Page 1

JULHO DE 2017 EDIÇÃO Nº 13 DIRETORIA 2016-18

UM JORNAL DO SINASEFE IFMG | FILIADO À CEA E À CSP CONLUTAS

O SINAL CLASSIFICANDO TODOS OS ATOS

www.sinasefeifmg.com.br

Greve Geral! Comitê Central de Mobilização protagoniza lutas em defesa dos direitos na Região dos Incondentes. SINASEFE IFMG segue rme contra política de devastação.

TRABALHADORES E ESTU

DANTES


O SINAL CHARGE DO MÊS

O SINAL

JULHO DE 2017

Charge de Kayser, no blogdokayser

http://blogdokayser.blogspot.com.br/

Diretoria SINASEFE IFMG Coordenação Geral: Maurício dos Santos Guimarães Secretário de Comunicão: Diego de Araújo São Pedro Tesoureiro Geral: Josâne Geralda Barbosa Tesoureiro Adjunto: Elza Magela Diniz Secretário de Assuntos Legislativos e Jurídicos: Juliano Gilliard Rodrigues Xavier Secretário de Pessoal Docente: Sulamita Maria Comini César Rep. Campus Governador Valadares: Virgílio Chagas Resende, Neide do Rosário Lemos Rep. Campus Lafaiete: Anderson Souto, Cristianele Lima Cardoso Rep.

Campus Congonhas:Jeanne

Cristina Sampaio Botelho Rep. Campus Ouro Preto: Adriano Rodolfo Martins Moreira Rep. Campus Betim: Elke Streit de Oliveira e Isamara Grazielle Martins Coura | CONSELHO FISCAL: Ênio Barboza, Regina R. Alves Vilaça, Vicente de P. da Costa Reis O Sinal é uma publicação do SINASEFE IFMG. Jornalista resp.: César Diab (MG 0018885JP) | Impressão: Sempre Editora Ltda. | 1.000 exemplares | Distribuição gratuita SINASEFE IFMG - Rua Pandiá Calógeras, 898, Bauxita - Ouro Preto/MG | CEP 35400-000 | Telefax: (31) 3551-3611. Para assuntos do plano de saúde: (31) 3551-4464. Todo conteúdo deste informativo é de responsabilidade da Diretoria do SINASEFE IFMG.


O SINAL

JULHO DE 2017

Estudo revela que grande parte da mídia negligencia os impactos nega ivos da reforma trabalhista Impressos e telejornais relegam a segundo plano as perdas de direitos da CLT. A adesão do Jornal da Record ao projeto do governo chegou a 100%, enquanto a Folha foi a mais crítica por Repórter Brasil

“Modernizar” uma legislação “anacrônica”, privilegiando a negociação entre patrões e empregados com o objetivo de dinamizar a economia e favorecer a retomada dos empregos. Esse foi o principal argumento da cobertura sobre a reforma trabalhista nos principais veículos do país, conforme levantamento feito pela Repórter Brasil. O Jornal da Record foi o menos crítico à proposta apresentada pelo governo, com 100% das reportagens favoráveis. O Globo foi o segundo mais alinhado, com 88% do conteúdo suportando o que defende o Palácio do Planalto. Em seguida, aparecem o Jornal Nacional (77%) e O Estado de S.Paulo (68%). A Folha de S.Paulo (42%) destoou dos outros veículos, já que criticou a proposta em mais de metade dos seus textos. Para chegar a essa conclusão, a Repórter Brasil analisou mais de 150 textos dos três jornais de maior projeção nacional – Folha, O Globo e Estadão – e 30 minutos de matérias dos dois principais telejornais – Jornal Nacional e Jornal da Record. Foram avaliados os cinco dias anteriores e os cinco posteriores à aprovação do relatório do deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) na comissão especial da Câmara: de 20 a 30 de abril de 2017. Conteúdos em que prevaleciam o detalhamento da proposta, sem a apresentação de contrapontos, ou quando o apoio era explícito foram avaliados como favoráveis e alinhados ao governo. Esse é o critério utilizado pelas maiores empresas do Brasil especializadas em análise de imagem e reputação. Entre os veículos analisados, o Jornal da Record foi o que reverberou mais explicitamente a ideia de que as mudanças pretendidas pela gestão do presidente Michel Temer abrirão novas vagas no mercado. Reforçou essa tese usando depoimentos de estudiosos e de brasileiros anônimos demonstrando “esperança”. Os impressos, em especial o Estadão, deram a entender que se trata de uma briga entre governo e sindicatos, que podem perder a principal fonte de financiamento caso o fim do imposto sindical seja aprovado. Matérias focadas na greve geral de 28 de abril, que apenas mencionavam a reforma trabalhista como uma das insatisfações dos manifestantes, não foram consideradas na contabilização dos números para não distorcerem os resultados. Essas reportagens foram consideradas somente na análise qualitativa. Na cobertura

específica dos protestos, todos os veículos expuseram em primeiro plano ações de vandalismo, confrontos com a polícia e os prejuízos causados à população em decorrência da paralisação dos transportes. Como escreveu a ombudsman da Folha, Paula Cesarino Costa, todos, sem exceção, olharam para o impacto sobre a árvore, deixando de olhar para a situação da floresta. Sem críticas, as razões por trás daqueles atos.Esta é a segunda pesquisa da Repórter Brasil sobre a cobertura que a imprensa tem feito sobre as reformas do governo Temer. Leia também o levantamento sobre a Reforma da Previdência. Veja os detalhes do estudo feito por Repórter Brasil em: https://goo.gl/L8NkyG


O SINAL

JULHO DE 2017

#FORA TEMER

Paralisações e protestos marcam dia de Greve Geral Na segunda Greve Geral do ano, Comitê Central de Mobilização da Região dos Inconfidentes protagonizou mais uma vez mobilizações diversas em Ouro Preto e Mariana avanços e recaídas de movimentos Os trabalhadores brasileiros dirigido por Temer e sua equipe. deram mais uma grande demonstraComo lembrou o coordenador belíssimos como a luta pela anisção de luta no dia 30 de junho contra do SINASEFE IFMG, Maurício Gui- tia, contra a Lei de Segurança as reformas do governo Temer que marães: “Evidentemente, a participa- Nacional, por liberdade partiameaçam a aposentadoria e os direi- ção razoável nas ações se deu por dária, contra a censura do tos trabalhistas. Nitidamente, a diversos fatores. Por exemplo, (1) o Estado, por eleições diresegunda greve geral não foi tão forte enfraquecimento do movimento por tas, por melhores salácomo a primeira, em 28 de abril. algumas centrais sindicais que se rios, postos de saúMuito embora, o dia 30 foi marcado recusaram a usar o termo Greve Geral de, direito à grecom manifestações resistentes em após negociação com o governo; (2) a ve, melhores todos os estados do país mais o Dis- imobilidade de parte da população ; transportes, trito Federal. Apesar das diferenças (3) a crença das pessoas de que as e t c . O u entre as centrais sindicais sobre o reformas vão realmente passar e nada seja, não nome que se daria ao dia de mobili- pode ser feito; (4) e a antipatia de p o d e zação, se Greve Geral ou dia de luta, alguns setores da sociedade com os desaas manifestações que tomaram o movimentos organizados por entidapaís confirmam que os trabalhado- des de servidores públicos''. Mesmo res estão dispostos à luta para derro- assim, sublinha Maurício, essa oscitar as reformas que atacam os direi- lação faz parte de todo um movitos e os corruptos do governo Temer mento de luta. “ É inquestionável e do Congresso. que o Comitê Central de Mobilização está no caminho cerNenhum direito a menos! Coordenador do SINASEFE IFMG, Maurício Guimarães, sublinhou a O SINASEFE IFMG – junta- to. Faz parte da mobilizaimportância dos trabalhadores persistirem na luta (Foto: César Diab). mente com o Comitê Central de ção os altos e baixos Mobilização – protagonizou uma durante os períodos série de atos, manifestações, “tran- de luta. Se olharcasso” e “panfletassos” no dia da mos para a históGreve Geral. Vale lembrar que os r i a r e c e n t e trabalhadores e trabalhadoras do brasileira é IFMG aderiram à paralisação de 24 f á c i l horas e, além disso, o campus do o b s e rInstituto em Ouro Preto ficou tranca- var os do durante todo o dia 30 para que os trabalhadores terceirizados não e tivessem o seu dia de trabalho subtraído de seus salários. Em Ouro Preto e Mariana a participação nos atos públicos também foi mais tímida em comparação à greve em O ato público em Ouro Preto começou no fim da tarde do dia 30/06. Aproximadamente 80 pessoas se concentraram na Praça abril. Todavia, tal reflu- Tiradentes, palco de lutas em prol dos direitos e da liberdade humana. A manifestação durou cerca de três horas (Foto: César Diab). xo não trouxe danos à continuação da luta das entidades e dos trabalhadores contra o desmanche de direit o s o

O campus do IFMG em Ouro Preto amanheceu trancado no dia da greve geral. Não houve movimentação no Instituto (Foto: César Diab) .


O SINAL nimar. O Comitê não está recuando, muito pelo contrário, ele avança, vai continuar e a luta será sim vitoriosa’’. As atividades começaram logo cedo, às 04 da manhã, em Mariana. Estudant e s , popu laA estudante Hellen Guimarães discursa durante ato em Ouro Preto (Foto: César Diab).

JULHO DE 2017 res e trabalhadores impediram o acesso às rodovias que ligam a cidade às mineradoras. Às 10h, também em Mariana, cerca de 150 pessoas se concentraram na Praça da Sé e caminharam sobre as ruas históricas do centro pedindo a retirada de Temer do poder, eleições diretas gerais, revogação da lei da terceirização e o fim das reformas da previdência e trabalhista. Em Ouro Preto as manifestações começaram às 17h, na Praça Tiradentes e terminou às 19h. Líderes de movimentos sociais; membros de entidades sindicais e estudantis; trabalhadores e trabalhadoras da iniciativa privada, pública e ativistas participaram das movimentações e também falaram sobre a conjuntura política brasileira.

Estudantes e trabalhadores se mobilizaram às 04h na rodovia que dá acesso às mineradoras em Mariana (MG) (Foto: Reprodução).

Comitê Central: sete meses de luta

Criado em janeiro de 2017 em Ouro Preto, o Comitê Central de Mobilização dos Trabalhadores e Estudantes da Região dos Inconfidentes é formado por 12 entidades sindicais e estudantis mineiras. O Comitê foi resultado do agrupamento de forças iniciado na greve de 2016 com o Comando Unificado de Greve Ocupação que reuniu trabalhadores e estudantes da Universidade Federal de Ouro Preto e do IFMG que ocuparam seus respectivos institutos. Neste período ocorreu a maior caravana à Brasília protagonizada pelos sindicatos na história dos municípios. Dez ônibus lotados de estudantes e trabalhadores foram à capital federal lutar contra a PEC do Fim do Mundo (PEC 55) e enfrentaram uma expressiva repressão policial. Durante a greve o Comando Unificado de Greve Ocupação realizou oito atos públicos em Ouro Preto e sete em Mariana. Várias rodovias da região foram paralisadas pelo Comando Local de Greve nos dias que antecederam a votação da PEC 55, como a BR-381 próximo a João Monlevade, e a BR-040 em Cogonhas. De janeiro até julho, o Comitê Central de Moblização já realizou cinco atos públicos, além da participação de 250 pessoas no Ocupa Brasília, no Distrito Federal, em maio. Fique atento às próximas ações do Comitê e participe das mobilizações!

Em Mariana, a mobilização teve início na Praça da Sé, às 10h e, após marcha sobre as ruas do centro da cidade, finalizou na Praça Minas Gerais (Foto: Lícia Ribeiro).


O SINAL

JULHO DE 2017

COMUNIDADE

Setor de saúde do IFMG Campus Ouro Preto protagoniza 1º encontro do PPA

Programa de Preparação para Aposentadoria reuniu servidores e servidoras no Hotel Relicário, em Ouro Preto, para um olhar poético sobre o trabalho, previdência social e bem estar (Fotos: Reprodução/Portal IFMG Campus Ouro Preto).

Preparar o trabalhador para o seu direito fundamental ao descanso. É assim que a cada dois anos o Programa de Preparação para Aposentadoria (PPA) reúne os servidores e servidoras do IFMG Campus Ouro Preto, que estão prestes a terem o benefício, em prol de uma aposentadoria saudável, prazerosa e com bem estar. O programa trata de temas fundamentais para a vida do trabalhador como gestão de finanças, lazer, relação familiar, arte, e promoção da saúde, sempre com oficinas e atividades recreativas. No dia 21 de junho, o Programa realizou o primeiro encontro deste ano que ocorreu no Hotel Relicário. O evento ofereceu uma oficina de escrita da poesia aldravista e contou com a presença de Andreia Donadon Leal, José Benedito Donadon e Gabriel Bicalho,

06

criadores do estilo literário. A aldravia é um estilo em que seus poemas possuem apenas seis palavras, não necessariamente rimando. Dessa forma, os presentes puderam saber cada detalhe do surgimento desse estilo e também escrever seus próprios poemas, obedecendo as formas poéticas descritas. Para ingressar no Programa, os servidores e servidoras passam por uma entrevista onde informam à responsável quais temas eles têm mais interesse em participar. Baseado nessa constatação, o PPA cria as atividades que serão apresentadas no decorrer dos encontros. Para Solange Mendes, coordenadora do Setor de Saúde, o trabalho realizado permite uma tranquilidade ao trabalhador em um momento de grande transfor-

mações: “o programa traz um outro olhar sobre como será o dia a dia do servidor após a sua inatividade. Com isso conseguimos combater transtornos familiares, problemas de depressão e elevar a autoestima da pessoa. Gosto bastante de atuar no PPA até porque minha equipe é muito boa e eficiente. Sem ela acredito que o programa não ocorreria’’. Ainda conforme Solange, o SINASEFE IFMG apoiou bastante a realização dos encontros: “ Sem o apoio do SINASEFE IFMG dificilmente as atividades do PPA aconteceriam. É o segundo encontro que o sindicato ajuda a realizar. Isso mostra a importância da entidade em não olhar só para o lado político do indivíduo, mas também para o lado humano de cada um” afirmou.


O SINAL

JULHO DE 2017

UTILIDADE PÚBLICA

M A R A T O V E U Q S E R O D A N E S S O VEJA QUAIS FORAM J C C A N A T IS H L A B A R T A M A FAVOR DA REFOR

Benedito de Lira (PP - AL)

Antonio Anastasia (PSDB - MG)

Paulo Bauer (PSDB - SC)

José Serra (PSDB - SP)

Ricardo Ferraço (PSDB - ES)

Simone Tebet (PMDB - MS) - Sim

Jader Barbalho (PMDB - PA)

Marta Suplicy (PMDB - SP)

Romero Jucá (PMDB - RR)

Valdir Raupp (PMDB - RO)

Maria do Carmo (DEM - SE)

Wilder Morais (PP - GO)

Roberto Rocha (PSB - MA)

Armando Monteiro (PTB - PE)

Eduardo Lopes (PRB - RJ)

Cidinho Santos (PR - MT)


O SINAL PARTICIPAÇÃO POPULAR

JULHO DE 2017

Vote contra a demissão para concursados! res possam avaliar a popularidade do projeto e avaliar melhor seus votos. Até o momento, 34 mil pessoas votaram contra, e 18 mil a favor do projeto. É de grande importância que o placar contra esse projeto de lei seja expressivo. Devemos mostrar aos senadores que quem votar pela retirada de direitos historicamente conquistados pela classe trabalhadora não receberá votos em outubro de 2018.

Como já é costume, o portal do Senado Federal abriu uma consulta pública para avaliar a opinião da população sobre a lei que permite a demissão de servidores públicos. O infame projeto é de autoria da senadora Maria do Carmo Rosa (DEM-SE) e libera a demissão de servidores após avaliações de desempenho. Vale lembrar que a enquete pública tem caráter consultivo, para que os p a r l amenta-

Participe da Comissão Eleitoral e/ou da Comissão de Apuração para nova diretoria do SINASEFE IFMG! Conforme definido na assembleia geral realizada no dia 21/6, o SINASEFE IFMG solicita a todos os seus sindicalizados que tenham interesse em participar da comissão eleitoral e/ou da comissão de apuração prévia que se manifestem encaminhando um e-mail para sinasefeifmg@yahoo.com.br Lembramos a todos que a lista dos sindicalizados que manifestarem interesse será submetida a aprovação na próxima assembleia. Venha participar do nosso sindicato!

Acesse: goo.gl/2PhBYS e vote contra o desmanche de direitos dos servidores públicos!

SINASE

FE

IFMG

DIRETORIA

O SINAL Julho de 2017  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you