{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade.

Page 1

revista

Sindicato Nacional dos Cegonheiros

DOZE ANOS NO CAMINHO DA INFORMAÇÃO

Ano 12 - edição no 155 - março/2015 - Publicação mensal

APROVADA A LEI DOS CAMINHONEIROS Passa a vigorar em abril

CINTO DE SEGURANÇA Uso correto pode salvar vidas

IMPOSTO DE RENDA Declare até 30 de abril


Palavra do Presidente Presidente: José Ronaldo Marques da Silva Vice-Presidente: Jaime Ferreira dos Santos Secretário Geral: Douglas Santos Silva Secretário de Finanças: Reginaldo Fabretti Diretor Regional: Márcio Galdino da Silva Primeiro Secretário: José Murialdo Generoso Júnior Primeiro Tesoureiro: Josimar Lincon de Freitas Diretores Executivos Efetivos Gilmar Donizette da Silva Benvindo Gonçalves José Laércio da Silva Antenor Garibaldi Clemente Francisco de Assunção Diretores Executivos Suplentes Edimar Moreira de Oliveira Ednilson Azevedo Bitencourt Jurandy Pereira de Albuquerque Luiz Eugenio Baldin Golgatto Antonio Bertin Jardel de Castro Luiz Bianchi Giglio João Soares de Jesus Aroldo Neves de Lima Ronaldo Montagnini Jacinto Tassiano de Sousa e Silva César Wellington Pereira da Rocha Conselho Fiscal Efetivo Adilson Roberto Bento Hamilton Mendes José Vicente Bonetti Conselho Fiscal Suplente Fábio Renato dos Santos João Formiga de Souza Daiana Freitas de Oliveira Jornalista Responsável José Nogueira do Nascimento Mtb 15.211 Editoração de Arte e Produção Gráfica Milton Tonello Editor José Nogueira do Nascimento Publicidade Ítalo Rocha Nogueira Redação Analuiza Tamura e José Nogueira Revisão Maria Isabel Corcete Fotografia Ítalo Rocha Nogueira Impressão Gráfica Gráfica e Editora Referência Tiragem 6.000 exemplares

Endereço Rua Luiz Barbalho, 07/11 - Bairro Demarchi CEP: 09820-030 - São Bernardo do Campo - SP Fone: (11) 4346-5507 Fone/Fax: (11) 4346-5500 www.sindicatodoscegonheiros.com.br revistacegonheiro@sindicatodoscegonheiros.com.br conexaocomunicacao@uol.com.br Revista Mensal dirigida aos Cegonheiros. As opiniões dos artigos assinados e dos entrevistados são de seus autores e não necessariamente as mesmas da Revista Cegonheiro. A elaboração de mátérias redacionais não tem nenhuma vinculação com a venda de espaços publicitários. Os anúncios são de responsabilidade das empresas anunciantes. Ano 12 - edição nº 155 - março de 2015 Sindicato Nacional dos Cegonheiros

Revista Cegonheiro

2

Caros Leitores Nesta edição publicamos, na íntegra, a Lei 1313, a chamada Lei do Caminhoneiro, sancionada pela presidente Dilma Rousseff no dia 2 de fevereiro e publicada no Diário Oficial da União em 3 de fevereiro. Leiam com atenção e, em caso de dúvidas, entrem em contato. Vamos exercer nosso papel de cidadãos e cumprir a norma. Outra matéria que desejo destacar é a pesquisa realizada pela Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) na qual se revela que apenas 76% dos motoristas de caminhão usam o cinto. Esse índice é alarmante. Afinal, o motorista passa a maior parte do seu dia ao volante, sem usar um equipamento capaz de salvar sua vida. Para mostrar o quanto esse dispositivo é fundamental no nosso dia a dia, a Revista Cegonheiro entrevistou o diretor da Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego). Leia a matéria com bastante atenção e se você tiver algum colega que não usa o cinto, recomende-a. Tenho certeza de que ele mudará sua atitude. Leiam também o texto que fala sobre o treinamento que a Transauto oferece para seus motoristas. Sempre digo que um motorista bem treinado, executa melhor sua função e ajuda a empresa a alcançar melhores resultados. Boa leitura!

Índice

José Ronaldo Marques da Silva

Estradas ............................................................................................ 4 Serviço .............................................................................................. 6 Segurança ......................................................................................... 8 Finanças .......................................................................................... 10 Produção ......................................................................................... 12 Acidentes ......................................................................................... 14 Qualificação ..................................................................................... 16 Mercado .......................................................................................... 18 Beneficio .......................................................................................... 19 Lei do Motorista ........................................................................ 22 a 28 Novo Prazo ...................................................................................... 29 Indústria .......................................................................................... 30 Montadora ....................................................................................... 31 Investimento .................................................................................... 32 Concessionária ................................................................................. 33 Restrições ........................................................................................ 34 Licenças .......................................................................................... 36 Classificados .................................................................................... 38


ESPECIALIZADA NA FABRICAÇÃO DE SEMIREBOQUES PARA O TRANSPORTE DE VEÍCULOS, A TRES EIXOS DESENVOLVE PROJETOS DEDICADOS DE ACORDO COM AS NECESSIDADES ESPECÍFICAS DE CADA CLIENTE, GARANTINDO MUITO MAIS AGILIDADE NO CARREGAMENTO E SEGURANÇA NO TRANSPORTE.

EM BREVE:

VENDAS:

ESCRITÓRIO EM SÃO BERNARDO DO CAMPO

54 9924.9004 - ADAÍLTON 54 3206.7700 - FÁBRICA

WWW.TRESEIXOS.COM.BR


Estradas

Obras na BR-277 Confira a rota alternativa para caminhões Os motoristas que circulam pela rodovia BR-277, entre o km 113 (saída de Campo Largo) e o km 100 (entrada do contorno sul em Curitiba), devem redobrar sua atenção. Desde o dia 3 de março, a concessionária CCR RodoNorte realiza obras para troca de asfalto e sinalização horizontal. Os trabalhos devem ser concluídos em 90 dias. Para evitar congestionamentos, há duas rotas alternativas. Os motoristas de automóveis e caminhões com destino ao aeroporto

SINDICATO NACIONAL DOS CEGONHEIROS

Afonso Pena, ao porto de Paranaguá, à cidade industrial de Curitiba e aos outros estados da região sul, podem ir pela PR-423. Para acessá-la, basta permanecer à direita antes do Contorno de Campo Largo e seguir a sinalização implantada. Já o motorista que for até Curitiba pode pegar a PR-090 (Estrada do Cerne), passar pela cidade de Campo Magro – que pode ser acessada pelo Contorno de Campo Largo. Essa estrada é indicada apenas para automóveis.

Regionais: São José dos Pinhais - Paraná Rua Tubarão, 112 - Bairro: Borda do Campo Cep: 83075-060 – São José dos Pinhais/PR Fone: (41) 3385.8245 E-mail: sjpinhais@sindicatodoscegonheiros. com.br Diretor: João Soares de Jesus

Porto Real – Rio de Janeiro

Sede Central: São Bernardo do Campo São Paulo Rua Luiz Barbalho, 07/11 Bairro: Demarchi Cep: 09820-030 São Bernardo do Campo/SP Fone: (11) 4346.5500 E-mail: diretoria@sindicatodoscegonheiros.com.br Presidente: José Ronaldo Marques da Silva

Revista Cegonheiro

4

Rua Hilário Ettore, s/n – Bairro: Ettore Cep: 27570-000 – Porto Real/RJ Fone: (24) 3353.4170 E-mail: portoreal@sindicatodoscegonheiros. com.br Diretor: José Laércio da Silva

São José dos Campos – São Paulo Rua Ernesto Júlio Nazaret, 201 Vila Tesouro Cep: 12221-770 – São José dos Campos/SP Fone: (12) 3906.0807 E-mail: sjcampos@sindicatodoscegonheiros. com.br Diretor: Ednilson Azevedo Bitencourt

Piracicaba – São Paulo Rod SP 304, Km 147 – Sala 02 – Distrito de Tupi Cep – 13422-230 – Piracicaba/SP Fone: (19) 3438-7738 E-mail:piracicaba@sindicatodoscegonheiros.com.br Diretor: Clemente Francisco de Assunção

Serra – Espírito Santo Rua Talma Rodrigues Ribeiro, nº 96 Edif. Metropolitano – Sala 04 Cep: 29168-080 – Serra /ES Fone: (27) 3066-2011 E-mail: serra-es@sindicatodoscegonheiros. com.br Diretor: Jurandy P. de Albuquerque Jr.

Sindicatos parceiros:

Gravataí - Rio Grande do Sul

Sintraveba - Bahia

Av. Eli Correa, 6.651 - RS 030 Bairro: Passo da Cavera Cep: 94010-972 – Gravataí /RS Fone: (51) 3431.7889 E-mail: gravataí@sindicatodoscegonheiros. com.br Diretor: Antenor Garibaldi

Sintrauto – Goiás Rua Mandaguari, 36 - Bairro: JK Cep: 75709-010 - Catalão/GO Fone: (64) 3411.2907 Presidente: Juarez Rodrigues da Silva Rua Gurupi, 23 – Bairro Goiana Cep: 42808-200 - Camaçari /BA Fone: (71) 3622.6700 Presidente: Carlito Alves www.sindicatodoscegonheiros.com.br


Serviço

Balança na BR-040 foto: Divulgação

Posto de pesagem está instalado no Km 664, na região de Carandaí (MG)

Desde o dia 2 de março, os motoristas de transporte de cargas que trafegam pela BR-040 devem passar pelo posto de pesagem instalado no Km 664, na região de Carandaí (MG). O motorista que driblar a fiscalização está sujeito a multa e perda de pontos na CNH (carteira nacional de habilitação), entre outras penalidades. Antes de dar início à fiscalização, a concessionária Via 040 promoveu uma campanha educativa, entre os dias 24 e 27 de fevereiro, alertando os motoristas sobre a reativação do equipamento, por meio de sinalização especial. Além disso, os profissionais da concessionária distribuíram material informativo e orientaram os usuários quanto à importância de se respeitar o limite da capacidade de carga. Segundo a assessoria de imprensa da Via 040, todos os postos de pesagem distribuídos ao longo do trecho sob concessão da BR-040 serão reformados e modernizados. É o caso das balanças instaladas em João Pinheiro (km 146) e Ribeirão das Neves (km 507), ambas no estado de Minas Gerais. Além disso, serão implantados outros três postos de pesagem – os locais estão em processo de definição Revista Cegonheiro

6

e aprovação junto à ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres). Cerca de 45.500 veículos de carga trafegam diariamente nos 936,8 quilômetros administrados pela Via 040, entre as cidades de Brasília (DF) e Juiz de Fora (MG). Desde que assumiu a administração da BR-040, em abril de 2014, a concessionária vem realizando uma série de trabalhos como obras de duplicação (nos estados de Goiás e Minas Gerais), recuperação (reconstrução do pavimento, revitalização da sinalização, instalação de defensas metálicas) e serviços de conservação. Todas essas ações, que garantem mais segurança ao usuário, aliadas à atuação da PRF (Polícia Rodoviária Federal) e PMRv (Polícia Militar Rodoviária) ajudaram a reduzir o índice de acidentes. De acordo com dados fornecidos pela assessoria de imprensa da Via 040 , em novembro foi registrada queda de 29% no número de acidentes, em comparação com o mesmo período de 2013 (de 641 para 457). Em dezembro, mês de intenso movimento na rodovia devido às comemorações de fim de ano, houve um recuo de 45% no número aciden-

tes no trecho entre Brasília e Juiz de Fora: comparado-se com dezembro de 2013, de 643 para 354. Não drible a balança Todo mundo sabe que o excesso de peso prejudica o sistema de freios do veículo, acelera o desgaste mecânico e dos pneus, além de afetar a própria estrutura da rodovia. E pesa – bastante - no bolso do infrator. Se for flagrado tentando fugir da balança, o motorista comete duas infrações. A primeira, cuja penalidade está prevista no artigo 278, da lei 9.503/97 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), que estabelece aplicação de multa, além da obrigação de retornar à balança para que seja realizada a pesagem obrigatória. Nesse caso, a multa é de R$ 127,69, além da perda de cinco pontos na carteira. A outra infração refere-se ao inciso VII do artigo 34 da resolução ANTT nº 3.056/09, que pune aqueles que obstruem ou dificultam a fiscalização, com multa no valor de R$ 5.000, cancelamento do RNTR e impedimento da obtenção do registro por dois anos.


Segurança

Use o cinto e proteja-se Apesar de o uso do cinto de segurança ser obrigatório desde 1997, muitas pessoas ainda resistem à sua utilização. Segundo pesquisa realizada pela Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo), 76% dos motoristas de caminhão usam o cinto - isso mesmo: apenas 76%. Entre os motoristas de veículos de passeio, esse índice sobe para 91%. Mais que impressionante, esse dado revela um lado assustador. Afinal, todo mundo sabe que o cinto de segurança ajuda a salvar vidas. O diretor de Comunicação e do Departamento de Medicina de Tráfego Ocupacional da Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego), Dirceu Alves Rodrigues Júnior, apresenta alguns números para explicar a importância do uso desse equipamento. O cinto de segurança garante 100% de proteção ao quadril, 70% à região da coluna, 56% à cabeça, 45% ao tórax e 40% ao abdome. “O cinto oferece uma proteção excelente e evita lesões graves em casos de colisões e capotamentos”, afirma. Dirceu explica que as colisões podem provocar politraumatismos e, na pior das hipóteses, levar ao óbito. No primeiro caso, as consequências vão desde cirurgias, internação em UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e sequelas mais graves que podem levar à incapacidade funcional. “A profissão de motorista é de alto risco. Porém, muitas vezes, até por excesso de confiança o motorista deixa de usar o cinto. Geralmente ele pensa: isso nunca vai acontecer comigo. Mas um acidente acontece em questão de segundos. Por isso, é preciso estar consciente e adotar medidas de proteção. A principal delas é o uso do cinto de segurança que protege, de lesões mais graves, tanto o condutor quanto os passageiros”, alerta. A pesquisa Realizado entre os dias 1º e 7 de dezembro, o levantamento foi feito Revista Cegonheiro

8

nas 45 rodovias que integram o Programa de Concessões Rodoviárias do Estado de São Paulo. Foram contabilizados dados de ocupantes de automóveis e caminhões que passavam pelas praças de pedágio, num total de 19.037 veículos pesquisados. A pesquisa ainda revela que 53% dos passageiros no banco traseiro não utilizam esse dispositivo. “Numa colisão frontal, o passageiro é arremessado para a frente e seu peso corporal aumenta 15 vezes. As consequências são gravíssimas, como lesões na coluna cervical, paradas cardíaca e respiratória, tetraplegia e, o que é pior, morte”, explica Dirceu. Segundo dados da Artesp, de 2012 até outubro de 2014, 69,4% dos passageiros de bancos traseiros que morreram em acidentes nas rodovias estavam sem cinto de segurança. As vítimas fatais no banco da frente de passageiro sem cinto chegam a 38,4% e a 50,1% no caso de motoristas. A região do Estado com maior índice de passageiros sem cinto no banco traseiro é Barretos, com 62% de ocorrências; e em seguida, as regiões de Presidente Prudente e Santos que aparecem empatadas com 60%. Outro dado da pesquisa mostra que 15% dos passageiros do banco da frente não usam o cinto de segurança. Entre os passageiros de caminhões, o percentual sobe para 34%. Vale lem-

Vanderlei Mizok, motorista da frota 21351 da Tegma, diz que está consciente sobre a importância do uso do cinto de segurança

brar que quem não utiliza o cinto de segurança comete uma infração grave segundo o artigo 65, do Código de Trânsito Brasileiro. O infrator recebe multa de R$ 127,69 por passageiro sem cinto, além de cinco pontos na carteira de habilitação. De acordo com a Polícia Militar Rodoviária de São Paulo, o número de autuações vem aumentando. De abril a dezembro de 2012, foram aplicadas 99.520 multas. No ano seguinte, as multas subiram para 125.072 e nos dez primeiros meses de 2014, foram registradas 179.916 autuações.


Volvo Caminhões. Acelerando o futuro.

A cada dia surge um novo desafio. E para fazer mais e melhor, a Volvo teve que superar a própria Volvo. Porque uma inovação só é boa para a Volvo quando melhora a vida dos motoristas, a rentabilidade dos empresários e o meio ambiente. O resultado dessa busca incessante é a Nova Linha Volvo. Os caminhões mais produtivos, disponíveis, econômicos, seguros e conectados que a Volvo já fez. E a Volvo fez por você. Saiba mais em: www.volvoporvoce.com.br Site: www.autosuecosaopaulo.com.br Loja Virtual: www.autosuecosponline.com.br


Finanças foto: BBC Gospel

Declaração pode ser feita por meio de computadores ou dispositivos móveis, como tablets e smartphones

Declare seu IR Os contribuintes devem entregar sua declaração do Imposto de Renda até o dia 30 de abril. São obrigados a declarar, pessoas físicas que tiveram rendimentos tributáveis superiores a R$ 26.816,55 e os cidadãos que receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados na fonte, com valor superior a R$ 40 mil. O ano-base também é 2014. Também deve prestar contas ao Leão quem recebeu, em qualquer mês, ganho de capital na alienação ou venda de bens sujeitos à incidência de imposto, realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias e futuros, teve ganhos e tem bens ou propriedades rurais, conforme valores estabelecidos pela Receita Federal.. Os programas para declarar o IR estão disponíveis na internet, na página http://www.receita.fazenda.gov.br/ PessoaFisica/IRPF/2015/declaracao/ Revista Cegonheiro

10

download-programas.htm Neste ano, a declaração pode ser feita por meio de computadores ou dispositivos móveis, como tablets e smartphones. O cidadão que possui certificação digital, pode enviar o documento diretamente pelo site da Receita Federal, no Centro Virtual de Atencimento (e-CAC). A multa por atraso na entrega será de 1% ao mês (calculado sobre o imposto devido) – podendo chegar a até 20%. O valor mínimo é de R$ 165,74. Dois modelos Na hora de declarar, o contribuinte pode optar pelo modelo simplificado ou completo. No primeiro, o desconto aplicado é de 20% , independente dos gastos com saúde e educação, por exemplo. Nesse caso, o limite de desconto é de R$ 15.880,89. Já no modelo completo, o cidadão

que pretende reduzir a mordida do Leão pode incluir despesas com educação (o limite individual para cada membro da família é de R$ 3.375,83 por ano), saúde, pensão alimentícia e doações. Se você optar pelo modelo completo, o cidadão deve apresentar os comprovantes das despesas – vale lembrar que a Receita Federal tem um prazo de cinco anos para pedir a comprovação desses valores. Quanto mais cedo for entregue a declaração, mais cedo é feita a restituição. Os valores começarão a ser pagos em junho. Por outro lado, quem tiver imposto a pagar, poderá dividir o valor em até oito parcelas - cada uma delas deve ter valor superior a R$ 50. O pagamento deve ser feito por meio de uma guia de recolhimento chamada Darf, até o último dia útil de cada mês , mas ao valor será acrescentada a Selic proporcional.


Produção

Celer nacional foto: Divulgação

O primeiro Celer era um hatch na cor branca

No dia 6 de fevereiro, o primeiro Celer nacional saiu da linha de montagem da fábrica da Chery, instalada no município de Jacareí (SP). O carro número um era um hatch, na cor branca – o veículo Celer também será fabricado na versão sedan. Segundo comunicado divulgado pela montadora, o modelo deverá chegar às concessionárias em abril. Ainda neste primeiro semestre, a montadora chinesa promete iniciar as vendas do Novo QQ – inicialmente, importado. A produção do subcompacto no Brasil está conformada para o segundo semestre. Outro lançamento previsto para este ano é o Tiggo 5, SUV apresentado no Salão do Automóvel do ano passado. Revista Cegonheiro

12

De acordo com o presidente da Chery do Brasil, Luís Curi, a previsão é de que até o final do ano sejam produzidos cerca de 30 mil veículos em Jacareí. Com investimentos de US$ 530 milhões (nesse valor está incluso o aporte na fábrica de motores), a unidade foi inaugurada no segundo semestre de 2014 e conta com cerca de 500 colaboradores. A fábrica Localizada num terreno de um milhão de metros quadrados, a fábrica da Chery fica na mesma região onde outras montadoras como a Volkswagen, a General Motors e a Ford mantêm unidades produtivas. O complexo conta com três áreas

Fábrica produzirá cerca de 30 mil veículos até o final do ano

de produção (montagem, soldagem e pintura) e uma pista de teste onde são simulados diversos tipos de piso. Próximo à unidade de automóveis, foi instalada a fábrica de motores da marca Acteco, que produzirá propulsores 1.0 e 1.5 litros. De acordo com o planejamento da montadora chinesa, ali também serão produzidos outros tipos de motores para atender à demanda local e a outras localidades. Durante a cerimônia de inauguração da fábrica, Curi anunciou que a empresa investirá cerca de R$ 50 milhões num Centro de Pesquisa e Desenvolvimento, onde será projetado um veículo especialmente para o mercado brasileiro.


Estradas

Menos mortes foto: Sérgio Gonçalves Chicago

Segundo a PRF, a causa da maioria dos acidentes está ligada ao comportamento do condutor

Enfim, uma boa notícia: o número de acidentes, pessoas feridas e mortes nas estradas caiu em 2014. No ano passado, foram registrados 168.593 acidentes, que deixaram 100.396 pessoas feridas e resultaram em 8.227 mortes. De acordo com levantamento da Polícia Rodoviária Federal (PRF), houve queda de 15,3% na taxa de acidentes, 9,2% no índice de mortalidade e 8,4% na taxa de óbitos, em relação a 2013. O balanço, no entanto, só se refere a acidentes ocorridos nas rodovias federais, que têm 65.900 quilômetros de extensão. Ainda de acordo com PRF, a causa da maioria dos acidentes está ligada ao comportamento do condutor. Das ocorrências que resultaram em mortes, os policiais detectaram falta de atenção em 32% dos casos; em seguida estão a velocidade incompatível (20%) e as ultrapassagens Revista Cegonheiro

14

indevidas (12%). O levantamento ainda mostra que a colisão traseira é o tipo de acidente mais frequente - provocada principalmente pela falta de atenção e de medidas preventivas da parte do condutor que ou não guarda uma distância segura em relação ao veículo da frente ou se mantém a uma velocidade incompatível. No entanto, o tipo de acidente que mais mata é a colisão frontal causada por ultrapassagens forçadas ou em locais sem visibilidade. A maioria das mortes (70%) aconteceu em área rural, onde os motoristas abusam da velocidade e das ultrapassagens. O maior número de óbitos de condutores é registrado entre os motociclistas, com 1.748 mortes. No ano passado, a PRF registrou mais de três milhões de infrações. As principais são desrespeito ao limite de

velocidade, ultrapassagem proibida e falta do uso do cinto de segurança. Hoje a frota de veículos em circulação é de 86,7 milhões. Um dos fatores que pode ter contribuído para a redução do número de acidentes e mortes nas estradas brasileiras é o maior rigor nas punições e o aumento no valor das multas de trânsito. Com a nova lei, que entrou em vigor em novembro do ano passado, a multa para quem forçar a ultrapassagem que era de R$ 191,54 passou para R$ 1.915,40 – além da suspensão do direito de dirigir. No ano passado, a PRF fiscalizou 7.263.051 pessoas e realizou 1.529.396 testes de alcoolemia (também conhecido como teste do bafômetro). Desse total, 34.281 condutores foram multados por dirigir sob influência de álcool e 8.461 foram presos por embriaguez ao volante.


Qualificação

Treinamento torna motorista mais eficiente

Transauto investe constantemente no treinamento dos motoristas

Dirigir preventivamente é o segredo do bom motorista. Partindo desse princípio, a Transauto promove treinamento para conscientizar seus profissionais de que é fundamental conduzir o veículo em segurança e estar atento aos fatores externos e às condições adversas. “Sempre investimos no aperfeiçoamento de nossos profissionais. Um motorista qualificado e consciente ajuda a empresa a alcançar melhores resultados”, afirma o gerente da qualidade, Sérgio Luís Bochnia. Realizado em parceria com a Open Tech, o curso aborda temas como a importância do sono, o uso de drogas e remédios, ultrapassagens, responsabilidade com a carga e utilização do cinto de segurança, entre outros. As aulas são ministradas pelo instrutor Rafael Marotti de Moraes e duram, em média, 20 minutos. Na aula sobre o sono, por exemplo, os motoristas aprendem sobre os problemas que uma noite maldormida pode causar, como falta de atenção e irritabilidade. “Evitem dirigir de madrugada, entre as 3h30 e as 5h30, e logo após o almoço”, recomenda o instrutor. Quem participou, aprovou. O moRevista Cegonheiro

16

torista Marco Antônio do Nascimento afirma que sempre participa dos cursos promovidos pela empresa. “Trabalho na Transauto há 25 anos e nunca tive uma ocorrência. Sempre trabalhei focado na qualidade e nunca na quantidade”, garante. Com menos tempo de estrada e vindos de famílias de carreteiros, William Anderson Carvalho Rodrigues e Leonardo de Jesus Costa têm opinião semelhante. “Essas aulas sempre nos ajudam a ser profissionais melhores”, diz William. “Já temos uma boa base com o que aprendemos de nossos pais, mas sempre é bom receber uns toques”, completa Leonardo. Os participantes do treinamento vão receber uma cartilha com dicas

Sérgio Luís Bochnia dá boas vindas aos participantes

para evitar acidentes e orientações sobre a lei que regulamenta a carga ho-

rária do motorista profissional. Além disso, responderão a uma pesquisa sobre clima organizacional. Treinar sempre No ano passado, a Transauto reduziu em cerca de 44% o índice de acidentes, na comparação com 2013. “Isso é consequência dos treinamentos que estamos realizando desde 2013 em parceira com o Sest/Senat. Com carga horária de oito horas, o motorista recebe informações e orientações sobre direção defensiva”, diz o executivo. Além desse curso, os motoristas ainda aprendem mais sobre controle de telemetria, preservação do equipamento e os prejuízos que o excesso de velocidade e as altas rotações podem causar ao veículo. E tem mais: antes da chamada, recebem dicas e orientações sobre o dia a dia na estrada. “Graças a esses cuidados, não recebemos mais reclamações de terceiros quanto à conduta dos nossos motoristas”, comemora Bochnia. “O treinamento é um excelente canal de comunicação entre os motoristas e a empresa, para compartilhar experiências”, declara.


Mercado

Mercado retraído foto: Divulgação

Devido à retração do mercado, montadoras estão puxando o freio de mão

A indústria automobilística continua em queda. Em fevereiro, foram produzidos 200.1011 veículos, o que representa uma queda de 2,3% em relação ao mês anterior. Mas se compararmos os resultados do setor no primeiro bimestre, o recuo é de 22%. Nos dois primeiros meses deste ano, 404.931 unidades saíram da linha de montagem das montadoras, ante os 417.915 veículos fabricados no mesmo período do ano passado. As principais fabricantes de veículos puxaram o freio de mão e reduziram sua capacidade produtiva devido a uma série de fatores que deixaram o consumidor mais cauteloso na hora da compra. Entre eles estão o fim de incentivos tributários concedidos pelo governo e a retração econômica nacional. Por isso, o recuo nas vendas já era previsto pelos especialistas do setor. O volume de carros licenciados recuou 26,7% em fevereiro, passando de 253.803 para 185.944 unidades. Na comparação com o primeiro bimestre do ano passado, a queda é um pouco menor - de 23,1%. Nos dois primeiros meses deste ano foram licenciados 439.747 veículos, ante os 571.946 do mesmo período de 2014. Revista Cegonheiro

18

A boa notícia do setor vem do aumento de negócios no mercado externo. Depois de sucessivas quedas, as exportações registraram alta de 91,8% na comparação com janeiro. Em fevereiro, foram exportadas 31.266 unidades enquanto em janeiro a exportação foi de apenas 16.301 veículos. Porém, ainda é cedo para comemorar. Na comparação com o primeiro bimestre de 2014, a queda é de 7,2% (47.568 unidades embarcadas nos dois primeiros meses deste ano contra os 51.239 veículos em 2014). Diante da menor demanda do mercado, as montadoras estão recorrendo a medidas como férias coletivas, programas de demissão voluntária e suspensão temporária do contrato de trabalho (o chamado lay-off). Apesar desse quadro, a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) mantém suas projeções: estabilidade nas vendas em relação a 2014 (no ano passado foram comercializadas 3,5 milhões de unidades). Já a Fenabrave (associação que representa as concessionárias de veículos) reduziu drasticamente suas projeções e estima que a queda no comércio de veículos será de 10% (a expectativa inicial era de 0,5%).

Com isso, as vendas deverão somar 2,9 milhões de veículos. México na frente O Brasil perdeu, para o México, o posto de maior produtor de veículos da América Latina e pode também deixar de ser o quarto maior mercado de carros do mundo. Segundo relatório divulgado pela Oica (Organização Internacional dos Construtores de Automóveis) durante o Salão de Genebra, o setor automotivo brasileiro deverá ter neste ano um dos desempenhos mais fracos entre os principais mercados mundiais. De acordo com levantamento da Oica, a produção de veículos no Brasil caiu 15,3% - o pior resultado entre os 10 maiores fabricantes do mundo. Com isso, caiu para a oitava posição no ranking dos maiores fabricantes globais. A China lidera esse levantamento com 23,7 milhões de veículos produzidos. Na sequência, aparecem Estados Unidos (11.6 milhões), Japão (9,7 milhões), Alemanha (5,9 milhões), Coreia do Sul (4,5 milhões), Índia (3,8 milhões), México (3,3 milhões), Brasil (3,1 milhões), Espanha (2,4 milhões) e Canadá (2,3 milhões).


Benefício

Cuide do seu sorriso

Rafaela, Marcelo e Daniela formam uma equipe afinada

Todos os tratamentos são cuidadosamente planejados, tanto no aspecto funcional como no estético

Quer deixar seu sorriso ainda mais bonito? Os associados e familiares do Sindicato Nacional dos Cegonheiros têm à disposição uma equipe de dentistas experientes e qualificados para realizar diversos tipos de tratamento que vão desde a limpeza bucal e o clareamento dos dentes, a restaurações e até implantes e próteses. “Trabalhamos com materiais de primeira linha e com renomados laboratórios, oferecendo o melhor tratamento para o paciente”, afirma o cirurgião dentista, especializado em prótese e reabilitação bucal, Marcelo de Lucas. Marcelo coordena uma equipe formada por Rafaela Martines (cirurgiã dentista), Juliana Castilho (ortodontista), Luís Henrique Godoguez Silva (implantodontista) e Daniela

Motta (técnica em enfermagem). A média de atendimento é de 16 pessoas por semana. Todos os tratamentos são minuciosamente planejados. “Na primeira consulta, solicitamos uma radiografia panorâmica e, dependendo do caso, uma tomografia. Depois elaboramos modelos de estudo e fotografias para, junto com o paciente, definirmos o plano de tratamento – sempre levando em consideração o aspecto funcional e a estética. Depois oferecemos de duass a três opções de tratamento”, explica Marcelo. Para atender melhor ao cegonheiro, que tem uma agenda repleta de viagens e compromissos, algumas sessões são mais longas. “Podemos, por exemplo, atendê-lo durante todo

Marcelo e Luís Henrique trabalham em parceria nos tratamentos de implante

o período da manhã (spa odontológico). Sabendo ndo das necessidades desse profissional que viaja muito e cujo tempo para cuidar da saúde muitas vezes é escasso, realizamos várias sessões numa só”, diz. Já aqueles que são surpreendidos por uma dor de dente, podem ligar para o consultório e solicitar um encaixe. No entanto, o dentista lembra que a prevenção é sempre o melhor caminho para um sorriso bonito e saudável. Serviço Instalado na sede do sindicato, o consultório funciona de segunda a sexta-feira, das 8 às 17h30. Para agendar uma consulta, basta ligar para 3423-0272 ou passar pelo local. 19

Revista Cegonheiro


Revista Cegonheiro

20


21

Revista Cegonheiro


Caminhões

Lei é sancionada

A presidente Dilma Rousseff sancionou sem vetos a nova Lei dos Caminhoneiros (lei 13013). A norma foi publicada no Diário Oficial da União, no dia 3 de março, e passará a vigorar em 17 de abril. O prazo de 45 dias para a regulamentação está previsto dentro da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro. Confira a lei na íntegra: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.103, DE 2 DE MARÇO DE 2015. Vigência Dispõe sobre o exercício da profissão de motorista; altera a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e as Leis nos 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, e 11.442, de 5 de janeiro de 2007 (empresas e transportadores autônomos de carga), para disciplinar a jornada de trabalho e o tempo de direção do motorista profissional; altera a Lei no 7.408, de 25 de novembro de 1985; revoga dispositivos da Lei no 12.619, de 30 de abril de 2012; e dá outras providências. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1o É livre o exercício da profissão de motorista profissional, atendidas as condições e qualificações profissionais estabelecidas nesta Lei. Parágrafo único. Integram a categoria profissional de que trata esta Lei os motoristas de veículos automotores cuja condução exija formação profissional e que exerçam a profissão nas seguintes atividades ou categorias econômicas: Revista Cegonheiro

22

I - de transporte rodoviário de passageiros; II - de transporte rodoviário de cargas. Art. 2o São direitos dos motoristas profissionais de que trata esta Lei, sem prejuízo de outros previstos em leis específicas: I - ter acesso gratuito a programas de formação e aperfeiçoamento profissional, preferencialmente mediante cursos técnicos e especializados previstos no inciso IV do art. 145 da Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, normatizados pelo Conselho Nacional de Trânsito - CONTRAN, em cooperação com o poder público; II - contar, por intermédio do Sistema Único de Saúde - SUS, com atendimento profilático, terapêutico, reabilitador, especialmente em relação às enfermidades que mais os acometam; III - receber proteção do Estado contra ações criminosas que lhes sejam dirigidas no exercício da profissão; IV - contar com serviços especializados de medicina ocupacional, prestados por entes públicos ou privados à sua escolha; V - se empregados: a) não responder perante o empregador por prejuízo patrimonial decorrente da ação de terceiro, ressalvado o dolo ou a desídia do motorista, nesses casos mediante comprovação,

no cumprimento de suas funções; b) ter jornada de trabalho controlada e registrada de maneira fidedigna mediante anotação em diário de bordo, papeleta ou ficha de trabalho externo, ou sistema e meios eletrônicos instalados nos veículos, a critério do empregador; e c) ter benefício de seguro de contratação obrigatória assegurado e custeado pelo empregador, destinado à cobertura de morte natural, morte por acidente, invalidez total ou parcial decorrente de acidente, traslado e auxílio para funeral referentes às suas atividades, no valor mínimo correspondente a 10 (dez) vezes o piso salarial de sua categoria ou valor superior fixado em convenção ou acordo coletivo de trabalho. Art. 3o Aos motoristas profissionais dependentes de substâncias psicoativas é assegurado o pleno atendimento pelas unidades de saúde municipal, estadual e federal, no âmbito do Sistema Único de Saúde, podendo ser realizados convênios com entidades privadas para o cumprimento da obrigação. Art. 4o O § 5o do art. 71 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de l o de maio de 1943, passa a vigorar com a seguinte redação: “Art. 71. § 5o O intervalo expresso no caput poderá ser reduzido e/ou fracionado, e aquele estabelecido no § 1o poderá ser fracionado, quando


compreendidos entre o término da primeira hora trabalhada e o início da última hora trabalhada, desde que previsto em convenção ou acordo coletivo de trabalho, ante a natureza do serviço e em virtude das condições especiais de trabalho a que são submetidos estritamente os motoristas, cobradores, fiscalização de campo e afins nos serviços de operação de veículos rodoviários, empregados no setor de transporte coletivo de passageiros, mantida a remuneração e concedidos intervalos para descanso menores ao final de cada viagem.” (NR) Art. 5o O art. 168 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de lo de maio de 1943, passa a vigorar com as seguintes alterações: “Art. 168 § 6o Serão exigidos exames toxicológicos, previamente à admissão e por ocasião do desligamento, quando se tratar de motorista profissional, assegurados o direito à contraprova em caso de resultado positivo e a confidencialidade dos resultados dos respectivos exames. § 7o Para os fins do disposto no § 6o, será obrigatório exame toxicológico com janela de detecção mínima de 90 (noventa) dias, específico para substâncias psicoativas que causem dependência ou, comprovadamente, comprometam a capacidade de direção, podendo ser utilizado para essa finalidade o exame toxicológico previsto na Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, desde que realizado nos últimos 60 (sessenta) dias.” (NR) Art. 6o A Seção IV-A do Capítulo I do Título III da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, passa a vigorar com as seguintes alterações: “TÍTULO III CAPÍTULO I Seção IV-A Do Serviço do Motorista Profissional Empregado ‘Art. 235-A. Os preceitos especiais desta Seção aplicam-se ao motorista profissional empregado: I - de transporte rodoviário coleti-

vo de passageiros; II - de transporte rodoviário de cargas.’ (NR) ‘Art. 235-B. São deveres do motorista profissional empregado: III - respeitar a legislação de trânsito e, em especial, as normas relativas ao tempo de direção e de descanso controlado e registrado na forma do previsto no art. 67-E da Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro; VII - submeter-se a exames toxicológicos com janela de detecção mínima de 90 (noventa) dias e a programa de controle de uso de droga e de bebida alcoólica, instituído pelo empregador, com sua ampla ciência, pelo menos uma vez a cada 2 (dois) anos e 6 (seis) meses, podendo ser utilizado para esse fim o exame obrigatório previsto na Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, desde que realizado nos últimos 60 (sessenta) dias. Parágrafo único. A recusa do empregado em submeter-se ao teste ou ao programa de controle de uso de droga e de bebida alcoólica previstos no inciso VII será considerada infração disciplinar, passível de penalização nos termos da lei.’ (NR) ‘Art. 235-C. A jornada diária de trabalho do motorista profissional será de 8 (oito) horas, admitindo-se a sua prorrogação por até 2 (duas) horas extraordinárias ou, mediante previsão em convenção ou acordo coletivo, por até 4 (quatro) horas extraordinárias. § 1o Será considerado como trabalho efetivo o tempo em que o motorista empregado estiver à disposição do empregador, excluídos os intervalos para refeição, repouso e descanso e o tempo de espera. § 2o Será assegurado ao motorista profissional empregado intervalo mínimo de 1 (uma) hora para refeição, podendo esse período coincidir com o tempo de parada obrigatória na condução do veículo estabelecido pela Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, exceto quando se tratar do motorista profissional enquadrado no § 5o do art. 71 desta Consolidação.

§ 3o Dentro do período de 24 (vinte e quatro) horas, são asseguradas 11 (onze) horas de descanso, sendo facultados o seu fracionamento e a coincidência com os períodos de parada obrigatória na condução do veículo estabelecida pela Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, garantidos o mínimo de 8 (oito) horas ininterruptas no primeiro período e o gozo do remanescente dentro das 16 (dezesseis) horas seguintes ao fim do primeiro período. § 4o Nas viagens de longa distância, assim consideradas aquelas em que o motorista profissional empregado permanece fora da base da empresa, matriz ou filial e de sua residência por mais de 24 (vinte e quatro) horas, o repouso diário pode ser feito no veículo ou em alojamento do empregador, do contratante do transporte, do embarcador ou do destinatário ou em outro local que ofereça condições adequadas. § 5o As horas consideradas extraordinárias serão pagas com o acréscimo estabelecido na Constituição Federal ou compensadas na forma do § 2o do art. 59 desta Consolidação. § 6o À hora de trabalho noturno aplica-se o disposto no art. 73 desta Consolidação. ....................................................... ...................................... § 8o São considerados tempo de espera as horas em que o motorista profissional empregado ficar aguardando carga ou descarga do veículo nas dependências do embarcador ou do destinatário e o período gasto com a fiscalização da mercadoria transportada em barreiras fiscais ou alfandegárias, não sendo computados como jornada de trabalho e nem como horas extraordinárias. § 9o As horas relativas ao tempo de espera serão indenizadas na proporção de 30% (trinta por cento) do salário-hora normal. § 10. Em nenhuma hipótese, o tempo de espera do motorista empregado prejudicará o direito ao recebimento da remuneração correspondente ao salário-base diário. § 11. Quando a espera de que

23

Revista Cegonheiro


trata o § 8o for superior a 2 (duas) horas ininterruptas e for exigida a permanência do motorista empregado junto ao veículo, caso o local ofereça condições adequadas, o tempo será considerado como de repouso para os fins do intervalo de que tratam os §§ 2o e 3o, sem prejuízo do disposto no § 9o. § 12. Durante o tempo de espera, o motorista poderá realizar movimentações necessárias do veículo, as quais não serão consideradas como parte da jornada de trabalho, ficando garantido, porém, o gozo do descanso de 8 (oito) horas ininterruptas aludido no § 3o. § 13. Salvo previsão contratual, a jornada de trabalho do motorista empregado não tem horário fixo de início, de final ou de intervalos. § 14. O empregado é responsável pela guarda, preservação e exatidão das informações contidas nas anotações em diário de bordo, papeleta ou ficha de trabalho externo, ou no registrador instantâneo inalterável de velocidade e tempo, ou nos rastreadores ou sistemas e meios eletrônicos, instalados nos veículos, normatizados pelo Contran, até que o veículo seja entregue à empresa. § 15. Os dados referidos no § 14 poderão ser enviados a distância, a critério do empregador, facultando-se a anexação do documento original posteriormente. § 16. Aplicam-se as disposições deste artigo ao ajudante empregado nas operações em que acompanhe o motorista.’ (NR) ‘Art. 235-D. Nas viagens de longa distância com duração superior a 7 (sete) dias, o repouso semanal será de 24 (vinte e quatro) horas por semana ou fração trabalhada, sem prejuízo do intervalo de repouso diário de 11 (onze) horas, totalizando 35 (trinta e cinco) horas, usufruído no retorno do motorista à base (matriz ou filial) ou ao seu domicílio, salvo se a empresa oferecer condições adequadas para o efetivo gozo do referido repouso. I - revogado; II - revogado; III - revogado. § 1o É permitido o fracionamento Revista Cegonheiro

24

do repouso semanal em 2 (dois) períodos, sendo um destes de, no mínimo, 30 (trinta) horas ininterruptas, a serem cumpridos na mesma semana e em continuidade a um período de repouso diário, que deverão ser usufruídos no retorno da viagem. § 2o A cumulatividade de descansos semanais em viagens de longa distância de que trata o caput fica limitada ao número de 3 (três) descansos consecutivos. § 3o O motorista empregado, em viagem de longa distância, que ficar com o veículo parado após o cumprimento da jornada normal ou das horas extraordinárias fica dispensado do serviço, exceto se for expressamente autorizada a sua permanência junto ao veículo pelo empregador, hipótese em que o tempo será considerado de espera. § 4o Não será considerado como jornada de trabalho, nem ensejará o pagamento de qualquer remuneração, o período em que o motorista empregado ou o ajudante ficarem espontaneamente no veículo usufruindo dos intervalos de repouso. § 5o Nos casos em que o empregador adotar 2 (dois) motoristas trabalhando no mesmo veículo, o tempo de repouso poderá ser feito com o veículo em movimento, assegurado o repouso mínimo de 6 (seis) horas consecutivas fora do veículo em alojamento externo ou, se na cabine leito, com o veículo estacionado, a cada 72 (setenta e duas) horas. § 6o Em situações excepcionais de inobservância justificada do limite de jornada de que trata o art. 235-C, devidamente registradas, e desde que não se comprometa a segurança rodoviária, a duração da jornada de trabalho do motorista profissional empregado poderá ser elevada pelo tempo necessário até o veículo chegar a um local seguro ou ao seu destino. § 7o Nos casos em que o motorista tenha que acompanhar o veículo transportado por qualquer meio onde ele siga embarcado e em que o veículo disponha de cabine leito ou a embarcação disponha de alojamento para gozo do intervalo de repouso diário previsto no § 3o do art. 235-C,

esse tempo será considerado como tempo de descanso. § 8o Para o transporte de cargas vivas, perecíveis e especiais em longa distância ou em território estrangeiro poderão ser aplicadas regras conforme a especificidade da operação de transporte realizada, cujas condições de trabalho serão fixadas em convenção ou acordo coletivo de modo a assegurar as adequadas condições de viagem e entrega ao destino final.’ (NR) ‘Art. 235-E. Para o transporte de passageiros, serão observados os seguintes dispositivos: I - é facultado o fracionamento do intervalo de condução do veículo previsto na Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, em períodos de no mínimo 5 (cinco) minutos; II - será assegurado ao motorista intervalo mínimo de 1 (uma) hora para refeição, podendo ser fracionado em 2 (dois) períodos e coincidir com o tempo de parada obrigatória na condução do veículo estabelecido pela Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, exceto quando se tratar do motorista profissional enquadrado no § 5o do art. 71 desta Consolidação; III - nos casos em que o empregador adotar 2 (dois) motoristas no curso da mesma viagem, o descanso poderá ser feito com o veículo em movimento, respeitando-se os horários de jornada de trabalho, assegurado, após 72 (setenta e duas) horas, o repouso em alojamento externo ou, se em poltrona correspondente ao serviço de leito, com o veículo estacionado. § 1o (Revogado) § 3o (Revogado). § 4o (Revogado). § 5o (Revogado). § 6o (Revogado). § 7o (Revogado). § 9o (Revogado). § 10. (Revogado). § 11. (Revogado). § 12. (Revogado).’ (NR) ‘Art. 235-F. Convenção e acordo coletivo poderão prever jornada especial de 12 (doze) horas de trabalho


por 36 (trinta e seis) horas de descanso para o trabalho do motorista profissional empregado em regime de compensação.’ (NR) ‘Art. 235-G. É permitida a remuneração do motorista em função da distância percorrida, do tempo de viagem ou da natureza e quantidade de produtos transportados, inclusive mediante oferta de comissão ou qualquer outro tipo de vantagem, desde que essa remuneração ou comissionamento não comprometa a segurança da rodovia e da coletividade ou possibilite a violação das normas previstas nesta Lei.’ (NR) ‘Art. 235-H. (Revogado).’ (NR)” Art. 7o O Capítulo III-A da Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, passa a vigorar com as seguintes alterações: “CAPÍTULO III-A ‘Art. 67-A. O disposto neste Capítulo aplica-se aos motoristas profissionais: I - de transporte rodoviário coletivo de passageiros; II - de transporte rodoviário de cargas. § 1o (Revogado). § 2o (Revogado). § 3o (Revogado). § 4o (Revogado). § 5o (Revogado). § 6o (Revogado). § 7o (Revogado). (NR).. ‘Art. 67-C. É vedado ao motorista profissional dirigir por mais de 5 (cinco) horas e meia ininterruptas veículos de transporte rodoviário coletivo de passageiros ou de transporte rodoviário de cargas. § 1o Serão observados 30 (trinta) minutos para descanso dentro de cada 6 (seis) horas na condução de veículo de transporte de carga, sendo facultado o seu fracionamento e o do tempo de direção desde que não ultrapassadas 5 (cinco) horas e meia contínuas no exercício da condução. § 1o-A. Serão observados 30 (trinta) minutos para descanso a cada 4 (quatro) horas na condução de veículo rodoviário de passageiros, sendo facultado o seu fracionamento e o do tempo de direção.

§ 2o Em situações excepcionais de inobservância justificada do tempo de direção, devidamente registradas, o tempo de direção poderá ser elevado pelo período necessário para que o condutor, o veículo e a carga cheguem a um lugar que ofereça a segurança e o atendimento demandados, desde que não haja comprometimento da segurança rodoviária. § 3o O condutor é obrigado, dentro do período de 24 (vinte e quatro) horas, a observar o mínimo de 11 (onze) horas de descanso, que podem ser fracionadas, usufruídas no veículo e coincidir com os intervalos mencionados no § 1o, observadas no primeiro período 8 (oito) horas ininterruptas de descanso. § 4o Entende-se como tempo de direção ou de condução apenas o período em que o condutor estiver efetivamente ao volante, em curso entre a origem e o destino. § 5o Entende-se como início de viagem a partida do veículo na ida ou no retorno, com ou sem carga, considerando-se como sua continuação as partidas nos dias subsequentes até o destino. § 6o O condutor somente iniciará uma viagem após o cumprimento integral do intervalo de descanso previsto no § 3o deste artigo. § 7o Nenhum transportador de cargas ou coletivo de passageiros, embarcador, consignatário de cargas, operador de terminais de carga, operador de transporte multimodal de cargas ou agente de cargas ordenará a qualquer motorista a seu serviço, ainda que subcontratado, que conduza veículo referido no caput sem a observância do disposto no § 6o.’ (NR) ‘Art. 67-E. O motorista profissional é responsável por controlar e registrar o tempo de condução estipulado no art. 67-C, com vistas à sua estrita observância. § 1o A não observância dos períodos de descanso estabelecidos no art. 67-C sujeitará o motorista profissional às penalidades daí decorrentes, previstas neste Código. § 2o O tempo de direção será controlado mediante registrador instantâ-

neo inalterável de velocidade e tempo e, ou por meio de anotação em diário de bordo, ou papeleta ou ficha de trabalho externo, ou por meios eletrônicos instalados no veículo, conforme norma do Contran. § 3o O equipamento eletrônico ou registrador deverá funcionar de forma independente de qualquer interferência do condutor, quanto aos dados registrados. § 4o A guarda, a preservação e a exatidão das informações contidas no equipamento registrador instantâneo inalterável de velocidade e de tempo são de responsabilidade do condutor.’” Art. 8o A Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, passa a vigorar com as seguintes alterações: “Art. 132. § 1o § 2o Antes do registro e licenciamento, o veículo de carga novo, nacional ou importado, portando a nota fiscal de compra e venda ou documento alfandegário, deverá transitar embarcado do pátio da fábrica ou do posto alfandegário ao Município de destino.” (NR) “Art. 148-A. Os condutores das categorias C, D e E deverão submeter-se a exames toxicológicos para a habilitação e renovação da Carteira Nacional de Habilitação. § 1o O exame de que trata este artigo buscará aferir o consumo de substâncias psicoativas que, comprovadamente, comprometam a capacidade de direção e deverá ter janela de detecção mínima de 90 (noventa) dias, nos termos das normas do Contran. § 2o Os condutores das categorias C, D e E com Carteira Nacional de Habilitação com validade de 5 (cinco) anos deverão fazer o exame previsto no § 1o no prazo de 2 (dois) anos e 6 (seis) meses a contar da realização do disposto no caput. § 3o Os condutores das categorias C, D e E com Carteira Nacional de Habilitação com validade de 3 (três) anos deverão fazer o exame previsto no § 1o no prazo de 1 (um) ano e 6 (seis) meses a contar da realização do

25

Revista Cegonheiro


disposto no caput. § 4o É garantido o direito de contraprova e de recurso administrativo no caso de resultado positivo para o exame de que trata o caput, nos termos das normas do Contran. § 5o A reprovação no exame previsto neste artigo terá como consequência a suspensão do direito de dirigir pelo período de 3 (três) meses, condicionado o levantamento da suspensão ao resultado negativo em novo exame, e vedada a aplicação de outras penalidades, ainda que acessórias. § 6o O resultado do exame somente será divulgado para o interessado e não poderá ser utilizado para fins estranhos ao disposto neste artigo ou no § 6o do art. 168 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943. § 7o O exame será realizado, em regime de livre concorrência, pelos laboratórios credenciados pelo Departamento Nacional de Trânsito - DENATRAN, nos termos das normas do Contran, vedado aos entes públicos: I - fixar preços para os exames; II - limitar o número de empresas ou o número de locais em que a atividade pode ser exercida; e III - estabelecer regras de exclusividade territorial.” “Art. 230. XXIII - em desacordo com as condições estabelecidas no art. 67-C, relativamente ao tempo de permanência do condutor ao volante e aos intervalos para descanso, quando se tratar de veículo de transporte de carga ou coletivo de passageiros: Infração - média; Penalidade - multa; Medida administrativa - retenção do veículo para cumprimento do tempo de descanso aplicável. § 1o Se o condutor cometeu infração igual nos últimos 12 (doze) meses, será convertida, automaticamente, a penalidade disposta no inciso XXIII em infração grave. § 2o Em se tratando de condutor estrangeiro, a liberação do veículo fica condicionada ao pagamento ou ao depósito, judicial ou administratiRevista Cegonheiro

26

vo, da multa.” (NR) “Art. 259 § 4o Ao condutor identificado no ato da infração será atribuída pontuação pelas infrações de sua responsabilidade, nos termos previstos no § 3o do art. 257, excetuando-se aquelas praticadas por passageiros usuários do serviço de transporte rodoviário de passageiros em viagens de longa distância transitando em rodovias com a utilização de ônibus, em linhas regulares intermunicipal, interestadual, internacional e aquelas em viagem de longa distância por fretamento e turismo ou de qualquer modalidade, excetuadas as situações regulamentadas pelo Contran a teor do art. 65 da Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro.” (NR) Art. 9o As condições de segurança, sanitárias e de conforto nos locais de espera, de repouso e de descanso dos motoristas profissionais de transporte rodoviário de passageiros e rodoviário de cargas terão que obedecer ao disposto em normas regulamentadoras pelo ente competente. § 1o É vedada a cobrança ao motorista ou ao seu empregador pelo uso ou permanência em locais de espera sob a responsabilidade de: I - transportador, embarcador ou consignatário de cargas; II - operador de terminais de cargas; III - aduanas; IV - portos marítimos, lacustres, fluviais e secos; V - terminais ferroviários, hidroviários e aeroportuários. § 2o Os locais de repouso e descanso dos motoristas profissionais serão, entre outros, em: I - estações rodoviárias; II - pontos de parada e de apoio; III - alojamentos, hotéis ou pousadas; IV - refeitórios das empresas ou de terceiros; V - postos de combustíveis. § 3o Será de livre iniciativa a implantação de locais de repouso e descanso de que trata este artigo. § 4o A estrita observância às Normas Regulamentadoras do Mi-

nistério do Trabalho e Emprego, no que se refere aos incisos II, III, IV e V do § 2o, será considerada apenas quando o local for de propriedade do transportador, do embarcador ou do consignatário de cargas, bem como nos casos em que esses mantiverem com os proprietários destes locais contratos que os obriguem a disponibilizar locais de espera e repouso aos motoristas profissionais. Art. 10. O poder público adotará medidas, no prazo de até 5 (cinco) anos a contar da vigência desta Lei, para ampliar a disponibilidade dos espaços previstos no art. 9o, especialmente: I - a inclusão obrigatória de cláusulas específicas em contratos de concessão de exploração de rodovias, para concessões futuras ou renovação; II - a revisão das concessões de exploração das rodovias em vigor, de modo a adequá-las à previsão de construção de pontos de parada de espera e descanso, respeitado o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos; III - a identificação e o cadastramento de pontos de paradas e locais para espera, repouso e descanso que atendam aos requisitos previstos no art. 9o desta Lei; IV - a permissão do uso de bem público nas faixas de domínio das rodovias sob sua jurisdição, vinculadas à implementação de locais de espera, repouso e descanso e pontos de paradas, de trevos ou acessos a esses locais; V - a criação de linha de crédito para apoio à implantação dos pontos de paradas. Parágrafo único. O poder público apoiará ou incentivará, em caráter permanente, a implantação pela iniciativa privada de locais de espera, pontos de parada e de descanso. Art. 11. Atos do órgão competente da União ou, conforme o caso, de autoridade do ente da federação com circunscrição sobre a via publicarão a relação de trechos das vias públicas que disponham de pontos de parada ou de locais de descanso adequados para o cumprimento desta Lei.


§ 1o A primeira relação dos trechos das vias referidas no caput será publicada no prazo de até 180 (cento e oitenta) dias a contar da data da publicação desta Lei. § 2o As relações de trechos das vias públicas de que trata o caput deverão ser ampliadas e revisadas periodicamente. § 3o Os estabelecimentos existentes nas vias poderão requerer no órgão competente com jurisdição sobre elas o seu reconhecimento como ponto de parada e descanso. Art. 12. O disposto nos §§ 2o e 3o do art. 235-C do Capítulo I do Título III da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e no caput e nos §§ 1º e 3º do art. 67-C do Capítulo III-A da Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, produzirá efeitos: I - a partir da data da publicação dos atos de que trata o art. 11, para os trechos das vias deles constantes; II - a partir da data da publicação das relações subsequentes, para as vias por elas acrescidas. Parágrafo único. Durante os primeiros 180 (cento e oitenta) dias de sujeição do trecho ao disposto na Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e na Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, com as alterações constantes desta Lei, a fiscalização do seu cumprimento será meramente informativa e educativa. Art. 13. O exame toxicológico com janela de detecção mínima de 90 (noventa) dias de que tratam o art. 148-A da Lei 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, os §§ 6º e 7º do art. 168 e o inciso VII do art. 235-B da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, será exigido: I - em 90 (noventa) dias da publicação desta Lei, para a renovação e habilitação das categorias C, D e E; II - em 1 (um) ano a partir da entrada em vigor desta Lei, para a

admissão e a demissão de motorista profissional; III - em 3 (três) anos e 6 (seis) meses a partir da entrada em vigor desta Lei, para o disposto no § 2o do art. 148-A da Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997; IV - em 2 (dois) anos e 6 (seis) meses a partir da entrada em vigor desta Lei, para o disposto no § 3º do art. 148-A da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997. Parágrafo único. Caberá ao Contran estabelecer adequações necessárias ao cronograma de realização dos exames. Art. 14. Decorrido o prazo de 3 (três) anos a contar da publicação desta Lei, os seus efeitos dar-se-ão para todas as vias, independentemente da publicação dos atos de que trata o art. 11 ou de suas revisões. Art. 15. A Lei no 11.442, de 5 de janeiro de 2007, passa a vigorar com as seguintes alterações: “Art. 4o § 3o Sem prejuízo dos demais requisitos de controle estabelecidos em regulamento, é facultada ao TAC a cessão de seu veículo em regime de colaboração a outro profissional, assim denominado TAC - Auxiliar, não implicando tal cessão a caracterização de vínculo de emprego. § 4o O Transportador Autônomo de Cargas Auxiliar deverá contribuir para a previdência social de forma idêntica à dos Transportadores Autônomos. § 5o As relações decorrentes do contrato estabelecido entre o Transportador Autônomo de Cargas e seu Auxiliar ou entre o transportador autônomo e o embarcador não caracterizarão vínculo de emprego.” (NR) “Art. 5o-A. O pagamento do frete do transporte rodoviário de cargas ao Transportador Autônomo de Cargas TAC deverá ser efetuado por meio de crédito em conta mantida em instituição integrante do sistema financeiro nacional, inclusive poupança, ou por outro meio de pagamento regulamentado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT, à critério do prestador do serviço. § 7o As tarifas bancárias ou pelo

uso de meio de pagamento eletrônico relativas ao pagamento do frete do transporte rodoviário de cargas ao Transportador Autônomo de Cargas TAC correrão à conta do responsável pelo pagamento.” (NR) “Art. 11. § 5o O prazo máximo para carga e descarga do Veículo de Transporte Rodoviário de Cargas será de 5 (cinco) horas, contadas da chegada do veículo ao endereço de destino, após o qual será devido ao Transportador Autônomo de Carga - TAC ou à ETC a importância equivalente a R$ 1,38 (um real e trinta e oito centavos) por tonelada/hora ou fração. § 6o A importância de que trata o § 5o será atualizada, anualmente, de acordo com a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC, calculado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE ou, na hipótese de sua extinção, pelo índice que o suceder, definido em regulamento. § 7o Para o cálculo do valor de que trata o § 5o, será considerada a capacidade total de transporte do veículo. § 8o Incidente o pagamento relativo ao tempo de espera, este deverá ser calculado a partir da hora de chegada na procedência ou no destino. § 9o O embarcador e o destinatário da carga são obrigados a fornecer ao transportador documento hábil a comprovar o horário de chegada do caminhão nas dependências dos respectivos estabelecimentos, sob pena de serem punidos com multa a ser aplicada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT, que não excederá a 5% (cinco por cento) do valor da carga.” (NR) “Art. 13-A. É vedada a utilização de informações de bancos de dados de proteção ao crédito como mecanismo de vedação de contrato com o TAC e a ETC devidamente regulares para o exercício da atividade do Transporte Rodoviário de Cargas.” Art. 16. O art. 1o da Lei no 7.408, de 25 de novembro de 1985, passa a vigorar com a seguinte redação: “Art. 1o Fica permitida, na pesagem de veículos de transporte de

27

Revista Cegonheiro


carga e de passageiros, a tolerância máxima de: I - 5% (cinco por cento) sobre os limites de peso bruto total; II - 10% (dez por cento) sobre os limites de peso bruto transmitido por eixo de veículos à superfície das vias públicas. Parágrafo único. Os limites de peso bruto não se aplicam aos locais não abrangidos pelo disposto no art. 2o da Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, incluindo-se as vias particulares sem acesso à circulação pública.” (NR) Art. 17. Os veículos de transporte de cargas que circularem vazios não pagarão taxas de pedágio sobre os eixos que mantiverem suspensos. Art. 18. O embarcador indenizará o transportador por todos os prejuízos decorrentes de infração por transporte de carga com excesso de peso em desacordo com a nota fiscal, inclusive as despesas com transbordo de carga. Art. 19. Fica instituído o Programa de Apoio ao Desenvolvimento

do Transporte de Cargas Nacional - PROCARGAS, cujo objetivo principal é estimular o desenvolvimento da atividade de transporte terrestre nacional de cargas. Parágrafo único. O Procargas tem como finalidade o desenvolvimento de programas visando à melhoria do meio ambiente de trabalho no setor de transporte de cargas, especialmente as ações de medicina ocupacional para o trabalhador. Art. 20. Fica permitida a concessão de Autorização Especial de Trânsito - AET - para composição de veículos boiadeiros articulados (Romeu e Julieta) com até 25 m de comprimento, sendo permitido a estes veículos autorização para transitar em qualquer horário do dia. Art. 21. Ficam revogados os arts. 1º, 2º e 9o da Lei no 12.619, de 30 de abril de 2012. Art. 22. Ficam convertidas em sanção de advertência: I - as penalidades decorrentes de infrações ao disposto na Lei no 12.619, de 30 de abril de 2012, que

alterou a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e a Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, aplicadas até a data da publicação desta Lei; e II - as penalidades por violação do inciso V do art. 231 da Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, aplicadas até 2 (dois) anos antes da entrada em vigor desta Lei. Brasília, 2 de março de 2015; 194o da Independência e 127o da República. DILMA ROUSSEFF José Eduardo Cardozo Antônio Carlos Rodrigues Manoel Dias Arthur Chioro Armando Monteiro Nelson Barbosa Gilberto Kassab Miguel Rossetto Este texto não substitui o publicado no DOU de 3.3.2015

Diretoria em Brasília foto: Jonas Pereira/Agência Senado

O presidente do Sindicato Nacional dos Cegonheiros, José Ronaldo Marques da Silva, o Boizinho, foi recebido pelo presidente do Senado Federal, Renan Calheiros, no dia 11 de fevereiro, em Brasília. Acompanhado pelo vice-presidente da entidade, Jaime Ferreira da Silva, e pelo presidente da Cooperceg e vice-presidente da Credceg, Elias Fazan, Boizinho pediu apoio para sanção da lei que regulamenta a jornada do motorista profissional. Jaime, Boizinho e Elias Fazan são recebidos por Renan Calheiros

Revista Cegonheiro

28


Novo prazo

Exame toxicológico obrigatório

Uso de substâncias psicoativas é uma das principais causas de acidentes graves nas rodovias

A partir do dia 30 de abril, os motoristas que vão obter ou renovar a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) nas categorias C, D e E serão obrigados a passar por um exame toxicológico. Essa é a nova data instituída pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito), por meio da resolução nº 517/2015 – antes o prazo limite era 1º de março. Ainda de acordo com essa resolução, os laboratórios que farão as análises laboratoriais toxicológicas serão credenciados pelo Denatran (Departamento Nacional de Trânsito). Com a medida, o órgão regulamentador do trânsito espera aumen-

tar a segurança nas estradas. O uso de substâncias psicoativas é uma das principais causas de acidentes graves nas rodovias brasileiras. Segundo estudos realizados pela PRF (Polícia Rodoviária Federal), as principais ocorrências de acidentes envolvendo veículos grandes acontecem à noite e com condutores suspeitos de fazerem uso de drogas. A análise poderá ser feita por um fio de cabelo ou pelas unhas e vai detectar drogas como cocaína, maconha e derivados, morfina, heroína, ecstasy, ópio e anfetaminas. Capaz de detectar substâncias usadas por um período de

três meses, o exame custará de R$ 270 a R$ 290. O Contran alerta que a identificação de substâncias psicoativas, no entanto, não implica necessariamente no uso ilícito ou dependência química. É que os motoristas poderão estar utilizando – sob prescrição médica – medicamentos que contenham em sua composição algum elemento detectado pelo exame. Por isso, a quantidade e a duração do uso identificadas no exame serão submetidas a avaliação médica em clínica credenciada, a qual emitirá um laudo final de aptidão do candidato a condutor. 29

Revista Cegonheiro


Indústria

Jeep Renegade já é produzido no Brasil

Funcionários comemoram a produção do primeiro Jeep Renegade no Brasil

A FCA (Fiat Chrysler Automobiles) grupo que reúne marcas como Fiat, Jeep, Chrysler, RAM e Dodge, anunciou, no dia 19 de fevereiro, a produção do primeiro Jeep Renagade. O carro número um foi produzido na fábrica de Goiana, em Pernambuco. Até então, desde outubro do ano passado, foram fabricados 250 modelos pré série, para testar e avaliar se o processo de produção funcionava corretamente. “Sua produção atesta a eficiência da fábrica que construímos em Goiana, incorporando as melhores práticas industriais acumuladas pelo grupo em todo o mundo. E também é um passo fundamental para multiplicar as vendas da marca Jeep no Brasil, contribuindo para torná-la uma força global”, explica o vice-presidente mundial da manufatura da FCA/ Projeto Pernambuco, Stefan Ketter. Só depois de uma série de testes e avaliações, a produção em escala comercial do Jeep Renegade foi liberada. Isso significa que a nova fábrica Revista Cegonheiro

30

garante um processo produtivo eficiente e que os modelos que deixam a linha de montagem alcançam alto padrão de qualidade e conformidade. Polo automotivo Com capacidade para produzir 250 mil veículos por ano, a unidade conta com cinco edifícios principais: prensas, funilaria, pintura, montagem e centro de comunicação (local por onde passam todos os veículos depois de cada fase de fabricação). Próximo à fábrica, funciona o Supplier Park, um parque de fornecedores formado por 16 empresas instaladas em 12 edifícios, para produção de 17 linhas estratégicas de componentes. Os produtos respondem por 40% da demanda de partes e componentes nacionais da fábrica. Apesar de já ter iniciado a produção de veículos, a inauguração da fábrica deverá acontecer no primeiro quadrimestre deste ano.

Apelo urbano e eficiência na estrada O Jeep Renegade será comercializado em três versões de acabamento (Sport, Longitude e Trailhawk), duas opções de motor (flex 1.8 E.TorQ Evo ou o inédito diesel turbo 2.0 MultiJet II), três tipos de câmbio (manual de cinco marchas ou automática de seis ou de nove marchas), três tipos de tração (4×2 dianteira ou 4×4, de dois tipos) e um pacote de opcionais visando atender aos consumidores mais exigentes, que procuram um SUV compacto para circular na cidade ou encarar aventuras radicais. “Agora temos um veículo produzido no Brasil que se encaixa perfeitamente no mercado latino-americano, com capacidade 4×4 e tecnologia única no segmento. O novo Jeep Renegade reúne como nenhum outro o espírito de aventura e iniciativa do povo brasileiro e vai atrair milhares de novos consumidores para a nossa marca”, diz o CEO global da marca Jeep, Mike Manley.


Montadora

Schacman anuncia parceria

Wang Gang e Reinaldo Vieira Reis na cerimônia de anúncio da parceria

A Metro Shacman, primeira empresa chinesa de caminhões a se habilitar ao programa Inovar Auto, acaba de firmar uma joint venture com a Shaanxi Automotive Group, uma das maiores fabricantes de veículos do mundo. O anúncio da parceria, que prevê um investimento de US$ 100 milhões na construção de uma fábrica na cidade de Tatuí, interior de São Paulo, foi feito durante a conferência anual da Shacman, realizada entre os dias 28 e 31 de janeiro, na cidade de Zhuhai, no litoral sul da China. A montadora estreou no Brasil em 2011, quando apresentou alguns protótipos durante a Fenatran, a maior feira do setor de transporte de cargas da América Latina. Em seguida, dentro de sua estratégia de negócios,

importou algumas unidades e deu início à implantação de uma rede de concessionárias. A unidade fabril funcionará em um terreno de 54 mil metros quadrados. Os primeiros caminhões deverão sair da linha de montagem em 2016. Programa Inovar Auto Para estimular o investimento na indústria automobilística nacional, o governo federal lançou o Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores, o chamado Inovar Auto. As empresas que estimularem ou investirem em inovação e em pesquisa e desenvolvimento recebem benefícios em relação ao IPI.

Para isso, devem cumprir uma série de metas até 2017, como investimentos em novas tecnologias e capacitação de fornecedores. As fabricantes de automóveis beneficiadas pelo programa são BMW, Land Rover, Audi e Mercedes-Benz. No segmento dos veículos pesados, além da Metro Shacman, a também chinesa Sinotruk aderiu ao programa. Pelo acordo, a Metro Shacman pode importar até 2,5 mil caminhões por ano, sem sobretaxas, até o início das operações de sua fábrica. Segundo dados da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), as vendas da montadora chinesa no ano passado foram de 51 unidades. 31

Revista Cegonheiro


Investimento

Centro de distribuição em PE

fotos: Divulgação

Centro de Distribuição armazenará os veículos fabricados no Brasil (Corolla e Etios) e na Argentina (Hilux e SW4)

A Toyota investirá R$ 15 milhões para construir seu centro de distribuição de veículos no estado de Pernambuco. O protocolo de intenções foi assinado no dia 11 de fevereiro, pelo presidente da montadora japonesa no Brasil, Koji Kondo, e pelo governador de Pernambuco, Paulo Câmara. A cerimônia se deu no Palácio do Campo das Princesas, em Recife. Localizado próximo ao porto de Suape, o centro funcionará numa área de 50 mil metros quadrados e terá capacidade para receber até 30 mil unidades por ano. A expectativa é de que entre em operação no primeiro semestre de 2016 e gere cerca de 40 postos de trabalho, entre empregos diretos e indiretos. Dali serão distribuídos os veículos fabricados no Brasil (Corolla eE Etios) e na Argentina (Hilux e SW4) para as concessionárias da marca em toda a região Nordeste. Em seu discurso, Kondo destacou o crescimento da marca na região (15% em relação ao ano anterior). O executivo também enfatizou a expansão da capacidade produtiva na fábrica de Sorocaba (SP), Revista Cegonheiro

32

lembrando que isso “reforça ainda mais o compromisso da Toyota com a sociedade brasileira de promover o desenvolvimento e o crescimento econômico do país. Este novo centro de distribuição também terá um impacto positivo no meio ambiente, com redução de 13% nas emissões de CO2 das nossas operações logísticas”. Mais Etios O sucesso do Etios, carro da marca mais vendido no Brasil, levou os executivos da Toyota a ampliarem a capacidade de produção de 74 mil para 108 mil unidades por ano. Produzido na fábrica de Sorocaba (SP), no ano passado o modelo teve 66 mil unidades comercializadas no mercado interno e 20 mil veículos exportados para Argentina, Paraguai e Uruguai. Para ampliar a capacidade de produção, a montadora investirá cerca de R$ 100 milhões e contratará novos colaboradores – hoje a unidade opera com 1.600 pessoas, em dois turnos de trabalho.


Concessionária

Auto Sueco em Barueri

fotos: Divulgação

Concessionária conta com uma ampla infraestrutura para atender aos clientes da marca

A Auto Sueco, rede exclusiva de caminhões e ônibus da Volvo, acaba de inaugurar uma unidade na cidade de Barueri (SP). Instalada no km 22 da rodovia Castelo Branco (sentido interior), a concessionária conta com uma ampla infraestrutura para atender aos clientes da marca, de forma rápida e eficiente. Para isso, existem 33 boxes de manutenção dos veículos, sendo 18 para reparação mecânica, nove para serviços rápidos e seis para pit stop (exclusivos para troca de óleo). Segundo o diretor-executivo da Auto Sueco São Paulo, Fernando Ferreira, foram investidos cerca de R$ 5 milhões em equipamentos. “Esses dispositivos permitem realizar diagnósticos mais precisos e, com isso, agilizar o atendimento”, afirma. Para garantir conforto ao motorista que aguarda a conclusão do serviço, é oferecida uma sala de descanso. Se o serviço não for concluído no mesmo dia, os usuários têm ainda à disposição dois quartos. E mais: para o motorista que não pode levar seu veículo até a concessionária, a Auto Sueco oferece o programa Voar (Volvo Atendimento Rápido). Basta solicitar o servi-

ço pelo telefone 0800 647 4747: uma equipe de especialistas da fábrica, engenheiros e consultores, está a postos a qualquer dia da semana – não importa o horário. O atendimento é 24 horas. Nesta primeira fase, a concessionária opera com 30 colaboradores – a expectativa é de que esse número se duplique a curto prazo. A concessionária funciona das 8h15 às 18 horas.

Para atender o cliente de forma rápida e eficiente, unidade tem 33 boxes

33

Revista Cegonheiro


Restrições de Tráfego

para carretas cegonhas em

2015

Com o intuito de promover a fluidez de trânsito em grandes feriados e datas festivas, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) edita anualmente um calendário nacional de restrição a veículos de grande porte, limitando em determinados dias e horários o trânsito de Combinações de Veículos de Carga e demais veículos portadores de Autorização Especial de Trânsito (AET). Tais restrições são válidas apenas em rodovias federais de pista simples. Confira abaixo os dias e horários das restrições.

Restrição de Trânsito em todas as Unidades da Federação OPERAÇÃO

DIA DA RESTRIÇÃO

HORÁRIO DA RESTRIÇÃO

13/02/2015 (sexta-feira) 16:00DA àsRESTRIÇÃO 24:00 DIA DA RESTRIÇÃO HORÁRIO 14/02/2015 (sábado) 06:00 às 12:00 OPERAÇÃO DIA DA RESTRIÇÃO HORÁRIO CARNAVAL 13/02/2015 (sexta-feira) 16:00DA àsRESTRIÇÃO 24:00 17/02/2015 (terça-feira) 16:00 às 24:00 OPERAÇÃO DIA DA RESTRIÇÃO HORÁRIO DA RESTRIÇÃO 14/02/2015 (sábado) 06:00 às 12:00 18/02/2015 06:00 13/02/2015(quarta-feira) (sexta-feira) 16:00às às12:00 24:00 CARNAVAL 17/02/2015 (terça-feira) 16:00 às 24:00 02/04/2015 (quinta-feira) 16:00 às 24:00 14/02/2015 (sábado) 06:00 às 12:00 13/02/2015(quarta-feira) (sexta-feira) 16:00 às às 12:00 24:00 CARNAVAL 18/02/2015 06:00 SEMANA SANTA 03/04/2015 (sexta-feira) 06:00 às 12:00 17/02/2015 (terça-feira) 16:00 às 24:00 14/02/2015 (sábado) 06:00 às às 24:00 12:00 02/04/2015 16:00 05/04/2015(quinta-feira) (domingo) 16:00 CARNAVAL 18/02/2015 (quarta-feira) 06:00às às24:00 12:00 17/02/2015 (terça-feira) 16:00 às 24:00 SEMANA SANTA 03/04/2015(quinta-feira) (sexta-feira) 06:00 às 12:00 30/04/2015 16:00 02/04/2015 (quinta-feira) 16:00às às24:00 24:00 DIA DO TRABALHO 18/02/2015 (quarta-feira) 06:00 às 12:00 05/04/2015(sexta-feira) (domingo) 16:00 às 24:00 01/05/2015 06:00 às 12:00 SEMANA SANTA 03/04/2015 (sexta-feira) 06:00 às 12:00 02/04/2015 (quinta-feira) (quinta-feira) 16:00 às às 24:00 24:00 30/04/2015 16:00 03/05/2015 (domingo) 16:00 às 24:00 05/04/2015 (domingo) 16:00 às 24:00 DIA DO TRABALHO SEMANA SANTA 03/04/2015 (sexta-feira) (sexta-feira) 06:00 às às 12:00 12:00 01/05/2015 06:00 06:00 às 12:00 04/06/2015 (quinta-feira) 30/04/2015 (quinta-feira) 16:00 às 24:00 05/04/2015 (domingo) (domingo) 16:00 às às 24:00 24:00 CORPUS CHRISTI DIA DO TRABALHO 03/05/2015 16:00 07/06/2015 (domingo) 16:00 às 24:00 01/05/2015 (sexta-feira) 06:00 às 12:00 30/04/2015 (quinta-feira) (quinta-feira) 16:00 às às 12:00 24:00 06:00 04/06/2015 04/09/2015 16:00 DIA DO TRABALHO 03/05/2015(sexta-feira) (domingo) 16:00às às24:00 24:00 CORPUS CHRISTI 01/05/2015 (sexta-feira) 06:00 às 12:00 07/06/2015 (domingo) 16:00 às 24:00 INDEPENDÊNCIA 05/09/2015 (sábado) 06:00 às 12:00 06:00 às 12:00 04/06/2015 (quinta-feira) 03/05/2015(sexta-feira) (domingo) 16:00 às às 24:00 24:00 CORPUS CHRISTI 04/09/2015 16:00 07/09/2015 (segunda-feira) 16:00 às 24:00 07/06/2015 (domingo) 16:00 às 24:00 06:00 às às 12:00 04/06/2015 (quinta-feira) INDEPENDÊNCIA 05/09/2015 (sábado) 06:00 12:00 30/10/2015 (sexta-feira) 16:00 às 24:00 CORPUS CHRISTI 04/09/2015 (sexta-feira) 16:00 às 24:00 07/06/2015 (domingo) 16:00 às às 24:00 24:00 07/09/2015 (segunda-feira) 16:00 FINADOS 31/10/2015 (sábado) 06:00 às 12:00 INDEPENDÊNCIA 05/09/2015 (sábado) 06:00 às 12:00 04/09/2015 (sexta-feira) (sexta-feira) 16:00 às às 24:00 24:00 30/10/2015 16:00 02/11/2015 (segunda-feira) 16:00 07/09/2015 (segunda-feira) 16:00às às24:00 24:00 INDEPENDÊNCIA 05/09/2015 (sábado) 06:00 às 12:00 FINADOS 31/10/2015 (sábado) 06:00 às 12:00 24/12/2015 (quinta-feira) 14:00 30/10/2015 (sexta-feira) 16:00às às22:00 24:00 07/09/2015 (segunda-feira) 16:00 às 24:00 02/11/2015 (segunda-feira) 16:00 às 24:00 FINAL DE ANO 31/12/2015 (quinta-feira) 14:00 às 22:00 FINADOS 31/10/2015 (sábado) 06:00 às 12:00 30/10/2015(quinta-feira) (sexta-feira) 16:00 às às 22:00 24:00 24/12/2015 14:00 03/01/2016 (domingo) 14:00 às 24:00 02/11/2015 (segunda-feira) 16:00 às 24:00 FINADOS 31/10/2015 (sábado) 06:00 às às 22:00 12:00 FINAL DE ANO 31/12/2015 (quinta-feira) 14:00 24/12/2015 (quinta-feira) 14:00 às 22:00 02/11/2015 (segunda-feira) 16:00 às às 24:00 24:00 03/01/2016 (domingo) 14:00 FINAL DE ANO 31/12/2015 (quinta-feira) 14:00 às às 22:00 22:00 24/12/2015 (quinta-feira) 14:00 Restrição de Trânsito na BR-101, entre os Municípios de Rio Bonito e Itaboraí, km 269 a 308 03/01/2016 (domingo) 14:00 às 24:00 FINAL DE ANO 31/12/2015 (quinta-feira) 14:00 às 22:00 do Rio de Janeiro e na BR-493, nos municípios de Magé e Itaboraí, km 0 26 13/02/2015 (sexta-feira) 06:00 àsao 19:00 03/01/2016 14:00 às às 19:00 24:00 14/02/2015(domingo) (sábado) 06:00 CARNAVAL 13/02/2015 (sexta-feira) 06:00 às 19:00 18/02/2015 (quarta-feira) 12:00 às 22:00 14/02/2015(sexta-feira) (sábado) 06:00 às 19:00 22/02/2015 (domingo) 12:00 13/02/2015 06:00às às22:00 19:00 CARNAVAL 18/02/2015 (quarta-feira) 12:00 às 22:00 14/02/2015 (sábado) 06:00 às 19:00 13/02/2015 (sexta-feira) 06:00 às às 22:00 19:00 CARNAVAL 22/02/2015(quarta-feira) (domingo) 12:00 18/02/2015 12:00 às 22:00 14/02/2015 (sábado) 06:00 às 19:00 CARNAVAL 22/02/2015 (domingo) 12:00 às 22:00 18/02/2015 (quarta-feira) 12:00entre às 22:00 22:00 Restrição de Trânsito na BR-135 no Estado do Maranhão, do km 00 ao 100, os municí14/02/2015 (sábado) 12:00 às CARNAVAL 22/02/2015 (domingo) 12:00 às 22:00 pios de São Luís/MA(quarta-feira) e Itapecuru-Mirim/MA 18/02/2015 12:00 às 22:00 14/02/2015 (sábado) 12:00 às 22:00 CARNAVAL 18/02/2015 (quarta-feira) 12:00 14/02/2015 (sábado) 12:00 às às 22:00 22:00 CARNAVAL 18/02/2015 (quarta-feira) 12:00 às 22:00 14/02/2015 (sábado) 12:00 às às 20:00 22:00 19/06/2015 (sexta-feira) 12:00 CARNAVAL 18/02/2015 12:00 às às 20:00 22:00 FESTEJOS JUNINOS 23/06/2015(quarta-feira) (terça-feira 12:00 19/06/2015 (sexta-feira) 12:00 às 20:00 Restrição apenas nos Estados 26/06/2015 da Bahia, Paraíba, Pernambuco e Rio12:00 Grande do Norte (sexta-feira) às 20:00 FESTEJOS JUNINOS 23/06/2015 (sexta-feira) (terça-feira 12:00 19/06/2015 12:00 às às 20:00 20:00 26/06/2015 12:00 FESTEJOS JUNINOS 23/06/2015(sexta-feira) (terça-feira 12:00 às às 20:00 20:00 19/06/2015 (sexta-feira) 12:00 às 20:00 26/06/2015 (sexta-feira) 12:00 às 20:00 FESTEJOS JUNINOS 23/06/2015 (terça-feira 12:00 às 20:00 OPERAÇÃO

26/06/2015 (sexta-feira)

12:00 às 20:00

OBSERVAÇÃO: É NECESSÁRIO OBSERVAR AS MUDANÇAS NAS RESTRIÇÕES DOS FERIADOS REGIONAIS DE CADA ESTADO


AGORA É SÓ ESCOLHER. TODA LINHA CHEVROLET DIRETO PARA VOCÊ!

AQUI VOCÊ TEM BENEFÍCIOS ESPECIAIS E ATENDIMENTO PERSONALIZADO. NÃO VAMOS PERDER NEGÓCIO! Plantão:

Parceria:

VIAMAR ABC CAMINHO DO MAR, 2227 RUDGE RAMOS, ABC - SP 4367 8082 | 4367 8090 VIAMAR, 19 ANOS

| TAMBÉM EM MAIS 6 LOJAS EM SÃO PAULO E 4 NO RIO DE JANEIRO


LICENÇAS Autorização para o tráfego de veículos com carga especial

O Sindicato Nacional dos Cegonheiros tem a disposição dos seus associados e motoristas, o Departamento de Licenças, específico para dar entrada na documentação para a retiradade Licenças Estaduais e Federal de acordo com as normas exigidas pelo DER – Departamento de Estradas de Rodagem e do DNIT – Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes.

ONDE TIRAR AS LICENÇAS São Bernardo do Campo-SP Sede Central – Rua: Luiz Barbalho, 07/11 – Bairro Demarchi Licenças Federal e Estaduais

(11) 4346.5508

Camaçari / Bahia Rua: Gurupi, 23 – Bairro Goiana Licenças do Estado da Bahia

(71) 3622-6500

Gravataí / Rio Grande do Sul Av. Eli Correa, 6.651 – RS 030 – Bairro Passo da Cavera Licenças do Estado do R.G. do Sul

(51) 3431-4848

São José dos Pinhais / Paraná Rua: Tubarão, 112 – sala 02 – Bairro: Borda do Campo Licenças dos Estados de Santa Catarina, Minas Gerais, Tocantins, Paraná, R.G. do Sul, Goiás e São Paulo

(41) 3385-8245

São José dos Campos / São Paulo Rua: Ernesto Júlio Nazaret,201 Vila Tesouro Licenças Federal e Estaduais

(12) 3906-0807

Tocantins (Licença Estadual)

Rio de Janeiro (Licença Estadual)

-Documento Cavalo Mecânico e Carreta -Contrato Social e CNPJ (pessoa jurídica) -CPF e RG (Pessoa Física) -Licença Federal 4,95m -Todos documentos autenticados

- Documento Cavalo Mecânico e Carreta - RG e CPF (proprietário da empresa) - Contrato Social - Requerimentos (no Sindicato)

Minas Gerais (Licença Estadual)

São Paulo (Licença Estadual e Federal) -Documento Cavalo Mecânico e Carreta

Santa Catarina (Licença Estadual)

-Documento Cavalo Mecânico e Carreta -Procuração (retirar no Sindicato) -Contrato Social (pessoa jurídica) -CPF e RG (pessoa física)

R. Grande do Sul (Licença Estadual) -Documento Cavalo Mecânico e Carreta

-Documento Cavalo Mecânico e Carreta

Bahia (Licença Estadual) Goiás (Licença Estadual)

-Documento do Cavalo Mecânico e Carreta

Pernambuco (licença estadual)

-Documento Cavalo Mecânico e Carreta -Licença Federal 4,95m

Paraná (Licença Estadual e Federal) -Documento Cavalo Mecânico e Carreta

ATENÇÃO MOTORISTAS

Licenciamento São Paulo 2015 Final de Placa

1e2 3, 4 e 5 6, 7, e 8 9e0

Revista Cegonheiro

36

CAMINHÕES Mês do Licenciamento

Setembro Outubro Novembro Dezembro

- Cópia legível do documento do cavalo e carretas (todas as carretas que for acoplar na licença) - Cópia legível da licença federal (Dnit) - Contrato social da empresa (xerox autenticada) - CNH do proprietário ou de um dos sócios da empresa (xerox autenticada) - comprovante de endereço – pessoa física (xerox autenticada)

CARRETAS AUTOMÓVEIS MOTOS Final de Placa Mês de Licenciamento

1 2 3 4 5e6 7 8 9 0

Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro


37

Revista Cegonheiro


Classificados e 4368-9206. Três Eixos – 2003 – Tratar com Sergio (11) 7864 – 6955 ID – 80*62169 – Aceita troca Três Eixos, 2007, bom estado – Tratar – Barbarelli (11) 9 8549 – 1571 Três Eixos, Robocop original, anos 2001, 2003 e 2006. Tratar com Joel - TG (54) 3027-7966 site web: htpp://zip.net/ bwmdGF Dambroz 2008, com pneus e cinta em bom estado (Transauto).Tratar com Márcio Galdino (11) 7881-4656 Dambroz 1998/1999, bom estado (Transauto) R$ 30 mil. Tratar com Márcio Galdino (11) 7881-4656 Dambroz 94, aberta e elétrica, verde. Valor a combinar. Tratar com Vilson-Melancia (11) 4412-0159 e 9958-5510 Dambroz 2008, alugo. Tratar com Zé Valter – TN (11) 7809-7712 e ID: 90*12354 Três Eixos 2007 – Tratar com Márcio Galdino 7881-4656 Dambroz 1989 – Preta, carreta reformada, estado de nova, impecável. Tratar com Mário (11) 7871-1282 / 7730-8474 Três Eixos 2006, Robocop, com pneus e cintas. Tratar com Nelson -TG (54) 3221-8501 Dambroz, ano 2000, convencional, pneus e cintas Brazul. Tratar com Bruno (11) 99389-0869 e 30*56894 Engerauto, ano 1996, elétrica, capacidade para 11 carros. R$ 40 mil. Tratar com Salvador Corrêa (11) 9390-5898 e (11) 4347-9728 Carreta Robocop Dambroz 2003, reformada em 2010 e com pistões novos. Padrão Tegma. Impecável. Tratar com Wadson (11) 7661-3377 e (79) 9876-9353 Vendo conjunto Volkswagen Constellation 19370, ano 2009, vermelho e carreta Contin Robocop, ano 1987, verde toda reformada. Preço total: RW 210 mil. Se for vendido separado, R$ 150 mil (cavalo) e R$ 60 mil (carreta). Tratar com Sílvio (11) 97717-3278 e 7*3199 Carreta Engerauto 1998, padrão Brazul amarela, alongada e preparada para “cara chata”, boa de carga (sete pickups e três médios), com oito pneus semi usados. Tratar com Hamilton (11) 98114-0119 Carreta Três Eixos, 2001, com pneus em ótimo estado. Tratar Toninho Pirajuí (11) 98361-6717 Carreta Engerauto, ano 2000, verde, alongada, com pneus e cintas. Preço: R$ 40 mil. Tratar com Nilton (11) 986445354 e 99263-2336 Carreta Dambroz 2008, azul (Transauto), com pneus e cintas. Tratar com Reginaldo (11) 7738-7296 9*43047 Carreta Robocop Goldin 1987 com rodas e pneus. Capacidade para 11 carros. Totalmente reformada. Preço: R$ 43 mil. Tratar com Sílvio (11) 7717-3278 Carreta Nego 2008, verde e com pneus. Tratar com Hong (13) 9112-2716 Vendo ou alugo as seguintes carretas: Dambroz 2000/2001, aberta, convencional, preta, R$ 38 mil. Três Eixos, 1997/1997, aberta, convencional, preta, R$ 37 mil. Dambroz, 1998, aberta, alongada, convencional, verde, R$ 39 mil. Três Eixos 1997/1997, aberta, alongada, convencional, verde, R$ 39 mil, Dambroz 2000/2000, aberta, alongada, convencional, engata truck, verde, R$ 39 mil. FNV 1991, aberta, alongada, convencional, R$ 28.500. Tratar com Valdivino Neto (Val das Tintas) (11) 7009-3838, 3423-1555 e 966*10355 Carreta Dambroz 2002, preta padrão Tegma, convencional, com pneus e cintas. Tratar com Osmar (11) 94720-3166 e ID 45*4*148025 Três carretas pranchas para transporte de caminhões (duas Facchini e uma Dambroz). Todas em bom estado e com pneus. Tratar com João (11) 7865-9192

Revista Cegonheiro

38

Carreta Dambroz Robocop, 2008, com pneus e cinta. Tratar com Valter (Transzero) (11) 99999-3024 Carreta Dambroz, Robocop, 2008, amarela, com pneus e cintas. Único dono. Tratar com Pitol (11) 98411-2223 ou Luiz (11) 99220-2963 Carreta Dambroz 2008 com pneus e cintas.Tratar com Márcio Galdino (11) 7881-4656 Carreta Dambroz 2000, convencional alongada, padrão Tegma. Tratar com Gabriel (48) 9935-6575 Carreta Dambroz, Robocop, 2004/2004, verde TNorte, reformada. Preço: R$ 55 mil. Tratar com Sérgio (21) 98017-8789 ou Nextel 919*3927. Alugo ou vendo uma carreta Engerauto 1996, toda Robocop, verde Transzero com pneus e cintas. Para venda R$ 35 mil. Tratar com Roberto (11) 991921817 Vendo duas carretas Três Eixos. A primeira é convencional aberta, com pneus, cintas, ano 2002, verde. Preço: R$ 40 mil. A outra também é convencional aberta e foi reformada na Rodoceg. Vem com pneus, cintas, ano 1995, verde. Preço: R$ 40 mil. Tratar com Márcio (51) 7811-3363 Carreta Três Eixos, 2001, modelo 2002, boa de carga, com pneus e cintas, verde Transzero. Preço R$ 40 mil. Tratar com Cristiano do Pereba (12) 99163-2988 Vendo carreta Tecnoceg, 2008/2008, robocop, toda revisada, com pneus e cintas. Preço: R$ 60 mil. Tratar com Wagner (11) 96671-5715

Axor 2035, branco, 2007/2008. Tratar com Silvana ou Félix (11) 97028-9782, 98436-3376, 11*6514 ou 7734-5921 Axor 2035, 2008, prata, completo e em bom estado de conservação. Tratar com Márcio Galdino (11) 7881-4656. Axor 2044, 2008, prata, completo, com motor e câmbio revisados. Tratar com Márcio Galdino (11) 7881-4656. Volvo FH 6x2, Globetrotter, 2012/2012, branco, completo e em perfeito estado de conservação. Pronta entrega. Valor: R$ 340 mil. Aceito caminhonete em troca. Tratar com Peterson, da Transzero (11) 98124-1450 Mercedes-Benz 1630, 1995, com motor novo e em ótimo estado. Tratar com Valter (Transzero) (11) 99999-3024 Scania G 420, ano modelo 2011, com 383 mil quilômetros rodados, banco e cama em couro e faróis xênon original de fábrica. Preço: R$ 270 mil. Tratar com Luciano ou Vagner (11) 4335-1568, 97014-8615 e 98115-9750 Volvo FH, 2005, segundo dono, motor e câmbio novos, pneus meia vida, prata. Caminhão de cegonheiro. Tratar com Buriti (11) 7830-4211 e (11) 999438656 Scania G420 4x2, 2008/2008, azul, com 940 mil quilômetros rodados. Ótimo estado de conservação. Preço: R$ 190 mil. Tratar com Gustavo (12) 98314-0000 e 96*37039 Scania T113 Topline, ano 1997, com seis pneus Michelin novos, rodas de alumínio, conversor de bateria e televisão. Segundo dono. Impecável! Tratar com Márcio (51) 7811.3363

Vendo carreta Dambroz 2000, Robocop, preta, padrão Tegma. Preço: R$ 40 mil. Tratar com Alexandre (11) 99151-8787

MAN TGX 29440, 6x4, ano 2012, ótimo estado de conservação. Preço: R$ 300 mil. Tratar com Claudete (11) 99851-7954 ou Denis (11) 97639-1191

Vendo carreta Rossini, ano 2006, preto padrão Tegma. Preço: R$ 30 mil. Tratar com Petrúcio (11) 4455-2264 e 987461187

Vendo dois caminhões: um Scania 420, ano 2005, azul, com motor e pneus novos; o outro é um Volvo FM 370, ano 2011, prata. Tratar com Jorge (11) 97409-7282 e 95124-8818.

Axor Premium 2044 – cinza – 2010/2011 R$ 157.000,00 Tratar com Serzedelo (Pai Herói) Dacunha (11) 9-9293-5379 Volvo FH – 2005 – prata – - Tratar com Sergio (11) 7864 – 6955 ID – 80*62169 – Aceita troca Axor 1933 – branco – 2005 -Só rodou na cegonha - Tratar com Ademir (Índio) Tegma (11) 9 8437-1050 / 9 7273-2933 MB 2035 – branco - 2008. Tratar com Junior / Bruno (11) 9 8245 – 6690 / 9 9389 – 0869 / 118*4328 Scania 2010 – Prata – 2010 – bom estado – Tratar com Barbarelli (11) 9 8549 – 1571

Vendo caminhão Scania R440, ano/ modelo 2014, Toco, prata, com cerca de 65 mil quilômetros rodados. O veículo conta com retarder e tanque de arla (regulamentado. Preço: R$ 320 mil. Tratar com Wagner (11) 96671-5715 Vendo um caminhão Scania G420, ano/modelo 2010/2010, prata, e outro Mercedes-Benz 2040, premium, ano/ modelo 2010/2011, prata. Tratar com Zé Itabaiana (11) 99426-7886 Vendo dois caminhões Volvo FM 370 I-Shift, 2011, trucado, com 155 mil quilômetros rodados. Preço: R$ 195 mil. Tratar com João (11) 4368-9206, 98605-4369, 7865-9192 e 82*16840 Vendo caminhão Axor 2035, ano 2008. Único dono e em ótimo estado. Tratar com Ronaldo Jacinto (Brazul) (11) 97626-7257

Volvo FM 340 4x2, anos 2001 e 2003 - Tratar com Joel - TG (54) 3027-7966 site web: htpp://zip.net/bwmdGF Volvo FM 370 6x2 trucado, 2012, entre eixos 3,20 – duas unidades. Tratar com Joel (TG) (54) 3027-7966 VW Constelation 19320, 2006/2006, branco, pneus novos, ótimo estado, revisões em dia. Tratar: (11) 7871-1282 / 7730-8474 com Mário Iveco Stralis, 2008/2009, modelo Power cegonheiro, vermelho Tratar: (11) 8349-6033 / 5514-2461 com Geraldo –Transzero MB Axor 2040, 2008/2008, único dono R$ 190 mil. Tratar: (11) 9430-3098/ ID 55*100*30421 (Cajaiba – TG)

Toyota Hilux SW4 3.0 SRV 4X4 16V Turbo Intercooler Dieses 4P Automático – Preto Km – 120.000. Tratar Wagner ID: 960*7864 / 7769-3096 Fiat Strada Working CD 1.4 flex, 2010, completa. Tratar com Erivaldo (11) 98688-5488 Voyage confortline1.6,flex,09/10,comp leto. Tratar com Enzo (11) 4396-1869 e 7765-2487 Uno 2009, azul metálico, duas portas, completo, flex. Tratar com Marcelo – BZ Taubaté (12) 9239-2287 e 9178-

Iveco Stralis, 2009,modelo Power cegonheiro, turbina e unidades novas, vermelho,pneusnovos.Valor: R$ 210 mil. Tratar: (11) 9935-7917 com Delmiro – TNorte

D20, 86, turbo, vermelho perolizado, segundo dono, 160 mil quilômetros rodados, carro de garagem, com guincho na frente. R$ 32,5 mil. Tratar com Geraldo Saraiva Filho (11) 7076-0632, 4109-1279 e 4358-1313 Moto BMW GS 1200 R, 2009/2009, prata. Vendo ou aceito troca por carro ou outra moto. Tratar com Peterson (11) 98124-1450 e 916*855 Saveiro Trend 2009, prata, com cerca de 40 mil quilômetros rodados. O veículo é equipado com direção hidráulica, alarme, rodas de magnésio, trava e vidros elétricos. Preço: R$ 23 mil. Tratar com Francisco (11) 99454-9337 e 2861-0196 Vendo ou troco S10, ano modelo 1998, 4.3, V6, completa, cabine dupla,prata, com kit gás. Ótimo estado de conservação. Tratar com Nelson (11) 98442-0969 Pick up Strada 2009/2010, 1.4 flex, cabine simples, cinza, com 50 mil quilômetros rodados. Tratar com Osmar (Tegma) (11) 94720-3166 e ID 45*4*148025 Fox Trend 1.6, 2012/2013, prata, com 10 mil quilômetros rodados e todos opcionais- exceto ar-condicionado. Único dono e ótimo estado. Preço: R$ 31,5 mil. Tratar com Alan Oliveira (11) 98660-5851. Vendo Mitsubishi L200 Out door, HPE 2.5, 4x4, ano 2010, prata, com direção hidráulica, câmbio mecânico e ar condicionado. Completo bem conservado. Preço: R$ 55 mil. Tratar com Maria Lúcia (11) 4347-6001 ou Paulo (11) 99480-8508 e 653*141

Terreno Caçapava 248m² Bairro – Vitória Vale - R$ 85.000,00 / Terreno Caçapava - Vitória Vale 7X25 - R$ 55.000,00 Tratar Latino (Tegma) (11) 9 – 8632-6532 / (11) 4066 - 4510 Apartamento no centro de Diadema, três dormitórios, 65m², churrasqueira, duas piscinas, de festa, sala de ginástica. Valor: R$ 240.000,00.Tratarcom Eduardo – Cazu (11) 6710-9965 Sítio com cincoalqueires na rodoviaCasteloBranco Km 162, em Porangaba. Tratar com Buriti (11)99943-8656 e 6949-5995 Sítio em Pilar do Sul-SP próximo a Sorocaba,1 e ½ alqueire formado. Tratar com Daniel TNorte Curitiba – BZ (15) 3278-1214 Terreno em Piedade, próximo a Sorocaba. R$ 25.000,00.Troco por carro. Tratar com Marcinho TG (15)3311-4043 e 9574-0272 Casa no bairro Demarchi. Vende-se valor R$ 480 mil ou aceito imóvel de menor valor. Quatro dormitórios (sendo uma suíte), três wcs, cinco vagas, dois terraços, copa, cozinha planejada, sótão, salão de festas e depósito. Tratar com Maria Lúcia (11) 4347-6001 ou Paulo (11) 99480-8508 e 653*141 Sobrado no Terra Nova II, três dormitórios amplos, uma suíte com varanda. Todo reformado e tudo em porcelanato, Possui jardim de inverno na sala, cozinha embutida, rack sob medida, copa e coifa. Valor: R$ 400 mil. Tratar com Nildo (11) 7364-4324 e 4396-9008 Apartamento no Rudge Ramos, em São Bernardo do Campo. Com dois ou três dormitórios, duas garagens, área de lazer, área de construção 100 metros quadrados. R$ 330 mil mais saldo de prestações. Tratar com Guilherme6605-7953

ANUNCIE

MB 1634, 06, branco.Tratar:(11) 94418547 com Umberto Nóbile – TS MB 608 Dguincho, 1980. R$ 30 mil. Tratar:(11) 999134-8945/7833-2201/ID 84*23068 com Gilberto - TN

2857

4346-5507

(11)

e-mail: revistacegonheiro@sindicatodoscegonheiros.com.br


Profile for Sinaceg

Revista Cegonheiro - Edição 155  

Revista Cegonheiro - Edição 155  

Profile for sinaceg
Advertisement