Page 1

www.grupoembracon.com.br

REVISTA

Revista do Grupo Embracon | Santa Catarina | Edição n o 71 | Novembro de 2013

Divisão de Shoppings e Condomínios

Página 03

Página 07

www w.gruupo oembraaconn.com.b br


Índice

Revista Embracon

4

6

5

Revista n° 70

10

Confira as edições anteriores no LINK abaixo ou pelo código QR: http://embracon.wordpress.com

Conteúdo na medida certa para seu condomínio.

4 5 6 10

Boa Convivência

É importante lembrar que o uso de áreas comuns é de todos

Consumo Consciente.

Incentivo a Sustentabilidade: incentive o consumo consciente

Empréstimo Para Condomínios

Uma alternativa para atender necessidades extraordinárias

Lei Empregada Doméstica

O empregado doméstico tem direito ao vale-transporte?

12 13 16 22

13º Salário

A Lei estipula multa para empregado prejudicado Qual Piso Usar?

O chão é sim um elemento importante para a decoração

Sistema de Iluminação Solatube

Natural e eficiente, seja qual for à posição do sol no céu

Produtos e Serviços

Ofertas de serviços para seu condomínio ou empresa

'ƌƵƉŽŵďƌĂĐŽŶZƵĂŚĂƌůĞƐ&ĞƌƌĂƌŝ͕ŶǑϱϰϴͲ<ŽďƌĂƐŽůͲ^ĆŽ:ŽƐĠͲ^ĂŶƚĂĂƚĂƌŝŶĂͲ&ŽŶĞ͗;ϰϴͿϯϬϯϱͲϰϬϬϬ/ŵĂƌŬĞƟŶŐΛŐƌƵƉŽĞŵďƌĂĐŽŶ͘ĐŽŵ͘ br I REDATOR / EDITOR Simone Pereira I REVISÃO Simone Pereira, Fabiano Penafort e José Filipe Neis I APROVAÇÃO/TEXTO Simone Pereira e Fabiano Penafort I PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO͗ůĞdžĂŶĚƌĞ>Ƶnj//^dZ/h/KŝƌŝŐŝĚĂ/d/Z'DϭϬ͘ϬϬϬĞdžĞŵƉůĂƌĞƐ//DWZ^^K ^ŵĂƌƚ'ƌĄĮĐĂ/COMERCIALIZAÇÃO͗:ĞĨĚŝƚŽƌĂŽŵƵŶŝĐĂĕĆŽĞDĂƌŬĞƟŶŐŽŶƚĂƚŽ͗;ϰϴͿϯϯϯϴϰϰϴϮͲϵϵϳϵϭϯϰϬ

2


Editorial

Revista Embracon

Boa convivência em um condomínio não é uma tarefa fácil requer atenção especial de todos. Além de conviver com muitas pessoas os condôminos ainda dividem as áreas comuns que são um bem de todos. Preparamos uma matéria especial sobre este assunto e ainda sobre condomínios confira uma dica de como incentivar a sustentabilidade e conheça a Crediloc empresa que oferece empréstimos para condomínios. A matéria de capa é uma homenagem especial a todos os síndicos que reservam o seu dia-a-dia para administrar e zelar por um patrimônio de todos os moradores. Receba ainda algumas dicas de segurança para manter a tranquilidade em seu condomínio. Não se esqueça de conferir a Agenda Cultural e os eventos do mês de Outubro. Participe da próxima edição mandando sua sugestão, crítica ou opinião sobre a Revista. Aproveite e concorra para a Promoção dos Clássicos. Desejamos a todos uma boa leitura!

Michelly Rosa

Raphael dos Santos

Assista o seu time jogar, no seu estádio, como convidado especial e ainda ganhe brindes!!!

Robson José Rocha

A Revista Embracon leva você na faixa!!! Escreva para mkt@grupoembracon.com.br e diga porque você merece ganhar esse prêmio. Assista os jogos do Avaí e Figueirense como convidado especial. Vale para você e um acompanhante. Válido para os jogos da Série B de 2013. É um sorteio por mês e você escolhe o jogo que quer ver, dentro do mês do sorteio. Se você é Avaí ou Figueira, escreva pelo seu time! Márcio Ruiz

3


Condomínios

Revista Embracon

A convivência em condomínios é difícil, mas é importante lembrar que o uso de áreas comuns é de todos, por este motivo todos devem respeitar o espaço do outro. Geralmente, entre os diversos problemas nos condomínios, grande parte está relacionado ao uso indevido das áreas de uso comum, cada condomínio possui seu regimento interno, porém existem algumas dicas que podem auxiliar para melhor entendimento dos condôminos: Garagem: : o número de vagas na garagem do condomínio geralmente é dividido igualmente entre os seus condôminos. É importante que os moradores entendam que mesmo que existam alguns condôminos, que não possuem automóveis, eles têm direito a sua vaga. Usar do bom senso é primordial para um bom convívio, nada lhe impede de conversar com o seu vizinho e discutir a possibilidade de que ele lhe empreste ou alugue a vaga. O que não deve ser feito em hipótese alguma é achar que por que você necessita mais do que ele, a vaga é sua por direito.

Salão de festas: geralmente os condomínios possuem salão de festa pelo fato dos apartamentos não comportarem muitas pessoas devido ao tamanho. Este é um benefício que facilita a vida de todos os condomínios, então nada mais correto do que zelar pelo cuidado do local. Cada condômino deve se responsabilizar pelo comportamento de seus convidados e de entregar o salão da mesma forma da qual recebeu, sem nenhuma parte danificada ou faltando algum utensílio.

Playground e área de lazer: estas partes garantem aos condôminos (principalmente aos mais jovens) momentos de lazer. Cuidados como higiene, preservação e manutenção dos equipamentos destes locais também são de responsabilidade de todos. É importante que todos os condôminos tenham sempre em mente que as áreas de uso em comum não são aquelas que não pertencem a ninguém e sim aquelas que pertencem a todos. Estas áreas são uma extensão de suas casas, então nada mais correto do que preservá-las e fazer o uso da melhor maneira possível. Fonte: Direcional Condomínios

4


Revista Embracon

A

s assembleias ordinárias é o momento do síndico prestar contas e realizar a previsão orçamentária para o próximo ano. Nessas reuniões ocorrerem muitas reclamações e dúvidas sobre as contas de água, gás e energia elétrica. Neste momento o síndico pode aproveitar e incentivar o consumo consciente dos condôminos. Este incentivo pode ajudar a diminuir o valor da taxa condominial e ainda contribuir com a sustentabilidade. O impacto ambiental pelo consumo de água, energia elétrica e gás de até centena de pessoas que moram em um condomínio é considerável. Sem contar com o lixo que é produzido diariamente, que ao se decompor emite gases de efeito estufa e contribui para o aquecimento global. Os novos projetos da construção civil já estão se adaptando as leis e aos projetos sustentáveis e os prédios mais antigos tem que se adaptar a esta nova onda. Além de ajudar a diminuir os custos do condomínio e ajudar a conseguir alguma receita é importante lembrar que já existem leis ambientais que são exigidas. Mas já existem soluções práticas para prédios mais antigos algumas adaptações podem fazer a diferença. Em relação à racionalização de energia elétrica, por exemplo, a instalação

de sensores de presença, também chamado de “luzes inteligentes”, evita lâmpadas acesas sem necessidade. Se essa medida ainda for acompanhada da troca de lâmpadas incandescentes por lâmpadas compactas fluorescentes, também conhecidas como lâmpadas econômicas, trará um custo inicial, mas que poderá ser revertido num curto espaço de tempo. A economia de energia pode chegar a 15% com os sensores e pode ir de 50% a 80% com as lâmpadas frias. Outra medida interessante é tornar o elevador inteligente. Assim se as pessoas chamarem mais de um elevador

virá apenas o que estiver mais próximo. Os custos para a instalação desse dispositivo podem, muitas vezes, ser altos. Se isso inviabilizar a adoção da tecnologia, ainda é possível buscar alternativas, como pendurar avisos pedindo que as pessoas acionem apenas um elevador e usem as escadas quando o deslocamento for curto. O consumo indiscriminado de água pode ser diminuído com campanhas de conscientização. Mas se os condôminos não aderirem à iniciativa, uma solução é a individualização dos hidrômetros. O custo é mais elevado, mas cada um pagará por o que utiliza.

Com informações do Instituto Akatu. www.akatu.net

5 - Revista Embracon 5


Condomínios

Revista Embracon

A

dministrar o caixa de um condomínio tem lá os seus percalços, e nem sempre as soluções disponíveis são as mais adequadas. A gestão financeira de um condomínio não tem muitos segredos para os síndicos que, apoiados pelas boas práticas das administradoras, trabalham com previsão orçamentária, controle da inadimplência e manutenção de fundo de reserva para emergências ou arrecadação de fundos para obras, além do permanente controle e ajuste das despesas ordinárias. Ainda que as finanças estejam sob controle, não é raro surgirem necessidades ou oportunidades, ocasião em que uma quantia mais elevada de recursos disponíveis em caixa facilitaria a negociação e a forma de pagamento de gastos extraordinários, trazendo benefícios significativos para o condomínio e para os condôminos em geral. Visando atender a essas necessidades, surge no mercado uma solução inovadora. Trata-se do Condocredi, uma linha de crédito exclusiva para condomínios oferecida pela Crediloc, em parceria

Workshop CDavila

com o Banco Renner, por meio da qual o condomínio pode obter o montante de que necessita, de forma simples e rápida, e sem a necessidade de aval ou alienação de bens. Em se tratando de um condomínio, é certo que a operação deverá ser submetida e aprovada pelos condôminos em assembleia. A Crediloc atua no desenvolvimento de soluções financeiras sob medida para o mercado imobiliário, com abrangência nacional. Em Santa Catarina, a sua plataforma de negócios conta com a experiência de parceiros como a C D’Ávila Corretora de Seguros e o Grupo Embracon, os

A Unicred é uma instituição financeira cooperativa que visa, acima de tudo, incentivar o crescimento pessoal e profissional de seus cooperados. Quando associado à Unicred, mais de que um cliente, você é um dos donos da cooperativa. Seja você também cooperado Unicred.

6

quais estiveram presentes na Expo Condomínio SC 2013, realizada no Centrosul em Florianópolis nos dias 20 a 25 de Agosto. Na ocasião, o Diretor Executivo da Crediloc, Sr.Luiz Filipe de Rezende, falou sobre os produtos pioneiros e exclusivos disponibilizados para o mercado catarinense, e sobre a sua satisfação de poder contar com a credibilidade dos parceiros locais. Os síndicos e administradores que tiverem interesse pela linha de crédito oferecida poderão obter mais informações pela C D “AVILA - Tel : (48) 3024-2814 e também pelo site da crediloc: www.crediloc.com.br.


Empresarial

Revista Embracon

L

embramos que a regulamentação para reabertura do prazo de adesão ao Refis saiu no mês de Outubro. Agora se pode parcelar os débitos em até 180 meses para os contribuintes com dívidas vencidas até 28 de novembro de 2008. Haverá uma redução de 100% de multa e 45% de juros para pagamento à vista ou para o contribuinte que queira migrar o débito de um parcelamento ordinário (60 meses) para o Refis da Crise. Para parcelar, a redução será de 60% nas multas e 35% nos juros. A primeira parcela ou o pagamento à vista vence no último dia do ano. Os contribuintes que entraram no primeiro Refis não podem renegociar as mesmas dívidas. “Quem está na lei não pode renegociar. Mas, se tiver outros débitos que não incluiu naquela oportunidade, pode incluir agora”, explicou Occaso, subsecretário de Arrecadação e Atendimento da Receita Federal. O subsecretário disse que os débitos nesta modalidade atingem R$ 500 bilhões. “Mas muito desse valor está em discussão judicial ou administrativa. A maior parte está com exigibilidade suspensa”, destacou.

Para aderir o parcelamento entre em contato com o departamento Fiscal (48) 3035-4000 R:217 Fonte: Época Negócios

Queremos Compartilhar nossa gratidão:

Obrigado!

7 www.facebook.com/GrupoEmbracon


Revista Embracon

1

2

3

Reserva

Conflito

Despesas

Qual a finalidade do fundo de reserva? Sua finalidade é atender a despesas imprevisíveis e inadiáveis, ou seja, é uma garantia para casos emergenciais. Consequentemente, não pode ser distribuído aos condôminos, nem restituído proporcionalmente ao que alienar sua unidade autônoma.

8

Quando houver conflito entre a Convenção do Condomínio e o Regimento Interno, qual das normas prevalecerá? A Convenção do Condomínio difere do Regimento Interno pela natureza das matérias tratadas. Compete à Convenção dispor sobre a estrutura do condomínio e os direitos fundamentais do condômino. Já o Regimento Interno tem por objetivo reger apenas convivência entre os condôminos. Por tais características, quando surgir conflito entre o dizer da Convenção e o do Regimento Interno, prevalecerá o primeiro (Convenção).

Quem responde pelas despesas ordinárias e extraordinárias? As despesas ordinárias são de responsabilidade do inquilino. As extraordinárias são de responsabilidade do condômino locador (arts. 22 e 23 da Lei nº 8.245/91).


Revista Embracon

Ă&#x20AC; VISTA

9


Atualidades

1 – O empregado doméstico tem direito ao vale-transporte? O vale-transporte é devido ao empregado doméstico quando da utilização de meios de transporte coletivos urbanos, intermunicipais ou interestaduais com características semelhantes ao urbano, para deslocamento residência/trabalho e vice-versa. Para tanto, o empregado deverá declarar a quantidade de vales necessários para o efetivo deslocamento. (Instituído pela Lei nº 7.418/1985)

2 – O empregado doméstico é obrigado a aceitar o vale-transporte? Não. Desde que assine declaração rejeitando o vale-transporte, indicando a razão, como por exemplo: usar trans-

Revista Embracon

porte próprio utiliza transporte seletivo ou especial, residir próximo ao local de trabalho, etc.

3 - Se o empregado residir no emprego, tem direito a vale-transporte? Neste caso o empregado doméstico não tem direito ao vale-transporte diário, no entanto, deverá recebê-lo nos fins de semana ou fins de mês para ir para casa e retornar ao emprego na segunda-feira.

4 - Quando o empregador não está obrigado a fornecer o vale-transporte? Quando o empregado declare sua não opção, indicando os motivos, tais como, uso de transporte próprio, residir próximo ao local de trabalho, etc. www.domesticalegal.com.br

10


Segurança

Revista Embracon

N

a maior parte dos roubos em condomínios, os meliantes fazem levantamentos antecipados junto ao local do crime, a fim de planejar a ação. Destacaremos, a seguir, situações em que as pessoas podem estar em atitudes suspeitas e que demandam observação minuciosa por parte de todos os integrantes do condomínio e que auxiliam na prevenção: t "QBSFOUFT GVODJPOÈSJPT EB $PNpanhia Telefônica, de Água e Esgoto, de Energia Elétrica, de entrega de Gás, etc., que simulam consertos a serem executados; t1FTTPBTRVFQSFTUFNNVJUBBUFOÎÍP ao condomínio, observando sua porta-

ria ou garagem; t*OEJWÓEVPTRVFEFNPOTUSFNNVJto interesse pelo sistema de segurança do condomínio; t 5ÏDOJDPT UFMFGPOF  FMFUSJDJTUBT  HÈT  eletrodomésticos, serviços gerais, etc.) que insistam em entrar no condomínio dizendo terem sido solicitados para consertos nas residências; t1FTTPBTNVJUPCFNWFTUJEBTFFYtremamente simpáticas que se fazem passar por compradores de imóveis e que procuram ganhar a confiança dos porteiros para entrar no prédio; t *OEJWÓEVPT RVF DJSDVOEBN VN WFÓculo (quando estacionado) e/ou pareçam aguardar a chegada do dono para

apanhá-lo; t &TUSBOIPT GVODJPOÈSJPT  DPN QFSfis suspeitos, encarregados da leitura de relógios de luz e água que, por sua localização, tenham que adentrar o condomínio; t Motoristas ou motoqueiros que se aproximem de moradores ao entrarem no condomínio; t1FTTPBTFNHSVQPPVNFTNPJTPladas que procurem aproximação física de moradores nas proximidades do condomínio; t 7FÓDVMPT FTUBDJPOBEPT OBT JNFEJBções do condomínio por muito tempo, com pessoas em atitudes suspeitas em seu interior, principalmente à noite.

De quem é a responsabilidade pela Segurança?

N

a área externa do condomínio (via pública) é dever do Estado. Mas dificilmente na frente ou no perímetro do seu condomínio haverá a presença constante de uma viatura da PM. Sendo assim, do muro para dentro a responsabi-

lidade é de todos. Não é só do síndico, ze- com o valor de seu investimento e com lador ou da empresa de vigilância. Todos um planejamento de um especialista. devem participar das assembleias, pal- Quanto mais investir em segurança, mais estras ou treinamentos sobre segurança. segurança terá seu condomínio. Vale resE a responsabilidade de se implantar uma saltar que no aspecto legal (civil e crimisegurança adequada está relacionada nal), a responsabilidade final é do síndico. Fonte: Viva o Condomínio/Condomínioonline

O Grupo Embracon conta com profissionais especializados em projetos de segurança. Solicite um orçamento. (48) 3035-4000 R:268 / comercial@grupoembracon.com.br

PALAVRA DE GUAREZINHO!

‡ Cheque Pré-datado ‡ Pagamento nos Cartões

Forquilhinhas: 3381 4700 · Forquilhas: 3357 0006 · Jd. Eldorado: 3242 2271 Fo

11


Empresarial

Quem tem direito: Ao pagamento do 13º salário faz jus o trabalhador urbano ou rural, o trabalhador avulso e o doméstico.

Data de pagamento: A Lei 4.749/65 em seu artigo 2º impõe o pagamento da seguinte forma: 1º parcela – de 01 de fevereiro até o dia 30 de novembro; 2º parcela – até o dia 20 de dezembro O pagamento de parcela única é ilegal e está sujeito a multa administrativa

Valor a ser pago: O valor do adiantamento do 13º salário corresponderá à metade da remuneração recebida pelo empregado no mês anterior, sendo pago proporcionalmente ao tempo de serviço prestado ao empregador, considerando-se a fração de 15 dias de trabalho como mês

12

Revista Revi Re vista Embracon vi

integral. O valor da segunda parcela do 13º salário será o total da remuneração recebida no mês anterior, deduzida o valor do adiantamento do 13º salário e encargos sociais.

Encargos Sociais: INSS: haverá incidência somente na 2º parcela. O recolhimento deverá ser efetuado até o dia 20 de dezembro. FGTS: incidirá sobre o valor da primeira e segunda parcela, sendo recolhido juntamente com a guia mensal. IRRF: haverá incidência somente na segunda parcela do 13º salário. O recolhimento do IRRF incidente sobre o 13º salário, cujo fato gerador foi em dezembro, será até o dia 20 de janeiro.

Afastamentos: Salário Maternidade: A parcela cor-

respondente ao 13º salário poderá ser deduzida do pagamento das contribuições sociais previdenciárias, exceto as destinadas a outras entidades e fundos. "VYÓMJP %PFOÎB 1SFWJEFODJÈSJP F acidentário: deverá ser considerado o período trabalhado, compete ao empregador remunerar o empregado até os primeiros 15 (quinze) dias do afastamento e período posterior a seu retorno ao trabalho. A partir do 16º dia até o retorno ao trabalho, a Previdência Social assume o pagamento do 13º salário desse período.

Penalidades: A Lei 7.855/89 estipulou a multa de 160 UFIR por empregado prejudicado, dobrada na reincidência para as infrações contra os dispositivos da Gratificação de Natal (13º salário).


Decoração

P

or isso, a escolha do piso e do revestimento (cerâmica ou azulejo) precisa ser feita com planejamento para que você não se arrependa da opção da cor, do modelo e do material. Os pisos de madeiras e laminados costumam prevalecer em ambientes sociais e quartos, pois combinam melhor com os móveis e proporcionam um clima mais aconchegante. Mas nada impede a aplicação de revestimentos em salas e quartos. Além de mais práticos de cuidar, são considerados pisos frios, o que ajuda a amenizar o calor em dias quentes. Cores e modelos – Existe atualmente no mercado uma infinidade de opções tanto para pisos quanto revestimentos. De maneira geral, os revestimentos para cozinhas devem ser lisos e de tons mais claros para transmitir limpeza. Já os de banheiros podem ser escuros ou

Revista Re R evi v st stta Embracon

claros, depende das louças utilizadas e da intenção do morador de contraste ou harmonia. Já os pisos de madeiras e laminados possuem diversos modelos. Entre os mais encontrados estão o assoalho, o decking (para áreas externas), o taco e o parquet que diferem sobre a disposição dos desenhos no chão e dimensões. Os tons de cores variam com o tipo de madeira utilizada e deve ser usada em comunhão com o tom da madeira dos móveis. Se o mobiliário ainda não foi comprado, vale a pena ficar atento a esse detalhe. Cuide de seu piso – A dica vai para qualquer piso: evite arrastar móveis e eletromésticos. Eles danificam de forma irreversível a aparência do piso. Em casos de madeira e laminados, evite sapatos de salto alto para impedir riscos e não deixe o piso em contato direto com água, pois ele pode mofar ou estufar. Fonte: Revista Web Casas

Pisos Vinílicos & Laminados Persianas Gesso Acartonado (Drywall) Divisórias Carpetes Forros Grama Sintética Pisos & Formas Revestimentos Rua Prefeito Dib Cherem, 3256, 88090-001 - Capoeiras - Florianópolis/SC Telefone: (48) 3244-1452 // 3304-1452 – E-mail: Contato@pisoseformas.com.br

13


Capa

Revista Embracon

No dia 30/11 comemora-se o Dia do síndico e nós do Grupo Embracon gostaríamos de homenageá-los por esta data. Afinal o síndico é a pessoa que vai responder por todos do condomínio, buscar soluções que agradem a todos, administrar os conflitos e cuidar da saúde financeira do condomínio. Nesta edição entrevistamos Scheila Silva, síndica do condomínio "NBEFVT. Confira a entrevista na íntegra.

G.E: O que a motivou a ser síndica? Quanto tempo é síndica?

ano como síndica do Condomínio Amadeus.

Scheila: Foi a vontade de contribuir com o Condomínio e fazer dele o melhor ambiente possível. Ali está inserido o meu lar. Queria fazer as coisas acontecerem, fazer a diferença, sentir-me feliz com a minha família, e bem viver com todos os que nos cercam. E assim, estou já no quarto

G.E: Quais as maiores dificuldades?

14

Scheila: Num primeiro momento, foi manter-me psicologicamente focada na busca das melhores soluções e, ao mesmo tempo, afastar possibilidades de conflitos pessoais, ou de administrá-los quando inevitáveis.

G.E: Como é o dia-a-dia de um síndico? Scheila: Muito dinâmico e diuturno. Exige disponibilidade e flexibilidade para conciliar a tarefas domésticas, o trabalhar fora em outra atividade, as peculiaridades de administração de pessoal, e a fiscalização de tudo no contexto do condomínio. Além da parte burocrática, que demanda organização e tempo. Ser síndico é comprometer-se em tempo integral.

V s t a F


Revista Embracon

Você que está sempre atento a tudo, hoje estamos atentos à você. Feliz Dia do Síndico.

G.E: Qual é o maior conflito que existe no condomínio? Scheila: Começamos muito bem a administração do nosso condomínio, com a fiel observância da Convenção e do Regimento Interno, e contamos desde o início, com um Conselho Consultivo e Fiscal competente e atuante. Dessa forma, os conflitos foram mínimos e bem administrados. G.E: Existem dias para reclamações? Scheila: As reclamações são acolhidas por meio de um formulário, que fica à disposição dos condôminos na portaria do condomínio. O Regimento Interno já prevê que todas as reclamações sejam feitas por escrito, devidamente identificadas e assinadas pelo reclamante. O reclamante poderá valer-se, também, de mensagem por e-mail. Não são aceitas reclamações por telefone. G.E: Como é realizada a comunicação com os condôminos?

G.E: Como você se organiza para gerir todo o condomínio? Scheila: Faço um planejamento anual, com a previsão orçamentária do condomínio, que é submetido ao Conselho Consultivo e Fiscal, e depois votado em assembleia. Além disso, organizo planilhas mensais e semanais, por onde controlo todas as manutenções e tarefas dos funcionários.

Scheila: Dispomos de pequenos murais nos elevadores, e quando necessário, elaboramos um informativo, que é distribuído a todos os apartamentos. Dessa forma, divulgamos as convocações, os convites para eventos sociais, e as atividades que se realizam no Condomínio. G.E: Quais características um síndico deve ter? Scheila: Conhecimento das Normas Regimentais do condomínio, honestidade, senso de organização, pró- atividade, certo “jogo de cintura” para administrar conflitos, senso de justiça, responsabilidade, e gostar do que faz.

15


Revista Embracon

Sustentabilidade

S

olatube é o sistema de iluminação natural mais eficiente do mundo. Seja qual for à posição do sol no céu, o sistema consegue captar, transferir e difundir a luz do dia de forma homogênea por toda uma divisão ou recinto da sua casa ou empresa. Criado com design revolucionário e tecnologia de vanguarda, o Solatube é composto por um domo de acrílico que captura e redireciona a iluminação solar para o interior de um tubo revestido com material 99,7% refletivo e através de uma lente difusora, a iluminação solar é distribuída para dentro do ambiente de forma homogênea. Os raios ultra-violeta são filtrados e a transferência de calor é minimizada.

Basta um único Solatube para iluminar uma área de aproximadamente até 46 m², mesmo em dias nublados. Mais de 1 milhão de unidades instaladas e vendidas em mais de 50 países fazem do Solatube o produto líder no mercado de sistemas de iluminação natural. A luz do sol está presente ao longo de toda nossa vida, mas raramente aproveitamos as potencialidades deste valioso recurso natural no espaço onde passamos a maior parte do tempo: Nosso local de trabalho. Como funciona Solatube? O Solatube tem como base um conceito simples, mas de execução engenhosa. Através de prismas e espelhos refletores especiais dispostos ao longo de um duto hermético, a luz solar é transferida para o interior de qualquer edifício horizontal ou residência. O sistema é encabeçado por uma cúpula transparente, montada no telhado, que recebe a luz do Sol. Esta cúpula não só é extraordinariamente resistente ao choque, como repele

poeiras e partículas através de uma carga eletroestática. Ao longo do dia, o espelho parabólico e o padrão de prismas na base da cúpula redirecionam a luz solar, otimizando a sua captação de acordo com a posição do Sol no céu. À medida que o Sol se aproxima do horizonte, o interior altamente refletor do tubo ajuda a manter o máximo de luminosidade, propagando luz perfeitamente branca e uniforme. Todo o sistema é completamente hermético e isolado, impedindo a formação de umidade e a transferência de frio e calor. Compacto e ajustável, a sua montagem adapta-se a qualquer tipo de estrutura construtiva. Fonte: Construir Sustententável / Efilux

16


Revista Embracon

Saúde

É

difícil encontrar alguém que não sofreu com dores musculares pelo menos uma vez na vida. Também chamada de mialgia, acomete qualquer parte do corpo devido à tensão nos músculos. As causas mais comuns são esforço excessivo, provocado por sobrecarga além da capacidade usual do indivíduo, seja em treinos esportivos ou não, alterações posturais ou até estresse. Tais ocorrências dolorosas também podem ser resultado de traumatismo repetitivo ou processos inflamatórios. Vale lembrar que a dor é um mecanismo de autoproteção do corpo, uma espécie de alerta para a possibilidade de surgirem lesões. De todas as dores que afetam o ser humano ao longo de sua existência, as musculares são as mais prevalentes. Elas podem ser agudas ou crônicas: no primeiro caso, surgem depois de um esforço físico exagerado, e se manifestam durante um período específico de tempo; no segundo, são persistentes. Está claro então, que há diferentes tipos de dores musculares, há aquelas que ocorrem associadas ao reinício de atividades físicas ou à mudança de

treinamento; as causadas por lesões agudas, como estiramentos e distensões; e as provocadas por doenças reumáticas como a fibromialgia. É bom ficar atento a dores musculares persistentes, pois podem revelar a presença de problemas mais sérios. Se o desconforto é provocado por exagero nos exercícios ou má postura, por exemplo, os grupos musculares sofrerão

logo na seqüência, com regressão da dor entre 48 e 72 horas. Qualquer outro tipo deve ser avaliado por um médico especializado. Os sintomas que merecem mais atenção são: dor no peito, que irradia para o braço, indicando algum problema cardiológico; dor nas costas, acom-

panhada de irritação, formigamento e diminuição de força motora nos membros inferiores, que precisa ser avaliada para descartar possibilidade de hérnia de disco; dor no corpo todo, associada a desânimo e falta de energia, provavelmente decorrente de depressão e fibromialgia. Vale ficar atento a distúrbios hormonais, como hiper e hipotireoidismo, que promovem dores musculares e estão geralmente ligados a sinais como aumento ou diminuição da sensação de calor ou frio; disfunções hidroeletrolíticas, (alteração de controle de potássio no sangue), apresentando aumento de incidência de dores musculares e câimbras; fadiga crônica, fibromialgia, infecções virais e bacterianas, gripes, que desandam dores musculares; e, finalmente, as estatinas, medicamentos prescritos para tratamento de colesterol alto, igualmente provocadores do problema. Em qualquer suspeita de lesão o correto é, procurar ajuda especializada imediatamente. Só assim é possível avaliar a extensão e intensidade do problema para tratá-lo adequadamente.

Filipe Barbosa – Personal Trainner (48) 9964-4165

17


Gastronomia

Revista Embracon MODO DE PREPARO Pré-aqueça o forno a 180ºC. Forre uma forma para muffins com forminhas de papel ou use formas de empadas também forradas. Peneire a farinha, o fermento, o bicarbonato de sódio, o cacau e o sal. Reserve essa mistura. Em uma tigela grande, bata a manteiga e o açúcar até obter um creme leve e fofo. Acrescente os ovos, um de cada vez, batendo bem após cada adição. Depois, adicione a baunilha e volte a mexer. Então, acrescente a mistura de farinha e o leite alternadamente, sem deixar de bater. Encha ¾ das forminhas com a massa. Asse os bolinhos por 15 minutos no forno preaquecido. Ou, então, até que um palito, inserido em um deles, saia limpo. Depois, quando estiverem frios, cubra-os com o glacê de sua preferência.

INGREDIENTES

1 1/3 xícara (165 g) de farinha de trigo 1/4 de colher (chá) de bicarbonato de sódio 2 colheres (chá) de fermento em pó 3/4 xícara (65 g) de cacau em pó 1/8 de colher (chá) de sal 3 colheres (sopa) de manteiga amolecida 1 1/2 xícara (300 g) de açúcar 2 ovos 3/4 de colher (chá) de extrato de baunilha 1 xícara (240 ml) de leite Cobertura: 200g de chocolate ao leite (ou meio amargo) 100g de creme de leite fresco

RENDIMENTO 16 porções

COBERTURA: Em um bowl, coloque o chocolate de sua preferência picado e reserve. Ferva o creme de leite. Retire do fogo e coloque sobre o chocolate já picado. Misture vagarosamente até que os ingredientes estejam bem incorporados. Deixe esfriar e coloque sobre o bolo com a ajuda de uma espátula ou de um bico de confeiteiro.  Decore a gosto. Fonte: Receitas Ana Maria Braga

18


Atualidades

Revista R Re evist vviistaa EEm Embracon mbrac mb racon on

19 19


Tecnologia

Revista Embracon

Com uma impressora 3D, qualquer ideia se transforma em objeto

V

ocê já deve ter ouvido falar sobre impressoras 3D, mas provavelmente ainda não tem uma em casa. Entusiastas garantem, no entanto, que isso vai mudar em breve: essas máquinas estão se popularizando e promovendo mudanças profundas no mercado ao oferecer uma escolha entre produção em massa e customização, entre indústria e manufatura. Mais do que isso: a impressão 3D estreita a fronteira entre virtual e físico, mundo digital e mundo real. O setor está deixando de ser apenas um hobby de poucos para se expandir a um mercado corporativo amplo, que engloba desde quem deseja apenas experimentar o que

uma impressora 3D pode fazer até aqueles que desenvolvem produtos bastante específicos. O foco ainda são os consumidores – devido, principalmente, à capacidade de personalização dessas máquinas, mas também à sua baixa disseminação até 2012. Nos últimos anos, alto preço e dificuldade de manuseio afastavam os interessados, mas isso está mudando. Com alguns dos últimos modelos, criar o produto que você quiser é apenas uma questão de gerar (ou baixar) um modelo de design virtual; modificá-lo, se for preciso, para adequar o objeto ao seu gosto, e então enviar o arquivo para ser impresso. Tão fácil quando imprimir uma foto. É como mágica.

Como funciona? Impressoras 3D montam objetos, camada por camada, a partir de pedaços de materiais, da mesma forma que as impressoras tradicionais criam imagens de pontos de tinta ou toner - mas em três dimensões. Esse método de fabricação é chamado de aditivo, em oposição à produção subtrativa, que remove as partes de que não se precisa a partir do material bruto. A impressão 3D tem início a partir do nada: começa adicionando materiais, camada por camada, até que o item esteja pronto. Fonte: Terra/Tecnologia

20

A


Agenda Cultural

Revista Embracon

II Congresso de Gerenciamento de Projetos de Santa Catarina O evento promoverá o debate de temas importantes para profissionais e organizações relacionados à inovação, além de abordar ferramentas e práticas que podem ser aplicadas para compartilhar conhecimento em projetos, com objetivo de agregar valor para os envolvidos como, organizações, profissionais e consequentemente a sociedade. Data:12 a 14/11/2013 Hora:14:00h Local: Centro de Eventos FIESC Valor: A partir de R$350,00

Diogo Portugal Diogo Portugal é um dos nomes que representam a nova cara do humor brasileiro. Versátil, ele vai do Stand-Up Comedy – a chamada comédia de cara limpa, sem figurinos ou personagens – às tradicionais esquetes, encarnando os tipos mais hilários e diferentes. Criativo, apresenta textos originais, escritos por ele mesmo. Data:02 e 03/11/2013 Hora:21:00h Local: Teatro Pedro Ivo Valor: A partir de R$ 60,00

Folianópolis

Atrações: Dia 14/11: Chiclete com Banana e Cláudia Leitte Dia 15/11: Asa de Águia e Saulo Fernandes Dia 16/11: Ivete Sangalo e Tomate Data:14,15 e 16/11/2013 Hora:20:00h Local: Passarela Nego Querido Valor: A partir de R$40,00

O Rappa (Aniversário Jovem Pan) Atrações: - O Rappa - Henrique Fernandes - Ely Yabu Data:23/11/2013 Hora:21:00h Local: Devassa On Stage Valor: A partir de R$40,00

Zezé Di Camargo e Luciano Data:30/11/2013 Hora:21:00h Local: Centro de Eventos Petry Valor: A partir de R$50,00

21


Serviços

Revista Embracon

DESINSETIZAÇÃO

grupo

DESRATIZAÇÃO DESCUPINIZAÇÃO LIMPEZA DE CAIXA DE ÁGUA E CISTERNA

Assessoria Condominial Contabilidade Empresarial Segurança e Vigilância Monitoramento Eletrônico Asseio e Conservação Grupo Embracon Rua Charles Ferrari, nº 548 - Kobrasol - São José - SC Fone: (48) 3035-4000 / www.grupoembracon.com.br

22

euroambiental@hotmail.com (48) 3248-4850 - (48) 3028-4343


Serviços

Revista Embracon

Matriz: Rua Gal. Bittencourt, 514 - Centro - Florianópolis - SC Telefone (48) 3224-6363 - Plantão 24h (48) 9105-9037 / 9963-4484 Filial: Rua 2850, nº 584 - Centro - Balneário Camburiú - SC - (47) 3264-6363

elevacon@elevacon.com.br - www.elevacon.com.br

23


Revista Embracon

O CRÉDITO QUE A SUA EMPRESA PRECISA PARA INVESTIR EM INOVAÇÃO. O Badesc apresenta o INOVACRED.

O Badesc traz até você o INOVACRED. Com esta linha de financiamento, as micro, pequenas e médias empresas de Santa Catarina podem obter empréstimos pelo FINEP, a Agência Brasileira de Inovação. Se você quer investir na inovação de produtos, processos ou marketing, procure o Badesc.

‡ Crédito* entre R$150 mil e R$10 milhões. ‡ Carência de 24 meses. ‡ Até 72 meses para amortização. ‡ Prazo máximo de 8 anos com taxa TJLP**.

INOVACRED. Com o Badesc, você tem crédito para inovar.

badesc.gov.br

* Crédito sujeito a aprovação. ** Taxa de 0,41% ao mês.

24 ANUNCIO REVISTA EMBRACOM 21x27.5cm.indd 1

10/10/13 6:36 PM

Revista Embracon Edição 71 - Novembro 2013  

Revista Embracon Edição 71 - Novembro 2013