__MAIN_TEXT__

Page 2

Pág 2

JORNAL DO

PELA VIDA DAS

CARNAVAL TAMBÉM É

8 DE MARÇO

MULHERES TRABALHADORAS

Março

é um mês fundamental para a luta das mulheres. Período dedicado a discutir a situação de trabalho e de vida da mulher trabalhadora. No Brasil, além das tentativas de se retirar direitos históricos, as mulheres sofrem com a desigualdade salarial, sendo, portanto, as mais atingidas pela reforma da Previdência. Nos locais de trabalho, elas são vítimas dos assédios moral e sexual. Na Trensurb, as colegas terceirizadas são

as que mais sofrem com as diferentes formas de assédio. Em casa, a violência contra a mulher ganha contornos assustadores. As notícias são diárias sobre casos de feminicídio (assassinato de mulheres pela sua condição de gênero). O Brasil ocupa a quinta posição no ranking de países com mortes violentas de mulheres. As mulheres também são vítimas diárias do machismo, além de sofrerem pelo fato de não poderem decidir sobre os seus corpos.

DIA DE SAIR ÀS RUAS PELOS NOSSOS DIREITOS Luta contra a reforma da Previdência estará no centro da mobilização O 8 de Março deste ano será marcado pela realização de um grande ato no final da tarde, mas ao longo do dia as mulheres estarão dialogando e distribuindo materiais à população no Largo Glênio Peres, no centro de Porto Alegre. As metroviárias, como nos anos anteriores, marcarão presença na atividade. Os principais eixos de luta do movimento serão: 1) barrar a reforma da Previdência, uma vez que as mulheres serão as mais prejudicadas; 2) o fim da violência contra a mulher.

O carnaval costuma reunir multidões e ocupar ruas em diversas regiões do país. Todavia, as baterias dos blocos e das escolas de samba são, majoritariamente, formadas por homens. Em Porto Alegre, dois grupos destacam-se pelo protagonismo das mulheres: As Batucas e o Não Mexe Comigo Que Eu Não Ando Só. “Não somos contra os homens, só queremos disponibilizar um espaço para a integração feminina no samba, o que falta e muito”, afirmou Morena Chagas, musicista do Não Mexe Comigo Que Eu Não Ando Só, em entrevista ao portal Sul21. “O gênero da música é predominantemente masculino”, declarou em vídeo publicado no Youtube a musicista Biba Meira, criadora do grupo As Batucas, formado para as mulheres colocarem a cara na rua e ocuparem um espaço que também é delas. Confira, a seguir, um pouco mais sobre As Batucas e o Não Mexe Comigo Que Eu Não Ando Só.

AS BATUCAS As Batucas – Orquestra Feminina de Bateria e Percussão surgiram em março de 2015 e desde então realizam um evento na Associação Cultural Vila Flores, no bairro Floresta, na região central de Porto Alegre. O grupo costuma sair antes da data oficial do Carnaval e ganha cada vez mais visibilidade.

Pág 3

COISA DE MULHER!

L A V A N R CA

O I D É S S A SEM #NÃOÉNÃO SE N Ã O V A LE

AC HIS TA

JORNAL DO

RM

ÓBICO HOMOF E A IST C A ,R VIOLÊNCIA CONTRA MULHER DISQUE 180

NÃO MEXE COMIGO QUE EU NÃO ANDO SÓ

/asbatucas

O Não Mexe Comigo Que Eu Não Ando Só vai levar luta e alegria para as ruas de Porto Alegre pela 3ª vez, dando uma esticada no carnaval. A terceira saída oficial do bloco criado em 2016 será no dia 13 de abril, com concentração na Rótula das Cuias, em horário a ser definido. /naomexecomigoqueeunaoandoso

Profile for Sindimetrô/RS

JORNAL DO SINDICATO DESTACA O PROTAGONISMO DAS MULHERES  

Circula nas estações e no prédio administrativo da Trensurb e nas redes sociais do sindicato a edição de fevereiro do Jornal do Sindimetrô/R...

JORNAL DO SINDICATO DESTACA O PROTAGONISMO DAS MULHERES  

Circula nas estações e no prédio administrativo da Trensurb e nas redes sociais do sindicato a edição de fevereiro do Jornal do Sindimetrô/R...

Advertisement