Page 1

Abril de 2014 | Número 14 | Ano 3 www.sindiauditoria.org.br

em ação Ferramentas do controle social em debate Jaércio Bento / Sindiauditoria

Observatórios sociais se reuniram com o objetivo de apresentar as boas práticas, qualificar a metodologia de trabalho e ampliar as estratégias do controle social

Pela primeira vez em Santa Catarina, representantes de todo País se reuniram, no Encontro Nacional dos Observatórios Sociais, para debater as ferramentas de controle social. Em Balneário Camboriú, de 27 a 29 de março, eles trocaram experiências na busca pela efetividade das atividades desenvolvidas. O objetivo dessas instituições é auxiliar o gestor público na tomada decisões que atendam realmente o interesse da sociedade e, ao mesmo tempo, que o administrador preste contas da sua atuação. Com isso, os observatórios sociais desenvolvem um papel fundamental no combate a corrupção e a má aplicação dos recursos públicos. “Precisamos de foco, embasamento técnico, coragem e persistência para sermos efetivos nesta jornada”, considerou o presidente do Observatório Social do Brasil (OSB), Ater Cristófoli, ao destacar a educação e a saúde, como as prioridades dentro deste trabalho amplo dos observatórios sociais. O diretor-geral do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul (TCE/RS), Valtuir Pereira Nunes, acredita que a maior origem das irregularidades dentro da administração pública é a incapacidade de gestão. “É preciso profissionalizar a gestão pública para combater essas irregularidades”, defendeu. Para ele, mais da metade dos erros administrativos encontrados em au-

ditoria, poderiam ser resolvidos ou minimizados se o controle interno fosse eficiente. Por isso, ele entende que a Lei de Acesso a Informação (12.527/2011) precisa ser uma realidade cada vez mais presente. “Não só pela dimensão financeira, mas, sobretudo, para garantir a qualidade da gestão pública”, pontuou. Neste sentido, além de auditar todos os municípios gaúchos uma vez por ano, o TCE/RS permite que a sociedade acompanhe os gastos públicos. O tribunal tem um portal aberto ao cidadão, onde disponibiliza as informações de todas as cidades, de forma rápida e transparente. Assim, a sociedade pode comparar os dados com a realidade e, se encontrar erros, consegue encaminhar uma denúncia formal àquela Corte de Contas. “Estamos multiplicando os braços do controle social”, resumiu. Pereira reforça, ainda, a “urgente e necessária” integração dos órgãos de controle, para que efetivamente ocorra um intercâmbio de informações que ajude os profissionais a trabalhar na prevenção dos erros. “Precisamos fazer biopsia e não autopsia”, comparou. O diretor jurídico do Sindiauditoria, Sérgio Augusto Michalczuk, participou do encontro junto com o Auditor Interno do Poder Executivo Jaime Luiz Klein, que também é diretor-presidente do Observatório Social de São José (SC).


2

SINDIAUDITORIA em ação

ENTREVISTA

“Queremos transformar o projeto em um sistema que todos conheçam” O presidente do Observatório Social do Brasil (OSB), Ater Cristófoli, fala sobre o cenário dos observatórios sociais no Brasil e em Santa Catarina e aponta os avanços necessários para este segmento da sociedade. Jaércio Bento / Sindiauditoria

SINDIAUDITORIA – De que forma o controle social pode contribuir, hoje? Ater Cristófoli - Considerando que a carga tributária está em torno de 36%, você não precisa nem perguntar muito como ele pode contribuir. Nas nossas empresas e em casa, a gente cuida de economias que vão desde a conta de luz até ao papel higiênico. Imagina a boa aplicação de 36% de tudo que fazemos, isso pode se transformar em grandes benefícios para a comunidade. Então, os observatórios sociais, por conta do trabalho preventivo que fazem, direcionam esses recursos de maneira mais interessante para a sociedade. Por exemplo, com educação, saúde e mais segurança. Enfim, é uma contribuição realmente efetiva e de grandes valores. SINDIAUDITORIA – Como SC se projeta no cenário nacional? Ater Cristófoli - Santa Catarina foi o segundo Estado que começou a implantar os observatórios sociais, logo depois do Paraná. Acredito que por conta da colonização europeia e da consciência maior dos catarinenses, a coisa está avançando de maneira bem interessante. Não só a rapidez com que estão abrindo novos observatórios sociais, mas a qualidade em Santa Catarina é uma coisa louvável. Os catarinenses são bem diferenciados e a prova disso é a realização do 5º Encontro Nacional dos Observatórios Sociais aqui. SINDIAUDITORIA – E no Brasil, tem aumentado o número de observadores sociais? Ater Cristófoli - Não no ritmo que gostaríamos, mas está crescendo. Já chegamos em 80 municípios, em 15 estados do Brasil. Agora, com o apoio do SEBRAE, queremos transformar o projeto do observatório social em

Ater cristófoli coordenou as atividades do Encontro Nacional dos Observatórios Sociais, em março

um sistema que todos conheçam. Assim como as pessoas sabem como funciona o MC Donald’s, a gente quer fazer com os observatórios sociais nas cidades. Formalizar os padrões de procedimentos e documentos, para transformar os observatórios sociais em uma franquia social. Isso é interessante, porque vai dar independência na criação de outros observatórios sociais e, acho também, que estimula a disseminação mais rápida das unidades. SINDIAUDITORIA – Como os observatórios devem trabalhar a nova legislação? Ater Cristófoli - A Lei de Acesso a Informação e a Lei de Combate a Corrupção, assim como o cadastro de empresas inidôneas, são ferramentas muito importantes e de avanço, realmente, no combate a corrupção.

Agora, o que precisamos fazer é brigar pela aplicação dessas leis. Atacar realmente em todas as situações que essa legislação está sendo negligenciada. As leis são fundamentais, mas como a gente sabe que o Brasil tem histórico de desrespeito, nós, dos observatórios sociais, temos que brigar pela efetivação desse novo processo. SINDIAUDITORIA – Como as cidades podem instalar seu observatório social? Ater Cristófoli – O primeiro passo é reunir as lideranças. O observatório Social do Brasil tem um site com vários vídeos explicando como começar um observatório social, quem pode participar e quais são as regras. Temos, no site da OSB, todas as informações bem organizadas e disponíveis.


SINDIAUDITORIA em ação

3

PERFIL

“Meu ritmo mudou de uma hora para outra” tal “muita determinação, bastante paciência, persistência e perseverança”. Por isso, ele traçou uma meta e ficou focado, sem vacilar. “Emagrecer foi mais fácil do que eu imaginava, o difícil é manter a mesma forma agora”, considerou. Por isso, perder peso só é possível, quando há uma reeducação. Na DIAG, atualmente, ele trabalha na Gerência de Recursos Antecipados (Geran), mais precisamente com Tomada de Contas Especial. “Encontrei o meu trabalho preferido”, resume. Natural do Paraná, ele mudou-se para Florianópolis em 2007, depois de formar-se em Economia. “No início foi bem difícil a adaptação, mas hoje já não saio mais daqui, já que conquistei meu novo porto seguro e independência financeira e familiar”, pontua. Recorda com orgulho que é filho de pais gaúchos. “Com oito anos de idade, devido à remoção do meu pai, que sempre foi militar, moramos no Rio Grande do Sul, na cidade de Ijuí, por cinco anos”, conta.

Arquivo pessoal

Com o incentivo de alguns colegas de trabalho, o Auditor Interno do Poder Executivo Benito Adolfo Tessaro nunca mais foi o mesmo. O gosto pelas atividades físicas e alimentação saudável começou a fazer parte da sua vida. Isso fez com que, em oito meses, ele chegasse a perder 25kg. Mas a principal mudança não é física, a rotina mudou com toda esta evolução. “Adotei um novo estilo de vida, mudei os hábitos do dia a dia”, explica. Hoje, Tessaro treina quatro vezes por semana, sem contar corridas a noite ou pela manhã. Além disso, desenvolveu o gosto por trilhas, caiaque e stand up paddle. “Meu ritmo mudou de uma hora para outra”, recorda, ao explicar que precisou abrir mão, até mesmo, da famosa cerveja com os amigos. Ele iniciou a dieta em novembro de 2012, com o objetivo de perder massa gorda e ganhar massa magra. Para isso, foi preciso um planejamento de um profissional de educação física e nutrição. Para alcançar resultados tão notáveis, Tessaro garante que é fundamen-

bENITO ADOLFO TESSARO se dedica diariamente

O desafio agora é manter este ritmo. “Não tenho tantos motivos pra me vangloriar, porém, acredito que essa volta por cima pode servir de exemplo para outras pessoas”, conclui.

DIAG reúne auditores internos para encontro de trabalho Frederico da Luz / Divulgação

A importância dos resultados obtidos pelos Auditores Internos do Poder Executivo e o reconhecimento que a categoria vem recebendo foram destaque na reunião de trabalho da Diretoria de Auditoria Geral (DIAG) na Escola Fazendária (ESFAZ), dia 2 de abril. O diretor Augusto Piazza agradeceu a presença de todos e aproveitou para ressaltar que o trabalho dos auditores internos é de fundamental importância para o Estado, devido a relevância e responsabilidade que a área de atuação da categoria requer. “É preciso tratar a aplicação dos recursos públicos de forma compatível com o retorno que a sociedade exige”, resumiu. AUDITORES INTERNOS das quatro gerências da Diretoria de Auditoria Geral participaram do encontro


4

SINDIAUDITORIA em ação

CATEGORIA

Sindiauditoria oferece plano de assistência médica aos filiados CDL / Divulgação

Informativo do Sindicato dos Auditores Internos do Poder Executivo do Estado de Santa Catarina - SINDIAUDITORIA Presidente Ricardo Peixoto Filho Vice-presidente Aginolfo José Nau Júnior

prESIDENTE DO CDL, Sara Toscan Camargo, e os diretores do Sindiauditoria durante a assinatura do convênio

Atento às questões de saúde e bem-estar dos auditores internos, o Sindiauditoria aderiu ao Plano Unimed/CDL, conforme foi aprovado na última Assembleia Geral Ordinária (AGO). Com isso, qualquer filiado terá direito a aderir ao pacote, que está com condições mais atraentes que a média do mercado e, inclusive, pode ser estendido aos familiares. “Nunca sabemos o dia de amanhã, por isso é sempre importante adquirirmos um bom plano de saúde. Neste

sentido, o sindicato oferece este excelente diferencial para a nossa categoria”, considerou o presidente do Sindiauditoria, Ricardo Peixoto Filho. Na assinatura do convênio, estavam presentes a presidente do CDL, Sara Toscan Camargo, o gerente comercial, Zilto Espírito Santo, e os diretores do sindicato: Clóvis Machado, Aginolfo Nau Júnior e Sergio Michalczuk. Para outras informações, entre em contato com Fabiana Borges pelo email: secretaria@sindiauditoria.org.br.

SC troca experiências sobre Controle Interno O Conselho Nacional de Controle Interno (CONACI) reuniu, em Brasília, representantes da maioria dos Estados e de capitais de todo País, para a 11ª Reunião Técnica, nos dias 26 e 27 de março. O Auditor Interno do Poder Executivo Frederico da Luz representou Santa Catarina no evento. “É fundamental e importante a

participação de Santa Catarina, devido à troca de informações e trabalhos sobre o Controle Interno, visando sempre à transparência e correta aplicação do dinheiro público”, justificou Luz, ao reforçar que o problema maior do Brasil não é a falta de recursos e sim sua má aplicação. Por isso, para ele, o CONACI é um espaço privilegiado de debate e interação.

Fórum Fiscal em Brasília reúne servidores Participaram do Fórum Fiscal dos Estados Brasileiros (FFEB), em Brasília, os auditores internos do Poder Executivo Clarice Taffarel (DIAG) e Marcio Cassol Carvalho (DICD), junto com outros servidores da Secretaria de Estado da Fazenda de Santa Catarina. O even-

to, que ocorreu de 1 a 3 de abril, busca promover uma atuação dos estados na reflexão sobre matérias de natureza fiscal, tributária, previdenciária e contábil, no intuito de contribuir para formulação de políticas públicas e com o diálogo interfederativo.

Diretora de Comunicação Cristina Keller Sartori Diretora Administrativo-financeiro Inês Marina de Souza Diretor Jurídico Sérgio Augusto Michalczuk Diretor de Relações Sociais e Intersindicais Clóvis Coelho Machado Secretária Fabiana Ribeiro Borges Conselho Fiscal Caio Jamundá, Herta Machado Capaverde e Rafael de Lima Palmares Suplentes do Conselho Fiscal Alessandra Barcellos Barros, André Pinheiro de Oliveira e Marco Antonio Barbosa Lopes Jornalista Jaércio Bento (DRT|SC 4026) CONTATO assessoria@sindiauditoria.com.br Rua Anita Garibaldi, 79 - Sala 603 Centro - Florianópolis


Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.