo, mas somente para ressarcir algum dano sofrido por ele. O STJ já analisou a natureza jurídica de algumas verbas trabalhistas e afastou a incidência da contribuição previdenciária sobre aquelas que se revestem de natureza indenizatória, quais sejam: terço constitucional de férias, aviso prévio indenizado, auxílio-acidente, auxílio-creche, os primeiros 15 dias de auxíliodoença e adicionais noturnos, de periculosidade e de insalubridade quando pagos sem habitualidade. - RAT – RISCO ACIDENTE DO TRABALHO O RAT (Risco de Acidente do Trabalho) está previsto no art. 22, II, da Lei n.° 8.212/91, e sua finalidade é a de financiar os benefícios previdenciários decorrentes de seguro contra eventuais acidentes ocorridos durante o exercício da atividade laborativa. As empresas, de modo geral, contribuem pagando o percentual incidente sobre o total das remunerações pagas ou creditadas aos segurados empregados ou avulsos. O RAT é devido de acordo com a Classificação Nacional da Atividade Econômica da Empresa (CNAE), dividido em atividade de risco leve, médio ou grave, que correspondem às atuais alíquotas de 1%, 2% ou 3% sobre toda a folha de pagamento. Em razão de alterações legislativas, verifica-se um lapso temporal compreendido entre junho de 2007 e dezembro de 2009, o que fez com que determinadas atividades econômicas sofressem redução ou majoração da alíquota pertinente à contribuição denominada Risco Acidente de Trabalho.


ARLA-32

Mantendo a qualidade do Arla-32 Sim, o produto tem prazo de validade

Na edição anterior, a de número 59, a Revista SindiNews destacou explicações sobre a diferença do Arla 32 dos combustíveis. Na publicação, o sócio-proprietário da Solupetro, empresa parceira do Sindipetróleo, André Rodrigues, explicou que o Arla 32 não pode ser confundido com combustível e nem mesmo com aditivo, pois o produto funciona, em verdade, como uma espécie de reagente. É necessário para o funcionamento do sistema de póstratamento dos gases de escape, tratando a fumaça liberada pelos veículos. Agora, destacaremos alguns cuidados especiais para garantir a sua eficiência.

produto. E, claro, deve haver atenção na hora do reabastecimento. O Arla-32 tem seu tanque próprio e não pode ser depositado no local do combustível, e vice-versa. O diretor da Yara, fabricante do Air1 (Arla 32), Achille Liambos, disse em palestra ministrada durante a Expopostos 2012 que a empresa identificou esse erro como algo comum na Europa, embora os

Assim como o motorista que compra o produto, o posto precisa se preocupar em bem armazenar as embalagens de Arla 32. O estoque deste produto deve ficar em espaço onde a luz solar na o atinja diretamente. O local de armazenamento também não pode ser nem frio e nem muito quente. Recomenda-se que o redutor líquido seja estocado, no máximo, pelo período de um ano. O Arla 32 é uma solução líquida extremamente sensível e não pode ser contaminada, já que isso acarretaria sérios danos ao sistema dos veículos, principalmente ao catalisador. Diante disso, é imprescindível a atenção com a origem do produto. Vale conferir se a marca é certificada pelo Inmetro. No site do instituto (http://www.inmetro.gov.br/ prodcert/certificados/busca.asp), o consumidor pode consultar as empresas aprovadas para comercialização do agente químico.

tanques de Arla 32 e óleo diesel tenham encaixes de bico de abastecimento com tamanhos diferenciados. Para evitar equívocos, o frentista deve observar a indicação do produto na tampa do tanque.

Também é preciso ficar atento às embalagens com lacre violado e não deixar cair sujeira no

Curiosidade O Arla 32 não é combustível e nem mesmo aditivo, não é inflamável e também não é tóxico. Trata-se de um agente composto por uma mistura de água desmineralizada com 32% de Uréia automotiva. Enquanto chamamos no Brasil de Arla 32, na Europa este agente composto é chamado de AdBlue. Já nos Estados Unidos, é conhecido como DEF.


Legislação

Projeto de Lei Proposta prevê detector de combustível adulterado em veículos

Os veículos poderão ser obrigados a contar com um detector de combustível adulterado entre os seus equipamentos, de acordo com o Projeto de Lei 7.433/10 que está sendo analisado pela Câmara dos Deputados. A proposta do deputado Wellington Fagundes (PR-MT) pretende evitar danos gerados pelo uso de combustíveis adulterados aos consumidores, além de facilitar a fiscalização nos postos. Sendo analisado e aprovado pelo Congresso, o projeto alterará o Código de Trânsito (Lei 9.503/97). A proposta, que tramita em conjunto com o Projeto de Lei 4141/08, do deputado Nelson Goeten (PR/SC), será analisada pelas comissões de Viação e Transportes, e de Constituição e, Justiça e Cidadania. Tecnologia já existe Em 2008, a Universidade de Campinas (Unicamp) apresentou uma fibra ótica especial que avalia a qualidade da gasolina e do etanol. Desenvolvido pelo professor Carlos Suzuki e sua equipe técnica, um sensor instalado no carro alerta o motorista sobre a qualidade do combustível.

Numa simulação feita em laboratório, a tecnologia entra em contato com diferentes tipos de combustíveis. Num carro, a ponta da fibra ficará na boca do tanque. A tecnologia consiste em fazer com que um raio laser cruze o fio e chegue até o combustível na hora do abastecimento. Ao tocá-lo, a fibra traz de volta um sinal, que vai ser analisado e revelar a qualidade daquele produto. Em tempo real, o consumidor conhece, por exemplo, as concentrações da mistura de álcool e gasolina, se houve adição de água ou álcool puro e a presença de substâncias estranhas. O sistema pode inclusive impedir que o combustível adulterado entre no tanque do usuário.


Em 8 de agosto, o deputado federal Wellington Fagundes (PR-MT) apresentou na Câmara dos Deputados o requerimento nº 5870/2012 que solicita a criação da Frente Parlamentar em Defesa dos Consumidores, Distribuidores e Revendedores de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Presidida por Fagundes, a Frente vai discutir ações para o aperfeiçoamento das legislações que tratam sobre comércio, consumo e preços dos combustíveis. As entidades responsáveis pela revenda e distribuição de combustíveis também participarão dos debates. De acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis de Mato Grosso, Aldo Locatelli, a Frente será a oportunidade de rever as legislações e aprimorá-las. “É preciso fazer uma nova análise das leis que tratam do comércio de combustíveis, deixando claro tanto para os comerciantes quanto para a população os direitos e deveres”, explica. Cartel O Cartel, combinações de preços entre donos de posto, será um dos assuntos mais polêmicos abordados pela Frente que pretende discutir ações de combate e identificação da prática. Os revendedores argumentam que, apesar da semelhança entre os valores, o cartel não se configura em muitas situações, isso porque o preço repassado pelas

Foto: Agência Câmara

Revenda em Ação

Deputado de MT lança Frente Parlamentar sobre comércio e consumo de combustíveis

Parlamentar Wellington Fagundes presidirá reuniões

distribuidoras é praticamente o mesmo para todos os postos, o que se reflete nas bombas de combustíveis. Impostos Outro ponto a ser discutido pelo grupo de trabalho é quanto à carga tributária sobre a comercialização dos produtos. A intenção é aprimorar a legislação que cuida da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE) sobre a comercialização do óleo diesel. “Hoje, cada Estado estabelece a alíquota que lhe convém. No caso do diesel a alíquota varia de 12% a 17%, o que afeta todo o setor produtivo, já que grande parte das mercadorias é transportada pelas rodovias brasileiras”, explica Wellington Fagundes. Para o presidente da Fecombustíveis, Paulo Miranda Soares, o trabalho em conjunto com a bancada ruralista pode trazer maior representatividade e benefícios para os setores do comércio e para a sociedade ao proporcionar uma legislação mais clara e melhores condições de negócios. (Com Assessoria Fecombustíveis)

Atuação na defesa da regulação da revenda Em 8 de agosto, a sede da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em Brasília, foi palco de debates entre presidentes dos sindicatos de combustíveis e lubrificantes de todo o Brasil e parlamentares com tradição na relação com o setor, durante a reunião da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis). O foco do encontro foi a criação de uma diretoria institucional na entidade, que trabalhe no intuito de defender a revenda de combustíveis, especialmente no que diz respeito a práticas ilícitas e concorrências desleais, e também defender e aprimorar a regulação do setor. O evento contou com a presença do vice-presidente financeiro da CNC, Luiz Gil Siuffo, que foi presidente da Federação por 20 anos, do senador José Dornelles e do deputado Simão Sessim, presidente da Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados. Entre outros participantes, também usaram da palavra o senador Pedro Taques (PDT-MT) e o deputado federal Wellington Fagundes (PR-MT). A diretoria do Sindipetróleo esteve representada pelo presidente da entidade, o revendedor Aldo Locatelli. Autor: Joanna Marini - Revista CNC Notícias, de agosto, edição 148.

Na imagem (da esquerda para a direita), senador Francisco Dornelles; vicepresidente da CNC, Luiz Gil Siuffo Pereira; primeiro-vice-presidente da Fecombustíveis, Roberto Fregonese; presidente da Fecombustíveis, Paulo Miranda; e senador Pedro Taques.


Homenagem

A um grande amigo da revenda Ele deixou muitas saudades. Paulo Emboava, então vice-presidente do Sindipetróleo, faleceu em 14 de setembro. Infelizmente, na vida acontecem coisas que não esperamos ou desejamos. O câncer o debilitou, mas nunca tirou dele sua vontade de ver as pessoas ao seu redor bem e contentes com a vida e o trabalho. Incentivou a muitos com suas palavras de perseverança. Sempre foi um verdadeiro amigo da revenda. Defendia o seu negócio com unhas e dentes e se dedicava ao trabalho nos postos sempre acompanhado dos três filhos - João Paulo, Gabriela e Juliana. Procurou não impor a eles que comandassem as empresas, mas o interesse pelo negócio do pai tomou conta dos três, o que o agradava. Paulinho, como era mais conhecido entre os revendedores, ao sempre integrar a diretoria do Sindipetróleo, ajudou a atingir muitos objetivos, entre eles o de lutar por um mercado mais justo para o empresário e para o consumidor em geral. Paulinho, acredito eu, está em outra dimensão se preparando para sutilmente soprar nos ouvidos dos amigos e de sua família ótimas lembranças. Por Simone Alves

Parceria Cartilha orienta certificação digital

empresários

sobre

O Certificado Digital é um documento eletrônico seguro que possibilita comprovar a identidade de uma pessoa, de uma empresa ou de um site para assegurar as transações realizadas pela internet e a troca eletrônica de documentos, mensagens e dados. Permite assinar digitalmente qualquer documento eletrônico de forma rápida e segura. O serviço é destinado a: - Empresas que são obrigadas a emitir Nota Fiscal Eletrônica (e-NF) precisam do certificado para comprovar sua legitimidade; - Pessoas Físicas que precisam validar suas transações eletrônicas, como advogados, contadores e/ou empresários (e-CPF); - Pessoas Jurídicas que precisam validar transações eletrônicas (Conectividade Social). Para disseminar o uso da certificação digital entre as micro e pequenas empresas (MPEs) no país, autoridades certificadoras e entidades do setor estão lançando uma cartilha que visa auxiliar os empresários no entendimento da tecnologia, sua utilização e as

vantagens que ela oferece. O objetivo é massificar o uso dessa tecnologia. A Cartilha elaborada por entidades da Certificação Digital contempla desde conceitos básicos até aplicações no cenário brasileiro e formas de aquisição de certificados digitais. Veja mais a respeito do conteúdo abordado e os formatos para download no site www.beneficioscd.com.br O Sindipetróleo, em parceria com a CDL, disponibiliza este serviço aos revendedores com até 50% de desconto. Entre em contato conosco e confira. Ligue: 65 3621-6623.


Cooperação

A importância de um bom Sistema de Automação Comercial no cenário atual

O mundo passou por uma grande transformação nos últimos anos e essa transformação de forma tão acelerada só foi possível graças ao emprego cada vez mais maciço da computação. Esta, aliada às inovações tecnológicas, gerou um novo tipo de comportamento social. Atualmente, a sociedade tornou-se intolerante com qualquer tipo de demora diferente da habitual, principalmente quando se trata de rotinas básicas como, por exemplo, abastecer o carro. Embora a maioria das empresas tenha se acostumado a atender rapidamente seus clientes, a grande maioria conquistou a agilidade através da penalização do controle gerencial, que é fundamental para o crescimento ou até manutenção da empresa. Para piorar a situação dessas empresas, que penalizaram o controle gerencial, o FISCO a cada dia vem exigindo que vários complexos arquivos digitais sejam gerados pelos contribuintes e enviados mensalmente. Essas novas obrigações legais têm como objetivo obrigar todos os estabelecimentos que se encontram no lucro real ou presumido a gerar todos os arquivos digitais necessários para o FISCO. Alguns arquivos digitais exigidos pelo FISCO são complexos e muito detalhados. Por exemplo, o arquivo EFD PIS/COFINS. A complexidade e a miudeza nos detalhes destes arquivos impossibilitam que o contador consiga gerá-los sem a ajuda do contribuinte. Desta forma um software capaz de gerar estes por si próprio é fundamental, já que

permite ao contador apenas conferir o arquivo, e caso seja preciso, realizar os ajustes necessários. Diante dessa nova realidade a Moura Informática, que atua há mais de 20 anos no mercado de automação para postos de combustíveis, abriu no ano de 2012, em Cuiabá, uma representação local. Atualmente, a empresa possui mais de 100 funcionários, sendo que 40 deles trabalham na matriz e 60 estão distribuídos entre suas filiais. O famoso sistema de automação comercial desenvolvido pela Moura Informática, conhecido popularmente por “Software Posto Moura”, foi desenvolvido e aperfeiçoado ao longo dos anos para atender cada detalhe em postos de combustíveis e lojas de conveniência. O software abrange desde a área de R.H., podendo inclusive ser integrado com os mais conhecidos relógios de ponto disponíveis no mercado, até a automação de bombas de combustíveis líquidos e GNV. Seu amplo quadro de funcionários treinados e capacitados permite à Moura Informática oferecer uma solução completa em automação comercial para postos de combustíveis. A empresa também comercializa computadores, impressoras fiscais, concentradores para automação de bombas de combustíveis e soluções TEF (que permitem o recebimento de cartões de crédito e de débito no ponto de venda com a impressão do cupom fiscal), entre outros. INFORME PUBLICITÁRIO


NOTAS

Saúde bucal do trabalhador A subsede da Federação Nacional dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo (Fenepospetro) inaugurou, em setembro, o Consultório Odontológico destinado a atender os trabalhadores de postos. O trabalhador deverá ligar ou comparecer à sede da Fenepospetro para marcar as consultas. Além dos associados, as consultas poderão ser marcadas para os dependentes legais. Telefone: 65 3027.2214

Sobe preço do biodiesel O Sindipetróleo informa sobre alterações no preço do biodiesel negociado no 27º Leilão do produto, cuja demanda irá suprir o mercado no quarto trimestre de 2012. Na última edição do leilão, que é realizado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), o litro do combustível saiu, em média, por R$ 2,734 (incluídos tributos federais PIS/Pasep e Cofins). No trimestre de julho a setembro, o valor do litro do biodiesel foi de R$ 2,55, segundo dados do Ministério de Minas e Energia. Todo diesel rodoviário no Brasil precisa obrigatoriamente conter 5% de biodiesel, o chamado B5. Por meio de leilões trimestrais conduzidos pela ANP, a Petrobras compra o biodiesel das usinas produtoras e o revende às distribuidoras, responsáveis pela mistura do biocombustível ao diesel mineral, para fornecimento aos postos revendedores. O Sindicato ressalta que o mercado é livre e competitivo em todos os segmentos, cabendo a cada distribuidora e posto revendedor decidir se irá repassar ou não ao consumidor os maiores preços, bem como em qual percentual, de acordo com suas estruturas de custo e de forma a remunerar adequadamente seus investimentos.

Mais etanol na gasolina, só em 2013 Durante seminário sobre infraestrutura promovido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), o diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Helder Queiroz, disse que o governo pretende elevar o percentual de etanol anidro na gasolina de 20% para 25%, em junho de 2013. Mas esta afirmação não elimina a possibilidade de esta alteração ocorrer antes, caso a produção de etanol seja suficiente para permitir o aumento sem pressionar preços. A decisão de aumentar ou não o percentual de anidro na gasolina cabe ao governo federal.

O Sindipetróleo considera imprescindível manter a revenda e a sociedade informada sobre as variações expressivas nos valores dos combustíveis para que os postos, face mais visível da cadeia, não sejam responsabilizados, injustamente, por alterações ocorridas em outras etapas de comercialização. Com informações da Fecombustíveis


ANP avalia política de reajuste da Petrobras A política de reajuste de preços da Petrobras é alvo de estudo na agência Nacional do Petróleo (ANP), a ser concluído até o fim do ano. Responsável pela área de formação de preços da Agência, o diretor Helder Queiroz quer averiguar em que momentos a Petrobrás ganhou e em que momentos perdeu ao não repassar imediatamente ao mercado interno oscilações de cotações no exterior. O levantamento começa com os dados de 2002, quando houve a liberação de preços. Queiroz também defende, pessoalmente, uma política mais transparente em que seja definido um período para a equiparação de preços da Petrobras com o mercado internacional. “A cada dois, três meses”, diz. O diretor lembrou que o ex-presidente da Petrobras José Sergio Gabrielli sempre disse que, no

longo prazo, a política de reajustes era benéfica à companhia. Porém, Queiroz ressalvou que a nova presidente, Graça Foster, endureceu o discurso. “Quem dizia isso era o Gabrielli. Graça não tem dito isso, ela quer reajuste”, disse a jornalistas após seminário anteontem no Rio. O Estado de S. Paulo de 12/10/2012

Parceria: Consulta SPC-CDL Através das Consultas SPC-CDL é possível saber se o nome do cliente está com pendências junto ao SPC e outras no sistema financeiro nacional. Uma parceria que o Sindipetróleo firmou com a CDL permite ao revendedor acesso a este serviço, por meio do site do

Sindicato, por uma taxa muito pequena, menor que a cobrada no mercado. Esta parceria disponibiliza diversos pacotes com consultas diferenciadas para atender às reais necessidades do comerciante.

Parceria O SINDIPETRÓLEO, através de convênio com a Ferrer & Winck Rocha Advocacia e Consultoria, com valores diferenciados, disponibiliza aos seus associados Consultoria, Gestão de Recebíveis, Acompanhamento Financeiro e Recuperação de Crédito COM OS SEGUINTES SERVIÇOS: • Emissão de boletos: custo médio do boleto inferior ao cobrado pelos bancos; • Aviso do vencimento do boleto enviado por SMS ou por email, reduzindo o índice de inadimplência; • Recebimento das boletos pela plataforma INTERMEIO : sua empresa terá acesso e controle on line de todas as mensalidades pagas e não pagas; • Identificação imediata do pagamento: o Escritório fará contato com o devedor no dia seguinte ao vencimento dos boletos, reduzindo o período de inadimplência; • Impressão de 2ª via de boleto: o sacado/ devedor pode imprimir seu próprio boleto, quantas vezes for necessário, sem que haja custo extra;

• Sem custo por baixa do dos boletos emitidos e não pagos; • Realização de Telemarketing objetivando a viabilização de acordo para pagamento das mensalidades devidas, sempre respeitando a política definida pela sua empresa; • Contato permanente com o devedor por call center, email, celular, SMS e portal; • Contato receptivo on line ou presencial, realizado em nosso escritório; • Simulação e efetivação de acordos para quitação da dívida: a plataforma INTERMEIO permite que o devedor visualize seus débitos e efetue seus acordos.

Consulte : Av. Brasília nº 1033- Jd das Américas, Fones: (65) 3046-2700 - Sindipetróleo (65) 3621-6623


NOTAS

No Sindipetróleo, Brinks apresenta cofre eletrônico No auditório do Sindipetróleo, em 10 de outubro, a Brinks apresentou o Compusafe, um cofre eletrônico para identificação, armazenamento e administração de valores em estabelecimentos comerciais. O Compusafe é um equipamento que aceita cédulas e cheques e pode ser conectado a um servidor, o que permite controle online dos valores recolhidos. Além disso, automaticamente o sistema do compusafe verifica a validade de notas, recusando notas falsas. E os valores depositados ainda podem ser creditados diariamente na conta-corrente do estabelecimento, antes mesmo de ocorrer a coleta pelo carroforte. O cofre computadorizado CompuSafe é instalado nas lojas para executar automaticamente as seguintes operações: - Armazenamento de diversos tipos de valores; - Validação e contabilização de cédulas por meio eletrônico; - Conciliação e controle de recebimentos por turno, dia e operador; - Fechamento de turno e dia de trabalho; - Emissão de relatórios gerenciais. Desta forma, eliminam-se todos os processos manuais de contagem e controle do numerário. O cofre pode ser facilmente interligado ao servidor da loja ou ao escritório central da rede, permitindo o controle on-line dos depósitos efetuados e a sua conciliação imediata com os valores faturados. A abertura do cofre só é possível com a chave eletrônica que fica em poder do nosso carro-forte, aliada à senha de uso exclusivo da loja. Os valores coletados são processados na base operacional da Brink’s e entregues ao banco em seguida.

Motorista pode participar das operações de carga e descarga A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) modificou, por meio da Resolução nº 3.886/2012, o texto da Resolução Nº 3.665/2011 que define as regras para a participação do condutor dos veículos nas operações de carga e descarga de produtos perigosos. A resolução passa a vigorar agora com o seguinte texto: “As operações de carregamento, descarregamento e transbordo de produtos perigosos devem ser realizadas atendendo às normas e instruções de segurança e saúde do trabalho, estabelecidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego – MTE.” (NR)

“Art. 26 - Durante o transporte o condutor do veículo e os auxiliares devem usar o traje mínimo obrigatório, ficando desobrigados do uso dos EPIs” (NR) Vale lembrar que a proibição da participação do condutor nas operações de carga e descarga havia sido contestada por diversas entidades do setor, uma vez que os motoristas já são submetidos a treinamentos para transporte e descarga de produtos. A Resolução nº 3.886, de 6 de setembro de 2012, foi publicada no Diário Oficial da União de 12 de setembro de 2012, na página 50.


Índice de qualidade O índice de não conformidades no etanol hidratado (para veículos) caiu de 19,5% para 4,3% das amostras coletadas no trimestre de julho a setembro de 2011 para este ano. Já quanto ao índice da gasolina, saltou de 2,5% para 3,5% das amostras coletadas no mesmo período. Estes números fazem com que a gasolina e o etanol pesquisados em Mato Grosso apareçam em 4º e 3º lugares, respectivamente, entre os estados com maior percentual de não conformidades. Nestes dois produtos, os maiores motivos de não conformidades estão relacionados ao aspecto e à cor dos produtos. Já com relação ao diesel, o índice de não conformidade está em 7,8%. Das 548 amostras coletadas, 43 foram consideradas fora das especificações determinadas pela ANP.

Neste mesmo sentido, a qualidade do biodiesel também preocupa o setor, já que há estudos que demonstram uma elevada suscetibilidade a contaminação do produto ao longo da cadeia, tornando praticamente impossível chegar ao posto sem alguma alteração. “Quem conhece o dia a dia dos postos sabe que é impossível mandar a carreta da distribuidora esperar 24h até que o resultado de uma análise laboratorial esteja disponível. Ainda mais porque as distribuidoras encontram-se com suas logísticas no limite, em meio a uma demanda crescente e à diversificação dos produtos comercializados”, explica Aldo Locatelli.

NR20 e a segurança nos postos A Norma Regulamentadora nº 20 (NR20), que trata sobre o cuidado com combustíveis, foi revisada e deixou de ser nomeada como “Líquidos inflamáveis” para se chamar “Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis”. Com essa medida adotada pela Secretaria de Inspeção do Trabalho, do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), a atualização está de acordo com padrões internacionais de prevenção de acidentes. A principal mudança está em passar a considerar o ponto de fulgor de um líquido combustível menor ou igual a 60º C. Antes, a antiga NR previa um ponto entre 60º e 93,3ºC. O não cumprimento das normas de segurança pode expor os funcionários a diversos riscos, tais como:

-incêndio e explosões que podem ser ocasionadas por possíveis falhas nas operações e sistemas de abastecimento. Eles correm risco também de sofrer intoxicação e contaminação devido à exposição pelo contato dermal, inalação e até possível intoxicação com produtos hidrocarbonetos aromáticos, como benzeno, tolueno, etilbenzeno, xileno e álcalis cáusticos. Podem sofrer também riscos ergonômicos. Antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle dos riscos devem ser praticados de forma que os trabalhadores tenham condições de um trabalho seguro.


NOTAS

Nacs é show A National Association of Convenience Stores – NACS Show - é a mais importante exposição do segmento de conveniência do mundo e neste ano ocorreu na cidade de Las Vegas (EUA), no mês de outubro. São mais de 20 mil participantes de 61 países, 1.220 empresas expositoras e 53 oficinas educativas. E Mato Grosso esteve no evento, representado por alguns revendedores. João Paulo Borghette é um dos empreendedores que participou da exposição. Também estiveram por lá João Marcelo Borges e Marli Castoldi. Você também esteve em eventos ou outras ações relacionadas a postos de combustíveis? Envie-nos fotos: jornalismo@sindipetroleo.com.br João Paulo em Las Vegas

Vem aí a Confrarev 2012 O Sindipetróleo realiza em 8 (sábado) de dezembro mais uma edição da Confrarev, um importante evento de confraternização entre os revendedores. A festa será realizada no Espaço das Flores, na Avenida Beira-Rio, em Cuiabá, com muita música ao vivo, dança e brinquedos para as crianças. Haverá também sorteio de prêmios. Um almoço com churrasco e buffet completo será servido. O Espaço das Flores conta com dois ambientes, sendo um ao ar-livre e o segundo com ar-condicionado. As camisetas já estão à venda. O pagamento pode

ser feito via boleto. Adquira já as suas. Valor da camiseta já inclusos bebidas e almoço e diversão completa: Quantidade e valores: 1 - R$ 80,00 2 – R$ 75,00, cada 3 – R$ 70,00, cada 4 – R$ 65,00, cada a partir de 5 – R$ 60,00, cada

Seja um patrocinador deste evento. Cotas de patrocínio bem acessíveis. Consulte o Sindipetróleo. 65 3621-6623.


DIGA ADEUS À SOLIDÃO NAS ESTRADAS: O CLUBE ESTÁ DE VOLTA. O Clube Irmão Caminhoneiro Shell voltou cheio de novidades exclusivas. Vire sócio e aproveite. Faça sua inscrição nos postos da rede Shell de rodovia*, na central de atendimento 0800 600 8083 ou pelo www.clubeirmao.com.br A marca Shell é licenciada para Raízen, uma joint venture entre Shell e Cosan. *Lista de postos disponível no site www.clubeirmao.com.br


EDIÇÃO 60 2012 REVISTA SINDIPETRÓLEO  

EDIÇÃO 60 2012 REVISTA SINDIPETRÓLEO

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you