Page 1

MAIO 2018 nº 386

JORNAL DOS BANCÁRIOS

MÍDIA DA CAMPANHA JÁ ESTÁ APROVADA E FOCA LUTA POR DIREITOS

MINAS FAZ CONFERÊNCIA ESTADUAL DIA 25 Carimbado CAMPANHA SE APROXIMA E SERÁ DECISIVA Estamos nos aproximando da Campanha Nacional dos Bancários 2018. Sem dúvida, a mais importante da categoria nos últimos tempos. Diante de uma estrutura montada para desmontar a base social do país, vamos nos mobilizar ao máximo para não perder nenhum direito conquistado na história de nossa categoria. E já tivemos exemplo de vitória. Os professores da rede particular de BH enfrentaram e venceram com greve a retirada de direitos. Vamos participar da Conferência Estadual em maio e da Conferencia Nacional em junho. Vamos unir as forças com os bancários do país e tenhamos esperança da vitória. Baltazar Luzia Presidente

8 em 10 vítimas de acidentes são terceirizados Pag. 2

Os bancários de Minas Gerais (base da Fetrafi-CUT/ MG) realizam entre 25 e 27 de maio, a 20ª Conferência Estadual dos Bancários de Minas Gerais. O evento será realizado no Sindicato dos Bancários de BH. Durante a Conferência Estadual, a categoria irá discutir

a atual conjuntura e aprovar propostas e resoluções dos mineiros para a 20ª Conferência Nacional dos Bancários, (8 e 10 de junho em São Paulo). Delegados (as) que representarão Minas no evento nacional também serão eleitos durante a Conferência. O Comando Nacional dos

Bancários aprovou o slogan e a mídia da Campanha Nacional 2018. A campanha estimulará a união da categoria na defesa dos direitos garantidos na sua Convenção Coletiva de Trabalho, e mostrar à sociedade a importância da organização e luta contra os ataques trabalhistas.

Ordem de Temer: Caixa quer reduzir R$ 2,5 bi até 2019 Em um megaevento com cerca de 6 mil gerentes e diretores de todo o país e Temer como convidado, no estádio Mané Garrincha em Brasília, a Caixa apresentou seu novo programa de reestruturação. Segundo o presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira, a nova reestruturação está sendo chamada de “programa Eficiência” e mira reduzir despesas em R$ 2,5 bi até 2019. “é um dos mais

recentes golpes contra a Caixa, ao seu caráter 100% público e aos direitos da categoria”, alerta. Segundo notícias da imprensa, a Caixa pretende fechar mais 100 agências. A ordem de reduzir gastos estaria vindo do Palácio do Planalto. O evento que debateu o enfraquecimento do banco pago com dinheiro público não passou em branco. O Sindicato dos Bancários de Brasília e

Fenae fizeram manifestação na porta do estádio da capital. Para a diretoria do Sindicato dos Bancários de Brasília, o evento promovido no estádio Mané Garrincha foi um gigantesco assédio organizacional, na tentativa de seduzir os empregados e empregadas para que sirvam ao propósito de Temer de destruir a Caixa.


Jornal dos Bancários

Maio de 2018

Jornal dos Bancários

Maio de 2018

Terceirizados são as maiores vítimas de acidentes

MG: Bancários debatem pauta da Campanha Salarial

Brasil registrou 5 milhões de vítimas de acidentes de trabalho em 2013

Encontro debateu questões por banco e a 1ª mobilização após a reforma trabalhista

O Brasil é o 4º lugar do mundo em acidentes de trabalho. Muitos desses casos resultaram em mortes ou mutilações, aumentando a lista de trabalhadores incapacitados. Essa trágica realidade foi apresentada no Fórum Nacional das Centrais Sindicais em Saúde do Trabalhador, realizado em abril. Segundo pesquisa do IBGE em parceria com o Ministério da Saúde, somente em 2013 quase 5 milhões de trabalhadores foram vítimas de acidentes de trabalho. O número deve aumentar devido à mudança imposta pela reforma trabalhista de Temer. 80% DAS VÍTIMAS O técnico do Dieese, Victor Gnecco Pagani, apresentou no encontro uma pesquisa que mostrou que a cada 10 vítimas de acidentes laborais no Brasil, oito são terceirizados. Pagani mostrou também que os terceirizados foram as maiores vítimas de aciden-

O encontro estadual dos bancos privados movimentou dezenas de bancários funcionários do setor privado (Itaú, Bradesco, Santander e Mercantil do Brasil) no dia 4 e 5 em BH. O evento foi promovido pela Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro de Minas (Fetrafi-MG). Os diretores do Sindicato de Uberaba e região Baltazar Luzia Pinto, Hélio Fernandes e Kênia Faria participaram do evento. A economista do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Cátia Uehara, foi debatedora destacando que a lucratividade dos bancos não foi afetada pela crise. “Os três maiores bancos juntos lucraram e 54 bilhões em 2017, com crescimento de 15%. Parte desse resultado saiu da queda das despesas e

De žlhž! PETROLEIROS APROVAM GREVE

-1 ​ 2 dos 13 sindicatos da Federação Única dos Petroleiros (FUP) já haviam aprovado a greve contra a privatização da Petrobras – o que equivale a 98% da categoria. Desde que assumiu o comando da empresa, Pedro Parente já entregou para grupos estrangeiros mais de 30 ativos estratégicos, como os campos do pré-sal, sondas de produção, redes de gasodutos, distribuidoras de gás, termoelétricas e usinas de biocombustíveis.

HORÁRIO NA COPA DO MUNDO - ​O

Banco Central do Brasil (BC) autorizou os bancos a alterar o horário de atendimento ao público nas agências nos dias de jogos do Brasil na Copa da Rússia. A circular determina que nesses dias será obrigatório o atendimento ao público por no mínimo quatro horas. Na primeira fase, o Brasil tem jogos no domingo, sexta e quarta.

PELA IGUALDADE SALARIAL - ​O estudo “Mulheres, empresas e o direito 2018: Igualdade de Gênero e inclusão econômica”, divulgado no dia 4 pelo Banco Mundial na sede da Fundação Getúlio Vargas (FGV) no Rio de Janeiro, aponta que reduzir a diferença salarial entre homens e mulheres aumentaria o Produto Interno Bruto (PIB) – em 3,3%, o equivalente a R$ 382 bilhões. MORTALIDADE INFANTIL CRESCEU

- A população brasileira paga a

conta dos retrocessos do golpe jurídico-parlamentar-midiático de 2016. A mortalidade infantil voltou a crescer. Houve salto de 11% nas mortes de crianças até quatro anos, de acordo com o Ministério da Saúde. Para conseguir o feito, Temer e aliados cortaram despesas com programas especializados em assistência à saúde da mãe e ao aleitamento materno (Rede Cegonha, Mais Médicos e Programa Nacional de Alimentação Escolar) e tirou 1 milhão de famílias no Bolsa Família.

te de trabalho na Petrobras. Entre 1995 e 2018, dos 377 mortos em serviço, 307 eram terceirizados, 81% do total dos óbitos. O representante do Ministério Público do Trabalho, José Fernando Ruiz Maturana, lembrou que desde o início o MP se posicionou contrário à

reforma trabalhista por saber que ela só traria prejuízos às condições de trabalho. “Os sindicatos precisam estar mais próximos dos trabalhadores e muito atentos, nesse momento, para defender a saúde do trabalhador”, finaliza.

pela redução de impostos. Por outro lado, os bancos têm feito uma reestruturação muito forte dos postos de trabalho. Só o Bradesco obteve 7 mil adesões em plano d demissões. 1º ANO DA REFORMA “Vai ser um ano muito importante do ponto de vista da negociação, porque teremos os bancos com lucros muito elevados e trabalhadores e fragilizados por conta do emprego e da reforma trabalhista”, disse Cátia Uehara. No encontro, os trabalhadores de cada banco se reuniram para debater questões específicas e elaborar propostas que serão levadas ao Encontro Nacional dos Funcionários de Bancos Privados. O encontro será realizado em São Paulo nos dias 7 e 8 Fotos: Alessandro Carvalho, site da Fetrafi-MG

Caos jurídico da reforma tem novo capítulo Um dia depois de o governo federal publicar no Diário Oficial da União que a nova lei trabalhista vale para todos os contratos de trabalho – incluindo os vigentes antes da promulgação das

novas regras que acabam com uma série de direitos –, a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) esclareceu que os juízes da esfera trabalhista não devem acatar este enten-

Juiz decide: homologação tem de ser feita no sindicato A lei trabalhista entrou em vigor em novembro do ano passado e acabou com a obrigação das empresas de homologarem demissões nos sindicatos. Mas juízes do Trabalho estão tomando decisões contra essa legislação, alegando que é preciso proteger os direitos trabalhistas de quem perde os empregos. Um desses juízes é Gilvan-

dro de Lelis Oliveira, da 4ª Vara do Trabalho de Ribeirão Preto (SP). Em abril ele proibiu a demissão de um trabalhador sem a anuência da entidade sindical e determinou que a empresa cumpra a cláusula da Convenção Coletiva de Trabalho, assinada com o sindicato, exigindo que a homologação seja feita na entidade.

dimento. A entidade defende que a aplicação dos dispositivos da nova lei trabalhista aos contratos de trabalho vigentes devem ficar sob competência dos tribunais do trabalho.

Todo o crédito brasileiro está nas mãos de apenas quatro bancos Os quatro maiores conglomerados bancários do país – Itaú Unibanco, Bradesco, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal – fecharam o ano de 2017 com 78,5% do mercado de crédito. É o que apontou o Banco Central (BC). Outro dado revelado: os mesmos bancos detêm

76,35% dos depósitos de correntistas do país. Em 2007, as quatro maiores instituições financeiras possuíam 54,6% das operações de crédito e 59,34% dos depósitos. O indicador mostra que a concentração bancária era muito menor no país há dez anos do que nos dias atuais.

Bancários reforçam resistência dos bancos públicos

Bancários da Caixa e do Banco do Brasil de Minas Gerais realizaram no último dia 5 os encontros estaduais dos dois bancos. O evento foi realizado na sede do Sindicato dos Bancários de Belo Horizonte e Região (Seeb-BH) e organizado pela Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro de Minas de Gerais (Fetrafi-MG/CUT). O diretor do Sindicato dos Bancários de Uberaba, Diego Bunazar participou do encontro, que teve como destaque a luta em defesa dos

bancos públicos, a manutenção de direitos conquistados e começo da organização da Campanha Nacional 2018. Diante da estratégia de desmonte do governo Temer e da reforma trabalhista, o encontro ressaltou a necessidade de forte mobilização para impedir a retirada de direitos. Em 2018, a categoria bancária terá sua primeira Campanha Nacional depois da reforma trabalhista. Sendo assim, vários pontos do acordo coletivo dos funcionários estão sob ameaça.

Entidades lançam campanha em defesa do Saúde Caixa

Em ato realizado na reunião do Conselho Deliberativo Nacional da Fenae, em Brasília (DF), as entidades representativas dos trabalhadores da Caixa - Fenae, Apcefs, Contraf-CUT, Fenacef, Fenag, Advocef, Social Caixa e Aneac - lançaram a campanha “Saúde Caixa: eu defendo”. A iniciativa tem o objeti-

vo de sensibilizar os usuários para a importância da política de saúde da categoria e mobilizar ativos e aposentados para se engajarem na defesa desse modelo. “Queremos mostrar que o Saúde Caixa é bom e deve ser valorizado. Essa campanha se baseia na união de todas as entidades representativas, em uma forte mobilização em defesa dos nossos direitos”, afirma o presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira.


Jornal dos Bancários

Maio de 2018

Acionistas embolsam R$ 28 bi sem pagar imposto Valor distribuído nos bancos representa 35% do total de dividendos

251 empresas de capital aberto distribuíram aos seus acionistas R$ 79,63 bilhões em 2017. A distribuição de dividendos e juros sobre capital foi 13,31% maior que no ano anterior. E os bancos foram o setor com maior volume financeiro distribuído aos acionistas: R$ 28,3 bilhões em 2017. O valor corresponde a 35,63% do total distribuído pelas 251 empresas pesquisadas. O levantamento foi divulgado pela Economática. Os dados mostram que o Itaú foi o maior pagador de dividendos e juros sobre capital próprio entre as empresas

de capital aberto do país. Graças à lei 9.249, sancionada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em 1995, a distribuição de lucros e dividendos aos acionistas é livre de qualquer imposto. Os bancos no Brasil têm ganhos cada vez maiores e seus acionistas e altos executivos se beneficiam. Por outro lado, demitem cada vez mais, sobrecarregam bancários, levam milhares de trabalhadores ao adoecimento por conta do uso do assédio moral como ferramenta de gestão e precarizam o atendimento aos clientes, que pagam tarifas cada vez mais altas.

“Não espere a aposentadoria para curtir a vida” A humanidade está vivendo uma revolução da longevidade e é preciso se preparar agora para ter uma vida melhor no futuro, analisa Alexandre Kalache, médico especialista em envelhecimento em notícia recente publicada no site Uol. “As pessoas precisam deixar de lado essa mentalidade de que a vida deve ser apenas repleta de trabalho e de que a curtição só vem no final, com a aposentadoria”, disse ele. “Não só trabalhar,

mas aprender a cuidar dos outros e de si. Kalache contou que sempre se cuidou. “Comecei a fazer 80 anos com 29”. A atividade física, alimentação saudável, o controle do estresse, o autoconhecimento, a espiritualidade e o amor são os pilares nos quais ele se apoia para manter sua vida em equilíbrio. “Envelhecer é uma certeza, envelhecer com qualidade é uma escolha.”

Minha alta do INSS está agendada para breve, mas não me sinto em condições de trabalhar. O que devo fazer? RESPOSTA: Desde que esteja atestado pelo seu médico, a partir de 15 dias antes da data de cessação do benefício, é possível agendar pelo telefone 135 da Previdência Social ou pelo site do INSS o PP (Pedido de Prorrogação) de benefício. No dia agendado leve o relatório médico atualizado e todos os documentos conforme levou na primeira perícia. Importante: comunique por escrito ao banco seus procedimentos junto ao INSS.

JORNAL DOS BANCÁRIOS EXPEDIENTE

Publicação do Sindicato dos Bancários de Uberaba e região. Presidente: Baltazar Luzia Pinto. Secretário de Imprensa: Élcio Lopes Lucas. Edição: Anízio Bragança Júnior - MG 4731JP. Rua Governador Valadares, 450. Cep: 38.010-380. Telefax: (34) 3312-1993. 1000 exemplares. Notícias do “www.contrafcut.org.br” e “www.spbancarios.com.br. Fotos: Marco Túlio Bernardes E-mail: imprensadosbancarios@mednet.com.br e secretariadosbancarios@uol.com.br. Sítio: www. bancariosdeuberaba.com.br.

JORNAL DO BANCÁRIO 386 - MAIO 2018  
JORNAL DO BANCÁRIO 386 - MAIO 2018  
Advertisement