Jornal do Sindimetrô/RS #155

Page 1

e

eC

o ri

d

SINDIMETRÔ-RS 1986 - 2021

Empre sa s

a Tr

orte Met ro nsp vi á

Nº 155

onexas do R

S

anos

em es

PORTO ALEGRE, 1º DE JUNHO DE 2021

35 de luta

r do

SiNDiMETRÔ/RS

to dos Trab ica al h a

JORNAL DO

nd Si

METROVIÁRIOS TÊM MOMENTOS DECISIVOS PARA MANTER SEUS DIREITOS O ano de 2021 vem sendo um ano de definições para os metroviários gaúchos, com a expectativa e a incerteza sobre o futuro de seus empregos. E uma parte fundamental nesta luta é a renovação dos acordos coletivos - de trabalho e de escalas - que venceram no último dia 30 de abril e foram prorrogados por mais 60 dias para a continuidade das negociações. Trensurb e Sindimetrô RS seguem com reuniões semanais, às quintas-feiras, para tratar dos acordos. Enquanto categorias vêem seus direitos e seus empregos sendo atacados por governos estaduais e federal, os metroviários traçam estratégias para negociar

com a empresa a reposição de suas perdas salariais nos últimos anos e, sobretudo, pela manutenção de suas conquistas já consagradas. A privatização da Trensurb passa diretamente pela retirada de direitos dos trabalhadores e o enfraquecimento da categoria. Ambos se comprometeram em apresentar propostas para os dois acordos nas próximas reuniões. PDV NA PAUTA No segundo encontro, a Trensurb pautou o PDV, dizendo que a reforma trabalhista exige a anuência dos sindicatos para a aplicação do programa de demissões. O sindicato levará a pauta para discussão com a base.


JORNAL DO

SiNDiMETRÔ/RS

2

TODOS CONTRA

O CORONAVÍRUS E A PRIVATIZAÇÃO

REFORMA ADMINISTRATIVA DO BOLSONARO SÓ PEGA PEIXE PEQUENO E ACABA COM O SERVIÇO PÚBLICO

A Proposta de Emenda Constitucional n⁰ 32/2020, chamada de Reforma Administrativa, tem o argumento de reduzir gastos com funcionalismo e promover eficiência administrativa. Mas o governo não considera que a PEC abra um espaço para corrupção e entrega a administração do Estado à iniciativa privada.

Público e Tribunal de Contas da União e Forças Armadas. Exatamente como fez na reforma da previdência, Bolsonaro não fisga os grandes privilégios. Nem mesmo os próprios, visto que articulou portaria no ministério da economia para aumentar o seu salário, do vice e de generais do primeiro escalão.

Entre os perigos que essa PEC traz, está a terceirização dos serviços oferecidos à população, o fim da estabilidade dos servidores, a criação de mais cargos comissionados, mudanças nos processos seletivos, nos salários e a autonomia para contratar ou demitir quem ele quiser, conforme o seu interesse.

Para os dirigentes do Sindimetrô/RS, o governo tem criminalizado os servidores públicos, transferindo a conta de uma crise econômica e de uma pandemia agravada pela sua própria incompetência: “Nos chamou de parasitas, mas parasitas são os banqueiros e os donos das grandes fortunas, que o Guedes e Bolsonaro protegem”, denuncia o presidente da entidade, Luís Henrique Chagas.

Este arremedo de reforma do governo federal só pega “peixe pequeno”. Ficam de fora Judiciário, Legislativo, Ministério


TODOS CONTRA

O CORONAVÍRUS E A PRIVATIZAÇÃO

3

JORNAL DO

SiNDiMETRÔ/RS

A ESTABILIDADE É NECESSÁRIA A estabilidade do servidor público é um direito constitucional e não um privilégio. Ela existe para proteger o Estado de interferências de quem quer se beneficiar do dinheiro público.Sem este direito, a sociedade não ficaria sabendo que o contrabando de madeira extraída ilegalmente da Amazônia teve o possível envolvimento do ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, do presidente e de outros dez funcionários indicados por ele para o Ibama. Não saberíamos dos incêndios criminosos no Pantanal e na Amazônia, sem

a denúncias de trabalhadores com estabilidade. O superfaturamento de respiradores para tratar doentes com covid-19 teria passado despercebido sem a denúncia de um servidor. O cartel de trens formado por empresas, com o objetivo de fraudar licitações, não teria sido desvendado, se a pessoa responsável pela fiscalização ficasse calada, por medo de perder o emprego. Ou seja, quem se beneficia com a precarização dos serviços e a retirada de estabilidade do funcionalismo público?


JORNAL DO

TODOS CONTRA

4

SiNDiMETRÔ/RS

O CORONAVÍRUS E A PRIVATIZAÇÃO

FRENTES ABERTAS CONTRA AS PRIVATIZAÇÕES

MOBILIZAÇÕES POR VACINAS

O Sindimetrô RS abriu mais uma frente na luta contra a venda da Trensurb para a iniciativa privada, pelo governo Bolsonaro. O sindicato, junto de metroviários de cinco metrôs operados pela CBTU - Minas Gerais, Distrito Federal, Pernambuco, Alagoas e Rio Grande do Norte - busca o apoio de deputados para a construção de uma frente parlamentar em defesa do Transporte Público sobre Trilhos. Para isso, será preciso buscar, no mínimo, 171 assinaturas na Câmara.

Desde fevereiro o Sindimetrô vem pautando a vacinação dos metroviários com a empresa. Mobilizações ocorreram com o objetivo de chamar atenção da sociedade e das autoridades. Dia 16 de abril ocorreu uma carreata em luto pelos colegas que morreram e dia 20 com uma paralisação que atrasou em uma hora o início das operações da Trensurb. No início de maio veio o primeiro resultado desta mobilização: a secretaria de saúde de Porto Alegre incluiu 58 seguranças metroviários entre as prioridades de vacinação da capital. E seguiremos nesta briga por vacinação para todos os trabalhadores que não podem ficar em casa.

Em paralelo, o escritório Garcez, especializado na defesa de estatais, foi contratado pelos seis sindicatos para encontrar brechas jurídicas que possam barrar o leilão das duas empresas. Uma ação no TCU já questiona o governo federal quanto ao planejamento da empresa diante de uma eventual privatização como a reposição de trabalhadores, a qualidade do serviço a ser prestado à população, os preços que serão praticados e o equilíbrio financeiro destas empresas.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS @sindimetrors

/sindimetro

sindimetrors.org

EXPEDIENTE

@SindimetroRS

Jornal do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários e Conexas do RS Rua Monsenhor Felipe Diehl, 48 - Humaitá, Porto Alegre/RS Presidente: Luís Henrique Chagas Diretoria de Comunicação: Lucas Viegas e Kauê Santos Jornalista Responsável: Civa Silveira (Mtb 9426) Diagramação: Nádia Alibio Contatos: 51 33744200 imprensasindimetrors@gmail.com