Page 1

5

Moysés Simantob Empresas, como obras humanas, estão sujeitas a uma regra elementar da natureza: sofrem desgaste com o passar do tempo. No meio natural, a perda da capacidade de reprodução da célula de DNA envelhece o organismo. No mundo dos negócios, a constante repetição de práticas usuais de gestão e produção leva a inexorável declínio das taxas de lucro e do valor de uma companhia. Por um lado, apenas aquelas com inovação em seu DNA conseguem sobreviver no longo prazo. Por outro, não basta ter inovação no sangue: é preciso adotar estratégias para direcionar o caos criativo das organizações. A definição de empresa inovadora abarca

Prêmio Mineiro da Qualidade 2005 Após a última reunião da banca de juízes realizada, no dia 31 de outubro, no Hotel Quality, foi anunciado o resultado da terceira edição do Prêmio Mineiro da Qualidade. Ao todo foram reconhecidas 10 organizações, sendo duas na Faixa Ouro, nível mais alto de reconhecimento, quatro na Faixa Prata e outras quatro na Faixa Bronze. De acordo com o presidente do Programa Mineiro da Qualidade e Produtividade, Aguinaldo Diniz Filho, o Prêmio está se constituindo em fator de melhoria da gestão das empresas. “Uma empresa que se propõe em participar do Prêmio está focada na busca pela melhoria da qualidade de seus serviços, de seus produtos e, fundamentalmente, de seus profissionais”, analisa. Para o Coordenador da Banca de Juízes, Carlos Alberto Teixeira, houve uma grande evolução da pontuação alcançada pelas vencedoras, revelando uma

melhoria evidente de gestão e de desempenho das organizações premiadas Ele acrescenta que o Prêmio é um processo evolutivo, e que as instituições estão absorvendo bem as técnicas de gestão. A banca de juízes foi formada por Romeu Scarioli, presidente do Banco de Desenvolvimento Econômico de Minas GeraisBDMG; Carlos Alberto Teixeira, diretor-geral das Faculdades Estácio de Sá e da revista Mercado Comum; Wilson Luiz Martins Leal, diretor regional Siemens do Brasil para Minas Gerais; José Salvador Silva, presidente do Hospital Mater Dei, Antônio José Polanczky, ex-presidente do PMQP e vice-presidente do conselho de administração da Belgo - Grupo Arcelor e Maurício Roscoe, presidente da União Brasileira para Qualidade/UBQ.

A solenidade de premiação será no Grande Teatro do Palácio das Artes, no dia 21 de novembro, às 20h30. 6

Organizações reconhecidas pelo Prêmio Mineiro da Qualidade 2005 Troféu Prêmio Mineiro da Qualidade • Cemig Distribuição S.A Faixa Ouro • Cemig Distribuição S.A • Strata Engenharia Ltda. Faixa Prata • Copasa – Distrito de Serviço de Frutal; • Hemocentro Regional de Governador Valadares • Hospital Monte Sinai • Mecan Indústria de Locação de Equipamentos Faixa Bronze • CDTN – Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear • Furnas Centrais Elétricas S.A, Departamento de Construção de Geração Corumbá • STD Containers Flexíveis Ltda • Toshiba do Brasil S.A.

PGQE já mostra resultados Conheça as vencedoras do Prêmio Mineiro da Qualidade 2005 Entrevista: José Maria de Macedo

P M Q P

Órgão Informativo do Programa Mineiro da Qualidade e Produtividade - PMQP - Nº 18 - set/out 2005

JMM: A Cemig mantém uma relação de parceria com os seus fornecedores, no intuito de melhorar, cada vez mais, a qualidade dos serviços prestados. Para garantir esta qualidade, tem uma especial atenção com o processo de seleção dos fornecedores e com a qualificação dos empregados destas empresas, inclusive, ministrando treinamentos para eles. Além disso, realiza inspeções constantes, para assegurar o cumprimento dos contratos e a qualidade dos materiais e serviços. Dependendo do tipo e importância do material adquirido, a Cemig faz um acompanhamento e monitoramento detalhado de todas as etapas da fabricação, nas instalações da empresa fornecedora, mesmo que esteja localizada fora do Brasil. QM: A Cemig desenvolve tecnologias. Como é a relação com os fornecedores de equipamento e como é o repasse disso? JMM: As novas tecnologias são desenvolvidas em parceria com outras empresas, centros de pesquisa e universidades. Em 2004, a Cemig investiu mais de R$ 13,6 milhões em projetos de pesquisa e desenvolvimento nas diversas áreas de atuação da Empresa. Internamente, temos equipes que prestam apoio na elaboração dos processos e ações de registro e acompanhamento dos pedidos de privilégio, registro e comercialização de patentes. O repasse das novas tecnologias é feito através de contratos com empresas parceiras, mediante a transferência de direitos para licenciamento e comercialização dos produtos sobre os quais a Cemig detém direitos. QM: Comparativamente a outras empresas do setor elétrico brasileiro, como a Cemig se coloca? JMM: Desde a sua fundação em 1952, a Cemig é referência no setor elétrico brasileiro, devido, principalmente, à qualificação de seu corpo técnico, freqüente inovação dos processos, utilização de tecnologia avançada e excelência nos resultados. Este destaque da Empresa vai além do setor elétrico nacional. Pela sexta vez consecutiva, a Cemig foi incluída no grupo de companhias listadas pelo Dow Jones Sustainability World Index – DJSI World. Neste ano, mais de 2.500 empresas de 34 países e 58 diferentes ramos de negócios participaram da seleção. No setor elétrico, apenas 8 empresas em todo o mundo foram incluídas. Entre elas a Cemig, a única da América Latina, eleita líder mundial em sustentabilidade em sua categoria. www.cemig.com.br

criadora é desperdiçada. A Embraer, - outro exemplo ‘aéreo’- adotou visão própria do mercado de aviação civil mundial, além de uma estratégia de inserção. Sabia que não conseguiria produzir aeronaves grandes, mas com o conjunto de suas competências (conexão com pólos de conhecimento do ITA, CTA, INPE, acesso a matérias-primas essenciais, custo de mão-de-obra competitivo, conhecimento do mercado de rotas curtas, flexibilidade produtiva) poderia bater fabricantes de máquinas de vôos regionais, como a Bombardier. À semelhança de todas as empresas muito inovadoras, a Embraer direciona a criatividade por meio de um fluxo, um pipeline de inovações robusto. Consegue desenvolver e lançar novos produtos em pouco tempo, porque estão de acordo com sua estratégia e, esta, de acordo com suas competências, numa cadeia contínua. O grande desafio da inovação está na harmonização entre expectativas, habilidades e ações. Para obtê-la, a organização deve abrir seu próprio DNA e, se preciso for, transformálo por meio da criação de novas competências, da correção de rumos, do abandono de recursos improdutivos que não reproduzam o valor do capital. Deve, depois, formular estratégias ancoradas na sua identidade. Deve fazê-lo em atenção ao chamado da mitológica esfinge, monstro épico destruidor da cidade de Tebas, apenas derrotado após a resolução de um enigma, aqui parafraseado: “decifra-se, ou serás devorada”. Autores Moysés Simantob e Flávio Esteves. msimantob@inovforum.org.br

QUALIDADE

divulgação

Qualidade Minas: A Cemig Distribuição S.A. foi reconhecida duas vezes pelo Prêmio Mineiro da Qualidade na Faixa Prata. Em 2005 foi reconhecida na Faixa Ouro e recebeu também o Troféu Prêmio Mineiro da Qualidade 2005, reconhecimento máximo. O que mudou? José Maria de Macedo: As participações no Prêmio Mineiro da Qualidade nos propiciaram a oportunidade de identificar algumas necessidades de melhoria em nossos processos de gestão. Procuramos aproveitar ao máximo as informações levantadas, tanto no momento de elaboração do relatório, como, posteriormente, na análise da avaliação realizada pela Banca de Avaliadores do Prêmio, para aprimorar algumas de nossas práticas. Foi um processo contínuo de aprendizado e aperfeiçoamento, que hoje se reflete, não só na conquista do Troféu PMQ 2005, mas também nos bons resultados que a Empresa vem obtendo. QM: O senhor acredita que Cemig é uma forte candidata para o Prêmio Nacional da Qualidade 2006? JMM: Há alguns anos a Cemig vem adotando os critérios de excelência do PNQ, por entender que se trata de um modelo que traz benefícios para a Empresa. Se optarmos por candidatar ao Prêmio Nacional, será com o objetivo de continuarmos aprimorando a nossa gestão, independentemente de sermos os ganhadores do prêmio. Seguramente, teremos mais uma oportunidade para verificar se nossas práticas estão compatíveis com aquelas utilizadas pelas melhores empresas do mundo. QM: A Cemig Distribuição S.A. cobre todo o Estado. Como vocês conseguem manter um padrão de qualidade em um ambiente heterogêneo, atendendo tanto à zona rural quanto a urbana? Como é feito esse trabalho? JMM: Todas as atividades da distribuição são padronizadas de acordo com a norma internacional NBR ISO 9001:2000, que representa, atualmente, a mais moderna ferramenta para administrar informações, processos e pessoas, visando a eficácia nos seus resultados. A certificação tem abrangência em todo o Estado de Minas Gerais, e a execução das atividades é auditada e avaliada periodicamente, o que possibilita o melhoramento contínuo dos processos. Este trabalho se reflete na qualidade dos serviços prestados aos consumidores. QM: Como a Cemig Distribuição mantém a qualidade junto à rede de fornecedores?

muitas idéias correntes: ambiente dinâmico, gestão profissional, time motivado e engajado, altos investimentos em P&D, cultura aberta à experiência, hierarquia flexível, altos padrões de qualidade, etc. Se essas são suas características, não definem, contudo, sua essência: esta reside na capacidade de se auto-conhecer. As empresas inovadoras, são, antes de tudo, grandes psicanalistas de si mesmas. Conhecer a fundo as competências e incapacidades da empresa, ou em outras palavras, o que sabe e não sabe fazer, é pré-requisito para a inovação sustentável. A GOL Linhas Aéreas, considerada empresa inovadora, definiu-se pelo que não faria: não voaria em rotas improdutivas apenas para tomar market share; não teria serviço de bordo ruim e caro; não montaria estrutura de atendimento custosa; não usaria aeronaves antigas de manutenção difícil; não prometeria mais do que poderia entregar por um ticket mais baixo. Este conjunto de negativas constitui o DNA da empresa, e ela o conhece muito bem. A propósito, disse o célebre Padre Vieira há mais de 300 anos: “para dizer quem és, declare o que fazes”. Se a empresa conhece a si mesma, seus limites e forças, já é candidata a empresa inovadora. Esse esforço de psicanálise empresarial, entretanto, não basta. É necessária visão própria, particular, do mercado em sentido amplo. Com base no entendimento de suas competências essenciais, a empresa inovadora vê o mercado de forma diferente da concorrência. Para isso, deve formular uma estratégia de inovação - um norte - para o qual todos olharão. Sem essa diretiva, a energia

Arquivo Inatel

A Cemig Distribuição S.A., subsidiária da Companhia Energética de Minas Gerais, reconhecida na Faixa Ouro e merecedora do Troféu Prêmio Mineiro da Qualidade 2005, tem muitos motivos para comemorar. Com uma gestão homogênea, a empresa é responsável pela comercialização e distribuição de energia elétrica para 96% do território mineiro, atendendo um total de 6 milhões de consumidores, equivalentes a 17 milhões de pessoas, em 774 municípios. A Cemig Distribuição tem 7.985 empregados e escritórios em 301 municípios. Em entrevista exclusiva ao Qualidade Minas, o Diretor de Distribuição e Comercialização da Cemig, José Maria de Macedo fala sobre a gestão pela qualidade, adotada pioneiramente pela empresa em Minas Gerais.

A empresa inovadora: fruto de uma reinvenção contínua

divulgação

José Maria de Macedo

Remetente: PMQP/IQM Av. Nossa Senhora do Carmo, 1.890 Sala 607 – Sion - CEP: 30320-000 Belo Horizonte - MG

Entrevista


COMITÊS

O Sebrae Minas lançou no dia 10 de novembro, durante o Seminário Empreendedorismo e Excelência Empresarial, o livro “10 Anos de Excelência”. A obra descreve a história de 37 empresas vencedoras do Prêmio Excelência Empresarial Sebrae Minas/Gerdau. O livro traz cases de sucesso das empresas vencedoras das dez edições do Prêmio de 1994 a 2004. Dentre as empresas que compõe o livro estão a Drogaria São Geraldo, reconhecida na Faixa Bronze, no Prêmio Mineiro da Qualidade 2003 e a STD Containers, reconhecida este ano, também na Faixa Bronze. De acordo com a coordenadora do livro e Gerente de Atendimento e Tecnologia Sebrae Minas, Mara Regina Veit, o livro relata a história dos empresários de empresas de pequeno porte que tiveram uma trajetória empreendedora e que conseguiram aumentar sua competitividade no mercado. Segundo ela, os estudos de caso reunidos na obra vão contribuir para melhorar o conhecimento nas universidades, escolas técnicas e a capacitação de empresários e empreendedores em instituições de ensino formal e empresarial, além de valorizar a importância das micro e pequenas empresas para o desenvolvimento econômico. O livro está disponível no site www.sebraemg.com.br.

Comitê de Empresas Juniores O Comitê está discutindo as ferramentas de coletas de dados para o Sistema de Medição do DesempenhoSMD. Os membros de cada empresa apresentam as práticas adotadas e discutem os pontos fortes e oportunidades de melhoria, aprimorando a gestão de cada uma delas. O SMD vai contribuir para a disponibilidade de informações comparativas e para a melhoria da gestão das empresas juniores. No mês de outubro, o Comitê participou do evento “Caleidoscópio do Conhecimento” promovido pela Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG.

Qualidade e Produtividade na Construção Civil

Comitê do Meio ambiente

Governo e prefeitura assinam termo de adesão ao Programa Mineiro de Qualidade e Produtividade no Habitat A par tir de dezembro, todas as prestadoras de serviço ligadas à área de obras públicas do Governo de Minas Gerais e da Prefeitura de Belo Horizonte deverão aderir ao Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat – PBQP-H. Em conseqüência das pressões sofridas nos últimos anos, devido às mudanças econômicas ocorridas em todo o mundo, o setor de construção civil teve que se adaptar as exigências do mercado competitivo. A adesão ao Programa busca incentivar as empresas mineiras a estabelecer um mercado com qualidade, produtividade, competitividade e modernização. “Para o setor da construção foi uma vitória. Será um novo marco para o setor, pois as empresas terão que desenvolver uma política de qualidade implicando em desenvolvimento tecnológico e possibilitando um mercado mais competitivo”, comenta o vice-presidente de materiais e tecnologia do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais – Sinduscon MG, Geraldo Jardim Linhares Júnior. Com a adesão ao PMQP-H, o setor público municipal e estadual passará a exigir a adesão e posteriormente à qualificação evolutiva das empresas participantes de licitações. Além de fortalecer o mercado, o programa, em Minas Gerais, deve contribuir para a padronização de sistemas e produtos. Outro objetivo da adesão do governo de Minas e da Prefeitura de Belo Horizonte ao acordo é a redução de custos das obras e otimização do uso de recursos públicos “Ao assinar o termo de adesão, o governo de Minas dá seu apoio à implantação de um programa setorial que implemente uma sistemática de avaliação da qualidade e quantificação do desempenho dos produtos e serviços envolvidos com a construção civil contratadas pelo Estado e pelo município”, comenta o Diretor-Presidente do IQM, Cid Rajão.

Foi concluído pelo grupo de trabalho do Comitê, a revisão inicial do Prêmio Mineiro da Gestão Ambiental - PMGA do PMQP. Essa metodologia de premiação foi avaliada pela Comissão Técnica do PMQP, recebendo a sua aprovação. A idéia do PMGA será lançada na entrega do Prêmio Mineiro da Qualidade 2005, aguardando a chancela do governo do Estado. De acordo com Ronaldo Simão, presidente do Comitê e coordenador do projeto, os Critérios de Gestão para o Bom Desempenho Ambiental do PMQP constituem um modelo de gestão que pode ser adotado por organizações de qualquer natureza. Eles têm como referência os Critérios da Fundação Nacional da Qualidade – FNQ, que são construídos sobre uma base de fundamentos essenciais para a obtenção da excelência do desempenho.

As empresas ligadas a construção civil interessadas em obter orientações sobre os procedimentos de qualificação do PBQP-H em Minas Gerais devem procurar a Secretária Executiva do programa pelo telefone (31) 3275-3429 ou pbqph@sinduscon-mg.org.br .

P M Q P Presidente do PMQP: Aguinaldo Diniz Filho Diretor-Presidente do IQM: Cid Tadeu Rajão Diretor Adm. Financeiro: Francisco de Paula Guimarães Coordenadora Adm. Financeiro: Maria Helena R.C. Martins Secretário Técnico do Prêmio: Ronaldo Ricardo Fernandes Associados Mantenedores: Acesita, Gerdau Açominas, Belgo - Grupo Arcelor, Belgo Bekaert Arames, Furnas Centrais Elétricas S/A, Instituto de Desenvolvimento Gerencial - INDG, Magnesita, Copasa, Hospital Mater Dei, Instituto Euvaldo Lodi - IEL, MBR, Samarco, Usiminas e Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG. Patrocinadores Premium: Furnas Centrais Elétricas S/A e Belgo Grupo Arcelor

QUALIDADE minas

Jornalista Responsável e editor: Sérgio Stockler (MTb 5.741 - MG) Redação: Raquel Nascimento e Shymenne Siqueira (estagiária) Projeto gráfico e diagramação: Pedro Miranda Tiragem: 5.000 exemplares / Periodicidade: bimestral Distribuição gratuita Av. Nossa Senhora do Carmo, nº 1.890 - Sala 607 - Sion Belo Horizonte / MG - CEP: 30320-000 Fone/Fax: (31) 3055-8095 (31)3055-8080 imprensa@pmqp.org.br - www.pmqp.org.br

Empresários descobrem vantagens do PGQE e melhoram competitividade do negócio O Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência – PGQE está se tornando uma estratégia determinante para a disseminação da gestão em empresas mineiras de todos os portes. Empresários, dirigentes e empregados dos mais variados ramos de atividade, em diferentes segmentos de mercado, vêm comprovando, na prática, a melhoria que a gestão traz para seus serviços e produtos. É o caso da Vitamed - Medicina do Trabalho. A empresa que presta serviço na área Medicina Ocupacional está a um ano aplicando o projeto e desenvolvendo melhorias na gestão. A empresa já colhe resultados positivos como o aumento efetivo de seu faturamento e ampliação da estrutura de sua sede em Vespasiano. Para Jaime Bensiman, um dos proprietários, a empresa tinha um grande leque de clientes, porém, a inadimplência era muito alta. Atualmente, a empresa tem uma carteira menor de clientes, mas o faturamento não foi afetado. O Projeto de Gestão pela Qualidade em Busca da Excelência- PGQE é um dos produtos do Programa Mineiro da Qualidade e Produtividade, disponibilizados para empresas públicas e privadas. Segundo João Gilberto Andrade, consultor credenciado pelo PMQP, o objetivo básico é transferir metodologia gerencial para implementação do modelo de gestão baseado nos critérios de excelência da Fundação Nacional da Qualidade – FNQ. Essa transferência de gestão, de acordo com Andrade, cria condições para o auto-desenvolvimento das organizações após o término do Projeto. Para ele, isso significa desenvolver competências nas empresas que aderem ao Projeto. O consultor explica que é necessário combinar a transferência de conhecimento – o que fazer – e de habilidades – como fazer –, com uma atitude favorável por parte da liderança da empresa. “Aliado a um ambiente propício à busca da excelência, que deve ser proporcionado pela liderança, esse Projeto tem produzido excelentes resultados, nas empresas que o adotam”, assegura Andrade.

Metodologia

O clipping imprenso do PMQP é uma cortesia da Idéia Fixa Clipping & Pesquisa

A implantação total do Projeto leva cerca 12 meses e pode se estender até um ano. Após esse período a empresa dá

Todas as matérias, artigos e entrevistas publicados neste jornal podem ser reproduzidos, desde que citada a fonte.

2

COMITÊS Para a Saumec, foram criados novos indicadores, sistemática para precificação dos produtos e um cronograma para fabricação de equipamentos seriados. “Isso tem assegurado o equilíbrio financeiro da empresa”, assegura seu proprietário, Rogério Lúcio dos Santos. De acordo com ele, a empresa está se posicionando de uma maneira mais profissional frente ao mercado. A diferença, segundo ele, é percebida em todas as áreas. Hoje todas as ações são detalhadas em planilhas, inclusive os investimentos, as previsões de realização e o nome do responsável por cada plano. Segundo a empresa, a equipe está mais atenta quanto à qualidade e está lançando novos produtos. “Pretendemos ampliar a linha de equipamentos para as indústrias de cosméticos, como por exemplo reatores, tampadoras, entre outros”, conta. Diante dos resultados já obtidos o empresário declara: “estamos recomendando o PGQE, principalmente para os nossos clientes, pois um grande número é composto por novas empresas, para que desde o início elas adotem boas práticas de gestão”.

Saumec Divulgação

Com o foco no empreendedorismo

Qualidade Minas - setembro/outubro de 2005

Simplicidade

Mais de 80 empresas já aderiram ao Projeto de Gestão pela Qualidade em Busca da Excelência

continuidade aos processos implementados anteriormente. No caso da Vitamed o Projeto já foi totalmente implantado e já está refletindo em seu crescimento: depois de ampliar a sede, a Vitamed tem agora um filial em Lagoa Santa. “Internamente, estamos muito mais organizados e criando padrões para facilitar novos projetos”, analisa o empresário. De acordo com Bensiman, o grande ganho foi a mudança de consciência de todos, diretores e funcionários. “Sabemos onde precisamos chegar e como chegar, e agora estamos caminhando para crescer”, anuncia. Outra empresa de Vespasiano, que também está na lista de empreendimentos de sucesso, a Saumec - Máquinas, Equipamentos e Material, há sete anos no mercado, procurou o PGQE em um

3

período em que a empresa estava submetida a uma crescente demanda de mercado. “Procuramos por uma metodologia de gestão, no momento em que percebemos a necessidade de crescer, sem perder o controle do negócio”, argumenta Rogério Lúcio dos Santos proprietário da Saumec. Segundo o consultor João Gilberto Andrade, é comum as empresas que querem se expandir entrarem em contato com o PGQE. “Essa busca se dá não apenas pelo aumento quantitativo da demanda, mas também pelo maior grau de exigência dos novos mercados. Com a adesão ao PGQE, a Saumec conseguiu visualizar melhor suas dificuldades e potencial, tendo desenvolvido um plano de ação estratégico”, avalia Andrade.

Para o presidente do Comitê da Qualidade em Vespasiano, Jânio Soares, ninguém discute mais a importância de se sistematizar o trabalho, definindo processos e indicadores, padronizando atividade e monitorando os resultados. Ele aponta como um dos fatores de sucesso do Projeto a linguagem objetiva e clara que estimula o desenvolvimento das empresas, capacitando os gestores a praticarem o que aprendem na teoria. “A linguagem simples do PGQE acaba por desmistificar conceitos e evidencia que é possível praticar qualidade em todas as organizações, independente do porte e segmento”, observa. Na opinião do coordenador do PGQE, Francisco de Paula Guimarães, o Programa busca incentivar o desenvolvimento e o aperfeiçoamento das empresas e em quatro meses as organizações já obtêm resultados positivos da implantação da gestão. A implantação total dura em média um ano. Mais informações sobre Projeto Gestão pela Qualidade em Busca da Excelência- PGQE, no site www.pmqp. org.br ou pelo telefone: (031) 3055.8060.

Comitê DA Saúde O Comitê promoveu, em outubro, o encontro de dirigentes de hospitais com o presidente do BDMG, Romeu Scariolli, para estudar uma linha de crédito para as instituições que vão participar do processo de acreditação hospitalar. O PMQP, a Associação de Hospitais de Minas Gerais e a UnimedBH, organizaram um treinamento para 120 dirigentes e funcionários. O Comitê está participando em parceria com a Unimed no processo de acreditação de hospitais da capital e irá se estender para o interior do Estado.

Comitê do Serviço Público O Comitê informa que já estão abertas as inscrições para candidatos a Examinadores do Prêmio Nacional da Gestão Pública 2006. Os Interessados devem se inscrever no curso à distância, pelo site www.pqsp.planejamento.gov.br. Os aprovados neste curso farão a etapa presencial, no início de 2006.

Prêmio Nacional da Qualidade No dia 28 de outubro foi divulgada a lista do Prêmio Nacional da Qualidade – PNQ 2005. O prêmio já conferiu a mais de 20 organizações o título de excelência na gestão. Nesta última edição, Serasa, Companhia Paulista de Força e Luz e Petroquímica União ganharam a categoria Grande Porte. Na categoria médio porte a Suzano Petroquímica foi reconhecida e a Albrás foi à única finalista do ciclo 2005. Com o reconhecimento, a Serasa se tornou a primeira e única empresa brasileira a ter conquistado pela terceira vez o PNQ, e também a única no mundo com três reconhecimentos dessa categoria a seu modelo de gestão. Com essa conquista, a Serasa reafirma sua condição de Empresa Classe Mundial

4

Jornal_QM_18  

PGQE já mostra resultados A solenidade de premiação será no Grande Teatro do Palácio das Artes, no dia 21 de novembro, às 20h30. Moysés Sima...