Issuu on Google+

BIS - Nº 58 Fevereiro 2013

Sindicato do Comércio Varejista de Material Óptico, Fotográfico e Cinematográfico no Estado de São Paulo

Entrevista com a Dra. Liliana Ventura Coordenadora do CERTIFICA-LIO, órgão que se destina ao estudo e ensaios de óculos de sol e de grau. Além de artigos científicos publicados em revistas de renome nacional e internacional, possui também sete patentes oriundas dos trabalhos realizados nestes grupos. página 8

SEMINÁRIOS EM ÓPTICA 2013

Nossa história e nossas vitórias página 3

Entenda as regras dos reajustes salariais página 6

Redução na parcela mínima das dívidas com o simples

página 6

Manual de boas práticas do setor óptico página 12

Programação Março/Maio 21/03 - Santo Amaro e Região Auditório do SENAC-SANTO AMARO Local: Rua Dr. Antonio Bento, 393 16/05 - Santos e Região Auditório do SENAC-SANTOS Local: Av. Conselheiro Nébias, 390 - Vila Mathias Palestrante: Prof. Luiz Amorim Tema: O SEGREDO PARA VENDER + ÓCULOS Inscrições gratuitas: www.sindioptica-sp.com.br Aproveite a promoção Lançamento da 2ª Edição atualizada do livro O SEGREDO PARA VENDER + ÓCULOS Livro + DVD tema da palestra por apenas R$ 60,00 Maiores Informações: contato@sindioptica-sp.com.br

1


editorial

F

eliz Ano Novo! Finalmente é chegado o momento de o Brasil voltar a funcionar, este ano o carnaval veio cedo, fato benéfico para nós. O varejo brasileiro esta em franca expansão junto com a ascensão da nova classe média e o varejo óptico cresce em proporção maior ainda. Os olhares do mundo se voltam para nós. Gigantes do mercado óptico internacional miram seus investimentos para nosso varejo, principalmente a indústria que está verticalizando suas atividades em nossas terras, muitas indústrias internacionais e importadores, tem em seu portfólio de empresas, varejo óptico ou pelo menos seus sócios no Brasil o têm. A competição se torna cada vez maior, mais agressiva e grandes somas em investimento publicitário são colocados para se conquistar Market Share, além de investimentos em pontos, montagem de loja, arquitetura, estoques, etc, etc. O pequeno varejo, caracterizado pela sua especialização em técnica de óptica, capaz de proporcionar ao consumidor de compensação visual os detalhes só encontrados nestes estabelecimentos. O Varejo Óptico, micro, pequeno ou grande, são o foco deste SindiópticaSP, conhecemos suas necessidades, pois toda a diretoria deste Sindióptica-SP também é formada por emtresários ópticos e portanto compreendem suas buscas, esta é a nossa luta.

O ano de 2.013 será totalmente dedicado a fortalecer este varejo especializado, em que o empresário se dedica integramente a ele, teremos cursos de gestão de varejo e outros que vão de encontro as suas necessidades. Já temos o Manual de Boas Práticas dos Estabelecimentos de Comércio, Adaptação e Dispensação de Armações, Lentes Oftálmicas, Óculos de Proteção Solar, Lentes de Contato e Acessórios Ópticos (MBP) editado pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) tendo a participação do Sindióptica-SP em sua autoria, temos também o Guia Resumido para Abertura de Estabelecimento Varejista de Material Óptico – elaborado pelo SINDIÓPTICA-SP, além de tantos outros recursos. Você que é varejista óptico, participe de nossos eventos, eles são realizados pensando em você sempre. Sindióptica-SP é o legitimo representante do varejo óptico do Estado de São Paulo autorizado pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) desde 1.957. Participe de nossas reuniões, você é meu convidado especial, inscreva-se. Feliz 2013 Akira Kido

Receituário em Óptica Acabou seu livro de Receituário em Óptica e não sabe onde encontrar? Entre em contato conosco: por e-mail ou pelo fone (11) 3259-5826

Siga o SINDIÓPTICA-SP no Twitter www.twitter.com/sindiopticasp

2

Você tem dúvidas sobre o mercado óptico? Sobre ópticas? Assuntos jurídicos? Visite nosso site: www.sindioptica-sp.com.br

O Boletim Informativo Sindióptica - BIS - é uma publicação do Sindióptica-SP - Av. 9 de Julho, 40 - 11º andar cjs. 11 - D/F - São Paulo - SP - CEP 01312-900 - Tel.: (11) 3259.3648 - 3259.5826 - 3256.6011 e-mail: sindioptica@sindioptica-sp.com.br - www.sindioptica-sp.com.br Tiragem 6.000 exemplares - Distribuição gratuita - Comite editorial: Sr. Akira Kido, Luis Alberto P. Alvez, Dra. Maracy Marquez Ferraz. Diagramação: Alexandre P. Campos Fº - Produção gráfica: Cyan Artes Gráficas


E

ste ano o Sindióptica-SP esta fazendo 56 anos. Ao longo deste tempo, provou seu esforço para continuar existindo, com vitórias que fazem parte da existência da óptica no Brasil. Como por exemplo: - Primeira escola oficial de óptica no Brasil, totalmente financiada e organizada pelo Sindióptica-SP em 1.965 no Senac-SP. - Elaboração e articulação para aprovação do Parecer 404/83 pelo MEC da incorporação da matéria Contatologia ao Currículo do Técnico Óptico, criando assim o profissional Óptico com habilitação plena. - Sua influência se estende além das fronteiras de SP. A participação do Sindióptica-SP tem importância significativa na Câmara Brasileira de Produtos e Serviços Ópticos na Confederação Nacional do Comércio, conhecida como CBóptica-CNC. Porém, não devemos nos iludir com esperanças de acontecimentos miraculosos. A ilusão é uma mentira grave e capital, porque contada a nós mesmos “acima de tudo”. É triste cegueira mentir a si mesmo, pela fatal consequência de sermos obrigados a acreditar. Para nós, os homens se distinguem por buscarem problemas, soluções, ou permanecerem indiferentes à realidade que os cerca: os indiferentes são cegos, os que buscam problemas não querem enxergar, e os que buscam soluções por enxergar, sofrem toda espécie de cargas. E assim a diretoria deste Sindióptica-SP, tem a missão de continuar com o trabalho que vem sendo feito para o segmento óptico do Estado de São Paulo, que não é ape-

nas intermediar a relação entre patrão e empregado nos acordos coletivos de trabalho, mas também uma série de serviços às empresas por nós representadas, pois a Constituição de 88, conhecida como a Constituição Cidadã e que devolveu a liberdade ao Sindicalismo e a todos os cidadãos brasileiros. Serviços como Educação continuada através de nossos tradicionais Seminários itinerantes em todo Estado de SP, nossos Manuais em CD ROM, nossos Cursos através de nosso Site, nossas Matérias em nosso Boletim Informativo para todo mercado e teremos muito mais em termos de educação, não estamos falando de habilitação, pois esta é uma tarefa de escola, e para isto nós temos o Senac brilhando. Temos muitos outros serviços que oferecemos gratuitamente aos nossos representados e muitos outros deverão ser criados, e para isto contamos com a garra, a coragem e a inteligência desta diretoria e todos os nossos associados. Para a vitória de nossos ideais é preciso mais que força. É preciso esforço. Somemos nossos esforços, paixões e todos nossos sentimentos altruístas. Esta união há de dar certo. Não podemos responder pelo passado, mas podemos ser culpados pelo futuro fixados na omissão pelo presente.

notícias

Nossa história e nossas vitórias

Boas vendas! Luis Alberto Perez Alves

SUGESTÕES DE LEITURA Título: Manual de Boas Práticas dos Estabelecimentos de Comércio, adaptação e dispensação de armações, lentes oftálmicas, óculos de proteção solar, lentes de contato e acessórios ópticos

Publicação: Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo

Título: Manual para Abertura de: Estabelecimento Varejista de Material Óptico e de como o mesmo deve funcionar de forma legal Publicação: SINDIÓPTICA-SP

Edição gratuita para download: http://www.sindioptica-sp.com.br/sindioptica_ gestao_manual.php

Edição gratuita: Solicite seu exemplar através do e-mail: contato@sindioptica-sp.com.br ou pelo Fone: 11 3256-6011

Autores: Leandro Luiz Fleury Rosa (SINDIÓPTICA-GO) e Luis Alberto Perez Alves (SINDIÓPTICA-SP)

3


informe

Feriados nacionais e dias de ponto facultativo em 2013 Totalizando são nove feriados nacionais, sendo que quatro deles caem em final de semana, e sete pontos facultativos. Nessas datas, o funcionamento dos serviços essenciais ao cidadão devem ser mantidos. A Ministra do Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão, Interina, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, inciso I, da Constituição revolve: Art. 1º Ficam divulgados os dias de feriados nacionais e estabelecidos os dias de ponto facultativo no ano de 2013, para cumprimento pelos órgãos e entidades da Administração Pública federal direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo, sem prejuízo da pres-

tação dos serviços considerados essenciais: Art. 3º Os dias de guarda dos credos e das religiões, não relacionados nesta Portaria, poderão ser compensados na forma do inciso II do art.44 da Lei nº. 8.112, de 1990, desde que previamente autorizado pelo responsável pela unidade administrativa de exercício do servidor. Art. 4º Caberá aos dirigentes dos órgãos e entidades a preservação e o funcionamento dos serviços essenciais afetos às respectivas áreas de competência. Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Fonte: D.O.U. 04/01/2013

1º JANEIRO 11 FEVEREIRO 12 FEVEREIRO 13 FEVEREIRO 29 MARÇO 21 ABRIL 1º MAIO 30 MAIO 7 SETEMBRO 12 OUTUBRO 28 OUTUBRO 2 NOVEMBRO 15 NOVEMBRO 24 DEZEMBRO 25 DEZEMBRO 31 DEZEMBRO

4

Vencimento 05/04/2013 13/04/2013 15/04/2013 20/04/2013 20/04/2013 20/04/2013 25/04/2013 25/04/2013 25/04/2013 30/04/2013 30/04/2013 30/04/2013 30/04/2013

CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL CARNAVAL CARNAVAL QUARTA-FEIRA DE CINZAS PAIXÃO DE CRISTO TIRADENTES DIA MUNDIAL DO TRABALHO CORPUS CHRISTI INDEPENDÊNCIA DO BRASIL NOSSA SENHORA DA APARECIDA DIA DO SERVIDOR PÚBLICO ART. 236 DE LEI Nº. 8.112, DE 11/12/1990 FINADOS PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA VÉSPERA DE NATAL NATAL VÉSPERA DE ANO NOVO

Tributo FGTS COFINS/CSL/PIS-PASEP (Retenção na Fonte) PREVIDÊNCIA SOCIAL (Contribuinte Individual) PREVIDÊNCIA SOCIAL (Empresa) IRRF SIMPLES NACIONAL COFINS PIS-PASEP IPI COFINS/CSL/PIS-PASEP (Retenção na Fonte) CSL IRPF (Carne-Leão) IRPJ

FERIADO NACIONAL PONTO FACULTATIVO PONTO FACULTATIVO PONTO FACULTATIVO até as 14 horas FERIADO NACIONAL FERIADO NACIONAL FERIADO NACIONAL PONTO FACULTATIVO FERIADO NACIONAL FERIADO NACIONAL PONTO FACULTATIVO FERIADO NACIONAL FERIADO NACIONAL PONTO FACULTATIVO após as 14 horas FERIADO NACIONAL PONTO FACULTTIVO após as 14 horas

Competência 03/2013 Período 16 a 31/03/2013 Competência 03/2013 Competência 03/2013 Competência 03/2013 Competência 03/2013 Competência 03/2013 Competência 03/2013 Competência 03/2012 Período 1º a 15/04/2013 Competência 03/2013 Competência 03/2013 Competência 03/2013


Veja 6 passos para reverter a situação Adoção de um plano de recuperação é vital para empresas com maus resultados

E

ncontramos com relativa frequência notícias de empresas que se encontram em dificuldades. Em geral, os gestores desconhecem a forma de diagnosticar a razão (ou razões) e, consequentemente, não sabem como estancar e resolver o problema para que a organização volte a crescer e ter perenidade. Via de regra, o fator que torna claro a existência de uma crise, independentemente da sua proporção, é a falta de caixa. A ausência de recursos para honrar os compromissos e manter os investimentos é uma situação que imobiliza parte da gestão e consome a maior parte da energia dos colaboradores. Essa situação gera de tensão e preocupação em toda a empresa, desde o seu presidente, cujo cargo ou patrimônio depende de resultados, até o funcionário mais simples, cujo sustento dele e da família depende do seu salário. É justamente nesta situação que se faz necessária a maior dose possível de planejamento, disciplina, produtividade e sangue frio para reverter a situação. Afinal, sem mudanças, se nada de novo for feito, os resultados continuarão os mesmos. Cabe, portanto, a elaboração e adoção de um plano de recuperação, visando guiar a gestão e garantir a sua execução.

gestão

Sua empresa está em crise? situação e mostre liderança e capacidade de reverter o quadro. Torne o corte inteligente de gastos uma obsessão, inclusive premiando novas ideias. Mas só premie com o resultado da economia. O mesmo vale para campanhas de aumento das vendas. 3º passo: Crie e utilize mecanismos de acompanhamento diário, semanal e mensal dos resultados da empresa (orçado x real), com acesso a todos os envolvidos. Você planeja melhor o seu jogo quando conhece o placar. Faça follow up junto aos subordinados diretos de forma inteligente, assertiva e constante. 4º passo: Blinde a empresa em relação ao público externo.Com exceção de parceiros, fornecedores ou clientes envolvidos na negociação, não deixe que notícias negativas de empresas se propaguem externamente.

Veja as principais etapas desse plano: 1º passo: Garanta a liquidez da empresa, de forma a permitir o mínimo de normalidade às operações. Aqui, toda a criatividade é válida e todas as ideias devem ser analisadas. Elabore o fluxo de caixa, identifique o ciclo de caixa da sua empresa (na média, você paga ou recebe à frente?) e considere todas as negociações possíveis com fornecedores e clientes, de forma a antecipar recebimentos e postergar pagamentos. No caso de atrasos junto a fornecedores, renegocie e garanta a normalidade do seu abastecimento, mas se atente para o fato de que você só terá direito a uma negociação e deverá, sob todas as hipóteses, cumprir o combinado. Observe a possibilidade de ativos parados ou morosos serem vendidos e fuja dos bancos! Caso seja inevitável, consolide a dívida bancária e alongue o prazo de pagamento, considerando a prestação como uma despesa fixa. Evite a todo custo o uso de limites especiais. Eles são muito mais caros! 2º passo: Reveja todas as margens de lucro dos seus produtos, isto é, reanalise preços de venda, custos fixos e variáveis. Envolva os funcionários, seja claro quanto à

5º passo: Nesta altura (ou antes deste passo), você já deverá ter identificado as causas da crise atual. Estanque o problema de forma imediata, passe o facão! Seja qual for o fato (excesso de retiradas dos sócios, folha de pagamento excessiva, investimentos mal dimensionados ou pagos com capital de giro, entre outros), corrija ou aborte de forma impiedosa, pois só desta forma a recuperação terá chance de ser atingida. 6º passo: Planeje o médio e o longo prazo. As medidas acima são emergenciais... Trate, portanto, de plantar para ter chance de colher lá na frente. Questões como novos produtos, novos mercados, enfim, novas estratégias, exigem tempo para definição, implantação e geração de resultados. Portanto, comece já! Nunca, nunca atrase o pagamento da folha e respectivos benefícios. Você precisará, mais do que nunca, dos seus colaboradores inteiros e motivados. Fonte: administradores.com. br

5


notícias

Reajustes Salariais Reajuste salarial Incidem 8% sobre os salários já reajustados em 1º de setembro de 2011.

Reajuste salarial proporcional à data de admissão Para os empregados admitidos entre 1º de setembro de 2011 e 31 de agosto de 2012, o reajuste será proporcional e incidirá sobre o salário de admissão (para informações mais detalhadas acesse http://www. sindioptica-sp.com.br/convencoes. php . Os pisos salariais variam conforme as convenções que estão disponíveis.

Diferenças salariais Eventuais diferenças referentes ao período de setembro, outubro, novembro e dezembro de 2012, em razão da data de assinatura dessa convenção, poderão ser pagas em até duas parcelas iguais, com as folhas de pagamento referentes aos meses de janeiro e fevereiro e 2013.

Banco de horas Faculta às empresas compensaram as horas extras trabalhadas,

limitadas a duas horas por dia, desde que compensadas dentro de 120 dias. Na convenção coletiva da capital. É vedado o acúmulo individual superior a 100 horas, na norma do interior, não há limite de saldo estabelecido. Em ambos os casos, no entretanto, as horas extras não compensadas no prazo estipulado ficarão sujeitas ao adicional de 60% sobre o valor da hora normal.

Trabalho aos domingos e feriados Há previsão e condições específicas conforme cada convenção Para detalhes, acesse o link http://www. sindioptica-sp.com.br/trab_domingos.php.

Regime especial de pisos salariais (REPIS) Previsto na convenção coletiva do Interior do Estado de São Paulo, objetiva dar tratamento diferenciado e favorecido às microempresas e empresas de pequeno porte, assim conceituadas na Lei Complementar nº 123/06, que instituiu o Simples Nacional na prática, as empresas que aderirem ao Repis poderão praticar valores de pisos salariais diferencia-

dos, bem como terão condições mais favoráveis de contratação de novos empregados, além de terem simplificadas outras obrigações decorrentes da norma coletiva. Para aplicação da cláusula, foram estabelecidas condições a serem observadas pelas empresas e submetidas à apreciação e aprovação, não só do sindicato patronal, mas também do sindicato profissional correspondente. A Adesão ao Repis é voluntária e, uma vez que a empresa preencha todos os requisitos exigidos, receberá da entidade sindical patronal correspondente, sem nenhum ônus e com validade coincidente com a da convenção coletiva, certificado de enquadramento no regime especial de pisos salariais – Certificado de adesão ao Repis.

Controle eletrônico alternativo de jornada de trabalho Na convenção do interior, foi negociada uma cláusula dispondo sobre a possibilidade de adoção de sistemas eletrônicos alternativos de controle de jornada de trabalho. As condições estão detalhadas na norma.

Parcela mínima de dívida com o Simples Nacional cai de R$500 para R$ 300 Novo valor começa a valer a partir de março

O

valor da parcela mínima a ser paga pelas micro e pequenas empresas que devem ao Simples Nacional baixou de R$ 500 para R$ 300. A instrução normativa da Receita Federal sobre a redução foi publicada nesta segunda-feira, dia 4, no Diário Oficial da União. A mudança começa a valer a partir de março. De acordo com a Agência Brasil, a Receita ainda definiu que os contribuintes que requererem

6

o parcelamento passarão a pagar a parcela mínima todos os meses até o Fisco consolidar os débitos e definir o valor final da prestação. Para os parcelamentos requeridos a partir do mês que vem, a parcela mínima deverá ser paga até o último dia útil do mês em que for registrado o pedido. No balanço divulgado na sextafeira pela Receita Federal, 60,01% das micro e pequenas empresas que entraram com o pedido de inclusão

ou renovação no Simples Nacional precisavam pedir o parcelamento ou atualizar informações para terem o pedido aprovado. O Simples Nacional é um regime de tributação simplificado, ou seja, abrange em um único documento de arrecadação seis tributos federais, além do ICMS cobrado pelos estados e do ISS, cobrado pelos municípios. Mais informações no site da Receita Federal (www. receita.fazenda.gov.br). Fonte: Estadão PME


07 09 17 18 19 19 22 24 29 26 31

EDNA APARECIDA ALVES ARAHAWA BERNARDO SCHICHVARGER SILVANA COUTO DA CRUZ ANTONIO GOMES VIEIRA DIAS DIMAS ANTONIO ZULIAN MARIA LUCIA R. DA SILVEIRA ARANTES VICENTE LUIZ JUNQUEIRA SILVIA RECHE FEITOSA MAURO ROSALES TEIXEIRA FLÁVIA YURI TANAKA PEREIRA OLIVEIRA VITOR DAN HAMA MOTOMURA

FEVEREIRO 02 03 04 09 10 13 14

LUIZ DE ALMEIDA SALES FILHO ISAAC VARGER JULIETA IMENES FUOCO NOAH DE ABREU ROSSI AMADEU DA CONCEIÇÃO VIEIRA NEUSA ROZA BAFFI REGINALDO VICENTE ALVES

18 18 23 26 26 27

CARLOS ALBERTO RAMALHO SUELI MOREIRA DE OLIVEIRA JANIO DE SOUZA CASTILHO SOARES AMÉLIA SHIGUEKO SATO NEGRÃO PEIXOTO ORLANDO SCALAMBRINI DANIELA MARIA PEREIRA SOARES

MARÇO 01 02 04 05 08 15 17 17 18 19 29 31 31

ELZA TOMIE IDERIHA CIRO CHERUBIM DEJANIR TIAGO MAIA KARLA REGINA CANTISANI ROUSSEAU OSWALDO COSTA FILHO DENISE NAMUR SUSSUMO NAKAMURA ELCIO MITANI RAQUEL R. M. MITANI JOSÉ BAFFI ANGELINA G. AZEVEDO CIRO MARTINS MOREIRA ESTER LEAL DAS NEVES GUIARO

aniversariantes

JANEIRO

Previsão do tempo para ópticas em 2013 2.013 começa com verão quente, com presença de sol boa parte do tempo, o que tornará este verão campeão de venda de óculos solares, portanto veja seu estoque e decore sua loja.

Em fevereiro o carnaval será quente com chuvas esparsas no final do dia, e para se divertir no Sambódromo serão vendidas muitas lentes de contato e seus acessórios. Você está preparado para isto Na volta as aulas a euforia da garotada é grande e o tempo estará quente com ventos leves para refrescar suas tardes. Os consultórios ficaram cheios, pois a garotada precisa estar com visão total para acompanhar bem as aulas. Renovar seus óculos e lentes com temas jovens é a pedida ideal.

No resto do ano, haverá muitas vendas de óculos e lentes de contato, 2013 promete ter muitos lançamentos de moda e tecnologia, e para encarar de frente esta previsão de tempos auspiciosos, você precisa estar atualizado, equipe treinada e motivada. Conte com o Sindióptica-SP durante todo ano e a qualquer tempo, lembre-se que nos lutamos por você empresário óptico. Boas vendas a todos.

7


entrevista

Dra. Liliane Ventura P

rof. Dra. Liliane Ventura é Física; Livre-Docente; Docente do Departamento de Engenharia Elétrica da EESC/USP, coordenadorachefe do Laboratório de Física Oftálmica - FMRP-USP. Fez bacharelado em Física no Instituto de Física de São Carlos e graduou-se em 1987. Fez também seu Mestrado naquela instituição na área de Física do Estado Sólido (1989). Em 1995 doutorou-se em Física Aplicada à Oftalmologia no IFSC-USP, desenvolvendo um sistema denominado auto-refrator. Em 1996, em seu Pós-Doutorado em Oftalmologia, criou o Laboratório de Física Oftálmica (LFO) na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP, através de projeto FAPESP, juntamente com o

Prof. Dr. Sidney J. Faria e Sousa (Oftalmologista). Em 2001, fundou uma empresa, para os seus alunos, a CALMed Ltda - ME, onde a transferência da tecnologia da universidade pôde ser repassada ao setor industrial, através do projeto PIPE, da FAPESP. Em 2002, em seu pós-doutorado em Engenharia Elétrica, criou uma nova unidade do laboratório, o Laboratório de Instrumentação Oftálmica (LIO), na Escola de Engenharia de São Carlos - USP, com o projeto PROFIX, do CNPq. Em 2004 tornou-se docente do departamento de Engenharia Elétrica e defendeu sua tese de LivreDocência em 2006, cujo tema foi o desenvolvimento de um Ceratômetro para Lâmpada de Fenda. Atualmente uma nova unidade está sendo criada no departamento de Engenharia Elétrica, o CERTIFICA-LIO, juntamente com o Prof. Dr. Homero Schiabel (Engenheiro Eletrônico, docente), que se destina ao estudo e ensaios de óculos de sol e de grau. As unidades são coordenadas pela Profa. Dra. Liliane Ventura, e além de artigos científicos publicados em revistas de renome nacional e internacional, possui também sete patentes oriundas dos trabalhos realizados nestes grupos. BIS - Prof. Dra Liliane Ventura, gostaria de agradecer imensamente por nos conceder esta entrevista. Somos conhecedores de suas atividades acadêmicas e cientificas no

8

Brasil e fora dele e que, portanto seu tempo é escasso. Conte um pouco sobre suas atividades e como elas podem influenciar na prática óptica e para os usuários de óculos de grau, de sol e lentes de contato. Prof. Dra Liliane – É um privilégio para mim estar falando para um público tão distinto com o do BIS. O que mais me fascina na Ciência atualmente no meu laboratório é poder estar sempre desenvolvendo tecnologia e realizando estudos que são voltados para o Brasil. Sempre sonhei desde criança em fazer algo por nosso País e tanto os equipamentos de Oftalmologia que desenvolvemos em nosso grupo até o estudo dos testes envolvidos nas normas para a saúde ocular têm o aspecto de atendimento às necessidades de nossa população. BIS - O Brasil está começando a dar os primeiros passos para a criação de normas de qualidade pela ABNT na área de óptica oftálmica. A Senhora faz parte da Comissão de Estudos do CB 49 da ABNT para as normas de Óculos de Sol ABNT NBR 15.111, que recentemente esteve em consulta publica no site da ABNT. Pode contar aos nossos leitores quais as grandes mudanças que teremos em relação a estes produtos? Prof. Dra Liliane - A primeira impressão que um cientista tem quando é convidado a participar de um comitê para estudos de normas, que de modo direto interfere nos interesses mercadológicos, é que terá imensa dificuldade em sobrepor a Ciência a esses interesses. A Comissão de que participo é formada em sua maioria por comerciantes, donos de empresas, que surpreendentemente ouvem com atenção, discutem com propriedade e conhecimento e acatam tudo que é benéfico para a saúde ocular. São membros extremamente


concluídos, serão repassados para a Comissão de Estudos do CB 49 da ABNT para as normas de Óculos de Sol ABNT NBR 15.111. Mas, o importante neste momento é termos uma norma nacionalizada que,

“A primeira impressão que um cientista tem quando é convidado a participar de um comitê para estudos de normas, que de modo direto interfere nos interesses mercadológicos, é que terá imensa dificuldade em sobrepor a Ciência a esses interesses.” mesmo sendo baseada em normas internacionais, leve em conta as peculiaridades climáticas e de radiações do Brasil, País com dimensões continentais, e dos costumes da população brasileira no uso destas lentes solares. BIS - O seu trabalho acadêmico acabou levando ao desenvolvimento de um equipamento para analise da proteção UV em óculos de sol, considerando a classificação de intensidade de cor, este equipamento inclusive interage com o usuário e pode ser manipulado pelo próprio cliente, poderia nos dar mais detalhes? Prof. Dra. Liliane – Este é um dos equipamentos que sonhava em fazer desde 1998, quando realizei ensaios para o INMETRO para testes de proteção ultravioleta em óculos de sol. As medidas para verificação de proteção ultravioleta em óculos de sol são realizadas em equipamentos científicos denominados espectrofotômetros e operados por pessoas extremamente especializadas, normalmente Físicos

e Químicos. Além das medidas realizadas, ainda outros vários cálculos devem ser feitos para se chegar ao laudo final. Meu sonho era conseguir fazer um aparelho que conseguisse realizar medidas bem próximas ao procedimento citado e que fosse de fácil manipulação ao público leigo. Iniciei o desenvolvimento de tal equipamento com minha equipe no LIO em 2001, e em 2011, com o avanço de tecnologias para sensores e circuitos eletrônicos, foi possível elaborar este equipamento. Obviamente que ele não serve para certificação dos óculos, mas proporciona a medida que interessa à população, ou seja, se seus óculos de sol estão ou não protegidos para uso e em que locais eles podem ser usados, em função da categoria de suas lentes, também medida pelo aparelho. A categoria das lentes refere-se ao grau de escurecimento das mesmas, ou seja, a quantidade de luz visível que elas barram. Quanto mais escuras, maior a categoria, que se classifica entre 0 – 4. O equipamento é um quiosque de atendimento self-service e que fica no departamento de Engenharia Elétrica da USP de São Carlos. É gratuito o seu uso. Quando o elaborei, imaginava que poderia ser algo inovador em nosso Pais, mas depois de ser convidada a dar algumas palestras fora do Brasil sobre ele, descobri o alcance de nosso equipamento. É o único do tipo self-service no mundo e que cobre o espectro de 280 – 400nm, com a precisão requerida pela norma. Um outro aspecto que me fascina é poder sempre ter algo disponível gratuitamente para a população e poder transferir esta tecnologia para as empresas. Um de meus alunos da época do desenvolvimento agora tem sua própria empresa e está desenvolvendo versões para a comercialização em Ópticas. Eu, sendo uma pessoa tipicamente acadêmica, que gosta apenas de ficar criando, pesquisando, sem me envolver no mundo comer-

entrevista

interessados e cuidadosos com a qualidade dos óculos de sol vendidos e usados no Brasil. Ouvi de membros de outros comitês internacionais, em correspondência privada, que o “comércio” venceria e nossa norma seria de certa forma deficiente, sem meios de garantir a proteção ocular total para óculos de sol. Não foi o que ocorreu, os membros unanimemente concordaram em fazer uma norma adequada ao tipo de radiação que temos em nosso País, e o intervalo espectral de proteção ultravioleta, que antes era de 280nm - 380nm, agora deverá ser de 280nm – 400nm. A razão para tal alteração é que, embora ainda haja controvérsias sobre a intensidade dos malefícios da radiação ultravioleta ao olho, há uma concordância de que eles são provocados pelos comprimentos de onda de 280nm até 400nm, onde parte do espectro azul está incluído. Estamos publicando um artigo (Mauro Masili, Homero Schiabel and Liliane Ventura; “UV Safe Limits For Sunglasses in Brazil”), que estará disponível dentro de alguns meses, onde analisamos a radiação que atinge 5500 localidades brasileiras (todas as capitais de Estados e demais regiões bastante populosas no Brasil) e como elas agem nos óculos de sol. Se analisarmos um morador da cidade de São Carlos (SP), por exemplo: ele estará recebendo 46% a mais de radiação ultravioleta em seus olhos caso seus óculos de sol tenham proteção apenas até 380nm. Estes 46% a mais de radiação estão bem acima dos limites permitidos para proteção ocular requeridos pela Comissão Internacional de Proteção à Radiação Não Ionizante (ICINIRP). Assim, nossa norma estando agora com proteção requerida até 400nm promove meios de proteção adequada à saúde ocular brasileira. Existem ainda alguns outros itens desta norma que estão sendo alvo de estudos em nossos laboratórios e, assim que

9


entrevista

cial, fico satisfeita de saber que o que eu e minha equipe fazemos no nosso laboratório não fica apenas em publicações ou na bancada. Empresas nascem, pessoas são empregadas, a tecnologia avança e a população brasileira pode se beneficiar. BIS - Atualmente a Sra. esta promovendo uma pesquisa sobre hábitos de uso de óculos de sol pela população brasileira, já tem algum resultado prévio? Prof. Dra. Liliane – Sim, esta pesquisa deve traçar o perfil do usuário de óculos de sol no Brasil. A importância dela reside no fato de aprimorar os testes que devem ser feitos nos óculos de sol. Por exemplo, um dos perfis que tentamos descobrir é qual a frequência com que o usuário troca de óculos de sol; ou

seja, se o perfil do brasileiro é de comprar novos óculos de sol a cada 2 anos, então os testes realizados nos óculos têm que garantir que a proteção ultravioleta, que se deteriora ao longo do tempo, deve durar estes 2 anos. Este tempo depende de costumes (quanto tempo em média o brasileiro usa óculos de sol por dia); de situação econômica (que tipo de óculos são adquiridos pela população em sua maioria); etc. A enquete a ser respondida leva de 20 a 40 segundos e é aprovada por um Comitê de Ética para que nenhum direito do cidadão brasileiro seja ferido. A enquete pode ser encontrada no site: www.sel. eesc.usp.br/lio. Quanto aos resultados, ainda não podemos divulgar o que temos, pois existe a chance de interferir nas respostas dos que ainda não responderam. O que posso dizer no momento, é que precisamos de

mais respostas de pessoas fora do Estado de São Paulo. Precisamos atingir o País todo, para que não nos estejamos baseando apenas na população paulista para a norma e sim na brasileira como um todo. Os resultados serão publicamente divulgados no mesmo site da enquete no final de 2013. BIS - Gostaríamos de agradecer mais uma vez a oportunidade desta entrevista e pedir que a Senhora fizesse suas considerações finais e deixasse uma mensagem aos nossos leitores. Prof. Dra. Liliane – Agradeço mais uma vez a oportunidade da entrevista e gostaria de pedir que divulguem a enquete para todos ao seu alcance e façam parte de forma direta de contribuir com nosso País nesta norma.

Termômetro Econômico INDICADOR ICF - INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS(SP) – pontos (*)

MÊS REF.

VALOR

DEZEMBRO

141,4

TENDÊNCIA

COMENTÁRIO As famílias paulistanas devem gastar mais do que no ano passado. A injeção do 13º salário com o marcado de trabalho aquecido e atrelado aos financiamentos para o consumo mais barato são fatores fundamentais que permitem as famílias elevarem o seu ímpeto de consumo neste Natal.

PEIC – ENDIVIDAMENTO (SP) - % famílias endividadas

Apesar da redução em 1,1 p.p em relação a novembro as taxas, tanto para

DEZEMBRO

46,3%

as famílias com contas em atraso quanto para as que não terão condições de pagar, se elevaram em 1,2 p.p e 1,5 p.p, respectivamente. É importante esperar os próximos dados para confirmar esta tendência de alta. O indicador termina o ano pressionado com a maior variação mensal de 2012

IPCA – valor mensal

NOVEMBRO

0,79%

e fecha os 12 meses com alta de 5,84%. Deste valor o setor de alimentos e bebidas impactou em 2,27 p.p, ou seja, quase 40% do IPCA da alta no ano. O índice ficou acima da expectativa de mercado que era de 5,5%. Mais uma vez a taxa de juros para o consumidor atinge o recorde de baixa.

TAXA DE JUROS PF – taxa ao ano

No ano houve redução de 9 p.p na taxa e quase 10 p.p na comparação com

NOVEMBRO

34,8%

12 meses. Seguindo a tendência, dezembro deve apresentar novo recorde e é importante para impulsionar as vendas de Natal. Conforme projetado, houve redução nas concessões devido aos dois dias

CONCESSÃO CRÉDITO PF – variação mensal

úteis a menos em novembro em relação a outubro. De qualquer forma, no

NOVEMBRO

-4,9%

ano a evolução das concessões ainda é positiva em 2,4%. O último mês do ano deve pressionar positivamente com o aumento das vendas.

EMPREGO RMSP – taxa de desocupação

Mesmo com a redução de 0,4 p.p. em relação a outubro, a taxa não

NOVEMBRO

5,5%

atingiu recorde histórico para o mês conforme foi a tendência durante o ano. Mesmo assim o nível ainda é baixo o que reflete o bom momento do mercado de trabalho nesta época de aumento de empregos temporários.

10

Fonte: FecomercioSP / Banco Central / IBGE Elaboração: FFA Consultoria e Pesquisa Econômica (*) Acima de 100 pontos o índice indica grau de satisfação das famílias. ICF – Indice de Intenção de Consumo das Famílias; PEIC – Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor; IPCA – Indice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo; PF – Pessoa Física; RMSP – Região Metropolitana de São Paulo


Ficou interessado? Agende uma visita com nossos representantes, pelo Tel.: (11) 3259.3648 e-mail: contato@sindioptica-sp.com.br

Linhas de Crédito

convênios

Previdencia Privada

Disponibilização de linhas de crédito, pela DESENVOLVE SP às empresas associadas ao SINDIÓPTICA-SP.

Escolas de Idiomas

Colônia de Férias

Aparelhos Auditivos

Planos de Saúde

Certificação Digital

Paraencontrar saber mais, entre em contato conosco: Não sabe onde o Livro de Óptica? Entre em contato conosco, telefone e-mail contato@sindioptica-sp.com.br através do(11)3259-5826 E-mail: contato@sindioptica-sp.com ou Fone: (11) 3259.5826

11


sugestão de leitura

CBóptica Lança Manual de Boas Práticas para o Setor Óptico Brasileiro Autores: Leandro Luiz Fleury Rosa, Presidente do Sindióptica-GO e Luis Alberto Perez Alves, Diretor Executivo do Sindióptica-SP.

M

anual de Boas Práticas apresenta as condições que devem ser cumpridas pelas ópticas, centros de adaptação de lentes de contato e demais empreendimentos ligados à distribuição de produtos ópticos, para garantir o respeito à saúde do consumidor e incentivar as boas práticas profissionais e empresariais. O Manual de Boas Práticas dos Estabelecimentos de Comércio, Adaptação e Dispensação de Armações, Lentes Oftálmicas, Óculos de Proteção Solar, Lentes de Contato e Acessórios Ópticos (MBP) é uma iniciativa da Câmara Brasileira do Comércio de Produtos e Serviços Ópticos (CBóptica), órgão da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A publicação “tem o propósito de ser uma referência sobre os principais aspectos de interesse de empresas, profissionais, autoridades sanitárias e consumidores”, entre outros públicos relacionados ao setor óptico, como afirma um dos autores da publicação, Leandro Luiz Fleury Rosa. Para Fleury, o manual, como os demais projetos da CBóptica, busca reduzir a precarização do setor, resgatar valores profissionais e a qualidade de produtos e serviços, essenciais para preservar o consumidor. A ideia é que o manual auxilie os atores envolvidos na comercialização dos produtos ópticos - indústrias, importadores, distribuidores e representantes co-

merciais - para que entendam e cumpram as orientações necessárias para garantir a distribuição adequada desses produtos. O coordenador da CBóptica, André Roncatto, explica que a finalidade da publicação é orientar o empresário que queira investir no setor. “O segmento óptico tem normas muito específicas e existe um regramento de compromissos com a saúde do consumidor, o empresário vai encontrar no manual o passo a passo de como empreender dentro da legalidade”. Mas a publicação também será útil para o poder público, para orientar na fiscalização dos estabelecimentos. “A CNC teve uma importante contribuição ao reunir em uma publicação, a primeira do tipo, todas as informações mais

relevantes para os segmentos óptico e optométrico. Mas tenho certeza de que quem mais ganha com isso é o consumidor”, acredita Roncatto. O Manual de Boas Práticas traz informações sobre a administração do estabelecimento, equipamentos essenciais, manutenção, conservação, higienização e sanitização, além de orientações sobre infraestrutura e educação continuada dos profissionais, entre outras. No anexo, o leitor tem acesso às principais leis, decretos e normas, procedimentos, entre outros documentos de interesse do setor. A iniciativa contou com a colaboração de entidades sindicais do setor óptico, especialistas e organizações representativas de profissionais ligados aos segmentos óptico e optométrico. (Fonte: cnc.org.br).

Acesse nosso site www.sindioptica-sp.com.br e faça download: Manual de Boas Práticas. 12


BIS SINDIÓPTICA-SP Nº58