{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade.

Page 1

revista TREZE ANOS NO CAMINHO DA INFORMAÇÃO

Sindicato Nacional dos Cegonheiros

Ano 14 - edição no 168 - abril /2016 - Publicação mensal

POR UM BRASIL MELHOR Quase mil cegonhas passaram pelas rodovias Anchieta e Imigrantes

SAÚDE

H1N1: vacina é a melhor prevenção

RECADASTRAMENTO O processo é simples e fácil feito de acordo com o final da placa


AS MAIORES MARCAS DO SETOR DE TRANSPORTES ESTÃO AQUI.

22 a 24 SETEMBRO/16

Pavilhão Vera Cruz - das 16h às 22h

São Bernardo do Campo - SP


Palavra do Presidente Presidente: José Ronaldo Marques da Silva Vice-Presidente: Jaime Ferreira dos Santos Secretário Geral: Douglas Santos Silva Secretário de Finanças: Reginaldo Fabretti Diretor Regional: Márcio Galdino da Silva Primeiro Secretário: José Murialdo Generoso Júnior Primeiro Tesoureiro: Josimar Lincon de Freitas Diretores Executivos Efetivos Gilmar Donizette da Silva Benvindo Gonçalves José Laércio da Silva Antenor Garibaldi Clemente Francisco de Assunção Diretores Executivos Suplentes Edimar Moreira de Oliveira Ednilson Azevedo Bitencourt Jurandy Pereira de Albuquerque Luiz Eugenio Baldin Golgatto Antonio Bertin Jardel de Castro Luiz Bianchi Giglio João Soares de Jesus Aroldo Neves de Lima Ronaldo Montagnini Jacinto Tassiano de Sousa e Silva César Wellington Pereira da Rocha Conselho Fiscal Efetivo Adilson Roberto Bento Hamilton Mendes José Vicente Bonetti Conselho Fiscal Suplente Fábio Renato dos Santos João Formiga de Souza Daiana Freitas de Oliveira Jornalista Responsável José Nogueira do Nascimento Mtb 15.211 Editoração de Arte e Produção Gráfica Milton Tonello Editor José Nogueira do Nascimento Publicidade Ítalo Rocha Nogueira Redação Analuiza Tamura e José Nogueira Revisão Maria Isabel Corcete Fotografia Ítalo Rocha Nogueira Impressão Gráfica Gráfica e Editora Referência Tiragem 6.000 exemplares

Endereço Rua Servidão Particular, 114 - Bairro Batistini CEP - 09842-095 - São Bernardo do Campo - SP Fone: (11) 4103-0204 www.sindicatodoscegonheiros.com.br revistacegonheiro@sindicatodoscegonheiros.com.br conexaocomunicacao@uol.com.br Revista Mensal dirigida aos Cegonheiros. As opiniões dos artigos assinados e dos entrevistados são de seus autores e não necessariamente as mesmas da Revista Cegonheiro. A elaboração de matérias redacionais não tem nenhuma vinculação com a venda de espaços publicitários. Os anúncios são de responsabilidade das empresas anunciantes. Ano 14 - edição nº 168 - abril de 2016 Sindicato Nacional

Caros Leitores Quero agradecer a todos que participaram da nossa carreata no dia 5 de abril. A manifestação mostrou mais uma vez nossa força e o reconhecimento da categoria junto à população. Que nosso ato sirva de exemplo para outros setores. O Brasil precisa voltar a crescer. Estamos diante da pior crise econômica, nosso volume de negócios vem caindo assustadoramente e muitos não conseguem honrar seus compromissos. A situação tornou-se insustentável e requer medidas urgentes na nossa política econômica. Não somos a favor ou contra nenhum partido. Nossa luta é por um Brasil melhor. Queremos voltar a fazer aquilo que sempre fizemos, que é transportar o sonho de todo brasileiro: o carro zero. A indústria automobilística vem enfrentando sucessivas quedas de vendas. Se a montadora não vende e não produz, os cegonheiros não têm o que transportar, as autopeças deixam de fabricar componentes e por aí vai. A pior consequência de tudo isso é o desemprego. Não dá para viver assim. Não vamos deixar o Brasil parar. Afinal, temos orgulho de ser brasileiros. E como sempre digo, juntos somos mais fortes. Vejam como foi a nossa manifestação e boa leitura!

Índice

José Ronaldo Marques da Silva

Agenda .............................................................................................. 6 Sindicato ...................................................................................... 8 e 9 Investimento .................................................................................... 10 Mercado .......................................................................................... 11 Fiscalização ...................................................................................... 12 Legislação ................................................................................. 14 e 15 Saúde .............................................................................................. 16 Gente ....................................................................................... 18 e 19 Lançamento .............................................................................. 20 e 21 Restrições ........................................................................................ 22 Licenças .......................................................................................... 24 Classificados .................................................................................... 26

Revista Cegonheiro

4


Agenda

Cooperceg tem nova diretoria

Diretores e membros do conselho fiscal terão mandato de quatro anos

Com mandato de quatro anos, a nova diretoria da Cooperceg (Cooperativa de Consumo dos Transportadores Autônomos de Transportes de Veículos) tomou posse no dia 1º de abril. Elias Fazan continua no comando da entidade e será auxiliado pelo vice-presidente Renato Furriel de Freitas. Também foram empossados como diretores adjuntos Élcio Pio dos Santos, Victor Pfeifer Júnior, Reginaldo Fabretti (Gica), Rubens Costa Machado e o tesoureiro Jarbas Viana Pires. O conselho fiscal terá como membros efetivos José Luís Pfeifer, David Paulo Cartezani e Raimundo Melo Cavalcanti. Na suplência, estão Edmilson Bitencourt (Zoio), Luiz Bianchi Giglio e Alexandre dos Santos Alves.

SINDICATO NACIONAL DOS CEGONHEIROS

Regionais: São José dos Pinhais - Paraná Rua Tubarão, 112 - Bairro: Borda do Campo Cep: 83075-060 – São José dos Pinhais/PR Fone: (41) 3385.8245 E-mail: sindceg@gmail.com Diretor: João Soares de Jesus

Porto Real – Rio de Janeiro

Sede Central: São Bernardo do Campo São Paulo Rua Luiz Barbalho, 07/11 Bairro: Demarchi Cep: 09820-030 São Bernardo do Campo/SP Fone: (11) 4346.5500 E-mail: diretoria@sindicatodoscegonheiros.com.br Presidente: José Ronaldo Marques da Silva

Rodovia Presidente Dutra, Km 304 - Bairro Paraíso (Posto Resendão) Cep: 27356-000 Resende/RJ Fones: (24) 3355-3726 e (11) 98732-6373 E-mail: secretaria@sintrav_rj.com.br Diretor: Jardel de Castro

Gravataí - Rio Grande do Sul Av. Eli Correa, 6.651 - RS 030 Bairro: Passo da Cavera Cep: 94010-972 – Gravataí /RS Fone: (51) 3431.7889 E-mail: gravataí@sindicatodoscegonheiros. com.br Diretor: Antenor Garibaldi

São José dos Campos – São Paulo Rua Ernesto Júlio Nazaret, 201 Vila Tesouro Cep: 12221-770 – São José dos Campos/SP Fone: (12) 3906.0807 E-mail: sjcampos@sindicatodoscegonheiros. com.br Diretor: Ednilson Azevedo Bitencourt

Piracicaba – São Paulo Rod SP 304, Km 147 – Sala 02 – Distrito de Tupi Cep – 13422-230 – Piracicaba/SP Fone: (19) 3438-7738 E-mail:piracicaba@sindicatodoscegonheiros.com.br Diretor: Clemente Francisco de Assunção

Sindicatos parceiros: Sintrauto – Goiás Rua Mandaguari, 36 - Bairro: JK Cep: 75709-010 - Catalão/GO Fone: (64) 3411.2907 Presidente: Juarez Rodrigues da Silva

Sintraveba - Bahia Rua Gurupi, 23 – Bairro Goiana Cep: 42808-200 - Camaçari /BA Fone: (71) 3622.6700 Presidente: Carlito Alves

Sintraveic - ES Av. Eldes Scherrer Souza, 1025 Centro Empresarial da Serra Cep: 26165 – 680 – Serra – ES Fone: (27) 3067 – 2601 E-mail: sintraveic@sintraveic.com.br Diretor - Jurandy de Albuquerque Junior www.sindicatodoscegonheiros.com.br

Revista Cegonheiro

6


Renovando a cada dia o prazer da entrega #transzero #emumcompromissosério

www.transzero.com.br 11 4397.7000

Matriz São Bernardo do Campo SP Alvarenga - São Bernardo do Campo SP • Catalão GO • Camaçari BA Gravataí RS • Rio Grande RS • Cariacica ES • São José dos Campos SP Taubaté SP • São José dos Pinhais PR • Paranaguá PR • Ipojuca PE


Sindicato

Por um Brasil melhor

Quase mil caminhões-cegonha percorreram as rodovias Imigrantes e Anchieta

No dia 5 de abril, cerca de mil caminhões-cegonha participaram de uma carreata contra os impactos da crise econômica. Promovida pelo Sindicato Nacional dos Cegonheiros, por onde passou, a manifestação contou com apoio da população, demonstrado por aplausos, acenos e, principalmente, buzinaço. O presidente do Sindicato, José Ronaldo Marques da Silva, o Boizinho, afirmou que a entidade defende a adoção imediata de mudanças na política econômica para que o Brasil volte a crescer, gerando emprego e renda para os trabalhadores. “Nosso ato não foi contra nem a favor de ninguém. Queremos apenas soluções para acabar com essa situação insustentável”, disse. Devido à consecutiva queda no nível de vendas de veículos zero-quilômetro, o volume de negócios do setor caiu cerca de 60% no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2015. “Somos uma categoria específica e preparada para transportar exclusivamente carros. Não podemos recorrer a outras opções, nem faremos isso, pois somos a favor da legalidade do transporte de car-

Revista Cegonheiro

8

Concentração começou logo cedo no pátio de apoio do sindicato

Márcio Galdino, um dos organizadores da carreta, arruma uma das faixas


Por onde passou, a manifestação contou com apoio da população, demonstrado por aplausos, acenos e, principalmente, buzinaço

ga”, declarou o vice-presidente, Jaime Ferreira dos Santos. A entidade afirma que fez investimentos e estava preparada para transportar cerca de 5,0 milhões de veículos em 2015. “Mas diante da queda de confiança do consumidor, da alta de juros e do desemprego, o mercado como um todo praticamente parou. No ano passado, transportamos perto de 2,4 milhões de veículos. Neste ano, não chegaremos a 2,0 milhões. Muitos caminhões-cegonha estão parados. Com isso, muitos deixaram de honrar seus pagamentos e alguns até já perderam seus cavalos mecânicos”, explicou Jaime.

Ato contou com apoio das Polícias Rodoviária Estadual e Militar

Jaime (quarto da esq. para a dir.) com os participantes da carreata

Manifestação defende a adoção de mudanças na política econômica para que o Brasil volte a crescer


Investimento

Mercedes-Benz já produz em Iracemápolis

Hoje a fábrica produz o sedã Classe C e, a partir do segundo semestre, o SUV GLA

Depois de quase 11 anos, a Mercedes-Benz volta a produzir automóveis no Brasil. No dia 23 de março, foi inaugurada a unidade de Iracemápolis (SP), onde inicialmente será produzido o sedã Classe C; a partir do segundo semestre, sairá da linha de montagem o SUV GLA. Os dois modelos serão equipados com o motor 1.6 turbo flexível, nas versões de entrada, e o 2.0 turbo, nas de topo. Com investimentos de R$ 600 milhões, a unidade foi construída em apenas 19 meses. De acordo com executivos da montadora alemã, até o final deste ano deverão ser gerados cerca de 750 postos de trabalho na fábrica. Outros empregos serão gerados pelos fornecedores e prestadores de serviços na região. Para qualificar sua mão de obra, a montadora firmou parceria com o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) e instalou um centro de treinamento na cidade. Além disso, a fim de garantir o padrão de qualidade reconhecido mundialmente, alguns colaboradores foram enviados para outras fábricas do grupo, para que se familiarizassem com os processos de produção. Entre as fábricas que receberam Revista Cegonheiro

10

os profissionais brasileiros, estão as de Bremen (Alemanha), que também produz o Classe C; e a de Kecskemét (Hungria), onde são fabricados modelos compactos. Devido à crise econômica atual e às sucessivas quedas nas vendas de veículos, a unidade vai operar num único turno de produção, o que permitirá que sejam montados cerca de 12 mil veículos – bem abaixo de sua capacidade, que é de 20 mil unidades/ano. Produção global Segundo o presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO América Latina, Philipp Schiemer, a fábrica de Iracemápolis integra a rede de produção global da marca, que inclui unidades de produção na Índia, Indonésia, Malásia, Tailândia e Vietnã. “A abertura da fábrica da Mercedes-Benz de Iracemápolis é mais um marco de progresso no desenvolvimento de nossa rede de produção flexível e eficiente”, afirma. A produção global de automóveis da montadora alemã compreende 26 fábricas, organizadas em complexos de acordo com a arquitetura dos veí-

culos. Para o membro do board Mercedes-Benz Automóveis, Produção e Logística, Markus Schäfer, a unidade brasileira será referência para outras fábricas de porte médio, em termos de layout e tecnologia. Iracemápolis está conectada com todas as fábricas de automóveis da marca, permitindo acesso, independente do local, aos dados de produção e à gestão do processo. Cada uma das instalações e todos os robôs, por exemplo, podem ser controlados e atualizados, recebendo novos programas de software de maneira centralizada. Segunda fábrica de automóveis Iracemápolis é a segunda fábrica de automóveis nos 60 anos de história da Mercedes-Benz no Brasil. A primeira foi inaugurada em 1999, na cidade de Juiz de Fora (MG), com a fabricação da primeira geração do Classe A. No entanto, as vendas ruins fizeram a empresa descontinuar sua produção em 2005. Antes disso, a marca já havia decidido produzir outros modelos para evitar ociosidade no local, como o Classe C exportado para os Estados Unidos e o cupê CLC. Atualmente, a fábrica mineira produz caminhões.


Mercado

Curva descendente A indústria automobilística continua amargando péssimos resultados e os gráficos de produção e vendas de veículos continuam na curva descendente. Em março, as montadoras produziram 195.279 veículos, volume 23,7% inferior ao registrado no mesmo mês do ano passado (255.866 unidades). Na comparação com o mês anterior, quando saíram da linha de produção 136.905, o resultado é 42,6% superior, porém, é necessário levar em consideração que fevereiro teve menos dias úteis, devido ao Carnaval. De acordo com a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), esse foi o pior resultado para o mês de março, desde 2004, quando a indústria produziu 185,5 mil veículos. O resultado, no entanto, poderia ser pior. E ainda segundo a entidade, só não foi pior porque, em virtude do cenário cambial favorável, as exportações registraram alta de 5,7% em relação a fevereiro. No acumulado do ano, a produção de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus somou 482.290 uni-

dades, o que representa uma queda de 27,8% na comparação com os três primeiros meses de 2015 (667.571). Se avaliarmos a produção por segmentos, nesse período a fabricação de automóveis recuou 24,8%; a de comerciais leves registrou queda de 40,9%; a de caminhões diminuiu 35,2%; e a de ônibus despencou 43,5%. Licenciamentos A falta de confiança do consumidor e os juros altos continuam empurrando para baixo o número de veículos emplacados. Em março, foram licenciados 179.219 veículos, queda de 23,6% em relação ao mesmo mês do ano passado (234.631 unidades). Na comparação com fevereiro, o resultado foi 22,1% superior, quando foram comercializados 146.809 veículos. No acumulado do ano, no entanto, a queda é de 28,6%. No primeiro trimestre deste ano, foram emplacados 481.311 unidades, contra as 674.378 de 2015. Exportações No terceiro mês do ano, as ex-

portações somaram 38.559 unidades, alta de 5,7% na comparação com fevereiro (36.484 unidades) e de 19,8% em relação a março de 2015 (32.189 unidades). No acumulado, foram embarcados 98.877 veículos, volume 24% superior ao mesmo período do ano passado. Em valores, as exportações de veículos e máquinas agrícolas somaram US$ 850,517 milhões em março, alta de 0,2% na comparação com fevereiro, mas queda de 7,7% ante o mesmo mês do ano passado. No acumulado do ano, houve baixa de 7,6% sobre o primeiro trimestre de 2015. Estoques Os estoques de veículos nos pátios das montadoras e das concessionárias somaram 259 mil veículos, o que corresponde a 43 dias de vendas. As montadoras estão recorrendo a diferentes medidas para reduzir o volume de produção e baixar esse volume para 30 dias. Por isso, medidas, como a redução da jornada de trabalho, deverão continuar sendo adotadas pelas montadoras. Foto: Divulgação

Nos três primeiros meses, foram produzidos 482.290 veículos, queda de 27,8% na comparação com o mesmo período de 2015

11

Revista Cegonheiro


Fiscalização

Foto: Divulgação

Balanças na BR-050

Novas balanças permitem que a pesagem dos veículos de carga seja feita com o caminhão em movimento

Duas novas balanças entraram em operação da BR-050: uma, instalada no km 84+900 Sul da rodovia, em Uberlândia (MG); e a outra, no km 161,8, em Uberaba (também em MG). Segundo comunicado da MGO Rodovias, concessionária que administra a via, os postos contam com duas balanças, estacionamento com 15 vagas, pátio para transbordo de produtos perigosos, além de salas de fiscalização da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), da coordenação, dos operadores e de atendimento ao usuário; e com um posto da PRF (Polícia Rodoviária Federal). Modernas, as novas balanças permitem que a pesagem dos veículos de carga seja feita de forma dinâmica, isto é, com o caminhão ou o ônibus em movimento. Os equipamentos, embutidos no piso, permitem a pesagem de conjuntos de eixos, eixos individuais e PBT (peso bruto total). Há dois tipos de equipamento de pesagem: o seletivo e o de precisão. Como funciona O processo de pesagem começa antes de o veículo chegar à balança. No acesso que leva ao posto de pessagem, os motoristas são orientados, por meio de placas, a trafegar a 40km/h. Essa velocidade deve ser mantida ao passar pelo balança seletiva. Se não for constatado excesso de peso, os condutores acompanharão, Revista Cegonheiro

12

num painel, a mensagem para voltar à rodovia. Caso contrário, deverão seguir até a balança de precisão a uma velocidade de 10 km/h, garantindo que a pesagem seja feita com maior precisão. Nesse ponto, os dados do veículo e seu peso são transferidos para o banco de dados do sistema. Caso o veículo atenda às especificações da lei e não esteja com excesso de PBT ou por eixo, o motorista é liberado para seguir viagem. Mas se o excesso de peso for confirmado, deverá estacionar o veículo no pátio e dirigir-se ao posto da ANTT. Ali, receberá uma notificação e o caminhão ficará retido até que seja providenciado o transbordo ou remanejamento da carga excedente. A autuação é feita em caso de excesso de peso ou má distribuição da carga, conforme previsto em lei, que estabelece tolerância de 5% no PBT e de 10% no peso por eixo. Rodovias federais Desde o dia 6 de abril, o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte) voltou a fiscalizar o peso de cargas nas rodovias federais. A atividade foi suspensa em julho de 2014, devido a uma ação pública do MPT (Ministério Público do Trabalho) que questionava a terceirização dos servidores que operavam nesses pontos. De acordo com o órgão, agora a fiscalização será executada por

agentes da autoridade de trânsito. A retomada das balanças será feita gradativamente. Na primeira etapa, funcionarão os postos instalados nas cidades de Formosa (GO), Cáceres (MT) e Araranguá (SC). Nas semanas seguintes, a pesagem recomeçará nos outros estados. O DNIT tem 29 postos fixos e 26 postos móveis de pesagem. Os veículos abordados terão a documentação conferida para que seja verificada a adequação da carga à nota fiscal. Inicialmente, a fiscalização terá caráter educativo. Depois, os veículos infratores estarão sujeitos à multa e medidas administrativas. Fuga da balança Quem for flagrado com excesso de peso, comete uma infração considerada média pelo CTB (Código de Trânsito Brasileiro) e recebe multa de R$ 85,13, com um adicional que varia de acordo com a quantidade de carga acima do limite. No caso de fuga da balança, o motorista será flagrado pelas câmeras de monitoramento e receberá a autuação emitida pela ANTT no valor de R$ 5 mil. Cada posto de pesagem está equipado com dez câmeras de fuga, distribuídas na rodovia e nas balanças. Para auxiliar na leitura das placas, os operadores dispõem do sistema OCR, que possibilita a leitura automática.


Legislação

Fique atento aos prazos E deixe a documentação sempre em ordem. Iniciado no ano passado, o recadastramento obrigatório do RNTRC (Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas) é realizado de acordo com o final de placa do veículo. Se você ainda não se recadastrou, verifique quando isso deve ser feito. Dividido em quatro fases, o procedimento é simples e fácil. Na primeira, deve ser preenchida uma ficha com os dados do caminhão. Isso vai gerar uma guia, que deverá ser paga numa instituição bancária. Depois de 24 horas, o frotista poderá retirar o adesivo do seu

Código QR permite leitura eletrônica das informações que constam no sistema do RNTRC

Recadastramento é feito de acordo com a placa do veículo

Revista Cegonheiro

14

cavalo e da sua carreta. O passo seguinte será o cadastramento dos adesivos junto à ANTT (o qual pode ser feito por meio do aplicativo Sitcarga, disponível no Google Play). Esse aplicativo permite ao frotista cadastrar, junto aos servidores do Sitcarga, o QR Code (existente no adesivo), a placa, e a foto do veículo. Para acessá-lo, é necessário que o usuário se cadastre e cadastre uma senha de segurança. Os outros acessos poderão ser feitos com a digitação do CPF, do RNTRC e da senha.


Nova data para instalação do TAG A partir do dia 28 de agosto, a identificação eletrônica (TAG) para os veículos de carga cadastrados no RNTRC será obrigatória. A data inicial estabelecida pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) era 1º de março. A TAG nada mais é que uma etiqueta eletrônica a ser fixada no para-brisa do veículo. Esse dispositivo integra o projeto Sinav (Sistema Nacional de Identificação Automática dos Veículos), estabelecido pela Resolução nº 4.799/2015 e definido pelo Conselho Nacional deTrânsito (Contran) e Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Segundo a assessoria de imprensa da ANTT, o TAG permitirá o compartilhamento de dados do veículo com outros órgãos e ajudará no combate ao

roubo de cargas e na fiscalização do pagamento de impostos federais e estaduais. Isso será possível, graças à rede de coleta de dados, que também será integrada e permitirá a utilização de qualquer ponto com câmera OCR (por exemplo, as de trânsito) ou com antena RF-ID (como as das receitas estaduais). A agência informa que os procedimentos para a instalação da TAG serão divulgados em breve e a instalação será feita de acordo com o final da placa do veículo. O esquema é semelhante ao recadastramento obrigatório no RNTRC (Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas). Confira as datas:

Instalação do dispositivo também será feita de acordo com o final de placa

15

Revista Cegonheiro


Saúde

Foto: A2img/Eduardo Saraiva

H1N1 chegou mais cedo

Em São Paulo, estado que concentra o maior número de casos da doença, vacinação foi antecipada

O número de casos de dengue está diminuindo, mas os pronto-socorros dos hospitais da capital e do interior de São Paulo continuam lotados. Motivo: neste ano, o surto da gripe H1N1 chegou mais cedo e mais violento. Em circulação no Brasil desde 2009, o vírus que costuma surgir em junho, quando a temperatura começa a baixar, já deu sinais que colocam as autoridades da área de saúde em alerta. De acordo com dados da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, até o dia 5 de abril, foram notificados 667 casos da SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave). Desse total, 70 óbitos estão relacionados ao vírus H1N1. Segundo a infectologista do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, Regia Damous, não existe, ainda, nenhuma explicação para esse fenômeno. Ela afirma que o H1N1 é uma variação da gripe comum e seus sintomas são muito semelhantes: a vítima apresenta febre alta e tosse, dificuldade para respirar, podendo ainda sentir dores de cabeça e no corpo, garganta inflamada, cansaço, diarreia e vômito. A doença também pode evoluir para uma situação mais Revista Cegonheiro

16

grave de pneumonia viral e levar a óbito. Por isso, se apresentar um desses sintomas, procure imediatamente um médico. A transmissão do H1N1 ocorre por via oral, por tosse ou por espirro, por isso é recomendável evitar ambientes fechados, sem ventilação e com aglomeração de pessoas. A infecção também acontece por meio de objetos contaminados. Portanto, para se proteger, é fundamental que as pessoas adotem hábitos como, por exemplo, higienizar sempre as mãos. Regia recomenda aos indivíduos que já apresentam sintomas da doença, que sigam a “etiqueta da tosse”, isto é, não tossir nas mãos e usar o antebraço, tecido ou papel quando ocorrer a tosse ou o espirro. Essa prática evita a contaminação de outros indivíduos. Outra medida importante é manter-se saudável, adotando prática de exercícios, alimentação balanceada e ingestão de muito líquido. Vacinação antecipada O estado de São Paulo concentra o maior número de casos da doença. De acordo com o Ministério da Saúde, a campanha nacional de vaci-

nação começará apenas no dia 30 de abril e imunizará somente grupos de risco: crianças de seis meses a quatro anos, grávidas, mulheres no pós-parto, doentes crônicos e profissionais da saúde. Desde o dia 1º de abril, alguns lotes da vacina foram enviados para os estados. A distribuição aos municípios e a imunização de alguns grupos, antes da campanha nacional, ficará a critério de cada administração estadual. É o que foi decidido pelo governo paulista que, no dia 29 de março, deliberou antecipar a vacinação para cerca de 3,5 milhões de pessoas. As doses, que já vão proteger a população contra os vírus do inverno de 2016 (A/California (H1N1), A/ Hong Kong (H3N2) e B/Brisbane), começaram a ser distribuídas na primeira semana de abril. Inicialmente foram imunizados 532,4 mil profissionais da saúde de hospitais públicos e privados da capital e da região metropolitana de São Paulo. Em seguida, a vacinação foi estendida a crianças maiores de seis meses e menores de cinco anos (982,8 mil), a gestantes (179 mil) e aos idosos (1,83 milhão) da capital e Grande São Paulo.


Gente

Força de guerreiro

Com seu espírito de guerreiro, Amaro enfrentou os desafios da profissão e garante que faria tudo de novo

“Passei noites sem dormir. Comi o pão que o diabo amassou. Mas faria tudo novamente. Tenho orgulho do meu passado e da minha profissão.” Quem diz isso é o frotista Amaro Francelino da Silva, que durante mais de 30 anos encarou os desafios nas estradas. Perto de completar 76 anos, Amaro revela a força de um guerreiro que, como poucos, soube vencer grandes batalhas. A primeira foi sair do aconchego do lar, na cidade de Altinho (PE), aos 14 anos, para acompanhar a tia Lica (hoje falecida) e seus quatro primos, que estavam de mudança para São Bernardo do Campo (SP). “Meu tio, José, já morava na cidade e trabalhava numa indústria têxtil, quando decidiu que era hora de trazer a família. A ideia inicial era eu apenas vir junto e depois voltar, mas acabei ficando”, relembra. Apesar da pouca idade, Amaro logo começou a trabalhar para garantir o sustento: primeiro como encadernador de papel, depois como torneiro Revista Cegonheiro

18

mecânico, ajudante numa empresa de cerâmica e na área de compressores de uma indústria. O ingresso no mundo das quatro rodas teve início quando puxava café e era ajudante de caminhão. Anos depois trabalhou como motorista e cobrador de ônibus, até que conseguiu um emprego na Transauto, em 1975. “Nunca pensei em ser cegonheiro. Aproveitei as oportunida-

O primeiro caminhão foi um Mercedes-Benz 1111, ano 1975

des que foram surgindo”, admite. Amaro conta que, durante anos, trabalhou como empregado. Assim começou sua segunda grande batalha. A jornada era dura e exigia muitos sacrifícios. Afirma que trabalhava com “qualquer pau velho” e os caminhões-

-prancha eram quase do mesmo tamanho das carretas. “Era difícil manobrá-los. Precisava de muita força e habilidade”, diz. Determinado, esse pernambucano incansável esbanjava fôlego, emendando uma viagem na outra. O objetivo era um só: ser seu próprio chefe e ter seu próprio caminhão. Anos depois, adquiriu um Mercedes-Benz 1111, ano 1975. “Era um usado, mas foi meu primeiro caminhão”, conta, orgulhoso. O primeiro zero-quilômetro, um Scania Top Line, demorou um pouco para chegar. Longe de casa Depois vieram outros. “Sempre dava uma entrada e financiava o restante. Por isso, perdi noites de sono e ficava horas sem comer. Se parasse para almoçar, não descarregava. Era uma vida cheia de sacrifícios, porém, o que mais pesava era a saudade de casa”, afirma. A solidão na estrada só era com-


Amaro sempre fez questão de cultivar as amizades

pensada quando chegava em casa onde o aguardavam a esposa, Quitéria, e os filhos, Edson e Sílvia. Essa foi a terceira batalha encarada por Amaro. Para garantir o sustento da família, ao longo da sua carreira tirou férias apenas duas vezes – uma, em dinheiro, e somente uma, para realmente descansar. Apesar de ficar muito tempo longe de casa, Amaro viajou somente duas vezes com a família a bordo de um caminhão. “Fomos para Recife visitar a família. Para as crianças era uma verdadeira festa, mas eu preferia que elas ficassem em casa na segurança do lar e sob os cuidados da minha esposa”, diz. Dois aliados A quarta batalha foi garantir o bem-estar da família e, nessa fase, Amaro contou com uma forte e fiel aliada: a esposa também foi à luta e dirigiu uma van escolar. “Juntamos nossas economias e compramos uma perua. Quitéria é minha companheira inseparável. Seu apoio foi fundamental para vencer as adversidades”, revela, com orgulho. E é ao lado de Quitéria que hoje Amaro desfruta do merecido descanso. Aposentado há sete anos, curte os quatro netos: Matheus, Gabriel, Giovanni e Gustavo. “Adoram ouvir minhas histórias e ficam curiosos para

Visita à fábrica da Scania com os amigos cegonheiros

saber como eu dormia e me alimentava na estrada, longe de tudo. Outra curiosidade é sobre “o ar-condicionado”. Quando conto que era preciso molhar a toalha e jogá-la sobre o corpo para me refrescar, ficam impressionados”, diz. O outro grande aliado é o genro,

Haroldo, pai dos garotos Matheus e Gabriel. “Ele é meu braço direito e hoje cuida da administração dos meus negócios. Meu filho, Edson, também atua no setor de cegonhas e tem sua própria empresa. Atualmente posso dizer com orgulho que vim e venci a guerra”, afirma.

Giovanni, Daniela, Gustavo (no colo), Edson, Amaro e Haroldo (no sofá). Quitéria, Matheus, Gabriel e Sílvia (agachados)

19

Revista Cegonheiro


Lançamento

Cargo aut Fotos: Divulgação

Linha Cargo Torqshift permite ao motorista escolher entre realizar a troca automática ou manual de marchas

A Ford reforçou sua linha Cargo de caminhões com seis novos modelos, equipados com transmissão automatizada que permite ao motorista escolher entre realizar a troca automática ou manual de marchas. Denominado Torqshift, o novo câmbio (de 10 ou 16 marchas) foi desenvolvido durante dois anos pelos profissionais da montadora americana em parceria com o fornecedor Eaton. Com capacidade que varia de 16 a 45 toneladas, a nova linha é formada pelos modelos Cargo 1723 Torqshift, Cargo 1723 Kolector Torqshift, Cargo 1729R Torqshift, Cargo 2429 Torqshift, Cargo 1729T Torqshift e Cargo 1933T Torqshift (estes dois últimos cavalos mecânicos). Na apresentação dos modelos à imprensa especializada, o diretor da Ford Caminhões, João Pimentel, afirmou que, apesar das dificuldades econômicas e de sucessivas quedas de vendas no mercado de veículos pesados, a fabricante mantém seus investimentos no Brasil. O executivo também destacou a excelente relação custo/benefício, principalmente no que se refere a três fatores: maior Revista Cegonheiro

20

economia de combustível, menor desgaste do equipamento e mais conforto para o motorista. Na avaliação do gerente de marketing, Flávio Costa, cerca de

20% dos caminhões comercializados no Brasil hoje saem de fábrica com câmbio automatizado e a tendência é que esse número aumente cada vez mais: aproximadamente 35% neste

Cerca de 20% dos caminhões comercializados no Brasil hoje saem de fábrica com câmbio automatizado


omatizado Painel de instrumentos é completo e todos os comandos ficam a mão do motorista

ano, e de 70% a 75% nos próximos anos, podendo chegar a 100% no segmento dos extrapesados. Como funciona A transmissão automatizada conta com um atuador elétrico (com função semelhante à do pedal de embreagem), que abre e fecha quando necessário; e dois motores de corrente contínua para acionar a alavanca de engate. Há ainda uma unidade de controle eletrônico que garante a interface com o módulo do veículo. Se desejar que a troca de marchas seja automática, o condutor deve colocar a alavanca na posição D (drive). Se preferir assumir o comando do veículo, é preciso mudar para a função M (manual). Na função L (low), as marchas são reduzidas automaticamente de acordo com a velocidade e a rotação do veículo – o que dá mais segurança para encarar descidas. O sistema conta também com as funções kick-down e creep. A primeira mantém o caminhão freado por até três segundos enquanto o motorista pisa no acelerador. Isso garante que o veículo saia da ladeira mais suavemente, sem voltar para trás. A outra deixa a aceleração constante para velocidades entre 5 e 7 km/h.

Ford mantém a tradição de oferecer amplo espaço interno e conforto na cabine

Saiba mais sobre os modelos Equipado com transmissão de 10 marchas, tração 6x2, o Cargo 2429 tem PBT (peso bruto total) de 23 toneladas e capacidade máxima de tração de 38 toneladas. Chega ao mercado com o preço de referência mais competitivo da categoria: R$ 220 mil (cabine simples) e R$ 228 mil (versão leito). Já o Cargo 1723 é um caminhão médio com PBT de 16 toneladas, com propulsor que desenvolve potência de 230 cavalos e transmissão de 10 marchas. A versão Cargo 1723 Kolector ganhou reforço na transmissão de 10 marchas para poder receber implementos (coletor/compactador). O médio Cargo 1729R tem PBT de 16 toneladas, motor de 290 cava-

los e transmissão de 10 marchas. Está disponível nas versões cabine simples e leito. O Cargo 1729T conta com capacidade máxima de tração de 38 toneladas, cabine leito e transmissão de 10 velocidades. Por último, o Cargo 1933T tem capacidade máxima de tração de 45.150 quilos, e diferenciais como suspensão a ar e transmissão de 16 marchas. “A Ford oferece outro diferencial importante para o transportador: o lançamento dos modelos como Linha 2017 permite ao cliente aumentar o tempo de permanência do veículo na frota – já que a maioria dos contratos no setor exige veículos com até três anos de uso –, sem contar sua valorização na hora da revenda”, afirma o gerente de Vendas e Marketing, Antônio Baltar.

Câmbio automatizado oferece maior economia de combustívele mais conforto para o motorista

21

Revista Cegonheiro


Revista Cegonheiro

22


LICENÇAS Autorização para o tráfego de veículos com carga especial

O Sindicato Nacional dos Cegonheiros tem a disposição dos seus associados e motoristas, o Departamento de Licenças, específico para dar entrada na documentação para a retiradade Licenças Estaduais e Federal de acordo com as normas exigidas pelo DER – Departamento de Estradas de Rodagem e do DNIT – Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes.

ONDE TIRAR AS LICENÇAS São Bernardo do Campo-SP Pátio de estacionamento - Rua: Servidão Particular, 114 - Bairro Batistini Licenças Federal e Estaduais

(11) 4347-8468

Camaçari / Bahia Rua: Gurupi, 23 – Bairro Goiana Licenças do Estado da Bahia

(71) 3622-6500

Gravataí / Rio Grande do Sul Av. Eli Correa, 6.651 – RS 030 – Bairro Passo da Cavera Licenças do Estado do R.G. do Sul

(51) 3431-4848

São José dos Pinhais / Paraná Rua: Tubarão, 112 – sala 02 – Bairro: Borda do Campo Licenças dos Estados de Santa Catarina, Minas Gerais, Tocantins, Paraná, R.G. do Sul, Goiás e São Paulo

(41) 3385-8245

São José dos Campos / São Paulo Rua: Ernesto Júlio Nazaret,201 Vila Tesouro Licenças Federal e Estaduais

(12) 3906-0807

Tocantins (Licença Estadual)

Rio de Janeiro (Licença Estadual)

-Documento Cavalo Mecânico e Carreta -Contrato Social e CNPJ (pessoa jurídica) -CPF e RG (Pessoa Física) -Licença Federal 4,95m -Todos documentos autenticados

- Documento Cavalo Mecânico e Carreta - RG e CPF (proprietário da empresa) - Contrato Social - Requerimentos (no Sindicato)

Minas Gerais (Licença Estadual)

São Paulo (Licença Estadual e Federal) -Documento Cavalo Mecânico e Carreta

Santa Catarina (Licença Estadual)

-Documento Cavalo Mecânico e Carreta -Procuração (retirar no Sindicato) -Contrato Social (pessoa jurídica) -CPF e RG (pessoa física)

R. Grande do Sul (Licença Estadual) -Documento Cavalo Mecânico e Carreta

-Documento Cavalo Mecânico e Carreta

Bahia (Licença Estadual) Goiás (Licença Estadual)

-Documento do Cavalo Mecânico e Carreta

Pernambuco (licença estadual)

-Documento Cavalo Mecânico e Carreta -Licença Federal 4,95m

Paraná (Licença Estadual e Federal) -Documento Cavalo Mecânico e Carreta

ATENÇÃO MOTORISTAS

Licenciamento São Paulo 2016 Final de Placa

1e2 3, 4 e 5 6, 7, e 8 9e0

CAMINHÕES Mês do Licenciamento

Setembro Outubro Novembro Dezembro

- Cópia legível do documento do cavalo e carretas (todas as carretas que for acoplar na licença) - Cópia legível da licença federal (Dnit) - Contrato social da empresa (xerox autenticada) - CNH do proprietário ou de um dos sócios da empresa (xerox autenticada) - Comprovante de endereço – pessoa física (xerox autenticada)

CARRETAS AUTOMÓVEIS MOTOS Final de Placa Mês de Licenciamento

1 2 3 4 5e6 7 8 9 0

Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro


25

Revista Cegonheiro


Classificados

Três Eixos – 2009 – Patrão Transzero – Tratar com Vilson Guererro (11) 9-9958-5510. Preço R$ 80 mil. (Preferência venda com o cavalo mecânico – conjunto) Três Eixos – 2003 – Tratar com Sergio (11) 7864-6955, ID 80*62169. Aceita troca Três Eixos, Robocop original, anos 2001, 2003 e 2006. Tratar com Joel - TG (54) 3027-7966 site web: htpp://zip.net/bwmdGF Carreta Engerauto, ano 2000, verde, alongada, com pneus e cintas. Preço: R$ 40 mil. Tratar com Nilton (11) 98644-5354 e 99263-2336 Carreta Nego 2008, verde e com pneus. Tratar com Hong (13) 99112-2716 Carreta Dambroz, Robocop, 2008, amarela, com pneus e cintas. Único dono. Tratar com Pitol (11) 98411-2223 ou Luiz (11) 99220-2963 Carreta Dambroz, Robocop, 2004/2004, verde TNorte, reformada. Preço: R$ 55 mil. Tratar com Sérgio (21) 98017-8789 ou Nextel 919*3927. Vendo duas carretas Três Eixos. A primeira é convencional aberta, com pneus, cintas, ano 2002, verde. A outra também é convencional aberta e foi reformada na Rodoceg. Vem com pneus, cintas, ano 1995, verde. Preço: R$ 40 mil cada uma. Tratar com Márcio (51) 7811-3363 Carreta Três Eixos, 2001, modelo 2002, boa de carga, com pneus e cintas, verde Transzero. Preço R$ 20 mil. Tratar com Cristiano do Pereba (12) 99163-2988 Vendo carreta Dambroz 2000, Robocop, preta, padrão Tegma. Preço: R$ 30 mil. Tratar com Alexandre (11) 99151-8785 Vendo carreta Rossini, ano 2006, preto, padrão Tegma. Preço: R$ 30 mil. Tratar com Petrúcio (11) 4455-2264 e 98746-1187 Carreta Três Eixos, completa, para transportar 11 carros. Impecável. Preço: R$ 20.000. Tratar com José Borracheiro, da Brazul (11) 4941-4865 Vendo conjunto 2011, cavalo Scania P-340 e carreta amarela Tecnoceg. Falar com Polaco (Brazul) (11) 99987-3112 e ID 84*109789 Vendo ou troco por veículo carreta Dambroz, 2008, verde, com pneus e cintas. Todas as revisões foram feitas. Preço: R$ 35 mil. Tratar com Robson TZ (11) 7865-8643 e ID 82*15730 Carreta Três Eixos, 2005/2006, Robocop. Tratar com Pitol ou Luiz 98411-2223 ou Luiz (11) 99220-2963 Carreta Dambroz convencional, 2010/2010, preta, com cintas. Preço: R$ 45 mil. Tratar com Berg (11) 97673-4035 Carreta Negocoop, 2009/2009, padrão Brazul (amarela), castelo bi-partido, toda elétrica (inclusive os pés para desengatar e os dois remontes. Com pneus e cintas. Preço: R$ 50 mil. Tratar com Tavares (11) 8262-7019 e ID 7*53437

Scania G 380, prata (Motoro novo) ano 2009/2009, com seis pneus novos. Impecável! Tratar com Vilson Guererro (11)9-99585510. Preço R$ 160.000,00 (Preferência

venda com a carreta – conjunto) Vendo três caminhões: um Actros 2546, 2011/2012, prata; e dois P 340, 2011/2011, prata. Valor a combinar. Tratar com Márcio Galdino (11) 95651-4656/2 Volvo FH, 2005, prata. Tratar com Sergio: (11) 7864-6955 e ID – 80*62169. Aceita troca Axor 1933, branco, 2005. Só rodou na cegonha. Tratar com Ademir (Índio), da Tegma: (11) 98437-1050 e 97273-2933 VW Constelation 19320, 2006/2006, branco, pneus novos, ótimo estado, revisões em dia. Tratar com Mário: (11) 7871-1282 e 7730-8474 Iveco Stralis, 2008/2009, modelo Power cegonheiro, vermelho Tratar com Geraldo, da Transzero: (11) 98349-6033, 5514-2461 MB Axor 2040, 2008/2008, único dono. Preço: R$ 190 mil. Tratar com Cajaíba (TG): (11) 99430-3098 e ID 55*100*30421 Mercedes-Benz 1634, 06, branco. Tratar com Umberto Nóbile (TS): (11) 99441-8547 MB 608 Dguincho, 1980. Preço: R$ 30 mil. Tratar com Gilberto (TN): (11) 9991348945, 7833-2201 e ID 84*23068 Iveco Stralis, 2009,modelo Power cegonheiro, turbina e unidades novas, vermelho e pneus novos. Preço: R$ 210 mil. Tratar com Delmiro (TNorte): (11) 99935-7917 Axor 2035, branco, 2007/2008. Tratar com Silvana ou Félix (11) 97028-9782, 984363376, 11*6514 ou 7734-5921 Volvo FH, 2005, segundo dono, motor e câmbio novos, pneus meia vida, prata. Caminhão de cegonheiro. Tratar com Buriti (11) 7830-4211 e (11) 99943-8656 Scania T113 Topline, ano 1997, com seis pneus Michelin novos, rodas de alumínio, conversor de bateria e televisão. Segundo dono. Impecável! Tratar com Márcio (51) 7811.3363 Vendo um caminhão Scania G420, ano/modelo 2010/2010, prata, e outro Mercedes-Benz 2040, premium, ano/modelo 2010/2011, prata. Tratar com Zé Itabaiana (11) 99426-7886 Vendo caminhão Axor 2035, ano 2008. Único dono e em ótimo estado. Tratar com Ronaldo Jacinto (Brazul) (11) 97626-7257 Vendo dois caminhões Volvo. Um é o FH 400, ano 2007, e outro FH 440, ano 2008. Preço abaixo da tabela. Tratar com Edelson (Alongado) - (12) 99133-7071, 99167-4175 e 90*15897 Scania 420, Toco, 2010, prata e em bom estado de conservação. Ótima oportunidade. Tratar com Barbarelli (11) 98549-1571 Scania 380, ano 2010, vermelha, com pneus Michelin novos. Ótimo estado. Preço: R$ 170 mil. Tratar com Léo (11) 98429-2230 e Tonim (11) 98361-6717 Conjunto caminhão Mercedes-Benz 2035, ano 2011, e carreta Bercamp, ano 2010. Presta serviço na Tegma TVK Sul. Tratar com Edgley (41) 9882-3333 Actros 2012, chumbo, com baixa quilometragem. Tratar com Márcio Galdino (11) 95651-4656/2 Scania 440 Highline, 2012, vermelho, trucado. R$ 235 mil. Tratar com Cristiano Pereba (12) 99163-2988

Uno 2009, azul metálico, duas portas, com-

pleto, flex. Tratar com Marcelo – BZ Taubaté (12) 99239-2287 e 99178-2857 Saveiro Trend 2009, prata, com cerca de 40 mil quilômetros rodados. O veículo é equipado com direção hidráulica, alarme, rodas de magnésio, trava e vidros elétricos. Preço: R$ 23 mil. Tratar com Francisco (11) 99454-9337 e 2861-0196 Vendo ou troco S10, ano modelo 1998, 4.3, V6, completa, cabine dupla, prata, com kit gás. Ótimo estado de conservação. Tratar com Nelson (11) 98442-0969 Fox Trend 1.6, 2012/2013, prata, com 10 mil quilômetros rodados e todos opcionaisexceto ar-condicionado. Único dono e ótimo estado. Preço: R$ 31,5 mil. Tratar com Alan Oliveira (11) 98660-5851.

Terreno em Caçapava, com 248m², no bairro Vitória Vale. Preço R$ 85 mil. Outro terreno também em Caçapava, no Vitória Vale 7X25. Preço: R$ 55 mil. Tratar com Latino (Tegma): (11) 98632-6532 e (11) 4066-4510 Apartamento no centro de Diadema, três dormitórios, 65m², churrasqueira, duas piscinas, salão de festas, sala de ginástica. Valor: R$ 260 mil.Tratar com Eduardo – Cazu (11) 96710-9965 Sítio com cinco alqueires na rodovia Castelo Branco, no Km 162, em Porangaba. Tratar com Buriti (11)99943-8656 e 6949-5995 Sobrado no bairro Terra Nova II, com três dormitórios amplos e uma suíte com varanda. Possui jardim de inverno na sala, cozinha embutida, rack sob medida, copa e coifa. Valor: R$ 400 mil. Tratar com Nildo (11) 7364-4324 e 4396-9008 Cobertura duplex(nova) no centro de São Bernardo do Campo.Tratar com Jorge - BZ (11) 6734-4797 Vendo ou troco chácara em Boituva por uma casa em São Bernardo do Campo ou Santo André. A chácara fica a quatro quilômetros da cidade, possui pomar e quarto para hóspede. Tratar com Nilton (Transauto) (11) 4127-9324 e 98784-7600 Um sobrado com três casas em São Bernardo do Campo (rua Salim Mahfoud – Terra Nova II). Tratar com Edinaldo (11) 98731-4599 e 98924-3642 Alugo dois galpões com 750 metros quadrados (cada um). Os imóveis estão instalados no bairro Batistini, em São Bernardo do Campo (SP). Valor: R$ 11 mil (cada um). Tratar com Leandro Golgatto (11) 996859385 Vendo, alugo ou troco apartamento no Edifício Rei Salomão, na Viação, Praia Grande). Todo mobiliado, possui dois quartos, sala, cozinha e banheiro. O prédio tem piscina, churrasqueira, salão de festas e de jogos. Tratar com Geraldo CTV Tegma (11) 987638517, 98670-8877, 96426-6970 (TIM) e 54*134019 (Nextel) Sobrado no Demarchi com três dormitórios (sendo uma suíte com closet, sacada e hidromassagem), sala de estar, sala com lareira e sacada, sala de vídeo, sala de jantar, cozinha ampla e planejada, lavabo, dois banheiros, área de serviço fechada e garagem para dois carros. Tratar com Rodrigo (11) 7773-3171, 968*27731 e 95343-4807 Vendo terreno no bairro Demarchi, com 10 x 19,7 metros, próximo ao restaurante São Judas. Tratar: Ramos de Oliveira – (11)

97320-1551 Vendo ou alugo sobrado no bairro Demarchi. O imóvel possui quatro dormitórios (uma suíte), sala ampla, cozinha, sala de jantar e garagem para três carros. Tratar: Ramos de Oliveira – (11) 97320-1551 Vendo dois sobrados ou troco por cavalo ou carreta. Localizados no Jardim Eldorado, em Diadema, têm acabamento de primeira e vaga para três carros. Cada imóvel tem dois dormitórios, sala, cozinha, banheiro e área de serviço. Preço: R$ 400 mil. Tratar com Wilson (11) 96861-6113 e (11) 95362-0534 Vendo uma chácara no Riacho Grande, com área de 1.050 m2 e 420 m de área construída. A casa tem quatro dormitórios (uma suíte), sala de estar e de jantar, cozinha, banheiro, lavanderia, quarto para empregada e garagem. Troco por cavalo ou carreta. Preço: R$ 400 mil. Tratar com Wilson (11) 96861-6113 e (11) 95362-0534. Vendo apartamento no Jardim Imperador (Praia Grande) com 60 m2, a 100 m da praia. O imóvel tem um quarto, uma sala com dois ambientes, cozinha, banheiro, lavanderia e uma vaga na garagem. Aceito troca por caminhão. Tratar com Cazu (11) 7876-8111 e 935*1178 Alugo sobrado localizado no bairro Terra Nova I. Com 250 m2 de área construída, tem três dormitórios (uma suíte), duas salas, três banheiros, cozinha, duas varandas, cinco vagas na garageme salão de festas. Preço: R$ 4 mil. Tratar com Paulo ou Lúcia (11) 99480-8508 e 4347-6001 ID 653*141 Vendo dois apartamentos na Vila Guilhermina, Praia Grande (SP). Localizados no mesmo prédio, têm 85 metros quadrados, dois dormitórios (uma suíte), sala, cozinha, banheiro, área de serviço e terraço gourmet. Condomínio com piscina. Tratar com Marcos (11) 98559-5938 e 9*53677 Vendo apartamento no bairro Demarchi, em São Bernardo do Campo, com dois dormitórios, sala, cozinha planejada, banheiro e lavanderia. Condomínio com quadra, área de lazer e salão de festas. Tratar com Andreia ou Dunga (11) 98128-0731 e 6064-6666 Vendo apartamento na Praia Grande, no bairro Aviação, com vista para o mar. O imóvel possui dois quartos (uma suíte), um banheiro social, sala com copa e sacada, cozinha e lavanderia. O prédio tem piscina e garagem coberta. Monitoramento 24 horas. Tratar com Alessandra (11) 4824-3586 e 99622-6444 Vendo três casas com garagem para quatro carros no bairro Terra Nova II. Tratar com Ednaldo (11) 98731-4599 e 95408-3712 Vendo apartamento de 120 m2, no Residencial Bulgária, com três suítes, dois closets, sala de estar conjugada com sala de jantar, lavabo, cozinha, área de serviços, área gourmet com churrasqueira, três vagas na garagem e um depósito. Tratar com Hamilton Mendes pelo e-mail hamilton_mendes@ yahoo.com.br Vendo terreno (com dois lotes) em São José dos Pinhais (PR), localizado à rua Manoel Corrêa (próximo ao número 279). Cada lote tem 12 m x 50 m e custa R$ 150 mil. Aceito troca por carro ou cavalo mecânico. Tratar com Lauro (41) 9986-3710 ou Jefferson (11) 97611-1660 Vendo um imóvel (vago) no Parque Espacial e um terreno no Swiss Park. O imóvel tem três suítes, três salas, cozinha com armários embutidos e quatro vagas. O terreno possui área total de 679 m2 e fica próximo ao castelo. Preço: R$ 680 mil. Tratar com Flávio (11) 99162-5127 e 7861-7412

LAUDO DE TRANSFERÊNCIA CAMINHÕES E ÔNIBUS Vistoria no local! (acima de 10 ton)

Contato: (11) 2897 4464 (11) 9 4787 4739 ID: 35*33*75922 saobernardo@plenavisao.com

Revista Cegonheiro

26

www.plenavisao.com


Profile for Sinaceg

Revista Cegonheiro - Edição 168  

Revista Cegonheiro - Edição 168  

Profile for sinaceg
Advertisement