Issuu on Google+


Disponibilizado: Liz e Eva Bold Tradução e Pré-Revisão: Letícia e Regina Revisão Inicial: Cris Silva Revisão Final: Fabiene X. e Nedi L. Leitura Final: Rê Borges Formatação: Nanna Sá


Sugar Bowl


Sela Halstead perdeu a inocência de uma forma que nenhuma adolescente de dezesseis anos de idade deve ter de suportar. Ela passou anos tentando esquecer aquela noite, mesmo quando perguntam sobre as identidades dos monstros que a brutalizaram. Até que uma tatuagem reveladora pisca em toda a tela da TV de Sela. A tatuagem incriminatória pertence a

Jonathon Townsend

, fundador milionário do The Sugar

Bowl, um site que liga ricos homens mais velhos, com mulheres jovens impressionáveis. Obcecada por vingança, Sela se infiltra no mundo de Townsend só para ficar cara-a-cara com uma complicação tentadora: Beckett North, seu parceiro de negócios carismático. Mentor da tecnologia por trás do Sugar Bowl, Beck sempre consegue o que quer, nos negócios e na cama. E, no entanto, para um homem que tem feito cada coisa suja que se possa imaginar, há algo sobre Sela que solta faíscas nas suas fantasias mais quentes. Porque com ela não é só sobre sexo. Beck se abre para ela de maneiras que nunca conseguiu com outras meninas. Então por que ele tem a sensação de que ela está escondendo alguma coisa?

Em um mundo de prazer e poder, a verdade chocante poderia deixá-los um contra o outro ou ligá-los para sempre.


Prologo Sela

"Vamos, você tem que ir para chegar a tempo em casa." Uma mão agarra-me no braço e me puxa da cama. Minha cabeça gira e a bile sobe na minha garganta. Estou tonta e ferida em todos os lugares. "Ei, agora", ele me repreende. "Você esqueceu-se do botão de seu jeans." Eu olho para baixo através dos olhos embaçados e assisto em transe enquanto suas mãos trabalham no meu zíper, puxando-o para cima e, em seguida, aperta o botão. Eu balanço para trás e para frente, minhas pernas parecendo como se estivessem cheias de Jell-O1. "Aí, agora. Você esta toda apresentável", ele diz com uma risada escura e sua mão de volta no meu braço. Ele me guia por um longo corredor. Eu tropeço duas vezes, mas ele me puxa de volta, seus dedos cavando em minha carne, dolorosamente. Ele me leva a uma grande escada, me curvo, e minha mão direita vai para segurar o corrimão de ferro forjado. Olho no estranho anel escuro de contusões ao redor do meu pulso, o que me faz perder o primeiro passo e eu quase vou para baixo. "Fácil agora", ele diz com uma voz gentil, enquanto usa o seu aperto no meu braço para me pegar. "Não queremos que você caia nestas escadas e quebre seu pescoço agora, não é?" 1

Gelatina.


Uma onda de medo passa dentro de mim e eu largo os olhos para os meus pés, vendo como ele cuidadosamente me acompanha para baixo da escada. Estridente música e conversa de, talvez, cem vozes e pessoas rindo. Minha cabeça está tão pesada, que é um esforço monumental levantá-la quando chego ao fundo, e os meus saltos praticamente deslizam para fora debaixo de mim quando atingem o piso de mármore liso do grande foyer. Lembro-me de pensar que era tão bonito quando entrei pela primeira vez. "JT... homem, ela esta uma bagunça", alguém diz... um homem. Eu reconheço sua voz. Apelo á todos os músculos do meu pescoço para cooperar e levantar a cabeça, girando-a para a esquerda, olhos azuis gelados riem de mim. O cabelo louro fino incolor, é quase branco. Pele quase como fantasma. Albino? Ele está sorrindo para mim. Um olhar compreensivo. "Ah, porra, ela é muito gostosa", ele geme conforme bate dentro e fora de mim. Eu tento empurrá-lo, mas não posso mover meus braços. Eu ergo minha cabeça, primeiro ligo o meu olhar com pálidos endiabrados olhos azuis, conforme eles apertam os olhos de prazer grotesco e, em seguida, inclino a cabeça para trás. Alguém… não posso realmente vê-lo... segurando meus pulsos para baixo. Eu balancei minha cabeça, tentando limpá-la do horror. "Deixe-me deixá-la em um táxi e, em seguida, ela não vai ser a nossa bagunça mais", o cara segurando meu braço diz. Eu forço minha cabeça para o seu caminho, minha visão ainda entrando e saindo de foco.


Ele é alto. Realmente alto. Cabelo loiro escuro. Isso é tudo que eu tenho. Minha língua esta tão grossa e eu não tenho certeza que minhas palavras saem direito. "Quem é você?" "Baby", ele diz com o que eu acho que é um sorriso. Uma névoa cinza em meus olhos e vejo o que acho que é uma fileira de dentes brilhantes piscando para mim. "Acabei de fazer todas as suas fantasias virarem verdade. Você não se lembra?" O cara com os olhos pálidos ri histericamente, mas não consigo reunir a energia para olhar de volta para ele. Minha cabeça cai e eu olho para os brancos e pretos azulejos de diamantes e os meus saltos vermelhos. Mais pressão sobre o meu braço e estou sendo guiada através do foyer. A música é tão alta, que dói meus ouvidos e o riso... está todo mundo rindo de mim? Mesmo que não tenha certeza, eu sinto minhas bochechas queimando de vergonha. "Permita-me abrir a porta," uma voz profunda diz, e eu me esforço para levantar o olhar... estreito minhas pálpebras para me concentrar e ver alguém pegando uma pesada porta de ferro preto com um rolo projetado sobre vidro fosco. Em seu pulso... a tatuagem. "Acha que ela vai chupar meu pau?" Mãos trabalham em uma fivela de cinto, deslizam o couro livre e estalam o botão de cima. Um pássaro vermelho no interior de seu pulso.


Dor atira através do meu couro cabeludo quando alguém agarra meu cabelo. Eu posso sentir um profundo grito começar a empurrar para cima da minha garganta, mas está tão seca, que nunca sai. "Eu não sei", um homem diz com uma risada atrás de mim, minha cabeça dá uma balançada. "Ela pode mordê-lo. Eu foderia ela em outro lugar se fosse você. Há dois outros buracos." Dor... terrível, dor horrível na minha bunda... Eu sou finalmente capaz de gritar, mas sou interrompida quando algo é empurrado na minha boca. Eu acho que é a minha calcinha. A porta se abre lentamente e o homem com rosto embaçado leva-me através dela. Três degraus para baixo e os meus pés batem no cascalho. Meus tornozelos imediatamente rolam a partir do terreno desigual e meus joelhos começam a dobrar. O homem puxa-me novamente e, em seguida, desliza um braço como suporte em torno de minha cintura. "Você realmente é uma bagunça", diz ele quase com ternura. O ar fresco da noite ajuda a limpar minha mente um pouco. Eu viro minha cabeça... mais fácil agora, e olho para ele novamente. Olhos castanhos. Ele tem olhos castanhos. Como é que eu não percebi isso antes?


Ele deve sentir que eu estou olhando para ele porque gira e inclina a cabeça para olhar para mim. Seus olhos vagueiam sobre o meu rosto e ele dá um sorriso quase maníaco quando libera meu braço para levantar sua mão. Eu fecho meus olhos brevemente quando as pontas dos dedos chegam ao meu cabelo perto da minha nuca. "Porra, baby... desculpe... parece que deixamos alguma porra em seu cabelo", diz ele com uma risada provocada. O que? Minha própria mão levanta e toco meus cachos loiros em confusão. Há algo no meu cabelo... duro e quebradiço. "Eu vou gozar", ele resmunga enquanto força dentro e fora de mim com tanta força, que sinto que meus quadris vão deslocar. "Mantenha a boca aberta." Algo pressiona meu queixo, forçando minha boca aberta. A calcinha de algodão em minha boca é puxada para fora e eu chupo ar. O homem em mim... em mim agora... turvo e sombreado. Lágrimas caem dos meus olhos, o que torna ainda mais difícil de ver. "É isso aí", ele geme, bate em mim mais uma vez, então, de repente, ele se foi. Eu posso ouvir um som, alguém montando meu peito, e depois líquido quente começa molhado na minha boca, batendo no meu rosto... minha cabeça. Riso. Homens rindo.


Eu engasgo com surpresa pelo gosto amargo, minha língua trabalha para empurrá-lo de volta para fora, mas, uma grande mão está tapando minha boca e nariz, cortando meu suprimento de ar. "Engula", ele diz rispidamente. "Tudo isso." Minha garganta abre, então engulo e engasgo. Eu pisco as lágrimas dos meus olhos, enquanto ele rola de cima de mim. Viro a cabeça para a esquerda e vejo-o puxar as calças para cima. Seu peito está nu. E há um enorme pássaro vermelho tatuado através de suas costelas. Eu empurro para longe de seu toque e quase caio na minha bunda. Ele ri e envolve seu braço na minha cintura mais apertado. "Fácil agora", diz ele em um tom calmante, e começa a me levar pelo caminho de cascalho para onde um carro amarelo está. Um taxi. "Onde você está me levando?", Pergunto. A minha própria voz soando como um eco distante. "Vou levá-la para casa. Qual o seu endereço?" Falo, esperando que ele possa entender o que digo, porque eu não posso. "Você foi ótima, querida. Quero fazer isso de novo algum dia, volte e pergunte por JT."


"Eu não gosto disso," Insisto em uma voz grossa. Estou começando a sentir náuseas novamente. Isso dói, uma dor muito forte entre as minhas pernas... minha bunda... "Não importa", diz ele com arrogância. "Você não vai se lembrar amanhã, de qualquer maneira." A porta de trás do táxi abre e sou deitada no banco. Minha cabeça parece como se pesasse quinhentas libras, cai para trás até que pressiona a almofada de espuma. Eu posso ouvir meu endereço ser entregue ao condutor. Fecho os olhos e me entrego à escuridão. *** "Vamos, querida... acorde." Uma grande mão treme pelo meu ombro. Eu abro meus olhos, minha cabeça agora batendo. Eu empurro para cima do assento de vinil frio e percebo que estou em um carro. O banco traseiro de um carro. "Estou indo." Empurrando meu cabelo para fora do meu rosto, vejo um homem indiano corpulento olhando para mim com olhos castanhos escuros. "Eu tenho outra tarifa de recolher." Balançando as pernas para fora, eu saio do banco de trás, percebendo que não tenho a minha bolsa. Será que eu a tinha hoje à noite? "Eu não tenho nada para pagar-lhe," murmuro quando bato em meus bolsos na parte traseira das calças de brim, vagamente lembrando que eu tinha uma grande bolsa comigo esta noite, mas nenhuma pista de onde está agora.


"Já foi pago", diz ele, e eu me pergunto quem o pagou. Eu meio que lembro de alguém me ajudando no táxi, mas agora não tenho certeza. Eu olho por cima do táxi e vejo a minha casa com a luz amarela alegre aguardando-me na varanda da frente. "Obrigada", murmuro e caminho ao redor da parte de trás do táxi. Quando eu chego à caixa de correio no final da minha garagem, a seguro com uma mão enquanto me inclino para o lado e removo o primeiro salto alto, em seguida, o outro. Eu os deixo ali. Estranhamente, meus pés não doem, mas acho que pode ser a única parte de mim que não dói. Imediatamente me sinto mais firme quando meus pés descalços atravessam a calçada de concreto até a pequena calçada que atravessa o jardim da frente para o alpendre. Ando quatro pequenos passos e consigo chegar no topo da moldura da porta para a chave reserva. A casa está tranquila quando entro, meus pais, presumivelmente, estão adormecidos. Eu tento ser o mais silenciosa que posso quando ando pelo curto corredor, chegando periodicamente com a minha mão para me equilibrar na parede. Na minha mesa, eu puxo a cadeira e sento pesadamente, um grito de dor sai quando outra pontada de dor reverbera através do meu inferior. Lágrimas caem nos meus olhos e agarro desajeitadamente o meu diário. Abrindo o caderno espiral pequeno, não me incomodo tentando encontrar a próxima página disponível.


Eu só o abri em algum lugar em torno do meio e pego minha caneta gel azul ao lado dele. Eu escrevo devagar, desconsiderando o gotejamento de lágrimas nas páginas além das minhas palavras. Hoje é o meu aniversário de 16 anos. Eu fui estuprada. Eu acho que merecia. A caneta cai dos meus dedos enquanto empurro para cima da minha mesa. Fecho o caderno e me levanto da cadeira, sentindo-me para além de cansada. A minha alma se sente quebrada. Meu coração frágil como vidro trincado. Os pássaros vermelhos. Cabelo branco. Dor. Esperma no meu cabelo. Eu ando de volta para fora do meu quarto, pelo corredor e pela sala de estar. Na cozinha escurecida onde nem sequer me preocupo de acender uma luz. O que preciso esta na gaveta de utilitários à direita da entrada e há luar suficiente entrando pelas janelas sobre a pia, para que eu possa ver bem o suficiente. Leva apenas um momento para puxar a gaveta aberta e agarrá-la. De volta pelo corredor e no banheiro.


Eu acendo a luz e imediatamente levanto o rosto para o espelho sobre a pequena pia. Cabelo louro-dourado enroscado com uma crosta branca na minha têmpora. Olhos azuis injetados com olheiras embaixo. Marcas roxas na garganta e no queixo. "Você é uma verdadeira bagunça, Sela," sussurro ao meu reflexo. Por um momento bizarro, acho que ela dá um triste aceno de concordância para mim, mas eu pisco forte. É só eu... a menina que queria atenção e teve isso de todas as formas erradas. A caixa do cortador na minha mão direita e olho para meu rosto. Meus olhos veem os hematomas roxos que correspondem aos que estão à minha direita. Lentamente, levanto a minha mão esquerda descansando as costas dela sobre o espelho. A pele pálida do meu pulso é exposta, as veias azuis proporcionando-me um mapa de estrada. Tomando o cortador da caixa, eu pressiono a ponta da navalha na minha pele e olho para o espelho mais uma vez. "Você é uma verdadeira bagunça", digo a mim mesma novamente. Então empurro para baixo a lâmina.


Capítulo 01 Sela

"Traga-me uma cerveja, sim?" Mark me chama. Eu rolo meus olhos, girando em torno do meio do caminho e volto para o frigorífico. Abro, agarro uma Bud2 e bato a porta com meu quadril antes de começar a volta para a sala de estar. "E o Doritos," diz ele. "Eu tenho fome." Outro revirar de olhos e volto ao redor. Arrebato metade do saco comido de Doritos fora do balcão e caminho para a sala. Caminho ao redor do sofá e atiro o saco no peito para ele que o pegue. Entrego-lhe sua cerveja. Ele pega sem nem mesmo olhar para mim, com os olhos grudados na TV. Um desses programas de entretenimento que fazem uma peça sobre uma estrela de cinema, atleta, ou talvez um reality show de um competidor fora da reabilitação e vendendo seu novo livro best-seller sobre como você pode superar o vício. Sento no sofá ao lado dele, inclino para frente e pego o livro grande da minha mesa de café. Cognição Humana. Ugh.

2

Marca de cerveja.


"Você está indo para estudar ou apenas assistir TV?" Pergunto abrindo o livro e virando o capítulo 22. "Ver TV," diz Mark, a boca cheia de Doritos e o ar ainda doce perfumado do bong3 que estava fumando. Mark é bonito e tudo. Nós nos conhecemos há vários meses na Golden Gate University, ambos começando no programa MA Aconselhamento Psicológico e houve um instante de atração, mas a diferença de idade de quatro anos desgasta às vezes. Levei um tempo para obter meu bacharelado. Dizer que eu estava fodida na cabeça por um longo tempo, seria um eufemismo, com meus problemas e tudo, além de algumas hospitalizações psicológicas. Adicione minha mãe morrer de um aneurisma há três anos, e tinha a idade madura de vinte e cinco anos quando finalmente terminei o meu bacharelado e comecei o mestrado no semestre passado. Eu não sei exatamente o que fazer agora com vinte e seis anos, mas em comparação com Mark que tem vinte e dois anos, as diferenças em nossas prioridades são evidentes. Festa ainda é uma grande parte de sua vida e ele não precisa estudar a sério como eu preciso. Eu claramente não vou fumar maconha tão a sério quanto ele faz. Mas nada demais, realmente. Eu não tenho o suficiente de uma conexão emocional para me importar se ele é reprovado. Ele tem sido bom para algumas risadas, e enquanto o sexo é medíocre na melhor das hipóteses, ele não me incomoda muito. Tal como acontece com qualquer homem que eu estive envolvida 3

É um aparelho utilizado para fumar qualquer tipo de erva. Seu design faz com que a fumaça entre em contato com a água e se concentre antes de ser inalada, assim como em um Narguilé.


sexualmente por mais de dos anos, há uma troca mutuamente benéfica. Eu deixo-os usar meu corpo para sair, e por sua vez, faz-me sentir como se sou digna de deixálos sair. É esse todo fodido raciocínio torcido que tenho na minha cabeça, e nenhuma quantidade de aconselhamento psicológico tem sido capaz de endireitar até agora. Nosso ‘amigos com benefícios’ funciona na maior parte, exceto quando ele vem, fica alto, e depois tem Doritos na respiração. Certo como a merda que ele não está ficando esta noite, pela maneira como as coisas estão indo. Tudo bem. Eu tenho que estudar para um grande teste amanhã e pretendo passá-lo com mérito, independentemente se Mark faz o mesmo. É o fim do meu primeiro ano no curso de mestrado e estou no meio do caminho. É uma meta que não posso sacrificar. Eu chupo o pequeno anel perfurado no meio do meu lábio inferior. Um presente para mim de quando fui aceita no programa. Ele se junta aos dois anéis correspondentes na minha sobrancelha esquerda, e, esperamos, será acompanhado por um bridge piercing4 quando eu puder reunir turnos extras suficientes no restaurante para pagar por isso. Piercings faciais têm sido o meu mais novo vício; a doce agonia da perfuração de metal através da carne parece, oh, tão bom para mim. Eu fui forçada a mudar para meu rosto depois de ambas as orelhas já estarem completas. Mark larga o Doritos no sofá ao lado dele e limpa os dedos laranja em seu jeans. Ele toma um gole de cerveja e coloca a mão esquerda na minha coxa. Inclinando a cabeça no meu ombro, diz, "Quer brincar?"

4


Eu dou de ombros forte e desalojo-o. "Agora não." "Mas eu estou com tesão," diz ele com um gemido. Nada atraente. "Você está sempre com tesão," eu digo tentando concentrar-me na primeira linha do capítulo. "Você geralmente também," ele aponta, a mão movendo para cima da minha coxa. Eu rolo meus olhos, porque isso não é exatamente verdade. Eu só me acomodo sempre que ele está com tesão. Tanto faz. O meu olhar desliza pela TV após ele, então percebo algo vagamente familiar passando de volta na tela. Um homem de boa aparência que parece reconhecível está sendo entrevistado na TV. Terno cinza-carvão, camisa branca e uma gravata azul pálido. Ele pisca covinhas no seu sorriso quando fala para o repórter. "...O sucesso de The Sugar Bowl superou todas as nossas expectativas;" diz ele com um piscar de olho. "Isso mostra ao mundo que há um monte de espaço em nossa sociedade para relações não convencionais." A repórter, se ela pode ser chamada disso, uma vez que este é um entretenimento do canal de ‘notícia’, descruza e recruza as pernas longas e sexys, em uma saia curta. Ela tenta olhar contundente quando se inclina para frente em sua


cadeira, expondo mais da clivagem de uma blusa decotada, e pergunta: "Mas e sobre esses adversários que dizem que o que você está fazendo é nada mais do que prostituição?" O homem dá uma risada encantadora, pega em algum fiapo imaginário em sua perna, que estão cruzadas de uma forma elegante. "Não há absolutamente nenhum dinheiro trocado por serviços sexuais. The Sugar Bowl não faz nada mais do que cobrar uma taxa para os nossos Sugar Daddies para que eles possam participar do site e fazer conexões. Nenhum dos arranjos feitos posteriormente são para o sexo. É apenas para a companhia." "Mas o sexo não ocorre," a repórter diz suavemente. "Claro que o sexo ocorre," admite ele com um sorriso lânguido. "As pessoas têm sexo. Isso torna o mundo a dar voltas." A câmera fica preta e, em seguida, rola a imagem de uma praia. Parece natureza tropical, a água é cristalina com um tom de azul claro, e a areia é pura e branca. A voz da repórter vem e diz "Jonathon Townsend nunca é tímido para falar sobre sexo, e pela aparência das coisas, ele aproveita a abundância da oferta das The Sugar Babies que se reúnem para sua companhia diária." A câmera amplia um casal brincando no mar. É o homem que estava sendo entrevistado, vestindo um par de calções de banho, sem caber em sua estrutura muscular. Uma mulher bonita com o cabelo louro longo envolve seus braços em volta do pescoço dele, enquanto suas mãos vão para a sua bunda. Quando eles se beijam, a voz da repórter diz: "Há rumores de que Jonathon Townsend, ou JT aos seus amigos pessoais, fez uma estimativa de dezoito milhões de dólares no ano passado em ganhos com The Sugar Bowl, que certamente torna-o mais atraente que


o seu já bom físico, que recentemente se apresentou nas Maldivas, com seu mais novo caso. Com um serviço com mais de cinco milhões de associados, e que continua subindo a uma taxa astronômica, é claro que a estrela de JT ainda está em ascensão." JT? Minha pele aperta e o cabelo em meus braços está na borda. Os dedos da minha mão direita, involuntariamente, procuram o meu pulso esquerdo, esfregando levemente sobre a pequena cicatriz de meia polegada que parece pulsar em reconhecimento de algo, mas eu não tenho certeza do que. Meus olhos estão colados à TV, enquanto assisto o homem e a mulher se beijando apaixonadamente, claramente não se preocupando que eles estão em exibição pública. Em seguida, ele lança seu poder sobre ela, vira-se para a câmera com um sorriso no rosto, e eu vejo seu torso. Pássaro vermelho. Phoenix com as chamas nas asas e na cauda. Esticada em voo até sua caixa torácica esquerda. Um tremor se apodera do meu corpo e uma onda de náusea me bate forte. Eu engulo contra ela quando dou uma guinada fora do sofá, sem jeito, tropeço em torno da mesa de café para a TV. O câmera se aproxima do casal e, como se o homem conhecido como Jonathon Townsend soubesse que está sendo observado, ele parece certo para a lente e sorri, perto o suficiente para que eu pudesse ver seus olhos castanhos.


Olhos castanhos. O que eu acho que pode ser preenchido com um pedido de desculpas, mas não... isso é maldade. Mal, malícia provocando ‘Porra, baby... desculpe... parece que deixamos alguma porra em seu cabelo’, diz ele com uma risada zombando. Eu grito, tropeçando para trás, e a mesa de café pega as costas dos joelhos, fazendo-me cair duro nela. Aperto a mão no meu pulso esquerdo, a cicatriz agora gritando em agonia. "Sela... você está bem?" Mark diz, sua voz soando como se estivesse enfiado em um tambor e selado apertado, porque o sangue está correndo pela minha cabeça com tanta força, que está bloqueando outro barulho. "Saia," eu sussurro, engasgando com as palavras, porque minha garganta está tão seca. "O quê?" Eu ouço-o levantar do sofá, vejo suas pernas circulando a mesa de café, na minha visão periférica. Eu ergo minha cabeça, olho para ele e grito "Saia daqui." "Você quer que eu saia? Agora mesmo?" Raiva em brasa incha dentro de mim e guincho para ele com uma estocada para cima da mesa, meus punhos enrolados em fúria "Saia. Saia. Saia." Mark empurra para trás de mim, seus olhos arregalados de surpresa por um momento, antes de endurecem. Ele se abaixa, pega sua mochila do chão, e murmura "Cadela louca."


Eu nem sequer olho para ele de novo quando sai do meu pequeno apartamento. Minhas mãos vão para minhas têmporas e puxo o meu cabelo, socando duro e empurrando. Eu ando para frente e para trás na frente da TV, meus olhos cortando-a periodicamente, mas eles mudaram para outra história suculenta. Faíscas e flashes vívidos de cenas no meu cérebro. Cenários que já vi antes em pesadelos, mas pensei que eles eram nada, mas pesadelos. Meus pulsos preso ao colchão. Dor lancinante quando eu sou fodida na bunda. Phoenix vermelha em um pulso. ‘Acha que ela vai chupar meu pau?’ ‘Engole.’ ‘Tudo isso.’ Curvo-me na cintura, meu estômago em cólicas violentamente, em seguida, um dilúvio de vômito brota da minha boca. Arremesso alto, gemendo enquanto onda após onda de náusea e dor são expulsas do meu corpo. Cerveja e o sanduíche de peru que eu tinha comido vinte minutos atrás, ondulam alto no meu tapete marrom desgastado. Lágrimas inundam minha visão, gotejam em rios para a pilha de vômito quando eu começo a secá-las.


Caindo de joelhos, eu forço o vômito, minhas mãos que chegam ao resto dos lados da pilha gelatinosa de tristeza imersa no meu tapete. Meu nariz começa a escorrer livremente agora, ranho adicionando à mistura vil. Eu chupo ar, no fundo dos meus pulmões, e meu coração para de bater sua loucura de terror. O desejo de cortar em minha cicatriz seca, me oprime, me aterroriza tanto, que começo soluçando. Isso é algo que não posso fazer novamente. Esses dias acabaram. Minutos passam e eu fico em minhas mãos e joelhos, debruçada sobre a doença no meu chão. Minha respiração começa a se acalmar, a minha frequência cardíaca cai lentamente de volta para a gama normal. Eu levanto a mão, arrasto as costas dela sobre o nariz irritado, em seguida, limpo

no meu jeans.

Desajeitadamente, me empurro para cima do chão e considero as ramificações do que eu acabei de ver. Do que acabei de me lembrar. Meu estuprador. Um deles, pelo menos. Boa aparência, menino de ouro, sentado em algum tipo de império e de férias nas Maldivas. Será que ele ainda se lembra do que fez para mim? ‘Engole. Tudo isso.’ Um flash de indignação furiosa ferve meu sangue e fico tonta por um momento, percebendo que enquanto a minha vida desmoronou em segundos naquela noite, a sua começou melhor e melhor. Ele andou sobre minhas costas... um


caminho reto para o sucesso. Tomou a minha inocência em mais de uma maneira e disse que fez todas as minhas fantasias realidade. Vejo preto começar a encher meu peito. Permeia todo o meu ser. Um escuro sombreamento tão viscoso, começa a escurecer minha visão e acho que poderia estar momentaneamente ficando cega. Ódio. Branco quente e fervendo no meu interior dolorosamente. A necessidade generalizada doente para me cortar, o que causa mais vergonha e humilhação. ‘...Parece que deixamos alguma porra em seu cabelo.’ Eu engulo o vômito subindo dentro de mim novamente. Eu tinha pensado que tinha passado tudo isso, merda. Achei que finalmente tinha conseguido a minha vida organizada, e enquanto não pudesse ter um final em paz com o que aconteceu, porque, aparentemente, não posso me perdoar por minha parte em tudo isso, estava seguindo em frente. Eu estava aprendendo a passar através dos pesadelos e, embora abomine intimidade, estava, pelo menos, dando ao sexo uma tentativa para que pudesse me sentir um pouco normal. E aquele filho da puta... ele tomou tudo isso longe de mim. Todos os meus passos de bebê, pequenos progressos e da pequena quantidade de força que tenho sido capaz de reunir para continuar a viver a vida em certa medida. Tudo dentro de um piscar de olhos, Jonathon Townsend roubou fora de mim, e enquanto meu pulso não pode estar sangrando, neste exato momento, eu sinto que estou de volta ao zero. Como posso possivelmente superar isso?


O que eu poderia fazer para tornar isso melhor para mim? Como que faço para parar de doer? E então vem a mim imediatamente. Quase fácil demais. Apenas uma palavra, muito simples, mas muito bem. Assassinato. Ela pisca uma e outra vez; pulsos elétricos afiados queimam em meu cérebro. Eu sei, sem dúvida, só há uma coisa que vai fazer isso certo para mim. Eu vou fazer Jonathon Townsend pagar por aquilo que fez para mim.


Capítulo 02 Beck

Eu lanço de tela em tela, navegando no novo site beta para The Sugar Bowl. Meus programadores estavam trabalhando sem parar nos últimos seis meses para lançar esta nova plataforma que fornece um melhor motor de busca, uma interface de comunicação mais robusta, e a capacidade de vídeo chat entre os Sugar Daddies e Babys. Claro, nós também temos que programar algum tipo de garantia de qualidade no plug-in de vídeo para assegurar que os chats são limpos e não pornográficos. Esse é o problema quando você possui uma empresa que reúne homens e mulheres para um relacionamento que não é suposto ser baseado em sexo, mas com toda a certeza é. Claro... existem alguns Sugar Daddies que são provavelmente demasiado velhos para obtê-lo, mas ainda quer a menina bonita no seu braço, e tenho certeza que naquelas poucas circunstâncias, é puramente platônico. Mas para a maior parte, os Sugar Daddies não só querem a menina bonita em seu braço, eles querem elas planas sobre suas costas em sua cama, ou debruçadas na parte de trás de suas limusines chupando seu pau. Isso é realmente para o que os Sugar Daddies pagam. Eu sei disso.


JT sabe disso. O mundo sabe disso. Nós apenas garantimos que nenhum dinheiro muda de mãos na expectativa do sexo, e evitamos quaisquer problemas com a lei. Isso foi algo que passamos meses com uma equipe jurídica analisando antes mesmo de colocar o capital de risco para usar na construção do negócio. De forma nenhuma o JT estava prestes a afundar milhões em uma empresa que pode entrar em colapso com denúncias criminais. O telefone na minha mesa toca e a voz de minha secretária vem pelo altofalante. "Beck... há uma jovem senhora aqui para vê-lo. Ela não tem um horário." "O que ela quer?", pergunto puxando para cima a tela de chat beta e escrevo uma mensagem de teste para um dos meus programadores. Foda-se, mas sinto falta de fazer a programação real. Este é o meu bebê original antes de meus olhos. Claro, se transformou e tornou-se cada vez melhor, mas é tudo minha visão. Enquanto meus dedos não podem realmente bater nas seqüências codificadas mais, eu ainda estou ativamente envolvido na concepção, teoria e testes. É só que agora, um andar abaixo em nosso escritório em San Francisco, é feito por uma equipe de jovens programadores frescos em linha reta fora de Stanford, MIT, ou outras escolas igualmente prestigiadas. "É uma baby," Linda diz calmamente, sua voz cheia de carinho de avó. Ela chama todas as Sugar Babys apenas de Baby. "Eu acho que você precisa se encontrar com ela."


Cristo. Eu não preciso desta merda novamente. Eu ouvi na voz de Linda. Sei exatamente porque há uma Baby aqui e nem preciso falar com ela para saber que vou estar tendo uma muito irritada visita a JT em breve. "Mande-a entrar," digo, saio do programa beta e levanto da minha mesa. A porta do meu escritório abre e Linda acompanha uma jovem mulher. Exatamente o tipo do JT. Loura, curvilínea e de aparência inocente. Enquanto todas as nossas Sugar Babys tem dezoito anos ou mais, esta menina parece que poderia passar por quinze anos, o que é outra coisa que JT procura em suas aquisições. Dou um passo para frente, estendo a minha mão. "Sou Beckett North, mas todo mundo me chama de Beck." Seus olhos estão com medo e posso ver a sugestão de uma contusão na base de sua garganta. Meu estômago recua quando aceito sua mão. É suave, delicada e fraca em meu aperto. Ela é subserviente, apenas a forma como JT gosta delas. "Jenny Warlick", diz ela suavemente. Meus olhos cortam passando a menina, para Linda, que me dá um triste sorriso, sai fora do meu escritório e fecha a porta. Eu libero a mão e aceno para o sofá. Meu escritório é tão grande que proporciona um amplo espaço para minha mesa de trabalho em forma de U, que contém quatro monitores de computador, uma pequena mesa redonda com quatro cadeiras e uma área de estar que possui um sofá e duas cadeiras suntuosas. Um bar de bebidas está construído em uma parede, mas não ofereço uma bebida que não seja água ou refrigerante. Ela diminui.


Jenny tem um assento no sofá e sento-me em uma das cadeiras de frente, com uma mesa de café baixo entre nós. "Então, me diga o que está errado," digo depois de me instalar. *** Eu estou tão chateado com JT, que minhas mãos estão tremendo. Faço o meu caminho pelo longo corredor que separa os nossos escritórios de canto e praticamente lato para sua secretária quando chego a ela. "Ele está ai?" "Sim, mas ele não quer ser perturb…" Eu ignoro-a, jogo a porta do escritório de JT aberta com tanta força, que bate contra a parede interior como um trovão. Eu encontro-o debruçado sobre sua mesa, cheirando uma linha de droga. "Fodidamente típico" rosno e bato a porta fechada atrás de mim, o que provavelmente só garante sua secretária agora ter seu ouvido pressionado contra ela. Sua cabeça levanta lentamente e ele toma um suspiro profundo, os olhos vermelhos e lacrimejantes. Pupilas dilatadas. "Você, babaca," Eu cerro e persigo até sua mesa. "Você está fodendo fazendo uso em seu escritório agora?" "Relaxe," diz ele com um sorriso, correndo um dedo sob o nariz para limpar o resíduo.


"É apenas uma distração. Eu dormi tarde na noite passada." "Com Jenny Warlick," Eu rosno. "Ela acabou de sair do meu escritório." "Quem?" Ele pergunta em silêncio, e tenho que me conter fisicamente de perfurá-lo. "A menina que você fodeu na noite passada. Amarrada à sua cama. Há hematomas em seu pescoço, porra, seu idiota, e ela está com medo." JT encolhe os ombros e diz: "Huh. Não me lembro." "Porque você provavelmente estava alto," atiro de volta. "Provavelmente," diz ele com calma despreocupada. "Mas relaxe... Vou deixar algum dinheiro em sua conta. Isso é o que todas essas meninas querem." "Você não pode dar-lhe dinheiro para o sexo, seu idiota." Meus dedos enrolam em punhos e posso sentir meu sangue martelando com tanta força, que o pulso em meu pescoço está batendo. "E você tem sorte que ela não está falando em estupro." "Ela não foi violada," JT diz enquanto se recosta na cadeira e coloca as mãos atrás da cabeça. "Ela de bom grado deixou-me amarrá-la. Inferno, ela deu em cima de mim. Todas querem um pedaço do King Daddy." "Pensei que você não se lembrasse," cerro fora, mas é inútil. Ele se lembra o suficiente, provavelmente mais, porque ontem à noite era seu modus normal operando. E entro forte jogando fora a palavra estupro em JT, mas queria tentar assustá-lo. Jenny nunca sequer deu a entender isso para mim e até mesmo confirmou o que ele acabou de dizer.


Ela o deixou amarrá-la, mas estava com medo porque ele foi mais áspero do que o que ela tinha esperado. Ele disse a Jenny ontem à noite que queria vê-la novamente, mas ela não quer fazer parte e veio para mim, porque ela está preocupada que vai machucar o seu estatuto de Sugar Baby com a empresa. Eu, é claro, assegurei-lhe que não iria e que JT não esperaria mais nada dela. Foda-se, mas ele ficou tão fora de controle nos últimos meses, uma vez que os meios de comunicação começaram a informar sobre o nosso negócio. Ele adora os holofotes e o estrelato. Ama o fluxo interminável de bucetas em sua cama e as pessoas curvando-se à sua grandeza. Sempre em busca da próxima grande corrida. A emoção que vai fazer nesse último orgasmo pálido em comparação. Ele está usando drogas e toma decisões de negócios estúpidas, e Jenny não é a primeira a vir para mim, que foi agredida por JT. Meu respeito por ele está destruído e simplesmente não tenho em mim continuar assim, apesar do meu vínculo com ele. "Eu quero comprá-lo," digo a ele em uma voz calma e nivelada. Isso recebe sua atenção e um sorriso de satisfação em seu rosto. Ele cheira profundamente e inclina para frente em sua cadeira. "Absolutamente não." "Isto não está funcionando," digo a ele. "Nós discutimos sobre a forma como queremos executar este negócio." "Meu negócio", diz ele categoricamente. "Não... é o nosso negócio. É meio a meio." "Eu dei o start-up e capital."


"Eu forneci o produto. Sem minhas habilidades, The Sugar Bowl não teria sequer chegado à existência. E não estou discutindo com sua bunda fodida. Nós temos documentos de parceria para provar o meu valor, então repito... Eu quero comprá-lo. Podemos obter um trio de avaliadores a valorizar o The Sugar Bowl. Você escolhe um, eu vou escolher um e eles vão escolher um independente. Comece com um preço justo, e eu vou pagar-lhe. Você pode caminhar e ir iniciar alguma outra empresa, se quiser." Ou apenas viver das receitas de juros e foder o seu caminho através do mundo livre, falo a mim mesmo, porque JT esta feito. Meu amigo, através da infância e além, é apenas uma sombra pálida. Minha amizade com ele é mais profunda do que qualquer um pode começar a imaginar. Mais profundo do que JT podia sequer imaginar, e ainda assim, sinto tudo escapando. O suave e inteligente homem de negócios que eu conhecia e fiz parceria há três anos, está desaparecido. Não há um pingo do homem que eu respeitava, embora nunca realmente admirei. Ele foi muitas vezes uma espécie de esguicho. "Não vendo," diz ele com firmeza, e suspiro de frustração. "Eu posso forçar uma compra," ameaço. "Vá em frente", diz ele, chamando meu blefe. "Você sabe do nosso acordo carregado de cláusulas de proteção para mim. Você nunca vai conseguir a empresa, mas lhe digo que... se você quer sair, vou comprá-la. Programadores como você são um centavo em uma dúzia." Eu cerro os dentes com tanta violência, temo que o esmalte vai rachar. JT volta sua cadeira de volta à sua mesa e continua a fazer outra linha. Fui demitido.


"O que aconteceu com você, cara?" Pergunto suavemente, em busca de uma sugestão do bem que eu sei que está dentro dele. Sua cabeça se encaixa e ele pisca aqueles olhos injetados de sangue. "O que você quer dizer?" "Quero dizer, que porra aconteceu com você? Você era um homem de negócios brilhante, o mundo era sua ostra. Agora você está festejando com uma multidão terrível, assustando as mulheres e está fazendo algumas decisões financeiras pobres. Você está em uma espiral, JT, e está trazendo tudo para baixo com você." Ele olha para mim por um momento, atento no conjunto forte de minha mandíbula, a preocupação em meus olhos... A derrota em meus ombros. Seus próprios olhos suavizam, relaxa as linhas finas, dando-lhe uma forma mais jovem. Quase como o JT jovem. "Ouça," diz ele em um tom conciliador enquanto levanta de sua mesa. Ele anda em torno dela, lança um braço sobre meu ombro. "Nós somos como irmãos. Brothers para a vida e, em seguida, depois. Eu agradeço a sua preocupação, mas tenho as coisas sob controle. Eu juro." Verdades e mentiras. Sim, nós somos como irmãos e, na verdade, não como irmãos da fraternidade. Éramos amigos, mesmo antes disso, tendo frequentado a mesma escola preparatória. Nossas famílias estão interligadas através de dinheiro e status social. Quanto a sermos brothers para a vida, não tenho certeza sobre isso. É mentira que ele tem as coisas sob controle, mas mantenho a minha paz. Não vai fazer nada de bom discutir com ele.


Não, acho que a minha próxima conversa precisa estar com um advogado para descobrir se há uma maneira para sair dessa desordem e cortar JT fora da minha vida. Eu acho que é hora de deixá-lo ir. Com o The Sugar Bowl firmemente na minha posse exclusiva.


Capítulo 03 Sela

Olho no espelho, ainda chocada com a minha nova aparência. Seis meses atrás, abandonei cada pedaço de metal em meu rosto e orelhas, exceto um buraco em cada lobo que ostenta agora pequenos aros de ouro. Tenho sorte de tudo ter fechado muito bem com cicatrizes quase imperceptíveis. Eu cortei os laços de amizade com Mark e um punhado de outros, fazendo a minha vida mais solitária do que o normal. Entrei para uma academia, gastei meu dinheiro precioso em um personal, e me livrei de 9 quilos que estavam aparentemente soldados no meu estômago inferior e quadril. Gastei o dinheiro ainda mais precioso, colorindo meu cabelo loiro dourado em um chocolate, e minhas sobrancelhas de marrons e agora meus olhos azuis se destacam. O pó de sardas no nariz e bochechas também se destaca contra o cabelo escuro e acho que gosto da aparência. Eu sou como uma versão ligeiramente mais nova de Jennifer Garner, mas sem a franja. Inocente e fresca. Duas palavras que nunca devem ser usadas para descrever a escura e a danificada mulher que eu me tornei. Meu último passo para a transformação, incluiu uma depilação com cera completa, porque não quero púbis louro entregando meu disfarce. Foi doloroso, mas necessário, devo me encontrar em uma posição para levar o meu disfarce tão longe. Estou pronta.


Lavo as mãos e olho para o espelho do banheiro. "Você pode fazer isso," murmuro para mim mesma, lembrando-me de um tempo há dez anos atrás, que eu olhava em um espelho pouco antes da fatiar meu pulso. "Você pode totalmente fazer isso, Sela." Infiltrar. Assassinar. Repetir. É um plano simples, realmente. Eu dou uma verificação rápida da minha maquiagem e considero perfeita. Tive que ter alguém para me ensinar, porque nunca usei essa porcaria antes. Nunca me preocupava com minha aparência ou capturar a atenção de um homem. Até agora. Agora estou me preparando para sair para o salão de baile do Hotel Four Seasons e colocar-me em exibição. Meu cabelo escuro caindo em ondas brilhantes sobre os ombros nus, meu vestido curto, saltos ridículos que passei semanas praticando e uma atitude sexy que também havia praticado, tudo na esperança de travar o olho de Jonathon Townsend. Seis meses atrás, eu vomitei na minha sala de estar. Dentro de minutos em que desenvolvi um plano para a justiça. Levei muito tempo para chegar aqui, mas agora, hoje é o primeiro dia do resto da minha vida nova. É onde vou fazer as coisas direito para a pobre Sela Halstead.


Vou fazê-lo sofrer e então vou acabar com ele. Meu plano nefasto é bastante fácil, pelo menos para o meu modo de pensar que, reconhecidamente, pode ser colorido por um excesso de raiva e uma enorme necessidade de vingança. Depois de apenas algumas horas de pesquisa na Internet, eu tinha tudo que precisava saber sobre o meu estuprador. Jonathon Townsend, trinta e dois anos de idade. Participou da Hillcrest Preparatória. Bacharelado e MBA pela Stanford. Wealthy por nascimento. Estragado pelas circunstâncias. Lançou o Sugar Bowl há três anos e fez milhões e milhões. Playboy. Solteiro. Estuprador. Esses são os princípios, e acho que é hilariante e irônico que seu próprio negócio vai ser meu caminho para ele. Minha pesquisa sobre The Sugar Bowl foi meticulosa e havia dezenas de artigos sobre o assunto. CNN até fez um documentário sobre a revolucionária plataforma on line não convencional, que liga Sugar Daddies com Sugar Babies. Muito brilhante, na verdade. Sugar Daddies são homens ricos, geralmente na casa dos cinquenta e sessenta, que estão olhando para recuperar a sua juventude por namorar mulheres muito mais jovens. Mulheres bonitas também. Agora, existem alguns mais jovens Daddies, mas eles são poucos e distantes entre si e, obviamente, tem alta demanda. Eu me perguntava por que a grande maioria dos Sugar Daddies tinham idade suficiente para ser avôs, mas de acordo com o filme CNN, homens mais ricos nos seus trinta e


quarenta anos, estavam tentando a vida familiar com as esposas suburbanas bonitas e um bando de crianças. Geralmente, até o divórcio chegar e conjuntos de gordura surgirem na barriga, resultando nesses caras começarem a lutar para provar sua masculinidade. Estatisticamente falando, na maioria das vezes acontece nos quarenta e tantos anos do homem, depois que as crianças são cultivadas e a esposa não o quer mais. O Sugar Bowl torna tudo isso fácil para esses pobres homens ignorados, fornecendo um banco de dados de voluntárias Sugar Baby. As Sugar Babies são mulheres jovens, normalmente entre dezoito e vinte e seis anos, embora algumas podem ser um pouco mais velhas. A CNN diz que a média de idade é, na verdade, vinte e dois anos, e isso é porque a maioria das Sugar Babies estão se unindo, como um meio para obter a sua mensalidade da faculdade paga. Com vinte e seis, estou esticando o limite exterior da faixa normal, mas meu rosto é muito jovem e poderia passar por vinte se quisesse. Enquanto a maioria dos sugarships - que é uma combinação de ‘sugar’5 e ‘relationship’6 - é formada através de apresentações facilitadas através do banco de dados da Web, bem como alguns dos sites de namoro populares, The Sugar Bowl também abriga partidos regionais onde os Daddies e as Babies podem conviver, conversar, e ter tempo face-a-face para ver se há alguns laços comuns. O que o típico ‘sugarship’ se parece? Bem, não há realmente um contrato escrito. Em um acordo assinado, todas as expectativas são definidas fora. O Sugar Daddy define claramente o que ele quer de 5 6

Açúcar. Relacionamento.


sua Baby. Poderia ser uma acompanhante ou alguém para viajar. Poderia ser tão simples como um jantar semanal. Em troca, o Daddy promete à Baby certas coisas. Isso poderia ser dinheiro, taxa de matrícula, despesas, um carro, jóias caras, sei lá. Resumindo: o Daddy paga para a Baby. Uma coisa que você nunca vai encontrar no acordo, é uma expectativa de ter relações sexuais. De fato, depois que entrei no Sugar Bowl, há duas semanas, foi interessante ler sua amostra de acordo online e descobrir que ele realmente tem uma cláusula que ‘proíbe especificamente discussão e/ou acordo em relação a atos sexuais em troca de monetária compensação e/ou presentes’. Ficha limpa em sua face, mas como a CNN mostrou durante o documentário, o sexo é muitas vezes implícito. Numerosas ex-babies do Sugar foram entrevistadas. A maioria delas era muito feliz com as suas experiências, tendo saído da faculdade livre de dívidas. A maioria delas igualmente, admitiu que o sexo foi determinado e foram recompensadas sobre ter suas despesas pagas por voltar para um pequeno papel entre os lençóis. Acho que é repugnante e repulsiva, e ainda... aqui estou. Preparando-me para participar de um San Francisco Sugar Bowl Mixer, e de acordo com Karla Gould, sua secretária, Jonathon Townsend vai estar aqui. Eu não estou nem um pouco envergonhada que pesquisei e a alvejei como uma cúmplice disposta nos meus planos. Aprendi que ela tem trinta e três anos, divorciada, mãe solteira de três filhos e desesperada por amigos. Eu, essencialmente, a perseguia, formando uma amizade depois de um ‘encontro casual’ em seu café favorito.


Isso aconteceu há dois meses, e joguei meu discurso de pobre estudante de faculdade tentando pagar por seu mestrado, o que levou Karla sugerir o The Sugar Bowl para mim. Enquanto ela é muito velha e muito acima do peso para ser uma Baby comercializável, ela não tinha problema enviando-me nessa direção, e fiz um trabalho grande de atuação, como se estivesse surpreendida com a sugestão, um pouco duvidosa, mas igualmente intrigada. Karla era uma boa fonte de dentro, e mesmo uma vez conheci seu escritório para o almoço e dei uma espiada dentro do escritório vazio do grande Jonathon Townsend. Eu quase estremeço em êxtase quando imaginei tocando um abridor de cartas através de seu olho e profundamente em seu cérebro, enquanto ele sentava em sua mesa computando os seus milhões. Meu plano é simples e, como tal, vai envolver uma grande quantidade de sorte. Vou tentar pegar a atenção de Jonathon Townsend esta noite. É bem conhecido que ele prefere loiras, mas também é bem conhecido que ele prefere seios grandes e tenho um conjunto desses. Meu cabelo loiro não é uma opção, porque não quero que ele me reconheça. Não acho que ele vai, porque aprendi na minha pesquisa que ele é um ego maníaco. Também aprendi que ele fode um monte de loiras e tenho que imaginar toda a nossa mistura de rostos juntos. Enquanto não posso ter certeza, estou apostando em sua arrogância e o fato de que, provavelmente, tenha se esquecido sobre mim mesmo antes do seu sêmen no meu cabelo secar naquela noite. Faíscas de raiva fazem espuma e bolhas abaixo no meu intestino quando penso sobre isso. Infiltrar.


Assassinar. Repetir. Mantenha seu olho no prêmio, Sela. Infiltrar... Conseguir atenção de Townsend esta noite. Faça-o cobiçar você. Leve-o a tomá-la para sua casa. “Faça com que ele divulgue os nomes dos outros dois estupradores,” que não deve ser um problema induzí-lo a fazer isso, dada a arma na minha bolsa. Matar... Fácil. Bala entre os olhos. Repita... Encontrar os outros dois e vigiá-los. Balas entre os seus olhos também. Eu olho para mim mesma no espelho apenas um momento mais, tendo os olhos esfumaçados e os lábios camuflados, a clivagem em plena exibição. Eu sei que estou tendo uma erupção cutânea, provavelmente não o mais hermético dos planos, mas não posso ajudá-lo. Eu tenho raiva e ódio dirigindo-me para frente. Mesmo se pegar e passar o resto da minha vida na prisão, será melhor do que viver comigo não tendo feito nada. Cuidado, Sr. Townsend. Seu tempo está quase esgotado.


Capítulo 04 Beck

Por mais que eu zombe sobre o uso das babies que JT dispõe, tenho que admitir que é uma das vantagens de propriedade. Enquanto a missão da The Sugar Bowl é ajudar a facilitar significativos e sociáveis relacionamentos, ou sugarships como algum esquisito no departamento de marketing apelidou-os, eles tendem a escolher o estoque ansioso unicamente no sexo casual. Eu posso ser mais rico do que Deus neste momento da minha vida, mas não tenho vontade de pagar por alguma baby da faculdade para ir ao meu quarto, apenas para que possa ter a certeza de ter alguém brincando com minhas bolas a cada noite. Em vez disso, descobri logo que a maioria destas mulheres estão famintas na busca de realização e que vão direcionar seus olhos sobre os maiores cães e fixar todas as suas esperanças em apenas um tiro para eles. Elas têm um motivo e não espero ir contra elas. As Sugar Babies são bonitas, inteligentes e calculistas. A maioria delas se tornaria grandes empresárias. Mas elas têm uma agenda, e assim cumprem. Elas estão buscando dinheiro, e talvez uma ligação duradoura. Eu posso ser proprietário da empresa que torna isso possível para elas, mas não estou de forma nenhuma querendo uma Sugar Baby para mim. Não tenho necessidade de relacionamentos e enquanto tenho o maior respeito pelas


mulheres, mesmo aquelas que são ok quando o meu único desejo é um caso de uma noite, não tenho intenção de mudar isso tão cedo para mim. Então sim, eu aproveito essa espetacular vantagem de possuir o Sugar. Eu obtenho uma quente transa, sem amarras, e a melhor parte, é que no final da noite posso esgueirar-me de qualquer lugar que estejamos ocupando... Hotel, banheiro público, a parte de trás da minha limusine... e não tenho que olhar para os olhos esperançosos de manhã, esperando que eu vá fazer uma proposta de casamento para a jovem beleza na minha cama. Porque vamos enfrentar isso... é o que as sugar babies querem. Enquanto os seus objetivos imediatos podem ser estabilidade e ganho financeiro, todas elas têm a mesma visão de longo prazo. Todas elas estão esperando pegar um homem rico, que vai mantê-las nadando em jóias e casacos de peles para sempre. O que é bom para elas. Use o que você tem, menina, e trabalhe duro. Só não vire essa merda para mim, enquanto não estou desistindo da minha independência para assumir um compromisso. Meu olhar vagueia em torno do salão de baile. Estes encontros no Sugar Bowl são opulentos e chamativos, dando às Babies um gosto do que as espera. Caviar e champanhe. Ternos de mil dólares. Relógios de pulso que custam mais do que carros. Elas observam tudo com os olhos arregalados de inocência e abrem as pernas um pouco mais para atrair um Daddy que as note. Eu já vi tudo isso antes. Ver isso acontecendo agora em toda sala, ver como as mulheres namoram, chupam os lábios inferiores e puxam seus vestidos para baixo apenas um pouco mais para expor o seu decote. A sala é espessa com a luxúria brotando dos homens


que não veem nada além de orgasmos em seu futuro imediato, depois de passar tanto tempo sem. As meninas veem cifrões. É uma solução de relação mutuamente benéfica. Tomando um gole da minha bebida enquanto fico no bar, olho para a minha esquerda onde vários casais estão sentados em banquetas, bebendo cocktails e jogando conversa fora. No final está uma mulher que é extremamente agradável. Ela está de costas para o bar, o banco virado para que possa enfrentar a multidão se misturando. Um vestido prata cintilante abraça suas curvas e inclino-me para trás do bar para que possa dar uma olhada melhor na sandália estileto matadora, com fita de prata nos saltos que o vento sopra para cima e ao redor de seus tornozelos. Puxando meu corpo de volta, olho novamente para o rosto dela. Está de perfil para mim, mas ela tem todos os ângulos lindos e curvas suaves. Nariz reto, maçãs do rosto salientes e lábios cheios e inchados. Cabelo escuro, marrom-chocolate, e gostaria de saber de que cor são os olhos, mas não posso ver dessa posição. Ela parece estar olhando para algo tão intensamente, que viro minha cabeça e sigo sua linha de visão por toda a sala. Ahhh... aí está. Ela está olhando para JT, que está em pé com três mulheres reunidas em torno dele, todas competindo por sua atenção. Eu olho para trás, para a morena sentada no bar e encontro o seu olhar um pouco desconcertante. Não é fome ou cálculo; não do jeito que vi mulheres olhando para mim e meu parceiro antes. Em vez disso, ela parece estar com um tipo de raiva. Ímpar. Ex-Baby ciumenta, talvez?


Eu começo a colocá-la fora da minha mente, porque isso é uma complicação e não preciso disso, mas quando começo a me afastar, ela empurra para cima do banquinho, levanta seus ombros e começa a atravessar o salão em direção a JT. Ela tem uma caminhada sexy como o inferno, cheia de confiança, enquanto seus quadris balançam. Seus seios não estão presos por um sutiã sob o vestido brilhante, e eles balançam com completo esplendor natural. O que eu gostaria de fazer a um par de mamas assim e uma imagem de mim fodendo essas mamas, cruzam minha mente. Eu observo com interesse para ver o que acontece, porque enquanto não gosto de confronto, não me importaria de assistir JT ganhar uma punição, se é isso que está na mente da morena. Ou talvez uma briga antiga entre ela e as loiras, que envolva puxões de cabelo e um pontapé errante acertando as bolas de JT. Ele merece. Porra JT. Eu tenho meu advogado revisando nosso acordo de parceria, debruçado sobre a lei, tentando descobrir se tenho uma maneira de forçá-lo a sair, mas até agora isso não parece bom. Assim, as minhas escolhas vão ser manter o curso e esperar que JT tire sua cabeça fora da bunda, ou deixá-lo comprar minha parte e sair. É uma opção, mas não é a melhor, porque tenho muito orgulho investido neste negócio. Eu tenho a inteligência para criar outra start-up? Claro que sim. Mas não estou pronto para desistir deste passeio ainda, porque poderia ser muito mais, e além disso... talvez JT esteja apenas passando por uma fase. Talvez ele comece e entender, mais cedo ou mais tarde, e tudo isso será discutível.


Deus, espero que ele pare de foder e venha a seus sentidos, porque JT e eu temos uma história juntos. Laços profundos que não quero cortar, se puderem ser mantidos. Enquanto poderia não gostar dele no momento, ainda tenho esperança de que ele possa ser puxado para trás da borda. A morena atinge o grupo de JT e observo quando seus olhos se conectam com os dela. Ele abaixa seu olhar, passa os olhos por todo o corpo, porque, ô inferno... quem não gostaria? Ela é deslumbrante. Quando seus olhos se encontram com os dela novamente, ela corajosamente passa entre duas loiras e estica a mão para ele. Enquanto não posso ouvir nada por causa do falatório de cerca de duas centenas de pessoas e a pressão suave de alguma música techno dance, posso imaginá-la em sua apresentação corajosa. Aposto que sua voz é rouca... preenchida com sexo. JT inclina a cabeça para ela em reconhecimento educado e vira para o lado, voltando o olhar para a loira que agora está pendurada em seu braço esquerdo. Ele mergulha sua cabeça para ela e ela pressiona seus lábios perto da orelha, tenho certeza da oferta, para fazer qualquer coisa suja e imaginável que ele desejar, e sei que a morena não vai ser olhada novamente. Ela não tem a cor correta do cabelo, mas ela também fez asneira quando se aproximou de JT. Ele gosta de suas mulheres dóceis e subservientes. Eu estou apostando um firme aperto de mão que seu andar pomposo e confiante e sua abordagem direta, levaram-no para longe. Não que ele não iria fode-la, se não houvesse mais nada disponível, mas para a maior parte... o tipo dela não serve para ele.


Seu tipo, no entanto, faz uma porrada para mim. Eu gosto de minhas mulheres confiantes e agressivas na cama. Eu gosto de uma boa briga quando nós dois estamos com humor, quero ela gritando para eu ir mais duro porque ela quer, e não apenas porque gostaria de darlhe. Gosto de uma mulher para me olhar diretamente nos olhos enquanto está chupando meu pau e estou apostando que essa mulher iria fazer apenas isto. A morena continua a olhar para JT e noto uma pequena quantidade de surpresa dela, os dedos se fecharam em punhos, que estão apertados com força. Talvez ela queira golpeá-lo, o que não seria tão bom quanto um chute nas bolas, mas ainda seria divertido. Em vez disso, ela se vira do grupo e seus ombros caem no que eu considero ser em derrota. A cabeça ainda está erguida, porém, e quando ela muda seu ângulo para minha direção, posso ver claramente o azul de seus olhos, mesmo do outro lado da sala escura. Apenas fodidamente impressionantes, e JT, de todos os tipos de tolos, deixou isso escapar. Mas sua perda é meu ganho e caminho para longe do bar para interceptá-la. Nós nos encontramos no meio do salão, com os olhos arregalados de surpresa quando ela percebe que tenho a intenção de falar com ela. Eu vejo quase um toque sutil de uma parede indo para cima e ela aperta os ombros. "Não tome isso como pessoal," digo a ela com um sorriso encantador quando a levo pelo cotovelo, guiando-a para o bar onde deixei minha bebida. "Ele não gosta de mulheres confiantes. Elas ameaçam sua masculinidade." Ela dá uma bufada pouco feminina. "Acho isso difícil de acreditar."


Sim! A voz rouca que soa exatamente como o sexo. Eu sabia. "Bem, é verdade, e eu o conheço melhor do que ninguém nesta sala," digo a ela a verdade quando chegamos ao bar e puxo um banquinho para ela. "Deixe-me pegar uma bebida e vou dizer-lhe tudo sobre isso." Ela se senta, cruza uma perna suavemente sobre a outra e me olha diretamente no rosto. "Então... você está indo para divulgar todos os segredos sujos do seu parceiro para mim, Sr. North?" Ahhhh... ela sabe quem sou. "É apenas Beck," respondo enquanto estendo minha mão para ela. Ela pega e, em vez de agitá-la, levo até meus lábios e pressiono um sussurro de um beijo em suas juntas. "Você sabe quem eu sou?" "Gênio em tecnologia do Sugar Bowl," ela diz com um encolher de ombros e não vejo uma pitada de cálculo em seus olhos. Em vez disso, ela diz: "Eu sou Sela Halstead, e estava esperando obter um momento com o Sr. Townsend para falar sobre The Sugar Bowl.” Meu estômago encolhe um pouco, porque odeio decepção, e a olho astutamente. "Você não se parece com uma repórter." Ela dá uma risada rouca e toca a ponta dos dedos no meu antebraço com segurança. "Não. Eu sou uma Sugar Baby, mas estou escrevendo uma dissertação na


minha aula de psicologia sobre a evolução sexual da mente humana. Eu pensei que ele teria algumas perspectivas interessantes para compartilhar." A tensão deixa meus ombros e sorrio para ela. "Bem, tenho certeza que eu poderia fornecer-lhe o mesmo tipo de informação que você está procurando. Estou bem versado sobre a evolução sexual e minha mente é muito humana." Ela ri de novo e levanto a mão para pegar a atenção do bartender. Olho para trás, para ela, e pergunto: "O que você está bebendo?" Ela olha para mim um momento, mastiga o lábio inferior como se estivesse atormentada com indecisão. Os olhos dela cortam através do salão para JT e depois de volta para mim antes dela finalmente dizer "Tudo que você estiver servindo em seu lugar."


Capítulo 05 Sela

Vou ter que dizer que as fotografias que tinha visto de Beck North não lhe faziam justiça. Na pesquisa sobre Jonathon Townsend, naturalmente, li sobre seu amigo e parceiro de negócios, Beckett North. Enquanto ele optou por ficar de fora do centro das atenções pela maior parte, ainda havia uma riqueza de informação biográfica para ser encontrada. Ele tinha frequentado a mesma escola preparatória que Townsend e também foi para Stanford. Mas enquanto JT passou a fazer um MBA em sua universidade, Beck foi para o leste e teve o seu mestrado em Ciência da Computação no MIT. Ele está apontado por alguns como um gênio certificado, enquanto outros se perguntam por que ele não perdeu seu talento na construção de uma plataforma baseada na Web que era nada mais do que outro site de namoro. Independentemente disso, a pesquisa mostrou bem o suficiente do porque Beck North era o cérebro por trás deste empreendimento, enquanto que JT era o rosto rico, como muitos puseram nos cartazes. Exceto, na minha humilde opinião, que Beck North é infinitamente mais lindo do que Jonathon Townsend, e que não tem nada a ver com o meu preconceito e ódio para com o meu estuprador. Beck North está com perfeição estrelando a fantasia de cada mulher. Ombros largos que preenchem seu terno caro sob medida de tal forma, que você sabe que ele nasceu para uma vida de privilégios. No entanto, seus olhos, que são de águamarinha azul, mantem certa quantidade de humildade dentro deles. Enquanto o


olhar de JT é preenchido com nada além de condescendência e arrogância, o de Beck é amigável e encantador. Não havia dúvida de que ele provavelmente está ostentando um corte de cabelo de quatrocentos dólares. Seu cabelo castanho escuro é curto nas laterais, e maior no topo, com picos elegantemente desarrumados empurrados para cima e longe de sua testa. Beck North exala sofisticação e inteligência, que permite-lhe entrar em qualquer sala de reuniões da Wall Street, exalando poder e chamando a atenção. Isto é um produto de seu nascimento, status social, foi educado pela elite e tem uma posição de multimilionário. Nesse quesito, ele e JT são apenas parecidos. Mas havia uma diferença gritante que li sobre os dois co-fundadores do The Sugar Bowl. A maioria dos artigos e imagens de JT, apresentam um homem que vivia a vida alta. Comia nos restaurantes mais caros, tinha as férias mais luxuosas e levianamente gastava seu dinheiro em coisas estúpidas como submarinos pessoais subaquáticos e investia para estar na primeira nave espacial pessoal rumo à lua. Apesar da educação quase idêntica e status social, Beck North tem uma história completamente diferente. A maioria dos artigos sobre ele, lidou com seu trabalho filantrópico e beneficente, suas principais paixões, incluindo a igualdade de oportunidades educacionais para crianças carentes e o trabalho de recuperação de desastres. Eu encontrei inúmeros retratos dele sujo de lama, roupas encharcadas de suor dando assistência às vítimas de desastres no processo de limpeza. Era só localizar um furacão, tufão, deslizamento de terra ou tsunami no mundo e Beck North ia sair em um jato para ajudar a limpar. Vi uma vez que ele foi citado como dizendo: "Eu sempre fui um trabalhador duro, mas vamos encarar. Sento em uma mesa o dia todo no ar condicionado. Esta é apenas uma boa maneira de começar meu trabalho e manter o meu ego sob controle."


Havia outra diferença também. Enquanto a maioria dos artigos sobre JT mostravam ele com uma beldade deslumbrante em seu braço em cada evento de celebridade que participou, Beck nunca pareceu em um encontro com ninguém. Ele sempre ia sozinho aos poucos eventos públicos em que participou e até li um artigo que dizia que ele estava muito ocupado com sua carreira para ter tempo para um relacionamento. Ele não dizia isso de uma maneira indiferente, mas apenas uma forma prática de dizer que amar estava abaixo em sua lista de prioridades. Então o que li sobre este homem enigmático, torna mais fácil para mim acreditar que, enquanto a maior parte de sua vida provavelmente é gasta em salas de reuniões por causa de seu charme e atitude descontraída sem ego, aposto que você poderia jogar um par de jeans e uma camiseta em cima dele e ele acabaria facilmente se encaixando em um bar ouvindo uma banda grunge. Era fascinante ler sobre ele. Ainda mais intrigante estar perto. Mas não estou interessada nele de qualquer outra forma senão tentar descobrir neste momento como posso usá-lo para alcançar meus objetivos. Claramente não estou indo para casa com Jonathon Townsend esta noite, essa pequena parte do meu plano que dependia de sorte, despencou depressa. Eu sabia que o plano era precipitado, um pouco ridículo, mas só era a minha primeira tacada contra JT. Nunca tive a intenção de desistir no primeiro giro vazio. "O que quer que você esteja servindo em seu lugar," disse a ele enquanto meus olhos azuis seguraram os dele. Eu tinha descoberto o suficiente em cerca de trinta segundos, para saber que ele gostava da abordagem direta, ao contrário de seu parceiro.


Beck deu um pequeno aceno de surpresa. Possivelmente uma elevação momentânea

de

suas

sobrancelhas

com

a

minha

oferta

ousada,

mas

instantaneamente seus olhos projetam uma intensidade apreciativa, demonstrando que gostou muito da minha resposta. "Então vamos," diz ele enquanto pega a minha mão e suavemente me ajuda a descer do tamborete. Tomei uma decisão de comando e vou com ele. JT foi um fracasso esta noite, de forma eficaz, deixou-me para baixo em poucos segundos após minha introdução. Beck confirmou para mim o que eu deduzi nesse momento de desprezo. Jonathon Townsend fica intimidado com mulheres confiantes. Eu calculei mal, imaginando a emoção que seria para ele trazer uma mulher como eu para baixo. Quer dizer, não é por isso que estupradores estupram? Para o controle, dominação e compensar todos os seus problemas com a mãe? Assim, no minuto que Beck North confirmou para mim a razão pela qual estava sendo esnobada esta noite, descobri que a menos que estivesse disposta a puxar minha arma fora, aqui e agora, e assassinar Townsend com algumas centenas de testemunhas, eu precisaria dar um passo atrás e recalcular. Descobrir uma maneira diferente de fazer isto. Além disso, não posso matá-lo rápido. Preciso de informações dele, em primeiro lugar, o que significa que tenho que chegar perto dele. E talvez Beck North seja exatamente o que preciso. Talvez estando com ele, vá deixar-me perto de JT, mas não tão perto quanto ao risco de exposição. Talvez eu pudesse até mesmo trabalhar em algo que seja menos confuso que o plano de uma ‘bala entre os olhos’, que faz meu estômago virar um bit.


Eu não sou boa com sangue. Talvez veneno. Isso é muito mais furtivo e algo que realmente tinha considerado antes. Talvez possa chegar perto de Townsend através de Beck e depois envenenar JT em um momento oportuno. Naturalmente, isso significaria que teria que desistir de minha busca pela identidade dos meus outros estupradores, de modo que pode não funcionar, depois de tudo. Além disso... estava realmente ansiosa pela gratificação instantânea de ver o medo oprimir JT enquanto segurava uma arma em sua cabeça e em seguida, ouvi-lo implorar por sua vida. Eu não vou conseguir isso com a opção de envenenamento, mas tenho uma chance muito melhor de começar afastada com assassinato dessa maneira. Isso vai demorar um pouco mais, penso. Talvez Beck ter intervindo seja uma dádiva de Deus. Talvez seja um sinal para que precisasse dar um passo atrás, arrefecer um pouco e ir adiante com um plano que é menos precipitado e impulsionado pela emoção. Eu deveria ser um pouco mais calculista e desistir sobre a satisfação que comecei a sentir ao imaginar os miolos que sairiam de seu crânio. Sim... o co-fundador lindo do The Sugar Bowl provavelmente era exatamente o que eu precisava. Sou levada para fora do salão de baile com uma mão suave no meu cotovelo. Beck não fez nenhum movimento para falar, mas então, por que faria? Minha oferta foi clara e não era para uma bebida.


Quando alcançamos os elevadores, ele aperta o botão e apenas diz: "Eu reservei um quarto aqui esta noite." "Isso é conveniente," digo, com uma risada. É um riso fácil, e que sou capaz de dar sem escrúpulos. Se você acha que deveria estar me sentindo incerta ou meio esquisita pela perspectiva de ter relações sexuais com um completo estranho que conheci a menos de cinco minutos atrás, você estaria errado, porque não há nada que não faria para realizar meus planos. Infiltrar. Assassinar. Repetir. Nunca vou ser dissuadida na minha vingança, e Beck North, com sua boa aparência e sua inteligência encantadora, não vai ser uma tarefa árdua para mim em tudo. A porta do elevador se abre, Beck tira a mão do meu cotovelo e segura a minha mão, entrelaçando nossos dedos completamente. É um ato íntimo e minha primeira reação é me afastar, porque a intimidade não tem lugar dentro da minha ideia de fraude. Eu preciso permanecer fria e distante, minha mente focada no objetivo final. E, no entanto, sua mão quente engolindo a minha, envia uma pequena pulsação através de mim. Quase como se eu tivesse um parceiro no crime?


Ou talvez seja apenas um sentimento de estar ligada à terra neste momento? Vamos enfrentá-lo, sim, mas há cinco minutos, meu plano era terminar a noite com um assassinato. Agora parece que vai acabar em sexo com um homem muito lindo e uma reestruturação da minha agenda. Assim que as portas são fechadas e Beck aperta o botão para o décimo terceiro andar, ele anda para mim. Com uma mão ainda segurando a minha e a outra empurrando o meu queixo para garantir que meus olhos bloqueiem com os dele, ele me diz: "Eu não sou um Sugar Daddy, só para você saber." Eu pisco para ele com surpresa, minha mente girando sobre as implicações. "O que isso significa?" Sua voz é suave, mas firme. "O que eu quero dizer, é que enquanto sou um dos proprietários do Sugar Bowl e você é uma Sugar Baby, não sou um Sugar Daddy. Eu não estou olhando para entregar o meu tempo para uma mulher, nem meus recursos para qualquer mulher. Então, se você está indo para cima comigo agora com a expectativa de que isso irá resultar em um contrato lucrativo, vou ter que desapontá-la." Bem, foda-se. Estava apostando que seria uma possibilidade concreta. Quer dizer, todo o ponto destes eventos mixer, é para ligar e formar relacionamentos. Presumi que é por isso que Beck estava aqui. Pensei que era uma coisa implícita quando ele se aproximou de mim. Quer dizer, não achei que seria um fato que iria ocorrer, mas percebi que talvez uma noite de sexo selvagem e louco o faria inclinar-se a querer


manter-me em torno dele por um tempo. Mesmo que fosse por um período de contrato curto como um mês. Isso teria certamente me dado o tempo para chegar a um novo plano para matar JT. "Quer que eu a leve de volta para baixo?" Murmura Beck, e pisco novamente, tentando colocar a minha cabeça no jogo. O elevador chega a uma parada e as portas deslizam abertas. Tempo para outra decisão de comando e vou com o meu instinto. Já percebi que Beck gosta de um desafio, por isso estou indo para ir com isso. "Eu não vim esta noite na esperança de encontrar um Sugar Daddy," digo com sinceridade. Porque eu não fiz. Eu vim para matar JT. E então digo-lhe uma outra verdade, porque quando decidi que me tornaria uma Sugar Baby, seria a minha capa, fui com tudo e comecei a conversar com vários homens, no caso de alguém suspeitar de mim. "Eu realmente vim para tentar encontrar o Sr. Townsend para a minha dissertação. Estou realmente em negociações com um potencial Sugar Daddy em Santa Clara e nós estamos esperando para nos encontrar em breve. Ele está à procura de um compromisso de longo prazo e estou procurando algo estável o suficiente para me levar todo o caminho através do meu mestrado." Isso o surpreende e sua mão cai do meu rosto. "Então por que você está vindo comigo para o meu quarto?" "Porque até eu entrar em um sugarship, que é um nome estúpido, por sinal, sou uma funcionária livre. E gosto muito de sexo. Ainda mais com um homem bonito, inteligente, espirituoso. Então, por que não?"


Ok, então era uma mentira sobre a parte de desfrutar do sexo. Meus estupradores se asseguraram que eu nunca ficaria confortável com o ato sexual e só o vejo como uma função necessária que serve para algum outro propósito para mim. Os lábios de Beck se curvam para cima e seus olhos dobram com diversão em silêncio. "Eu gosto muito dessa resposta, Senhorita Halstead." "Bom," digo com um piscar de olhos, um pouco surpresa com o quão bem tenho minha confiança sedutora indo. "Então vamos indo." Sua mão pega a minha novamente e andamos de um lado do elevador. O quarto dele está no fim do corredor e quando entramos vejo o porquê. É uma suíte de esquina com uma vista para a Golden Gate Bridge e uma varanda ao ar livre. "Quer uma bebida?", Ele pergunta quando deixa a minha mão e afrouxa a gravata. "Não, estou bem," eu digo, enquanto olho em volta, dando alguns passos na direção da varanda. Elegante e caro mobiliário, papel de parede de seda. Então, é assim que o 1% da população vive. Agradável. Mãos na minha cintura desviam a minha atenção e Beck pega no meu traseiro. Minha frequência cardíaca imediatamente acelera, metade do meu corpo entra em uma postura defensiva, a outra metade escancarando-se à ligeira possibilidade de algo emocionante com este homem. O sexo é complicado para mim. Minha primeira experiência foi tão terrível, que tentei me matar depois. Desde então, tive bons e maus momentos.


Alguns homens não fazem nada mais do que o estocada, grunhido e descarga. Isso não é tão ruim e é mais rápido. Alguns homens são medíocres. Eles fizeram tentativas para obter-me fora, mas nunca foram bem-sucedidos e me tornei adepta de fingir o melhor orgasmo do mundo, que acaricia bem o seu ego. Nada tem sido fantástico. Ninguém nunca me fez ficar fraca dos joelhos. Nenhum único homem jamais me inspirou a querer fazer algo por ele. Não significa que não me trouxe a seus joelhos, isso significa apenas que eu nunca encontrei alguém que queria fazer isso. Nenhum homem jamais me fez sentir uma conexão com ele após o ato sexual. Meu psiquiatra uma vez disse que era porque eu não tinha qualquer ligação emocional quando fui estuprada. Na verdade, estava tão frio, brutal e sem ter em conta para mim como um ser humano, que tenho um tempo difícil para compreender e aceitar a intimidade. Eu simplesmente não consigo conciliar que sexo e bondade andam juntos. Nunca na minha vida tinha experimentado um orgasmo durante o sexo com um homem. Tive muitos com meu vibrador, mas um homem nunca e não preciso do meu psiquiatra para explicar o raciocínio por trás disso também. Para mim, sexo é apenas um ato. Eu poderia ficar sem ele, mas também não me importo de tê-lo quando se encaixa na minha agenda. Em meus relacionamentos passados, que foram poucos e distantes entre si, fiz sexo para fazer a outra pessoa se sentir bem. Mais como uma recompensa por me tratar decentemente e também,


talvez, porque enquanto eu não pudesse ter apreciado muito, pelo menos me fez sentir normal e não como uma aberração como faço normalmente. Hoje à noite, sexo com Beck vai continuar na minha agenda, então estou toda dentro. As mãos de Beck puxam meu cabelo longe do pescoço. Eu sinto os lábios pressionarem lá suavemente e um arrepio percorre minha espinha. Meu batimento cardíaco aumenta de ritmo e uma descarga de ondas de adrenalina vai por todo o meu corpo com repercussão vertiginosa. Oh, wow... isso é novo. Eu chupo uma respiração profunda e tento me segurar. Seus lábios pressionam mais contra mim, então sinto os dentes contra a minha pele. Ele raspa-os suavemente sobre mim e uma deliciosa dor se forma entre as minhas pernas. Isso também é novo, e o sentimento é tão desconcertante, que me afasto de seu abraço assim que consigo me manter sob controle. Meu corpo nunca reagiu dessa maneira, e francamente, isso assusta a merda fora de mim, quase ao ponto de considerar uma corrida. Eu não posso me dar ao luxo de perder o controle com este homem, uma perspectiva que é quase tão terrível quanto minhas memórias de meu décimo sexto aniversário. Mantenha seus olhos sobre o prêmio, Sela. É imperativo que, aconteça o que acontecer esta noite, eu balance o mundo de Beck North de uma maneira que ele queira me ver novamente. Preciso manter o


meu pé na porta e isso significa que esta noite... eu não conseguirei segurar nada de volta. Tem que ser o meu melhor desempenho de sempre. Virando-me para enfrentar Beck, inclino meus lábios para cima em uma curva sedutora e passo para ele. Minhas mãos vão para o peito, deslizam para cima sob o paletó, até os ombros onde empurro-o fora. Ele cai no chão e antes que bata, minhas mãos estão trabalhando a fivela do cinto. É uma coisa muito boa, porque trabalhar o couro caro, flexível através do metal da fivela, ajuda a acalmar o tremor das minhas mãos. Eu puxo o cinto inteiro livre e lanço-o longe. Minhas mãos vão imediatamente para o botão da calça que ele está vestido, mas na hora que vou para tirá-la, as mãos de Beck estão nas minhas... acalmando meu progresso. Eu olho para cima lentamente e os olhos de Beck estão chiando com a necessidade. Isso me gratifica, porque sei que tenho o que ele quer e tenho o poder de fisgá-lo. Eu pressiono contra sua espera e tento puxar o zíper, mas ele tira minhas mãos. "Abrande um pouco", diz ele com a voz rouca quando olho para ele. "Nós temos a noite toda." "Mais uma razão para deixar-me dar-lhe um boquete agora," digo a ele com um olhar manhoso e chego as minhas mãos para fora outra vez. "Tome a borda fora." "Eu gosto da borda," diz ele em um rosnado baixo. "Gosto de me exaltar. Gosto de esperar até que esteja ainda um pouco doloroso. Também gosto de estar no


comando, então esses belos lábios não estão chegando em qualquer lugar perto do meu pau agora." Aquelas palavras… me aterrorizam e me excitam. E essa dor entre as minhas pernas começa a pulsar. Eu o odeio porque está me distraindo. Beck North está totalmente me jogando fora de meu jogo e não tenho sequer ficado nua ainda.


Capítulo 06 Beck

Por um breve momento, pensei que vi medo em seu rosto. Foi tão rápido, que tenho certeza que eu tinha imaginado. Quase como uma luz estroboscópica piscando... brilhante e escurecendo tudo dentro de um microssegundo. Foi quando eu disse a ela que precisava estar no comando. Às vezes, o medo era uma coisa boa. Ele aumenta os sentidos, aumenta até o prazer. Mas agora não o vejo e gostaria de saber se imaginei, mas independentemente... sou agora e serei sempre responsável por esta mulher esta noite. Não estou surpreso por seus movimentos agressivos, porque desde o minuto em que pus os olhos nela, ela tem feito nada além de transpirar autoconfiança. E não me interpretem mal, não há nada errado com uma mulher que quer chupar meu pau com urgência. Só não hoje à noite. Hoje à noite quero mostrar-lhe que ela não tem nada para me mostrar que já não tenha visto antes. Inúmeras mulheres caíram de joelhos e imploraram para fazer a garganta profunda em mim, todas com a esperança de que eu nunca vá olhar para outro pedaço de buceta novamente. Eu sei que Sela disse que não está olhando para


mim dessa maneira e que está realmente falando com um Sugar Daddy, mas não sei nada sobre ela, o que significa que não confio nela. Confiança não vem fácil para mim, porque as pessoas mais próximas a mim na vida têm feito nada, além de mentira. E vamos enfrentá-lo... confiança não vai ser formada hoje à noite. Assim, preciso imprimir sobre a verdade da minha posição. Ela não tem nada que preciso. A melhor maneira de mostrar a ela, é recusar-me a gratificação sexual imediata. Enquanto que seria porra de fenomenal tê-la me chupando, preciso que ela entenda e realmente acredite em mim quando digo que não precisa disso. A melhor maneira de fazer isso é me concentrar em seu prazer e não no meu. E isso nunca foi um sofrimento para mim, especialmente olhando para alguém tão bonita e deliciosa como Sela Halstead. "Vamos tirar você deste vestido, não é?" Eu passo até ela, trago minhas mãos em torno dela por trás e facilmente encontro o pequeno zíper nas costas. No minuto em que descompacto, o vestido cai para baixo em uma espuma de prata em torno de seus tornozelos. Eu levo-a pela mão e ajudo a sair dele. O corpo dela é incrível e eu tomo o meu tempo olhando para ele. Seios espetaculares, que são pesados com mamilos atrevidos que estão implorando para passar algum tempo entre os meus dentes. Elegante e tonificada, um estômago plano e quilômetros de pernas suaves. "Vire-se," murmuro.


Ela faz e a pequena tanga de renda branca é a escolha perfeita para ela usar, porque sua bunda é espetacular. Seus ombros são graciosos, com as costas arqueadas perfeitamente, enquanto derramam em engenhosos glúteos esculpidos, suas coxas, e panturrilhas cobertas de fita, são ridiculamente tonificadas. Esta menina faz algum sério planejamento de exercícios. Ela continua sua rotação lenta até que está de frente para mim novamente. Seu rosto está ligeiramente corado, mas seus olhos são um desafio. Minha mão vai para o nó da minha gravata e trabalho para soltá-la. Quando a puxo sobre a minha cabeça, digo com um aceno de cabeça em direção ao quarto "Vá me esperar na cama." Sela nem sequer discute, mostrando que entendeu, quando lhe disse que estava no comando. Ela se volta e sou agraciado por outra excelente vista de seu traseiro gostoso balançando, enquanto ela caminha para o quarto da suíte. Sigo atrás dela, trabalhando nos botões da minha camisa. Quando chego aos três primeiros botões desfeitos, simplesmente chego para baixo e levanto-a juntamente com a camiseta branca por baixo sobre a minha cabeça. Elas caem sobre o tapete. Quando Sela chega à cama, ela se inclina para o lado um pouco, seus dedos puxando a fita prata que está amarrada a partir do calcanhar de suas sandálias em torno de sua panturrilha inferior. "Não," digo a ela, e ela se endireita para me olhar por cima do ombro. "Deixeas. Elas são sexys pra caralho."


Ela balança a cabeça e dá uma dica de um sorriso, virando o rosto para mim. Deixei meus olhos deslizarem para baixo de seu corpo lentamente, bebendo a pura perfeição. "Você é impressionante," digo a ela com sinceridade, porque as palavras são boas preliminares também. Seus olhos diminuem um pouco, e percebo quão longos e grossos seus cílios são, quando tocam contra a delicada pele pálida logo abaixo. Acho interessante que um pouco de elogio e ela fica tímida. Estou apostando que essa mulher não teve um monte de homens em sua vida, lhe dizendo o quão requintada ela é. "Eu vou comer a sua buceta," digo a ela sem rodeios e sua cabeça se encaixa, com os olhos grandes e redondos com surpresa. "Portanto, tire sua calcinha fora e suba na cama." Ela hesita por um momento e vejo uma centelha de medo novamente, e tenho que saber, por que isso a assusta? Ela tem medo de perder o controle comigo? Deus, eu espero que sim, porra, porque assistir uma mulher como esta perdê-lo, vai ser quente como o inferno. Levantando o queixo, Sela empurra sua calcinha para baixo das pernas longas e sai fora delas. Ela vira e rasteja sobre a cama, enquanto aproveito a oportunidade para puxar um preservativo da minha carteira e me desfazer da minha calça e cueca. Eu comecei a ficar duro quando seu vestido caiu de seu corpo no outro quarto, mas porra... como fiquei ligado para ela agora ao vê-la deitada na cama com nada, além das sandálias de salto alto com fita de prata, meu pau vai fazer uma saudação completa por respeito a seu belo corpo.


Lanço o preservativo para baixo na cama e olho para ela. Ela segura o meu olhar e o único sinal de seu desconforto, é uma ligeira vermelhidão em suas bochechas. Isso faz com que ela fique bonita, mas com aqueles olhos azuis brilhantes e sardas... faz ela parecer impossivelmente jovem, fresca e ingênua. Isso me faz querer fazer um bocado de coisas sujas, então eu empurro seus limites. "Abra suas pernas, Sela," ordeno quando me ajoelho na cama. "Cave aqueles saltos agulha no colchão e espalhe-as amplas." Um som baixo de angústia desliza para fora de sua boca e não posso dizer se é porque isto é embaraçoso ou porque ela está em um certo ângulo, mas não é qualquer consequência realmente. Uma vez que a minha boca atingir esse buceta, ela não vai se importar, de uma forma ou de outra. Curvo-me, colocando a palma das minhas mãos para baixo no colchão logo abaixo sua bunda. Eu abaixo meu rosto e estudo a beleza dela diante de mim. Eu amo uma mulher que se depila com cera, corro um único dedo sobre a pele lisa e macia de seu monte. Um som estrangulado sai de Sela, mas não olho para ela. Em vez disso, abaixo minha cabeça e com a ponta da minha língua, gentilmente cutuco seu clitóris. No minuto em que entro em contato, Sela tira os quadris da cama e congelo quando ela diz: "Não faça isso."


Meus olhos levantam até encontrar os dela, e ela tem um selvagem olhar feroz enquanto olha para baixo de seu corpo para mim, seu peito arfante, levantado por seus cotovelos apoiados no colchão. Sua respiração é difícil e ela lambe os lábios. "Quero dizer... Eu não tenho certeza..." Mesmo que esteja confuso com isso, acho que entendo o que está acontecendo aqui. "Nenhum homem nunca fez isso antes?" Seu rosto fica agora vermelho beterraba e seus olhos abaixam. Sem um traço da mulher confiante que entrou nesta suíte comigo e ela se recusa a confirmar ou negar a minha teoria. Impossível, mas tenho certeza que isso é tudo novo para ela. Como que esta bela mulher chegou tão longe na vida sem um homem empanturrando-se até a morte entre suas pernas perfeitas? Coloco minha mão no peito de Sela e a empurro suavemente de volta para baixo na cama. Rastejo sobre seu corpo, pressionando meu peso para baixo nela. Meu pau se estabelece pesado contra sua vagina, mas não faço nada, simplesmente a beijo lentamente. Ela sacode com surpresa, mas sua boca se abre imediatamente para mim e suas mãos curvam em volta do meu pescoço. Deixei minha língua em espiral com a dela, prolongando o beijo, até que posso senti-la relaxar debaixo de mim. Quando puxo minha boca da dela, ela abre os olhos devagar e olha para mim com confusão.


"Sela," digo a ela, minha voz áspera com luxúria. "Eu juro que vai se sentir bem. Vai ser intenso e está tudo bem para você puxar meu cabelo, xingar ou gritar. Foda-se... por favor, grite e diga-me como bom para caralho estou fazendo você se sentir, ok?" Ela só pisca os olhos, quase maravilhada. "Confia em mim, Sela?" Ela nunca responde, mas levo a falta de recusa como uma luz verde. Deslizo de volta em seu corpo, não hesitando por um momento antes de colocar minha boca nela. Seus quadris revertem novamente e ela deixa escapar um gemido gutural. Enquanto faço o meu trabalho com a língua, lento, fazendo círculos em torno de seu clitóris, ela canta, "Porra, porra, porra." Isto me faz sorrir. Minha língua está direta contra seu clitóris, então eu franzo meus lábios e a chupo. As mãos de Sela vão para minha cabeça, os dedos mergulhando em meu cabelo. Ela puxa, numa tentativa de me remover e em seguida, com a mesma rapidez, empurra meu rosto para ela. Isso me diz que ela está em guerra consigo mesma. Ela gosta da forma como está se sentindo, mas está preocupada com a natureza suja de ter um homem perto e de seu lugar mais sagrado. E essa porra me excita como nada mais, e começo a mover minha língua mais rápido.


"Eu não posso," Sela geme enquanto gira seus quadris contra mim. "Eu não posso. Eu não posso." Sim, ela porra pode. Deslizo dois dedos dentro dela, enquanto chicoteio seu clitóris com a língua, trabalhando mais rápido e mais rápido. Eu posso dizer que ela está cavando aqueles saltos agulha no colchão duro, porque os quadris empurram todo o caminho para fora da cama. "Não, não, não, não," ela murmura para si mesma, mesmo quando ela segura meu rosto apertado para ela, com um aperto louco na minha cabeça. Completamente contraditório, suas palavras tem um significado, seu corpo outro. É desconcertante e fascinante para mim, isso me faz arder com a necessidade de fazer seu orgasmo. Eu puxo meus dedos de sua vagina, adiciono um terceiro e empurro-os de volta profundamente. Eu raspo meus dentes em seu clitóris, em seguida, coloco os meus lábios em torno dele e eu o chupo com a minha língua intermitente contra ela. "B-e-e-e-e-c-k," Sela grita em um suspiro longo e gagueja, quando seus quadris voltam ao largo da cama e sinto sua buceta reprimir meus dedos em um estrangulamento, enquanto ela começa a gozar. Ela ocupa essa posição por alguns momentos, enquanto posso sentir o prazer ondulando através dela e então ela cai de volta para o colchão. Eu olho para cima de seu corpo para ela, minha língua agora desenha padrões preguiçosos ao redor do seu clitóris. Eu fico longe do botão sensível da carne porque não acho que ela pode lidar com isso de novo tão brevemente. Sela levanta a cabeça e olha de volta para mim. Em confusão total.


Saciedade completa. Medo. Aceitação. A cabeça dela cai de volta para a cama e ela deixa escapar um suspiro trêmulo. Eu puxo meus dedos livre de seu corpo, pressionando um beijo suave no monte calvo de sua pélvis e faço meu caminho de volta para seu corpo. Eu seguro meu peso em cima dela, mesmo que meu pau esteja praticamente esforçando-se para empurrar-se dentro de seu calor apertado, molhado. Seu rosto se vira para o lado quando eu pairo sobre ela. Ela mastiga o lábio, consternada. "Sela," digo para chamar sua atenção. Ela vira aqueles olhos azuis no meu caminho e solta os lábios livres. "Essa foi a sua primeira vez?" Pergunto-lhe suavemente. Suas bochechas ficam vermelhas novamente e ela tenta virar o rosto. Minha mão sai, detendo-a. Eu curvo-me, dando uma escovada de meus lábios contra os dela, e digo: "Ei... não fique envergonhada. Eu amei fazer isso para você. Estou pensando em fazer novamente, antes da noite acabar." Ela ofega, os olhos ficam redondos, assim que eu coloco fora da forma mais honesta que posso. "Baby... sua buceta é assim tão doce, estou feliz que eu seja o primeiro a tomar uma mordida dela." Sela começa a tremer a cabeça de um lado para o outro com firmeza. Eu ergo uma sobrancelha para ela. "O que?"


"Você não foi o primeiro cara a... você sabe... beijar-me lá." Eu inclino minha cabeça, sem entender onde ela está indo com isso. Ela leva uma trêmula respiração, deixa-a lentamente e diz: "Essa foi a primeira vez que um homem me fez ter um orgasmo." Meu queixo empurra para dentro com surpresa, atordoado, e antes que meu cérebro possa até mesmo entender o que isso significa, juro por Deus que meu pau fica ainda maior e mais duro. Ele sabe o que significa. "Você nunca teve um orgasmo antes?" Pergunto incrédulo, e agora meu pau começa a bater com a necessidade de estar dentro dela. "Eu posso dar-me um," ela esclarece. "Você tem que estar me jogando merda," murmuro quando me empurro fora de seu corpo e chego para o lado para pegar o preservativo. Eu rasgo o envelope abrindo e enrolando em meu pau. Meu olhar vai de volta para ela e ela está me observando com cautela. "Que tipo de pessoa desprezível você esteve que não fez você saber como é sentir prazer?" Ela abre a boca, mas balanço minha cabeça. "Deixa pra lá. Não responda a isso. Provavelmente só vai me irritar." Lançando meu corpo e meu pau à direita da parte inferior da cama até que eu esteja revestido de borracha e ajoelhado no tapete, agarro as pernas de Sela e puxo-a para baixo até que sua bunda atinja a borda do colchão. "O que está fazendo?" ela suspira.


"Indo comê-la novamente... dar-lhe mais um orgasmo antes de te foder," digo a ela simplesmente, antes de trancar minha boca para baixo sobre ela novamente. "Não, não posso", ela grita, mas, novamente, suas mãos voltam para o meu cabelo e ela aperta meu rosto mais forte para ela. Oh, sim, você pode, porra, e me pergunto quantos posso dar a ela esta noite.


Capítulo 07 Sela

Eu estava absolutamente imóvel, contemplando meu próximo passo. O sol subiu cerca de vinte minutos atrás e eu estava totalmente acordada, entendendo que estava na cama do hotel de Beck North. Ele está de costas, um braço acima da cabeça no travesseiro, o outro descansando em seu estômago. Ele estava absolutamente lindo deitado ali, totalmente nu, quando as cobertas e lençóis foram chutados para o tapete horas atrás. Sua boca está ligeiramente aberta enquanto ele dorme, e me lembro em detalhes vívidos o que aqueles lábios fizeram comigo ontem à noite. Eu ergo minha cabeça e tenho um momento para o acesso irrestrito que tenho para olhar o seu corpo. As minhas experiências sexuais anteriores foram apressadas e, principalmente, com os olhos fechados. Lá era geralmente um monte desastrado entre beijos quentes antes de cair para a cama, então com a minha experiência em preliminares não havia um lote inteiro para ver. Depois disso, nunca olhei para o corpo do meu parceiro. Não tinha qualquer interesse, realmente, e sempre me cobria após o calor da paixão ser arrefecido. Mas Beck?


Estou totalmente morrendo de curiosidade, por isso dou uma conferida nele enquanto dorme. Seu corpo é perfeito. Ele é bem construído, mas não é excessivamente musculoso. Sua pele tem um bronzeado, uma cor dourada. Há um punhado de cabelo castanho escuro em seu peito e outra trilha que começa a partir de seu umbigo e viaja para baixo. Ele assume claramente o cuidado de si mesmo porque o cabelo em todo o pênis é cortado muito curto. Mesmo que suas mãos sejam grandes e masculinas, elas são bem cuidadas e seu cabelo parece amarrotado perfeitamente... como se fosse algum penteado, enquanto continuam sendo uma bagunça. Eu olho para o pau. Espero que tenha cansado da noite passada. Agora ele está suavemente aninhado entre as pernas, ainda bastante grosso e longo, mesmo em seu descanso. Eu sei exatamente o quão grosso e longo torna-se quando está inchado, com a capacidade que me fodeu nada menos que três vezes na noite passada, me entregando orgasmos como se fossem um caminhão de sorvete. Gentilmente, eu coloco minha cabeça para trás no travesseiro e considero isso. Um homem me deu um orgasmo. Orgasmos múltiplos. Com a boca, com os dedos. Uma vez, apenas com a batida de seu pênis dentro de mim. É como quando eu comecei, meu corpo estava se enchendo de ficar durante anos e anos de não ter gratificação sexual.


Isso primeiro... oh, Deus... isso assustou a merda fora de mim. Nunca soube que algo pudesse me fazer sentir que isso era bom. Claro, eu tinha me dado o ‘O’ antes, mas foi um tremor leve de prazer que trouxe um sorriso suave para o meu rosto. Quando Beck me fez gozar que pela primeira vez? Considerei como a força de uma explosão nuclear explodindo dentro de mim e desfiando-me de dentro para fora. Foi tão poderoso, que me deixou quase cega e surda por alguns momentos. Meu cérebro ainda estava tentando processar o que significava tudo aquilo, antes dele me puxar para o final da cama e colocar a boca em mim novamente. A segunda vez que ele me fez gozar, as lágrimas escorreram de meus olhos, não apenas a alegria de tal prazer perfeito, mas pelos anos desperdiçados que nunca senti uma coisa assim antes. Eu não tenho ideia do porquê isso aconteceu e porque ele foi o único a fazê-lo, mas claramente Beck North simplesmente não teve um problema em puxá-los de mim. Eu não tenho certeza se ele é mágico ou tão dedicado à causa, mas foi sem esforço da sua parte. Eu estou apostando que podia provavelmente só olhar para mim de uma certa maneira, e eu poderia explodir. Meus lábios curvam para cima em um sorriso, e pela primeira vez me pergunto se talvez não esteja completamente quebrada. Eu sei que estou fodida em cerca de um milhão de maneiras diferentes, mas talvez minha capacidade de apreciar verdadeiramente o sexo como algo prazeroso, estava apenas adormecida e não foi completamente tirada quando fui estuprada. Virando a cabeça no travesseiro, eu olho Beck. Não acho que qualquer um de nós esperava cair no sono, e estou quase apostando que ele não é do tipo que gosta


da conversa estranha na manhã seguinte. Se eu fosse uma amável, a mais delicada Sela Halstead, faria ao cara um favor e deslizaria para fora da cama em silêncio, em seguida, deslizaria ainda mais fora de sua vida. Mas eu não sou do tipo suave. Estou, no entanto, grata e quero agradecer a este homem pelo o que ele me ajudou a alcançar. Empurro para cima, direto para os meus joelhos, desço polegadas para baixo da cama. Não tenho nenhuma hesitação quando tomo seu pau amolecido na minha mão e aperto-o suavemente. No início, não recebo nenhuma reação, mas quando aperto novamente, ele começa a se expandir contra a palma da minha mão. Gentilmente começo a acariciá-lo, observando com fascinação quando ele alonga e as pequenas rugas da pele soltam e desaparecem, à medida que o sangue enche seu eixo. Eu nunca vi um homem ficar duro antes e é fascinante. "Sela," ouço Beck murmurar, e inclino minha cabeça para olhar para ele. Seus olhos estão fechados, mas há um sorriso em seu rosto. "O que você está fazendo?" Eu não lhe respondo. Simplesmente mostro a ele. Curvo-me e levo-o em minha boca, direto para a minha garganta. "Foda-se," Beck geme, e empurra os dedos de uma mão em meu cabelo e prende a parte de trás da minha cabeça. "Parece bom." Eu lamento meu entendimento e concordo contra ele, puxando para cima e para baixo em seu pau, com bochechas cavadas e uma língua rodando. Beck, por sua


vez, grunhe e ruge fora estrangulados sons do fundo de sua garganta. Seus dedos apertam meu cabelo, mas não é duro, apenas o suficiente para incentivar os meus movimentos. Eu sou implacável com ele, trazendo a minha mão livre para suas bolas, que gentilmente rolo entre meus dedos. Meu outro lado segue a minha boca para cima e para baixo em seu pênis, apertando-o de tal forma, que ele amaldiçoa e me pede para ir mais rápido. Então eu faço. "Fodaaaaa... Sela," murmura Beck quando ergue seus quadris para cima. Eu levo-o profundamente, o que o impressiona. "Foda-se, isso é bom." Para cima e para baixo, para cima e para baixo eu vou. Saboreando o gosto e a textura acetinada de sua pele contra a minha língua. Faço uma pausa no topo e raspo os dentes sobre a ponta antes de levá-lo no fundo novamente. "Oh, merda," ele geme e sua mão puxa meu cabelo. "Retire... Eu vou gozar." Engole. Tudo isso. Minha cabeça gira a partir da memória não desejada, quando chupo duro, deixando-o livre da minha boca com um pop e então o acaricio vigorosamente. Uma, duas, três... quatro vezes e ele começa a jorrar o sêmen sobre a minha mão e sobre o seu estômago. Eu continuo a acariciá-lo, enquanto assisto o prazer contorcer seu rosto e os músculos de seu pescoço contraírem com a força do seu


orgasmo. Eu acaricio-o suavemente quando ele começa a descer e, finalmente, ele sibila um longo suspiro de alívio. Seus olhos estão abertos e ele olha para mim. "Isso foi incrível." Dou-lhe um sorriso enquanto limpo minha mão no lençol ao lado de seu quadril. Dando de ombros, simplesmente digo "Eu queria fazer algo de bom para você." As sobrancelhas de Beck sulcam para dentro quando ele contempla o retorno de um favor. "Você gostou de fazer isso da mesma maneira que eu gostei de ter a minha boca entre suas pernas na noite passada?" Recuso-me a corar e mantenho seus olhos. "Sim. Muito." E essa é a verdade. Até o final, quando o passado e o presente começaram a diluir-se, o que gostei mais sobre essa experiência foi em ouvir Beck fazer todos aqueles sons sensuais. Sabendo que eu era responsável por tanto prazer, foi um tesão em si. "Então não é um retorno de um favor," diz Beck. "O que, não é?" Eu pergunto, agora perdida na conversa. "Você disse que estava me fazendo um favor. Isso teria ferido o meu ego muito mau se você só tivesse feito isso como um gesto de retorno." Concordo com a cabeça em entendimento. "Entendi, eu fiz isso porque queria mostrar a minha apreciação, mas também queria muito fazer isso para você."


Nem um de nós mencionou o fato de que não engoli e me pergunto o quão importante isso é para ele. Não é algo que eu tenha feito por homens, tendo a minha primeira experiência forçada em cima de mim, mas por alguma razão, acho que faria com Beck. Se ele não tivesse me puxado para fora, estava tão perdida na experiência, que poderia ter engolido, e tenho certeza que não teria ficado agitada sobre isso. "Ouça," Beck diz enquanto se senta, inclinando o seu peso em uma mão plantada no colchão. "Estou indo tomar um banho." E, aqui está. Um passa fora. Ele pode não ter me chutado na noite passada após a última rodada, mas suspeito que seja porque ele estava muito cansado. Mas agora Beck está reiterando o ponto que ele fez para mim na noite passada e que prontamente concordei. Este era um caso de uma noite e nada mais viria dele. Começo a rolar para fora da cama, com a intenção de encontrar minha bolsa e minhas roupas, quando ele me para. "Quer se juntar a mim?" Olhando por cima do meu ombro para ele, levanto uma sobrancelha. "No banho?" "Bem, sim," diz ele com um sorriso. "Vamos tomar banho, vamos transar... então vou levá-la para tomar o café da manhã."


Eu pisco para ele lentamente, perguntando o que diabos está acontecendo aqui. Ele está olhando para mim como se não quisesse me deixar ir. E pela primeira vez desde que deixei a festa com Beck na noite passada, tenho um ataque de consciência. Pelo que tenho lido e observado até agora, ele é aparentemente um cara bom e aqui estou eu, usando-o. Ele me deu um prazer incrível na noite passada, me fez sentir semi-normal como uma mulher e, aparentemente, quer me levar para fora para panquecas. Isso não foi computado. "Hum... eu preciso verificar as mensagens no meu celular, mas vou estar lá em um momento," digo a ele, precisando de alguns minutos para me recompor. Tenho muitas emoções rodando, competindo pela supremacia. Tenho que colocar minha cabeça para trás em linha reta e me lembrar do por quê no inferno que estou aqui. Me afasto de Beck e balanço as pernas para fora da cama. Nem estou autoconsciente da minha nudez, apenas caminho para fora do quarto e entro na sala principal da suíte. Beck chama depois por mim: "Você pode me pegar uma garrafa de água da geladeira?" "Claro," digo sobre meu ombro e posso ouvi-lo ligar o chuveiro. Caminho até o frigobar, que é parte de um armário de bebidas embutido, e puxo uma garrafa de água. O que diabos eu devo fazer? Beck North não estava no meu radar ontem. Agora passei uma noite inacreditável com ele, e ele ainda tem evidente interesse em mim. Embora não me atreva, penso que ele vai entrar em um sugarship comigo, definitivamente espero não ser expulsa a pontapés para a rua agora.


Eu só tenho que descobrir como jogar isto. Sair por aquela porta agora e estar feita com isso? Configurar alguma outra forma de chegar a JT, o que levará mais tempo, no entanto? Ou tento ligar Beck ainda mais, atraí-lo mais perto em minha rede e usá-lo para chegar perto o suficiente para atacar? Não tenho nenhuma garantia de que vai funcionar. Quer dizer, pelo que sei, ele vai me foder de novo, me comprar café da manhã e depois cortar-me para sempre. Meus dedos mexem com o rótulo da garrafa em minhas mãos, contemplando qual rota devo tomar. Qualquer uma das duas ainda vai me colocar em um caminho para a minha meta. Uma será mais fácil, entretanto. Vou sacrificar alguns dos poucos princípios que não me deixariam usar Beck dessa maneira. Com a vantagem de passar mais tempo com Beck. Um pouco mais de tempo com um homem que me fez sentir como uma verdadeira mulher... totalmente sem danos e cheia de potencial. Esse é um benefício que nunca teria esperado, e estou com um pouco de vergonha que esteja mesmo considerando como algo importante. Mas foda-se... gosto de como ele me fez sentir na noite passada. Decisão tomada, ignoro minha pilha de roupas no chão e volto para o quarto. Coloco a garrafa de água na borda do colchão e caminho em silêncio em direção ao banheiro. A nuvem de vapor sopra para fora da porta, e no espelho sobre a penteadeira grande, posso ver a forma nua de Beck quando inclina a cabeça para trás sob o jato da água enquanto uma de suas mãos esfrega uma barra de sabão sobre o peito. Em


seguida, para baixo em seu estômago e depois entre suas pernas, onde ele desliza-o em torno da base de seu pênis, sobre suas bolas, e de volta a seu estômago novamente. Deus, isso é tão quente. Então ele se vira e percebo que vou começar a olhar para o seu pau, algo que não tive o prazer ainda. No minuto que ele se vira, fico com apenas uma olhada daquelas bolas duplas apertadas, mais pálidas do que o resto de sua pele bronzeada, mas então minha respiração pega quando olho para suas costas. Minha mão se estende, agarra no batente da porta para manter o equilíbrio e olho para Beck com os olhos apertados. Em seu ombro direito com mais ou menos cinco polegadas, uma tatuagem. A Phoenix Vermelha que toma o voo com asas e cauda de fogo. Oh santa foda. Pássaro vermelho em uma caixa torácica. Pássaro vermelho em um pulso. Pássaro vermelho em um ombro. Os pássaros vermelhos em toda maldita parte, fechando em mim. Uma onda de terror misturada com adrenalina dá um soco no meu estômago e faço um movimento giratório no vão da porta, tropeçando, mas me equilibro antes que atravesse o quarto e saia para a sala de estar. Eu rapidamente coloco meu vestido, abandonando minha tanga e saltos que estão no quarto. Não posso nem


imaginar como ridícula vou parecer pelo lobby para chamar um táxi no início de novembro sem sapatos, mas não posso dar a isso outro pensamento. Eu tenho que dar o fora daqui. Com o coração batendo tão forte que posso ouvi-lo em meus ouvidos, pego minha bolsa da mesa perto da porta da frente da suíte onde havia deixado na noite passada e saio, tranquilamente fechando a porta atrás de mim. Eu não tenho ideia do que significa a tatuagem da Phoenix, mas uma coisa sei: Agora, isso assusta a merda fora de mim.


Capítulo 08 Beck

Desligo o telefone com o meu advogado e inclino para trás em minha cadeira. Sua notícia não é boa, mas também não é inesperada. Não posso forçar uma compra com JT, a menos que ele basicamente faça algo ilegal a respeito do negócio. E não... cheirar cocaína em seu escritório não conta. A linguagem é clara, e isso significa atos criminosos relacionados especificamente com as operações da empresa e que são prejudiciais ao referido negócio. Mas, tanto quanto estou incomodado com o comportamento de JT ao longo dos últimos meses, e faz me extremamente preocupado, certamente não quero descobrir que ele fez algo ilegal. Isso só coloca muita responsabilidade e risco em mim, e prefiro não enfrentar uma investigação criminal em potencial, provocada por um imbecil e descontrolado parceiro. Certo! Eu preciso de qualquer droga ou quebrar livre. A escolha é fácil agora... vou ter que o chupar e apenas montar o seu pau para ficar focado. Com nós nos preparando para lançar a nova plataforma Web que está em desenvolvimento, isto poderia significar um aumento de 40% na receita e virtualmente nenhum aumento da sobrecarga, o que significa um enorme pedaço de mudança. Não possuo os direitos de propriedade sobre a Codificação, de acordo com o meu advogado, e se eu sair agora, estaria perdendo todos os ganhos quando fosse lançada no próximo ano.


Então, vou segurar firme e manter um olhar atento sobre o meu parceiro. Tenho que dizer, enquanto as notícias de meu advogado não eram boas, foi um alívio bem-vindo a multiplicidade de pensamentos insanos que foram passando pela minha cabeça durante todo o dia sobre minha amável e aparentemente nervosa companheira da noite de anteontem. Estava no chuveiro na manhã seguinte, ensaboando-me, pensando na maneira como ela trabalhou meu pau com a boca. Fiquei duro novamente e gritei para ela se apressar. Não tive nenhuma resposta. Então chamei novamente. Nada ainda. A curiosidade levou o melhor de mim, então desliguei a água e sai do chuveiro. Com uma toalha em volta da minha cintura, andei pela suíte três vezes, antes que estivesse convencido que ela realmente tinha me deixado. Não fazia sentido, especialmente porque ela deixou os sapatos e a calcinha. A calcinha eu poderia entender, mas deixar para trás os sapatos no início de novembro? De jeito nenhum. Então ela saiu com pressa e tenho que saber o que a levou a fazer isso. Não posso acreditar que a perspectiva de um chuveiro comigo e um café seria assustador. A menos que…


A menos que ela estivesse totalmente séria sobre a obtenção do próximo Sugar Daddy em Santa Clara. Talvez ela realmente quisesse apenas um caso de uma noite e tinha os olhos postos em outros lugares. E não que esse cara seja uma captura melhor do que eu, mas considerando que eu disse a ela de forma inequívoca que não tinha relacionamentos e nem sequer me preocupava fantasiando sobre isso, talvez seja exatamente por isso que ela jorrou para fora do hotel sem sequer um adeus. Honestamente, pensei que o Sugar Daddy de Santa Clara fosse um monte de besteira que ela jogou em mim para cobrir o fato de que ela realmente estava farejando minha potencial sugarship. Mas agora não tenho tanta certeza. O que complica ainda mais as coisas, é o fato de que lhe dei o primeiro orgasmo que ela já teve com um homem. Eu não posso nem começar a descrever o que senti, sabendo que fui responsável por conferir isso a ela e, em seguida, estar completamente perplexo em como uma mulher tão bonita, ficou tanto tempo sem encontrar um homem que desse a ela um prazer real.

As experiências de seu

passado devem ter sido horríveis e só de pensar que na noite passada, me enviou em um frenesi sem mente para fazê-la vir uma e outra vez. Sela chamou meu nome muitas vezes e ainda me amaldiçoou quando disse que não podia me dar mais um. Eu, então, provei que ela estava errada e aceitei mais dois dela. Foi a noite mais quente da minha vida, mostrando para a mulher bonita todas as alegrias de alguns realmente fantásticos orgasmos. E fiquei puramente baunilha com ela também, e isso me faz duro só de pensar sobre algumas das maneiras que eu poderia fazê-la gritar. Porra.


Eu tenho que parar de pensar nela. Acabou. Feito. Ela saiu. Não há uma forma de encontrá-la. Exceto... isso não é verdade. Eu criei o site Sugar Bowl, porra. Se ela é uma Sugar Baby, com apenas algumas teclas posso acessar o banco de dados e ter sua casa localizada em momentos. Tamborilando os dedos na minha mesa, olho para tela do meu computador e reflito sobre os méritos de fazer uma coisa dessas. Quer dizer, qual seria o propósito? Apenas para transar com ela mais uma vez? O que realmente soa como uma razão fantástica. Balançando para frente no meu lugar, pego o meu teclado e puxo-o para mim. Navego meu caminho para o banco de dados interno de Sugar Babies, a partir deste mês, totalizando mais de 1,6 milhões de registradas em todo o mundo. Isso não é nada em comparação com os quase cinco milhões de Sugar Daddies registrados, que pagam um plano de mil dólares para se juntar, que é auto renovado a cada ano. Faça a matemática... você pode descobrir o que isso significa. Enquanto o nosso dinheiro vem dos Daddies, os nossos esforços de marketing atuais visam atrair mais Babies. Quanto maior for a nossa piscina de Babies, mais Daddies irão aderir.


Eu digito Sela Halstead e estou surpreso quando, na verdade, três mulheres aparecem com esse nome. Imediatamente descarto duas delas, porque elas residem no Texas e na Georgia. A terceira Sela Halstead tem um endereço em Oakland, então escolher esse perfil. Sou imediatamente recompensado quando uma foto dela aparece na minha tela. Sim, essa é a mulher linda que eu comi com meu pau na outra noite, mas a imagem não faz justiça a ela. Meus olhos digitalizam seus dados pessoais, dos quais não existe muito. Ela tem vinte e seis anos e não acho que seja surpreendente. Seu rosto é definitivamente mais jovem com as sardas e olhos grandes e inocentes, mas há uma sabedoria lá dentro de sua profundidade, que me diz que ela tem mais alguns anos sob o cinto de sua média Baby. Está inscrita na Golden Gate University e aluga um pequeno apartamento em Oakland. Parece que ela trabalha em tempo parcial em um restaurante para ajudar a financiar suas mensalidades. Sem antecedentes criminais. Nem mesmo um bilhete de excesso de velocidade. Ela é a Sugar Baby clássica. Eu olho para o botão de comunicação e considero espionar ainda mais. O botão comm me conduzirá para as mensagens criptografadas que as Babies e os Daddies usam para se comunicar. Eu não estou fazendo nada ilegal, já que os nossos termos de serviço incluem a concordância de todos os membros que temos permissão para monitorar as atividades, garantindo que nenhuma atividade fraudulenta ou criminal esteja sendo realizadas. Mas realmente quero saber o quanto entrincheirada em um potencial sugarship ela está mergulhada? Ou devo apenas fechar a tela e malditamente voltar ao trabalho?


Imagens das costas de Sela arqueadas para fora da cama e os músculos de sua vagina apertando para baixo forte em meus dedos na primeira vez que ela gozou, piscam através do meu cérebro e clico no botão sem hesitação de um outro momento. Digitalizando através das mensagens, posso ver que vários Daddies potenciais têm estendido a mão para ela. Ela respondeu a alguns, mas nada mais do que um declínio educado de que ela não está interessada. E então vejo uma longa história de intercâmbios de namoro de quase duas semanas atrás com um homem em Santa Clara, Califórnia. Frank Webert. E foda... ridículo nome à parte, ele é praticamente um bom partido perfeito para ela. Ele está no lado mais jovem, aos quarenta e dois anos de idade, razoavelmente em forma e atraente e fez o seu dinheiro com robótica. Isso significa que ele é super - fodidamente - podre de rico. Eu leio as mensagens e ele vem forte com Sela. Embora não exista uma evidente solicitação ou pedido de sexo, há insinuações suficientes em suas mensagens para ela, que ele espera isso. Suas respostas são vagas, mas promissoras, e ela estava de acordo para se encontrar com ele neste próximo fim de semana. Minha aposta é que ele vai ter um acordo assinado com ela no domingo. Penso em como isso me faz sentir. Eu me pergunto se ele pode fazê-la gozar da maneira que eu fiz.


Eu me pergunto se ela vai chupar o pau dele como... levantando da minha cadeira, pego minhas chaves e telefone da mesa. Olho para sua casa mais uma vez para memorizá-la, antes de fazer logoff em meu computador. Eu saio do escritório e digo a Linda, de passagem "Eu vou sair pelo resto do dia. Vou retornar as chamadas amanhã." "Não há problema," diz ela com um sorriso afetuoso. "Precisa de mim para fazer algo enquanto você se vai?" Eu paro e olho para trás para ela, perguntando se estou ficando temporariamente insano. "Sim... de fato... imprima um acordo de Sugar em branco." Linda pisca para mim com surpresa, momentaneamente atordoada. Eu levanto minhas sobrancelhas e aponto meu queixo em direção à impressora que está no canto da mesa. Ela imediatamente salta para isso, bate com os dedos no teclado dela algumas vezes e depois a impressora cospe o documento. Ela puxa-o, grampeia duas páginas juntas e estica as mãos para mim com os olhos arregalados. "Então, você vai assinar isso?" "Eu não tenho ideia do que malditamente estou fazendo," murmuro enquanto ando pelo corredor em direção a porta principal.

_____


Verifico meu relógio pela vigésima vez e olho para baixo na décima nona rua. E nem sinal de Sela ainda. Estou estacionado em frente a seu apartamento em Oakland, na esquina da décima segunda e décima nona, não tinha certeza de que direção ela estaria vindo. Eu estou tendo um palpite de que ela está usando o BART7 para ir e voltar da escola, por isso espero vê-la andando na décima nona vindo da estação de trem. É tudo suposição e por tudo que sei, ela não tem um carro. Isso é um pedaço de mudança para pagar o gás e estacionamento ao longo da Golden Gate, e se ela está no mercado para um Sugar Daddy, estou supondo que ela é uma menina BART. Já são mais ou menos cinco horas e está começando a ficar escuro, estou pronto para dar fim para o dia. Estive sentado no meu carro por quase duas horas e minha bunda está insensível. Eu também estou morrendo de fome, porque não tinha comido desde o café. Sempre posso tentar novamente amanhã. Ou para o inferno, talvez devesse apenas ligar para ela. Tenho seu número de telefone a partir do banco de dados. Assim quando a minha mão alcança a ignição, vejo Sela vindo direto na minha direção. A calçada não estava muito cheia, apesar de existirem várias pessoas que andam em ambas as direções, mas independentemente... eu a reconheço imediatamente. Passei tanto tempo tocando e lambendo aquele corpo, que o reconheceria em qualquer lugar.

7

Abreviação de Bay Area Rapid Transit, é um sistema público de transporte rápido que serve parte da área da baía de São Francisco, na Califórnia.


Ela está vestida muito diferente de seu vestido sexy da noite passada. Hoje ela está em jeans desbotado, que são rasgados em um joelho, tênis preto Converse e uma camisa Raiders desbotada, para afastar o frio. Seu cabelo está puxado para trás em um rabo de cavalo e ela tem uma mochila de aparência pesada pendurada no ombro direito enquanto faz uma caminhada lenta e penosa em direção a seu prédio. Pulo fora do meu carro e o bloqueio, esperando que ele vá manter-se seguro o suficiente neste bairro. Enquanto não é o pior, certamente não é o melhor e ouvi que Audis são carros populares para roubar. Indo em direção a porta da frente do edifício, alongo meu passo e chego lá cerca de um segundo antes que ela o faça. Pego a porta, abro e sua cabeça levanta-se enquanto diz "Obrigada." Seus olhos ficam grandes com surpresa preocupada e ela dá um passo atrás de mim. "O que você está fazendo aqui?" Minha mão atira para fora e puxa a mochila de seu ombro, e porra... isso é pesado. "Vim para vê-la. Você saiu sem dizer adeus." "Não havia qualquer necessidade," diz ela suavemente. "Foi um caso de uma noite, certo?" "É isso mesmo," digo com um sorriso agradável. "Mas tenho que dizer, você me deixou preocupado quando saiu, sem sequer se preocupar em pegar os seus sapatos. Isso me diz que estava com pressa, e quero saber por que."


Por um momento, acho que ela poderia me dizer para ir para o inferno, mas seus ombros caem. Com um pequeno suspiro, ela passa por mim e entra em seu prĂŠdio e diz por cima do ombro "Poderia muito bem vir para cima e nĂłs podemos falar sobre isso." Agora eu que me surpreendi. Percebi que tenho um pouco mais de uma luta em minhas mĂŁos, mas graciosamente aceito a oferta e a sigo para dentro.


Capítulo 09 Sela

Sim. Sem dúvida... a Phoenix vermelha na parte de trás do ombro de Beck me assustou quando vi pela primeira vez. Era quase um tapa na cara depois do que tínhamos compartilhado apenas horas antes. Depois do que ele ordenou o meu corpo para fazer. Então corri sem minha calcinha ou sapatos, por sorte peguei um táxi que estava esperando em frente ao átrio do hotel e não tinha um motorista intrometido me perguntando onde estavam meus sapatos. Joguei e virei a noite toda, mas pelo tempo que o sol se levantou, acho que tinha fundamentado fora alguma aceitação na minha cabeça. Em primeiro lugar, não tinha ideia do que significa a porra da tatuagem. Tão sinistro quanto os violadores eram, primeiro pensei que poderia ser um símbolo de alguma seita entre fodedores doentes que gostavam de estuprar juntos. Eu pesquisei implacavelmente a seis meses atrás, quando vi JT pela primeira vez na TV e percebi que a tatuagem era muito real e não apenas uma invenção de pesadelo da minha imaginação. Pesquisei completamente e não veio para cima como uma coisa de maldição. Seja qual for a razão por trás dessa tatuagem, não era divulgado de forma alguma.


Em segundo lugar, tenho que considerar que a tatuagem pode ser algo tão inócuo como uma coisa de fraternidade. Na verdade, essa é a resposta mais óbvia, e uma vez que Beck e JT foram para a mesma faculdade e eram amigos, mesmo antes disso, é lógico que talvez eles estivessem em uma fraternidade juntos. Ou merda... talvez eles estavam em algum tipo de equipe de esportes mistos que tinha tatuagens correspondentes. Quem sabe por que caras fazem coisas estúpidas como essa? Em terceiro lugar e provavelmente mais importante, o que eu tinha fundamentado para fora, era que só porque Beck tinha uma tatuagem que combinava como a do meu estuprador, não significava que ele era por associação um estuprador. Eu não tenho absolutamente nenhuma lembrança dele estar lá naquela noite, embora seja a primeira a admitir que o Rohypnol que me foi dado tem fodido com as minhas memórias. Estou confiando em nada mais do que um instinto interno profundo sobre isso. Eu simplesmente não entendo essa vibe de Beck. Claro, poderia estar muito errada sobre isso. Eu poderia ter juízo mijo-pobre, e talvez esteja ainda andando em alta com os orgasmos intermináveis de antes de ontem à noite, mas só não acho que ele tem algo de escuro nele. Ele parece ser um cara decente, embora questione sua escolha do parceiro de negócios que é o mal encarnado. Independentemente disso, pelo tempo que eu saí da cama esta manhã, descobri que tinha cometido um erro crucial ao deixar Beck no chuveiro. Foi uma oportunidade perdida de minha parte para tentar manter o seu interesse em mim. Ele era minha melhor chance de ficar perto de Townsend e em uma explosão de pânico emocional, fiquei confusa e fugi, o que significava que teria que começar tudo outra vez no meu planejamento.


Mas agora, Beck está aqui e tenho uma segunda chance para agarrar a oportunidade. Ele me segue para meu pequeno apartamento, carregando minha mochila para mim como um cavalheiro. Quer dizer, o simples fato dele olhar para minhas informações e vir aqui porque ele estava preocupado, parece dar crédito ao meu instinto de que ele é um cara decente. Claro que, se ele é, então sou uma cadela suprema por querer usá-lo para a minha própria vingança, mas nunca aleguei ser uma santa. Eu, no entanto, tenho que ter cuidado aqui, porque não posso deixar que meus sentimentos pessoais de afinidade por ele, impeçam meu caminho. Tenho muita raiva investida em meu plano para retribuição, e se não ver isso, tenho medo que o fracasso vai me destruir. "Quer algo para beber?" Pergunto-lhe quando entro na cozinha. Abro a geladeira e faço uma leitura rápida. "Eu tenho cerveja ou leite, que provavelmente está estragado. A água da torneira é decente, entretanto." "Eu estou bem," diz ele, para que feche a porta e vire o rosto para ele. Deus, ele parece ser bom. Ele está vestido casualmente em um par de jeans escuros, sapatos marrons e uma camisa xadrez azul de botão. O estilo de seu cabelo, é claro, no modo GQ completo, e apenas uma sugestão de restolho de barba que sugere que ele não raspou esta manhã. "Então, por que você correu?" Ele me pergunta sem rodeios, o seu plácido rosto exibindo apenas uma pitada de preocupação. Tenho a sensação de que este homem é muito bom em controlar suas emoções.


Eu certamente não posso dizer, bem, sua tatuagem vermelha me assustou e pensei por um breve momento que você poderia ser um estuprador. Mas penso rápido e vou com uma resposta que tem uma pequena pitada de verdade. "Eu fiquei um pouco sobrecarregada por tudo o que aconteceu entre nós. Foi... hum... intenso. Entrei em pânico, eu acho." Beck inclina a cabeça e as sobrancelhas se juntam para dentro, como se isso não estivesse bem com ele. Ele dá um passo em direção a mim pelo linóleo desbotado, tira uma mão e dobra as pontas dos dedos no cós da minha calça. Com um pequeno puxão, ele me puxa para a frente, então estou apenas a um pé longe dele. Sua voz é baixa e rouca... tremendo de indução. "Você quer dizer que te dei o seu primeiro orgasmo vindo de um homem?" "E os múltiplos também," sussurrei de volta, sentindo-me hipnotizada pela intensidade de seu olhar fixo. "Você não deveria ter corrido. Eu tinha mais para lhe dar." Ele puxa novamente pela minha cintura e encosto nele o suficiente para que meus seios escovem contra seu peito. "Meu mal," digo, com uma onda de decepção passando através de mim, de que nunca poderia ter aquilo novamente. Beck olha para mim e tenho a sensação de que ele quer me beijar, mas não posso ter certeza. Eu nunca fui esclarecida ou em sintonia com noções de romance e sedução. Se querem me foder, eles geralmente apenas me dizem o que querem.


Com a mão livre, Beck puxa algo de seu bolso, então ele está elevando-o entre nossos corpos, fazendo-me dar um passo para atrás. Seus dedos ficam depositados no meu cós, então não vou longe. Ele acena um documento na minha frente que está grampeado e dobrado ao meio no sentido do comprimento. Meus olhos vão do papel para ele. "O que é isso?" "Um acordo da Sugar," diz. Um rubor de excitação faz com que minha pele formigue, mas ainda não tenho certeza do que ele quer dizer. "Para quem?" "Você e eu," diz sombriamente e, possivelmente, até mesmo com uma ligeira careta. Ele claramente não quer fazer isso, e ainda... aqui está ele oferecendo isso. Eu passo para trás, tirando sua mão do meu jeans e cruzando meus braços. Com um olhar cético no meu rosto, declaro, "Você não é um Sugar Daddy." "Isso é verdade." "E você me disse inequivocamente que não quer dedicar seu tempo ou recursos para apenas uma mulher." "Também é verdade." "Então por que você está aqui no meu apartamento com um acordo?" pergunto, exasperada.


"Porque você precisa de um Sugar Daddy para financiar seus estudos e estou me sentindo generoso," diz maliciosamente, e sei que não tem nada a ver com o porquê de ele estar aqui de pé. "Eu tenho alguém que já está interessado nisso. Na verdade, pretendo selar o acordo neste fim de semana," me oponho. Eu realmente não tenho qualquer intenção de assinar um acordo com o muito rico e ligeiramente insistente Frank Webert. Essa conversa foi iniciada apenas para manter o meu disfarce como uma ingênua Sugar Baby à espreita... nada mais. E pelo olhar apertado no rosto de Beck, estou supondo que ele não gosta disso. "Eu posso dar-lhe algo que ele não pode," Beck diz confiante enquanto coloca o acordo sobre minha mesa da cozinha. "Oh, sim... o que é isso?" pergunto quase sem fôlego, mas sei muito bem o que ele pode me dar. Beck passa para trás em mim, me empurra contra a minha geladeira e puxa meu jeans, abrindo com os dedos eficientes e praticados. Eu suspiro enquanto sua mão desliza para baixo minha calcinha e seus dedos arrastam contra mim lentamente. "Que tal se eu te mostrar," ele murmura, num tom quase provocante. Mas não me importo. Estou imediatamente desesperada.


Posso dizer pelo deslizar fácil dele contra mim, que estou toda molhada. Estou pensando em que ponto isso ocorreu. Quando ele me disse que pode me dar algo que nenhum outro homem podia? Quando ele me mostrou o acordo? Inferno... provavelmente quando ele abriu a porta para mim lá embaixo. Independentemente disso, o meu corpo reage à Beck de uma forma que é totalmente contrário a todo o meu ser. Desde aquela noite, quando minha inocência e parte da minha sanidade foi tomada, nunca deixei e ninguém conseguiu fazer o caminho que Beck fez. Eu sempre fui capaz de manter a emoção separada do sexo, mas por alguma razão, meu corpo simplesmente não quer se comportar quando ele está em estreita proximidade. As pontas dos dedos de Beck fazem círculos lentamente em volta do meu clitóris e ele coloca a mão no refrigerador ao lado da minha cabeça. Inclinando a sua própria, ele pressiona os lábios na minha mandíbula e sussurra em meu ouvido "Quão rápido você vai vir para mim, Sela?" Eu lamento em resposta, meu sangue faz uma corrida e meu coração está prestes a saltar para fora do meu peito. "Estou apostando que muito rápido," diz ele com uma risada rouca. "Basta olhar para a forma como os seus quadris estão se movendo... tentando montar meu dedo." Não tenho de olhar. Não consigo me conter.


A pressão aumenta, há um revelador aperto na minha parte inferior das costas, causando câimbra de prazer entre as minhas pernas, então Beck pressiona para baixo no meu clitóris e explodo. Meu corpo empurra para fora da geladeira, pressionando-o com força, enquanto minha cabeça cai para trás. Um longo gemido sai livre da minha garganta e percebo que meus dedos estão cravados profundamente em seus bíceps. Nem mesmo tenho certeza de quando isso aconteceu, mas tento flexionar conscientemente os meus dedos para soltá-los. Quando abro os olhos turvos, vejo-o olhando para mim em triunfo. Ele puxa as mãos de minhas calças, enfia o dedo na boca e suga-o com prazer. "Delicioso," ele diz com um brilho nos olhos. "Porra, você é realmente bom," digo quando chupo oxigênio de volta em meus pulmões. "Então assine o acordo," diz ele com indiferença. "Eu vou fazer isso com você com muita frequência." "E o que está nele para você?" Pergunto desconfiada, porque não posso acreditar que ele foi de solteiro inflexível, a oferecer um compromisso. E sim... um sugarship é um compromisso... pelo menos monetariamente. Beck caminha para longe de mim e aproveito a oportunidade para fechar meu jeans. Ele se vira, pega o acordo e estende as mãos para mim. "Estou fascinado por você," me diz sem rodeios. "Há uma inocência sobre você. O fato de que posso darlhe algo que nenhum outro homem deu... bem, vamos apenas dizer que faz coisas boas para o meu ego." "Esta é uma viagem de ego para você?" pergunto, atônita.


"Em parte," diz ele, sem um pingo de vergonha. "E em parte porque me sinto atraído por você em um nível que não tinha experimentado anteriormente. Isso diz alguma coisa, certo?" "E além de orgasmos, o que ganho?" Ele acena o documento para mim e pego. Desdobro-o, folheando a linguagem padrão e viro para a segunda página onde está digitado:

O Sugar Daddy concorda em:

E escrito em tinta azul, em um rabisco bagunçado que eu assumo ser o roteiro de Beck:

‘Pagar pelo mestrado de Sela Halstead na Universidade de Golden Gate, que inclui, mas não está limitado a aulas, livros e invólucro, bem como uma bolsa para cobrir os salários que ela iria ganhar em qualquer emprego que ocupa atualmente. O Sugar Daddy também irá pagar todos os empréstimos escolares existentes, tanto de graduação e pós-graduação, retirados por Sela Halstead até à data.’

Minha cabeça se encaixa e minha boca trava aberta. "Você está pagando pela minha educação inteira?"


Ele encolhe os ombros e enfia as mãos nos bolsos. "É o que pagaria por um período de férias para mim mesmo. Nada demais." ‘Nada demais’ minha bunda, e ele também está cheio de merda quando diz que iria pagar muito para umas férias para si mesmo. Beckett North não é chamativo assim. Ter minha educação paga, sempre foi uma consideração quando decidi me tornar uma Sugar Baby para perseguir Townsend, o simples pensamento de ter a dívida fora de mim quase me faz a cabeça leve. É quase demasiado bom para ser verdade. Meus olhos estreitam no acordo. "E o que tenho que fazer?" Mas ele não responde, em vez disso, me deixa ler o próximo parágrafo descrevendo minhas obrigações. Mais uma vez, em sua caligrafia, vou concordar com:

‘Mudar-se para a casa de Beck North por um período de um mês. Sair de todos os postos de trabalho que esteja atualmente empregada. Fora de conflitos escolares, participar de toda e qualquer funções com Beck North e vestuário apropriado será fornecido.’

E é isso. Nada mais. Requisitos curtos e simples escritos à mão por Beck.


Minha cabeça levanta devagar e estou quase desapontada quando digo "Você quer que more em sua casa por um mês e ser apenas seu encontro para várias funções?" Beck dá uma risada sombria, puxa uma caneta do bolso da camisa e estica as mãos para mim. "Não, Sela. Espero que você esteja também na minha cama a cada noite, que é por isso que não quero que você trabalhe em algum restaurante, e que você vai me deixar te foder de qualquer maneira que queira. Mas é claro, isso não pode ser colocado no acordo." Meus joelhos quase cedem. Apenas como ele disse que quer que eu o deixe me foder de qualquer maneira, é quase ameaçador, e para alguém com meus problemas, um pouco assustador. No entanto, meus joelhos quase cedem, principalmente, a partir da perspectiva do imenso prazer que acho que virá com isso. Fico olhando para ele por um momento e meus olhos viram para a caneta que ele está segurando. Não hesito antes de pegar dele. Dirijo-me, espalhando o documento no balcão e apressadamente rabisco o meu nome na parte inferior. Beck pega a caneta, acrescenta o seu nome sob o meu, e o negócio está selado. Levanto meu rosto, querendo saber se ele vai adicionar um beijo para o acordo, mas em vez disso encontro-o olhando para mim com determinação. "Sela, é apenas por um mês. Nada a longo prazo." "Eu entendo," digo, e acho que deve ser mais do que tempo suficiente para descobrir o plano mais seguro para ir atrás de Townsend.


Finalmente, ele me dá um sorriso e se inclina, roçando seus lábios contra os meus. "Então vamos começar embalando suas coisas. Você está se mudando esta noite."


Capítulo 10 Beck

Eu abro a porta do meu apartamento, antecipando ver Sela. Ela está aqui por uma semana em meu condomínio, na cobertura da Torre Millennium, e ainda estou surpreso quando chego em casa do trabalho e encontro-a aqui. Não que seja difícil de me acostumar a partilhar o meu espaço com outra pessoa; é que ela tornou tão fácil, porra, e é isso que tem me chocado. Honestamente, pensei que iria ver uma atuação um pouco depois que ela se mudasse. Só iria comprometer-me por um mês, imaginando que ficaria doente com o acordo, porque, vamos enfrentá-lo... como posso estar realmente enamorado com ela, porra? Quero dizer, sim... quando ela goza, seja na minha língua, meus dedos ou meu pau, é a coisa mais milagrosa que eu já vi. Leva todo o seu ser... se transforma de uma criatura distante, bonita, para alguém que, apenas por alguns momentos, parece abrir parte de sua alma. É praticamente fascinante. De qualquer forma, talve,z ela descobriu que tem me deslumbrado, porque a atuação que esperei, nunca ocorreu. Já ouvi o suficiente de JT e alguns outros Sugar Daddies de que quando você toma uma Sugar Baby, você está tendo um tratamento real bastante espetacular. Na primeira noite que cheguei em casa, esperava que ela me encontrasse na porta em alguma lingerie sexy e uma caçarola no forno. Esperava que ela caísse de joelhos e me desse o melhor boquete de sempre.


Você sabe... para que ela pudesse me mostrar que merecia estar aqui mais de um mês. Em vez disso, encontrei-a no sofá estudando, sua testa franzida enquanto mastigava a borracha de um lápis. Ela levantou a cabeça, me deu um meio sorriso e disse: "Ei," antes de voltar para seu livro. E foi isso. Eu vou admitir... uma pequena parte de mim estava desapontado, porque quem não iria querer um boquete assim que entrasse pela porta? Mas na maior parte, eu a respeitava por isso, porque ela estava claramente me mostrando que era mais do que apenas uma foda. Não significa que não transaria com ela, no entanto. Na verdade, imediatamente caminhei até o sofá, tirei o livro da mão dela e a levantei. Apenas no caso dela pensar em lutar ou negar-me, inclinei-me, coloquei seu estomago em meu ombro, antes de transportá-la apressado como um carro de bombeiro. Eu acho que ouvi uma pequena risada. Porque transei com ela naquela primeira noite em que ela se mudou, estava um pouco impaciente na minha necessidade e ignorei as preliminares pesadas, fazendo apenas o suficiente com meus dedos e palavras sujas para deixá-la molhada. Peguei-a duro, com a intenção de fazê-la gozar só com o poder do meu pau e foi lindo quando ela veio, especialmente quando meu nome saiu em um grito irregular de alívio e gratidão. Eu estou querendo saber o que vou fazer com Sela esta noite. Na maioria das noites, ela tem ficado no sofá estudando. Uma noite, ela nem sequer voltou para


casa até quase dez horas, alegando uma sessão de estudos na biblioteca. Em outra noite, entrei e me deparei com um cheiro de lasanha e uma Sela nua na minha cama esperando por mim. Ela tinha o lençol descansando sobre seus seios e parecia insegura de si mesma, mas ela corajosamente me convidou para vir jogar com ela. Sua ideia de jogar era me montar lentamente, até meu cérebro quase explodir, e meu pau quase se desfez quando gozei. Jogando as chaves sobre a mesa pequena perto da porta, atravessei o piso de madeira escuro no enorme plano aberto da sala de estar, que está limitada nos dois lados por janelas do chão ao teto com vista para Oakland Bay, com a ponte da baía e as colinas de Oakland à distância. Sela não está na sala de estar estudando, mas sei que ela está aqui porque sua mochila esfarrapada está no chão ao lado do sofá. Passo pelo corredor que leva para o outro lado do condomínio, que ocupa todo o andar do meu prédio. As áreas dos quartos são separadas da abertura da sala de estar, cozinha e área de jantar, com o quarto principal no final do corredor. Normalmente, assim que entro no quarto, a minha atenção é sempre tomada pela mesma janela do chão ao teto com vista para o distrito financeiro e Coit Tower, mas em vez, disso sou atraído por Sela sentada no meu chão atapetado, com uma pilha de minhas roupas ao redor dela. Ela está atualmente dobrando uma camiseta branca em um quadrado limpo e colocando-a cuidadosamente em uma gaveta. "O que você está fazendo?" pergunto, olhando para ela com uma mistura de espanto e confusão.


"Organizando suas gavetas e endireitando suas roupas," diz ela, sem olhar para mim. "Estou supondo que você simplesmente despeja as suas roupas em qualquer gaveta, ficando mais fáceis de pegar da secadora." Sua voz detém uma sugestão de uma risada divertida, mas ainda não posso dizer se é para mim. Tirei meu paletó, que tive que vestir para algumas reuniões e afrouxo minha gravata. Me movo para o final da cama e sento-me, que agora dá para ver o lado de seu rosto... a graciosa curva do pescoço dela... as sardas no nariz e bochecha. E foda... quando é que sardas começaram a me deixar duro? "Você não tem que fazer isso por mim", digo quando ela puxa outra camiseta branca enrugada da pilha ao lado dela e começa a dobrá-la. Ela encolhe os ombros. "Eu não me importo." Eu me inclino para frente, prendo-lhe o pulso e puxo-a. "Mas eu sim." Sela vira a cabeça bonita e sorri para mim. "Você é um pateta total por viver assim, enquanto estou aqui, espero que faça um pouco de limpeza e organização. Além disso, estou cansada de viver com minhas roupas na minha mala e quero um pouco de espaço para minhas coisas." Puxo com mais força e ela vem até os meus joelhos, ao deixar cair a camisa ao seu lado e quando continuo a puxar, ela finalmente chega a seus pés. Trago minhas mãos para sua cintura, inclinando-me para trás e puxando-a para baixo, em cima de mim, enquanto estou de volta contra o colchão. Ela cai sobre o meu corpo, suas mãos indo para o meu peito e seu cabelo longo caindo para frente para nos proteger.


"Sério," digo com nossos narizes quase se tocando. "Você não tem que limpar este lugar. Ou organizar. Ou fazer qualquer coisa para mim, em tudo." O sorriso cai de seu rosto um pouco e ela murmura: "Mas eu tenho que fazer alguma coisa por você, certo? Você é meu Sugar Daddy, depois de tudo." Eu faço uma careta e levo uma mão ao seu rosto, segurando seu queixo. "Não me chame assim." Ela pisca de surpresa com a veemência na minha voz. Inclinando a cabeça, ela pergunta "Você não gosta muito do seu próprio negócio, não é?" Agora sou o único que pisca para ela com surpresa. "Pelo contrário, gosto do meu negócio e muito. Nós fornecemos um grande serviço para ambos os homens e as mulheres que se juntam." "Então por que você não quer ser chamado de Sugar Daddy?" ela pergunta. Rolo nossos corpos mais, colocando-a deitada de costas e vindo para descansar em cima dela. Pressiono os cotovelos no colchão e olho para ela. "Eu tive que assinar um ridículo acordo para chegar aqui sem discussões. Mas não iria prendê-la à ele. Tenho você aqui porque te achei fascinante e estou curtindo muito te foder. Isso é tudo que existe." "Mas e o dinheiro que você pagou?" "É seu, não importa o que aconteça," digo a ela, e isso é verdade. Eu tinha um resumo de todas as despesas relacionadas que ela fez durante o curso e que ela agora está terminando, assim como a informação sobre seus empréstimos de


graduação e depositei esses fundos em sua conta bancária. É uma quantia insignificante em comparação com a minha fortuna e não vou perdê-la um pouco. Seus olhos ficam quentes e tristes ao mesmo tempo. "Sinto que estou tirando vantagem de você. Você paga minha faculdade e me dá orgasmos incríveis e posso sair quando eu quiser. Eu simplesmente não faço nada." "Eu sou apenas fodidamente magnânimo dessa forma," digo a ela com um sorriso, e então pressiono meus lábios nos dela. Ela ri, o que faz sua boca abrir e deslizo minha língua nela. Nós nos beijamos por um momento, mas meu pau parece pensar que é um convite aberto para vir jogar, então puxo minha boca da sua e empurro para cima, fora dela. Rolando para o lado, me levanto e estendo a minha mão para ela. "Vamos lá... vamos comer no Slanted Door. Nós vamos devorar ostras e ceviche." Ela coloca sua mão na minha e me deixa puxá-la da cama. Ela parece absolutamente surpreendente em jeans e uma camiseta, sem maquiagem em seu rosto. Imagino que a maioria das Sugar Babies caminham ao redor com maquiagem perfeita e cabelo combinando com suas roupas de grife que os Daddies decidiram comprar para elas. A única coisa que Sela pediu desde que nos mudamos, foi uma chaleira, uma vez que ela prefere chá do que café. "Vou terminar de colocar essas roupas no lugar", diz ela enquanto solta minha mão e começa a se ajoelhar para baixo no tapete. E então, como uma reflexão tardia pergunta: "Eu estava limpando o apartamento hoje, mas o quarto do meio está bloqueado. Quer que eu limpe lá?"


Eu rolo meus olhos e começo a puxar a minha gravata do pescoço. "Não, Cinderela... Eu não quero que você limpe o quarto." "O que está lá dentro?" Ela pergunta enquanto ela dobra outra camiseta. "Alguma coisa secreta?" Eu rio quando me viro para olhar para ela, puxando o laço livre. "É meu escritório." Esperava que ela risse com diversão e perguntasse por que a porta está trancada, o que não iria me incomodar nem um pouco. Tenho algumas informações patenteadas lá e gosto de guardar meus registros financeiros e cópias de meus acordos comerciais. Não acho que seja da conta de ninguém, mas da minha própria, e antes de Sela se mudar tive a certeza de bloquear essa porta. Sim, eu esperava ela rir e brincar com a porta trancada, mas em vez disso, eu vejo algo em seus olhos. Consternação, talvez? Cálculo? Não tenho certeza, e ela vira o rosto de mim para a próxima camiseta, de modo que não posso continuar a analisá-la. Mas, em seguida, Sela diz "Quer um boquete antes de ir para o jantar?" E estou completamente jogado fora da pista. Seja qual fosse o olhar em seu rosto, está completamente esquecido. Ela vira o rosto para mim, olhos azuis redondos e inocentes, com apenas um toque de malícia nas suas profundezas.


Eu começo a desabotoar minha camisa quando olho para ela sentada no chão do meu quarto com uma das minhas camisetas na mão. "Por que tenho a sensação de que você está me redirecionando?" Ela encolhe os ombros e me dá um pequeno sorriso. "Eu só queria voltar para a noção de você me dizendo que não espera nada, porque isso não é exatamente verdade. Você espera fazer sexo comigo, e estou apenas lembrando isso. Eu só estou jogando fora da bondade do meu coração." Meus dedos congelam nos botões quando eu considero o que ela disse, e percebo que, enquanto apreciaria muito um boquete dela, ela está completamente errada sobre porque ela está aqui no meu condomínio. Ela não está aqui para que eu possa ter uma boceta disponível 24/7 sem ter que trabalhar por ela. E ela não está aqui para o meu prazer ou capricho. Isso tudo é fácil para eu entender. Eu trouxe Sela Halstead para minha casa por uma única razão, e isso é porque na primeira noite em que estivemos juntos, com os meus lábios chupando seu clitóris e eu tinha três dedos dentro dela, alguma coisa aconteceu quando ela chegou ao orgasmo, que mudou o curso de sua vida e da minha. Não posso explicar isso e, talvez seja nada mais do que uma viagem de ego para mim, como disse a ela algumas noites atrás. Mas sei de uma coisa com certeza... existe algum tipo de conexão entre Sela e eu, que nunca tinha experimentado antes e, francamente, estou apenas curioso sobre isso, porra. Seja qual for a conexão... por alguma razão, dei-lhe algo que outros não deram, tenho um instinto profundo que é algo que desafia a razão ou a lógica. Quase tenho a sensação de que é místico por natureza e estou intrigado além da medida. E assim,


pela primeira vez na minha vida, estou fazendo algo que ĂŠ completamente diferente de tudo que Beck North jĂĄ fez antes. Estou explorando algo mais profundo com uma mulher. Esta mulher, para ser exato.


Capítulo 11 Sela

Morar com Beck foi um pouco desorientador no início. Novo lar. Nova cama. Nova vida sexual. Sexo todas as noites, geralmente várias vezes. Orgasmo depois de orgasmo, Beck nem uma vez, tinha falhado. E quase sem esforço para fazê-lo, e mesmo eu não posso trazer-me a tais alturas vertiginosas, rápido como ele é capaz de fazer. Durante os primeiros dias, foi fácil para dar a ele. Eu ia para minhas aulas e depois vinha de volta para o seu lugar. Ele me deu uma chave e disse-me para fazerme confortável e, portanto, eu fiz. Tratei sua casa como minha própria e mantive o meu horário o mesmo, além de desistir do meu trabalho no restaurante. A ‘bolsa’ que Beck me deu para compensar foi muito generosa, e dado que minhas despesas escolares foram pagas, não teria que trabalhar novamente até depois que terminasse a minha graduação, e espero que nunca mais em uma lanchonete. Então, no meu


tempo de inatividade, estudei ainda mais duro e o único desvio era quando Beck exigia a minha atenção. Era ridiculamente fácil para ele fazê-lo. Mas depois de alguns dias que me instalei, comecei a pensar de novo no meu plano para me vingar. Beck e eu não necessariamente conversamos muito. Eu não tinha a sensação de que ele era fechado, era apenas que nenhum de nós fez muito esforço para conhecer a outra pessoa, fora a melhor maneira de dar prazer um ao outro. Para ele, acho que é porque ele está focado no sexo. Para mim, é porque preciso permanecer distante... distante. É a melhor maneira de manter meu coração protegido. Mas em relação ao sexo, sabemos muito sobre o outro, e acho que quanto mais ele está distraído com o sexo, menor a chance que ele vai ter de descobrir a mulher atrás da fachada. Depois que tinha estado aqui quatro dias, decidi que eu precisava me orientar e descobrir se não havia nada sobre o meu acordo atual que ia me ajudar no assassinato de Jonathon Townsend. Procurei por toda a casa de Beck uma tarde, depois que as minhas aulas acabaram. Ela era intocada, quase estéril e em um ataque de ansiedade sobre não encontrar qualquer coisa, despejei para fora todas as roupas de suas gavetas para me certificar que não perderia alguma coisa. Isso, é claro, me levou a uma mentira improvisada quando ele chegou em casa e me encontrou sentada em meio a toda a sua roupa. Mas se só estarei aqui por um mês, o tempo está passando, e estou fechando rapidamente na marca de meio campo. Eu tenho que chegar mais perto de Beck e


descobrir mais sobre seu relacionamento com JT. Só então serei capaz de determinar se existe uma maneira que ele possa inadvertidamente me ajudar a alcançar a justiça. O único potencial que tenho visto até agora, é o seu escritório fechado. Procurei por todos os lados por uma chave, e a única que tenho sido capaz de identificar, é a que Beck mantém em seu chaveiro com as chaves do carro e da casa. Ela foi usada duas vezes desde que estou aqui, apenas indo, depois de trabalhar e colocar alguns documentos que ele trouxe para casa. Ele sempre tem essas chaves em seu bolso quando está fora de casa, mas quando chega em casa, coloca-as na mesa ao lado da porta. Não percebi bem como entrar em seu escritório, mas estou ponderando sobre isso. E enquanto o meu objetivo final é usar Beck para minha vantagem na busca, há mais um objetivo que chamou minha atenção na noite passada. Beck tinha chegado ao condomínio em torno de seis horas, o que era geralmente um padrão. Como normalmente, ele tinha o seu e-mail na mão, olhando-o. Eu estava sentada em sua mesa de jantar, que estava perpendicular ao comprimento da sala de estar aberta e proporcionava uma vista deslumbrante da baía ao pôr do sol. Ele começou com o hábito de caminhar até mim e me beijar no topo da cabeça. A primeira vez que ele fez isso, fiquei surpresa. Tinha sido por muito tempo, desde que tinha um ato espontâneo de afeição. Eu não tive certeza se gostei. Mas na noite seguinte ele fez isso, e achei bom. E a noite depois disso, ainda melhor. Ele tinha chegado onde esperava agora, e era um ritual bobo que me trouxe uma medida de vertigem quase adolescente, algo que acho que nunca experimentei, desde que meu interesse por meninos do ensino médio foi morto naquela noite, há


dez anos. Evitei-os como a praga depois e nem sequer beijei outro homem até que tinha vinte anos de idade e estava bastante bêbada. Então, Beck se aproximou de mim na mesa da sala de jantar e estatelou a correspondência para baixo pelos meus livros. Ele me beijou no topo da cabeça e, em seguida, agarrou o meu rabo de cavalo, puxando-o e meu rosto ficou inclinado. Ele me beijou de cima, desta vez na boca e murmurou "Oi, linda." "Hey," sussurrei de volta. "O que você quer para o jantar?" Ele perguntou, soltando meu cabelo e puxando sua jaqueta fora. "Eu não sou exigente," disse. "E eu estou estudando." "Vamos fazer algo casual," ele disse, e começou a caminhar de volta para seu quarto. Meus olhos caíram para a pilha de correspondência e vi um envelope que ele já havia aberto com o que era claramente um cartão de aniversário em cima. Estendi minha mão, nem uma vez considerando a sua privacidade e peguei o cartão. Era um cartão de aparência genérica, com um bolo de aniversário na parte da frente. No interior apenas uma mensagem impressa simples: FELIZ ANIVERSÁRIO. Vi ainda que não estava assinado, mas estava estampado na caligrafia com os nomes de SR E SRA. BECKETT NORTH, os pais dele. Uma onda de raiva e tristeza bateu-me de uma vez, porque este era o tipo de cartão que iriam enviar seu filho. Eu levantei da minha cadeira e caminhei para o quarto de Beck. Ele já tinha tirado suas roupas de trabalho e estava puxando um par de jeans. Ele olhou para mim com um sorriso, em seguida, seus olhos caíram para o cartão na minha mão, voltando-se para mim com o mesmo sorriso.


"Hoje é seu aniversário?" perguntei em voz baixa. Ele riu e acenou para o cartão na minha mão. "Na verdade, foi há dois dias. A secretária da mãe devia estar, aparentemente, ocupada e no final enviou atrasado." Engoli em seco em indignação. Seus pais realmente tinham alguém para enviar um cartão para ele? E ainda atrasado? Beck abotoou a braguilha e se aproximou de mim, tomando o meu rosto em minhas mãos. Ele olhou para mim com simpatia. Eu. Com simpatia. "Relaxe, Sela," disse ele com uma risada e depois um beijo em meus lábios. "Isso está dentro do previsto. Eu não esperava nada diferente." E enquanto isso me fez sentir um pouco melhor, eu ainda me sentia terrível. "Mas a dois dias eu estava aqui com você. Saímos para comer no Slanted Door. Você se empanturrou de ostras e ceviche e nem uma vez você me disse que era seu aniversário." "É apenas um aniversário," ele me disse quando passou os braços em volta de mim. Ele me beijou de novo em cima da cabeça, uma medida de confiança e carinho, que estivesse chateada em seu nome, e esse ato fez o meu coração de pedra começar a rachar. Beck, em seguida, começou a falar sobre um novo restaurante que queria conhecer e que tinha sido aberto a alguns blocos do condomínio e o assunto de seu aniversário foi colocado para descansar.


Acordei com um plano já formado. Fui para minhas aulas e assim que saí em algumas horas, fui para o mercado local. Comprei alguns bifes de salmão bonitos, aspargos frescos e um bolo de chocolate e framboesa da padaria. Eu tinha pensado brevemente em assar um bolo, mas não era boa em panificação e era apenas medíocre para cozinhar, de modo que, a fim de preservar a santidade da única festa de aniversário que ele estava recebendo este ano, fui para itens que não poderia estragar. Eu também comprei um grande rolo de fita floral de seda em uma cor rosa pálida. Fiz as minhas atividades da faculdade, tomei um banho, espalhei loção em cima de mim e enrolei meu cabelo. Apliquei um pouco de maquiagem e escovei os dentes. Vestindo um dos roupões de Beck, consegui colocar os bifes de salmão e aspargos no forno, deixei-os cozinhar o tempo necessário e então voltei para o calor. Eram dez para as seis quando corri de volta para o quarto e abandonei o roupão, pegando a fita de seda. E agora são seis horas e estou à espreita no foyer quando ouço a chave de Beck na fechadura. Acendo rapidamente as velas no bolo que estou segurando em uma mão e em seguida atiro o isqueiro sobre a mesa de jantar nas proximidades. Eu tenho apenas o tempo suficiente para colocar a mão livre no quadril e erguer os olhos em uma pose sexy quando Beck abre a porta. Gostaria de ter uma câmera de vídeo para capturar o olhar em seu rosto. Seus olhos vão para o bolo em primeiro lugar, em seguida, para meu rosto enquanto sorrio para ele e digo "Feliz aniversário, Beck."


Seus lábios se curvam para cima e seus olhos vagueiam sobre o meu corpo, transformando cada vez mais quente com cada polegada que eles cobrem. "Você é meu presente?" Ele pergunta com uma voz rouca, enquanto seus olhos se voltam para os meus. Ele fecha a porta atrás de si suavemente e dá uma pancada leve no bloqueio. Olho para mim mesma mais uma vez, impressionada com a minha ingenuidade. Eu estou completamente nua, exceto por duas coisas. As sandálias prateadas de salto alto com fitas que atam acima em minhas pernas, que Beck tinha devolvido para mim, e a fita de seda rosa envolvendo desde o topo das minhas coxas, em torno de minha bunda e pelve, cobrindo meu estômago, e em cima, para envolver em torno de meus seios. Eu terminei o embrulho com um certo arco no centro do meu peito. "Venha soprar suas velas e você pode me desembrulhar," sussurro. O que estou fazendo agora é um feito monumental para mim. É a única vez na minha vida inteira que já fiz um esforço consciente para seduzir um homem. Nunca me ofereci de uma forma tão sexy e ostensiva. Dois dias atrás, enquanto esperava na cama de Beck, nua, não conta, porque essa era a minha terrível tentativa de ser uma boa Sugar Baby e foi completamente deprimente. Fiz isso porque senti que devia a ele por pagar a faculdade e nenhuma outra razão. Fiz isso porque pensei que ele estava esperando por isso. Esta noite é diferente, no entanto. Estou fazendo isso por Beck, porque quero fazer isso para ele. Quero que ele tenha uma festa memorável de aniversário, porque o que ele teve há três dias atrás,


foi uma merda. E quero vê-lo sorrir por causa dela e saber que alguém nesta terra está pensando nele da forma que ele merece. "Você está demais," ele murmura, quando deixa cair as chaves sobre a mesa lateral e caminha para mim. Ele para a apenas algumas polegadas de distância, o brilho da luz das velas fazendo seu rosto e os olhos chiarem. Dou-lhe um sorriso impertinente. "Eu só coloquei cinco velas em cima. Não quero queimar a casa abaixo, homem velho." Com um riso abafado Beck sopra as velas. "Eu tenho apenas vinte e oito anos e vou fazer você pagar por esse comentário de 'velho'." Beck pega o bolo da minha mão e vira-se para colocá-lo sobre a mesa ao lado de suas chaves. Quando ele volta para mim, olha a parte inferior da fita abraçando minhas coxas. "Tem alguma coisa sob essa curva bonita?" "Não," digo a ele, minha mão ainda descansando em meu quadril e tentando segurar minha pose sexy. Não tenho ideia se estou puxando-o, mas Beck parece apreciar o que vê. "Perfeito," murmura Beck, e suas mãos vêm aos meus ombros. Ele me vira e começa a empurrar-me para a mesa da sala de jantar. Ele chuta uma das cadeiras maciças, coberta em couro creme, para o lado e usa um braço para empurrar os meus livros, abrindo um espaço em frente a mim. "Curve-se," diz ele, quando coloca a mão para o centro das minhas costas e começa a empurrar-me para frente.


Imediatamente eu ruborizo toda, com calor e consciência do que isto deve estar parecendo. Sei que quanto mais me curvar, mais a fita vai subir no alto de minha bunda e ficarei desnuda para ele. Mas assim quando experimento a emoção da excitação sobre a posição que ele está me colocando, uma onda de ansiedade me bate duro. Meu peito aperta e meus músculos ficam todos tensos. Minhas mãos estão praticamente tremendo, medo e desejo são emoções que batalham dentro de mim. Considero empurrar para trás contra ele, recusando-me a dar-lhe o meu traseiro. Sei que vai aliviar imediatamente o meu medo, porque não fodo estilo cachorrinho. Nunca. Não desde aquela noite. Estou apostando que os poucos parceiros que tive, acabavam assumindo que isso significa que sou muito baunilha para isso, ou talvez eles simplesmente não se importavam, desde que começassem a me foder, mas nunca fui pressionada antes a fazê-lo. Apenas um cara teve um problema com isso e ele finalmente declarou que estava muito chateado na cama por não satisfazer suas necessidades quando recusei. Claro, ele só disse isso depois que me fodeu e teve sua satisfação. Mas, tanto quanto esta situação me preocupa, há uma parte igual, que me deixa curiosa. Minha reação de lutar ou fugir, normalmente me prepara para correr, apavorada demais ao fazer qualquer coisa que se assemelhe aos vagos flashes de memória que me assombram.


Mas Beck tem provado ser diferente. Isso ficou evidente no minuto que ele me fez gozar pela primeira vez e, portanto, há uma parte de mim que confia que ele não vai me machucar. Esta parte de Sela Halstead quer empurrar os meus limites, mesmo que esteja cagando de medo de fazê-lo. Com uma respiração profunda, tenho um momento para também me lembrar que não quero fazer nada para fazer Beck mudar de ideia. Não quero que ele perca o interesse em mim e, assim, perder a tênue conexão que ele me dá com Townsend. Então, é como se esse sentimento quase me desse permissão para explorar o meu desejo por ele, decido deixar Beck ter o seu caminho comigo a partir de uma posição onde não posso ver uma maldita coisa que ele está fazendo para mim. Minhas mãos estão mais baixas na madeira dinamarquesa escura da mesa para me sustentar e desci meu tronco até que meus seios cobertos com a fita estão esmagados contra a mesa. Viro a cabeça para o lado, descansando minha bochecha contra a superfície fria e olho pela janela para as luzes cintilantes da Bay Bridge. Tomo respirações profundas para tentar acalmar meu coração acelerado, que está alimentado em partes iguais de apreensão e desejo. "Eu penso que este pode ser o mais belo e incrível presente que já ganhei," ele diz, e sei que ele se ajoelhou atrás de mim, enquanto posso sentir seu hálito quente a partir dessas palavras sussurradas contra a carne entre minhas pernas. Ele não me toca, porém, e não diz outra palavra, o que faz meu coração bater com mais força. Eu só sinto o calor de sua respiração vibrando e começo a ficar tensa com antecipação. Estalo.


Sua palma vem na bochecha da minha nádega direita, com a força do que se sente como um estrondo sonoro. Assusta-me tanto, que grito "Foda-se!" E empurro para cima da mesa, mas, em seguida, tão rapidamente gemo e caio de volta para baixo quando ele afunda um dedo dentro de mim. Minhas pernas começam a tremer, enquanto Beck corre os lábios sobre a pele ardendo na minha bunda e seu dedo se move suavemente dentro e fora da minha buceta. Ele mostra os dentes, morde a minha carne e murmura contra mim "Isso foi pelo comentário do homem velho." Eu rio por apenas um breve momento, quase histericamente, quando percebo com alívio que ele só me bateu e não foi de todo ruim. Mas então não é tão engraçado mais quando seu dedo se vai e sua língua toma o seu lugar. Ele trabalha em mim por trás, finalmente trazendo suas mãos para ajudar a espalhar minhas pernas ainda mais, com extrema delicadeza. Beck geme de prazer enquanto me lambe e suga, fazendo soar como se eu fosse o mais delicioso presente que ele já teve. Não importa quantas vezes ele teve sua boca em mim lá, ainda sempre me maravilho com seu apetite voraz e seu amor claro em me fazer gozar assim. O homem tem algumas habilidades orais graves. "Cristo, Sela," Beck diz, enquanto puxa a boca longe de mim e substitui sua língua por dois dedos agora. "Você está tão molhada. Você e sua boceta estão implorando pelo meu pau, caralho, não é isto?" Concordo com a cabeça contra a madeira, mas apenas para que ele saiba que os meus pensamentos ainda estão com ele, sussurro "Estou implorando por ele, Beck."


Ele ri sombriamente, empurra os dedos profundamente e com a mesma rapidez que eles se foram, posso senti-lo ficar de pé atrás de mim. Uma corrente de pânico enche-me quando o ouço rasgando um pacote de preservativo e o som do seu cinto sendo puxado livre de suas calças. Quando as mãos agarram meus quadris, tenho que suprimir o desejo de correr para longe dele. A única outra vez que um homem esteve atrás de mim, ele tinha me fodido na bunda sem lubrificante e isso me rasgou tão ruim, que sangrei terrivelmente. Imagino que foi uma surpresa para os médicos que me atenderam no hospital, quando fui levada com os pulsos sangrando, ao encontrar sangue na minha calcinha também. Os olhares de pena em seus rostos... Meus olhos picam com lágrimas indesejadas e pisco contra elas furiosamente. Quero pedir-lhe para parar ou talvez apenas para ter cuidado comigo, mas, em seguida, a ponta do seu pau está pressionando minha buceta. Alívio imediato e desejo batem em mim de forma tão poderosa, que realmente tenho que suprimir o desejo para empurrar-me para trás sobre seu eixo. Esta é uma prova positiva que Beck North tem definitivamente quebrado algumas barreiras que tenho com relação ao sexo. "Feliz aniversário," digo a ele suavemente, uma permissão tácita para ele fazer com o seu presente o que ele quiser, mas também para mim. É permissão para mim mesma estar autorizada a aproveitar isto. Ele não decepciona, empurrando seus quadris para frente e me enchendo com um golpe perfeito.


Eu grito a partir da força do orgasmo que atravessa meu corpo como foguetes. "Foda-se, sim," Beck geme e imediatamente define um ritmo rápido. A sensação de seu comprimento movendo-se dentro e fora de mim, o atrito e sons, o cheiro de sua colônia e das velas extintas no ar. Tudo me faz tonta com a luxúria, com fome para fazê-lo completo e uma necessidade quase selvagem que ele criou dentro de mim, por um orgasmo nuclear que, aparentemente, só ele pode me dar. Beck bate dentro de mim, a cabeça de seu pau bate em um ponto mais sensível e meu orgasmo ondula para dentro, antes de soprar além. Eu grito seu nome, porque se tornou meu hábito fazê-lo e isso faz com que Beck empurre profundamente e comece a gozar junto comigo e tudo o que eu posso pensar, é que esta é a melhor sensação do mundo inteiro. Ele inclina seu corpo, enrolando em torno de mim, com as mãos deslizando pela minha cintura. Ele respira profundamente em meu cabelo e não posso deixar de sorrir quando ele murmura "Melhor. Aniversário. De. Sempre."


Capítulo 12 Beck

Cortei duas fatias do bolo que Sela tinha comprado, e mesmo que detestasse framboesa, sei que vou dar o meu melhor gemido de prazer quando atingir a minha língua, para que ela saiba o quanto aprecio o que ela fez. Eu não posso nem lembrar a última vez que alguém lembrou meu aniversário, fora Linda me dando um cartão a cada ano e Caroline me chamando no meu aniversário, que era muito melhor do que um cartão. Os meus pais, os frios robôs sem emoção que eles eram, não comemoravam os aniversários de uma maneira íntima. Quando Caroline e eu éramos mais jovens, naturalmente faziam enormes festas e convidavam todos em seu círculo social. Haveria comida ostensiva, passeios de pônei, palhaços, casas infláveis e um zilhão de presentes para Caroline e eu. Mas isso não era realmente para nós. Isso era para o show. Era uma forma de nossos pais provarem ao mundo que eram bons e benevolentes, e que a minha irmã mais nova e eu éramos muito bem tratados. Quando ficamos um pouco mais velhos, as festas pararam, mas os presentes caros não. Deram-me um Porsche pelo o meu décimo sexto aniversário. Caroline recebeu uma Mercedes conversível. Quando nós dois atingimos a fase adulta, tivemos acesso aos nossos fundos fiduciários e somente o cartão de aniversário impessoal enviado a partir da minha mãe ou a secretária do meu pai.


Como de costume, este ano recebi um cartão de Linda e um cartão com dois dias de atraso dos meus pais. Caroline ligou no meu aniversário enquanto estava no trabalho e ela em seguida colocou Ally no telefone, que cantou ‘Happy Birthday’ para mim. Até hoje, tinha sido a minha memória favorita de aniversário. Mas tanto quanto amo minha sobrinha e ela estava além de adorável cantando para mim no telefone, sinto muito... Mas o presente de Sela era infinitamente melhor. Não apenas porque era sexo, porque, olá... sexo. O sexo era incrível em si. Sexo com Sela era incomparável. Levando-a curvada sobre minha mesa de jantar, ouvindo seus gemidos e sentindo o impulso de volta contra mim, então daria a ela mais profundo? Aquilo foi absolutamente alucinante. Mas não foi por isso que era o meu favorito. Era o meu favorito, porque enquanto só conhecia Sela por uma semana, aprendi o suficiente para saber que o que ela fez esta noite, era a maneira de sair fora de sua zona de conforto. Sela, a estudante simples, que estava mais feliz em ganhar uma chaleira de mim do que uma bolsa de dois mil dólares Louis Vuitton. Sela, a mulher confiante, que é mais sexy em um par de jeans e uma camiseta do que em uma lingerie Victoria Secret. Sela, a introvertida apaixonada, que ainda tem que tentar prender-me com movimentos sexualmente explícitos e promessas. Quando entrei hoje à noite e a vi de pé ali, naquela fita, fiz mais de iniciar para conseguir ficar duro para ela. Eu senti uma mudança no meu ceticismo sobre a


natureza das mulheres, vendo a extensão de como elas vão para conseguir o que querem. Eu vi em primeira mão, como algumas mulheres podem tomar, sem nunca dar uma única coisa em troca, e ainda acho que elas merecem mais. Mas Sela estava diante de mim, hesitante, me oferecendo seu corpo, não para obter nada em troca, mas simplesmente porque ela se sentiu mal por eu não ter comemorado meu aniversário. Sela, a inexperiente, colocou-se lá fora, com todo o risco sobre os ombros e o único motivo de seu plano era que eu tivesse algo só para mim. Ela simplesmente me tocou. "Você não tem que limpar," ouvi atrás de mim e viro para encontrar Sela de pé em seu vestuário normal para dormir, seu cabelo puxado em cima de sua cabeça em um grupo confuso e úmido em volta do pescoço, do banho que ela tinha tomado. O top preto simples e calcinhas preta de algodão, pele orvalhada besuntada com um pouco de loção com cheiro de pêssego e era a coisa mais sexy que eu já vi. Claro, ela vem para a cama a cada noite vestindo algo semelhante, e cada noite ela acaba nua pelas minhas mãos. Pergunto-me se alguma vez ela virá nua, abandonando suas roupas de dormir bonitinhas, mas sexys. Será que vai acontecer esta semana, já que meu aniversário surpresa mostrou que ela está saindo um pouco de sua concha? Ou talvez vá demorar mais algumas semanas para ficar verdadeiramente confortável? Alguns meses? Eu paro meu cérebro em reflexão e apenas pisco para Sela em confusão. Estou realmente considerando mais de nosso planejado de um mês juntos?


O pensamento imediato não golpeia o medo no meu coração. Interessante. "Eu cortei para cada um de nós uma fatia de bolo," digo a ela quando pego um garfo da gaveta e entrego a ela, seguido por um prato cheio de chocolate e framboesa, piada, bom Deus. "E não fiz limpeza na cozinha. Você fez um grande esforço em meu nome." "Sim, mas é a sua festa de aniversário, então você não deveria ter que fazer nada esta noite." Ela aponta enquanto mergulha o garfo no bolo. Ela coloca-o em sua boca, fecha os olhos, e geme. "Eu amo chocolate e framboesa juntos." E foda... aquele pequeno gemido. Assim tão sexy, me faz querer tirar o prato de sua mão e arrastá-la para o chão. Em vez disso, limpo minha garganta e pego a fatia que tinha cortado para mim, com a intenção de comer o bolo sem engasgos. "Então, o que você quer fazer o resto da noite?" Sela levanta as sobrancelhas em surpresa, porque essa é uma pergunta incomum. Nas nossas noites normais quando chego em casa, saímos para comer ou comemos por aqui e então nós transamos por horas até que caímos no sono. "Tudo o que você quiser fazer," diz ela enquanto afunda o garfo de volta no bolo. "Está é sua festa de aniversário."


Eu corto um pequeno pedaço do bolo com o mínimo de framboesa sobre ele. "Bem, normalmente diria que vamos ficar nus e entrar na cama, mas fazemos isso praticamente todas as noites. Que tal nós simplesmente sairmos?" Posso dizer que isso atordoa completamente Sela, por causa de sua face nublada com ceticismo. Eu sorrio para ela e coloco o garfo na minha boca, puxando a porcaria para provar e mastigar. Sela olha para mim e seus olhos se estreitam, fico esperando ela chamar besteira sobre mim por estar apenas querendo sair e não apenas ficar fazendo sexo quente e sujo. "Você odiou o bolo, não é?" Ela acusa, o sexo completamente esquecido. Encarei-a enquanto mastigava e forcei a engolir. "O que? Não, claro que não." "Você odiou-o totalmente," diz ela, apontando o dedo para mim. "Eu posso dizer pelo olhar em seu rosto." "Você está imaginando coisas." "Ah, sim", ela dispara para trás com um sorriso travesso. "Então coma um pouco mais. Agora mesmo. Se for verdade, coma a coisa toda." Deus, ela está fodendo bonito. Eu sorrio de volta para ela e viro para colocar o prato no balcão. "Ok, eu odeio framboesa. Você me pegou." Ela estremece e levanta os ombros, desculpando-se. "Desculpa. Eu não tinha certeza do que você gostaria e apenas pensei que todos neste planeta gostavam de chocolate e framboesa juntos. Você tem certeza que não é um alienígena?"


"Eu gosto de chocolate muito bem. Baunilha ou mesmo de morango. Mas framboesa, não." Eu tremo só para provar meu ponto. "Você é tão estranho," diz ela, e leva outra mordida. "Então, quer simplesmente sair hoje à noite?" Pergunto a ela, apreciando este pequeno intercâmbio. "Nada de sexo?" Ela pergunta para esclarecer. "Claro que vai ter sexo," zombo dela. "Mas não até mais tarde. Podemos assistir TV, ouvir música, jogar cartas, sair para tomar uma bebida. O que você quiser." Sela leva mais uma mordida de bolo, mastiga, então engole. Ela me dá o prato e diz: "Você lava isso, eu estou indo escovar os dentes para que você não sinta gosto de framboesa em mim." "O que faz você pensar que vou provar o gosto de framboesa em você?" Provoco quando ela vai embora. "Eu só quero conversar e conviver. Eu não planejo beijar você ou qualquer coisa." Ela nem sequer olha para mim enquanto passeia pelo corredor, balançando o rabo e aquelas calcinhas pretas expondo suas nádegas, que estão sexy como o inferno. "Oh, você vai me beijar muito. Você não vai ser capaz de ajudar a si mesmo."


Eu rio para mim mesmo quando me viro para jogar o restante do seu bolo no lixo, porque foda-se, ela está certa sobre isso.

*** "Ok, você está pronta?" Pergunto a Sela quando chego na caixa. Puxo um cartão para fora e espero ela escolher. Ela está sentada na extremidade oposta a mim do sofá, ainda usando seu top preto e calcinhas, que são, obviamente, perturbadores. Suas costas estão pressionadas contra o braço da poltrona, e suas longas pernas estão esticadas para fora, um tornozelo cruzado sobre o outro. Eles pressionam contra minhas pernas cobertas de jeans, quando sento do lado oposto do sofá, com as minhas costas também alinhadas contra o apoio de braço. Sela dá uma mordidela sobre a unha e diz "Esporte e Lazer." Estávamos com preguiça de jogar Trivial Pursuit8, por isso estamos apenas tomando voltas, lendo perguntas triviais um para o outro. Se dermos a resposta errada, devemos favores sexuais para o outro. Ou pelo menos, essa era a premissa original quando começamos, mas nós dois somos péssimos nisso, favorecendo o outro. Mas é realmente discutível, de qualquer maneira, uma vez que não temos problemas conferindo favores um para o outro.

8

Trivial Pursuit é um famoso jogo de tabuleiro que testa o conhecimento dos jogadores em várias áreas como a história, pessoas e lugares, arte e entretenimento, esporte e lazer, ciências e natureza, e curinga.


Meus olhos examinam o cartão com o círculo laranja com ‘EL’ no meio e leio em voz alta para ela "O que fazer em Las Vegas se o crupiê de blackjack ficar de pé?" Suas sobrancelhas sulcam e ela mordisca mais duro sua unha. Com um encolher de ombros ela diz com uma grande dose de incerteza "Um banquinho?" Eu explodo em uma gargalhada no minuto que essas palavras saem de sua boca bonita. O cartão cai para o meu colo e minhas mãos vão para o meu estômago, porque estou rindo tão forte que dói. Sela me dá um olhar exasperado, se inclina para frente, agarra o cartão que repousa na minha coxa direita e lê a resposta em voz alta. "Dezessete?" Eu agarro minha boca fechada, engulo uma risada e olho para ela. "Eu não entendo," ela diz com uma voz confusa, e quase caio do sofá rindo mais uma vez. Ela descruza as pernas, levanta os joelhos e chuta para fora em mim com um grunhido simulado de ultraje. "O que é tão engraçado?" Endireitando-me, me mantendo sob controle e digo-lhe, "Dezessete é o número no qual um crupiê de blackjack deve parar de tomar visitas." "Eu ainda não entendo," diz ela com mais força. "E acho que a forma como a questão foi redigida diz que ‘banquinho’ era uma resposta lógica." Um bufo sai, e comprimo-o para que não perca novamente. "Você já jogou blackjack antes?" Ela balança a cabeça.


"Poker? Spades? Rummy?" Eu pergunto, jogando fora jogos de cartas populares. Ela balança a cabeça novamente, mas acrescenta com um sorriso travesso, "Eu joguei Monopoly antes. Sou realmente muito boa nisso." Rindo, eu a agarro pelos tornozelos e puxo as pernas para trás e para baixo para que ela relaxe. Eu passo a palma da mão para cima e para baixo em sua panturrilha, na verdade a acaricio de uma forma casual que denota ainda como estamos relaxando. Se fosse algo mais do que relaxar, minha mão estaria se movendo mais acima entre as coxas, mas estou contente por agora. Muito contente, na verdade. "Alguma vez você já esteve em Vegas?" Pergunto a ela, minha mão agora movendo-se para o pé. Eu olho para baixo em seus dedos do pé, pintados com uma cor lilás. Escolho o pé para cima e começo a massageá-lo. Ela geme e sua cabeça se inclina para trás quando diz: "Nunca estive. Alguma graça?" "Para algumas pessoas," digo a ela. "Se você gosta de jogos de azar, mostras de queijo e todas as coisas que quiser devorar, nenhum dos quais eu realmente gosto." "Eu acho que não teria muita inclinação de um jogador," diz ela enquanto traz os olhos para mim. "Nós devemos ir," eu digo de repente. "Este fim de semana. Eu vou te mostrar tudo o que precisa saber e então você pode dizer que você experimentou Vegas."


Sela não faz nada, mas olha para mim por um momento com um rosto em branco. Em seguida, com muito cuidado, muito neutra, diz: "Isso está ficando um pouco fora da pista, você não acha?" Minha mão vai ainda contra o peito do seu pé. "O que você quer dizer?" Ela puxa o pé para longe e levanta os joelhos novamente, sentando-se ereta no sofá. Ela envolve seus braços em volta de suas pernas e me encara com preocupação em seus olhos azuis. "Estou só... como sua Sugar Baby, estou aqui para servi-lo. Nós dois sabemos o que significa o sexo, mas isso também significa que se você quer que eu vá a algum lugar com você, como seu encontro, vou fazer isso também." "Ok," eu digo, porque isso é bastante preciso, embora odeie a porra do título de Sugar Baby e estou certo como a merda que não quero ser visto como um Sugar Daddy. Eu não preciso pagar para que uma mulher queira estar comigo, porra. "Então qual é o problema?" "Você não quer ir para Las Vegas. Você quer que eu vá e experimente, porque não fiz ainda." "Praticamente," concordo com ela, ainda confuso quanto a que ponto ela pode estar tentando chegar. Sela cai o queixo para o topo de um joelho e juro que vi os olhos cheios de culpa olhando fixamente para trás em mim. "Você não tem que fazer coisas boas para mim, Beck. Você já me deu tudo que poderia sempre esperar, quando pagou por minha educação. Eu não preciso de mais nada." Uma intensa sensação de tristeza enche-me agora que Sela fez seu ponto. E estou triste porque ela está exatamente correta. Eu não devo nada a ela mais do que


aquilo que dei. Eu certamente não devo estar preocupado com o fato dela ter ido ou não para Las Vegas. Mas foda-se. Eu não posso me ajudar. "Você me deu uma festa de aniversário," jogo para ela. "Isto é totalmente fora das funções normais de uma Sugar Baby." Sela revira os olhos. "Isso foi o sexo." "Não", digo firmemente quando me inclino para frente, agarro seus pulsos, e puxo-a. Ela vem até cair de joelhos de frente para mim, quando eu continuo a puxar. "Você fez isso porque estava horrorizada por meus pais enviarem um cartão genérico, carimbado com dois dias de atraso." "Bem, isso não foi realmente-" "E você queria fazer algo de bom para mim. Você foi fazer compras, cozinhou o jantar, deu-me um bolo e um presente, e o presente, tenho que dizer, foi muito, muito bom. Provavelmente o meu favorito para sempre." "Mas fodi com a framboesa," ela aponta com um sorriso, enquanto fica em cima de mim, as mãos descansando em ambos os lados do meu peito. "O ponto que estou tentando fazer é que você e eu não temos um Sugarship convencional. Eu tenho que ter alguém em marketing para mudar esse nome. É estúpido pra caralho." "Concordo," diz ela.


"Sobre 'sugarship’ ser estúpido ou com uma porra como é essa?" "Bem, sim, concordo com isso, mas mais ainda sobre o que não é muito convencional." "Então, para trazer este círculo completo," digo, enquanto coloco minhas mãos sob suas axilas e a arrasto para ficar um pouco alta no meu corpo. "Eu digo que podemos tornar isto no que quisermos. Se você quer fazer algo de bom para mim, isso é incrível. Se eu quiser levá-la para Las Vegas para mostrar-lhe a vista, isso é incrível também. Vamos, tipo, fazer o nosso próprio negócio." Os olhos de Sela ficam macios e percebo que nunca vi seu olhar tão suave antes. Há sempre uma parte desta mulher que sinto que está mantida em reserva. Ela balança a cabeça em concordância comigo, mas então me traz um pouco de volta à realidade quando diz "Pelo menos pelas próximas semanas até o nosso acordo acabar." Eu não sei como realmente me sinto sobre isso, mas não é algo para debater esta noite, então apenas aceno. "Até o nosso acordo acabar.”


Capítulo 13 Sela

Mesmo que estive na sede corporativa da Townsend-North Holdings uma vez antes, eu ainda estou um pouco intimidada pela grandeza do lobby. TownsendNorth é a empresa matriz que detém The Sugar Bowl. Eu não tenho certeza do que mais ela possui, já que nunca falei sobre ‘negócios’ com Beck, mas seja o que for que seu império engloba, faz tanto dinheiro que praticamente escorre para fora do piso de mármore. A outra vez que estive aqui, foi para encontrar minha ‘amiga’ Karla Gould para o almoço. Aquele foi o dia que eu tinha conseguido dar uma olhada dentro do escritório de JT e me imaginado acertando um abridor de cartas em seu cérebro. Se ele tivesse realmente sentado lá, gostaria de saber se eu teria sido obrigada a atacar, porque essa fantasia era tão vívida. Só de pensar nisso agora, envia um arrepio de excitação pela minha espinha. Não o tipo de arrepio que recebo de Beck. Nem de perto, na verdade, mas ainda é uma agradável sensação de formigamento, que certamente não me desliga. Eu ando até a mesa da recepcionista, que parece ser esculpida à mão á partir de uma madeira de cor clara, que está polida para um alto brilho com acentuação de prata escovada. O tampo preto em granito com manchas de prata combina com o piso de mármore negro que meu tênis bate. Olho para os meus tênis ruidosos e penso por um segundo que talvez eu devesse ter me vestido melhor para vir ver Beck em seu escritório.


Mas então imediatamente descarto o pensamento. Não preciso impressioná-lo neste momento e, além disso... quando ele me mandou uma mensagem cerca de uma hora atrás me convidando para almoçar, eu estava terminando um dos meus exames antes das férias de outono e não tive tempo para correr de volta para o condomínio e trocar de roupa. Ele vai ter que me aceitar como estou, embora eu tenha tido um pouco de tempo esta manhã para colocar um pouco de maquiagem. Encontro-me a fazer isso mais e mais vezes, só porque eu vergonhosamente quero ficar bonita para Beck. Vergonhoso, de fato. Chamando a atenção para mim mesmo assim.

Hoje é o meu aniversário de 16 anos. Eu fui estuprada. Eu acho que merecia.

Um arrepio percorre sobre mim quando eu penso sobre essa entrada no meu diário e queimo de dentro para fora com mortificação. Enquanto não lembro muito sobre o que me aconteceu, só fragmentos de memória, apenas flashes e, claro, registros médicos documentando as minhas lesões. Me lembro muito bem do que levou a isso. A humilhação hoje é forte como era há dez anos, quando percebi que eu trouxe tudo sobre mim, por tentar jogar de menina grande no mundo de um homem severo.


Eu engulo em seco, me dou uma sacudida mental para me manter no lugar e sorrio para a recepcionista, que é belíssima, com cabelo vermelho vivo, disposto em um elegante coque, e olhos verdes que brilham quase assustadoramente. Devem ser lentes de contatos. "Posso ajudá-la?" Pergunta ela secamente. "Estou aqui para ver Beck North." Clarista - eu vejo seu nome em seu crachá de identificação - desliza o seu olhar pelo meu corpo, se atenta no meu traje casual e realmente franze o nariz para mim. "Deixe-me verificar com sua secretária antes de enviá-la de volta. Seu nome?" "Sela Halstead," digo a ela, tentando reunir a confiança dentro de mim. Eu endireito a minha coluna e até mesmo jogo os ombros para trás para que ela possa, talvez, ver os meus peitos fantásticos, de acordo com Beck, e que eles são naturais, ao contrário dos dela. Ela, na verdade, vira as costas para mim, falando em voz baixa no telefone quando chama alguém, que suponho ser a secretária de Beck. Eu sei o nome dela, Linda, porque ele me disse na noite passada, e que ela é a única pessoa além de sua irmã que realmente reconhece seu aniversário. Ele disse que ela é como sua avó substituta ou algo assim, e eu acho fascinante que ela trabalha para um homem que, essencialmente, vende carne humana de uma forma legal, é claro. Clarista se vira para mim e abre um sorriso apertado enquanto fica de trás da mesa.


"Me siga." Eu ando atrás dela para uma porta fechada com um painel de segurança ligado à parede ao lado. Ela puxa a chave de segurança que permanece conectado por uma corrente retrátil em sua cintura, e mantém-se ao painel. Uma pequena luz vermelha pisca uma vez e, em seguida, fica verde. Ela abre a porta, olha para baixo do nariz para mim, e diz: "Você pode ir diretamente para baixo neste corredor. Linda irá encontrála." "Eu sei meu caminho", digo, e passo por ela, agora realmente sentindo um pouco de emoção sobre ver Beck. Acho estranho e fascinante a maneira que ele está, aparentemente, chamando a minha atenção. Eu nunca fiquei excitada para ver um homem antes. Eu, definitivamente, nunca gostei de sexo como este antes. E na última maldita noite, nós ficamos apenas sentados no sofá, rindo, enquanto falávamos futilidades, fazendo perguntas um ao outro; era quase surreal. Foi o mais próximo que eu já realmente vim, talvez, a ter uma relação normal com um homem, cuja conversa fluía livremente e sem esforço. Deixando de lado o fato de que ele está me pagando uma grande quantidade de dinheiro para sentar no sofá com ele, lógico. Uma mulher de cerca de sessenta anos, eu acho, caminha no salão principal e eu tenho que assumir que é Linda. Ela é um pouco pesada, mas está vestindo um elegante terninho azul marinho, com um lenço azul, vermelho e ouro, amarrado no pescoço. O cabelo dela é branco da cor de neve e os olhos de um castanho suave. Ela


me dá um sorriso caloroso quando me aproximo e estende sua mão para mim. "Você deve ser Sela. Beck me disse que estava indo roubá-la para o almoço hoje." Sou imediatamente cativada por seu carinho com seu chefe, e enquanto eu aperto a mão dela, digo-lhe: "É bom conhecê-la." Ela aperta minha mão e desliza um olhar pelo meu corpo de novo, não há uma dica de condescendência ou julgamento. Ela sorri para mim de forma brilhante e diz: "Você é apenas a mais encantadora das criaturas. Beck realmente teve sorte com você." Meu rosto fica vermelho em chamas, porque não sei se já recebi o mais genuíno elogio na minha vida, e estou mais do que um pouco envergonhada de que se ela conhecesse meu motivo oculto, nunca pensaria que Beck teve sorte comigo. Eu sigo Linda por um corredor, voltamos para baixo, e eu reconheço a área. Ela me leva a um escritório de canto, e quando espio o corredor que percorre toda a extensão da construção, posso ver o canto da mesa de Karla de onde estou. O escritório de JT está daquele lado. Linda abre a porta e gesticula; "Beck está realmente lá embaixo em reunião com os programadores. Ele está alguns minutos atrasado, mas estará aqui em breve. Apenas certifique-se de ficar confortável." "Obrigada", murmuro enquanto entro no escritório de Beck. É intocado, contemporâneo e minimalista, como sua casa. Não existem fotos pessoais ou bugigangas. A decoração é em preto, branco e cinza, com algumas obras de arte


moderna nas paredes, que se parecem com nada mais do que espirros da pintura em amarelos, laranjas e vermelhos. Gostaria de saber se a natureza impessoal do seu espaço em casa e no trabalho tem algo a ver com o que parece ser o ambiente familiar estéril em que ele cresceu. Sei que minha família não tem muito dinheiro, mas certamente tinha amor dentro de nossa pequena casa. Enquanto eu era mais próxima de minha mãe, que era muito jovem quando me teve, também tenho um vínculo afetivo com o meu pai, que brevemente ficou mais forte, logo após a minha mãe morrer três anos atrás, mas então, começou a esfriar um pouco quando ele começou a namorar novamente. Ele agora está com Maria por um ano e espero que eles se casem em breve. Não os invejo, Maria é boa o suficiente, mas depois que a minha mãe morreu, meu pai era tudo que eu tinha e agora tenho que compartilhar ele. E eu não gosto muito. "Bem, o que temos aqui?" Eu ouço atrás de mim, e minha pele fica imediatamente gelada com apreensão e repugnância. Me viro para ver Jonathon Townsend de pé na porta do escritório de Beck. As mãos dele estão dobradas casualmente nos bolsos de sua muito cara calça e seus olhos caem em meus seios, que enchem a minha camiseta vintage Pepsi de mangas compridas, muito bem. Ele claramente não se lembra de quando eu me apresentei a ele quase duas semanas atrás. A maneira como ele está me olhando me arrasta fora, e quando ele dá um passo para o escritório, eu tenho que resistir à vontade de correr para trás da mesa de Beck.


Mantenha-se junto, Sela. Você não pode ter medo deste homem. Você pretende matá-lo, afinal de contas, de modo que você tem que parecer confortável na sua presença. "Eu sou Sela Halstead," digo, orgulhando-me de fazer minha voz soar forte e não instável como as minhas entranhas ficaram. "Nós nos conhecemos no fim de semana anterior em uma festa." Ele descuidadamente encolhe os ombros, indicando que não se lembra, nem se importa que não se lembre. Isso me enche de fúria borbulhando, porque este homem me estuprou e ainda assim está, no máximo, a cinco pés de mim sem uma pitada de reconhecimento. Meus dedos enrolam em punhos e a vontade de atacar e enfiar minhas garras em seus olhos, quase faz com que minhas pernas cedam. Townsend dá mais dois passos em minha direção, quase de forma escorregadia, e eleva seus olhos dos meus peitos para minha cara. Ele me dá o que sei que ele pensa que é um sorriso encantador, e diz: "Eu não posso acreditar que não me lembro. Estou quase decepcionado comigo mesmo." Eu prendo meus olhos na frente dele, resistindo à vontade de rolá-los, e sem um cuidado no mundo, se isso machuca meus planos em algum ponto. "Bem, felizmente eu conheci Beck logo em seguida, de modo que tudo funcionou perfeitamente." Você desgraçado, filho da puta, amoral, doente bastardo do mal. Ele tem um ego enorme e não percebe que era um insulto, estica uma mão para me tocar. Não tenho certeza se ele está apontando para meu rosto, meu cabelo, ou talvez um aperto na mama, mas eu dou um passo apressado para trás.


"Coisinha nervosa", ele murmura, e eu posso ver a mudança chiando em seus olhos. Bile sobe na minha garganta e entro em modo de luta. Me preparo para lançar um pé em suas bolas se ele chegar mais perto novamente, me pergunto se há um abridor de cartas na mesa de Beck que eu possa usar para terminar o trabalho, mas então a voz de Beck flutua sobre mim como um cobertor protetor. "Sela? Tudo certo?" Eu inclino minha cabeça para a direita, o olhar passando por JT, e vejo Beck caminhando com um olhar não muito feliz por ver seu parceiro de pé ali. Eu corro ao redor do escritório e meu alívio é evidente pelo tremor agora claro em minha voz, "Hey... pronto para ir para o almoço?" Ele aperta os olhos para mim como se claramente ouvisse no meu tom tudo o que eu estava esperando esconder. Medo, ansiedade, alívio. Seu olhar se fixa em JT, prendendo-o com os olhos duros. Enquanto ele está focado em seu parceiro, sua pergunta é para mim. "O que está acontecendo aqui?" A tensão é grossa e não tenho ideia do que dizer. Eu certamente não quero causar problemas, mas JT apenas ri suavemente e passa por nós dois. "Só me apresentando." Beck e eu mudamos nossos corpos um pouco para vê-lo caminhar para a porta. JT para pouco antes de sair e se vira para mim. Seu olhar é lascivo, dirigido


apenas para mim, e em voz baixa, ele diz "Foi um prazer conhecê-la, Sela. Espero ver mais de você." Sinto tremores no corpo inteiro e posso ver Beck visivelmente apertar ao meu lado. Sem um pingo de consideração ao parceiro de negócios de Beck e sem cuidado no mundo se isso ofender Beck, digo a JT "Eu gostaria de poder dizer o mesmo." A cabeça de Beck se encaixa na minha direção, mas não tiro os olhos de JT. Não posso me dar ao luxo de dar-lhe sempre o meu olhar baixo ou meu medo, como ele provou ser, eu quero que ele saiba que não estou intimidada por ele. JT apenas ri e se vira para sair pela porta, fechando-a atrás de si. No minuto em que ele se foi da minha vista, deixei escapar um suspiro de alívio e senti meus ombros relaxarem. Beck enfia os dedos pelo meu cabelo, enrolando a mão ao redor da parte de trás da minha cabeça. Com olhos preocupados, ele se inclina em direção a mim e pergunta em voz ameaçadora "Ele fez alguma coisa para você?" Eu balancei minha cabeça. "Não, é só que... ele estava dando em cima de mim e foi muito assustador." “Imbecil", Beck rosna. Eu dou uma risada nervosa. "Eu tenho que dizer... não gosto muito de seu parceiro."


"Faz dois de nós", ele diz, e eu pisco em surpresa. Nós não discutimos sobre JT antes, desde aquela primeira noite que nos conhecemos quando ele me disse que JT não gostava de mulheres confiantes, e assim eu nunca soube quais eram seus sentimentos. Pelo que eu sabia, eles eram muito próximos e melhores amigos. Pisando em Beck, eu pressiono minha testa brevemente para seu peito e digo "Bem, eu estou feliz porque você chegou aqui quando o fez. Eu estava me preparando para chutá-lo nas bolas." "Eu teria pagado para ver isso", ele diz com uma risada, e depois com um puxão no cabelo, traz minha cabeça para cima. Ele inclina o rosto para trás e me dá um beijo leve, preenchido com nada além de afeição. É legal. Muito agradável. "Com fome?" Pergunta ele com um sorriso. "Faminta." "Bom, vamos lá." Beck me toma pela mão, laçando nossos dedos. Isso também é muito bom e eu realmente tenho uma sensação de calor dentro do meu peito quando saímos de seu escritório, os olhos de Linda imediatamente tomam conhecimento de nós de mãos dadas. Ela fica quase com os olhos enevoados quando sorri para nós.


"Obtenha esse olhar fora de seu rosto, mulher," Beck rosna, mas é feito com uma grande quantidade de carinho. Linda coloca a mão sobre a boca, olha Beck com os olhos brilhando e balança a cabeça ligeiramente pelo que ela acha que é claramente um milagre acontecendo na frente dela. "Eu não posso ajudar nisso. Vocês dois são adoráveis." "Cristo," murmura Beck, e me puxa por sua mesa. Eu rio e dou um pequeno aceno para Linda sobre o meu ombro. Quando chegamos ao lobby, Beck solta minha mão, mas imediatamente coloca o braço em volta de meu ombro, me puxando para ele e colocando um beijo em minha testa antes de murmurar, "Você vai ser o motivo de todas as fofocas com a sua visita aqui hoje." Meus olhos cortam para a friamente bela Clarista, que observa Beck e eu com a boca aberta. Eu não posso ajudá-la. Coloquei meu braço em volta de sua cintura e passo para mais perto quando caminhamos por sua mesa, e atiro-lhe um sorriso doce. "Tchau, Clarista. Foi lindo conhecê-la." Beck olha para Clarista, espreme-me para mais perto. Os olhos de Clarista movem-se para Beck, quase lhe suplicando para dizer que isto não está acontecendo. Beck North, o solteiro mais cobiçado neste edifício, está brincando com uma menina em um camiseta e tênis Converse. "Eu estava indo para um almoço, mas agora que penso sobre isso, vou tirar o resto do dia de folga," Beck diz impetuosamente para Clarista. "Você pode deixar Linda saber?"


"Sim, Sr. North", diz ela, com a voz completamente pasma. "Excelente," Beck diz com um sorriso, e entĂŁo ele me puxa para mais perto, Ă  medida que caminhamos para fora do lobby.


Capítulo 14 Beck

“Está estranho?" Sela pergunta enquanto suaviza para baixo o vestido em seus quadris com as mãos nervosas. "Não, e pare de ficar remexendo," eu digo a ela quando a guio para o salão pelo cotovelo. "Parece estranho", ela mantém. "Não está estranho," eu digo a ela pela centésima vez. "E nós não temos que ficar muito tempo, apenas o suficiente para fazer uma aparição e então podemos ir." "Veja, eu lhe disse que era um desperdício de dinheiro comprar este vestido", ela reclama enquanto nós caminhamos para o salão. "Exagero, já que você só tem que ficar por pouco tempo. Eu deveria ter apenas ficado no condomínio e esperado por você, e você poderia ter economizado uma boa quantidade de dinheiro." Eu rio e aperto seu cotovelo. "Sela sempre prática." Deus, sua praticidade é foda adorável. Quando eu disse a Sela na hora do almoço há alguns dias que o Sugar Bowl tinha um outro evento mixer que eu precisava assistir, primeiro ela ficou com inveja de mim.


Oh, era quase imperceptível... um aperto de sua mandíbula, uma faísca em seu olho. Eu queria chamá-la sobre isso, mas sabia que ia envergonhá-la, então rapidamente deixei-a saber que queria que ela viesse comigo, como meu encontro. Assegurei-lhe que eu tinha que fazer uma aparição e que nós não iríamos ficar muito tempo. Então, depois do almoço naquele dia, fomos comprar um vestido de cocktail. Eu deixei Sela escolher o que ela queria, e na boutique que eu a levei, para não ter qualquer coisa que custasse menos de mil dólares, fiquei surpreendido quando ela escolheu um vestido mais calmo. Era de cor champanhe, de seda, com mangas que ficam fora de seus ombros, um corpete de encaixe confortável e uma saia que caia abaixo dos joelhos. É realmente muito elegante e não é de todo algo que uma Sugar Baby usaria, o que significa que eu gostei. Esta noite ela estava usando um par de sapatos de salto alto da mesma cor champanhe e colocou o cabelo em um coque apertado na parte de trás do pescoço. Parece que ela poderia estar participando de um jantar de caridade, e eu percebo enquanto nós caminhamos para o salão, que o meu peito está realmente estufado com um pouco de orgulho da mulher que está comigo. Damos um passo até o bar e o bartender desce sobre nós tendo nossos pedidos de bebida. Eu ofereço um banco vazio para Sela. Como ela tão graciosamente se senta nele com sua saia apertada, está além de mim, mas quando ela cruza uma perna sobre a outra e uma fenda longa aparece correndo para cima em sua coxa, imediatamente entendo. Eu não posso me ajudar... coloco meus dedos sobre sua pele nua e subo-as para o alto, até que o material vem junto novamente.


"Você é a mulher mais sexy nesta sala," digo a ela quando eu inclino minha cabeça para o lado e beijo o ombro nu. Ela treme e deixa sair um pequeno suspiro de prazer. Eu puxo para trás e sorrio para ela, encontrando-a olhando para mim com confusão. "Como você faz isso?", Pergunta ela com espanto. "Fazer o que?" "Fazer-me sentir como uma colegial, com uma queda pelo rapaz mais bonito da classe, e ele apenas olhou para ela e a fez parecer toda boba por dentro", ela responde. "Eu conheço o sentimento," digo a ela suavemente, e ela sorri para mim. O genuíno sorriso cheio de Sela, com mais nada escondido por baixo. Ele me cativa e tudo o mais no salão desaparece. Nossos olhos se bloqueiam e esperam. Sinto uma corrente elétrica entre nós, como se eu tive apenas uma epifania de algum tipo. Mas então o olhar de Sela oscila passando por meu ombro esquerdo, estreita por um instante, e depois enche de desgosto. Eu viro meu corpo dessa forma, olhando por cima do meu ombro e vejo imediatamente o que causou esse olhar. O bar é curvado como uma ferradura e JT está de pé no final, a cerca de seis pés para baixo depois Sela e eu. Ele tem seu braço em torno de um dos bancos em que está uma menina loira de vinte e poucos anos, seminua e com enormes peitos, e ele está sussurrando em seu ouvido. Ela é claramente o seu objetivo para esta noite.


JT pega a mão levando até a cintura e depois a desliza em suas costelas. Ela ri, mudando em seu assento e move o braço dando-lhe mais acesso. Ele desliza-o mais alto e os dedos escovam a parte externa do seu peito. Ela vira-se agora tímida, golpeia a mão dele, e ri novamente. JT não ri, no entanto, e coloca sua mão direita para trás em suas costelas. É um show clássico de posição dominante, e eu já vi isso tantas vezes antes. "Ele realmente tem os movimentos, não é?", Murmura Sela ao meu lado. Eu não viro para olhar para ela, mas continuo a assistir JT em desgosto quase hipnotizado. "Eu sinto certo sarcasmo em sua voz, certo?" Ela ri. "Isso óbvio, né?" JT vai para um outro toque no peito da mulher e ela novamente empurra sua mão para longe, mas ri provocantemente enquanto faz isso. Eu quero dizer a ela que ela está fazendo nada mais do que o irritando, mas que bom isso seria? Qualquer Sugar Baby nesta sala, com exceção de Sela, não vai deixar passar uma chance com JT. O barman retorna com nossas bebidas, dry martini para Sela e scotch para mim. Eu seguro meu copo contra o dela para bater as extremidades juntas. "Saúde." "Saúde." Sela puxa o palito carregado com três azeitonas e puxa uma fora com os dentes.


É um movimento sexy e eu estou fascinado por ela, até que ela aponta o palito agora segurando duas azeitonas no JT. "Você sabe... Eu tenho que saber, você não vê nenhum bem em seu parceiro em tudo?" Não é uma pergunta estranha, mas seu tom de voz tem uma inflexão estranha. Quase combativa em natureza. Eu sei que Sela não gosta de JT, e merda... Eu não gosto muito dele hoje em dia, mas parece um pouco pessoal para Sela. Eu olho para ele, começo a voltar para Sela para lhe dizer a verdade dos meus sentimentos, quando assisto a loira dar um impulso levantando do banco e pegar sua bolsa. Ela fica na ponta dos pés, sussurra algo no ouvido de JT, em seguida dirige-se para o banheiro. JT a observa por um momento, seus olhos presos na sua bunda, e então ele se vira de volta para o bar. Alcançando no bolso do peito esquerdo, ele puxa alguma coisa. Ele faz isso tão rapidamente e seguramente, que eu quase não acredito no que estou vendo. Ele casualmente detém a mão sobre a bebida da mulher e depois um pó branco flutua para baixo nele. Ele olha rapidamente para o barman, que está de costas, e depois pega a bebida para rodar o pó até que esteja dissolvido. "Será que ele só..." Sela começa a perguntar, mas eu já estou empurrando para longe do bar como um touro enfurecido. Eu caminho em direção a JT com passos furiosos, vendo como ele olha para a bebida que está agora definida para o bar, com um sorriso satisfeito. Apenas quando eu estou a um pé longe dele, a cabeça vira e faz contato visual comigo. Ele sorri primeiro, me dando boas-vindas, mas quando vê o olhar no meu rosto, desliza para a direita de volta ao balcão.


Eu pego a bebida, intensifico no trilho do pé na parte inferior do balcão, e inclino-me sobre ele, vertendo a bebida para fora da pia no outro lado. "Que porra é essa?" JT diz com indignação. Eu bato o copo e minha mão atira para fora, pegando um punhado de camisa e gravata de JT. Eu puxo-o para fora do bar e começo a puxá-lo para a saída. As pessoas lutam para fora do nosso caminho, a maioria com olhares de surpresa que os dois proprietários do The Sugar Bowl parecem estar à beira de uma briga. Ele tenta ultrapassar-me, mas eu assobio para ele: "Você me segue fora daqui agora, imbecil, ou que Deus me ajude, eu vou chamar a polícia sobre o que você acabou de tentar fazer." JT vira imediatamente e eu dou-lhe um forte empurrão em direção à saída, quando eu lanço minha pegada nele. Ele vai tropeçando por um momento, em seguida, pega o equilíbrio. Ele olha em volta com todo mundo olhando e prende as mãos para cima, "Nada para se preocupar, pessoal. Apenas um amigável cabo-deguerra sobre a Sugar Baby." Ele dá um sorriso bajulador, e as pessoas mais próximas ouviram aquela risada nervosa. Eu não rio e dou-lhe um empurrão áspero no ombro, fazendo-o tropeçar novamente, o que coloca JT em movimento e caminhamos rapidamente para fora do salão. JT não olha para mim, mas caminha diretamente para o banheiro dos homens. Eu sigo-o e ele se vira para mim. Eu posso dizer pelo silêncio do banheiro que ele está vazio, exceto por nós, e eu estoco para ele. Agora agarrando punhados de camisa, casaco e gravata, eu o empurro através do chão de azulejos, várias etapas até suas costas bater na parede e ele geme de dor.


"Jesus fodido Cristo, Beck", diz ele, e eu afasto e bato nele de volta novamente. "Você, fodido doente," Eu rosno para ele. "Você só tentou drogar essa menina, merda. O que diabos está errado com você?" Estou tão furioso agora, que quase sinto como se pudesse mata-lo. Eu vejo o esmalte em seus olhos, de drogas e álcool, imagino o que ele teria feito para a menina esta noite e vejo todo o meu império começando a desmoronar ao meu redor. Não vejo nada do homem que eu pensei que conhecia, dentro de seu olhar embaçado. Um homem que eu pensei que era igual a mim, mas estou começando a perceber que era nada mais do que um sonho tolo. "Relaxa, mano", diz ele calmamente. "Era só para solá-la." "Você, maldito filho da puta idiota", eu grito para ele e solto minhas mãos. Eu levanto um dedo e aponto para ele, vejo que está tremendo. "Você vai nos derrubar, JT, estou cansado desta merda. Quero você fora desta empresa. Eu quero que saia e você pode ir fazer o que doente, merda pervertida se passa na tua cabeça, para longe de mim, mas eu não vou deixar você me puxar para baixo com você." "Você não pode forç..." Eu interrompi, agarrando-o de novo, puxando-o para longe da parede e batendo-o de volta. Seus olhos com medo. "Apenas cale a boca. Agora eu quero que você, seu burro, ande fora deste hotel e entre em um táxi e vá para casa. Se eu vê-lo voltar no salão de baile, eu estarei chamando a polícia e acabou para nós dois." Não é uma ameaça vazia neste momento. Agora estou preparado para fazer o que preciso fazer para obter JT fora do Sugar Bowl, mas, ao menos, fazer o que for preciso para proteger a mulher esta noite.


"Tudo bem", ele rosna para fora, e minhas mãos caem. "Tudo bem, eu vou." "Você esteja no escritório amanhã, às oito horas, e esteja pronto para passar o ferro para fora," eu digo a ele conforme corro minhas mãos pelo meu cabelo em frustração. "Esta merda está feita, JT. Eu não estou brincando." "Tudo bem, tudo bem... o que quiser", diz ele, levantando as mãos em sinal de rendição. "Eu vou obtê-lo sob controle. Eu prometo." Eu aponto para a porta. "Vá para casa, JT. Agora." Ele agarra o casaco na lapela, puxa o material e endireita. Então endireita a gravata e acena. Se vira para a porta e começa a caminhar para fora. Lembro-o. "Amanhã... oito horas, JT. Estamos resolvendo isso." "Eu estarei lá", ele murmura, e então se foi. Eu tomo alguns momentos para organizar meus pensamentos e tomar algumas respirações profundas, mas ainda estou tremendo de raiva e frustração quando volto para o salão. Sela senta-se no bar, seus olhos fixos em mim com preocupação, no minuto em que ando de volta. Quando eu chego perto dela, sua mão vem para o meu peito e ela pergunta: "Está tudo bem?" Eu solto um suspiro irritado, pego minha bebida e tomo um gole saudável. Defino a taça de volta para baixo, passando as mãos pelo meu cabelo novamente e encolho os ombros. "Eu não sei."


A mão de Sela agarra a minha. Ela levanta do banco e graciosamente coloca-se de pé no chão. Puxando para mim, ela diz: "Vamos lá... vamos dançar." Eu não quero fazer uma dança de sexy. É a última coisa no mundo que eu quero neste momento, mas não quero largar a mão de Sela, então a sigo quase em transe para a pista de dança. Quando ela atinge o meio e se transforma em meus braços, percebo que uma música com uma batida lenta está tocando. Sela dá passos em mim e um dos meus braços entra automaticamente em volta da cintura; o outro pega sua mão e levo para o meu peito. Ela passa uma mão atrás do meu pescoço e me acaricia suavemente quando sussurra em uma voz tranquilizadora, "Basta relaxar e esfriar." Eu olho para ela quando ela olha para mim com olhos sinceros, cheios de preocupação. Minha frequência cardíaca imediatamente toma uma queda livre quando eu sinto a mão no meu pescoço e o cheiro da loção de pêssego dela. Deixei escapar um fôlego enorme, reprimido de frustração e, em seguida, dou-lhe um sorriso cansado. "Desculpe, que você teve que ver isso." Ela encolhe os ombros e dá passos mais perto de mim. Seus olhos estão redondos, claros e cheios de respeito. "Honestamente... o que você fez. O quão rápido você reagiu. Foi a coisa mais incrível que eu já vi na minha vida."


Eu tento fazer a luz disso, por causa da forma como ela está olhando para mim, tanto me constrange e me humilha. "Eu só estava tentando impressioná-la assim, para você dormir comigo esta noite." Ela dá uma risada tilintando, os olhos brilhantes com diversão. "Isso já era um fato, Sr. North." Eu não posso resistir. Me inclino para baixo, capturo seus lábios com os meus e dou-lhe um beijo lento. Ela suspira em minha boca e meu braço em volta da cintura puxa-a mais apertado para mim. Me sinto bem para caralho segurando-a assim. Dançando. Beijando. Apenas mágico. Eu puxo meus lábios dos dela e antes que possa sequer compreender o que estou fazendo, digo a ela, "Vamos acabar com o acordo." Sela empurra em surpresa e seus lábios caiem em desânimo. "Você quer terminar as coisas agora?" "Deus, não," eu digo a ela rapidamente com um riso nervoso, recuperando-a de volta para perto. "Eu quero dizer… o período de tempo. Apenas durante um mês. Vamos acabar com isso." "Você quer que eu fique em seu condomínio?" Pergunta ela, hesitante. "Como mudar-me realmente?"


"Bem, sim... com certeza", eu digo, agora não é completamente positivo que eu quero ou se esta é a coisa certa para fazer. "Quero dizer... suas coisas estão lá, por que não?" Ela revira os olhos para mim. "Puxa, Sr. Romântico... como pode uma garota passar sua oferta?" Eu rio, dando-lhe um beijo rápido e, em seguida, digo-lhe: "Desculpe. Isso não foi muito suave. O que eu quero dizer, é que não quero que você saia em duas semanas, quando o contrato terminar. Ok?" Os olhos azuis de Sela vão para um tom mais profundo enquanto ela olha para mim em consideração solene. Finalmente, ela inclina a cabeça em concordância. "Ok. Eu posso fazer isso." "Excelente", eu digo e depois me curvo para beijá-la novamente. Sela repousa a cabeça no meu ombro e por alguns momentos, nós apenas balançamos para trás e para frente com a música. Outro pensamento surge. "Na próxima semana será Ação de Graças. Minha irmã e sobrinha vêm me visitar por alguns dias." "Quer que eu volte para o meu apartamento enquanto elas estiverem aqui?" Ela pergunta em voz baixa. "O quê?" Eu pergunto assustado quando a empurro para longe de mim. Olhando para baixo para ela dou-lhe um olhar castigado. "Eu quero que você as conheça. Realmente quero que você me ajude a cozinhar o jantar de Ação de Graças. Certamente não quero que você volte para o seu apartamento."


Ela sorri para mim novamente. Primeiro em relevo. Em seguida, com felicidade. Um desses não filtrados sorrisos genuínos onde ela me dá 100 por cento de Sela Halstead. E é brilhante, porra.


Capítulo 15 Sela

Pela primeira vez em pouco mais de seis meses, eu realmente considerei desistir de minha vingança contra JT. Por apenas um momento, considero o que aconteceria se eu me concentrasse, em vez disso, no que tenho aqui com Beck. Ele me deu muito mais do que dinheiro para a minha educação. Ele tem me dado prazer e respeito. Ele me deu autoestima. Beck fez isso para que eu não me considerasse uma vítima. Sem o peso da vitimização sobre os meus ombros, eu tenho que perguntar por que a vingança seria necessária. E o que aconteceria se eu deixasse a raiva e fúria ir, e abrisse o espaço vazio deixado para trás, para Beck North. Eu acho que entendo, no fundo do meu coração, que ele iria preencher esse espaço perfeitamente. O pensamento é emocionante e ainda assustador. É também de curta duração, quando percebo que Beck esta noite salvou uma mulher das garras de JT. E sobre a próxima mulher, no entanto? E aquela depois disso? Porque enquanto Beck pode pensar que este é um incidente isolado com seu parceiro, acontece que eu sei que uma zebra não muda suas listras.


Quando vi JT corajosa e seguramente colocar uma pitada de pó na bebida daquela mulher, eu estava superada com desesperança para a situação, inundada com medo para os desavisados e com memórias dolorosas de vergonha e humilhação. Meu estômago ficou coalhado, a náusea subiu, e eu assisti com fascínio atordoado, quando Beck afastou-o do bar. Era quase como se ele estivesse em câmera lenta enquanto caminhava com raiva até JT e puxou-o à distância. Eu vi quando ele gritou e empurrou o seu parceiro no chão, com o rosto lívido e vermelho corado. Internamente, eu cantava, mate-o, mate-o, mate-o, querendo Beck para ser meu anjo vingador, e fiquei decepcionada quando não vi o derramamento de sangue, antes de eles caminharam para fora da minha linha de visão. Eu considerei segui-los, mas fiquei congelada no meu lugar. Trêmula, tomei um gole de meu Martini, até que finalmente apenas o engoli antes de empurrar o copo vazio para longe. E se Beck agora chamasse a polícia e JT fosse preso? Como eu poderia chegar até ele? Mas talvez se isso acontecesse, eu poderia vir para a polícia com a minha história e ele iria para baixo para o meu ataque também. Isso não era ideal para mim, porque quando eu tinha brevemente considerado esta rota, quando percebi que era Jonathon Townsend, eu imediatamente desconsiderei isso, porque não parece satisfatório o suficiente para mim. Eu precisava conhecer a identidade de todos os meus estupradores e não havia nenhuma garantia de que ele iria dá-las. Eu também não quero JT povoando esta terra. Tanto quanto a ideia dele ser estuprado na prisão, eu quero extinguir sua vida miserável para que a sua marca do mal não exista. Finalmente, eu quero fazer JT sofrer, antes de acabar com ele. Quero-o assustado e com tanto pavor de mim, como eu tenho dele. Quero que todos eles sofram, e enquanto eu não puder derrubar sobre eles os mesmos horrores que eles perpetuaram em mim. Eu posso acabar com suas vidas e querer vê-los sofrendo, certo? Não chegar a viver suas vidas sociopatas do mal?


Após o Martini, coro sentindo o seu calor através de mim, então eu brevemente considero levar minha bolsa e os seguir. Dentro dessa bolsa está minha Walther PPK9. Bem, era o revólver da minha mãe, porque dada a minha história psiquiátrica, não há nenhuma maneira que eu conseguiria uma licença, mas está em minha posse agora. Cerca de um mês depois que ela morreu, meu pai e eu passamos por todas as coisas dela. Demos as roupas para um abrigo de sem-teto e papai insistiu para que eu levasse a modesta coleção de jóias, exceto as do seu casamento. Todas as suas bugigangas permaneceram em seus lugares exatos dentro da minha casa de família, com exceção que tenho notado durante o ano passado que algumas delas foram embaladas longe e acho que poderia ser Maria para afirmar sua influência. Acho que meu pai deixou-as embaladas e prontas para quando eu quiser. Não havia muito, mas além de suas jóias, eu tenho a arma. Meus pais sempre tiveram armas durante o tempo que me lembro. Eu cresci atirando com eles desde que eu era uma garotinha, meu pai muitas vezes conduziu-nos até Marin County nos fins de semana para prática de tiro ao alvo. Às vezes, a gente ia bater na Praia de McClure nas manhãs de nevoeiro precoce e atirávamos em latas de cerveja nos troncos. Outras vezes, nós íamos a Mount Tamalpais State Park, onde era fácil chegar longe das pessoas e atirar na floresta silenciosa. Eu estava confortável com a arma. Sabia como carregar e dispará-la. Enquanto o meu objetivo de longa distância é, provavelmente, merda, porque eu não tenho sido capaz de atingir nada, dada a ilegalidade da minha posse desta arma, tenho a intenção de ser de perto e pessoal com JT quando eu usá-la. 9

Pistola semi-automática.


Eu não vou perder. Mas, afinal, antes que eu pudesse precipitadamente perseguir fora do salão e me comprometer a um assassinato a sangue-frio para aliviar minha dor, Beck estava andando de volta para mim. Sua mandíbula estava trancada, seus olhos sem brilho e sombrios. Com uma rapidez que me surpreendeu, os pensamentos de vingança e morte sangrenta simplesmente evaporaram e eu estava cheia de uma enorme preocupação com Beck e sua paz de espírito. Não havia dúvida de que ele estava preocupado com o que viu e também não havia dúvida que quando provocado, ele é um homem que vai reagir de forma rápida e dura. Minha empatia com Beck realmente ultrapassou o meu ódio por JT e eu fui obrigada a ajudar a aliviar sua angústia. Pedir uma dança pode ter sido uma ideia estúpida, mas nos colocou em uma situação imediata, onde eu poderia colocar minhas mãos nele de uma forma calmante. Seu corpo ainda estava tenso e ainda vibrando com raiva contida quando ele pegou minha mão na dele e pressionou a outra em minha parte inferior das costas, após apenas alguns momentos de tocar um ao outro, senti seus ombros relaxarem e sua respiração até mesmo normalizar. Logo depois, foi a vez de Beck convidar-me para ficar em sua casa por tempo indeterminado, e disse que era a demolição de toda farsa de um sugarship que que estávamos cometendo. Em seguida, ele me convidou para cozinhar o jantar de Ação de Graças com ele. Para conhecer a sua irmã e sobrinha. Ele estava me dizendo que eu estava me tornando importante para ele.


Todas as coisas que eu nunca imaginei que iria ganhar quando comecei esta missão. E mais uma vez, estou querendo saber se o caminho em busca de vingança é uma missão de tolos, quando considero o que posso perder. Na melhor das hipóteses, eu alcanço meus planos, fujo do assassinato e Beck nunca ficaria sabendo. Continuaríamos nossa busca por um potencial felizes para sempre. Na pior das hipóteses, eu sou pega e passo a vida na prisão me perguntando se perdi algo que poderia ter tido o potencial para me dar uma vida normal e realizada. "Você está pronta para sair daqui?" Beck pede de repente, sua mão esfregando sensualmente sobre a parte inferior das minhas costas. "Se você estiver", digo enquanto puxo minha cabeça de seu ombro e olho para ele. Ele sorri suavemente para mim, inclina a cabeça para baixo, e esfrega o nariz contra o meu. "Eu realmente quero ficar sozinho com você. Longe de toda essa merda." Com uma ligeira inclinação do meu rosto, minha boca encontra a sua e respondo com um beijo cheio de língua, que o faz gemer e me puxar para mais perto para que eu possa sentir o início de sua ereção queimando através de nossas roupas. A adrenalina, altas emoções e desejo sexual em seus olhos agora, me oprimem.


"Vamos," murmuro, e isso é tudo que precisa ouvir antes de me levar para fora da pista, através do salão de baile e sairmos para o loby do hotel, quando ele enfia a mão no bolso para puxar o seu telefone celular. Com alguns toques rápidos, ele disca para seu motorista e simplesmente diz "Estamos prontos. Puxe ao redor." A mão de Beck está apertada na minha quando saímos para o ar frio. Ele não diz uma palavra, mas apenas olha fixamente para baixo na rua até que vê a limusine parar na nossa frente. Ele não espera pelo condutor e abre a porta de trás para mim e me ajuda ir para dentro. Rastejando atrás de mim, ele diz ao motorista, "Você pode nos levar de volta para o Millennium, mas circule ao redor do edifício quando chegar lá até que eu diga o contrário." O condutor apenas diz "Sim, senhor" antes de Beck apertar o botão que fecha a tela que nos separa dele. Beck empurra para trás no assento ao meu lado, e suspiro de surpresa quando ele se vira, coloca as mãos em meus quadris e me arrasta para seu colo, para que minha bunda pressione em sua ereção e minhas costas em seu peito. Seus braços circulam minha cintura onde ele me aperta brevemente, com os lábios na minha orelha ele sussurra: "Eu preciso de você agora. Mal posso esperar." Minha cabeça gira e todo o meu corpo enrubesce com luxúria, causada não pelo comprometimento da situação que ele apenas coloca-me, mas pela necessidade em sua voz. Eu respondo balançando minha bunda e moendo para baixo sobre ele. Beck sibila, com prazer... com dor... eu não sei, mas, em seguida, suas mãos vão para a barra do meu vestido e ele puxa o material das minhas pernas, pelos meus quadris, se agrupando em volta da minha cintura. Mal o vestido está fora, sua mão está entre as minhas pernas e seus dedos estão avançando sob a renda de


algodão branco da minha calcinha. Mal a sua mão toca minha calcinha, e seus dedos estão contra o meu clitóris, mergulhando dentro de mim, me massageando dentro e fora. Meus saltos caíram com força no chão acarpetado do carro, minhas pernas endireitaram, e minhas costas arquearam longe dele enquanto a parte de trás da minha cabeça pressiona em seu ombro para me apoiar. "É isso mesmo", ele rosna enquanto me fode com o dedo, movendo a outra mão sobre o meu peito para beliscar um mamilo através da seda do meu vestido. "Eu quero que você venha na minha mão, baby. Venha para mim, Sela." Meus olhos rolam para o fundo da minha cabeça quando o prazer ameaça me consumir. Seu toque de fogo, suas palavras sujas, o simples fato de que ele não poderia mesmo esperar se afastar para o hotel, tem-me correndo em direção a um clímax na velocidade máxima. Eu vagamente me pergunto se o motorista sabe o que estamos fazendo, coisa que ele provavelmente faz, e Deus me ajude... isso me excita ainda mais. "Vamos, Sela," Beck range fora, seu pau duro moendo debaixo da minha bunda. "Dê para mim para que eu possa te foder. Por favor, me dê... porque eu preciso estar dentro de você muito ruim." E puta merda... eu dou-me a ele com um grito que ecoa através da limusine e não há dúvida de que o motorista ouviu isso. Minha pélvis dispara, mói contra sua mão e um gemido animalesco de alívio escapa da minha boca, enquanto minhas lágrimas caem livres. "Oh, foda-se, isso é quente", Beck diz enquanto continua a esfregar círculos em volta do meu clitóris, enquanto eu tremo e tremo em seus braços. Minha cabeça ainda está girando, meu corpo fica deliciosamente fraco, quando Beck me gira em


seus braços, me puxando para montar totalmente sobre seu colo, assim estou agora de frente para ele. "Obtenha minha calça aberta", ele bufa com urgência enquanto mergulha a mão no bolso para pegar sua carteira. Eu empurro-me de joelhos e rapidamente retiro o cinto enquanto ele tenta pegar um preservativo, com fervor desenfreado. "Foda-se," Beck late em frustração quando vasculha através de sua carteira. "Eu não tenho um maldito preservativo." Minhas mãos congelam e eu levanto minha cabeça para olhar para Beck. Seu rosto está repleto de dor e a necessidade em sua voz racha, quando ele me olha bem nos olhos e diz: "Cristo... eu quero estar dentro de você ruim pra caralho." O som que eu acredito que ouço é meu coração de pedra se abrindo ainda mais em resposta a Beck. Hesito apenas um momento, antes de minhas mãos começarem a trabalhar novamente na sua braguilha. "Por favor, Sela", ele grasna quando os dedos cavam em minhas coxas. "Chupa meu pau... faça esta dor ir embora." Com seu zíper aberto, eu puxo as calças, chegando em sua cueca e tomo seu pau. Ele pulsa na minha mão e vejo uma gota perolada proeminente na ponta. Encaro-o, espesso e quente e pulsando com a necessidade, aperto-o duro e o acaricio para cima e para baixo algumas vezes. Beck geme e sua cabeça cai para trás contra o assento, olhos espremidos fechados. "Por favor, Sela..."


"Shhh", murmuro baixo enquanto embaralho para trás de seu colo. "Eu entendi você." Seus olhos ficam abertos e ele me observa com fascinação, quando meus joelhos batem no chão acarpetado da limusine e eu desço do seu colo. Com uma mão sobre sua coxa, a outra apertando-o em torno da raiz de seu pau, eu levo a ponta dele na minha boca e sugo levemente. Beck geme alto, os dedos das duas mãos enfiam através do meu cabelo em ambos os lados da minha cabeça. Ele agarrame levemente, seus dedos pressionando em meu couro cabeludo, como um meio de me segurar firme e não forçar a ação. Esta não é a primeira vez que eu tive Beck na minha boca, mas é a primeira vez que realmente o queria ali. Pela primeira vez em toda a minha vida sexual, vi a beleza de tal ato íntimo, e levo o meu tempo lambendo e chupando, para que eu possa saborear esta experiência. Estou dividida entre o desejo de levá-lo selvagem e a necessidade de acabar com seu sofrimento. Tão bom quanto posso fazer a ele neste exato momento, eu quero que ele aprecie. Então eu aperto, lambo, chupo, cantarolo, e vibro contra sua pele quente. Eu chupo abaixo da ponta de seu pau. Beck é um amante respeitoso, e por qualquer motivo, me avisou todas as vezes antes que ele está gozando. Ele nunca questionou a minha falta de vontade de engolir e pareceu satisfeito comigo o acariciando até a conclusão final. Estou confiante de que ele vai me dar a mesma cortesia aqui, mas vai se surpreender ao descobrir que não é necessário. Agora não.


Os quadris de Beck começam a perfurar para cima, buscando mais profundidade. Ele geme quando vou mais para baixo nele e grunhe quando escavo meu rosto contra o seu pau. Ele chama meu nome quando deslizo minha língua para baixo de seu eixo, e amaldiçoa em voz alta quando chupo suavemente suas bolas, o acaricio mais rápido na base e movo minha cabeça para cima e para baixo com mais vigor. Beck soa como se estivesse sendo estrangulado. Em seguida, vem o leve puxão no meu cabelo e ele murmura, "Pare, Sela. Vou gozar." Eu aperto-o mais forte, tomo uma respiração profunda e mergulho para baixo para que o leve profundamente, movimento minha outra mão para acariciar a pele atrás de suas bolas e depois chupo duro no caminho para cima. "Fodido Cristo", Beck grita enquanto goza e eu quase gemo de satisfação quando engulo tudo o que ele oferece. Eu engulo. Tudo isso. E gostaria que houvesse mais, então continuo a sugar contra ele. "Oh, Deus, Sela," ele geme quando continuo apertando e acariciando, correndo minha língua em torno da cabeça inchada do seu pau, tentando encontrar alguma gota que eu poderia ter perdido. Suas mãos caem longe da minha cabeça e encontram seu caminho sob minhas axilas, em seguida, ele está carregando-me. Seu pau cai longe da minha boca e a próxima coisa que eu sei, é que ele me tem embalada em seu colo com o rosto


pressionado no meu pescoço. Sua respiração é difícil e posso sentir seu coração trovejando sob a minha mão, quando eu a coloco em seu peito. Os braços de Beck me envolvem e me apertam com força. Meu próprio coração está acelerado junto com o seu e estou alta sobre a emoção da minha nova revelação. Uma epifania que vai me fazer começar a questionar tudo o que eu achava que sabia sobre mim mesma. Eu, Sela Halstead, não estou tão quebrada quanto pensava que estava. Enquanto pensava que Jonathon Townsend tinha tirado tudo de mim, percebi agora que ele não levou nada. Ele somente distorceu minha percepção. Contudo, eu ainda estou muito deformada, mas aprendi algo muito importante, enquanto Beck revestia minha garganta com seu sêmen. Percebi que a intimidade é realmente algo que eu poderia aprender a desejar com um homem como Beckett North e tenho apenas que começar a descobrir o verdadeiro potencial dentro de mim mesma.


Capítulo 16 Beck

O alarme configurado no meu telefone apaga-se ligeiramente, como tive a certeza de abaixar o volume antes de ir dormir na noite passada. Eu não queria que Sela acordasse, imaginando que ela poderia dormir até um pouco mais nesta manhã. Depois que voltamos do Sugar Bowl Mixer, na noite passada, acabamos queimando três preservativos durante toda a noite porque eu não conseguia o suficiente dela, porra. Você poderia pensar que com a natureza quase sísmica onde eu gozei em sua garganta, estaria verdadeiramente repleto para o resto da noite. Pelo contrário, é como se a chama que eu já tinha queimando constantemente por Sela, tivesse me chicoteado em uma tempestade frenética e eu não podia deixála sozinha. Eu a comi e depois outra vez, meu pau proclamou claramente que estava em profundo amor com a buceta de Sela. Isso significava que ele estava pronto para tornar sua buceta por sua residência permanente, e nunca mais sair da hibernação. Minha mão se estende, bate de leve na tela no meu telefone para desligar o alarme e deito silenciosamente na madrugada melancólica, considerando a minha situação neste momento. Uma mulher bonita nua em cima de mim. Sela adormeceu há poucas horas, de braços abertos sobre meu corpo, logo depois que entrou em colapso após nossa festa de sexo. Juro... ela gozou, eu gozei, então ela caiu para frente no meu peito e estava fora como uma luz. Não tenho certeza do que isso diz sobre o bobo controlado pela


amante que eu, aparentemente, estou me tornando, mas quero deixa-la aqui a noite inteira. Apenas deixar sua mentira em cima de mim, e estava pronto para chamá-lo de um dia bem preenchido e ir dormir. Mas não fiz porque meu pau estava esvaziando dentro dela e tinha um preservativo para eliminar. Eu gentilmente me arrastei saindo debaixo dela, meu pau realmente sentindo um pouco em demasia quando nos separamos, e silenciosamente fiz o meu caminho para o banheiro para tirar a borracha. Depois de uma escovação rápida dos meus dentes, olhei para o espelho e descobri que o homem olhando para mim não pareceria ser um solteirão convicto mais. Não, esta noite ele havia pedido a uma mulher para ficar indefinidamente em sua casa. Hoje à noite, Beck North entrou no seu primeiro relacionamento verdadeiro com uma mulher, e se a qualidade dos orgasmos que tive esta noite forem qualquer indicação do que estava por vir entre nós, tenho que pensar que foi a porra de uma decisão brilhante da minha parte convidar Sela. Eu caminho de volta para o quarto, deixando a luz do banheiro atrás de mim. Meu primeiro instinto foi o de cair na cama, rolar Sela para o lado dela e abraçá-la. Eu acho que eles chamam de brincadeiras de amantes. Em vez disso, eu me vi avançando em direção a ela nas minhas costas, então estava puxando-a para trás em cima de mim, quando fiquei acomodado. Ela soltou um gemido pequeno bonito, enterrou o rosto no meu pescoço e enfiou os pés nos meus. Meus braços vieram ao redor de sua parte inferior das costas e eu a segurei apertada contra mim. Não tive nenhum problema em adormecer com ela prendendo-me assim no colchão.


Esta é uma boa maneira de acordar, e se eu tivesse tempo para fazê-lo, deslizaria minha mão para baixo sobre a bunda de Sela e brincaria com sua boceta um pouco até que ela acordasse. Mas eu não tinha tempo, porque tenho que atender JT em uma hora e meia e quero chegar antes dele para colocar meus pensamentos em ordem. Infelizmente, escorrego para fora debaixo de Sela. Ela se agita, murmura um sonolento "Bom dia", e depois rola para longe de mim. Eu sorrio, curvo-me e a beijo na parte de trás da cabeça antes de puxar as cobertas sobre ela. Então vou para o banheiro tomar banho e me preparar para enfrentar o meu parceiro de negócios, no que acabará por ser um jogo de rancor amargo entre nós.

____

Estou surpreso quando eu entro no escritório as 7h30 e JT já está de pé fora da porta do meu escritório esperando por mim. Ele está com um copo de isopor de café em uma mão e um jornal na outra. Eu também estou surpreso de encontrá-lo regado e fresco para o futuro, sem uma pitada de vermelho em seus olhos. Estou pensando que ele usou alguns esguichos extras de Visine10 para melhorar sua aparência, e eu sei que, sem dúvida, isto foi cuidadosamente orquestrado por JT para que ele estivesse se defendendo de uma posição de muita fraqueza. Ele está me mostrando que pode apresentar-se adequadamente quando tal se justifique.

10

Colírio.


"Bom dia", ele diz com uma voz estranhamente humilde, e isso me pega de guarda. Eu esperava que ele saísse balançando com suas primeiras palavras. "Bom dia," eu digo, enquanto fecho a porta do escritório e acendo as luzes. Eu ando diretamente para o minibar escondido sob o bar de bebidas embutido e puxo uma garrafa de água mineral. "Quer uma?" "Não, cara", diz ele enquanto se senta no sofá e joga o jornal ao lado de sua coxa. Torcendo a tampa da garrafa, tomo um pequeno gole, quando observo JT sentado ali, olhando para mim com os olhos claros e lamentáveis. Eu nem tenho vergonha de mim mesmo, que acho que isso é parte de um ato, porque ele sabe que é passado o ponto de não retorno comigo. Neste momento, ele vai fazer alguma coisa incondicional lutando para salvar a si mesmo. Vou até a cadeira que fica em frente a ele, lembrando-me muito claramente que estive sentado aqui a um pouco mais de seis meses atrás, olhando para uma mulher que tinha sido agredida por JT. Parece que impedi que isso acontecesse novamente na última noite, mas quantas eu não salvei? Agora a vergonha me bate e ergo meus ombros com determinação. "Isso termina hoje, JT." Eu me preparo, esperando por ele ficar doido, mas apenas balança a cabeça em entendimento. Em uma voz calma e segura, diz, "Você está certo. Isso termina hoje."


Eu pisco em descrença, mas minhas defesas vêm tirando rapidamente de volta no lugar. "Conte-me o que você quer dizer com isso." "Isso significa que eu quero ficar por mim mesmo sob controle. Esqueci como é ser um homem de negócios e consegui ser sugado por toda essa merda de celebridade. As festas... as mulheres... as drogas e bebidas... não é quem eu realmente sou. Desci o caminho e agora estou pronto para voltar de onde parti." Bem, merda. Eu não esperava isso. Eu tinha um tipo de esperança de que com a evidência incriminatória de ontem à noite, teria a vantagem sobre JT e poderia usar para forçá-lo a sair. Eu imaginei que ele nunca admitiria qualquer irregularidade, tentaria assegurar-me que eu estava exagerando, e em seguida nós teríamos uma luta enorme sobre a empresa. Eu não estou preparado para vê-lo chegar todo maduro sobre mim agora, porra. "Eu não tenho certeza se posso confiar em você para fazer isso," digo friamente, e mais uma vez, esperando realmente irritá-lo. “Eu entendo isso", diz ele solenemente. "Tudo o que posso fazer, é pedir-lhe para me dar outra chance. Eu estou pedindo-lhe para pensar em todos os anos de amizade e tudo o que passamos. Estou pedindo-lhe para considerar tudo o que temos, que gira sobre a empresa, e mesmo que tenho sido um completo idiota por algum tempo agora, pelo menos admito que quando eu estou no meu jogo, sou muito importante para o nosso sucesso." Foda-se... tudo verdade.


Meus dedos involuntariamente vêm para minhas têmporas e esfrego contra a dor de cabeça que está se formando. Eu estremeço, olho para ele com ceticismo. "JT... Eu peguei você drogando uma mulher na noite passada. Isso é contra a lei, porra." "Ela concordou com aquilo," JT diz calmamente enquanto me prendia com um olhar direto. Eu vacilo fisicamente para trás com sua declaração. "Ela o quê?" "Ela concordou com isso", diz ele de forma simples e humilde. Ele não está exultante... apenas se limitou a indicar o fato. "Tínhamos um acordo escrito. Era uma fantasia dela, eu acho. Posso te dar uma cópia segunda-feira, mas a mulher queria acordar na manhã seguinte usada e abusada. Ela pensou que o aspecto de não se lembrar do que aconteceu, seria emocionante. Imaginei que ela podia fantasiar sobre o que poderia ter acontecido." "Que porra é essa?" Murmuro enquanto meus olhos cortam até a janela de vidro do chão ao teto com vista para a área financeira, que está calma na manhã deste domingo. "É verdade", JT diz calmamente, e meu olhar desliza de volta para ele. "Eu poderia ser um idiota na maioria dos dias e atravessar um monte de limites fodidos, mas você me conhece, Beck. Eu não faria isso, ferir uma mulher assim." Cristo... ele parece sincero. Soa sincero também, mas também sei que JT é sofisticado e charmoso quando quer ser. Eu não tenho ideia se estou sendo enganado ou não, e agora toda a minha resolução para arrancar a empresa dele, está


se desintegrando. Eu faço uma outra tentativa de cutucar os méritos do que ele está me dizendo. "Eu não compro isso," cerro para fora. "É mais do que apenas o que vi ontem à noite. A apreensão de drogas... tomada. A vantagem sobre as babies... A porra de ter arriscado algum do nosso dinheiro em um mau negócio no trimestre passado e que nos levou a um golpe. Você fez isso sem o meu conhecimento." "Eu sei", diz ele, suas mãos chegando em súplica. "Todos os malditos movimentos maus estão na minha parte. Mas eu estou dizendo a você, Beck... se a opção é juntar minhas coisas ou perder um dos meus melhores amigos e uma companhia incrível que ajudei a criar, estou malditamente dizendo a você agora, nenhuma besteira... eu vou buscar isso junto. Eu só estou pedindo por outra chance. Eu mereço." Porra, porra, porra. O que você faz quando alguém como JT com um ego do tamanho

do

Monte

Everest

fica

completamente

arrependido,

aceita

a

responsabilidade, e praticamente implora por outra chance? Um sentimento de desespero toma conta de mim, em partes iguais querendo acreditar nele e recuperar a santidade do nosso negócio, possivelmente, a nossa amizade e, ao mesmo tempo, querendo cortar os laços com alguém que acredito, em última análise, que poderia ser a minha queda. Enquanto o meu cérebro funciona a sua agitação interna, pergunto-me brevemente o que Sela teria me orientado. Eu sei que ela não gosta de JT intensamente, e enquanto nós não falamos sobre isso ontem à noite - Olá, estávamos muito ocupados, porra - eu sei que ela estava além de enojada com ele. Será que ela vai


pensar mal de mim se eu não dispensá-lo? Será que ela vai acreditar que a minha moral está tão comprometida como a sua? Devo mesmo ter cuidado com o que ela pensa? Foda, sim, eu deveria. Estou começando a me preocupar mais e mais sobre todas as coisas de Sela Halstead, e o simples fato de que ela está tendo a sua residência no meu processo de pensamento em tomar uma decisão sobre um negócio, diz tudo, certo? "Beck," JT diz com emoção, e meus olhos levantam até encontrar o seu. "Eu não quero lutar com você por esta empresa. Eu sei que você tem o olhar de um advogado para as coisas e tenho certeza que você sabe... a menos que eu esteja fazendo algo ilegal no funcionamento do negócio, vai ser uma luta e você não vai ganhar. Então, eu estou te implorando... vamos resolver isso. Vamos voltar à pista e ser uma equipe novamente. Juro que vou juntar minhas coisas e vamos fazer esta empresa ainda mais fenomenal do que já é, porra." Eu luto contra isso, mas meus ombros caem no minuto que as palavras saem de sua boca. Independentemente da minha cabeça quente, eu vejo como ele conseguiu cortar meu suporte sob meus pés com uma bem planejada combinação. Um: ele não agiu de forma ilegal ao drogar a mulher na noite passada. Ela aparentemente concordou com ele. Dois: ele está prometendo voltar à pista com o nosso negócio.


Três: ele me lembrou que não posso levar a empresa para longe dele e ainda vou ter que dar no pé se quero sair. Mais do que isso, não posso esquecer os anos de amizade que temos entre nós. Eu não posso cortar os laços tremendamente profundos que temos, mesmo que ele não tem nenhum indício do quão importante eles são para mim. "Eu não tenho certeza que confio em sua capacidade de ficar sem foder tudo," digo a JT com sinceridade. Ele dá uma risada em compreensão e acena para mim. "Entendi. Apenas me dê uma chance." Suspirando, eu inclino para frente na cadeira. "Eu gostaria de pedir que você pegue minha aprovação antes que quaisquer outras decisões financeiras sejam feitas." "Feito", diz ele com um sorriso sincero. "E eu quero ver esse acordo." "Feito." E Cristo... parece que as minhas esperanças de que saísse o vencedor da reunião depois de hoje estão completamente estilhaçadas. "Tudo bem", eu digo com resignação e repentino desejo de voltar para o condomínio e afogar-me em Sela. "Eu vou dar-lhe uma chance. Mas esta é a primeira e única chance que vou dar."


"Eu não vou deixar você para baixo", diz ele e se inclina para frente no sofá, estendendo a mão para mim. Eu chego e a levo, em um aperto de mão firme de renovar a promessa que ocorreu entre nós. Quando liberamos, me levanto. "Eu preciso ir." "Grandes planos com sua menina hoje?" JT pergunta, ficando de pé de seu assento com um tom de conhecimento, que fez com que eu ficasse imediatamente de volta na defensiva. "Minha menina?" Pergunto, jogando de estúpido. Embora eu não esteja envergonhado ou tímido sobre o fato de que chamei Sela para morar comigo, por alguma razão, não quero JT sabendo disso. Eu estou supondo que tem a ver com o seu interesse lascivo por ela na última quarta-feira, quando ela veio para o escritório. "Sim... Sela... não era o nome dela?" Diz ele sem demora, enquanto nós nos movemos em direção para porta do meu escritório "Eu vi você com ela ontem à noite na festa. Vocês dois trocaram olhares acolhedores." "Sim, Sela," digo vagamente, sem oferecer algo mais, à medida que caminhamos para fora da minha porta. Eu estou silencioso quando a fecho atrás de nós e a bloqueio. "Cara... ela é uma Sugar Baby ou o quê?" JT pergunta com um soco brincalhão no meu ombro. Seu sorriso está aberto, não zombando, em tudo. Parece com o velho JT... o que eu usei quando queria saber do caminho de volta. "Não, ela não é uma Sugar Baby", eu estalo para ele, mas, em seguida, decido que se eu vou dar-lhe uma chance, tenho que dar-lhe a verdade. "Ela se mudou comigo."


JT assobia baixo entre os dentes e dá uma sacudida divertida de sua cabeça que não é de zombaria, mas aparentemente realmente satisfeito por mim. "Beck North... caindo para o compromisso e monogamia. Nunca pensei que veria esse dia." "Sim, bem... ainda está no início. Eu posso até não saber o que diabos estou fazendo, mas estou indo para isso." Continuamos a caminhar pelo corredor em direção ao hall de entrada. JT coloca a mão no meu ombro e me dá um aperto duro. "Estou feliz por você, bro. Você merece uma boa mulher e ela parece ser o tipo que poderia servi-lo." "Ela é ótima", eu admito, surpreso com o quão bem me sinto ao falar sobre ela com alguém. Mesmo JT, que tão recentemente quanto na semana passada, veio tentando reivindicá-la na minha frente, o filho da puta. "Talvez nós devêssemos todos sair para jantar uma noite juntos," JT sugere. "Isso é uma coisa muito épica, você ter uma namorada. Não é esta sua primeira vez?" Namorada? Sela Halstead... minha namorada? Eu não tinha pensado nela assim antes. Não até que a palavra saiu da boca de JT e não soou repugnante, mas sim uma sensação afável. Sim... eu tenho uma namorada e JT está certo sobre isso. Primeira e única. Eu sou um maldito de vinte e oito anos de idade e tenho uma namorada.


Eu dou uma sacudida confusa da minha cabeça e nós saímos do prédio juntos. Separamo-nos quando ele entra em um táxi e eu me dirijo em direção ao Millenium, com a intenção de caminhar de volta os seis blocos, para que eu possa continuar a refletir sobre tudo o que aconteceu esta manhã.


Capítulo 17 Sela

Eu não ouço a porta do condomínio ser aberta, mas ouço o tilintar das chaves de Beck quando ele as joga sobre a mesa do foyer. Eu fico do meu lado, de frente para as janelas com vista para o distrito financeiro, e espero por ele vir para mim. Acordei cerca de vinte minutos atrás e contentei a ficar debaixo das cobertas quentes, considerando como minha vida parece estar mudando drasticamente, em uma base quase diária. Agora estou, de alguma forma, envolvida em um relacionamento com um homem que apontei como um involuntário peão em um esquema para cometer um assassinato. Beck North começou como um meio para um fim, mais provável sendo um espectador inocente, e sacrifiquei alguns dos princípios restantes que tinha, a fim de trazê-lo mais profundo em minha teia. E ainda, quando deito aqui e olho para fora da janela, imaginando o homem lindo que está vindo pelo corredor para mim neste momento, não posso ajudar, mas sinto que talvez eu seja aquela que está presa em uma teia neste momento. Eu não posso ajudar com a sensação de que não seja uma coisa ruim.


O ar frio atinge meu traseiro nu, em seguida, para minha surpresa, um Beck igualmente nu, desliza para dentro da cama e prensa contra mim, seu peito em minhas costas, o braço em volta da minha cintura, sua pelve e seu pau endurecido na minha bunda, suas pernas enroscadas com as minhas. Ele me puxa mais profundamente e apoia o queixo no meu ombro. "Será que eu te acordei?", Pergunta baixinho, deslizando a mão até meu peito. Ele faz nada mais do que pressionar sua mão quente na minha pele, mantendo-a em uma base suave. Balancei minha cabeça. "Eu acordei a pouco." "Como você se sente?" Pergunta ele, hesitante. "Muito bem utilizada," digo a ele com uma risada leve e depois de uma ligeira hesitação, ofereço uma admissão honesta. "Fantástica, na verdade." Uma risada baixa borbulha contra mim e ele me puxa mais perto. "Eu também." Tanto de nós... deleitando-se com a novidade do que concordamos em entrar na noite passada. Eu, certo. Neste momento, espantada em como é bom tê-lo ao meu redor. Eu... Sela Halstead... talvez não seja mais uma vítima? Talvez esteja me tornando uma mulher normal que gosta de intimidade? Anseia por ela, na verdade... com este homem, que é surpreendente.


"Como foi?" Eu pergunto a ele e, portanto, abri-nos a ter uma discussão sobre seu negócio. Mas eu percebi, que diabos... estamos agora em um relacionamento, então por que não? Além disso... de todas as noções românticas estreladas de olhos à parte, ainda preciso de informações sobre JT, e esta é a melhor maneira de pegar. "Eu acho que nós trabalhamos as coisas", ele diz depois de um momento de hesitação. "Como assim?" Pergunto, me sentindo um pouco sem sorte. Beck soa muito calmo. "JT prometeu obter a sua merda junto. Parecia sincero." Eu giro na cama, me jogando sobre o meu lado para enfrentar Beck. Estou indignada e minhas mãos vão pressionar no peito para empurrá-lo longe de mim, para que eu possa olhá-lo diretamente nos olhos. "Ele tentou drogar uma mulher ontem à noite," cerro fora, meu sangue fervendo com fúria. Beck balança a cabeça e as mãos vêm para cobrir a minha com um aperto reconfortante. "Isso é o que eu pensei também, Sela. Estava preparado para forçá-lo a sair com isso e se ele recusasse, eu estava ligando para a polícia." "Então, por que esse imbecil não está sentado na parte de trás de um carro da polícia agora?", Pergunto sarcasticamente. "Porque a mulher concordou com isso", diz Beck com o que eu admito ser um som claro de desgosto. "Há um acordo por escrito."


Eu vou para trás e minhas sobrancelhas atiram para o meio da minha testa, antes de recuar em um olhar estreitado de suspeita. "Concordou com ele?" "Era uma fantasia dela, aparentemente," Beck diz com um encolher de ombros, envergonhado. "Ou dele", retruco, mas em seguida, peço imediatamente, "Você viu o acordo?" Ele balança a cabeça. "Ele vai mostrar para mim amanhã." Eu deixo cair meus olhos, olho para as mãos segurando a minha contra seu peito. "Não acredito nisso. Eu não confio nele." Beck puxa a mão da minha, coloca os dedos debaixo do meu queixo e levanta meu olhar de volta ao dele. "Ei... eu sei que você está chateada com o que ele fez, mas se há um acordo e foi consensual, não posso fazer nada sobre isso." "Não foi consensual", eu digo com amargura e afasto-me dele, rolando para o lado oposto para a extremidade da cama. Por que ele não pode ver Jonathon Townsend pelo o que ele realmente é? "Hey," Beck exclama, e seu braço está envolvendo em torno de minha cintura, me puxando para trás. Ele fica de joelhos, me arrasta de volta para ele e traz os dois braços ao redor para me abraçar. Seu queixo volta para o meu ombro e ele pergunta baixinho: "O que é tudo isso?" Eu dou de ombros. "Sela... fale comigo", ele exige.


"Há algo de errado com ele", sussurro, minha voz entupida de emoção. Eu quero tão mal dizer a Beck exatamente o que quero dizer com isso, mas não posso lhe dizer a verdade ainda. Eu teria que expor minhas intenções. Beck iria ver imediatamente que ele foi usado e iria questionar meus sentimentos por ele. Eu não posso fazer isso. Não posso desistir dele, nem do posicionamento que um relacionamento com Beck me coloca com JT. "Ele é rebelde," Beck concorda com frustração. "Um idiota. Irracional, impulsivo e imaturo. Ele é tudo isso, mas ele está prometendo obter a sua merda junto, Sela, e fora ter algum erro claro de sua parte, no que diz respeito à empresa, eu não tenho muita escolha a não ser ir junto com ele. A única chance que eu tinha de me libertar, era a ameaça de expô-lo à polícia na noite passada, mas isso não é uma opção agora." Eu me inclino de volta contra Beck, completamente esgotada desta conversa. Ouço na voz de Beck... ele está dividido entre querer ficar longe de uma situação ruim e a esperança que vem com promessas de algo melhor. É certamente uma correção mais fácil e tento desesperadamente dar credibilidade ao processo de pensamento de Beck. Em sua mente, ele não tem nada de concreto para usar contra JT. Ele está apoiado em um canto e pode caminhar ou esperar por uma solução pacífica, com um pouco mais de paciência de sua parte. É errado que ele está escolhendo essa opção contra deixar seu sonho para trás? Eu não acho que posso encontrar a falha com isso, e enquanto sei, no fundo do meu intestino, que JT estava planejando drogar e estuprar a mulher ontem à noite e não acredito por um momento que há um acordo legítimo em algum lugar em que a


mulher concordasse com isso, tenho que ser cuidadosa sobre o quão forte a minha oposição está neste momento. Eu nunca posso apenas subestimar os laços de uma amizade duradoura entre os homens, mas o fato de que Beck e JT estão interligados por um monte de merda de dinheiro, que pode ser mais importante para Beck do quão grande uma foda eu sou. Eu suspiro, afundando ainda mais em Beck e inclino a cabeça para trás para ela repousar sobre o seu ombro. "Me desculpe," murmuro. "Eu só não gosto do seu parceiro, mas totalmente entendo onde você está vindo a partir disso." "Sela", murmura Beck, soando frustrado e exausto de uma só vez. "Esta é a minha única opção neste momento. Isso não significa que confio nele totalmente e não significa que ele não vai foder isso. É apenas o único jogo que eu tenho." Eu aceno e o abraço, segurando-o mais apertado contra mim. "Eu sei. Eu compreendo." Beck suspira de alívio e, em seguida, coloca os dentes na minha orelha. Ele dá uma mordida brincalhona, em seguida, lambe antes de dizer, "JT quer fazer um jantar conosco. Ele parece feliz por mim." Eu fico tensa, mas tento soar curiosa e relaxada quando pergunto "Ah, é? Você disse a ele sobre nós?" "Eu disse", Beck diz, parecendo satisfeito consigo mesmo. "JT te chamou de minha namorada. Soa tipo meio adolescente, não é?"


A risada que sai da minha boca não ajuda muito, porque soa um pouco imatura. Não posso deixar de lado minhas preocupações quando pergunto "Então... isso é como oficial ou algo assim? Nós estamos, o quê... namorando?" "Namorando, porra, morando juntos", Beck diz e me puxa para baixo na cama. Ele rola e vou para o meu lado de volta, então ele rola em cima de mim. Minhas pernas se espalham e ele se instala entre elas. Adoro a maneira como os pelos das suas pernas escovam contra a minha pele e o calor de seu pênis, que está semi-duro e aninhado contra o meu monte nu. "Eu não sei como rotular o que você e eu temos neste momento, mas estou gostando de onde estamos neste momento." Meus olhos se fecham e eu gemo quando ele pressiona sua pélvis para baixo e gira seus quadris um pouco. "Mmmmmm... eu também." "Sela?" Beck diz suavemente e meus olhos se abrem lentamente para olhá-lo. Seu rosto está pairando sobre o meu e seu olhar está brilhando com intensidade. “Você confia em mim? Quero dizer... pelo menos na maneira que eu estou lidando com JT agora?" "Bem, isso não é para eu dizer," ofereço hesitante. "Sim, é", ele me adverte com um olhar severo. "Você não gosta dele. Os seus desentendimentos com ele tem sido menos do que estelar, e então você tem uma boa razão para não gostar dele. E como você e eu não nos conhecemos muito tempo, acho que nós dois estamos tentando construir algo aqui, e não quero que as minhas decisões pessoais ou empresariais, façam você duvidar de mim."


Eu pisco com surpresa pelo desespero em sua voz. Eu levanto a mão, coloco no rosto e percebo com honestidade absoluta que, enquanto posso não gostar do que JT está fazendo para Beck, gosto do fato da confiança que Beck decidiu fazer a esse respeito. Eu, melhor do que ninguém, sei que às vezes, você tem que ir com um plano de longo prazo quando se trata de lidar com cobras como Jonathon Townsend. Eu concordo. "Sim. Eu confio no que está fazendo com JT." Alívio incha dentro dos olhos azuis de Beck e ele sorri para mim em sinal de gratidão. Ele aproxima seu rosto mais perto e seus lábios escovam contra mim brevemente, antes de sua testa cair para a minha. Ele segura ali por um momento, e eu fecho meus olhos, saboreando este abraço, suavemente íntimo de silêncio. "Sela?" Beck sussurra meu nome novamente e, em seguida, puxa o rosto olhando-me, com a expressão mais séria que eu já vi em seu rosto bonito, ele pergunta "Será que você confia em mim para me deixar te foder sem camisinha?" Meu corpo inteiro aperta com o choque sobre sua proposta e, em seguida, aperta ainda mais duro com a maravilha pecaminosa que seria essa sensação. Eu, então, fico quente, não com a parte da erótica sugestão, mas a partir do cuidado e confiança que isso implica. Eu sinto que a pedra no meu coração realmente começou a desintegrar-se, caindo em finas pilhas empoeiradas na parte inferior do meu peito. Abro a boca para responder, mas ele aparentemente não tinha concluído. Ele me beija duro, então fala em sussurros urgentes. "Você vê, porque aqui está a coisa... Eu estou mais perto de você agora do que estive com qualquer mulher na minha vida, sem ser minha irmã, e isso é um tipo diferente de proximidade. Mas eu quero estar ainda mais perto de você. Eu quero rastejar para dentro de você, Sela, e sentir


cada polegada de você contra mim. Eu não quero todas as barreiras e não quero qualquer parede entre nós, porra. Só você e eu, tocando... você fundida em mim, eu em você. Eu quero saber o que é sentir com você... a pele nua do meu pau, escorregadio de seus sucos. Eu quero gozar dentro de você, plantar a raiz. Marcá-la como minha. Quero assim ruim, porra. Existe confiança suficiente entre nós para podermos ter isso? Você daria isso a mim?" Minha cabeça gira e meu peito contrai com doloroso prazer sobre suas palavras. A concupiscência embrulhada com infinita ternura e saudade. Seus olhos me implorando por algo que nunca dei a outro homem. Nunca quis a proximidade. Sempre quis que a fina barreira de borracha me protegesse, não apenas de doenças sexualmente transmissíveis, mas de uma conexão verdadeira. Mas que Deus me ajude... eu quero agora com este homem. Ele sabe que estou protegida da gravidez, porque ele está bem consciente do pacote de pílulas contraceptivas que fica aberto em seu banheiro. Ele até me lembra a cada manhã para tomá-la, mas nunca falhei com a minha responsabilidade. Eu acho que pelo simples fato de que ele está perguntando se confio nele, deve implicar que ele confia em mim, mas preciso ter certeza. Eu tenho certeza que no meu décimo sexto aniversário, meus estupradores usaram preservativos. Este é um pensamento que sempre aumentou a minha humilhação, porque não usaram por qualquer preocupação comigo. Eles fizeram isso sem saber que eu era virgem, nunca tinha tido relações sexuais antes e apenas supuseram que talvez eu estivesse imunda e lhes daria alguma coisa. Vamos enfrentar isso... eu estou certa que lhes dei essa impressão.


Lembro-me também, nos meus pesadelos, que acho que são memórias reais, o distinto som de borracha sendo arrancada pouco antes dele gozar em minha boca. Eu não sabia o que o som era então, mas quando os médicos descobriram traços de lubrificante de preservativos na minha vagina e ânus, eles praticamente confirmaram que eu estava protegida. Além disso, eu fui testada para cada DST conhecida pelo homem, assim como tendo em conta a pílula do dia seguinte como medida de precaução, e vim longe do que a experiência de sujeira na minha alma, mas não na minha vagina. "Eu estou limpa", digo, minha voz áspera com a emoção da razão pela qual posso dizer isso. Eu nunca estive com um homem desprotegida. Nunca, e é bom que possa dar essa garantia para Beck. "Eu sei", diz ele, e enquanto ele não está dizendo que sabe a partir do conhecimento real, ele está dizendo que sabe que pode confiar em mim. "Você não tem nada que se preocupar comigo. Eu prometo a você eu estou seguro." "Eu sei", murmuro as mesmas palavras de volta para ele. Mesmo como ele, eu só sei. Isso significa que confio que Beck não vai me machucar. O efeito sobre Beck é imediato. Sinto seu pau inchando e batendo contra mim. Ele fecha os olhos, leva uma respiração profunda e quando abre novamente diz "Cristo... eu quero estar dentro de você tão ruim." Minha resposta é espalhar minhas pernas, levantar os joelhos, e embala-lo mais perto para mim. Eu posso sentir a umidade que escoa para fora de mim, meu corpo está mais do que pronto para levar isso para o próximo nível. Acenando, inclino a cabeça, ele coloca a sua boca contra a minha e respira em mim. Ele gira os quadris, é como se nossos corpos reconhecessem exatamente onde deveriam estar, a


cabeça do seu pau pressiona em minha abertura. Beck empurra gentilmente contra mim, empurrando para dentro e trabalhando em movimentos lentos e curtos, o sentimento é requintado. Muito mais quente, o calor de sua pele nua deslizando contra a minha. Meu pulso dispara fora de controle sobre a emoção e intimidade deste momento. É a primeira vez que eu tenho um homem dentro de mim, absolutamente sem barreiras entre nossos corpos, mas o mais importante... sem nada entre nossas almas. Estamos tão nus como sempre estaremos, arreganhados e despojados de nada, além da nossa necessidade básica do outro. "Beck," murmuro conforme ele empurra mais profundo. Minhas pernas estão imprensadas com força contra as costelas, eu inclino meus quadris e tento arrastá-lo ainda mais. As enormes rajadas de respiração fora de sua boca, vibram no meu rosto. Ele gira os quadris... desliza mais profundo em mim. "Jesus", ele geme quase como se estivesse com dor. "Nada deve sentir tão bem, Sela. Você sabe como é perigoso para nós dois nos sentir tão bem?" Giro os braços sobre os ombros, círculo em volta do pescoço, e puxo-o para mim. Seu peito aperta contra meus seios, sua bochecha toca a minha. "Não há volta agora," murmuro. Beck levanta a cabeça... olha para mim com a testa franzida. Sua língua sai, lambendo o lábio inferior, e com um golpe afiado de seus quadris ele bate em todo o caminho. Meu pescoço arqueia e eu chupo o ar. Meu Deus. Santo Deus.


Eu quase estouro distante, quando minha buceta derrete em torno dele, se instala e abraça-o profundamente. Meu coração gagueja... aproveita e, em seguida, quase que se expande em um suspiro de alívio. Beck permanece completamente imóvel dentro de mim. Ele respira profundamente, fecha os olhos por um momento e quando abre de novo, me dá um sorriso tímido. "Eu tenho medo de me mover. Medo que eu pudesse me envergonhar e explodir a minha carga em cerca de dois nano segundos." Eu rio. Certeza que é a primeira e única vez na minha vida que já fiz algo tão erótico. Beck ri com voz rouca e me beija com força. Ele não se move uma polegada de sua cintura para baixo, mas só me beija profundamente, com a posse completa. Quando ele se afasta, tenta circundar seus quadris, moendo em mim. "Foda-se", murmura Beck, e deixa cair sua testa na minha novamente. "Sim... não vou durar muito." Minhas mãos vão para o seu cabelo e massageio o couro cabeludo, incrivelmente tocada e ligada sobre sua reação à mim. Pela mulher que seu amigo e parceiro de negócios tinha feito intocável por tanto tempo. "Beck?" Eu dou um puxão em seu cabelo, puxo seu rosto do meu. Ele se move com relutância e olha para mim com aquele mesmo olhar envergonhado. Eu inclino meus quadris, cerrando os músculos internos em torno de seu pau e depois esfrego os polegares em seu couro cabeludo. "Vamos lá," lhe ordeno suavemente. "Foda-me duro e goze tão rápido quanto você quiser."


"Não quero deixá-la para trás", ele murmura. "Eu não vou a lugar nenhum", asseguro-lhe, relaxando e cerrando os músculos novamente. Sua mandíbula fica apertada, seus olhos vão se fundindo e ele empurra o seu torso para cima de mim. Eu afrouxo a mão que mantinha em torno de seu pescoço e Beck desloca com um grunhido, enquanto suas mãos vêm para as costas das minhas coxas. Ele empurra minhas pernas para cima, espalhando-as e, em seguida, utiliza da alavancagem contra elas, puxa os quadris para trás e bate para frente novamente. Estou espantada de como o puro prazer transforma o rosto de um homem que é infinitamente lindo, para uma criatura que me tira o fôlego. Então malditamente bonito. "Espera aí", diz ele com força, e então começa a me foder como eu nunca tinha sido fodida antes. Ele chamou isso direito. Ele não dura muito tempo, e embora eu esteja mais ligada do que eu jamais estive em minha vida inteira, o prazer para ele é demais para suportar e ele se afasta de mim em uma corrida até o fim. Ele resmunga com cada impulso, aperta os olhos fechados e depois murmura "Eu estou... desculpe, Sela" antes de pressionar versões profundas e quentes dentro de mim. O corpo de Beck visivelmente estremece, os músculos do pescoço e ombros se apertam no êxtase e então ele joga a cabeça para trás com um longo gemido de alívio.


E é sem dúvida a coisa mais sensual e bonita que já vi na minha vida. Eu vejoo com fascínio, pela primeira compreensão no tempo, apenas como impressionante esta experiência é para mim. Eu quero congelar este momento, a maneira como ele parece agora, e guardar isso na minha memória eterna. Beck abre os olhos, olha diretamente para mim e solta um bufo de ar. Então seus olhos estreitam quando os dentes mordem o lábio inferior. Resolução, luxúria e determinação em tal medida infinita, queimam diretamente através de mim. "É a sua vez agora", diz, e rapidamente puxa para fora de mim. Ele se arrasta para trás, espalha minhas pernas e cai pesadamente no colchão. Em um movimento fluido, seu rosto cai e sua boca trava para minha buceta. Sua língua pressiona contra o meu clitóris e ele me lambe, mais ou menos. Minhas mãos estapeiam os lados de sua cabeça em surpresa com o prazer, e enquanto eu sinto seu sêmen vazando fora de mim, Beck passa a trazer-me a um orgasmo maciço, rápido e poderoso, que me tem gritando o seu nome.


Capítulo 18 Beck

Oh, homem... ela poderia ser ainda mais adorável do que neste momento? E sexy? Sim, Sela com as mãos enterradas na bunda de um peru é completamente excitante para mim. É assim, porque ela não tem ideia do que está fazendo, mas está dedicada à missão. As sobrancelhas dela estão franzidas enquanto ela se inclina para o lado do tabuleiro do peru, e seus olhos espreitam para a tela do smartphone que está em cima no balcão, verificando as instruções para o quinto tempo. Sua língua se destaca no lado de sua boca, enquanto ela contempla as instruções contra suas ações. Seu olhar vai do telefone para o peru, de volta para o telefone. Ela continua empurrando, enchendo na cavidade com esforço preciso. Sua dedicação ao trabalho, me lembra da noite passada e as coisas imundas que nós fizemos. Totalmente sujas, porra. Enquanto estar com Sela sem barreiras agora se tornou, possivelmente, a minha coisa favorita no mundo para fazer, foda-se, eu mudei em sua última noite, quando fizemos o nosso caminho para a cama. Tinha sido um longo dia e estávamos cansados. Nós tínhamos limpado o apartamento e ido às compras para a nossa refeição de Dia de Ação de Graças. Sela passou a maior parte do início da noite


planejando tudo, puxando para cima instruções e estabelecendo ingredientes em grupos pequenos por toda a cozinha. Ela insistiu em fazer as tortas na noite passada enquanto eu assistia a TV e, finalmente, eu tive que puxá-la para fora da cozinha, quando sugeriu que talvez devesse descascar as batatas antes de ir para a cama. Eu tinha esperado o suficiente por ela e estava com um tesão do inferno. Além disso... eu tinha comprado alguns brinquedos e queria experimentar. Puxei Sela para o nosso quarto e disse à ela para tirar a roupa. Ela fez isso sem perguntas e se arrastou para a cama, enquanto eu fui para o banheiro e peguei minha bolsa de guloseimas debaixo da pia. Sem a menor cerimônia, coloquei-os sobre o colchão ao lado dela e disse-lhe para pegar algum de sua escolha. Ela encarou com desconfiança, correndo o dedo sobre o vibrador de nove polegadas, o vibrador borboleta, a garrafa de lubrificante e, finalmente, o pequeno plug anal que pensei em usar para fazer sua iniciação em algum ponto. Seus olhos deslizaram para os meus enquanto sua mão repousava sobre o vibrador. "Qual é sua escolha?" Perguntei com uma voz rouca. Ela assentiu e pegou-o, entregando-me. Eu balancei a cabeça e afastei-me da cama. "Use-o." "Para fazer o quê?" Ela perguntou, inocentemente, e isso me fez querer saltar sobre ela e beija-la com alegria e abandono, por ela ainda ser tão ingênua comigo.


"Para obter-se fora," disse quando me abaixei em uma poltrona no canto do quarto. Meu pau já estava duro e eu esfreguei-o através do material das minhas calças cargo cáqui. Sela chupou em uma golfada de ar e deixou-a lentamente. "Enquanto você assiste?" "Oh, sim," eu disse a ela com um sorriso malicioso. "Eu vou assistir." Um show que ela fará para mim. Houve apenas uma ligeira hesitação enquanto ela contorcia a base do vibrador, deixando-o cantarolar em sua mão. Era rosa brilhante, com uma cesta de três polegadas, um apêndice fino, com uma cabeça alargada e uma borboleta de borracha macia na base. Seus olhos levantados para os meus e ela me deu um sorriso de jogo. Então ela o colocou maldosamente entre suas pernas, a língua de lado, para fora de sua boca, concentrada, exatamente do jeito que estava enquanto enchia o peru. Sela trabalhouse lentamente, fazendo pequenos gemidos e circulando seus quadris. Ela pressionou o vibrador profundamente em sua vagina, pressionado a borboleta em seu clitóris, e miou como um gatinho faminto. Mesmo que jurei a mim mesmo que só ia assistir, não demorou trinta segundos antes que eu tivesse o meu pau para fora e começasse a acariciá-lo. Levou um certo tempo para ela gozar, o que inflou meu ego porque posso fazê-lo mais rápido. Mas foi belo e sublime, e pelo tempo que ela tinha atingido seu clímax, eu estava estrangulando a base do meu pau, porque não iria descarregar na minha mão.


Levantei-me da cadeira, com a intenção de caminhar até a cama, puxando minhas calças para baixo, apenas descendo até meus quadris, e transar com ela rápido. Mas ela levantou a mão e me parou, agarrando o lubrificante, que era sabor morango, ela apontou para a cama e disse: "Deite-se." Então eu fiz. Ela esguichou o líquido de cheiro doce em mim, que cobria meu pau, passou por cima de minhas bolas em fluxos quentes, que escorreu para a fenda da minha bunda. Progressivamente ficou mais quente, quando ela levantou o meu pau por um tempo, e depois chupou-me profundamente em sua boca. Com os olhos fechados e os meus dedos segurando a colcha como se minha vida dependesse disso, Sela me trabalhou com sua boca e gemeu em sua própria aprovação pela experiência. E então ela ficou suja comigo. Com meu pau acariciando suas amígdalas e uma de suas mãos torcendo-me nas bolas, Sela colocou a outra mão entre minhas pernas e com precisão rápida pressionou um dedo na minha bunda. Meus olhos se abriram e os meus quadris voaram para fora da cama, fazendo com que seu dedo afundasse mais profundo. Minha cabeça se levantou e olhei para ela, nunca estive com uma mulher que tinha uma tendência sexual para fazer isso para mim. Não me senti violado, mas me senti invadido. Ela puxou a boca fora do meu pau, sorriu para mim maliciosamente e colocou seu dedo torto dentro do meu corpo. Ela apertou, acariciou algo que causou um


fogo disparando através de minhas bolas e eu gritei o nome dela em um louco grito estrangulado de necessidade. Sela riu com aquela voz sexy fumegante e puxou seu dedo de volta. Empurrando-o novamente. Enrolando esse dedo e pressionou novamente. Meu pau saltou em sua mão e um orgasmo começou a borbulhar. "Que porra é essa?" Eu perguntei a ela com espanto. "Onde você aprendeu a fazer isso sujo, menina?" "Eu li sobre isso em um livro," disse ela maliciosamente, o dedo ainda dentro de mim. "Então eu deveria fazer você gozar realmente duro. Quer que eu pare?" "Porra, não", eu gemi em abandono, e então disse a ela “mas coloque a sua boca de volta em mim." Então ela fez. Ela me chupou em profundidade, fodeu minha bunda com o dedo e dentro de cerca de trinta segundos, eu gozei mais duro do que já fiz na minha vida antes. Eu seriamente quase passei o fora e até mesmo quando ainda estava esguichando na boca dela, me perguntava quando ela faria isso para mim novamente. Parecia que minha Sela estava ficando corajosa e aventureira, e percebi que ela e eu não tínhamos nenhum limite que não pudesse ser ultrapassado. Sela continua a encher o peru e eu chego para baixo e ajusto o meu pau duro para o lado do meu zíper, minhas bolas estão formigando da memória da noite


passada. Eu tento colocar isso longe da minha cabeça, porque sei que ela está estressada sobre não só obter a refeição pronta, mas por Caroline e Ally vindo para visitar. Elas devem estar aqui em poucas horas e Sela está se preocupando com nervosismo. "Precisa de ajuda?" Eu pergunto quando ando atrás dela. Eu tomo-a pelos quadris, inclino-me e dou um beijo na parte de trás de sua cabeça. "Não", ela diz, sua voz apertada com tensão. "Eu só preciso colocar isto no forno e... Porra!" "O quê?" Eu pergunto, afastando-me dela quando ela puxa as mãos para fora do peru recheado. "Eu me esqueci de pré-aquecer o forno", ela murmura com um suspiro derrotado, segurando as mãos para cima e longe, revestidas com manteiga e recheio grudento. "Relaxa, baby", eu digo, enquanto volto para a unidade de duplo forno construído ao lado do fogão. "Precisa ser definido como?" Sela se inclina, verifica as instruções no seu telefone, e diz: "Três horas e vinte e cinco minutos." Eu giro o botão, ouvindo o estalar do piloto de gás, em seguida, o barulho sutil quando ele acende. Eu, então, defino a temperatura.


Quando me volto para Sela, ela olha para mim com preocupação absoluta naquele belo rosto. Eu sorrio para ela quando coloquei as minhas mãos para trás em seus quadris. "Relaxa. Vai ficar tudo bem. Em que mais você precisa de ajuda?" Ela se afasta de mim, repousando as mãos nas alças do tabuleiro e abaixa a cabeça. Com um suspiro profundo, ela sussurra, "Eu não quero estragar nada." Meus braços vão ao redor da cintura dela e passo minha mão em suas costas. Descansando meu queixo no ombro dela, garanto-lhe "Você não vai estragar qualquer coisa. E se você fizer isso, todo mundo vai pensar que é absolutamente encantador e depois vamos sair para jantar em algum lugar." "Beck", ela rosna com frustração e tenta dar de ombros para fora do meu controle. "Isso é sério. Eu quero que sua irmã goste de mim." Eu aperto mais forte. "Sela... querida... minha irmã não vai ser conquistada por seu delicioso peru. Ela vai julgá-la apenas pela largura do meu sorriso, e confie em mim, o peru não me faz dar um grande sorriso. Aproveite e relaxe." Ela suspira de novo e os ombros caem. "Sabe o que você precisa?", Pergunto-lhe calmamente. "O que?" "Você precisa de um orgasmo. Assim você vai relaxar." "Eu totalmente não preciso disso", diz e tenta puxar longe de mim, mas ela não tem nenhum lugar para ir. O balcão impede sua fuga. "Eu não tenho tempo para isso."


"Você tem pelo menos dez minutos antes que o forno fique quente o suficiente," argumento enquanto minhas mãos caem para o botão da calça jeans. Eu abro e puxo o zíper para baixo. "Muito tempo." "Beck", ela me adverte fracamente, mas então minha mão está mergulhando em sua calcinha e meus dedos pressionam contra seu clitóris. Ela suspira e murmura meu nome de novo, desta vez em capitulação. "Basta ater-se ao peru, baby. Vou te deixar se sentindo melhor em poucos momentos." ***

A campainha toca e Sela fecha a porta do forno. Ela tinha acabado de regar o peru e eu tenho que dizer... parece fantástico, porra. Cheira ainda melhor. Seu rosto está ligeiramente corado e seus olhos estão luminosos, com uma combinação de emoção e nervos. Ela desliza as mãos para baixo sobre a saia de lã cinza escuro que está vestindo. Ela emparelha com meias pretas, uma blusa preta de gola alta e um par de sapatos pretos brilhantes. Seu cabelo está amarrado na parte de trás do pescoço em um rabo de cavalo elegante e ela se parece com uma jovem menina da escola preparatória. É muito quente, realmente. "Como estou?" Pergunta ela, sem fôlego. Meus olhos deslizam para baixo e depois para cima novamente. "A coisa mais bonita que eu já vi."


Suas bochechas coram e os olhos se abaixam timidamente quando os lábios apontam para cima. Porra, ainda mais bonita. Antes que eu possa envergonhá-la ainda mais, viro e vou para o foyer. Eu abro a porta. Uma pequena de cabelos loiros, olhos castanhos, bate em minhas pernas e seus braços envolvendo em torno delas. "Tio Beck." Eu chego para baixo, pego Ally e dou-lhe um abraço antes de sentá-la no meu quadril. Caroline caminha para mim e segura meu braço livre para fora. Ela dá um passo para um abraço apertado, seus braços indo ao redor da minha cintura. "Hey, mana," digo, enquanto pressiono um beijo em seu cabelo, da mesma cor que o meu. Ela se afasta e sorri para mim com olhos azuis, que também correspondem aos meus. "Oh, você está ótimo. Uma visão para os nossos olhos doloridos", ela jorra, me batendo duro na parte inferior das costas. Seu olhar desliza além de meu ombro e seu sorriso fica mais brilhante. Ela se afasta e passa por mim. Viro-me para acompanhar e ver quando ela anda até Sela, que está ali de pé segurando as mãos com nervosismo diante dela. "E você deve ser Sela," Caroline diz com os olhos arregalados, maravilhada. Ela dá um passo para frente e Sela hesitante estende sua mão. Caroline ignora e envolve Sela em um abraço. "Meu Deus… Beck me enviou uma foto de você, mas ela não lhe fez justiça."


Eu rolo meus olhos e engato Ally no meu quadril um pouco mais alto. "Ok, isso é o suficiente Caroline. Você está estragando minha boa reputação." Caroline me ignora e volta com Sela para a cozinha. "O peru cheira maravilhoso. Deixe-me ajudá-la a terminar o que quer que falte. Beck pode entreter Ally e podemos conversar. Você tem vinho, certo?" "Hum, sim... na verdade nós temos", Sela diz com um sorriso de retorno, e ambas andam para fora, me deixando para trás. Eu as ouço murmurando em voz animada, Caroline está fora de si porque seu grande irmão tem realmente uma namorada, e Sela está claramente aliviada por finalmente entender o que eu estava dizendo a ela. Que minha irmã era legal como o inferno. Esticando minha cabeça, olho para Ally. "Quer ir ver televisão?" Ela ergue uma adorável sobrancelha de quatro anos de idade, que descende diretamente do DNA de sua mãe. "Dora a Aventureira?" "Eu estava pensando em futebol," me oponho. "Dora", diz ela com firmeza. Eu suspiro e faço cócegas em suas costelas. Ela ri e envolve seus braços em volta do meu pescoço. "Bem, pequeno monstro. Será Dora." Eu carrego Ally para a sala, dando uma espiada na cozinha. Sela está tirando a rolha de uma garrafa de vinho e Caroline está puxando taças fora de um gabinete. O cheiro do peru assado faz meu estômago roncar e o conhecimento que estou ficando


pronto para ter umas férias em família faz com que o calor se espalhe pelo meu peito. É uma sensação fantástica que eu poderia definitivamente me acostumar, porra.


Capítulo 19 Sela

"Tem certeza de que não quer vir conosco?" Beck pergunta enquanto puxa o suéter sobre a sua cabeça. Eu vejo quando a cabeça passa através da parte superior, bagunçando seu cabelo para cima. Ele enfia seus braços através das mangas e puxa a parte inferior para baixo. Tão simples e tão sexy. Ele passa os dedos através de seu cabelo, tornando-o mais confuso e ainda mais sexy e tenho de me conter para não me lançar sobre ele. Eu pareço querer fazer perpetuamente isso. "Não, eu vou ficar aqui e dar-lhe um tempo de qualidade com Caroline e Ally," digo firmemente a ele. "Elas estão indo embora amanhã e eu quero que vocês tenham algum tempo sozinhos." Beck caminha para mim, envolve seus braços em volta da minha cintura e me puxa em seu corpo. Eu inclino meu rosto, oh, tão naturalmente, aceito seus lábios e ele se inclina para baixo. Um beijo suave e um sorriso. "Você sabe que o tempo teria mais qualidade se você viesse com a gente." "Boa tentativa, Sr. North," digo a ele quando saio de seu abraço, antes que fique tentada. "Mas eu vou ficar e você vai. E você não vai mudar minha mente."


Eu realmente quero que mude de ideia, mas também acho que ele precisa deste momento com a sua irmã e sobrinha. Elas estiveram aqui apenas vinte e quatro horas, mas já vi o suficiente para saber que eles são incrivelmente perto como irmãos e que eles não conseguem ver um ao outro o suficiente. Eu não estou muito certa porque, no entanto. Caroline e Ally vivem no norte, em Healdsburg, apenas cerca de uma hora e meia de distância, mas tanto quanto posso dizer, eles realmente só se vêem em feriados. Beck me disse na noite passada, quando estávamos deitados juntos na cama, que Caroline odeia a cidade e Beck está sempre tão ocupado, que só tem um tempo difícil em ficar longe. Foi com um pouco de tristeza e pena que ele disse, "Trabalho só fica no caminho às vezes." Eu me aconcheguei mais perto dele, angustiada em seu nome sobre as coisas que ele está perdendo. Então, ele acrescentou: "E eu estou começando a perceber que o trabalho pode não ser a coisa mais importante." Isso levou-me a beijá-lo. Isso o levou a deitar sobre mim e me penetrar rapidamente. Ele balançava contra mim lentamente, mantendo sua boca na minha todo o tempo, para engolir meus gritos, para que Caroline e Ally não pudessem ouvir-nos. Deus, foi fantástica a forma como nós apenas ondulávamos um contra o outro, mal nos movendo, mas eu sentia-o em todos os lugares. Demorou um pouco para nós construirmos até o clímax, e então o golpe de misericórdia de toda a porra perfeita aconteceu. Nós tivemos orgasmos simultâneos, que causaram tremores e suspiros de surpresa.


Eu estava tão sobrecarregada, que murmurei em seu peito, "Beck... nunca foi assim." "Eu sei", foi tudo o que disse no retorno. Nós adormecemos nessa posição e ficamos envoltos e apertados um contra o outro durante toda a noite. "Ok", Beck diz enquanto se afasta de mim. "Nós vamos nos dirigir para o Ferry Building e ficaremos por um tempo. Talvez pegaremos um lanche. Se você mudar de ideia, só me chamar e vou deixar você saber onde estamos." Eu sigo Beck para fora do nosso quarto, tão estranho... pensar nisso como o ‘nosso’ quarto, mas isso é o que Beck chama, então eu vou com ele. Eu não tenho certeza de quando vou realmente considerar esta como minha casa. Meu apartamento está alugado até o próximo verão, mas Beck cobriu as despesas e não me preocupo com isso agora. Caroline e Ally estão esperando na sala de estar. Eles olham para Beck com expectativa. "Alguma sorte?" Caroline pergunta enquanto seus olhos viajam de Beck para mim. Beck balança a cabeça. "Não. Ela insiste que precisamos de tempo sozinhos juntos." Minha mente quase mudou, quando Ally empurra longe de sua mãe e corre até mim.


"Venha com a gente, Sela. A mamãe diz que ela quer ver você e Tio Beck de mãos dadas em público." "Oh, puxa," Caroline diz com um rosto vermelho. "Isso era um segredo, Ally." Eu ri e despenteio o cabelo dourado de Ally. Ela não se parece em nada com Caroline e eu estou supondo que ela se pareça como seu pai. Quando perguntei a Beck sobre o homem inexistente, ele disse laconicamente, "Ele não está na foto, em tudo. Ally nem sequer o conheceu." Por seu tom de voz, eu poderia dizer que não era uma boa situação e, assim, deixei cair o assunto rapidamente. "Tudo bem," Beck diz, enquanto se inclina e me beija na bochecha. "Estarei de volta em pouco tempo. Nos quer para trazer-lhe alguma coisa?" Minhas mãos vão para a cintura de Beck, e eu amo o jeito que os seus lábios permanecem contra a minha pele. Eu balanço minha cabeça. "Eu estou bem. Vocês se divirtam e vou te ver em breve." Assim que eles colocam os seus casacos e saem pela porta, eu puxo o meu telefone do bolso e marco o meu pai. Tentei ligar para ele ontem, mas não obtive qualquer resposta. Eu não deixei mensagem e, francamente, esqueci-me de chamá-lo de novo enquanto estava me divertindo com Caroline e Beck. Muito tempo depois de Ally ir para a cama na noite passada, todos nós ficamos bebendo vinho e os irmãos North me encantaram com contos de como foi crescer em um mundo privilegiado que ambos pareciam detestar. Enquanto Beck ainda vive o estilo de vida que nasceu, agora sendo um produto de seu trabalho duro. Meu entendimento é que Caroline tem o mesmo fundo de crédito de Beck, mas vive uma vida modesta


em Healdsburg, trabalhando como assistente de um dono de galeria de arte. É claro, a partir de tanto ouvi-los, que eles não têm quase nenhum relacionamento com seus pais. Eu puxo para cima o número do meu pai e toco nele. Ele toca duas vezes antes de Maria responder agradavelmente. "Oi, Sela. Feliz Dia de Ação de Graças." "Feliz Dia de Ação de Graças", eu digo a ela calorosamente. Eu normalmente posso estar um pouco irritada com ela respondendo por meu pai, mas depois de ter passado por um feriado quente e alegre com Beck e sua pequena família, estou me sentindo mais magnânima em sua direção. "Papai está por perto?" "Claro que está", diz ela e ouço o telefone sendo entregue. "Hey, baby," meu pai diz rapidamente com emoção. Embora possamos ter nos afastado um pouco depois que minha mãe morreu, nunca vou esquecer a força que meu pai me deu depois do meu estupro. Ele se tornou meu campeão e protetor depois disso, fazendo eu me sentir tão segura quanto uma menina poderia, depois de ter sua inocência brutalizada. "Ei, pai," eu digo baixinho enquanto entro na cozinha. Abro a geladeira e puxo uma garrafa de água. "Como foi a sua Ação de Graças?," Ele pergunta, ouço o ranger de sua cadeira e posso imaginá-lo inclinando de volta e jogando os pés para cima. "Foi ótimo," digo a ele. "Eu comi o jantar com Beck, sua irmã e sobrinha se juntaram a nós."


"Excelente", diz ele com entusiasmo. "Qualquer chance que eu vá chegar a conhecer esse cara?” Eu falo com o meu pai pelo menos uma vez por semana no telefone. Embora não tenha admitido que estou vivendo com Beck, lhe disse tudo sobre o meu novo namorado. Essa primeira conversa foi preenchida com um monte de ‘uau’ e ‘isso é incrível’ do meu pai, um homem desesperado por pensar sempre se eu seria capaz de me abrir para um relacionamento. "Um dia," eu digo vagamente, porque isso tudo depende de onde isso está realmente indo. Enquanto fosse apenas uma questão de Beck e eu buscarmos um felizes para sempre, isso seria algo que poderia ser resolvido facilmente para levá-lo conhecer meu pai, logo que possível. Mas, considerando que eu poderia estar matando o parceiro de Beck em um futuro próximo, e que pode ou não levar à minha prisão, acho que é melhor não fazer-lhe quaisquer promessas. Meu pai começa a tagarelar sobre a sua Ação de Graças, dizendo-me em detalhe sobre todos os lados que os pratos tinham. O filho de Maria e nora se juntaram a eles, e tive que rir quando o meu pai sussurrou para o telefone que Maria só não tinha feito uma torta de abóbora para rivalizar com a da minha mãe. Eu caminho da cozinha para a sala de estar, com a intenção de me enrolar no sofá, quando meus olhos involuntariamente desviam para o foyer. Para a mesa lateral sentada lá. Para as chaves que Beck deixou nessa tabela. Ele não tinha nenhuma razão para levá-las, já que eles estavam andando para o Ferry Building e eu estava ficando aqui.


A voz de meu pai desaparece e eu ando até a mesa. Eu pego o chaveiro e giroo mais na minha palma para estudar. Além de sua chave do Audi, reconheço a chave do condomínio. Ele tem um protetor de borracha azul sobre a cabeça, o mesmo que o meu. Há mais duas chaves da porta no anel, e sei que uma delas pertence ao seu escritório fechado. Minha cabeça gira e eu olho para o corredor. "...Então estamos apenas preguiçosos com excessiva ingestão de sobras. O que você está fazendo hoje?" A voz de meu pai corta para trás em meus pensamentos. Eu balanço minha cabeça e meus dedos estão curvados em torno das chaves. "Hum... vamos todos sair para o Ferry Building." A mentira vem facilmente, minha intenção está focada no corredor enquanto começo a andar. "Parece divertido", diz ele jovialmente. "Bem, você apenas tente planejar uma viagem para casa e traga esse seu homem com você. Eu não posso esperar para jogar de pai super protetor." Meu pai ri com vontade e dou uma meia risada, a porta do escritório se aproximando mais perto. "Tudo bem, papai. Tenho que ir, mas eu te amo." "Também te amo, querida", diz ele. "Falo com você mais tarde." "Tchau," digo vagamente e desligo enquanto vou para a porta. Eu guardo meu telefone e mantenho as chaves para fora na minha frente, considerando qual pode se encaixar no bloqueio. Não importa se eu fizer errado. Tenho tempo de sobra para tentar novamente.


Eu escolho uma chave e coloco-a no buraco da fechadura. Com a outra mão apoiando o botão, viro meu pulso e sinto a fechadura ceder. Minha frequência cardíaca aumenta e uma descarga de adrenalina passa por mim. Eu começo a torcer o botão, mas, em seguida, um sentimento de mau presságio rasga através de mim. Eu hesito um momento... e considero as minhas opções. Isto não é o ideal. Eu viro a chave de volta para o lado oposto, retomo o bloqueio, e puxe-o livre. Meu coração ainda está batendo, mas sinto imenso alívio com minha decisão de me afastar, sabendo que isso é o certo a fazer. Eu não tenho ideia de quando Beck estará de volta. Pode me levar horas procurando em seu escritório e não quero ser interrompida. Tem que ser feito em um dia, quando ele estará no trabalho e terei pouca ou nenhuma chance de ser pega. Eu olho para o meu relógio. Beck foi embora a menos de dez minutos, e estou melhor servida tentando apressar-me rapidamente e obter uma cópia das chaves; dessa forma posso fazer uma busca mais detalhada em um momento oportuno. Digo a mim mesma firmemente que minha hesitação não tem nada a ver com o meu desagrado em trair o homem que vim para cuidar muito. Não importa o que meus sentimentos são por Beck, eu simplesmente tenho que fazer isso, me tranquilizo. Isto é para o meu próprio bem, e se eu tiver que sacrificar a sua confiança neste pequeno caminho, farei, só tenho que viver com a culpa, porra.


Além disso, eu raciocino comigo mesma, se posso cortar este albatroz conhecido como Jonathon Townsend do meu pescoço, então posso realmente ser livre para ser tudo para Beck que ele merece. E outra razão para mim mesma, que isto tem de ser feito para o próprio bem de Beck. Essa é a única maneira que posso dar-me a ele livremente e sem qualquer parede ou mentiras que mancham a nossa relação. Ainda melhor raciocínio, se eu posso terminar a existência de JT, estarei liberando Beck de um tóxico relacionamento com seu parceiro de negócios. Embolso as chaves e caminho rapidamente para o quarto. Eu coloquei uma jaqueta leve e agarro a minha bolsa. Eu sei que há uma loja de ferragens local a quatro quadras de distância, na frente em direção do Ferry Building. Com alguma sorte posso estar lá e de volta dentro de meia hora... não mais do que quarenta e cinco minutos, com uma cópia da chave do escritório de forma segura na mão. Sim... esse é o meu melhor jogo neste momento. *** O elevador chega a um impasse, dou um tapinha na cópia da chave no bolso e viro o chaveiro de Beck alegremente na minha mão. Me sinto bem sobre isso. Eu tenho um plano começando a se formar. As portas do elevador se abrem e passo para o corredor do condomínio de Beck. Levanto minha cabeça e chego a um impasse, mortificada. Beck está lá com os braços cruzados sobre o peito. Caroline está com Ally em seus braços e seu rosto está vermelho e brilhante de lágrimas.


"O que está acontecendo?", Pergunto cautelosamente enquanto ando em direção a eles. "Ally teve um corte e armou uma birra de criança," Caroline diz com um sorriso tímido. "Depois de uma sessão de gritos de dois minutos na livraria, decidimos voltar. E deduzi que poderíamos apenas ficar aqui hoje." Meus olhos cortaram até Beck e ele está olhando fixamente para seu chaveiro na minha mão. "Nós não podíamos entrar." "Oh," eu digo baixinho quando eu olho para as teclas. "Desculpa." "Onde você estava?" Beck pergunta, e posso dizer pelo tom de sua voz que ele não consegue entender onde eu teria ido com suas chaves. Isso me deixa em pânico e minha mente corre para encontrar a desculpa perfeita, mas nada vem à mente. "Hum," penso por uma fração de segundo a mais, porque parece que estou procurando por uma mentira, então apenas deixo escapar: "Eu peguei seu carro emprestado. Decidi ir para o meu apartamento e pegar umas poucas coisas." É completamente óbvio quando a mandíbula de Beck aperta e sei que ele não acredita em mim. "Não conseguiu ir muito longe, não é?" Meus pés se movem e ando rapidamente até a porta, evitando o contato visual com ele. Coloco a chave na fechadura e abro a porta. Caroline desliza através, mantendo sua própria cabeça para baixo. Eu sei que ela pode sentir a tensão entre nós.


Eu começo a segui-la, mas Beck agarra meu braço e me vira para ele. Ele olha para mim sem perguntar, esperando uma resposta. Engulo em seco e levanto o queixo em exibição de uma confiança que não estou sentindo. "Eu fiz isso na primeira rua à rampa de acesso e o trânsito estava horrível. Decidi voltar e ver se talvez você queria ir comigo mais tarde." Seus olhos perfuraram os meus, na verdade, passam rapidamente para trás e para a frente como se ele estivesse tentando ver a verdade no que estou dizendo. Ele olha para mim tanto tempo, que quase deixo escapar toda a verdade para ele. Tudo. Sobre JT e os meus planos nefastos. Mas, em seguida, Beck apenas me dá um breve aceno de cabeça, cai a mão do meu braço e entra no condomínio. Eu respiro fundo e o sigo. Caroline está colocando Ally no sofá e tem o controle remoto da TV na mão, provavelmente para deixá-la assistir seu desenho favorito, Dora A Aventureira. Ela me lança um sorriso simpático e, em seguida, a cabeça se volta para seguir Beck, enquanto ele caminha de volta para o quarto. Eu sorrio de volta para ela e me apresso pelo corredor atrás de seu irmão, sentindo desgraça iminente correndo em mim. Quando entro no quarto, o encontro na janela com vista para a cidade, de costas, rígido, e os braços cruzados sobre o peito. Eu fecho a porta suavemente. Ele se vira para mim e pergunta: "Você está mentindo para mim?" Eu me esforço para não estremecer com a condenação em sua voz e sua percepção aguda. "Não, claro que não."


Deus, sim, eu estou mentindo, Beck, e eu sinto muito. Espero que você perdoe esta transgressão. Eu juro que tenho uma boa razão. "Você está mentindo," diz ele com firmeza. Cai os braços longe de seu peito e caminha até mim, tirando o chaveiro da minha mão. "Eu não estou", digo rapidamente. "Sela", ele late para mim, e minha boca fecha. "Quando você não respondeu a porta, pensei que poderia ter uma chave da casa extra no meu carro. Eu fui até a garagem para olhar porque tenho um serviço de portaria de desbloqueio remoto através do Audi. Meu carro estava lá. Não tinha uma chave extra lá, mas meu maldito carro estava lá. E sei que ainda estamos tentando chegar a conhecer um ao outro, e você provavelmente não descobriu isso ainda, mas não tenho paciência, seja o que for, não tolero mentirosos em minha vida. Recuso-me a fazê-lo. Então, onde você foi e por que porra você está mentindo para mim, caralho?" Eu recuo a partir da raiva em sua voz. Praticamente murcho com a dor em seus olhos. "Eu fui para uma caminhada", sussurro, a necessidade de auto-preservação deixando a mentira sair da minha boca facilmente. "Suas chaves apenas estavam lá e eram mais fáceis de pegar do que ir de volta para o quarto ir pegar as minhas." "Então por que mentir para mim?", Ele cerra fora. "Por que me dizer que levou o carro para o seu apartamento, não dou a mínima se você usar o meu carro. Eu só me importo que você mentiu para mim." "Eu não sei", deixo escapar, em pânico que possa estar perdendo algo muito importante neste exato momento. Eu esqueço a história perfeita e derramo as


emoções que são baseados em verdade. Espero que as meias-verdades encubram a verdade plena que nunca poderia dizer a ele. "Eu fui dar uma volta. Estive sobrecarregada com tudo o que está acontecendo com você e eu. Parece muito bom para ser verdade, nunca tive isso antes, e estou com medo, Beck. Eu tenho medo que vai tudo desmoronar em mim e não posso dizer-lhe, porque não quero parecer pegajosa e insegura de mim mesma. Você gosta de minha confiança, certo? Então eu não quero parecer nada menos do que isso para você. E quando saí do elevador e vi você lá, e você olhou com raiva... eu só menti. Eu não estava pensando direito. Mas juro... isso é tudo o que eu estava fazendo. Eu estava fora para uma caminhada." Beck se afasta de mim em frustração, esfrega a mão pelo cabelo. Ele então gira para trás e olha para mim com tristeza. "Por que você se sente tão insegura sobre mim? O que eu fiz para fazer você se sentir desse jeito?" Eu não posso conter o suspiro trêmulo de alívio que vem para fora e espero que ele não entenda que meu alívio vem do fato de que ele acabou de comprar essa história semi-cozida. Me movo imediatamente andando até ele, pressionando meu rosto contra o peito e passando os braços em torno de sua cintura. Eu aperto-o para mim, o medo me segurando quando ele não devolve o abraço. Minha voz é pequena e fraca quando digo, "Eu sinto muito. Estou com muito medo de que coisas de merda aconteçam com você e não quero perder isso." Então lhe digo uma verdade absoluta. "Eu acho que você é a melhor coisa que já aconteceu para mim e quando é dado a você um dom assim, a perspectiva de perdê-lo pode ser um pouco desgastante." Beck solta um gemido doloroso e seus braços envolvem em torno de minha parte superior das costas. Ele me aperta duro e pressiona seus lábios no topo da


minha cabeça. "Jesus, Sela. Eu não vou a lugar nenhum e não há muito que você poderia fazer para me afastar de você. Você é perfeita e estou insanamente feliz de estar com você, ok?" Concordo com a cabeça em seu peito. Abraço-o mais apertado. "Só não minta para mim", diz ele rispidamente. "Nunca minta para mim, nunca faça qualquer coisa para fazer-me desconfiar de você, e tudo será ouro. Ok?" Meu coração afunda. Porque tenho plenamente a intenção de continuar mentindo para ele, até que minha missão esteja completa.


Capítulo 20 Beck

Três batidas fortes na porta do meu escritório me fazem levantar a cabeça e piscar os olhos turvos. Eu esfrego os dedos sobre eles, feliz com a pausa da leitura dos códigos. "Entre," eu digo rispidamente, pegando a garrafa de água mineral na minha mesa e tomando um longo gole. A porta se abre e JT entra. Ele parece... diferente. Em vez do habitual terno de três mil dólares sob medida, que usa com abotoaduras de diamante, ele está em um par de jeans escuros e um suéter de cashmere de cor vinho. Ele nunca se veste casualmente para o escritório e me pega desprevenido, porque JT gosta de ostentar seu dinheiro, e nada diz sobre dinheiro como Armani. Eu imediatamente noto que seus olhos estão claros e suas pupilas estão normais e estremeço internamente, porque isto se tornou a minha prática habitual sempre que eu o vejo. Ele me lança um sorriso e diz "E aí, mano tudo bem?" "Não muito", eu digo, recostando-me na cadeira. "Somente revendo algum código para a nova plataforma. Há um pouco de buggy."


"Eu vi o modelo na semana passada", diz ele quando se senta em uma das cadeiras de visitas em frente à minha mesa. Ele cruza um tornozelo sobre o joelho oposto e relaxa casualmente. Ele parece quase... sem preocupações. Isso deveria fazer-me feliz, mas me faz desconfiar. Eu estremeço de novo, porque deveria estar dando-lhe uma segunda chance. "Teve um bom feriado no fim de semana?" Pergunta ele, com os olhos brilhantes, com interesse. "Hum... sim. Caroline e Ally vieram me visitar por alguns dias e Sela e eu apenas relaxamos em torno da cidade neste fim de semana. Você?" "Passei-o na casa dos meus pais em Windsor. Apenas relaxando com eles. Na verdade, tive tempo para ler um livro." Os pais de JT têm uma propriedade vinícola no Vale de Sonoma. Que realmente produz, mas é mais como uma casa de férias do que qualquer coisa para eles, e eles só a usam esporadicamente, preferindo passar a maior parte de seu tempo em sua casa em Sausalito. A família de JT fez o seu dinheiro com tecnologia, mas eles têm seus dedos em várias coisas. Eu ergo uma sobrancelha para JT. "Você só foi lá e relaxou? Leu um livro?" "Eu tive um pouco de vinho e queijo também," diz ele com uma piscadela. "E o peru, é claro." Balanço a cabeça e tento não sorrir para os seus caminhos cativantes. Sei que ele está tentando me mostrar o novo JT, mas parece estranho para mim. Tem sido


assim por muito tempo desde que eu vi isso, estou tendo um pouco de dificuldade em confiar nele. "Será que Karla conseguiu aquele acordo para você na segunda-feira?" Pergunta ele, sua expressão se tornando séria. "Você não mencionou nada." "É, eu recebi." Ele está guardado na minha mesa agora, sob sete chaves. Karla trouxe uma cópia para mim, selado em um envelope, logo que eu entrei naquela segunda-feira de manhã, depois que conversei com JT. Eu fiz uma careta de desgosto com o que tinha lido, mas, se a assinatura no documento for real, então aquela Sugar Baby tinha claramente um lado sério pervertido que queria que JT entrasse para saciá-la. Eu não aceitei o acordo facilmente. Inspecionei a Sugar Baby no banco de dados - Melissa FRAYE - e comparei a foto com a mulher que vi naquela noite no mixer. Era a mesma. Eu mesmo puxei a foto digitalizada do seu acordo de Sugar Baby conosco e as assinaturas correspondiam. Isso não aliviou a minha consciência completamente, entretanto. Eu sei demais sobre computadores e gráficos, e sei exatamente como é fácil copiar uma assinatura de um documento e colocá-la sobre outro. Sei que não deveria estar preocupado. Sei que deveria dar a JT o benefício da dúvida, não posso ajudar, mas, porra, lembrando as palavras de Sela e como segura ela soou naquela manhã quando voltei e disse-lhe sobre a minha reunião com JT. Eu não acredito nisso. Eu não confio nele.


Não foi consensual. Sua dúvida nele me faz ainda duvidar até certo ponto, e tenho que maravilharme com a maneira em que pareço confiar nela, mas não em um homem que conheço há muito mais tempo. Um homem que eu tenho muito mais laços e memórias, do que as que tenho com uma mulher que conheço há um pouco menos de um mês. JT e eu estamos juntos há anos. Nossos pais fizeram negócios juntos. Ele veio para todas as minhas festas ostentação de aniversário, e eu fui nas suas. Andamos juntos em Tahoe, em nossas pausas de Inverno, e o mochilão em conjunto na Europa. Nos dias de escola preparatória, em Stanford. Ao lado de Caroline e Ally, ele é a pessoa que eu estive mais perto no mundo. Além de tudo isso, compartilhamos um vínculo que Sela não conseguiria compreender, e que é mais profundo do que até mesmo o que ela e eu nunca vamos ter. Uma faísca repentina de culpa me bate duro, em algum momento eu tinha esquecido isso. Quando JT foi fora da pista, eu apenas deixei-me ficar consumido pela minha carreira e construindo este negócio. Ignorei a festa e virei meu nariz para a Sugar Baby que ele ia queimar completamente. Percebi que era o seu dever, acho, e só quando chegou a um ponto de ruptura que me preocupei em tomar a porra de tempo para fazer algo sobre isso. Talvez... apenas talvez, se eu tivesse prestado um pouco mais de atenção e fosse um amigo um pouco mais presente, poderia tê-lo puxado de volta da beira um pouco mais rápido.


"Esses parecem ser pensamentos profundos, cara," JT diz, e pisco, trazendo-o em foco. Sua cabeça está inclinada, olhando para mim com diversão. Balanço a cabeça e dou-lhe um sorriso confiante. "Não... apenas ainda estou pensando sobre o código que estava revendo." Não a ponto de lhe dizer que estou tendo um momento difícil para comprar este ato como um cara tão legal. "Lembra-se daquela vez que você e Barry Kratzel estavam construindo isso... o que diabos era esse programa... aquele onde ele iria medir a capacidade de uma mulher para ser um caso de uma noite?" Eu bufei e depois uma risada saiu. "Sim. Nós pensamos que era brilhante. Felizmente, o nosso professor pensou também, mas acho que foi só porque ele estava recentemente separado de sua esposa e estava esperando como o inferno que funcionasse." JT ri junto comigo, as linhas de riso ao redor dos olhos aparentemente natural e sem o cálculo que eu normalmente via. "Eu experimentei essa coisa estúpida e me liguei naquela menina louca na minha classe de econometria. A porra do seu programa me disse que eu tinha 99,3 por cento de chance dela não se importar que eu não a chamasse no dia seguinte." Sorrindo para JT, eu me lembro com carinho. Era um programa que tinha criado no meu primeiro ano em um curso intitulado como Algoritmos de Confiança. Eu usei meus companheiros da fraternidade beta para testá-lo. Era um aplicativo onde você poderia estar em um encontro, fazer uma pausa para fazer xixi e depois teria algum tempo para falar com a menina e responder a uma série de dez


perguntas, com base no que você aprendeu até agora. Teria então que identificar a chance dela ser perfeita para uma noite. Nós realmente não achávamos que teria muita aplicação prática fora dos estudantes universitários bêbados, mas imaginei que iria impressionar nosso professor. Tivemos um A no projeto. JT transou com uma garota que acabou perseguindo ele por quase um mês, antes de finalmente entender a dica de que ele não estava interessado após a sua uma noite juntos. "Aqueles eram os bons velhos tempos," JT diz, virando a cabeça para olhar para fora da janela com um tom um pouco arrependido em sua voz. "Sim, eles eram," Concordo suavemente. JT limpa a garganta e se levanta da cadeira, virando-se para olhar para mim. "Assim, ouça... Eu tenho Sam montando uma proposta para nós considerarmos. É para um startup com base em Santa Clara, e eles estão desenvolvendo um software que irá ler as expressões faciais." "Eu li sobre isso há algumas semanas", digo com um aceno. "É suposto analisar as respostas emocionais que os consumidores têm de determinados produtos." "É... parece muito promissor. Eu quero que você dê uma olhada nele e me dê o seu parecer." Eu pisco os olhos, surpreso. JT não executa essa merda por mim. No começo não me importava, porque ele é o único com o MBA e é o rei de investimento, mas parece que ele pode estar realmente tentando forjar uma parceria mais forte comigo.


"Claro, com todo o prazer," digo com um sorriso de gratidão. "Legal," ele diz, e volta-se para a porta. Quando ele chega para o botão, se vira e diz: "Você e Sela estão interessados em se reunir para jantar em breve? Eu gostaria de saber mais sobre esta mulher que parece ter o tirado fora do mercado." Eu estudo o rosto com cuidado, tentando ver se há um motivo interior. Talvez uma desprezível intenção. No mínimo, muito assustador de um interesse. Em vez disso, ele olha para mim com aberta simpatia e decido dar, finalmente, para ele. "Sim... isso seria ótimo", digo com um sorriso. "Que tal no sábado?" "Perfeito," JT diz com um sorriso. "Isso me dará tempo para encontrar um encontro apresentável da variedade não-Sugar Baby." "Realmente tentando virar uma nova página, huh?" Deus, espero que não soe muito merda. JT apenas ri e balança a cabeça. "Eu disse a você, mano. Estou começando minha merda junto, e tenho certeza que minha mãe não terá qualquer problema em encontrar-me uma bela socialite, jovem, com um pedigree perfeito, para me trazer." "Parece adorável," digo secamente. "Cara... você sabe que não é, mas não quero me sentir como uma terceira roda, então estou indo para ligar para minha mãe agora." "Mal posso esperar para conhecer a futura Sra. Jonathon Townsend," digo com uma risada.


JT faz uma careta e balança a cabeça, mas não há diversão em seu rosto. "Mais tarde," diz ele, e então se vai. Eu olho para o meu relógio. Apenas 15:45 e gostaria de saber o que Sela está fazendo. Suas aulas não voltam até amanhã, então estou pensando que ela está, provavelmente, em casa sozinha e precisando de alguma companhia. Eu olho de volta para o código, sabendo que preciso obter isso feito. Volto para o meu relógio e penso em Sela. Foda-se o código. Eu posso trabalhar com ele mais tarde esta noite depois que ela adormecer. *** Eu pego a correspondência no correio enquanto ando até a porta do condomínio. Um envelope de cor creme pequeno com o meu nome e endereço escrito na caligrafia verde esmeralda olhando para mim. Eu faço uma careta e abro, sabendo o que é e ainda assim, sinto-me obrigado a lê-lo.

A honra de sua presença é solicitada para participar com Sr. e Sra Beckett W. North, enquanto celebramos o Natal com nossos amigos e família…

Jesus. Eu odeio participar dessas coisas. Existem duas funções a cada ano que estou esperado para fazer uma aparição. Primeiro é aniversário do meu pai, que é em junho, e a segunda é a sua festa anual


de Natal. Enquanto o meu relacionamento com meus pais era muito tênue, artificial e frio no seu pior, tento acomodar essas funções. Meu pai, que é um consultor de investimentos muito bom nisso, tem um imenso fundo de catálogo de contatos de negócios, e seria um tolo em não tirar proveito, pelo menos, nessa oportunidade. Estou surpreso quando vejo uma nota manuscrita na parte inferior em tinta preta. Eu reconheço a letra de minha mãe: Beck... estamos ansiosos para vê-lo em breve. Talvez incentive Caroline a participar. Eu dou uma risada pelo ridículo dessa declaração e dobro a pilha de correspondência debaixo do braço. Garanto que Caroline jogou o cartão não aberto no lixo, no minuto em que viu a caligrafia e o endereço de retorno. Ela não tem necessidade do puxão de negócios do nosso pai e está segura como a merda que não tem necessidade de seus pais. Eles falharam quando ela mais precisou deles e nunca vai perdoar isso. Nem eu os perdoei pelo assunto, mas provavelmente vou participar de qualquer maneira. Tenho certeza que Sela ficaria feliz de ir comigo e isso fará com que seja pelo menos intolerável. Eu destravo a porta do condomínio, meu sangue dispara com a perspectiva de vê-la. É como se eu pudesse sentir sua presença apenas do outro lado e meu coração dispara quando o meu corpo aperta todo. É um sentimento que nunca vou me acostumar, e não quero nunca, de qualquer maneira. Eu empurro a porta aberta, sinto o ambiente em silêncio absoluto e depois meus olhos vão imediatamente para Sela, quando a vejo sentada em uma cadeira estofada de couro branco perto da janela. A cadeira normalmente não pertence a este lugar, fica ao lado da lareira de mármore preto, e ela arrastou-a claramente para


lá. Seus pés descalços estão enrolados por baixo dela e sua cabeça está descansando no encosto da cadeira com o rosto inclinado para a enorme parede das janelas. Ela está olhando para a Baía e em sua mão direita, vagamente detém uma faca. Ela nem sequer se vira para me reconhecer. "Hey," digo, enquanto coloco a correspondência em cima da mesa e solto minhas chaves em cima dela. Quando fecho a porta, ela se vira para olhar para mim e seu rosto é uma tela em branco. Normalmente sou cumprimentado com um sorriso suave. Muitas vezes ela vem até mim, seus quadris balançando, antes de dar um beijo doce no meu maxilar inferior. Agora ela só olha para mim, impassível, nem mesmo surpresa ao me ver ali de pé. "Hey," diz ela, com a voz baixa e um tom melancólico. "O que você está fazendo?" Pergunto, meus olhos caindo para a faca. Ela olha para ela, esfregando o polegar sobre a alça de plástico. "Nada", diz vagamente. "Estava me preparando para abrir algumas das minhas caixas." Sela e eu fomos para o apartamento dela no domingo e ela arrumou mais de seu material para levar. Era principalmente o resto de suas roupas, livros, e algumas fotos emolduradas de sua família. Três caixas no total e elas estavam no canto da sala de estar, intocadas. Algo sobre Sela sentada ali, olhando tristemente pela janela com um cortador de caixa em sua mão, parece terrível para mim. Ela parece pequena e sozinha, e apesar da luz brilhante derramar dentro, parece estar cheio de escuridão.


Eu ando até ela, contornando a mesa de café e o sofá. Quando chego na cadeira, agacho-me na frente dela, colocando as mãos sobre suas coxas. Ela olha para mim, o rosto não revelando nada. "Qual o problema?", Pergunto. Um pequeno sorriso vem a seu rosto. Ela levanta a mão livre e toca em meu queixo com as pontas dos dedos antes de cair. "Nada. Só aqui sentada apreciando a vista." Minha cabeça se vira para olhar para as águas escuras da baía, brilhando com os raios de sol extraordinariamente brilhantes para ela hoje. "Você parece triste," observo. "Pensativa", ela oferece em seu lugar. "Sobre o que?" Sela dá de ombros. "Um monte de coisas." "Não é útil," digo com um pequeno sorriso, estou encorajando quando ela retorna. "O que você está fazendo em casa tão cedo?" Pergunta ela, não soando ao menos surpreendida e em uma mudança suave de assunto. Ou talvez seja apenas que sua voz soa maçante, combinando com o cinza que parece emanar dela. "Pensei em vir mais cedo e passar o tempo com você," digo a ela, meus dedos acariciando suas pernas través de seus jeans. E, de repente, um pouco de cor vem de volta para seu rosto enquanto ela me dá um sorriso doce, com a cabeça inclinada para o lado. Ela desenrola suas pernas, o que desaloja minhas mãos. Eu me levanto,


e ela faz o mesmo, vindo de encontro ao meu corpo. Ela aperta seu rosto no meu peito e envolve seus braços apertados em volta da minha cintura. "Estou feliz," ela sussurra. Eu aperto-a carinhosamente, esfregando a mão na parte inferior das costas. "O que você quer fazer?" Ela não hesita um momento. Puxando para trás, deixa cair a faca no piso de madeira fazendo barulho sem a menor cerimônia e enfia os dedos debaixo da fivela de meu cinto. Dando-me um puxão, ela se vira em direção ao corredor que leva ao nosso quarto. "Eu quero foder", ela diz simplesmente, e quem sou eu para negar a ela? Eu a sigo de volta.


Capítulo 21 Sela

Eu puxo a minha camisa no minuto em que entramos em nosso quarto, deixoa cair no chão. Beck anda até a cômoda e tira seu relógio, deixando-o no topo polido. Ele então puxa sua parte superior fora, um suéter cinza de cashmere, com decote em V, que o abraça em todos os lugares certos. Meu estômago aperta quando suas costas são reveladas para mim, e eu percebo a Phoenix vermelha em seu ombro. Eu sei no fundo do meu coração que Beck não estava lá naquela noite. Indo pela matemática simples, ele teria dezoito anos e em seu último ano da escola de preparatória. JT é quatro anos mais velho, significando que ele teria vinte e dois anos quando me estuprou. Isso por si só não acrescenta nada. Mas mais do que isso, só sei que Beck nunca seria como ele. Ele nunca machucaria ou violaria uma mulher. Ele nunca iria participar de um estupro brutal. Sua violenta reação ao JT naquela noite em que ele tentou drogar aquela mulher prova, e além disso... eu só sei no fundo da minha alma. Pelo menos é isso que eu digo a mim mesma cada vez que vejo a tatuagem. Eu normalmente iria cair o meu olhar para longe, esperando por ele para virar esse peito bonito, antes que possa olhar para ele novamente. A esmagadora tristeza


que eu estou sentindo nesses últimos dias, parece agravar quando olho para ela. Ele tira seus sapatos. Desfaz o cinto. Fico olhando para a Phoenix, odiando que há uma parte de Beck que eu odeio. Odiando-o ainda mais porque me odeio pelo que estou fazendo com ele. Desde sexta-feira passada, quando ele me pegou esgueirando de volta para o condomínio... quando ele me chamou de mentirosa, nem mesmo a compreensão de como enganosa eu estava sendo... estive atolada em culpa. Durante aqueles poucos minutos quando ele me pegou na minha mentira, e pensei que ele ia me jogar para fora de sua vida, sabia na minha alma que Beck North foi a melhor coisa que já me aconteceu. Quando tudo parecia estar desmoronando, e eu estava arranhando furiosamente para levá-lo a ver o passado e minhas mentiras, tive um momento de clareza quando percebi que a vingança sobre JT não estava indo para valer a pena a dor que poderia colocar em Beck. Apesar dessa tatuagem horrível que parece olhar de forma lasciva para mim, um lembrete constante de tudo que foi tirado de mim, não acho que posso continuar com meus planos. Hoje eu vagava ao redor do condomínio sem rumo, a minha cópia de sua chave do escritório enfiada no fundo do meu saco de maquiagem no banheiro. Era uma excelente oportunidade para eu procurar em seu escritório, e ainda assim, evitei-o, me recusando sequer olhar para a porta do escritório do caralho. Mesmo que eu saiba, sem dúvida, que havia uma resposta clara lá sobre como poderia vingar-me, simplesmente não conseguia fazê-lo. Eu simplesmente não podia trair Beck. Ainda mais terrível a considerar, era o efeito que poderia ter sobre ele, se eu fosse bem sucedida em matar JT, especialmente se percebesse que ele era


um parceiro involuntário na minha trama assassina. Ele nunca seria capaz de perdoar a si mesmo, e não posso suportar colocar um fardo torturante como esse sobre ele. E enquanto tinha estado em pânico desde o nosso quase rompimento na semana passada, afundei em uma escura depressão hoje, quando percebi que a minha missão para destruir meus estupradores não estava sendo realizada. Enquanto em minha cabeça, sabia que a recompensa de ter Beck em uma vida completamente transparente e confiando totalmente em mim seria mais do que suficiente para mim, estava fortemente de luto pela perda da minha vingança. Então, afundando em pensamentos desagradáveis, eu tinha pegado a faca fora na gaveta da cozinha de Beck e levei-a comigo. Será que pensei em usá-la em mim mesma? Na verdade não. Mas me agarrei a essa coisa vil como um lembrete de quão longe eu tinha afundado antes, e que naquele ponto da minha vida, não tinha nada para viver. Com Beck na minha vida, eu não poderia dizer isso agora. Mas significava que ia ter uma parte de mim que sempre estaria danificada, e eu apenas teria que viver com ela. Gostaria apenas de ter que aprender a viver com ela. Beck se vira para mim, mas a tatuagem ainda está em minha visão periférica quando suas costas estão refletidas no espelho que fica em cima da cômoda. Ele sorri para mim, com as mãos puxando o cinto livre e deixa-o cair no chão.


Gostaria apenas de aprender a viver com isso. Meus olhos cortam a reflexão e engulo em seco contra a amargura e o ódio dentro de mim. Eu atravesso o quarto enquanto ele me olha com olhos e pálpebras pesadas. Quando o alcanço, passo para o seu lado e com a mão na cintura, afasto-o suavemente longe de mim. Levantando minha mão, que está tremendo de medo, coloco as pontas dos meus dedos contra a asa esquerda da Phoenix. Beck solta um suspiro enquanto traço o contorno. "O que você está fazendo?", Ele pergunta rispidamente. Eu nunca mencionei uma vez a sua tatuagem ou indaguei sobre ela. Esta é a primeira vez que eu a toquei. "Onde você conseguiu isso?" Pergunto suavemente, correndo os dedos ao longo de sua pele... traçando a flamejante pena na cauda. "Um pequeno estúdio de tatuagem em Palo Alto," diz ele. "Enquanto você estava em Stanford." É uma declaração que posso facilmente deduzir, com base no fato de que isto pode ser uma coisa de fraternidade e sabia que JT e Beck foram para Stanford juntos. "Está certo. Eu obtive depois que me comprometi." "Todos os membros da fraternidade fizeram?" "Não", ele diz com um aceno de cabeça. "Apenas um pequeno grupo de nós." Bile sobe na minha garganta com a implicação disto, mas empurro para baixo. Beck não era uma parte do meu estupro.


Ele não era. Eu inclino-me para frente e pressiono os meus lábios na pele vermelha, ouro e penas alaranjadas da chama. É quente e cheira como Beck. Limpo, fresco, selvagem. Ele se vira de repente, seus braços serpenteando ao redor da minha cintura. Ele olha para mim atentamente, percebendo que alguma coisa está acontecendo e simplesmente não entende muito bem. "Sela?" Ele pergunta em confusão. "Estou triste," digo-lhe com sinceridade, pensando que deveria me sentir autoconsciente sobre a admissão de uma vulnerabilidade a este homem, e ainda assim sentir-me completa e totalmente segura na minha revelação. Os olhos de Beck estão macios com simpatia e suas mãos vêm para o meu rosto. Ele me embala delicadamente, se inclina mais e beija minha testa. "O que há de errado, baby?" Seu melhor amigo me estuprou. Enquanto não acho que você fez, tenho talvez uma lasca de dúvida. Não, não realmente. Eu sinto muito por sequer pensar nisso. Eu me preocupo com você mais do que me preocupo com justiça para mim, e isso me faz infeliz. No entanto, não posso dizer-lhe nada disso. Se eu vou deixar ir, isso significa que nunca poderei sobrecarregar Beck com o meu conhecimento, minhas memórias ou minhas suspeitas. Eu preciso levar isso como é e deixá-lo alheio aos meus dias mais escuros.


Isso vai ser o melhor. Então, prometo a mim mesma que esta será a última vez que minto para ele. "Eu tendo a ficar melancólica ao redor dos feriados. Sinto falta da minha mãe, eu acho." Ele inclina a cabeça, seus olhos azuis escurecem com minha tristeza. "O que posso fazer para ajudar?" Eu dou de ombros, mas, em seguida, jogo fora uma sugestão de que não tenho certeza que vai realmente fazer qualquer coisa melhor para mim, mas pode fazê-lo sentir como se pudesse ajudar. "Talvez pudéssemos colocar algumas das decorações dela para o Natal. Meu pai os tem em caixas para mim." "Claro que podemos fazer isso," diz ele e, em seguida, me puxa para ele. Eu enterro meu rosto em seu pescoço e sinto sua pele quente contra a minha, enquanto nos pressionamos juntos. "Onde estão os enfeites?" "Com o meu pai. Nós teríamos que ir buscá-los." "Então, eu vou conhecer seu pai, é? Será que ele vai gostar de mim?" "Ele vai te adorar", asseguro-lhe com um sorriso. Meu pai vai absolutamente amá-lo. "Como você me adora?" Pergunta ele, sua voz divertida, mas também sei que esta é uma questão séria. "Não tanto quanto eu te adoro, mas vai estar perto," asseguro-lhe.


Em seguida, a boca de Beck está na minha e sei que ele me adora também, só com a ferocidade de seu beijo. Talvez ele não possa dizer isso em palavras, mas tudo bem para mim. Sou capaz de ler o suficiente por suas ações e saber que Beck está na mesma página que estou. Suas mãos vão para a parte de trás do meu sutiã e ele abre antes de puxá-lo de mim. Então ele está abrindo meu jeans, empurrando-o para baixo em meus quadris e caindo de joelhos diante de mim. Seus dedos vão sob o elástico da minha calcinha, ele puxa para baixo o suficiente para ter acesso e dirige sua língua até meu centro. Meus joelhos ameaçam se dobrar, mas estou a salvo quando ele envolve seus braços em torno deles, me pega, e se vira, me depositando na cama. Em poucos momentos, ele tem o resto da nossa roupa fora e está escalando sobre o colchão. Eu separo as pernas para recebê-lo contra mim. Ele coloca o seu corpo contra o meu e me beija, suas mãos caminham até minhas costelas, seu pau incha contra a minha pélvis. "Você é assim tão bonita, Sela. Por dentro e por fora," diz ele, traçando um caminho com os lábios no meu pescoço, ao longo da minha clavícula. Seu corpo desce polegadas para baixo em mim, ele deixa uma trilha de fogo, com beijos quentes sobre os meus seios, para baixo meu estômago. Com as mãos nas costas das minhas coxas, ele levanta minhas pernas e as leva sobre os ombros. Os dedos de Beck mergulham em mim enquanto ele dá um beijo molhado de boca aberta, na minha buceta quente, que envia ondas de choque de prazer pelo meu corpo. "Gosto assim tão bom também", ele murmura entre lambidas e sugadas.


Meu pescoço arqueia e minhas mãos vão para seu cabelo macio. "Beck." "É isso mesmo", ele me elogia. "Diga meu nome." Lambe. Chupa. Mergulha os dedos. "Beck," eu gemo, enlouquecida de luxúria e adoração por este homem adorando entre minhas pernas. "Por favor." "O que você quer, Sela?" "Eu quero gozar," imploro para ele. Ele puxa a boca de mim por um momento e isso me faz levantar a cabeça para olhar para ele. Ele me dá um sorriso travesso. "Quer vir com a minha boca ou pau?" Dou-lhe um sorriso lascivo de volta. "Ambos." Seus dentes piscam para mim e ele rosna em apreço. "Boa resposta, porra." Beck, em seguida, bate no meu clitóris duro, franzindo os lábios em torno dele e chupando enquanto empurra dois dedos dentro e fora de mim. Meu pulso aumenta, meus quadris giram em círculos loucos, procurando por mais fricção, e então ele bate sua língua contra mim tão duro e rápido, que eu me divido em um milhão de fragmentos, enquanto minhas coxas apertam contra sua cabeça, quando cada músculo do meu corpo treme na liberação.


"O-o-o-o-h," eu gemo enquanto o clímax rasga através de mim. "Tão bom, Beck. Assim, tão bom." Eu ainda estou tremendo, quando Beck surge no meu corpo, trazendo minhas pernas para o alto enquanto elas ficam descansando em seus ombros. Meu abdômen se contrai para dentro quando ele me dobra praticamente pela metade e, em seguida, me penetrando em um impulso duro. "Maldição", ele range quando coloca as duas mãos no colchão para alavancagem. Os olhos dele estão vidrados com a luxúria, mas ele consegue perguntar "Você está bem?" Eu aceno, não sou realmente capaz de formar palavras coerentes de assentimento. "Bom, porque vou te foder tão duro, Sela", ele promete sombriamente quando começa batendo dentro de mim. "Indo para gozar tão profundo, para marcar como minha essa maldita buceta, você vai me dar, baby? Minha." Suas palavras me emocionam, sujas, palavras obscenas e escuras, que falam algo dentro de mim. Saber como ele está ligado, como está possessivo de algo que só deve pertencer a mim, mas realmente não. É sua para fazer o que quiser e ele sabe disso. É puramente irônico que depois do meu estupro, eu sempre me senti suja... indigna. É por isso que a barreira de um preservativo era mais do que uma proteção contra a gravidez. Era uma maneira de manter a sujeira para mim mesma e não manchar outra alma confiante. Embora, tecnicamente e de uma perspectiva de


saúde, eu sou tão limpa como eles veem, sempre me senti desconfortável quando se trata de sexo. Mas não com Beck. Nunca com Beck. Com cada estocada de seus quadris e cada vez que suas bolas batem contra o meu fundo, sinto-me completa, bonita e totalmente digna do que ele está dando e tomando. Mesmo quando ele está me fodendo neste momento quase sem sentido, com necessidade animalesca, correndo para liberação, ele me faz sentir pura. Isso é algo que eu nunca vou desistir. "Você está vindo?", Pergunta Beck. "Huh?" Eu gemo quando ele dá estocadas profundas em mim. "Venha, baby. Você está perto?" "Eu acho que estou," ofego enquanto ele continua a me foder quase impiedosamente. "Preciso saber", ele resmunga. "Porque eu estou e se você não, vou sair e comer sua buceta novamente." Apenas o pensamento de que ele está com intenção de me comer novamente, faísca aquele pequeno núcleo de enrolada paixão para começar a expandir e pulsar dentro de mim. "Oh, eu estou perto, está tudo certo," digo a ele com uma risada quase histérica.


"Bom", ele diz, e dobra-se sobre o ritmo de sua foda. A mandíbula de Beck aperta, os olhos se concentram em mim com a intensidade de um laser e ele ondula contra mim em um ritmo perfeito, golpeando cada polegada de minha carne. Seus quadris bombeiam furiosamente e seu pau me atinge como uma britadeira, e ele solta um enorme sopro de ar pouco antes de seus olhos espremerem fechados. Quase em câmera lenta, eu assisto o sulco de sua testa, seus dentes agarrando seu lábio inferior, e sua cabeça inclina para trás, quando ele começa a gozar. Ele bate e agita meu próprio orgasmo solto e eu choro de surpresa com seu poder. Beck mói em mim e murmura "Foda-se. Foda-se. Isso é bom. Foda-se, Sela... gozar dentro de você é bom para caralho." "Sim", eu começo a ofegar quando meu canal aperta seu pau com força, ondas de prazer indo para cima e para baixo na minha espinha, enrolando meus dedos dos pés e das mãos quase convulsivamente. "Oh, meu Deus," Beck ofega enquanto abaixa minhas pernas de seus ombros. Eu percebo imediatamente que estou mal conseguindo respirar estando quase dobrada ao meio, e uma pressa de oxigênio em meus pulmões faz-me tonta. Isso me faz soltar uma risada quase maníaca de alívio quando chupo mais ar. Beck cai em cima de mim, segurando a maioria de seu peso cavando seus cotovelos no colchão. Ele aperta o rosto no meu pescoço, me beija suavemente e em seguida, puxa-me para olhar para mim. "Isso foi uma espécie de 'uau'," ele diz com um sorriso.


Concordo com a cabeça, sentindo-me mais leve no coração e na alma. Ainda que um pouco de tristeza subjacente que minha busca por vingança é longa, mas considerando o que eu tive com Beck... e que poderia ter sempre, se der a isto um esforço honesto, ajuda a aliviar o fardo da minha perda, um pouco. Beck enrola suas mãos sob minhas costas, rola fora de mim e me transporta em seus braços até que estamos deitados um ao lado do outro, face a face. Ele empurra a perna entre as minhas, traz uma mão para a parte de trás da minha cabeça e enfia-o na curva do pescoço dele. "Quando você quer ir para a casa do seu pai para obter as decorações?" Ele pergunta, enquanto os dedos de sua outra mão caem para o meio da minha espinha. "Este fim de semana?" Pergunto de volta, assumindo que ele não pode tirar tempo durante a semana. "Eu estou assumindo que ele e Maria vão querer que fiquemos para o jantar." "Pode ser sexta à noite?" Pergunta ele, hesitante. "Certo. Isso vai funcionar." Estamos em silêncio por um momento e começo a relaxar no abraço de Beck, com uma sensação de saciedade e sonolência. Eu me pergunto como seria tirar um cochilo à tarde com Beck. Basta ficar nua e preguiçosa em seus braços. "Sela?" Beck diz depois de uma tosse que limpa a garganta. Sua voz está tensa e hesitante. "Sim?"


"JT quer se reunir conosco para jantar no sábado. Eu meio que aceitei, mas entendo perfeitamente se você não quiser ir. Eu posso dar uma desculpa ou algo assim." Não há como parar o flash branco-quente de raiva que transforma o meu sangue em lava, e por um instante não posso nem falar porque o sentimento é tão doloroso que me rouba as palavras. "Eu sei que você não gosta dele," Beck corre para frente. "Ele não lhe deu qualquer espaço, então estou totalmente legal se você disser não. É só que... ele está obtendo a sua merda junto, eu vou ter que fazer funções com ele e espero que você esteja ao meu lado para elas. Você vai correr dele, e eu pensei... bem, talvez você poderia começar a conhecer um pouco JT e acontece que eu gosto quando ele está em seu bom comportamento." Eu tomo uma respiração profunda, deixo-a fora. Outra dentro, deixo-a fora. Tento pensar pensamentos calmantes e banir a neblina vermelha de fúria da minha visão. "Você está muito quieta", diz ele em voz baixa. "Eu estou achando que isso vai ser um não ao convite." Eu penso sobre a tatuagem vermelha nas costas de Beck... uma parte permanente dele que eu decidi viver. Penso em JT, a personificação viva do que aquela tatuagem representa para mim e a minha escolha para viver apenas com o que ele fez. Eu posso estar seriamente em torno do homem que me brutalizou? Eu posso olhar nos olhos dele e ter uma conversa educada?


Será que vou ser capaz de estar na mesma sala com ele e não pensar em assassinato? Eu não sei. É incompreensível para mim. Mas sei de uma coisa. Estou me comprometendo com Beck, e isso significa que tenho que aceitar que JT está em sua vida, até o momento em que ele estragar esse privilégio. Conhecendo JT, isso vai acontecer. A zebra não muda suas listras, me lembro, e enquanto ele poderia estar se colocando em um esforço superlativo a Beck, neste momento, eu sei que é apenas uma questão de tempo antes que ele caia para trás nas suas velhas maneiras traiçoeiras. Então engulo meu orgulho, minha raiva e minha sede de justiça, mais uma vez. Eu faço isso por Beck. Comprometo-me ainda mais com ele quando digo "Claro. Eu posso não gostar muito dele, mas vou jantar com ele se é isso que você quer."


Capítulo 22 Beck

"Eu estou um pouco envergonhado", digo casualmente, quando nós cruzamos o bairro de Sela completamente. Nós não tínhamos falado muito desde que saímos de San Francisco, cerca de quarenta e cinco minutos atrás, a hora do rush já era o suficiente para exigir a minha atenção enquanto Sela cravava as unhas no couro flexível do assento do passageiro. "Vergonha de quê?" Ela pergunta, virando a cabeça contra o assento para olhar para mim. Eu viro apenas um momento para olhar para ela, mas do que um momento. Seu cabelo está solto e cai sobre os ombros, e coço para tocá-lo, porque sei como suave é. Uma das minhas coisas favoritas agora, é Sela adormecendo em cima de mim, repousando seu cabelo como um cobertor de seda no meu peito. "Que eu nem sabia que você era de Belle Haven... praticamente meu velho território," digo a ela com uma risada e coloquei meus olhos de volta na estrada. "Bem, não é realmente o seu lugar cativo", ela me corrige empertigada. "Belle Haven não é exatamente o foco do estilo de vida dos ricos e famosos." “Espertinha," resmungo. "Eu só quis dizer que você estava a minutos de mim quando fui para Stanford. Poderíamos ter passado um pelo outro na rua em algum


ponto ou mesmo estado na mesma festa juntos e nunca nos conhecemos. Alguma vez você foi para alguma das festas em Stanford?" "Não", ela diz baixinho enquanto olha para fora das janelas. "Eu não era muito uma menina de festa." O bairro de Belle Haven, localizado em Menlo Park, não está a mais do que um par de milhas de Stanford em Palo Alto. É um bairro que tinha muitos maus elementos por anos e anos, e à direita de Sela... Mas está ainda melhor ao longo dos últimos cinco ou mais anos, particularmente com o Facebook, que abriu um campus aqui e investiu dinheiro em programas comunitários. A taxa de criminalidade violenta tem caído drasticamente, o que era uma boa escolha agora para as famílias de baixa renda. Ainda assim, está muito longe de onde eu cresci. Meus pais ficariam absolutamente horrorizados ao saber que eu estava envolvido com uma mulher que vivia do lado errado das trilhas. Imaginando os olhares em seus rostos realmente me dá uma morna sensação de formigamento no interior. "É aquela bem ali," Sela diz enquanto aponta para um pequeno bangalô feito em tapume cinza claro com um telhado plano e uma luz na varanda amarela ardente brilhante. Mesmo que já estivesse escuro, há uma abundância de luz do poste para que eu possa ver que o lote é do tamanho de um selo postal, com apenas um pouco mais de 3,00 metros em cada lado da casa. Ainda assim, o quintal está arrumado com arbustos bonitos em torno da fundação e a grama seca marrom perfeitamente aparada na calçada que corre ao lado da estrada.


Eu estaciono paralelo à rua, a entrada de automóveis curta tem um caminhão de trabalho branco e um pequeno carro preto atrás. Desligando a ignição, digo: "A propriedade da família. É legal." "Não é um palácio como você está acostumado", diz ela com uma peculiaridade em seus lábios. Esses belos lábios. Então, inclino-me e dou-lhe um beijo. "Eu posso ter crescido em uma monstruosidade de casa, mas não foi sempre uma casa. Nosso condomínio... é mais de uma casa para mim do que já vivi, e parte disso é porque você está lá." Os olhos de Sela enchem de ternura, com um novo olhar no rosto que estou gostando. A mulher fria e distante está aquecendo de maneiras que nunca imaginei. Ela estende a mão, pega a minha descansando casualmente entre nós e apertaa. "Você é muito doce para mim." "Você torna isso mais fácil," asseguro a ela, na verdade, apreciando o fato de que essas palavras de carinho vêm fácil para mim. Talvez estivesse construído para relacionamentos, mas nunca encontrei o caminho certo. Enquanto Sela mantém sempre algo em reserva que ainda é desconhecido para mim, eu já tive vislumbres o suficiente para saber que ela poderia ser ‘a única’. Ela definitivamente vale a pena o esforço, e espero que ela vá abrir-se totalmente para mim um dia. Eu não tenho nenhuma dúvida de que algo em seu passado mantém uma parte dela trancada de mim, foi evidenciado na semana passada, quando ela mentiu para mim. Mesmo pensando sobre isso agora, meus ombros ficam tensos. Eu não estava brincando com Sela... não respeito mentirosos.


Odeio desonestidade, segredos e segundas intenções. Eu tenho razão para isso, e é provavelmente a única coisa que poderia me afastar para longe dela. Mas, afinal, o que Sela fez foi mais uma lorota que uma mentira. Foi sua terrível tentativa de esconder de mim o fato de que ela estava se sentindo sobrecarregada com tudo o que estava ocorrendo entre nós. Menina tola foi para uma caminhada para obter a sua cabeça em linha reta e não achou que eu iria compreender ou ser solidário com suas dúvidas. Toda a vida está cheia de dúvida. Todos nós cometemos riscos calculados em nossas escolhas, e como não sou de adivinhar, compreendo perfeitamente que Sela pode estar tendo alguma dificuldade em aceitar o que está acontecendo entre nós. Está tudo bem, entrtanto... eu sou um homem paciente. Eu não estou indo a lugar nenhum. "Beck?" Sela pergunta baixinho. "Sim?" "Você é o primeiro homem que eu trouxe para casa para conhecer meu pai." Não estou surpreso com isso, mas estou profundamente lisonjeado. Ainda assim, sei que isso é um grande negócio para ela, mas ela está muito séria neste momento. Eu não quero que isso seja estressante para ela, então faço uma piada, "Eu não vou envergonhá-la, prometo." "Você não poderia", ela me assegura, a piada saltando fora de seus olhos sombreados. "Eu não estou mesmo muito certa porque você está com alguém como eu."


Eu inclino minha cabeça, aperto a mão dela e admoesto-a, "Se esta é uma tentativa descarada de exaltar todas as suas virtudes para mim, vamos levar muito tempo fazendo isso e será muito tarde para jantar." Ela ri baixinho, coloca a outra mão sobre as que já estão cruzadas. "Não é. Só que... às vezes em seu rosto, é difícil nos ver juntos, sabe? Diferentes origens, escolhas de vida, caminhos. Quero dizer, pense sobre isso. Você está tão fora do meu alcance, Beck. Se não tivéssemos nos conhecido naquele Sugar Bowl Mixer, as chances são de que você e eu nunca teríamos tido a oportunidade de ter nossos caminhos cruzados." "E eu certamente não estava procurando uma Sugar Baby," digo a ela com uma risada. "E eu fui o primeiro a te por fora da sua liga." "Mas eu estava à procura de um Sugar Daddy", ela me lembra empertigada, recusando-se a debater o estado da liga. "Você tem muito mais do que esperava." Eu abaixo a minha voz para que soe ameaçador, "Eu gostei de te corromper, Srta. Halstead." Ela bufa e libera minhas mãos, agarra a maçaneta da porta. "Eu sugiro que você não vá dizendo merdas como essa ao redor do meu pai. Ele tem armas na casa e está apenas ansioso para desempenhar o papel de pai super protetor." Rindo, eu saio do carro e a sigo até a calçada. ***


William Halstead é um bom homem. Eu descobri a partir do minuto em que ele nos encontrou na porta e puxou Sela em um abraço de urso, balançando-a para frente e para trás dizendo, "Se não é minha menina." Foi confirmado quando ele finalmente a soltou e deu-me um aperto de mão caloroso, apertando minha mão e balançou vigorosamente enquanto sorria para mim, como se eu fosse um cavaleiro de armadura brilhante. Sela não estava brincando... eu sou o primeiro homem que ela já trouxe em casa, e isso, aparentemente, deixou seu pai muito, muito feliz. Novamente me faz pensar como essa bela criatura passou tanto tempo sem qualquer relação real. No que diz respeito para mim, é um acéfalo. Meus pais eram terríveis modelos sobre o que um relacionamento saudável e fiel deve parecer. Mas você pode apenas dizer que Sela cresceu em uma família com muito amor e respeito. Talvez, talvez como eu, ela estava apenas esperando a pessoa certa vir junto. *** Estou aliviado que a conversa fluiu facilmente durante todo o jantar. O pai de Sela é um homem sociável e um contador de histórias nato. Sua namorada, Maria, é mais reservada, mas poderia ser simplesmente porque William tende a dominar as conversas. Pergunto-me se a mãe de Sela era assim também. "Posso pegar qualquer coisa para beber?" Maria pede assim que entra na sala de estar. Ela tinha insistido em fazer os pratos para que pudéssemos todos nos sentar aqui para conversar um pouco antes de voltamos para a cidade. "Eu estou bem", digo, e Sela cantarola com "Eu estou muito bem."


"Eu estou bem, querida," William diz, enquanto estende a mão para tocar a mão para Maria com um leve sorriso antes dela estatelar-se no sofá ao lado dele. O corpo de Sela aperta ao meu lado, quase imperceptível, mas estou muito em sintonia com o seu humor desde que chegamos aqui. Enquanto ela está aberta e amigável com seu pai, é um pouco mais reservada em torno de Maria, e sei que tem tudo a ver com o fato de Sela temer que essa mulher esteja substituindo sua mãe no final de afeto de seu pai. Ela não disse muito sobre isso, mas posso dizer na máscara cuidada que ela mantém no lugar sempre que interage com Maria. "Então, me diga mais sobre o seu negócio," William me pergunta, as mãos cruzadas casualmente sobre seu estômago. William Halstead é um homem grande, de altura e perímetro. Sela me disse que ele dirige o pessoal da zeladoria na escola secundária local e tem trabalhado lá por quase trinta anos agora. Eu acredito que ele é o primeiro guarda de serviço que já conheci na minha vida, um pensamento que, na verdade, humilha-me um pouco. "É principalmente um site de namoro baseado na Web, que incide sobre o emparelhamento de homens ricos com mulheres," eu digo, segurando seu olhar firme. Não achei que seria tão difícil dizer ao pai de Sela o que fazia para viver, mas me preparo para censura. "E ele é chamado The Sugar Bowl?" Maria pergunta com um sorriso educado no rosto. "O que isso significa?" Sela tosse um pouco, e como ela se senta ao meu lado no banco, posso vê-la de minha visão periférica e coloco uma mão sobre a boca para esconder um sorriso. Acho que ela está gostando um pouco do meu desconforto.


"É uma brincadeira com as palavras sugar daddy," William diz com voz potente. "Eu li um artigo online sobre isso." "O que é um sugar daddy?" Maria pergunta, voltando a olhar para William. Sela quase engasga e seu pai atira-lhe uma piscadela maliciosa. Ele também me poupa de ter que explicar, dizendo a Maria, "Sugar Daddy é um termo usado para um homem que paga por tudo por sua mulher." Maria vira seus olhos castanhos para mim. Ela é uma mulher latino-americana atrativa, que fez uma incrível carne marinara para o jantar e parecia adorar o pai de Sela. Você pode dizer que ela está séria no amor com o homem, mas também poderia dizer que William detém algo em reserva, uma espécie de forma que Sela faz comigo. Pergunto-me se Sela percebe que ele se sente melhor sobre estar com ela. "Então, é como Match.com, mas se concentra mais sobre os fatores econômicos?" Ela me pergunta virando-se para mim. Eu aceno com um sorriso. "Essa é uma boa maneira de pensar sobre isso." Maria bufa e diz "Bem, eu posso apenas imaginar o que essas mulheres têm de fazer para posar como uma rica Sugar Daddy." Sela engasga novamente, uma risada sai e ela então se lança para cima do sofá, murmurando, "Com licença. Eu preciso usar o banheiro." Todos nós vemos ela afastar-se, e sim... meus olhos viram para baixo na sua bunda recuando por um momento. Felizmente, quando eu volto para enfrentar William e Maria, eles ainda estão olhando para o corredor onde Sela simplesmente desapareceu.


William gira lentamente o rosto para mim e diz "Bem, tudo isso soa muito impressionante. Eu vi o valor líquido da sua empresa." E isso me constrange um pouco, fazendo-me sentir um pouco desconfortável. Eu não quero que o pai de Sela me julgue sobre o mérito da minha conta bancária. "Ela é uma garota incrível," William diz, pensativo de sua filha. Maria atinge mais e leva a mão, dando-lhe um pequeno tapinha de acordo. "Ela merece nada mais que o melhor." "Concordo," digo. "Mas ela também está definindo seus caminhos", ele continua, e isso desperta o meu interesse. "Ela vê este mundo de uma certa maneira e, por vezes, tem dificuldade em acreditar no bem estar dela. Seja paciente com ela. Sela tem muito a oferecer para qualquer um que tem o prazer de conhecê-la, mas às vezes ela pode retirar-se para si mesma. Se você pegá-la fazendo isso, puxe-a de volta para fora novamente, ok?" A sensação de mau agouro me bate, e uma pequena faísca de medo pulsa dentro mim. As palavras de William são tão graves e em desacordo com o pai jovial de apenas alguns minutos atrás, que ficou emocionado ao ver sua filha envolvida com um homem pela primeira vez em sua vida. "Eu tenho certeza que não há nada que não faria por Sela," digo a William solenemente, porque sinto que ele quer esse tipo de promessa. "Eu vou cuidar dela." "Como um sugar daddy?" Maria pede, piscando os olhos inocentes para mim.


Eu olho para ela completamente atordoado, minha boca aberta. Então ela começa a rir e aponta um dedo para mim enquanto bate na perna de William. "Vocês dois precisam iluminar-se. Sela é uma garota forte e não precisa de um homem que faz as coisas direito para ela." Suponho que isso é verdade, mas quando olho através da sala de estar para William, eu não o vejo rindo junto com Maria. Em vez disso, ele me encara com um olhar direto, transmitindo silenciosamente que ele espera que eu faça exatamente o que prometi a ele. E o olhar em seu rosto diz que, se eu não fizer isso, vou ver um lado diferente do pai de Sela.


Capítulo 23 Sela

Deslizo meu relógio da Tag Heuer que Beck me surpreendeu no último fim de semana, quando passamos um dia fazendo compras em torno de San Francisco. Depois que Caroline e Ally foram embora, o apartamento era quase sufocante em sua quietude e ele sugeriu um dia fora. Ele incluiu uma parada em uma joalheria de luxo onde insistiu em me comprar essa beleza de aço inoxidável com uma superfície branca de cerâmica e doze diamantes em torno da borda, um para cada hora. É bonito; não muito delicado, um pouco ousado, e nem um pouco ostensivo, apesar do preço elevado. Eu coloquei um argumento contra comprá-lo para mim, mas Beck me calou com uma simples declaração. "Não tire isso de mim. Eu nunca tive ninguém que pudesse comprar jóias." Verifico o tempo, noto que tenho cerca de dez minutos antes de ter de descer para o lobby para que o porteiro possa me chamar um táxi. Hoje à noite é o grande jantar com JT e meus nervos vibraram durante todo o dia. Beck foi chamado ao escritório cerca de três horas atrás, algo que não entendi muito bem. Ele é o maldito proprietário de um negócio multimilionário e ainda assim estava gastando seu sábado no escritório ajudando os programadores com algum código intrometido. Beck explicou-me que eles estavam lançando uma nova plataforma no início do ano, e enquanto isso ainda está faltando trinta dias de distância, o trabalho estava


atrasado e estavam correndo contra o relógio para cumprir o prazo. Quando os programadores ficam emperrados, Beck era o grande figurão e este era o seu bebê, então ele foi para o trabalho. Ele tomou um terno com ele, uma vez que íamos jantar em um restaurante muito chique e elegante e me deu um longo beijo escaldante para ajudar a facilitar a picada de amaragem forçada de hoje. Eu facilmente perdoei, entretanto. Não foi difícil depois do tempo maravilhoso que tivemos com meu pai na noite passada, que gostou muito e aprovou Beck. Antes de sairmos, ele me deu um abrangente abraço e cochichou no meu ouvido, "Estou realmente feliz por você, querida." Estou feliz por mim também. Serei muito mais feliz se eu conseguir passar por esta noite. Não há dúvida em minha mente que estou me preparando para enfrentar uma difícil batalha em poucas horas. Sentar em uma mesa com o meu estuprador, um homem que é tão vil, quero arranhar seus olhos e castrá-lo, ao mesmo tempo, me perguntando se teria a coragem dentro de mim para realizar tal ato. Eu deveria ser capaz de fazê-lo. As primeiras semanas com Beck, muito do que mostrei a ele, era nada além de um excelente desempenho digno de um Oscar. Mas essa fachada logo deu lugar a sentimentos e emoções que eram genuínos para a minha alma, e como estou aqui agora, olhando no espelho acima da pia, sei que se estou indo para manter a pureza do meu relacionamento com Beck, preciso manter a minha nova missão. Eu preciso liberar minha necessidade de vingança e derramar o meu esforço em um relacionamento com um homem que vim a me preocupar profundamente. Em meu coração, sei que minha recompensa será infinitamente maior se eu conseguir puxar isto fora.


A campainha toca e isso me assusta. Ninguém nunca vem para o condomínio de Beck a menos que seja para uma entrega de algum tipo, e descobri que Beck gosta de ter coisas entregues para mim. Recebi inúmeras flores, doces, e até mesmo um conjunto de lingerie impertinente que ele recebeu o benefício em uma noite, quando o cumprimentei na porta, vestindo-a. Na verdade, eu estou apostando que provavelmente há um buquê de margaridas e freesias em espera no outro lado, provavelmente, um pedido de desculpas desnecessárias de Beck por me abandonar hoje. Sorrindo, ando pelo corredor, passando pela grande mesa da sala de jantar e hall de entrada, meus saltos estalando no piso de madeira. Eu puxo a porta aberta, esperando o cheiro de flores para me bater e, em vez disso, encontro-me diante de Jonathon Townsend. Ele fica lá casualmente, ambas as mãos enfiadas dentro dos bolsos de um par caro de calças preta. O paletó está desabotoado, mostrando uma camisa branca engomada por baixo sem gravata e desabotoada em sua garganta. Seus olhos me prendem no lugar e ele me dá um sorriso que cai em algum lugar entre licencioso e sem graça. "Olá, Sela." Meus dedos apertam na maçaneta e eu resisto ao impulso de bater a porta na cara dele. Engulo a secura na garganta, determino o meu ritmo cardíaco para me acalmar e pergunto: "O que você está fazendo aqui?" "Sabia que Beck estava no trabalho. Ele disse que estava tomando um táxi para o restaurante, então fiz o meu motorista parar e vim lhe oferecer uma carona. Nós


ainda temos que dirigir e pegar o meu encontro, é claro, mas ela está apenas a alguns quarteirões para baixo." O quarto gira um pouco com a perspectiva de sentar em um carro com este homem, mas não posso pensar em uma razão sã para recusar o convite. Seria totalmente ridículo para eu insistir em tomar um táxi e a única coisa que serviria, seria o fato de que faria uma clara declaração que o detesto. Enquanto não estou nem um pouco preocupada em prejudicar os seus sentimentos, também não quero deixar esta noite mais desagradável do que já sei que será. Se eu o antagonizar agora, sei o tipo de pessoa que JT é. Ele vai ser áspero para todos nós esta noite. E além disso... prometi a mim mesma nunca, nunca fazer nada para que ele soubesse que o temo. Porque não temo. Eu detesto e odeio. Detesto-o tanto, que flashes periódicos de assassinatos ainda irão aparecer dentro da minha mente. Eu sei que Jonathon é o tipo de homem que gosta de intimidar as mulheres. Faz ele se sentir melhor sobre si mesmo, então vou ser amaldiçoada se estou indo ajudá-lo a fazer isso. Então tomo uma respiração profunda e decido que, quanto mais cedo aceitar que esta noite começou, mais cedo vai acabar, e posso fazer isso por Beck. "Deixe-me pegar minha bolsa," digo, minha voz soando gelada e nem um pouco grata, assim faço um esforço concertado. "Obrigada por pensar em mim." Dirijo-me à mesa de foyer, pego a bolsa preta. Eu a comprei este fim de semana com meu próprio dinheiro. Ela combina com o vestido de cocktail preto que, também comprei com o meu dinheiro. Viro-me para JT e encontro seu olhar reduzido, claramente estava olhando para minha bunda quando virei. Neste


momento, gostaria que minha arma estivesse na minha bolsa, para que pudesse retirá-la e atirar nas bolas dele antes de colocar uma bala em seu cérebro. Seu olhar vem pelo meu corpo preguiçosamente e ele me dá um sorriso tímido. "Desculpa." Não parecendo nem um pouco arrependido. Eu não respondo, mas caminho passando por ele, fechando a porta atrás de mim. Estou em silêncio enquanto nós fazemos o nosso caminho para o lobby e estou aliviada quando vejo um motorista de pé ao lado da porta aberta de uma limusine com a mão estendida para me ajudar. Eu odeio JT por obter um ataque de ares cavalheirescos e tentar me dar assistência. Quando posso sentir seus olhos em minha bunda novamente enquanto entro, o que garante a raiva latente contínua que espuma no interior do meu estômago. Gostaria de ter pensado em colocar um pacote de Tums11 na minha Bolsa. JT, felizmente, senta no lado oposto ao meu e nós nos afastamos do meio-fio. Ele senta com as pernas ligeiramente abertas e as mãos apoiadas sobre as coxas. Ele olha, me avaliando, e diz "Eu acho que você não vai gostar do meu encontro, ou ter muito em comum com ela." Eu pisco de surpresa, sua voz soando distante e típica de alguém de sua reprodução. Eu ergo minha sobrancelha. "Oh, por que isso?" Eu não estou imaginando uma ligeira curva de seu lábio, e enquanto sua voz está suave e agradável o suficiente, seu desprezo é claro nas suas palavras. "É que ela é de uma família muito antiga com dinheiro de San Francisco. Tem o azul 11

Antiácido.


indispensável em seu sangue, um diploma da Brown e provavelmente guardou sua virgindade para o casamento. Vocês duas não teriam nada em comum." E, neste momento, é claro para mim que não só é JT um estuprador, um ser humano vil e abusador de mulheres e de seus amigos, mas que ele claramente não gosta de mim, em tudo. Na verdade, posso mesmo dizer que há um nível de inveja entre a sua voz que fala a sua preocupação de que eu poderia transformar seu amigo e parceiro de negócios contra ele. Isso me libera com o poder e apenas sorrio para ele docemente. "É verdade... Eu perdi minha virgindade há muito tempo." Para você, você, porra, pedaço sugador de lodo de merda. "Mas Beck certamente gosta do que vê em mim." "Eu tenho certeza," diz ele com um sorriso educado no rosto, mas suas palavras são secas como terra do deserto. A limusine chega a um impasse lento na frente de um condomínio caro e posso ouvir o motorista sair. JT apenas olha para mim em toda a extensão do interior e viro minha cabeça para olhar pela janela para as portas de entrada. "Você não está indo buscá-la?" Pergunto enquanto viro a cabeça para trás para olhar para ele. "Eu tive o motorista a chamando quando deixamos o seu lugar," diz ele com um aceno de mão. "Além disso... não quero Amélia pensando que isso é algo mais do que um jantar arranjado entre nossas mães intrometidas. Ela tem estrelas de casamento em seus olhos e não quero-as ficando mais brilhantes." Que idiota!


A porta se abre e vejo uma mulher loira, diminuta, caminhando em direção ao carro, uma bolsa bege em sua mão muito bem cuidada. Ela está com uma saia e terno correspondentes, casaco bege com grandes botões pretos que vão até o lado, e um par de saltos pretos que estou apostando que custam mais que todo o meu guarda-roupa. Seu cabelo é feito em um coque perfeito e sua composição é sem falhas. Grandes diamantes piscam em suas orelhas, que estou apostando que não são menores que quatro quilates. O motorista a ajuda a entrar no carro quando JT desliza, e ela se senta ao lado dele, atirando-me um olhar rápido. Ela se inclina e oferece a bochecha para JT. Eu estou envolta em uma nuvem de seu perfume quando o vejo beijar sua bochecha antes de se virar para mim. "Amélia... esta é o encontro de Beck hoje à noite, Sela Halstead. Sela, esta é Amélia Baxter." Eu sorrio e estendo a minha mão sobre a limusine. "Olá. Prazer em conhecêla." Ela oferece um sorriso de retorno que não é nem quente nem frio, mas apenas eficiente, e aperta minha mão. "É um prazer conhecê-la." Amélia então se vira e dá um sorriso lindo para JT. "O que você tem vindo a fazer, Jonathon? Eu não posso começar a te dizer como estava animada com sua chamada convidando-me para jantar esta noite. Sei que nossas mães têm tentado nos juntar durante anos, então espero que este convite faça você finalmente vir a seus sentidos."


Ela dá uma risadinha tilintar e dá um tapa de brincadeira em seu peito. Ela olha para ele com brilhantes olhos sérios, esperando além da esperança de que possa ter pego mais do que apenas um encontro de jantar hoje à noite. Eu posso praticamente vê-la fantasiando sobre o tamanho do anel que ele vai colocar em seu dedo, e isso me faz sentir incrivelmente triste por ela. JT dá de ombros descuidadamente e vira seu olhar para mim ao responder sua pergunta. "É apenas um jantar, Amélia. Então posso gastar tempo para conhecer a nova Sugar Baby de Beck." Enquanto eu posso dizer que Amélia está imediatamente atormentada por seu desprezo, ela vira a cabeça para mim com olhos abertos. Ela toma um breve olhar sobre a minha roupa e depois franze o nariz em desgosto antes de voltar para JT. "Ela é uma Sugar Baby?" Antes que JT possa responder, digo a ela. "JT está enganado. Eu não sou uma sugar baby. Sou namorada dele." "Mas Beck pagou sua faculdade, certo?" JT diz, e me irrita que ele saiba disso. Aborrece-me um pouco que Beck disse-lhe, o que me faz sentir menos do que aquilo que eu acreditava que era para ele. "Sim, mas acabou o nosso acordo," digo, minha voz tremendo ligeiramente de raiva e constrangimento. JT dá de ombros novamente e vira-se para Amélia. Sua mão cai para a coxa, o que está mais do que adequadamente coberta por sua saia, que nem sequer tem uma fenda. Seu olhar vagueia sobre seu rosto e sua mão desliza mais acima em sua


perna. Ele se inclina, sussurrando em seu ouvido ainda muito alto o suficiente para eu ouvir. "Você está bonita esta noite. Fez novas mechas louras para destacar?" Sua mão desliza para cima um pouco mais alto e o rosto de Amélia fica vermelho. Não tenho certeza se é por causa de sua mão rastejando ou o elogio ele fez ao seu cabelo, que seriamente... que cara fala uma merda assim? Amélia nervosamente acaricia as costas de seu coque e assente. "Eu fiz, de fato, obtive novas mechas. Estou feliz que tenha gostado delas." Com o aperto dos dedos longos de JT em sua coxa, a mão apoiada praticamente perto de seu quadril. Ele rosna sedutoramente para ela e murmura: "Bem, você sabe que eu amo loiras." Meus lábios ondulam de nojo absoluto. Posso dizer que JT não tem um pingo de atração por Amélia, à exceção talvez que esteja querendo transar com ela hoje à noite porque ela está acessível e disponível. Imagino que será rápido e focado apenas em conseguir sua satisfação fora e tenho certeza ele vai deixá-la no momento em que puxar para fora. Observando Amélia corar novamente e, em seguida, dar um suspiro de apreciação me deixa ainda mais triste por ela. Eu começo a virar a cabeça para olhar para fora da janela, mas o olhar de JT encaixa de volta no meu, e me detém. Ele olha para mim por um momento e, em seguida, seus lábios curvam. "Você sabe, Sela... eu acho que você daria uma ótima loira no futuro." Meu instinto surge, e é a minha imaginação ou isso é uma provocação? "Quero dizer... você é uma morena impressionante, mas acho que loira ficaria mais natural com seu tom de pele. Claro, não posso dizer qual é a preferência de


Beck. Ele dá uma oportunidade igual a todas. O homem... fode loiras, morenas, ruivas. Ele ama a todos elas." Sua tentativa direta de me fazer ciúmes é quase patética, porque ele me sacudiu o suficiente com o seu comentário sobre loira e não era necessário. Eu não posso dizer até que ponto JT está fodendo comigo, e estou querendo saber se ele sabe quem sou. Não posso imaginar isso. Ele é muito egocêntrico para reconhecer a mulher que destruiu todos esses anos atrás. Estou certa disso. Amélia faz um som de consternação profundo em sua garganta, porque ela não perdeu a natureza sedutora do tom de JT, quando ele me disse que ficaria natural como uma loira. Ela funga e diz "Honestamente, JT. Isso é bruto para dizer na frente de seu encontro." "Não é um encontro, Amélia," diz ele, os olhos ainda treinados em mim. "É um favor devido à minha mãe. Não o torne mais do que é." Eu estremeço, porque isso foi duro. Amélia suspira e seu rosto fica vermelho, em chamas. "Bem, não acho que essa noite seja exatamente o que tinha antecipado, por isso, se você não se importa, gostaria que você me levasse de volta." JT gira sobre ela e sua mão flexiona, cavando para baixo em sua coxa e estala, a boca de Amélia fecha com surpresa e ela ainda se inclina para trás um pouco, quando ele pressiona em direção a ela. A voz dele é suave, baixa, rica e com promessa, conforme ele joga seu charme direito em suas mãos. "Mas relaxe, Amélia. Eu tenho certeza que essa noite tem o potencial para ser muito mais." E assim, ela se funde com ele. Eu vejo a fantasia do anel de noivado parecendo maior, quando sua mão sobe em sua coxa e ela suspira como um cachorrinho


apaixonado. Assim como JT conseguiu insultá-la e, em seguida, tê-la praticamente abrindo as pernas virgens para ele. Isso me enjoa, e o borbulhar no meu intestino fica mais quente. Felizmente, sou poupada da mente fodida de JT quando a limusine para em frente ao restaurante. JT se vira para mim, acena com um sorriso condescendente, e eu enrolo meus dedos em minhas mãos para parar a minha própria fantasia real do arrancar-lhe os olhos. Então a porta se abre e vejo Beck ali de pé, ao lado do motorista, seus olhos quentes sobre mim. Ele estende a mão e a levo, deixo ele me ajudar a sair do carro, onde ele me puxa em um abraço. "Hey," diz ele, aninhando o rosto no meu pescoço antes de se afastar e dar um suave beijo em meus lábios. "Você está fantástica." "Obrigada," murmuro quando ele me puxa para trás alguns passos para que JT e Amélia possam sair do carro. "Você parece incrível também." O cinza-escuro de seu terno realçando seus olhos azuis claros, quando ele me olha fixamente com felicidade. "Você está bem?" Beck pergunta quando olha para mim. "Claro," eu digo com um sorriso, tentando relaxar minhas características faciais que ainda podem estar segurando algum desgosto sobre o comportamento de JT no carro. "Apenas feliz em vê-lo."


Beck gosta disso... eu posso dizer, porque ele me dá um beijo enquanto sua mão aperta minha cintura reflexivamente. Então ele me libera, se vira para Amélia e se inclina para beijar sua bochecha. "Amélia... bom vê-la." Eu não estou surpresa que Beck a conhece. Eu sabia que as mães de Beck e JT corriam nos mesmos círculos sociais, então percebi que todos eles eram apenas um grande grupo exclusivo e feliz de amigos ricos. Então Beck estica a mão para JT. "Obrigado por trazer minha garota." JT toma a mão de Beck e dá-lhe um sorriso morno antes de puxá-lo e dar-lhe um meio abraço enquanto eles batem palmas um no outro na parte de trás. "Para que são os amigos?" JT diz e espreme Beck em um abraço fraternal. Meus olhos trilham até o rosto de Beck, e quase rebobino de volta com o que vejo. Beck está radiante de pura felicidade por estar aqui com seu amigo. Grato por seu amigo ter olhado para sua namorada por ele. Beck está completamente excitado com o novo ‘JT’ e completamente alheio ao fato de que seu amigo e parceiro de negócios é uma pessoa desprezível e um estuprador. Disposto a deixá-lo para trás em sua vida como se não houvesse nada para se preocupar e todas as coisas de merda que JT tenha feito simplesmente são perdoadas e esquecidas. A queimação no meu estômago fica mais quente.


Capítulo 24 Beck

"Bom dia," Linda diz quando eu ando por sua mesa. "Bom dia," resmungo, completamente não entendendo sua atitude ensolarada. Ela se levanta de sua cadeira, pega algumas pastas de sua mesa e me segue para o meu escritório. "Bem, você está todo brilhante e tagarela esta manhã," ela diz sarcasticamente. "Só não estou no humor", digo a ela sombriamente enquanto sento em minha cadeira antes de rolar o meu mouse através da almofada para soltar meu protetor de tela. Sua voz é rápida e eficiente quando coloca as pastas na minha mesa. "Sr. Townsend gostaria que você passasse por cima dessas propostas e sua reunião das duas horas foi remarcada para as três porque o voo do Sr. Perkins foi adiado no LaGuardia." Estendo a mão para as pastas e folheio através delas brevemente com um suspiro. "Ok, obrigado, Linda." "Qualquer outra coisa que você precise de mim agora?"


"Não, estou bem", digo a ela distraidamente enquanto faço login no sistema. Ela se vira para sair e então mudo minha mente. "Espere... Eu poderia usar alguma ajuda para localizar um serviço que poderia entregar uma árvore de Natal no condomínio." Linda apenas pisca para mim, a confusão reina suprema no seu rosto. "Eu... desculpe?" "Uma árvore... você sabe, algo verde e com cheiro de natal para que Sela possa decorar." Um sorriso brilhante se espalha pelo rosto de Linda, fazendo com que as rugas em seus olhos e cantos de sua boca aprofundem com apreço romântico. "Oh, isso é lindo. Claro, eu posso localizar alguma coisa. Gostaria de algo em abeto, ou talvez um pinheiro? Esses têm um cheiro tão bom." Balançando a cabeça, dou-lhe uma rápida virada de olhos e digo "Eu não me importo. Basta ver se você pode obter algo entregue ainda hoje. Sela vai estar lá o dia todo." Deitada na cama deprimida, tenho certeza, mas ela vai estar lá o dia todo. Linda sai e fecha a porta atrás dela. Em vez de saltar para o trabalho, viro minha cadeira para olhar para fora das janelas, contemplando o enigma que Sela recentemente tornou-se. Enquanto o nosso jantar com seu pai e Maria, na sexta-feira a noite foi fantástico, as coisas começaram a ir ladeira abaixo no sábado. Não acho que ela ficou louca que eu não podia pegá-la, mas ela estava quase com frieza reservada durante o jantar com JT e Amélia. E eu não a compreendi.


JT estava fazendo um esforço honesto com Sela. A partir do momento que todos nós sentamos à mesa no restaurante, ele estava encantador e tentou envolvêla. Ele falou calorosamente com ela, estava interessado em seu passado e tentou conquistá-la com absolutamente nenhum sucesso. Eu sei que ele pode ter sido um pouco grosso, mas estava tentando. Ele estava feliz que encontrei alguém, podia imaginar muito bem que Sela estava em minha vida para ficar e estava sinceramente tentando. Ele tinha aparecido no trabalho todos os dias fresco e lúcido, arregaçando as mangas da camisa e mergulhando de volta em seus negócios com renovado vigor e paixão. Nós brincamos em torno de como era nos velhos tempos e foi ainda refrescante vê-lo com Amélia. Ela era uma doce menina, um pouco ingênua, mas JT a adorava a noite toda. Quando ficou claro que Sela não ia participar da conversa com JT, virou a educada e envolvente atenção para Amélia, fazendo-a envaidecida e quase desmaiando sob sua atenção. Era o velho JT... o único que me fez animado com as possibilidades de um futuro brilhante. Era o JT que eu reconheço em um nível celular. Naquela noite, Sela e eu chegamos em casa, mas ela manteve seu distanciamento comigo, alegando que não estava se sentindo bem quando subiu na cama. Eu pensei que isso poderia ser algum tipo de reprimenda, mas não hesitou em deixar-me, pelo menos, puxá-la em meus braços para irmos dormir. Foi a primeira noite que não tínhamos feito sexo desde que tínhamos estado juntos, e não estava avaliando sobre isso. Eu estava mais preocupado com a sua atitude fria em direção a JT, mas talvez ela só precisasse de mais tempo para se aproximar dele. Tenho certeza que ele poderia conquistá-la, eventualmente, caso se mantivesse neste caminho. Imaginei que domingo iria amanhecer brilhante e eu teria a velha Sela de volta. Encontrei-a na cozinha quando acordei, tomando café e navegando na


Internet em seu laptop, que ela tinha comprado na semana passada. O semestre de inverno tinha começado, e quando eu entrei para beijá-la na topo de sua cabeça, vi que ela estava lendo um artigo intitulado ‘Comportamento Psicológico do Criminoso’. "Você está tomando essa aula?" Perguntei. "Sim," ela disse distraidamente, inclinando-se para mais perto enquanto seus olhos corriam pela tela. "Legal," eu digo enquanto me movo para servir um pouco de café. Ela me ignora, os dedos de um lado circulando de braços cruzados no topo de sua caneca com chá retido. Ela religiosamente tinha duas xícaras todas as manhãs. "Quer colocar as decorações hoje?" Perguntei, imaginando que iria chamar sua atenção. Fiquei surpreso quando ela balançou a cabeça, "Não. Eu tenho alguns capítulos para ler antes das aulas de terça-feira, então pensei que eu iria obter uma vantagem inicial sobre isso." Olhando para a parte de trás de sua cabeça, tentei descobrir o que diabos estava acontecendo com ela. Apenas dois dias atrás, ela estava praticamente pulando de excitação quando voltamos para San Francisco, o banco traseiro e portamalas do Audi carregado com caixas de luzes, enfeites, um presépio em cerâmica de Natal, que sua mãe tinha pintado à mão, e uma coleção que considerava para ser Santos quebra-nozes hediondos. Algo estava acontecendo de errado, e não sou de rodeios. "O que está havendo, Sela?"


Ela continuou de costas para mim, o rosto mais próximo do laptop. "Nada," disse em uma voz que dizia claramente que ela nem sequer tomou nota da preocupação em meu tom. Fui até a mesa, estendi a mão e coloquei na frente da tela com surpresa. Então repeti: "O que há de errado?" "Não há nada de errado," disse ela calmamente. "Eu só não sinto vontade de decorar hoje." "Tente de novo," disse enquanto gentilmente fechei o laptop e puxei a cadeira para o lado. Sentei para baixo, tomei suas mãos nas minhas e apertei-as. "Você claramente não desfrutou de ontem à noite. Você mal disse duas palavras no jantar, embora eu pensasse que JT fez um trabalho admirável tentando incluí-la na discussão. E agora você não quer decorar para o Natal, quando estava prestes a fazer xixi em suas calças apenas alguns dias atrás sobre a perspectiva, então eu repito... o que está errado?" Eu pensei que o fato de a chamar para fora em seu comportamento no jantar faria com que ela se virasse envergonhada e pedisse desculpas; talvez obter uma admissão de que ela estava sendo um pouco injusta com JT, mas em vez disso seus olhos brilharam tanto com fogo e gelo, ao mesmo tempo. Foi uma poderosa gama de emoções e eu vacilei. Sua voz estava frígida quando disse: "Me desculpe se eu envergonhei você na noite passada, mas claramente eu só não desfrutei da companhia. Então, me processe, porra."


Cada instinto do meu corpo quis criticar contra a sua recusa absoluta para cortar JT sem uma pausa, mas respirei fundo e tentei manter a calma. "Sela... ele tentou ontem à noite. Por que você não podia também?" "Não faz diferença," disse ela em voz baixa, e tentou puxar suas mãos longe da minha. "Faz diferença," eu disse suavemente, segurando-a com força. "JT é meu sócio... meu amigo. Sim, ele tinha sido um idiota no passado, e talvez ainda será no futuro, mas a noite passada... ele estava tentando duro por você." "Ele estava tentando duro por você", ela colocou fora. "Por nós dois," me oponho, e chego com uma mão para sua bochecha. "Ele gosta de me ver feliz. Ele queria que ontem à noite fosse divertido para nós dois. Inferno, eu acho que ele está mesmo levando uma página do meu livro e talvez pensando em se estabelecer. Ele e Amélia pareciam belos se conhecendo na noite passada." Sela bufou, levou a mão à boca e cobriu-a para que eu não visse o sorriso em seus lábios. Mas eu vi em seus olhos. "A noite passada foi um ato. Ele estava enganando você." "Isso é um pouco duro", eu repreendi. "Onde está o benefício da dúvida?" "Ele ficou apagado na limusine quando o passeio acabou", ela rosnou para mim. "Por quê? O que aconteceu?" Meu peito ficou apertado e raiva cresceu dentro de mim. Ela fez claro que enquanto eu pensava que JT fez um trabalho admirável na


noite passada, apenas essas palavras simples de Sela tinham me feito pensar o pior sobre ele novamente. Claramente, eu não tinha todo o benefício da dúvida. Sela se inclinou para mim e disse: "Nada diferente do que ele sendo incrivelmente rude comigo e Amélia no caminho para o restaurante. Fez questão de salientar todas as maneiras que eu não servia para você." "O que ele disse?", Perguntei, minha voz forjada com aço. "Apenas apontou a boa reprodução e pedigree de Amélia e disse a ela que eu era uma Sugar Baby," ela cuspiu. Eu sorri para ela e tentei deixar minha voz mais suave. "Baby... ele sabia que você começou como uma Sugar Baby. Tenho certeza de que ele estava apenas tentando manter uma conversa." Sela gritou para mim e lançou-se da cadeira. "Não se atreva a defender ele, porra. Você não estava lá... você não sabe." Seu rosto estava vermelho e os olhos úmidos com a frustração. Estendi a mão para ela, mas ela manteve distância, correu pelo corredor para o nosso quarto. Segui-a até lá e encontrei-a calçando seus tênis antes de pegar um casaco do armário. "O que você está fazendo?" "Eu vou para a biblioteca no campus para estudar," ela disse entre dentes, passando por trás de mim. Eu a segui de volta para a cozinha, onde ela empurrou seu laptop em sua mochila atirando-a por cima do ombro. "Sela, basta parar por um minuto," eu disse suavemente.


"Eu não posso falar com você sobre isso agora," ela bufou e passou por mim em direção a porta. Eu pensei em agarrar seu braço, fazendo-a parar, mas a raiva começou a lavar através de mim sobre seu comportamento malcriado. É evidente que algo deve ter acontecido para irritá-la ainda mais com JT, mas ela não estava vendo a razão. E, francamente, eu não acho que forçá-la a conversar neste momento faria qualquer bem em seu atual estado de espírito. "Eu vou ficar fora o dia todo," ela murmurou quando abriu a porta. "Tudo bem," bati de volta a ela. "Talvez você vá estar em um modo mais sensato quando voltar." Era uma coisa de merda para dizer, e ainda assim me senti bem ao mesmo tempo. Seu comportamento bizarro tinha me deixado cambaleando e não estava pensando claramente. Ela virou aquele rosto bonito, me olhando por cima do ombro. Seu rosto estava cheio de raiva e decepção. Ela olhou para mim apenas um momento antes de caminhar para fora e bater a porta atrás dela. Passei a manhã assistindo TV. Olhei para o relógio cerca de mil vezes. Fiz um sanduíche para o almoço e assisti a dois jogos de futebol. Fiz outro sanduíche para o jantar e Sela ainda não tinha retornado. Então decidi trabalhar um pouco e me tranquei no meu escritório. Eram quase oito horas quando ouvi a porta do condomínio abrir e fechar.


Ouviu seus tênis rangendo no chão enquanto ela caminhava pelo corredor para o nosso quarto. Considerei segui-la, testando as águas para ver onde sua cabeça estava. Mas não o fiz. Trabalhei mais duas horas e quando finalmente decidi ir para a cama, encontrei-a dormindo em seu lado da cama, respirando profundamente. Tirei a roupa, escovei os dentes e deslizei para a cama, querendo puxá-la em meus braços. Eu debati sobre isso, perguntando se isso iria acordá-la. Eu mesmo considerei colocar a mão entre as pernas dela forçando-a a dar-me alguma coisa. Em vez disso, só virei no meu lado e vi meu relógio de cabeceira assinalando passar do tempo. Foi bem depois da meia-noite antes de finalmente cair no sono. Quando acordei na manhã seguinte com o zumbido do meu alarme marcando 6:30, vejo o corpo de Sela envolto em torno de mim. Nós dois estávamos no centro da cama, de alguma forma, nos unindo em nosso sono. Segurei-a um pouco, saboreando esta mulher quente que estava se tornando rapidamente meu mundo inteiro, e me perguntando o que poderia fazer para consertar as coisas entre nós. Aparentemente, não demorou muito, porque Sela se agitou em meus braços e enterrou seu rosto no meu pescoço. "Sinto muito sobre ontem," ela disse, com voz rouca de sono.


"Shhh," digo em resposta, não há realmente a necessidade do pedido de desculpas. Eu só queria que as coisas ficassem ok. Eu só queria que nos falássemos novamente, e este foi um muito bom começo. Sela, em seguida, me surpreendeu, passando a mão no meu estômago, empurrando para baixo até que encontrou meu pau mole. No minuto em que seus dedos agarraram-no, começou a inchar e eu arqueei meus quadris. Na madrugada sombria, Sela subiu em meus quadris, me guiou para dentro dela, e me montou para um acabamento perfeito. Ela ficou em silêncio enquanto o fazia, com as mãos no meu peito e seu olhar solene enquanto montava para cima e para baixo no meu pau. A única maneira que eu soube que estava bom para ela, foi apenas momentos antes de eu gozar, suas unhas marcaram meu peito e sua cabeça inclinada para trás quando ela gemeu um orgasmo incrivelmente difícil que a deixou tremendo e sua buceta reprimiu duramente em mim. Segui-a imediatamente, perfurando meus quadris para cima puxando-a para baixo para um longo beijo. Eu pensei que as coisas tinham ficado bem. Saí da cama e tomei banho. Seus olhos me seguindo ao redor do quarto quando me vesti, as faces coradas do incrível sexo que fizemos e apreciando do meu corpo. Eu amei seus olhos em mim. Sim... eu pensei que seria ótimo. Exceto que quando fui para beijá-la em adeus, perguntei-lhe se ela estava interessada em decorar o apartamento esta noite quando chegasse em casa. Pensei que poderia obter um sorriso renovado dela. Ela simplesmente deu de ombros e disse: "Talvez. Vamos ver como me sinto." E isso me fez perceber que as coisas não estavam bem.


Capítulo 25 Sela

Levou mais de dois minutos antes de ouvir Beck sair do condomínio e eu estava fora da cama e comecei o meu dia. Tomei um banho rápido. Não me incomodei com maquiagem, mas dei a meus dentes uma boa escovação antes de torcer meu cabelo molhado na parte de trás da minha cabeça. Em dez minutos, estava vestida e tinha a minha primeira xícara de chá. Tomei o tempo para fazer torradas com manteiga e geleia e comi. Então entrei no nosso banheiro, peguei minha bolsa de maquiagem e tirei a chave do escritório de Beck. Enfiei-a na fechadura e descobri ser tão facilmente como cortar manteiga com uma faca quente. Eu abri a porta e fiz um balanço dos meus sentimentos. Nem um pingo de culpa me possuiu. Nada além de determinação crua. Enquanto poderia ter hesitado antes em fazer este movimento, fiz isso de volta quando meus sentimentos por Beck estavam sólidos. Mas depois de sábado à noite, quando vi o quão fácil foi para Beck deixar JT de volta para sua vida, e como Beck ontem defendeu aquele bastardo lascivo para mim, eu sabia que não podia deixar esses sentimentos interferirem mais.


Sim, existem sentimentos. Profundos, permanentes, esmagadores sentimentos que tenho por Beck. Mas eles estão agora temperados com ódio amargo que ressurgiu em direção a JT sábado à noite. Poderia não ter sido tão ruim apenas sofrer o desprezo e insinuações de JT. Eu provavelmente poderia ter tratado isso. Mas senti algo crescer frio dentro de mim, quando assisti Beck e JT abraçando-se em todo o estilo irmão fora do restaurante. Vi o respeito ser renovado nos olhos de Beck, a felicidade por estar na presença de JT. Assisti durante todo o jantar, como eles contaram histórias de guerra e compartilharam memórias de crescer juntos, e isso me encheu de tanta amargura, que tive que engasgar com a minha refeição. Enquanto amei Beck dentro de mim esta manhã, o montava com um ligeiro endurecimento do meu coração, focando apenas nos prazeres corporais que poderíamos conceder um no outro. Eu tinha Beck e não estava preparada para desistir dele, mas não estava preparada para desistir de mim também. E para ser fiel à mim mesma, aceitei que vou ter que fazer JT sofrer pelo que ele fez. Eu estou indo para destruí-lo a partir desta terra, e não é só vingar as atrocidades que ele me fez, irá libertar Beck daquele monstro também. Eu considero esta uma missão de libertação para nós dois, e se há algo neste escritório que possa me ajudar, estou indo para utilizá-lo. Infiltrar. Assassinar. Repetir. Muito simples.


Eu olho em volta e entro no escritório de Beck. É escasso e utilitário, segurando nada além de uma mesa com um computador e dois monitores, bem como um armário de arquivo de quatro gavetas no canto. Eu não dou ao computador outro olhar, sabendo que nunca vou ser capaz de passar pela senha de Beck. Ele é muito experiente para ser tão estúpido. Em vez disso, caminho ao redor da mesa, sento-me na cadeira Herman Miller e abro a primeira gaveta da direita. Contém pastas de arquivo e trago-as para fora, aproximadamente dez, recheadas de papéis. Abro o topo e vejo extratos bancários com reconciliações grampeadas na frente. Folheando, parece que todas são de contas bancárias pessoais de Beck. Duas de verificação e três mercados monetários. Os saldos dentro são altos, mas isso não me impressiona. Eu sei que Beck é rico. A próxima pasta contém um documento espesso, intitulado ‘The Beckett W. North, Jr., Deixo em confiança meu testamento’. Eu vou lendo-o brevemente e, essencialmente, ele deixando tudo para Caroline, incluindo sua propriedade de Townsend-North Holdings, contudo vai para Ally se Caroline morrer primeiro. A próxima pasta contém uma relação de fundo fiduciário separado para Ally que ele montou e, aparentemente, contribui com porcentagem de seus lucros mensais. A próxima pasta detém a papelada para um plano de 529 para Ally. Sua faculdade está completamente financiada. Eu defino isso de lado e abra a pasta seguinte, encontrando meu acordo da Sugar original que assinei com Beck, juntamente com recibos para o dinheiro que ele me paga e a de minha taxa de matrícula da Golden Gate. ‘Pago na íntegra’ está rabiscado em tinta azul sobre o acordo. Parece que eu sou uma sugar baby paga, depois de tudo, penso amargamente.


Coloco essa pasta de lado e folheio as outras. Seu contrato de arrendamento para o Audi; os documentos do apartamento que comprou há dois anos; outra pasta com uma mútua carteira do fundo. Todo o material que é completamente desinteressante para mim e não me diz a mínima coisa sobre Jonathon Townsend. Concluo minha leitura, cada vez mais frustrada. Ainda assim, tomo o tempo para colocá-las cuidadosamente de volta na gaveta da melhor maneira que posso lembrar de como eles estavam arrumados. Meus olhos em seguida derivam para o armário de arquivo de quatro gavetas. Empurro para fora da cadeira e caminho até ele, abrindo a gaveta de cima. Sou imediatamente recompensada com uma pasta chamada ‘Participações TownsendNorth’. Eu a retiro e removo um espesso documento intitulado ‘Acordo de Parceria’. Na primeira página, vejo a linguagem introdutória em relação à formação de uma parceria entre Jonathon Townsend e Beckett North, com ambos os seus endereços residenciais seguindo logo atrás. Bingo. Eu, pelo menos, tenho um pedaço sólido de informação. Eu sei onde JT vive agora. Não me julgue insensata. Eu tentei desesperadamente encontrar o endereço de sua casa, mas isso é um pouco da merda supersecreta que tanto os ricos e famosos podem esconder para proteger seu anonimato. Eu tenho certeza que poderia tê-lo encontrado até agora com a ajuda de um investigador particular, mas não tenho os fundos para isso. Este pequeno detalhe me


poupa o trabalho de segui-lo do trabalho para casa uma noite, que estava mais do que disposta a fazer. Caminho de volta à mesa de Beck, abro a gaveta do meio superior e encontro um bloco quadrado de papel amarelo. Eu retiro uma folha e uma caneta e rabisco o endereço antes de colocá-lo em meu bolso de trás. Folheio as páginas do acordo e não vejo qualquer coisa que vai me ajudar ainda mais, então as coloco de volta na pasta. Eu, então, coloco meus dedos no próximo por trás dele, faço uma pausa quando eu vejo a escrita na aba: Schaefer- Investigação criminal. Confusa além da medida, alcanço a pasta com a intenção de descobrir quais os segredos que Beck estava escondendo. Meus dedos agarram um grosso maço de papéis dentro, e assim quando eu puxo-os para fora, sinto uma sombra cair sobre mim. Eu viro meu rosto lentamente em direção à porta e vejo Beck ali de pé, os olhos arregalados me condenando. "O que diabos você está fazendo?" Ele pergunta lentamente por entre os dentes quando entra no escritório, seu rosto se contorcendo de raiva. Estou tão chocada por vê-lo ali que não posso nem forçar a saída de uma explicação. Ele chega até a mim, puxa a pasta da minha mão, e joga-a do outro lado da sala, onde ela bate contra a parede de janelas e os papéis se soltam, se espalhando no chão. "Beck," eu consegui coaxar, segurando meus braços em frente a mim defensivamente.


Sua mão atira para fora, me agarra acima do cotovelo. Ele inclina o rosto e rosna "Você entrou no meu escritório, porra?" Ele está furioso e pequenos pedaços de saliva batem no meu rosto. Eu chego a minha mão livre até limpá-lo, mas ele está me arrastando para fora do escritório, então eu só tento manter o equilíbrio. "Jesus Cristo," ele rosna enquanto me puxa para o corredor. "Quem diabos é você? Qual é o seu maldito jogo, Sela?" "Beck," Imploro que ele me leve para a sala. "Apenas espere…" "Porra, eu confiei em você," ele grita em sua fúria, recusando-se a olhar para mim. "Eu trouxe você para minha casa, na minha cama... e você tem feito nada, além de mentir para mim, esgueirando-se nas minhas costas. Você está fazendo um merda de espionagem para outra empresa? Qual é o jogo, Sela?" Seus dedos estão cavando tão fortes no meu braço, que me causa dores ósseas. Minha mão livre se aproxima e tenta tirar os dedos de volta para me dar trégua. Ele está me segurando com tanta força, que não posso fazer qualquer progresso. Eu cavo os saltos dos meus ténis e eles pegam no piso de madeira, só que Beck está me puxando muito ferozmente, que vou voando de cara para frente e caio de joelhos. Beck faz uma pausa... me dá um momento para levantar, e na hora que eu estou de pé, ele começa a me puxar para frente novamente. "Eu quero você fora da minha porra de apartamento," ele rosna, e vejo que ele está indo para a frente da porta. Eu redobro meus esforços tentando cavar meus calcanhares novamente, mas Beck nem sequer faz uma pausa. Ele dá empurrões no meu braço, fazendo-me tropeçar e estende a mão para a maçaneta da porta.


"Beck, não... espere," defendo para ele. "Por favor, me dê uma chance para explicar." "O que há para explicar?" Pergunta ele com uma risada amarga quando me libera e gira em mim. "Você sabe... aquele dia que você mentiu para mim sobre pegar meu carro. Eu sabia que algo estava acontecendo, então. Meu instinto me disse que havia algo que você estava escondendo." "Não é o que você pensa," digo enquanto balanço a cabeça em negação para ele. "Entrou em meu escritório, e olhando para a merda em mim," ele cospe em mim com desgosto. "Não... Eu juro para você," digo em um soluço, e, finalmente, deixar escapar: "É sobre JT." Beck lança a cabeça para trás e dá um latido sarcástico, amargo de uma risada. Seus olhos brilham com malícia quando ele agarra minha bolsa da mesa de foyer e empurra-a para a direita em meu peito. Minhas mãos automaticamente a pegam quando ele libera, e abraço-a para mim. "Nem até mesmo vá lá, Sela. Você teve uma antipatia por ele, por algum motivo, mas conheço-o desde sempre. Eu te conheço há algumas semanas. O que você e eu tivemos nunca pode se comparar com o vínculo que tenho com ele. Quem diabos você acha que eu vou acreditar?" "Eu juro por Deus, Beck... trata-se de JT," eu digo, enquanto as lágrimas agora brotam em meus olhos, preenchendo-os até a borda, e com apenas um ligeiro piscar de minhas pálpebras, foi transbordando.


"Saia," ele rosna, e sua mão atira de volta para agarrar o meu braço agora. Ele me dá um empurrão duro e eu vou tropeçando para frente novamente. Ele agarra a maçaneta da porta, a mantém aberta e começa a empurrar-me completamente. "Eu quero você fora daqui agora. Eu vou embalar a sua merda e tê-la entregue em seu apartamento, mas você vai dar o fora da minha casa e da minha vida neste exato minuto e não olhe para trás.” "Beck," Eu lamento, deixando cair a minha bolsa no chão do foyer enquanto chego a ele, desesperadamente tentando faze-lo me ouvir. "Eu juro que não estou tentando feri-lo." Seus olhos azuis se enchem de escuridão e os apertam para mim com algo que eu iria colocar semelhante ao ódio. Sua mão atira para fora e ele me pega em torno da frente do meu pescoço, puxando-me lentamente e para cima na ponta dos pés, até que está quase nariz com nariz comigo. Pela primeira vez desde que me pegou em seu escritório, seu tom é calmo, mas ainda ondulando com raiva e ameaça. "Você não é melhor do que todas as outras meninas, Sela. Todos olhando para chegar à frente à custa de algum homem. O que você estava fazendo? Pesquisando minhas finanças? Esperando me chantagear com alguma coisa? Olhando para roubar de mim?" A cada pergunta, seu aperto em minha garganta aumenta, mas não o suficiente para cortar meu ar. Apenas o suficiente para manter a minha atenção e por isso não esquecer que ele está no controle desta situação agora. A cada pergunta, sua fúria parece aumentar, como se a minha incapacidade de resposta é uma admissão a cada acusação.


Ele me puxa em uma fração de uma polegada mais perto e sussurra: "Eu não me importo com qual é a razão. Eu só quero que você saia, porra." Beck me empurra para a porta e não tenho escolha, a não ser andar para trás a partir da força de seu aperto em mim. Minhas mãos voam para fora, agarrando cada lado do batente da porta, e cavo difícil. "Vamos lá, Sela", ele rosna para mim, liberando a mão na minha garganta e captura meus pulsos firmemente com as mãos. Ele os solta. "Não, espere," eu grito, tentando lançar-me de volta para a porta. "Dá o fora", ele rosna para mim com tanta raiva, que parece como um estrondo sônico reverberando nos meus ouvidos. Beck me empurra duro, solta meus pulsos e eu tropeço para trás, caindo para a minha bunda com um impacto brusco. Ele chuta minha bolsa, arremessado pela porta onde o conteúdo derrama por todo o chão. Isso não me impede, no entanto. Eu imediatamente dou uma guinada encaminho para as minhas mãos e joelhos, e rastejo em direção a Beck em pé na porta. "Por favor, me escute, Beck," imploro, meus olhos implorando por apenas alguns momentos de sua misericórdia. Ele olha para mim, desgosto completo e absoluto segurando cada polegada de sua bela face. Eu rastejo mais rápido quando ele começa a fechar a porta, atingindo uma mão em uma lamentável tentativa para um pouco de indulgência a partir deste homem. Ele olha para mim como se quisesse cuspir em mim. "Beck," eu digo com um soluço.


A porta está a meio caminho de ser fechada e eu dou uma olhada desesperada para seu rosto, sabendo que é a última vez que vou vê-lo novamente. Eu nunca vou esquecer o prazer e a alegria que ele me deu, e embora saiba que já o traí e não posso culpá-lo por suas ações agora, jogo toda a cautela ao vento e abro meu coração para ele. "JT... ele me estuprou." A porta para imediatamente e os olhos de Beck se voltam com surpresa. A boca dele afrouxa e ele empalidece por um momento quando olha para mim, com a cabeça inclinada em confusão. Eu acho que, talvez, ele pode até mesmo chegar uma mão para mim... me ajudar a ficar de pé... puxar-me em seus braços e me dizer que tudo vai ficar bem. Eu mesmo estou tão longe a ponto de chegar a minha mão para cima para ele. Em vez disso, seus olhos ficam frios, os lábios achatam e ele balança a cabeça para mim com desgosto. "No entanto, outra mentira, Sela." Em seguida, ele bate a porta na minha cara.

Continua...



Sawyer bennett sugar bowl #1 sugar daddy [revisado]