Page 1

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

PROJETO DE MARKETING

12 DE OUTUBRO DIA DO CORRETOR DE SEGUROS Mais de três décadas de dedicação, coragem e trabalho a um projeto chamado SINCOR GOIÁS. E MAIS: ATÉ SÁBADO, 14, GOIÂNIA SEDIA O 20º CONGRESSO BRASILEIRO DOS CORRETORES DE SEGUROS. PÁGINA 8


2 | SINCOR-GO

PROJETO DE MARKETING

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

EDITORIAL

Em defesa das pessoas e do seu patrimônio

Goiânia recebe o maior evento do mercado de seguros

Pela segunda vez na história e 20 anos depois, o Estado de Goiás é sede do Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros. Goiânia recebe o evento a partir deste 12 de outubro, quando comemoramos o Dia do Corretor de Seguros, segmento responsável por gerar cerca de 150 mil empregos diretos no Brasil. E é para falar da força dessa categoria e sobre o que ela representa para a segurança das pessoas e seu patrimônio que publicamos este projeto de marketing. Durante todo o feriado prolongado, estaremos reunidos com aproximadamente 5 mil pessoas no Centro de Convenções de Goiânia para discutir as novas formas de consumo em seguro. Um debate que vai ao encontro do novo comportamento do cidadão hiperconectado. Trazemos nesta publicação um importante alerta para a população: a atuação de um mercado marginal que tem colecionado prejuízos e danos à sociedade por meio da venda da chamada ‘proteção veicular’. Um produto que em nada se assemelha ao seguro, esse sim fiscalizado e supervisionado no Brasil, garantindo segurança a quem o contrata. A Fenacor e os Sincor’s de todo o Brasil têm assumido um papel de destaque na disseminação de informação segura e de qualidade para a população, como a que veiculamos neste projeto de marketing. Nesta publicação destacamos também a trajetória do deputado federal por Goiás Lucas Vergilio (SD/GO), que tem destinado recursos para o Estado, gerando desenvolvimento em diversas áreas. Corretor de seguros de carreira, Lucas Vergilio tem sido um implacável defensor do cumprimento da lei no que tange à comercialização de seguros, propondo projetos com essa finalidade, e um defensor do mercado regulado, sendo o único deputado a propor matéria que visa a combater a atuação clandestina das associações e cooperativas de proteção veicular em todo o País. Por meio desta publicação especial, apresentamos um pouco do que representa o SINCOR-GO, entidade que acumula 31 anos de trajetória na cadeia produtiva do seguro em Goiás. Seus projetos e programas voltados para o corretor de seguros e para a sociedade estão presentes aqui. Ao longo dos últimos anos, desenvolvemos projetos como o Prêmio Sincor Goiás de Jornalismo, voltado ao reconhecimento do trabalho da imprensa que bem informa a população sobre esse mercado e seus produtos. Investimos em qualidade de vida com a realização de quatro edições do Circuito Vida Segura, evento de esporte e lazer voltado a toda a comunidade. Essas e muitas outras ações são descritas por nós, que somos orgulhosos por representar uma categoria fundamental para o desenvolvimento do nosso Estado.

Goiânia recebe a partir de hoje (12) o maior evento do mercado de seguros nacional. O 20º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros reunirá milhares de profissionais desse setor, que gera em recursos o equivalente a 6% do PIB brasileiro e devolve para a sociedade, a cada ano, sob a forma de indenizações, benefícios, resgates e sorteios R$ 260 bilhões, o que representa uma fantástica soma de R$ 700 milhões reinvestidos na economia a cada 24 horas. Tais valores são, obviamente, fundamentais para ajudar o País a superar os seus problemas econômicos. Mas, esse não é o único indicador da imensa relevância do mercado de seguros para o Brasil. O seguro protege e ampara as pessoas, garante a continuidade dos negócios e a conclusão das obras. Está presente 24 horas por dia nas vidas dos cidadãos e das empresas, mas nem sempre é percebido por sua real importância. Como todos os segmentos, tem alguns ajustes a fazer. E é exatamente essa necessidade de adaptação às novas exigências que surgem no mundo dos negócios que será abordada no Congresso, cujo tema central é “O Seguro na Era Digital”. Vamos discutir como chegar ao perfeito equilíbrio entre o avanço das soluções digitais e a imprescindível consultoria qualificada e pessoal prestada pelo corretor aos consumidores brasileiros. Sabemos que é preciso identificar riscos, ameaças, oportunidades para definirmos, juntos, novos caminhos e soluções duradouras e perenes. Não é tarefa fácil, mas os corretores de seguros jamais tiveram medo de arriscar. Ouso afirmar que o Congresso de Goiânia será um marco na história do setor de seguros. Daqui sairemos mais fortalecidos para investir em ferramentas tecnológicas inovadoras para que possamos ser ainda melhores na missão de orientar o consumidor e impedir que ele arrisque o seu patrimônio, o futuro da sua família ou a continuidade dos seus negócios ao fazer uma opção equivocada ou inadequada. É preciso proteger a sociedade de ameaças como a chamada “proteção veicular”, na verdade, uma “proteção pirata” que não protege, não é “seguro” e atua sem qualquer controle, à margem da lei. Não por acaso, tanto a Susep, órgão do Governo que fiscaliza e regula o mercado de seguros, quanto o Ministério Público e a Polícia Federal têm atuado para combater essa praga. Não é a única ameaça. Como está entre os setores que mais crescem na economia, o seguro naturalmente atrai a atenção de aventureiros. Cabe, então, aos profissionais desse setor ficar alerta para evitar que a excelente imagem construída com base em muito trabalho e dedicação seja destruída por quem age de má fé para iludir o consumidor.

HENDERSON DE PAULA RODRIGUES Presidente do SINCOR-GO

ARMANDO VERGILIO Presidente da Fenacor

COMPLETA

EXPEDIENTE Rua C-145, 1.036, Qd 337, Lts 21/22, Jd. América, Goiânia-GO | CEP 74255-500 Diretoria Executiva Henderson de Paula Rodrigues presidente Roney Almeida Macedo vice-presidente Administrativo Carmen Lucy Silva vice-presidente Financeira Hailton Costa Neves vice-presidente Técnico Deivid Pereira vice-presidente Social e de Benefícios Amaury Gonçalves da Cunha vice-presidente de Marketing e de Relações com o Mercado Lucas de Castro Santos vice-presidente Institucional e de Relações com o Corretor de Seguros

DIRETORIA Ana Maria Martins de Oliveira Andrade Erasmo Pereira da Silva Evanira Barbosa de Macedo Ieda Marcelino Ribeiro Inamar de Cássia Borges Jairo Cirilo Amaral José Veríssimo da Silva Juvair Gonçalves Ferreira Marcos Mariath Rangel Samuel Borges Coelho Vinícius de Araújo Porto DIRETORIA AUXILIAR Admilson Alves de Castro Anderson Pires Costa Cardoso Demerson Gonçalves de Melo Juliana Pena de Paula Rios de Pina Liamar Geralda Martins Ferreira Lucas Paulo Garcia Bittencourt Márcio Pereira Coelho

Marinho de Souza Oliveira Júnior Osmar dos Reis de Sousa Reinaldo de Oliveira Batista Filho Silvio Roberto de Sousa Rodrigues Thiago Perilo de Azevedo Silva Vera Lúcia Campos Fornari Wagner Paulo de Oliveira Wallacy Luiz Silva Oliveira DIRETORES TERRITORIAIS Leonardo de Miranda Almeida regional de Anápolis Mário de Pádua Castro regional de Catalão Antônio Aparecido de Almeida regional de Itumbiara Gesiel Freitas da Costa regional de Rio Verde CONSELHO FISCAL EFETIVO Renner Araújo Fidelis – presidente

Ítalo Watanabe Marcos Carneiro Martins Arruda CONSELHO FISCAL SUPLENTE Dastoniel Guilherme Raimundo Edson Costa de Souza Telca Lane Sampaio COMITÊ DE ÉTICA Membros Efetivos Raimundo D. Ribeiro Samuel Azevedo B. Sobrinho Cláudio M. Paula Antônio Oliveira Durães Paulo Cesar Fernandes Rosa Gilson Antônio de Souza MEMBROS SUPLENTES José Sousa Rios Júlio Cesar Coelho Guilherme Ronaldo de Amorim Chaveiro

Leonardo de Miranda Almeida Sinhorinho Leandro Sousa Antônio Aparecido de Almeida DELEGADOS REPRESENTANTES JUNTO À FENACOR Titular Lucas de Castro Santos 1º SUPLENTE Ozório Manuel da Silva 2º SUPLENTE Ana Maria Martins de Oliveira Andrade Redação e edição: Ampli Comunicação Jornalista responsável: Deire Assis (GO 01197 JP) Núcleo Independente de Conteúdo Diagramação e arte Oficina de Comunicação


PROJETO DE MARKETING

SINCOR-GO | 3

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

ATUALIZAÇÃO

MBA a distância facilita capacitação de profissionais NOVA APOSTA DA ESCOLA NACIONAL DE SEGUROS, CURSO TEM CARGA HORÁRIA EQUIVALENTE À DO PROGRAMA PRESENCIAL, MAS COM CUSTO BEM MENOR A qualificação profissional – independentemente das circunstâncias – será sempre elemento essencial a profissionais que querem conquistar as melhores colocações no mercado de trabalho. E se o problema é cortar custos com deslocamento, falta de tempo ou incompatibilidade com os horários de um curso presencial, a Escola Nacional de Seguros lança seu primeiro MBA na modalidade de Ensino a Distância (EaD), o Gestão de Seguros e Resseguro – alternativa para quem quer se aprimorar em umas das áreas que apresentam melhor desempenho na economia nacional, mesmo em face do cenário recessivo e da retração de oportunidades que abalou muitos setores. Com previsão de início das aulas em março de 2018, o novo curso é destinado a profissionais de diversas regiões brasileiras que atuam ou querem vir a atuar no mercado de seguros. O EaD já se mostrou uma eficiente forma de levar conhecimento a quem não tem tempo ou não pode se deslocar para fazer um curso presencial. Ao lançar o MBA Gestão de Seguros e Resseguro, a Escola Nacional de Seguros atende a uma demanda por qualificação do próprio

segmento, que está em constante evolução e em consonância com as tendências do mercado internacional. “Para formatar o curso, a Escola recebeu contribuições de diferentes frentes da indústria de seguros, de forma que o programa responda às expectativas reais do setor. Há dois aspectos fundamentais: um mercadológico, que tem a ver com a nossa missão de levar conhecimento para todo o Brasil e os países parceiros, e outro acadêmico, pois o EaD tem dinâmica própria e distinta do presencial. Dessa forma, o MBA chega para suprir uma necessidade, para acrescentar”, explica Robert Bittar, presidente da Escola Nacional de Seguros. NOTA MÁXIMA DO MEC A demanda por treinamento de qualidade em diversas cidades e regiões do País serviu de estímulo para o investimento feito pela Escola. “Organizar um MBA fora do eixo Rio-São Paulo não é algo simples, mas o mercado de seguros tem atuação, por exemplo, em praças como Belém (PA), Manaus (AM), Salvador (BA), Fortaleza (CE) e Recife (PE), capitais que demandam esse tipo de oferta. Dessa forma, o MBA a Distância inau-

Robert Bittar, presidente da Escola Nacional de Seguros

gura uma nova era na Escola Nacional de Seguros”, observa Robert Bittar. Com carga horária equivalente à do curso presencial (480 horas/aula) e 26 disciplinas na grade, o MBA terá investimento de R$ 15.260,00

(em 24 meses), 30% menor do que o valor cobrado para o programa ministrado em sala de aula. “Conseguimos produzir algo único com o DNA da Escola e toda sua experiência de quase 50 anos de mercado, só que mais acessível que um

curso presencial. Para tanto, os professores receberam treinamento a fim de ter o domínio do discurso do EaD. Outro ponto a destacar é que o MBA tirou nota máxima em todos os quesitos avaliados pelo Ministério da Educação (MEC), o que atesta a excelência de um curso pertinente com as exigências do mercado”, diz Robert Bittar. Ainda neste ano, a Escola prevê lançar uma série de cursos de extensão a distância com base nas disciplinas do MBA, entre eles ‘Matemática Financeira’, ‘Estatística Aplicada a Negócios’, ‘Gerência de Riscos’, ‘Jogos de Negócios em Seguros’, ‘Gestão de Operações de Seguros’. O objetivo com esses cursos, que têm carga horária média de 20 horas/ aula e investimento em torno de R$ 600,00, é suprir necessidades específicas e imediatas dos profissionais. Outra iniciativa é um tecnólogo de graduação em formato EaD, em processo de análise no MEC. “O MBA abre uma estrada imensa para ampliarmos os cursos a distância”, ressalta o presidente.

MAIS INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES PELO SITE mba.escolanacionaldeseguros.com.br

Fenacor promove um dos maiores prêmios de jornalismo do País A Fenacor está promovendo, em parceria com a Escola Nacional de Seguros, a Confederação Nacional das Seguradoras (CNSeg) e o IRB Brasil Re, e o patrocínio especial da Generali, a segunda edição do Prêmio Nacional de Jornalismo em Seguros, que já figura entre as maiores premiações do País no gênero, com um total de R$ 270 mil distribuídos para os vencedores em seis categorias. O prêmio tem como objetivo reconhecer e valorizar

os profissionais de imprensa e dos meios de comunicação cujos trabalhos tenham como foco o mercado de seguros, previdência complementar aberta, capitalização e resseguro, além do papel exercido pelo corretor de seguros. São seis categorias de premiação: Mídia Impressa, Televisão, Rádio, Webjornalismo, Prêmio Imprensa Especializada do Mercado de Seguros e Prêmio Especial / Corretor de Seguros.

Os trabalhos inscritos devem enfocar a relevância e as implicações do seguro no cotidiano das pessoas, das empresas e da economia, auxiliando na compreensão desse segmento como fator de desenvolvimento econômico, que permite gerenciar riscos, mobilizar poupanças e facilitar investimentos estratégicos. Na categoria especial Corretor de Seguros, o objetivo é demonstrar o valor desse profissional e a sua participação

nas transformações do mercado de seguros. O primeiro colocado de cada categoria receberá R$ 30 mil; o segundo, R$ 10 mil; e o terceiro, R$ 5 mil. CATEGORIA ESPECIAL Na categoria especial Corretor de Seguros, o primeiro colocado, além dos R$ 30 mil, ganhará uma viagem para a Itália, com direito a acompanhante. Podem ser inscritas reportagens publicadas ou veiculadas

entre os dias 01 de novembro de 2016 e 30 de outubro de 2017. As inscrições devem ser feitas até 31 de outubro, neste endereço:https://www.fenacor. org.br/premiodejornalismo/ A cerimônia de entrega do prêmio ocorrerá no dia 29 de novembro de 2017, no Museu do Amanhã, que foi inaugurado há pouco mais de um ano, na renovada Zona Portuária da Cidade Maravilhosa, e já consta entre os principais pontos turísticos da cidade.


4 | SINCOR-GO

PROJETO DE MARKETING

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

O SINCOR-GO

Lançamento do selo comemorativo dos 30 anos: marco para uma história vitoriosa construída a várias mãos

Sindicato forte e ativo RESPONSABILIDADE COM OS VALORES E INTERESSES DA CATEGORIA, CREDIBILIDADE, OUSADIA E VISÃO DE FUTURO MARCAM HISTÓRIA DO SINCOR-GO Para chegar ao grau de representatividade atual, o SINCOR Goiás trilhou um longo caminho. Sua base remonta aos anos 80, quando foi criada a Associação Profissional dos Corretores de Seguros (1986), que persistiu até a formação do sindicato, em 1988. Desde então, a defesa dos interesses da categoria tem marcado a trajetória da entidade, que comemora, em 31 anos de existência, a credibilidade perante os associados e todo o mercado de seguros em Goiás e no Brasil. Logo após sua criação, no início dos anos 90, o SINCOR-GO implementa seu Código de Ética e, no final de 1993, cria a sua primeira delegacia sindical, em Itumbiara. Hoje chamadas de diretorias territoriais, elas abrangem também as regiões de Catalão, Rio Verde e Anápolis, prestando assistência e integrando corretores de seguros de 74 dos 246 municípios goianos. O ano de 1997 é bastante simbólico para a categoria, que realiza um sonho ao ver

Grandes nomes do mercado no Brasil nasceram com o SINCOR-GO No decorrer de sua história, o SINCOR-GO tem se destacado no cenário nacional por seu projeto de valorização da profissão, inspirando a categoria em todo o território brasileiro. Não por acaso, nomes egressos da entidade goiana têm se projetado nacionalmente, num exemplo da sua expressão política e institucional. Armando Vergilio, que foi presidente do SINCOR-GO,

construída uma ampla sede própria, no Jardim América. No mesmo ano é realizado na capital o 9º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros, sinal de reconhecimento dos profissionais locais no contexto nacional. A implementação do Si-

deputado federal e hoje é presidente da Fenacor, contribuiu em vários aspectos com a categoria. Entre seus trabalhos mais comemorados no Congresso Nacional ele cita a presidência na comissão que apreciou o projeto de lei para a inclusão da categoria no Simples Nacional e a autoria da Lei do Desmonte, esta de interesse para toda a sociedade. Também são motivo de

coob Credseguro, uma cooperativa de crédito para fomentar os negócios da categoria em Goiás, foi um marco para o mercado goiano em 1998. Em seguida, com a vigência do Novo Código Civil Brasileiro, a entidade comemora, em 2003, ao lado de colegas

orgulho para o SINCOR-GO a carreira de Lucas Vergilio, que também é corretor e está na Câmara Federal como um dos deputados mais jovens e atuantes da casa. Joaquim Mendanha, ex-presidente do SINCOR-GO, é o titular da Superintendência de Seguros Privados (Susep), autarquia federal responsável pela autorização, controle e fiscalização do mercado.

de todo o País, o reconhecimento profissional do corretor de seguros como o único habilitado a promover contratos de seguros. Em 2005, o SINCOR-GO vê concretizada sua luta pela queda na cobrança de impostos aos empresários do setor,

garantindo a dedução de 60% na alíquota de Imposto sobre Serviços (ISS). Infelizmente, essa conquista foi ameaçada em 2014, mas o sindicato não se deu por vencido e retomou o benefício em 2016. Em âmbito federal, depois de 12 anos de empenho no Congresso, a categoria foi inserida no regime tributário do Simples Nacional, com papel de relevância exercido pelos goianos. No ano passado, por ocasião do aniversário de 30 anos de fundação da entidade, foram promovidas pelo SINCOR-GO uma série de atividades e eventos alusivos à data. Um dos pontos altos foi a criação de um selo comemorativo, em parceria com os Correios. “Sinto-me orgulhoso e honrado por fazer parte de boa parte dessa trajetória, que já ultrapassa três décadas. Não tenho dúvida de que a nossa força está na união da categoria”, afirma Henderson de Paula Rodrigues, presidente do SINCOR-GO.


PROJETO DE MARKETING

SINCOR-GO | 5

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

O SINCOR-GO

Registro de uma das recentes edições do Prêmio Bandeirante, um dos maiores do Brasil e principal evento da cadeia produtiva do setor no Estado

Projetos e ações A FORÇA DO SINCOR-GO VEM EM BOA PARTE DE SUA CAPACIDADE DE SE RENOVAR E INVESTIR EM NOVAS IDEIAS. EM 31 ANOS DE EXISTÊNCIA, O SINDICATO DESENVOLVEU VÁRIOS PROJETOS PARA FOMENTAR O CRESCIMENTO PROFISSIONAL DOS ASSOCIADOS E O RECONHECIMENTO DA CATEGORIA PELA SOCIEDADE COMO UM TODO. CONHEÇA ALGUNS DELES.

CAFÉ E SEGUROS O Café e Seguros é um ciclo de debates que, depois de sua segunda edição, concluída em agosto, consagrou-se na agenda dos profissionais goianos como uma possibilidade de aprimoramento profissional e networking. Realizado em etapas nas diretorias territoriais ao longo do ano, o encontro contempla várias cidades de referência, abrangendo todas as regiões do Estado. Na edição de 2017, colocou em pauta os temas inovação, tecnologia e empreendedorismo no mercado de seguros.

de veículos e linguagens, incentivando a liberdade de imprensa e o fomento à informação de qualidade sobre seguros. PRÊMIO BANDEIRANTE Idealizado há 18 anos para reconhecer as melhores companhias seguradoras, o Prêmio Bandeirante é definido por corretores de seguros associados ou não ao sindicato. Com ampla abrangência, a premiação contempla companhias com expertise em 14 diferentes ramos. BANCO DE TALENTOS Criado em 2010, o Banco de Talentos é uma iniciativa que, em parceria com a Escola Nacional de Seguros, incentiva a capacitação de jovens a partir de 16 anos. Posteriormente, o SINCOR-GO fomenta o ingresso desses aprendizes como assistentes-técnicos na indústria do seguro. Além de Goiânia, os cursos também ocorrem em cidades do interior do Estado.

PRÊMIO DE JORNALISMO Em sua terceira edição, o Prêmio Sincor-GO de Jornalismo conquistou a imprensa goiana e nacional. Criado para fomentar a produção de materiais jornalísticos que abordem a importância do seguro para a proteção da sociedade, o concurso atrai jornalistas de vários tipos

SACS O Serviço de Atendimento a Corretores e Segurados (SACS), instituído pelo SINCOR-GO, é um canal de comunicação e de prestação de serviço. Por meio dele, o interessado pode manifestar sua opinião, denúncia ou crítica, além de sanar qualquer dúvida em relação ao tema seguros.

CIRCUITO VIDA SEGURA Idealizado pelo SINCOR-GO, o Circuito Voda Segura chegou neste ano à sua quarta edição. Criado para incentivar hábitos saudáveis promovendo corridas na capital, o evento oferece prêmios em diversas categorias. Apesar de ter como público alvo os profissionais do setor e suas famílias, toda a comunidade é convidada a participar da atividade. SEGURO DPVAT Desde 1999 o SINCOR-GO atende gratuitamente aos beneficiários do DPVAT, oferecendo orientação e montando o processo para o devido encaminhamento. Os atendimentos são realizados em postos em Goiânia, Aparecida de Goiânia, Senador Canedo, Itumbiara, Jataí, Rio Verde e Mineiros. SINCOR SOLIDÁRIO Iniciado em 2007, o SINCOR Solidário contempla instituições filantrópicas que atendem pessoas em situação de risco e vulnerabilidade socioeconômica. Os corretores de seguros associados, seguradoras parceiras e comunidade em geral apoiam o projeto ao longo do ano e na promoção de eventos beneficentes. No final do ano, o sindicato e seguradoras se unem para a doação de brinquedos.


6 | SINCOR-GO

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

PROJETO DE MARKETING

MERCADO MARGINAL

Proteção pirata À MARGEM DA LEI, COOPERATIVAS E ASSOCIAÇÕES DE PROTEÇÃO VEICULAR COLOCAM PATRIMÔNIO DA POPULAÇÃO EM RISCO De pequenos reparos à assistência técnica mais complexa, passando por cobertura total de sinistro, o seguro automotivo é um dos serviços mais procurados pelos brasileiros, que confiam na resposta rápida e leal de corretores de seguros e das companhias seguradoras em todo o País. Querendo se aproveitar desta confiança, associações e cooperativas têm oferecido aos

consumidores um produto, conhecido como proteção veicular, como se fosse uma apólice de seguros, deixando muita gente no prejuízo. Por isso, não por acaso o contrato de proteção veicular ficou conhecido como ‘seguro pirata’. Seguro para automóveis e proteção veicular são produtos bem diferentes. A Superintendência de Seguros Privados (Susep), autarquia federal bra-

sileira responsável pela autorização, controle e fiscalização dos mercados de seguros, não reconhece o contrato de proteção veicular -- portanto, essa prática marginal não pode ser regularizada ou mesmo fiscalizada, aumentando ainda mais os riscos para quem opta por este tipo de produto. No contrato de proteção veicular a confusão começa cedo: o consumidor pode ser

surpreendido com o aumento repentino do preço das parcelas durante o período de vigência do contrato. Com o seguro, original das seguradoras -- e indicado pelo seu corretor de seguros de confiança -- o preço do seguro é fixo, podendo ter, apenas, reajuste anual. Mas o dano pode ser ainda maior. As cooperativas de proteção veicular podem não ter a reserva técnica necessária para

pagar a indenização na hora de um sinistro. Além da dor de cabeça, muitas vezes nem por via judicial o consumidor ludibriado consegue receber sua indenização. Não raro, essas cooperativas e associações sequer têm endereço fixo. Receber sua indenização em até 30 dias é garantido com as seguradoras, que são fiscalizadas e reguladas pelos órgãos competentes do governo federal.

Ofensiva do Legislativo e do Governo Medidas para alertar e proteger o consumidor da fraude que é a proteção veicular, vendida como seguro, vêm sendo tomadas no ambiente legislativo. O Projeto de Lei 3139/2015, de autoria do deputado federal goiano Lucas Vergilio, proíbe associações, cooperativas e clubes de benefícios de realizar contratos de natureza securitária ou quaisquer produtos que sejam assemelhados ou idênticos aos de seguros de danos ou de pessoas, bem como instituir e administrar fundos mútuos. “O mercado de seguros brasileiro é altamente regulado, supervisionado, fiscalizado. O Poder Público precisa abrir os olhos para esse verdadeiro crime contra o Estado Brasileiro,

que é a atuação das associações de proteção veicular, altamente prejudicial ao consumidor”, alerta Lucas Vergilio. Campanhas dos diversos órgãos e entidades representativas ligados ao setor de seguros também estão em curso em vários canais de comunicação, informando ao consumidor sobre a importância de consultar o seu corretor de seguros sobre o produto que vai proteger realmente o seu patrimônio. A Superintendência de Seguros Privados (Susep) é autora de 180 ações civis públicas movidas contra essas associações. No Ministério Público Federal há duas centenas de processos administrativos relacionados à proteção veicular.

“UM GRANDE RISCO QUE O CONSUMIDOR CORRE É QUE ELE COMPRA ESSE PRODUTO ACHANDO QUE ESTÁ CONTRATANDO UM SEGURO, O QUE NÃO É VERDADE” Joaquim Mendanha de Ataídes, superintendente da Susep


PROJETO DE MARKETING

SINCOR-GO | 7

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

MERCADO MARGINAL

Prejuízo para o consumidor FENACOR ALERTA PARA A ATUAÇÃO ILEGAL DE EMPRESAS QUE COMERCIALIZAM PRODUTOS NÃO REGULADOS PELOS ÓRGÃOS DE CONTROLE NO BRASIL O dirigente da Fenacor, federação que reúne os Sincor’s do País, Armando Vergilio, detalha os riscos que a população corre ao contratar esse tipo de produto e destaca as ações que vêm sendo adotadas pelas autoridades, no sentido de garantir a adequada punição das empresas. “A atuação dessas associações que comercializam a chamada ‘proteção veicular’, que eu prefiro classificar como “proteção pirata”, representa um risco altíssimo para os consumidores. Muitas empresas anoitecem, mas não amanhecem, desaparecem na calada da noite causando prejuízos para os associados”, alerta. Segundo frisa Armando Vergilio, “são entidades que atuam à margem da lei, formando um mercado marginal e assumindo um compromisso que não podem cumprir, que nada protege e, decididamente, não é seguro”, frisa. O presidente da Fenacor enumera algumas das fren-

tes de combate a esse tipo de comercialização. “Não é por acaso que a Susep já conseguiu gerar cerca 180 ações civis públicas, nas quais é a autora principal, contra essas associações. Além disso, há ainda 200 processos administrativos instaurados para apurar irregularidades. O Ministério Público e a Polícia Federal também já promoveram várias ações contra essas entidades, algumas já foram fechadas e outras estão sendo investigadas por todas as regiões do País”, diz. Armando Vergilio reforça: “Essas entidades não cumprem regras preestabelecidas pela legislação. Afrontam a Lei do Colarinho Branco, que define os crimes contra o sistema financeiro nacional e prevê de um a quatro anos por quem operar, sem autorização, ou com autorização obtida mediante declaração falsa. As associações não dispõem de bases técnicas atuariais que estabeleçam probabilidades de riscos e não são fiscalizadas”, afirma.

“SÃO ENTIDADES QUE ATUAM À MARGEM DA LEI, FORMANDO UM MERCADO MARGINAL E ASSUMINDO UM COMPROMISSO QUE NÃO PODEM CUMPRIR, QUE NADA PROTEGE E, DECIDIDAMENTE, NÃO É SEGURO” Armando Vergilio, dirigente da Fenacor

PROTEÇÃO VEICULAR NÃO É SEGURO CORRETOR DE SEGUROS No seguro, o corretor é o profissional legalmente habilitado a intermediar o contrato entre o segurado e a companhia seguradora. Orienta, oferece consultoria e auxilia o segurado em caso de sinistro. Na proteção veicular, o corretor de seguros não atua, ficando o consumidor a mercê do que é oferecido pelo representante da associação.

PERFIL DO CLIENTE No seguro, o perfil do condutor é cuidadosamente analisado para cálculo do valor do prêmio. Assim, condutores com menor risco potencial pagam menos. Na proteção veicular, desconsidera-se por completo o perfil do condutor. O cálculo leva em consideração apenas o valor do veículo.

REGULAMENTAÇÃO/FISCALIZAÇÃO O seguro é uma prática comercial prevista em lei que conta com regulamentação e fiscalização do Governo e proteção dos órgãos do consumidor. A proteção veicular é uma prática não regulamentada e não fiscalizada no Brasil.

INDENIZAÇÃO No seguro, o risco é assumido pela companhia seguradora, que dispõe de reserva técnica, exigida por lei, para honrar possíveis indenizações em caso de sinistro. Na proteção veicular, o risco é dividido entre os associados, não havendo reserva técnica garantida pelas associações para pagamento de indenizações.

BÔNUS No seguro, condutores recebem bônus ano a ano devido à não ocorrência de sinistros. Na proteção veicular, inexiste a oferta de bônus.

COBERTURA DE FURTOS SIMPLES No seguro, está prevista. Na proteção veicular não tem.

PAGAMENTO DE PERDA TOTAL No seguro, ocorre 30 dias após a entrega de documentos. Na proteção veicular, 90 dias após a entrega de documentos. Fonte: Susep e Minuto Seguros


8 | SINCOR-GO

PROJETO DE MARKETING

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

No centro das discussões sobre o mercado de seguros EVENTO REÚNE CERCA DE 5 MIL PESSOAS PARA DEBATER OS SEGUROS NA ERA DIGITAL De hoje (12) a sábado (14), Goiânia se torna a capital da indústria do seguro graças à realização do 20º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros, promovido pela Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor) em parceria com o Sindicato dos Corretores de Seguros de Goiás (SINCOR-GO). Realizado no Centro de Convenções de Goiânia, o evento tem como tema central “O Setor de Seguros na Era Digital”. O encontro promoverá uma série de discussões e indicará caminhos diante da realidade disruptiva e de conexão global que envolve o segmento. A programação conta com várias atividades sobre este segmento essencial de nossa economia, que corresponde a cerca de 6% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. A abertura do congresso, hoje à noite, contará com a presença do governador do Estado, Marconi Perillo. “A realização de um congresso nacional da área de seguros em Goiás é o justo reconhecimento da expansão desse mercado no Estado e da excelência dos profissionais da área que aqui atuam. A iniciativa tem o integral apoio do Governo de Goiás, que tem na indústria

Marcelo Blay, Richard Belle Branco e Fabrício Saad ministrarão oficinas no congresso

de seguros uma parceira do desenvolvimento econômico e humano do Estado”, frisou o governador. Ao todo, 36 convidados de várias regiões do País vão se revezar entre oficinas de trabalho, palestras e talkshows, fazendo do Congresso um polo irradiador de novas tendências do mercado de seguros. O evento, o maior do mercado brasileiro, reunirá em torno de 5 mil pessoas de todo o Brasil. Foram convidados nomes de relevância no mercado, autoridades, representantes de entidades e analistas para oferecer aos participantes um abrangente painel sobre questões ca-

ras ao setor. As insurtechs, o relacionamento com o cliente hiperconectado, as mudanças de paradigmas na carreira do corretor e na estrutura das empresas, a regulação, a fiscalização do mercado e a economia colaborativa figuram entre tópicos que serão tratados. Referência quando o assunto é o mercado digital, a Minuto Seguros terá sua trajetória contada em detalhes pelo CEO da empresa, Marcelo Blay. “Nós buscamos entender o perfil de risco do cliente, sempre com uma ótica da maximização do custo x benefício, usando ferramentas tecnológicas e estatísticas”, diz o empresário ao

comentar o diferencial da corretora de seguros multicanal. “A internet nos permite chegar a consumidores que não conhecem canais tradicionais de distribuição”, frisa Blay, acrescentando que trabalha com corretores de seguros preparados para atendimento por telefone, e-mail, SMS, Whatsapp ou chat. Consultor de projetos de comunicação omnichannel, com foco no relacionamento com clientes, Richard Belle Branco, CEO da agência goiana Ampli Comunicação, vai proferir três oficinas no congresso e se preocupa em desfazer alguns mitos em relação ao futuro digital do

mercado de seguros. “Não se trata apenas da digitalização de processos ou plataformas”, explica o consultor. “O posicionamento digital tem que corresponder à experiência e expectativa do usuário, considerando o novo comportamento de consumo e o relacionamento por meio da via digital. Não por acaso, as insurtechs estão atentas a esse comportamento.” Fabricio Saad, professor da área Digital & Innovation da Escola Superior de Propaganda e Marketing, também palestrante, fala sobre sua participação: “De modo geral abordarei no congresso o tema digital e inovação e como isso está impactando no dia a dia do mercado e quais as oportunidades que nos trazem”, adianta o estatístico, que tem 15 anos de experiência como executivo de marketing digital. A gama de palestrantes do congresso conta ainda com outras figuras de peso, como Rivaldo Leite , diretor geral da Porto Seguro; Denise Barbosa, jornalista de Economia da GloboNews; Octávio de Lazari, presidente da Bradesco Seguros; e Gabriel Portella, presidente executivo da SulAmérica, entre outros.

Congresso volta a Goiás após 20 anos Goiás foi anunciado sede do 20º Congresso Brasileiro dos Corretores de seguros durante a realização da edição anterior do evento, em Foz do Iguaçu (PR), em 2015. Naquela ocasião, destacou-se o grande potencial do Estado para recepcionar, pela segunda vez, 20 anos depois, o maior congresso do segmento no Brasil. O evento foi realizado em Goiás, pela primeira vez, em 1997. O goiano Armando Vergi-

lio, hoje presidente da Fenacor, presidia o SINCOR-GO, na década de 90, quando o congresso foi realizado em Goiânia. “Tenho um orgulho enorme de, agora, estar à frente da nossa federação nacional nesse momento em que realizamos o 20º congresso aqui, na nossa capital, onde está o SINCOR Goiás, que é também a minha casa”, afirma. Presidente do SINCOR-GO, Henderson de Paula

Rodrigues destaca a excelência da equipe responsável pela organização do congresso. “Tudo foi preparado pela Fenacor com grande esmero para que os corretores de seguros de todo o País se sentissem como realmente são: a razão de tudo o que vamos fazer nesses três dias. Estamos imensamente honrados por fazer parte deste momento histórico para a corretagem de seguros brasileira e goiana, especialmente.”

Henderson de Paula Rodrigues, presidente do SINCOR-GO


PROJETO DE MARKETING

SINCOR-GO | 9

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

MERCADO EM TRANSFORMAÇÃO

Lei do Desmonte contra a indústria de peças roubadas A REGULARIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE PEÇAS USADAS INFLUENCIARÁ NA QUEDA DE ROUBOS E FURTOS DE CARROS A Lei federal nº 12.977, de 2014, mais conhecida como a Lei do Desmonte, que trata da regularização da venda e comércio de peças usadas de veículos, pode amenizar o cenário diário dos brasileiros, traumatizados com a violência gerada pelos roubos e furtos de carros, que atinge níveis alarmantes. A legislação prevê o cadastramento das oficinas de desmonte de carros pelos Detrans e a garantia do Inmetro e está em fase de implementação em Goiás. As estimativas não são modestas e entidades como a Fenacor e o SINCOR-GO acreditam que, quando a lei estiver em pleno funcionamento, o número de roubos e furtos de veículos no País possa cair em até 50%, pois grande parte desses crimes ocorre em virtude da indústria de peças roubadas. “O principal benefício dessa lei é a melhoria da segurança pública, pois ela deve contribuir para a diminuição de furtos e roubos de veículos ao combater o comércio clandes-

parcela notável da população brasileira.

tino de peças usadas”, afirma Manoel Xavier, presidente do Detran-GO. Armando Vergilio, autor da lei e atual presidente da Fenacor, lembra que a implementação da norma vai viabilizar o seguro popular, pois em consequência dessa legis-

lação as seguradoras poderão oferecer coberturas com reposição de peças usadas. Hoje a indústria do seguro só trabalha com peças originais, pois não há como saber a procedência ou garantir a qualidade das mesmas. As seguradoras também

Legislação tem impacto no meio ambiente e segurança A nova legislação também tem um papel ecológico. “Haverá avanços na preservação do meio ambiente e na proteção do consumidor. A legislação estabelece normas para o descarte de óleo, fluídos e carcaças que, hoje em dia, são jogados em qualquer lugar”, acrescenta Xavier. A empresa de desmonte deverá ter um ambiente aparelhado para a retirada e contenção dos materiais poluentes, bem como o seu descarte responsável. É bom lembrar que parte dos acidentes de trânsito acontece em decorrência da qualidade duvidosa das peças irregulares. Com frequência, o material clandestino é proveniente de veículos que foram avariados e restaurados, quan-

do na verdade deveriam ter sido descartados como sucata. Com a Lei do Desmonte em pleno funcionamento, o consumidor terá acesso a peças avaliadas e aprovadas pelo Inmetro. Como as peças usadas vão receber selo de segurança, adianta o presidente da autarquia, o consumidor saberá que está adquirindo um produto de boa procedência e seguro. Para se adequarem às exigências da nova legislação, as empresas cadastradas estão sendo orientadas pelo Detran. Além da elaboração de uma cartilha, ainda foi firmado convênio com a Polícia Civil, que também irá auxiliar na prevenção e combate ao comércio irregular de peças usadas.

“AGORA, PARA QUE OS USUÁRIOS POSSAM USUFRUIR DE FORMA PLENA DOS BENEFÍCIOS QUE A LEGISLAÇÃO PODERÁ TRAZER É NECESSÁRIO QUE HAJA UM SISTEMA NACIONAL INTEGRADO, INTERLIGANDO OS DADOS DE TODOS OS ESTADOS”

têm a ganhar com a legalização desse comércio. Além da provável queda dos índices de roubo e furtos de veículos, de grande impacto na economia dessas empresas, com a criação de planos com menor custo é possível viabilizar o seguro popular, que atingirá uma

EVOLUÇÃO A implementação da Lei do Desmonte em Goiás, segundo o Detran, está dependendo apenas da fixação da tarifa dos selos e da adesão para credenciamento das empresas de desmonte, que vão comercializar as peças. “Com a publicação da Lei Estadual nº 19.262, em 26 de abril de 2016, por exemplo, pudemos iniciar o credenciamento de empresas para a confecção do selo, que deve constar nas peças usadas, e sua rastreabilidade. Todas as empresas que atenderem aos requisitos poderão se credenciar”, informa o presidente do Detran, Manoel Xavier. Ele explica que a norma estadual também criou a Gerência de Ação Integrada (GAI) na estrutura da autarquia, em substituição à comissão que já vinha implantando medidas estruturais para adequação do setor de revenda de peças usadas à legislação nacional.

FIQUE ATENTO l A não adequação à legislação poderá gerar penalidades para a empresa de desmonte e comércio de peças usadas, como advertências, multas, suspensão temporária da atividade e o fechamento definitivo do estabelecimento. l É necessário que o espaço de desmonte seja separado do local de venda das peças. l Quem comercializar peças novas não pode comercializar peças usadas. l O Detran providenciará a ferramenta eletrônica (software) para o cadastramento dos veículos destinados ao desmonte, bem como das peças negociáveis e a destinação das que não possuírem os requisitos técnicos para serem reutilizadas, além da destinação final. Tal ferramenta deverá ser adquirida pelo empresário, bem como as etiquetas, rastreáveis que deverão ser colocadas em todas as peças destinadas à venda.

Manoel Xavier, presidente do Detran-GO

(Fonte: Guia para regularizar sua empresa - Detran-GO)


10 | SINCOR-GO

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

PROJETO DE MARKETING

12 DE OUTUBRO - DIA DO CORRETOR DE SEGUROS

Mais de 30 mil empresas e 150 mil empregos diretos FENACOR APRESENTA DURANTE O 20º CONGRESSO BRASILEIRO DE CORRETORES DE SEGUROS NOVO ESTUDO QUE FAZ UMA RADIOGRAFIA DO SETOR NO BRASIL A história da atividade seguradora no Brasil começa em 1808 com a abertura dos portos ao comércio estrangeiro. No entanto, demorou mais de 150 anos para que a profissão do corretor de seguros, celebrada neste 12 de outubro, fosse oficialmente reconhecida. A lei 4.594, de 1964, regulamentou este ofício -- após um longo e árduo trabalho da categoria -- que não parou de progredir em seu zelo no exercício da profissão e, consequentemente, na proteção do patrimônio da sociedade brasileira. Hoje, compõem um segmento formado por cerca de 30 mil empresas que geram em torno de 150 mil empregos diretos no País. Em 1968 foi criada a Superintendência de Seguros Privados (Susep), autarquia federal que fiscaliza e controla o funcionamento das sociedades seguradoras e entidades abertas de previdência privada. Outra importante e histórica conquista daquele ano foi a criação da Federação Nacio-

nal dos Corretores de Seguros (Fenacor), entidade que se agigantou ao longo dos anos como referência na defesa dos interesses dos corretores de seguros e, consequentemente, do mercado como um todo. Em 1971 surge a Escola Nacional de Seguros, instituição máxima de ensino na área e símbolo vivo da preo-

cupação da categoria com a melhor qualificação para seus representantes. Para ser reconhecido legalmente como tal, o corretor de seguros precisa passar pelos exames e cursos ministrados pela instituição de ensino. Para exercer a profissão é necessária uma autorização concedida pela Susep, que por

sua vez exige certificado de aprovação do candidato pela Escola Nacional de Seguros. O curso de habilitação para corretores de seguros dura nove meses e, apesar da sede da instituição ser no Rio de Janeiro, os cursos estão disponíveis em todas as regiões do Brasil. O corretor de seguros é o profissional regulamentado

que trabalha em prol do segurado. Dentro da cadeia produtiva do mercado de seguros é ele quem faz o intermédio e o contato entre a seguradora e o cliente. Efetivamente, o profissional atua como um especialista, um consultor, e não apenas como uma vendedor de apólices de seguros. Entre suas responsabilidades destacam-se a verificação de todo o conteúdo das apólices e, principalmente, identificar a melhor opção visando à proteção do patrimônio do segurado. O corretor deve ajudar o cliente a escolher a seguradora mais adequada, seja do ponto de vista técnico ou econômico-financeiro. No entanto, o profissional não está vinculado a uma companhia seguradora, o que lhe garante independência e credibilidade. O corretor é remunerado por uma porcentagem do prêmio (valor pago pelo segurado para contratação de um seguro), remuneração esta regulamentada por lei.

Microempreendedores são maioria no setor A Fenacor apresenta durante o 20º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros uma radiografia inédita do mercado de corretagem de seguro: a 3ª edição do Estudo Socioeconômico das Corretoras de Seguros Pessoas Jurídicas. Com o objetivo de delinear o perfil socioeconômico do segmento, formado por cerca de 30 mil empresas no Brasil, o estudo desta edição teve como foco O Setor de Seguros na Era Digital, o mesmo que norteia o congresso em 2017. Entre maio e julho deste ano, corretoras de seguros de 26 estados brasileiros responderam a um questionário que permite diversas conclusões sobre o segmento. Ao todo, 117 empresas com atuação em Goiás responderam à pesquisa. Formado prioritariamente por microempresas, 50% des-

“ESTAMOS FALANDO DE UM SEGMENTO QUE TEM CRESCIDO E GERADO EMPREGO E RENDA. MICROEMPREENDEDORES, EM SUA MAIORIA, QUE TÊM FEITO A DIFERENÇA, DE NORTE A SUL DO BRASIL.” Armando Vergilio, presidente da Fenacor

te universo tem faturamento de até R$ 500 mil em prêmios. Dez por cento opera num marco de mais de R$ 7 milhões de faturamento. Quanto ao número de funcionários, 20% dos pesquisados atua sozinho e 45% com 2 ou 3 funcionários. Um percentual de 24% das empresas tem de 4 a 7 funcionários e 3% tem mais de 18 colaboradores. A concentração do setor é no ramo automóvel, que corresponde, em média, a 60%

dos prêmios obtidos pelo setor. Apenas 7% das empresas não lidam com o produto auto. Já os ramos de vida e saúde correspondem a, respectivamente, 12% e 9% dos prêmios. COMUNICAÇÃO Os resultados do estudo da Fenacor apontam para a valorização das novas tecnologias pelas empresas do ramo. Hoje, cerca de 85% delas, independentemente de seu porte, utilizam as redes sociais assidua-

mente para se comunicar com seus clientes. Num estudo similar realizado em 2015, essa média era de 55%. Atualmente, emails são utilizados por 85% das corretoras para esse fim. Já o uso de sites é mais frequente pelas empresas de maior porte. O telefone ainda é a forma prioritária de comunicação, sendo utilizado por 90% das corretoras na hora de se comunicar com clientes. Na gestão de negócios, o uso de softwares depende do tamanho da empresa: a diferença de utilização passa de um patamar de 50% a 60% das corretoras existentes para 90%, à medida que a empresa aumenta de tamanho. A pesquisa também indica qual a opinião dos corretores sobre a tecnologia. Apenas 2% a consideram prejudicial, enquanto 93% a avaliam como

importante no relacionamento com o segurado. O mesmo não vale para a captação e prospecção de clientes: embora continue bem avaliada, a proporção é um pouco menor e 15% das corretoras disseram que são indiferentes em relação à tecnologia. Em outro tópico, 94% das respostas indicam que os corretores de seguros são vistos como indispensáveis na venda de seguro. A categoria está mais dividida quanto à venda de seguros em sites: 60% dos entrevistados estão preocupados e 40% dos participantes manifestaram opinião diferente (discordando ou sendo indiferente). Perguntados se a Fenacor deveria desenvolver uma plataforma digital de vendas que aproxime a corretora de seguros do segurado, 80% das empresas aprovou.


PROJETO DE MARKETING

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

SINCOR-GO | 11


12 | SINCOR-GO

PROJETO DE MARKETING

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

ATIVIDADE LEGISLATIVA

Em defesa da sociedade e do corretor de seguros DEPUTADO FEDERAL LUCAS VERGILIO SE DESTACA EM BRASÍLIA COM AGENDA PROPOSITIVA SOBRE O MERCADO DE SEGUROS Com expressiva votação, Lucas Vergilio foi eleito em 2014 como o deputado federal mais jovem na história de Goiás e, no início de setembro, ele foi escolhido para exercer a função de vice-líder do Governo na Câmara. O parlamentar tem se destacado no Congresso Nacional pela atuação incisiva em vários temas de interesse da sociedade, além de ser um representante ativo dos corretores de seguro na casa. Vice-presidente do SINCOR-GO, ele é filho de Armando Vergilio, ex-deputado federal e atual presidente da Federação Nacional dos Corretores de Seguros. Apesar da juventude, o deputado já tem um currículo invejável como legislador. Assim que assumiu, uma de suas primeiras ações foi na área de tributação, enfrentando a Receita Federal, que queria retirar os corretores da faixa mais vantajosa do Supersimples,

Lucas Vergilio representa Goiás e o mercado de seguros na Câmara dos Deputados

Focos de atuação na Câmara O Congresso Nacional também é arena de combate a duas grandes ameaças para o setor: as cooperativas e associações de proteção veicular e plataformas digitais como a Youse, que carecem de regulamentação. Para o deputado, nenhuma delas tem arcabouço jurídico nem regulamentação de um órgão regulador ou de fiscalização. “No mundo inteiro esse mercado é regulamentado, supervisionado e fiscalizado, pois trata-se do patrimônio das pessoas, de recursos que vão ser usados daqui a 30, 40

após uma luta de anos da categoria para que pudessem ser inseridos naquela modalidade de tributação. Ainda em 2015, ele priori-

anos. O seguro mexe na vida das pessoas e não é qualquer um que pode chegar e dizer que vai atuar neste mercado”, frisa Lucas Vergilio. “Conseguimos rejeitar dois projetos que tentavam regulamentar essas associações”, reforça ele, que é autor do projeto de Lei 3139/15, que proíbe associações e cooperativas de comercializarem contratos de natureza securitária. “Essa não é uma causa apenas de uma categoria, mas da sociedade brasileira. Os consumidores estão sendo ludibriados pelas coope-

zou na agenda o PL 10/2015, sobre a estruturação do seguro de vida com cláusulas de cobertura por sobrevivência, incluindo os que contarão com

rativas e associações de proteção veicular”, observa. Outra preocupação do goiano é garantir uma legislação eficaz diante do impacto inevitável das novidades do mercado resultantes da tecnologia digital, como as insurtechs e fintecs. “As novas tecnologias obviamente são bem-vindas, mas não podem ser tratadas de qualquer maneira. São novidades modernas, mas esses recursos devem ser incorporados à prática sem atropelar o caminho jurídico necessário para uma atividade legal”, avalia.

isenção tributária. A emenda, que resultou em um novo produto, o Prev Saúde, foi aprovada com impressionante rapidez e está em fase de tra-

mitação no Senado. Em 2016, o deputado concentrou esforços na redação do Projeto de Lei 3.555/04, que representará a Lei Geral dos Contratos de Seguros. O texto original, para Lucas Vergilio, prejudicaria os corretores, pois iria judicializar o mercado de seguros como um todo, sem levar em conta o mercado de varejo ou de pequenos riscos. Foram substituídos ou retirados itens considerados danosos para a categoria, como um que explicitava na apólice a percentagem de comissão do corretor. “Contribuímos com modificações importantes e mais justas para o corretor naquela que será a bíblia do direito securitário”, explica. Outro tema de seu interesse foi o retorno da obrigatoriedade do registro profissional do corretor de seguros. O projeto, que reforça a importância dessa figura no mercado, também prevê a certificação digital.

PROJETOS E AÇÕES NO CONGRESSO NACIONAL alguma forma da cadeia de distribuição e venda de produtos contrabandeados ou roubados.

Ao longo destes dois anos e meio de mandato, Lucas Vergilio já angariou recursos para Goiás, através de emendas, nas áreas de saúde, turismo, transporte, educação e cidades. O total foi de R$ 4,1 milhões em 2015, R$ 12 milhões em 2016 e R$ 11 milhões neste ano de 2017. Seja como autor, relator ou presidente de comissões, o deputado se destaca no Congresso, atuando, além da área do seguro, em demandas de interesse de toda a comunidade. Veja algumas delas.

l Relator do Projeto de Lei 6.884/10, que defende seguro-desemprego para pescador artesanal afetado por clima. l Autor de projeto que dá nova redação a decreto de 1966 sobre a obrigatoriedade de contratação de seguro para eventos.

l Autor do PL 5.996/16, que vai permitir que a avó materna ou o avô materno se afaste do trabalho por cinco dias, sem prejuízo do salário, em caso de nascimento da criança cujo nome do pai não tenha sido declarado.

l Autor do PL 7.900/17, que responsabiliza administrativa e civilmente qualquer pessoa ou empresa que participar de

l O PL 7.579/2017, de sua autoria, dispõe sobre a regulação da atividade econômica realizada por meio de plataformas digitais.

l Relator do PL 1.819/15, que pune como ato de improbidade administrativa o atraso no repasse de recursos financeiros

l Presidente da comissão especial que analisará a PEC 302/17, sobre a autonomia e segurança jurídica dos Tribunais de Contas dos Municípios.

necessários ao custeio do Fies e do Pronatec, já em andamento. l Relator do PL 4.607/2016, que dispõe sobre concessão de financiamento, via BNDS, para micro e pequenas empresas. l Autor do PL 13/2015, sobre a inclusão dos medicamentos para disfunções tiroidianas, fibromialgia, artrite reumatoide, ansiedade e depressão no rol de produtos que poderão ser disponibilizados pela Fundação Oswaldo Cruz, mediante ressarcimento, no âmbito do programa “Farmácia Popular do Brasil.


PROJETO DE MARKETING

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

SINCOR-GO | 13


14 | SINCOR-GO

PROJETO DE MARKETING

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

IMAGEM INSTITUCIONAL

Autoridades destacam representatividade nacional do SINCOR-GO e do mercado de seguros de Goiás Ouvidos pelo SINCOR Goiás, lideranças locais e nacionais ressaltam a capacidade institucional dos representantes da entidade em dialogar com os mais diversos segmentos em prol do fortalecimento do mercado de seguros no Estado. Destaque no “A INDÚSTRIA DO SEGURO EM GOIÁS ACOMPANHOU O FORTE CRESCIMENTO DA ECONOMIA DO ESTADO NOS ÚLTIMOS 20 ANOS E COMO RESULTADO DO EXPRESSIVO AVANÇO DO NÍVEL DE RENDA DOS GOIANOS, JÁ QUE HÁ UMA RELAÇÃO DIRETA ENTRE O AUMENTO DO PODER AQUISITIVO E A CONTRATAÇÃO DE PRODUTOS EM SEGUROS. GOIÁS TEM ATUALMENTE UMA DAS INDÚSTRIAS DE SEGURO MAIS IMPORTANTES E INOVADORAS DO BRASIL, COMO CONSEQUÊNCIA DE UMA CATEGORIA FORTE, PROFISSIONAL E ATUANTE.” Marconi Perillo Governador do Estado de Goiás

Brasil, o Sindicato dos Corretores de Seguros de Goiás foi responsável pela formação de líderes que hoje figuram em posições estratégicas para toda a cadeia do seguro no País. Leia as manifestações colhidas junto a essas lideranças.

“EM NOME DO CONSELHO DIRETOR DA SUSEP, EU PARABENIZO O SINCORGO PELA SUA TRAJETÓRIA DE TRÊS DÉCADAS DE SERVIÇOS PRESTADOS AO SETOR DE SEGUROS. DADA A RELEVÂNCIA DA CATEGORIA DOS CORRETORES, QUE RESPONDE POR 85% DE TODOS OS NEGÓCIOS FECHADOS PELO MERCADO, O TRABALHO DE UMA ENTIDADE REPRESENTATIVA, QUANDO BEM REALIZADO, É MOTIVO DE ORGULHO. HOJE, COMO TITULAR DO ÓRGÃO SUPERVISOR, PERCEBO AINDA MAIS QUE A PALAVRA DE ORDEM PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SETOR É O TRABALHO CONJUNTO, O QUAL RESULTA NA PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR.” Joaquim Mendanha de Ataídes, titular da Superintendência de Seguros Privados (Susep)

“O SINCOR-GO DESEMPENHA UM PAPEL INSTITUCIONAL DE EXTREMA RELEVÂNCIA NA DEFESA DOS INTERESSES DOS CORRETORES E CONSUMIDORES DE SEGUROS E NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO E EVOLUÇÃO DO MERCADO DE SEGUROS. A EXCELENTE IMAGEM MANTIDA PELO SINCOR-GO É RESULTANTE DO ENFRENTAMENTO DOS DESAFIOS DA CATEGORIA REPRESENTADA PELA ENTDADE E DA PARTICIPAÇÃO EFETIVA DE SEUS ASSOCIADOS, SENDO UM GRANDE PARCEIRO DO IBRACOR” Gumercindo Rocha Filho Presidente do Instituto Brasileiro de Autorregulação do Mercado de Corretagem de Seguros, de Resseguros, de Capitalização e de Previdência Complementar Aberta (Ibracor)

“A DIRETORIA DO SINCORGO, SOB A LIDERANÇA DO PRESIDENTE HENDERSON DE PAULA RODRIGUES, DESENVOLVE UM TRABALHO EXEMPLAR. OS CORRETORES DE SEGUROS SÃO PEÇAS FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DO NOSSO SETOR E RECONHECEMOS A IMPORTÂNCIA DESSES PROFISSIONAIS SEREM REPRESENTADOS POR UMA ENTIDADE SÉRIA E COMPROMETIDA. POR ISSO, TEMOS ORGULHO DE APOIAR O SINCORGO, SENDO PARCEIRO EM VÁRIAS INICIATIVAS, EM UMA RELAÇÃO DE COLABORAÇÃO MÚTUA, VISANDO O FORTALECIMENTO DO MERCADO.” Augusto Frederico Costa Rosa de Matos Presidente do SindSeg MG/GO/MT/DF

“O SINCOR-GO É UMA ENTIDADE QUE EFETIVAMENTE REPRESENTA A SUA CLASSE. CONQUISTOU AVANÇOS EXPRESSIVOS PARA OS CORRETORES DE SEGUROS DE TODO O ESTADO DE GOIÁS, O QUE O FEZ GANHAR PRESTÍGIO E CREDIBILIDADE. EM ÂMBITO NACIONAL, TEM SIDO INCANSÁVEL JUNTO À FENACOR NA DEFESA DOS DIREITOS DA CATEGORIA, CONTRIBUINDO PARA O RECONHECIMENTO CRESCENTE DA ATIVIDADE DE CORRETAGEM DE SEGUROS. DESTACA-SE POR SER UM “CELEIRO” DE LÍDERES NACIONAIS, QUE OCUPAM OS MAIS ESTRATÉGICOS CARGOS DA REPRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL E PARTIDÁRIA, DIGNIFICANDO A CATEGORIA.”

“O SINCOR-GO TEM EXTREMA RELEVÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE SEGUROS NO CENTRO-OESTE, COM REPERCUSSÃO NO CENÁRIO NACIONAL. SE DESTACA NA FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS, COMO O DEPUTADO FEDERAL LUCAS VERGILIO. DOIS DOS SEUS EX-PRESIDENTES TÊM ATUAÇÃO DESTACADA NO COMANDO DO SETOR, INCLUSIVE NA DIREÇÃO DA SUSEP, SOB A RESPONSABILIDADE DE JOAQUIM MENDANHA DE ATAÍDES. ESSA CARACTERÍSTICA PECULIAR DO SINCOR-GO CONTRIBUIU PARA QUE NOSSA ENTIDADE PUDESSE ALCANÇAR TANTAS METAS E OBJETIVOS NAS ÚLTIMAS DÉCADAS” Armando Vergilio Presidente da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor)

“É LOUVÁVEL E SINGULAR O EMPENHO DOS REPRESENTANTES DO SINCORGO EM AMPARAR O SETOR NO ESTADO. TAMBÉM LOUVÁVEL O ALERTA QUE FAZ CONTRA O NEFASTO SEGURO PIRATA, QUE CONHECEMOS COMO PROTEÇÃO VEICULAR. HONRAME TER O SINCOR-GO TODOS ESSES ANOS DO NOSSO LADO, DO LADO DO CONSUMIDOR DE SEGUROS EM GOIÁS. E A REALIZAÇÃO DO CONGRESSO BRASILEIRO DOS CORRETORES DE SEGUROS É FUNDAMENTAL PARA ESSE IMPORTANTE ALERTA” Marcio Coriolano Presidente da Confederação Nacional das Empresas Seguradoras (CNseg)

Robert Bittar Presidente da Escola Nacional de Seguros

“O SINCOR-GO É UMA ENTIDADE COM FORTE ATUAÇÃO NO ESTADO E BOA TRAFEGABILIDADE NA ESFERA FEDERAL. É UM SINDICATO QUE TEM ESTIMULADO DEBATES IMPORTANTES. ESPERAMOS ESTABELECER PARCERIAS FRUTÍFERAS QUE POSSAM CONTRIBUIR PARA A SEGURANÇA VIÁRIA NO ESTADO” Manoel Xavier Presidente do Detran-GO

“A ATUAÇÃO DO SINCORGO NA REPRESENTAÇÃO DO MERCADO DE SEGUROS EM GOIÁS VEM PROPORCIONANDO CADA VEZ MAIS A INTEGRAÇÃO ENTRE CORRETORES E ADVOGADOS, SEJA NA DEFESA DE DIREITOS OU NA ATUAÇÃO DIÁRIA DE AMBAS AS ÁREAS. MAIS DO QUE PARÂMETROS PARA SE RESGUARDAR BENS, PATRIMÔNIOS E A PRÓPRIA VIDA CONTRA EVENTUALIDADES, O SINDICATO TEM SIDO UM IMPORTANTE VEÍCULO DE DISSEMINAÇÃO DA ORDEM ÉTICA NO COTIDIANO DA CORRETAGEM - ESSENCIAL PARA A PROMOÇÃO DA AUTORREGULAÇÃO DO MERCADO E PARA A PROMOÇÃO DE DIREITOS.” Lúcio Flávio de Paiva Presidente da OAB-GO


PROJETO DE MARKETING

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

SINCOR-GO | 15


16 | SINCOR-GO

Quinta-feira, 12 de outubro de 2017

PROJETO DE MARKETING

Projeto de Marketing para o Jornal O Popular  

Caderno especial publicado pelo Sincor Goiás na edição de 12 de outubro de 2017 no jornal O Popular em comemoração ao Dia do Corretor de Seg...

Advertisement