Page 3

3

Mesmo com a crise, metalúrgicos de Catalão garantem aumento de salário

Após quase cinco meses desde o lançamento da Campanha Salarial e mais de 20 rodadas de negociação, a proposta de acordo coletivo de trabalho da Mitsubishi foi aprovada pelos metalúrgicos na manhã do dia 15 de fevereiro. A luta do Sindicato dos Metalúrgicos de Catalão (SIMECAT) e dos trabalhadores garantiu reajuste salarial de 10,33%, que representa a reposição das perdas causadas pela inflação no período da data-base (1° de novembro de 2015). Já os salários acima de R$ 4 mil terão 5% de aumento. O vale card a partir do mês

de março terá o valor de R$ 330 (em abril, será excepcionalmente de R$ 400). O abono salarial será discutido e calculado posteriormente, conforme a quantidade de veículos produzidos. Um sistema de banco de horas também será implementado e entre os meses de março e maio não haverá produção nas segundas e sextas-feiras, sendo que a carga horária será estendida por uma hora nos dias trabalhados, no regime de meia hora antes e meia hora depois. O SIMECAT considera uma conquista positiva diante do cenário de recessão que o setor

automobilístico está enfrentando. Desde o começo das negociações, a montadora se recusou a propor qualquer tipo de aumento salarial, nem mesmo as perdas inflacionárias. Entretanto, com garra, persistência e união os metalúrgicos conseguiram fazer com que os representantes da montadora acatassem a reivindicação. “Enfrentamos muitas dificuldades, mas agora a vitória está na mão. Já estávamos achando que não íamos ganhar o aumento, mas graças a Deus, não nos intimidamos, lutamos e conseguimos”, enfatiza o presidente do SIMECAT Carlos Albino. A Campanha Salarial 2015/2016 também foi marcada pela participação de uma comissão de negociação, formada por trabalhadores ativos, e que ajudou a pensar nas estratégias

Negociação com a Mitsubishi

e formulação de propostas que atendessem as necessidades da categoria. “A ideia de criar a comissão foi para mostrar a realidade do chão de fábrica para os representantes da montadora e, ao mesmo tempo, mostrar para os trabalhadores as dificuldades que passamos na Campanha”, explica. “A comissão foi muito importante e contribuiu para conquistarmos este resultado. Assim como a ajuda dos companheiros de fora, de outros sindicatos, que tanto nos deram força, como São Paulo, Anápolis e Itumbiara”, lembra Albino. Com o slogan “Trabalhador unido, braço forte”, a Campanha Salarial foi lançada no dia 30 de setembro de 2015. O acordo fechado vale para as empresas MMC, BW&P, PRC e Suzuki.

Companheiros de outros sindicatos ajudaram o SIMECAT na Campanha Salarial

Metalúrgicos de Catalão apoiam protesto contra demissões em Anápolis

O Sindicato dos Metalúrgicos de Catalão (SIMECAT) participou no dia 25 de janeiro, em Anápolis, de manifesto em favor dos empregos na Caoa Hyundai. Cerca de 1.500 trabalhadores protestaram contra as demissões ocorridas na montadora. A mobilização aconteceu no Distrito Agroindustrial de

Anápolis (DAIA) e foi organizada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Anápolis (SindMetana), em parceria com a Federação dos Metalúrgicos de Goiás (FEM-GO). Os metalúrgicos se concentraram às cinco horas no DAIA, e, em seguida, percorreram 5km em caminhada até a montadora, local

onde aconteceu uma grandiosa assembleia. A paralisação durou mais de quatro horas. Além de lutarem pela manutenção dos empregos, os trabalhadores protestaram por melhorias no Distrito, pois o asfalto danificado tem ocasionado diversos acidentes com os trabalhadores que transitam pelo local. Eles também pediram por mais segurança na região. Após o período da estabilidade conquistada, que teve validade até 31 de dezembro, e ficarem em férias coletivas por 30 dias, os metalúrgicos foram surpreendidos com 35 desligamentos no dia 19 de janeiro. Segundo o SindMetana, em uma de suas últimas reuniões, a empresa sinalizou a demissão de mais 300 trabalhadores. De acordo com o presidente do SindMetana, Reginaldo Faria, o Sindicato não vai aceitar demissões sem que a empresa analise outras alternativas. “Nós exigimos um diálogo. Estamos

dispostos a conversar e pensar em alguma saída para evitar os desligamentos. O trabalhador não pode essa conta com o emprego dele”, afirma. O presidente do SIMECAT e da FEM-GO, Carlos Albino, ressaltou que a crise do setor automotivo tem eliminado milhares de postos de trabalho no País, mas decidir por demissão em primeira opção é injusto com os trabalhadores. “Alguma medida alternativa deve ser adotada antes, e é por isso que estamos lutando. A empresa precisa ter compromisso social com estes pais de família”, diz. “Se a Caoa não sentar para discutir a situação, toda semana iremos fazer uma mobilização”, garante Albino. A manifestação também contou com o apoio da Força Sindical Goiás, Sindicato dos Comerciários de Catalão (SindCom) e Sindicato dos Metalúrgicos de Itumbiara (Sitrame).

Jornal O Ferramenta - Janeiro 2016/1  

Publicação do Sindicato dos Metalúrgicos de Catalão/GO

Jornal O Ferramenta - Janeiro 2016/1  

Publicação do Sindicato dos Metalúrgicos de Catalão/GO

Advertisement