Page 5

NOVA SERRANA-MG | QUARTA-FEIRA, 13 DE JUNHO DE 2018 | ANO XIII | Nº 1474

5 MPE esclarece possível infração eleitoral em “adesivaço” do final de semana em Nova Serrana Após realização de um “adesivaço” em Nova Serrana, o que poderia ser caracterizado como infração eleitoral e pelas redes sociais a ação ter obtido uma ampla repercussão, o Ministério Público Eleitoral em Nova Serrana através do promotor de justiça Dr. Alderico de Carvalho Junior, se manifestou por meio de uma nota oficial. No documento encaminhado a esse Popular, o promotor afirma que a lei eleitoral permite propaganda após o período de 15 de agosto, e ainda que “a realização de “adesivaços”, promovidos por pré-candidato, com pedido de voto para si ou para membro do partido político ao qual está vinculado, em tese, configura infração à lei eleitoral mencionada”, estando os responsáveis sujeitos a multas eleitorais. O promotor ainda afirma que é seu dever a fiscalização de condutas que podem ser entendidas como irregulares, independente de posicionamento politico partidário de seus idealizadores.

Após a divulgação da nota encaminhada à imprensa por este Popular, e ampla repercussão nas redes sociais, nossa equipe de jornalismo fez novamente um contato com a promotoria de justiça que esclareceu outros questionamentos feitos pela população. Segundo o promotor eleitoral Dr. Alderico de Carvalho Junior, a promotoria não está promovendo uma investigação contra o pré-candidato Jair Bolsonar e sim se há irregularidades por uma propaganda extemporânea. “A questão não é investigar o précandidato Bolsonaro, não há indícios que ele soubesse dessa divulgação. O pré-candidato só responde caso seja constatado que ele pagou para se realizar a propaganda fora do período eleitoral e esse não parece ser o caso”. Ponderou o promotor. De acordo com o promotor as investigações são necessárias para que nenhum candidato tenha vantagem quanto a corrida eleitoral. “Imaginamos o período eleitoral como

Cartório Nova Serrana Endereço: Rua Vereador Jesus Martins, 45, sala 201, Centro, Nova Serrana, MG - 35519-000 Horário de atendimento: De segunda à sexta, das 09:00 às 17:00

EDITAL DE INTIMAÇÃO DE DEVEDOR FIDUCIANTE COMARCA DE NOVA SERRANA - EDITAL DE INTIMAÇÃO O/A Oficial do Cartório Nova Serrana, com base no parágrafo 4º, do art. 26, da Lei nº 9.514/1997, vem intimar o(a) devedor(a) fiduciante, KLEBER FREITAS DE QUEIROZ JUNIOR, CPF/CNPJ nº 12962016600, que está(ão) em lugar(es) ignorado(s), incerto(s) ou inacessível(eis), para se dirigir(em), preferencialmente, ao endereço do(a) credor(a) fiduciário(a) CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF, ou ao endereço do Cartório Nova Serrana, Rua Vereador Jesus Martins, 45, sala 201, Centro, Nova Serrana, MG - 35519-000, de segunda a sexta-feira, de 09:00 às 17:00 horas, e satisfazer, no prazo de quinze dias, contados a partir da última publicação deste edital, que será publicado em três dias consecutivos, o encargo no valor de R$ 1.701,40, em 16/05/2018, sujeito à atualização monetária, juros de mora e despesas de cobrança até a data do efetivo pagamento, somando-se também os encargos que vencerem no prazo desta intimação, relativo ao contrato nº 855553046137-7 e garantido por alienação(ões) fiduciária(s) registrada(s) na(s) matrícula(s) nº(s) 47941, do Livro 2 – Registro Geral, do Cartório Nova Serrana . Na hipótese de o pagamento ser efetuado diretamente ao credor, o recibo deverá ser apresentado ao Cartório Nova Serrana. Caso o pagamento não seja realizado diretamente a(o) credor(a), o pagamento perante a Serventia deverá ser por meio de cheque administrativo ou visado, com a cláusula “não à ordem”, nominal ao credor fiduciário ou a seu cessionário. O não cumprimento da referida obrigação, no prazo de 15 (quinze) dias, garante o direito de consolidação da propriedade do imóvel em favor do credor fiduciário CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF, nos termos do art. 26, §7º da Lei 9.514/1997. E, para que chegue ao conhecimento do(a) devedor(a), expediu-se este edital.

Nova Serrana, 07 de Junho de 2018

Marco Paulo Guimarães Amaral Oficial de Registro

Cartório Nova Serrana Endereço: Rua Vereador Jesus Martins, 45, sala 201, Centro, Nova Serrana, MG - 35519-000 Horário de atendimento: De segunda à sexta, das 09:00 às 17:00

EDITAL DE INTIMAÇÃO DE DEVEDOR FIDUCIANTE COMARCA DE NOVA SERRANA - EDITAL DE INTIMAÇÃO O/A Oficial do Cartório Nova Serrana, com base no parágrafo 4º, do art. 26, da Lei nº 9.514/1997, vem intimar o(a) devedor(a) fiduciante, GILVANDI CICERO DA SILVA, CPF/CNPJ nº 05588453638, que está(ão) em lugar(es) ignorado(s), incerto(s) ou inacessível(eis), para se dirigir(em), preferencialmente, ao endereço do(a) credor(a) fiduciário(a) CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF, ou ao endereço do Cartório Nova Serrana, Rua Vereador Jesus Martins, 45, sala 201, Centro, Nova Serrana, MG - 35519-000, de segunda a sexta-feira, de 09:00 às 17:00 horas, e satisfazer, no prazo de quinze dias, contados a partir da última publicação deste edital, que será publicado em três dias consecutivos, o encargo no valor de R$ 2.035,57, em 17/04/2018, sujeito à atualização monetária, juros de mora e despesas de cobrança até a data do efetivo pagamento, somando-se também os encargos que vencerem no prazo desta intimação, relativo ao contrato nº 844440106463-9 e garantido por alienação(ões) fiduciária(s) registrada(s) na(s) matrícula(s) nº(s) 37328, do Livro 2 – Registro Geral, do Cartório Nova Serrana . Na hipótese de o pagamento ser efetuado diretamente ao credor, o recibo deverá ser apresentado ao Cartório Nova Serrana. Caso o pagamento não seja realizado diretamente a(o) credor(a), o pagamento perante a Serventia deverá ser por meio de cheque administrativo ou visado, com a cláusula “não à ordem”, nominal ao credor fiduciário ou a seu cessionário. O não cumprimento da referida obrigação, no prazo de 15 (quinze) dias, garante o direito de consolidação da propriedade do imóvel em favor do credor fiduciário CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF, nos termos do art. 26, §7º da Lei 9.514/1997. E, para que chegue ao conhecimento do(a) devedor(a), expediu-se este edital.

Nova Serrana, 07 de Junho de 2018

Marco Paulo Guimarães Amaral Oficial de Registro

uma corrida de 100 metros, o árbitro da a largada com o disparo, só que nesse instante alguém já largou antes do sinal e esse leva vantagem, por isso que a propaganda eleitoral só é permitida a partir de 16 de agosto, para que todos iniciem a corrida eleitoral em condições iguais”, explicou o promotor. Dr Alderico também explicou que o fato de não ter se iniciado o período de propaganda eleitoral não quer dizer que as propostas e programas não possam ser apresentados. “Isso não quer dizer que antes de 16 de agosto eles (précandidatos) não possam divulgar suas ideias, participar de programas jornalísticos, ou os meios de imprensa divulgar suas análises. O que é vedado é esse tipo de campanha que é possível inferir o pedido de voto”, considerou o Dr. Alderico.

cessária por ser constatada relação partidária e eleitoreira, inclusive relacionada ao cidadão que se posicionou como organizador da ação, por ser ele um précandidato a deputado estadual. “O que parece é que um cidadão, que se chama Bruno Engler, que já foi candidato a vereador em Belo Horizonte, e temos informações que é précandidato a deputado estadual pelo partido de Bolsonaro e tem ligação com o “movimento Direita Minas” está fazendo essas caravanas no interior, fazendo essa propaganda fora de época. Então a investigação se centra, se for o caso, na figura de Bruno Engler, tem feito essas blitz no interior do estado e fazendo esses “adesivaços’, o que pode caracterizar como pedido de voto pois ele se apresenta como pré-candidato”, disse o promotor Dr. Alderico. Finalizando o promotor ainAÇÃO OCORRIDA da explicou que a análise está EM NOVA SERRANA sendo feita sobre a suspeita No caso da ação realizada em de uma possível promoção Nova Serrana, a promotoria pessoal, promovida por Bruentende que a apuração é ne- no Engler que se posicionou

Tô nem aí! Chegamos ao ponto em que precisamos definir o que é crise de verdade. No movimento dos caminhoneiros o povo enlouqueceu e não faltaram opiniões e palpites de toda ordem. Alguns se aliaram imediatamente ao clamor pela redução dos preços dos combustíveis, outros ampliaram suas insatisfações e pediam menos impostos sobre tudo o que produzimos. Muitos chegaram a pedir a renúncia do presidente e aqueles mais aloprados pediram a intervenção militar, como se isso fosse tão fácil, como chamar a polícia pelo 190. Depois de toda a “balhafalhofa” veio a ressaaca de tantos exercícios de sabedoria ditos e estimulados nas redes sociais. Mas nenhum me pareceu tão bom, quando a do meu sobrinho Thiago, que ao volante do carro na estrada de Belo Horizonte para Nova Serrana soltou palavras peroladas para o momento. Disse ele, que não enfrentamos crises econômicas ou políticas de qualquer espécie, porque os bares continuaram cheios, os postos de combustíveis estiveram repletos a ponto de esgotar seus estoques de gasolina e etanol com a glória de um feriado prolongado nunca visto no calendário nacional. Penso que ele está certo e vivemos realmente uma crise de consciência e moralidade. Caminhoneiros pararam as rodovias em protesto contra a alta dos combustíveis, mas o governo reduziu apenas os custos do óleo diesel e os pedágios, com benefícios apenas à categoria. A gasolina, por sua vez, teve novos aumentos imediatos em meio à crise. Os preços de alimentos e artigos de primeira necessidade, também receberam aumentos abusivos e tudo ficou bem mais caro do que antes da mobilização. Mesmo assim continuamos bebendo cerveja cara, comendo alimentos caros, vestindo roupas a preço de vestuário de

Léo Junqueira

como o responsável pela caravana, contudo a promotoria deixa claro que não existe ainda nenhuma conclusão se houve de fato uma propaganda fora de época, mas esse é o objeto de apuração. Após fi-

nalizados os levantamentos prévios em âmbito local, o promotor Alderico deverá levar o caso ao conhecimento do Procurador Regional Eleitoral, a quem compete adotar eventuais medidas judiciais.

griffe e a única coisa que baixou foi nossa autoestima. A pergunta que não quer calar: “Que crise é essa, que faz as pessoas pagarem mais caro pelo combustível se o protesto era exatamente contra os altos custos? Que crise é essa, que faz o cidadão reclamar a falta de dinheiro, mas para coisas supérfluas não falta?” Creio que temos uma crise verdadeiramente alojada na falta de consciência. Os noticiários apresentaram inúmeras reportagens e muitos internautas perderam horas do seu tempo publicando informações falsas para proteger suas razões hipócritas. Perdi a conta de quantas pessoas disseram sobre um tal general, que teria dito que as forças armadas estavam prontas para intervir. Ora, minha gente! É uma questão de bom senso sobre todos os aspectos. Que militar tentaria um “golpe” com as eleições democráticas para acontecer em 4 meses? Por que colocariam em risco a estabilidade democrática em tão curto espaço de tempo? Temos uma crise moral, temos uma crise quase existencial pelo que desejamos, mas não temos a maturidade essencial para uma simples atitude. Para finalizar, quero falar de um fato acontecido na França nos anos 70, quando a TV francesa exibia filmes de baixa qualidade e que faziam apologias ao sexo desenfreado e à violência gratuita em horários vespertinos. Numa mobilização popular decidiram por uma greve, um boicote às emissoras de TV. A população ficou vários dias sem assistir a programação e as emissoras começaram a perder as verbas e investimentos publicitários dos anunciantes. Consequentemente tiveram que rever suas grades de programação e a vitória popular se estabeleceu. Nosso país ainda caminha para esse tipo de entendimento, mas ainda estamos longe. Tinha gente dizendo (em tom de humor negro) que poderia faltar tudo, menos a sagrada cerveja. Ora, pelo amor de Deus! Já caminhamos bem em direção a muitas conquistas Hoje sabemos os nomes dos ministros do Supremo Tribunal Federal e poucos sabem a escalação da seleção brasileira. Sabemos da importância das próximas eleições para mudarmos realmente a política e os representantes que nada fazem para resolver as questões sociais. Por isso, “engatar um foda-se”, como muitos falam é, no mínimo, insano para o momento. É preciso olhar e entender os acontecimentos e não ficar esperando que os governos façam alguma coisa. É preciso mostrar o que “nós podemos fazer pelo país”, com atitudes certas para reinventar a política e conquistarmos o respeito como nação.

O popular 1474  
O popular 1474  
Advertisement