Issuu on Google+


Sumário

.Dados Pessoais

.Concursos, Workshop e Formações

.Dados pessoais

02

Nome: Simone de Lurdes Alves da Cunha

_ Concurso Arquitectar 07

.Percurso académico

02

Morada: Travessa Vintém das Escolas nº10 1ºdrt

_ Concurso Arquitectum _ Edição Moulin Rouge

.Experiência profissional

02

!

_ Concurso Prémio AICO _ Categoria equipamento

.Concursos, Workshop e Formações

03

Data de Nascimento: 22-05-1985

_ Workshop sobre fac hadas “Imagineering

.Softwares

03

Telemóvel: 918704178

"

Facades” com Bill Marshall (Estudio Marshall

Email: simone.ark@gmail.com "

Asociados), Astrid Piber (UNStudio) e Ulrich

Formação: Licenciatura com mestrado integrado em

"

Knaock (Delft University of technology).

"

_ Formação de 28 horas em Vectorworks Architect e

___ Trabalhos académicos ___ .Tapume

04

.Intervenção Urbana

06

.Módulos Habitacionais

08

.Loft para Dita Von Teese

10

.Centro de Monitorização Ambiental

12

.Cidade Concentrada

14

.Lote 26

16

.Plano de revitalização para Almada Nascente

18

.Edifício de Habitação

20

.Dissertação

22

1500-625 _ Lisboa

Arquitectura

.Percurso académico

"

RenderWorks, nas instalações da TechLimits "

Informática, Lda - Novembro de 2007.

2000 | 2004 _ Escola Secundária Drª Laura Ayres _ "

Quarteira 2004 _ Candidatura à Univ. Lusíada de Lisboa com

.Softwares

"

_ Mac

média de 15 valores 2004 | 2009 _ Frequência do curso de Arquitectura

_ Windows

"

_ Iwork

na Univ. Lusíada de Lisboa 2009 _ Conclusão do curso com 17 valores na

_ Microsoft Office

"

_ Autocad

disciplina de Projecto 2009 | 2010 _ Conclusão da dissertação de

_ Vectorworks

"

Mestrado “O diagrama de Voronoi na

_ Cinema 4D

"

Arquitectura: a geometria de Voronoi

_ 3D Studio Max

"

enquanto processo metodológico”

_ Photoshop

2011 _ Defesa da dissertação com aprovação de !

17 valores.

.Experiência profissional 2008 | 2009 _ Emptyspace _ Colaboração com o "

Arqt. Luís Mendes em: !

-Licenciamentos diversos

"

-Execução "

-Modelação 3D e respectiva animação 2010 | ------- _ Apoio técnico na execução de projectos de Arquitectura Paisagista.

01

02

03


Sumário

.Dados Pessoais

.Concursos, Workshop e Formações

.Dados pessoais

02

Nome: Simone de Lurdes Alves da Cunha

_ Concurso Arquitectar 07

.Percurso académico

02

Morada: Travessa Vintém das Escolas nº10 1ºdrt

_ Concurso Arquitectum _ Edição Moulin Rouge

.Experiência profissional

02

!

_ Concurso Prémio AICO _ Categoria equipamento

.Concursos, Workshop e Formações

03

Data de Nascimento: 22-05-1985

_ Workshop sobre fac hadas “Imagineering

.Softwares

03

Telemóvel: 918704178

"

Facades” com Bill Marshall (Estudio Marshall

Email: simone.ark@gmail.com "

Asociados), Astrid Piber (UNStudio) e Ulrich

Formação: Licenciatura com mestrado integrado em

"

Knaock (Delft University of technology).

"

_ Formação de 28 horas em Vectorworks Architect e

___ Trabalhos académicos ___ .Tapume

04

.Intervenção Urbana

06

.Módulos Habitacionais

08

.Loft para Dita Von Teese

10

.Centro de Monitorização Ambiental

12

.Cidade Concentrada

14

.Lote 26

16

.Plano de revitalização para Almada Nascente

18

.Edifício de Habitação

20

.Dissertação

22

1500-625 _ Lisboa

Arquitectura

.Percurso académico

"

RenderWorks, nas instalações da TechLimits "

Informática, Lda - Novembro de 2007.

2000 | 2004 _ Escola Secundária Drª Laura Ayres _ "

Quarteira 2004 _ Candidatura à Univ. Lusíada de Lisboa com

.Softwares

"

_ Mac

média de 15 valores 2004 | 2009 _ Frequência do curso de Arquitectura

_ Windows

"

_ Iwork

na Univ. Lusíada de Lisboa 2009 _ Conclusão do curso com 17 valores na

_ Microsoft Office

"

_ Autocad

disciplina de Projecto 2009 | 2010 _ Conclusão da dissertação de

_ Vectorworks

"

Mestrado “O diagrama de Voronoi na

_ Cinema 4D

"

Arquitectura: a geometria de Voronoi

_ 3D Studio Max

"

enquanto processo metodológico”

_ Photoshop

2011 _ Defesa da dissertação com aprovação de !

17 valores.

.Experiência profissional 2008 | 2009 _ Emptyspace _ Colaboração com o "

Arqt. Luís Mendes em: !

-Licenciamentos diversos

"

-Execução "

-Modelação 3D e respectiva animação 2010 | ------- _ Apoio técnico na execução de projectos de Arquitectura Paisagista.

01

02

03


Sumário

.Dados Pessoais

.Concursos, Workshop e Formações

.Dados pessoais

02

Nome: Simone de Lurdes Alves da Cunha

_ Concurso Arquitectar 07

.Percurso académico

02

Morada: Travessa Vintém das Escolas nº10 1ºdrt

_ Concurso Arquitectum _ Edição Moulin Rouge

.Experiência profissional

02

!

_ Concurso Prémio AICO _ Categoria equipamento

.Concursos, Workshop e Formações

03

Data de Nascimento: 22-05-1985

_ Workshop sobre fac hadas “Imagineering

.Softwares

03

Telemóvel: 918704178

"

Facades” com Bill Marshall (Estudio Marshall

Email: simone.ark@gmail.com "

Asociados), Astrid Piber (UNStudio) e Ulrich

Formação: Licenciatura com mestrado integrado em

"

Knaock (Delft University of technology).

"

_ Formação de 28 horas em Vectorworks Architect e

___ Trabalhos académicos ___ .Tapume

04

.Intervenção Urbana

06

.Módulos Habitacionais

08

.Loft para Dita Von Teese

10

.Centro de Monitorização Ambiental

12

.Cidade Concentrada

14

.Lote 26

16

.Plano de revitalização para Almada Nascente

18

.Edifício de Habitação

20

.Dissertação

22

1500-625 _ Lisboa

Arquitectura

.Percurso académico

"

RenderWorks, nas instalações da TechLimits "

Informática, Lda - Novembro de 2007.

2000 | 2004 _ Escola Secundária Drª Laura Ayres _ "

Quarteira 2004 _ Candidatura à Univ. Lusíada de Lisboa com

.Softwares

"

_ Mac

média de 15 valores 2004 | 2009 _ Frequência do curso de Arquitectura

_ Windows

"

_ Iwork

na Univ. Lusíada de Lisboa 2009 _ Conclusão do curso com 17 valores na

_ Microsoft Office

"

_ Autocad

disciplina de Projecto 2009 | 2010 _ Conclusão da dissertação de

_ Vectorworks

"

Mestrado “O diagrama de Voronoi na

_ Cinema 4D

"

Arquitectura: a geometria de Voronoi

_ 3D Studio Max

"

enquanto processo metodológico”

_ Photoshop

2011 _ Defesa da dissertação com aprovação de !

17 valores.

.Experiência profissional 2008 | 2009 _ Emptyspace _ Colaboração com o "

Arqt. Luís Mendes em: !

-Licenciamentos diversos

"

-Execução "

-Modelação 3D e respectiva animação 2010 | ------- _ Apoio técnico na execução de projectos de Arquitectura Paisagista.

01

02

03


Projecto _ Tapume Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos !

O tapume consiste numa intervenção temporária para o cinema Europa, mas é adaptável a outros edifícios ou estruturas posteriormente. ! Independentemente do local o tapume terá sempre uma forma diferente, pois este é constituído por três partes, nomeadamente, a estrutura convencional de andaimes, a estrutura de módulos acoplados que permitem criar bolsas espaciais para certos usos como arrumos, salas de reuniões, i.s. entre outros. E a pele, que consiste numa readaptação de um tapete de plástico que simula o efeito de relva que é perfurado com menor ou maior densidade conforme a necessidade de luz necessário para os trabalhos a desenvolver. ! O tapete verde envolve toda a estrutura conferindo-lhe um aspecto orgânico e simultaneamente consistente, sendo o re-design de um material convencional o que levará as pessoas a se aproximar incentivadas pela curiosidade e pelos sentidos (visão e tacto) vivenciado este espaço urbano, que embora em obras com as devidas medidas de segurança, continua público permitindo a passagem dos transeuntes oferecendo-lhes uma experiência espacial urbana diferente.

Corte A

Projecto _ Intervenção Urbana Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos

A intervenção urbana consiste na resolução de um vazio urbano que é um ponto de encontro de várias situações muito destintas, nomeadamente o final da malha ortogonal de Campo de Ourique, com a malha orgânica do Casal Ventoso, relaciona-se com a grande via do viaduto Eng. Duarte Pacheco e com a outra via menos densa mas também muito movimentada, a rua José Gomes Ferreira, e ainda se relaciona com vários edifícios de densidades e usos muito diferentes. Para além de existir grandes variações de cotas, inclusive no próprio vazio urbano. ! O vazio urbano é resolvido através do programa que consiste em habitações, loja automóvel e parque urbano. Assim, através da habitação faz-se o remate da malha urbana e da encosta, a loja automóvel fecha o parque urbano em relação às vias movimentadas para além de ser também vantajoso para este e o parque urbano através da modelação do terreno crie situações de diferentes dinamismo nas vivências deste. O parque urbano é complementado por uma zona coberta associada ao volume da loja que proporciona uma vista desafogada e poética sobre monsanto.

Corte B

Planta de implantação

04

!

05

06

Planta à cota 84

07


Projecto _ Tapume Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos !

O tapume consiste numa intervenção temporária para o cinema Europa, mas é adaptável a outros edifícios ou estruturas posteriormente. ! Independentemente do local o tapume terá sempre uma forma diferente, pois este é constituído por três partes, nomeadamente, a estrutura convencional de andaimes, a estrutura de módulos acoplados que permitem criar bolsas espaciais para certos usos como arrumos, salas de reuniões, i.s. entre outros. E a pele, que consiste numa readaptação de um tapete de plástico que simula o efeito de relva que é perfurado com menor ou maior densidade conforme a necessidade de luz necessário para os trabalhos a desenvolver. ! O tapete verde envolve toda a estrutura conferindo-lhe um aspecto orgânico e simultaneamente consistente, sendo o re-design de um material convencional o que levará as pessoas a se aproximar incentivadas pela curiosidade e pelos sentidos (visão e tacto) vivenciado este espaço urbano, que embora em obras com as devidas medidas de segurança, continua público permitindo a passagem dos transeuntes oferecendo-lhes uma experiência espacial urbana diferente.

Corte A

Projecto _ Intervenção Urbana Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos

A intervenção urbana consiste na resolução de um vazio urbano que é um ponto de encontro de várias situações muito destintas, nomeadamente o final da malha ortogonal de Campo de Ourique, com a malha orgânica do Casal Ventoso, relaciona-se com a grande via do viaduto Eng. Duarte Pacheco e com a outra via menos densa mas também muito movimentada, a rua José Gomes Ferreira, e ainda se relaciona com vários edifícios de densidades e usos muito diferentes. Para além de existir grandes variações de cotas, inclusive no próprio vazio urbano. ! O vazio urbano é resolvido através do programa que consiste em habitações, loja automóvel e parque urbano. Assim, através da habitação faz-se o remate da malha urbana e da encosta, a loja automóvel fecha o parque urbano em relação às vias movimentadas para além de ser também vantajoso para este e o parque urbano através da modelação do terreno crie situações de diferentes dinamismo nas vivências deste. O parque urbano é complementado por uma zona coberta associada ao volume da loja que proporciona uma vista desafogada e poética sobre monsanto.

Corte B

Planta de implantação

04

!

05

06

Planta à cota 84

07


Projecto _ Tapume Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos !

O tapume consiste numa intervenção temporária para o cinema Europa, mas é adaptável a outros edifícios ou estruturas posteriormente. ! Independentemente do local o tapume terá sempre uma forma diferente, pois este é constituído por três partes, nomeadamente, a estrutura convencional de andaimes, a estrutura de módulos acoplados que permitem criar bolsas espaciais para certos usos como arrumos, salas de reuniões, i.s. entre outros. E a pele, que consiste numa readaptação de um tapete de plástico que simula o efeito de relva que é perfurado com menor ou maior densidade conforme a necessidade de luz necessário para os trabalhos a desenvolver. ! O tapete verde envolve toda a estrutura conferindo-lhe um aspecto orgânico e simultaneamente consistente, sendo o re-design de um material convencional o que levará as pessoas a se aproximar incentivadas pela curiosidade e pelos sentidos (visão e tacto) vivenciado este espaço urbano, que embora em obras com as devidas medidas de segurança, continua público permitindo a passagem dos transeuntes oferecendo-lhes uma experiência espacial urbana diferente.

Corte A

Projecto _ Intervenção Urbana Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos

A intervenção urbana consiste na resolução de um vazio urbano que é um ponto de encontro de várias situações muito destintas, nomeadamente o final da malha ortogonal de Campo de Ourique, com a malha orgânica do Casal Ventoso, relaciona-se com a grande via do viaduto Eng. Duarte Pacheco e com a outra via menos densa mas também muito movimentada, a rua José Gomes Ferreira, e ainda se relaciona com vários edifícios de densidades e usos muito diferentes. Para além de existir grandes variações de cotas, inclusive no próprio vazio urbano. ! O vazio urbano é resolvido através do programa que consiste em habitações, loja automóvel e parque urbano. Assim, através da habitação faz-se o remate da malha urbana e da encosta, a loja automóvel fecha o parque urbano em relação às vias movimentadas para além de ser também vantajoso para este e o parque urbano através da modelação do terreno crie situações de diferentes dinamismo nas vivências deste. O parque urbano é complementado por uma zona coberta associada ao volume da loja que proporciona uma vista desafogada e poética sobre monsanto.

Corte B

Planta de implantação

04

!

05

06

Planta à cota 84

07


Projecto _ Tapume Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos !

O tapume consiste numa intervenção temporária para o cinema Europa, mas é adaptável a outros edifícios ou estruturas posteriormente. ! Independentemente do local o tapume terá sempre uma forma diferente, pois este é constituído por três partes, nomeadamente, a estrutura convencional de andaimes, a estrutura de módulos acoplados que permitem criar bolsas espaciais para certos usos como arrumos, salas de reuniões, i.s. entre outros. E a pele, que consiste numa readaptação de um tapete de plástico que simula o efeito de relva que é perfurado com menor ou maior densidade conforme a necessidade de luz necessário para os trabalhos a desenvolver. ! O tapete verde envolve toda a estrutura conferindo-lhe um aspecto orgânico e simultaneamente consistente, sendo o re-design de um material convencional o que levará as pessoas a se aproximar incentivadas pela curiosidade e pelos sentidos (visão e tacto) vivenciado este espaço urbano, que embora em obras com as devidas medidas de segurança, continua público permitindo a passagem dos transeuntes oferecendo-lhes uma experiência espacial urbana diferente.

Corte A

Projecto _ Intervenção Urbana Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos

A intervenção urbana consiste na resolução de um vazio urbano que é um ponto de encontro de várias situações muito destintas, nomeadamente o final da malha ortogonal de Campo de Ourique, com a malha orgânica do Casal Ventoso, relaciona-se com a grande via do viaduto Eng. Duarte Pacheco e com a outra via menos densa mas também muito movimentada, a rua José Gomes Ferreira, e ainda se relaciona com vários edifícios de densidades e usos muito diferentes. Para além de existir grandes variações de cotas, inclusive no próprio vazio urbano. ! O vazio urbano é resolvido através do programa que consiste em habitações, loja automóvel e parque urbano. Assim, através da habitação faz-se o remate da malha urbana e da encosta, a loja automóvel fecha o parque urbano em relação às vias movimentadas para além de ser também vantajoso para este e o parque urbano através da modelação do terreno crie situações de diferentes dinamismo nas vivências deste. O parque urbano é complementado por uma zona coberta associada ao volume da loja que proporciona uma vista desafogada e poética sobre monsanto.

Corte B

Planta de implantação

04

!

05

06

Planta à cota 84

07


Projecto _ Módulos Habitacionais Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos !

Os módulos habitacionais são desenvolvidos em especifico como parte integrante da intervenção urbana, no entanto, devido a serem módulos podem ser utilizados noutro lugar, para além de se puder empilhar um maior número de módulos conforme as necessidades. ! Os módulos habitacionais correspondem às tipologias de T1, T0 e Loft devido à variação das plantas, no entanto, o perfil destes é idêntico pois este divide-se em três partes que sofre um desnivelamento dos extremos e a parte central acompanhando ambos forma um elemento oblíquo. Devido ao seu perfil, estes módulos tem a particularidade de que são necessário no mínimo dois módulos para a estrutura se manter estável. ! A zona oblíqua dos módulos oferece aos habitantes um grande dinamismo, devido às suas dimensões não é um simples acesso entre as partes mas sim a zona de estar, comum em todos os módulos, que devido às suas características os móveis são rebatíveis criando assim uma grande mutação do espaço conforme as necessidades dos habitantes. Exteriormente esta zona também é habitável, devido á sobreposição dos módulos têm-se acesso a um plano oblíquo ajardinado, que corresponde á cobertura do vizinho.

Projecto _ Loft para Dita Von Teese Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos

!

O desenvolvimento de uma habitação de tipologia Loft para Dita Von Teese, que é uma artista de estilo pin up com características peculiares influência o programa da habitação (espaço secreto e guarda roupa oculto), assim como os conceitos associados (ilusão e infinito). ! O Loft consiste na união de dois Loft dos módulos habitacionais através do conceito de infinito, mais concretamente da fita de möbius, que os altera a nível de planta formando um percurso continuo e infinito, mas mantendo o perfil característico dos módulos. Paralelo ao percurso continuo surge outro, o percurso secreto, que embora continuo não é infinito mas engloba o espaço secreto e o guarda roupa oculto, este percurso cria simultaneamente a ilusão de não existir pois é camuflado por uma parede em látex não necessitando de qualquer porta material para entrar mas sim de uma sobreposição de membranas, que permite a entrada somente a quem saiba. ! Reforçando os conceitos é criada uma pele de brise soleil que envolve todo o Loft, como uma espécie de tatuagem criando um certo misticismo nas relações visuais entre os vários pontos da habitação. ! No Loft é desenvolvida uma espacialidade que envolve o habitante com sensualidade e surpreende os visitantes. Planta do piso 1

Planta do piso 0

Planta geral _ Loft

08

Planta geral _ T1 | T0

09

10

11


Projecto _ Módulos Habitacionais Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos !

Os módulos habitacionais são desenvolvidos em especifico como parte integrante da intervenção urbana, no entanto, devido a serem módulos podem ser utilizados noutro lugar, para além de se puder empilhar um maior número de módulos conforme as necessidades. ! Os módulos habitacionais correspondem às tipologias de T1, T0 e Loft devido à variação das plantas, no entanto, o perfil destes é idêntico pois este divide-se em três partes que sofre um desnivelamento dos extremos e a parte central acompanhando ambos forma um elemento oblíquo. Devido ao seu perfil, estes módulos tem a particularidade de que são necessário no mínimo dois módulos para a estrutura se manter estável. ! A zona oblíqua dos módulos oferece aos habitantes um grande dinamismo, devido às suas dimensões não é um simples acesso entre as partes mas sim a zona de estar, comum em todos os módulos, que devido às suas características os móveis são rebatíveis criando assim uma grande mutação do espaço conforme as necessidades dos habitantes. Exteriormente esta zona também é habitável, devido á sobreposição dos módulos têm-se acesso a um plano oblíquo ajardinado, que corresponde á cobertura do vizinho.

Projecto _ Loft para Dita Von Teese Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos

!

O desenvolvimento de uma habitação de tipologia Loft para Dita Von Teese, que é uma artista de estilo pin up com características peculiares influência o programa da habitação (espaço secreto e guarda roupa oculto), assim como os conceitos associados (ilusão e infinito). ! O Loft consiste na união de dois Loft dos módulos habitacionais através do conceito de infinito, mais concretamente da fita de möbius, que os altera a nível de planta formando um percurso continuo e infinito, mas mantendo o perfil característico dos módulos. Paralelo ao percurso continuo surge outro, o percurso secreto, que embora continuo não é infinito mas engloba o espaço secreto e o guarda roupa oculto, este percurso cria simultaneamente a ilusão de não existir pois é camuflado por uma parede em látex não necessitando de qualquer porta material para entrar mas sim de uma sobreposição de membranas, que permite a entrada somente a quem saiba. ! Reforçando os conceitos é criada uma pele de brise soleil que envolve todo o Loft, como uma espécie de tatuagem criando um certo misticismo nas relações visuais entre os vários pontos da habitação. ! No Loft é desenvolvida uma espacialidade que envolve o habitante com sensualidade e surpreende os visitantes. Planta do piso 1

Planta do piso 0

Planta geral _ Loft

08

Planta geral _ T1 | T0

09

10

11


Projecto _ Módulos Habitacionais Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos !

Os módulos habitacionais são desenvolvidos em especifico como parte integrante da intervenção urbana, no entanto, devido a serem módulos podem ser utilizados noutro lugar, para além de se puder empilhar um maior número de módulos conforme as necessidades. ! Os módulos habitacionais correspondem às tipologias de T1, T0 e Loft devido à variação das plantas, no entanto, o perfil destes é idêntico pois este divide-se em três partes que sofre um desnivelamento dos extremos e a parte central acompanhando ambos forma um elemento oblíquo. Devido ao seu perfil, estes módulos tem a particularidade de que são necessário no mínimo dois módulos para a estrutura se manter estável. ! A zona oblíqua dos módulos oferece aos habitantes um grande dinamismo, devido às suas dimensões não é um simples acesso entre as partes mas sim a zona de estar, comum em todos os módulos, que devido às suas características os móveis são rebatíveis criando assim uma grande mutação do espaço conforme as necessidades dos habitantes. Exteriormente esta zona também é habitável, devido á sobreposição dos módulos têm-se acesso a um plano oblíquo ajardinado, que corresponde á cobertura do vizinho.

Projecto _ Loft para Dita Von Teese Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos

!

O desenvolvimento de uma habitação de tipologia Loft para Dita Von Teese, que é uma artista de estilo pin up com características peculiares influência o programa da habitação (espaço secreto e guarda roupa oculto), assim como os conceitos associados (ilusão e infinito). ! O Loft consiste na união de dois Loft dos módulos habitacionais através do conceito de infinito, mais concretamente da fita de möbius, que os altera a nível de planta formando um percurso continuo e infinito, mas mantendo o perfil característico dos módulos. Paralelo ao percurso continuo surge outro, o percurso secreto, que embora continuo não é infinito mas engloba o espaço secreto e o guarda roupa oculto, este percurso cria simultaneamente a ilusão de não existir pois é camuflado por uma parede em látex não necessitando de qualquer porta material para entrar mas sim de uma sobreposição de membranas, que permite a entrada somente a quem saiba. ! Reforçando os conceitos é criada uma pele de brise soleil que envolve todo o Loft, como uma espécie de tatuagem criando um certo misticismo nas relações visuais entre os vários pontos da habitação. ! No Loft é desenvolvida uma espacialidade que envolve o habitante com sensualidade e surpreende os visitantes. Planta do piso 1

Planta do piso 0

Planta geral _ Loft

08

Planta geral _ T1 | T0

09

10

11


Projecto _ Módulos Habitacionais Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos !

Os módulos habitacionais são desenvolvidos em especifico como parte integrante da intervenção urbana, no entanto, devido a serem módulos podem ser utilizados noutro lugar, para além de se puder empilhar um maior número de módulos conforme as necessidades. ! Os módulos habitacionais correspondem às tipologias de T1, T0 e Loft devido à variação das plantas, no entanto, o perfil destes é idêntico pois este divide-se em três partes que sofre um desnivelamento dos extremos e a parte central acompanhando ambos forma um elemento oblíquo. Devido ao seu perfil, estes módulos tem a particularidade de que são necessário no mínimo dois módulos para a estrutura se manter estável. ! A zona oblíqua dos módulos oferece aos habitantes um grande dinamismo, devido às suas dimensões não é um simples acesso entre as partes mas sim a zona de estar, comum em todos os módulos, que devido às suas características os móveis são rebatíveis criando assim uma grande mutação do espaço conforme as necessidades dos habitantes. Exteriormente esta zona também é habitável, devido á sobreposição dos módulos têm-se acesso a um plano oblíquo ajardinado, que corresponde á cobertura do vizinho.

Projecto _ Loft para Dita Von Teese Ano _ 3º ano (2006 | 2007) Localização _ Campo de Ourique Docente _ Arqt. Jorge Sousa Santos

!

O desenvolvimento de uma habitação de tipologia Loft para Dita Von Teese, que é uma artista de estilo pin up com características peculiares influência o programa da habitação (espaço secreto e guarda roupa oculto), assim como os conceitos associados (ilusão e infinito). ! O Loft consiste na união de dois Loft dos módulos habitacionais através do conceito de infinito, mais concretamente da fita de möbius, que os altera a nível de planta formando um percurso continuo e infinito, mas mantendo o perfil característico dos módulos. Paralelo ao percurso continuo surge outro, o percurso secreto, que embora continuo não é infinito mas engloba o espaço secreto e o guarda roupa oculto, este percurso cria simultaneamente a ilusão de não existir pois é camuflado por uma parede em látex não necessitando de qualquer porta material para entrar mas sim de uma sobreposição de membranas, que permite a entrada somente a quem saiba. ! Reforçando os conceitos é criada uma pele de brise soleil que envolve todo o Loft, como uma espécie de tatuagem criando um certo misticismo nas relações visuais entre os vários pontos da habitação. ! No Loft é desenvolvida uma espacialidade que envolve o habitante com sensualidade e surpreende os visitantes. Planta do piso 1

Planta do piso 0

Planta geral _ Loft

08

Planta geral _ T1 | T0

09

10

11


Projecto _ Centro de Monitorização ! Ambiental Ano _ 4º ano (2007 |2008) Localização _ Tires (Cascais) Docente _ Arqt. Alexandre Fernandes

Planta de implantação

Corte A

12

!

O projecto do Centro de Monitorização Ambiental consiste num edifício associado a este uso, com esplanada exterior com características de espaço público que funciona de forma autónoma e um açude que constitua um plano de água. ! O edifício é implantado numa depressão natural do terreno no qual passa uma linha de água que alimentará o açude. ! O CMA é baseado no conceito das linhas sinuosas geradas pela reflexão da luz na água em movimento, assim como todos os percursos (automóvel, pedonal e ciclovia) que ligam este aos acessos locais, tal como os percursos que o ligam ao antigo moinho (pedonal e ciclovia), de forma a melhor se adaptar à topografia natural do terreno proporcionando um contacto com a natureza o mais natural possível. O edifício surge como duas células delimitadas pelos percursos, em que cada célula os espaços surgem dentro de bolhas espaciais que permite o seu funcionamento de forma autónoma.

Planta à cota 67

Projecto _ Cidade Concentrada Ano _ 4º ano (2007 |2008) Localização _ Tires (Cascais) Docente _ Arqt. Alexandre Fernandes

Planta de implantação

!

A cidade concentrada consiste num novo núcleo urbano controlado, destinado a habitantes que praticam o tele-trabalho e como tal saem pouco do seu local de residência necessitando de um grande número de serviços nas proximidades. O novo núcleo urbano situa-se a sudoeste do aeródromo de tires por ser considerado o próximo local de crescimento da construção descontrolada que caracteriza a zona. ! Tendo este local certas condicionantes opta-se por fazer a cidade mais baixa possível rodeada por uma massa verde densa e baixa. Associado às abelhas, que formam uma colmeia como uma comunidade, surge o hexágono. como fomentador do desenho urbano. A cidade desenvolve-se em dois niveis, o inferior onde se desenvolve a rede de praças habitáveis, envoltas por edifícios, que permite percursos contínuos e fluídos. O superior (a cobertura), acontece os espaços verdes, como parque urbano e as hortas.

Planta à cota 87

Planta à cota 80

Corte B

13

14

15


Projecto _ Centro de Monitorização ! Ambiental Ano _ 4º ano (2007 |2008) Localização _ Tires (Cascais) Docente _ Arqt. Alexandre Fernandes

Planta de implantação

Corte A

12

!

O projecto do Centro de Monitorização Ambiental consiste num edifício associado a este uso, com esplanada exterior com características de espaço público que funciona de forma autónoma e um açude que constitua um plano de água. ! O edifício é implantado numa depressão natural do terreno no qual passa uma linha de água que alimentará o açude. ! O CMA é baseado no conceito das linhas sinuosas geradas pela reflexão da luz na água em movimento, assim como todos os percursos (automóvel, pedonal e ciclovia) que ligam este aos acessos locais, tal como os percursos que o ligam ao antigo moinho (pedonal e ciclovia), de forma a melhor se adaptar à topografia natural do terreno proporcionando um contacto com a natureza o mais natural possível. O edifício surge como duas células delimitadas pelos percursos, em que cada célula os espaços surgem dentro de bolhas espaciais que permite o seu funcionamento de forma autónoma.

Planta à cota 67

Projecto _ Cidade Concentrada Ano _ 4º ano (2007 |2008) Localização _ Tires (Cascais) Docente _ Arqt. Alexandre Fernandes

Planta de implantação

!

A cidade concentrada consiste num novo núcleo urbano controlado, destinado a habitantes que praticam o tele-trabalho e como tal saem pouco do seu local de residência necessitando de um grande número de serviços nas proximidades. O novo núcleo urbano situa-se a sudoeste do aeródromo de tires por ser considerado o próximo local de crescimento da construção descontrolada que caracteriza a zona. ! Tendo este local certas condicionantes opta-se por fazer a cidade mais baixa possível rodeada por uma massa verde densa e baixa. Associado às abelhas, que formam uma colmeia como uma comunidade, surge o hexágono. como fomentador do desenho urbano. A cidade desenvolve-se em dois niveis, o inferior onde se desenvolve a rede de praças habitáveis, envoltas por edifícios, que permite percursos contínuos e fluídos. O superior (a cobertura), acontece os espaços verdes, como parque urbano e as hortas.

Planta à cota 87

Planta à cota 80

Corte B

13

14

15


Projecto _ Centro de Monitorização ! Ambiental Ano _ 4º ano (2007 |2008) Localização _ Tires (Cascais) Docente _ Arqt. Alexandre Fernandes

Planta de implantação

Corte A

12

!

O projecto do Centro de Monitorização Ambiental consiste num edifício associado a este uso, com esplanada exterior com características de espaço público que funciona de forma autónoma e um açude que constitua um plano de água. ! O edifício é implantado numa depressão natural do terreno no qual passa uma linha de água que alimentará o açude. ! O CMA é baseado no conceito das linhas sinuosas geradas pela reflexão da luz na água em movimento, assim como todos os percursos (automóvel, pedonal e ciclovia) que ligam este aos acessos locais, tal como os percursos que o ligam ao antigo moinho (pedonal e ciclovia), de forma a melhor se adaptar à topografia natural do terreno proporcionando um contacto com a natureza o mais natural possível. O edifício surge como duas células delimitadas pelos percursos, em que cada célula os espaços surgem dentro de bolhas espaciais que permite o seu funcionamento de forma autónoma.

Planta à cota 67

Projecto _ Cidade Concentrada Ano _ 4º ano (2007 |2008) Localização _ Tires (Cascais) Docente _ Arqt. Alexandre Fernandes

Planta de implantação

!

A cidade concentrada consiste num novo núcleo urbano controlado, destinado a habitantes que praticam o tele-trabalho e como tal saem pouco do seu local de residência necessitando de um grande número de serviços nas proximidades. O novo núcleo urbano situa-se a sudoeste do aeródromo de tires por ser considerado o próximo local de crescimento da construção descontrolada que caracteriza a zona. ! Tendo este local certas condicionantes opta-se por fazer a cidade mais baixa possível rodeada por uma massa verde densa e baixa. Associado às abelhas, que formam uma colmeia como uma comunidade, surge o hexágono. como fomentador do desenho urbano. A cidade desenvolve-se em dois niveis, o inferior onde se desenvolve a rede de praças habitáveis, envoltas por edifícios, que permite percursos contínuos e fluídos. O superior (a cobertura), acontece os espaços verdes, como parque urbano e as hortas.

Planta à cota 87

Planta à cota 80

Corte B

13

14

15


Projecto _ Centro de Monitorização ! Ambiental Ano _ 4º ano (2007 |2008) Localização _ Tires (Cascais) Docente _ Arqt. Alexandre Fernandes

Planta de implantação

Corte A

12

!

O projecto do Centro de Monitorização Ambiental consiste num edifício associado a este uso, com esplanada exterior com características de espaço público que funciona de forma autónoma e um açude que constitua um plano de água. ! O edifício é implantado numa depressão natural do terreno no qual passa uma linha de água que alimentará o açude. ! O CMA é baseado no conceito das linhas sinuosas geradas pela reflexão da luz na água em movimento, assim como todos os percursos (automóvel, pedonal e ciclovia) que ligam este aos acessos locais, tal como os percursos que o ligam ao antigo moinho (pedonal e ciclovia), de forma a melhor se adaptar à topografia natural do terreno proporcionando um contacto com a natureza o mais natural possível. O edifício surge como duas células delimitadas pelos percursos, em que cada célula os espaços surgem dentro de bolhas espaciais que permite o seu funcionamento de forma autónoma.

Planta à cota 67

Projecto _ Cidade Concentrada Ano _ 4º ano (2007 |2008) Localização _ Tires (Cascais) Docente _ Arqt. Alexandre Fernandes

Planta de implantação

!

A cidade concentrada consiste num novo núcleo urbano controlado, destinado a habitantes que praticam o tele-trabalho e como tal saem pouco do seu local de residência necessitando de um grande número de serviços nas proximidades. O novo núcleo urbano situa-se a sudoeste do aeródromo de tires por ser considerado o próximo local de crescimento da construção descontrolada que caracteriza a zona. ! Tendo este local certas condicionantes opta-se por fazer a cidade mais baixa possível rodeada por uma massa verde densa e baixa. Associado às abelhas, que formam uma colmeia como uma comunidade, surge o hexágono. como fomentador do desenho urbano. A cidade desenvolve-se em dois niveis, o inferior onde se desenvolve a rede de praças habitáveis, envoltas por edifícios, que permite percursos contínuos e fluídos. O superior (a cobertura), acontece os espaços verdes, como parque urbano e as hortas.

Planta à cota 87

Planta à cota 80

Corte B

13

14

15


Projecto _ Lote 26 Ano _ 5º ano (2008 | 2009) Localização _ Rua de S. Mamede Docente _ Arqt. Jorge Mealha !

O lote 26 consiste numa habitação uni-familiar, destinada a um casal com quatro filhos a ser implantada num lote de 6 x 18m. ! O lote tem um edifício pré-existente em estado avançado de degradação, como tal opta-se por manter a fachada devido a fazer parte de um todo que é o alçado da rua histórica de S. Mamede, tal como algumas referências, o saguão e o pátio, a integrar no novo edifício. ! Desenvolve-se uma habitação com um programa denso para satisfazer as necessidades de todos os habitantes que variam bastante na escala etária, optando-se por um conceito de espirito comunitário todos os espaços são partilhados, tendo os quartos somente a função de dormitórios. O programa inclui ainda um amplo ateliê e ligação aos espaços verdes do logradouro. ! A organização espacial é feita a partir do diagrama de Voronoi, que é uma geometria que explica fisionomicamente pela matemática muitas das estruturas densas da natureza. A partir do nível dos quartos, em que determina o numero máximo de habitantes, são estipulados quatro quartos (incluindo 1 para visitas), o saguão , o pátio, arrumos e i.s., determina-se oito pontos que geram a geometria de Voronoi, surgindo uma matriz que se repercute pelos vários níveis. Assim, o saguão assume-se como espinha dorsal da habitação em que todos os espaços de desenvolvem em volta deste, criando um jogo rico de ligações visuais para além dos vazios, que enriquecem todo o conjunto.

Projecto _ Plano de Revitalização ! para Almada Nascente Ano _ 5º ano (2008 | 2009) Localização _ Almada Docente _ Arqt. Jorge Mealha

17

O plano de revitalização para Almada Nascente consiste em devolver à cidade partes devolutas, menos qualificadas ou isoladas que impedem a aproximação das pessoas à zona ribeirinha. ! Almada dispõe de uma situação geográfica privilegiada na relação com Lisboa e com o rio Tejo, para além de integrar a AML. Sendo que a intervenção em Almada beneficiará todos os que se relacionam com esta. ! O plano de revitalização prevê não só um melhoramento de espaços e acessos, mas também do desenvolvimento do sector terciário, para o melhoramento da qualidade de vida dos habitantes. ! A área de intervenção directa abrange o Cais do Ginjal, Cacilhas, as antigas instalações da Lisnave e a Base Naval do Alfeite, fazendo um total de 239 ha, que cria uma espécie de linha imaginária paralela ao rio, que se transformou numa fronteira marcada pela falta de ligações e de estímulos. ! Depois de identificados todos os pontos chave a solucionar e o programa a implementar é aplicado o diagrama de Voronoi que permite a organização do espaço através de células, gerando uma geometria urbana que flui de forma natural da cidade existente até ao rio. N

Planta geral

16

!

18

N

Planta à cota 20

N

Planta à cota 10

19


Projecto _ Lote 26 Ano _ 5º ano (2008 | 2009) Localização _ Rua de S. Mamede Docente _ Arqt. Jorge Mealha !

O lote 26 consiste numa habitação uni-familiar, destinada a um casal com quatro filhos a ser implantada num lote de 6 x 18m. ! O lote tem um edifício pré-existente em estado avançado de degradação, como tal opta-se por manter a fachada devido a fazer parte de um todo que é o alçado da rua histórica de S. Mamede, tal como algumas referências, o saguão e o pátio, a integrar no novo edifício. ! Desenvolve-se uma habitação com um programa denso para satisfazer as necessidades de todos os habitantes que variam bastante na escala etária, optando-se por um conceito de espirito comunitário todos os espaços são partilhados, tendo os quartos somente a função de dormitórios. O programa inclui ainda um amplo ateliê e ligação aos espaços verdes do logradouro. ! A organização espacial é feita a partir do diagrama de Voronoi, que é uma geometria que explica fisionomicamente pela matemática muitas das estruturas densas da natureza. A partir do nível dos quartos, em que determina o numero máximo de habitantes, são estipulados quatro quartos (incluindo 1 para visitas), o saguão , o pátio, arrumos e i.s., determina-se oito pontos que geram a geometria de Voronoi, surgindo uma matriz que se repercute pelos vários níveis. Assim, o saguão assume-se como espinha dorsal da habitação em que todos os espaços de desenvolvem em volta deste, criando um jogo rico de ligações visuais para além dos vazios, que enriquecem todo o conjunto.

Projecto _ Plano de Revitalização ! para Almada Nascente Ano _ 5º ano (2008 | 2009) Localização _ Almada Docente _ Arqt. Jorge Mealha

17

O plano de revitalização para Almada Nascente consiste em devolver à cidade partes devolutas, menos qualificadas ou isoladas que impedem a aproximação das pessoas à zona ribeirinha. ! Almada dispõe de uma situação geográfica privilegiada na relação com Lisboa e com o rio Tejo, para além de integrar a AML. Sendo que a intervenção em Almada beneficiará todos os que se relacionam com esta. ! O plano de revitalização prevê não só um melhoramento de espaços e acessos, mas também do desenvolvimento do sector terciário, para o melhoramento da qualidade de vida dos habitantes. ! A área de intervenção directa abrange o Cais do Ginjal, Cacilhas, as antigas instalações da Lisnave e a Base Naval do Alfeite, fazendo um total de 239 ha, que cria uma espécie de linha imaginária paralela ao rio, que se transformou numa fronteira marcada pela falta de ligações e de estímulos. ! Depois de identificados todos os pontos chave a solucionar e o programa a implementar é aplicado o diagrama de Voronoi que permite a organização do espaço através de células, gerando uma geometria urbana que flui de forma natural da cidade existente até ao rio. N

Planta geral

16

!

18

N

Planta à cota 20

N

Planta à cota 10

19


Projecto _ Lote 26 Ano _ 5º ano (2008 | 2009) Localização _ Rua de S. Mamede Docente _ Arqt. Jorge Mealha !

O lote 26 consiste numa habitação uni-familiar, destinada a um casal com quatro filhos a ser implantada num lote de 6 x 18m. ! O lote tem um edifício pré-existente em estado avançado de degradação, como tal opta-se por manter a fachada devido a fazer parte de um todo que é o alçado da rua histórica de S. Mamede, tal como algumas referências, o saguão e o pátio, a integrar no novo edifício. ! Desenvolve-se uma habitação com um programa denso para satisfazer as necessidades de todos os habitantes que variam bastante na escala etária, optando-se por um conceito de espirito comunitário todos os espaços são partilhados, tendo os quartos somente a função de dormitórios. O programa inclui ainda um amplo ateliê e ligação aos espaços verdes do logradouro. ! A organização espacial é feita a partir do diagrama de Voronoi, que é uma geometria que explica fisionomicamente pela matemática muitas das estruturas densas da natureza. A partir do nível dos quartos, em que determina o numero máximo de habitantes, são estipulados quatro quartos (incluindo 1 para visitas), o saguão , o pátio, arrumos e i.s., determina-se oito pontos que geram a geometria de Voronoi, surgindo uma matriz que se repercute pelos vários níveis. Assim, o saguão assume-se como espinha dorsal da habitação em que todos os espaços de desenvolvem em volta deste, criando um jogo rico de ligações visuais para além dos vazios, que enriquecem todo o conjunto.

Projecto _ Plano de Revitalização ! para Almada Nascente Ano _ 5º ano (2008 | 2009) Localização _ Almada Docente _ Arqt. Jorge Mealha

17

O plano de revitalização para Almada Nascente consiste em devolver à cidade partes devolutas, menos qualificadas ou isoladas que impedem a aproximação das pessoas à zona ribeirinha. ! Almada dispõe de uma situação geográfica privilegiada na relação com Lisboa e com o rio Tejo, para além de integrar a AML. Sendo que a intervenção em Almada beneficiará todos os que se relacionam com esta. ! O plano de revitalização prevê não só um melhoramento de espaços e acessos, mas também do desenvolvimento do sector terciário, para o melhoramento da qualidade de vida dos habitantes. ! A área de intervenção directa abrange o Cais do Ginjal, Cacilhas, as antigas instalações da Lisnave e a Base Naval do Alfeite, fazendo um total de 239 ha, que cria uma espécie de linha imaginária paralela ao rio, que se transformou numa fronteira marcada pela falta de ligações e de estímulos. ! Depois de identificados todos os pontos chave a solucionar e o programa a implementar é aplicado o diagrama de Voronoi que permite a organização do espaço através de células, gerando uma geometria urbana que flui de forma natural da cidade existente até ao rio. N

Planta geral

16

!

18

N

Planta à cota 20

N

Planta à cota 10

19


Projecto _ Lote 26 Ano _ 5º ano (2008 | 2009) Localização _ Rua de S. Mamede Docente _ Arqt. Jorge Mealha !

O lote 26 consiste numa habitação uni-familiar, destinada a um casal com quatro filhos a ser implantada num lote de 6 x 18m. ! O lote tem um edifício pré-existente em estado avançado de degradação, como tal opta-se por manter a fachada devido a fazer parte de um todo que é o alçado da rua histórica de S. Mamede, tal como algumas referências, o saguão e o pátio, a integrar no novo edifício. ! Desenvolve-se uma habitação com um programa denso para satisfazer as necessidades de todos os habitantes que variam bastante na escala etária, optando-se por um conceito de espirito comunitário todos os espaços são partilhados, tendo os quartos somente a função de dormitórios. O programa inclui ainda um amplo ateliê e ligação aos espaços verdes do logradouro. ! A organização espacial é feita a partir do diagrama de Voronoi, que é uma geometria que explica fisionomicamente pela matemática muitas das estruturas densas da natureza. A partir do nível dos quartos, em que determina o numero máximo de habitantes, são estipulados quatro quartos (incluindo 1 para visitas), o saguão , o pátio, arrumos e i.s., determina-se oito pontos que geram a geometria de Voronoi, surgindo uma matriz que se repercute pelos vários níveis. Assim, o saguão assume-se como espinha dorsal da habitação em que todos os espaços de desenvolvem em volta deste, criando um jogo rico de ligações visuais para além dos vazios, que enriquecem todo o conjunto.

Projecto _ Plano de Revitalização ! para Almada Nascente Ano _ 5º ano (2008 | 2009) Localização _ Almada Docente _ Arqt. Jorge Mealha

17

O plano de revitalização para Almada Nascente consiste em devolver à cidade partes devolutas, menos qualificadas ou isoladas que impedem a aproximação das pessoas à zona ribeirinha. ! Almada dispõe de uma situação geográfica privilegiada na relação com Lisboa e com o rio Tejo, para além de integrar a AML. Sendo que a intervenção em Almada beneficiará todos os que se relacionam com esta. ! O plano de revitalização prevê não só um melhoramento de espaços e acessos, mas também do desenvolvimento do sector terciário, para o melhoramento da qualidade de vida dos habitantes. ! A área de intervenção directa abrange o Cais do Ginjal, Cacilhas, as antigas instalações da Lisnave e a Base Naval do Alfeite, fazendo um total de 239 ha, que cria uma espécie de linha imaginária paralela ao rio, que se transformou numa fronteira marcada pela falta de ligações e de estímulos. ! Depois de identificados todos os pontos chave a solucionar e o programa a implementar é aplicado o diagrama de Voronoi que permite a organização do espaço através de células, gerando uma geometria urbana que flui de forma natural da cidade existente até ao rio. N

Planta geral

16

!

18

N

Planta à cota 20

N

Planta à cota 10

19


Projecto _ Edifício de Habitação Ano _ 5º ano (2008 | 2009) Localização _ Almada Docente _ Arqt. Jorge Mealha !

O edifício de habitação tem lugar no plano de revitalização de Almada Nascente, numa zona de maior construção derivada a ser plana e próxima da água. ! O conceito adjacente ao projecto é de dinamizar as células urbanas, demonstrando como um objecto arquitectónico pode influenciar uma estrutura urbana. ! O edifício embora seja essencialmente de habitação abrange outros usos como comércio e serviços que não se cinge ao nível da rua mas se distribui verticalmente, com o objectivo de evitar zonamentos. Assim, este consiste num “mix” de funções que forma um todo através da composição de módulos. A habitação a nível de tipologias é muito diversificada, abordando desde a habitação individual à de grandes famílias, assim como a ocupação temporária à permanente. ! Como elemento homogeneizador temos uma pele de painéis de bamboo que envolve todo o edifício, proporcionando uma constante mutação a nível das fachada e dinamizado todos os espaços (privados e comunitários).

Dissertação _ O diagrama de Voronoi na Arquitectura: a geometria de Voronoi enquanto processo metodológico Ano _ 2009 | 2010 Orientador _ Prof. Doutor Arqt. Joaquim Braizinha Assistente de Orientação _ Arqt. Jorge Mealha

Construção da geometria Nível 0

Considerações do Júri:

Nível 3

“... tema complexo (...) mostra que a multiplicidade elegante da matemática serve para muita coisa.” Prof. Doutor Arqt. Mário Chaves _ Arguente

!

Esta dissertação é o culminar de um percurso académico de cinco anos, de formação em arquitectura. Marcado por um crescimento intelectual, baseado em pesquisas,tanto em arquitectura como em outras áreas, como forma de encontrar as respostas às questões que surgiam em cada projecto. ! O diagrama de Voronoi, importado do campo das ciências naturais, físicas e sociais, consiste numa geometria gerada pela decomposição do espaço em regiões, de acordo com a distância entre pontos. Surge como resposta a uma das questões do processo metodológico nos projectos desenvolvidos para a disciplina de Projecto III. ! Os projectos arquitectónicos, na sua concepção, têm em comum uma base metodológica praticada pelo arquitecto, que varia de arquitecto para arquitecto ou simplesmente por natureza, de projecto para projecto. A metodologia consiste num conjunto de regras ou princípios empregues na elaboração do projecto. ! Com frequência a metodologia é encarada como uma receita para fazer arquitectura mas, a verdade é que não há receitas, mas sim percursos que originam variadas soluções derivadas das experiências do arquitecto com tudo o que rodeia e do poder deste, para a canalização do conhecimento obtido na resolução dos problemas. ! A metodologia é, simplesmente, uma forma de regrar o conhecimento na resolução dos problemas/questões. A aplicação da geometria de Voronoi, numa certa fase do processo de concepção da ideia arquitectónica nos projectos da autora, é um reflexo disso mesmo. ! Assim, a dissertação desenvolve-se, baseada em três pontos cruciais: o diagrama de Voronoi, a metodologia e a arquitectura.

Diagrama de Voronoi

“... é de facto um tema que me apraz e satisfaz ver que você se entregou com satisfação, porque vê-se que a dissertação está feita com gosto e elegância.” Prof. Doutor Arqt. Mário Chaves _ Arguente

Nível 5

Nível 1

Corte A

20

“Este trabalho é paradigma do que pode acontecer numa sala de aula, e em muito o que é a universidade, que é precisamente a possibilidade de fazer perguntas fora dos padrões habituais. Confesso que quando foi abordado para acompanhar o desenvolvimento deste trabalho, duma geometria que eu nunca tinha ouvido o nome na altura, estranhei um bocadinho mas a verdade é que a coisa se entranhou e foi com alguma surpresa que os resultados iam surgindo, suportados numa lógica muito sequencial e consequentemente do meu ponto de vista, este foi um trabalho curioso e muito interessante de seguir e apoiar.” Arqt. Jorge Mealha _ Assistente de orientação

Corte B

“Caminhada muito longa feita através desta investigação para a aplicabilidade em arquitectura.” Prof. Doutor Arqt. Joaquim Braizinha _ Orientador

Corte C

21

22

Arquitectura

Metodologia

23


Projecto _ Edifício de Habitação Ano _ 5º ano (2008 | 2009) Localização _ Almada Docente _ Arqt. Jorge Mealha !

O edifício de habitação tem lugar no plano de revitalização de Almada Nascente, numa zona de maior construção derivada a ser plana e próxima da água. ! O conceito adjacente ao projecto é de dinamizar as células urbanas, demonstrando como um objecto arquitectónico pode influenciar uma estrutura urbana. ! O edifício embora seja essencialmente de habitação abrange outros usos como comércio e serviços que não se cinge ao nível da rua mas se distribui verticalmente, com o objectivo de evitar zonamentos. Assim, este consiste num “mix” de funções que forma um todo através da composição de módulos. A habitação a nível de tipologias é muito diversificada, abordando desde a habitação individual à de grandes famílias, assim como a ocupação temporária à permanente. ! Como elemento homogeneizador temos uma pele de painéis de bamboo que envolve todo o edifício, proporcionando uma constante mutação a nível das fachada e dinamizado todos os espaços (privados e comunitários).

Dissertação _ O diagrama de Voronoi na Arquitectura: a geometria de Voronoi enquanto processo metodológico Ano _ 2009 | 2010 Orientador _ Prof. Doutor Arqt. Joaquim Braizinha Assistente de Orientação _ Arqt. Jorge Mealha

Construção da geometria Nível 0

Considerações do Júri:

Nível 3

“... tema complexo (...) mostra que a multiplicidade elegante da matemática serve para muita coisa.” Prof. Doutor Arqt. Mário Chaves _ Arguente

!

Esta dissertação é o culminar de um percurso académico de cinco anos, de formação em arquitectura. Marcado por um crescimento intelectual, baseado em pesquisas,tanto em arquitectura como em outras áreas, como forma de encontrar as respostas às questões que surgiam em cada projecto. ! O diagrama de Voronoi, importado do campo das ciências naturais, físicas e sociais, consiste numa geometria gerada pela decomposição do espaço em regiões, de acordo com a distância entre pontos. Surge como resposta a uma das questões do processo metodológico nos projectos desenvolvidos para a disciplina de Projecto III. ! Os projectos arquitectónicos, na sua concepção, têm em comum uma base metodológica praticada pelo arquitecto, que varia de arquitecto para arquitecto ou simplesmente por natureza, de projecto para projecto. A metodologia consiste num conjunto de regras ou princípios empregues na elaboração do projecto. ! Com frequência a metodologia é encarada como uma receita para fazer arquitectura mas, a verdade é que não há receitas, mas sim percursos que originam variadas soluções derivadas das experiências do arquitecto com tudo o que rodeia e do poder deste, para a canalização do conhecimento obtido na resolução dos problemas. ! A metodologia é, simplesmente, uma forma de regrar o conhecimento na resolução dos problemas/questões. A aplicação da geometria de Voronoi, numa certa fase do processo de concepção da ideia arquitectónica nos projectos da autora, é um reflexo disso mesmo. ! Assim, a dissertação desenvolve-se, baseada em três pontos cruciais: o diagrama de Voronoi, a metodologia e a arquitectura.

Diagrama de Voronoi

“... é de facto um tema que me apraz e satisfaz ver que você se entregou com satisfação, porque vê-se que a dissertação está feita com gosto e elegância.” Prof. Doutor Arqt. Mário Chaves _ Arguente

Nível 5

Nível 1

Corte A

20

“Este trabalho é paradigma do que pode acontecer numa sala de aula, e em muito o que é a universidade, que é precisamente a possibilidade de fazer perguntas fora dos padrões habituais. Confesso que quando foi abordado para acompanhar o desenvolvimento deste trabalho, duma geometria que eu nunca tinha ouvido o nome na altura, estranhei um bocadinho mas a verdade é que a coisa se entranhou e foi com alguma surpresa que os resultados iam surgindo, suportados numa lógica muito sequencial e consequentemente do meu ponto de vista, este foi um trabalho curioso e muito interessante de seguir e apoiar.” Arqt. Jorge Mealha _ Assistente de orientação

Corte B

“Caminhada muito longa feita através desta investigação para a aplicabilidade em arquitectura.” Prof. Doutor Arqt. Joaquim Braizinha _ Orientador

Corte C

21

22

Arquitectura

Metodologia

23


Projecto _ Edifício de Habitação Ano _ 5º ano (2008 | 2009) Localização _ Almada Docente _ Arqt. Jorge Mealha !

O edifício de habitação tem lugar no plano de revitalização de Almada Nascente, numa zona de maior construção derivada a ser plana e próxima da água. ! O conceito adjacente ao projecto é de dinamizar as células urbanas, demonstrando como um objecto arquitectónico pode influenciar uma estrutura urbana. ! O edifício embora seja essencialmente de habitação abrange outros usos como comércio e serviços que não se cinge ao nível da rua mas se distribui verticalmente, com o objectivo de evitar zonamentos. Assim, este consiste num “mix” de funções que forma um todo através da composição de módulos. A habitação a nível de tipologias é muito diversificada, abordando desde a habitação individual à de grandes famílias, assim como a ocupação temporária à permanente. ! Como elemento homogeneizador temos uma pele de painéis de bamboo que envolve todo o edifício, proporcionando uma constante mutação a nível das fachada e dinamizado todos os espaços (privados e comunitários).

Dissertação _ O diagrama de Voronoi na Arquitectura: a geometria de Voronoi enquanto processo metodológico Ano _ 2009 | 2010 Orientador _ Prof. Doutor Arqt. Joaquim Braizinha Assistente de Orientação _ Arqt. Jorge Mealha

Construção da geometria Nível 0

Considerações do Júri:

Nível 3

“... tema complexo (...) mostra que a multiplicidade elegante da matemática serve para muita coisa.” Prof. Doutor Arqt. Mário Chaves _ Arguente

!

Esta dissertação é o culminar de um percurso académico de cinco anos, de formação em arquitectura. Marcado por um crescimento intelectual, baseado em pesquisas,tanto em arquitectura como em outras áreas, como forma de encontrar as respostas às questões que surgiam em cada projecto. ! O diagrama de Voronoi, importado do campo das ciências naturais, físicas e sociais, consiste numa geometria gerada pela decomposição do espaço em regiões, de acordo com a distância entre pontos. Surge como resposta a uma das questões do processo metodológico nos projectos desenvolvidos para a disciplina de Projecto III. ! Os projectos arquitectónicos, na sua concepção, têm em comum uma base metodológica praticada pelo arquitecto, que varia de arquitecto para arquitecto ou simplesmente por natureza, de projecto para projecto. A metodologia consiste num conjunto de regras ou princípios empregues na elaboração do projecto. ! Com frequência a metodologia é encarada como uma receita para fazer arquitectura mas, a verdade é que não há receitas, mas sim percursos que originam variadas soluções derivadas das experiências do arquitecto com tudo o que rodeia e do poder deste, para a canalização do conhecimento obtido na resolução dos problemas. ! A metodologia é, simplesmente, uma forma de regrar o conhecimento na resolução dos problemas/questões. A aplicação da geometria de Voronoi, numa certa fase do processo de concepção da ideia arquitectónica nos projectos da autora, é um reflexo disso mesmo. ! Assim, a dissertação desenvolve-se, baseada em três pontos cruciais: o diagrama de Voronoi, a metodologia e a arquitectura.

Diagrama de Voronoi

“... é de facto um tema que me apraz e satisfaz ver que você se entregou com satisfação, porque vê-se que a dissertação está feita com gosto e elegância.” Prof. Doutor Arqt. Mário Chaves _ Arguente

Nível 5

Nível 1

Corte A

20

“Este trabalho é paradigma do que pode acontecer numa sala de aula, e em muito o que é a universidade, que é precisamente a possibilidade de fazer perguntas fora dos padrões habituais. Confesso que quando foi abordado para acompanhar o desenvolvimento deste trabalho, duma geometria que eu nunca tinha ouvido o nome na altura, estranhei um bocadinho mas a verdade é que a coisa se entranhou e foi com alguma surpresa que os resultados iam surgindo, suportados numa lógica muito sequencial e consequentemente do meu ponto de vista, este foi um trabalho curioso e muito interessante de seguir e apoiar.” Arqt. Jorge Mealha _ Assistente de orientação

Corte B

“Caminhada muito longa feita através desta investigação para a aplicabilidade em arquitectura.” Prof. Doutor Arqt. Joaquim Braizinha _ Orientador

Corte C

21

22

Arquitectura

Metodologia

23


Projecto _ Edifício de Habitação Ano _ 5º ano (2008 | 2009) Localização _ Almada Docente _ Arqt. Jorge Mealha !

O edifício de habitação tem lugar no plano de revitalização de Almada Nascente, numa zona de maior construção derivada a ser plana e próxima da água. ! O conceito adjacente ao projecto é de dinamizar as células urbanas, demonstrando como um objecto arquitectónico pode influenciar uma estrutura urbana. ! O edifício embora seja essencialmente de habitação abrange outros usos como comércio e serviços que não se cinge ao nível da rua mas se distribui verticalmente, com o objectivo de evitar zonamentos. Assim, este consiste num “mix” de funções que forma um todo através da composição de módulos. A habitação a nível de tipologias é muito diversificada, abordando desde a habitação individual à de grandes famílias, assim como a ocupação temporária à permanente. ! Como elemento homogeneizador temos uma pele de painéis de bamboo que envolve todo o edifício, proporcionando uma constante mutação a nível das fachada e dinamizado todos os espaços (privados e comunitários).

Dissertação _ O diagrama de Voronoi na Arquitectura: a geometria de Voronoi enquanto processo metodológico Ano _ 2009 | 2010 Orientador _ Prof. Doutor Arqt. Joaquim Braizinha Assistente de Orientação _ Arqt. Jorge Mealha

Construção da geometria Nível 0

Considerações do Júri:

Nível 3

“... tema complexo (...) mostra que a multiplicidade elegante da matemática serve para muita coisa.” Prof. Doutor Arqt. Mário Chaves _ Arguente

!

Esta dissertação é o culminar de um percurso académico de cinco anos, de formação em arquitectura. Marcado por um crescimento intelectual, baseado em pesquisas,tanto em arquitectura como em outras áreas, como forma de encontrar as respostas às questões que surgiam em cada projecto. ! O diagrama de Voronoi, importado do campo das ciências naturais, físicas e sociais, consiste numa geometria gerada pela decomposição do espaço em regiões, de acordo com a distância entre pontos. Surge como resposta a uma das questões do processo metodológico nos projectos desenvolvidos para a disciplina de Projecto III. ! Os projectos arquitectónicos, na sua concepção, têm em comum uma base metodológica praticada pelo arquitecto, que varia de arquitecto para arquitecto ou simplesmente por natureza, de projecto para projecto. A metodologia consiste num conjunto de regras ou princípios empregues na elaboração do projecto. ! Com frequência a metodologia é encarada como uma receita para fazer arquitectura mas, a verdade é que não há receitas, mas sim percursos que originam variadas soluções derivadas das experiências do arquitecto com tudo o que rodeia e do poder deste, para a canalização do conhecimento obtido na resolução dos problemas. ! A metodologia é, simplesmente, uma forma de regrar o conhecimento na resolução dos problemas/questões. A aplicação da geometria de Voronoi, numa certa fase do processo de concepção da ideia arquitectónica nos projectos da autora, é um reflexo disso mesmo. ! Assim, a dissertação desenvolve-se, baseada em três pontos cruciais: o diagrama de Voronoi, a metodologia e a arquitectura.

Diagrama de Voronoi

“... é de facto um tema que me apraz e satisfaz ver que você se entregou com satisfação, porque vê-se que a dissertação está feita com gosto e elegância.” Prof. Doutor Arqt. Mário Chaves _ Arguente

Nível 5

Nível 1

Corte A

20

“Este trabalho é paradigma do que pode acontecer numa sala de aula, e em muito o que é a universidade, que é precisamente a possibilidade de fazer perguntas fora dos padrões habituais. Confesso que quando foi abordado para acompanhar o desenvolvimento deste trabalho, duma geometria que eu nunca tinha ouvido o nome na altura, estranhei um bocadinho mas a verdade é que a coisa se entranhou e foi com alguma surpresa que os resultados iam surgindo, suportados numa lógica muito sequencial e consequentemente do meu ponto de vista, este foi um trabalho curioso e muito interessante de seguir e apoiar.” Arqt. Jorge Mealha _ Assistente de orientação

Corte B

“Caminhada muito longa feita através desta investigação para a aplicabilidade em arquitectura.” Prof. Doutor Arqt. Joaquim Braizinha _ Orientador

Corte C

21

22

Arquitectura

Metodologia

23



Portfólio + cv