Page 1

S I N A L

Clube de Jornalismo N ú m e ro 7 6 | Ju n h o 2 0 1 5

Publicação da Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz


Dia do Diploma No dia 26 de setembro, pelas dezoito horas, decorreu, no CAE, a cerimónia de entrega dos diplomas aos alunos que concluíram o ensino secundário (12ºano) e dos diplomas aos quadros de valor e de excelência de todos os anos escolares. O grande auditório encheu-se, mais uma vez, para, num ambiente de festa e orgulho, receber alunos, pais, encarregados de educação, professores e amigos desta comunidade. A mesa era constituída pelo vereador da Câmara Municipal, Dr. Carlos Monteiro, pelo diretor da escola, Dr. Carlos Santos, pelo presidente do Conselho Geral, Dr. João Santos, pelo representante dos encarregados de educação, Dr. Manuel Marques e pelo representante dos alunos, André Chouco. Do quadro de valor constavam os alunos do 3º ciclo com média final entre 4,5 e 4,9 e os alunos do secundário com média final entre 16 e 17,9 valores (167 alunos). O quadro de excelência incluía os alunos do 3ºciclo com média final de 5 e os alunos do secundário com média final entre 18 e 20 valores (60 alunos). Esperamos que o reconhecimento destes alunos sirva de exemplo para todos aqueles que trabalham diariamente para alcançar os seus objetivos.

1

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


B em- vi n d o ao D ia Eu r o p e u d a s L ín g u a s No dia 26 de setembro, o Departamento de Línguas desenvolveu algumas atividades para comemorar o Dia Europeu das Línguas. No átrio da escola, um cartaz relembrava à comunidade a comemoração deste dia, enquanto no bar, era projetado um vídeo multilíngue, realizado pelos alunos Pedro Silva, Ye Lei, Nuno Bravo e Jorge Oliveira, do Curso Profissional Técnico de Multimédia (12º I). A mensagem “Bem-vindo ao Dia Europeu das Línguas!” foi dita, em diferentes idiomas, pelos nossos alunos Timur Lomin (10ºD), Daniil Demeubayev (10º F), Gabriel Castro (12º I),  André Xu (10º F) , Ye Lei (12ºI)  e Carlos António Pinto (10ºD),  e ainda pelas professoras Ana Paula Bento e Elizabeth Domingues. Também as turmas do 10ºD e do 7ºA enviaram à comunidade mensagens em diferentes línguas. Pretendeu-se assim realçar a importância que as mesmas têm na sociedade atual. Também ao longo da manhã, as turmas B, D, F e G do 11º ano visitaram a exposição “800 Anos  da Língua Portuguesa” patente na BE, acompanhados pelas  professoras Margarida Bessone e Heloisa Cordeiro. Artur Cardoso, 7º C  Daniela Costa, 7º A Diogo Nogueira, 7º D

Jornal

2015

2


Entrevistas aos novos alunos da Joaquim de Carvalho Cá estamos de novo a iniciar mais um ano escolar. O Sinal foi fazer algumas perguntas aos novos alunos:        Porque escolheste esta escola?        De que gostas mais?         O que mudavas?

- Porque a minha mãe andou aqui e quis que eu viesse para cá. - Das casas de banho serem grandes. - Ainda não sei. Alexandre, nº 1, 10º A  - Escolhi esta escola porque gosto dela e sempre me disseram que esta é a mais exigente. - Gosto do facto de ser mais moderna. - Os balneários. Ana Espada  nº5, 10º A - Porque me falaram bem da escola e acho-a gira. - Gosto das condições. - A montra do bar para um lado visível. Cristiana Fernandes  nº8, 10ºA - Escolhi esta escola porque é bonita e a maior parte das minhas amigas vieram para cá. - É moderna e acolhedora. - Ainda não sei. Edna Gomes  nº11, 10ºA - Escolhi-a porque tenho cá um irmão, gosto das condições da escola, nomeadamente dos laboratórios porque são melhores do que os das outras e porque esta escola é muito exigente, preparando-nos para o ensino superior. - Gosto muito dos laboratórios. - Ainda não sei. Rita Seco  nº 28, 10ºA

3

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


- Escolhi-a porque gosto das condições da escola. - Do pavilhão e porque gosto muito da Megui. - Ainda não sei. Tomás Ferreira nº28, 10ºA - Porque muita gente me aconselhou a vir e porque gosto dela. - Da escola em geral. - Nada, talvez mais ar condicionado quando está calor. Diogo Nogueira nº11, 7ºD - Porque o meu pai trabalha cá. - Dos “stores”. - Nada! Artur Cardoso nº29, 7ºC - Era o meu sonho vir para cá! - Das aulas. - Não mudava nada. Daniela Costa nº15 7ºA   -Porque a minha mãe trabalha aqui e porque esta escola tem bons resultados a nível nacional. -Da biblioteca escolar. -Os balneários. Tiago Gomes nº25 7ºC Duarte Silva, 9ºB Guilherme Marques, 9ºC  João Lima, 10ºA Tiago Gomes, 7ºC  Sofia Bizarro, 10ºD

Jornal

2015

4


M ú s ic a n a J C Dia Mundial da Música No dia 1 de outubro, durante os intervalos, ocorreram,na escola, dois momentos musicais no âmbito da comemoração do Dia Mundial da Música. O primeiro foi protagonizado por dois professores da escola de artes do CAE, André Gatões e Luís de Sousa, e o segundo momento, pela aluna Mariana Imaginário  do 12º ano, que cantou a canção “Stay with me “ de Sam Smith. Momentos como este são sempre bem recebidos pela comunidade escolar, que vive intensamente a música! Ana Sofia Heleno, 10ºD João Lima, 10ºA Rita Almeida, 10ºF

Dia Mundial da Alimentação na Joaquim De Carvalho Comemora-se a 16 de outubro, o Dia Mundial da Alimentação. Cada vez mais se torna importante sensibilizar os jovens para a importância de uma alimentação saudável. Assim, no âmbito do Projeto de Educaçâo para a Saúde, os alunos do 7º ano tiveram formação sobre alimentação saudável. Na sequência desta atividade será oferecido aos alunos do 7º ano o lanche da manhã, no dia 16 de outubro. Para o seu bem, seja razoável e coma saudável!                                                                                                                             

         Alexandre Amorim, 7ºA                                                                                                          Ruben Fidalgo, 7ºC                                                                                                                    Artur Cardoso, 7ºC

5

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


Pa d r i n h o s r e c e be m a fi l ha dos Este ano, a nossa psicóloga escolar, Dra. Fátima Sequeira, promoveu várias sessões de apadrinhamento aos alunos do sétimo ano. Assim, no sentido de integrar estes novos alunos e de os ajudar a criar laços com os mais velhos, os alunos do nono ano foram convidados a apadrinhar os mais jovens. Nestas sessões desenvolvidas com as diferentes turmas, cada uma com a duração de 90 minutos, os alunos do nono ano deram-se a conhecer aos seus “afilhados” e falaram das suas experiências enquanto alunos de sétimo ano e deram conselhos considerados pertinentes. Quando confrontados com alguma dúvida escolar ou dificuldades relacionais, os mais novos podem recorrer aos seus “padrinhos”. Esta está a ser uma medida muito bem acolhida pelos mais novos! Pretende-se estreitar laços que poderão culminar em futuras amizades.

Aqui ficam uma madrinha e um padrinho muito orgulhosos dos seus afilhados!

                                                                                                                               

Afonso Pereira,7 ºD Alexandre Hing, 7ºD Diogo Nogueira, 7ºD Joana Silva, 9ºC

Jornal

2015

6


Escola assombrada O Halloween é celebrado, anualmente, na noite de 31 de outubro. Esta tradição não é tradicionalmente portuguesa, embora muitas pessoas o celebrem, sobretudo os jovens. Os símbolos mais populares deste dia são as abóboras, bruxas, morcegos, velas e fantasmas. O Halloween é celebrado um pouco por todo o mundo, principalmente nos USA, Irlanda, Canadá e no Reino Unido.  O Halloween surgiu há mais de dois mil anos e teve origem no povo celta, que festejava o fim do verão, o «Samhain”.  No dia 31 de Outubro, a Associação de Estudantes vai transformar-se numa casa assombrada.   Assim, haverá três sessões de terror ao longo do dia. Quem gostar de emoções fortes, está convidado a participar.                                                                                                               

Afonso Pereira, nº2 7ºD                                                                                                                                            Alexandre Hing, nº3 7ºD Diogo Nogueira, nº11, 7ºD

A. E. a s s om bra da No dia 31 de outubro, a A.E. transformou-se numa casa assombrada. Houve muitos gritos durante  todo dia. Para conseguir os sustos de Halloween, a A.E. recorreu à ajuda de alguns alunos com disfarces entre os quais um palhaço, uns fantasmas e uma bruxa. Esta experiência trouxe emoções fortes, como seria de prever!

                                                                                          Afonso Pereira, 7ºD Alexandre Hing, 7ºD Diogo Nogueira, 7º D

7

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


Hi s tór i a Para os leitores que gostam de poesia, aqui fica um pequeno texto escrito pelo Tiago Gomes do 7º C: Na história demos a hominização, o crescente fértil e a domesticação do cão! Na história demos a arte rupestre. Tudo tão realista! O pintor era um mestre! Na história demos ora na história demos... tudo o que o Homem disse nós já dissemos! Afonso Pereira, 7ºD Alexandre Hing,7ºD Diogo Nogueira,7ºD 

Jornal

2015

8


P or o n d e a n d a m o s nos s os a nti gos a l unos . . . Iniciamos, hoje, uma série de pequenas entrevistas aos antigos alunos do 12ºano, agora caloiros na universidade. A primeira entrevistada é a Glória de Sá Pereira, ex-presidente da Associacão de Estudantes, aluna do Curso de Engenharia Física Tecnológica no Instituto Superior Técnico.

Como foi a integração? Com os colegas foi fácil. Como não conhecia ninguém, tive mesmo necessidade de fazer novas amizades e não era a única “à procura” de amigos. Com a cidade, já foi menos pacífica... Não estava habituada a estar a mais de 10 minutos a pé da “escola”; ter de andar uma hora de transportes públicos todos os dias, custou. Como são as aulas? Qual a diferença entre as aulas do secundário e as da universidade? As aulas teóricas são em auditórios com cerca de 200 pessoas, inclusive de outros cursos. Só aí, já há uma diferença gigantesca com o secundário, mas talvez o que me tenha custado mais foi não perceber as coisas à primeira e o professor não esperar até que eu percebesse. Com isto acabei por, nas primeiras semanas, achar que era a única que não percebia e que tinha vindo para o curso errado, quando na verdade estávamos todos no mesmo. Nas aulas práticas, são já turmas menores (no meu curso de 30 pessoas) e aí sim, o professor já tem outro cuidado, mas mesmo assim continua muito, muito distante daquilo a que estava habituada no secundário. O que ainda me faz confusão, passados quase dois meses, é que os professores não sabem o meu nome, nem sequer os das práticas: sou apenas uma série de números aleatórios. Foram praxados? Qual a tua opinião acerca das praxes? Fui praxada, sim, e adorei. No meu curso posso dizer que não é uma praxe “a sério”. Esta serve mais como uma forma de conhecermos os nossos colegas de outros anos para, depois, quando precisarmos de alguma coisa ou tivermos alguma dúvida, não termos vergonha de pedir ou perguntar. Mensagem para o Sinal: Agora um aparte para vocês, jornalistas do Sinal: aproveitem o liceu, não tenham pressa de cá chegar! Os professores aí lutam sempre por vocês, nunca se esqueçam disso. Desejo-vos a melhor sorte!  Ana Cláudia, 10ºA Rita Almeida, 10ºF 9

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


P o r o n d e a n d a m os nos s os a nti gos a l unos . . . Dando seguimento à rubrica que iniciámos, na passada semana, aqui fica a nossa conversa com Pedro André Pessoa, aluno do Curso de Medicina em Coimbra.

Como foi a integração? Inicialmente, sentimo-nos um pouco perdidos e sozinhos, mas a integração é bastante facilitada pelos alunos mais velhos. Logo no primeiro dia de matrículas, conhecemos novas pessoas, tanto caloiros como doutores do nosso curso, ou não, e as pessoas abordam-nos ao verem que somos caloiros. Em relação à integração na cidade, para quem não está habituado aos transportes públicos e a andar a pé, pode ser mais complicado, mas a adaptação é rápida. Passam  autocarros com frequência e, em último recurso, os táxis também são fáceis de encontrar. Relativamente à habitação, convém ficar perto do local onde irão decorrer as aulas, mas caso contrário a rede de transportes, como referi, é bastante útil. Outro aspeto importante são os colegas de quarto, se já se conhecerem ainda melhor, facilita nos primeiros tempos, como aconteceu comigo. Caso sejam desconhecidos,  aconselho-vos a ficarem com alguém do mesmo curso. Como são as aulas? Qual a diferença entre as aulas do secundário e aulas da universidade?  As aulas são totalmente diferentes das do secundário. Relativamente ao meu curso, temos aulas teóricas e práticas. As teóricas são de manhã e em grandes auditórios com todos os alunos. Os professores dão as aulas a um ritmo muito mais acelerado do que no secundário e não temos tempo para captar tudo o que é dito. Nalgumas aulas nem apontamentos se consegue tirar, limitamo-nos a ouvir. As aulas práticas já são em turmas, com menos gente e, à tarde, estas já são mais equiparadas às do secundário. Foram praxados? Qual a vossa opinião acerca das praxes?   Fui praxado e sou a favor. Não é preciso ter medo das praxes. No meu caso, não me fizeram nada de mal, apenas algumas brincadeiras. Contudo, há pessoas que não se sentem confortáveis com isso e não gostam muito de ir. As praxes não são obrigatórias, se quisermos  ir, vamos, mas se não quisermos, não temos de o fazer. Insistam um bocado porque, inicialmente, a integração é feita basicamente nas praxes e, se não formos, perdemos um pouco a parte social. É importante conhecermos os nossos colegas e doutores e para isso as praxes são a via mais eficaz. Além das praxes, que vão sendo marcadas ao longo das primeiras semanas, há também vários convívios que são importantes na integração. Desejo-vos um bom trabalho ! Joana Silva 9ºC  Catarina Pena 9ºC

Jornal

2015

10


P or o n d e a n d a m o s nos s os a nti gos a l unos . . . Raquel Lagoa frequenta o Curso de Arquitetura na Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto. Fomos ouvi-la!

Como foi a integração? Ao contrário do que estava à espera, a integração foi fácil. O Porto é uma cidade muito acolhedora, em todo o lado encontramos pessoas bastante atenciosas sempre dispostas a ajudar. Em cada esquina ouvimos o clássico: “Oh menina! É por ali! Está a bêr?”, o que facilitou a minha chegada à cidade. A este nível, a faculdade de arquitetura também  não é exceção e mostrou-se hospitaleira. Confesso que não estava à espera de conseguir fazer amizades num espaço de tempo tão reduzido, mas a verdade é que, logo na primeira semana, conheci imensas pessoas, quer caloiros quer alunos de outros anos, que nos acolheram de braços abertos e nos deram pequenas dicas para conseguirmos encarar melhor esta grande mudança na nossa vida. Isto, no meu caso, foi importante porque rapidamente constatei que a maioria dos meus amigos que terminaram o secundário, foram para Coimbra ou Lisboa. O lema por aqui é que “ninguém faz este curso sozinho”, ou seja, a cooperação e a troca de ideias entre colegas é determinante. Já realizei alguns trabalhos de grupo e deu para perceber que todos os elementos são importantes e dependem do grupo. Onde, de certa forma, se nota diferença  é na grande quantidade de matéria dada num curto espaço de tempo, a uma velocidade estonteante. No início é difícil acompanhar, mas com o tempo vamonos habituando aos novos ritmos. Contudo, não generalizo o que acabei de dizer, pois os cursos são diferentes de faculdade para faculdade. No caso da arquitetura, sendo a Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto considerada uma das melhores da Europa, acredito que o ensino seja diferente. Aqui, desde o próprio edifício - obra do arquiteto Álvaro Siza Vieira -  até aos professores das várias disciplinas - nomes de referência na arquitetura nacional e internacional - tudo está vocacionado para nos motivar.

11

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


. Foram praxados? Qual a vossa opinião acerca das praxes? Fui praxada sim, não por obrigação, mas de livre vontade e depois de me terem esclarecido como era vivida a praxe na Universidade do Porto. Aqui existe uma tradição académica quase tão forte como em Coimbra, contando entre outras atividades, com a semana da latada e a tão conhecida Queima das Fitas. Especificamente na ‘minha’ faculdade, as praxes organizam-se em sessões, que decorrem uma vez por semana, até ao final do ano. Ninguém é obrigado a ir a todas as sessões, nem tão pouco a seguir a praxe até ao fim, tudo depende obviamente da vontade e disponibilidade de cada um. “Praxe é um conjunto de regras, costumes e práticas que governam as relações académicas entre alunos de uma instituição de ensino superior, baseado numa relação hierárquica.” Na prática é isto mesmo, e se for baseada numa relação de amizade, respeito, cooperação, entreajuda e principalmente se for dada liberdade de opção a cada um, estaremos perante um importante elemento de união dentro do grupo. Sendo assim, a (verdadeira) “praxis” abomina quaisquer comportamentos de humilhação e discriminação, ao contrário do que muitas vezes ouvimos nos media. No fundo é uma tradição centenária no universo académico, com a finalidade de integrar os caloiros.  Se a universidade podia viver sem praxe?  Podia, mas, eventualmente, não era a mesma coisa!!! Mensagem final: Aqui fica  mensagem para todos os alunos da ‘Joaquim de Carvalho’, escola que me deixou grande saudade e que recordarei para sempre com um carinho muito especial. Desejo-vos muita sorte no percurso escolar e pessoal, e mais importante do que isso, que  nunca desistam dos vossos sonhos e trabalhem para eles. Podem gostar muito ou pouco das matérias, dos professores, dos colegas, mas o que importa é acreditarem sempre em vocês e no vosso potencial. Podem ter a certeza de que todo esse esforço irá valer a pena! Aproveitem! Mas não se esqueçam que o Mundo precisa de vocês! 

Alexandre Hing, 7ºD                                                                                                                                        Diogo Nogueira,7ºD   

Jornal

2015

12


P or o n d e a n d a m os nos s os a nti gos a l unos . . . Catarina Fernandes encontra-se a frequentar o curso de Enfermagem na Universidade de Coimbra. Aqui fica a conversa que tivemos com ela.

Como foi a integração?

Uma vez que o meu curso abrange um largo número de estudantes (somos cerca de 350 caloiros), a integração foi, de certo modo, facilitada, sendo que tivemos a oportunidade de usufruir de 3 dias dedicados ao mesmo. A sensação de estarmos perdidos era bem visível em cada um de nós, o que seria bastante normal, visto que tínhamos acabado de entrar num mundo novo, totalmente desconhecido para a maioria. Todos procuravam fazer novas amizades, estabelecer contacto com caras novas, mas os professores bem como os alunos de anos superiores (designados por “doutores”) estavam lá para nos ajudar e tratar de garantir que a integração tivesse sucesso! Relativamente à integração na cidade, não estava habituada a frequentar transportes públicos todos os dias, mas é tudo uma questão de adaptação. O mais difícil para mim reside nas saudades da família… Embora partilhe casa com amigas, sinto bastantes saudades dos meus papás e da minha irmã!

13

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


Como são as aulas? Qual a diferença entre as aulas do secundário e aulas da universidade? A diferença entre as aulas do secundário e da universidade é bastante evidente. O afeto e carinho estabelecidos com os professores do secundário, não tem lugar na universidade. As aulas são preenchidas por um grande número de alunos e cada um de nós é “só mais um”. As aulas são lecionadas em anfiteatros a um grande ritmo, o que nos dificulta na questão dos apontamentos (alguns desistem, e limitam-se a ouvir). As teórico-práticas já são com um número mais reduzido de alunos, algumas realizadas em salas de aula e outras em laboratório. Nas práticas laboratoriais, somos “postos à prova”. Somos dirigidos por uma enfermeira responsável por nos ensinar todos os procedimentos, onde treinamos com os nossos pacientes, que são bonecos! (Sinto saudades das aulas do secundário, aproveitem ao máximo enquanto ainda têm oportunidade!!) Foram praxados? Qual a vossa opinião acerca das praxes? Isso é uma questão que não se coloca no meu curso! Fomos praxados, durante umas longas semanas! Nos dias de integração, fomos alertados para o facto de que as piores praxes centravam-se no curso de enfermagem e, por esse motivo, fui com um certo receio para as primeiras… No entanto, não passam de algumas brincadeiras que visam a integração dos caloiros. Algumas foram passadas na lama (nem sei como sobrevivi!), mas todas repletas de atividades umas mais engraçadas que outras. É uma ótima ocasião para fazer novas amizades, mas ninguém é obrigado a frequentar as praxes e só precisamos de respeitar e aceitar as opiniões dos outros. A entrada num mundo universitário é, sem sombra de dúvidas, diferente. Desfrutem ao máximo do tempo que ainda têm na Joaquim de Carvalho! Desejo um ótimo trabalho a toda a equipa do Jornal Sinal!

Afonso Pereira, 7ºD Daniela Costa, 7ºA

Jornal

2015

14


P or o n d e a n d a m o s nos s os a nti gos a l unos . . . Pedro Miguel encontra-se a frequentar o curso de Dietética e Nutrição na ESTeSL, Lisboa. Aqui fica a conversa que tivemos com ele.

Como foi a integração? A integração foi fácil, fui para Lisboa uma semana antes de começar as aulas o que me fez adquirir uma certa experiência nos transportes, nomeadamente metro ou comboio. Como tenho cá familiares facilitou economicamente por não ter de pagar renda, o que foi um grande alívio para o meu pai. Apesar de estar com familiares, é como se vivesse sozinho. Trato da minha comida, compras, etc… Como são as aulas? Qual a diferença entre as aulas do secundário e aulas da universidade?  As aulas são bastante diferentes! Primeiro, dá-se uma quantidade significativa de matéria no espaço de 1h30 ou 2h ou 3h. Segundo, a relação aluno-professor é mais aberta, ou seja, nota-se um certo companheirismo não esquecendo o estatuto que cada um tem na sala de aula. E não há nada de “stor” é tudo por “professor”.  Foram praxados? Qual a vossa opinião acerca das praxes? Fui praxado e a minha praxe continuará ao longo do ano. A praxe não é o bicho de sete-cabeças que a comunicação social divulga, é a melhor maneira de se ser integrado quer no curso, quer pelos outros cursos.  No primeiro dia de praxe, cheguei e procurei por um grupo com uma faixa “Dietética e Nutrição”. Lá encontrei e a primeira coisa que me mandaram fazer foi olhar para o chão, pois há uma certa hierarquia que tem e deve ser respeitada. No início a praxe foi dura, acordava no dia seguinte com dores de ter enchido, porém ao longo do tempo passou a ser mais jogos. Praxe não é má, é uma forma de conhecer as pessoas do teu curso, mais velhas e do mesmo ano, assim como se forma um espírito de camaradagem. De um por todos e todos por um.                                                                                                                                       Afonso Pereira, 7ºD Alexandre Hing, 7ºD 

15

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


O l h a r a nos s a Bi bl i ote c a Comemorou-se, em outubro, o mês internacional das bibliotecas escolares. No âmbito desta comemoração, o Sinal foi entrevistar a professora bibliotecária da nossa escola, Dra. Júlia Seiça, e a assistente operacional que com ela trabalha mais diretamente, Anabela Ângelo.

Entrevista à professora bibliotecária, Dra. Júlia Seiça Gosta do que faz? Gosto muito! Há quanto tempo é professora bibliotecária? Estou na biblioteca escolar desde o ano letivo 2001/2002. O que a motiva a trabalhar na nossa biblioteca? Os desafios que vão surgindo em cada ano letivo, as diferentes atividades realizadas com os diferentes departamentos e, principalmente, poder trabalhar com os alunos que usufruem dos recursos da biblioteca. É necessário algum tipo de formação para desempenhar este cargo? É necessário ter formação ao nível das bibliotecas escolares e das tecnologias da informação e comunicação. Qual a sua relação com os livros? Sempre gostei muito de ler e, antes de saber ler, queria que me lessem tudo, sobretudo a minha avó materna. Qual a função da biblioteca escolar nos dias de hoje? A grande função da biblioteca é a promoção da aprendizagem, fornecendo aos seus utilizadores recursos e serviços que possibilitem trabalho individual e em grupo e a promoção da aprendizagem ao longo da vida. De que forma comemorou a biblioteca este mês? O mês de outubro é o mês internacional da biblioteca escolar e foi comemorado com visitas guiadas à biblioteca e formação de utilizadores para os alunos dos 7º e 10º anos de escolaridade. Outras atividades são a comemoração dos 800 anos da Língua Portuguesa, com uma exposição que tem estado patente e a participação na rota das bibliotecas. Que mensagem gostaria de deixar aos leitores do Sinal? Utlizem a biblioteca escolar e usufruam dos seus recursos porque este espaço é vosso! Artur Cardoso,  7ºC Ruben Fidalgo, 7ºC Tiago Gomes, 7ºC Jornal

2015

16


O l h a r a nos s a Bi bl i ote c a Comemorou-se, em outubro, o mês internacional das bibliotecas escolares. No âmbito desta comemoração, o Sinal foi entrevistar a professora bibliotecária da nossa escola, Dra. Júlia Seiça, e a assistente operacional que com ela trabalha mais diretamente, Anabela Ângelo.

Entrevista à assistente operacional, Anabela Ângelo Há quanto tempo trabalha na biblioteca da escola? Trabalho cá há quinze anos. Gosta de trabalhar neste espaço? Porquê? Gosto muito de trabalhar cá, porque eu gosto muito de livros. Que tipo de apoio presta aos alunos ao longo do dia? Estou no balcão da receção e dou  apoio na pesquisa dos materiais. Tento apoiar em tudo o que me pedem. Tendo em conta que outubro foi o mês das bibliotecas escolares, o que houve de diferente na nossa BE?  Ao longo do mês de outubro, esteve um  placar na entrada a lembrar a comemoração o mês das bibliotecas. Entre outras atividades, gostaria de destacar uma visita de crianças de uma escola do primeiro ciclo. Considera que os alunos aproveitam bem este espaço tão agradável? Sim. Existem muitos alunos que frequentam a biblioteca e que aproveitam bem o espaço. Quer deixar uma mensagem aos leitores do Sinal? Que aproveitem tudo o que está disponível na biblioteca e que leiam mais porque ler é importante e é bom. Artur Cardoso, 7ºC Ruben Fidalgo, 7ºC Tiago Gomes, 7ºC Daniela Costa,  7ºA Guilherme Marques, 9ºC Afonso Pereira, 7ºD  17

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


Visit a d e D. Vi r g í l i o Antune s à nos s a e s c ol a No âmbito da Visita Pastoral ao Concelho da Figueira da Foz, deslocou-se à nossa escola, no dia 7 de novembro, D. Virgílio Antunes, Bispo de Coimbra. A visita teve lugar por volta das 16 horas, tendo o Sr. Bispo sido recebido pelo Sr. Diretor, Dr. Carlos Santos, e pelos restantes elementos da direção. D. Virgílio Antunes percorreu  os diferentes espaços da escola, entrou em algumas salas de aula, conversou com alunos, professores e funcionários e ficou a conhecer alguns dos trabalhos desenvolvidos pelos alunos. No final da visita, D. Virgílio Antunes manifestou uma enorme satisfação e afirmou que, numa escola destas, só não aprendia quem não queria.

Joana Silva 9ºC Catarina Pena 9ºC

1ª E li m i n a t ó r i a d a s O l í mpi a da s de Ma te m á ti c a Realizou-se, hoje, a primeira eliminatória das XXXIII Olímpíadas de Matemática, que consistem na realização de uma prova com problemas matemáticos, a nível nacional, organizada pela Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM). Esta eliminatória teve início às 15:30 horas e teve a duração de duas horas, embora os participantes pudessem sair ao fim de 45 minutos. Na escola Joaquim de Carvalho participaram 31 alunos dos diferentes anos de escolaridade. Só os melhores em cada categoria, desde que atinjam o mínimo estabelecido pela SPM, serão selecionados para a segunda eliminatória, a realizar no dia 14 de janeiro de 2015. Aguardamos os resultados. Paulo Amorim, 7ºA Tiago Gomes, 7ºC Duarte Silva, 9ºB João Lima, 10ºA Rita Almeida,10ºF

Jornal

2015

18


Vi s i t a d e Es t u do a o Mus e u G ul be nk i a n No dia 6 de novembro, as turmas G do 11º e 12º anos realizaram uma visita de estudo ao Museu Gulbenkian e ao Centro Cultural de Belém, em Lisboa. Durante a manhã, divididos em 3 grupos de 17 alunos cada,  os alunos  realizaram uma visita guiada  à exposição de tesouros artísticos dos palácios reais espanhóis, patente no Museu Gulbenkian. À tarde, no Centro Cultural de Belém, os alunos do 11ºG visitaram a coleção Berardo 1900-1960, enquanto  os do 12ºG  observavam a coleção Berardo  de 1960-2010. Ana Cláudia Amaro, 10ºA João Lima, 10ºA

19

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


“ H á l u z p o r t o d o o l a do” - Ca r l os Fi ol ha i s Realizou-se, no dia 18 de novembro, pelas 15 horas, no Auditório da Escola, uma conferência  subordinada ao tema  “Há  luz por todo o lado”, proferida pelo Professor Doutor Carlos Fiolhais. Promovida pelo Departamento de Ciências Físico-Químicas, esta palestra marcou o início “Avant la lettre” do Ano Internacional da Luz, declarado pela UNESCO, e coordenado em Portugal por Carlos Fiolhais.  Esta conferência destinou-se, em particular, aos alunos do 11ºano, que aproveitaram a oportunidade para colocar  algumas questões sobre os maiores enigmas da  Física atual.  O cientista lançou um desafio aos alunos presentes, no sentido de serem eles próprios  a contribuir para a resolução, no futuro, desses mesmos enigmas. É um orgulho para a nossa escola poder contar com a presença de tão prestigiado investigador, esperando assim que a nova geração se sinta motivada para a constante descoberta do conhecimento. Ao Professor Carlos Fiolhais, o nosso agradecimento.

Jornal

2015

20


Visita ao Observatório Astronómico da Universidade de Coimbra e ao Exploratório Infante D. Henrique Os alunos do 10ºD realizaram, no dia 12 de novembro, uma visita de estudo ao Observatório Astronómico da Universidade de Coimbra e ao Exploratório Infante D. Henrique. No Observatório, os alunos tiveram a ocasião de efetuar uma visita guiada pela Dra.Telma Esperança e pela Dra. Adriana Garcia. Tiveram ainda a possibilidade de observar alguns  instrumentos que permitem obter imagens do Sol (espectroheliógrafo).  Já no Exploratório, os alunos conversaram com o astrónomo Fernando Pinheiro acerca da aterragem da sonda Philae no cometa 67P. Visitaram ainda o espaço multiciência, onde realizaram diversas atividades experimentais.  Nesta visita, organizada pelo Departamento de Ciências Físico-Químicas, os alunos foram acompanhados pelos professores Júlia Seiça, Carlos Portela e Lúcia Neves. Segundo o professor Carlos Portela, a visita decorreu com muito entusiamo e empenho dos alunos.

21

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


To r n e i o de X a dr e z No dia 19 de novembro, esteve a decorrer um campeonato de xadrez, no auditório da escola. Vários alunos  enfrentaram Kevin Spragget, detentor do título de Grande Mestre de Xadrez. Esta edição do  VIII Festival Internacional de Xadrez da Figueira da Foz durou aproximadamente 2h30 e quem aguentou mais tempo em jogo foi Alexandre Hing, do 7ºD. Parabéns, Hing! Catarina Pena, 9ºC Joana Silva, 9ºC Ana Sofia Bizarro, 10º D

Jornal

2015

22


Pr oj e to P E PA O projeto Projeto Escolas Piloto de Alemão (PEPA) é uma parceria entre a Escola, o Ministério de Educação, o Instituto de Alemão de Lisboa, e conta com o patrocínio da Embaixada Alemã. A escola está neste projeto há 4 anos, funcionando como clube, onde qualquer aluno pode entrar. No entanto, só os alunos selecionados participam nas oficinas de trabalho em Lisboa, devido ao conhecimento da língua. O clube tem um jornal digital “Digitale Klicke” no qual os alunos escrevem artigos em alemão. Os alunos estiveram em Lisboa durante 3 dias (6, 7 e 8 de novembro),  a trabalhar com 2 jornalistas alemães. Segundo a aluna, “É uma experiência boa para trabalharmos com alemães nativos e outros alunos, o que ajuda a melhorar e evoluir os nossos conhecimentos sobre a língua.”  Duarte Silva 9ºB Rita Almeida 10ºF

23

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


E P I S e n t r e g a b o l s a à J oa qui m de Ca rv a l ho A Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho esteve presente, na pessoa do seu Diretor, na cerimónia de entrega das Bolsas Sociais EPIS 2014/2017, que decorreu no passado dia 24 de novembro, no Museu da Eletricidade, em Lisboa, para receber uma bolsa social atribuída a um aluno do ensino secundário (10ºano) que dela beneficiará ao longo de três anos. O diploma da bolsa foi entregue pelo Secretário de Estado do Ensino e Administração Escolar, Dr. João Casanova, ao Diretor da Escola Joaquim de Carvalho, Dr. Carlos Santos e ao respetivo aluno. Esta bolsa resulta de uma candidatura da Escola às Bolsas EPIS, que teve por base, além de boas práticas contra o abandono e insucesso escolares, essencialmente o facto de a Escola disponibilizar um serviço de apoio aos alunos, em regime aberto, constituído por uma equipa multidisciplinar, na Biblioteca Escolar, pensado preferencialmente para os alunos em situação de deficiente acompanhamento familiar e frequentado por uma média de 112 alunos por dia. A Associação EPIS – Empresários Pela Inclusão Social - foi criada em 2006 por empresários e gestores portugueses, na sequência de uma convocatória à sociedade civil feita pelo Presidente da República. Deste modo,a EPIS escolheu a Educação como forma de concretização da sua missão principal de promoção da inclusão social em Portugal. Desde 2011 que a EPIS lançou um programa de bolsas sociais para premiar boas práticas de inclusão social, um sinal adicional de estímulo e de apoio a escolas que tenham uma estratégia eficaz de promoção da inclusão social de jovens em risco de insucesso ou de abandono. O programa de bolsas sociais EPIS, desta 4ª edição de 2014, representa um investimento global de 27.600€. Entre as 5 categorias de bolsas a atribuir, a Escola inclui-se na categoria 1, destinada a distinguir boas práticas organizativas de inclusão social em escolas do Continente, Açores e Madeira, com Ensino Secundário ou com cursos profissionais de nível de qualificação equivalente. Foram premiadas 4 escolas, com bolsas de 400€, durante 3 anos, destinadas a apoiar alunos do ensino secundário ou equivalente em 2014/2015 e suas famílias.

Jornal

2015

24


D ia In t e r n a c i o n a l da s P e s s oa s c om De fi c i ê nc i a No dia 3 de dezembro comemora-se o Dia Internacional Da Pessoa com Deficiência. Esta data comemora-se desde 1998, ano em que a ONU avançou com a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência. A data tem como principal objetivo a motivação para uma maior compreensão dos assuntos relativos à deficiência e a mobilização para a defesa da dignidade, dos direitos e do bem-estar destas pessoas. Cada ano, o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, tem um tema específico, que pauta as atividades e eventos deste dia. A realização de concursos é um exemplo de atividades levadas a cabo neste dia, com o fim de consciencializar a população da importância da integração das pessoas portadoras de deficiência na sociedade. Paulo Amorim Nº17 7ºA

No Cl u be de Ma te m á ti c a ! Fomos conversar com os alunos que frequentam o Clube de Matemática para tentarmos perceber o que os leva a fazer parte dele. Quase todos afirmaram que acham as atividades que desenvolvem divertidas e interessantes. Estas são variadas, incluindo jogos matemáticos, tais como, Rastros, Avança, Produto e Xadrez e preparação para os testes bem como para o Equamat.  Das razões apontadas para fazerem parte deste clube, os alunos destacaram o desenvolvimento do raciocínio e o facto de haver ali pessoas “fixes”. Neste momento, encontram-se a frequentar regularmente este clube, cerca de 10  alunos sob a coordenação dos professores Alice Mota e Jorge Marques. Ana Sofia Bizarro 10ºD Rita Almeida 10ºF

25

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


“ O So l é M e s m o P a ra Todos ” n a E s c o l a Se c u n d á r i a Dr. J oa qui m de Ca rv a l ho No âmbito do Projeto “O Sol é Mesmo Para Todos” em que a Escola está envolvida em parceria com o Observatório Astronómico da Universidade de Coimbra (OAUC), a Dra. Telma Esperança, bolseira de investigação científica do OAUC, desenvolveu no dia 11 de dezembro uma atividade com os alunos do 10.º ano, turma D, em que se analisaram dados científicos reais, em particular, imagens do Sol, espectroheliogramas, obtidos no OAUC. Tendo como finalidade a promoção da ciência em geral, e da astronomia em particular, foram realizadas contagem de manchas e de grupos de manchas em espectroheliogramas (risca K1 do CaII) ao longo de mais de uma década por forma a determinar a variação da atividade solar no tempo, construindo-se, assim, a noção de ciclo solar. Para a análise dos espectroheliogramas recorreu-se ao software livre Salsa J. Os alunos envolveram-se de forma exemplar nesta atividade, a qual se revelou muito proveitosa e também agradável. A Escola, em especial, os alunos do 10.ºD e o Departamento de Ciências Físico-Químicas, agradece ao Observatório Astronómico da Universidade de Coimbra, em especial à Dra. Telma Esperança todo o trabalho realizado.

1ªF a s e d o Co n c u rs o Na c i ona l de Le i tura Decorreu no dia 14 de Janeiro, a 1ª fase do Concurso Nacional de Leitura. Os alunos do 3º ciclo foram convidados a ler a obra de Ana Saldanha, “Uma Questão de Cor”; por sua vez, aos do secundário foi pedido que lessem algumas crónicas de “As Farpas” de Ramalho Ortigão. Serão selecionados 3 alunos do secundário e 3 do 3º ciclo que irão representar a escola na fase distrital deste concurso.  Diogo Nogueira7ºD Afonso Pereira, 7ºD

Jornal

2015

26


Apurados para a 2ª Fase do Concurso Nacional de Leitura Com base nos resultados obtidos na prova de seleção realizada no dia 14 de janeiro, foram apurados para a 2ª fase do CNL os alunos:  

Ensino Básico: - Luana Leal Fontes (7º B) - Miguel da Silva Santos (7º C) - Tiago Oliveira Gomes (7º C)

Ensino Secundário: - Ana Margarida Sousa Torres (10º A - Catarina Simões Rodrigues (12º E) - Rita Maria Serra Seco (10º A)

Parabéns aos apurados e boas leituras para a 2ª fase!

27

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


O de À dolorosa disciplina de português dos grandes e aborrecidos poemas Tenho febre e escrevo Escrevo rangendo os dentes, surgindo deste modo um desespero Desespero este que só acaba com o terrível ruído da campainha Ó poetas malucos, ó poetas exaltados! Doem-me os ouvidos de vos ouvir demasiado Porquê estudar tanto? Ah, poder apenas passear os livros! Ser livre como um pássaro! Poder hibernar como os ursos E rugir como um leão a todas as criaturas Que nos obrigam a gastar minutos da nossa existência A escrever odes ridículas como se fossemos alguns doidos Como o genial mas louco Fernando Pessoa! Eia! Eia! Viva a liberdade!                                                                                                                       Carolina Fajardo, 12ºC

O l i m p í a d a s de Ma te má ti c a Realizou-se, no dia catorze de janeiro, a 2º fase das XXXIII Olimpíadas Portuguesas de Matemática. Trata-se de uma prova nacional que pretende distinguir os jovens com maior raciocínio para resolver problemas de matemática.  Participaram, nesta 2ª fase, 7 alunos das Escolas Secundárias Cristina Torres e Dr. Joaquim de Carvalho. A final nacional terá lugar de 19 a 22 de março, em Rio Maior.   Catarina Pena, 9ºC Guilherme Marques, 9ºC

Jornal

2015

28


Ex p o s i ç ã o da s Ar te s no Átri o

 

Está patente, de 12 de janeiro até 13 de fevereiro, no átrio da nossa escola, uma exposição de trabalhos, realizados pelos alunos do 12ºano do curso de Artes Visuais, subordinada ao tema «Reinterpretação de Obras de Arte em 3 Dimensões». Trata-se de recriações de obras célebres de pintores intemporais, produzidas a partir de materiais reciclados, tais como, papel de jornal, de revista, entre outros, esferovite, madeira, arame, pastas, tintas, colas, e pigmento branco.  Não deixem de visitar! Guilherme Marques, 9ºC

29

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


Vi s i t a d e e s t u d o a o P o r t o Os alunos do 11º ano da nossa escola realizaram, no dia 20 de janeiro, uma visita de estudo ao Porto, no âmbito da disciplina de Português. Esta atividade, organizada pelo Departamento de Línguas Clássicas e Românicas, contou com uma ida ao teatro, seguida de uma visita a dois museus da cidade. Assim, durante a manhã, os 170 alunos e os 9 professores que os acompanharam assistiram à peça de teatro Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett, representada pela companhia de teatro Arte d’encantar. À tarde, um grupo de alunos visitou o Museu Nacional Soares dos Reis e o outro o Museu Romântico, dois espaços onde puderam contactar mais de perto com as ideias do romantismo. A visita revelou-se bastante enriquecedora o que vem confirmar a importância destas atividades na formação dos nossos jovens.

Jornal

2015

30


Jo aq u i m d e Ca r v a l ho a l c a nç a bons r e s ul ta dos n o Co r t a - M a to de S ã o J ul i ã o No XII corta-mato de São Julião, que teve lugar no dia 28 de janeiro, e que contou com a participação das escolas do concelho, a escola Joaquim de Carvalho esteve representada por 62 alunos, tendo obtido resultados de destaque. De entre os 33 alunos da Escola que ficaram apurados para participar no cortamato distrital do Desporto Escolar, a realizar no dia 10 de fevereiro em Maiorca, há a destacar aqueles que obtiveram melhores resultados entre todos os alunos de todas as escolas. Entre as participantes femininas, a Escola alcançou o 1º e 3º lugar de Infantis (1º - Catarina Araújo e 3º - Mariana Rodrigues) e o 1º e 2º de Juvenis (1º - Joana Rodrigues e 2º - Raquel Duque). Entre os rapazes, de referir o 4º lugar para os Infantis (Gonçalo Ramos) e para os Juvenis (Ricardo Santana). Independentemente dos resultados, é de salientar a forte adesão dos alunos a estas atividades desportivas, que, além de constituírem salutares momentos de convívio interescolas, são um reforço do investimento dos alunos na sua preparação física.

31

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


Aqui estão os nossos apurados: 1 1033 CATARINA ARAÚJO INFANTIS B F JOAQUIM DE CARVALHO 00:05:26 3 383 MARIANA RODRIGUES INFANTIS B F JOAQUIM DE CARVALHO 00:05:30 19 1929 ANA WERLEY INFANTIS B F JOAQUIM DE CARVALHO 00:07:30 20 1914 ERICA AUGUSTO INFANTIS B F JOAQUIM DE CARVALHO 00:08:19 21 1068 MARIANA FIGUEIREDO INFANTIS B F JOAQUIM DE CARVALHO 00:08:20 22 1931 JESSICA CASTRO INFANTIS B F JOAQUIM DE CARVALHO 00:08:20 4 1234 BEATRIZ MANANO INICADOS F JOAQUIM DE CARVALHO 00:08:37 25 1217 MARIA SAMPAIO INICADOS F JOAQUIM DE CARVALHO 00:12:41 28 1218 MARIA SILVA INICADOS F JOAQUIM DE CARVALHO 00:14:38 1 490 JOANA RODRIGUES JUVENIS F JOAQUIM DE CARVALHO 00:07:44 2 465 RAQUEL DUQUE JUVENIS F JOAQUIM DE CARVALHO 00:07:59 5 457 DIANA MOURO JUVENIS F JOAQUIM DE CARVALHO 00:08:45 7 453 INÊS NUNES JUVENIS F JOAQUIM DE CARVALHO 00:09:12 8 447 ANA TORRES JUVENIS F JOAQUIM DE CARVALHO 00:09:13 11 449 RITA SECO JUVENIS F JOAQUIM DE CARVALHO 00:09:26 4 1930 GONÇALO RAMOS INFANTIS B M JOAQUIM DE CARVALHO 00:05:04 16 1073 RAFAEL CRISTOVÃO INFANTIS B M JOAQUIM DE CARVALHO 00:05:30 21 1922 PEDRO AFONSO INFANTIS B M JOAQUIM DE CARVALHO 00:05:44 24 1916 DIOGO FIGUEIREDO INFANTIS B M JOAQUIM DE CARVALHO 00:05:51 28 1028 LUCAS LEMOS INFANTIS B M JOAQUIM DE CARVALHO 00:06:01 29 1920 JOSÉ BENTO INFANTIS B M JOAQUIM DE CARVALHO 00:06:01 24 367 GONÇALO GODINHO INICIADOS M JOAQUIM DE CARVALHO 00:07:42 25 39 PEDRO COSTA INICIADOS M JOAQUIM DE CARVALHO 00:07:44 29 291 JOÃO COSTA INICIADOS M JOAQUIM DE CARVALHO 00:07:53 31 153 VASCO SOARES INICIADOS M JOAQUIM DE CARVALHO 00:07:57 32 37 MARTIM OLIVEIRA INICIADOS M JOAQUIM DE CARVALHO 00:08:00 36 342 FRANCISCO MIRA INICIADOS M JOAQUIM DE CARVALHO 00:08:12 4 467 RICARDO SANTANA JUVENIS M JOAQUIM DE CARVALHO 00:10:50 5 463 JOÃO SOARES JUVENIS M JOAQUIM DE CARVALHO 00:10:53 6 484 JOSÉ RAMOS JUVENIS M JOAQUIM DE CARVALHO 00:10:57 11 462 RUI PAGAIMO JUVENIS M JOAQUIM DE CARVALHO 00:11:21 14 466 RICARDO ALVES JUVENIS M JOAQUIM DE CARVALHO 00:11:34 16 450 ANDRÉ GOMES JUVENIS M JOAQUIM DE CARVALHO 00:11:40

Jornal

2015

32


I nt er n e t – Ri s c o s – “ Conhe c e r, re fl e ti r e pr e v e nir” Os alunos do 7º ano assistiram hoje, no auditório, a uma sessão dinamizada pelo Inspetor Camilo Oliveira, subordinada ao tema  Internet – Riscos – “Conhecer, refletir e prevenir”. Com esta sessão, pretendeu-se alertar os jovens para os perigos que espreitam do outro lado do ecrã. Ana Cláudia Amaro, 10ºA

33

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


1ª f as e d a s O l i m p í a da s P ortugue s a s de Bi ol ogia Está a decorrer, na nossa escola, a 1ª fase das Olimpíadas Portuguesas de Biologia para alunos do 9ºano. As OPB são um concurso de ciência, na área da Biologia, destinada a estudantes do ensino Básico e secundário de escolas públicas ou privadas. A participação é aberta a todas as escolas em território nacional (continente e ilhas), públicas ou privadas, que leccionem as disciplinas de Ciências Naturais e/ou Biologia entre o 9º e o 12º anos. As escolas têm apenas que se inscrever no site das Olimpíadas através de um dos professores de Biologia e podem participar todos os alunos que frequentem essas disciplinas. Mais informações em: http://www.ordembiologos.pt/olimpiadasportuguesasbiologia/olimpiada-biologia-OPB-olimpiadas-portuguesas-biologia.html Ana Sofia 10ºD João Lima 10ºA Ana Cláudia 10ºA

Jornal

2015

34


Ve s t e a nos s a c a mi s ol a ! A Escola Dr. Joaquim de Carvalho  tem à disposição de todos os interessados uma sweat e uma t-shirt em algodão com o seu logotipo.   Faz como nós e adquire já a tua, na  papelaria escolar.

Afonso Pereira, 7ºD Diogo Nogueira, 7ºD

Tr i b u t o a Ne l s on Ma nde l a A convite do Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, Dr. João Ataíde, 3 turmas de diferentes anos de escolaridade deslocaram-se ao Auditório Municipal, no dia 11 de fevereiro, pelas 10h45min, a fim de participarem no Tributo a Nelson Mandela. O jornalista António Mateus, amigo e companheiro de Nelson Mandela, deu a conhecer de perto aos alunos esta personalidade de destaque no nosso mundo atual. Foi sem dúvida um momento de descobertas para os alunos presentes, que saíram fascinados com a coragem e bondade deste homem e motivados para seguir os seus passos.  Paulo Amorim, 7ºA Nº17

35

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


E s co l a n o Pa r l a m e nto dos j ov e ns - 2 0 1 4 / 2 0 1 5

A nossa Escola volta a participar no programa Parlamento dos Jovens 2014-2015, destinado aos alunos do ensino secundário. O tema deste ano é “Ensino Público e privado: que desafios?”. O propósito deste tema prende-se com o facto de a Comissão Parlamentar de Educação e Ciência considerar que a atual situação do ensino em Portugal exige uma reflexão em torno das instituições privadas e públicas, as quais devem oferecer aos jovens um ensino de qualidade, que os prepare para o futuro. Assim, alguns alunos da Escola decidiram participar neste programa, tendo criado uma lista de candidatos a deputados escolares. Enquanto lista única, a lista A elegeu os dez deputados para a sessão escolar. Liderados por duas alunas, em parceria com os restantes oito alunos, desenvolveram um conjunto de atividades, de forma a sensibilizar os alunos da Escola para o referido problema. A sessão escolar decorreu no passado dia 19 de janeiro, tendo os deputados eleito as alunas Mafalda Pedrosa e Débora Silva para representarem a Escola, com o projeto de intenções, em Coimbra, no dia 2 de março. Foram também eleitas as alunas Andreia Duarte e, como suplente, Joana Lopes, para representar a escola, no dia 25 de fevereiro, em Coimbra, como candidata a presidente da mesa da sessão distrital. Em Coimbra, os nossos jovens alunos irão debater este tema, de forma a serem eleitos representantes do distrito de Coimbra na sessão nacional, que decorrerá em Lisboa, no Parlamento Nacional. A eles a Escola agradece a disponibilidade, empenho e vontade com que se lançaram neste projeto.

Mafalda Pedrosa, Débora Silva, Andreia Duarte e Joana Lopes Jornal

2015

36


Di a dos na m ora dos O Dia dos Namorados, também conhecido como o Dia de São Valentim, comemora-se no dia 14 de fevereiro, celebrando o amor entre casais, namorados e até entre amigos.   Neste dia, é comum a troca de cartões e presentes, bem como das tradicionais caixinhas de bombons.  Não se esqueçam de deixar a vossa carta aqui, até às 8.30 de dia 13 de fevereiro! Ana Amaro, 10ºA Duarte Silva, 9ºB Cristina Silva, 9ºC

11º C a m p e o n a t o Na ci ona l de J ogos Ma te m á ti c o s Decorreu, hoje, a seleção dos próximos participantes no 11º Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos, que, no dia 6 de março, irão à Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro em Vila Real representar a nossa escola. Aguardamos os resultados com expetativa! Tiago Gomes 7ºC Duarte Silva 9ºB

37

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


Co r t a Ma to - di s tr i ta l No dia 10 de fevereiro , realizou-se, em Maiorca, o corta-mato distrital que contou com a participação de várias escolas do distrito de Coimbra. A aluna Joana Rodrigues, do 11ºB ano, ficou classificada em 3º lugar do escalão juvenil, tendo a equipa deste mesmo escalão conseguido a 3ª classificação e a aluna Mariana Rodrigues do 7º B no 3º lugar infantis B femininos. Ana Cláudia 10ºA Ana Margarida 10ºA

Um di a , e m Ma fra . . 26 de fevereiro. 7.30. Portão principal da Escola. 4 autocarros, 8 professores, 174 alunos. Destino – Mafra. O ar ensonado dos presentes rapidamente dará lugar a animadas conversas. À nossa espera, o majestático Palácio Nacional de Mafra ou a História de um edifício que nos transporta para o século XVIII. Instalamo-nos para assistir ao espetáculo teatral. Perante nós desfilam personagens históricas e ficcionais. Blimunda, Baltasar e Bartolomeu – a Trindade Terrestre – conjugam esforços em torno da materialização de um sonho tão antigo como o próprio homem, o de voar, construindo a passarola. Em contraposição, temos um rei, D. João V de seu nome, que fez a promessa de construir um convento, mas que, transportado pelo seu desejo de grandeza, leva a sua vontade mais longe: um convento para 300 frades franciscanos, um palácio e uma basílica que ele chegou a idealizar semelhante à de São Pedro de Roma! Quem os construirá, porém, serão homens do povo (cerca de 52 mil!), a gente anónima que Saramago pretende homenagear e imortalizar na sua obra Memorial do Convento. Esses são, segundo o autor, os verdadeiros heróis que, levados à força, em muitos casos, permitiram que a obra se erguesse para a posteridade. Depois, ainda há uma visita guiada ao palácio e à basílica. De qualquer forma, esta é uma viagem no tempo que, com as devidas adequações, bem nos poderá fazer refletir sobre a condição humana, a exploração do homem pelo homem e a nossa miséria. A lição mais importante a retirar: aquilo que realmente conta na vida do “bicho da terra tão pequeno” resume-se ao poder do amor e do sonho.

Jornal

2015

38


A lu n o s d o 7 ºa n o ex pl or a m o pa s s a do r oma no Os alunos do 7º ano da nossa escola realizaram, no passado dia 12 de fevereiro, uma visita de estudo a Conimbriga e a Coimbra, no âmbito da disciplina de História. Esta atividade, organizada pela professora Ana Ruas Alves, consistiu numa visita às ruínas romanas e ao museu de Conimbriga, seguida de outra ao Museu Machado de Castro, em Coimbra. Assim, durante a manhã, passeámos por Conímbriga e tivemos uma visita guiada ao respetivo museu. À tarde, já depois de um animado almoço na Faculdade de Ciências e divididos em grupos, visitámos o Museu Machado de Castro, onde tivemos a oportunidade de contactar mais de perto com o antigo Império Romano. A visita foi bastante enriquecedora e contribuiu para nos sentirmos mais motivados e informados. Afonso Pereira, 7ºD Diogo Nogueira, 7ºD

39

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


M a t e m á t i c a n o s di a s 1 9 e 2 0 de Ma rç o No dia 19 de março, quinta-feira, pelas 15 horas, na sala 35, realiza-se a prova do CANGURU MATEMÁTICO, concurso a cargo do Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra com o apoio da Sociedade Portuguesa de Matemática. No dia 20 de março, sexta-feira, na sala 10, realiza-se a seleção dos alunos do ensino secundário que no dia 14 de maio irão participar no Mat12 - prova integrada no Projeto de Matemática Ensino – PmatE, da Universidade de Aveiro. Também no dia 20, sexta-feira, na sala 11, se realiza a seleção dos alunos do ensino básico que no dia 13 de maio irão participar no Equamat – prova integrada no Projeto de Matemática Ensino – PmatE, da Universidade de Aveiro. ESPERAMOS POR TI ! Inscreve-te junto do teu professor de matemática. Clube de Matemática

Co n c u r s o da Che r ub Hoje, dia 11 de março de 2015, realizou-se, na nossa escola, pelo terceiro ano consecutivo, o concurso da Cherub, cujos principais objetivos são estimular o gosto pela leitura e promover a participação dos alunos em atividades da escola. Este ano participaram 11 alunos do ensino básico numa prova com a duração de 15 minutos. Esta baseou-se na leitura do livro “O Recruta”, de Robert Muchamore. Os alunos responderam a  perguntas de escolha múltipla. O vencedor receberá uma mochila e um livro, o segundo lugar será premiado com um livro e gola da Cherub e o terceiro com uma garrafa e um estojo. 

Boa sorte aos participantes!

Jornal

2015

40


En t r e v i s t a à P r e s i de nte da A. E    Por que querias ser presidente da A.E.? Eu e o meu grupo de amigas já tínhamos esta ideia há algum tempo. Desde o 7ºano que andamos nesta escola e sempre vivemos muito esta ideia da campanha, porque todos os alunos gostam da música e é sempre aquela descontracção. Inicialmente não era para ser eu a presidente, a lista zoom vem da junção de duas listas: a que tinha a Débora Silva que é a nossa vice-presidente e a minha e da Ana Gonçalves. Como éramos todos muito amigos, decidimos então juntar-nos para não haver rivalidade, ficando só uma lista. Então, depois de muita deliberação, fiquei eu a presidente e ainda bem. Em que se inspiraram para escolher o nome da lista? Pedimos ajuda aos restantes membros da lista, para terem ideias, para nos ajudarem a escolher. As ideias mais votadas dariam origem ao nome da lista. Entretanto, houve alguns problemas com um nome ou outro e então foi mesmo uma pesquisa na net que ajudou. Zoom adequou-se perfeitamente, porque sugere uma mensagem diferente, a ideia de ampliação e de fazer tudo de um ponto de vista melhor.

Em que se inspiraram para escolher o nome da lista? Pedimos ajuda aos restantes membros da lista, para terem ideias, para nos ajudarem a escolher. As ideias mais votadas dariam origem ao nome da lista. Entretanto, houve alguns problemas com um nome ou outro e então foi mesmo uma pesquisa na net que ajudou. Zoom adequou-se perfeitamente, porque sugere uma mensagem diferente, a ideia de ampliação e de fazer tudo de um ponto de vista melhor. Tiveram algum percalço durante a preparação da campanha? E durante a mesma? Tivemos alguns problemas com as reuniões, porque tínhamos um espaço mas, devido a um problema, tivemos de procurar outro, o que dificultou o nosso trabalho, já que tivemos de transportar cartazes de um sítio para o outro e estes ainda não estavam secos, ou seja, foi trabalho jogado para o lixo. Foi um grande percalço que nos custou um bocadinho, mas acabou por dar tudo certo. Durante a campanha, o primeiro dia foi o mais difícil, foi mesmo aquele dia em que estivemos a ver como tudo funcionava, sistema de som, o sítio, como é que íamos preparar tudo, mas acabou por correr bem.

41

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


Pensam que tiveram uma boa adesão dos alunos? Eu acho que sim, que gostaram de nós, sempre mostramos o que eramos, ninguém foi para a campanha ou para a lista do tipo vou agir assim para as pessoas gostarem de mim, fomos nós e ainda bem, mas sempre tive aquela ideia de que as pessoas estavam a gostar mais da outra lista e estava com um bocadinho de medo que fossemos perder por causa disso mas graças a deus que não. Como foi a sensação de terem ganho? Sinceramente, não estava à espera de ganhar. Quando entrei no auditório para contar os votos, não estava nada nervosa porque achava que íamos perder, mas fiquei feliz, claro. À medida que a contagem decorria tornava-se cada vez mais claro que tínhamos ganho, porém eu continuava completamente calma. Só tomei realmente consciência duas horas depois, quando já estavam todos ao rubro e felizes. Foi a concretização de um sonho nosso. Foi difícil arranjar patrocínios? Não foi difícil, mas teve de haver uma pesquisa. Tem tudo a ver com os contactos que conseguimos estabelecer. Qualquer pessoa consegue arranjar patrocínios: o presidente faz uma carta e vai-se aos sítios, pede-se ajuda. A ajuda não tem de ser monetária, pode ser material, por isso qualquer supermercado pode dar um pacote de canetas o que constitui uma grande ajuda. É muito fácil arranjar patrocínios, é só procurar. Quais são os planos, este ano, a desenvolver pela AE? Nós queremos fazer tudo o que prometemos. Já estamos a tratar disso, já tivemos algumas reuniões com o diretor da escola e em princípio tudo vai ser concretizado. Já começamos a fazer a publicidade do torneio de futsal e ainda vêm aí muitas outras atividades para os alunos. O que podemos esperar da AE? Podem esperar o que viram durante a campanha: a boa disposição, a amizade, atividades divertidas que normalmente não acontecem na escola. É isso que vão esperar da AE. Como és do 12º não achas que seria mais benéfico o presidente ser de outro ano? Eu acho que é indiferente desde que a pessoa que esteja à frente da Associação de Estudantes queira marcar a diferença e fazer o que realmente se propôs. Há pouco tempo, quando tivemos a reunião com o diretor, perguntámos sobre as listas dos anos anteriores. Acabei por consultar os ficheiros que estavam num dossiê, onde se encontrava a lista de 84/85. Os papéis estavam já amarelos de serem tão velhos e reparei que, apesar de 90% dos alunos daquela lista e até mesmo o presidente serem do 10ºano, tinham imensas propostas de atividades. Portanto, eu acho que o ano não tem a ver com os que se vai fazer. O que importa é antes a vontade das pessoas envolvidas. Espero que este ano corra bem e que o Sinal e a Associação de Estudantes façam uma boa parceria. O Sinal é um jornal que todos os alunos leem, principalmente pelas fotos da turma e pelas entrevistas aos professores. Jornal

2015

42


Ve n c e d o r e s E Q UAMAT 2 0 1 5 No dia 20 de março tiveram lugar as várias etapas do EQUAMAT nas salas 10 e 11 da nossa escola. Os vencedores foram: - 7ºano : Equipa “Os Crânios” Filipe Gomes e João Domingues do 7ºC - 8ºano : Equipa “A fuggy plox” Nuno Gonçalves e Afonso Azenha do 8ªB Equipa “Skittles pt” Carolina Azenha e Sofia Gonçalves do 8ºB - 9ºano : Equipa “Zaza Leal” Marisa Mendes e Mª Miguel Cardoso do 9ºC/D - 10ºano : Equipa “Árvore de Crescimento” Filipa Carvalho e Mª Inês Nascimento do 10ºC - 11ºano : Equipa “20 cêntimos” Daniel Coelho e João Andrade do 11ºD/E - 12ºano : Equipa “Mortesco 2” Simão Gaspar e Ana Eulálio do 12ºD

Ex p o s i cã o de BD na BE Desde o passado ano letivo que a biblioteca escolar tinha em mente levar a efeito uma exposição que chamasse a atenção para a importância da BD. Embora alguns a considerem uma manifestação artística menor, na boa BD cruza-se por vezes um belíssimo texto com originais e extraordinárias imagens e grafismos. Por isso, a BD merece que olhemos para ela com outros olhos. A partir de conversas ocasionais da equipa da biblioteca escolar com professores das “Artes”, foi entretanto ganhando corpo um projeto mais abrangente. Este passou a incluir uma exposição, cujo objetivo seria mostrar aos alunos e à comunidade em geral a qualidade e a diversidade da BD ao longo dos tempos. O Departamento de Artes e Expressões decidiu também, em boa hora, dedicar à BD uma unidade letiva. 43

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


Estiveram envolvidos os alunos do 10ºG, 10ºH e 11ºG, e os respetivos professores, Jorge Borges, Paulo Diogo e Rui Fonseca. Quanto à exposição, ela não seria possível sem o contributo do professor Valdemar Ramalho, que disponibilizou obras (algumas delas, raras) da sua biblioteca pessoal. Apresentam-se à comunidade escolar os trabalhos que foram sendo realizados pelos alunos. Venha também apreciar a exposição de BD que está patente na nossa biblioteca.

As Pr i s õ e s no E s ta do Nov o No dia 19 de março, os alunos do 12º ano puderam assistir a uma palestra subordinada ao tema “As Prisões no Estado Novo”, dinamizada pelo professor da Universidade de Coimbra, Miguel Cardina. Esta atividade integrada no estudo da obra de Luís de Sttau Monteiro, Felizmente há luar!, pretendeu dar aos alunos a possibilidade de contactar com a política repressiva do Estado Novo.

Jornal

2015

44


Décima Quinta Edição dos Quadros de Honra (2013-2014) Rotary Club da Figueira da Foz Na sexta-feira, dia treze de março, a nossa escola acolheu a décima quinta edição dos Quadros de Honra (20132014), uma iniciativa do Rotary Club da Figueira da Foz. A sessão teve início com as boas vindas dadas a todos os presentes pelo Dr. José João Azevedo. Após a saudação às bandeiras, seguiram-se dois momentos musicais protagonizados pelas alunas do 12º ano, Mariana Imaginário e Rita Silva. Em seguida, tomou a palavra o diretor da escola, Dr. Carlos Santos, que deu igualmente as boas vindas a todos, felicitando o Rotary Club por esta iniciativa que visa reconhecer o trabalho realizado nas escolas. Felicitou, de igual modo, as restantes escolas do concelho, os pais, os funcionários e os professores. Teve ainda uma palavra de incentivo para todos os jovens, presentes ou não, na cerimónia. O evento prosseguiu com a intervenção do Presidente da Câmara, Dr. João Ataíde, que se congratulou com o empenho dos alunos, o qual vem engrandecer a nossa cidade e o país. Seguiu-se o discurso do Presidente do Rotary Club, Engº. José Maria Leão Costa, que frisou a importância desta cerimónia como um incentivo para os jovens.

45

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


E xp er iê n c i a s n o De pa r ta m e nto de Q uí mi c a da UC Quando a professora Carla Guímaro me convidou a acompanhá-la na visita de estudo com os alunos de química do 12ºC e D, aceitei de imediato e no dia 18 de março, ainda na bem disposta companhia do professor Fernando Lopes, dirigimo-nos a Coimbra, ao Departamento de Química da Universidade. Depois da receção por um professor desta faculdade que nos fez uma apresentação geral do  Departamento de Química e do trabalho nele desenvolvido, os alunos, em grupos, dirigiram-se aos laboratórios de investigação e tiveram a oportunidade de realizar o trabalho laboratorial da síntese do Nylon 6-10 e fazer a demonstração da síntese de Rayon.  As experiências foram bastante reveladoras e todos puderam observar como se faz o nylon e a seda sintética, em escala de laboratório, é claro…Ainda visitámos outros laboratórios desta imensa faculdade e ouvimos, atentamente, as explicações sobre a fotoquímica e a química orgânica.  É de salientar que todos os professores que nos receberam foram extremamente atenciosos e até entusiastas nas demonstrações do muito do que se pode fazer num laboratório de química. Depois do almoço na cantina das químicas, sopa, rolo de carne e fruta ou arroz doce (quem disse que se come mal em todas as cantinas?), fomos ouvir uma interessante palestra sobre o contributo da química para o desenvolvimento da sociedade e a sua importância na descoberta de novos medicamentos. Ainda houve tempo para as fotografias no recinto da velha Faculdade de Direito (a mais antiga do país e das mais antigas da Europa), com uma esplêndida vista sobre o Mondego. Salpicados de chuva, mas felizes e com a certeza de um dia bem vivido, regressámos à Figueira! Prof. Margarida Bessone

Jornal

2015

46


Vi s i t a d e e s tudo a Li s boa No dia 10 de abril, no âmbito da disciplina de Português, os alunos do 9º ano participaram numa visita ao Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, onde puderam ainda assistir à peça de teatro vicentino “Auto da Barca do Inferno”. O Mosteiro dos Jerónimos continua a impressionar pela sua arquitetura e imponência. Aí se encontram sepultados Vasco da Gama e Luís Vaz de Camões. Foi uma oportunidade para os alunos conhecerem este magnífico monumento, que tanto engrandece o nosso país. À tarde os alunos visitaram a Torre de Belém   e o Padrão dos Descobrimentos, regressando a casa com novos conhecimentos e uma alma mais portuguesa. Duarte Silva,9ºB Sofia Bizarro, 10ºD

A s Es c o l í a d a s sã o j á no di a 1 8 de a br i l ! No próximo sábado, dia 18 de abril, pelas 21.30h, a nossa escola participa nas Escolíadas 2015, que decorrerão no CAE da Figueira da Foz. É muito importante que todos nós possamos estar presentes para apoiar a nossa equipa. Para tal, basta adquirir um dos 150 bilhetes (3 euros, a pagar em dinheiro), na reprografia da Escola. Contamos contigo!

47

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


J o v e n s a r t i s ta s da Fi gue i ra da Foz Está patente ao público das 9h as 17h no Paço de Tavarede, espaço jovem, uma exposição de trabalhos, desenvolvidos na disciplina de Oficina de Artes, dos alunos de artes visuais do 12ºano. Parabéns a todos!

Diogo Nogueira,7ºD Afonso Pereira, 7ºD

Jornal

2015

48


Joaquim de Carvalho lança novas Acrobacias com Palavras Na sexta-feira, dia 20 de março, no Auditório Joaquim de Carvalho, procedeu-se ao lançamento da 12ª edição de Acrobacias Com Palavras, uma publicação com trabalhos produzidos pelos alunos em contexto escolar, no ano letivo de 2013/2014. Pretende-se, mais uma vez, dar visibilidade não só  aos textos, mas também às ilustrações dos nossos jovens artistas. A sessão foi presidida pelo Diretor da Escola, Dr. Carlos Santos, que salientou a qualidade dos textos dos alunos e das ilustrações presentes nesta publicação. Tomou também a palavra o Dr. Domingos Silva, Administrador do Casino Figueira,  patrocinador exclusivo desta publicação, que frisou a importância das palavras no desenvolvimento do indivíduo e dos povos. A sessão foi também marcada pela presença do escritor Dr. António Tavares, professor desta Escola e Vereador da Educação, que falou aos alunos da sua atividade enquanto escritor, com destaque para o seu romance As palavras que me deverão guiar um dia. Transmitiu a todos o seu gosto pela escrita e incentivou os alunos a começarem desde cedo com esta atividade. Referiu que o que é difícil é fazer coisas simples e que, acima de tudo, “é preciso gostar de palavras”. Esta cerimónia contou com vários momentos de grande qualidade artística. Alguns alunos leram textos em Português, Inglês, Francês e Alemão, foram  projetadas  ilustrações produzidas pelos alunos e houve ainda espaço para algumas acrobacias retratadas em momentos de dança. Tudo terminou em festa com um talentoso momento musical. Para o ano aguardamos novas Acrobacias com Palavras! Clube de Jornalismo

49

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


Jornal

2015

50


Jo aq u i m d e Ca r v a l ho: 5 prov a s , 7 m e da l ha s Campeonato Distrital de Pista, atletismo No dia 14 de abril, a Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho participou no Campeonato Distrital de Pista, atletismo, no Estádio Cidade de Coimbra, competição integrada nas atividades do Desporto Escolar. Deslocaram-se a Coimbra 9 alunos, 5 rapazes e 4 raparigas, elementos do Clube de Desporto Escolar, da modalidade de atletismo, acompanhados pelo Professor Filipe Matos. Participaram, entre cerca de 1000 alunos de todo o distrito de Coimbra, em todas as modalidades em competição, resistência (1500m., 1000m.), velocidade (60m.), saltos (comprimento e altura), tendo trazido sete medalhas para a Escola. Na prova dos 1000 m. infantis, Gonçalo Ramos, aluno do 7º ano, ficou no 3º lugar; na prova dos 1500 m. iniciados femininos, Matilde Sousa, aluna do 9º ano, alcançou o 1º lugar; nas provas de salto em altura e salto em comprimento, iniciados femininos, Ana Pinto, aluna do 8º ano, alcançou dois 2º lugares; na prova de velocidade 60 m. juvenis, Xavier Rato, aluno do 10º ano, conquistou o 1º lugar; na prova de salto em comprimento, juvenis, Nelson Pinto, aluno do 11º ano, conquistou o 3º lugar e, na de salto em altura, conquistou o 1º lugar. Mais uma vez, se reforça a ideia de que, sendo muito relevante o bom desempenho académico, é de louvar quando este é acompanhado por bons níveis de desempenho desportivo.

51

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


Esc ola Dr. J o a q u i m d e Ca r v a l ho c om e m ora 4 6 a nos No dia 17 de abril, comemoraram-se os 46 anos sobre a data de inauguração do atual edifício da Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho. Ainda que esta instituição seja mais antiga, uma vez que foi criada em 1932, tendo funcionado, durante largos anos, noutro local, o atual edifício foi inaugurado em 1969, data a partir da qual passou a figurar no imaginário da comunidade Joaquim de Carvalho e dos cidadãos figueirenses em geral. As comemorações  incluíram uma sessão solene em que estiveram presentes o Diretor da Escola, Dr. Carlos Santos, o Presidente do Conselho Geral, Dr. João Santos, o Diretor Geral dos Estabelecimentos Escolares, Dr. José Alberto, a Subdiretora da Direção Geral de Educação, Dr.ª Eulália Alexandre e a Delegada Regional da DGEstE Centro, Dr.ª Cristina Oliveira. Compareceram ainda antigos dirigentes da Escola, professores, funcionários, alunos, e entidades oficiais. De destacar a presença de um antigo professor da Escola, o Dr. Pedrosa Veríssimo, que com 99 anos é o mais idoso do Concelho. Ao jantar compareceram  muitos antigos alunos, professores e funcionários que partilharam recordações, num espírito de grande animação e convivialidade.

Jornal

2015

52


E sc o l í a d a s – J o a qui m de Ca rv a l ho na Fi na l Em resultado da disponibilização da Prof.ª Adélia Batata para abraçar e liderar este projeto, a nossa Escola, em fevereiro de 2015, decidiu participar na 26ª edição do concurso interescolas Escolíadas 2015. Fruto de uma forte determinação e de um trabalho diário de empenho e dedicação, a Prof.ª Adélia Batata soube entusiasmar uma equipa constituída por 22 elementos, quatro professores e dezoito alunos do ensino secundário, de diversos cursos, e uma claque, composta por alunos do terceiro ciclo e secundário, capazes de montar uma coreografia dinâmica. Para levar este projeto a bom porto, contou com a colaboração próxima de vários professores, que prontamente se envolveram no projeto e que nele acreditaram, trabalhando com empenho. Foram eles o Prof. Rui Feteira, que orientou a prova de teatro, em que participou a Prof.ª Margarida Bessone. Para esta prova contou também com a colaboração da Prof.ª Graça Alves. A supervisão da claque ficou a cargo do Prof. Carlos Belo e da Prof.ª Susana Baptista. A prova de música e dança também foi orientada pela Prof.ª Adélia Batata. Por fim, a prova de artes plásticas foi idealizada pela Prof.ª Adélia Batata, que a realizou durante o espetáculo, em colaboração com a aluna Patrícia Cabete do curso de Artes Visuais. A caracterização das personagens do teatro e dos elementos da claque ficou a cargo dos alunos David Pedrosa e Carolina Pereira e da Profª Susana Baptista. De salientar, também, o envolvimento de muitos outros colaboradores, Prof. Francisco Moço, Prof. Paulo Plácido, vários Assistentes Operacionais, nomeadamente, Sr. Carlos Dinis. Contámos também com a parceria artística do Conservatório Maestro David de Sousa, nas pessoas do Professor Nuno Bettencour e da Prof.ª Katy, e do cabeleireiro Rubenyvan, que pronta e graciosamente se disponibilizou a “despentear” os nossos concorrentes. Destacamos, também, os alunos Jorge Oliveira, André Varela e Gabriel Castro do Curso Profissional de Técnico de Multimédia, que além de fazerem a cobertura de todo o evento, criaram uma animação virtual para a prova de música e dança. Inspirados pelas palavras de Fernando Pessoa, que lembra que sem loucura o homem não passa de “uma besta sadia”, de um “cadáver adiado que procria”, e que, tal como D. Sebastião, o homem deve ser “Louco, sim, louco”, e querer “grandeza qual a Sorte a não dá”, elegemos para tema da nossa Escola a LOUCURA! Foi este o tema que subordinou todas as provas, elegante e energicamnte apresentadas pela aluna Madalena Trincão do 12º ano. Concluída a primeira etapa, e, apesar de termos começado tardiamente, pelo que o tempo de preparação foi diminuto, passámos à segunda fase, à final, onde estaremos ainda mais animados e com mais determinação, para o que solicitamos, desde já, a colaboração de toda a comunidade, na preparação para as provas e na presença no espetáculo de dia 22 de maio.

53

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


Pro fes so r Da No s s a Es c ol a No Ca mpe ona to Do Mundo! Paulo Simões, professor de Educação Física na nossa escola, foi convocado pela Seleção Nacional de Kayaksurf com vista a participar no campeonato do mundo. A prova irá decorrer de 29 de junho a 5 de julho em Patine, Espanha. Atleta de alta competição, o professor Paulo Simões, já havia participado, em 2007, num outro campeonato do mundo, em Torres Vedras, mas a nível individual. Desejamos-lhe, desde já, uma excelente competição! Sofia Heleno, 10ºD

Jornal

2015

54


Joaquim de Carvalho de volta à onda do bodyboard

Na tarde da passada quarta-feira, 3 de junho, cerca de 30 alunos da Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho voltaram às ondas, agora à praia do Cabedelo, para a prática de bodyboard e surf. Este evento, resultante de um projeto lançado pela Câmara Municipal a todas as escolas do concelho, em parceria com a Associação de Bodyboard da Foz do Mondego (ABFM) e a Associação de Surf, ofereceu a cerca de 30 alunos, rapazes e raparigas, do Clube do Desporto Escolar da Escola uma nova experiência nestes desportos de ondas. Depois de equipados com os fatos cedidos pela Associação, já na areia, os alunos receberam algumas instruções sobre como proceder nas ondas. Posteriormente, cada um enfrentou as ondas com a sua prancha até o sol se pôr. A atividade, orientada pelos professores do Departamento de Educação Física da Escola e pelos monitores da Associação de Bodyboard e da Escola de Surf, foi um sucesso e traduziu-se num imenso entusiasmo e alegria por parte dos alunos participantes.

55

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


TURMAS 2014|2015 Jornal

2015

56


7º ANO

A

Diretora de Turma: Ana Paula Bento Delegado: Pedro Serrano Grilo Subdelegada: Marina Oliveira Simões

B

Diretor de Turma: João Mota Delegada:Francisca Maria Gomes Subdelegada: Joana Mesquita Ferreira

57

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


C

Diretora de Turma: Alice Mota Delegado: Henrique JosĂŠ Louro Subdelegada: Jessica Alexandra Castro

D

Diretora de Turma: Elizabeth Domingues Delegada: Maria Pedro Branco Subdelegado: Afonso da Silva Pereira

Jornal

2015

58


E

Diretora de Turma: Sara Neves Delegado: Guilherme Marques Pereira Subdelegado: Tomรกs Alexandre Maia

8ยบ ANO

A 59

Diretora de Turma: Ana Maria Alves Delegado:Jiayi Guo Subdelegado: Rodrigo Neves Carvalho

Escola Secundรกria Dr Joaquim de Carvalho


B

Diretora de Turma: LĂ­gia Domingues Delegado: Ricardo Miguel Cavaleiro Subdelegada: Rita Maria Duarte

C

Diretora de Turma: Cristina Pico Delegada: Eva Cristina Almeida Subdelegado: Tiago Lima Cardoso

Jornal

2015

60


D

Diretor de Turma: José Tarrafa Delegado: Diogo José Fortunato Subdelegada: Marta Isabel dos Santos

9º ANO

A 61

Diretora de Turma: Regina Carvalheiro Delegado:Gonçalo Godinho Subdelegada: Marta Campos

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


B

Diretora de Turma: Ana Luísa Delegada: Mariana Dias Cecílio Subdelegada: Gabriela Sá Carvalho

C

Diretora de Turma: Regina Arneiro Delegada: Maria Miguel Cardoso Subdelegada: Catarina Maia

Jornal

2015

62


D

Diretora de Turma: Fernanda Sobral Delegado: Guilherme Afonso Simplício Subdelegada: Maria Beatriz Mariano

10º ANO

A 63

Diretora de Turma: Cândida Ferreira Delegada:Rita Maria Seco Subdelegado: Diogo Filipe Rabadão

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


B

Diretor de Turma: Luis Paulo Delegada: Joana Paiva Rebola Subdelegado: Diogo Rolo Rodrigues

C

Diretora de Turma: Ivone Vicente Delegado: Rui Manuel Ferreira Subdelegada: Filipa Graรงa Carvalho

Jornal

2015

64


D

Diretor de Turma: Carlos Portela Delegada: Ana Sofia Heleno Subdelegada: Maria Inês Ribeiro

E

Diretora de Turma: Lurdes Carvalho Delegado: Hugo Damien Pascoal Subdelegado: Luís Carlos Castro

65

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


F

Diretora de Turma: Rosa Nicolau Delegado: Nuno Miguel Frederico Subdelegada: Maria Miguel Silva

G

Diretor de Turma: Marco Nicola Delegada: Viviane Portela Pereira Subdelegada: SalomĂŠ Alexandra Mateus

Jornal

2015

66


H

Diretora de Turma: Graรงa Alves Delegada: Luzia Vinha da Rocha Subdelegada: Daniela Andrade Ferreira

I

Diretor de Turma: Telmo Ruano Delegada: Mรกrcia Rodrigues Ferreira Subdelegado: Joรฃo Oliveira da Ponte

67

Escola Secundรกria Dr Joaquim de Carvalho


11º ANO

A

Diretora de Turma: Lourdes Moreira Delegado: José Luís Malaquias Subdelegada: Maria Francisca Damas

B

Diretora de Turma: Rosário Matoso Delegada: Ana Rita Silva Subdelegada: Inês Carolina Gomes

Jornal

2015

68


C

Diretora de Turma: Madalena Monteiro Delegada: Patrícia Alexandra Antunes Subdelegado: Ricardo Lopes Pardal

D

Diretor de Turma: João Santos Delegada: Margarida Gonçalves Susana Subdelegada: Beatriz Maria Ramalhão

69

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


E

Diretor de Turma: Paulo Plรกcido Delegado: Joรฃo Antรณnio Andrade Subdelegado: Yurii Olenyuk

F

Diretor de Turma: Arlindo Mariquinhas Delegado: Jonรกtas Daniel Pereira Subdelegada: Mariana Estrela Azevedo

Jornal

2015

70


G

Diretora de Turma: Helena Cavacas Delegada: Lícia Abreu dos Santos Subdelegada: Milène Borges Masson

H

Diretor de Turma: Ilídio Simões Delegado: Rodrigo Filipe da Mota Subdelegado: Diogo Marques Gomes

71

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


12º ANO

A

Diretora de Turma: Claudia Monteiro Delegada: Ana Isabel Silva Subdelegado: André Miguel Santos

B

Diretor de Turma: Paulo Simões Delegado: João Carlos Cunha Subdelegado: Marcos António Cachulo

Jornal

2015

72


C

Diretor de Turma: Fernando Lopes Delegado: José Maria Girão Subdelegada: Débora Cristina Silva

D

Diretor de Turma: Carlos Furtado Delegado: Simão André Gaspar Subdelegada: Ana Carolina Eulálio

73

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


E

Diretor de Turma: Pedro Roque Delegada: Catarina Simões Rodrigues Subdelegado: João Pedro Coronel

F

Diretora de Turma: Isaura Dias Delegada: Alexandra Patrícia Fonseca Subdelegado: João Miguel da Cruz

Jornal

2015

74


G

Diretora de Turma: Susana Batista Delegada: Bárbara Pereira Rodrigues Subdelegada: Sofia Périé de Barros

H

Diretor de Turma: Francisco Moço Delegada: Íris Alves Bernardes Subdelegado: Rúben José Pinto

75

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


I

Diretora de Turma: Ana Sofia Soares Delegada: Cláudia Sofia Rodrigues Subdelegado: Ye Shuang Lei

Ensino Especial Professoras: - Fernanda Neto - Luísa Barata - Rosa Ramos Alunos: - Ana Beatriz Castanheira - Leonardo Francisco - Adriana Magalhães - João Pereirinha Jornal

2015

76


F ic ha Técn i ca Colaboraram neste número: Professores - Júlia Seiça, Alice Mota, Jorge Marques, Carlos Portela, Carlos Furtado, Fernando Lopes, Carlos Belo, Margarida Bessone. Alunos do Clube de Jornalismo - Diogo Nogueira, Paulo Amorim, Afonso Pereira, Artur Cardoso, Tiago Gomes, Daniela Costa, Catarina Pena, Cristina Silva, Duarte Silva, Joana Silva, Guilherme Marques, Ana Amaro, Margarida Torres, Rita Almeida, Sofia Heleno, João Lima, Alexandre Hing, Ruben Fidalgo. Fotos das turmas: Anabela Ângelo Redatoras - Anatilde Gomes, Heloísa Cordeiro e Marta Pena Paginação Eletrónica - Susana Alexandrino

Jornal de Edição Digital

77

Escola Secundária Dr Joaquim de Carvalho


Sinal 2015  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you